Inovação e Responsabilidade Social. Moçambique A NOSSA OFERTA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Inovação e Responsabilidade Social. Moçambique A NOSSA OFERTA"

Transcrição

1 Inovação e Responsabilidade Social Moçambique A NOSSA OFERTA 1

2 O que fazemos CONSULTORIA EM GESTÃO DE RS PROJECTOS SENSIBILIZAÇÃO E FORMAÇÃO IDENTIFICAÇÃO E ENVOLVIMENTO DAS PARTES INTERESSADAS EDUCAÇÃO INOVAÇÃO SOCIAL DEFINIÇÃO DE POLÍTICAS ESTRUTURANTES (Responsabilidade Social e Sustentabilidade, Inovação Social, Responsabilidade Social Interna, Envolvimento com a Comunidade) ELABORAÇÃO DE RELATÓRIOS DE SUSTENTABILIDADE RESPONSABILIDADE SOCIAL INTERNA E EXTERNA COMUNICAÇÃO 2

3 Consultoria em Gestão de Responsabilidade Social Sensibilização e formação 3

4 Sensibilização e formação 4

5 Consultoria em Gestão de Responsabilidade Social Identificação e envolvimento das partes interessadas 5

6 Identificação e envolvimento dos stakeholders Saber o que são e quem são os stakeholders Adquirir ferramentas para identificar e envolver os stakeholders Conhecer uma metodologia para o processo de envolvimento dos stakeholders Elaborar estratégia e plano de envolvimento Melhor gestão de risco/reputação Maior eficiência dos projetos Parcerias Confiança 6

7 Identificação e envolvimento dos stakeholders GRUPO CAIXA SEGUROS Desafio: definir a estratégia de sustentabilidade e plano de acção da Caixa Seguros, envolvendo os colaboradores e dinamizando um projecto de comunicação interna; iniciar o ciclo de envolvimento com stakeholders externos. Objectivos: posicionar a Caixa Seguros como referência no mercado também em matéria de sustentabilidade, reforçando a sua liderança. Escuta interna e externa de partes interessadas, para identificação de expectativas e oportunidades, de 2 em 2 anos Envolvimento de stakeholders internos e externos para participação em iniciativas Definição das linhas prioritárias de actuação pela equipa de projecto (70 colaboradores) Constituição de grupos de trabalho internos Acompanhamento RESULTADOS Programa de voluntariado empresarial e protocolo com EntrAjuda Dinamização de grupos de trabalho sobre desafios do sector (microsseguro, alterações climáticas, estilos de vida saudáveis) EXEMPLOS 7

8 Identificação e envolvimento dos stakeholders GALP ENERGIA Desafio: criar um programa em torno do tema da prevenção rodoviária, envolvendo as partes interessadas da Galp Energia. Objectivos: posicionar a Galp Energia como um actor envolvido no tema da prevenção rodoviária, líder de um programa que envolve as suas partes interessadas clientes e que tem uma componente institucional de envolvimento também das entidades competentes para esta matéria. RESULTADOS Mais de 70 partes interessadas da Galp envolvidas, entre as quais 40 clientes Parcerias de negócio em curso EXEMPLOS 8

9 Consultoria em Gestão de Responsabilidade Social Elaboração de Relatórios de Sustentabilidade 9

10 Elaboração de relatório de sustentabilidade Prestação de contas Diagnóstico de sustentabilidade económico, social e ambiental Definição de áreas e planos de actuação Elaboração do relatório de sustentabilidade Fidelidade Seguros Autoeuropa Banif Eurest BES Angola 10

11 Elaboração de relatório de sustentabilidade GRUPO ÁGUAS DE PORTUGAL Desafio: elaborar a estratégia de sustentabilidade para um dos maiores grupos portugueses, cuja especificidade é a sustentabilidade como core business. Objectivos: consolidar práticas e desafios de todas as participadas; elaborar o Relatório de Sustentabilidade; harmonizar as práticas de reporting dentro do Grupo. Benchmark Internacional Enquadramento sectorial Mapeamento/escuta de stakeholders Diagnóstico das práticas internas Estratégia de sustentabilidade Definição de compromissos Elaboração de RS Guidelines de reporting para o Grupo DESTAQUES Acções de formação Parceria com Utopies 11

12 Elaboração de relatório de sustentabilidade LUÍS SIMÕES Desafio: identificar os principais desafios do sector dos transportes e logística, integrando as características do Grupo Luís Simões; fazer da sustentabilidade um factor de coesão interna; reforçar os canais de comunicação com os stakeholders. Objectivos: elaboração da estratégia de sustentabilidade e dos Relatórios de Sustentabilidade. Realização de focus group com os colaboradores da LS em Portugal e Espanha Diagnóstico de sustentabilidade e alinhamento com a posição do grupo a nível ibérico Definição da estratégia de sustentabilidade Estabelecimento de objectivos para cada uma das linhas estratégicas Definição de metas a curto, médio e longo prazo/ monitorização DESTAQUES O empenho do grupo ao decidir envolver vários departamentos no desenvolvimento dos conteúdos do relatório 12

13 Consultoria em Gestão de Responsabilidade Social Definição de políticas estruturantes 13

14 Definição de políticas estruturantes Responsabilidade Social e Sustentabilidade Responsabilidade Social Interna Envolvimento com a Comunidade Inovação Social Grupo Águas de Portugal Grupo Luís Simões CGD Grupo Caixa Seguros EXEMPLOS 14

15 Projectos Responsabilidade social interna e externa 15

16 Responsabilidade social interna Diagnóstico social Programas de voluntariado Criação da área de responsabilidade social interna Planos de acção Prevenção Portugália Restauração Cristalina Galp Energia Fidelidade Seguros 16

17 Responsabilidade social interna JERÓNIMO MARTINS Desafio: caracterizar as necessidades dos colaboradores para o Grupo definir um plano de acção de solidariedade interna. Objectivos: mostrar desempenho do Grupo na retenção dos colaboradores/fidelização; melhorar a qualidade de vida. Constituição do grupo de trabalho Benchmark internacional/nacional Recolha de case studies do sector Workshop com líderes internos/identificação do posicionamento e compromissos Focus Groups Elaboração do questionário Sessões piloto para testar Formação de embaixadores Aplicação questionário Relatório e feedback RESULTADOS Uma nova área criada no Grupo, a responsabilidade social interna Diagnóstico socia profundo Novos benefícios para os colaboradores, fundo de emergência social, apoio para os filhos, descontos, programas de saúde. etc. 17

