A Família Teresiana de Henrique de Ossó

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Família Teresiana de Henrique de Ossó"

Transcrição

1 A Família Teresiana de Henrique de Ossó Um passo mais: Família Teresiana em mesa Partilhada Um convite à reflexão pela Comissão da Família Teresiana Página 2 A Família Teresiana na Província Maria Imaculada (Portugal) Família, a nossa, a Teresiana: Sonho de Henrique em resposta a Deus, com Teresa por guia. Henrique sonhou e realizou. O sonho continuou em Família Teresiana de Henrique de Ossó: muitos/as, a viverem o carisma a seu jeito, em comunidade familiar, em comunidade de consagradas, em espaços de escola, em espaços paroquiais Como? Ao jeito de Henrique inspirado em Teresa na Igreja de hoje, no hoje da História, em mesa partilhada. Diferentes vínculos, diferentes estados de vida, o mesmo sonho, a mesma vivência: escuta da Palavra que gera dinamismo de oração e transforma em criaturas renovadas pelo Espírito, marcadas por uma espiritualidade de matiz Teresiano. A Família Teresiana em Portugal apostou: apostou e aposta em despertar o mundo, em acender as brasas que ainda fumegam, em acordar os corações, pela proximidade do encontro e do acolhimento, pelo anúncio e vivência de uma espiritualidade que contempla a obra de Deus e se extasia com as maravilhas que Ele realiza no mundo dos que aceitam que Ele seja a porta e se determinam, com toda a determinação, em deixar-se envolver na ternura de um Deus Humanado. Família Teresiana está em Festa, vive em festa, comunica festa. Uma mulher, uma Santa, uma Doutora da Igreja em doutrina sábia, referência de espiritualidade, celebra 500 anos de nascimento a 28 de Março de Somos da sua família, sentimo-nos marcados/as pelo seu testemunho de santidade. Sumário Pág. 1 A Família Teresiana na Província Maria Imaculada - Portugal Pág. 2 Visão de como viver o V Centenário na Família Teresiana de Henrique de Ossó Pág. 5 Apelo da Comissão da Família Teresiana para se fazer um balanço em Maio de Pág. 6 Preparando a Mesa Partilhada - os momentos fortes da nossa vida de Família Teresiana de Henrique de Ossó. Um Passo mais? Um passo mais, muitos passos estamos a dar neste momento em que Teresa se torna mais viva, mais próxima pela vivência do V centenário do seu nascimento. Comissão da Família Teresiana,stj A Família Teresiana parece-se a um grão de mostarda que um homem de Fé recebeu e semeou no meio do mundo. O grão brotou e cresceu de noite e de dia, sem que ele soubesse como. E fez-se Árvore. A árvore expande-se através das suas sementes, e chegou muito longe... Cresceu noutras terras, enriqueceu-se com novos minerais, atravessou o mar, e pôde oferecer os seus próprios frutos a gentes e povos que antes não conhecia. Passou por muitos invernos e outonos de despojo, mas também lhe chegaram primaveras com esperança de vida partilhada. E, de estação em estação, foi-se fortalecendo e os pássaros faziam ninhos nos seus ramos. In, Seiva que Circula - Releitura da Espiritualidade Teresiana.

2 Um passo mais: Família Teresiana em Mesa da Partilha Dando continuidade ao caminho iniciado que se expressa no documento "IRMÃS E LEIGAS/OS RECONHECEMO- NOS COMO FAMÍLIA TERESIANA", de outubro de 2009,quisemos reconhecer e dar nome ao que já acontece em todas as realidades em que vivemos, através de um questionário que enviamos às províncias em novembro de Acolhemos cada resposta como terra sagrada, em atitude de escuta atenta à realidade e à vida. Nelas constatamos com satisfação sinais da presença do Espírito: O CARISMA TERESIANO DE HENRIQUE DE OSSÓ vai sendo, cada vez mais, o centro de gravidade da nossa família. w Há uma profunda sintonia entre o convite do XVI Capítulo Geral e o caminhar das províncias no compromisso de "continuar a partilhar e descobrir juntas/os o nosso carisma para responder com criatividade e audácia às novas situações e desafios da humanidade" 1. w Existe uma progressiva visibilidade, reconhecimento e vinculação de todas aquelas pessoas, grupos, comunidades que constituem e podem fazer parte da Família Teresiana. Reconhecemo-nos família desde as nossas origens e agradecemos tudo isto como dom; também é tarefa que temos que continuar a construir juntos/as. O processo vivido ao longo destes anos e os desejos de futuro, refletidos neste questionamento, é o que oferecemos de seguida, ainda que sejamos conscientes de que as palavras não refletem toda a riqueza da vida. O NOSSO CAMINHAR COMO FAMÍLIA TERESIANA DE HENRIQUE DE OSSÓ Ao contatarmos com as realidades de cada província, observamos que desde a variedade da Família Teresiana, se tornaram realidade algumas dinâmicas internas comuns, que pressupõe uma mudança de paradigma: w Integração de leigas/os em equipas provinciais: vamos passando da missão partilhada ao carisma partilhado em FT. w Participação de leigas/os em assembleias, capítulos e encontros provinciais w Formação e reflexão conjunta (irmãs e leigas/os) em espiritualidade teresiana w Sensibilização nas comunidades STJ sobre o sentido de FT. w Convite por parte da Companhia para participar em espaços de reflexão, diálogo e celebração... que têm favorecido um processo de caminhar como família até chegar a formar grupos dinamizadores de FT integrados por irmãs e leigas/os. Reconhecemos nos contributos das províncias alguns objetivos e ações que já se estão a realizar; outros fazem parte de planos e projetos. Todos expressam o dinamismo das diversas realidades como resposta ao chamamento do Padre Henrique: "Quem renovará essas brasas, que se vão apagando, até arrancar-lhes chispas que percorram a terra e incendeiem as chamas que chegam ao céu?" 2 RECONHECER-NOS E RESITUAR OS DIVERSOS GRUPOS DA FAMÍLIA TERESIANA COMO IDENTIDADES EM RELAÇÃO PORTADORAS DO CARISMA w Sensibilização das comunidades de irmãs relativamente à FT w Visibilidade dos que fazem parte da FT em cada realidade w Fortalecimento da vida e autonomia do MTA w Conhecimento de algumas experiências de FT noutras províncias 3 w Vão-se abrindo espaços de encontro para continuar a reflexão conjunta entre os que somos FT e os diversos nodos de vinculação. FORTALECER O SENTIDO DE PERTENÇA À FAMÍLIA TERESIANA w Tomada de consciência da necessidade de nos colocarmos em contacto direto e profundo com as nossas fontes carismáticas: Teresa e Henrique w Releitura do carisma sobre o sentido da FT e a sua missão hoje w Reconhecimento das caraterísticas das nossas diversas identidades e da riqueza que nos oferecem. GERAR ESPAÇOS DE ENCONTRO E VÍNCULOS COMO FAMÍLIA TERESIANA w Celebração das datas mais significativas da nossa família a nível local e provincial, especialmente o dia 15 de outubro e o dia 27 de janeiro w Ateliers de formação conjunta sobre a 2

