Autoria: Ademir Brescansin RESUMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Autoria: Ademir Brescansin RESUMO"

Transcrição

1 REGULAMENTAÇÃO AMBIENTAL E ESTRATÉGIA: UMA ANÁLISE DA ADOÇÃO À RESTRIÇÃO DO USO DE SUBSTÂNCIAS PERIGOSAS DA DIRETIVA EUROPEIA ROHS POR FABRICANTES DE COMPUTADORES PESSOAIS ESTABELECIDOS NO BRASIL RESUMO Autoria: Ademir Brescansin O crescimento da posse de produtos eletrônicos no mundo, principalmente computadores pessoais, tanto em países desenvolvidos quanto nos países emergentes bem como o aumento das taxas de obsolescência tem levado a um aumento significativo da quantidade de resíduos perigosos ao meio ambiente e ao ser humano. Por outro lado, legislações visando mitigar danos ambientais são cada vez mais presentes nos mercados consumidores mundiais, principalmente nos países desenvolvidos. No Brasil, apesar de não existir legislação similar à diretiva europeia RoHS, observa-se que algumas empresas do setor de equipamentos eletroeletrônicos têm incorporado os requisitos dessa diretiva em seus produtos. Diante desse cenário, o objetivo deste trabalho é analisar as evidências da incorporação dos requisitos da diretiva RoHS nos computadores pessoais fabricados pelas empresas estabelecidas no Brasil, para comercialização no mercado interno e para exportação aos mercados que exigem atendimento a RoHS. A pesquisa é do tipo exploratória, fundamentada em revisão bibliográfica e documental, utilizando principalmente os relatórios de sustentabilidade disponíveis das empresas fabricantes de computadores pessoais estabelecidas no Brasil e que são associadas à Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (ABINEE), entidade representativa do setor. Palavras-chave: RoHS; substâncias restritas; computadores ABSTRACT The growing ownership of electronic products, especially of personal computers, both in developed and emerging countries, added to the increasing rates of obsolescence of these products has led to a significant gorwth of the amount of hazardous waste posing threat to the environment worldwide Moreover, legislation in order to mitigate environmental damage are presently increasing in the global markets, particularly in developed countries. Although in Brazil there is no similar legislation to RoHS directive, it can be noticed that some companies of the electric and electronic equipment sector have incorporated the requirements of this directive in their products. Based on this scenario, the objective of this paper is to examine evidences of the adoptin of RoHS requirements on personal computers manufactured by companies established in Brazil for both sale in the domestic market and abroad. Due to lack of previous similar studies in Brazil, this research can be classified as an exploratory one. It was based primarely on literature and documental review taking as a major sources of information the sustainability reports of the computers manufacturers that are established in Brazil and are also members of Brazilian Electrical and Electronics Industry Association (ABINEE). Key words: RoHS; resctricted substances; computers 1/16

2 Introdução Com o crescimento da posse de produtos eletroeletrônicos no mundo, principalmente computadores pessoais, tanto em países desenvolvidos quanto nos países emergentes bem como o aumento das taxas de obsolescência tem levado a um aumento significativo da quantidade de resíduos com alto potencial de contaminação ambiental (YU et al., 2010). Por outro lado, legislações visando mitigar danos ambientais são cada vez mais presentes nos mercados consumidores mundiais, principalmente nos países desenvolvidos. Frente à preocupação, principalmente com relação ao aumento da quantidade de lixo eletroeletrônico, conhecido como e-waste, que poderia ser descartada de forma inadequada, a União Europeia (UE), em 27/01/2003, promulgou a diretiva 2002/95/EC que restringe o uso de determinadas substâncias perigosas em equipamentos eletroeletrônicos (EEE). Essa diretiva, denominada Diretiva RoHS (Restriction of Hazardous Substances), é um regulamento do Parlamento Europeu e do Conselho da União Europeia estabelecendo prazo até 13/08/2004 para que os países membros da Comunidade Europeia (CE) fizessem a transposição dos requisitos em seus países para entrada em vigor efetivamente em 01/07/2006. As substâncias restringidas pela RoHS provocam diversos malefícios ao meio ambiente e consequentemente aos seres humanos. Dentre os principais malefícios, conforme o The European Parliament and the Council of the European Union (2003), pode-se citar: o Chumbo (Pb) comumente encontrado em soldas de placas eletrônicas, tintas, pigmentos que possuem efeito cumulativo e toxicológico em plantas animais e micro-organismos afetando o sistema nervoso e cardiovascular, o Cadmio (Cd) encontrado em revestimentos, semicondutores, contatos elétricos que é biocumulativo, tóxico e resistente a decomposição tornando-se cancerígeno e causando desmineralização óssea, o Cromo Hexavalente (Cr+6) utilizado em revestimentos anticorrosivos e plásticos metalizados que é facilmente absorvido por organismos, altamente tóxico sendo genetóxico e alergênico, o Mercúrio (Hg) encontrado em lâmpadas fluorescentes, sensores e reles que é biocumulativo e causa problemas neurológicos e danos cerebrais e as Bromobifenilas (PBB e PBDE) usadas como retardantes de chama em plásticos, revestimentos e placas eletrônicas que são biocumulativos e resistentes a decomposição tendo efeito cancerígeno e neurotóxico. No Brasil, apesar de não existir legislação similar à diretiva RoHS, observa-se que algumas empresas do setor de equipamentos eletroeletrônicos têm incorporado os requisitos dessa diretiva em seus produtos. Assim, este artigo objetiva uma análise exploratória do estágio de incorporação dos requisitos da diretiva RoHS nos computadores pessoais (PC) fabricados por empresas estabelecidas no Brasil e associadas à Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (ABINEE), para comercialização tanto no mercado interno quanto para exportação aos mercados que exigem atendimento à RoHS, e está organizado da seguinte forma: revisão da literatura, abordando o mercado de computadores pessoais no Brasil, estratégias empresariais e questões ambientais e a legislação brasileira de compras públicas sustentáveis, metodologia, análise dos resultados e considerações finais, fornecendo informações que podem ser relevantes aos fabricantes de PC e outros equipamentos eletrônicos, bem como, auxiliar na formulação de políticas públicas com relação à restrição de substancias consideradas perigosas ao meio ambiente e aos seres humanos. 2/16

3 2 REFERENCIAL TEÓRICO Nos últimos anos diversos estudos têm tido como foco o e-waste ou lixo tecnológico ou ainda resíduo de equipamento eletroeletrônico como é comumente conhecido no Brasil, com destaque para o aumento desses resíduos na Europa (DALRYMPLE et al., 2007), da avaliação da eficiência de programas de reciclagem (NDZIBAH, 2009), da periculosidade e os problemas decorrentes do descarte inadequado (SARKIS; ZHU, 2008), dos desafios enfrentados no manejo (OTENG-ABOBIO, 2010), de suas inclusões em políticas de gestão de resíduos sólidos (ALHUMOUD; AL-KANDARI, 2008), do alcance das políticas nacionais ou regionais (BALKAU; SONNEMANN, 2010), e da implantação e gestão de sistemas de logística reversa (LAU; WANG, 2009). Mas ao que parece esta preocupação não é recente, conforme ressalta Jones (2000) que, as indústrias eletroeletrônicas japonesas, em 1998, iniciaram o banimento do chumbo das ligas de solda de forma voluntária. Com o crescimento da posse de produtos eletroeletrônicos no mundo, principalmente computadores pessoais, tanto em países desenvolvidos quanto nos países emergentes bem como o aumento das taxas de obsolescência tem levado a um aumento significativo da quantidade de resíduos com alto potencial de contaminação ambiental (YU et al., 2010). Por outro lado, legislações visando mitigar danos ambientais são cada vez mais presentes nos mercados consumidores mundiais, principalmente nos países desenvolvidos. Um exemplo é a diretiva europeia Restriction of Hazardous Substances (RoHS) que restringe, desde 1º de julho de 2006, o uso de certas substâncias perigosas tais como chumbo, mercúrio, cadmio, cromo hexavalente e dois retardantes de chama à base de bromo nos equipamentos eletroeletrônicos. Esta diretiva foi revista em junho de 2011, dando origem à RoHS 2, com vistas a contemplar novos produtos, principalmente do setor médico e industrial, bem como a previsão de inclusão de novas substâncias restritas a partir de No Brasil, apesar de não existir legislação similar à diretiva RoHS, observa-se que algumas empresas do setor de equipamentos eletroeletrônicos têm incorporado os requisitos dessa diretiva em seus produtos. Dentro desse setor, o segmento de computadores pessoais é um dos que mais tem crescido no Brasil e no mundo. Dados da Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica - ABINEE (2013) mostram que, de 2003 a 2010, o mercado teve um crescimento de 337% saltando de 3,2 milhões para 14 milhões de unidades produzidas no Brasil. O Brasil já é o quinto maior mercado consumidor de computadores pessoais no mundo, tendo esse mercado movimentado 4,5 bilhões de dólares em Em relação ao mercado mundial, conforme o site do International Data Corporation IDC (2013), entidade utilizada inclusive pela ABINEE como referência para os dados estatísticos de computadores, o mercado global de computadores pessoais e tablets será de aproximadamente 540 milhões de produtos em MERCADO DE COMPUTADORES PESSOAIS NO BRASIL O crescimento acentuado na produção de computadores no Brasil se deve principalmente às legislações de incentivo à inovação e produção, das quais, pode-se ressaltar a Lei nº /2005, chamada Lei do Bem, que incentiva a inovação e produção local de computadores, além de desonerar impostos sobre a cadeia produtiva. O resultado da aplicação 3/16

