FIBRAS ARTIFICIAIS E SINTÉTICAS JUN/95

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FIBRAS ARTIFICIAIS E SINTÉTICAS JUN/95"

Transcrição

1 RELATO SETORIAL FIBRAS ARTIFICIAIS E SINTÉTICAS JUN/95

2 FIBRAS ARTIFICIAIS E SINTÉTICAS EQUIPE: Luiz Lauro Romero - Gerente Jayme Otacilio W. M. Vieira - Analista de Sistemas Renato Alberto Martins - Contador Luiz Alberto Rossatto de Medeiros - Engenheiro JUNHO/95 2

3 1. HISTÓRICO As fibras químicas representam uma alternativa criada pelo homem para as necessidades de diversas indústrias, antes dependentes exclusivamente das fibras encontradas na natureza. Em razão de suas qualidades e excelente aceitação pelo mercado, as fibras químicas tiveram expandida sua gama de utilização, com aplicações específicas, além de ampliar os usos das fibras naturais. Um dos mais importantes usos das fibras químicas se dá na confecção de tecidos, sendo este o enfoque principal do presente trabalho. As fibras químicas podem ser divididas em artificiais e sintéticas. As primeiras são produzidas a partir da celulose, substância fibrosa encontrada na pasta de madeira ou no linter de algodão, daí serem também conhecidas por fibras celulósicas. A primeira fonte de celulose purificada foi o linter de algodão, que é a fibra curta restante na semente do algodão após o descaroçamento; no grupo das fibras artificiais temos basicamente o raiom viscose e o raiom acetato. As fibras sintéticas, acrílico, náilon, poliéster, polipropileno e a fibra elastomérica são originárias da petroquímica. As primeira fibra química produzida em escala comercial foi o raiom, em 1910, coroando as experiências que haviam se iniciado nos Estados Unidos no século passado. Antes disso, os produtos têxteis somente podiam ser obtidos através das fibras naturais: algodão, linho, lã, juta, seda e rami. Vinte anos mais tarde, também nos Estados Unidos, se iniciava a produção, em escala comercial, da primeira fibra química sintetizada a partir da petroquímica, o náilon. As fibras químicas foram desenvolvidas inicialmente com o objetivo de copiar e melhorar as características e propriedades das fibras naturais. À medida que suas aplicações foram crescendo, elas se tornaram uma necessidade, principalmente porque o crescimento da população mundial passou a demandar vestuários confeccionados com rapidez e a um custo mais baixo, reduzindo, ao 3

4 mesmo tempo, a vulnerabilidade da indústria têxtil às eventuais dificuldades da produção agrícola. Nenhuma fibra isoladamente, seja química ou natural, preenche todas as necessidades da indústria têxtil; no entanto, a mistura de fibras químicas com fibras naturais, notadamente o algodão, trouxe a estas melhor desempenho, resistência, durabilidade e apresentação. O uso das fibras sintéticas é atualmente bastante difundido, abrangendo todos os segmentos da indústria têxtil. As fibras artificiais foram introduzidas no Brasil quase simultâneamente ao seu aparecimento no exterior. As empresas nacionais e estrangeiras que se dedicaram à produção desse tipo de fibra tiveram um rápido crescimento, favorecidas pela abundância de linter de algodão, matéria prima para a produção de viscose, mão-de-obra barata, e pelo baixo custo da energia elétrica. A produção em escala comercial começou em 1931, pela Companhia Brasileira Rhodiaceta, atual Rhodia, com o filamento têxtil de acetato. Após a Segunda Guerra Mundial surgiu um novo tipo de fibra, a sintética, de origem petroquímica, fazendo intensa concorrência às fibras artificiais, que em decorrência do contínuo desenvolvimento tecnológico observado na produção das fibras sintéticas (reduzindo drasticamente os problemas de poluição ambiental), foram gradativamente sendo deslocadas do mercado. Em 1955 as fibras sintéticas começaram a ser produzidas no Brasil pela Rhodia e, a partir da década de 60, tiveram um crescimento constante, até superarem, por volta de 1965, as artificiais, cujo desenvolvimento se havia estagnado, tanto em produção quanto em consumo. A primeira fibra sintética produzida no Brasil foi o náilon, sob a forma de filamento têxtil; no ano seguinte, em 1956, foi iniciada a produção de fibra cortada de náilon; em 1957 foi a vez do filamento industrial de náilon para pneus; em

5 foi introduzido o poliéster em filamentos e fibras cortadas, e em 1968, o acrílico, também sob a forma de fibras cortadas. Conforme podemos observar no gráfico adiante, as fibras químicas, primeiramente as artificiais e, em seguida, as sintéticas vieram progressivamente deslocando do mercado as fibras naturais. A nível mundial, em 1993, as fibras químicas e as naturais praticamente dividiam igualmente o mercado entre si com pequena predominância das segundas. Cabe registrar ainda, em termos de fibras químicas, a progressiva substituição das artificiais pelas sintéticas. Gráfico 1 90 FIBRAS TÊXTEIS: MERCADO MUNDIAL ( %) naturais sintéticas artificiais Fonte: ITMF - International Textiles Manufactures Federation A produção mundial de fibras, a partir de 1983, apresentou um crescimento significativo (da ordem de 50%), embora sem alteração na proporção entre químicas e naturais, proporção que é mantida nas projeções até o ano Este comportamento é mostrado no gráfico seguinte: 5

6 Gráfico 2 PRODUÇÃO MUNDIAL DE FIBRAS TÊXTEIS milhões de toneladas algodão sintéticos artificiais lã Fonte: ITMF No Brasil, desde sua introdução e, principalmente, a partir da década de 60, a produção e o consumo das fibras artificiais e sintéticas tem sido crescente, saindo de 8,2% sobre o consumo total de fibras em 1963, para atingir 21,7% no começo dos anos 70 até alcançar cerca de 30% nos dias de hoje. É, portanto, um consumo inferior à média mundial, dado que nosso país, por razões culturais e climáticas, é grande consumidor de tecidos de algodão. Observe-se que a utilização das fibras químicas na indústria têxtil tende a crescer a longo prazo, segundo empresários e estudiosos do setor, em razão, basicamente, das incertezas inerentes a produção das fibras naturais (algodão e linho principalmente) sujeitas a variações climáticas, de safra, de preços etc., e dos aperfeiçoamentos obtidos na produção de fibras sintéticas, que as tornam cada vez mais próximas das naturais. 6

7 2. ASPECTOS TÉCNICOS 2.1. CARACTERÍSTICAS DAS FIBRAS QUÍMICAS As fibras químicas, de modo geral, seguem o mesmo processo de produção, por extrusão, que consiste em pressionar a resina, em forma pastosa, através de furos finíssimos numa peça denominada fieira. Os filamentos que saem desses furos são imediatamente solidificados. Esse processo é denominado fiação, embora o termo, nesse contexto, pouco tenha a ver com a fiação tradicional da indústria têxtil. As fibras tomam sua forma final através de estiramento, realizado através de dois processos básicos; no primeiro, as fibras são estiradas durante o processo de solidificação; no segundo, o estiramento é feito após estarem solidificadas. Em ambos os casos o diâmetro da fibra é reduzido, e sua resistência à tração é aumentada. As fibras assim produzidas podem ser apresentadas em três formas distintas, destinadas a usos também distintos: monofilamento, multifilamento e fibra cortada. O monofilamento, como o próprio nome indica, é um único filamento contínuo. O multifilamento é a união de pelo menos dois monofilamentos contínuos, unidos paralelamente por torção. A fibra cortada é resultado do seccionamento, em tamanhos determinados, de um grande feixe de filamentos contínuos. A fibra cortada pode ser fiada nos mesmos filatórios que são utilizadas para fiar algodão. Além disso, se presta à mistura com as fibras naturais já na fiação, permitindo a chamada mistura íntima, ou seja, os fios mistos produzidos adquirem uma mescla das características de resistência e durabilidade das fibras químicas e do toque e conforto das fibras naturais. 7

8 Os fios produzidos com a fibra cortada são também mais volumosos do que os filamentos contínuos do mesmo peso, o que possibilita seu uso na produção de tecidos com superfícies não lisas. Essa característica, aliada à maior facilidade de manuseio da fibra cortada em relação ao filamento contínuo, faz com que os fios fiados sejam mais utilizados do que os filamentos contínuos, existindo inclusive fibras, como por exemplo o acrílico, em que raramente se utilizam filamentos contínuos na produção de artigos têxteis. Recentemente foi desenvolvida uma nova variedade de fibra sintética, a microfibra, que surgiu no mercado por volta de Produzida a partir de acrílico, poliéster ou náilon, ela se caracteriza por filamentos extremamente delgados e é utilizada na forma de fios multifilamentos. As características das microfibras permitem a fabricação de tecidos leves e de toque bem mais agradável do que aqueles produzidos com fios ou filamentos artificiais ou sintéticos. Cabe registrar que já está desenvolvida, a nível de laboratório, a micro-micro fibra, ainda não lançada no mercado devido ao seu alto custo. As fibras químicas podem ser processadas de forma a adquirir certas características que propiciem maior conforto aos produtos com elas confecccionados. Os filamentos contínuos, por exemplo, podem ser texturizados 1 ou receber tratamento de forma a aumentar o seu volume. 1 - Tipo de tratamento que produz um enrugamento ou sanfonamento permanente das fibras, aumentando-lhes o volume aparente, e que resulta em fios e tecidos mais macios, com melhor "toque", aparência e elasticidade. 8

