UMA REVISÃO SOBRE PESTICIDAS: MECANISMOS DE AÇÃO, CONSEQUÊNCIAS SOCIO-AMBIENTAIS E ESTRATÉGIAS PARA MITIGAÇÃO.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UMA REVISÃO SOBRE PESTICIDAS: MECANISMOS DE AÇÃO, CONSEQUÊNCIAS SOCIO-AMBIENTAIS E ESTRATÉGIAS PARA MITIGAÇÃO."

Transcrição

1 14 UMA REVISÃO SOBRE PESTICIDAS: MECANISMOS DE AÇÃO, CONSEQUÊNCIAS SOCIO-AMBIENTAIS E ESTRATÉGIAS PARA MITIGAÇÃO. A REVIEW OF PESTICIDES: MECHANISMS OF ACTION, SOCIO- ENVIRONMENTAL CONSEQUENCES AND MITIGATION STRATEGIES. BITTENCOURT-JUNIOR, Felipe Francisco 1 ; SOARES, Élica Renata² Resumo Esta revisão tem como objetivo a elucidação dos pontos-chave da interação entre solo, meio-ambiente, agrotóxico e pessoas, bem como suas peculiaridades e possíveis estratégias para mitigação. Devido ao seu uso intensivo, os herbicidas são frequentemente detectados em estudos de qualidade de águas superficiais e subterrâneas, sendo inclusive os agrotóxicos detectados em maior escala fora das áreas de aplicação, cuja aplicação exagerada vem se tornando um problema crescente, tanto ambiental quanto de saúde pública. Como o objetivo dos agrotóxicos em geral é matar determinados seres vivos incômodos para a agricultura (biocida), a sua essência é, portanto, tóxica, sendo necessária a tomada de algumas medidas de precaução/minimização dos efeitos nocivos dos mesmos. Pode-se concluir que as avaliações feitas para verificar a nocividade dos agrotóxicos determinam apenas as fontes mais aparentes, considerando somente as atividades que oferecem muito risco e ignoram o oposto, onde o acúmulo sucessivo em pequenas doses prova ser igualmente danoso. Palavras-chave: Agrotóxicos, pesticidas, agricultura, lixiviação, adsorção. Abstract This review aims to elucidate the key points of the interaction between soil, environment, pesticides and human being, as well as their peculiarities and possible mitigation strategies. Due to its intensive use, the herbicides are frequently detected in quality studies of surface and groundwater, being also the pesticides detected on a larger scale outside the areas of application, the application of which is exaggerated becoming a growing problem, both environmental as public health. As the objective of pesticides in general is determined to kill uncomfortable living beings to the agriculture (biocide), its essence is therefore toxic, being necessary some precautionary measures / minimizing the harmful effects of the same ones. It can be concluded that the evaluations made to verify harmfulness of pesticides only determines the more apparent sources, considering only the activities they offer much risk and ignore the opposite, where the successive accumulation in small doses proves to be equally damaging. Keywords: Agrochemicals, pesticides, agriculture, leaching, adsorption. 1 Discente do programa de Mestrado em Recursos Naturais da Universidade Estadual do Mato Grosso do Sul UEMS, Dourados / MS ² Discente do programa de Mestrado em Recursos Naturais da Universidade Estadual do Mato Grosso do Sul UEMS, Dourados / MS para contato :

2 15 Introdução Os pesticidas possuem um importante papel na agricultura moderna, aumentando a produção mundial de alimentos e reduzindo as populações de plantas daninhas e pragas em meio às culturas, consequentemente elevando o padrão de vida de toda a população. Entretanto, com o aumento do uso desses produtos, aumentaram também as transferências de pesticidas do solo para reservas hídricas em geral. Sendo assim, cresce também a preocupação com seus efeitos sobre os seres humanos, animais e meio ambiente (MATTHEWs, 1992; INOUE et al., 2003; SEBAI, 2007; FREDSLUND, 2008). A lei dos agrotóxicos (BRASIL 1989) e o decreto que regulamenta esta lei (BRASIL 2002) definem que essas substâncias são: os produtos e os agentes de processos físicos, químicos ou biológicos, destinados ao uso nos setores de produção, no armazenamento e beneficiamento de produtos agrícolas, nas pastagens, na proteção de florestas, nativas ou implantadas, e de outros ecossistemas e também de ambientes urbanos, hídricos e industriais, cuja finalidade seja alterar a composição da flora ou da fauna, a fim de preservá-las da ação danosa de seres vivos considerados nocivos. Segundo dados da ANVISA e UFPR (2012), os herbicidas, representam 45% do total de agrotóxicos comercializados os fungicidas respondem por 14%, os inseticidas 12% e as demais categorias de agrotóxicos 29%. A aplicação em larga escala de pesticidas em milhões de hectares todos os anos vem originando um grande problema ambiental, a contaminação do ar, água e solo (Locke et al., 2002). Prover água potável para os consumidores é de fato uma das maiores preocupações em muitos países Reino Unido (REID et al., 2003), Holanda (SCHIPPER et al.,2008), Portugal (GONÇALVES et al., 2007) e Estados Unidos (GILLIOM et al., 2007). Tendo-se isto em mente, é de fundamental importância a elucidação dos processos de difusão em solo/água dos pesticidas assim como o planejamento de estratégias de mitigação das consequências indesejadas. A avaliação do risco de contaminação por pesticidas no solo e em lençóis freáticos está se tornando um parâmetro quase obrigatório para a realização das práticas agrícolas, essa exigência ocorre muitas vezes, devido a proximidade dos cultivos à rios, lagos ou reservatórios aquáticos (RICHARDS, BAKER; 1993; DABROWSKI et al., 2002). Tendo em vista os prós e contras da aplicação de pesticidas, esta revisão tem como objetivo a elucidação dos pontoschave da interação entre solo, ambiente e agrotóxicos, bem como suas peculiaridades e possíveis estratégias para mitigação. Revisão de literatura As principais vias de transporte dos pesticidas são por via terrestre superficial, como quando em resposta à chuvas ou irrigações; lixiviação rápida, através de fissuras e/ou rachaduras no solo/subsolo; fluxo lateral, por meio de drenos, camadas impermeáveis e pontos de perda; perda direta, com pulverização, limpeza de equipamentos ou mesmo erros durante a aplicação (FLURY et al., 1995; CESSNA et al., 2001; DABROWSKI, SCHULZ, 2003). Vale a pena salientar também, a existência dos canais formados ao longo do tempo devido à atividade de cupins, minhocas e formigas, outro fato importante refere-se às raízes, que em decorrência da morte das mesmas e apodrecimento das estruturas vegetais, permaneceram e formaram uma rede de canais, tanto verticais quanto horizontais, facilitando assim, a penetração do pesticida nas camadas mais subjacentes do solo (BEVEN, GERMANN, 1982; KAMRA et al., 2001).

3 16 O processo de lixiviação refere-se ao movimento descendente dos herbicidas na matriz do solo na ou com a água do solo, sendo sua intensidade dependente das características físico-químicas do produto e das características de solo e clima, a principal forma de transporte no solo das moléculas não voláteis e solúveis em água, estas moléculas acompanham o fluxo da água, através da diferença de potencial da mesma entre dois pontos (PRATA et al., 2001). Apesar de ser um processo essencial para a incorporação dos pesticidas ao solo, promovendo o alcance do mesmo a sementes ou plantas em germinação, quando excessiva, pode carregá-los para camadas mais profundas do solo, limitando sua ação e podendo, inclusive, promover contaminação do lençol freático (VELINI, 1992). O material de origem do solo, os tipos de minerais predominantes na fração argila, os grupos funcionais e a quantidade de matéria orgânica, além das condições climáticas do local onde o herbicida foi aplicado, são responsáveis pelas variações na mobilidade de herbicidas nos solos, bem como o tempo de aplicação, controle e seletividade do pesticida deve ser levado em conta para o uso seguro e consciente do mesmo, podendo-se desta maneira prever o comportamento de herbicidas e até evitar efeitos prejudiciais ao meio ambiente (GEVAO et al., 2000; WEBER et al., 2004; ROSSI et al., 2005). Para herbicidas de elevada capacidade adsortiva, o conteúdo de matéria orgânica do solo é geralmente um fator importante, pois, quanto mais alto, maior será a adsorção do herbicida e com isso menor a lixiviação. Em solos arenosos (cujos mesmos costumam ter pouca matéria orgânica), a lixiviação será ainda maior do que em solos siltosos ou argilosos (ROSSI et al., 2005). No entanto, de acordo com Van de Weerd et al. (1998), em sistemas de manejo onde ocorra o enriquecimento do solo através do uso de material vegetal, pode haver influência na distribuição dos contaminantes no solo devido à presença de colóides orgânicos. Fato justificado devido a adsorção do pesticida no colóide e o consequente acompanhamento do mesmo solo adentro. Resumidamente, segundo Spadotto (2003) uma vez inserido no ambiente o agrotóxico até ser desativado ou degradado passa por um caminho bastante complexo "o destino de agrotóxicos no ambiente é governado por processos de retenção (sorção, absorção), de transformação (degradação química e biológica) e de transporte (deriva, volatilização, lixiviação e carreamento superficial), e por interações desses processos". Deste modo, entender o potencial de lixiviação dos herbicidas pode contribuir para a criação de formulações que amenizem as perdas por lixiviação desses compostos no solo, tornando-os assim, economicamente mais viáveis (WAUCHOPE et al., 1990; GISH et al., 1994). Para avaliação do potencial de lixiviação de um herbicida, podem-se utilizar amostras em camadas de solo com semeadura de culturas vegetais sensíveis ao herbicida de interesse. Ou, se houver disponibilidade, pode-se avaliar através de técnicas de cromatografia em camada delgada de solo ou lisímetro (WINTON, WEBER, 1996; SANCHEZ-MARTIN et al., 1994; SOUZA et al., 2000; INOUE et al., 2002; BACHEGA et al., 2009). Devido ao seu uso intensivo e muitas vezes imprudente, os herbicidas são frequentemente detectados em estudos de qualidade de águas superficiais e subterrâneas (CARTER, 2000; TANABE et al., 2001). Fato esse que pode ser justificado através dos processos de lixiviação já citados e também devido à capacidade adsortiva do solo. Estudos mostram que a permanência excessiva do pesticida na superfície do solo, impossibilitando a sua degradação natural indireta (através de enzimas vegetais provenientes das raízes de