18 Responsabilidade social externa Envolvimento com a comunidade Estratégia de filantropia Política de envolvimento com a comunidade Avaliação de impacto CGD Santa Casa Misericórdia de Lisboa Água de Luso 18

19 Projectos Inovação Social 19

20 Inovação Social ACTION TANK Aliança informal de entidades do sector empresarial que visa desenvolver projectos experimentais (de negócio inclusivo e social business) numa base de colaboração e cocriação para a criação de projectos em Portugal. CONVICÇÃO O Action Tank Portugal (ATP) nasce da convicção de que as soluções tradicionais para lutar contra a pobreza e a exclusão social não são suficientes. UMA VISÃO DE INVESTIMENTO E IMPACTE É possível desenvolver actividades económicas que tenham um objectivo social e criar novas formas de parcerias, cujas metas sejam não apenas o retorno do investimento mas também o impacte social. EXEMPLOS 20

21 Inovação social DANONE E SUMOL COMPAL Objectivos: explorar canais de distribuição pouco dinamizados; empregar mulheres desempregadas de longa duração, com mais de 40 anos, com interesse em criar o seu próprio negócio, mas sem uma ideia para um negócio. PÉ DE FEIJÃO Como: modelo de distribuição inovador - aproveitar a ideia das vendedoras ambulantes que circulam pelos escritórios das empresas a vender o pequeno-almoço e lanche saudáveis. O quê: conveniência, inclusão social, rapidez, projecto chave-na-mão. 21

22 Inovação social MULTICARE E NUTRICIA Objectivos: propor uma oferta inovadora, que alia a nutrição à actividade física; reforçar o elo social entre os idosos e também entre estes e a sociedade; criar um modelo sustentável um negócio social dedicado a melhorar a autonomia dos idosos em Portugal; sensibilizar a sociedade. Como: replicando o projecto Bien Vieillir, desenvolvido pela Siel Bleu em França, Irlanda com a Nutricia. Propondo uma oferta inovadora, que junta a sensibilização para nutrição à actividade física; criando um modelo de negócio sustentável. O quê: melhoria dos laços sociais através de actividades em grupo, promovendo a independência e autonomia; melhoria da autoconfiança, memória e a capacidade de reagir e interagir. 22

23 Inovação social RESPONS&ABILITY (EU) Objectivo: desenvolver ferramentas para apoiar a integração de pessoas com deficiência no meio empresarial. RESPONS&ABILITY E PROGRESS PROGRESS (EU) Objetivo: acompanhar ONG para transformar o seu modelo e desenvolver atividade económica que cria empregos para as pessoas com deficiência. 23

24 Projectos Comunicação 24

25 Comunicação Desempenho e boas práticas Comunicação interna Seminários, encontros de quadros, encontros com partes interessadas Campanhas grande público Conteúdos para media Lusitana Auchan FIPA Tetra Pak SCC EXEMPLOS 25

26 Comunicação Desempenho e boas práticas Online Sites internos e externos Caixa Seguros Vodafone Portugal Hoteis Tivoli EXEMPLOS 26

27 Comunicação PORTUGÁLIA RESTAURAÇÃO Desafio: criar o posicionamento da marca Portugália em matéria de sustentabilidade. Objectivos: capitalizar as boas práticas do grupo para a comunicação, quer interna, quer externa, iniciar uma comunicação da marca em termos de sustentabilidade, reforçar a relação com colaboradores, parceiros e clientes. Diagnóstico Criação de equipa de embaixadores, formação, envolvimento e comunicação Implementação do plano EXEMPLOS 27

28 Comunicação Sensibilizar e educar Comunicação interna Campanhas grande público Conteúdos para media EDP Grupo Portucel Soporcel Philip Morris EXEMPLOS 28

29 Comunicação COMPAL Desafio: sensibilizar e formar os colaboradores das fábricas sobre as novas medidas de Higiene e Segurança no Trabalho. Objectivos: criar uma cultura de segurança na empresa. Equipa de trabalho, com direcção e colaboradores da linha de produção Diagnóstico para aferir os conhecimentos sobre os temas e as suas expectativas Elaboração de um workshop e de material pedagógico Plano de formação e de comunicação interna DESTAQUES Campanha Missão: Risco 0 (formação + comunicação interna em todas as áreas da fábrica) EXEMPLOS 29

30 Comunicação MCDONALD S Projecto de oferta e fruta que pretende posicionar a McDonald s como prescritora de uma oferta equilibrada para as crianças através da oferta de fruta no menu Happy Meal. Relações com as entidades relacionadas com a saúde, sensibilização das famílias sobre a importância da fruta na alimentação EXEMPLOS 30

31 Projectos Educação 31

32 Educação É nas escolas que as gerações mais novas passam grande parte do seu dia. É também nas escolas que é criada a base dos conhecimentos, com a qual crianças e jovens farão as suas escolhas no futuro. Para muitas empresas, contribuir para a educação dos mais novos é parte integrante da responsabilidade social. Todos os projectos são desenvolvidos em parceria com partes interessadas, tais como UNESCO, UNEP, Ministério da Educação, associações etc. Contribuir para a educação Formar e preparar os adultos do futuro 32

33 Educação BRISA Primeiro a Segurança Sensibilização e mobilização no âmbito da segurança rodoviária. Projecto educativo de envolvimento com a comunidade dirigido às crianças do 1.º Ciclo desde EXEMPLOS 33

34 Educação GALP ENERGIA Missão UP Projecto de sensibilização e alteração de comportamentos no âmbito da eficiência energética, com enfoque nos temas fontes de energia, mobilidade sustentável e pegada energética, dirigido a todas as escolas nacionais com 1.º e 2.º Ciclos, mas também aos seus Professores, Encarregados de Educação e Pais. O site é a base de informação e materiais pedagógicos. Na edição de 2010/2011 contou com escolas aderentes, contactando com mais de alunos. EXEMPLOS 34

35 Educação GRUPO PORTUCEL SOPORCEL Dá a Mão à Natureza Iniciativas no âmbito do Dia Mundial da Floresta. Sensibilização da comunidade escolar para a importância do papel e da floresta, incluindo actividades de plantação de árvores e ateliers lúdicos. Sensibilização das populações em geral para a biodiversidade das florestas geridas pelo Grupo, através da oferta de diferentes espécies e de informação sobre as mesmas. EXEMPLOS 35

36 Educação MIMOSA Missão Crescer Saudável Programa educativo sobre a importância do leite no âmbito de uma alimentação completa, equilibrada e saudável. Programa lançado às escolas desde 1997, sempre com inovação em termos dos temas, dinâmicas, envolvimento e materiais pedagógicos. Adesão ao programa 2010/2011: 746 escolas (1.º ciclo e Pré-escolar); cerca de alunos têm actualmente contacto com o programa. EXEMPLOS 36

