Engenheiro de Redes de Comunicações pela Universidade de Brasília (UnB, 2010).

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Engenheiro de Redes de Comunicações pela Universidade de Brasília (UnB, 2010)."

Transcrição

1 Redes Ópticas II: Sistema OFDM com Detecção Direta sobre Fibra Multimodo Esta série de tutoriais apresenta uma proposta de sistema óptico baseado em multiplexação por divisão de frequências ortogonais (Orthogonal Frequency Division Multiplexing - OFDM) sobre fibra multimodo, que se mostra ser uma boa solução para enlaces FTTH (Fiber to the Home). Este sistema se caracteriza por gerar um sinal OFDM em banda base, tornando possível o uso de apenas um modulador de intensidade na transmissão e de um fotodiodo que faz a detecção direta do sinal na recepção. O efeito da dispersão modal, grande empecilho para o uso de fibras multimodo, é controlado com o uso do prefixo cíclico que é inserido em cada símbolo OFDM. Desta forma, pode-se aumentar o alcance do enlace e/ou aumentar a taxa de transmissão. Para estudar o comportamento deste sistema, foi calculada a resposta impulsional de uma fibra de índice degrau a partir da solução das equações que regem os campos elétrico e magnético guiados na fibra. Assim, conhecendo o comportamento do canal, foram realizadas simulações em Matlab que reproduziram o funcionamento do sistema. Os resultados indicam a possibilidade de se oferecer taxas relativamente altas para redes de acesso por fibras multimodo. Os tutoriais foram preparados a partir do trabalho de conclusão de curso Sistema OFDM com Detecção Direta sobre Fibra Multimodo, elaborado pelo autor, e apresentado ao Departamento de Engenharia Elétrica da Faculdade de Tecnologia da Universidade de Brasília como requisito parcial para obtenção do grau de Engenheiro de Redes de Comunicação. Foi orientador do trabalho o Prof. Dr. Darli Agusto de Arruda Mello. Este tutorial parte II apresenta a forma de cálculo da resposta impulsiva de uma Fibra Multimodo de Índice Degrau, detalhando as soluções para o campo no núcleo e na casca, a classificação dos modos e os atrasos e amplitudes modais, os resultados da simulação realizada através do Software MATLAB, e finaliza com a conclusão da avaliação realizada. Felipe Kennedy Ferreira Lopes Engenheiro de Redes de Comunicações pela Universidade de Brasília (UnB, 2010). Atualmente é Analista em TI do Ministério do Planejamento, compondo a equipe do Departamento de Serviços de Rede, responsável pela gestão da rede INFOVIA Brasília, anel óptico que interliga mais de 180 órgãos públicos federais no Distrito Federal. 1

2 Categoria: Redes Ópticas Nível: Introdutório Enfoque: Técnico Duração: 15 minutos Publicado em: 22/10/2012 2

3 Redes Ópticas II: Introdução Este trabalho apresenta uma proposta de sistema óptico baseado em multiplexação por divisão de frequências ortogonais (Orthogonal Frequency Division Multiplexing - OFDM) sobre fibra multimodo, que se mostra ser uma boa solução para enlaces FTTH (Fiber to the Home). Este sistema se caracteriza por gerar um sinal OFDM em banda base, tornando possível o uso de apenas um modulador de intensidade na transmissão e de um fotodiodo que faz a detecção direta do sinal na recepção. O efeito da dispersão modal, grande empecilho para o uso de fibras multimodo, é controlado com o uso do prefixo cíclico que é inserido em cada símbolo OFDM. Desta forma, pode-se aumentar o alcance do enlace e/ou aumentar a taxa de transmissão. Para estudar o comportamento deste sistema, foi calculada a resposta impulsional de uma fibra de índice degrau a partir da solução das equações que regem os campos elétrico e magnético guiados na fibra. Assim, conhecendo o comportamento do canal, foram realizadas simulações em Matlab que reproduziram o funcionamento do sistema. Os resultados indicam a possibilidade de se oferecer taxas relativamente altas para redes de acesso por fibras multimodo. Tutoriais O tutorial parte I apresentou inicialmente a motivação para o uso da Modulação OFDM nos modernos sistemas de telecomunicações, a seguir apresentou as técnicas de geração de sinais OFDM, com especial ênfase ao sinal OFDM Real, e finaliza com a apresentação da técnica de introdução de Prefixos Cíclicos nos sinais OFDM e das tecnologias dos moduladores ópticos. Este tutorial parte II apresenta a forma de cálculo da resposta impulsiva de uma Fibra Multimodo de Índice Degrau, detalhando as soluções para o campo no núcleo e na casca, a classificação dos modos e os atrasos e amplitudes modais, os resultados da simulação realizada através do Software MATLAB, e finaliza com a conclusão da avaliação realizada. 3

4 Redes Ópticas II: Cálculo da Resposta Impulsiva de Fibra Multimodo - 1 Nesta seção é feito um estudo da teoria matemática dos campos elétrico e magnético que formam os modos que se propagam nas fibras multimodo de índice de refração com o perfil degrau. O objetivo é identificar o comportamento de cada modo, como eles viajam pelo enlace óptico e assim calcular a resposta ao impulso deste tipo de fibra, o que é fundamental para o dimensionamento de um sistema cuja intenção é reduzir os impactos da dispersão modal. Como todos os fenômenos eletromagnéticos, as ondas emitidas pelos Lasers e LEDs são governadas pelas equações de Maxwell [20], e a partir delas pode-se chegar à equação da onda para os campos elétrico e magnético: (3.1) (3.2) Onde n é o índice de refração do meio, ω é a frequência angular (2 f) e c é velocidade da luz. A definição de modos provém destas equações. Os campos elétrico e magnético no núcleo ( ~ E nucleo e ~ H nucleo ) e na casca ( ~ E casca e ~ H casca ) devem satisfazer as equações (3.1) e (3.2), respectivamente, e estes campos são relacionados pelas condições de contorno de ~ E e ~ H na interface casca-núcleo. Assim, cada par de soluções destas equações da onda que satisfaçam essas condições de contorno é um modo da fibra. Considerando que a direção de propagação da onda eletromagnética é ze que as propriedades da fibra (raio do núcleo, índice de refração) são independentes de z, então a dependência que os campos elétrico e magnético têm de zé da forma e jβz, em que β é uma quantidade chamada de constante de propagação medida em unidades de radianos por unidades de comprimento, e ela determina a velocidade com que cada modo viaja pela fibra. Cada modo é associado a uma diferente constante de propagação (se os modos forem não degenerativos), assim, um pulso que é enviado pela fibra e que se divide em vários modos terá sua energia distribuída em campos que se propagam em diferentes velocidades. Isto faz com que este pulso se espalhe à medida que ele trafega ao longo da fibra, o que não é desejável em um sistema de comunicação, pois isto é um grande causador de interferência intersimbólica. No caso de uma onda monocromática, isto é, que possui toda sua energia concentrada em uma única frequência angular ω, e que esteja se propagando em um meio homogêneo de índice de refração n, a constante de propagação é definida por 2 f/λ ou kn, onde k = 2 /λ é o número de onda. Então, a constante de propagação de uma onda que se propaga puramente no núcleo será kn 1 e a de outra que se propaga somente na casca será kn 2. Na fibra óptica, parte dos modos se propaga pelo núcleo e parte pela casca. Desta forma, as constantes de propagação estarão sempre obedecendo kn 2 < β < kn 1 e cada modo poderá também ser caracterizado por seu índice de refração efetivo n eff = β/k, que sempre terá seu valor entre n 1 e n 2. No caso de uma onda monocromática em um fibra monomodo, n eff será análogo ao índice de refração, ou seja, a velocidade de propagação da onda será [16]. As soluções encontradas para (3.1) e (3.2), que são encontradas em [7], levam a uma expressão que define a frequência normalizada [7] ou número de onda normalizado [16], que é o parâmetro V: 4