4 17 plantas) ou direta (através da ação de microrganismos) acarretará em um grande aumento do risco de contaminação a longo prazo para seres vivos e facilitará o seu escoamento para a rede hídrica superficial (MEIJER et al. 2001; JAMAL et al. 2011). Reforçando a necessidade do uso planejado dos pesticidas, pesquisas revelam que a lixiviação pode também reduzir a persistência dos herbicidas, por promover o transporte desses compostos para uma região mais profunda do perfil do solo, menos explorada pelas raízes das plantas daninhas e culturas. Nesse caso, a eficácia e o potencial de injúria para as culturas daninhas são reduzidos assim como o custobenefício do mesmo (FERRI, VIDAL, 2003). Discussão Devido à sua ampla área territorial capaz de comportar os mais variados cultivos, o Brasil é o maior consumidor de praguicidas, fato comprovado com dados do IBGE, que, em 1993 já afirmava que em alguns estados a aplicação já ultrapassava 60 mil toneladas por ano. Nos últimos anos, o mercado nacional movimentou cerca de 936 mil toneladas de agrotóxico, ultrapassando os Estados Unidos e assumindo assim, o posto de maior mercado mundial de agrotóxicos (ANVISA, UFPR, 2012). A figura que se segue evidencia este fato. Considerando-se as características já citadas e também acima abordadas, é possível relaciona-las com uma análise crítica publicada por Augusto et al. (2009) onde os autores argumentaram a respeito do papel da pesquisa e da ciência frente aos impactos dos agrotóxicos na saúde, bem como o modelo de pesquisa agrônoma adotado ao longo do tempo. De acordo com os autores, após a instalação do Plano Nacional de Defensivos Agrícolas, em 1970, o governo simplesmente reforçou o modelo químico dependente, onde a academia sempre tem recebido grande incentivo para dar sustentação para o que é insustentável. Figura 01 - Produção agrícola e consumo de agrotóxicos e fertilizantes químicos nas lavouras do Brasil, de 2002 a Fonte: SINDAG, 2009 e 2011; ANDA, 2011; IBGE/SIDRA, 2012; MAPA, Afirmam que isso aconteceu devido ao condicionamento do crédito rural ao uso obrigatório de agrotóxicos, essa medida foi tão forte que a maioria da produção passou a contar com estes defensivos agrícolas tão nocivos, além das escolas de formação de agronomia adotaram hegemonicamente esse modelo no ensino e na pesquisa, um exemplo disso foi a criação da EMBRAPA, harmonizando a política econômica com a de desenvolvimento técnico-científico e profissional. Ainda dentro deste contexto, os autores criticam a desconsideração da avaliação da nocividade do modelo agrícola dependente de agrotóxicos e de fertilizantes químicos, o qual, segundo eles é extremamente vulnerável pois não há como enclausurar essas fontes de contaminação e proteger os compartimentos ambientais (água, solo, ar) e os ecossistemas. As consequências são o desequilíbrio ambiental e exposição de consumidores e trabalhadores aos contaminantes, causando potencialização dos efeitos negativos na saúde, no ambiente e na segurança alimentar e nutricional.

5 18 De acordo com a portaria 36/Bsb da Secretaria da Saúde os ingredientes ativos que devem ser monitorados no Brasil são Aldrin, BHC, Chlordano, DDD (TDE), DDE, DDT, Dieldrin, Endosulfan, Endrin, HCB, Heptacloro, Lindane (BHC), Metoxicloro, Toxofeno (Campheclor), Dysiston (Disulfaton), Ethion, Malathion, Metil-Parathion, Naled, Parathion, Phosdrin (Mesinphos), Vapona (Diclorvos). Dos 50 mais utilizados nas lavouras de nosso país, 22 são proibidos na União Europeia. Na ANVISA estão em processo de revisão, desde 2008, 14 agrotóxicos, sendo que alguns deles já foram proibidos e outros tiveram seu uso restringido, apesar dos estudos terem apontado pelo banimento. Todos com efeitos altamente nocivos, independentemente do tipo de exposição, aguda ou crônica (ANVISA, 2008; ANVISA, 2012a; ANVISA 2012b). Considerando-se um levantamento de dados feito pelo IBGE em 2006, as maiores concentrações de utilização de agrotóxicos coincidem com as regiões de maior intensidade de monoculturas de soja, milho, cana, cítricos, algodão e arroz. Tendo em mente estes mesmos dados e ano, estudos afirmam que o estado de Mato Grosso é o maior consumidor de agrotóxicos, representando 18,9%, seguido de São Paulo (14,5%), Paraná (14,3%), Rio Grande do Sul (10,8%), Goiás (8,8%), Minas Gerais (9,0%), Bahia (6,5%), Mato Grosso do Sul (4,7%), Santa Catarina (2,1%). Os demais estados consumiram 10,4% do total do Brasil (IBGE, 2006; SINDAG 2011; THEISEN, 2012). Estes dados podem ser vistos na figura a seguir. O convívio com agrotóxicos está incluído na rotina diária da população rural e da população urbana, que consome muitas vezes, inconscientemente alimentos e água com os resíduos destes produtos (MEDEIROS, 1988). Também no ano de 2006, na cidade de Lucas do Rio Verde - Mato Grosso, um expoente nacional da agricultura, ocorreu um grave acidente ambiental com grandes consequências. Fazendeiros realizavam a secagem de soja transgênica através da pulverização aérea de paraquat, que devido ao mau planejamento e descumprimento das normas de segurança, acabou contaminando a região. Isso ocasionou a "queima" de 180 canteiros de plantas medicinais no centro da cidade e de hortaliças em 65 chácaras do entorno da cidade, e desencadeou um surto de intoxicações agudas em crianças e idosos. Episódio esse, que ficou conhecido como acidente rural ampliado ou a chuva de agrotóxicos. Figura 2 - utilização de agrotóxicos por municípios (2006) Nos quatro anos subsequentes, em pesquisa coordenada por Moreira et al. (2010) a FIOCRUZ juntamente com a UFMT e em conjunto com professores e alunos de 4 escolas, foram avaliados alguns componentes ambientais, humano, animal e epidemiológico relacionados aos riscos dos agrotóxicos. Após coleta e análise dos dados, constataram-se inúmeras falhas no planejamento, execução e manejo de resíduos do processo: exposição ambiental/ocupacional/alimentar de 136 litros de agrotóxicos por habitante durante o ano de 2010; as pulverizações de agrotóxicos por avião e trator eram realizadas a menos de 10 metros de fontes

