Empatia ou o dom de ver através dos olhos do outro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Empatia ou o dom de ver através dos olhos do outro"

Transcrição

1 Empatia ou o dom de ver através dos olhos do outro Escrito por Sofia Teixeira, com entrevista a Ana Sofia Nava, psiquiatra segunda, 01 julho :52 Getty Images Compreender, sentir ou imitar os outros são capacidades que, apesar de inatas, aperfeiçoamos continuamente. A ajudar-nos nesta tarefa - tão complexa e que, no entanto, fazemos com tanta facilidade - estão vários grupos de neurónicos, chamados neurónios-espelho. Nós sabemos que é pouco delicado, mas experimente bocejar expressivamente numa reunião de família, amigos ou trabalho e fique atento para ver o que acontece. O mais provável é que, uma após a outra, todas as pessoas presentes bocejem também. Da mesma forma, não é por acaso que, quando sorri a alguém, por norma vê o gesto ser retribuído. Parece que o bocejo, como o sorriso, assim como mil e uma outras acções são contagiosos.

2 Mas há outros exemplos: quantas vezes não deu já por si a ficar angustiado quando alguém lhe relata uma experiência de aflição pela qual passou? E porque é que fica com medo quando vê um filme de terror? E o conceito de vergonha alheia, conhece?... Afinal, o que leva a este contágio? O que nos leva a fazer aquilo que as outras pessoas fazem? A explicação de todos estes exemplos reside numa mesma capacidade, comum a todos os seres humanos: a empatia. Como nos explica a psiquiatra Ana Sofia Nava, a empatia pode ser definida como a capacidade natural de nos apercebermos das emoções e dos sentimentos dos outros e de poder ir em seu auxílio. Ou ainda, no campo psicanalítico, a capacidade de penetrar com o pensamento e o sentimento na vida interior de outra pessoa. É, portanto, a capacidade de vivenciar o que a outra pessoa vivencia, mesmo que, normalmente, num grau atenuado. Ver e sentir É esta capacidade de ver e sentir o mundo através dos olhos e mente dos outros que nos permite aceitar opiniões e interesses diferentes, ter tolerância religiosa e cultural, apreciar um livro ou um quadro. Além disso, esta habilidade inata - que alguns autores apelidam de every-day mind reading (leitura do pensamento no dia a dia) - facilita tremendamente a vida em sociedade. O segredo para saber o que vai na cabeça das outras pessoas é simplesmente observá-las. Repare: basta entrar numa festa e olhar em redor para começar a perceber uma enorme quantidade de sentimentos e emoções de quem está à sua volta. Ao olhar para o comportamento das pessoas e para a sua interacção percebe automaticamente que a pessoa X está aborrecida, a pessoa Y está a tentar agradar à pessoa A, que a pessoa B, que está ao lado, observa essa tentativa e está divertida com ela e uma infinidade de outros sentimentos e emoções de cada uma das pessoas em seu redor. Acontece que a empatia era definida como a capacidade de compreender o que o outro pensa ou sente até à descoberta dos neurónios-espelho. Percebeu-se então que não se trata de apenas de compreender o outro, mas antes de sentir o mesmo que o outro. Uma descoberta fascinante: os neurónios-espelho Como muitos outros achados históricos, os neurónios-espelho foram descobertos por acaso. A equipa do neurocientista Giacomo Rizzolatti, da Universidade de Parma, estava a estudar a atividade dos neurónios responsáveis pelo planeamento e execução de movimentos. Um grupo de macacos tinha elétrodos colados na cabeça e, de cada vez que agarravam ou movimentavam um objeto, um grupo de neurónios do córtex pré-motor, nos lobos frontais, disparava, sendo essa atividade visível e registada num monitor. E foi então que aconteceu. Era verão, estava calor e um dos alunos entrou no laboratório de gelado na mão. E quando o levou à boca, aconteceu o impensável: os monitores apitaram sinalizando actividade no córtex pré-motor. Mas o macaco estava imóvel. a observar o estudante.

3 Depois de mais testes e experiências com os símios, os investigadores constataram aquilo em que nunca ninguém tinha imaginado ser possível: a mera observação de alguém a desempenhar uma acção activava as mesmas áreas do cérebro que eram ativadas quando era o próprio animal a desempenhar a acção. Ou seja, o cérebro do macaco não fazia grande distinção entre pegar em comida ou ver alguém a pegar em comida. E adivinhe: o nosso também não. Claro que o cérebro humano vai mais longe pelo que o sistema de neurónios-espelho é mais evoluído e não só permite executar e compreender as ações dos outros, mas também suas intenções, o significado dos comportamentos, os sentimentos, os pensamentos e as emoções. E aqui está: é por isso que boceja, que sorri, fica angustiado, com medo ou vergonha quando vê os outros ficarem. Estudos de neuroimagem funcional em seres humanos demonstraram que os circuitos neuronais envolvidos na execução de uma ação sobrepõem-se àqueles que são ativados aquando da observação da mesma ação, elucida Ana Sofia Nava. Mas não é só: outros estudos, explica a psiquiatra, demostraram mesmo que esta rede neuronal também se ativa sempre que um indivíduo imagina a sua própria ação, imagina a ação de outro ou quando imita as ações executadas por alguém. Estes resultados interessantíssimos explicam claramente a necessidade de modelos de identificação para a aprendizagem de perícias físicas e provavelmente também para outro tipo de perícias, nomeadamente relacionais e afetivas, conclui a psiquiatra. Empáticos desde o berço Esta capacidade empática e de imitação não é exclusiva dos adultos, nem sequer das crianças. Embora de forma muito mais rudimentar, acontece desde o berço. Experimente deitar a língua de fora a um bebé recém-nascido e, espante-se, o mais provável é que ele lhe devolva o gesto, faça-lhe uma careta enrugada e observe-o, ensaiando a mesma a expressão. O ser humano é um imitador por excelência e, sobretudo durante a infância, é assim que aprende quase tudo. A expressão popular dar o exemplo faz todo o sentido. Aliás, na década de 70 - estavam ainda os neurónios-espelho por descobrir - o investigador Andrew Meltzoff estudou a capacidade de imitação de bebés recém-nascidos e as conclusões às quais chegou foram surpreendentes. Os recém-nascidos, muitos com apenas com algumas horas de vida, têm capacidade para imitar expressões faciais dos adultos. Este facto é ainda mais surpreendente pelo facto de se saber que, como nos explica Ana Sofia Nava, as raízes do nosso self formam-se apenas no segundo ano de vida de uma criança. Sabe-se hoje em dia que o córtex parietal inferior, em conjunto com o córtex pré-frontal, tem um papel crucial no reconhecimento eu/outro, e como tal, é fundamental para a empatia, explica a psiquiatra.