5 (3.3) Onde a é o raio do núcleo, λ é o comprimento de onda, n 1 é o índice de refração no núcleo e n 2 é o índice de refração na casca. A condição para que a fibra seja monomodo, ou seja, apenas o modo fundamental trafegue por ela, é V < [16]. Isto significa que o número de modos que uma fibra transporta depende de um conjunto de parâmetros da fibra (n 1, n 2 e a) e do comprimento de onda no qual o sinal se encontra. Para uma análise rápida, pode-se ver que a presença do raio do núcleo a no numerador da expressão já explica porque as fibras monomodo possuem raio em torno de 4 µm e as fibras multimodo possuem raio em torno de 25 µm, isto é, quanto maior a, mais modos serão transportados na fibra. A teoria das fibras multimodo permite representar sua resposta impulsiva por uma combinação linear de contribuições individuais dos modos no domínio do tempo. Cada grupo modal excitado representa uma fração do total da potência lançada na fibra ponderados cada um por um coeficiente α j, onde, pela conservação de energia, Σ M j=1 α j = 1. Além de levar uma fração da potência total, cada grupo modal é caracterizado por possuir uma velocidade de propagação distinta dos outros grupos modais, o que produz a dispersão modal ao longo do enlace. Os modos guiados por uma fibra multimodo são agrupados em famílias nas quais os modos possuem constantes de propagação similares. Aqui é assumido que o acoplamento dentro de um grupo modal é completo, ou seja, não existe dispersão modal entre os modos de um grupo modal. Se não há mistura entre grupos modais, cada um destes grupos se propaga como se fossem um único modo de propagação, viajando com sua velocidade de grupo sem espalhamento [21]. Neste caso, a resposta impulsiva h mmf da fibra multimodo pode ser modelada como: (3.4) Onde M é o número de modos em propagação, z a distância percorrida e t, o atraso modal por unidade de distância medido, por exemplo, em s/km. Para a apresentação matemática da teoria dos campos modais será aproveitada a simetria cilíndrica da fibra óptica para o uso do sistema de coordenadas cilíndricas para representar a dependência espacial de cada componente Cartesiano dos campos, ou seja, o campo elétrico e o campo magnético são referenciados por E = (E x, E y, E z ) e H = (E x, H y, H z ), respectivamente, enquanto a dependência espacial de cada um desses componentes é representada pelo sistema de coordenadas cilíndricas (r,φ, z). A dependência longitudinal de cada componente do campo é representada pelo fasor complexo e j(ωt-βz) : (3.5) (3.6) 5

6 A Figura 1 mostra bem como o campo elétrico genérico é formado pela soma dos vetores nas direçõesx, y e z. É mostrado também que cada uma das três componentes possui sua dependência espacial sobre o plano transversal (r, Φ) e o comportamento longitudinal controlado pela variável z através do termo e j(ωt-βz). Em fibras multimodo com índice degrau, o índice de refração n assume diferentes valores constantes tanto no núcleo quanto na casca. Na referência [9] foi demonstrado, partindo das equações de Maxwell (3.1) e (3.2), que neste tipo de fibra as equações dos vetores de onda dos campos elétricos e magnéticos são reduzidas exatamente para: Figura 1: Sistema de coordenadas cilíndricas do campo elétrico A Figura 1 apresenta um sistema de coordenadas cilíndricas para descrever a dependência espacial de cada componente Cartesiana do campo elétrico. Uma descrição similar é usada para o campo magnético. (3.7) Onde: (3.8) (3.9) É o Laplaciano transversal e os campos elétrico e magnético são expressos na representação Cartesiana, como na Equação (3.6). Estas equações são separáveis, levando à mesma equação da onda escalar para um componente Cartesiano genérico [9]. A função genérica escalar ψ(r, Φ) é definida sobre o plano transversal e representa qualquer componente Cartesiana de E(r, Φ) ou H(r, Φ): (3.10) Usando (3.9) chega-se à equação diferencial parcial de segunda ordem a ser satisfeita: (3.11) 6

7 Soluções para o Campo no Núcleo e na Casca Para a resolução deste tipo de equação diferencial pode ser usado o método de separação de variáveis, definindo: O que resulta na forma separada de (3.11): (3.12) (3.13) (3.14) A Equação (3.14) é conhecida como equação harmônica e para todo valor real da constante v, a solução pode ser qualquer função harmônica do ângulo azimutal Φ, ou qualquer combinação linear entre elas: (3.15) Já a equação radial (3.13) pode ser resolvida analiticamente e na próxima Seção será visto como chegar a soluções fisicamente consistentes para as equações que descrevem o campo. A equação (3.13) coincide com a equação diferencial de Bessel cuja solução é uma combinação linear de funções de Bessel. Para cada v inteiro, existe uma solução geral diferente, dependendo do valor da constante de fase transversal k, definida como: (3.16) Se a constante de fase transversal for real, então k 2 > 0 e β < kn, e a solução geral para a equação diferencial de Bessel (3.13) será uma combinação linear do primeiro tipo J v (kr) com a do segundo tipoy v (kr), ambas recebendo o mesmo argumento Kr [9]. Logo, para este caso: (3.17) Para o caso em que a constante de fase transversal é imaginária, k 2 > 0 e β > kn e uma possível solução pode ser encontrada usando a função de Hankel [22], que se relaciona com as funções de Bessel da seguinte forma: (3.18) Estas são possíveis soluções matemáticas para a solução da componente radial da equação escalar da onda. Porém, ao analisar o comportamento destas funções de Bessel, algumas dessas soluções serão 7

8 descartadas devido às suas inconsistências físicas. A seguir estão as figuras das funções de Bessel do primeiro tipo J v (kr) e do segundo tipo Y v (kr) para os primeiros valores inteiros de v, e é possível perceber que ambas possuem um comportamento oscilatório e decrescente quando r tende ao infinito. Em particular, a função J v (kr) (Figura 2) possui valores finitos no eixo da fibra, o que a faz uma opção viável para ser solução consistente fisicamente: Figura 2: Representação qualitativa da função de Bessel Jv(kr) Já a função Y v (kr) (Figura 3) tende a menos infinito quando kr tende a 0. Figura 3: Representação qualitativa da função de Bessel Yv(kr) Para se obter uma solução consistente fisicamente, é escolhido k 2 > 0 na região do núcleo e k 2 < 0 na região da casca. Desta forma a propriedade fundamental da constante de fase é atendida para todo modo guiado na fibra: (3.19) Onde n 1 é o índice de refração no núcleo e n 2 o índice de refração na casca, e n 1 > n 2. É notório que o comportamento da função Yv(kr) não condiz com o que se espera do que aconteça com o campo no núcleo. Como foi visto, Yv(kr) tende a oo (infinito) no eixo da fibra, ou seja, no centro do núcleo. Esta análise é suficiente para determinar que esta função seja descartada para compor soluções corretas fisicamente para (3.13) na região onde r a. 8

9 Neste momento, é conveniente usar uma constante de fase transversal modificada γ: (3.20) Para simplificar a análise, sabendo que os valores das constantes de propagação precisam obedecer a condição (3.19), é coerente usar (3.21) Com n n 1 n 2. Com esta aproximação e a partir da análise dos comportamentos e das relações funcionais das funções de Bessel, em [22] foi adotada a seguinte solução para (3.11): (3.22) Onde A é chamado de coeficiente de amplitude e está relacionado com a potência carregada por cada modo. Uma vez que foi encontrada uma solução matemática para a componente radial em (3.22), é simples chegar à solução completa do campo modal incluindo as soluções de dependência angular: (3.23) A escolha das duas funções seno e cosseno supre a intenção de se obter um conjunto completo de funções ortogonais. Uma vez que ambas as funções são permitidas como solução de (3.11), é porque ambas serão necessárias. A função escalar ψ v representa qualquer uma das componentes Cartesianas do campo eletromagnético. Associando ao campo elétrico: (3.24) (3.25) (3.26) (3.27) O coeficiente de amplitude A dos modos é dado por [22]: 9

10 (3.28) Onde: (3.29) E P é a potência acoplada na fibra, µ 0 = é a permeabilidade do espaço livre e ε é a permissividade do meio. 10