3 espiritualidade teresiana w Leitura orante de Teresa e Henrique w Ateliers de oração teresiana w Consolidação do quarto de hora de oração w Convite para participar em experiências de espiritualidade e formação 4 : projeto NUDO, Casa de Oração, IDEO, CIEST, congressos teresianos, formação carismática para educadores, e outros. ARTICULAR REDES TERESIANAS w Estratégias de vinculação e de contacto com pessoas que estiveram ligadas a obras, grupos e presenças teresianas w Projetos de rede teresiana com base de dados, web, logotipo... w Promoção de equipas-comissões formadas por irmãs e leigas/os que dinamizam a FT a todos os níveis (local, zona, província, interprovincial...) PARTICIPAR NA ANIMAÇÃO E CELEBRAÇÃO DO V CENTENÁRIO w Participação na celebração do V Centenário do Nascimento de Santa Teresa de Jesus como FT w Abertura à participação com outras famílias teresianas, especialmente com os Carmelitas w Implicação no CIT de Animadores do V Centenário. Esta dinâmica participativa está a fortalecer os laços de vinculação na FT e a comunhão entre todos, já que permite partilhar a vida e a missão, a espiritualidade, a formação e o compromisso. Sentarmo-nos à mesa do carisma teresiano "será o laço de união de tantos corações que querem um ponto comum para se animar e trabalhar com ardor. Será o centro de todas as aspirações nobres de quantos suspirem por fazer algo em favor dos seus irmãos." 5 1. O NOSSO PROCESSO NA REFLEXÃO CONJUNTA DOS QUE FORMAMOS A FAMÍLIA TERESIANA w Percebem-se diferentes momentos de caminho nas províncias. Há aquelas que avançaram um pouco mais na reflexão, há aquelas que têm processos mais claros estabelecidos para continuar a realizá-la e uma pequena minoria que ainda não iniciou este caminho de maneira participativa e sistemática. w A reflexão nas províncias realizou-se de diferentes formas: algumas centraram a sua atenção naqueles que fazem parte da FT; umas nas formas de relação e vínculos entre leigas/os e irmãs; outras na identificação e sentido de pertença; outras no caminho percorrido na missão partilhada. w A grande maioria das províncias conta com uma equipa dinamizadora da FT. Algumas têm, para além disso, equipas regionais. 2. A NOSSA ÁRVORE DE FAMÍLIA w Cada província, dentro da sua realidade, conta com diferentes grupos de FT. Na maioria estão presentes: MTA, Companhia, leigas que foram irmãs da Companhia, alunos/as, ex-alunos/as, professores/as, pais e mães de família, voluntários/as, sacerdotes, amigos/as, irmãos de Companhia e colaboradores/as. w Em algumas províncias, além disso, existem Associados/as Teresianos, grupos de oração, grupos de espiritualidade, missionários/as, pessoas vinculadas através das paróquias, comunidades de leitura orante, entre outros. Em Angola permanecem alguns Missionários Teresianos. w Nas províncias existem leigas/os que se sentem vinculados ao carisma e que ainda não são suficientemente reconhecidos como parte da FT. É necessário procurar meios para os convocar e para os visibilizar. Em cada uma das províncias os grupos e leigas/os mencionados/as, desenvolvem ações específicas e vinculam-se de um modo concreto, segundo as necessidades próprias de cada contexto e a particularidade de seu projeto pessoal e/ou comunitário. 3. PROPOSTA DE UM MARCO COMUM PARA OS ASSOCIADOS TERESIANOS 6 Assumimos a petição do Capítulo Geral de elaborar uma proposta de marco comum para os Associados/as. Sugerimos que nas províncias se reflita sobre o caminho que percorreram relativamente aos Associados/as, a partir do texto que apresentamos a seguir, que está aberto a sugestões. As províncias que não têm Associados/as, podem considerar os Associados/as, como uma opção para os leigos que estejam interessados em seguir este caminho. JUSTIFICAÇÃO O termo de leigos associados é comum na eclesiologia posterior ao Vaticano II. Refere-se aqueles leigos que, por afinidade com um Instituto Religioso, se vinculam, em diversos graus, ao seu carisma, espiritualidade e missão. Há várias modalidades de associação possíveis: umas que correspondem às pessoas, e outras aos grupos. Em inglês, as congregações dão o mesmo nome a todos, independentemente do nível de vinculação, 3

4 LAY ASSOCIATES (leigos associados). Neste sentido, tanto os membros do MTA como outros leigos ligados ao carisma, seriam leigos associados. Contudo, quando nós falamos de Associados Teresianos referimo-nos a um grupo mais restrito que surgiu pela primeira vez na Província San Francisco de Sales (Estados Unidos). Atualmente existem em Portugal, no Chile, no Paraguai e nos Estados Unidos (Florida, Texas y New Orleans). Nestes países adotou-se o perfil dos Associados que se elaborou nos Estados Unidos e, pouco a pouco, foram-se realizando adaptações às particularidades de cada realidade. QUEM SÃO OS ASSOCIADOS TERESIANOS? Os Associados Teresianos são leigas/os que se sentem chamados por Deus a viver a sua consagração batismal desde o carisma teresiano de Henrique de Ossó, através da sua associação com a Companhia de Santa Teresa de Jesus, para tornar presente o Reino de Deus nos seus próprios ambientes. Comprometem-se a viver a oração pessoal diária, a alimentar-se com a vida sacramental da Igreja e a aprofundar a leitura orante da Palavra de Deus e dos escritos de Teresa de Jesus e Henrique de Ossó. A sua maneira de viver a dimensão comunitária 7 expressa-se na relação com os outros associados e com as irmãs. Participam em dias de oração e reflexão e em celebrações significativas. Expressam a sua vinculação através de um compromisso que se pode renovar cada ano. 4. AS NOSSAS SUGESTÕES O convite do XVI Capítulo Geral a viver em Mesa Partilhada, desafia-nos a relacionarmo-nos de uma nova maneira como FT. Continuamos a acolher o chamamento do Capítulo a: w Aprofundar o sentido de ser Família Teresiana vivendo um carisma comum. w Responder com criatividade e audácia as novas situações e desafios da humanidade como Família Teresiana. Consideramos que pode ajudar: w Assegurar que alguma equipa, garanta a participação de leigas/os e irmãs, sendo responsável por dinamizar, orientar e acompanhar o caminho da FT em cada província. w Sistematizar e dar a conhecer os processos que se forem gerando nas diversas realidades locais e provinciais acompanhando o caminhar da FT. w Aprofundar conjuntamente a nossa forma de nos situarmos como irmãs e leigas/os nesta família. Futuramente ofereceremos um simples itinerário que nos ajude neste processo. w Aproveitar este tempo de preparação para o V Centenário de forma que os diversos grupos e membros da FT, articulados entre si, aprofundem no conhecimento de Teresa de Jesus e Henrique de Ossó para que este acontecimento seja de graça, de vida e de renovação 8 como sonhava o nosso Fundador. Esta é a experiência que vivemos ao participar alguns dias no CIT de "ANIMADORAS DO V CENTENÁRIO". Sentimo-nos fortemente motivadas para apoiar a sua preparação e celebração. "Estamos convencidas de que este acontecimento pode ser ocasião para dirigir o nosso olhar pessoal, comunitariamente e em família teresiana, para esta mulher. Da sua mão sentiremos a vida como um convite perene a sermos felizes, porque podemos viver em todas as partes o BANQUETE da amizade e união com Jesus, que se torna presente onde dois ou mais se reúnem para partilhar, para dialogar, para procurar a paz, para consolar, para promover a justiça e a integridade dos povos e da criação inteira no meio das circunstâncias que hoje se vivem." 9 No contexto da celebração dos 50 anos do Concílio Vaticano II, sentimo-nos convidados/as, como parte da comunidade eclesial, a questionar a nossa forma de viver a fé e o nosso compromisso desde a riqueza carismática que herdamos. Somos conscientes que ainda há lugar na mesa do carisma para partilhar e dilatar a sua força. 10 "Que Teresa de Jesus vos sustenha no vosso caminho, vos alente na luta e confirme no amor de Deus" 11 - (E de O) Notas:. 1. XVI Capítulo Geral, Caminhos 3. Ávila, 7 de fevereiro de 2013 Comissão da Família Teresiana 2. Chamamento às jovens católicas. Festa da Transverberação do coração de Teresa de Jesus. (Revista Teresiana 14, Novembro 1873). 3. O Portal STJ é um lugar de encontro e divulgação da FT. 4. Ver Portal ST. 5. Revista Teresiana 64, Janeiro p XVI CG STJ, Caminho A diferença do MTA, que sendo um Movimento aprovado pelo Conselho Pontifício para os leigos, tem o compromisso explícito de formar comunidades de vida (Origens y Art. 3 Estatutos MTA). 8. Revista Teresiana 122, Novembro XVI Capítulo Geral. 10. Ibid. 11. Chamamento às jovens católicas. Ibid 4