4 A empatia e suas variações A empatia não é um fenómeno de tudo ou nada. Existem diversas formas de empatia que podem, grosso modo, ser divididas em aspectos mais emocionais e outros mais cognitivos, esclarece Ana Sofia Nava. São disso exemplo o chamado contágio emocional que ocorre quando o nosso estado emocional resulta da percepção do estado emocional do outro, mas também a empatia cognitiva, quando assumimos a perspectiva da outra pessoa, ou ainda os comportamentos pró-sociais, que passam pela tomada de atitudes de modo a reduzir o mau estar do outro. E, claro, não temos todos a mesma capacidade empática. Porquê? De acordo com a psiquiatra, uma das diferenças de personalidade que pode explicar esta diferença na regulação das emoções é o temperamento, que regula a qualidade e intensidade das respostas emocionais e que emerge durante a infância. Por outro lado, também sabemos intuitivamente que o nosso nível de empatia não é igual com toda a gente ou com todas as situações. Um exemplo paradigmático disso tem sido testado por vários grupos de investigadores, o teste do Sr. Bonzinho e do Sr. Malcriado. O teste é simples: os investigadores colocaram dois indivíduos, cada um numa sala distinta, para manterem um diálogo com os vários voluntários sobre temas mundanos como cinema e televisão. Os homens tinham ambos instruções comuns e muito específicas quanto ao tipo de linguagem corporal que deveriam ter durante a conversa (como bocejar, esticar os braços, cruzar os braços, apoiar a mão no queixo, etc.), já no que toca ao trato, foram-lhes pedidas posturas bastante diferentes: um devia ser simpático, concordante e amigável, ao outro foi pedido que fosse rude, desinteressado e discordante. Há medida que a conversa progredia algo extraordinário começa a acontecer: os voluntários do Sr. Bonzinho começam a imitá-lo, esticando ou cruzando os braços, pouco tempo depois de ele o fazer, bocejando no fim de ele abrir expressivamente a boca, levando a mão à cara quando ele a leva. Como os voluntários gostaram do Sr. Bonzinho, os seus cérebros instruíram-nos a imitá-lo, numa tentativa inconsciente de fortalecer os laços entre eles. E, adivinhe isso mesmo: ninguém imitou o Sr. Desagrável. Inconscientemente, as pessoas tentaram demarcar-se o mais possível daquela personagem pouco simpática. A empatia em terapia psicanalítica Para um terapeuta promover a cura de um paciente não lhe basta a capacidade interpretativa, a empatia desempenha uma importância igualmente central. E esta empatia, não é apenas a empatia inata e de experiência de vida, é uma capacidade flexível que se aprende e que se treina. A empatia não é apenas a ressonância do afeto entre o eu e o outro, envolve ( ) a motivação e é ativada voluntariamente,

5 esclarece a psiquiatra Ana Sofia Nava. São disso exemplos, o treino de médicos e psicoterapeutas ou a reeducação de personalidades antissociais. Parte integrante dessa aprendizagem é a auto-análise: só a partir da introspeção da nossa própria experiência podemos compreender como se deve sentir a outra pessoa numa circunstância psicológica similar, explica Ana Sofia Nava. Isto não quer dizer, acrescenta a psiquiatra, que a experiência do psicoterapeuta seja a mesma que a do outro (paciente), mas antes que a semelhança das experiências permite uma aproximação às experiência dos outros. A psiquiatra explica que quanto maior for a similaridade e a familiaridade entre o analista e o seu analisando, mais fácil será para o analista compreender as emoções que está a captar. Além disso, esta é uma variável especialmente importante nos primeiros contactos, que são determinantes para se poder estabelecer a chamada aliança terapêutica. Por norma há uma reciprocidade, ou seja, se o analista empatiza mais com o paciente, o paciente também pode empatizar mais com o analista e, quando esta dinâmica não ocorre pode acontecer que o paciente não adira ao tratamento. Esta é também a explicação para o facto de na vida do dia a dia haver pessoas com quem empatizamos mais e outras com as quais empatizamos menos, esclarece a psiquiatra. A experiência de vida é pois essencial ao analista, mas os conhecimentos teóricos também são fundamentais enquanto dimensão mais elaborada - voluntária e consciente já que permitem a explicação ao doente das suas emoções e sentimentos. De um modo simplista, não basta aprendermos a deixar-nos contagiar livremente pelas emoções dos nossos doentes, é fundamental estarmos munidos de ferramentas teóricas para lhes darmos uma explicação com sentido, remata a psiquiatra.

O AUTISMO- NA CRIANÇA

O AUTISMO- NA CRIANÇA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MÉRTOLA Escola E,B 2,3 ES\Escola S. Sebastião de Mértola Curso Profissional de Técnico de Apoio Psicossocial- 3ºano Disciplina de Psicopatologia Geral Ano letivo 2013\14 Docente:

Leia mais

METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos)

METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos) METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos) 1. CONHECIMENTO DO MUNDO Expressar curiosidade e desejo de saber; Reconhecer aspetos do mundo exterior mais próximo; Perceber a utilidade de usar os materiais do seu quotidiano;

Leia mais

PRIMEIRA LINGUAGEM DE AMOR: PALAVRAS DE ENCORAJAMENTO

PRIMEIRA LINGUAGEM DE AMOR: PALAVRAS DE ENCORAJAMENTO 50 Nona Lição AS CINCO LINGUAGENS DE AMOR Alguma coisa em nossa natureza clama por sermos amados. No âmago da nossa existência há o íntimo desejo se sermos amados. O casamento foi idealizado para suprir

Leia mais

Anexo 2. . Falar educação Um programa do Instituto de Tecnologia Educativa Radio Televisão Portuguesa (1975) EDUCAÇÃO PELA ARTE

Anexo 2. . Falar educação Um programa do Instituto de Tecnologia Educativa Radio Televisão Portuguesa (1975) EDUCAÇÃO PELA ARTE Anexo 2 O documento que se apresenta em seguida é um dos que consideramos mais apelativos neste estudo visto ser possível ver Cecília Menano e João dos Santos e a cumplicidade que caracterizou a sua parceria

Leia mais

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL ROSA, Maria Célia Fernandes 1 Palavras-chave: Conscientização-Sensibilização-Transferência RESUMO A psicóloga Vanda

Leia mais

PARA SABER MAIS. Consulte o site do IAB www.alfaebeto.org.br COLEÇÃO PEQUENOS LEITORES GUIA DE LEITURA. Cabe aqui na minha mão!