6 19 de água potável, córregos de criação de animais, de residências e periferia da cidade, desrespeitando a IN/MAPA/02/2008 que limita a 500 metros a pulverização aérea de agrotóxicos; contaminação com resíduos de vários tipos de agrotóxicos em 83% dos 12 poços de água potável das escolas; em 56% das amostras de chuva (pátio das escolas) e em 25% das amostras de ar (pátio das escolas) monitoradas por 02 anos; presença de resíduos de vários tipos de agrotóxicos em sedimentos de duas lagoas, semelhantes aos tipos de resíduos encontrados no sangue de sapos, sendo que a incidência de malformação congênita nestes animais foi quatro vezes maior do que na lagoa controle. Tendo em vista este potencial teratogênico, o dado mais alarmante foi a presença de agrotóxicos no leite materno, onde pelo menos um deles sempre foi detectado. Figura 03 - Frequência de detecção de agrotóxicos analisados em leite de 62 nutrizes de Lucas do Rio Verde-MT, em Casos como este refletem o desrespeito às leis de proteção ao meio ambiente e a saúde pública, casos que poderiam perfeitamente ser passíveis de fiscalização mais rígida por parte das autoridades cabíveis, levando em conta as leis e todo prejuízo em longo prazo que o descumprimento das mesmas pode gerar, afinal, Quando há dúvida ou insuficiência de estudos a respeito de algo, deve-se levar em conta o princípio da precaução, que orienta a ação quando uma atividade, situação ou produto representa ameaça à saúde humana ou ao meio-ambiente. É evidente a necessidade do surgimento de soluções ou alternativas para estes problemas, corroborando dados de um dossiê divulgado pela Associação Brasileira de Saúde Coletiva ABRASCO (2012) seguem algumas ideias que podem ser consideradas. A primeira delas, e uma das mais relevantes, é buscar alternativas mais eficazes no controle e administração de cultivos, onde a aplicação e controle dos pesticidas e seus resíduos devem ser levadas em conta, em prol do meio ambiente, seus recursos e também a saúde coletiva, pois os impactos ambientais nos recursos hídricos gerados pelas atividades agrícolas, não podem ser dissociados devendo seu monitoramento e as medidas preventivas, estarem sempre integradas de uma forma sistêmica (ANDREOLI, 1993). A proteção da saúde pública e do meio ambiente, com base em ampla segurança, está inibida pelos interesses do mercado, que, por sua vez, tem aval institucional que lhe dá a blindagem necessária para manter o ciclo vicioso de sua economia, e assim, o processo de ocultamento se encerra, em favor da utilização desses produtos com o apoio dos governos em prol do lucro. Outro ponto positivo que se deve levar em conta, é a questão da agroecologia, ou processos produtivos saudáveis, embora algumas vezes ocorra certa perda de produção, o ganho em saúde/ambiente cobre em muito os gastos posteriores decorrentes de danos provenientes de agrotóxicos. Resumidamente, Priorizar a implantação de uma Política Nacional de Agroecologia em detrimento ao financiamento público do agronegócio com agrotóxicos, através do fortalecimento e ampliação das políticas de aquisição de alimentos produzidos sem agrotóxicos para a alimentação. Tendo-se em vista os tópicos acima abordados e somando-se a eles, uma fiscalização rígida do uso de agrotóxicos encerraria ou no mínimo diminuiria as sucessivas violações do direito humano à

7 20 alimentação adequada e à saúde, sem contar a criação de barreiras contra o comércio internacional de agrotóxicos relacionados a muitos países, em especial ao Brasil, maior mercado de agrotóxicos mundial. Facilitar a interdisciplinaridade do diálogo, o saber sobre a ecologia e saúde, a interação entre os grupos de pesquisa/sociedade pode oferecer muito mais do que aparenta, onde a troca de conhecimento e opinião gera conscientização por parte de todos, principalmente daqueles que trabalham e dependem dos tão nocivos agrotóxicos. Incentivar a pesquisa/produção de conhecimentos relacionada aos agrotóxicos, garantindo abordagem adequada do tema nos diferentes níveis e áreas disciplinares do sistema educacional. Considerar para o registro e reavaliação de agrotóxicos evidências: epidemiológicas; de efeito crônicos, incluindo baixas concentrações e a multiexposição; sinais e sintomas clínicos em populações expostas, anatomopatológicas e indicadores preditivos, além de reavaliar o IDA (ingestão diária aceitável) dos mais diversos componentes dos compostos agrotóxicos presentes nos alimentos consumidos. Estabelecer prazos curtos para a reavaliação de agrotóxicos registrados, bem como o banimento dos já proibidos em outros países e que apresentam graves riscos à saúde humana e ao ambiente, prosseguindo para uma reconversão tecnológica a uma agricultura livre de agrotóxicos. Já que é sabido que a exposição a baixas doses de agrotóxicos induz a morte celular, à citotoxicidade e à redução de viabilidade das células, deve-se levar em conta estes problemas, não somente tratá-los como indicadores de efeito, a criação de um modelo de vigilância de saúde mais precavido poderia muito bem, em conjunto com os itens acima discutidos, fazer parte de um plano a fim de solucionar este problema. Em relação ao campo, o uso de barreiras vegetais/elevações de terra em meio aos cultivos ou próximo às fontes de água, reduz significativamente o fluxo e a chegada de pesticidas aos mesmos, constituindo assim uma alternativa viável, tanto financeiramente quanto ambientalmente. Conclusão Esta revisão fornece dados sobre os mecanismos de interferência na ação dos agrotóxicos (pesticidas) no solo, assim como os danos que seu mau uso pode acarretar, além de possíveis medidas e ideias para mitigar estes efeitos. Do ponto de vista da saúde pública e ambiental, o cenário atual já é suficientemente preocupante e deve-se levar em conta que as perspectivas são de agravamento dos problemas nos próximos anos. Como o objetivo dos agrotóxicos em geral é matar determinados seres vivos incômodos para a agricultura (biocida), a sua essência é, portanto, tóxica, sendo necessária a tomada de algumas medidas de precaução/minimização dos efeitos nocivos dos mesmos. Por fim, pode-se concluir que as avaliações feitas para verificar a nocividade dos agrotóxicos determinam apenas as fontes mais aparentes, considerando somente as atividades que oferecem muito risco, como trabalhadores aplicadores de agrotóxico, ingestão dos mesmos em alimentos ou contaminação aguda e súbita de ecossistemas/pessoas, em detrimento da cronicidade do oposto, onde o acúmulo sucessivo de químicos e metabólitos em pequenas doses em animais ou plantas acaba culminando em enfermidades em humanos, devido ao consumo destes, as consequências frequentemente encontradas são: problemas metabólicos e sistêmicos, deformações, alterações mentais ou mesmo teratogenia em fetos. Os eventos reconhecidos são aqueles que estão apenas na escala da doença e da morte, mas não da vida e da saúde. A avaliação de risco atualmente praticada não está adaptada à realidade em

8 21 que se aplicam os agrotóxicos. Diante de tantas brechas de conhecimento, responsabilidade e comprometimento, devemos nos perguntar se vale mesmo a pena manter esta política de uso na agricultura. Referências Bibliográficas Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). RDC 01 de 17 de janeiro de Brasília: Anvisa, ANDREOLI, C.V. Influência da Agricultura na Qualidade da Água. Curitiba. OPS. 15 p, ANVISA, UFPR. Seminário de mercado de agrotóxico e regulação. ANVISA, Brasilia, 11 abril de 2012 ANVISA. Resolução RDC n. 10 de 22 de fevereiro de Que estabelece a reavaliação toxicológica de 14 agrotóxicos. Brasília, DOU de 28/02/2008. BEVEN, K.J.; GERMANN, P.F. Macroporous and waterflows in soils. Water Res. Res., v. 18, p , BRASIL, Decreto n.º de 04 de janeiro de Regulamenta a Lei nº 7.802/89 (lei federal dos agrotóxicos). Brasília, Diário Oficial da União de 08/01/2002 BRASIL, Lei n.º 7.802, de 12 de julho de lei federal dos agrotóxicos. Brasília, Diário Oficial da União de 12/07/1989. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Instituto Nacional de Câncer. Coordenação de Prevenção e Vigilância. Vigilância do câncer ocupacional e ambiental. Rio de Janeiro: INCA, p. BRASIL. Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA). Produtos agrotóxicos e afins comercializados em 2009 no Brasil: uma abordagem ambiental, 2010 CARNEIRO, F. F., ALMEIDA, V.E.S, TEIXEIRA, M. M., BRAGA, L. Q. V. Agronegócio e Agroecologia: desafios para a formulação de políticas públicas sustentáveis In: RIGOTTO, R (Org) Agrotóxicos, Trabalho e Saúde - vulnerabilidade e resistência no contexto da modernização agrícola no Baixo Jaguaribe/CE ed. Fortaleza: Editora Universidade Federal do Ceará, p , ECODEBATE, Relatório da ANVISA aponta uso indiscriminado de agrotóxicos. Disponível em: acessado em 01 de julho de FERRI, M. V. W.; VIDAL, R. A.; FLECK, N. G.; CASSOL, E. A.; GOMES, P. A.; Pesticidas Rev. Ecotox. Meio Amb., v.13, FLURY, M.; FLUHLER, H.; JURY, W.A. & LEUENBERGER, J. Susceptibility of soils to preferential flow of water: A field study. Water Res. Res., v. 30, GILLION RJ, BARBASH JE, CRAWFORD CG, HAMILTON PA, MARTIN JD, NAKAZAKI N, et al. The quality of our nation's waters pesticides in the nation's streams and groundwater, Technical Report. United States Geological Survey. Reston, Virginia, USA; GOMES, M.A.F.; SPADOTTO, C.A.; LUIZ, A.J.B.; NEVES, M.C. Método de classificação preliminar dos potenciais de infiltração e de escoamento superficial da água no solo: subsídio à avaliação do risco de contaminação por agroquímico. In: XIII CONGRESSO LATINO AMERICANO DE CIÊNCIA DO SOLO, 1996, Águas de Lindóia, SP. GONÇALVES CM, SILVA JCGED, ALPENDURADA, MF. Evaluation of the pesticide contamination of groundwater sampled over two years from a vulnerable zone in Portugal. J Agric Food Chem, v. 55, p , IBGE, Censo agropecuário do Brasil, Disponível em acessado em 01 de julho de IBGE. Atlas de Saneamento, Disponível em las_saneamento/default_zip.sht m>. Acessado em 01 de julho de IBGE/SIDRA. Brasil, série histórica de área plantada; série histórica de produção agrícola; safras 1998 a Disponível em ou acessado em 01 de julho de INDEA. Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso. Relatório de consumo de agrotóxicos em Mato Grosso, 2005 a Banco eletrônico. Cuiabá: INDEA MT;2011. Instituto de Desenvolvimento Agropecuário do Mato Grosso (INDEA). Planilha de Dados do Sistema de Informação de Agrotóxicos (CD). anos 2005 a Cuiabá: Instituto de Desenvolvimento