11 Redes Ópticas II: Cálculo da Resposta Impulsiva de Fibra Multimodo - 2 Classificação dos Modos Os modos eletromagnéticos em qualquer guia de onda são classificados de acordo com seus componentes elétricos e magnéticos. Dependendo de algumas condições de contorno, alguns desses componentes elétricos e magnéticos podem faltar, o que resulta em estruturas particulares. Guias de ondas condutores suportam soluções para o campo eletromagnético que podem ser classificadas em três diferentes modos: Modos TE (transverse eletric):o campo elétrico não possui componente longitudinal, somente no plano transversal ao eixo do guia de onda. Modos TM (transverse magnetic):o campo magnético não possui componente longitudinal, somente no plano transversal ao eixo do guia de onda. Modos TEM (transverse eletromagnetic):tanto o campo elétrico quanto o magnético não possuem componente longitudinal, somente no plano transversal ao eixo do guia de onda. O vetor de Poynting, então, é alinhado com a direção do eixo do guia de onda. Em fibras multimodo com índice degrau, os modos TEM não existem. A componente longitudinal de pelo menos um dos campos deve existir. Assim, este tipo de fibra suporta os modos TE, TM e, além desses, os modos híbridos EH e HE, onde as componentes longitudinais de ambos os campos (elétrico e magnético) estão presentes simultaneamente. Esses modos são referenciados como TE vµ, TM vµ,eh vµ e HE vµ, onde v é o índice azimutal e µ o índice radial e como já foi mencionado anteriormente, alguns modos possuem a mesma constante de propagação e podem ser agrupados em grupos modais. Os grupos modais são constituídos segundo a seguinte designação de modos linearmente polarizados (LP): O modo LP 01 = HE 11 é o modo fundamental e tem a designação de menor ordem. Um resultado fundamental da teoria modal é a capacidade da fibra de suportar o modo LP 01 (Figura 4) para qualquer comprimento de onda, índice de refração e raio de núcleo, ou seja, sob qualquer condição de lançamento, o modo fundamental será excitado. Uma vez fixada a estrutura física da fibra, é possível definir a distribuição das constantes de propagação para cada modo em função do comprimento de onda. Assim, todo modo individual possui um comprimento de onda de corte, acima do qual o modo não será mais suportado pela fibra. Isto é verdadeiro para todos os modos, com exceção do modo fundamental LP 01 [9]. Como um comportamento geral da intensidade do modo LP lm, o índice azimutal l é a metade do número de máximos numa rotação de 2 em torno do eixo da fibra, ou então, o número de máximos em uma rotação de em torno do eixo da fibra. O índice radial m dá o número de máximos na direção radial. Para este existem dois casos: Se l = 0, m é o número de máximos na direção radial, inclusive o máximo no eixo da fibra. Se l > 1, m é o número de máximos na direção radial, excluindo a intensidade do mínimo no eixo da fibra. 11

12 De acordo com essa propriedade geral, é fácil saber como os modos se exibem, guiando-se apenas pelos seus índices: Figura 4: Modo fundamental LP01 (HE11) Figura 5: Modo de segunda ordem LP02 (HE12) 12

13 Figura 6: Modo de quarta ordem LP12 (TE02, TM02, HE22) Figura 7: Modo de quarta ordem LP21 (EH11, HE31) Figura 8: Modo de sexta ordem LP31 (HE41, EH21) 13

14 Figura 9: Modo de sexta ordem LP32 (HE42, EH22) Atrasos e Amplitudes Modais Como mostra a Equação (3.4), para se ter a resposta ao impulso da fibra multimodo é necessário saber as velocidades com que os grupos modais se propagam, bem como a fração de potência que eles levam. O número de grupos modais suportados em uma determinada fibra depende do parâmetro frequência normalizada V, que é definida por suas características físicas e pelo comprimento de onda do sinal, como mostra a Equação (3.3). Para conhecer as velocidades, e consequentemente os atrasos de cada grupo modal LP lm, basta conhecer os valores das suas constantes de propagação β lm para chegar ao parâmetro σ lm : (3.30) Que é o atraso por unidade de comprimento, ou seja, para se chegar ao atraso modal efetivo no fim da fibra, basta multiplicar σ lm pelo comprimento da fibra L: (3.31) As características de propagação da fibra também dependem do conjunto de modos que são excitados e a potência que eles levam. A distribuição de potência modal pode ser controlada pelas condições de lançamento do sinal na fibra através do cálculo das amplitudes modais. As amplitudes modais a lm para uma fonte com campo elétrico linearmente polarizado e orientado em x são determinadas pela referência [9]: (3.32) Na expressão (3.32), as integrais são sobre uma secção transversal infinita na fibra A oo. E s é o campo elétrico da fonte, é o campo elétrico modal, E x,lm o campo elétrico transversal total, E t,lm é o raio normalizado: (3.33) A análise de (3.32) traz a conclusão de que a distribuição do campo da fonte no início da fibra irá excitar os modos com distribuição do campo similar, ou seja, um lançamento centralizado com um diâmetro 14

15 pequeno irá despertar principalmente o modo fundamental e alguns modos de pequena ordem. Enquanto que, um lançamento com um offset que se distancia do centro da fibra irá excitar principalmente os modos de ordem mais alta [23]. Em busca da fração de potência de cada modo, define-se uma constante de normalização [9]: (3.34) Usando esta definição, a potência modal de LP lm é dada por: E, consequentemente, a potência total acoplada é dada por: (3.35) (3.36) Desta forma, a fração de potência levada por cada modo, ou a distribuição de potência modal é dada por: (3.37) Uma vez conhecidos os atrasos modais e a distribuição de potência modal, a resposta ao impulso pode ser determinada. No início da fibra, a luz lançada excita um conjunto de modos com a distribuição de potência determinada por (3.37). Todos os modos que carregam potência se propagam com sua própria velocidade de acordo com os atrasos modais. A resposta ao impulso de uma fibra de comprimento Lpode ser então expressa pela superposição de pulsos atrasados: (3.38) 15

16 Redes Ópticas II: Considerações Finais O crescimento da demanda por banda torna necessária a evolução das tecnologias empregadas nas redes de acesso. Entretanto, em redes com fibras multimodo, a dispersão modal dificulta o aumento da taxa de transmissão em enlaces que cobrem distâncias superiores a 1 km. Nesse cenário, técnicas de transmissão multiportadora, como a OFDM, aparecem como uma solução possível. A utilização do prefixo cíclico e a simplicidade de equalização são ferramentas interessantes para compensar os efeitos da dispersão modal e seus efeitos negativos. Nesse trabalho, desenvolvemos um simulador para uma fibra multimodo em degrau, e analisamos o desempenho de um sistema OFDM transmitido sobre essa fibra. Os resultados indicaram a recepção livre de erros de um sinal a 420 Mbps passando por aproximadamente 1200 m de fibra multimodo de índice degrau. Referências [I] ETSI. Digital Broadcasting Systems for Television, Sound, and Data Services; Framing Structure, Channel Coding and Modulation for Digital Terrestrial Television [2] ARIB. Data Coding and Transmission Specification for Digital Broadcasting. Junho [3] IEEE STD J. IEEE Standard for Local and Metropolitan Area Networks Part 16: Air Interface for Broadband Wireless Access Systems [4] RAPPAPORT, T. S. Wireless Communications Principles and Pratice. 2nd. ed. [S.l.]: Series Editor, [5] HARA, S.; PRASAD, R. Multicarrier Techniques for 4G Mobile Communications. [S.l.]: Artech House, [6] LLORENTE, R. et al. Optical distribution of OFDM and impulse-radio UWB in FTTH networks. Fiber Optics and Optical Communications, [7] AGRAWAL, G. P. Fiber-Optic Communications Systems. 3rd. ed. [S.l.]: Wiley-Interscience, [8] NOLEN, O. Plastic Optical Fibers for Data Communications. [S.l.]: Information Gatekeepers, [9] BOTTACCHI, S. Multi-Gigabit Transmission Over Multimode Optical Fibre : Theory and Design Methods for 10GbE Systems. [S.l.]: John Wiley and Sons Ltd, [10] LEE, S. C. J. et al. 24-Gb/s transmission over 730 m of multimode fiber by direct modulation of an 850-nm VCSEL using discrete multi-tone modulation. Proceedings of Opt Fiber Commun Conf Paper, p. PDP06, [11] HAYKIN, S. Communication Systems. [S.l.]: John Wiley and Sons Ltd, [12] LEE, S. C. J. et al. Orthogonal frequency division multiplexing over multimode optical fibers. In:Proceedings Symposium IEEE/LEOS Benelux Chapter. Brussels: [s.n.], [13] WINZER, P. J.; ESSIAMBRE, R.-J. Advanced optical modulation formats. Proceedings of the IEEE, v. 94, p , [14] KAMINOW, I. P.; KOCH, T. L. Optical fiber telecommunications III. In: _. [S.l.]: Academic Press, cap. Laser Sources for Amplified and WDM Lightwave Systems, p