5 1 2 A Família Teresiana de Henrique de Ossó Posso dar-vos este título: somos irmãos em Jesus, mas sois minhas filhas em Teresa, pois como o Apóstolo eu vos dei o ser teresiano2. Hoje perguntamo-nos o que diria à Família Teresiana através do estudo de alguns dos seus escritos. Neles, descobrimos desafios sempre atuais, que nos interpelam e dinamizam: oração, claridade de fins, união de corações, colaboração, realismo, universalidade, flexibilidade, adequação Ressoou em nós, especialmente, que a organização sem Espírito, não sustém o edifício e que esta deverá estar sempre ao serviço da união. À luz da sua palavra e do convite do XVI Capítulo Geral para continuar a reflexão conjunta de quem formamos a Família Teresiana e os diversos modos de vinculação, queremos propor-lhes um Itinerários Formativo, simples, que iremos enviando posteriormente. Ajudar-nos-á a ir construindo significados comuns que nos façam sentir, cada vez mais, partícipes da mesma mesa. Para nós, a nossa missão é estar em ESCUTA ATENTA ao que vai ocorrendo nas províncias, a vida e projetos que nascem, as necessidades e obstáculos que aparecem e ser LUGAR DE ENCONTRO que estabelece relações e conecta iniciativas3. Neste sentido, o caminho que estamos a viver com a preparação do V Centenário do Nascimento de Teresa de Jesus, vai já suscitando dinamismos na nossa família que queremos ACOLHER. Festa da Família Teresiana Outubo.2010 Apelo da Comissão da Família Teresiana A Comissão da Família Teresiana reuniu pela primeira vez, de maneira presencial, em Ávila de 3 a 7 de fevereiro. Algumas de nós pudemos disfrutar da Peregrinação que realizou o CIT Animadores/as de um Centenário, percorrendo os lugares que visitou Henrique de Ossó na peregrinação de 1877 enquanto sonhava com a Irmandade Teresiana Universal. Desse sonho alimentase hoje a nossa Família. O CIT Animadores/as de um Centenário oferecernos-á encaminhamentos e possibilidades de reconhecermos, vivermos e encontrar-nos como Família Teresiana. Este é um tempo de graça que nos chama a unir forças e a fortalecer laços que unam a tantos corações que batem a um mesmo impulso: Teresa de Jesus e Jesus de Teresa. Ao terminar o nosso encontro, queremos pedir-lhes que nos comuniquem antes do dia 15 de maio: Aproximamo-nos da vida da FT, nas províncias, através da reflexão que cada uma enviou. O documento que anexamos, Um passo mais: Família Teresiana em Mesa Partilhada, recolhe a vida de todas/os, mas somos conscientes de que as palavras não expressam toda a riqueza e a profundidade da experiência vivida. Contudo, enquanto líamos, fomos sentindo que o coração nos ardia ao constatar que o grão de mostarda, que semeou Henrique de Ossó, hoje estende as suas raízes por todo o mundo 2 Ø Ø Ø As experiências que vão realizando a nível local e provincial de forma que possamos dá-las a conhecer a toda a Família. A valorização do documento Um passo mais: Família Teresiana em Mesa Partilhada. As dificuldades, inquietações, sugestões, necessidades que considerem que devemos conhecer e acolher. Agradecemos a vida partilhada ao longo destes dias. Sentimos que entre nós se gerou FAMÍLIA. Desejamos que nas províncias todos/as possamos ter esta mesma experiência. Deus o quer... Jesus de Teresa o quer Teresa de Jesus o quer? A partir do documento, podemos ir reconhecendo em cada uma das nossas províncias mãos que avivam as brasas algumas ocultas sob a capa de cinza, gérmenes de vida e de restauração, pequenas ou grandes chispas que já percorrem a nossa terra...? Haverá ainda mão e brasas que não reconhecemos e necessitamos de visibilizar?. Notas: 1. H. de Ossó, Documento Inédito. Finais de 1874 o Noutro momento, aproximamo-nos da experiência fundacional de Henrique de Ossó e experimentamos, no dia-a-dia da nossa convivência, a profundidade e ternura das suas palavras: Minhas queridas irmãs em Jesus de Teresa, minhas queridas filhas em Teresa de Jesus. princípios de Dirige-se às jovens da Arquiconfraria (alude ao reconhecimento pontifício da Arquiconfraria) 2. Ibid. 3. Cfr. Nosso serviço de Governo, Roma, Fevereiro

6 Preparando a Mesa Partilhada A Comissão Geral para o V Centenário do nascimento de Santa Teresa de Jesus lançou-nos o desafio de sermos Família Teresiana em Mesa Partilhada. Partilhar é o dom de dar e receber sem nada esperar em troca, sabendo que todos e cada um ficará mais rico porque conhece mais e melhor, porque se identifica mais profundamente com ou outros, com Enrique de Ossó e Teresa, com a Igreja e com Cristo. Porque a partilha é como o perdão que tende a favorecer tanto que o concede como quem o recebe, somos desta forma, convidados a partilhar o que neste ano letivo já fizemos e o que ainda temos para fazer enquanto membros da Família Teresiana. Este levantamento de vivências, para além de nos ajudar a quantificar a ação na nossa dimensão nacional, juntarse-á a todos os outros contributos oriundos de todas as Terras onde a presença de Teresa se faz sentir, tornando clara a dimensão universal da obra de Teresa e da sua comunhão em Igreja. Esta News letter será o nosso instrumento de partilha onde trimestralmente daremos nota das «boas práticas» e das nossas dificuldades, inquietações, sugestões, de cada um dos ramos desta árvore frondosa que é a Família Teresiana de Henrique de Ossó. Assim, trimestralmente será disponibilizada uma ou duas páginas (cerca de ou carateres com espaços incluídos) para que cada comunidade possa evidenciar o que entender por bem e para publicar uma grelha em excel (Família Teresiana-Ação.xlsx) com as ações realizadas e a realizar no âmbito da Família Teresiana. O próximo número da News letter deverá ser publicado na primeira quinzena do mês de junho, para isso deverão ser remetidos os dados solicitados, até ao dia 31 de Maio, para o Carlos Alberto Pereira VIVE A PEREGRINAÇÃO AOS LUGARES TERESIANOS ÁVILA DIA 27 DE JULHO 6

Plano Diocesano da Animação Bíblico-Catequética

Plano Diocesano da Animação Bíblico-Catequética Plano Diocesano da Animação Bíblico-Catequética 2 0 1 2-2 0 1 5 DIOCESE DE FREDERICO WESTPHALEN - RS Queridos irmãos e irmãs, Com imensa alegria, apresento-lhes o PLANO DIOCESANO DE ANIMAÇÃO BÍBLICO -

Leia mais

Plano de Formação da CVX-P

Plano de Formação da CVX-P da CVX-P Apresentado à VIII Assembleia Nacional CVX-P Fátima, Outubro 2004 Introdução... 2 Etapa 0: Acolhimento... 3 Etapa 1: Iniciação... 5 Etapa 2: Identificação... 6 Etapa 3: Missão... 7 1 Introdução

Leia mais

Informativo da Congregação Pobres Servos da Divina Providência Delegação Nossa Senhora Aparecida. Permanece conosco

Informativo da Congregação Pobres Servos da Divina Providência Delegação Nossa Senhora Aparecida. Permanece conosco Notícias de Família Informativo da Congregação Pobres Servos da Divina Providência Delegação Nossa Senhora Aparecida 06 JUNHO 2014 Permanece conosco Vivemos dias de graça, verdadeiro Kairós com a Celebração

Leia mais

Tema 8: Vocação - um novo relacionamento Deus se revela através dos outros

Tema 8: Vocação - um novo relacionamento Deus se revela através dos outros Tema 8: Vocação - um novo relacionamento Deus se revela através dos outros DEUS SE REVELA ATRAVÉS DOS OUTROS Ser Marista com os outros: Experimentar caminhos de vida marista comunitariamente INTRODUÇÃO

Leia mais

OBLATOS ORIONITAS. linhas de vida espiritual e apostólica

OBLATOS ORIONITAS. linhas de vida espiritual e apostólica OBLATOS ORIONITAS linhas de vida espiritual e apostólica Motivos inspiradores da oblação orionita laical O "carisma" que o Senhor concede a um fundador, é um dom para o bem de toda a Igreja. O carisma

Leia mais

PROVÍNCIA MARISTA DO BRASIL NORTE

PROVÍNCIA MARISTA DO BRASIL NORTE PROVÍNCIA MARISTA DO BRASIL NORTE Espiritualidade Apostólica Marista Ir. José Milson de Mélo Souza Ano de Deus Pai LADAINHA DE SÃO MARCELINO CHAMPAGNAT (Ir. José Milson) V. Senhor, tende piedade de nós.