9 22 Agropecuário do Mato Grosso; (Banco de dados eletrônico) KAMRA, S.K.; LENNARTZ, B.; van GENUCHTEN, M.Th. & WIDMOSER, P. Evaluating non-equilibrium solute transport in small soil columns. J. Contam. Hydrol., v. 48, p , KARAM, Karen. A mulher na agricultura orgânica e em novas ruralidades. Estudos Feministas, Florianópolis, v.12, n.1, p , jan./abr LOCKE, M.A.; ZABLOTOWICZ, R.M.; STEINRIEDE, R.W. & DABNEY, S.M. Conservation management practices in Mississippi Delta Agriculture: Implications for crop production and environmental quality. In: VAN SANTENE. ed. Making conservation tillage conventional: Building a future on 25 years of research. In: ANNUAL SOUTHERN CONSERVATION TILLAGE CONFERENCE FOR SUSTAINABLE AGRICULTURE, 25., Auburn,2002. Proceedings. Auburn, Alabama Agric. Expt. Stn and Auburn University, AL 36849, (Special Report, 1). MACHADO, P. Um avião contorna o pé de jatobá e a nuvem de agrotóxico pousa na cidade. Brasília: ANVISA, 2008, 264p. MAPA, Ministério da Agricultura e Pecuária/AGE. Projeções do agronegócio de2009/10 a 2019/2020. Brasília: MAPA/AGE/ACS, 2010, 76 p. MAPA. Instrução Normativa (IN) n. 02 de 03 de janeiro de 2008, que regulamenta a pulverização aérea de agrotóxicos. DOU de 08/01/2008.Disponível em acessado em 01 de Julho de MATO GROSSO, Decreto n.º de 09 de dezembro de Regulamenta a Lei nº 8.588/06 (lei estadual dos agrotóxicos). Diário Oficial de Mato Grosso de 09/12/2009. PRATA, F.; LAVORENTI, A.; REGITANO, J. B.; Tornisielo, V.L.; Pesq. Agrop. Bras., v.36, REID D, EDWARDS A, COOPER D, WILSON E, MCGAW B. The quality of drinking water from private water supplies in Aberdeenshire, UK. Water Res v. 37, p , SCHIPPER PNM, VISSERS MJM, LINDEN AMAVD. Pesticides in groundwater and drinking water wells: overview of the situation in The Netherlands. Water Sci Technol 2008;57:1277. SILVA, A.C.N. et al. Riscos à saúde relacionados a contaminantes químicos presentes em áreas identificadas com resíduos perigosos: uma proposta de avaliação. SINDAG. Sindicato Nacional das Indústrias de Defensivos Agrícolas; Anais do Workshop: Mercado Brasileiro de Fitossanitários; Avaliação da Exposição de Misturadores, Abastecedores e Aplicadores de Agrotóxicos. Brasília: 28/04/2009. SODERLUND DM, CLARK JM, SHEETS LP, MULLIN LS, PICIRILLO VJ, SARGENT D, STEVENS J., WEINER ML. Mechanisms of pyrethroid neurotoxicity: implications for cumulative risk assessment, Toxicology, v. 171, p. 3 59, SPADOTTO, C. A.; GOMES, M. A. F.; LUCHINI, L. C.; ANDRÉA, M. M.; Monitoramento do risco ambiental de agrotóxivos: princípios e recomendações, Embrapa Meio Ambiente: Jaguariúna, VAN DE WEERD, H.; LEIJNSE, A. & van RIEMSDIJK, W.H. Transport of reactive colloids and contaminants in groundwater: Effect of nonlinear kinetic interactions. In: WEBER, J. B.; WILKERSON, G. G.; REINHARDT, C. F.; Chemosphere, v.55, n 55, MEDEIROS,M.L.M.B.;NIEWEGLEWSKI, A.M.A; FOWLER, R.B.; ROLAND, T.R.; ZAPPIA, U.R.S.; FRANCO, P.L.P. Problemática de Agrotóxicos no Paraná. Curitiba, SUREHMA, p. MOREIRA, JC; PERES, F; PIGNATI, WA; DORES, EFGC. Avaliação do risco à saúde humana decorrente do uso de agrotóxicos na agricultura e pecuária na região Centro Oeste Relatório de Pesquisa. Brasília: CNPq / MOREIRA, F.M. S. E SIQUEIRA, J.O. Microbiologia e Bioquímica do Solo. Editora da Universidade Federal de Lavras.2006.

03 de Dezembro: Dia Internacional de Não Uso de Agrotóxicos

03 de Dezembro: Dia Internacional de Não Uso de Agrotóxicos 03 de Dezembro: Dia Internacional de Não Uso de Agrotóxicos Por ocasião do dia 3 de dezembro, data em que se celebra o Dia Internacional do Não Uso dos Agrotóxicos, a Campanha Permanente contra os Agrotóxicos

Leia mais

POSICIONAMENTO DO INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER JOSÉ ALENCAR GOMES DA SILVA ACERCA DOS AGROTÓXICOS

POSICIONAMENTO DO INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER JOSÉ ALENCAR GOMES DA SILVA ACERCA DOS AGROTÓXICOS POSICIONAMENTO DO INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER JOSÉ ALENCAR GOMES DA SILVA ACERCA DOS AGROTÓXICOS O Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA), órgão do Ministério da Saúde, tem como

Leia mais

AGROTÓXICOS E SAÚDE. Yamira Rodrigues - CCC Coletivo de Comunicação da Campanha

AGROTÓXICOS E SAÚDE. Yamira Rodrigues - CCC Coletivo de Comunicação da Campanha AGROTÓXICOS E SAÚDE Yamira Rodrigues - CCC Coletivo de Comunicação da Campanha Uma das matérias mais comentadas na nossa página no facebook foi com relação às amostras de alimentos com resíduos de agrotóxicos.

Leia mais

Agrotóxicos: Análises de Resíduos e Monitoramento

Agrotóxicos: Análises de Resíduos e Monitoramento Agrotóxicos: Análises de Resíduos e Monitoramento Nadia Regina Rodrigues Universidade Estadual de Campinas Centro Pluridisciplinar de Pesquisas Químicas, Biológicas e Agrícolas (CPQBA) Divisão de Análises

Leia mais

CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR

CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR 1 DELAI, Lucas da Silva; 1 ALVES Victor Michelon; 1 GREJIANIN, Gustavo; 1 PIRANHA, Michelle Marques

Leia mais

AGROTÓXICOS E INSALUBRIDADE: ANÁLISE DA PERCEPÇÃO AMBIENTAL DOS AGRICULTORES DE TEIXEIRAS - MG

AGROTÓXICOS E INSALUBRIDADE: ANÁLISE DA PERCEPÇÃO AMBIENTAL DOS AGRICULTORES DE TEIXEIRAS - MG AGROTÓXICOS E INSALUBRIDADE: ANÁLISE DA PERCEPÇÃO AMBIENTAL DOS AGRICULTORES DE TEIXEIRAS - MG Giovana Oliveira Bugana 1 Eloy Alves Filho 2 Arlete Salcides 3 Resumo Considerando que diversos desequilíbrios

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS NÍVEIS DE AGROTÓXICOS ENCONTRADOS NA ÁGUA DE ABASTECIMENTO NAS REGIÕES DE CURITIBA E LONDRINA

AVALIAÇÃO DOS NÍVEIS DE AGROTÓXICOS ENCONTRADOS NA ÁGUA DE ABASTECIMENTO NAS REGIÕES DE CURITIBA E LONDRINA AVALIAÇÃO DOS NÍVEIS DE AGROTÓXICOS ENCONTRADOS NA ÁGUA DE ABASTECIMENTO NAS REGIÕES DE CURITIBA E LONDRINA ANDREOLI, C. V.; HOPPEN, C.; FERREIRA, A. C. Avaliação dos Níveis de Agrotóxicos Encontrados

Leia mais

Registro de Agrotóxicos e Afins

Registro de Agrotóxicos e Afins MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA Registro de Agrotóxicos e Afins 5ª ª Reunião do GT/CONAMA-agrotóxicos Brasília, 29 de

Leia mais

WORKSHOP Vantagens do registro de produtos biológicos de controle de pragas

WORKSHOP Vantagens do registro de produtos biológicos de controle de pragas MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS IBAMA WORKSHOP Vantagens do registro de produtos biológicos de controle de pragas AVALIAÇÃO AMBIENTAL