17 [15] SATO, S. K. K.; MIYAMOTO, Y.; SHIMIZU, N. 40 Gb/s direct modulation of distributed feedback laser for very-short reach optical links. Electron. Lett., v. 38, p. 816 e 817, [16] RAMASWAMI, R.; SIVARAJAN, K. N. Optical Networks: a Pratical Perspective. 2nd. ed. [S.l.]: Morgan Kaufmann Publishers, [17] YU, R. L. Y. et al. 80 Gb/s ETDM transmitter with a traveling-wave electro-absorption modulator. In:Eur. Conf. Optical Communication (ECOC). [S.l.: s.n.], [18] KAMINOW, I.; LI, T. Optical fiber telecommunications IV. In:_. [S.l.]: New York: Academic, cap. Bandwidth-efficient modulation formats for digital fiber transmission systems, p [19] KIM, H.; GNAUCK, A. H. Chirp characteristics of dual-drive Mach-Zehnder modulator with a finite DC extinction ratio. In: IEEE Photon. Technol. Lett. [S.l.: s.n.], v. 14, n. 3, p [20] DIAMENT, P. Wave Transmission and Fiber Optics. [S.l.]: Macmillan, [21] LARRODé, M. G.; KOONEN, A. M. J. Theoretical and experimental demonstration of ofm robustness against modal dispersion impairments in radio over multimode fiber links. Journal of Lightwave Technology, v. 26, p , [22] MARCUSE, D. Theory of Dieletric Optical Waveguides. [S.l.]: Academic Press, [23] FREUND, R. E. et al. High-speed transmission in multimode fibers. Journal of Lightwave Technology, v. 28, p ,

18 Redes Ópticas II: Teste seu Entendimento 1. Considerando o raio do núcleo de uma fibra óptica, qual deve ser o seu valor médio para que ela seja do tipo Monomodo ou Multimodo? Monomodo: raio em torno de 4 µm; Multimodo: raio em torno de 25 µm. Monomodo: raio em torno de 25 µm; Multimodo: raio em torno de 4 µm. Tanto Monomodo como Multimodo têm raio em torno de 4 µm. Tanto Monomodo como Multimodo têm raio em torno de 25 µm. 2. Quais dos modos eletromagnéticos aplicáveis aos guias de onda existem também nas fibras multimodo com índice degrau? Modos TE (transverse eletric) e Modos TEM (transverse eletromagnetic). Modos TM (transverse magnetic) e Modos TEM (transverse eletromagnetic). Modos TE (transverse eletric) e Modos TM (transverse magnetic). Nenhum dos modos pode ser aplicado. 3. Considerando os resultados obtidos nesta série de tutoriais, existe alguma alternativa para a substituição da fibra multimodo de índice degrau que permita aumentar a taxa de transmissão de bits usando a modulação OFDM? A alternativa seria o uso de fibras de índice gradual, que permitiria o uso de prefixo cíclico muito maior, com g na ordem de 16 ou até 32. A alternativa seria o uso de fibras de índice gradual, que permitiria o uso de prefixo cíclico muito menor, com g na ordem de 1/16 ou até 1/32. A alternativa seria o uso de fibras de índice gradual, para manter o uso dos mesmos prefixos cíclicos. Não existem alternativas disponíveis. 18

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1.1 Introdução Consiste em um guia de onda cilíndrico, conforme ilustra a Figura 1, formado por núcleo de material dielétrico (em geral vidro de alta pureza),

Leia mais

Ondas Eletromagnéticas. E=0, 1 B=0, 2 E= B t, 3 E

Ondas Eletromagnéticas. E=0, 1 B=0, 2 E= B t, 3 E Ondas Eletromagnéticas. (a) Ondas Planas: - Tendo introduzido dinâmica no sistema, podemos nos perguntar se isto converte o campo eletromagnético de Maxwell em uma entidade com existência própria. Em outras

Leia mais

TIPOS DE FIBRA FIBRA MULTIMODO ÍNDICE DEGRAU. d 1. diâmetro do núcleo de 50 µm a 200 µm. (tipicamente 50 µm e 62,5 µm) d 2

TIPOS DE FIBRA FIBRA MULTIMODO ÍNDICE DEGRAU. d 1. diâmetro do núcleo de 50 µm a 200 µm. (tipicamente 50 µm e 62,5 µm) d 2 TIPOS DE FIBRA FIBRA MULTIMODO ÍNDICE DEGRAU d 1 diâmetro do núcleo de 50 µm a 200 µm (tipicamente 50 µm e 62,5 µm) d 2 diâmetro da fibra óptica (núcleo + casca) de 125 µm a 280 µm (tipicamente 125 µm)

Leia mais

WDM e suas Tecnologias

WDM e suas Tecnologias Universidade Federal do Rio de Janeiro Escola Politécnica Departamento de Eletrônica e Computação EEL 878 Redes de Computadores I Turma EL1-2004/1 Professor: Otto Carlos Muniz Bandeira Duarte Aluna: Mariangela

Leia mais

Sistema de comunicação óptica. Keylly Eyglys Orientador: Adrião Duarte

Sistema de comunicação óptica. Keylly Eyglys Orientador: Adrião Duarte Sistema de comunicação óptica Keylly Eyglys Orientador: Adrião Duarte História A utilização de transmissão de informação através de sinais luminosos datam de épocas muito remotas. Acredita-se que os gregos

Leia mais

Modos de Propagação. Tecnologia em Redes de Computadores 5º Período Disciplina: Sistemas e Redes Ópticas Prof. Maria de Fátima F.

Modos de Propagação. Tecnologia em Redes de Computadores 5º Período Disciplina: Sistemas e Redes Ópticas Prof. Maria de Fátima F. Modos de Propagação Tecnologia em Redes de Computadores 5º Período Disciplina: Sistemas e Redes Ópticas Prof. Maria de Fátima F. Bueno Marcílio 1 Modos de Propagação Antes de iniciarmos o estudo dos tipos

Leia mais

Sistemas de Comunicação Óptica

Sistemas de Comunicação Óptica Sistemas de Comunicação Óptica Mestrado em Engenharia Electrotécnica e e de Computadores Docente : Prof. João Pires Objectivos Estudar as tecnologias que servem de base à transmisssão óptica, e analisar

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA. Plano de Ensino

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA. Plano de Ensino DISCIPLINA: Teoria Eletromagnética. CÓDIGO: MEE007 Validade: Carga Horária: 45 horas-aula Créditos: 03 Área de Concentração / Módulo: Sistemas Elétricos / Formação Básica Ementa: Análise Vetorial. Equações

Leia mais

2 Conceitos de transmissão de dados

2 Conceitos de transmissão de dados 2 Conceitos de transmissão de dados 2 Conceitos de transmissão de dados 1/26 2.2 Meios físicos de transmissão de dados 2/26 Tipos de meios de transmissão Pares de fios Pares entrançados Cabo coaxial Fibras

Leia mais

Local Multipoint Distribuition Service (LMDS)

Local Multipoint Distribuition Service (LMDS) Local Multipoint Distribuition Service (LMDS) Este tutorial apresenta a tecnologia LMDS (Local Multipoint Distribuition Service), acesso em banda larga para última milha por meio de rádios microondas.

Leia mais

Camada Física. Bruno Silvério Costa

Camada Física. Bruno Silvério Costa Camada Física Bruno Silvério Costa Sinais Limitados por Largura de Banda (a) Um sinal digital e suas principais frequências de harmônicas. (b) (c) Sucessivas aproximações do sinal original. Sinais Limitados

Leia mais

Estudo sobre sistemas e dispositivos para transmissão de rádio-sobre-fibra

Estudo sobre sistemas e dispositivos para transmissão de rádio-sobre-fibra ANAIS DO CONGRESSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO INATEL - INCITEL 01 5 Estudo sobre sistemas e dispositivos para transmissão de rádio-sobre-fibra Luis Gustavo da Silva Antonio Alves Ferreira Júnior Instituto

Leia mais

DWDM A Subcamada Física da Rede Kyatera

DWDM A Subcamada Física da Rede Kyatera DWDM A Subcamada Física da Rede Kyatera José Roberto B. Gimenez Roteiro da Apresentação Tecnologia DWDM A rede Kyatera SC09 Bandwidth Challenge Conclusão Formas de Multiplexação em FO TDM Time Division

Leia mais

Certificação de redes ópticas de 10GbE

Certificação de redes ópticas de 10GbE CABEAMENTO ESTRUTURADO Certificação de redes ópticas de 10GbE 70 RTI DEZ 2008 JDSU (Brasil) As redes ópticas baseadas em 10GbE exigem um bom processo de certificação. O artigo a seguir detalha os principais