37 Educação NESTLÉ Apetece-me Projecto de educação para a saúde lançado em 1998 e desenvolvido em parceria com a Organização Mundial da Saúde e o Ministério da Educação e Ciência. Envolve todos os agrupamentos de escolas do país (1.º, 2.º e 3.º ciclos), bem como os Centros de Saúde. Em 2010/2011 aderiram ao projecto escolas (2.027 do 1.º ciclo e 659 dos 2.º e 3.º ciclos) e alunos tiveram contacto com o programa. EXEMPLOS 37

38 partes 38

ACTION TANK em França Co-Fundadores do Action Tank França

ACTION TANK em França Co-Fundadores do Action Tank França ACTION TANK em França Co-Fundadores do Action Tank França Prof. Muhammad Yunus Emmanuel Faber (COO Danone) Martin Hirsch (Presidente Agence du Service Civique) ACTION TANK: como surge em Portugal? Na sequência

Leia mais

Case study. Gente com Ideias UMA EQUIPA COM RESPONSABILIDADE SOCIAL

Case study. Gente com Ideias UMA EQUIPA COM RESPONSABILIDADE SOCIAL Case study 2009 Gente com Ideias UMA EQUIPA COM RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESA A Caixa Seguros e Saúde é a holding do Grupo Caixa Geral de Depósitos e Gente com Ideias é o programa de Responsabilidade

Leia mais

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas GUIA DO VOLUNTÁRIO Sociedade Central de Cervejas ÍNDICE 1. A RESPONSABILIDADE SOCIAL NA SCC: O NOSSO COMPROMISSO... 3 2. O NOSSO COMPROMISSO COM O VOLUNTARIADO... 4 2.1 A ESTRUTURAÇÃO DO VOLUNTARIADO EMPRESARIAL...

Leia mais

Inovação e Responsabilidade Social

Inovação e Responsabilidade Social Inovação e Responsabilidade Social Moçambique CONTACTOS: Manuela Costa manuela.costa@sdo-mocambique.com (+258) 82 671 51 31 Margarida Ferreira dos Santos Margarida.ferreirasantos@sdo-mocambique.com 1 (+258)

Leia mais

Projeto de reflexão, investigação e debate: O investimento das empresas na comunidade

Projeto de reflexão, investigação e debate: O investimento das empresas na comunidade Projeto de reflexão, investigação e debate: O investimento das empresas na comunidade Edição 2011 Uma iniciativa desenvolvida com o apoio da Caixa Geral de Depósitos, da Fidelidade Mundial e da Império

Leia mais

PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E O MINISTÉRIO DA SAÚDE

PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E O MINISTÉRIO DA SAÚDE PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E O MINISTÉRIO DA SAÚDE A promoção da educação para a saúde em meio escolar é um processo em permanente desenvolvimento para o qual concorrem os sectores da Educação

Leia mais

Primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde arranca em Portugal

Primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde arranca em Portugal Primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde arranca em Portugal É hoje apresentada publicamente a primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde a funcionar em Portugal.

Leia mais

Plano de Acção para a Segurança Infantil em Portugal

Plano de Acção para a Segurança Infantil em Portugal Plano de Acção para a Segurança Infantil em Portugal Coordenação oficial: Coordenação técnica: Apoio: I Enquadramento O Plano de Acção para a Segurança Infantil (PASI) enquadra-se no projecto Europeu Child

Leia mais

23-11-2010. Comunicar os Relatórios de Sustentabilidade. Novembro de 2010. Prestação de contas ACCOUNTABILITY CAPACIDADE DE RESPOSTA INCLUSÃO

23-11-2010. Comunicar os Relatórios de Sustentabilidade. Novembro de 2010. Prestação de contas ACCOUNTABILITY CAPACIDADE DE RESPOSTA INCLUSÃO Comunicar os Relatórios de Sustentabilidade Novembro de 2010 Prestação de contas ACCOUNTABILITY INCLUSÃO CAPACIDADE DE RESPOSTA MATERIALIDADE Participação dos stakeholders no desenvolvimento e alcance

Leia mais

Projecto de Voluntariado do Concelho de Lagoa. Banco de Voluntariado LagoaSocial

Projecto de Voluntariado do Concelho de Lagoa. Banco de Voluntariado LagoaSocial Projecto de Voluntariado do Concelho de Lagoa Banco de Voluntariado LagoaSocial Projecto de Voluntariado Social de Lagoa O Banco de Voluntariado LagoaSocial será enquadrado num conjunto de medidas e acções

Leia mais

Protocolo de Colaboração Rede Embaixadores para a Responsabilidade Social das Empresas dos Açores

Protocolo de Colaboração Rede Embaixadores para a Responsabilidade Social das Empresas dos Açores Protocolo de Colaboração Rede Embaixadores para a Responsabilidade Social das Empresas dos Açores Introdução Considerando que nos Açores, são já muitas as empresas e organizações que assumem convictamente

Leia mais

PAO 2013 Assembleia Geral 13 de Novembro de 2012

PAO 2013 Assembleia Geral 13 de Novembro de 2012 PAO 2013 Assembleia Geral 13 de Novembro de 2012 PAO 2013 1. NOTA DOS FUNDADORES 2. OBJECTIVOS 2013 a) INTERVENÇÃO SOCIAL b) ANGARIAÇÃO DE FUNDOS c) COMUNICAÇÃO d) VOLUNTÁRIOS ABO e) GESTÃO ADMINISTRATIVA

Leia mais

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 A aposta no apoio à internacionalização tem sido um dos propósitos da AIDA que, ao longo dos anos, tem vindo a realizar diversas acções direccionadas para

Leia mais

Projecto Igreja Solidária Proposta de Comunicação. Lisboa, 8 de Julho de 2009

Projecto Igreja Solidária Proposta de Comunicação. Lisboa, 8 de Julho de 2009 Projecto Igreja Solidária Proposta de Comunicação Lisboa, 8 de Julho de 2009 Índice 1. Enquadramento 2. Proposta O Projecto Missão e Princípios Fases do Projecto O Nosso Desafio A Nossa Resposta O Conceito

Leia mais

POLÍTICA SUSTENTABILIDADE

POLÍTICA SUSTENTABILIDADE POLÍTICA SUSTENTABILIDADE A EMPRESA Áreas de negócio A Chamartin Imobiliária é uma empresa com mais de 60 anos no mercado imobiliário e que actua na promoção e exploração de três áreas de negócio: 451.408

Leia mais

ENGAGEMENT RATING PORTUGAL 2011

ENGAGEMENT RATING PORTUGAL 2011 Edição 2011 ENGAGEMENT RATING PORTUGAL 2011 Enquadramento... 3 A metodologia do Engagement Rating... 6 Controlo de qualidade... 8 Painel de Peritos... 9 Resultados... 10 Conclusões... 22 Recomendações

Leia mais

PRESS KIT SAIR DA CASCA MILITÂNCIA E OTIMISMO FOCADOS NO IMPACTO. Os números da Sair da Casca. Consumidores. Comunidade. Cadeia de Valor.