4 desta lei foi a redução drástica dos preços ao consumidor, o aumento da demanda e da produção e a redução substancial do mercado cinza, também conhecido com o mercado não oficial. (ABINEE, 2012). Hoje, 73% do mercado interno está sob o domínio de fabricantes de produtos regulares ou oficiais, sendo que até 2005, os produtos regulares representavam apenas um terço do mercado. A aprovação da Lei nº /2004, chamada Lei de Informática, permitiu a redução do IPI para as empresas fabricantes de produtos de informática que investissem em projetos, programas e atividades de Pesquisa & Desenvolvimento (P&D) e atendessem o chamado Processo Produtivo Básico (PPB). O fato do setor de informática ser obrigado a oferecer em contrapartida a aplicação de parcela de seu faturamento em P&D, assegura o desenvolvimento tecnológico e ambiental dos produtos que são comercializados no Brasil. Vários avanços já foram obtidos em relação aos materiais empregados, à eficiência no consumo de energia dos aparelhos e, mais recentemente, no descarte desses materiais. (ABINEE, 2012). Dados da ABINEE (2013) sistematizados na Tabela 1 mostram o crescimento do mercado de computadores pessoais no Brasil desde Tabela 1 Mercado de computadores pessoais no Brasil Vendas Mercado Total de PC Desktops Notebooks Mercado Oficial de PC Desktops Notebooks Mercado Não Oficial de PC Desktops Notebooks Mercado Total de Tablets n.d 1. n.d. n.d. n.d. n.d Fonte: Adaptado de ABINEE (2013). Valores em mil unidades. Pela análise da Tabela 1 percebe-se que o mercado de tablets foi o que mais cresceu, apresentado um crescimento de 2631% nos anos de 2010 a Este produto é considerado computador segundo sua classificação NCM Nomenclatura Comum do Mercosul utilizada pelo Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai desde 1995 para classificação de mercadorias entre os países membros (MDIC, 2013). Também percebe-se o crescimento acentuado do mercado de notebooks e uma estagnação no mercado de desktops, com valores de 3124% e 10% respectivamente, entre os anos de 2005 a n.d. = não disponível 4/16

5 Em relação ao mercado mundial de computadores, dados do International Data Corporation IDC (2013), entidade utilizada como referência para os dados estatísticos de computadores, o mercado global de computadores pessoais e tablets será de aproximadamente 540 milhões de produtos, conforme a Figura Previsão Mundial - Mercado de PC e Tablet (em milhões de unidades) Tablets 200 PC Portáteis PC Total (Portáteis + Desktop) 2010 (real) 2011 (real) 2012 (real) 2013 (previsão) 2014 (previsão) 2015 (previsão) 2016 (previsão) 2017 (previsão) Figura 1 - Mercado global de computadores pessoais e tablets Fonte: Adaptado de International Data Corporation - IDC, (2013). Observa-se na Figura 1, que o mercado global de tablets teve um aumento significativo nos últimos anos, da mesma forma como tem acontecido no Brasil, enquanto que o mercado de notebooks, diferentemente do Brasil, manteve-se estagnado levando o mercado total, de notebooks e desktops a uma sensível queda. A adoção dos requisitos da RoHS, embora sem legislação similar no Brasil, poderá interferir de forma positiva ou negativa na competitividade dos fabricantes de computadores locais, uma vez que o decreto 7.746/2012 regulamenta as compras públicas sustentáveis que têm que se ajustar as demandas previstas nos editais de licitação, a conformidade com a RoHS é tida como desejável na aquisição de computadores. As compras públicas, segundo Biberman et al (2008), movimentam recursos estimados em 10% do PIB do país e mobilizam setores importantes da economia. Segundo Ansanelli (2008), o complexo eletroeletrônico no Brasil tem sido afetado pelas legislações ambientais internacionais, o que tem levado a maior parte das empresas brasileiras a se adequarem aos requisitos da RoHS. Por um lado, isso tem sido benéfico, pois tem gerado inovações tecnológicas incrementais de processo nas indústrias de EEE. Neste contexto, as empresas de capital estrangeiro podem estar mais avançadas do que as nacionais 5/16

6 em função do apoio que recebem de suas matrizes, mas este assunto ainda demanda averiguação. A referida autora também salienta que o Brasil não é um grande exportador de EEE em função das fragilidades que apresenta em segmentos importantes desta indústria e também devido à forte participação de empresas estrangeiras no mercado produtivo nacional. 2.2 ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS E QUESTÕES AMBIENTAIS Regulamentações ambientais constituem um dos mais efetivos mecanismos que permitem às empresas internalizarem os efeitos de sua atividade produtiva no meio ambiente, mas também requerem a adaptação de processos que impactam em custos, competitividade e ganhos futuros (LÓPEZ-GAMERO, MOLINA-AZORÍN e CLAVER-CORTÉS, 2010). Assim, a decisão dos fabricantes de computadores pessoais em incorporar a RoHS em seus produtos, principalmente no caso dos grandes players globais, relaciona-se diretamente com as estratégias dessas empresas, uma vez que sua atratividade e posição competitiva se modificam (PORTER, 1989), portanto, a predição sobre o comportamento dos competidores é incerta (BARNEY e HESTERTLY, 2011), afetando seu desempenho imediato e futuro e impactando a geração e sustentação de vantagens competitivas. Essa adoção pode se dar de duas formas: coercitiva, ao responder a regulamentações locais ou internacionais, ou proativa, antecipando a legislação local ou incorporando legislações não locais às suas unidades fabris, globalmente. Bilgin (2009) sugere ainda que a adoção de estratégias como pense globalmente, aja localmente por parte das empresas, promove a percepção de comprometimento local gerando o aumento da vantagem competitiva das empresas. No âmbito da competitividade, cabe ainda uma análise mais ampla do impacto das regulamentações ambientais nos níveis macro, meso e micro, caracterizando sua influência nacional e internacional (macro), setorial (meso) e da unidade de negócios (micro), com diferentes níveis de mensuração e indicadores. (IRALDO et al., 2011) Partindo de três abordagens teóricas distintas: neoclássica, hipótese de Porte e Van der Linde (1995) e baseada em recursos, Iraldo et al. (2011) analisaram os impactos das regulamentações ambientais em cada um dos níveis de atuação de uma empresa (macro, meso e micro) e categorizaram as formas de mensuração entre desempenho como prosperidade e padrão de vida no nível macro, comércio internacional e desempenho financeiro no nível meso, e desempenho mercadológico e eficiência no nível micro. Além disso, também identificaram drivers como formas de mensuração, a saber: produtividade no nível macro, investimento no nível meso e inovação no nível micro. Delmas, Hoffmann e Kuss (2011) ao analisarem 157 empresas alemãs do setor químico que foram impactadas pela regulamentação da Comunidade Europeia EC1907/2006 que trata de registro, avaliação, autorização e restrição de substâncias químicas, identificaram que a pró-atividade ambiental e vantagem competitiva são atribuíveis à mesma capacidade organizacional atribuída à capacidade de absorção, indicando ainda o papel essencial dos fundamentos organizacionais no sucesso da pró-atividade ambiental. 6/16

7 2.3 LEGISLAÇÃO BRASILEIRA DE COMPRAS PÚBLICAS SUSTENTÁVEIS A relevância do tema compras públicas sustentáveis evidencia-se com a publicação do Guia de compras públicas sustentáveis: Uso do poder de compra do governo para a promoção do desenvolvimento sustentável publicado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) (BIDERMAN et al., 2008) e do Guia de Compras Públicas Sustentáveis para Administração Federal, disponibilizado no sítio do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG, 2013). Ambas as publicações abordam questões relacionadas às preocupações ambientais, ressaltando o aumento excessivo do consumo dos recursos naturais, o que tem intensificado os problemas ambientais nas escalas locais, regionais e globais, como, por exemplo, o aquecimento global e mudanças climáticas, chuva ácida, acúmulo de substâncias perigosas no ambiente, degradação das florestas, perda da biodiversidade, poluição e a escassez de água, entre outros (MPOG, 2013; BIDERMAN et al., 2008). A preocupação com o acúmulo das substâncias perigosas, citado por ambas as referências, relacionam-se diretamente ao escopo deste artigo, ou seja, a restrição das substâncias perigosas da diretiva RoHS. Os números referentes ao PIB brasileiro, bem como a importância do papel do governo fomentando a economia verde, com regras claras, vem assegurando a competitividade da indústria, principalmente nacional e as novas oportunidades de negócio, ou seja, inovando com produtos ambientalmente corretos ou verdes causando menor impacto ambiental. O Quadro 1 apresenta alguns impactos ambientais ao longo do ciclo de vida dos equipamentos de informática que devem ser observados nos critérios de compra governamentais. Produto Matéria Prima Processo Produtivo Utilização Reutilização / Reciclagem / Disposição Equipamentos de informática Plástico, metais, solventes, adesivos, etc. Impactos ambientais: uso de recursos naturais não renováveis (óleo na forma de plástico e metais pesados preciosos). Emissões de COV s, amônia, súlfur hexafluoride, que contribuem para o aquecimento global. Metais pesados e preciosos são utilizados na confecção de chips eletrônicos; estes podem ser tóxicos para os humanos, animais e persistentes no meio ambiente. Uso de solventes e substâncias tóxicas contribuem para as emissões tóxicas atmosféricas (COV s, CFC s, ODS s), além de produzir efluentes e resíduos tóxicos com solventes orgânicos, metais pesados, dentre outros 7/16 Monitores CRT ou LCD produzem radiação eletromagnética não-ionizante; existem publicações relatando riscos a saúde e a segurança, no uso destes equipamentos Embalagens e papeis são usados em demasia; plásticos não são biodegradáveis. Diversos componentes são perigosos para o meio ambiente, como: componentes elétricos (metais pesados), tubo de raios catódicos (chumbo, arsênio, mercúrio, cádmio, cloro, retardantes de chama e bifenila policlorada PCB s). Portanto a disposição inadequada pode contaminar as águas subterrâneas e as superficiais, bem como o solo Quadro 1 Síntese das matérias-primas, processo produtivo, uso, reutilização, reciclagem e disposição de equipamentos de informática.