Leia mais

Capítulo 3: A CAMADA FÍSICA

Capítulo 3: A CAMADA FÍSICA Capítulo 3: A CAMADA FÍSICA PCS 2476 Introdução - 1 Meios Físicos e Suas Características PCS 2476 Introdução - 2 Linhas Físicas Linhas Bifilares Par de fios Cabo de Pares Linha Aberta Linha de Alta Tensão

Leia mais

Multiplexação. Multiplexação. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Sistema FDM

Multiplexação. Multiplexação. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Sistema FDM Multiplexação É a técnica que permite a transmissão de mais de um sinal em um mesmo meio físico. A capacidade de transmissão do meio físico é dividida em fatias (canais), com a finalidade de transportar

Leia mais

IFRS Campus POA. Elétrica Aplicada Turma Redes II Noite. Prof. Sergio Mittmann. Grupo : Nilo Cesar Ferreira Alvira. Caroline Silva Tolfo

IFRS Campus POA. Elétrica Aplicada Turma Redes II Noite. Prof. Sergio Mittmann. Grupo : Nilo Cesar Ferreira Alvira. Caroline Silva Tolfo IFRS Campus POA Elétrica Aplicada Turma Redes II Noite Prof. Sergio Mittmann Grupo : Nilo Cesar Ferreira Alvira Caroline Silva Tolfo Claudia Silva Machado Marcelo Lucas A Fibra Óptica é um filamento extremamente

Leia mais

SISTEMAS DE COMUNICAÇÃO ÓPTICA : INICIAR A PROPOSTA DA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM DISCIPLINA OPTATIVA, DURANTE PERÍODO DE AQUISIÇÃO DE CRÉDITOS.

SISTEMAS DE COMUNICAÇÃO ÓPTICA : INICIAR A PROPOSTA DA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM DISCIPLINA OPTATIVA, DURANTE PERÍODO DE AQUISIÇÃO DE CRÉDITOS. SISTEMAS DE COMUNICAÇÃO ÓPTICA : INICIAR A PROPOSTA DA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM DISCIPLINA OPTATIVA, DURANTE PERÍODO DE AQUISIÇÃO DE CRÉDITOS. Sandra Maria Dotto Stump sstump@mackenzie.com.br Maria Aparecida

Leia mais

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Fundamentos em Sistemas de Computação Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Camada Física Primeira cada do modelo OSI (Camada 1) Função? Processar fluxo de dados da camada 2 (frames) em sinais

Leia mais

Potencial de largura de banda de fibras multimodo

Potencial de largura de banda de fibras multimodo REDES ÓPTICAS Potencial de largura de banda de fibras multimodo 124 RTI SET 2007 O minembc é um processo de medição de largura de banda de fibras ópticas otimizadas a laser, que, segundo o autor, é o modo

Leia mais

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados Meios de Transmissão Aula-03

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados Meios de Transmissão Aula-03 UFSM-CTISM Comunicação de Dados Meios de Transmissão Aula-03 Professor: Andrei Piccinini Legg Santa Maria, 2012 Par trançado Cabo coaxial Fibra óptica Meios Não-guiados Transmissão por rádio Microondas

Leia mais

SISTEMAS DE COMUNICAÇÕES ÓPTICAS. Raio refletido: raio incidente, ao atingir a superfície S, poderá refletir, e esta

SISTEMAS DE COMUNICAÇÕES ÓPTICAS. Raio refletido: raio incidente, ao atingir a superfície S, poderá refletir, e esta Capítulo. FUNDAMENTOS E CONCEITOS BÁSICOS DAS FIBRAS ÓPTICAS. Propagação de Radiações Ópticas.. Definições Raio incidente: conforme observa-se na Fig.., a radiação que se aproxima da superfície S é o raio

Leia mais

Engenheiro de Telecomunicações pelo Instituto de Estudos Superiores da Amazônia IESAM (Belém, Pará).

Engenheiro de Telecomunicações pelo Instituto de Estudos Superiores da Amazônia IESAM (Belém, Pará). Transmissão Digital em Banda Base: Modelagem do Canal Este tutorial apresenta a implementação da formatação de um pulso para transmissão digital em banda base que simule a resposta ao impulso de um canal

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores - 1º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 03 Cabeamento

Leia mais

Largura de banda e Throughput (Tanenbaum,, 2.1.2)

Largura de banda e Throughput (Tanenbaum,, 2.1.2) Largura de banda e Throughput (Tanenbaum,, 2.1.2) A largura de banda,, em termos gerais, indica a quantidade máxima de dados que podem trafegar no meio em um determinado momento. É medida em bps (bits

Leia mais

Segunda Lista de Exercícios

Segunda Lista de Exercícios INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA Segunda Lista de Exercícios 1. Qual é a posição dos meios de transmissão no modelo OSI ou Internet? Os meios de transmissão estão localizados abaixo

Leia mais

Capítulo 2 Fibras Ópticas 2.1 Introdução

Capítulo 2 Fibras Ópticas 2.1 Introdução 25 Capítulo 2 Fibras Ópticas 2.1 Introdução Nos dias de hoje, as fibras ópticas são largamente utilizadas em diversos setores com um número grande de aplicações em sistemas de telecomunicação. Outras aplicações

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Meios de Transmissão Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Abril de 2012 1 / 34 Pilha TCP/IP A B M 1 Aplicação Aplicação M 1 Cab M T 1 Transporte Transporte

Leia mais

Redes de Computadores sem Fio

Redes de Computadores sem Fio Redes de Computadores sem Fio Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Programa Introdução

Leia mais

Transmissão e Multiplexação. Rodolfo I. Meneguette

Transmissão e Multiplexação. Rodolfo I. Meneguette Transmissão e Multiplexação Rodolfo I. Meneguette Redes de Acesso e Meios Físicos P: Como conectar os sistemas finais aos roteadores de borda? Redes de acesso residencial redes de acesso institucional

Leia mais

Transmissão e comunicação de dados. Renato Machado

Transmissão e comunicação de dados. Renato Machado Renato Machado UFSM - Universidade Federal de Santa Maria DELC - Departamento de Eletrônica e Computação renatomachado@ieee.org renatomachado@ufsm.br 03 de Maio de 2012 Sumário 1 2 Modulação offset QPSK

Leia mais

Possíveis soluções para o gargalo da última milha são: instalação de fibra óptica diretamente para todos os clientes; uso de tecnologia de rádio

Possíveis soluções para o gargalo da última milha são: instalação de fibra óptica diretamente para todos os clientes; uso de tecnologia de rádio 1 Introdução O estudo da propagação óptica no espaço livre recebeu considerável impulso após a Segunda Guerra Mundial com a descoberta do laser. Os cientistas iniciaram diversas pesquisas nessa área com

Leia mais

1 Problemas de transmissão

1 Problemas de transmissão 1 Problemas de transmissão O sinal recebido pelo receptor pode diferir do sinal transmitido. No caso analógico há degradação da qualidade do sinal. No caso digital ocorrem erros de bit. Essas diferenças

Leia mais

26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente?

26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente? CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓDIGO 05 UCs de Eletrônica e/ou de Telecomunicações 26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente?

Leia mais

Comunicação de Dados. Aula 9 Meios de Transmissão

Comunicação de Dados. Aula 9 Meios de Transmissão Comunicação de Dados Aula 9 Meios de Transmissão Sumário Meios de Transmissão Transmissão guiada Cabo par trançado Coaxial Fibra ótica Transmissão sem fio Ondas de rádio Micro ondas Infravermelho Exercícios

Leia mais

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Introdução às Telecomunicações 2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Elementos de um Sistemas de Telecomunicações Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Telecomunicações 2 1 A Fonte Equipamento que origina

Leia mais

Conhecer meios de transmissão que utilizam cabos e fios. Componentes do processo de comunicação.

Conhecer meios de transmissão que utilizam cabos e fios. Componentes do processo de comunicação. Meios de transmissão Conhecer meios de transmissão que utilizam cabos e fios. Quando enviamos uma informação para um destino, ela vai por um canal de comunicação. Esse canal de comunicação tem um limite

Leia mais

INSTITUTO LABORO ESCOLA TECNICA

INSTITUTO LABORO ESCOLA TECNICA INSTITUTO LABORO ESCOLA TECNICA PESQUISA CABO COAXIAIS ASPECTOS TECNICOS FIBRA OPTICA SISTEMA TIPICO DE COMUNICAÇÃO PTICA ESTRUTURA DE UMA FIBRA OPTICA TIPOS DE FIBRA OPTICA Por Ítalo da Silva Rodrigues

Leia mais

Neste capítulo trataremos das propriedades gerais de um laser, bem como das características de um laser a fibra de cavidades acopladas.