Leia mais

Tema 6: Vocação - nova relação Deus nos brindou com um coração marista

Tema 6: Vocação - nova relação Deus nos brindou com um coração marista Tema 6: Vocação - nova relação Deus nos brindou com um coração marista DEUS NOS BRINDOU COM UM CORAÇÃO MARISTA Herdeiros do carisma marista A vocação como memória do carisma. Dom para acolher e fazer crescer.

Leia mais

Ata do Lançamento do Ano Pastoral FAMÍLIA SALESIANA 2015/2016

Ata do Lançamento do Ano Pastoral FAMÍLIA SALESIANA 2015/2016 Ata do Lançamento do Ano Pastoral FAMÍLIA SALESIANA 2015/2016 Aos dezanove dias do mês de Setembro de dois mil e quinze realizou-se em Fátima, na Casa Nossa Senhora do Carmo, o encontro de apresentação

Leia mais

A grande refeição é aquela que fazemos em torno da Mesa da Eucaristia.

A grande refeição é aquela que fazemos em torno da Mesa da Eucaristia. EUCARISTIA GESTO DO AMOR DE DEUS Fazer memória é recordar fatos passados que animam o tempo presente em rumo a um futuro melhor. O povo de Deus sempre procurou recordar os grandes fatos do passado para

Leia mais

ESCOLA DE PASTORAL CATEQUÉTICA ESPAC

ESCOLA DE PASTORAL CATEQUÉTICA ESPAC ESCOLA DE PASTORAL CATEQUÉTICA ESPAC 1. ESPAC O QUE É? A ESPAC é uma Instituição da Arquidiocese de Fortaleza, criada em 1970, que oferece uma formação sistemática aos Agentes de Pastoral Catequética e

Leia mais

Vozes do fogo Mensagem da II Assembleia Internacional da Missão Marista Nairóbi, 16-27 de setembro de 2014

Vozes do fogo Mensagem da II Assembleia Internacional da Missão Marista Nairóbi, 16-27 de setembro de 2014 Vozes do fogo Mensagem da II Assembleia Internacional da Missão Marista Nairóbi, 16-27 de setembro de 2014 Preambulo Há cerca de 150.000 anos, por obra de Deus Pai, surgiu nesta terra africana o primeiro

Leia mais

COLÉGIO AGOSTINIANO SÃO JOSÉ PASTORAL EDUCATIVA REUNIÃO DE PAIS E CATEQUISTAS 09 DE FEVEREIRO DE 2010

COLÉGIO AGOSTINIANO SÃO JOSÉ PASTORAL EDUCATIVA REUNIÃO DE PAIS E CATEQUISTAS 09 DE FEVEREIRO DE 2010 COLÉGIO AGOSTINIANO SÃO JOSÉ PASTORAL EDUCATIVA REUNIÃO DE PAIS E CATEQUISTAS 09 DE FEVEREIRO DE 2010 ORAÇÃO DE ABERTURA CANTO (REPOUSAR EM TI) Música de Tânia Pelegrino baseada na obra Confissões, de

Leia mais

Madre Assunta Marchetti e a missão scalabriniana

Madre Assunta Marchetti e a missão scalabriniana Madre Assunta Marchetti e a missão scalabriniana MADRE ASSUNTA Exalou o perfume de Deus. Foi uma presença de amor. Doou sua vida aos órfãos e irmãos em necessidade. Um exemplo a seguir. Uma vida de santidade.

Leia mais

COMUNIDADE DE COMUNIDADES: UMA NOVA PARÓQUIA. Estudo 104 CNBB

COMUNIDADE DE COMUNIDADES: UMA NOVA PARÓQUIA. Estudo 104 CNBB COMUNIDADE DE COMUNIDADES: UMA NOVA PARÓQUIA Estudo 104 CNBB ASPECTOS GERAIS DO DOCUMENTO PERSPECTIVAS PASTORAIS TEXTOS BASES DESAFIOS FUNÇÕES DA PARÓQUIA PERSPECTIVA TEOLÓGICA MÍSTICA DO DOCUMENTO PERSPECTIVA

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

Repasse da 76a. Assembléia da CNBB Sul I Aparecida de 10 a 12/06/2013

Repasse da 76a. Assembléia da CNBB Sul I Aparecida de 10 a 12/06/2013 Repasse da 76a. Assembléia da CNBB Sul I Aparecida de 10 a 12/06/2013 1. Finalidade do Ano da Fé; 2. O que é a Fé; 3. A transmissão da Fé enquanto professada, celebrada, vivida e rezada; 4. O conteúdo

Leia mais

SUGESTÃO PARA A REALIZAÇÃO DA ASSEMBLEIA PAROQUIAL ORAÇÃO INICIAL

SUGESTÃO PARA A REALIZAÇÃO DA ASSEMBLEIA PAROQUIAL ORAÇÃO INICIAL SUGESTÃO PARA A REALIZAÇÃO DA ASSEMBLEIA PAROQUIAL ORAÇÃO INICIAL 1 Ivocação ao Espirito Santo (oração ou canto) 2- Súplica inicial. (Em 2 coros: H- homens; M- mulheres) H - Procuramos para a Igreja/ cristãos

Leia mais

Capitulo 3 ESPIRITUALIDADE DA RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA

Capitulo 3 ESPIRITUALIDADE DA RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA Capitulo 3 ESPIRITUALIDADE DA RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA Deus nos alerta pela profecia de Oséias de que o Povo dele se perde por falta de conhecimento. Cf. Os 4,6 1ª Tm 4,14 Porque meu povo se perde

Leia mais

Elementos da Vida da Pequena Comunidade

Elementos da Vida da Pequena Comunidade Raquel Oliveira Matos - Brasil A Igreja, em sua natureza mais profunda, é comunhão. Nosso Deus, que é Comunidade de amor, nos pede entrarmos nessa sintonia com Ele e com os irmãos. É essa a identidade

Leia mais

A iniciação cristã como pedagogia de vida comunitária

A iniciação cristã como pedagogia de vida comunitária A iniciação cristã como pedagogia de vida comunitária A evangelização nos dá a alegria do encontro com a Boa Nova da Ressurreição de Cristo. A maioria das pessoas procura angustiada a razão de sua vida

Leia mais

BIÊNIO 2012-2013. Tema Geral da Igreja Metodista "IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA. Tema para o Biênio

BIÊNIO 2012-2013. Tema Geral da Igreja Metodista IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA. Tema para o Biênio 1 IGREJA METODISTA PASTORAL IMED PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E PLANO DE AÇÃO BIÊNIO 2012-2013 Tema Geral da Igreja Metodista "IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA

Leia mais

José Eduardo Borges de Pinho. Ecumenismo: Situação e perspectivas

José Eduardo Borges de Pinho. Ecumenismo: Situação e perspectivas José Eduardo Borges de Pinho Ecumenismo: Situação e perspectivas U n i v e r s i d a d e C a t ó l i c a E d i t o r a L I S B O A 2 0 1 1 Índice Introdução 11 Capítulo Um O que é o ecumenismo? 15 Sentido

Leia mais

CRIANÇAS AJUDAM E EVANGELIZAM CRIANÇAS

CRIANÇAS AJUDAM E EVANGELIZAM CRIANÇAS CRIANÇAS AJUDAM E EVANGELIZAM CRIANÇAS Infância/Adolescencia MISSÃO MISSÃO. Palavra muito usada entre nós É encargo, incumbência Missão é todo apostolado da Igreja. Tudo o que a Igreja faz e qualquer campo.

Leia mais

CONSELHOS EVANGÉLICOS

CONSELHOS EVANGÉLICOS CONSELHOS EVANGÉLICOS 1- RAZÃO TEOLÓGICA 1.1. Fato de Vida na Igreja A vivência da virgindade-pobreza-obediência de Jesus Cristo é fato de vida que existe na igreja desde suas origens. O estado religioso:

Leia mais

992 portugueses participam em ações de voluntariado missionário em Portugal.