8 Fonte: adaptado do Guia de compras públicas sustentáveis para administração federal (MPOG, 2013). Na análise do quadro 1, observa-se que mesmo não existindo uma legislação similar a RoHS no Brasil, algumas substancias restringidas pela diretiva RoHS são requisitos para a participação das empresas nas licitações governamentais. 3 METODOLOGIA Este trabalho caracteriza-se por se tratar de uma pesquisa qualitativa, de caráter exploratório, envolvendo revisão da literatura e pesquisa documental. Seguindo o preconizado por Fink (1998), a revisão da literatura foi desenvolvida de forma sistemática para identificação, avaliação e interpretação do corpus teórico produzido por pesquisadores, acadêmicos e profissionais de mercado, a partir de palavras-chave pré-definidas e utilizando bases de dados eletrônicas, leis e regulamentações além de teses e dissertações. Para a pesquisa documental buscou-se a análise das informações constantes nos relatórios de sustentabilidade, disponíveis, das empresas fabricantes de computadores pessoais estabelecidas no Brasil e associadas à ABINEE, entidade representativa do setor, quais sejam: Itautec, Lenovo, Hewlett-Packard (HP), Dell, Sony, Samsung, LG e Positivo, para identificação da existência de referências à RoHS e sua contextualização. (BABBIE, 2004) 4 ANÁLISE DOS RESULTADOS Nesta seção são apresentados os resultados encontrados a partir da pesquisa documental realizada nos relatórios de sustentabilidade das empresas em relação à RoHS. Itautec A Itautec adota processos de manufatura com preocupações ambientais desde 2001, razão pela qual eliminou o chumbo em seu processo fabril, bem como a produção de seus desktops, notebooks, netbooks e servidores em linha em conformidade com a RoHS desde Em março de 2012 certificou as linhas de desktops, notebooks e monitores adquiridos pela Companhia por organismo independente com base na diretiva. Para o alinhamento da sua produção à RoHS foram investidos em torno de R$ 3 milhões, na adequação de linhas de produção, e na adoção de uma nova liga de solda que substituiu o chumbo por uma liga composta de estanho, cobre e prata. A adoção de novos processos foi ampliada à cadeia de fornecedores, fazendo com que diversas empresas adequassem seus insumos à diretiva RoHS. As mudanças nos insumos e nos processos acarretaram um acréscimo de 2% nos custos de produção dos equipamentos, o qual não foi repassado ao preço final para os clientes, por razões estratégicas (ITAUTEC, 2011). Lenovo 8/16

9 Além de atender os requisitos da diretiva RoHS na fabricação dos seus produtos, a Lenovo também se adequou às legislações similares a esta diretiva existentes no Japão, República Popular da China, Coreia do Sul, Turquia, Ucrânia e Índia e, também, na Califórnia. Em 2011 a Lenovo se tornou a primeira fabricante de computadores a obter a certificação de produtos ambientalmente sustentáveis pela UL (Underwriters Laboratories) dos Estados Unidos. Como parte desta certificação, os produtos passam por testes rigorosos na UL, incluindo projeto para reciclagem e uso de materiais. A empresa apresenta em seu site na seção de fornecedores globais, um guia com especificações e restrições de uso de substâncias perigosas. (LENOVO, 2013). Hewlett-Packard (HP) A HP foi a primeira empresa de eletrônicos a publicar em 2003 um Código de Conduta da Indústria Eletrônica de Responsabilidade Social e Ambiental de Fornecedores. Em 2004, ela coliderou o desenvolvimento do Código de Conduta da Indústria Eletrônica (EICC), tido como padrão aplicado na cadeia de fornecimento global da indústria. Esta empresa adota voluntariamente os requisitos da RoHS em seus produtos em nível global desde A HP tem como meta se adequar voluntariamente aos requisitos da RoHS 2, num período de 6 meses antes da data limite estabelecida pela União Europeia, ou seja a partir de De acordo com sua norma interna a HP Standard 011 General Specification for the Environment, a empresa considera que a RoHS desempenha um papel importante na promoção de toda a indústria no sentido de restringir substâncias perigosas em nível mundial. Também entende que deve haver uma harmonização global destas restrições e apoia plenamente a restrição das novas substâncias propostas na revisão da diretiva RoHS e que novas substâncias devem ser incluídas futuramente na diretiva RoHS, como, por exemplo, o PVC Policloreto de Vinila, e outros retardantes de chama a base de bromo, de modo a contribuir para eliminação do cloro e bromo nos produtos eletroeletrônicos (HP, 2009). Dell A Dell declara ser uma empresa comprometida com o princípio da precaução e observa uma lista de materiais restritos para o uso que é incorporada a todas as especificações de engenharia e acordos com fornecedores. Esta empresa exige que todos os seus fornecedores assinem uma declaração de conformidade garantindo que todos os materiais atendem sua política ambiental. Esses fornecedores são auditados trimestralmente incluindo uma revisão completa de sua adesão às diretrizes de uso de materiais. Além de adotar os requisitos da RoHS em nível global, ela entende que esta regulamentação deve ser adotada por todos os países com forma de restrição de uso de substâncias perigosas. A Dell também apoia a inclusão de retardantes de chama a base de bromo e PVC nas futuras revisões da diretiva RoHS. 9/16

10 Antecipando-se à revisão da RoHS, a Dell efetuou até 2010 a eliminação das novas substâncias dos seu produtos incluídas na revisão da RoHS, que entra em vigor a partir de 2014, quais sejam: hexabromocyclododecane (HBCDD), bis (2-ethylhexyl) phthalate (DEHP), butyl benzyl phthalate (BBP) e dibutylphthalate (DBP). (DELL, 2012). Sony A Sony informa que adota os requisitos da diretiva RoHS em centenas de peças e materiais com as mais variadas substâncias químicas que compõem os sues produtos. Para a consecução deste propósito, a empresa criou seu próprio procedimento, intitulado SS Regulamento para gestão ambiental relacionado a substâncias controladas que são incluídas em peças e materiais, aplicável a toda a cadeia de fornecimento. Uma preocupação particular é com relação ao descarte de seus produtos em função da possibilidade de obtenção de materiais valiosos. Soma-se a esta a substituição do PVC em todas as partes que compõem peças, componentes e acessórios que são descartados após o uso. Com relação às pilhas botão que requerem uma pequena quantidade de mercúrio para evitar a geração de hidrogênio no interior da bateria, a empresa conseguiu desenvolver uma pilha botão livre de mercúrio e iniciou sua venda mundial em 2010 (SONY, 2012). Samsung Em 2004, a Samsung iniciou o "Processo de Avaliação de Eco Design", que avalia os produtos em 40 categorias, incluindo a eficiência de recursos, conservação de energia e materiais ambientalmente corretos em conformidade com normas ambientais globais como a RoHS, WEEE (Waste on Electric and Electronic Equipment) e consumo de energia, visando atender o anseio de seus consumidores por produtos eco-friendly. No final de 2008, a Samsung conquistou seis certificações ambientais: Coréia (EDP), China, EUA (EPEAT), Alemanha (Blue Angel), Suécia (TCO) e da UE (Eco-Power), incluindo impressoras, computadores, monitores, TVs, DVDs, geladeiras e máquinas de lavar, sendo o maior número de certificações conquistadas por uma única empresa de equipamentos eletroeletrônicos no mundo. A empresa declara que vai além das exigências legais para a eliminação de produtos químicos de potencial preocupação para a saúde humana ou para o ambiente e que adotou as restrição impostas pela diretiva RoHS em seus produtos. A garantia da conformidade com as exigências da RoHS faz parte do processo de certificação Eco Parceiro que inclui declaração, auditorias e testes internos. A adoção da RoHS se deu em função da exigência dos clientes, preocupação dos stakeholders, pressões de ONGs ambientalistas e organizações de consumidores, evidência de dano ao meio ambiente ou à saúde humana e, também, em função das novas propostas de legislação referente a produtos químicos de alto risco (SANSUNG, 2012). LG 10/16