PRESS KIT SAIR DA CASCA MILITÂNCIA E OTIMISMO FOCADOS NO IMPACTO. Os números da Sair da Casca. Consumidores. Comunidade. Cadeia de Valor. PRESS KIT SAIR DA CASCA MILITÂNCIA E OTIMISMO FOCADOS NO IMPACTO O nosso compromisso com um mundo sustentável, hoje e amanhã, está na base dos serviços que prestamos. Os progressos dos nossos clientes

Leia mais

Plano de Marketing Operacional

Plano de Marketing Operacional Plano de Marketing Operacional CONTEÚDO 1. Oportunidade do projecto APCMC +Inovação... iii 2. Plano de comunicação... viii 3. Controlo e revisão... xvi ii 1. Oportunidade do projecto APCMC +Inovação A

Leia mais

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental 1 Melhoria do desempenho ambiental implementação do Sistema de Gestão Ambiental A Caixa Geral de Depósitos (CGD) tem implementado

Leia mais

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 Adão Augusto, Consultor 12-02-2015 1. Contextualização. Os projectos sociais fazem parte de um sistema complexo de relações que envolvem

Leia mais

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA HOMOLOGAÇÃO: José Eduardo Carvalho 14-03- Pág. 2 de 5 A Tagusgás subscreve a Política AQS da Galp Energia. A Política AQS da Tagusgás foi definida tendo em consideração os Objectivos Estratégicos do Grupo

Leia mais

Planeamento de Actividades e Orçamentos - 2012 -

Planeamento de Actividades e Orçamentos - 2012 - Planeamento de Actividades e Orçamentos - 2012 - WACT We Are Changing Together A WACT é uma Organização Não Governamental para o Desenvolvimento (ONGD), apolítica, laica, e sem fins lucrativos, com a missão

Leia mais

Seminário Final. 18 de Junho 2008

Seminário Final. 18 de Junho 2008 O impacto do (des)emprego na pobreza e exclusão social na sub-região Porto-Tâmega pistas de acção estratégicas Porto Rua Tomás Ribeiro, 412 2º 4450-295 Matosinhos tel.: 22 939 91 50 fax.: 22 909 91 59

Leia mais

Vereadora Corália Loureiro. Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis

Vereadora Corália Loureiro. Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis Poder Local e Cidades d Saudáveis Vereadora Corália Loureiro Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis II Simpósio Internacional de Saúde Ambiental e a Construção de Cidades Saudáveis - IGOT - UL 6 Dezembro

Leia mais

O Fórum Económico de Marvila

O Fórum Económico de Marvila Agenda O Fórum Económico de Marvila A iniciativa Cidadania e voluntariado: um desafio para Marvila A Sair da Casca O voluntariado empresarial e as políticas de envolvimento com a comunidade Tipos de voluntariado

Leia mais

Portugal 2020. Pedro Gomes Nunes. Director Executivo. Lisboa, Fevereiro 2014. www.risa.pt

Portugal 2020. Pedro Gomes Nunes. Director Executivo. Lisboa, Fevereiro 2014. www.risa.pt Pedro Gomes Nunes Director Executivo Lisboa, Fevereiro 2014 RISA - Apresentação ÁREAS DE NEGÓCIO Estudos e Projectos + 20 anos de experiência + 1.500 candidaturas a Fundos Comunitários aprovadas. + 1,6

Leia mais

Relatório de Responsabilidade Social da SOLFUT

Relatório de Responsabilidade Social da SOLFUT 1 Janeiro de 2014 a 31 de Dezembro de 2014 Construir um mundo melhor começa num Sonho. Quem sonha, partilha o sonho e envolve os outros para agirem. E como diz o poeta a obra nasce! 2 Índice 1. Introdução

Leia mais

O contributo da EAPN Portugal / Rede Europeia

O contributo da EAPN Portugal / Rede Europeia 2011 Ano Europeu das Atividades de Voluntariado que Promovam uma Cidadania Ativa O contributo da EAPN Portugal / Rede Europeia Anti - Pobreza José Machado 22 Outubro 2011 Estrutura da Comunicação Pobreza

Leia mais

Ecoclubes. Juventude no Presente. Defesa do Ambiente. Associação dos Amigos do Mindelo para a. VIII Encontro Regional de Educação Ambiental

Ecoclubes. Juventude no Presente. Defesa do Ambiente. Associação dos Amigos do Mindelo para a. VIII Encontro Regional de Educação Ambiental Ecoclubes Associação dos Amigos do Mindelo para a Defesa do Ambiente VIII Encontro Regional de Educação Ambiental Furnas, S. Miguel, Açores 2006 Juventude no Presente A Visão Procura-se jovem com um profundo

Leia mais

PROGRAMA DE FORMAÇÃO 2008

PROGRAMA DE FORMAÇÃO 2008 PROGRAMA DE FORMAÇÃO 2008 ÁREA ALIMENTAR GESTÃO DE SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO Formador: Eng. João Bruno da Costa TRIVALOR, SGPS NUTRIÇÃO Formador: Dr. Lino Mendes - ESTeSL - Escola Superior de Tecnologia

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

Aspectos a Abordar. Como Comunicar na Área dos Resíduos Paula Mendes (LIPOR) paula.mendes@lipor.pt. Porquê Comunicar? Estratégia de Comunicação

Aspectos a Abordar. Como Comunicar na Área dos Resíduos Paula Mendes (LIPOR) paula.mendes@lipor.pt. Porquê Comunicar? Estratégia de Comunicação Como Comunicar na Área dos Resíduos Paula Mendes (LIPOR) paula.mendes@lipor.pt Conferência Gestão e Comunicação na Área dos Resíduos Estoril, 22 de Setembro de 2009 1 Aspectos a Abordar Porquê Comunicar?