992 portugueses participam em ações de voluntariado missionário em Portugal. FEC - FUNDAÇÃO FÉ E COOPERAÇÃO COMUNICADO DE IMPRENSA 548 portugueses participam em ações de voluntariado missionário internacional. 992 portugueses participam em ações de voluntariado missionário em Portugal.

Leia mais

MÍSTICA E CONSTRUÇÃO Por que pensar em Mística e Construção?

MÍSTICA E CONSTRUÇÃO Por que pensar em Mística e Construção? MÍSTICA E CONSTRUÇÃO Espiritualidade e profecia são duas palavras inseparáveis. Só os que se deixam possuir pelo espírito de Deus são capazes de plantar sementes do amanhã e renovar a face da terra. Todo

Leia mais

XIIIº PLANO DIOCESANO DE PASTORAL Diocese de Inhambane 2012 2015 TEMA: JUNTOS CRESCENDO FIRMES NA FÉ

XIIIº PLANO DIOCESANO DE PASTORAL Diocese de Inhambane 2012 2015 TEMA: JUNTOS CRESCENDO FIRMES NA FÉ XIIIº PLANO DIOCESANO DE PASTORAL Diocese de Inhambane 2012 2015 TEMA: JUNTOS CRESCENDO FIRMES NA FÉ INTRODUÇÃO GERAL A Assembleia Diocesana de Pastoral, realizada no Centro do Guiúa de 6 a 8 de Dezembro

Leia mais

Os fundamentos da nossa missão 2013-10 1/16

Os fundamentos da nossa missão 2013-10 1/16 Os fundamentos da nossa missão 2013-10 1/16 Índice Introdução. 3 1. Apresentação geral.... 4 2. Os CPM no seio da Igreja......5 3. Os animadores.....7 4. O papel do Assistente Espiritual... 8 5. A equipa

Leia mais

SOLENE CELEBRAÇÃO EUCARÍSTICA

SOLENE CELEBRAÇÃO EUCARÍSTICA SOLENE CELEBRAÇÃO EUCARÍSTICA Antes da Solene celebração, entregar a lembrança do centenário No Final terá um momento de envio onde cada pessoa reassumirá a missão. O sinal deste momento será a colocação

Leia mais

DESCRIÇÃO DOS CURSOS E ENCONTROS DA PJM

DESCRIÇÃO DOS CURSOS E ENCONTROS DA PJM DESCRIÇÃO DOS CURSOS E ENCONTROS DA PJM 1 Páscoa Jovem 1.1. Descrição A Páscoa Jovem é um encontro vivencial realizado para proporcionar uma experiência reflexiva e celebrativa da Paixão, Morte e Ressurreição

Leia mais

Celebração do Dia Nacional do Catequista 30 de agosto de 2015

Celebração do Dia Nacional do Catequista 30 de agosto de 2015 Celebração do Dia Nacional do Catequista 30 de agosto de 2015 Introdução: Educar na fé, para a paz, a justiça e a caridade Este ano a Igreja no Brasil está envolvida em dois projetos interligados: a lembrança

Leia mais

Apresentação. 8-11 de Abril 2015: Seminário para Formadores/ as. 23-26 de Setembro 2015: Congresso para jovens consagrados/as

Apresentação. 8-11 de Abril 2015: Seminário para Formadores/ as. 23-26 de Setembro 2015: Congresso para jovens consagrados/as Nota pastoral da Conferência Episcopal sobre o Ano da Vida Consagrada Chamados a levar a todos o abraço de Deus ) Para além da abertura (30 de Novembro de 2014 e do encerramento (2 de Fevereiro de 2016,

Leia mais

A transmissão da fé na Família. Reunião de Pais. Família

A transmissão da fé na Família. Reunião de Pais. Família A transmissão da fé na Família Reunião de Pais Família Plano Pastoral Arquidiocesano Um triénio dedicado à Família Passar de uma pastoral sobre a Família para uma pastoral para a Família e com a Família

Leia mais

Oração na Vida Diária

Oração na Vida Diária Oração na Vida Diária ocê é convidado a iniciar uma experiência de oração. Às vezes pensamos que o dia-a-dia com seus ruídos, suas preocupações e sua correria não é lugar apropriado para levantar nosso

Leia mais

CARTA INTERNACIONAL. Indice:

CARTA INTERNACIONAL. Indice: CARTA INTERNACIONAL Indice: Introdução. I. Equipas de Jovens de Nossa Senhora II. A equipa III. As funções na equipa IV. A vida em equipa V. Abertura ao mundo, compromisso VI. O Movimento das E.J.N.S.

Leia mais

NOVENA DE NATAL 2015. O Natal e a nossa realidade. A jovem concebeu e dará à luz um filho, e o chamará pelo nome de Emanuel.

NOVENA DE NATAL 2015. O Natal e a nossa realidade. A jovem concebeu e dará à luz um filho, e o chamará pelo nome de Emanuel. NOVENA DE NATAL 2015 O Natal e a nossa realidade A jovem concebeu e dará à luz um filho, e o chamará pelo nome de Emanuel. (Is 7,14) APRESENTAÇÃO O Natal se aproxima. Enquanto renovamos a esperança de

Leia mais

Como utilizar este caderno

Como utilizar este caderno INTRODUÇÃO O objetivo deste livreto é de ajudar os grupos da Pastoral de Jovens do Meio Popular da cidade e do campo a definir a sua identidade. A consciência de classe, ou seja, a consciência de "quem

Leia mais

Diocese de Aveiro IGREJA DIOCESANA RENOVADA NA CARIDADE É ESPERANÇA NO MUNDO

Diocese de Aveiro IGREJA DIOCESANA RENOVADA NA CARIDADE É ESPERANÇA NO MUNDO Diocese de Aveiro IGREJA DIOCESANA RENOVADA NA CARIDADE É ESPERANÇA NO MUNDO Plano Diocesano de Pastoral para o quinquénio 2008-2013 A PALAVRA DO SR. BISPO PONTO DE PARTIDA 1. INICIAMOS UMA NOVA PERSPECTIVA

Leia mais

Tema 5: Vocação - um novo relacionamento Você também é Marista?

Tema 5: Vocação - um novo relacionamento Você também é Marista? Tema 5: Vocação - um novo relacionamento Você também é Marista? VOCÊ TAMBÉM É MARISTA? Um novo jeito de ser Marista: Na emergência de um novo tempo para o carisma Marista INTRODUÇÃO O relacionamento entre

Leia mais

CURSO PARA CAPACITAÇÃO DE LIDERANÇA E COORDENADORES DE GRUPOS JOVENS

CURSO PARA CAPACITAÇÃO DE LIDERANÇA E COORDENADORES DE GRUPOS JOVENS CURSO PARA CAPACITAÇÃO DE LIDERANÇA E COORDENADORES DE GRUPOS JOVENS Apresentação A JUVENTUDE MERECE ATENÇÃO ESPECIAL A Igreja Católica no Brasil diz que é preciso: Evangelizar, a partir de Jesus Cristo,

Leia mais

Igreja "em saída" missionária

Igreja em saída missionária Mês das Missões O mês de outubro é, para a Igreja, o período no qual são intensificadas as iniciativas de animação e cooperação em prol das Missões em todo o mundo. O objetivo é sensibilizar, despertar

Leia mais

Bispo Sr. Dr. Gebhard Fürst. O ESPÍRITO É VIVIFICADOR Desenvolver a Igreja em muitos lugares

Bispo Sr. Dr. Gebhard Fürst. O ESPÍRITO É VIVIFICADOR Desenvolver a Igreja em muitos lugares Bispo Sr. Dr. Gebhard Fürst O ESPÍRITO É VIVIFICADOR Desenvolver a Igreja em muitos lugares Carta Pastoral dirigida às igrejas da diocese de Rotemburgo-Estugarda na Quaresma Pascal de 2015 Bispo Sr. Dr.