11 A LG possui uma estratégia de produtos verdes objetivando reduzir o impacto ambiental sobre o planeta e as pessoas por meio do desenvolvimento ecologicamente correto de seus produtos em toda a cadeia produtiva. O desenvolvimento de seus produtos se dá via aplicação de eco design tendo em perspectiva substituir as substâncias perigosas, aumentar a eficiência energética e utilizar menos recursos nos processos produtivos. Além de atender as regulamentações internacionais sobre substâncias perigosas, a empresa está em processo de substituição voluntária de substâncias perigosas como o PVC e retardantes de chama a base de bromo em seus produtos desde Em 2005, a LG declarou sua intenção de não produzir produtos que contenham qualquer uma das seis substâncias perigosas restringidas pela diretiva RoHS e outras que considera danosas ao meio ambiente e aos seres humanos, tais como: cloro, amianto, compostos orgânicos de estanho, formaldeído, níquel, arsênico, compostos azo e outras substâncias que podem destruir a camada de ozônio, como Perfluorooctane Sulfonate, Pentachlorophenol and Ugilec 121, 141, DBBT, ftalatos, berílio, antimônio, selênio, VOC (LG, 2012). Positivo A Positivo não possui até o momento um relatório de sustentabilidade, mas informa que o primeiro documento do gênero deverá ser publicado em No seu site a única informação sobre questões ambientais dá conta de que desde 2012 a empresa iniciou a implantação de sistema de gestão ambiental baseado na ISO Através de informações obtidas por meio de contato com seus representantes, apuramos que a incorporação dos requisitos da RoHS em seus produtos não se deu em função de exigências para exportação, mas para a participação nos pregões eletrônicos das compras públicas sustentáveis que impõe limites restritivos ao uso de substâncias perigosas nos produtos adquiridos pelo governo. 11/16

12 Um resumo dos resultados encontrados durante a pesquisa documental encontra-se no Quadro 2. Empresa (Capital) Itautec (Nacional) Lenovo (Estrangeiro) HP (Estrangeiro) Dell (Estrangeiro) Sony (Estrangeiro) Samsung (Estrangeiro) LG (Estrangeiro) Positivo (Nacional) RoHS desde Fornecedores % Prod. Estratégia % atende RoHS 100% Preocupação ambiental nos mercados de atuação N.I. 2 Incentiva com guia de especificações de substancias perigosas % atende RoHS Norma interna N.I. N.I. N.I. 100% atende RoHS Assinatura de conformidade e auditoria trimestral 100% atende RoHS Procedimento próprio 100% atende RoHS Certificado Eco Parceiro 100% Prioridade da companhia 100% Prioridade da companhia 100% Prioridade da companhia 100% Prioridade da companhia 100% Prioridade da companhia % atende RoHS 100% Prioridade da companhia N.I. Sem informação < 100% Atendimento compras públicas sustentáveis Quadro 2 Quadro síntese da avaliação dos relatórios de sustentabilidade das empresas Fonte: elaborado pelos autores Outras informações relevantes Invest. 3milhões Certificação de 3ª parte Acréscimo 2% nos custos não repassados aos clientes 1ª com certificação sustentável de produtos pela UL em ª publicar código de conduta de RSA na indústria eletrônica Atender RoHS 2 em 6 meses antes do limite Harmonização da RoHS no mundo Apoia restrição de outras substancias além da RoHS Harmonização da RoHS no mundo Em 2010, 100% produtos atendiam a RoHS 2 Substituição do PVC em todos produtos Pilha botão sem mercúrio Avaliação de ecodesign nos produtos eco friendly Eco label Utilização de ecodesign Não tem relatório de sustentabilidade Contato com representante da empresa O quadro 2 apresenta a estratégia de adoção da RoHS, pelas empresas avaliadas, bem como suas atuações junto às cadeia de fornecimento, bem como ações adicionais ao atendimento da diretiva RoHS. 2 N.I. = Não Informado 12/16

13 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS As empresas de capital estrangeiro, por estarem inseridas no ambiente competitivo global, mostram adotar a RoHS inicialmente para atendimento à legislação vigente do país de comercialização e expandiram para 100% de seus produtos em todos os mercados de atuação, levando esta diretriz também para seus fornecedores e parceiros comerciais. Também aproveitando a temática de conscientização dos consumidores, pressões de Organizações Não Governamentais e em meio às legislações incipientes nos mercados emergentes, adotaram-na como premissa em suas estratégias empresariais. As empresas nacionais Itautec e Positivo adotaram outras estratégias: enquanto a Itautec incorporou os requisitos da RoHS para 100% de seus produtos independentemente do mercado de atuação, a Positivo, motivada pelas compras públicas governamentais que passaram a exigir requisitos da RoHS nos produtos licitados, também passou a produzir computadores em conformidade com as exigências da diretiva. Deve ser salientado o papel importante do governo como grande comprador e, uma vez forçando requisitos sustentáveis em suas compras, poderá incentivar a inovação dos produtos, estimular a competitividade na indústria, garantindo a demanda e retorno às empresas e ainda criar produtos mais ambientalmente corretos para toda a sociedade. Tais constatações evidenciam o que foi proposto por Bilgin (2009), López-Gamero, Molina-Azorin e Claver-Cortés (2010), Iraldo et al. (2011) e Delmas, Hoffmann e Kuss (2011), ao apontar que a adoção antecipada da norma RoHS constitui mesmo uma escolha estratégica corporativa, independentemente da origem do capital da empresa, e uma escolha estratégica para geração de vantagem competitiva por diferenciação no âmbito local, visando a adequação às exigências das compras públicas. Os resultados encontrados neste estudo indicam a necessidade de um maior aprofundamento dos fatores motivadores, envolvendo entrevistas com os representantes das empresas analisadas para avaliação dos benefícios, custos, impactos e mudanças organizacionais envolvidas na adoção da RoHS. 13/16

14 REFERÊNCIAS ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA ELÉTRICA E ELETRÔNICA ABINEE. A Indústria Elétrica e Eletrônica Impulsionando a Economia Verde e a Sustentabilidade, Disponível em: <http://www.abinee.org.br/>. Acesso em 01 de maio de ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA ELÉTRICA E ELETRÔNICA ABINEE. Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica. Disponível em: <http://www.abinee.org.br/>. Acesso em 01 de maio de ALHUMOUD, J. M.; AL-KANDARI, F. A. Analysis and overview of industrial solid waste management in Kuwait. Management of Environmental Quality: An International Journal, v. 19, n. 5, p , ANSANELLI, S. L. Os impactos das exigências ambientais europeias para equipamentos eletroeletrônicos sobre o Brasil Tese (Doutorado) - Instituto de Economia, Universidade Estadual de Campinas, Campinas BABBIE, E. The practice of social research. 10 th ed. Belmont, CA: Wadswirth/Thomson Learning, BALKAU, F.; SONNEMANN, G. Managing sustainability performance through the valuechain. Corporate Governance, v. 1, n. 10, p , BARNEY, J. B.; HESTERLY, W. S. Administração estratégica e vantagem competitiva: conceitos e casos. 3ª ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, BIDERMAN, R.; MONZONI, M.; MAZON, R.; DE MACEDO, L.S.V. (orgs.) ICLEI (2008) Guia de compras públicas sustentáveis: uso do poder de compra do governo para a promoção do desenvolvimento sustentável. 2ª. Edição, Editora FGV, Rio de Janeiro, BILGIN, M. The PEARL Model: gaining competitive advantage through sustainable development. Journal of business ethics, v. 85, n. 3, p , BRASIL. Lei nº de 21 de novembro de Institui o Regime Especial de Tributação para a Plataforma de Exportação de Serviços de Tecnologia da Informação - REPES, o Regime Especial de Aquisição de Bens de Capital para Empresas Exportadoras - RECAP e o Programa de Inclusão Digital; dispõe sobre incentivos fiscais para a inovação tecnológica. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, 22/11/ Lei nº de 30 de dezembro de. Altera a Lei no 8.248, de 23 de outubro de 1991, a Lei no 8.387, de 30 de dezembro de 1991, e a Lei no , de 11 de janeiro de 2001, dispondo sobre a capacitação e competitividade do setor de informática e automação e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, 31/12/ Decreto nº de 05 de junho de Regulamenta o art. 3o da Lei no 8.666, de 21 de junho de 1993, para estabelecer critérios, práticas e diretrizes para a promoção do desenvolvimento nacional sustentável nas contratações realizadas pela administração pública federal, e institui a Comissão Interministerial de Sustentabilidade na Administração Pública CISAP. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, 06/06/ /16