Leia mais

Selling Tools. Dale Carnegie Training Portugal www.dalecarnegie.pt customerservice@dalecarnegie.pt

Selling Tools. Dale Carnegie Training Portugal www.dalecarnegie.pt customerservice@dalecarnegie.pt Dale Carnegie Training Portugal www.dalecarnegie.pt customerservice@dalecarnegie.pt Enquadramento As vendas têm um ambiente próprio; técnicas e processos específicos. A forma de estar, o networking, os

Leia mais

Um Estudo Sair da Casca junho 2015. Mecenato Educativo. A perspetiva dos professores

Um Estudo Sair da Casca junho 2015. Mecenato Educativo. A perspetiva dos professores Um Estudo Sair da Casca junho 2015 Mecenato Educativo A perspetiva dos professores INTRO Objetivos Qual pode ser o papel das empresas na educação? Qual a importância dos programas educativos e o seu impacto?

Leia mais

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira Inclusão Financeira Inclusão Financeira Ao longo da última década, Angola tem dado importantes passos na construção dos pilares que hoje sustentam o caminho do desenvolvimento económico, melhoria das

Leia mais

Rua Comendador Raínho, 1192, 3700-231 S. João da Madeira Tlf.: +351 256 826 832/ 234 Fax: +351 256 826 252 geral@amrconsult.com www.amrconsult.

Rua Comendador Raínho, 1192, 3700-231 S. João da Madeira Tlf.: +351 256 826 832/ 234 Fax: +351 256 826 252 geral@amrconsult.com www.amrconsult. 1 s & amrconsult 2010 2 1- Enquadramento: No último estudo realizado pelo INE sobre em Portugal, conclui-se que Portugal é o terceiro país da EU com taxa de criação de empresas mais elevada (14,2%). No

Leia mais

Criação da Área de Responsabilidade

Criação da Área de Responsabilidade Criação da Área de Responsabilidade Social Interna Um Grupo com mais de 217 anos de História Somos uma empresa de Distribuição Alimentar Polónia Mais de 26.000 Colaboradores Portugal Mais de 28.000 Colaboradores

Leia mais

PORTUGAL MEMBRO DA PLATAFORMA PORTUGUESA DE ONGD

PORTUGAL MEMBRO DA PLATAFORMA PORTUGUESA DE ONGD PORTUGAL MEMBRO DA PLATAFORMA PORTUGUESA DE ONGD ÍNDICE I. Identificação da APOIAR 1. Dados Gerais 2. Origem 3. Missão 4. Principais Áreas de Intervenção 5. Grupos Alvo 6. Presença Geográfica 7. Estrutura

Leia mais

Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs

Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs Isabel Dinis, ACTUAR Lisboa, 3 de Junho de 2010 ACTUAR - ASSOCIAÇÃO

Leia mais

PRESS KIT SAIR DA CASCA MILITÂNCIA E OTIMISMO FOCADOS NO IMPACTO. Os números da Sair da Casca. Consumidores. Comunidade. Cadeia de Valor.

PRESS KIT SAIR DA CASCA MILITÂNCIA E OTIMISMO FOCADOS NO IMPACTO. Os números da Sair da Casca. Consumidores. Comunidade. Cadeia de Valor. PRESS KIT SAIR DA CASCA MILITÂNCIA E OTIMISMO FOCADOS NO IMPACTO O nosso compromisso com um mundo sustentável, hoje e amanhã, está na base dos serviços que prestamos. Os progressos dos nossos clientes

Leia mais

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados;

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados; VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos e electrónicos, oferecendo

Leia mais

ARAGÃOPINTO FUNDAÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL VAMOS AJUDAR QUEM PRECISA!

ARAGÃOPINTO FUNDAÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL VAMOS AJUDAR QUEM PRECISA! A ESSENCIALIDADE DE CUIDAR DAS NOSSAS CRIANÇAS INVESTIR A TEMPO PARA EVITAR... E PERSISTIRMOS NA BUSCA DE FAZER SEMPRE MELHOR PARA NÓS A PREVENÇÃO NÃO É UMA OPÇÃO... É UMA OBRIGATORIEDADE MISSÃO A Fundação

Leia mais

Ficha de Caracterização de Projecto

Ficha de Caracterização de Projecto Ficha de Caracterização de Projecto Projecto +Skillz E5G Programa Escolhas Promotor: Associação Mais Cidadania 2 A. IDENTIFICAÇÃO GERAL DA ENTIDADE Projecto Projecto +Skillz E5G Promotor: Associação Mais

Leia mais

Índice. QLD_MN_ManualQualidade_03_Pt; Data: 17/01/2011

Índice. QLD_MN_ManualQualidade_03_Pt; Data: 17/01/2011 Manual da Qualidade 1 Índice Índice Apresentação da Empresa.. Politica da Qualidade Organograma. Âmbito da Certificação Exclusões Estrutura do SGQ. Processos.. Interligação Processos 2 3 4 5 6 7 8 9 10

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO O Programa Nacional de Microcrédito, criado pela Resolução do Conselho de Ministros Nº 16/2010, pretende ser uma medida de estímulo à criação de emprego e ao empreendedorismo entre

Leia mais

Projeto Saúde Escolar

Projeto Saúde Escolar Agrupamento de Escolas de Eixo PLANO ANUAL DE ATIVIDADES - 2013/2014 Projeto Saúde Escolar PROJETOS E ATIVIDADES A DESENVOLVER AO LONGO DO ANO META/ OBJETIVO do P.E. NOME DO PROJETO /ATIVIDADE SÍNTESE

Leia mais

II Fórum de Empreendedorismo Social AMP 2020 Inovação Social e a Criação de Emprego

II Fórum de Empreendedorismo Social AMP 2020 Inovação Social e a Criação de Emprego II Fórum de Empreendedorismo Social AMP 2020 Inovação Social e a Criação de Emprego Luís Sousa, GRACE em representação da BioRumo 30 de Junho, Fundação Doutor António Cupertino de Almeida, Porto Maio 2012

Leia mais

Turnaround Social 26/07/2015. Instrumentos de Financiamento Portugal 2020. 27 junho 2015. Portugal 2020

Turnaround Social 26/07/2015. Instrumentos de Financiamento Portugal 2020. 27 junho 2015. Portugal 2020 Instrumentos de Financiamento Portugal 2020 27 junho 2015 Portugal 2020 1 Apoios ao setor social A estratégia constante do PO ISE procura dar resposta a um conjunto de compromissos assumidos por Portugal

Leia mais

Iniciativa PE2020. A Engenharia como fator de competitividade Projetos colaborativos. António Manzoni/Vilar Filipe

Iniciativa PE2020. A Engenharia como fator de competitividade Projetos colaborativos. António Manzoni/Vilar Filipe Iniciativa PE2020 A Engenharia como fator de competitividade Projetos colaborativos António Manzoni/Vilar Filipe Novembro 2013 Projeto Engenharia 2020 Preocupações macroeconómicas Papel da engenharia na