PARA SABER MAIS. Consulte o site do IAB www.alfaebeto.org.br COLEÇÃO PEQUENOS LEITORES GUIA DE LEITURA. Cabe aqui na minha mão! CLÁUDIO MARTINS & MAURILO ANDREAS PARA SABER MAIS Consulte o site do IAB www.alfaebeto.org.br COLEÇÃO PEQUENOS LEITORES LÚCIA HIRATSUKA JASON GARDNER Priscilla Kellen Cabe aqui na minha mão! Frutas GUIA

Leia mais

PARA SABER MAIS. Consulte o site do IAB www.alfaebeto.org.br COLEÇÃO PEQUENOS LEITORES GUIA DE LEITURA. Cabe aqui na minha mão!

PARA SABER MAIS. Consulte o site do IAB www.alfaebeto.org.br COLEÇÃO PEQUENOS LEITORES GUIA DE LEITURA. Cabe aqui na minha mão! CLÁUDIO MARTINS & MAURILO ANDREAS PARA SABER MAIS Consulte o site do IAB www.alfaebeto.org.br COLEÇÃO PEQUENOS LEITORES LÚCIA HIRATSUKA JASON GARDNER Priscilla Kellen Cabe aqui na minha mão! Frutas GUIA

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Abril2014

Atividades Pedagógicas. Abril2014 Atividades Pedagógicas Abril2014 I A ADAPTAÇÃO Estamos chegando ao final do período de adaptação do grupo IA e a cada dia conhecemos mais sobre cada bebê. Começamos a perceber o temperamento, as particularidades

Leia mais

Sumário. Introdução... 7

Sumário. Introdução... 7 3 Sumário Introdução... 7 1. Somos especialistas em linguagem corporal... 9 Como os homens se comunicam, 10Comunicação linguística, 10Comunicação não linguística, 10O ato de comunicação, 11Importante:

Leia mais

Catequese da Adolescência 7º Catecismo Documentos de Apoio CATEQUESE 1 - SOMOS UM GRUPO COM JESUS. Documento I

Catequese da Adolescência 7º Catecismo Documentos de Apoio CATEQUESE 1 - SOMOS UM GRUPO COM JESUS. Documento I CATEQUESE 1 - SOMOS UM GRUPO COM JESUS Documento I CATEQUESE 1 - SOMOS UM GRUPO COM JESUS Documento 2 CATEQUESE 1 - SOMOS UM GRUPO COM JESUS Documento 3 CATEQUESE 2 - QUEM SOU EU? Documento 1 CATEQUESE

Leia mais

METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos)

METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos) METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos) 1. CONHECIMENTO DO MUNDO Revelar curiosidade e desejo de saber; Explorar situações de descoberta e exploração do mundo físico; Compreender mundo exterior mais próximo e do

Leia mais

Blue Mind Desenvolvimento Humano

Blue Mind Desenvolvimento Humano Conhecendo o Coaching Por Fábio Ferreira Professional & Self Coach pelo Instituto Brasileiro de Coaching, com certificação internacional pela European Coaching Association e Global Coaching Community,

Leia mais

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram Esquema de Palestra I. Por Que As Pessoas Compram A Abordagem da Caixa Preta A. Caixa preta os processos mentais internos que atravessamos ao tomar uma

Leia mais

CAPÍTULO IV Apresentação, interpretação e análise de dados

CAPÍTULO IV Apresentação, interpretação e análise de dados CAPÍTULO IV Apresentação, interpretação e análise de dados Introdução Tendo explicado e descrito os instrumentos e procedimentos metodológicos utilizados para a realização deste estudo, neste capítulo,

Leia mais

Exemplos de como praticá-los no Aconselhamento sobre o Tratamento Antiretroviral - TARV

Exemplos de como praticá-los no Aconselhamento sobre o Tratamento Antiretroviral - TARV 6 SABERES BÁSICOS DA COMUNICAÇÃO INTERPESSOAL Exemplos de como praticá-los no Aconselhamento sobre o Tratamento Antiretroviral - TARV Algumas habilidades de comunicação interpessoal foram identificadas

Leia mais

Formação Social e Humana O voluntariado como modalidade pedagógica

Formação Social e Humana O voluntariado como modalidade pedagógica Formação Social e Humana O voluntariado como modalidade pedagógica Congresso Nacional de Práticas Pedagógicas no Ensino Superior Formação Social e Humana Unidade optativa do Mestrado Integrado em Medicina

Leia mais

Oração. u m a c o n v e r s a d a a l m a

Oração. u m a c o n v e r s a d a a l m a Oração u m a c o n v e r s a d a a l m a 11 12 O Evangelho relata que por diversas vezes, quando ninguém mais estava precisando de alguma ajuda ou conselho, Jesus se ausentava para ficar sozinho. Natural

Leia mais

A Companhia dos amigos na floresta das emoções

A Companhia dos amigos na floresta das emoções A Companhia dos amigos na floresta das emoções Promoção de competências sócio-emocionais de crianças pré-escolares Caderno Divulgação 2015 Associação A Companhia dos amigos na floresta das emoções Propomos

Leia mais

Psicologia Aplicada em Portugal

Psicologia Aplicada em Portugal Psicologia Aplicada em Portugal Áreas Técnicos de Saúde Mental Psicologia Educacional Psicologia do Trabalho Psicologia Profissional Psicologia Clínica Psicologia Criminal Psicologia Desportiva Psicólogo

Leia mais

Manual de Aplicação do Jogo da Escolha. Um jogo terapêutico para jovens usuários de drogas