Neste capítulo trataremos das propriedades gerais de um laser, bem como das características de um laser a fibra de cavidades acopladas. 3 Laser a Fibra Neste capítulo trataremos das propriedades gerais de um laser, bem como das características de um laser a fibra de cavidades acopladas. 3.1 Propriedades Gerais A palavra LASER é um acrônimo

Leia mais

Sinal analógico x sinal digital. Sinal analógico. Exemplos de variações nas grandezas básicas. Grandezas básicas em sinais periódicos

Sinal analógico x sinal digital. Sinal analógico. Exemplos de variações nas grandezas básicas. Grandezas básicas em sinais periódicos Plano Redes de Computadores Transmissão de Informações nálise de Sinais ula 04 Introdução Dados, sinais e transmissão Sinal analógico x sinal digital Sinais analógicos Grandezas básicas Domínio tempo x

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Parte II: Camada Física Dezembro, 2012 Professor: Reinaldo Gomes reinaldo@computacao.ufcg.edu.br Meios de Transmissão 1 Meios de Transmissão Terminologia A transmissão de dados d

Leia mais

5 Utilização de grafeno em domínio óptico

5 Utilização de grafeno em domínio óptico 84 5 Utilização de grafeno em domínio óptico 5.1 Introdução O presente capítulo descreve como o grafeno interage com o meio optico e destaca os procedimentos realizados para a introdução de grafeno em

Leia mais

Polarização de Ondas Eletromagnéticas Propriedades da Luz

Polarização de Ondas Eletromagnéticas Propriedades da Luz Polarização de Ondas Eletromagnéticas Propriedades da Luz Polarização Polarização: Propriedade das ondas transversais Ondas em uma corda Oscilação no plano vertical. Oscilação no plano horizontal. Onda

Leia mais

LIMITES IMPOSTOS PELA DISPERSÃO POR MODO DE POLARIZAÇÃO EM SISTEMAS ÓPTICOS DE ELEVADA TAXA DE TRANSMISSÃO ANDRÉ LUIS DA ROCHA ABBADE

LIMITES IMPOSTOS PELA DISPERSÃO POR MODO DE POLARIZAÇÃO EM SISTEMAS ÓPTICOS DE ELEVADA TAXA DE TRANSMISSÃO ANDRÉ LUIS DA ROCHA ABBADE LIMITES IMPOSTOS PELA DISPERSÃO POR MODO DE POLARIZAÇÃO EM SISTEMAS ÓPTICOS DE ELEVADA TAXA DE TRANSMISSÃO ANDRÉ LUIS DA ROCHA ABBADE AGOSTO/ 008 ii LIMITES IMPOSTOS PELA DISPERSÃO POR MODO DE POLARIZAÇÃO

Leia mais

Cabos telefônicos. Sérgio Gonçalves da Silva

Cabos telefônicos. Sérgio Gonçalves da Silva Cabos telefônicos Este tutorial apresenta um estudo sobre os Cabos Telefônicos com o objetivo de demonstrar os cálculos para alcançar os parâmetros mínimos necessários a uma conversação telefônica. Sérgio

Leia mais

Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática

Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores 04. Meios Físicos de Transmissão Prof. Ronaldo Introdução n

Leia mais

Características de transmissão: dispersão

Características de transmissão: dispersão Comunicações Ópticas em fibras ópticas 007-008 MIEEC EEC038 Henrique Salgado hsalgado@fe.up.pt Características de transmissão: dispersão induz interferência intersimbólica em fibras ópticas Alargamento

Leia mais

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

Leia mais

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 11/11/2002).

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 11/11/2002). ADSL (Speedy, Velox, Turbo) Este tutorial apresenta a tecnologia ADSL (Asymetric Digital Subscriber Line) desenvolvida para prover acesso de dados banda larga a assinantes residenciais ou escritórios através

Leia mais

RELATÓRIO DE CONECTIVIDADE FIBRA OPTICA MULTIMODO

RELATÓRIO DE CONECTIVIDADE FIBRA OPTICA MULTIMODO Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial E.E.P. Senac Centro Histórico Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática JOÃO VITOR ANDRADE RELATÓRIO DE CONECTIVIDADE

Leia mais

Integrou a equipe do Teleco para contribuir na área de Sistemas de Telecomunicações Fotônicos.

Integrou a equipe do Teleco para contribuir na área de Sistemas de Telecomunicações Fotônicos. Conceitos Básicos de Fibra Óptica (Módulo III) Este tutorial apresenta conceitos básicos sobre Perdas e Tipos de Fibra Óptica. É o terceiro de uma série contendo conceitos básicos de fibra óptica preparada

Leia mais

Infra-Estrutura de Redes

Infra-Estrutura de Redes Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul Infra-Estrutura de Redes Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://www.professoreduardoaraujo.com Objetivos: Camada física

Leia mais

Mídias Físicas Utilizadas Cabo Coaxial e Par Trançado. Prof. Alexandre Beletti Ferreira

Mídias Físicas Utilizadas Cabo Coaxial e Par Trançado. Prof. Alexandre Beletti Ferreira Mídias Físicas Utilizadas Cabo Coaxial e Par Trançado Prof. Alexandre Beletti Ferreira Cabo Coaxial COMPOSTO POR: Fio de cobre rígido que forma o núcleo Envolto por um material isolante, O isolante, por

Leia mais

2 Métodos de Medida da PMD

2 Métodos de Medida da PMD em Enlaces Ópticos 12 2 Métodos de Medida da PMD Teoria básica de medição da PMD discutida na referência 6, Test and Measurements. Neste capítulo serão abordados os aspectos mais importantes dos métodos

Leia mais

Meios de Transmissão. Conceito. Importância. É a conexão física entre as estações da rede. Influência diretamente no custo das interfaces com a rede.

Meios de Transmissão. Conceito. Importância. É a conexão física entre as estações da rede. Influência diretamente no custo das interfaces com a rede. Meios de Transmissão Conceito Importância É a conexão física entre as estações da rede. Influência diretamente no custo das interfaces com a rede. Meios de Transmissão Qualquer meio físico capaz de transportar

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Redes de Computadores Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com 2/16 Nível Físico Tem a função de transmitir uma seqüência de bits através de um canal e comunicação. Este nível trabalha basicamente

Leia mais

Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora

Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora 1. Em que consiste uma rede de computadores? Refira se à vantagem da sua implementação. Uma rede de computadores é constituída por dois ou mais

Leia mais

Cabeamento Óptico 14/03/2014. Vantagens de utilização. Noções Ópticas. Vantagens de utilização. Sistema de comunicação Fibra. Funcionamento da Fibra

Cabeamento Óptico 14/03/2014. Vantagens de utilização. Noções Ópticas. Vantagens de utilização. Sistema de comunicação Fibra. Funcionamento da Fibra Cabeamento Óptico Fundamentos de Redes de Computadores Prof. Marcel Santos Silva Vantagens de utilização Total imunidade às interferências eletromagnéticas; Dimensões reduzidas; Maior segurança no tráfego

Leia mais

Informática. Prof. Macêdo Firmino. Redes de Computadores. Macêdo Firmino (IFRN) Informática Novembro de 2011 1 / 41

Informática. Prof. Macêdo Firmino. Redes de Computadores. Macêdo Firmino (IFRN) Informática Novembro de 2011 1 / 41 Informática Prof. Macêdo Firmino Redes de Computadores Macêdo Firmino (IFRN) Informática Novembro de 2011 1 / 41 Sistema Computacional Macêdo Firmino (IFRN) Informática Novembro de 2011 2 / 41 O que é

Leia mais

Projeto de Instrumentação para o Ensino F809. Mariana Pinheiro Pasquetto RA 002173 Henrique de Carvalho, M.Sc. Telecom (FEEC), DEQ/IFGW (orientador)

Projeto de Instrumentação para o Ensino F809. Mariana Pinheiro Pasquetto RA 002173 Henrique de Carvalho, M.Sc. Telecom (FEEC), DEQ/IFGW (orientador) Projeto de Instrumentação para o Ensino F809 Mariana Pinheiro Pasquetto RA 0073 Henrique de Carvalho, M.Sc. Telecom (FEEC), DEQ/IFGW (orientador) Objetivo Este projeto tem como objetivo o desenvolvimento