Leia mais

IMPACTOS DOS AGROTÓXICOS NA SAÚDE DA POPULAÇÃO E SAÚDE AMBIENTAL

IMPACTOS DOS AGROTÓXICOS NA SAÚDE DA POPULAÇÃO E SAÚDE AMBIENTAL ATUALMENTE O BRASIL É O 1º CONSUMIDOR MUNDIAL DE AGROTÓXICOS E A BAHIA OCUPA O 7º LUGAR ENTRE OS ESTADOS DA FEDERAÇÃO IMPACTOS DOS AGROTÓXICOS NA SAÚDE DA POPULAÇÃO E SAÚDE AMBIENTAL Vamos conhecer mais

Leia mais

Impactos dos Agrotóxicos sobre a Saúde Humana Karen Friedrich

Impactos dos Agrotóxicos sobre a Saúde Humana Karen Friedrich Impactos dos Agrotóxicos sobre a Saúde Humana Karen Friedrich INCQS/FIOCRUZ Agosto/2014 CENÁRIO NACIONAL - Brasil maior mercado mundial de agrotóxicos desde 2008 (ANVISA) - U$ 7,3 bilhões em 2010; U$ 8,5

Leia mais

O VENENO ESTA NA MESA: MODELO DE ALIMENTAÇÃO, AGRICULTURA E SAÚDE NO BRASIL

O VENENO ESTA NA MESA: MODELO DE ALIMENTAÇÃO, AGRICULTURA E SAÚDE NO BRASIL O VENENO ESTA NA MESA: MODELO DE ALIMENTAÇÃO, AGRICULTURA E SAÚDE NO BRASIL Marilia Carla de Mello Gaia 1 Qual a primeira coisa que nos vem à cabeça quando nos deparamos com as lindas frutas e legumes

Leia mais

Agrotóxicos e seus Reflexos na Saúde

Agrotóxicos e seus Reflexos na Saúde Introdução Naara Ferreira Nicole Giacomolli Patrícia Guimarães Rosemere Gonçalves Agrotóxicos e seus Reflexos na Saúde De acordo com a legislação vigente, agrotóxicos são produtos e agentes de processos

Leia mais

Palavras chave: sustentabilidade, insumos agrícolas, empresas transnacionais.

Palavras chave: sustentabilidade, insumos agrícolas, empresas transnacionais. SEMEANDO A (IN) SUSTENTABILIDADE: DISCUSSÃO SOBRE A UTILIZAÇÃO DE INSUMOS QUÍMICOS NA AGRICULTURA Autora: Doris Sayago 1 Instituição: Centro de Desenvolvimento Sustentável CDS/UnB Palavras chave: sustentabilidade,

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES E RESPOSTAS.

PERGUNTAS FREQUENTES E RESPOSTAS. PERGUNTAS FREQUENTES E RESPOSTAS. O QUE É IMPORTANTE VOCÊ SABER SOBRE AGROTÓXICOS, CIÊNCIA E TECNOLOGIA. O que são os AGROTÓXICOS? Agrotóxicos, pesticidas, produtos fitossanitários, defensivos agrícolas

Leia mais

Poluição do Solo. Aprofundar os conhecimentos sobre como o solo pode ser poluído e as consequências para o homem e o meio ambiente.

Poluição do Solo. Aprofundar os conhecimentos sobre como o solo pode ser poluído e as consequências para o homem e o meio ambiente. Poluição do Solo 1) Objetivo Geral Aprofundar os conhecimentos sobre como o solo pode ser poluído e as consequências para o homem e o meio ambiente. 2) Objetivo Específico Conscientizar os alunos da importância

Leia mais

Legislação Federal e o Sistema de Registro de Agrotóxicos no Brasil

Legislação Federal e o Sistema de Registro de Agrotóxicos no Brasil Seminário Legislação de Agrotóxicos, Receituário Agronomico, Comercialização e Uso - Aspectos Técnicos e Legais Legislação Federal e o Sistema de Registro de Agrotóxicos no Brasil Engº Agrº Júlio Sérgio

Leia mais

CARTA DE SANTO ANDRÉ SOBRE AGROTÓXICOS

CARTA DE SANTO ANDRÉ SOBRE AGROTÓXICOS 1 1 1 1 1 0 1 0 1 CARTA DE SANTO ANDRÉ SOBRE AGROTÓXICOS Os participantes da Audiência Pública Contaminação por agrotóxicos nos alimentos em Santo André, promovida pela Defensoria Pública do Estado de

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

EVOLUÇÃO DO CONSUMO DE AGROTOXICOS NO BRASIL 2003-2007

EVOLUÇÃO DO CONSUMO DE AGROTOXICOS NO BRASIL 2003-2007 EVOLUÇÃO DO CONSUMO DE AGROTOXICOS NO BRASIL 2003-2007 Resumo com base em dados publicados pela Andef- Associação Nacional das Empresas de Defensivos Agrícolas (ORGANIZADOS pelo Diretor executivo da ANDEF

Leia mais

BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE

BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE Cláudio Martin Jonsson Vera Lúcia Castro Jaguariúna, outubro 2005. O modelo de agricultura utilizado atualmente visa

Leia mais

Sobre a incompetência do sistema de registro de agrotóxicos

Sobre a incompetência do sistema de registro de agrotóxicos Sobre a incompetência do sistema de registro de agrotóxicos Reginaldo Minaré A produção agrícola ocupa posição de destaque na comunidade brasileira, produz, de fato, os alimentos necessários à população

Leia mais

Mentira: O homem não precisa plantar transgênicos Mentira: As plantas transgênicas não trarão benefícios a sociedade

Mentira: O homem não precisa plantar transgênicos Mentira: As plantas transgênicas não trarão benefícios a sociedade Como toda nova ciência ou tecnologia, ela gera dúvidas e receios de mudanças. Isto acontece desde os tempos em que Galileo afirmou que era a Terra que girava em torno do Sol ou quando Oswaldo Cruz iniciou

Leia mais

Comportamento e Destino Ambiental de. Produtos Fitossanitários 18/09/2015. Produtos Fitossanitários

Comportamento e Destino Ambiental de. Produtos Fitossanitários 18/09/2015. Produtos Fitossanitários 2015 Comportamento e Destino Ambiental de Produtos Fitossanitários Claudio Spadotto, Ph.D. Pesquisador da Embrapa Gerente Geral da Embrapa Gestão Territorial Membro do Conselho Científico para Agricultura

Leia mais

I MPACTO AMBI ENTAL DA I RRI GAÇÃO NO BRASI L

I MPACTO AMBI ENTAL DA I RRI GAÇÃO NO BRASI L I MPACTO AMBI ENTAL DA I RRI GAÇÃO NO BRASI L Salassier Bernardo, Ph.D. UENF Este trabalho aborda aspectos do impacto ambiental da irrigação, considerando seus efeitos sobre modificação do meio ambiente,

Leia mais

AGROTÓXICOS: INTOXICAÇÕES PROJETO REBÔJO

AGROTÓXICOS: INTOXICAÇÕES PROJETO REBÔJO ENCARNITA SALAS MARTIN * INTRODUÇÃO AGROTÓXICOS: INTOXICAÇÕES PROJETO REBÔJO Agrotóxicos, defensivos agrícolas, praguicidas, pesticidas ou biocidas, são denominações de substâncias químicas naturais ou

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA Nº. 3, DE 10 DE MARÇO DE 2006

INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA Nº. 3, DE 10 DE MARÇO DE 2006 INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA Nº. 3, DE 10 DE MARÇO DE 2006 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO - MAPA, O DIRETOR PRESIDENTE DA AGÊNCIA NACIONAL DE

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

Culturas de Suporte Fitossanitário Insuficiente Cenário Mundial. Recife, 04 de dezembro de 2008

Culturas de Suporte Fitossanitário Insuficiente Cenário Mundial. Recife, 04 de dezembro de 2008 Culturas de Suporte Fitossanitário Insuficiente Cenário Mundial Recife, 04 de dezembro de 2008 Lei 7.802/1989 artigo 3º Agrotóxicos só poderão ser produzidos, importados, exportados, manipulados comercializados

Leia mais

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Resultados incluem primeiro ano de cultivo de milho geneticamente modificado, além das já tradicionais

Leia mais

FISCALIZAÇÃO DO COMÉRCIO E USO DE AGROTÓXICOS NO RIO GRANDE DO SUL. Departamento de Defesa Agropecuária Divisão de Insumos e Serviços Agropecuários

FISCALIZAÇÃO DO COMÉRCIO E USO DE AGROTÓXICOS NO RIO GRANDE DO SUL. Departamento de Defesa Agropecuária Divisão de Insumos e Serviços Agropecuários FISCALIZAÇÃO DO COMÉRCIO E USO DE AGROTÓXICOS NO RIO GRANDE DO SUL Departamento de Defesa Agropecuária Divisão de Insumos e Serviços Agropecuários 1 O que são agrotóxicos e afins? DEFINIÇÃO (Art. 1, inciso

Leia mais

25/06/2015 PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS. UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Câmpus de Jaboticabal DESENVOLVIMENTO DE PRODUTO. Sinonímias: Agrotóxicos

25/06/2015 PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS. UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Câmpus de Jaboticabal DESENVOLVIMENTO DE PRODUTO. Sinonímias: Agrotóxicos UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Câmpus de Jaboticabal Depto. Fitossanidade Tecnologia de Aplicação Introdução Cultivo de plantas graníferas (culturas anuais) na safra 2014/15: Área de 57,21 milhões de ha

Leia mais

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA O uso da terra no Brasil Evolução das Áreas de Produção Milhões de hectares 1960 1975 1985 1995 2006 Var.