Leia mais

Município de Freixo de Espada à Cinta PLANO DE ACÇÃO (2009-2010) Conselho Local de Acção Social de Freixo de Espada à Cinta

Município de Freixo de Espada à Cinta PLANO DE ACÇÃO (2009-2010) Conselho Local de Acção Social de Freixo de Espada à Cinta Município de Freixo de Espada à Cinta PLANO DE ACÇÃO (2009-2010) Conselho Local de Acção Social de Freixo de Espada à Cinta FICHA TÉCNICA Relatório do Plano de Acção de Freixo de Espada à Cinta Conselho

Leia mais

Porto, 6 de Maio de 2010

Porto, 6 de Maio de 2010 A Responsabilidade Social na Internacionalização Porto, 6 de Maio de 2010 Indíce 1. AICEP Modelo de Negócio e Objectivos 2. International Business Intelligence Unit 3. Empresas e Responsabilidade Social

Leia mais

Competitividade e Inovação

Competitividade e Inovação Competitividade e Inovação Evento SIAP 8 de Outubro de 2010 Um mundo em profunda mudança Vivemos um momento de transformação global que não podemos ignorar. Nos últimos anos crise nos mercados financeiros,

Leia mais

Objectivos desta publicação

Objectivos desta publicação Objectivos desta publicação UM PRIMEIRO EXERCÍCIO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS As seguradoras do Grupo CGD iniciaram, em 2007, um trabalho de reflexão sobre o desenvolvimento sustentável, que o levou a um diagnóstico

Leia mais

TORs da Avaliação do CCF Julho, 2014

TORs da Avaliação do CCF Julho, 2014 1. CONTEXTO AVALIAÇÃO DO CENTRO CRIANÇA FELIZ Termos de Referência O projecto Centro Criança Feliz é uma iniciativa da IBIS Moçambique, concebida e por si implementada desde 2008. O projecto surgiu no

Leia mais

Campanha Nacional de Higiene das MãosMinistério Resultados Nacionais

Campanha Nacional de Higiene das MãosMinistério Resultados Nacionais Campanha Nacional de Higiene das MãosMinistério da Saúde Resultados Nacionais Dia 5 de Maio, Compromisso Mundial de Higienização das mãos Direcção-Geral da Saúde Campanha Nacional de Higiene das mãos Situação

Leia mais

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos

Leia mais

Estrutura da Apresentação

Estrutura da Apresentação Capacitar para Qualificação e Inovação das Redes Sociais do Minho-Lima (CQIRS-ML) Seminário Redes Sociais, Desenvolvimento e Coesão Social do Alto Minho: Diagnóstico, Perspetivas e Ações 2014-2020 19 de

Leia mais

Ficha de Caracterização de Entidade/Projecto. Projecto de Desenvolvimento Comunitário da Ameixoeira - K Cidade

Ficha de Caracterização de Entidade/Projecto. Projecto de Desenvolvimento Comunitário da Ameixoeira - K Cidade Ficha de Caracterização de Entidade/Projecto Projecto de Desenvolvimento Comunitário da Ameixoeira - K Cidade 2 A. IDENTIFICAÇÃO GERAL DA ENTIDADE Projecto(s) Promotor(es) : Sigla Fundação Aga Khan e Santa

Leia mais

Health Management Future

Health Management Future 2012 Health Management Future COM O PATROCÍNIO DE O grupo BIAL tem como missão desenvolver, encontrar e fornecer novas soluções terapêuticas na área da Saúde. Fundado em 1924, ao longo dos anos BIAL conquistou

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA REALIZAÇÃO DE UMA FORMAÇÃO SOBRE DIREITOS HUMANOS E GÉNERO NO KUITO, PROVINCIA DO BIÉ, ANGOLA

TERMOS DE REFERÊNCIA REALIZAÇÃO DE UMA FORMAÇÃO SOBRE DIREITOS HUMANOS E GÉNERO NO KUITO, PROVINCIA DO BIÉ, ANGOLA TERMOS DE REFERÊNCIA REALIZAÇÃO DE UMA FORMAÇÃO SOBRE DIREITOS HUMANOS E GÉNERO NO KUITO, PROVINCIA DO BIÉ, ANGOLA Convénio 10-CO1-005: Fortalecimento dos serviços públicos de saúde nas zonas de intervenção

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017

Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Página 2 de 29 Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Índice Índice de Siglas. 4 Nota Prévia... 5 Exposição e Explicação dos

Leia mais

Formação Gestão de Armazéns. Formação. Gestão de Armazéns. Página1. Logisformação Andreia Campos. Empresa acreditada por:

Formação Gestão de Armazéns. Formação. Gestão de Armazéns. Página1. Logisformação Andreia Campos. Empresa acreditada por: Página1 Formação Gestão de Armazéns Empresa acreditada por: Página2 A Logisformação A Logisformação é o resultado de 20 anos de experiência da Logistema Consultores de Logística S.A. no apoio ao desenvolvimento

Leia mais

REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL

REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL REDE SOCIAL INQUÉRITOS POR QUESTIONÁRIO ASSOCIAÇÕES INQUÉRITO POR QUESTIONÁRIO ÁS ASSOCIAÇÕES DO CONCELHO DE A pobreza e a exclusão social embora não sendo fenómenos recentes, têm vindo a surgir nas nossas

Leia mais

O desemprego como oportunidade Fundo Bem Comum

O desemprego como oportunidade Fundo Bem Comum Working Draft Last Modified 30/01/2007 18:09:06 GMT Standard Time O desemprego como oportunidade Fundo Bem Comum Conferência Mercado Laboral: A responsabilidade social das empresas em tempo de crise OJE

Leia mais

Plano estratégico da ADRA Portugal. Siglas 2. Identidade 3 Visão 3 Missão 3. Princípios e Valores 4

Plano estratégico da ADRA Portugal. Siglas 2. Identidade 3 Visão 3 Missão 3. Princípios e Valores 4 Conteúdos: Siglas 2 Identidade 3 Visão 3 Missão 3 Princípios e Valores 4 Objectivos Gerais Meta 1: Responsabilidade Social 6 Meta 2: Estrutura e programas de organização 8 Meta 3: Comunicação 10 Meta 4:

Leia mais

AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA

AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA PLANO DE COMUNICAÇÃO E DIVULGAÇÃO Deliverable 4 Fase 2 Novembro 2008 1 P á g i n a Índice 1. Objectivos... 3 2. Públicos-alvo... 4 3. Estratégia de Comunicação... 5 3.1

Leia mais

Braga, 10 de Janeiro de 2011.