9 2.2. PRINCIPAIS FIBRAS QUÍMICAS E SEUS USOS FIBRAS ARTIFICIAIS As fibras artificiais são produzidas a partir da celulose e as principais matérias-primas utilizadas são o linter de algodão e a polpa de madeira. Inicialmente considerada como uma alternativa barata para o algodão, a produção de fibras artificiais praticamente se estagnou, em parte pelo predomínio crescente das fibras sintéticas e em parte porque seu processo produtivo é altamente poluente devido ao uso intensivo da soda cáustica. As principais fibras artificiais de base celulósica são o raiom acetato e o raiom viscose (ou, simplesmente, viscose), sendo esta última a mais importante do ponto de vista têxtil. Raiom Acetato - o consumo do raiom acetato é reduzido, especialmente no caso de aplicações têxteis. Embora apresentando características gerais similares às da viscose, não reage bem aos processos normais de tingimento, exigindo a utilização de técnicas especiais. Suas maiores aplicações estão na produção de filtros para cigarros, rendas, cetins e material de estofamento. Raiom Viscose - os fios e fibras de viscose são semelhantes ao algodão em absorção de umidade e resistência à tração; apresentam toque suave e macio e um caimento comparável ao do algodão. A viscose pode ser utilizada pura ou em combinação com outras fibras, nas mais diferentes proporções e tipos de misturas, e os tecidos com ela produzidos atingem todos os segmentos do mercado têxtil: tecidos planos, malhas, cama, mesa, banho, bordados e linhas. Embora os tecidos de viscose sejam bastante requisitados por confeccionistas de moda, a produção destas fibras não tem grandes perspectivas de crescimento a nível mundial, em razão dos altos custos ambientais inerentes à sua produção. 9

10 FIBRAS SINTÉTICAS As fibras sintéticas são produzidas a partir de resinas derivadas do petróleo. As principais fibras de interesse têxtil são, em ordem de quantidades consumidas, o poliéster, o polipropileno, o náilon e o acrílico. Existe ainda uma outra classe de fibras, de características bastante peculiares, que são os elastanos. Poliéster - é a fibra sintética de maior consumo no setor têxtil, representando pouco mais de 50% da demanda total de fibras químicas. Pode ser utilizada pura ou em mistura com algodão, viscose, náilon, linho ou lã, em proporções variadas. Os tecidos resultantes prestam-se à fabricação de inúmeros artigos: camisas, camisetas, pijamas, calças, ternos, lençóis, cortinas etc. Também no segmento de mantas e não-tecidos o poliéster é bastante utilizado em aplicações como entretelas, enchimento de agasalhos e edredons (isolante térmico), além de outras aplicações não têxteis (filtros, mantas impermeabilizantes etc...). Além disso, o Poliéster é a mais barata das fibras têxteis, sejam químicas ou naturais. A fibra de poliéster apresenta elevada resistência à umidade e aos agentes químicos (ácidos e álcalis), é não-alergênica e possui grande resistência à tração. A adição de 10% dessa fibra ao algodão resulta em um aumento de 8% na resistência do fio, permitindo significativo aumento na velocidade do processo têxtil, o que se traduz em maior produtividade. Polipropileno - do ponto de vista da indústria têxtil para vestuário e uso doméstico, o polipropileno não é uma fibra importante; entretanto, suas características de resistência à umidade, elevada inércia química, leveza, resistência à abrasão e à ação de mofos e bactérias tornam-no ideal para a produção de sacarias, proporcionando excelente isolamento e proteção aos 10

11 produtos assim acondicionados. Tem também aplicações em forrações de interiores e exteriores, na fabricação de feltros e de estofamentos. Náilon (ou Poliamida) - considerada a mais nobre das fibras sintéticas, foi a primeira a ser produzida industrialmente. O náilon, entre outras qualidades, apresenta uma elevada resistência mecânica (cerca de 3,5 vezes superior ao algodão) que o torna adequado à fabricação de dispositivos de segurança (páraquedas, cintos de segurança para veículos etc...). Outras características são a baixa absorção de umidade, a possibilidade de texturização e a boa aceitação de acabamentos têxteis, o que permite a obtenção de tecidos com aspectos visuais diferenciados. A principal utilização do náilon na área têxtil ocorre na fabricação de tecidos de malha apropriados para a confecção de meias, roupas de banho (maiôs, sungas), moda íntima (lingerie) e artigos esportivos. Acrílico - embora sendo a menos consumida dentre as fibras químicas têxteis, o acrílico, por suas características, ocupa espaço próprio no setor de confeccionados têxteis como o melhor substituto da lã. É um produto "quente" (bom isolante térmico) e leve, muito resistente à ação dos raios solares (radiação ultra-violeta) e aos agentes químicos, não amassa e seca rapidamente. Tem larga aplicação na fabricação de artigos de inverno: agasalhos em geral, meias, gorros, cobertores, mantas e tecidos felpudos; além disso, por ser não-alergênico, é muito utilizado na produção desses mesmos artigos para uso infantil. Elastanos - as fibras elastoméricas exercem um papel complementar em relação às demais fibras têxteis (naturais ou químicas). Sua função específica é conferir elasticidade aos tecidos convencionais (de malha ou planos) o que permite confeccionar peças de vestuário que aderem ao corpo, acompanhando-lhe as formas sem tolher os movimentos. Essa característica as torna particularmente apropriadas à confecção de roupas de praia, roupas 11

12 femininas e esportivas, roupas íntimas, meias e artigos para aplicações médicas e estéticas. As fibras elastoméricas possuem grande elasticidade (podem atingir até 5 vezes seu tamanho normal sem se romperem), resistência à abrasão e à deterioração pela ação de detergentes, loções, transpiração e diversos produtos químicos. Sua utilização se faz sempre em combinação com outras fibras convencionais em proporções que variam entre 5 e 20% AS FIBRAS MAIS PRODUZIDAS O consumo geral de fibras têxteis no mundo foi, em 1993, da ordem de 41,5 milhões de toneladas, das quais 21,5 milhões de fibras naturais (algodão, lã, linho, rami, seda) e o restante (20 milhões de toneladas) de fibras artificiais e sintéticas. Essas quantidades, avaliadas percentualmente, mostram que, atualmente, o mercado está praticamente dividido meio-a-meio entre as fibras naturais e as não-naturais. Dentre as primeiras, o algodão predomina absoluto, com 80% do consumo de fibras naturais; nas segundas, predominam as sintéticas em geral, com 91%, e, dentre estas, o poliéster detém 59%. As estimativas disponíveis apontam para um crescimento da demanda por fibras químicas da ordem de 35% nos próximos anos, a nível mundial. O quadro a seguir expressa quantitativamente essa tendência para as principais fibras de aplicação têxtil: Quadro I 12

13 PROJEÇÃO DA DEMANDA PELAS PRINCIPAIS FIBRAS QUÍMICAS NO MUNDO milhões de toneladas VAR. % Poliéster 11,23 16,18 44 Poliamida (Náilon) 3,87 4,72 22 Acrílico 2,45 2,84 16 Total 17,55 23,74 35 Fonte: "The Changing Stuctures of World Fibre Intermediates Markets" TECNON Consulting Group Como se observa, a fibra que tende a apresentar maior crescimento de consumo é o poliéster, devido ao seu baixo custo e aos melhoramentos tecnológicos que fazem com que esta fibra se assemelhe cada vez mais ao algodão. É previsto um crescimento razoável para o náilon, que ainda é insubstituível para certas aplicações (lingerie, por exemplo). O acrílico tende a ter crescimento menor do que as outras fibras citadas, em razão basicamente de seu uso limitado (é substituto da lã) e seus maiores custos de produção. Em 1994, para uma demanda de 20,68 milhões de toneladas de fibras sintéticas, havia uma capacidade instalada de 22,27 milhões de toneladas, representando uma taxa de ocupação de quase 93%, mostrando que o setor estava trabalhando, em termos globais, bem próximo da capacidade total de produção. 3. MERCADO INTERNACIONAL 13