Leia mais

1 Moldando Pulso para reduzir a largura de banda

1 Moldando Pulso para reduzir a largura de banda 1 Moldando Pulso para reduzir a largura de banda Pulsos quadrados não são práticos. São difíceis de serem gerados e requerem grande largura de banda. Além disso, em razão da largura de banda limitada do

Leia mais

Prática em Redes de Computadores. Meios de Transmissão. Prof. M.Sc. Eduardo Luzeiro Feitosa efeitosa@dcc.ufam.edu.br

Prática em Redes de Computadores. Meios de Transmissão. Prof. M.Sc. Eduardo Luzeiro Feitosa efeitosa@dcc.ufam.edu.br Prática em Redes de Computadores Meios de Transmissão Prof. M.Sc. Eduardo Luzeiro Feitosa efeitosa@dcc.ufam.edu.br Sumário Introdução Meios de Transmissão Cabo coaxial Cabo Par Trançado Fibra Óptica Interferências

Leia mais

História da Fibra Óptica

História da Fibra Óptica História da Fibra Óptica Em 1870, o físico inglês Jonh Tyndall, demonstrou o princípio de guiamento da luz através de uma experiência muito simples, utilizando um recipiente furado com água, um balde e

Leia mais

Roteiro. Roteiro. Fibras Ópticas. Características, Emendas e Testes de Desempenho

Roteiro. Roteiro. Fibras Ópticas. Características, Emendas e Testes de Desempenho s Ópticas (TIA/EIA-) Características, Emendas e Testes de Desempenho Edson dos Santos Moreira Professor do Dep. de Sistemas de Computação Dagoberto Carvalio Junior Seção Técnica de Informática ICMC CCNA-CCAI-CCNP-FCP

Leia mais

Sistemas que incluem amplificação podem possuir grandes valores de g, é assim, é conveniente expressar o ganho de potência em decibéis (db): produto

Sistemas que incluem amplificação podem possuir grandes valores de g, é assim, é conveniente expressar o ganho de potência em decibéis (db): produto 3.33 Perdas de transmissão e Decibéis Além de distorção de sinal, um sistema de transmissão também reduz o nível de potência ou vigor do sinal de saída. Esta redução no vigor do sinal é expresso em termos

Leia mais

DETERMINAÇÃO EXPERIMENTAL DO ÂNGULO DE REFLEXÃO TOTAL EM FIBRAS ÓPTICAS

DETERMINAÇÃO EXPERIMENTAL DO ÂNGULO DE REFLEXÃO TOTAL EM FIBRAS ÓPTICAS DETERMINAÇÃO EXPERIMENTAL DO ÂNGULO DE REFLEXÃO TOTAL EM FIBRAS ÓPTICAS Resumo Neste trabalho será apresentado uma determinação experimental do ângulo de Brewster utilizado em fibras ópticas para que haja

Leia mais

Meios físicos Os meios físicos

Meios físicos Os meios físicos Meios físicos Os meios físicos são considerados componentes da camada 1. Se encarregam daquilo que diz respeito à representação física são bits (por exemplo, voltagem ou pulsos de luz). 1 Representação

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Cabeamento Óptico (Norma ANSI/TIA-568-C.3) www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Meio de Transmissão Meio de transmissão é o caminho físico (enlace) que liga

Leia mais

Por que fibras multimodo otimizadas para laser?

Por que fibras multimodo otimizadas para laser? CABEAMENTO ÓPTICO 36 RTI ABR 2007 Por que fibras multimodo otimizadas para laser? Merrion Edwards e Jean-Marie Fromenteau O desenvolvimento de redes industriais modernas e redes locais (LANs) gerou a exigência

Leia mais

Padrões de Rede 15/02/2014. Padrões de rede. Padrão Ethernet IEEE 802.3 802.3

Padrões de Rede 15/02/2014. Padrões de rede. Padrão Ethernet IEEE 802.3 802.3 Padrões de Rede Fundamentos de Redes de Computadores Prof. Marcel Santos Silva Padrões de rede Existem diversos padrões Ethernet, que são utilizados pela maioria das tecnologias de rede local em uso. Definem

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE INFORMAÇÃO A LONGAS DISTÂNCIAS ONDAS ELETROMAGNÉTICAS E COMUNICAÇÃO

COMUNICAÇÃO DE INFORMAÇÃO A LONGAS DISTÂNCIAS ONDAS ELETROMAGNÉTICAS E COMUNICAÇÃO COMUNICAÇÃO DE INFORMAÇÃO A LONGAS DISTÂNCIAS À medida que uma onda se propaga, por mais intensa que seja a perturbação que lhe dá origem, uma parte da sua energia será absorvida pelo meio de propagação,

Leia mais

Introdução a Fibras Ópticas 2/24

Introdução a Fibras Ópticas 2/24 Introdução a Fibras Ópticas Waleska Barbosa Paes de Barros waleska@cbpf.br Marcelo Portes de Albuquerque marcelo@cbpf.br Márcio Portes de Albuquerque mpa@cbpf.br RESUMO Esta nota técnica tem como objetivo

Leia mais

09/08/2015 DISCIPLINA: TECNOLOGIA DE REDES DE COMPUTADORES. Tecnologia em Jogos Digitais. Mídias (meios) de transmissão

09/08/2015 DISCIPLINA: TECNOLOGIA DE REDES DE COMPUTADORES. Tecnologia em Jogos Digitais. Mídias (meios) de transmissão Tecnologia em Jogos Digitais Mídias (meios) de transmissão DISCIPLINA: TECNOLOGIA DE REDES DE COMPUTADORES Mídias físicas: composta pelo cabeamento e outros elementos componentes utilizados na montagem

Leia mais

ANÁLISE DA PLANICIDADE DO GANHO DE AMPLIFICADORES HÍBRIDOS COM BOMBEAMENTO RESIDUAL RESUMO

ANÁLISE DA PLANICIDADE DO GANHO DE AMPLIFICADORES HÍBRIDOS COM BOMBEAMENTO RESIDUAL RESUMO 13 ANÁLISE DA PLANICIDADE DO GANHO DE AMPLIFICADORES HÍBRIDOS COM BOMBEAMENTO RESIDUAL Márcia da Mota Jardim Martini 1 Fernando Almeida Diniz 2 Leonardo Paganotto 3 RESUMO Neste trabalho são estudadas

Leia mais

Caracterizador Automatizado de Máscara de Potência de Amplificadores Ópticos para Redes WDM Reconfiguráveis

Caracterizador Automatizado de Máscara de Potência de Amplificadores Ópticos para Redes WDM Reconfiguráveis Caracterizador Automatizado de Máscara de Potência de Amplificadores Ópticos para Redes WDM Reconfiguráveis Uiara C. Moura, Juliano R. F. Oliveira, Rafael L. Amgarten, Getúlio E. R. Paiva e Júlio C. R.

Leia mais

PERFORMANCES DA FABRICAÇÃO DE REDE DE BRAGG DE PERÍODO LONGO (LPG) EM FIBRA ÓPTICA MONOMODO (SM) GRAVADA COM ARCO- ELÉTRICO

PERFORMANCES DA FABRICAÇÃO DE REDE DE BRAGG DE PERÍODO LONGO (LPG) EM FIBRA ÓPTICA MONOMODO (SM) GRAVADA COM ARCO- ELÉTRICO PERFORMANCES DA FABRICAÇÃO DE REDE DE BRAGG DE PERÍODO LONGO (LPG) EM FIBRA ÓPTICA MONOMODO (SM) GRAVADA COM ARCO- ELÉTRICO Rafael Serafim Zoéga Belmont Universidade Católica de Petrópolis rafael_szbelmont@hotmail.com

Leia mais

MEDIÇÃO DO COMPRIMENTO DE ONDA DA RADIAÇÃO DE UM LASER POR INTERFERÊNCIA ÓPTICA COM O BIPRISMA DE FRESNEL

MEDIÇÃO DO COMPRIMENTO DE ONDA DA RADIAÇÃO DE UM LASER POR INTERFERÊNCIA ÓPTICA COM O BIPRISMA DE FRESNEL MEDIÇÃO DO COMPRIMENTO DE ONDA DA RADIAÇÃO DE UM LASER POR INTERFERÊNCIA ÓPTICA COM O BIPRISMA DE FRESNEL 1. Objectivo Estudo da interferência óptica. Medição do comprimento de onda da radiação de um laser

Leia mais

Análise do desempenho de sistemas ópticos com amplificadores Raman

Análise do desempenho de sistemas ópticos com amplificadores Raman Análise do desempenho de sistemas ópticos com amplificadores Raman Performance analysis of Raman amplifier optical systems Carlos E. S. Castellani, Shirley P. Neves Cani, Maria José Pontes e Marcelo E.