Manual de Aplicação do Jogo da Escolha. Um jogo terapêutico para jovens usuários de drogas Manual de Aplicação do Jogo da Escolha Um jogo terapêutico para jovens usuários de drogas 1 1. Como o jogo foi elaborado O Jogo da Escolha foi elaborado em 1999 pelo Centro de Pesquisa em Álcool e Drogas

Leia mais

2014 Setembro Ed. 16 1

2014 Setembro Ed. 16 1 1 Editorial Caros assinantes, tudo o que fazemos na vida tem por objetivo nossa felicidade. Quando ajudamos outra pessoa sentimos um forte prazer, felicidade. A filosofia nos convida a refletir se fazemos

Leia mais

Apontamentos iniciais sobre os Tipos de Movimentos

Apontamentos iniciais sobre os Tipos de Movimentos Apontamentos iniciais sobre os Tipos de Movimentos RICARDO MARTINS PORTO LUSSAC ricardolussac@yahoo.com.br (Brasil) Mestrando do Programa de Mestrado em Ciência da Motricidade Humana - Universidade Castelo

Leia mais

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Meu nome é Maria Bonita, sou mulher de Vírgulino Ferreira- vulgo Lampiãofaço parte do bando de cangaceiros liderados por meu companheiro.

Leia mais

Buscamos compreender como ocorrem os processos de desenvolvimento humano, organizacional e social

Buscamos compreender como ocorrem os processos de desenvolvimento humano, organizacional e social instituto fonte... Buscamos compreender como ocorrem os processos de desenvolvimento humano, organizacional e social e a arte de neles intervir. Buscamos potencializar a atuação de iniciativas sociais,

Leia mais

Resiliência. Capacidade para superar os desafios da vida

Resiliência. Capacidade para superar os desafios da vida Resiliência Capacidade para superar os desafios da vida O que é resiliência? Resiliência pode ser definida como a capacidade de se renascer da adversidade fortalecido e com mais recursos. (...) Ela engloba

Leia mais

Um pouco mais sobre desenvolvimento social e os Transtornos do Espectro Autista

Um pouco mais sobre desenvolvimento social e os Transtornos do Espectro Autista Um pouco mais sobre desenvolvimento social e os Transtornos do Espectro Autista www.infanciaeadole scencia.com.br O desenvolvimento social ocorre ao longo de todas as etapas do ciclo vital. Entretanto,

Leia mais

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido.

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Assim que ela entrou, eu era qual um menino, tão alegre. bilhete, eu não estaria aqui. Demorei a vida toda para encontrá-lo. Se não fosse o

Leia mais

5Passos fundamentais. Conseguir realizar todos os seus SONHOS. para. Autora: Ana Rosa. www.novavitacoaching.com

5Passos fundamentais. Conseguir realizar todos os seus SONHOS. para. Autora: Ana Rosa. www.novavitacoaching.com 5Passos fundamentais para Conseguir realizar todos os seus SONHOS Autora: Ana Rosa www.novavitacoaching.com O futuro pertence àqueles que acreditam na beleza dos seus sonhos! Eleanor Roosevelt CONSIDERA

Leia mais

A leitura, um bem essencial

A leitura, um bem essencial A leitura, um bem essencial A leitura, um bem essencial A leitura é uma competência básica que todas as pessoas devem adquirir para conseguirem lidar de forma natural com a palavra escrita. Mas aprender

Leia mais

Integrando Gestão de Pessoas à Gestão de Negócios. Condução de Dinâmicas de Grupo em Treinamentos. Alexandre Pereira

Integrando Gestão de Pessoas à Gestão de Negócios. Condução de Dinâmicas de Grupo em Treinamentos. Alexandre Pereira Condução de Dinâmicas de Grupo em Treinamentos Alexandre Pereira Alexandre V. S. Pereira Psicologo, Mestre e Doutor em Psicologia USP Pratitioner em Programação Neurolinguistica Professor de MBA na FGV,

Leia mais

A Tua Frase Poderosa. Coaches Com Clientes: Carisma. Joana Areias e José Fonseca WWW.COACHESCOMCLIENTES.COM

A Tua Frase Poderosa. Coaches Com Clientes: Carisma. Joana Areias e José Fonseca WWW.COACHESCOMCLIENTES.COM A Tua Frase Poderosa Coaches Com Clientes: Carisma Joana Areias e José Fonseca WWW.COACHESCOMCLIENTES.COM Introdução Neste pequeno texto pretendo partilhar contigo onde os coaches falham ao apresentarem-se

Leia mais

Da anomia à heteronomia na. Rossano Cabral Lima Psiquiatra infanto-juvenil; mestre e doutorando em Saúde Coletiva (IMS/UERJ)

Da anomia à heteronomia na. Rossano Cabral Lima Psiquiatra infanto-juvenil; mestre e doutorando em Saúde Coletiva (IMS/UERJ) Da anomia à heteronomia na infância Rossano Cabral Lima Psiquiatra infanto-juvenil; mestre e doutorando em Saúde Coletiva (IMS/UERJ) Hipótese mais difundida: indiferenciação primordial entre mãe e bebê

Leia mais

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de Ficha de Leitura Tipo de documento: Artigo Título: Colaboração em Ambientes Online na Resolução de Tarefas de Aprendizagem Autor: Miranda Luísa, Morais Carlos, Dias Paulo Assunto/Sinopse/Resenha: Neste

Leia mais

Objetivos do Curso: Público alvo:

Objetivos do Curso: Público alvo: Formação em Coaching Com Abordagem Neurocientífica, Psicofisiológica, Filosófica e Comportamental. Destinado aos Profissionais das Áreas de Saúde, Educação e Gestão de Pessoas Coaching é a palavra inglesa

Leia mais

Indice. www.plurivalor.com. Livro LIDERANÇA COM INTELIGÊNCIA EMOCIONAL

Indice. www.plurivalor.com. Livro LIDERANÇA COM INTELIGÊNCIA EMOCIONAL Indice Introdução Um Exemplo Diagnóstico O Método do Líder Sem Inteligência Emocional Um método melhor Inteligência Emocional e E. ciência Administrativa O Valor das Habilidades Emocionais Uma nova teoria

Leia mais

De Profundis.indd 25 20/05/15 18:01

De Profundis.indd 25 20/05/15 18:01 Janeiro de 1995, quinta feira. Em roupão e de cigarro apagado nos dedos, sentei me à mesa do pequeno almoço onde já estava a minha mulher com a Sylvie e o António que tinham chegado na véspera a Portugal.