Leia mais

PLANO DIOCESANO DE PASTORAL 2015 2018 IGREJA DE AVEIRO, VIVE A ALEGRIA DA MISERICÓRDIA

PLANO DIOCESANO DE PASTORAL 2015 2018 IGREJA DE AVEIRO, VIVE A ALEGRIA DA MISERICÓRDIA IGREJA DE AVEIRO, VIVE A ALEGRIA DA MISERICÓRDIA O nosso Plano alicerça-se no símbolo do lava-pés (Jo 13, 11-17) O LAVA-PÉS Nele se inspira a espiritualidade de serviço que dá sen do a toda a ação pastoral

Leia mais

Sal da TERRA e luz do MUNDO

Sal da TERRA e luz do MUNDO Sal da TERRA e luz do MUNDO Sal da terra e luz do mundo - jovens - 1 Apresentação pessoal e CMV Centro Missionário Providência Canto: vós sois o sal da terra e luz do mundo... MOTIVAÇÃO: Há pouco tempo

Leia mais

Vivendo a Liturgia - ano A / outubro 2011

Vivendo a Liturgia - ano A / outubro 2011 Vivendo a Liturgia - ano A / outubro 2011 27ºDOMINGO DO TEMPO COMUM (02/10/11) Parábola dos Vinhateiros Poderia ser feito um mural específico para esta celebração com uma das frases: Construir a Igreja

Leia mais

Projeto Universitários Lassalistas em Missão

Projeto Universitários Lassalistas em Missão Projeto Universitários Lassalistas em Missão Apresentação O projeto Universitários Lassalistas em Missão surge como proposta aos Centro Universitários e Faculdades Lassalistas para oferecer aos acadêmicos

Leia mais

SETEMBRO Visita do governador do Estado - Ceará

SETEMBRO Visita do governador do Estado - Ceará SETEMBRO Visita do governador do Estado - Ceará No dia 04, ocorreu na Casa Cardeal Guarino, em Madalena um evento do governo do Estado do Ceará, o qual consistiu na entrega de uma cisterna de nº 500 mil,

Leia mais

Linhas Orientadoras do. Voluntariado Missionário da Consolata

Linhas Orientadoras do. Voluntariado Missionário da Consolata Linhas Orientadoras do Voluntariado Missionário da Consolata Linhas Orientadoras do Voluntariado Missionário da Consolata Dentro da palavra voluntariado esconde-se uma realidade rica e variada. Poderíamos

Leia mais

NOVENA DOS PAIS QUE ORAM PELOS FILHOS

NOVENA DOS PAIS QUE ORAM PELOS FILHOS Pe. Nilton César Boni, cmf NOVENA DOS PAIS QUE ORAM PELOS FILHOS EDITORA AVE-MARIA Apresentação Aos membros da família cristã podem aplicar-se de modo particular as palavras com que Cristo promete a sua

Leia mais

Sumário. Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9. Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15. Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33

Sumário. Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9. Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15. Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33 1 a Edição Editora Sumário Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9 Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15 Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33 Santos, Hugo Moreira, 1976-7 Motivos para fazer

Leia mais

LINHAS DE AÇÃO E PRIORIDADES DO LXVIII CAPÍTULO GERAL

LINHAS DE AÇÃO E PRIORIDADES DO LXVIII CAPÍTULO GERAL LINHAS DE AÇÃO E PRIORIDADES DO LXVIII CAPÍTULO GERAL I. Introdução O LXVIII Capítulo Geral da Ordem realizado em Fátima (Portugal) sob o lema: "A família de S. João de Deus ao serviço da Hospitalidade",

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO (REVISTO) 2014-2016 VALORIZAÇÃO DA DIGNIDADE HUMANA, ATRAVÉS DE UMA ECONOMIA SUSTENTÁVEL

PLANO ESTRATÉGICO (REVISTO) 2014-2016 VALORIZAÇÃO DA DIGNIDADE HUMANA, ATRAVÉS DE UMA ECONOMIA SUSTENTÁVEL PLANO ESTRATÉGICO (REVISTO) 2014-2016 VALORIZAÇÃO DA DIGNIDADE HUMANA, ATRAVÉS DE UMA ECONOMIA SUSTENTÁVEL 1 PLANO ESTRATÉGICO 2014-2016 REUNIÃO DA COMISSÃO EXECUTIVA ABIDJAN 2014 2 PLANO ESTRATÉGICO 2014-2016

Leia mais

Apresentação. (Solicitação do saudoso Santo Padre o Beato João Paulo II)

Apresentação. (Solicitação do saudoso Santo Padre o Beato João Paulo II) Apresentação A Renovação Carismática Católica do Estado do Piauí, movimento eclesial da Igreja Católica, tem por objetivo proporcionar às pessoas uma experiência concreta com Jesus Cristo, através do Batismo

Leia mais

José Antonio Pagola GRUPOS DE JESUS

José Antonio Pagola GRUPOS DE JESUS GRUPOS DE JESUS José Antonio Pagola GRUPOS DE JESUS 2014, José Antonio Pagola 2014, PPC, Editorial y Distribuidora, S.A. Título original: Grupos de Jesús Tradução: Mário José dos Santos, ssp Pré -impressão

Leia mais

SANTA TERESA DE JESUS, UMA APROXIMAÇÃO PEDAGÓGICO-PASTORAL Por ocasião do V Centenário do Nascimento de Santa Teresa de Jesus, o Colégio Teresiano

SANTA TERESA DE JESUS, UMA APROXIMAÇÃO PEDAGÓGICO-PASTORAL Por ocasião do V Centenário do Nascimento de Santa Teresa de Jesus, o Colégio Teresiano 1 SANTA TERESA DE JESUS, UMA APROXIMAÇÃO PEDAGÓGICO-PASTORAL Por ocasião do V Centenário do Nascimento de Santa Teresa de Jesus, o Colégio Teresiano assumiu o compromisso de fazer memória da vida singular

Leia mais

Documento do MEJ Internacional. O coração do Movimento Eucarístico Juvenil

Documento do MEJ Internacional. O coração do Movimento Eucarístico Juvenil Documento do MEJ Internacional Para que a minha alegria esteja em vós Por ocasião dos 100 anos do MEJ O coração do Movimento Eucarístico Juvenil A O coração do MEJ é a amizade com Jesus (Evangelho) B O

Leia mais

Eis aqui uma escola única!

Eis aqui uma escola única! Informativo1 Novembro 2015 Eis aqui uma escola única! Entrevista p.2 Formação p.2 Convivência p.3 Missões p.4 Vida espiritual p.5 Caros leitores, É um prazer poder escrever o primeiro Informativo da Escola

Leia mais

FESTA DO Pai-Nosso. 1º ano. Igreja de S. José de S. Lázaro. 7 de Maio de 2005

FESTA DO Pai-Nosso. 1º ano. Igreja de S. José de S. Lázaro. 7 de Maio de 2005 FESTA DO Pai-Nosso Igreja de S. José de S. Lázaro 1º ano 1 7 de Maio de 2005 I PARTE O acolhimento será feito na Igreja. Cada criança ficará com os seus pais nos bancos destinados ao seu catequista. Durante

Leia mais

DIRECTÓRIO GERAL DA CATEQUESE - SDCIA/ISCRA -2 Oração inicial Cântico - O Espírito do Senhor está sobre mim; Ele me enviou para anunciar aos pobres o Evangelho do Reino! Textos - Mc.16,15; Mt.28,19-20;

Leia mais

COLÉGIO INTERNATO DOS CARVALHOS Equipa de Animação Pastoral

COLÉGIO INTERNATO DOS CARVALHOS Equipa de Animação Pastoral COLÉGIO INTERNATO DOS CARVALHOS Equipa de Animação Pastoral Advento 2014 (Campanha de Preparação para o Natal) A ALEGRIA E A BELEZA DE VIVER EM FAMÍLIA. O tempo do Advento, que devido ao calendário escolar

Leia mais

CELEBRAÇÃO DA FESTA DA PALAVRA

CELEBRAÇÃO DA FESTA DA PALAVRA PARÓQUIA DE SANTA MARIA DE BORBA CELEBRAÇÃO DA FESTA DA PALAVRA Feliz o homem que ama a Palavra do Senhor e Nela medita dia e noite (Sl 1, 1-2) 4º ANO da CATEQUESE 17 de Janeiro de 09 ENTRADA PROCESSIONAL

Leia mais

Apresentamos as partilhas que enriqueceram o nosso Seminário Nacional de Iniciação Cristã.