15 . Instrução Normativa nº 1 de 19 de janeiro de Dispõe sobre os critérios de sustentabilidade ambiental na aquisição de bens, contratação de serviços ou obras pela Administração Pública Federal direta, autárquica e fundacional e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, 20/01/2010. DALRYMPLE, I. et al. An integrated approach to electronic waste (WEEE) recycling. Circuit World, v. 2, n. 33, p , DELL. Relatório de responsabilidade corporativa, Disponível em: <http://www.dell.com/learn/us/en/uscorp1/cr?c=us&l=en&s=corp>. Acesso em 01 de maio de DELMAS, M.; HOFFMANN, V.H.; KUSS, M. Under the tip of the iceberg: absorptive capacity, environmental strategy, and competitive advantage. Business & Society, v. 50, n. 1, p , FINK, A. Conducting research literature reviews: from paper to the Internet. Thousand Oaks, CA: SAGE Publications, HP. Relatório de Sustentabilidade, Disponível em: <http://www.hp.com/latam/br/ecosolutions/gcr_brasil_final-baixa_ pdf>. Acesso em 01 de maio de IDC. International Data Corporation Disponível em: <http://www.idc.com/getdoc.jsp?containerid=prus >. Acesso em 31 de maio de IRALDO, F. et al. A literature review on the links between environmental regulation and competitiveness. Environmental Policy and Governance, v. 21, n. 3, p , ITAUTEC. Relatório de Sustentabilidade, Disponível em: <http://www.itautec.com.br/media/713985/itautec20-20relatc3b3rio20anual20e20de20sustentabilidade pdf>. Acesso em 01 de maio de JONES, G. A period of adjustment: the effect of lead-free electronic assembly on the semiconductor industry. KIC Thermal Profile. Repring from original in Chip Scale Review, Mar, Disponível em: <http://www.kic.cn/pdf/jswz/lwj/a20period20of20adjustment.pdf>. Acesso em: 31 maio LAU, K. H.; WANG, Y. Reverse logistics in the electronic industry of China: a case study. Supply Chain Management: An International Journal, v. 6, n. 14, p , LENOVO. Social Responsibility, Disponível em: <http://www.lenovo.com/social_responsibility/us/en/environment.html>. Acesso em 01 de maio de LG. Relatório de sustentabilidade, Disponível em: <http://www.lg.com/global/sustainability/communications/sustainability-reports>. Acesso em 01 de maio de /16

16 LÓPEZ-GAMERO, M.D.; MOLINA-AZORÍN, J.F.; CLAVER-CORTÉS, E. The potential of environmental regulation to change managerial perception, environmental management, competitiveness and financial performance. Journal of Cleaner Production, v. 18, n. 10, p , MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO. Guia de compras públicas sustentáveis para administração federal. Disponível em <http://cpsustentaveis.planejamento.gov.br/wp-content/upleads/2010/6/cartilha.pdy.>. Acesso em 01 de maio de NDZIBAH, E. CSR in Ghana? Diversity should not mean dumping, Management of Environmental Quality: An International Journal, Vol. 20 Iss: 3, pp , OTENG-ABOBIO, M. E-waste an emerging challenge to solid waste management in Ghana. IDPR, v. 32, n. 2, p , PORTER, M. E. Vantagem competitiva: criando e sustentando um desempenho superior. 14ª ed. Rio de Janeiro: Campus, PORTER, M. E.; VAN DER LINDE, C. Toward a new conception of the environmentcompetitiveness relationship. Journal of Economic Perspectives, v.9, n.4, p , SAMSUNG. Relatório de sustentabilidade, Disponível em: <http://www.samsung.com/us/aboutsamsung/sustainability/sustainabilityreports/download/20 12/2012_sustainability_rpt.pdf>. Acesso em 01 de maio de SARKIS, J.; ZHU, H. Information technology and systems in China s circular economy: implications for sustainability. Journal of Systems and Information Technology, v. 10, n. 3, p , SONY. Relatório de Responsabilidade Social da Sony, Disponível em: <http://www.sony.net/sonyinfo/csr_report/report/>. Acesso em 01 de maio de THE EUROPEAN PARLIAMENT AND THE COUNCIL OF THE EUROPEAN UNION. Directive 2002/95/EC of the European Parliament and of the Council of 27 January 2003 on the restriction of the use of certain hazardous substances in electrical and electronic equipment. Disponível em: <http://europa.eu/index_en.htm>. Acesso em 01 de maio de YU, J. et al. Forecasting global generation of obsolete personal computers. Environmental science & technology, v. 44, n. 9, p , /16

A implantação dos Requisitos ABNT IECQ QC 080000 (IECQ HSPM)

A implantação dos Requisitos ABNT IECQ QC 080000 (IECQ HSPM) A implantação dos Requisitos ABNT IECQ QC 080000 (IECQ HSPM) Sistema de Gestão de Requisitos para Substâncias Perigosas em Produtos e Componentes Elétricos e Eletrônicos Abril de 2011 Objetivo Capacitação

Leia mais

Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE

Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE 1 A ABRELPE Associação nacional, sem fins lucrativos, que congrega e representa as empresas prestadoras de serviços

Leia mais

Diretiva RoHS ("Restriction of Certain Hazardous

Diretiva RoHS (Restriction of Certain Hazardous Diretiva RoHS ("Restriction of Certain Hazardous Substances ): Testes de certificação Seminário Internacional sobre Diretivas WEEE e RoHS Brasília. DF 8/2/2011 Certificação RoHS Diretiva RoHS histórico

Leia mais

Seminário Ambientronic

Seminário Ambientronic Seminário Ambientronic 27/04/2011 11.06.2010 Perfil da Empresa PERFIL Empresa de Tecnologia 100% nacional, controlada pelo Grupo Itaúsa Mais de 30 anos de presença no mercado brasileiro Possui 5.891 funcionários

Leia mais

A Solução de Reciclagem de Residuos de Eletrônicos da USP Perspectiva CEDIR & LASSU

A Solução de Reciclagem de Residuos de Eletrônicos da USP Perspectiva CEDIR & LASSU A Solução de Reciclagem de Residuos de Eletrônicos da USP Perspectiva CEDIR & LASSU Tereza Cristina M. B. Carvalho Coordenadora Geral CEDIR e LASSU/PCS/EPUSP Assessora de Projetos Especiais CTI -USP terezacarvalho@usp.br

Leia mais

25/01/2010 - Foi publicada a IN nº 1, de 19 de janeiro de 2010, que dispõe sobre os critérios de sustentabilidade

25/01/2010 - Foi publicada a IN nº 1, de 19 de janeiro de 2010, que dispõe sobre os critérios de sustentabilidade Página 1 de 8 25/01/2010 - Foi publicada a IN nº 1, de 19 de janeiro de 2010, que dispõe sobre os critérios de sustentabilidade INSTRUÇÃO NORMATIVA N O 1, DE 19 DE JANEIRO DE 2010. Dispõe sobre os critérios

Leia mais

UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO - PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM GESTÃO AMBIENTAL E SUSTENTABILIDADE ADEMIR BRESCANSIN

UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO - PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM GESTÃO AMBIENTAL E SUSTENTABILIDADE ADEMIR BRESCANSIN UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO - PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM GESTÃO AMBIENTAL E SUSTENTABILIDADE ADEMIR BRESCANSIN RESTRIÇÃO AO USO DE SUBSTÂNCIAS PERIGOSAS (RoHS) NO SEGMENTO DE COMPUTADORES PESSOAIS:

Leia mais

RESOLUÇÃO N. TC-0090/2014

RESOLUÇÃO N. TC-0090/2014 RESOLUÇÃO N. TC-0090/2014 Dispõe sobre práticas e critérios destinados a defesa do meio ambiente e promoção do desenvolvimento nacional sustentável nas contratações de bens, serviços e obras, no âmbito

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA 1. TÍTULO DO PROJETO

TERMO DE REFERÊNCIA 1. TÍTULO DO PROJETO 1. TÍTULO DO PROJETO TERMO DE REFERÊNCIA Elaboração de estudo de viabilidade técnica e econômica da implantação da logística reversa para resíduos de equipamentos eletroeletrônicos (REEE) 2. JUSTIFICATIVA

Leia mais

V FORUM DE GESTÃO AMBIENTAL. Carlos Afonso Instituto de Química. Universidade Federal do Rio de Janeiro

V FORUM DE GESTÃO AMBIENTAL. Carlos Afonso Instituto de Química. Universidade Federal do Rio de Janeiro V FORUM DE GESTÃO AMBIENTAL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICAP Impactos SócioS cio-ambientais do LIXO ELETROELETRÔNICO Prof. Júlio J Carlos Afonso Instituto de Química Universidade Federal do Rio de Janeiro Brasília,

Leia mais

ACORDO-QUADRO SOBRE MEIO AMBIENTE DO MERCOSUL

ACORDO-QUADRO SOBRE MEIO AMBIENTE DO MERCOSUL MERCOSUL/CMC/DEC. N o 02/01 ACORDO-QUADRO SOBRE MEIO AMBIENTE DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, a Resolução N o 38/95 do Grupo Mercado Comum e a Recomendação

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

As compras compartilhadas no Governo Federal

As compras compartilhadas no Governo Federal As compras compartilhadas no Governo Federal Delfino Natal de Souza Secretário de Logística e Tecnologia da Informação MAIS RÁPIDO DESENV. SUSTENTÁVEL MELHOR SEGMENTOS ESTRATÉGICOS CUSTO USO DO PODER DE