14 A estrutura da produção mundial de fibras químicas vem sofrendo modificações substanciais, registrando-se um deslocamento dos novos investimentos para os países asiáticos (China, Índia, Indonésia, Coréia, Tailândia e Taiwan), além de Brasil e México. Em 1986 o sudeste asiático participava com 35% da produção mundial, sendo o Japão o maior produtor; atualmente esse percentual já atinge 47%, com queda na participação relativa do Japão, enquanto as economias em desenvolvimento, como um todo, detém 53,3% da capacidade total instalada. A transferência da indústria de fibras químicas para alguns países em desenvolvimento ocasionou diferenças nos custos de produção, e, estes, por sua vez estimularam a competição por preços. O impacto dessas diferenças depende do produto e da região. Segundo dados da Unido (United Nations Industrial Development Organization), a matéria-prima e mão-de-obra, juntas, representam pouco mais de 64% dos custos totais de produção nos países desenvolvidos e cerca de 55% nos países em desenvolvimento, que se beneficiam do menor custo da mão-de-obra. A razão pela qual o custo de mão-de-obra sozinho não determina o preço das fibras é que o processo de produção é intensivo em capital e não em mão-de-obra; assim o nível de emprego na indústria de fibras sintéticas é relativamente pequeno, e vem sendo reduzido em muitos países, inclusive no Brasil. Apesar dessa tendência negativa em relação ao nível de emprego, a indústria vem crescendo, graças aos aumentos de produtividade e novas tecnologias. Verifica-se também, especialmente nos Estados Unidos e Europa, um movimento de fusões e incorporações, denotando um processo de concentração na indústria. Tal movimento visa dar melhores condições de competitividade, via 14

15 escala de produção, às empresas do mundo desenvolvido. Exemplos significativos foram a aquisição da Enka pela Basf (Alemanha), a compra da Sarwel Courtaulds (Inglaterra) pela Japonesa Toray e as fusões de Du Pont com ICI e da Rhône- Poulenc com a Snia (Itália). As empresas líderes mundiais na fabricação de fibras sintéticas nos países desenvolvidos são grandes multinacionais, que também estão presentes, com interesses e participações (filiais), nos países em desenvolvimento, onde as matérias-primas para a produção são frequentemente obtidas de empresas coligadas, já que os suprimentos são, em geral, insuficientes nesses países. Quase todas as novas plantas, tanto para fibras quanto para matérias-primas, empregam tecnologia adquirida dos países do hemisfério Norte, onde umas poucas empresas, principalmente alemãs, dominam o fornecimento da tecnologia. Entre as maiores produtoras mundiais estão Du Pont e Monsanto Chemical nos EUA, Toray Industries no Japão, Montefibre Enimont na Itália, Hoechst A. G. na Alemanha, Rhône-Poulenc (Rhodia) na França, e Hanil Synthetic Fiber na Coréia. Nos países em desenvolvimento, as maiores empresas são as estatais chinesas Far Eastern Textile e Nan Ya Plastics Corporation, ambas em Taiwan, e Fibras Sintéticas, no México. 4. MERCADO INTERNO 15

16 A estrutura produtiva do mercado brasileiro de fibras químicas é similar à existente no resto do mundo, com um pequeno número de ofertantes. As principais empresas brasileiras são, em geral, filiais dos grandes produtores mundiais. A capacidade de produção em nosso país praticamente não evoluiu no período de 1989 a Entre 1990 e 1993, em razão de programas de modernização empreendidos por quase todas as empresas, a produtividade por empregado aumentou. Em 1990 a produção era de t. e o número de empregos diretos de com uma produção média 15,76 t/empregado. Em 1993 a produção aumentou para t. enquanto o número de empregos foi reduzido para , o que elevou para 22,70 t. a produção média por empregado. Informações preliminares relativas a 1994 indicam produção de t para um total de empregados, elevando novamente a produção por empregado para 23,36 t. O quadro a seguir mostra a produção e o consumo aparente no Brasil das principais fibras químicas de uso têxtil no ano de 1993 (em t. ano). Quadro II PRODUÇÃO/CONSUMO APARENTE DE FIBRAS QUÍMICAS MERCADO BRASILEIRO Capacidade Vendas VIPE Exportações Consumo Produto Instalada Produção Mercado (*) Diretas Importações Aparente Interno Artificiais raiom Viscose raiom Acetato Sintéticas Náilon Poliéster Acrílico TOTAL Fonte: ABRAFAS - Associação Brasileira de Produtores de Fibras Artificiais e Sintéticas (*) - Vendas internas para exportação. Obs.: A produção de elastanos não foi informada pela única empresa produtora. O polietileno não aparece, pois não é considerado, a rigor, como fibra de uso têxtil. No gráfico 3 vemos a capacidade instalada e a produção das fibras químicas no país no período 1989/1993. Conforme se observa não houve evolução 16

17 significativa na capacidade, e a produção que atingiu seu pico em 1989, se manteve estabilizada em um patamar inferior nos quatro anos seguintes. Em 1994 não houve alteração na capacidade instalada da indústria. Gráfico 3 FIBRAS QUÍMICAS: EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO E DA CAPACIDADE INSTALADA NO BRASIL CAP. INSTAL. PRODUÇÃO O consumo de toneladas de fibras químicas em 1993 representou aproximadamente 29% do consumo total de fibras têxteis no Brasil, que foi de cerca de toneladas naquele ano. No ano seguinte, o consumo total cresceu para t. em razão da reativação do mercado verificada a partir do segundo semestre (Plano Real). Em 1993 havia ainda capacidade ociosa na indústria, dado que a ocupação média foi da ordem de 77%, embora o consumo aparente tenha sido de 84%, sendo a diferença coberta pelas importações, que vêem aumentando nos últimos anos em razão da redução tarifária. A exemplo do observado no resto do mundo, a fibra química mais consumida no Brasil é o poliéster (49% do consumo aparente), seguida pelo náilon 17

18 (23%) e pela viscose (15%). O acrílico em nosso país não tem um consumo elevado, em razão de fatores climáticos. O alto consumo de poliéster deve-se basicamente ao baixo custo deste tipo de fibra, que pode ser vendida a preços bem mais baixos do que seus principais concorrentes, o náilon e a viscose. As fibras elastoméricas são de custo elevado e entram em proporções reduzidas nas misturas com outras fibras. A única produtora destas fibras no Brasil é a Du Pont, que as comercializa com o nome Lycra, conhecido no mundo inteiro. A lycra confere elasticidade e caimento peculiares aos tecidos, sendo muito utilizada principalmente em roupas de banho e lingerie (em mistura com o náilon ou com o poliéster) e em roupas esporte e malharias (em mistura com o algodão: "cotton-lycra"). O quadro a seguir mostra os preços no mercado interno (sem ICMS) de algumas fibras químicas, em março/95. Quadro III PREÇOS DAS FIBRAS QUÍMICAS NO MERCADO BRASILEIRO FIBRA PREÇO POR KG fibra poliéster US$ 1,80 a US$ 2,20 fibra viscose US$ 2,40 fibra acrílico US$ 2,40 filamento poliéster texturizado US$ 2,96 a US$ 3,20 fibra náilon US$ 4,47 filamento náilon 6.6 US$ 10,50 elastano US$ 15,00 a US$ 100,00 Fonte: Informações das empresas. 5. ESTRUTURA DA INDÚSTRIA NO BRASIL 18

19 A oferta de cada uma das fibras químicas no Brasil é concentrada em poucas empresas, sendo os principais produtores nacionais os seguintes, por fibra: filamentos de poliéster - O Brasil produziu cerca de t de filamento de poliéster em 1993, sendo para uso na indústria têxtil. Os principais fabricantes brasileiros são: Polienka (Grupo Akzo) com aproximadamente 31% do total, Rhodia (Grupo Rhône-Poulenc) - 21%, Hoechst - 20% e Fibra - 20%. Os restantes 8% têm sido provenientes de importações. O gráfico a seguir demonstra a evolução da produção e consumo, comparados com a capacidade instalada no período Gráfico POLIESTER - FILAMENTO TÊXTIL COMPORTAMENTO DO MERCADO BRASILEIRO toneladas CAPAC.INSTAL PRODUÇÃO CONSUMO Fibras de poliéster - A produção brasileira de fibras cortadas de poliéster foi também da ordem de t em Há somente dois produtores: a Rhodia-Ster (Rhodia x Celbrás) 50% do mercado e Polifiatex (30%). As 19