Leia mais

Considerações Finais. Capítulo 8. 8.1- Principais conclusões

Considerações Finais. Capítulo 8. 8.1- Principais conclusões Considerações Finais Capítulo 8 Capítulo 8 Considerações Finais 8.1- Principais conclusões Durante esta tese foram analisados diversos aspectos relativos à implementação, análise e optimização de sistema

Leia mais

WiMAX. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

WiMAX. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com WiMAX é uma tecnologia padronizada de rede sem fio que permite substituir as tecnologias de acesso de banda larga por cabo e ADSL. O WiMAX permite a

Leia mais

Fundamentos de Rede e Cabeamento Estruturado. A camada Física

Fundamentos de Rede e Cabeamento Estruturado. A camada Física Fundamentos de Rede e Cabeamento Estruturado A camada Física Largura de banda Compartilhada ou shared bandwidth Comutada ou switched bandwidth Banda base e banda larga Banda base existe a possibilidade

Leia mais

REPRESENTAÇÃO FASORIAL DE SINAIS SENOIDAIS

REPRESENTAÇÃO FASORIAL DE SINAIS SENOIDAIS REPRESENTAÇÃO FASORIAL DE SINAIS SENOIDAIS Neste capítulo será apresentada uma prática ferramenta gráfica e matemática que permitirá e facilitará as operações algébricas necessárias à aplicação dos métodos

Leia mais

Top-Down Network Design

Top-Down Network Design Top-Down Network Design Chapter Ten Selecting Technologies and Devices for Campus Networks Copyright 2010 Cisco Press & Priscilla Oppenheimer Selecionando Tecnologias e Dispositivos Neste ponto do projeto

Leia mais

Sistema DVB para Transmissão de Televisão Digital

Sistema DVB para Transmissão de Televisão Digital Sistema DVB para Transmissão de Televisão Digital Pedro A. Amado Assunção Instituto de Telecomunicações Pinhal de Marrocos, 3030-290 Coimbra, Portugal Instituto Politécnico de Leiria/ESTG amado@co.it.pt

Leia mais

Elementos ativos de rede e meios de transmissão. Eduardo Max A. Amaral Aula 5

Elementos ativos de rede e meios de transmissão. Eduardo Max A. Amaral Aula 5 Elementos ativos de rede e meios de transmissão Eduardo Max A. Amaral Aula 5 Hub Os hubs são dispositivos concentradores, responsáveis por centralizar a distribuição dos quadros de dados em redes fisicamente

Leia mais

Tratamento do sinal Prof. Ricardo J. Pinheiro

Tratamento do sinal Prof. Ricardo J. Pinheiro Fundamentos de Redes de Computadores Tratamento do sinal Prof. Ricardo J. Pinheiro Resumo Modulação e demodulação Técnicas de modulação Analógica AM, FM e PM. Digital ASK, FSK e PSK. Multiplexação e demultiplexação

Leia mais

Meios Físicos de Comunicação

Meios Físicos de Comunicação Meios Físicos de Comunicação Aula 5 Fibra Óptica Meios Físicos de Comunicação - Fibra Óptica 1 Conteúdo Conceitos Iniciais Tipos Fatores de Perdas Medição e Teste Vantagens Conversores e Conectores Meios

Leia mais

2015 Dr. Walter F. de Azevedo Jr. Lei de Bragg e Espaço Recíproco

2015 Dr. Walter F. de Azevedo Jr. Lei de Bragg e Espaço Recíproco 2015 Dr. Walter F. de Azevedo Jr. 000000000000000000000000000000000000000 000000000000000000000000000000000000000 000000000000111111111110001100000000000 000000000001111111111111111111000000001 000000000111111111111111111111111000000

Leia mais

Antena Escrito por André

Antena Escrito por André Antena Escrito por André Antenas A antena é um dispositivo passivo que emite ou recebe energia eletromagnéticas irradiada. Em comunicações radioelétricas é um dispositivo fundamental. Alcance de uma Antena

Leia mais

Meios de transmissão. Professor Leonardo Larback

Meios de transmissão. Professor Leonardo Larback Meios de transmissão Professor Leonardo Larback Meios de transmissão Na comunicação de dados são usados muitos tipos diferentes de meios de transmissão. A escolha correta dos meios de transmissão no projeto

Leia mais

Redes de Computadores I - Meios de Transmissão. por Helcio Wagner da Silva

Redes de Computadores I - Meios de Transmissão. por Helcio Wagner da Silva Redes de Computadores I - Meios de Transmissão por Helcio Wagner da Silva Classificação Meios guiados: Par trançado. Cabo coaxial. Fibra óptica. Meios Não-guiados: Transmissão por rádio. Microondas. Infravermelho.

Leia mais

O Padrão Ethernet. Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática/UFES zegonc@inf.ufes.br

O Padrão Ethernet. Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática/UFES zegonc@inf.ufes.br O Padrão Ethernet Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática/UFES zegonc@inf.ufes.br Origens O início do desenvolvimento da tecnologia Ethernet ocorreu nos laboratórios da Xerox PARC,

Leia mais

3 Espectroscopia no Infravermelho 3.1. Princípios Básicos

3 Espectroscopia no Infravermelho 3.1. Princípios Básicos 3 Espectroscopia no Infravermelho 3.1. Princípios Básicos A espectroscopia estuda a interação da radiação eletromagnética com a matéria, sendo um dos seus principais objetivos o estudo dos níveis de energia

Leia mais

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

Leia mais

2 Meios de transmissão utilizados em redes de telecomunicações 2.1. Introdução

2 Meios de transmissão utilizados em redes de telecomunicações 2.1. Introdução 2 Meios de transmissão utilizados em redes de telecomunicações 2.1. Introdução Atualmente, as estruturas das redes de comunicação são classificadas conforme a escala: rede de acesso, rede metropolitana

Leia mais

Apostila Básica sobre transmissão de TV Digital Padrão Brasileiro

Apostila Básica sobre transmissão de TV Digital Padrão Brasileiro 1 Apostila Básica sobre transmissão de TV Digital Padrão Brasileiro Capitulo 1: Para começarmos a falar sobre TV Digital devemos conhecer os tipos de modulação digital que existem e entender, ao menos,

Leia mais

Linhas de transmissão

Linhas de transmissão Linhas de transmissão 1 - Introdução Linha de transmissão é um termo genérico utilizado para referenciar qualquer tipo de meio físico construído para transmissões de sinais elétricos ou óticos. No setor

Leia mais

MEDIDA DA VELOCIDADE DE FASE DA LUZ EM LINHAS DE TRANSMISSÃO

MEDIDA DA VELOCIDADE DE FASE DA LUZ EM LINHAS DE TRANSMISSÃO XIX Simpósio Nacional de Ensino de Física SNEF 2011 Manaus, AM 1 MEDIDA DA VELOCIDADE DE FASE DA LUZ EM LINHAS DE TRANSMISSÃO Walter S. Santos 1, Darlan O. S. Gomes 2, Antonio Carlos F. Santos 3, Carlos

Leia mais

Dispositivos de rede. roteador bridge. switch. switch ATM. transceiver repetidor

Dispositivos de rede. roteador bridge. switch. switch ATM. transceiver repetidor Dispositivos de rede roteador bridge switch switch ATM transceiver repetidor hub 1 Meios físicos Os meios físicos são considerados componentes da camada 1. Tudo de que se encarregam são bits (por exemplo,

Leia mais

Projeto: Formas Diferenciais Aplicadas a Problemas Eletrostáticos e Magnetostáticos

Projeto: Formas Diferenciais Aplicadas a Problemas Eletrostáticos e Magnetostáticos Área: ENGENHARIAS E CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Projeto: Formas Diferenciais Aplicadas a Problemas Eletrostáticos e Magnetostáticos Autores: NOME DO BOLSISTA: CAIO SALAZAR ALMEIDA NAZARETH - BIC/UFJF NOME DO

Leia mais