Leia mais

Restrições Ambientais em Produtos

Restrições Ambientais em Produtos Restrições Ambientais em Produtos Diretiva RoHS Restricted Hazardous Substances Slide: 1 Objetivos Oportunidades Diretivas RoHS Processo Como Chegamos ao RoHS Slide: 2 POR QUE A NECESSIDADE? Em 2005, os

Leia mais

Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos

Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos FIESP 07/06/11 Alexandre Comin - MDIC PNRS Instituída pela Lei 12.305, de 2 de agosto de 2010, e regulamentada pelo Decreto nº 7404, de 23 de Dezembro

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

GERAÇÃO E DESTINO DOS RESÍDUOS ELETRO-ELETRÔNICOS

GERAÇÃO E DESTINO DOS RESÍDUOS ELETRO-ELETRÔNICOS GERAÇÃO E DESTINO DOS RESÍDUOS ELETRO-ELETRÔNICOS Prof. Hugo M. Veit Laboratório de Corrosão, Proteção e Reciclagem de Materiais Escola de Engenharia Universidade Federal do Rio Grande do Sul O QUE PODE

Leia mais

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA SUMÁRIO Apresentação ISO 14001 Sistema de Gestão Ambiental Nova ISO 14001 Principais alterações e mudanças na prática Estrutura de alto nível Contexto

Leia mais

Controles Internos e Governança de TI. Charles Holland e Gianni Ricciardi

Controles Internos e Governança de TI. Charles Holland e Gianni Ricciardi Controles Internos e Governança de TI Para Executivos e Auditores Charles Holland e Gianni Ricciardi Alguns Desafios da Gestão da TI Viabilizar a inovação em produtos e serviços do negócio, que contem

Leia mais

ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA. ISO 14001:2015 Tendências da nova revisão

ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA. ISO 14001:2015 Tendências da nova revisão ISO 14001:2015 Tendências da nova revisão A ISO 14001 EM SUA NOVA VERSÃO ESTÁ QUASE PRONTA Histórico ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA As normas da série ISO 14000 foram emitidas pela primeira vez

Leia mais

Lei de Informática - Incentivos Fiscais para Investimentos em Tecnologia e Inovação

Lei de Informática - Incentivos Fiscais para Investimentos em Tecnologia e Inovação Lei de Informática - Incentivos Fiscais para Investimentos em Tecnologia e Inovação Prof. Dr. Elvis Fusco 2014 Prefeitura Municipal de Garça Apresentação Prof. Dr. Elvis Fusco Centro Universitário Eurípides

Leia mais

O USO DO PODER DE COMPRA DO GOVERNO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

O USO DO PODER DE COMPRA DO GOVERNO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola de Artes, Ciências e Humanidades O USO DO PODER DE COMPRA DO GOVERNO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Deloise de Fátma B. Jesus Luiza Yorioka Rodrigues Taiara Vitória Nelly

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação. Ministério do Planejamento

Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação. Ministério do Planejamento Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Ministério do Planejamento CPSUSTENTÁVEIS Definição O que é? Criação de uma política de Contratações Públicas que leve em consideração critérios de sustentabilidade,

Leia mais

Oficina prática sobre desmontagem de computadores e os aspectos tecnológicos e financeiros a considerar na reciclagem

Oficina prática sobre desmontagem de computadores e os aspectos tecnológicos e financeiros a considerar na reciclagem Oficina prática sobre desmontagem de computadores e os aspectos tecnológicos e financeiros a considerar na reciclagem I Seminário Estadual em Gestão de Resíduos Tecnológicos Fortaleza 16 Junho 2009 Projeto

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

Agenda CRI Minas Inovações Ambientais 04Out2012 Nova Lima/MG

Agenda CRI Minas Inovações Ambientais 04Out2012 Nova Lima/MG Agenda CRI Minas Inovações Ambientais 04Out2012 Nova Lima/MG Conceitos e Premissas Evolução Tecnológica: Impacto Social Ambiental Conceitos e Premissas Esforço Governamental políticas e ações de mercado

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA E OS RESÍDUOS ELETRÔNICOS

LOGÍSTICA REVERSA E OS RESÍDUOS ELETRÔNICOS LOGÍSTICA REVERSA E OS RESÍDUOS ELETRÔNICOS Mineração Urbana no Brasil Lúcia Helena Xavier São José dos Campos SP Junho de 2015 REGULAMENTAÇÃO AMBIENTAL NO BRASIL LEI Nº 6.938 DE 1981 PNMA CONSTITUIÇÃO

Leia mais

Normas ISO 14000. Jonas Lucio Maia

Normas ISO 14000. Jonas Lucio Maia Jonas Lucio Maia Agenda Origem das normas Normas ISO 14000 Similaridades GQ e GA Benefícios Críticas Bibliografia Origens das normas Quatro origens relacionadas: Padrões do Business Council for Sustainable

Leia mais

Plano de Sustentabilidade da Unilever

Plano de Sustentabilidade da Unilever Unilever Plano de Sustentabilidade da Unilever Eixo temático Governança Principal objetivo da prática Para a Unilever, o crescimento sustentável e lucrativo requer os mais altos padrões de comportamento

Leia mais

Sustentabilidade como diferencial competitivo na gestão de fornecedores

Sustentabilidade como diferencial competitivo na gestão de fornecedores Sustentabilidade como diferencial competitivo na gestão de fornecedores Webinar DNV O Impacto da Gestão da Cadeia de Fornecedores na Sustentabilidade das Organizações 04/09/2013 Associação civil, sem fins

Leia mais

LEI Nº 1.709 DE 08 DE MAIO DE 2013

LEI Nº 1.709 DE 08 DE MAIO DE 2013 LEI Nº 1.709 DE 08 DE MAIO DE 2013 INSTITUI O PROJETO "DESTINO CERTO AO LIXO ELETRÔNICO DE FAGUNDES VARELA". JEAN FERNANDO SOTTILI, Prefeito Municipal de Fagundes Varela, no uso das atribuições que me

Leia mais

Programa interministerial para produtos eletroeletrônicos ambientalmente corretos

Programa interministerial para produtos eletroeletrônicos ambientalmente corretos Programa interministerial para produtos eletroeletrônicos ambientalmente corretos Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer CTI Ministério da Ciência e Tecnologia MCT Campinas SP - Brasil Sustentabilidade

Leia mais

O Polo de Informática de Ilhéus e a atuação da Associação das Indústrias de Eletroeletrônicos, Telecomunicações e Informática do Polo de Ilhéus

O Polo de Informática de Ilhéus e a atuação da Associação das Indústrias de Eletroeletrônicos, Telecomunicações e Informática do Polo de Ilhéus O Polo de Informática de Ilhéus e a atuação da Associação das Indústrias de Eletroeletrônicos, Telecomunicações e Informática do Polo de Ilhéus Christian Villela Dunce Presidente da Assipi Salvador, 23

Leia mais

Não é um sector específico (Pequenas e médias empresas em geral) - Go to 3

Não é um sector específico (Pequenas e médias empresas em geral) - Go to 3 INQUÉRITO EUROPEU DAS PME E O MEIO-AMBIENTE Bem-vindo ao inquérito europeu sobre as PMEs e o meio-ambiente. O questionário deve demorar entre 5-10 minutos para ser concluído. Obrigado! Instituto Tecnológico

Leia mais

Implementação da Logística Reversa: A primeira fase da experiência do Estado de São Paulo

Implementação da Logística Reversa: A primeira fase da experiência do Estado de São Paulo Implementação da Logística Reversa: A primeira fase da experiência do Estado de São Paulo RIBEIRO, F.M. a, *; KRUGLIANSKAS, I. b a- CETESB- Companhia Ambiental do Estado de São Paulo b- FEA-USP Faculdade

Leia mais

ATO DA COMISSÃO DIRETORA Nº 4, DE 2013.

ATO DA COMISSÃO DIRETORA Nº 4, DE 2013. ATO DA COMISSÃO DIRETORA Nº 4, DE 2013. Institui a Política de Responsabilidade Socioambiental do Senado Federal. A COMISSÃO DIRETORA DO SENADO FEDERAL, no uso da competência que lhe foi conferida pelo

Leia mais

Sustentabilidade na Administração Pública

Sustentabilidade na Administração Pública Sustentabilidade na Administração Pública B823s Biblioteca/CODIN/CGPLA/DIPLA/MP Bibliotecária Cristine C. Marcial Pinheiro CRB1-1159 Brasil. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Secretaria de

Leia mais

POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS MARCO LEGAL Diálogo do Governo Federal com Sociedade Civil (Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis MNCR). Código Brasileiro de Ocupações - 2002 Reconhecimento a Categoria profissional

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

2011/2014. Medidas. Agendas Estratégicas Setoriais. medidas em destaque. Estímulos ao Investimento e à Inovação Comércio Exterior

2011/2014. Medidas. Agendas Estratégicas Setoriais. medidas em destaque. Estímulos ao Investimento e à Inovação Comércio Exterior Medidas Estímulos ao Investimento e à Inovação Comércio Exterior Plano Competitividade Brasil Exportadora Maior Financiamento à Exportação 2011/2014 Defesa Comercial Defesa da Indústria e do Mercado Interno

Leia mais

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Atuação da Organização 1. Qual(is) o(s) setor(es) de atuação da empresa? (Múltipla

Leia mais

ATENÇÃO. Apresentação

ATENÇÃO. Apresentação Apresentação O tema logística reversa vem crescendo em importância entre as empresas desde a regulamentação da Política Nacional de Resíduos Sólidos. Com as novas exigências, as empresas precisam buscar

Leia mais

Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação. Ministério do Planejamento

Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação. Ministério do Planejamento Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Ministério do Planejamento Marcos Legais Definiu que as obras, serviços, compras e alienações da Administração devem ser, em regra, precedidas de licitação.