20 importações têm aumentado muito e já alcançam a cerca de 20% do consumo interno, que foi estimado pelas empresas em t em Conforme demonstrado no gráfico 5, a demanda pela fibra de poliéster vem aumentando mais do que a oferta do produto, embora até 1993 a indústria tivesse capacidade ociosa. Gráfico POLIESTER - FIBRA CORTADA COMPORTAMENTO DO MERCADO BRASILEIRO toneladas CAP.INSTAL. PRODUÇÃO CONSUMO Filamentos de raiom viscose - O Brasil produziu t de filamentos de viscose para usos têxteis em Os principais produtores nacionais são a Nitroquímica - 75% e a Fibra (Grupo Vicunha) - 25% da produção. As importações têm sido muito pequenas. O consumo dessa fibra não é muito grande, e a produção supera a demanda interna,conforme pode ser visto no gráfico 6, a seguir. 20

21 Gráfico VISCOSE - FILAMENTO TÊXTIL COMPORTAMENTO DO MERCADO BRASILEIRO toneladas CAP.INST. PRODUÇÃO CONSUMO Fibras de viscose - Em 1993 foram fabricadas no Brasil cerca de t de fibras cortadas de viscose, sendo os únicos produtores, a Fibra (75% da produção) e a Rhodia-Ster (25%). O Brasil tem sido exportador líquido deste tipo de fibra, conforme pode ser visto no gráfico 7. Gráfico 7 21

22 VISCOSE - FIBRA CORTADA COMPORTAMENTO DO MERCADO BRASILEIRO toneladas capac. instal. prod. consumo Fibras e filamentos de náilon - Nosso país produziu cerca de t de filamentos de náilon e t de fibras de náilon em Os produtores são a Fibra Dupont (45%) e a Rhodia (50%), havendo ainda fábricas menores que produzem para uso próprio (De Millus, Juosas, Banilza). A partir do segundo semestre de 1994 o consumo cresceu muito, estimando-se que a demanda brasileira em 1995 venha a ser da ordem de t de filamentos e t de fibras, com importações totais entre t e t. Nos gráficos 8 e 9 estão demonstradas a produção de filamentos têxteis de náilon e de fibras de náilon, respectivamente. Gráfico 8 22

23 NÁILON - FILAMENTO TÊXTIL toneladas CAP.INSTAL. PRODUÇÃO CONSUMO Gráfico NAILON FIBRA CORTADA COMPORTAMENTO DO MERCADO BRASILEIRO toneladas CAPAC. INSTAL. PRODUÇÃO CONSUMO A grande capacidade ociosa em relação à fibra cortada se deve ao fato da demanda do mercado estar direcionada para o náilon 6.6, enquanto as instalações disponíveis estavam preparadas para a produção do náilon 6. 23

24 Fibras de acrílico - A produção brasileira de fibra acrílica em 1993 foi da ordem de t, sendo a atual capacidade produtiva ( t) dividida, a grosso modo, entre a Rhodia-Ster e a Polifiatex. Veja gráfico a seguir. Gráfico ACRÍLICO - FIBRA CORTADA COMPORTAMENTO DO MERCADO BRASILEIRO toneladas CAPAC.INSTAL. PRODUÇÃO CONSUMO Fonte: Os gráficos de 3 a 10 têm como fonte a ABRAFAS. Elastano - Não há estimativas da capacidade de produção brasileira de elastanos, uma vez que a única empresa produtora em nosso país, a Du Pont, tem como estratégia não divulgar este dado. Estima-se que o consumo em 1995, deve-se situar entre e toneladas, sendo 70% pelo menos suprido pela lycra da Du Pont, e o restante por importações. A estrutura da indústria brasileira de fibras químicas é bastante concentrada, e a maioria das empresas faz parte de grupos multinacionais, o que confere às mesmas um forte poder de negociação no mercado, embora esteja havendo, com a diminuição de tarifas, aumento da concorrência das fibras 24

25 importadas. Observa-se também no Brasil e no Mercosul um movimento de concentração na indústria, como provam as recentes fusões da Fibra (Brasil) com a Du Pont (Argentina), criando a Fibra Du Pont para a produção de náilon e da Rhodia com a Celbrás (ambas sediadas no Brasil), criando a Rhodia-Ster para a produção de poliéster e acrílico. Cabe ainda destacar, que, por exigência do CADE, a Rhodia-Ster cindiu-se, cedendo parte de suas instalações para a criação da Polifiatex, empresa que está a venda e deverá concorrer com a Rhodia-Ster nos seus mercados de atuação. Em tempo: Em junho 95 foi anunciada a criação da Farway joint-venture formada por Hoechst (50%) e Rhodia (50%) para produzir filamentos de poliéster e fibras de náilon. A empresa iniciará operações em 01/07/95 e deverá receber investimentos de US$ 95 milhões nos próximos 2 anos. O faturamento da indústria, que já alcançou US$ 1,6 bilhões em 1989, sofreu uma redução de 25% nos dois anos subsequentes. Da mesma forma os investimentos que estavam em cerca de 10% das vendas foram bastante reduzidos. Em 1993 houve uma recuperação, com o faturamento chegando a US$ 1,4 bilhões. Estimativas da ABRAFAS indicam que o faturamento de 1994 atingiu a cerca de US$ 1,5 bilhões. No gráfico a seguir está apresentado o faturamento entre 1989 e 1993, bem como os investimentos realizados e o ICM e encargos sociais gerados no período. Gráfico 11 25

Ciclo de Vida. Elastano

Ciclo de Vida. Elastano Ciclo de Vida Elastano A fibra é a menor parte visível de uma unidade de tecido, e é conhecida por ser muito longa para sua largura (que pode ser até 100 vezes menor). As fibras de tecido podem ser naturais

Leia mais

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico 3.2 Madeira e Móveis Diagnóstico Durante a década de 90, a cadeia produtiva de madeira e móveis sofreu grandes transformações em todo o mundo com conseqüentes ganhos de produtividade, a partir da introdução

Leia mais

Celulose de Mercado BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 Gerência Setorial 1

Celulose de Mercado BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 Gerência Setorial 1 1 BNDES FINAME BNDESPAR ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 Gerência Setorial 1 Celulose de Mercado Ao longo de 1999 e parte do ano 2000 os preços da celulose foram crescentes, num cenário de demanda aquecida

Leia mais

E.I. DU PONT DE NEMOURS & CO

E.I. DU PONT DE NEMOURS & CO E.I. DU PONT DE NEMOURS & CO A DuPont é uma companhia voltada para a ciência, que concentra seus esforços e atua nas áreas de alimentação e nutrição; higiene pessoal; moda; casa e construção; eletrônicos;

Leia mais

CIRCULAR N o 25, DE 4 DE MAIO DE 2009 (publicada no D.O.U. de 05/05/2009)

CIRCULAR N o 25, DE 4 DE MAIO DE 2009 (publicada no D.O.U. de 05/05/2009) MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DE COMÉRCIO EXTERIOR CIRCULAR N o 25, DE 4 DE MAIO DE 2009 (publicada no D.O.U. de 05/05/2009) O SECRETÁRIO DE COMÉRCIO EXTERIOR

Leia mais

OS IMPACTOS DA ALCA E DO ACORDO COMERCIAL COM A UNIÃO EUROPÉIA - O CASO DA CADEIA TÊXTIL/CONFECÇÕES 1 Victor Prochnik 2

OS IMPACTOS DA ALCA E DO ACORDO COMERCIAL COM A UNIÃO EUROPÉIA - O CASO DA CADEIA TÊXTIL/CONFECÇÕES 1 Victor Prochnik 2 OS IMPACTOS DA ALCA E DO ACORDO COMERCIAL COM A UNIÃO EUROPÉIA - O CASO DA CADEIA TÊXTIL/CONFECÇÕES 1 Victor Prochnik 2 1. Apresentação Este artigo discute as oportunidades e riscos que se abrem para a

Leia mais

1.2 Papel e Celulose. Diagnóstico

1.2 Papel e Celulose. Diagnóstico 1.2 Papel e Celulose Diagnóstico A indústria de papel e celulose é caracterizada pelo alto grau de investimento e pela longa maturação. A escala de produção das fábricas de pastas celulósicas é, em geral,

Leia mais

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO GRÃOS: SOJA, MILHO, TRIGO e ARROZ TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 NO BRASIL E NO MUNDO Carlos Cogo Setembro/2012 PRODUÇÃO MUNDIAL DEVE RECUAR 4,1% NA SAFRA 2012/2013 ESTOQUES FINAIS MUNDIAIS DEVEM

Leia mais

3 O Cimento no Brasil. 10 Características da Indústria Cimenteira. 12 O Cimento no Custo da Construção. 13 Carga Tributária. 15 Panorama Internacional

3 O Cimento no Brasil. 10 Características da Indústria Cimenteira. 12 O Cimento no Custo da Construção. 13 Carga Tributária. 15 Panorama Internacional 3 O Cimento no Brasil 3 Processo produtivo 4 Histórico 5 Indústria 6 Produção 7 Consumo 8 Produção e consumo aparente regional 9 Vendas internas e exportação 10 Características da Indústria Cimenteira