Braga, 10 de Janeiro de 2011. Braga, 10 de Janeiro de 2011. Página 1 de 20 INDICE INTRODUÇÃO... 3 Págs. CARACTERIZAÇÃO DO SERVIÇO DE FORMAÇÃO... 10 BALANÇO DAS ACTIVIDADES DEP. FORMAÇÃO.11 PRIORIDADES DE MELHORIA. 15 CONCLUSÃO.. 16

Leia mais

CONTRATO LOCAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL (CLDS) ESPINHO VIVO

CONTRATO LOCAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL (CLDS) ESPINHO VIVO CONTRATO LOCAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL (CLDS) ESPINHO VIVO EIXO 1 EMPREGO, FORMAÇÃO, QUALIFICAÇÃO E EMPREENDEDORISMO 01 - BALCÃO DE EMPREGABILIDADE; O Balcão de Empregabilidade pretende apoiar os desempregados

Leia mais

UMA BOA IDEIA PARA A SUSTENTABILIDADE

UMA BOA IDEIA PARA A SUSTENTABILIDADE UMA BOA IDEIA PARA A SUSTENTABILIDADE REGULAMENTO DO CONCURSO DE IDEIAS (Aberto a todos os Cidadãos) 1. O QUE É: O concurso Uma Boa Ideia para a Sustentabilidade é uma iniciativa da Câmara Municipal de

Leia mais

Proposta de Plano de Ação 2012/2013 CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DE PENALVA DO CASTELO

Proposta de Plano de Ação 2012/2013 CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DE PENALVA DO CASTELO Proposta de Plano de Ação 2012/ 1 Proposta de Plano de Ação 2012/ Eixo de Desenvolvimento: Promover a qualificação escolar/profissional, o empreendedorismo e a empregabilidade. Objetivo geral: Dinamização

Leia mais

I Seminário Transfronteiriço sobre Estratégias de participação Andaluzia, Algarve, Alentejo Marta Terra Voluntariado e cidadania - A REDE -

I Seminário Transfronteiriço sobre Estratégias de participação Andaluzia, Algarve, Alentejo Marta Terra Voluntariado e cidadania - A REDE - Rede Portuguesa de Jovens para a Igualdade de Oportunidades entre Mulheres e Homens (REDE) I Seminário Transfronteiriço sobre Estratégias de participação Andaluzia, Algarve, Alentejo Marta Terra Voluntariado

Leia mais

ACCOUNTABILITY RATING PORTUGAL 2008

ACCOUNTABILITY RATING PORTUGAL 2008 ACCOUNTABILITY RATING PORTUGAL 2008 Enquadramento A comunicação da performance empresarial em matéria de sustentabilidade, não apenas aos accionistas, mas para todas as partes interessadas, constitui uma

Leia mais

Portugal Brasil Moçambique Polónia

Portugal Brasil Moçambique Polónia www.promover.pt www.greatteam.pt Portugal Brasil Moçambique Polónia QUEM SOMOS - Prestamos serviços técnicos de consultoria de gestão e formação nos diversos setores da economia. - Presentes em Lisboa,

Leia mais

A Construção Sustentável e o Futuro

A Construção Sustentável e o Futuro A Construção Sustentável e o Futuro Victor Ferreira ENERGIA 2020, Lisboa 08/02/2010 Visão e Missão O Cluster Habitat? Matérias primas Transformação Materiais e produtos Construção Equipamentos Outros fornecedores

Leia mais

Desenvolvimento Local nos Territórios Rurais: desafios para 2014-2020

Desenvolvimento Local nos Territórios Rurais: desafios para 2014-2020 Desenvolvimento Local nos Territórios Rurais: desafios para 2014-2020 Seminário Turismo Sustentável no Espaço Rural: Experiências de Sucesso em Portugal e na Europa Castro Verde - 06 de Março 2013 Joaquim

Leia mais

Plano de Acção 2010. Concelho do Marco de Canaveses. CLAS mc. Conselho Local de Acção Social do Marco de Canaveses Fevereiro de 2010

Plano de Acção 2010. Concelho do Marco de Canaveses. CLAS mc. Conselho Local de Acção Social do Marco de Canaveses Fevereiro de 2010 Plano de Acção 2010 Concelho do Marco de Canaveses 2010 2011 CLAS mc Conselho Local de Acção Social do Marco de Canaveses Fevereiro de 2010 Nível de Incidência Principais Conteúdos CONCEPÇÃO Pertinência

Leia mais

PAREDES DE COURA INTRODUÇÃO

PAREDES DE COURA INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO Após a elaboração do Plano de Desenvolvimento Social, definindo as linhas orientadoras de intervenção social até ao final de 2009, procedemos agora à formulação de um Plano de Acção para esse

Leia mais

Projecto Eco-condução Portugal

Projecto Eco-condução Portugal Projecto Eco-condução Portugal Apresentação e Principais Actividades Hélder Pedro, ACAP 20 de Maio 2009 Introdução O conceito de Eco-condução tem nos últimos anos sido alvo de muito interesse em toda a

Leia mais

Associação sem fins lucrativos, fundada em 1998, por um grupo de 11 empresários; 1475 associados: empresas de diferentes setores e portes.

Associação sem fins lucrativos, fundada em 1998, por um grupo de 11 empresários; 1475 associados: empresas de diferentes setores e portes. Instituto Ethos Associação sem fins lucrativos, fundada em 1998, por um grupo de 11 empresários; 1475 associados: empresas de diferentes setores e portes. MISSÃO: Mobilizar, sensibilizar e ajudar as empresas

Leia mais

Terra: O Planeta que queremos ter!