Leia mais

ANEXO COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES

ANEXO COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 2.12. COM() 614 final ANNEX 1 ANEXO da COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES Fechar o ciclo

Leia mais

CEDIR Centro de Descarte e Reuso de Residuos de Informática

CEDIR Centro de Descarte e Reuso de Residuos de Informática CEDIR Centro de Descarte e Reuso de Residuos de Informática V Fórum da Agenda Ambiental na Administração Pública (A3P) Tereza Cristina M. B. Carvalho Coordenadora Geral CEDIR Assessora de Projetos Especiais

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

CONSCIENTIZAÇÃO E SENSIBILIZAÇÃO: OS DESAFIOS DO 1º MUTIRÃO DO LIXO ELETRÔNICO NOS MUNICÍPIOS DE SOLÂNEA E BANANEIRAS - PB

CONSCIENTIZAÇÃO E SENSIBILIZAÇÃO: OS DESAFIOS DO 1º MUTIRÃO DO LIXO ELETRÔNICO NOS MUNICÍPIOS DE SOLÂNEA E BANANEIRAS - PB CONSCIENTIZAÇÃO E SENSIBILIZAÇÃO: OS DESAFIOS DO 1º MUTIRÃO DO LIXO ELETRÔNICO NOS MUNICÍPIOS DE SOLÂNEA E BANANEIRAS - PB RESUMO SILVA¹, Adelmo Faustino da ; RODRIGUES, Andreza Alves Guimarães; CAMPELO,

Leia mais

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 Critérios Descrições Pesos 1. Perfil da Organização Breve apresentação da empresa, seus principais produtos e atividades, sua estrutura operacional

Leia mais

Produto mais sustentável

Produto mais sustentável Produto mais sustentável De maneira geral, um produto pode ser considerado mais sustentável por diversas razões: a) processo de fabricação com baixo impacto: consiste em produtos que eliminaram ingredientes

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO COMPRAS GOVERNAMENTAIS

SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO COMPRAS GOVERNAMENTAIS SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO COMPRAS GOVERNAMENTAIS Alice Viana Soares Monteiro Secretária de Estado de Compras Governamentais sob o aspecto da Sustentabilidade Compra Pública Sustentável ou Licitação

Leia mais

Economia verde, desenvolvimento sustentável e inovação - Os caminhos da indústria brasileira

Economia verde, desenvolvimento sustentável e inovação - Os caminhos da indústria brasileira Economia verde, desenvolvimento sustentável e inovação - Os caminhos da indústria brasileira Nelson Pereira dos Reis Federação das Indústrias do Estado de São Paulo Fiesp Vice presidente Departamento de

Leia mais

Guia de sustentabilidade para plásticos

Guia de sustentabilidade para plásticos Guia de sustentabilidade para plásticos Maio 2014 1 2 3 4 5 6 7 8 Introdução... 4 Contextualização dos plásticos... 6 Composição dos móveis e utensílios de plásticos...7 Requerimentos para materiais que

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

Mensagens ambientais da HP

Mensagens ambientais da HP Mensagens ambientais da HP Definição da promessa Projeto para o meio ambiente Por ser líder ambiental há décadas no setor tecnológico, a HP faz a diferença com um projeto abrangente de estratégia ambiental,

Leia mais

Prof. Paulo Medeiros

Prof. Paulo Medeiros Prof. Paulo Medeiros Em 2010 entrou em vigor no Brasil a lei dos Resíduos Sólidos. Seu objetivo principal é diminuir a destinação incorreta de resíduos ao meio ambiente. Ela define que todas as indústrias,

Leia mais

Os aspectos ambientais dos resíduos eletrônicos E-LIXO

Os aspectos ambientais dos resíduos eletrônicos E-LIXO Os aspectos ambientais dos resíduos eletrônicos E-LIXO Junho de 2009 Realidade Atual População Desenvolvimento Tecnológico Demanda de bens de consumo Aumento da demanda de produtos descartáveis aumento

Leia mais

Critérios de Sustentabilidade Ambiental de Produtos. Luciana Betiol FGVCes Centro de Estudos em Sustentabilidade Outubro/2007

Critérios de Sustentabilidade Ambiental de Produtos. Luciana Betiol FGVCes Centro de Estudos em Sustentabilidade Outubro/2007 Critérios de Sustentabilidade Ambiental de Produtos Luciana Betiol FGVCes Centro de Estudos em Sustentabilidade Outubro/2007 Agenda Origem do estudo de Critérios de Sustentabilidade Ambiental de Produtos

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL SGA ISO 14.001:2004 O que é ISO? A ISO - International Organization for Standardization é uma organização sediada em Genebra, na Suíça. Foi fundada em 1946; A sigla ISO foi

Leia mais

MEIO AMBIENTE COMO UMA QUESTÃO DE NEGÓCIOS OBJETIVOS

MEIO AMBIENTE COMO UMA QUESTÃO DE NEGÓCIOS OBJETIVOS MEIO AMBIENTE COMO UMA QUESTÃO DE NEGÓCIOS OBJETIVOS Prover uma compreensão básica : do desenvolvimento da abordagem das empresas com relação às questões ambientais, dos benefícios provenientes de melhorias

Leia mais

Desafios para a Indústria Eletroeletrônica

Desafios para a Indústria Eletroeletrônica Desafios para a Indústria Eletroeletrônica 95 O texto aponta as características das áreas da indústria eletroeletrônica no país e os desafios que este setor tem enfrentado ao longo das últimas décadas.

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS FORMULÁRIO DESCRITIVO DA NORMA INTERNACIONAL Norma Internacional: Acordo-Quadro sobre Meio-Ambiente do Mercosul Assunto: Agenda comum de meio-ambiente no âmbito do Mercosul Decreto: 5208 Entrada em vigor:

Leia mais

Competitividade da indústria nacional de PCs Política industrial e incentivos fiscais no Brasil. 6 de outubro de 2009

Competitividade da indústria nacional de PCs Política industrial e incentivos fiscais no Brasil. 6 de outubro de 2009 Competitividade da indústria nacional de PCs Política industrial e incentivos fiscais no Brasil 6 de outubro de 2009 1 Agenda Estado da Indústria Nacional de Informática Estímulos à Indústria Nacional

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda.

Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda. Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda. Resumo Com a globalização e os avanços tecnológicos, as empresas estão operando num ambiente altamente competitivo e dinâmico. As organizações que quiserem

Leia mais

Políticas de Resíduos Sólidos no Brasil. Cenários para tratamento da REEE Resíduos de Equipamentos Eletroeletrônicos Europa Japão - Estados Unidos

Políticas de Resíduos Sólidos no Brasil. Cenários para tratamento da REEE Resíduos de Equipamentos Eletroeletrônicos Europa Japão - Estados Unidos Políticas de Resíduos Sólidos no Brasil Cenários para tratamento da REEE Resíduos de Equipamentos Eletroeletrônicos Europa Japão - Estados Unidos Pontos em comum de Leis e Projetos de lei para retorno

Leia mais

A coleta de informações no processo de benchmarking: principais fontes utilizadas e dificuldades

A coleta de informações no processo de benchmarking: principais fontes utilizadas e dificuldades A coleta de informações no processo de benchmarking: principais fontes utilizadas e dificuldades Emiliane Januário (USP) emiliane90@hotmail.com Luiz César Ribeiro Carpinetti (USP) carpinet@prod.eesc.sc.usp.br

Leia mais

Esclarecer sobre a CP nº 34/2011, que trata do recondicionamento de equipamentos usados destinados ao mercado brasileiro.

Esclarecer sobre a CP nº 34/2011, que trata do recondicionamento de equipamentos usados destinados ao mercado brasileiro. Agência Nacional de Vigilância Sanitária ANVISA Gerência-Geral de Tecnologia de Produtos para a Saúde GGTPS Gerência de Tecnologia em Equipamentos - GQUIP NOTA TÉCNICA N 05/2012/GQUIP/GGTPS/ANVISA Objeto:

Leia mais

Áreas de Atuação SERVIÇOS TECNOLÓGICOS SOLUÇÕES DE AUTOMAÇÃO SOLUÇÕES DE COMPUTAÇÃO

Áreas de Atuação SERVIÇOS TECNOLÓGICOS SOLUÇÕES DE AUTOMAÇÃO SOLUÇÕES DE COMPUTAÇÃO A experiência da Itautec na Reciclagem de Equipamentos Eletroeletrônicos VII Seminário de Resíduos - Recicle CEMPRE XIII FIMAI Feira Internacional de Meio Ambiente Industrial e Sustentabilidade Novembro

Leia mais

Relatos de Sustentabilidade

Relatos de Sustentabilidade Os trechos em destaque encontram-se no Glossário. Relatos de Sustentabilidade Descreva até 3 projetos/programas/iniciativas/práticas relacionadas a sustentabilidade Instruções 2015 Esse espaço é reservado

Leia mais

Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos

Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos 1 Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos António Farinha, Managing Partner São Paulo, 11 de junho de 2012 2 As medidas do Sustainable Energy for All endereçam as

Leia mais

O sucesso da política depende do forte comprometimento de cada um dos envolvidos no processo, de governo e empresas até consumidores.