Leia mais

CAFÉ DA MANHÃ FRENTE PARLAMENTAR

CAFÉ DA MANHÃ FRENTE PARLAMENTAR CAFÉ DA MANHÃ FRENTE PARLAMENTAR Situação Atual do Setor Têxtil e de Confecção Aguinaldo Diniz Filho Presidente da Abit Brasília, 19 de junho de 2013 PERFIL DO SETOR ESTRUTURA DA CADEIA TEXTIL E DE CONFECÇÃO

Leia mais

2.3 Transformados Plásticos. Diagnóstico

2.3 Transformados Plásticos. Diagnóstico 2.3 Transformados Plásticos Diagnóstico A indústria de plásticos vem movendo-se ao redor do mundo buscando oportunidades nos mercados emergentes de alto crescimento. O setor é dominado por um grande número

Leia mais

RESPOSTA TÉCNICA. Bicho da seda; fibra artificial; fibra de algodão; fibra natural; fibra sintética; fibra têxtil; fibra vegetal; seda; tecido

RESPOSTA TÉCNICA. Bicho da seda; fibra artificial; fibra de algodão; fibra natural; fibra sintética; fibra têxtil; fibra vegetal; seda; tecido RESPOSTA TÉCNICA Título Fibras Têxteis Resumo Informações sobre fibras têxteis, sua utilidade, classificação, características físico-químicas e o processo de fabricação de algumas delas. Palavras-chave

Leia mais

Ciclo de Vida. Fibras de Aramida

Ciclo de Vida. Fibras de Aramida Ciclo de Vida Fibras de Aramida A fibra é a menor parte visível de uma unidade de tecido, e é conhecida por ser muito longa para sua largura (que pode ser até 100 vezes menor). As fibras de tecido podem

Leia mais

Principais Matérias-Primas Utilizadas na Indústria Têxtil

Principais Matérias-Primas Utilizadas na Indústria Têxtil Principais Matérias-Primas Utilizadas na Indústria Têxtil Maria Helena Oliveira* A indústria têxtil foi bastante afetada pelo processo de abertura da economia brasileira, principalmente no período 1992/95.

Leia mais

ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2. GERÊNCIA SETORIAL 4 - SETOR DE BENS DE CAPITAL OR DE ENS DE CAPITAL - DESEMPENHO EM Data: 08/12/95 Nº 2

ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2. GERÊNCIA SETORIAL 4 - SETOR DE BENS DE CAPITAL OR DE ENS DE CAPITAL - DESEMPENHO EM Data: 08/12/95 Nº 2 ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL 4 - SETOR DE BENS DE CAPITAL OR DE ENS DE CAPITAL - DESEMPENHO EM Data: 08/12/95 Nº 2 MÁQUINAS E IMPLEMENTOS AGRÍCOLAS INTRODUÇÃO Caracterização

Leia mais

Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo. Contabilidade e Análise de Balanço EAC0110.

Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo. Contabilidade e Análise de Balanço EAC0110. Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo Curso de Ciências Econômicas Contabilidade e Análise de Balanço EAC0110 Lucas Rockembach Apollaro Nº USP 8557531 Marcos

Leia mais

Entretelas Coats Corrente

Entretelas Coats Corrente Entretelas Coats Corrente Introdução às Entretelas - O que é uma entretela? Entretela é um material aplicado em certas partes das roupas confeccionadas, com a função de encorpar e estruturar a peça, oferecendo-lhe

Leia mais

RADAR ABIT CENÁRIO TÊXTIL E VESTUÁRIO

RADAR ABIT CENÁRIO TÊXTIL E VESTUÁRIO RADAR ABIT CENÁRIO TÊXTIL E VESTUÁRIO Janeiro 2014 TÊXTIL E VESTUÁRIO CENÁRIO TÊXTIL E VESTUÁRIO Para 2014, estima-se que a cadeia produtiva têxtil e de vestuário em termos de volume evolua sobre 2013

Leia mais

Grupo 3 - Cadeias em que oportunidades e ameaças são localizadas e ou se anulam

Grupo 3 - Cadeias em que oportunidades e ameaças são localizadas e ou se anulam Grupo 3 - Cadeias em que oportunidades e ameaças são localizadas e ou se anulam 3.1 Cosméticos Diagnóstico Os países desenvolvidos dominam o mercado mundial do setor de cosméticos, perfumaria e artigos

Leia mais

ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 Gerência Setorial 3 Minério de Ferro 1. Reservas e Mercado Mundial

ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 Gerência Setorial 3 Minério de Ferro 1. Reservas e Mercado Mundial ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 Gerência Setorial 3 Minério de Ferro 1. Reservas e Mercado Mundial O minério de ferro é abundante no mundo, porém as jazidas concentram-se em poucos países, sendo que apenas

Leia mais

ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS MALHARIAS EQUIPE: Luiz Lauro Romero - Gerente Jayme Otacilio W. M. Vieira - Analista de Sistemas Renato Francisco Martins - Contador Luiz Alberto Rossatto de Medeiros - Engenheiro

Leia mais

&$'(,$7È;7,/ CADEIA TÊXTIL: ESTRUTURAS E ESTRATÉGIAS NO COMÉRCIO EXTERIOR. Dulce Corrêa Monteiro Filha Angela Maria Medeiros M.

&$'(,$7È;7,/ CADEIA TÊXTIL: ESTRUTURAS E ESTRATÉGIAS NO COMÉRCIO EXTERIOR. Dulce Corrêa Monteiro Filha Angela Maria Medeiros M. CADEIA TÊXTIL: ESTRUTURAS E ESTRATÉGIAS NO COMÉRCIO EXTERIOR Dulce Corrêa Monteiro Filha Angela Maria Medeiros M. Santos* * Respectivamente, economista e gerente da Gerência Setorial de Bens de Consumo

Leia mais

Panorama Mundial (2013)

Panorama Mundial (2013) Panorama Mundial (2013) Produção mundial alcançou US$ 444 bilhões em 2013; Mesmo com os efeitos da crise internacional, registra 85% de crescimento desde 2004, a uma taxa média de 7% ao ano; 54% da produção

Leia mais

Indústria química no Brasil

Indústria química no Brasil www.pwc.com.br Indústria química no Brasil Um panorama do setor Indústria química no Brasil A indústria química e petroquímica é um dos mais importantes setores da economia brasileira e está entre as

Leia mais

SETOR TÊXTIL E DE CONFECÇÕES

SETOR TÊXTIL E DE CONFECÇÕES PANORAMA DO SETOR TÊXTIL E DE CONFECÇÕES PRESIDENTE DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA ABIT AGUINALDO DINIZ FILHO BRASÍLIA, 01 DE JUNHO DE 2011 AGENDA DA APRESENTAÇÃO 2 RELEVÂNCIA DO SETOR TÊXTIL E DE CONFECÇÃO

Leia mais

BIT - Boletim Informativo Torcetex

BIT - Boletim Informativo Torcetex INTRODUÇÃO O presente trabalho tem por finalidade orientar nossos clientes, amigos e usuários de nossos produtos quanto a a aplicação e especificação dos produtos TORCETEX. Os produtos TORCETEX representam

Leia mais

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE EMBALAGENS

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE EMBALAGENS ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE EMBALAGENS Jun/15 Análise de Competitividade Embalagens Resumo da Cadeia de Valores Painel de Indicadores de Monitoramento da Competitividade Setorial Percepção empresarial da

Leia mais

COMPLEXO TÊXTIL BRASILEIRO

COMPLEXO TÊXTIL BRASILEIRO Ana Paula Fontenelle Gorini Sandra Helena Gomes de Siqueira* COMPLEXO TÊXTIL BRASILEIRO Resumo A balança comercial do setor têxtil brasileiro sofreu duro impacto com a abertura comercial e, se antes apresentava

Leia mais

VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO

VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO 1 - CHINA 2 - ESTADOS UNIDOS 2014 34.292 84,4 4.668 11,5 1.625 4,0 6.370 23,6 5.361 19,8 13.667 50,6 2013 38.973 84,7 5.458 11,9

Leia mais

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR INDÚSTRIAS. www.prochile.gob.cl

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR INDÚSTRIAS. www.prochile.gob.cl CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR INDÚSTRIAS www.prochile.gob.cl O Chile surpreende pela sua variada geografia. Suas montanhas, vales, desertos, florestas e milhares de quilômetros de costa, o beneficiam

Leia mais

+Gás Brasil. A energia que pode revolucionar a economia brasileira. São Paulo, 17 de Outubro de 2012

+Gás Brasil. A energia que pode revolucionar a economia brasileira. São Paulo, 17 de Outubro de 2012 +Gás Brasil A energia que pode revolucionar a economia brasileira São Paulo, 17 de Outubro de 2012 A hora do gás na agenda nacional Mudanças tecnológicas, econômicas e políticas globais e locais impõem