Leia mais

Aprender linguagem > 4 a 5 anos > VOCABULÁRIO. Aumentando o vocabulário (ajudas e efeitos gerais)

Aprender linguagem > 4 a 5 anos > VOCABULÁRIO. Aumentando o vocabulário (ajudas e efeitos gerais) Aprender linguagem > 4 a 5 anos > VOCABULÁRIO Aumentando o vocabulário (ajudas e efeitos gerais) 1 Aprender linguagem > 4 a 5 anos > VOCABULÁRIO > 1. Aumentando o vocabulário Então as crianças Se os adultos

Leia mais

7 7 E8BOOK7CURSO7DE7 ORATÓRIA7

7 7 E8BOOK7CURSO7DE7 ORATÓRIA7 HTTP://WWW.SUPEREDESAFIOS.COM.BR/SEGREDO/FORMULANEGOCIOONLINE E8BOOKCURSODE ORATÓRIA Prof.DaniloMota Prof.&Danilo&Mota& &Blog&Supere&Desafios& 1 Introdução:Tempodeouvir,tempodefalar. Não saber ouvir bem,

Leia mais

Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito

Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito UM TÊNUE LIMIAR... 1 Graciella Leus Tomé Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito me chocou. Foi a internação de uma jovem senhora, mãe, casada, profissão estável,

Leia mais

Modelos de Intervenção em PEA

Modelos de Intervenção em PEA Braga 2008 1 de Março o de 2008 Modelos de Intervenção em PEA João Teixeira Centro de Estudos e Apoio à Criança a e Família APPDA-Norte Modelos de Intervençao em PEA 1943 Kanner e Asperger identificam

Leia mais

ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 11 PRIMEIRA PARTE A RELAÇÃO CONSIGO MESMO. 1. AUTOCONHECIMENTO... 15 1.1 Processos... 16 1.2 Dificuldades...

ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 11 PRIMEIRA PARTE A RELAÇÃO CONSIGO MESMO. 1. AUTOCONHECIMENTO... 15 1.1 Processos... 16 1.2 Dificuldades... ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 11 PRIMEIRA PARTE A RELAÇÃO CONSIGO MESMO 1. AUTOCONHECIMENTO... 15 1.1 Processos... 16 1.2 Dificuldades... 19 2. AUTOESTIMA... 23 2.1 Autoaceitação... 24 2.2 Apreço por si... 26

Leia mais

O BRINCAR E A CLÍNICA

O BRINCAR E A CLÍNICA O BRINCAR E A CLÍNICA Christine Nunes (psicóloga clínica, candidata da SPRJ) RESUMO: O presente trabalho, propõe a uma breve exposição do que pensa Winnicott sobre o brincar e a sessão analítica estendendo

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO 1

PROJETO PEDAGÓGICO 1 PROJETO PEDAGÓGICO 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Título: Maricota ri e chora Autor: Mariza Lima Gonçalves Ilustrações: Andréia Resende Formato: 20,5 cm x 22 cm Número de páginas: 32

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO Página 1 CONVERSA DE PSICÓLOGO Volume 03 - Edição 01 Agosto - 2013 Entrevistada: Renata Trovarelli Entrevistadora: Cintia C. B. M. da Rocha TEMA: RELACIOMENTO AMOROSO Psicóloga Comportamental, atualmente

Leia mais

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes As crianças, a cultura lúdica e a matemática Lisandra Ogg Gomes Aprendizagens significativas: Como as crianças pensam o cotidiano e buscam compreendê-lo? (Caderno de Apresentação, 2014, p. 33). O que as

Leia mais

A tecnologia e a ética

A tecnologia e a ética Escola Secundária de Oliveira do Douro A tecnologia e a ética Eutanásia João Manuel Monteiro dos Santos Nº11 11ºC Trabalho para a disciplina de Filosofia Oliveira do Douro, 14 de Maio de 2007 Sumário B

Leia mais

A MAGIA DA MATEMÁTICA

A MAGIA DA MATEMÁTICA A MAGIA DA MATEMÁTICA Helena Rocha, Isabel Oitavem Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Nova de Lisboa hcr@fct.unl.pt, oitavem@fct.unl.pt Introdução Todos os professores se preocupam com as

Leia mais

ORIENTAÇÕES DIDÁTICAS N. 17/2015

ORIENTAÇÕES DIDÁTICAS N. 17/2015 ORIENTAÇÕES DIDÁTICAS N. 17/2015 TÓPICO DE ESTUDO: DISCIPLINA EM SALA 1 DISCIPLINA OU INDISCIPLINA ESCOLAR, EIS A QUESTÃO! A disciplina em sala de aula, ou melhor, sua ausência, tem sido verificada com

Leia mais

Reggio Emília Cooperação e Colaboração

Reggio Emília Cooperação e Colaboração Reggio Emília Cooperação e Colaboração Trabalho realizado por: Alexandra Marques nº4423 Ana Sofia Ferreira nº4268 Ana Rita Laginha nª4270 Dina Malveiro nº3834 Prof. Docente: José Espírito Santo Princípios

Leia mais

DTIM Associação Regional para o Desenvolvimento das Tecnologias de Informação na Madeira

DTIM Associação Regional para o Desenvolvimento das Tecnologias de Informação na Madeira DTIM Associação Regional para o Desenvolvimento das Tecnologias de Informação na Madeira APOIO DO FUNDO SOCIAL EUROPEU: Através do Programa Operacional Plurifundos da Região Autónoma da Madeira (POPRAM

Leia mais

Pequenas, mas com vontades próprias, as. crianças expressam as suas emoções de. formas muito distintas ao longo das várias fases

Pequenas, mas com vontades próprias, as. crianças expressam as suas emoções de. formas muito distintas ao longo das várias fases Newsletter N.º 19 Janeiro/Fevereiro 11 5 Pequenas, mas com vontades próprias, as crianças expressam as suas emoções de formas muito distintas ao longo das várias fases da infância. Mas é entre os 2 e os