Leia mais

AÇÕES DE RESPOSTA: VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL

AÇÕES DE RESPOSTA: VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL AÇÕES DE RESPOSTA: VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL 1. Conceito Por Aramis Cardoso A Vigilância em Saúde Ambiental é definida como o conjunto de ações que proporcionam o conhecimento e a detecção de qualquer

Leia mais

Acesso a Sementes, Soberania e Segurança alimentar Painel da Mesa de Controvérsias sobre Transgênicos

Acesso a Sementes, Soberania e Segurança alimentar Painel da Mesa de Controvérsias sobre Transgênicos Acesso a Sementes, Soberania e Segurança alimentar Painel da Mesa de Controvérsias sobre Transgênicos CONSEA Vicente Almeida Presidente do SINPAF O que é o SINPAF? É o Sindicato Nacional que representa

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA. Kênia Godoy

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA. Kênia Godoy MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA 48º CONGRESSO BRASILEIRO DE OLERICULTURA Lei dos agrotóxicos e implicações em minor crops

Leia mais

RESÍDUOS AGROSSILVOPASTORIS

RESÍDUOS AGROSSILVOPASTORIS RESÍDUOS AGROSSILVOPASTORIS Diretriz 01: Desenvolvimento e inovação de tecnologias para o aproveitamento de resíduos agrossilvopastoris 1.Estabelecimento de linhas de financiamento em condições específicas

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

Artigo. Qualidade da água em bacias hidrográficas rurais: um desafio atual para a sobrevivência futura. Merten, Gustavo H.* Minella, Jean P.

Artigo. Qualidade da água em bacias hidrográficas rurais: um desafio atual para a sobrevivência futura. Merten, Gustavo H.* Minella, Jean P. Qualidade da água em bacias hidrográficas rurais: um desafio atual para a sobrevivência futura Merten, Gustavo H.* Minella, Jean P.** Resumo A ocupação e uso do solo pelas atividades agropecuárias alteram

Leia mais

Estimativa do impacto ambiental gerado pelo cultivo da cenoura Brasília no Distrito Federal.

Estimativa do impacto ambiental gerado pelo cultivo da cenoura Brasília no Distrito Federal. Estimativa do impacto ambiental gerado pelo cultivo da cenoura Brasília no Distrito Federal. Adriana M. M. Pires 1 ; Jairo V. Vieira 1 ; Lúcia H. G. da Silva 1 1 Embrapa Hortaliças, Rodovia BR 060, km

Leia mais

Micotoxinas: exigências do mercado brasileiro

Micotoxinas: exigências do mercado brasileiro Micotoxinas: exigências do mercado brasileiro Myrna Sabino, E-mail: myrna.sabino@globo.com INTRODUÇÃO As micotoxinas são produzidas por várias espécies de fungos e são conhecidas por vários efeitos nocivos

Leia mais

04 a 06 de Novembro de 2015 Cuiabá - MT

04 a 06 de Novembro de 2015 Cuiabá - MT 04 a 06 de Novembro de 2015 Cuiabá - MT Padrões de evolução de atividades agropecuárias em regiões adjacentes ao Pantanal: o caso da série histórica da agricultura e da produção animal na bacia do Rio

Leia mais

Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana

Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana IV CONGRESSO BRASILEIRO DE QUALIDADE DO LEITE Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana Perigo (hazard): agente biológico, químico ou físico, ou propriedade do alimento

Leia mais

EIXO TECNOLÓGICO: RECURSOS NATURAIS. Disciplinas da Formação Técnica Específica - FTE. Gestão da Qualidade Segurança e Meio Ambiente

EIXO TECNOLÓGICO: RECURSOS NATURAIS. Disciplinas da Formação Técnica Específica - FTE. Gestão da Qualidade Segurança e Meio Ambiente SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DO E STADO DA BAHIA SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL- SUPROF DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DIRDEP EIXO TECNOLÓGICO: RECURSOS NATURAIS EMENTÁRIO:

Leia mais

FOLDER PRODUÇÃO INTEGRADA DE ARROZ IRRIGADO. Produção Integrada de Arroz Irrigado

FOLDER PRODUÇÃO INTEGRADA DE ARROZ IRRIGADO. Produção Integrada de Arroz Irrigado FOLDER PRODUÇÃO INTEGRADA DE ARROZ IRRIGADO Produção Integrada de Arroz Irrigado O que é a Produção Integrada de Arroz Irrigado? A Produção Integrada é definida como um sistema de produção agrícola de

Leia mais

Alimentação saudável, contra o uso abusivo de agrotóxicos

Alimentação saudável, contra o uso abusivo de agrotóxicos Alimentação saudável, contra o uso abusivo de agrotóxicos Alimento adequado e seguro é direito da população, e o uso indiscriminado de agrotóxicos envenena o planeta. Alimentação saudável, contra o uso

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA SDA/SDC/ANVISA/IBAMA Nº 1, DE 24 DE MAIO DE 2011.

INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA SDA/SDC/ANVISA/IBAMA Nº 1, DE 24 DE MAIO DE 2011. INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA SDA/SDC/ANVISA/IBAMA Nº 1, DE 24 DE MAIO DE 2011. O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO - MAPA, o SECRETÁRIO DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Jardel Peron Waquim Engenheiro Agrônomo

Jardel Peron Waquim Engenheiro Agrônomo Jardel Peron Waquim Engenheiro Agrônomo São os organismos que tiveram inseridos em seu código genético, genes estranhos de qualquer outro ser vivo Isolar o gene desejado, retirando-o da molécula de DNA

Leia mais

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 ROSEMEIRE SANTOS Superintendente Técnica Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária

Leia mais

NVRAnB/ DVAS/ CEVS/SES

NVRAnB/ DVAS/ CEVS/SES ÁREAS CONTAMINADAS : RISCOS À SAÚDE HUMANA Seminário Sul-Brasileiro de Gerenciamento de Áreas Contaminadas 3 e 4 de setembro de 2012, Porto Alegre RS NVRAnB/ DVAS/ CEVS/SES P R O M O Ç Ã O DETERMINANTES

Leia mais

1ª REUNIÃO GLOBAL SOBRE PECUÁRIA SUSTENTÁVEL

1ª REUNIÃO GLOBAL SOBRE PECUÁRIA SUSTENTÁVEL Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - MAPA 1ª REUNIÃO GLOBAL SOBRE PECUÁRIA SUSTENTÁVEL Tema: Políticas Públicas no Brasil para o Desenvolvimento da Pecuária Sustentável Plano ABC Elvison

Leia mais

Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira SÃO PAULO SP 22 / 05 / 2013

Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira SÃO PAULO SP 22 / 05 / 2013 Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira SÃO PAULO SP 22 / 05 / 2013 SOJA BRASILEIRA A soja é a principal cultura agrícola do Brasil - 28 milhões de ha (25% da área mundial plantada)

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA Nº 32, DE 26 DE OUTUBRO DE 2005

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA Nº 32, DE 26 DE OUTUBRO DE 2005 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA Nº 32, DE 26 DE OUTUBRO DE 2005 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,

Leia mais

ALVES 1,1, Paulo Roberto Rodrigues BATISTA 1,2, Jacinto de Luna SOUZA 1,3, Mileny dos Santos

ALVES 1,1, Paulo Roberto Rodrigues BATISTA 1,2, Jacinto de Luna SOUZA 1,3, Mileny dos Santos DIFUSÃO DA TECNOLOGIA DE CONTROLE BIOLÓGICO DE INSETOS - PRAGAS COMO INSTRUMENTO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM ESCOLAS PÚBLICAS DO ENSINO FUNDAMENTAL II NO MUNICÍPIO DE AREIA - PB ALVES 1,1, Paulo Roberto Rodrigues

Leia mais

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes de Milho

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes de Milho Milho e Sorgo Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes de Milho Sete Lagoas Março 2012 Economia do Uso de Novas Tecnologias A escolha racional do agricultor: Aumento da produtividade dos

Leia mais

Saneamento Básico na Área Rural. Fontes dispersas com ênfase nos resíduos orgânicos

Saneamento Básico na Área Rural. Fontes dispersas com ênfase nos resíduos orgânicos Saneamento Básico na Área Rural Fontes dispersas com ênfase nos resíduos orgânicos MSc. Lilian F. de Almeida Martelli São Carlos, 30 de Outubro de 2013 BRASIL: o Celeiro do mundo Destaque na produção agrícola

Leia mais

Agrotóxicos Adjuvantes e Produtos Afins. Autor: Douglas Fernando Ferrari Auditor em Saúde e Segurança do Trabalho IAS/ABNT.