Apresentamos as partilhas que enriqueceram o nosso Seminário Nacional de Iniciação Cristã. Apresentamos as partilhas que enriqueceram o nosso Seminário Nacional de Iniciação Cristã. Na sexta-feira, pela manhã, foi a vez do Nordeste 3 - Aracaju - com sua experiência de iniciação à vida cristã

Leia mais

Lembrança da Primeira Comunhão

Lembrança da Primeira Comunhão Lembrança da Primeira Comunhão Jesus, dai-nos sempre deste pão Meu nome:... Catequista:... Recebi a Primeira Comunhão em:... de... de... Local:... Pelas mãos do padre... 1 Lembrança da Primeira Comunhão

Leia mais

Celebrar e viver o Concílio Vaticano II

Celebrar e viver o Concílio Vaticano II Celebrar e viver o Concílio Vaticano II Nota Pastoral da Conferência Episcopal Portuguesa Celebrar os 50 anos da abertura do Concílio no Ano da Fé 1. Na Carta apostólica A Porta da Fé, assim se exprime

Leia mais

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Guia do Educador CARO EDUCADOR ORIENTADOR Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 2. PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Objetivo GERAL 5 METODOLOGIA 5 A QUEM SE DESTINA? 6 O QUE

Leia mais

Concepção e Fundamentos Gilberto Antonio da Silva

Concepção e Fundamentos Gilberto Antonio da Silva Pastoral Juvenil Salesiana Concepção e Fundamentos Gilberto Antonio da Silva Fundamentos Dom Bosco Madre Mazzarello Movidos pelo ES tiveram clara consciência de ser chamados por Deus a uma missão singular

Leia mais

Paróquia Jesus, Maria e José Grupo de Oração Fonte de Misericórdia RCC/ Beberibe

Paróquia Jesus, Maria e José Grupo de Oração Fonte de Misericórdia RCC/ Beberibe Paróquia Jesus, Maria e José Grupo de Oração Fonte de Misericórdia RCC/ Beberibe Jovens sois forte a palavra de Deus permanece em vós. 1 Jo 2,14 O EVENTO: EMANUEL EMANUEL é o cumprimento da palavra que

Leia mais

JANEIRO Escola para formadores

JANEIRO Escola para formadores JANEIRO Escola para formadores De 02 a 28, as Irmãs da casa de formação, tiveram a oportunidade de participar da escola para formadores. A mesma é promovida pela Associação Transcender, com sede em São

Leia mais

DOUTRINAS BÁSICAS DA VIDA CRISTÃ

DOUTRINAS BÁSICAS DA VIDA CRISTÃ EBD DOUTRINAS BÁSICAS DA VIDA CRISTÃ DOUTRINAS BÁSICAS DA VIDA CRISTÃ OLÁ!!! Sou seu Professor e amigo Você está começando,hoje, uma ETAPA muito importante para o seu CRESCIMENTO ESPIRITUAL e para sua

Leia mais

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DR. VIEIRA DE CARVALHO Planificação Educação Moral e Religiosa Católica. Ano Letivo 2015/2016 3º Ciclo 7º Ano

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DR. VIEIRA DE CARVALHO Planificação Educação Moral e Religiosa Católica. Ano Letivo 2015/2016 3º Ciclo 7º Ano Unidade Letiva: 1 - As Origens Período: 1º 1. Questionar a origem, o destino e o sentido do universo e do ser humano. As origens na perspetiva científica L. Estabelecer um diálogo entre a cultura e a fé.

Leia mais

Vivendo a Liturgia Ano A

Vivendo a Liturgia Ano A Vivendo a Liturgia Junho/2011 Vivendo a Liturgia Ano A SOLENIDADE DA ASCENSÃO DO SENHOR (05/06/11) A cor litúrgica continua sendo a branca. Pode-se preparar um mural com uma das frases: Ide a anunciai

Leia mais

BOM DIA DIÁRIO. Guia: Em nome do Pai

BOM DIA DIÁRIO. Guia: Em nome do Pai BOM DIA DIÁRIO Segunda-feira (04.05.2015) Maria, mãe de Jesus e nossa mãe Guia: 2.º Ciclo: Padre Luís Almeida 3.º Ciclo: Padre Aníbal Afonso Mi+ Si+ Uma entre todas foi a escolhida, Do#- Sol#+ Foste tu,

Leia mais

PROJETO solidário nacional em costa canal

PROJETO solidário nacional em costa canal PROJETO solidário nacional em costa canal Nelda Venturín, odn Rede de Coordenação Pastoral Colégios Companhia de Maria Argentina A experiência se desenvolve nos seis Colégios da Companhia de María na Argentina

Leia mais

Tema 3: Espiritualidade O Espírito faz bater nossos corações em uníssono

Tema 3: Espiritualidade O Espírito faz bater nossos corações em uníssono Tema 3: Espiritualidade O Espírito faz bater nossos corações em uníssono O ESPÍRITO FAZ BATER NOSSOS CORAÇÕES EM UNÍSSONO (Ir. Henri Vergès) Espiritualidade enraizada no Deus de Jesus, encarnada nas realidades

Leia mais

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A escola católica será uma instituiçao com mística evangelizadora UMA ESCOLA A SERVIÇO DA PESSOA E ABERTA A TODOS UMA ESCOLA COM

Leia mais

f r a n c i s c o d e Viver com atenção c a m i n h o Herança espiritual da Congregação das Irmãs Franciscanas de Oirschot

f r a n c i s c o d e Viver com atenção c a m i n h o Herança espiritual da Congregação das Irmãs Franciscanas de Oirschot Viver com atenção O c a m i n h o d e f r a n c i s c o Herança espiritual da Congregação das Irmãs Franciscanas de Oirschot 2 Viver com atenção Conteúdo 1 O caminho de Francisco 9 2 O estabelecimento

Leia mais

Entrada da Palavra: Comentário da Palavra: Permaneçamos em pé para acolher o Livro Santo de Nossa Fé, a Palavra de Deus, cantando.

Entrada da Palavra: Comentário da Palavra: Permaneçamos em pé para acolher o Livro Santo de Nossa Fé, a Palavra de Deus, cantando. Celebração de Encerramento PREPARAR 1. Bíblia e velas para a Procissão de Entrada da Palavra 2. Sementes de girassóis para cada catequista depositar num prato com terra diante do altar durante a homilia

Leia mais

Celebração Comunitária do SACRAMENTO DO BAPTISMO

Celebração Comunitária do SACRAMENTO DO BAPTISMO Celebração Comunitária do SACRAMENTO DO BAPTISMO O Baptismo, porta da vida e do reino, é o primeiro sacramento da nova lei, que Cristo propôs a todos para terem a vida eterna, e, em seguida, confiou à

Leia mais

Oração ao finalizar o Ano 2015

Oração ao finalizar o Ano 2015 Oração ao finalizar o Ano 2015 QUE SEU AMOR SE EXTENDA POR TODA A TERRA Reunimos em oração no último dia do Ano para dar graças a Deus por tantos dons recebidos pessoalmente, na família, na comunidade,

Leia mais

Educar hoje e amanhã uma paixão que se renova. Prof. Humberto S. Herrera Contreras

Educar hoje e amanhã uma paixão que se renova. Prof. Humberto S. Herrera Contreras Educar hoje e amanhã uma paixão que se renova Prof. Humberto S. Herrera Contreras O que este documento nos diz? Algumas percepções iniciais... - O título já é uma mensagem espiritual! tem movimento, aponta

Leia mais

NOVENA À SAGRADA FAMÍLIA

NOVENA À SAGRADA FAMÍLIA NOVENA À SAGRADA FAMÍLIA Introdução: A devoção à Sagrada Família alcançou grande popularidade no século XVII, propagando-se rapidamente não só na Europa, mas também nos países da América. A festa, instituída

Leia mais

o pensar e fazer educação em saúde 12

o pensar e fazer educação em saúde 12 SUMÁRIO l' Carta às educadoras e aos educadores.................5 Que história é essa de saúde na escola................ 6 Uma outra realidade é possível....... 7 Uma escola comprometida com a realidade...