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA

ESTADO DE SANTA CATARINA 580 5.3 EXPORTAÇÃO: ESTRUTURA E DESEMPENHO RECENTE José Antônio Nicolau * As vendas no mercado externo são um tradicional indicador de competitividade de empresas e setores produtivos. Ainda que seja resultado

Leia mais

VII Seminário de Combustíveis Salvador, 13 de junho de 2008

VII Seminário de Combustíveis Salvador, 13 de junho de 2008 VII Seminário de Combustíveis Salvador, 13 de junho de 2008 COMPANHIA PETROQUÍMICA DE PERNAMBUCO A PetroquímicaSuape foi criada em 11 de abril de 2006 para produzir ácido tereftálico purificado PTA, com

Leia mais

PAPÉIS DE IMPRIMIR E ESCREVER REVESTIDOS

PAPÉIS DE IMPRIMIR E ESCREVER REVESTIDOS PAPÉIS DE IMPRIMIR E ESCREVER REVESTIDOS 1 - Produção e Consumo Mundiais de Papel, de Papéis de Imprimir e Escrever e de Papéis de Imprimir e Escrever Revestidos 1.1 - Produção e Consumo Mundiais de Papel

Leia mais

A indústria de máquinas-ferramenta. Mauro Thomaz de Oliveira Gomes, Mary Lessa Alvim Ayres, Geraldo Andrade da Silva Filho

A indústria de máquinas-ferramenta. Mauro Thomaz de Oliveira Gomes, Mary Lessa Alvim Ayres, Geraldo Andrade da Silva Filho A indústria de máquinas-ferramenta Mauro Thomaz de Oliveira Gomes, Mary Lessa Alvim Ayres, Geraldo Andrade da Silva Filho FERRAMENTA Mauro Thomaz de Oliveira Gomes Mary Lessa Alvim Ayres Geraldo Andrade

Leia mais

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO Paulo Magno Rabelo (1) A análise de desempenho da produção de trigo no mundo desperta apreensões fundamentadas quanto aos indicadores de área

Leia mais

1.3 Cítricos. Diagnóstico

1.3 Cítricos. Diagnóstico 1.3 Cítricos Diagnóstico A cadeia de cítricos contempla as frutas in natura, a produção de sucos (concentrados, reconstituídos, pasteurizados e frescos) e de óleos essenciais e pellets de polpa seca os

Leia mais

1.6 Têxtil e Confecções. Diagnóstico

1.6 Têxtil e Confecções. Diagnóstico 1.6 Têxtil e Confecções Diagnóstico A indústria de artigos têxteis e confecções é marcada atualmente pela migração da produção em busca de mão-de-obra mais barata ao redor do mundo, facilitada pela baixa

Leia mais

Resumo dos resultados da enquete CNI

Resumo dos resultados da enquete CNI Resumo dos resultados da enquete CNI Brasil - México: Interesse empresarial para ampliação do acordo bilateral Março 2015 Amostra da pesquisa No total foram recebidos 45 questionários de associações sendo

Leia mais

1.4 Couro e Calçados. Diagnóstico

1.4 Couro e Calçados. Diagnóstico 1.4 Couro e Calçados Diagnóstico A indústria de calçados tem experimentado um processo de internacionalização da produção desde o final dos anos de 1960. A atividade tem sido caracterizada como nômade.

Leia mais

Máquinas e Equipamentos de Qualidade

Máquinas e Equipamentos de Qualidade Máquinas e Equipamentos de Qualidade 83 A indústria brasileira de máquinas e equipamentos caracteriza-se pelo constante investimento no desenvolvimento tecnológico. A capacidade competitiva e o faturamento

Leia mais

Projeto: Boletim de Conjuntura Industrial, Acompanhamento Setorial, Panorama da Indústria e Análise da Política Industrial

Projeto: Boletim de Conjuntura Industrial, Acompanhamento Setorial, Panorama da Indústria e Análise da Política Industrial Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial Universidade Estadual de Campinas Instituto de Economia Núcleo de Economia Industrial e da Tecnologia Projeto: Boletim de Conjuntura Industrial, Acompanhamento

Leia mais

2013: RECESSÃO NA EUROPA EMPURRA MUNDO PARA A CRISE

2013: RECESSÃO NA EUROPA EMPURRA MUNDO PARA A CRISE 2013: RECESSÃO NA EUROPA EMPURRA MUNDO PARA A CRISE 30 países mais ricos do mundo (OCDE) tiveram uma queda no PIB de 0,2% no quarto trimestre de 2012. Diminuição forte do consumo na Europa vai afetar economia

Leia mais

&203/(;2$872027,92 EVOLUÇÃO DO COMÉRCIO EXTERIOR DO COMPLEXO AUTOMOTIVO. Angela M. Medeiros M. Santos João Renildo Jornada Gonçalves*

&203/(;2$872027,92 EVOLUÇÃO DO COMÉRCIO EXTERIOR DO COMPLEXO AUTOMOTIVO. Angela M. Medeiros M. Santos João Renildo Jornada Gonçalves* EVOLUÇÃO DO COMÉRCIO EXTERIOR DO COMPLEXO AUTOMOTIVO Angela M. Medeiros M. Santos João Renildo Jornada Gonçalves* * Respectivamente, gerente e economista da Gerência Setorial de Indústria Automobilística

Leia mais

AGROINDÚSTRIA. Fusões e aquisições no setor de alimentos BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 1. CRESCIMENTO INTERNO VERSUS

AGROINDÚSTRIA. Fusões e aquisições no setor de alimentos BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 1. CRESCIMENTO INTERNO VERSUS AGROINDÚSTRIA BNDES FINAME BNDESPAR ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 Fusões e aquisições no setor de alimentos 1. CRESCIMENTO INTERNO VERSUS CRESCIMENTO EXTERNO O acirramento da concorrência

Leia mais

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011.

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011. Análise CEPLAN Recife, 17 de agosto de 2011. Temas que serão discutidos na VI Análise Ceplan A economia em 2011: Mundo; Brasil; Nordeste, com destaque para Pernambuco; Informe sobre mão de obra qualificada.

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

CRESCIMENTO DE VOLUME

CRESCIMENTO DE VOLUME CRESCIMENTO DE VOLUME 12% EM 2009 42 A Oxiteno iniciou 2009 com uma escala significativamente maior, como resultado do programa de investimentos em ampliação de sua capacidade produtiva conduzido nos últimos

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE REDES DE DORMIR EM JAGUARUANA 1

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE REDES DE DORMIR EM JAGUARUANA 1 ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE REDES DE DORMIR EM JAGUARUANA 1 1. Localização (discriminação): Município de Jaguaruana (Total de habitantes: 29.735 - Censo 2000) 2. Natureza da Atividade Fios e redes 3. Idade

Leia mais

Discurso Presidente do Banco Central do Brasil Alexandre Tombini

Discurso Presidente do Banco Central do Brasil Alexandre Tombini Discurso Presidente do Banco Central do Brasil Alexandre Tombini Boa tarde. É com satisfação que estamos aqui hoje para anunciar o lançamento das novas cédulas de 10 e 20 reais, dando sequência ao projeto

Leia mais

COMPLEXO QUÍMICO. Negro de Fumo. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 4 BNDES

COMPLEXO QUÍMICO. Negro de Fumo. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 4 BNDES COMPLEXO QUÍMICO BNDES FINAME BNDESPAR ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 4 Negro de Fumo INTRODUÇÃO O carbono é o nono elemento químico mais abundante na Natureza e se encontra combinado

Leia mais

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Outubro de 2012. MUNDO O milho é o cereal mais produzido no mundo. De acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a produção média do

Leia mais

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 8 15 de maio de 2007

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 8 15 de maio de 2007 M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 8 1 de maio de 27 Síntese gráfica trimestral do comércio bilateral e do desempenho macroeconômico chinês Primeiro trimestre de 27 No primeiro trimestre de 27, a economia chinesa

Leia mais

Unidade 6: O Leste e o Sudeste Asiático

Unidade 6: O Leste e o Sudeste Asiático Unidade 6: O Leste e o Sudeste Asiático Capítulo 1: Japão - Capítulo 2: China - Capítulo 4: Tigres Asiáticos Apresentação elaborada pelos alunos do 9º Ano C Monte Fuji - Japão Muralha da China Hong Kong

Leia mais

Siderurgia no Brasil

Siderurgia no Brasil www.pwc.com.br Siderurgia no Brasil Um panorama do setor siderúrgico brasileiro SICETEL Sindicato Nacional da Indústria de Trefilação e Laminação de Metais Ferrosos IABR Instituto Aço Brasil 1 Setor de

Leia mais

Conjuntura Macroeconômica e Setorial

Conjuntura Macroeconômica e Setorial Conjuntura Macroeconômica e Setorial O ano de 2012 foi um ano desafiador para a indústria mundial de carnes. Apesar de uma crescente demanda por alimentos impulsionada pela contínua expansão da renda em

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Novembro 2012

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Novembro 2012 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Novembro 2012 As exportações em novembro apresentaram diminuição de 27,64% em relação a outubro. Continuam a superar a marca de US$ 1 bilhão, agora pela vigésima-segunda

Leia mais

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 Mercado Internacional Em 2007, a produção anual de milho atingiu quase 720 milhões de tonelada (Tabela 1), quando os Estados Unidos,

Leia mais

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro - 2º Congresso Florestal do Tocantins - André Luiz Campos de Andrade, Me. Gerente Executivo de Economia e Mercados do Serviço Florestal

Leia mais

REQUERIMENTO DE INFORMAÇÕES Nº, DE 2011.