O sucesso da política depende do forte comprometimento de cada um dos envolvidos no processo, de governo e empresas até consumidores. ECONOMIA - 19/08/14 BRIEFING DE POSICIONAMENTO SOBRE A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS 1. CONTEXTO Posicionamento geral para quaisquer entrevistas realizadas no âmbito da terceira edição do projeto

Leia mais

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 Dispõe sobre a Política de Governança de Tecnologia da Informação do Tribunal de Contas da União (PGTI/TCU). O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas

Leia mais

Motivação para o emprego do Ecodesign: : um estudo de caso na indústria automotiva

Motivação para o emprego do Ecodesign: : um estudo de caso na indústria automotiva Engenharia de Produção Motivação para o emprego do Ecodesign: : um estudo de caso na indústria automotiva Miriam Borchardt Leonel Augusto C. Poltosi Miguel A. Sellitto Giancarlo M. Pereira Introdução Ecodesign:

Leia mais

Ferramentas para a Gestão da Sustentabilidade na Indústria da Mineração Mª Sulema Pioli ERM Brasil Ltda Setembro 2009

Ferramentas para a Gestão da Sustentabilidade na Indústria da Mineração Mª Sulema Pioli ERM Brasil Ltda Setembro 2009 Ferramentas para a Gestão da Sustentabilidade na Indústria da Mineração Mª Sulema Pioli ERM Brasil Ltda Setembro 2009 Conteúdo da apresentação Breve contexto Indutores da Gestão da Sustentabilidade Gestão

Leia mais

VII Encontro Amazônico de Agrárias

VII Encontro Amazônico de Agrárias VII Encontro Amazônico de Agrárias Segurança Alimentar: Diretrizes para Amazônia CONCESSÃO DE CRÉDITO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: O CASO DO BANCO DA AMAZÔNIA RESUMO No Brasil, o setor bancário assume

Leia mais

PUC Goiás. Prof. Ricardo Resende Dias, MSc.

PUC Goiás. Prof. Ricardo Resende Dias, MSc. PUC Goiás Prof. Ricardo Resende Dias, MSc. 1 2 3 4 RAZÕES PARA ADOÇÃO DE PRÁTICAS SOCIOAMBIENTAIS AUMENTAR A QUALIDADE DO PRODUTO AUMENTAR A COMPETITIVIDADE DAS EXPORTAÇÕES ATENDER O CONSUMIDOR COM PREOCUPAÇÕES

Leia mais

BRASIL - 170 MILHÕES DE HABITANTES. - Taxa média de crescimento nos últimos 10 anos: 1,5 %

BRASIL - 170 MILHÕES DE HABITANTES. - Taxa média de crescimento nos últimos 10 anos: 1,5 % REALIZAÇÃO GLOBAL BRASIL - 170 MILHÕES DE HABITANTES - Taxa média de crescimento nos últimos 10 anos: 1,5 % - Previsão de crescimento da população: 2,5 milhões habitantes/ano ESTADO DE SÃO PAULO -35,1

Leia mais

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL SEBRAE - SP

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL SEBRAE - SP PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL SEBRAE - SP DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL desenvolvimento que satisfaz as necessidades do presente sem comprometer a capacidade das futuras gerações satisfazerem suas próprias

Leia mais

Política de Sustentabilidade Link Server.

Política de Sustentabilidade Link Server. Página 1 de 15 Hortolândia, 24 de Janeiro de 2014. Política de Sustentabilidade Link Server. Resumo Conceitua os objetivos da Política de Sustentabilidade da Link Server. Estabelece as premissas, a governança

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA

AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA 2 - Metodologia 3 - Aplicação x Legislação 4 - Análise de Inventário 5 - Avaliação de Impacto 6 - Interpretação Avaliação A Análise de Ciclo de Vida (ACV) avalia as interações

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL COLÓQUIO EMPREGOS VERDES E CONSTRUÇÕES SUSTENTÁVEIS 20.08.2009

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Setembro de 2010 Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente

Leia mais

A Estratégia na Gestão de Resíduos Sólidos no Estado de São Paulo e sua Interface com a Política Nacional de Resíduos Sólidos

A Estratégia na Gestão de Resíduos Sólidos no Estado de São Paulo e sua Interface com a Política Nacional de Resíduos Sólidos GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE A Estratégia na Gestão de Resíduos Sólidos no Estado de São Paulo e sua Interface com a Política Nacional de Resíduos Sólidos São Paulo, 17 de

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DO EQUADOR

OS PRINCÍPIOS DO EQUADOR OS PRINCÍPIOS DO EQUADOR UMA ABORDAGEM DO SETOR PARA INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS SOBRE DETERMINAÇÃO, AVALIAÇÃO E GERENCIAMENTO DE RISCO AMBIENTAL E SOCIAL EM FINANCIAMENTO DE PROJETOS Florianópolis Junho/2004

Leia mais

Iniciativas de Produção Mais Limpa na Indústria de Petróleo e Gás. Daniela Machado Zampollo Lucia de Toledo Camara Neder

Iniciativas de Produção Mais Limpa na Indústria de Petróleo e Gás. Daniela Machado Zampollo Lucia de Toledo Camara Neder Iniciativas de Produção Mais Limpa na Indústria de Petróleo e Gás Daniela Machado Zampollo Lucia de Toledo Camara Neder Sumário A Empresa - Petrobras A Exploração e Produção de Óleo e Gás Gestão Ambiental

Leia mais

PARÃO DE ESPECIALIZAÇÃO AMBIENTAL DAS EXPORTAÇÕES INDUSTRIAIS BRASILEIRAS: mundo e União Europeia

PARÃO DE ESPECIALIZAÇÃO AMBIENTAL DAS EXPORTAÇÕES INDUSTRIAIS BRASILEIRAS: mundo e União Europeia COMÉRCIO INTERNACIONAL E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: O COMÉRCIO BILATERAL BRASIL UNIÃO EUROPEIA EM FOCO PARÃO DE ESPECIALIZAÇÃO AMBIENTAL DAS EXPORTAÇÕES INDUSTRIAIS BRASILEIRAS: mundo e União Europeia

Leia mais

FIESP Sustentabilidade Financiamentos para PME

FIESP Sustentabilidade Financiamentos para PME FIESP Sustentabilidade Financiamentos para PME Junho/2013 Diretoria de Sustentabilidade Linda Murasawa Brasil SANTANDER NO MUNDO 102 milhões DE CLIENTES 14.392 AGÊNCIAS 186.763 FUNCIONÁRIOS Dezembro de

Leia mais

PROJETO DIDÁTICO: O LIXO QUE VIROU LUXO

PROJETO DIDÁTICO: O LIXO QUE VIROU LUXO PROJETO DIDÁTICO: O LIXO QUE VIROU LUXO Maria do Socorro dos Santos EEEFM José Soares de Carvalho socorrosantosgba@gmail.com Paula Priscila Gomes do Nascimento Pina EEEFM José Soares de Carvalho paulapgnascimento@yahoo.com.br

Leia mais

SUSTENTABILIDADE NA LOGÍSTICA REVERSA: ANÁLISE EMPÍRICA DE MULTIPLOS CASOS

SUSTENTABILIDADE NA LOGÍSTICA REVERSA: ANÁLISE EMPÍRICA DE MULTIPLOS CASOS 181 SUSTENTABILIDADE NA LOGÍSTICA REVERSA: ANÁLISE EMPÍRICA DE MULTIPLOS CASOS Valdecir Cahoni Rodrigues 1, Alvaro Costa Jardim Neto 2, Nilmaer Souza da Silva 1 1 Universidade do Oeste Paulista UNOESTE.

Leia mais

Agenda. O que é o CDP O que é o CDP Supply Chain CDP Supply Chain 2014

Agenda. O que é o CDP O que é o CDP Supply Chain CDP Supply Chain 2014 www.cdp.net @CDP Agenda O que é o CDP O que é o CDP Supply Chain CDP Supply Chain 2014 O que é Organização internacional que trabalha com as principais forças do mercado para motivar as empresas e cidades

Leia mais

ISO 14000. Estrutura da norma ISO 14001

ISO 14000. Estrutura da norma ISO 14001 ISO 14000 ISO 14000 é uma serie de normas desenvolvidas pela International Organization for Standardization (ISO) e que estabelecem directrizes sobre a área de gestão ambiental dentro de empresas. Histórico

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

A LOGÍSTICA REVERSA DENTRO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Cristiane Tomaz

A LOGÍSTICA REVERSA DENTRO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Cristiane Tomaz A LOGÍSTICA REVERSA DENTRO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Cristiane Tomaz A logística reversa é importante instrumento de desenvolvimento econômico e social previsto na Política Nacional de Resíduos

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais