3º SIMPÓSIO DE. Copyright IFI 2010 All Rights Reserved. SEGURANÇA DE VOO 06 de agosto de 2010

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "3º SIMPÓSIO DE. Copyright IFI 2010 All Rights Reserved. SEGURANÇA DE VOO 06 de agosto de 2010"

Transcrição

1 CERTIFICAÇÃO DE VANT 3º SIMPÓSIO DE SEGURANÇA DE VOO 06 de agosto de 2010

2 INTRODUÇÃO O crescimento da utilização dual (civil e militar) de VANTS é um fato irreversível. Os países que não se empenharem em dominar as tecnologias associadas ao emprego de VANT estarão inexoravelmente fadados a serem meros compradores (sem condições, inclusive, de escolher o melhor produto ).

3 INTRODUÇÃO Guerra Eletrôncia, Air Warfare Data Link Sensores Pouso e Decolagem Automáticos Redução de Assinatura Copyright Radar IFI 2010 All Rights Reserved Navegação e Controle, Motores

4 Brasil - END VANT na Força Aérea... Três diretrizes estratégicas marcarão a evolução da Força Aérea... A segunda diretriz é o avanço nos programas de veículos aéreos não tripulados, primeiro de vigilância e depois de combate....

5 PORTARIA NORMATIVA Nº MD, DE 28 DE JUNHO DE Dispõe sobre a Diretriz para a coordenação de programas e projetos comuns às Forças Armadas. O MINISTRO DE ESTADO DE DEFESA, no uso das atribuições que lhe confere o inciso I do parágrafo único do art. 87 da Constituição Federal e tendo em vista o disposto no art. 1 º, do Anexo I ao Decreto nº 6.223, de 4 de outubro de 2007, resolve: Art. 1º Aprovar a DIRETRIZ PARA A COORDENAÇÃO DE PROGRAMAS E PROJETOS COMUNS ÀS FORÇAS ARMADAS, na forma do Anexo a esta Portaria Normativa. Art. 2º Esta Portaria Normativa entra em vigor na data de sua publicação.

6 Veículos Aéreos Não Tripulados (VANT): Comando da Aeronáutica 1. Propor um programa de desenvolvimento e obtenção conjunta de VANT, atendendo às especificidades de cada Força Singular. 2. Estudar a viabilidade de concentração da avaliação técnica dos VANT no Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA), de forma a se buscar a harmonização dos requisitos avaliados, respeitando-se as especificidades de cada Força Singular e de outros operadores. 3. Desenvolver, em conjunto, tecnologias para o gerenciamento das informações e para o guiamento das aeronaves. 4. Estabelecer reuniões periódicas entre as Forças Singulares para a troca de informações e experiências sobre o emprego de VANT (doutrina) e para o compartilhamento de desenvolvimentos tecnológicos, que sejam passíveis de serem utilizados nos diversos projetos desse tipo de material. 5. Desenvolver uma metodologia de compartilhamento, pelas Forças Singulares, das informações Copyright obtidas IFI 2010 durante All Rights Reserved o emprego dos VANT.

7 Veículos Aéreos Não Tripulados (VANT): Comando da Aeronáutica 6. Regulamentar o emprego de VANT quanto à coordenação e ao uso do espaço aéreo, pelas Forças Armadas e outros operadores, tanto em atividades de Preparo como de Emprego. 7. Propor as medidas de integração e coordenação do emprego de VANT, pelas Forças Singulares, em Operações Conjuntas. 8. Propor uma catalogação dos itens componentes, de acordo com o sistema de catalogação da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN), o Sistema OTAN de Catalogação (SOC), viabilizando uma linguagem uniforme de identificação de materiais, em âmbito nacional e internacional, para uso dentro das atividades logísticas. 9. Desenvolver um programa conjunto de formação de recursos humanos. 10. Considerar que as Forças Singulares deverão apresentar ao MD uma proposta de localização dos seus VANT estratégicos, com base nas Hipóteses de Emprego e suas prioridades.

8 Objetivo Apresentar tópicos relacionados ao aspectos certificação de Veículo Aéreo Não-Tripulado (VANT) que norteiam os estudos do DCTA/IFI para regulamentação do emprego desses veículos.

9 Roteiro 1. Operação Segura de VANT 2. Certificação e Segurança (Safety) 3. Modelo de Certificação e Aprovação 4. Certificação de Aeronavegabilidade 5. Conclusão

10 1. OPERAÇÃO SEGURA DE VANT

11 VANT, UAV, RPA, é aeronave 20 cm, 100 g 35 m, 12 ton

12 VANT é um Sistema SISVANT UAS

13 VANT é um Sistema Controlador de Payload Data link VANT Telemetria Estação de solo

14 VANT e Variabilidade VANT de COMBATE ALVOS AÉREOS VANT de RECONHECIMENTO OUTROS TIPOS de VANT VTOL MÍSSEIS de CRUZEIRO

15 VANT e Classificação

16 VANT e INTEROPERABILIDADE

17 Congo Drone Crash Kills... a Belgian drone fell from the skies over the Congolese capital city of Kinshasa,killing one woman and injuring [at least] two others, according to Flight International. It's believed to be the world s first case of a civilian being killed by a crashing military UAV (Defense Tech, 0ct ). VANT e SEGURANÇA Acidente em Kinshasa (morte de uma mulher, 2006). Acidente com Predator (border patrol, Arizona, EUA, 2006). (border patrol, Arizona,

18 Incidente envolvendo VANT Alemão Luna e Airbus Comercial (Afeganistão, 2004)

19 Incidente envolvendo VANT Alemão Luna e Airbus Comercial (Afeganistão, 2004)

20 Incidente envolvendo VANT Alemão Luna e Airbus Comercial (Afeganistão, 2004)

21 Incidente envolvendo VANT Alemão Luna e Airbus Comercial (Afeganistão, 2004)

22 Incidente envolvendo VANT Alemão Luna e Airbus Comercial (Afeganistão, 2004)

23 Incidente envolvendo VANT Alemão Luna e Airbus Comercial (Afeganistão, 2004)

24 Incidente envolvendo VANT Alemão Luna e Airbus Comercial (Afeganistão, 2004)

25

26 AIC 29/09 DECEA

27

28 DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA AEROESPACIAL Copyright IFI 2010 All Rights Reserved

29 2. CERTIFICAÇÃO E SEGURANÇA (SAFETY)

30 CERTIFICAÇÃO The legal recognizance that a product, service, organization, or person complies with the applicable requirements. Such certification comprises the activity of technically checking the product, service, organization or person, and the formal recognition of compliance with the applicable requirements by issue of a certificate, license, approval, or other documents as required by national laws and procedures. (ARP 4761)

31 Por que certificar? Convenção de Chicago 1944 Anexos (18) Anexo 8: Airworthiness of Aircraft CBA Art 66 (padrões mínimos de segurança) COMAER: ICA Qualquer produto aeronáutico, espacial, de infra-estrutura e de controle do espaço aéreo, adquirido no País ou no exterior, para ser utilizado operacionalmente pelo COMAER, deve ser certificado por Organização Competente.

32 Certificação de Aeronavegabilidade Produto está aeronavegável quando está : conforme o projeto aprovado; e em condições de operação segura Certificado de Aeronavegabilidade ICA

33 Certificação de Aeronavegabilidade 91.7 AERONAVEGABILIDADE DE AERONAVE CIVIL (a) Nenhuma pessoa pode operar uma aeronave civil, a menos que ela esteja em condições aeronavegáveis. (b) O piloto em comando de uma aeronave civil é responsável pela verificação das condições da aeronave quanto à segurança do vôo. Ele deve descontinuar o vôo quando ocorrerem problemas de manutenção ou estruturais degradando a aeronavegabilidade da aeronave.

34 Segurança da Aviação Aeronavegabilidade o sistema é seguro para voar Aeronavega bilidade Continuada OPR, MNT, TRN, DS Infraestrutura ATM Interação com o espaço aéreo Aeroportos Garantia da Qualidade 34 Aeronavegabilidade: É a condição de uma aeronave para a realização da função pretendida de modo seguro (operação de modo seguro).

35 Objetivos: APROVAÇÃO DA PRODUÇÃO Verificar que cada produto fabricado esteja de acordo com o projeto aprovado, Propiciar um sistema de Dificuldades em Serviço efetivo: Produto conforme projeto aprovado

36 SISTEMA DE SEGURANÇA Degradação da segurança Acidente Incidente Projeto SEGURANÇA DA AVIAÇÃO Mão-de de-obra Produção Operação Manutenção erros de projeto, de produção erros em procedimentos e documentos falha ou mau funcionamento de sistema ou componente

37 CERTIFICAÇÃO CERTIFICAÇÃO DE PRODUTO CERTIFICAÇÃO DO PROJETO (TIPO) Aprovação do projeto de engenharia do veículo, das estações de controle e das comunicações. APROVAÇÃO DA PRODUÇÃO Sistema da Qualidade implantado. CERTIFICAÇÃO DE AERONAVEGABILIDADE AERONAVEGABILIDADE CONTINUADA Manutenção, inspeção, peças de reposição, documentação técnica (manual de manutenção, catalogo de peças etc); Requisitos RBAC 21, 23, 25, 27, 29, 33, etc.

38 CERTIFICAÇÃO CERTIFICAÇÃO OPERACIONAL Requisitos equivalentes ao RBAC 91/121/135, Responsabilidade do Piloto em Comando, Responsabilidade da empresa; Regras de Vôo, Requisitos de equipamentos (sense & avoid), Documentação, Manutenção e Reparos CERTIFICAÇÃO DA TRIPULAÇÃO CERTIFICAÇÃO DE MANUTENÇÃO

39 CERTIFICAÇÃO ATM - TRAF AÉREO Equipamentos, tripulação, links de pilotagem, links de comunicação, regras de vôo ( VFR/IFR), início e terminação, gerenciamento, mínimos de separação, evitar colisão, sense & avoid, transferências, comunicações, plano de vôo, área segregada e não segregada, situações de emergência. INFRA-ESTRUTURA AEROPORTUÁRIA Estacionamento, horas de operação, comunicações, sistemas de aproximação, etc.

40 SUBCHAPTER C--AIRCRAFT to CERTIFICATION PROCEDURES FOR PRODUCTS AND PARTS to to to to to to to to AIRWORTHINESS STANDARDS: NORMAL, UTILITY, A CROBATIC, AND COMMUTER CATEGORY AIRPLA NES AIRWORTHINESS STANDARDS: TRA NSPORT CATEGORY AIRPLA NES CONTINUED AIRWORTHINESS AND SAFETY IMPROVEMENTS FOR TRANSPORT CATEGORY AIRPLA NES AIRWORTHINESS STANDARDS: NORMAL CATEGORY ROTORCRAFT AIRWORTHINESS STANDARDS: TRA NSPORT CATEGORY ROTORCRAFT AIRWORTHINESS STANDARDS: MANNED FREE BALLOONS AIRWORTHINESS STANDARDS: AIRCRAFT ENGINES 40 FUEL VENTING AND EXHAUST EMISSION REQUIREMENTS FOR TURBINE ENGINE POW ERED AIRPLANES

41 to AIRWORTHINESS STANDARDS: PROPELLERS to NOISE STANDA RDS: AIRCRA FT TYPE AND AIRWORTHINESS CERTIFICATION to AIRWORTHINESS DIRECTIVES to to MAINTENANCE, PREVENTIVE MAINTENANCE, REBUILDING, AND ALTERATION IDENTIFICATION AND REGISTRATION MARKING to AIRCRAFT REGISTRATION to RECORDING OF AIRCRAFT TITLES AND SECURITY DOCUMENTS [Reserved] 41

42 SUBCHAPTER D--AIRMEN Part Table of Contents Headings to to to to FLIGHT SIMULATION TRAINING DEVICE INITIAL AND CONTINUING QUALIFICATION AND USE CERTIFICATION: PILOTS, FLIGHT INSTRUCTORS, AND GROUND INSTRUCTORS CERTIFICATION: FLIGHT CREWMEMBERS OTHER THAN PILOTS CERTIFICATION: AIRMEN OTHER THA N FLIGHT CREWMEMBERS to MEDICA L STANDARDS A ND CERTIFICATION 42

43 SUBCHAPTER E AIRSPACE SUBCHAPTER F--AIR TRAFFIC AND GENERAL OPERATING RULES SUBCHAPTER G--AIR CARRIERS AND OPERATORS FOR COMPENSATION OR HIRE: CERTIFICATION AND OPERATIONS SUBCHAPTER H--SCHOOLS AND OTHER CERTIFICATED AGENCIES SUBCHAPTER I AIRPORTS SUBCHAPTER J--NAVIGATIONAL FACILITIES SUBCHAPTERS L-M--[RESERVED] SUBCHAPTER N--WAR RISK INSURANCE (FAR 198) Etc... 43

44 CERTIFICAÇÃO MILITAR Art As aeronaves classificam-se em civis e militares. 1 Consideram-se militares as integrantes das Forças Armadas, inclusive as requisitadas na forma da lei, para missões militares (artigo 3, I). 2 As aeronaves civis compreendem as aeronaves públicas e as aeronaves privadas. 3 As aeronaves públicas são as destinadas ao serviço do Poder Público, inclusive as requisitadas na forma da lei; todas as demais são aeronaves privadas. 5 Salvo disposição em contrário, os preceitos deste Código não se aplicam às aeronaves militares, reguladas por legislação especial (artigo 14, 6 ). Art A operação de aeronave militar ficará sujeita às disposições sobre a proteção Copyright ao vôo IFI e 2010 ao All tráfego Rights Reserved aéreo, salvo quando se encontrar em missão de guerra ou treinamento em área específica.

45 CICLO DE VIDA DE UM PRODUTO AEROESPACIAL Desenvolvimento Aquisição Definição Viabilidade Conceitual Produção Implantação DCA Ciclo de Vida de Sistemas e Materiais da Aeronáutica Utilização ICA 80-2 Certificação de Produto e Garantia Governamental da Qualidade ICA 80-1 Procedimentos para Certificação e Dificuldades em Serviço de Produto Aeronáutico Copyright IFI ICA 2010 All 78-x Rights Reserved Regulamentos Brasileiros da Qualidade Aeroespacial Revitalização Modernização Desativação

46 R E Q U I S I T O S B A S E C E R T I F I C Certificação no Ciclo de Vida do Produto PROJETO PRODUÇÃO OPERAÇÃO DCA / ICA 80-2 Testes, inspeções, análises... Cumprimento dos Requisitos Testes, inspeções, análises... Conformidade com o Projeto Modificações, acidentes, incicidentes... Aeronavegabilida de Continuada T es t e m un n h o V er i f D if S rv

47 BASE DE CERTIFICAÇÃO Extensa gama de produtos: Bombas, mísseis, sistemas aviônicos, sistemas de defesa, aeronaves, etc. Normas da aviação civil Normas internacionais (MIL, STANAG) Necessidade de estabelecer requisitos mínimos de segurança. Requisitos Civis (RVSM), Militares (REVO) e Híbridos (FMS c/ procedimentos táticos) Requisitos de projeto e operacionais Missões Militares Copyright IFI 2010 e All Ambiente Rights Reserved Operacional

48 3. MODELO DE CERTIFICAÇÃO E APROVAÇÃO

49 DILEMA EXPERIÊNCIA EM SERVIÇO MARCO REGULATÓRIO CERTIFI CAÇÃO

50 INTERRELACIONAMENTO DE ATIVIDADES REGRAS INTERNACIONAIS (ICAO, FAA, EASA, ACORDOS INTL ETC) CATEGORIAS (PESO, ESPAÇO AÉREO, ALTITUDE, TIPO DE CARGA, ETC) SEGMENTOS DE REGULAÇÃO (PROJETO, OPERAÇÃO, TRÁFEGO AÉREO, INVESTIGAÇÃO ETC) REGULAMENTOS NACIONAIS PROCESSO INTERDEPENDENTE Painel sobre Operação de VANT (20 de junho de 2008 IFI)

51 PROPOSTA DE REGULAMENTOS PARA O BRASIL Painel sobre Operação de VANT (20 de junho de 2008 IFI)

52 APROVAÇÃO PARA VOO APROVAÇÃO PARA VOO DE VANT Responsabilidade: DECEA VANT Civil: ANAC VANT Militar: FAB, EB, MB Qual o processo para conseguir autorização? PRÉ-REQUISITOS? CERTIFICADAÇÃO DE TIPO? REGULAMENTAÇÃO NO MUNDO: OACI, FAA, EASA, CAA (UK), CASA (Austrália), Copyright IFI 2010 OTAN, All Rights EDA, Reserved

53 In general, specific authorization to conduct unmanned aircraft operations in the NAS outside of active Restricted, Prohibited, or Warning Area airspace must be requested by the applicant.

54 Interim Operational Approval 4.0 Methods of Authorization and Applicability 5.0 Alternate Methods of Compliance Safety Case 6.0 UAS Airworthiness Maintenance, design 7.0 Continued Airworthiness Continuing Airworthiness Program, Maintenance Training Program. 8.0 Flight Operations 9.0 Personnel Qualifications

55 Interim Operational Approval 4.0 Methods of Authorization an Applicability Guidance to both civil and public operators. In the areas of pilot certification, crew certification, pilot currency, medical certificates, and airworthiness, it is assumed that all public aircraft comply with processes and policies established by the public entity, in a manner similar to publicly operated manned aircraft.

56 Interim Operational Approval 4.0 Methods of Authorization an Applicability Public Applicants (Public aircraft) DoD and its military branches; DHS, other local, state and federal government agencies. Certificate of Waiver or Authorization (COA) National Security Considerations The applicant must provide an airworthiness statement specifying compliance with the proponent s applicable airworthiness policy or criteria.

57 Interim Operational Approval 4.0 Methods of Authorization an Applicability Civil Applicants Special certificate of airworthiness (experimental certificate) Order : Airworthiness Certification of Unmanned Aircraft Systems Note: In general, and as a minimum, applicants must observe all applicable regulations of 14 CFR parts 61 and 91. This document is intended to identify alternate methods of Copyright compliance IFI 2010 All with Rights Reserved the regulations when evaluating proposed UAS operations.

58 Interim Operational Approval 8.1 General a certifiable detect, sense, and avoid system, becomes one of the primary issues in UAS operational approvals. see and avoid visual observers injury to persons or property along the flight path is extremely improbable Copyright IFI 2010 (applicant). All Rights Reserved

59 Interim Operational Approval 8.1 General System Considerations Onboard Cameras/Sensors, Radar and Other Sensors, Lost Link Procedures, Flight Termination System (FTS).

60 Interim Operational Approval 8.2 Operational Observer Requirement ATC Communications Requirements Inter-Communications Requirements Dropping Objects/Hazardous Materials Flight Over Populated Areas Flight Over Heavily Trafficked Roads or Open-air Assembly of People Day/Nighttime Operations Flights Below Class A Airspace (VMC)

61 Interim Operational Approval 8.2 Operational Autonomous Operations Operations from Off-Airport Locations Other Mitigations in lieu of Observers Operating Under Instrument Flight Rules (IFR) Chase Aircraft Operations Airspace Considerations by Airspace Designation.

62 Interim Operational Approval 9.0 Personnel Qualifications 9.1 UAS Pilot Qualifications 9.2 Observer Qualifications 9.3 Other Personnel Qualifications 9.4 Maintenance Personnel Qualifications

63 4. CERTIFICAÇÃO DE AERONAVEGABILI DADE

64 Certificação de Aeronavegabilidade Como estabelecer a Base de Certificação? Usar os requisitos existentes para aeronaves. Estudo da FAA em 2007: 30% se aplicam 54 % se aplicam mas requerem revisão 16 % não se aplicam. Proposta da OTAN: STANAG 4671 Não reconhecida pela FAA.

65 ICAO UASSG Airworthiness and certification are based on a well established safety methodology airworthiness design standard provided in Annex 8. However, performance standards currently in use for manned aviation may not apply or satisfactorily address UAS operations. The following UAS related issues are currently missing: - Current SARPS are limited to aircraft with a MTOW over 750 kg in the Annex 8 - (SARPs) for Remote pilot station(s) - No provisions for C2 link in the current Annex 8 No Standards and Recommended Practices Circular 328, Unmanned Aircraft Systems (UAS) Circular

66 OTAN STANAG 4671 The intention of this document is to correspond as closely as practicable to a comparable minimum level of airworthiness for fixed-wing aircraft as embodied in documents such as 14 CFR1 Part 23 and EASA CS-23 (from which it is derived) whilst recognizing that there are certain unique features of UAV Systems that require particular additional requirements or subparts.

67 USAR

68 Estrutura do USAR 6 Note: Paragraph 1309 (in subpart F) and its AMC applies to the entire UAV System and not only with the aerial vehicle.

69 Objetivos de Segurança Frequent <10-3 <10-4 <10-5 <10-6

70 CATASTROPHIC: Condição de Falha result in a worst credible outcome of at least uncontrolled flight (including flight outside of pre- planned or contingency flight profiles/areas) and/or uncontrolled crash, which can potentially result in a fatality. Or which could potentially result in a fatality to UAV crew or ground staff.

71 HAZARDOUS : Condição de Falha either by themselves or in conjunction with increased crew workload, result in a worst credible outcome of a controlled-trajectory termination or forced landing potentially leading to the loss of the UAV where it can be reasonably expected that a fatality will not occur. or which could potentially result in serious injury to UAV crew or ground staff.

72 MAJOR: Condição de Falha either by themselves or in conjunction with increased crew workload, result in a worst credible outcome of an emergency landing of the UAV on a predefined site where it can be reasonably expected that a serious injury will not occur. or Failure conditions which could potentially result in injury to UAV crew or ground staff.

73 Condição de Falha Minor: Failure conditions that do not significantly reduce UAV System safety and involve UAV crew actions that are well within their capabilities. These conditions may include a slight reduction in safety margins or functional capabilities, and a slight increase in UAV crew workload. No safety: No safety effect: Failure conditions that have no effect on safety.

74 Lógica para definição de probabilidades Dados estatísticos indicam que a probabilidade de um acidente sério (catástrofe ) devido a causas operacionais e da aeronave é 1 x 10-6 por hora de voo ( 1 catástrofe a cada 1 milhão de horas ) Dados estatísticos para sistemas : 10% do total Risco de um acidente catastrófico causado por sistemas: 1 x 10-7

75 Lógica para definição de probabilidades O risco falha 1 x 10-7 por hora de voo é rateado para 100 condições de O risco máximo aceito para cada condição de falha de sistemas: 1 x 10-9 por hora de voo 10 Sistemas na aeronave passíveis de 10 condições de falha catastróficas.

76 SUMÁRIO ACIDENTES SÉRIOS 1/10 6 horas de vôo 10 % CAUSADOS POR SISTEMAS 1/10 7 horas de vôo 100 Condições de falha potencialmente CATASTRÓFICAS 1/10 9 horas de vôo <10-9 Probabilidade Média por hora de voo para cada condição de falha

77 SUMÁRIO AC D, MONOMOTOR (SRE) W< 6000 lbs ACIDENTES SÉRIOS (IMC) 1/10 4 horas de vôo 10 % CAUSADOS POR SISTEMAS 1/10 5 horas de vôo 10 Condições de falha potencialmente CATASTRÓFICAS 1/10 6 horas de vôo <10-6 Probabilidade Média por hora de voo para cada condição de falha Historicamente, falhas em aeronaves da aviação geral (GA) são predominantemente associadas com Instrumentos Primários de Voo em IMC.

78 Objetivo de Segurança para VANT MIT International Center for Air Transportation

79 Objetivo de Segurança para VANT MIT International Center for Air Transportation

80 Interface Operação-Certificação Class Airspace class S&A Transponder Two-way ATC communication VLA/LOS G NR NR NR a VLA/BLOS G R R b NR a MA A-E R R R MA/A A R b R R VHA above FL 600 R b R R b a Communication with ATC before operation may still be required b May be waived for certain types of operations or under certain conditions VLA Very low altitude MA Medium altitude VHA Very High Altitude LOS BLOS NR R Line-of-site Beyond Loss of Site Not required Required S&A não requerido pela STANAG 4671

81 CONSIDERAÇÕES s/ CERTIFICAÇÃO 1. Mesmo em espaço aéreo segregado, considerações de segurança continuam valendo! P. ex.: Emissão de Permissão Especial de Voo (PEV) pelo IFI. 2. Para uso operacional, necessária a Certificação 3. VANT militar operando no Espaço Aéreo Brasileiro (missões de natureza civil) 4. Abordagem gradual Base de Certificação Rigorosa (waivers) 5. A certificação é uma atividade complexa. O contato antecipado com o Certificador é primordial.

82 CONSIDERAÇÕES s/ CERTIFICAÇÃO 6. Certificação engloba controle da configuração, rastreabilidade de requisitos e documentos, verificação e validação de requisitos. 7. A certificação militar pode incluir o cumprimento da missão. 8. Certificação não é desenvolvimento. 9. O processo de certificação depende do requerente. 10. A certificação militar exige o conhecimento do processo da certificação civil.

83 5. CONCLUSÃO

84 O DCTA/IFI tem acompanhado a evolução e o desenvolvimento de sistemas não-tripulados, em contexto nacional e mundial, nas áreas civil e de defesa, de modo a entender os desafios para a certificação desses sistemas.

85 A percepção da necessidade de se adotar a regulamentação que propicie a segurança operacional e o cumprimento da missão, por meio da certificação, considerando as restrições de tempo e recursos e o atendimento às necessidades do operador é uma constante (e desafio!) para o IFI.

86 O cumprimento da missão com segurança (ou com os riscos conhecidos) depende da certificação de aeronavegabilidade e da aeronavegabilidade continuada. Para o VANT este é um desafio que depende da ação integrada de todos os envolvidos, em todo o ciclo de vida.

87 Roteiro 1. Operação Segura de VANT 2. Certificação e Segurança (Safety) 3. Modelo de Certificação e Aprovação 4. Certificação de Aeronavegabilidade 5. Conclusão

88 Objetivo Apresentar tópicos relacionados ao aspectos certificação de Veículo Aéreo Não-Tripulado (VANT) que norteiam os estudos do DCTA/IFI para regulamentação do emprego desses veículos.

89 André Copyright Luiz IFI Chiossi 2010 All Rights FORNI Reserved Ten Cel Eng

OPERAÇÃO DE VANT ASPECTOS RELACIONADOS COM A SEGURANÇA OPERACIONAL

OPERAÇÃO DE VANT ASPECTOS RELACIONADOS COM A SEGURANÇA OPERACIONAL OPERAÇÃO DE VANT ASPECTOS RELACIONADOS COM A SEGURANÇA OPERACIONAL Luiz Munaretto - - - - - - - - - - Anais do 5º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2012) Direitos Reservados - Página 330 de 1112 - - -

Leia mais

Brazilian airworthiness regulation perspectives

Brazilian airworthiness regulation perspectives Brazilian airworthiness regulation perspectives Roberto Honorato ICAO & LACAC UAS SEMINAR - 2012 Regulatory Framework LAW Law 7.565/86 Law 11.182/05 General provisions RBAC Regulamentos Brasileiros de

Leia mais

Nota: Para obter o texto do FAR Part 31, acesse: http://ecfr.gpoaccess.gov/cgi/t/text/text-idx?&c=ecfr&tpl=/ecfrbrowse/title14/14tab_02.

Nota: Para obter o texto do FAR Part 31, acesse: http://ecfr.gpoaccess.gov/cgi/t/text/text-idx?&c=ecfr&tpl=/ecfrbrowse/title14/14tab_02. RBHA 31 RBHA 31 REQUISITOS DE AERONAVEGABILIDADE. BALÕES LIVRES TRIPULADOS ESTE ARQUIVO CONTÉM O TEXTO DO RBHA 31, APROVADO PELA PORTARIA Nº 288/DGAC DE 6 DE AGOSTO DE 1990, PUBLICADA NO DOU DE 04 DE SETEMBRO

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA PARA IMPLANTAÇÃO DOS VANT CIVIS NO ESPAÇO AÉREO BRASILEIRO: UMA NOVA ABORDAGEM

NORMAS DE SEGURANÇA PARA IMPLANTAÇÃO DOS VANT CIVIS NO ESPAÇO AÉREO BRASILEIRO: UMA NOVA ABORDAGEM 212 Artigo Científico NORMAS DE SEGURANÇA PARA IMPLANTAÇÃO DOS VANT CIVIS NO ESPAÇO AÉREO BRASILEIRO: UMA NOVA ABORDAGEM Artigo submetido em 24/05/2010. Aceito para publicação em 30/11/2010. José Augusto

Leia mais

Pedro Santos Gabinete Jurídico do INAC, I.P. 28 de Novembro de 2014. Drones e Veículos Autónomos : desafios do presente e do futuro

Pedro Santos Gabinete Jurídico do INAC, I.P. 28 de Novembro de 2014. Drones e Veículos Autónomos : desafios do presente e do futuro Drones e Veículos Autónomos : desafios do presente e do futuro Drones e Veículos Autónomos : desafios do presente e do futuro - Acompanhamento regulatório da evolução tecnológica e da utilização civil

Leia mais

CIRCULAR TÉCNICA DE INFORMAÇÃO ADVISORY CIRCULAR

CIRCULAR TÉCNICA DE INFORMAÇÃO ADVISORY CIRCULAR CIRCULAR TÉCNICA DE INFORMAÇÃO ADVISORY CIRCULAR C.T.I. 07-03 EDIÇÃO Nº 2 1.0 APLICABILIDADE Todas as aeronaves inscritas no Registo Aeronáutico Nacional, abrangidas pelo nº 1 do Artigo 4 do Regulamento

Leia mais

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS IS Nº 129-001 Aprovação: Portaria nº 1143/SPO, de 10 de maio de 2016. Assunto: Procedimentos relativos a operação de empresas estrangeiras de transporte aéreo público no Brasil.

Leia mais

AGENDA REGULATÓRIA. Diário Oficial da União, Portarias ANAC nº 2.852, (31/10/2013) / nº 2975, (16/12/2014)

AGENDA REGULATÓRIA. Diário Oficial da União, Portarias ANAC nº 2.852, (31/10/2013) / nº 2975, (16/12/2014) AGENDA REGULATÓRIA Diário Oficial da União, Portarias ANAC nº 2.852, (31/10/2013) / nº 2975, (16/12/2014) ESTUDO SOBRE OS REQUISITOS DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA OPERACIONAL SGSO PREVISTOS PELA OACI PARA

Leia mais

Desafios legais para regulamentação dos VANTs e oportunidades

Desafios legais para regulamentação dos VANTs e oportunidades Desafios legais para regulamentação dos VANTs e oportunidades O que é Micro VANT? µ VANT ou µ RPAs é uma subdivisão de VANTs levando em conta seu peso máximo de decolagem, autonomia operacional, distância

Leia mais

Safety Ariane 5 European Space Agency(ESA) - 1996

Safety Ariane 5 European Space Agency(ESA) - 1996 Realização Apoio Patrocínio Qualificações de Software para VANTs: Visão geral da RTCA DO-178B Marina Mendonça Natalino Zenun Motivação Uso crescente e Complexidade Tecnologia está mudando rapidamente Tem

Leia mais

COMPONENTES DO SMS RISCOS PERIGOS MITIGAÇÕES

COMPONENTES DO SMS RISCOS PERIGOS MITIGAÇÕES GABINETE DE SEGURANÇA DO AEROPORTO DE LISBOA - 2014 1 COMPONENTES DO SMS RISCOS PERIGOS MITIGAÇÕES COMPONENTES DO SMS SMS COMPONENTES DO SMS CORRIGIR... CORRIGIR... CORRIGIR... CORRIGIR... SUMÁRIO Introdução

Leia mais

TEL: (5521) 21016320 AFTN: SBRJYGYC FAX: (21) 21016198 VEÍCULOS AÉREOS NÃO TRIPULADOS

TEL: (5521) 21016320 AFTN: SBRJYGYC FAX: (21) 21016198 VEÍCULOS AÉREOS NÃO TRIPULADOS BRASIL DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO SUBDEPARTAMENTO DE OPERAÇÕES AV GENERAL JUSTO, 160 2º AND. - CASTELO 20021-130-RIO DE JANEIRO RJ AIC N 21/10 23 SEP 2010 TEL: (5521) 21016320 AFTN: SBRJYGYC

Leia mais

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS Nº 21-002 Revisão A

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS Nº 21-002 Revisão A Aprovação: Assunto: INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS Nº 21-002 Portaria nº 2.031/SAR, de 4 de outubro de 2012, publicada no Diário Oficial da União nº 194, S/1, pág. 26, de 5 de outubro de 2012. Retificada

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL PROPOSIÇÃO DE UM REGULAMENTO ESPECIAL PARA SISTEMAS DE AERONAVES REMOTAMENTE PILOTADAS RPAS E EMENDA AO RBAC 67

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL PROPOSIÇÃO DE UM REGULAMENTO ESPECIAL PARA SISTEMAS DE AERONAVES REMOTAMENTE PILOTADAS RPAS E EMENDA AO RBAC 67 AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL PROPOSIÇÃO DE UM REGULAMENTO ESPECIAL PARA SISTEMAS DE AERONAVES REMOTAMENTE PILOTADAS RPAS E EMENDA AO RBAC 67 1. RESUMO JUSTIFICATIVA A ANAC instaura esta audiência

Leia mais

CIRCULAR TÉCNICA DE INFORMAÇÃO ADVISORY CIRCULAR

CIRCULAR TÉCNICA DE INFORMAÇÃO ADVISORY CIRCULAR CIRCULAR TÉCNICA DE INFORMAÇÃO ADVISORY CIRCULAR C.T.I. 99-01 - EDICÃO 1 ASSUNTO: CERTIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE NAVEGAÇÃO GPS EM HELICÓPTEROS OPERANDO EM CONDIÇÕES IFR EM ROTA E ÁREA TERMINAL INCLUINDO

Leia mais

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 129 EMENDA nº 00

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 129 EMENDA nº 00 REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 129 EMENDA nº 00 Título: Aprovação: OPERAÇÃO DE EMPRESAS ESTRANGEIRAS QUE TÊM POR OBJETIVO O TRANSPORTE AÉREO PÚBLICO NO BRASIL (OPERATIONS OF FOREIGN AIR

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL -0> RESOLUÇÃO N 030, DE 21 DE MAIO DE 2008.

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL -0> RESOLUÇÃO N 030, DE 21 DE MAIO DE 2008. AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL -0> RESOLUÇÃO N 030, DE 21 DE MAIO DE 2008. Institui o Regulamento Brasileiro da Aviação Civil RBAC e a Instrução Suplementar IS, estabelece critérios para a elaboração

Leia mais

A Aviação no Comércio Europeu de Licenças de Emissão Especificidades para pequenos emissores

A Aviação no Comércio Europeu de Licenças de Emissão Especificidades para pequenos emissores A Aviação no Comércio Europeu de Licenças de Emissão Especificidades para pequenos emissores Departamento de Alterações Climáticas, Ar e Ruído (DACAR) Divisão de Poluição Atmosférica e Alterações Climáticas

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO OPERACIONAL

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO OPERACIONAL RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO OPERACIONAL AERONAVE EA500 (ECLIPSE AEROSPACE INC., ICAO EA50) RIO DE JANEIRO, BRASIL ORIGINAL OUTUBRO, 2012 ANAC, Rio de Janeiro, Brasil 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 4 2. RESUMO DESCRITIVO

Leia mais

Aeronavegabilidade Continuada. O modelo Embraer. 20 de Agosto de 2009. Rafael Gustavo Fassina Marques

Aeronavegabilidade Continuada. O modelo Embraer. 20 de Agosto de 2009. Rafael Gustavo Fassina Marques Aeronavegabilidade Continuada O modelo Embraer 20 de Agosto de 2009 Rafael Gustavo Fassina Marques Fonte: Arquivo Embraer Aeronavegabilidade Continuada Objetivo Apresentar os conceitos, definições e atividades

Leia mais

Dificuldades em Serviço Resumo de 2010

Dificuldades em Serviço Resumo de 2010 Dificuldades em Serviço Resumo de 2010 Rogério Possi Junior Engenheiro de Aeronavegabilidade Continuada Agência Nacional de Aviação Civil Palavras Chave: Aeronavegabilidade, Dificuldades em Serviço, Segurança

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL PROPOSTA DE EMENDA 04 AO REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL Nº 34 RBAC 34, INTITULADO REQUISITOS PARA DRENAGEM DE COMBUSTÍVEL E EMISSÕES DE ESCAPAMENTO DE AVIÕES

Leia mais

SMS. Risk Assessment. Instruction and training Flights

SMS. Risk Assessment. Instruction and training Flights SMS Risk Assessment Instruction and training Flights SMS Componentes Operacionais Identificação de hazards (situações de risco) Estão identificados os principais factores de risco com que lidamos no dia

Leia mais

UNMANNED AERIAL VEHICLE ACCESS TO THE BRAZILIAN AIRSPACE. (Presented by Brazil)

UNMANNED AERIAL VEHICLE ACCESS TO THE BRAZILIAN AIRSPACE. (Presented by Brazil) International Civil Aviation Organization SAM/IG/7-IP/13 South American Regional Office 25/4/11 Seventh Workshop/Meeting of the SAM Implementation Group (SAM/IG/7) - Regional Project RLA/06/901 Lima, Peru,

Leia mais

Possíveis tecnologias aplicadas com a finalidade de deter as aeronaves em risco de acidentes nos aeroportos de pista curta.

Possíveis tecnologias aplicadas com a finalidade de deter as aeronaves em risco de acidentes nos aeroportos de pista curta. Possíveis tecnologias aplicadas com a finalidade de deter as aeronaves em risco de acidentes nos aeroportos de pista curta. Ten Cel Av Curcio Piloto de Provas Objetivo Conhecer aspectos importantes sobre

Leia mais

ASPECTOS DE FATORES HUMANOS NA QUALIDADE DA INFORMAÇÃO PARA MANUTENÇÃO

ASPECTOS DE FATORES HUMANOS NA QUALIDADE DA INFORMAÇÃO PARA MANUTENÇÃO ASPECTOS DE FATORES HUMANOS NA QUALIDADE DA INFORMAÇÃO PARA MANUTENÇÃO 6 º SIMPÓSIO DE SEGURANÇA DE VOO INSTITUTO DE PESQUISAS E ENSAIOS EM VOO (IPEV) - - - - - - - - - - Anais do 6º Simpósio de Segurança

Leia mais

INSTRUÇÕES INSTRUCTIONS

INSTRUÇÕES INSTRUCTIONS INSTRUÇÕES INSTRUCTIONS DOCUMENTAÇÃO A APRESENTAR PELOS CANDIDATOS PARA AVALIAÇÃO Os candidatos devem apresentar para avaliação da candidatura a seguinte documentação: a) Prova da nacionalidade (BI, passaporte.);

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL Nº 164 GERENCIAMENTO DO RISCO DA FAUNA NOS AERÓDROMOS PÚBLICOS JUSTIFICATIVA

PROPOSTA DE REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL Nº 164 GERENCIAMENTO DO RISCO DA FAUNA NOS AERÓDROMOS PÚBLICOS JUSTIFICATIVA PROPOSTA DE REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL Nº 164 GERENCIAMENTO DO RISCO DA FAUNA NOS AERÓDROMOS PÚBLICOS JUSTIFICATIVA 1. APRESENTAÇÃO A proposta de Regulamento Brasileiro da Aviação Civil nº

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO ICA 100-40

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO ICA 100-40 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO ICA 100-40 SISTEMAS DE AERONAVES REMOTAMENTE PILOTADAS E O ACESSO AO ESPAÇO AÉREO BRASILEIRO 2015 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA

Leia mais

18 de setembro de 2008 0003/SAR-ANAC/2008 1. ASSUNTO

18 de setembro de 2008 0003/SAR-ANAC/2008 1. ASSUNTO 18 de setembro de 2008 0003/SAR-ANAC/2008 1. ASSUNTO Composição de tripulação comissários no transporte aéreo regular conforme IAC 3206-0387, parágrafo 7 da seção II, para as aeronaves EMB-170 (ERJ 170-100

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL SUPERINTENDÊNCIA DE AERONAVEGABILIDADE

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL SUPERINTENDÊNCIA DE AERONAVEGABILIDADE AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL SUPERINTENDÊNCIA DE AERONAVEGABILIDADE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO PARA ESTABELECIMENTO DE CONDIÇÃO ESPECIAL A SER INCORPORADA À BASE DE CERTIFICAÇÃO DO PROJETO DE TIPO DO AVIÃO

Leia mais

C I R C U L A R D E I N F O R M A Ç Ã O A E R O N Á U T I C A PORTUGAL

C I R C U L A R D E I N F O R M A Ç Ã O A E R O N Á U T I C A PORTUGAL INSTITUTO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL, I.P. C I R C U L A R D E I N F O R M A Ç Ã O A E R O N Á U T I C A PORTUGAL INFORMAÇÃO AERONÁUTICA Aeroporto da Portela / 1749-034 Lisboa Telefone: 21 842 35 02 / Fax:

Leia mais

Clique para editar os estilos do texto mestre

Clique para editar os estilos do texto mestre Clique para editar os estilos do texto mestre Segundo nível Terceiro nível Quarto nível» Quinto nível Organização Brasileira para o Desenvolvimento da Certificação Aeronáutica VANT NO BRASIL - MERCADO

Leia mais

Intellectual Property. IFAC Formatting Guidelines. Translated Handbooks

Intellectual Property. IFAC Formatting Guidelines. Translated Handbooks Intellectual Property IFAC Formatting Guidelines Translated Handbooks AUTHORIZED TRANSLATIONS OF HANDBOOKS PUBLISHED BY IFAC Formatting Guidelines for Use of Trademarks/Logos and Related Acknowledgements

Leia mais

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS Aprovação: Resolução nº 87, de 11 de maio de 2009, publicado no Diário Oficial da União N 88, S/1, p. 145, de 12/05/2009. Assunto: Publicações técnicas: obtenção, controle e

Leia mais

C I R C U L A R D E I N F O R M A Ç Ã O A E R O N Á U T I C A PORTUGAL

C I R C U L A R D E I N F O R M A Ç Ã O A E R O N Á U T I C A PORTUGAL INSTITUTO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL, I.P. C I R C U L A R D E I N F O R M A Ç Ã O A E R O N Á U T I C A PORTUGAL INFORMAÇÃO AERONÁUTICA Aeroporto da Portela / 1749-034 Lisboa Telefone: 21 842 35 02 / Fax:

Leia mais

SERVIÇO DE INFORMAÇÃO DE VOO DE AERÓDROMO (ICA 100-12)

SERVIÇO DE INFORMAÇÃO DE VOO DE AERÓDROMO (ICA 100-12) NORMAS DO DECEA SERVIÇO DE INFORMAÇÃO DE VOO DE AERÓDROMO (ICA 100-12) O AFIS tem por finalidade proporcionar informações que assegurem a condução eficiente do tráfego aéreo nos aeródromos homologados

Leia mais

TURNING YOUR DESIRE INTO REALITY

TURNING YOUR DESIRE INTO REALITY CONTACS: Winfly Corso Sempione 32B - Milão Aeròdromo "E. Mattei "Pisticci - Basilicata Via Sant Angelo 75010 Pisticci Scalo (Matera) +39 0236683102 TURNING YOUR DESIRE INTO REALITY www.winfly.eu www.basilicata-airport.eu

Leia mais

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Regulamento n.º /2010

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Regulamento n.º /2010 MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Regulamento n.º /2010 Aprovação do Modelo de Certificado de Operador Aéreo O Decreto-Lei n.º 289/2003,

Leia mais

Lúcio Ma>as Eng. Diretor Lucio.ma>as@novaterrageo.com.br www.novaterrageo.com.br

Lúcio Ma>as Eng. Diretor Lucio.ma>as@novaterrageo.com.br www.novaterrageo.com.br Lúcio Ma>as Eng. Diretor Lucio.ma>as@novaterrageo.com.br www.novaterrageo.com.br Carlos Jamel Biólogo, Diretor cjamel@novaterrageo.com.br www.novaterrageo.com.br Webinar - A Invasão dos VANTs 13/08/2012

Leia mais

Ministério dos Transportes

Ministério dos Transportes Ministério dos Transportes Instituto Nacional de Aviação Civil INAVIC Normativo Técnico 16 Requisitos para o Despacho de Voo Página 1/11 Índice Parte A: Generalidades..3 16.001 Aplicações.3 16.003 Definições..3

Leia mais

Certificado de Conformidade Ex Ex Certificate of Conformity

Certificado de Conformidade Ex Ex Certificate of Conformity Certificado emitido conforme requisitos da avaliação da conformidade de equipamentos elétricos para atmosferas explosivas, anexo à Portaria Inmetro nº. 179 de 18 de maio de 2010 Certificate issued in according

Leia mais

Ministério dos Transportes

Ministério dos Transportes Ministério dos Transportes Instituto Nacional de Aviação Civil INAVIC Normativo Técnico 3 Certificação Original da Aeronave e Seus Componentes Página 1/5 ÍNDICE Parte A: Generalidades..3 3.001 Aplicabilidade..3

Leia mais

CE/SC nº 25 016. Título:

CE/SC nº 25 016. Título: CONDIÇÃO ESPECIAL CE/SC nº 25 016 Título: Title: Condição Especial Aplicável à Interação entre Sistemas e Estrutura Special Condition for Interaction of Systems and Structures Aprovação: Resolução ANAC

Leia mais

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL Título: REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 129 EMENDA nº 00 OPERAÇÃO DE EMPRESAS ESTRANGEIRAS DE TRANSPORTE AÉREO PÚBLICO NO BRASIL (OPERATIONS OF FOREIGN AIR CARRIERS WITHIN BRAZIL) Aprovação:

Leia mais

Seminário Anexo 19 Gestão de Segurança Operacional

Seminário Anexo 19 Gestão de Segurança Operacional Seminário Anexo 19 Gestão de Segurança Operacional SMS - Desafios de Implementação 2014/01/30 Conteúdos Origens Enquadramento Regulamentar Safety Culture Identificação de perigos Matriz de Risco Safety

Leia mais

PREDIÇÃO E MELHORIA DA CONFIABILIDADE DO SISTEMA DE CONTROLE DE VÔO DE UM VEÍCULO AÉREO NÃO-TRIPULADO

PREDIÇÃO E MELHORIA DA CONFIABILIDADE DO SISTEMA DE CONTROLE DE VÔO DE UM VEÍCULO AÉREO NÃO-TRIPULADO PREDIÇÃO E MELHORIA DA CONFIABILIDADE DO SISTEMA DE CONTROLE DE VÔO DE UM VEÍCULO AÉREO NÃO-TRIPULADO Giovanni Fernandes Amaral, gfamaral@ita.com Cairo Lúcio Nascimento Júnior, cairo@ita.br Geraldo José

Leia mais

ASPECTOS DE SEGURANÇA NA INTEGRAÇÃO DE VEÍCULOS AÉREOS NÃO TRIPULADOS (VANT) NO ESPAÇO AÉREO BRASILEIRO

ASPECTOS DE SEGURANÇA NA INTEGRAÇÃO DE VEÍCULOS AÉREOS NÃO TRIPULADOS (VANT) NO ESPAÇO AÉREO BRASILEIRO ASPECTOS DE SEGURANÇA NA INTEGRAÇÃO DE VEÍCULOS AÉREOS NÃO TRIPULADOS (VANT) NO ESPAÇO AÉREO BRASILEIRO Vitor Hugo Furtado Ricardo Alexandre Veiga Gimenes João Batista Camargo Júnior Jorge Rady de Almeida

Leia mais

Veículos aéreos não tripulados: panorama atual e perspectivas para o monitoramento de atividades ilícitas na Amazônia

Veículos aéreos não tripulados: panorama atual e perspectivas para o monitoramento de atividades ilícitas na Amazônia Veículos aéreos não tripulados: panorama atual e perspectivas para o monitoramento de atividades ilícitas na Amazônia Eristelma Teixeira de Jesus Barbosa Silva Centro Gestor e Operacional do Sistema de

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA QUALIDADE DCA 800-2 GARANTIA DA QUALIDADE E DA SEGURANÇA DE SISTEMAS E PRODUTOS NO COMAER 2014 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA ESTADO-MAIOR DA AERONÁUTICA

Leia mais

Objetivos da Apresentação; Introdução; Proposta de criação do BIAC: O que um BIAC faz?

Objetivos da Apresentação; Introdução; Proposta de criação do BIAC: O que um BIAC faz? Proposta de Criação e Gerenciamento do documento Boletim Informativo de Aeronavegabilidade Continuada BIAC Ph.D. Eng. Renato Crucello Passos Grupo de Aeronavegabilidade Continuada PAC Agência Nacional

Leia mais

PROVA OBJETIVA. 8 A CLAC é um organismo internacional subordinado à OACI. 9 As recomendações e resoluções estabelecidas pela CLAC são

PROVA OBJETIVA. 8 A CLAC é um organismo internacional subordinado à OACI. 9 As recomendações e resoluções estabelecidas pela CLAC são De acordo com o comando a que cada um dos itens a seguir se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com o

Leia mais

Requisitos para o Despacho de Voo

Requisitos para o Despacho de Voo Normativo Técnico 16 Requisitos para o Despacho de Voo PARTE A: GENERALIDADES... 3 16.001 APLICAÇÕES... 3 16.003 DEFINIÇÕES... 3 16.005 SIGLAS/ACRÓNIMOS... 3 PARTE B: CONTROLO OPERACIONAL... 4 16.010 CONTROLO

Leia mais

INFORMATION SECURITY IN ORGANIZATIONS

INFORMATION SECURITY IN ORGANIZATIONS INFORMATION SECURITY IN ORGANIZATIONS Ana Helena da Silva, MCI12017 Cristiana Coelho, MCI12013 2 SUMMARY 1. Introduction 2. The importance of IT in Organizations 3. Principles of Security 4. Information

Leia mais

CERTIFICADO DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA

CERTIFICADO DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA Certificado Nº ANEXO CERTIFICADO DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA Expedido de acordo com as disposições da Convenção Internacional para Salvaguarda da Vida Humana no Mar, 1974, como emendada, (daqui em diante

Leia mais

Gerenciamento da Segurança Operacional GSO. Conceitos

Gerenciamento da Segurança Operacional GSO. Conceitos Gerenciamento da Segurança Operacional GSO Conceitos 1º SEMINÁRIO SOBRE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA OPERACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL ANAC - 05/12/2008 1 Objetivos Identificar conceitos de gerenciamento

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º, DE 2015. (Do Senhor Otavio Leite)

PROJETO DE LEI N.º, DE 2015. (Do Senhor Otavio Leite) PROJETO DE LEI N.º, DE 2015 (Do Senhor Otavio Leite) Estabelece regras sobre o licenciamento e operação de veículos aéreos não tripulados (VANT s) e aeronaves remotamente pilotadas (ARP s), bem como os

Leia mais

PROVA APLICADA ANAC CURSO DE FORMAÇÃO ESPECIALISTA EM REGULAÇÃO DE AVIAÇÃO CIVIL. Agência Nacional de Aviação Civil PROVA OBJETIVA INSTRUÇÕES UNIVERSA

PROVA APLICADA ANAC CURSO DE FORMAÇÃO ESPECIALISTA EM REGULAÇÃO DE AVIAÇÃO CIVIL. Agência Nacional de Aviação Civil PROVA OBJETIVA INSTRUÇÕES UNIVERSA CURSO DE FORMAÇÃO ANAC Agência Nacional de Aviação Civil ESPECIALISTA EM REGULAÇÃO DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÕES Verifique atentamente se este caderno de prova contém oitenta itens, correspondentes à prova

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL PROPOSTA DE RESOLUÇÃO QUE DISCIPLINA O ENVIO DE INFORMAÇÕES ANTECIPADAS SOBRE PASSAGEIROS E REGISTRO DE IDENTIFICAÇÃO DE PASSAGEIROS. JUSTIFICATIVA 1 APRESENTAÇÃO A presente

Leia mais

Conferência Internacional

Conferência Internacional Conferência Internacional Lisboa Maio de 2008 A INFRAERO Brazil Airport Administration 8 Superintendências Regionais 8 Regional Superintendences 67Aeroportos, (32 Internacionais) 67 Airports, 32 Internationals

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL PROPOSTA DE CONDIÇÃO ESPECIAL A SER INCORPORADA À BASE DE CERTIFICAÇÃO DO PROJETO DE TIPO DO AVIÃO EMBRAER EMB-550.

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL PROPOSTA DE CONDIÇÃO ESPECIAL A SER INCORPORADA À BASE DE CERTIFICAÇÃO DO PROJETO DE TIPO DO AVIÃO EMBRAER EMB-550. AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL PROPOSTA DE CONDIÇÃO ESPECIAL A SER INCORPORADA À BASE DE CERTIFICAÇÃO DO PROJETO DE TIPO DO AVIÃO EMBRAER EMB-550. 1. APRESENTAÇÃO JUSTIFICATIVA 1.1 A presente Justificativa

Leia mais

Certificado de Conformidade Ex Ex Certificate of Conformity

Certificado de Conformidade Ex Ex Certificate of Conformity Certificado emitido conforme requisitos da avaliação da conformidade de equipamentos elétricos para atmosferas explosivas, anexo à Portaria Inmetro nº. 179 de 18 de maio de 2010 Certificate issued in according

Leia mais

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Regulamento n.º /2010

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Regulamento n.º /2010 MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Regulamento n.º /2010 Procedimentos de voo por instrumentos A elaboração de procedimentos de voo por

Leia mais

USPTO No. 15143095 USPTO No. 15143095 USPTO No. 15143095 USPTO No. 15143095 USPTO No. 15143095 USPTO No. 15143095 USPTO No. 15143095 WORK PLAN FOR IMPLEMENTATION OF THE UNITED STATES PATENT AND

Leia mais

2º Simpósio Internacional de Confiabilidade e Gestão de Segurança Operacional. 09 a 11 de novembro de 2010

2º Simpósio Internacional de Confiabilidade e Gestão de Segurança Operacional. 09 a 11 de novembro de 2010 2º Simpósio Internacional de Confiabilidade e Gestão de 17 a 19 de novembro de 2009 Segurança Operacional 09 a 11 de novembro de 2010 Norma NBR de Diretrizes para a Integração do SGSO com outros Sistemas

Leia mais

Certificado de Conformidade Ex Ex Certificate of Conformity

Certificado de Conformidade Ex Ex Certificate of Conformity Página 1 de 5 Page 1 of 5 Data de validade: Validity date: Solicitante: Applicant: Equipamento elétrico: Electrical apparatus: Tipo de proteção: Type of protection: 12-05-2018 Excel Produtos Eletrônicos

Leia mais

O novo requisito 25.1302

O novo requisito 25.1302 O novo requisito 25.1302 Homero Montandon Piloto de Ensaio em Voo Agência Nacional de Aviação Civil Palavras Chave: Segurança de Voo, Erro Humano, Requisito de Aeronavegabilidade, Certificação de Aeronave.

Leia mais

Realização. Apoio. Patrocínio

Realização. Apoio. Patrocínio Realização Apoio Patrocínio The Wall Street Journal 19 Dezembro, 2009 Aviões não-tripulados são alvo de hackers no Iraque Rebeldes iraquianos estariam usando há mais de um ano um software, que normalmente

Leia mais

Voar sobre cidade...

Voar sobre cidade... Voar sobre cidade... ...e quando precisamos? Ee q -Quais desses serviços você quer abrir mão? -Polícia -Bombeiro -Tv/rádio/trânsito - roubo veículos - transporte público - transporte privado... e quando

Leia mais

Fornecemos soluções aeronáuticas inteligentes, para que você e sua empresa possam operar sempre com excelência, segurança e rentabilidade.

Fornecemos soluções aeronáuticas inteligentes, para que você e sua empresa possam operar sempre com excelência, segurança e rentabilidade. Idealizada para ser a melhor em seu ramo de atuação, a SkyBound é formada por consultores com sólida formação prática e acadêmica, profundo conhecimento aeronáutico e grande experiência em suas respectivas

Leia mais

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR-IS IS Nº 120-001 Revisão B

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR-IS IS Nº 120-001 Revisão B s INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR-IS IS Nº 120-001 Aprovação: Portaria nº 7, de 2 de janeiro de 2014, publicada no Diário Oficial da União de 3 de janeiro de 2014, Seção 1, página 2. Assunto: Programa de Manutenção

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE HOMOLOGAÇÃO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE HOMOLOGAÇÃO AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL - BRASIL Gerência-Geral de Certificação de Produtos Aeronáuticos MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE HOMOLOGAÇÃO VALIDAÇÃO DE CERTIFICAÇÃO DE TIPO DE MOTORES E HÉLICES IMPORTADOS

Leia mais

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS IS N o 91-002 Aprovação: Portaria nº 2471/SPO, de 17 de setembro de 2015. Assunto: Uso de informação aeronáutica em formato digital - Electronic Flight Bag (EFB). Origem: SPO 1.

Leia mais

INTRODUÇÃO ÀS BOAS PRÁTICAS DE ENGENHARIA APLICADAS À GESTÃO DOS SISTEMAS INSTRUMENTADOS DE SEGURANÇA: UMA ABORDAGEM DE SIL

INTRODUÇÃO ÀS BOAS PRÁTICAS DE ENGENHARIA APLICADAS À GESTÃO DOS SISTEMAS INSTRUMENTADOS DE SEGURANÇA: UMA ABORDAGEM DE SIL INTRODUÇÃO ÀS BOAS PRÁTICAS DE ENGENHARIA APLICADAS À GESTÃO DOS SISTEMAS INSTRUMENTADOS DE SEGURANÇA: UMA ABORDAGEM DE SIL Ana Cristina Costa Almeida Risk and Reliability Senior Consultant DNV Energy

Leia mais

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 105 EMENDA nº 00

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 105 EMENDA nº 00 REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 105 EMENDA nº 00 Título: Aprovação: SALTOS DE PARAQUEDAS Resolução ANAC nº xxx, de yyyyy de zzzz de 2010. Origem: SSO/GPNO SUMÁRIO SUBPARTE A - GERAL 105.1

Leia mais

C I R C U L A R D E I N F O R M A Ç Ã O A E R O N Á U T I C A PORTUGAL

C I R C U L A R D E I N F O R M A Ç Ã O A E R O N Á U T I C A PORTUGAL C I R C U L A R D E I N F O R M A Ç Ã O A E R O N Á U T I C A PORTUGAL INFORMAÇÃO AERONÁUTICA Aeroporto da Portela / 1749-034 Lisboa Telefone.: 21 842 35 02 / Fax: 21 841 06 12 E-mail: ais@inac.pt Telex:

Leia mais

Organização Brasileira para o Desenvolvimento da Certificação Aeronáutica

Organização Brasileira para o Desenvolvimento da Certificação Aeronáutica SISTEMAS DEGERENCIAMENTO ERENCIAMENTO DASEGURANÇA OPERACIONAL PERACIONAL(SGSO) SAFETYMANAGEMENTSYSTEMS(SMS) 2º Simpósio de Segurança de Vôo 31/julho/2009 APRESENTADOR: JOSÉ LUIZ ROCHA BELDERRAIN Formado

Leia mais

Avanços na implantação do PSO-BR (SSP) e. Lima, Peru, 11 a 15 de março de 2013

Avanços na implantação do PSO-BR (SSP) e. Lima, Peru, 11 a 15 de março de 2013 Avanços na implantação do PSO-BR (SSP) e SGSO (SMS) na Região SAM Lima, Peru, 11 a 15 de março de 2013 AGENDA 1. Aviação Civil no Brasil 2. Programa Brasileiro de Segurança Operacional PSO - BR (SSP) a.

Leia mais

Certificado de Conformidade Ex Ex Certificate of Conformity

Certificado de Conformidade Ex Ex Certificate of Conformity Certificado emitido conforme requisitos da avaliação da conformidade de equipamentos elétricos para atmosferas explosivas, anexo à Portaria Inmetro nº. 179 de 18 de maio de 2010 Certificate issued in according

Leia mais

PROPOSTA DE EDIÇÃO DO REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL (RBAC) 140 CERTIFICAÇÃO E REQUISITOS OPERACIONAIS: ESCOLAS DE VOO JUSTIFICATIVA

PROPOSTA DE EDIÇÃO DO REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL (RBAC) 140 CERTIFICAÇÃO E REQUISITOS OPERACIONAIS: ESCOLAS DE VOO JUSTIFICATIVA PROPOSTA DE EDIÇÃO DO REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL (RBAC) 140 CERTIFICAÇÃO E REQUISITOS OPERACIONAIS: ESCOLAS DE VOO 1. APRESENTAÇÃO JUSTIFICATIVA 1.1 A presente Justificativa expõe as razões

Leia mais

Segurança de Vôo na Certificação Civil

Segurança de Vôo na Certificação Civil 2º Simpósio de Segurança de Vôo SSV 2009 Lições Aprendidas Relacionadas à Segurança de Vôo na Certificação Civil (Airworthiness Certification: Lessons Learned with Flight Safety Issues) LUIZ JETHER H.VASCONCELOS

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR MPR-142-001/SSO Revisão 02 Assunto: Aprovado por: PROCEDIMENTO PARA VALIDAÇÃO DO CERTIFICADO E DAS ESPECIFICAÇÕES DE TREINAMENTO DE CENTRO DE TREINAMENTO ESTRANGEIRO Portaria

Leia mais

BRASIL DEPARTAMENTO DO CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO SUBDEPARTAMENTO DE OPERAÇÕES AV. GENERAL JUSTO, 160 2º Andar

BRASIL DEPARTAMENTO DO CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO SUBDEPARTAMENTO DE OPERAÇÕES AV. GENERAL JUSTO, 160 2º Andar BRASIL DEPARTAMENTO DO CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO SUBDEPARTAMENTO DE OPERAÇÕES AV. GENERAL JUSTO, 160 2º Andar AIC N 24/13 20021-130 RIO DE JANEIRO RJ 12 DEZ 2013 http://ais.decea.gov.br/ dpln1@decea.gov.br

Leia mais

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS IS Nº 161.55-001 Aprovação: Assunto: Portaria nº 1408/SIA, de 29 de maio de 2013, publicada no Diário Oficial da União nº 103, Seção 1, p. 4, de 31 de maio de 2013. Projeto de

Leia mais

MÓDULO 6 - CAPACIDADE DO LADO AÉREO Cláudio Jorge Pinto Alves (versão: 14/05/2014)

MÓDULO 6 - CAPACIDADE DO LADO AÉREO Cláudio Jorge Pinto Alves (versão: 14/05/2014) MÓDULO 6 - CAPACIDADE DO LADO AÉREO Cláudio Jorge Pinto Alves (versão: 14/05/2014) 1 - INTRODUÇÃO De 1970 a 2010 observou-se um aumento de 7% ao ano no movimento de passageiros e prevê-se, para o período

Leia mais

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Regulamento n.º /2010

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Regulamento n.º /2010 MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Regulamento n.º /2010 Define o Perfil do Administrador Responsável (Accountable Manager) e as Habilitações

Leia mais

Nota: As informações apresentadas abaixo têm caráter meramente informativo, não devendo ser utilizadas como instrumento legal.

Nota: As informações apresentadas abaixo têm caráter meramente informativo, não devendo ser utilizadas como instrumento legal. AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL ANAC GERÊNCIA GERAL DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS AERONÁUTICOS GGCP PROCESSOS DE HOMOLOGAÇÃO SUPLEMENTAR DE TIPO (HST) PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES Nota: As informações apresentadas

Leia mais

Normativo Técnico 3 Certificação Original da Aeronave e seus Componentes

Normativo Técnico 3 Certificação Original da Aeronave e seus Componentes Normativo Técnico 3 Certificação Original da Aeronave e seus Componentes PARTE A: GENERALIDADES... 3 3.001 APLICABILIDADE... 3 3.003 DEFINIÇÕES... 3 3.005 SIGLAS/ACRÓNIMOS... 3 PARTE B: TIPOS DE CERTIFICADO...

Leia mais

IATA Liaison Desk no CGNA Um projeto de parceria colaborativa

IATA Liaison Desk no CGNA Um projeto de parceria colaborativa IATA Liaison Desk no CGNA Um projeto de parceria colaborativa IATA Brasil 06 de Agosto de 2014 Sobre a IATA A IATA International Air Transport Association é a associação da indústria do comércio global.

Leia mais

Inovação no ar NEGÓCIOS

Inovação no ar NEGÓCIOS Inovação no ar Mercado de Veículos Aéreos Não Tripulados está em expansão no Brasil, abrindo espaço para empresas incubadas e graduadas desenvolverem novos produtos e serviços Para vigiar os passos de

Leia mais

PROGRAMA BRASILEIRO PARA A SEGURANÇA OPERACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL PSO-BR

PROGRAMA BRASILEIRO PARA A SEGURANÇA OPERACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL PSO-BR PROGRAMA BRASILEIRO PARA A SEGURANÇA OPERACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL PSO-BR PROGRAMA BRASILEIRO PARA A SEGURANÇA OPERA- CIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL PSO-BR ANTECEDENTES A Organização de Aviação Civil Internacional

Leia mais

DevOps. Carlos Eduardo Buzeto (@_buzeto) IT Specialist IBM Software, Rational Agosto 2013. Accelerating Product and Service Innovation

DevOps. Carlos Eduardo Buzeto (@_buzeto) IT Specialist IBM Software, Rational Agosto 2013. Accelerating Product and Service Innovation DevOps Carlos Eduardo Buzeto (@_buzeto) IT Specialist IBM Software, Rational Agosto 2013 1 O desenvolvedor O mundo mágico de operações Como o desenvolvedor vê operações Como operações vê uma nova release

Leia mais

COMITÊ DO ESPECTRO PARA RADIODIFUSÃO - CER SPECTRUM DAY 16.08.2011 A REVISÃO DA REGULAMENTAÇÃO DO USO DA FAIXA DE 3,5 GHZ UMA NECESSIDADE COMPROVADA.

COMITÊ DO ESPECTRO PARA RADIODIFUSÃO - CER SPECTRUM DAY 16.08.2011 A REVISÃO DA REGULAMENTAÇÃO DO USO DA FAIXA DE 3,5 GHZ UMA NECESSIDADE COMPROVADA. COMITÊ DO ESPECTRO PARA RADIODIFUSÃO - CER SPECTRUM DAY 16.08.2011 A REVISÃO DA REGULAMENTAÇÃO DO USO DA FAIXA DE 3,5 GHZ UMA NECESSIDADE COMPROVADA. PAULO RICARDO H. BALDUINO 0 Conteúdo 1. Introdução

Leia mais

Novas edições do curso de Atualização para INSPAC PEL e OPS

Novas edições do curso de Atualização para INSPAC PEL e OPS Ano 3 N 35 07 de junho de 2013 Novas edições do curso de Atualização para INSPAC PEL e OPS Serão realizadas duas edições do curso INSPAC PEL e OPS Atualização. A primeira acontecerá no Rio de Janeiro,

Leia mais

Sumário. IHST Brasil. Iniciativas, Atividades e Ferramentas Acessíveis de Prevenção 19/01/2013

Sumário. IHST Brasil. Iniciativas, Atividades e Ferramentas Acessíveis de Prevenção 19/01/2013 IHST Brasil Iniciativas, Atividades e Ferramentas Acessíveis de Prevenção JHSAT Co-Chair Industria: Ana Claudia Malagrino Galvão 1 1 Sumário Iniciativa IHST - Introdução Atividades e Resultados do IHST

Leia mais

ANAC AG t:ncia NACIONAL DE AVIACAO CIVIL

ANAC AG t:ncia NACIONAL DE AVIACAO CIVIL AG t:ncia NACIONAL (BRAZILIAN CIVIL AVIATION A CffHORITY) CERTIFICADO DE ORGANIZA

Leia mais

Realização. Apoio. Patrocínio

Realização. Apoio. Patrocínio Realização Apoio Patrocínio Seminário Internacional de VANT 2010 VANT Quem Opera? Cel Av R1 Alexandre Lessa Destaques das Palestras da Conferência Anual de Treinamento e Simulação em VANT em Londres,

Leia mais

Manutenção. Índice. De Check-up Geral a ajustes pontuais

Manutenção. Índice. De Check-up Geral a ajustes pontuais De Check-up Geral a ajustes pontuais Venha realizar sua Manutenção conosco. Você vai sentir a diferença de ser atendido com o jeito TAM Aviação Executiva. Temos um departamento de Compras bastante estruturado,

Leia mais