REQUERIMENTO DE INFORMAÇÕES Nº, DE 2011. REQUERIMENTO DE INFORMAÇÕES Nº, DE 2011. (Do Sr. PEPE VARGAS) Solicita informações ao Sr. Ministro da Fazenda sobre a arrecadação dos impostos Federais do PIS e COFINS para o setor têxtil. Senhor Presidente:

Leia mais

Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS

Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS 4 2º INVENTÁRIO BRASILEIRO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA 5 PERSPECTIVAS E DESAFIOS 6

Leia mais

com produtos chineses perderam mercado no exterior em 2010. China Sendo que, esse percentual é de 47% para o total das indústrias brasileiras.

com produtos chineses perderam mercado no exterior em 2010. China Sendo que, esse percentual é de 47% para o total das indústrias brasileiras. 73% das indústrias gaúchas exportadoras que concorrem com produtos chineses perderam mercado no exterior em 2010. 53% das indústrias gaúchas de grande porte importam da China Sendo que, esse percentual

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Maio 2012

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Maio 2012 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Maio 2012 As exportações em maio apresentaram aumento de +39,13% em relação a abril, continuando a superar a marca de US$ 1 bilhão, agora pela décima-sexta vez

Leia mais

Maxi Indicadores de Desempenho da Indústria de Produtos Plásticos do Estado de Santa Catarina Relatório do 4º Trimestre 2011 Análise Conjuntural

Maxi Indicadores de Desempenho da Indústria de Produtos Plásticos do Estado de Santa Catarina Relatório do 4º Trimestre 2011 Análise Conjuntural Maxi Indicadores de Desempenho da Indústria de Produtos Plásticos do Estado de Santa Catarina Relatório do 4º Trimestre 2011 Análise Conjuntural O ano de 2011 foi marcado pela alternância entre crescimento,

Leia mais

ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL DE PAPEL E CELULOSE. Data: 12/08/96 CARTÕES

ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL DE PAPEL E CELULOSE. Data: 12/08/96 CARTÕES ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL DE PAPEL E CELULOSE Data: 12/08/96 No.8 CARTÕES Cartões são papéis fabricados em múltiplas camadas e com gramaturas acima de 150 g/m 2. A combinação

Leia mais

Relatório Analítico 27 de março de 2012

Relatório Analítico 27 de março de 2012 VENDA Código de Negociação Bovespa TGM A3 Segmento de Atuação Principal Logística Categoria segundo a Liquidez 2 Linha Valor de M ercado por Ação (R$) 29,51 Valor Econômico por Ação (R$) 32,85 Potencial

Leia mais

Exercícios sobre Tigres Asiáticos

Exercícios sobre Tigres Asiáticos Exercícios sobre Tigres Asiáticos Material de apoio do Extensivo 1. (UNITAU) Apesar das críticas, nos últimos tempos, alguns países superaram o subdesenvolvimento. São os NIC (Newly Industrialized Countries),

Leia mais

Investimentos Florestais: A Alternativa Natural

Investimentos Florestais: A Alternativa Natural Investimentos Florestais: A Alternativa Natural Investimentos Florestais: A Alternativa Natural Atualmente, o mercado financeiro é caracterizado por altos níveis de volatilidade e incerteza- o que não

Leia mais

Curso Avançado de Vendas

Curso Avançado de Vendas Curso Avançado de Vendas Módulo 3. 2014 Av. Saburo Akamine, 1.555 Rio Claro SP 13504-505 A maior fábrica de estofados do Brasil Garantia Luizzi A garantia do estofado depende da sua correta utilização.

Leia mais

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Super-safra norte-americana Em seu boletim de oferta e demanda mundial de setembro o Usda reestimou para cima suas projeções para a safra 2007/08.

Leia mais

PETRÓLEO E GÁS NATURAL

PETRÓLEO E GÁS NATURAL PANORAMA DOS MERCADOS DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL NO BRASIL E NO MUNDO* Ivan Magalhães Júnior** * Novembro de 2004. ** Engenheiro da Área de Planejamento do BNDES. PETRÓLEO E GÁS NATURAL Resumo O objetivo

Leia mais

Panorama Geral da Ovinocultura no Mundo e no Brasil

Panorama Geral da Ovinocultura no Mundo e no Brasil Revista Ovinos, Ano 4, N 12, Porto Alegre, Março de 2008. Panorama Geral da Ovinocultura no Mundo e no Brasil João Garibaldi Almeida Viana 1 Os ovinos foram uma das primeiras espécies de animais domesticadas

Leia mais

TÓPICO ESPECIAL Agosto

TÓPICO ESPECIAL Agosto Jan-94 Dec-94 Nov-95 Oct-96 Sep-97 Aug-98 Jul-99 Jun-00 May-01 Apr-02 Mar-03 Feb-04 Jan-05 Dec-05 Nov-06 Oct-07 Sep-08 Aug-09 Jul-10 Jun-11 May-12 Apr-13 Mar-14 Feb-15 Mar-10 Jul-10 Nov-10 Mar-11 Jul-11

Leia mais

Northern Telecom Ltd (Nortel). Isto devido ao seu atraso na substituição da tecnologia analógica pela digital.

Northern Telecom Ltd (Nortel). Isto devido ao seu atraso na substituição da tecnologia analógica pela digital. MOTOROLA A empresa alcançou um faturamento global da ordem de US$ $37.6 bilhões em 2000. É líder mundial em sistemas e serviços eletrônicos avançados. Atuando de maneira globalizada em 45 países, mais

Leia mais

Referência na fabricação de lençóis de borracha com altíssima resistência ao desgaste CATÁLOGO

Referência na fabricação de lençóis de borracha com altíssima resistência ao desgaste CATÁLOGO Referência na fabricação de lençóis de borracha com altíssima resistência ao desgaste CATÁLOGO A Pang do Brasil é uma empresa com 36 anos de experiência na fabricação de peças para revestimento em borracha.

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO. 1 Apesar de contar com dados oriundos do Ministério do Trabalho e Emprego, há uma disparidade entre as

SUMÁRIO EXECUTIVO. 1 Apesar de contar com dados oriundos do Ministério do Trabalho e Emprego, há uma disparidade entre as SUMÁRIO EXECUTIVO SUMÁRIO EXECUTIVO 2 O presente trabalho apresenta um estudo de dados primários e secundários (desk research) sobre os principais pólos do setor coureiro-calçadista do Brasil, tendo sido

Leia mais

Açúcar: Informativo Quinzenal. Oferta se acentua e preços cedem. Indicador de Açúcar Cristal Cepea/Esalq Estado de São Paulo.

Açúcar: Informativo Quinzenal. Oferta se acentua e preços cedem. Indicador de Açúcar Cristal Cepea/Esalq Estado de São Paulo. Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada CEPEA/ESALQ/USP 25 de maio de 2011 Volume 1, Edição 22 Açúcar: Informativo Quinzenal Indicador de Açúcar Cristal Cepea/Esalq Estado de São Paulo DATA Valor

Leia mais

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore O PAPEL DA AGRICULTURA Affonso Celso Pastore 1 1 Uma fotografia do setor agrícola tirada em torno de 195/196 Entre 195 e 196 o Brasil era um exportador de produtos agrícolas com concentração em algumas

Leia mais

A EMERGÊNCIA DA CHINA. Desafios e Oportunidades para o Brasil Dr. Roberto Teixeira da Costa

A EMERGÊNCIA DA CHINA. Desafios e Oportunidades para o Brasil Dr. Roberto Teixeira da Costa A EMERGÊNCIA DA CHINA Desafios e Oportunidades para o Brasil Dr. Roberto Teixeira da Costa Crescimento médio anual do PIB per capita - 1990-2002 10 8,8 5 0 Fonte: PNUD 1,3 Brasil China dinamismo econômico

Leia mais

JURANDI MACHADO - DIRETOR. Cenário Carnes 2014/2015

JURANDI MACHADO - DIRETOR. Cenário Carnes 2014/2015 JURANDI MACHADO - DIRETOR Cenário Carnes 2014/2015 Oferta e Demanda de Carne Suína CARNE SUÍNA 2014 (a)* no Mundo (Mil toneladas) 2015 (b)* Var % (b/a) PRODUÇÃO 110.606 111.845 1,12 CONSUMO 109.882 111.174

Leia mais

Análise ao Comércio Externo de Equipamento Elétrico e Eletrónico

Análise ao Comércio Externo de Equipamento Elétrico e Eletrónico Análise ao Comércio Externo de Equipamento Elétrico e Eletrónico Janeiro Dezembro 2013 1. Análise global Setor Elétrico e Eletrónico Confirma-se uma tendência decrescente na evolução do comércio externo

Leia mais

RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO

RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO PANORAMA SEMANA DE 21 A 25 DE SETEMBRO de 2009 Semana de preço estável no mercado de Boi Gordo no Rio Grande do Sul, com o preço encerrando a semana a R$ 4,61/kg carcaça.