Agrotóxicos Adjuvantes e Produtos Afins. Autor: Douglas Fernando Ferrari Auditor em Saúde e Segurança do Trabalho IAS/ABNT. Agrotóxicos Adjuvantes e Produtos Afins Autor: Douglas Fernando Ferrari Auditor em Saúde e Segurança do Trabalho IAS/ABNT. AGROTÓXICOS DEFINIÇÃO: Agrotóxicos são produtos químicos utilizados para combater

Leia mais

Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde

Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde Naraiana Agapito, naraagapito@yahoo.com.br 1 Introdução Embora a geração de resíduos oriundos das atividades humanas faça parte da própria história do homem,

Leia mais

Glossário. Caso Pendente de Intoxicação: aquele que não passou por avaliação médica.(oms)

Glossário. Caso Pendente de Intoxicação: aquele que não passou por avaliação médica.(oms) Toxicovigilância Glossário Agente Tóxico (Toxicante): é qualquer substância, ou seus metabólitos, capaz de produzir um efeito tóxico (nocivo, danoso) num organismo vivo, ocasionando desde alterações bioquímicas,

Leia mais

INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA

INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA TEL +55 34 3229 1313 FAX +55 34 3229 4949 celeres@celeres.com.br celeres.com.br IB14.03 16 de dezembro de 2014 INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA Conteúdo Análise Geral... 2 Tabelas... 5 Figuras Figura 1. Adoção

Leia mais

Mudanças do clima, mudanças no campo

Mudanças do clima, mudanças no campo Mudanças do clima, mudanças no campo Sumário executivo do relatório escrito por Jessica Bellarby, Bente Foereid, Astley Hastings e Pete Smith, da Escola de Ciências Biológicas da Universidade de Aberdeen

Leia mais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais Alexandre Sylvio Vieira da Costa 1 1.Engenheiro Agrônomo. Professor Universidade Vale do Rio Doce/Coordenador Adjunto da Câmara

Leia mais

Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012

Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012 11 Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012 Dirceu Luiz Broch Roney Simões Pedroso 1 2 11.1. Introdução Os sistemas de produção da atividade agropecuária cada vez mais requerem um grau de conhecimento

Leia mais

Uso de agrotóxicos, seus efeitos para a saúde e o ambiente e o uso de outras alternativas

Uso de agrotóxicos, seus efeitos para a saúde e o ambiente e o uso de outras alternativas Uso de agrotóxicos, seus efeitos para a saúde e o ambiente e o uso de outras alternativas Maria Irani Fernandes Moreira 1 e José Robério de Sousa Almeida 2 1 Aluna da Faculdade de Filosofia Dom Aureliano

Leia mais

Gás LP no Brasil: Energia limpa e abundante para o agronegócio e áreas remotas

Gás LP no Brasil: Energia limpa e abundante para o agronegócio e áreas remotas Gás LP no Brasil: Energia limpa e abundante para o agronegócio e áreas remotas O que é o Gás LP? - O Gás LP é composto da mistura de dois gases, sendo 30% de butano e 70% de propano. - Por ser um produto

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL GERÊNCIA DE PROJETOS MINERÁRIOS

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL GERÊNCIA DE PROJETOS MINERÁRIOS GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL GERÊNCIA DE PROJETOS MINERÁRIOS ITAITUBA PA Junho/2012 O QUE É O LICENCIAMENTO AMBIENTAL? O Licenciamento

Leia mais

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água.

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. ÁGUA Água conhecida como elemento vital Comunidades primitivas evoluídas Água Sobrevivência História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. Civilizações mais primitivas comunidades nômades

Leia mais

AGRICULTURA ORGÂNICA

AGRICULTURA ORGÂNICA Conceitos básicos Oficina do Grupo Meio Ambiente, Mudanças Climáticas e Pobreza Setembro 2009 O que é De modo geral, a agricultura orgânica é uma forma de produção agrícola que não utiliza agrotóxicos,

Leia mais

RESÍDUOS DE PRAGUICIDAS ORGANOCLORADOS EM MEL DE ABELHAS DO ESTADO DE SÃO PAULO, BRASIL

RESÍDUOS DE PRAGUICIDAS ORGANOCLORADOS EM MEL DE ABELHAS DO ESTADO DE SÃO PAULO, BRASIL 1 RESÍDUOS DE PRAGUICIDAS ORGANOCLORADOS EM MEL DE ABELHAS DO ESTADO DE SÃO PAULO, BRASIL ORGANOCHLORINE PESTICIDE RESIDUES IN HONEYS FROM SÃO PAULO STATE, BRAZIL SUSANA MOHR 1*, THIAGO GUILHERME SCHWANZ

Leia mais

Oi amigos. A maioria de vocês já me conhece, eu sou o Kiko, o amigo do futuro, e vou apresentar a vocês o Tibum, que é o amigo da água.

Oi amigos. A maioria de vocês já me conhece, eu sou o Kiko, o amigo do futuro, e vou apresentar a vocês o Tibum, que é o amigo da água. Oi amigos. A maioria de vocês já me conhece, eu sou o Kiko, o amigo do futuro, e vou apresentar a vocês o Tibum, que é o amigo da água. 01 Água no corpo humano: cérebro 75% sangue 81% músculos 75% coração

Leia mais

XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE

XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE RESÍDUOS DE AGROTÓXICOS EM ALIMENTOS COLETADOS NO ESTADO DA PARAÍBA: RISCOS AOS CORPOS HÍDRICOS E A SAÚDE HUMANA Luciano Alberto Lins Filho 1 ; Elisângela

Leia mais

Mudanças Socioambientais Globais, Clima e Desastres Naturais

Mudanças Socioambientais Globais, Clima e Desastres Naturais Mudanças Socioambientais Globais, Clima e Desastres Naturais (ENSP/FIOCRUZ) Centro de Estudos e Pesquisas em Emergências e Desastres (CEPEDES) Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ) AS MUDANÇAS SOCIOAMBIENTAIS

Leia mais

4º ENCONTRO DE FISCALIZAÇÃO E SEMINÁRIO REGIONAL SOBRE AGROTÓXICOS Regional Sul/ Sudeste/ Centro-Oeste. Carta de Goiânia

4º ENCONTRO DE FISCALIZAÇÃO E SEMINÁRIO REGIONAL SOBRE AGROTÓXICOS Regional Sul/ Sudeste/ Centro-Oeste. Carta de Goiânia 4º ENCONTRO DE FISCALIZAÇÃO E SEMINÁRIO REGIONAL SOBRE AGROTÓXICOS Regional Sul/ Sudeste/ Centro-Oeste Carta de Goiânia Aos 15 dias do mês de abril do ano de, nesta cidade de Goiânia, GO, representantes

Leia mais

SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL: A QUESTÃO DOS AGROTÓXICOS

SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL: A QUESTÃO DOS AGROTÓXICOS SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL: A QUESTÃO DOS AGROTÓXICOS Giselle Freitas Nutricionista CRN1-576 Especialista em Saúde Pública USP Especialista em Consultoria Alimentar e Nutricional UFG Fiscal de Saúde Pública

Leia mais

CADASTRO E PLANO DE TRABALHO SIMPLIFICADO ANTECIPAÇÃO DO VAZIO SANITÁRIO DA SOJA - SAFRA 2015/16

CADASTRO E PLANO DE TRABALHO SIMPLIFICADO ANTECIPAÇÃO DO VAZIO SANITÁRIO DA SOJA - SAFRA 2015/16 CADASTRO E PLANO DE TRABALHO SIMPLIFICADO ANTECIPAÇÃO DO VAZIO SANITÁRIO DA SOJA - SAFRA 2015/16 IDENTIFICAÇÃO DO IRRIGANTE Nome do Produtor: Nome da Propriedade: Endereço da Lavoura: CEP: Município: Estado:

Leia mais

Desenvolvimento de software para previsão do comportamento dos pesticidas no ambiente e seu impacto causado na fauna.

Desenvolvimento de software para previsão do comportamento dos pesticidas no ambiente e seu impacto causado na fauna. Desenvolvimento de software para previsão do comportamento dos pesticidas no ambiente e seu impacto causado na fauna. Adolfo Luís de CARVALHO 1 ; Vinícius Alves SILVA 2 ; Gustavo Rabelo Botrel MIRANDA

Leia mais

AÇÕES DE VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA EM TERESINA - PI

AÇÕES DE VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA EM TERESINA - PI AÇÕES DE VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA EM TERESINA - PI Ferreira, L.C.R.P. (1) ; Lima, N.A. (2) ; Muratori, M.C.S. (3) ; Júnior, M.H.K. (3) ; Aragão, L.V.O. (4) ligia_calina@hotmail.com (1) Programa

Leia mais

VIGILÂNCIA AMBIENTAL

VIGILÂNCIA AMBIENTAL VIGILÂNCIA AMBIENTAL VIGILÂNCIA AMBIENTAL Introdução Considera-se a vigilância ambiental como o processo contínuo de coleta de dados e análise de informação sobre saúde e ambiente, com o intuito de orientar

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA - GARANTINDO QUALIDADE E PROMOVENDO A SAÚDE PÚLICA. Eng Roseane Maria Garcia Lopes de Souza

PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA - GARANTINDO QUALIDADE E PROMOVENDO A SAÚDE PÚLICA. Eng Roseane Maria Garcia Lopes de Souza PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA - GARANTINDO QUALIDADE E PROMOVENDO A SAÚDE PÚLICA Eng Roseane Maria Garcia Lopes de Souza 2 INDICE 1 Saúde Pública e Saneamento 2 Portaria 2914/2011 3 PSA 3 INDICE 1 Saúde Pública

Leia mais

METAIS PESADOS NO AMBIENTE. PRINCIPAIS : Hg, Pb, Cd, As (USO EXTENSIVO, TOXICIDADE, LARGA DISTRIBUIÇÃO, OCORRÊNCIA FREQUENTE DE NÍVEIS TÓXICOS.