Leia mais

A Santa Sé ENCONTRO COM OS JOVENS DE ROMA E DO LÁCIO EM PREPARAÇÃO À JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE DIÁLOGO DO PAPA BENTO XVI COM OS JOVENS

A Santa Sé ENCONTRO COM OS JOVENS DE ROMA E DO LÁCIO EM PREPARAÇÃO À JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE DIÁLOGO DO PAPA BENTO XVI COM OS JOVENS A Santa Sé ENCONTRO COM OS JOVENS DE ROMA E DO LÁCIO EM PREPARAÇÃO À JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE DIÁLOGO DO PAPA BENTO XVI COM OS JOVENS Quinta-feira, 25 de Março de 2010 (Vídeo) P. Santo Padre, o jovem

Leia mais

Catecumenato Uma Experiência de Fé

Catecumenato Uma Experiência de Fé Catecumenato Uma Experiência de Fé APRESENTAÇÃO PARA A 45ª ASSEMBLÉIA DA CNBB (Regional Nordeste 2) www.catecumenato.com O que é Catecumenato? Catecumenato foi um método catequético da igreja dos primeiros

Leia mais

O ANÚNCIO DO EVANGELHO GUIÃO DE LEITURA #3 DO SÍNODO DIOCESANO 2016. Abril a Junho de 2015 - Síntese da reflexão efetuada

O ANÚNCIO DO EVANGELHO GUIÃO DE LEITURA #3 DO SÍNODO DIOCESANO 2016. Abril a Junho de 2015 - Síntese da reflexão efetuada O ANÚNCIO DO EVANGELHO GUIÃO DE LEITURA #3 DO SÍNODO DIOCESANO 2016 Abril a Junho de 2015 - Síntese da reflexão efetuada 1 INTRODUÇÃO Continuando a responder ao convite / desafio efetuado pelo Papa Francisco

Leia mais

Plano Pedagógico do Catecismo 6

Plano Pedagógico do Catecismo 6 Plano Pedagógico do Catecismo 6 Cat Objetivos Experiência Humana Palavra Expressão de Fé Compromisso PLANIFICAÇÃO de ATIVIDADES BLOCO I JESUS, O FILHO DE DEUS QUE VEIO AO NOSSO ENCONTRO 1 Ligar a temática

Leia mais

PASTORAL É O HOJE DA IGREJA

PASTORAL É O HOJE DA IGREJA PASTORAL É O HOJE DA IGREJA As mudanças sociais são desafios à Evangelização. A atualização da mensagem cristã nas diversas realidades e em diferentes tempos fez surgir a Pastoral. Hoje em nossas paróquias

Leia mais

DILMA MARIA DE ANDRADE. Título: A Família, seus valores e Counseling

DILMA MARIA DE ANDRADE. Título: A Família, seus valores e Counseling DILMA MARIA DE ANDRADE Título: A Família, seus valores e Counseling Projeto de pesquisa apresentado como Requisito Para obtenção de nota parcial no módulo de Metodologia científica do Curso Cousenling.

Leia mais

O ENCONTRO DE CATEQUESE E SUA DINÂMICA

O ENCONTRO DE CATEQUESE E SUA DINÂMICA O ENCONTRO DE CATEQUESE E SUA DINÂMICA Nestes últimos anos tem-se falado em Catequese Renovada e muitos pontos positivos contribuíram para que ela assim fosse chamada. Percebemos que algumas propostas

Leia mais

Terceira Semana Latino-americana de Catequese Secção de Catequese do CELAM Bogotá 01 a 06 de Maio de 2006

Terceira Semana Latino-americana de Catequese Secção de Catequese do CELAM Bogotá 01 a 06 de Maio de 2006 Terceira Semana Latino-americana de Catequese Secção de Catequese do CELAM Bogotá 01 a 06 de Maio de 2006 Aporte del Pe. Luiz Alves de Lima São Paulo, Brasil I. Antecedentes Na recente história do movimento

Leia mais

DIA DE ORAÇÃO PELA JMJ RIO2013

DIA DE ORAÇÃO PELA JMJ RIO2013 ROTEIRO PARA O DIA DE ORAÇÃO PELA JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE RIO2013 Comissão Episcopal Pastoral para a Juventude - CNBB CANTO DE ENTRADA (Canto a escolha) (Este momento de oração pode ser associado

Leia mais

TESTEMUNHOS HOSPITALEIROS

TESTEMUNHOS HOSPITALEIROS TESTEMUNHOS HOSPITALEIROS Feliz por gastar a vida servindo Emília da Conceição Nogueira Irmã Hospitaleira do Sagrado Coração de Jesus 1. Dados biográficos e vocação 2. Jesus continua a fascinar-me 3. Cem

Leia mais

Diz respeito ao que vamos realizar em Cristo, pelo poder do Espírito Santo para cumprir a nossa missão:

Diz respeito ao que vamos realizar em Cristo, pelo poder do Espírito Santo para cumprir a nossa missão: II) NOSSA VISÃO Diz respeito ao que vamos realizar em Cristo, pelo poder do Espírito Santo para cumprir a nossa missão: A) Adorar a Deus em espírito e verdade Queremos viver o propósito para o qual Deus

Leia mais

EQUIPAS DE JOVENS DE NOSSA SENHORA O PAPEL DO CASAL ASSISTENTE

EQUIPAS DE JOVENS DE NOSSA SENHORA O PAPEL DO CASAL ASSISTENTE EQUIPAS DE JOVENS DE NOSSA SENHORA O PAPEL DO CASAL ASSISTENTE A experiência de um casal cristão que acompanha a equipa traz aos seus membros uma riqueza complementar à que caracteriza a presença do padre.

Leia mais

Carta Pastoral 2013-2014

Carta Pastoral 2013-2014 Carta Pastoral 2013-2014 O Sínodo Diocesano. Em Comunhão para a Missão: participar e testemunhar Estamos no momento decisivo do Sínodo da nossa diocese de Viseu. Pela sua importância, para o presente e

Leia mais

1. Com o Dízimo, aprendemos a AGRADECER a Deus e ao próximo.

1. Com o Dízimo, aprendemos a AGRADECER a Deus e ao próximo. 1. Com o Dízimo, aprendemos a AGRADECER a Deus e ao próximo. Ao contribuir com o dízimo, saímos de nós mesmos e reconhecemos que pertencemos tanto à comunidade divina quanto à humana. Um deles, vendo-se

Leia mais

Pastoral Vocacional/ Serviço de Animação Vocacional

Pastoral Vocacional/ Serviço de Animação Vocacional CONFERÊNCIA NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL Comissão Episcopal Pastoral para os Ministérios Ordenados e a Vida Consagrada Pastoral Vocacional (PV) / Serviço de Animação Vocacional (SAV) CMOVC/ SAV (02) Pastoral

Leia mais

C olóquio Internacional Marista sobre Formação Inicial

C olóquio Internacional Marista sobre Formação Inicial 1 C olóquio Internacional Marista sobre Formação Inicial Convicções - Orientações - Recomendações L Hermitage de 4 a14 outubro de 2015 Espero que o que eu faço jorre como um rio, sem forçar e sem reter,

Leia mais

ITAICI Revista de Espiritualidade Inaciana

ITAICI Revista de Espiritualidade Inaciana ITAICI Revista de Espiritualidade Inaciana 93 ISSN - 1517-7807 9!BLF@FB:VWOOUWoYdZh outubro 2013 Que a saúde se difunda sobre a terra Escatologia e Exercícios Espirituais Pedro Arrupe, homem de Deus 1

Leia mais

São Paulo ganha dos companheiros. São atribuías a S.Paulo 14 cartas. Umas são dele mesmo: Romanos, 1 e 2 aos Corintios, a Filemom, aos Gálatas, aos

São Paulo ganha dos companheiros. São atribuías a S.Paulo 14 cartas. Umas são dele mesmo: Romanos, 1 e 2 aos Corintios, a Filemom, aos Gálatas, aos No Antigo Testamento são citadas algumas cartas, como no 2ºMacabeus, capi.1º. Mas é no Novo Testamento que muitas cartas foram conservadas como parte integrante da revelação de Deus. No Novo Testamento

Leia mais