Leia mais

EMOTIONAL BUSINESS ACADEMY PROPOSTA FORMAÇÃO FORÇAS DE SEGURANÇA

EMOTIONAL BUSINESS ACADEMY PROPOSTA FORMAÇÃO FORÇAS DE SEGURANÇA EMOTIONAL BUSINESS ACADEMY PROPOSTA FORMAÇÃO FORÇAS DE SEGURANÇA EMOTIONAL BUSINESS ACADEMY MASTER NEGOCIAÇÃO & VENDAS DURAÇÃO: 8H HORÁRIOS: Laboral e Pós Laboral ESTRUTURA DA PROPOSTA 1. Designação das

Leia mais

Sistema Nacional de Intervenção Precoce na Infância [SNIPI]

Sistema Nacional de Intervenção Precoce na Infância [SNIPI] Sistema Nacional de Intervenção Precoce na Infância [SNIPI] Informação para os pais Estimulando a linguagem das crianças Do nascimento aos 2 anos O bebé recém-nascido tenta comunicar com os pais através

Leia mais

Projetos. Outubro 2012

Projetos. Outubro 2012 Projetos Outubro 2012 Assunto de gente grande para gente pequena. No mês de outubro os brasileiros foram às urnas para eleger prefeitos e vereadores e a Turma da Lagoa não poderia ficar fora deste grande

Leia mais

Comportamento social de Personagens Sintéticos: Dinâmica de Grupo. Rui Prada rui.prada@tagus.ist.utl.pt GAIPS, INESC-ID IST UTL

Comportamento social de Personagens Sintéticos: Dinâmica de Grupo. Rui Prada rui.prada@tagus.ist.utl.pt GAIPS, INESC-ID IST UTL Comportamento social de Personagens Sintéticos: Dinâmica de Grupo Rui Prada rui.prada@tagus.ist.utl.pt GAIPS, INESC-ID IST UTL Sumário Introdução Exemplos Problema Modelo Estudo Conclusões Introdução É

Leia mais

Escola Flor da Vida EQUIPE MÉDICA INTERDIMENSIONAL. Professor Docente: Edgar Holus

Escola Flor da Vida EQUIPE MÉDICA INTERDIMENSIONAL. Professor Docente: Edgar Holus EQUIPE MÉDICA INTERDIMENSIONAL Professor Docente: Edgar Holus EQUIPE MÉDICA INTERDIMENSIONAL POR: MARIAH "SEVEN STARS" NAPIERALSKI A equipe médica Interdimensional é uma equipe de Eternos Seres de Luz

Leia mais

A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II

A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II Meditação Crianças de 10 a 11 anos NOME: DATA: 03/03/2013 PROFESSORA: A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II Versículos para decorar: 1 - O Espírito de Deus me fez; o sopro do Todo-poderoso me dá vida. (Jó 33:4)

Leia mais

A Formação Pessoal. e Social. no Pré-Escolar

A Formação Pessoal. e Social. no Pré-Escolar A Formação Pessoal e Social no Pré-Escolar A Formação Pessoal e Social é considerada uma área transversal, dado que todas as componentes curriculares deverão contribuir para promover nas crianças atitudes

Leia mais

Questionário Sociodemográfico e Clínico

Questionário Sociodemográfico e Clínico Questionário Sociodemográfico e Clínico dados pessoais do sujeito: data: local: contacto telef.: nome: idade: naturalidade: estado civil: S C UF D V outros: escolaridade (nº anos c/ sucesso): habilitações

Leia mais

PRÉ-ESCOLAR PROJETO EDUCATIVO / PLANO DE ATIVIDADES. Vale Mourão 2014 / 2015 PROJETO: CHUVA DE CORES

PRÉ-ESCOLAR PROJETO EDUCATIVO / PLANO DE ATIVIDADES. Vale Mourão 2014 / 2015 PROJETO: CHUVA DE CORES COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA PRÉ-ESCOLAR PROJETO EDUCATIVO / PLANO DE ATIVIDADES Vale Mourão 2014 / 2015 PROJETO: CHUVA DE CORES INTRODUÇÃO «Será a emergência do sentido e conteúdo curricular que permitirá

Leia mais

ATENDIMENTO A CLIENTES

ATENDIMENTO A CLIENTES Introdução ATENDIMENTO A CLIENTES Nos dias de hoje o mercado é bastante competitivo, e as empresas precisam ser muito criativas para ter a preferência dos clientes. Um dos aspectos mais importantes, principalmente

Leia mais

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE 1. JUSTIFICATIVA A região do Baixo Tocantins apresenta-se na área cultural e artística, é um grande celeiro de talentos, que vem enraizado culturalmente em nosso povo,

Leia mais

LEMA: EU VIM PARA SERVIR (Mc 10,45) TEMA: FRATERNIDADE: IGREJA E SOCIEDADE

LEMA: EU VIM PARA SERVIR (Mc 10,45) TEMA: FRATERNIDADE: IGREJA E SOCIEDADE LEMA: EU VIM PARA SERVIR (Mc 10,45) TEMA: FRATERNIDADE: IGREJA E SOCIEDADE Introdução A CF deste ano convida-nos a nos abrirmos para irmos ao encontro dos outros. A conversão a que somos chamados implica

Leia mais

A Criança e os Mimos. "Se competir é o único caminho que nos conduz à felicidade, então, viver em paz será impossível..."

A Criança e os Mimos. Se competir é o único caminho que nos conduz à felicidade, então, viver em paz será impossível... A Criança e os Mimos "Se competir é o único caminho que nos conduz à felicidade, então, viver em paz será impossível..." Autora: Anne M. Lucille[1] "Respeito é quando ensinamos, não quando corrigimos..."

Leia mais

Planificação Anual da Disciplina de Psicologia. MÓDULOS 1, 2, 3 e 4. 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário

Planificação Anual da Disciplina de Psicologia. MÓDULOS 1, 2, 3 e 4. 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário Planificação Anual da Disciplina de MÓDULOS 1, 2, 3 e 4 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário Componente de Formação Científica Ano lectivo 2013-2014 1 MÓDULO 1 - DESCOBRINDO

Leia mais

Porquê ler ao meu bebé? Projecto O meu brinquedo é um livro

Porquê ler ao meu bebé? Projecto O meu brinquedo é um livro Porquê ler ao meu bebé? Projecto O meu brinquedo é um livro Porquê ler ao meu bebé? Projecto O meu brinquedo é um livro O meu brinquedo é um livro é um projecto de promoção da leitura proposto pela Associação

Leia mais

FEED FORWARD #35 JANEIRO 2015. Propósito e Coaching. Alexandra Lemos Executive Coach International Coach Trainer da ICC para Portugal WWW.MINDCOACH.