METAIS PESADOS NO AMBIENTE. PRINCIPAIS : Hg, Pb, Cd, As (USO EXTENSIVO, TOXICIDADE, LARGA DISTRIBUIÇÃO, OCORRÊNCIA FREQUENTE DE NÍVEIS TÓXICOS. METAIS PESADOS NO AMBIENTE PRINCIPAIS : Hg, Pb, Cd, As (USO EXTENSIVO, TOXICIDADE, LARGA DISTRIBUIÇÃO, OCORRÊNCIA FREQUENTE DE NÍVEIS TÓXICOS. COMPORTAMENTO NO AMBIENTE: NÃO SÃO DEGRADÁVEIS? ACUMULAM NO

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC. Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC)

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC. Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC) Serviço Nacional de Aprendizagem Rural Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC) Descrição do contexto

Leia mais

ENCONTRO ÁGUA E FLORESTA GESTÃO INTEGRADA DOS RECURSOS HÍDRICOS

ENCONTRO ÁGUA E FLORESTA GESTÃO INTEGRADA DOS RECURSOS HÍDRICOS ENCONTRO ÁGUA E FLORESTA GESTÃO INTEGRADA DOS RECURSOS HÍDRICOS Prof. Demetrios Christofidis EDUCAÇÃO PARA MUDANÇA DE TRAJETÓRIA CONSTITUIÇÃO FEDERAL Lei nº 9.984/2000 Criação da ANA 1988 1997 2000 2002

Leia mais

Sistemas de manejo do solo

Sistemas de manejo do solo Sistemas de manejo do solo Introdução Uso e preparo do solo O arado. Evolução dos conhecimentos de uso e manejo do solo. O Ecossistema tropical Temperatura elevada e solos muito imteperizados 1 Sistemas

Leia mais

MONITORAMENTO AMBIENTAL E O MONITORAMENTO DA AMBIÊNCIA

MONITORAMENTO AMBIENTAL E O MONITORAMENTO DA AMBIÊNCIA Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Agrícola Programa de Pós-Graduação em Engenharia Agrícola MONITORAMENTO AMBIENTAL E O MONITORAMENTO DA AMBIÊNCIA Mariana

Leia mais

Resíduos de agrotóxicos e fármacos veterinários em alimentos

Resíduos de agrotóxicos e fármacos veterinários em alimentos Resíduos de agrotóxicos e fármacos veterinários em alimentos Prof. Dr. Felix G.R. Reyes DCA / FEA / UNICAMP E mail: reyesfgr@fea.unicamp.br Grupo de Toxicologia de Alimentos e Fármacos Resíduos de agrotóxicos

Leia mais

DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98

DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98 DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98 O DIRETOR-GERAL DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL - DNPM, no uso das atribuições que lhe confere

Leia mais

BANCO DA AMAZÔNIA. Seminário Programa ABC

BANCO DA AMAZÔNIA. Seminário Programa ABC BANCO DA AMAZÔNIA Seminário Programa ABC O BANCO DA AMAZÔNIA Missão Criar soluções para que a Amazônia atinja patamares inéditos de desenvolvimento sustentável a partir do empreendedorismo consciente.

Leia mais

Esclarecimento 1/2015

Esclarecimento 1/2015 Segurança Alimentar Produção primária de vegetais e operações conexas Esclarecimento 1/2015 Clarificam-se: o conceito de produção primária de vegetais e operações conexas, as medidas a adotar para o controlo

Leia mais

Érika Dolores Izenez Portela Karina do Espírito Santo Laís Guerra Taynãn Paes

Érika Dolores Izenez Portela Karina do Espírito Santo Laís Guerra Taynãn Paes Érika Dolores Izenez Portela Karina do Espírito Santo Laís Guerra Taynãn Paes POLÍTICAS PÚBLICAS ATRAVÉS DA VALORAÇÃO DE SERVIÇOS AMBIENTAIS: ESTUDO DE CASO PARANÁ / MATA CILIAR Juiz de Fora 2008 3 Érika

Leia mais

ABASTECIMENTO DE ÁGUA SOLUÇÕES ALTERNATIVAS

ABASTECIMENTO DE ÁGUA SOLUÇÕES ALTERNATIVAS UFPR Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Setor de Ciências da Saúde Departamento de Saude Comunitária ABASTECIMENTO DE ÁGUA Profª. Eliane Carneiro Gomes Departamento de Saúde Comunitária

Leia mais

Leticia Rodrigues da Silva Gerência Geral de Toxicologia

Leticia Rodrigues da Silva Gerência Geral de Toxicologia Reavaliação de Agrotóxicos no Brasil Leticia Rodrigues da Silva Gerência Geral de Toxicologia Bases para a Reavaliação Lei 7.802/89 Quando organizações internacionais responsáveis pela saúde, alimentação

Leia mais

Composição do solo. 3 partes: Física: granulometria, porosidade, textura, dadas principalmente pelos. Químico: nutrientes disponíveis e ph

Composição do solo. 3 partes: Física: granulometria, porosidade, textura, dadas principalmente pelos. Químico: nutrientes disponíveis e ph JARDINAGEM O que é solo? O solo é a camada superficial da crosta terrestre, sendo formado basicamente por aglomerados minerais, matéria orgânica oriunda da decomposição de animais e plantas e organismos

Leia mais

ATUAÇÃO DA ANVISA NO CONTROLE SANITÁRIO DE ALIMENTOS Previsões 2014

ATUAÇÃO DA ANVISA NO CONTROLE SANITÁRIO DE ALIMENTOS Previsões 2014 Reunião ILSI São Paulo, 5 de dezembro de 2013 ATUAÇÃO DA ANVISA NO CONTROLE SANITÁRIO DE ALIMENTOS Previsões 2014 William Cesar Latorre Gerente de Inspeção e Controle de Riscos em Alimentos Gerência Geral

Leia mais

Forest Stewardship Council FSC Brasil

Forest Stewardship Council FSC Brasil São Paulo, 19 de dezembro de 2014. Edital de convocação Candidatura para Grupo Consultivo Nacional de Manejo Integrado de Pragas (GCNMIP) O Conselho Brasileiro de Manejo Florestal FSC Brasil, é uma organização

Leia mais

Senado Federal. Mecanismos de Regulação e Controle de Agrotóxicos no Brasil

Senado Federal. Mecanismos de Regulação e Controle de Agrotóxicos no Brasil Diretoria José Agenor Álvares - DIAGE Gerência Geral de Toxicologia Senado Federal Comissão de Agricultura e Reforma Agrária ria Mecanismos de Regulação e Controle de Agrotóxicos no Brasil Luiz Claúdio

Leia mais

PROPOSTA DE ELABORAÇÃO ESCOPO. Diretrizes Diagnósticas e Terapêuticas Intoxicação por Agrotóxicos

PROPOSTA DE ELABORAÇÃO ESCOPO. Diretrizes Diagnósticas e Terapêuticas Intoxicação por Agrotóxicos PROPOSTA DE ELABORAÇÃO ESCOPO Diretrizes Diagnósticas e Terapêuticas Intoxicação por Agrotóxicos Novembro/2015 1 APRESENTAÇÃO A presente proposta de elaboração de Diretrizes Diagnósticas e Terapêuticas

Leia mais

Larissa Milaré Larissa Terumi Mariana Santos Vivian Tazima

Larissa Milaré Larissa Terumi Mariana Santos Vivian Tazima Larissa Milaré Larissa Terumi Mariana Santos Vivian Tazima Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Por poluição entende-se a introdução pelo homem, direta ou indiretamente, de substâncias ou energia

Leia mais

INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA

INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA TEL +55 34 3229 1313 FAX +55 34 3229 4949 celeres@celeres.com.br celeres.com.br IB14.01 9 de abril de 2014 INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA Conteúdo Análise Geral... 2 Tabelas... 6 Figuras Figura 1. Adoção da

Leia mais

Avaliação de Risco Ecológico

Avaliação de Risco Ecológico Seminário de Gerenciamento de Áreas Contaminadas Avaliação de Risco Ecológico Cristiane Lima Analista de Risco Ambiental Engenheira Química, D.Sc. O que é Avaliação de Risco Ecológico? Processo em que

Leia mais