Terra: O Planeta que queremos ter! Terra: O Planeta que queremos ter! 1. Localização da Acção: Centro Cultural e de Congressos de Aveiro (Grande Auditório) 2. Data de realização da Acção: 22 e 23 de Abril de 2008 3. Descrição e objectivos

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Janeiro/2004 INTRODUÇÃO A experiência da acção social no âmbito da intervenção e acompanhamento das famílias em situação de grande vulnerabilidade social,

Leia mais

eficiência energética. Quando a sustentabilidade dá lugar a novos negócios

eficiência energética. Quando a sustentabilidade dá lugar a novos negócios VAMOS Ouvir 1 VAMOS Ouvir O setor financeiro, em particular o setor bancário, está sujeito a um intenso escrutínio, fortes pressões reputacionais e regulatórias, num ambiente de conjuntura económica e

Leia mais

NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESENHO E MONTEGEM DAS ACÇÕES...4. Eixo de Desenvolvimento 1: Situações de Risco Social... 5

NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESENHO E MONTEGEM DAS ACÇÕES...4. Eixo de Desenvolvimento 1: Situações de Risco Social... 5 INDICE NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESENHO E MONTEGEM DAS ACÇÕES...4 Eixo de Desenvolvimento 1: Situações de Risco Social... 5 Eixo de Desenvolvimento 2: Empregabilidade de Formação Profissional... 13 Eixo

Leia mais

Luis Natal Marques, Gebalis EEM

Luis Natal Marques, Gebalis EEM Luis Natal Marques, Gebalis EEM TÓPICOS I. Porquê Responsabilidade Social (RS)? II. As Empresas de Serviços de Interesse Geral (SIGs) III. Mais valias da Responsabilidade Social nas Empresas de Serviço

Leia mais

ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO

ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO Como fazemos 1. Através do Serviço de Assistência Empresarial (SAE), constituído por visitas técnicas personalizadas às

Leia mais

MANUAL DE SUPORTE À IMPLEMENTAÇÃO DA METODOLOGIA SOCIAL HUB FUNDAÇÃO EDP. Manual de suporte à implementação da metodologia

MANUAL DE SUPORTE À IMPLEMENTAÇÃO DA METODOLOGIA SOCIAL HUB FUNDAÇÃO EDP. Manual de suporte à implementação da metodologia SOCIAL HUB FUNDAÇÃO EDP Manual de suporte à implementação da metodologia 1 SOCIAL HUB FUNDAÇÃO EDP Manual de suporte à implementação da metodologia FICHA TÉCNICA Identificação do Projeto: Social Hub Fundação

Leia mais

Hypercluster do mar. Setembro 2009

Hypercluster do mar. Setembro 2009 Hypercluster do mar Setembro 2009 Hypercluster do mar Segurança Marítima Projecto MarBIS Fórum cientifico e tecnológico Considerações finais 2 Hypercluster do mar Parcerias com empresas petrolíferas com

Leia mais

Painel Temático 2: A Educação para o Desenvolvimento Sustentável Sala G4 10H45 12H15 Moderadora: Cristina Gomes Ferreira Relatora: Elizabeth Silva

Painel Temático 2: A Educação para o Desenvolvimento Sustentável Sala G4 10H45 12H15 Moderadora: Cristina Gomes Ferreira Relatora: Elizabeth Silva Painel Temático 2: A Educação para o Desenvolvimento Sustentável Sala G4 10H45 12H15 Moderadora: Cristina Gomes Ferreira Relatora: Elizabeth Silva Apresentação dos seguintes projectos: 1) Câmara de Lobos.

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

O contributo do Cluster Habitat Sustentável

O contributo do Cluster Habitat Sustentável O contributo do Cluster Habitat Sustentável Victor Ferreira Plataforma para a Construção Sustentável Seminário Construção Sustentável CONCRETA 2011 20/10/2011 Visão e Missão O Cluster Habitat? agregador

Leia mais

4º CONGRESSO NACIONAL DOS ECONOMISTAS. O Papel das Instituições de Ensino Superior na Dinâmica da Criação de Empresas, por meio de Redes De Inovação

4º CONGRESSO NACIONAL DOS ECONOMISTAS. O Papel das Instituições de Ensino Superior na Dinâmica da Criação de Empresas, por meio de Redes De Inovação 4º CONGRESSO NACIONAL DOS ECONOMISTAS O Papel das Instituições de Ensino Superior na Dinâmica da Criação de Empresas, por meio de Redes De Inovação Maria José Madeira Silva 1, Jorge Simões 2, Gastão Sousa

Leia mais

INOVAÇÃO SOCIAL E MEDIAS SOCIAIS

INOVAÇÃO SOCIAL E MEDIAS SOCIAIS INOVAÇÃO SOCIAL E MEDIAS SOCIAIS INOVAÇÃO SOCIAL l DEFINIÇÃO A Inovação Social é um Procura desenvolver movimento organizado formas inovadoras de por vários actores, com o organizações e interacções entre

Leia mais

20 Junho 2008. 13.Outubro.2008

20 Junho 2008. 13.Outubro.2008 20 Junho 2008 13.Outubro.2008 A Pool-net tem como objecto principal a Gestão e Coordenação do Pólo de Competitividade Engineering & Tooling, enquanto instrumento de operacionalização do Plano Estratégico

Leia mais

7ª Edição da Semana da Responsabilidade Social

7ª Edição da Semana da Responsabilidade Social 7ª Edição da Semana da Responsabilidade Social Mudança e inovação para novos estilos de vida Exemplos da aplicação dos 10 princípios pelos membros do GCNP - O caso do Ritz Four Seasons Hotel Lisboa - Menú

Leia mais

www.tal-search.com P O R T U G A L E S P A N H A A N G O L A M O Ç A M B I Q U E

www.tal-search.com P O R T U G A L E S P A N H A A N G O L A M O Ç A M B I Q U E www.tal-search.com P O R T U G A L E S P A N H A A N G O L A M O Ç A M B I Q U E Quem somos? Quem somos? O que fazemos? O que nos distingue? Onde estamos? 2 Quem somos? APRESENTAÇÃO A Talent Search foi

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Adoptada pelos Ministros da Saúde e Ministros do Ambiente na Segunda Conferência Interministerial sobre Saúde e

Leia mais

CONTRIBUTOS PARA O DISCURSO DO SR. PRIMEIRO MINISTRO EM PORTUGAL ESTRATÉGIA E POLÍTICAS PARA A EMIGRAÇÃO

CONTRIBUTOS PARA O DISCURSO DO SR. PRIMEIRO MINISTRO EM PORTUGAL ESTRATÉGIA E POLÍTICAS PARA A EMIGRAÇÃO CONTRIBUTOS PARA O DISCURSO DO SR. PRIMEIRO MINISTRO EM PORTUGAL ESTRATÉGIA E POLÍTICAS PARA A EMIGRAÇÃO PASSADO: OS PRIMEIROS PASSOS 1 Procura e estabelecimento de um relacionamento profícuo com os países

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Projecto IMCHE/2/CP2 1 ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

Leia mais

Projecto de Empreendedorismo nas Escolas. ano lectivo 2011/2012

Projecto de Empreendedorismo nas Escolas. ano lectivo 2011/2012 Projecto de Empreendedorismo nas Escolas ano lectivo 2011/2012 As Fases do Projecto ANO LECTIVO 2011/2012 Fase a fase Formação de Professores Disseminação do projecto Ateliers de Criatividade 4 acções

Leia mais