FEED FORWARD #35 JANEIRO 2015. Propósito e Coaching. Alexandra Lemos Executive Coach International Coach Trainer da ICC para Portugal WWW.MINDCOACH. WWW.MINDCOACH.PT FEED FORWARD Propósito e Coaching #35 JANEIRO 2015 Alexandra Lemos Executive Coach International Coach Trainer da ICC para Portugal ZÉLIA OLIVEIRA MARQUES EXECUTIVE, BUSINESS & TEAM COACH

Leia mais

RECONHECIDO INTERNACIONALMENTE

RECONHECIDO INTERNACIONALMENTE RECONHECIDO INTERNACIONALMENTE COACHING EDUCATION By José Roberto Marques Diretor Presidente - Instituto Brasileiro de Coaching Denominamos de Coaching Education a explicação, orientação e aproximação

Leia mais

Encontros de vida que se faz vivendo.

Encontros de vida que se faz vivendo. Encontros de vida que se faz vivendo. Thatiane Veiga Siqueira 1 A menina do coração de chocolate. Juliana tem nove anos, é uma menina de olhos esbugalhados, com sorriso fácil, ao primeiro olhar já se vê

Leia mais

Um exemplo prático. Como exemplo, suponha que você é um recémcontratado

Um exemplo prático. Como exemplo, suponha que você é um recémcontratado pessoas do grupo. Não basta simplesmente analisar cada interpretação possível, é preciso analisar quais as conseqüências de nossas possíveis respostas, e é isso que proponho que façamos de forma racional.

Leia mais

Considerações Finais. Resultados do estudo

Considerações Finais. Resultados do estudo Considerações Finais Tendo em conta os objetivos definidos, as questões de pesquisa que nos orientaram, e realizada a apresentação e análise interpretativa dos dados, bem como a sua síntese final, passamos

Leia mais

Vamos ver quem manda aqui (Adaptação do livro Política para meu Filho)

Vamos ver quem manda aqui (Adaptação do livro Política para meu Filho) INSTITUTO DE EDUCAÇÃO INFANTIL E JUVENIL COOPERATIVA DE PAIS Vamos ver quem manda aqui (Adaptação do livro Política para meu Filho) Texto CAPÍTULO I AQUI ESTAMOS REUNIDOS Você abre os olhos e olha à sua

Leia mais

O MANEJO TERAPÊUTICO NA CLÍNICA CONTEMPORÂNEA

O MANEJO TERAPÊUTICO NA CLÍNICA CONTEMPORÂNEA O MANEJO TERAPÊUTICO NA CLÍNICA CONTEMPORÂNEA Donald Woods Winnicott, pediatra e psicanalista, foi uma das figuras de grande expressão no cenário psicanalítico. Ele nos trouxe contribuições valiosas e

Leia mais

CONHECENDO A PSICOTERAPIA

CONHECENDO A PSICOTERAPIA CONHECENDO A PSICOTERAPIA Psicólogo Emilson Lúcio da Silva CRP 12/11028 2015 INTRODUÇÃO Em algum momento da vida você já se sentiu incapaz de lidar com seus problemas? Se a resposta é sim, então você não

Leia mais

INTRODUÇÃO. A fragilidade do cristal não é fraqueza, mas pureza. Frase do filme Na natureza selvagem

INTRODUÇÃO. A fragilidade do cristal não é fraqueza, mas pureza. Frase do filme Na natureza selvagem INTRODUÇÃO A fragilidade do cristal não é fraqueza, mas pureza. Frase do filme Na natureza selvagem Quero tocar as estrelas Mas já sei Que não poderei Senti-las Pois a viagem É sem volta. Nash Ngaïve,

Leia mais

Relacionamento intra/interpessoal nas relações humanas: O Eu, o Outro e o Entre

Relacionamento intra/interpessoal nas relações humanas: O Eu, o Outro e o Entre XI SEMINÁRIO MULTIDISCIPLINAR Relacionamento intra/interpessoal nas relações humanas: O Eu, o Outro e o Entre Ms. Cristiene de Paula Alencar* * Mestre em Psicologia Educacional Como está o mundo? O que

Leia mais

Aprender linguagem > 4 a 5 anos > VOCABULÁRIO. Aumentando o vocabulário (ajudas e efeitos gerais)

Aprender linguagem > 4 a 5 anos > VOCABULÁRIO. Aumentando o vocabulário (ajudas e efeitos gerais) Aprender linguagem > 4 a 5 anos > VOCABULÁRIO Aumentando o vocabulário (ajudas e efeitos gerais) 1 Aprender linguagem > 4 a 5 anos > VOCABULÁRIO > 1. Aumentando o vocabulário (ajudas e efeitos gerais)

Leia mais

MÓDULOS 1, 2, 3 e 4. 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário. Componente de Formação Científica. Ano lectivo 2015-2016

MÓDULOS 1, 2, 3 e 4. 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário. Componente de Formação Científica. Ano lectivo 2015-2016 Planificação Anual da Disciplina de Psicologia MÓDULOS 1, 2, 3 e 4 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário Componente de Formação Científica Ano lectivo 2015-2016 MÓDULO

Leia mais

pensamentos para o seu dia a dia

pensamentos para o seu dia a dia pensamentos para o seu dia a dia Israel Belo de Azevedo 1Vida e espiritualidade 1 Adrenalina no tédio O interesse por filmes sobre o fim do mundo pode ser uma forma de dar conteúdo ao tédio. Se a vida

Leia mais

Meu nome é Rosângela Gera. Sou médica e mãe de uma garotinha de sete anos que é cega.