Leia mais

O SEGMENTO DE CARTÕES PARA EMBALAGEM. René Luiz Grion Mattos Antônio Carlos de Vasconcelos Valença*

O SEGMENTO DE CARTÕES PARA EMBALAGEM. René Luiz Grion Mattos Antônio Carlos de Vasconcelos Valença* O SEGMENTO DE CARTÕES PARA EMBALAGEM René Luiz Grion Mattos Antônio Carlos de Vasconcelos Valença* *Respectivamente, engenheiro e gerente da Gerência Setorial de Produtos Florestais do BNDES. Os autores

Leia mais

Resumo Aula-tema 05: Análise Comparativa do Desenvolvimento Econômico da Índia e da China

Resumo Aula-tema 05: Análise Comparativa do Desenvolvimento Econômico da Índia e da China Resumo Aula-tema 05: Análise Comparativa do Desenvolvimento Econômico da Índia e da China Esta aula tratará da análise comparativa do processo de desenvolvimento da China e da Índia, países que se tornaram

Leia mais

Conjuntura Anual do Sorgo em 2008 e um possível cenário para 2009.

Conjuntura Anual do Sorgo em 2008 e um possível cenário para 2009. Conjuntura Anual do Sorgo em 2008 e um possível cenário para 2009. Para os produtores de sorgo o ano de 2008 pode ser considerado como bom. As condições climatológicas foram favoráveis durante todo o ciclo

Leia mais

A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil

A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil Análise Economia e Comércio Bernardo Erhardt de Andrade Guaracy 30 de outubro de 2003 A Redução do Fluxo de Investimento

Leia mais

NOVAS ESTIMATIVAS DO MODELO DE GERAÇÃO DE EMPREGOS DO BNDES* Sheila Najberg** Roberto de Oliveira Pereira*** 1- Introdução

NOVAS ESTIMATIVAS DO MODELO DE GERAÇÃO DE EMPREGOS DO BNDES* Sheila Najberg** Roberto de Oliveira Pereira*** 1- Introdução NOVAS ESTIMATIVAS DO MODELO DE GERAÇÃO DE EMPREGOS DO BNDES* Sheila Najberg** Roberto de Oliveira Pereira*** 1- Introdução O Modelo de Geração de Empregos do BNDES 1 (MGE) estima o número de postos de

Leia mais

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto de Miranda 2

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto de Miranda 2 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto

Leia mais

20 de agosto de 2013. Xisto muda geopolítica da energia

20 de agosto de 2013. Xisto muda geopolítica da energia 20 de agosto de 2013 Xisto muda geopolítica da energia A "revolução do xisto" em curso nos Estados Unidos, que já despertou investimento de US$ 100 bilhões na indústria americana, vai resultar em uma nova

Leia mais

Grupo 1 Cadeias que sofreriam menores ameaças com a liberalização

Grupo 1 Cadeias que sofreriam menores ameaças com a liberalização Grupo 1 Cadeias que sofreriam menores ameaças com a liberalização 1.1 Café Diagnóstico Desde meados da década de 90, a produção mundial de café tem apresentado aumentos significativos, mas que não estão

Leia mais

O BRASIL NO MERCADO MUNDIAL DO ALGODÃO

O BRASIL NO MERCADO MUNDIAL DO ALGODÃO O BRASIL NO MERCADO MUNDIAL DO ALGODÃO Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão / chgeral@cnpa.embrapa.br), Joffre Kouri (Embrapa Algodão) RESUMO - Utilizando-se a definição de competitividade no mercado

Leia mais

FIBRAS TÊXTEIS SUSTENTÁVEIS: ALGODÃO COLORIDO E ORGÂNICO, FIBRAS DE BAMBU, SOJA E MILHO

FIBRAS TÊXTEIS SUSTENTÁVEIS: ALGODÃO COLORIDO E ORGÂNICO, FIBRAS DE BAMBU, SOJA E MILHO FIBRAS TÊXTEIS SUSTENTÁVEIS: ALGODÃO COLORIDO E ORGÂNICO, FIBRAS DE BAMBU, SOJA E MILHO Fibre Sustainable: Colorful Cotton and Organic, Bamboo Fiber, Soy and Corn Muchinski,César Henrique; Graduando PUC-PR

Leia mais

O Futuro da Indústria Química CARLOS FADIGAS

O Futuro da Indústria Química CARLOS FADIGAS O Futuro da Indústria Química CARLOS FADIGAS A indústria química é relevante para o Brasil... Faturamento da Indústria Química Brasileira (US$ bilhões) +6% a.a. 166 160 162 124 129 101 2008 2009 2010 2011

Leia mais

PALAVRAS CHAVE: Tijolos de solo-cimento, rochas ornamentais, absorção de água.

PALAVRAS CHAVE: Tijolos de solo-cimento, rochas ornamentais, absorção de água. ESTUDO DO FATOR ÁGUA/CIMENTO PARA A CONFECÇÃO DE TIJOLOS ECOLÓGICOS DE SOLO-CIMENTO INCORPORADOS COM RESÍDUOS GERADOS NO BENEFICIAMENTO DE ROCHAS ORNAMENTAIS Natália de Oliveira SANTIAGO 1, Djane de Fátima

Leia mais

Situação da Armazenagem no Brasil 2006

Situação da Armazenagem no Brasil 2006 Situação da Armazenagem no Brasil 2006 1. Estática de Armazenagem A capacidade estática das estruturas armazenadoras existentes no Brasil, registrada em dezembro de 2006 é de até o mês de novembro de 2006

Leia mais

DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CATARINENSE

DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CATARINENSE DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CATARINENSE SANTA CATARINA e BRASIL Desempenho econômico em 2013 INDICADOR SANTA CATARINA BR % % acumulado 2013/2012 % acumulado 2012/2011 acumulado 2013/2012 Produção Ind. (jan-ago)

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO FINANCEIRO DAS EMPRESAS AÉREAS LISTADAS NA BOLSA DE VALORES DE LONDRES

ANÁLISE DO DESEMPENHO FINANCEIRO DAS EMPRESAS AÉREAS LISTADAS NA BOLSA DE VALORES DE LONDRES ANÁLISE DO DESEMPENHO FINANCEIRO DAS EMPRESAS AÉREAS LISTADAS NA BOLSA DE VALORES DE LONDRES Rafael Vianna Avila (UFRJ) rafaelvianna@ayraconsultoria.com Heloisa Marcia Pires (UFRJ) heloisam@pep.ufrj.br

Leia mais

SITUAÇÃO DO MERCADO DE AGROTÓXICOS NO MUNDO E NO BRASIL

SITUAÇÃO DO MERCADO DE AGROTÓXICOS NO MUNDO E NO BRASIL SITUAÇÃO DO MERCADO DE AGROTÓXICOS NO MUNDO E NO BRASIL - Fontes oficiais de diversos estudos realizados por: BNDES, FIESP, SINDICATO DAS INDÚSTRIAS DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS, DIEESE E ANVISA CAMPANHA NACIONAL

Leia mais

Suzano Petroquímica Divulga Resultado do 1º Semestre de 2005

Suzano Petroquímica Divulga Resultado do 1º Semestre de 2005 Suzano Petroquímica Divulga Resultado do 1º Semestre de 2005 Receita líquida atinge R$ 820 milhões no semestre São Paulo, 10 de agosto de 2005 A Suzano Petroquímica S.A. (a Companhia ) (BOVESPA: SZPQ4;

Leia mais

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012 RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO Junho de 2012 Riscos e oportunidades para a indústria de bens de consumo A evolução dos últimos anos, do: Saldo da balança comercial da indústria

Leia mais