Meu nome é Rosângela Gera. Sou médica e mãe de uma garotinha de sete anos que é cega. Prezado Editor, Meu nome é Rosângela Gera. Sou médica e mãe de uma garotinha de sete anos que é cega. Gostaria de compartilhar com os demais leitores desta revista, minha experiência como mãe, vivenciando

Leia mais

POLÍCIA CIVIL DO ESTADO DE SÃO PAULO

POLÍCIA CIVIL DO ESTADO DE SÃO PAULO CURSO: ATENDIMENTO A HOMENS AUTORES DE VIOLÊNCIA FAMILIAR 1. Dados de Identificação do Curso 1.1 Título do Curso Atendimento a homens autores de violência familiar. 2. Objetivo Geral No contexto latino-americano,

Leia mais

Palavras-chave: sonho, análise funcional, terapia comportamental. A análise dos sonhos é uma questão antiga na história da humanidade, sendo

Palavras-chave: sonho, análise funcional, terapia comportamental. A análise dos sonhos é uma questão antiga na história da humanidade, sendo SONHOS: uma questão de contingências Renata Cristina Rodrigues Alves 1 Resumo: O comportamento de sonhar, para a Análise do Comportamento, está associado a eventos privados cujo acesso se dá através do

Leia mais

George Vittorio Szenészi

George Vittorio Szenészi A Semana > Entrevista N Edição: 2173 01.Jul.11-21:00 Atualizado em 07.Jul.11-15:47 George Vittorio Szenészi "Inteligência sem emoção não funciona" O psicoterapeuta diz como a capacidade de lidar bem com

Leia mais

Relações Humanas e Marketing Pessoal

Relações Humanas e Marketing Pessoal Relações Humanas e Marketing Pessoal Realização: Projeto Ser Tão Paraibano Parceiros: Elaboração: Deusilandia Soares Professor-Orientador: Vorster Queiroga Alves PRINCÍPIOS DE RELAÇÕES HUMANAS Em qualquer

Leia mais

Dinâmica e Animação de Grupo

Dinâmica e Animação de Grupo Dinâmica e Animação de Grupo Desenvolvimento de Competências Turma G3D Leandro Diogo da Silva Neves 4848 Índice 1. Introdução... 3 2. Planeamento de desenvolvimento individual... 4 2.1 Competências...

Leia mais

Honrar os valores, uma questão de integridade

Honrar os valores, uma questão de integridade Honrar os valores, uma questão de integridade Por: P.A. (Paulo Alvarenga) Nos últimos congressos de desenvolvimento profissional que participei, o que mais tenho escutado é sobre a importância dos valores.

Leia mais

Competências Parentais

Competências Parentais ExpressARTE Recursos Didácticos para Aprender a Ser Mais Guia do Formador drmadorr1manda Competências Parentais Autor: Inês Eugénio Título: Competências Parentais Coordenação da Mala Formativa: Graça Pinto,

Leia mais

As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico

As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico Mariana Antoniuk 1 Dêivid Marques 2 Maria Angela Barbato Carneiro ( orientação) 3 Abordando as diferentes linguagens da criança neste ano, dentro do

Leia mais

A vida em grupo é uma exigência da natureza humana. É na presença do outro que a pessoa forma a sua identidade. Lev Vygotsky

A vida em grupo é uma exigência da natureza humana. É na presença do outro que a pessoa forma a sua identidade. Lev Vygotsky A vida em grupo é uma exigência da natureza humana É na presença do outro que a pessoa forma a sua identidade. Lev Vygotsky No processo de socialização a criança aprende as regras básicas, os valores e

Leia mais

Linguagem de Programação

Linguagem de Programação Linguagem de Programação Aula 1 Motivação e Revisão Universidade Federal de Santa Maria Colégio Agrícola de Frederico Westphalen Curso Técnico em Informática Prof. Bruno B. Boniati www.cafw.ufsm.br/~bruno

Leia mais

Estudo de caso de relacionamento interpessoal no ambiente de trabalho.

Estudo de caso de relacionamento interpessoal no ambiente de trabalho. Estudo de caso de relacionamento interpessoal no ambiente de trabalho. Giovanna Ferreira Curvelo 1 Resumo. Este ensaio tem a finalidade de estudar a importância da Inteligência Emocional no ambiente de

Leia mais

Vivência Holística da Gravidez e Parto

Vivência Holística da Gravidez e Parto Vivência Holística da Gravidez e Parto Preparação para o Nascimento Acreditamos que existem outras formas de olhar para a chegada de um novo Ser, de vivenciar a gravidez e de experienciar o parto de forma

Leia mais

Disciplina de Psicologia B 12 o Ano Turma A

Disciplina de Psicologia B 12 o Ano Turma A Disciplina de Psicologia B 12 o Ano Turma A Resolução da Ficha Formativa de Trabalho de Grupo nº1 1 Desde a antiguidade que a psicologia era entendida, morfologicamente, como no estudo da alma e da mente,

Leia mais

Terapia cognitiva da esquizofrenia. IX Jornada CELPCYRO Porto Alegre, junho 2012

Terapia cognitiva da esquizofrenia. IX Jornada CELPCYRO Porto Alegre, junho 2012 Terapia cognitiva da esquizofrenia IX Jornada CELPCYRO Porto Alegre, junho 2012 Terapia cognitiva e as medicações Parte do trabalho da TCC é promover o aumento da adesão à medicação. As evidências de melhora

Leia mais

O dia em que parei de mandar minha filha andar logo

O dia em que parei de mandar minha filha andar logo O dia em que parei de mandar minha filha andar logo Rachel Macy Stafford Quando se está vivendo uma vida distraída, dispersa, cada minuto precisa ser contabilizado. Você sente que precisa estar cumprindo

Leia mais

Utilizar na comunicação 4 ouvidos

Utilizar na comunicação 4 ouvidos Utilizar na comunicação 4 ouvidos Desafio para a relação catequética Estimado catequista, imagine que se encontra com o Luís sorriso no pátio do centro paroquial. O Luís Sorriso vai cumprimentá-lo de forma

Leia mais

Faça-me sentir importante CARÍCIAS - O verdadeiro reconhecimento Webinar (treinamento online)

Faça-me sentir importante CARÍCIAS - O verdadeiro reconhecimento Webinar (treinamento online) Faça-me sentir importante CARÍCIAS - O verdadeiro reconhecimento Webinar (treinamento online) Tatiane Medeiros Cunha Graduada em Psicologia pela Universidade Federal de Uberlândia 2010; Formação em Hipnose

Leia mais

Você foi criado para fazer parte da família de Deus.

Você foi criado para fazer parte da família de Deus. 3ª Semana Você foi criado para fazer parte da família de Deus. I- CONECTAR: Inicie o encontro com dinâmicas que possam ajudar as pessoas a se conhecer e se descontrair para o tempo que terão juntas. Descreva

Leia mais