Aportes Esporádicos e Contribuições Únicas. 2ª a 12ª. 1% sobre contribuição

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aportes Esporádicos e Contribuições Únicas. 2ª a 12ª. 1% sobre contribuição"

Transcrição

1 Rio de Janeiro, 3 de julho de 2008 Ref.: Comissionamento Corretores Segue a atualização dos percentuais de comissões previstos para os produtos abaixo relacionados, válidos para propostas implantadas a partir de 05/05/2008: Produtos comercializados pela Icatu Seguros PRODUTOS 1ª Contribuição/ Prêmio Mensal 2ª a 12ª Aportes Esporádicos e Contribuições Únicas Portabilidades Externas 13º mês em diante PGBL.Net e VGBL.Net 30% sobre a contribuição *TA: Taxa de Administração do FIE 1% sobre contribuição 1% do valor 1% do valor 10% da TA* Observações: 1. O comissionamento pago sobre a 1ª contribuição mensal será calculado a partir dos valores estabelecidos na proposta de contratação. Assim, o aumento no valor da contribuição mensal efetuado no decorrer da vigência do certificado não acarretará qualquer pagamento de comissão de angariação. 2. Qualquer movimentação INTERNA de entrada de recursos em um certificado, seja ele novo ou já existente na Cia, não é tratada como evento gerador de comissionamento. 3. Estes produtos são encontrados no Site Institucional (área aberta), Icatu Online e Casa do Corretor. RELAÇÃO DE PLANOS Produtos PGBL.Net e VGBL.Net (Icatu Seguros) Plano Processo SUSEP PGBL ICATU SEG COMPOSTO 20 C - Individual / PGBL ICATU SEG COMPOSTO 49 C - Individual / PGBL ICATU SEG FOCO MINHA APOSENTADORIA Individual / PGBL ICATU SEG FOCO MINHA APOSENTADORIA Individual / PGBL ICATU SEG FOCO MINHA APOSENTADORIA Individual / PGBL ICATU SEG MODERADO C - Individual / VGBL ICATU SEG COMPOSTO 20 C - Individual / VGBL ICATU SEG COMPOSTO 49 C - Individual / VGBL ICATU SEG FOCO MINHA APOSENTADORIA Individual / VGBL ICATU SEG FOCO MINHA APOSENTADORIA Individual / VGBL ICATU SEG FOCO MINHA APOSENTADORIA Individual / VGBL ICATU SEG MODERADO C - Individual / Página 1 de 6

2 ESTORNO DE COMISSÃO Estão sujeitos a estorno os comissionamentos pagos sobre a 1ª contribuição mensal (angariação), aportes únicos e esporádicos e portabilidades, segundo as regras abaixo: 1) Devolução de contribuição Contribuição mensal: Quando houver devolução de 100% da(s) contribuição(ões) ao cliente, ocasionada por venda inadequada ao perfil do cliente e o certificado for cancelado, o estorno será de 100% da comissão paga. Aportes esporádicos, contribuições únicas ou portabilidades: Quando houver devolução de 100% do aporte ou contribuição única ao cliente, deverá haver estorno específico de 100% da comissão paga. Observações: 1. Quando houver devolução de contribuição(ões) ao cliente, ocasionada por problemas operacionais e o certificado NÃO for cancelado, haverá estorno caso a contribuição incorreta tenha gerado pagamento de comissão. 2. Nos casos de portabilidade, a devolução dos recursos portados será para a seguradora cedente e deverá gerar estorno específico de 100% da comissão paga. 2) Inadimplência Caso o cliente deixe de pagar 3 parcelas mensais consecutivas durante os 24 (vinte e quatro) primeiros meses de vigência do certificado, haverá a suspensão da emissão de cobrança das contribuições. Nesse momento, será estornado um percentual (definido no Anexo I) da comissão paga sobre a 1ª contribuição mensal, com base na quantidade de parcelas pagas no certificado. 3) Confirmação do Pagamento Se ao final do prazo dos 24 (vinte e quatro) primeiros meses de vigência do plano o cliente não tiver efetuado o pagamento de, pelo menos, 20 parcelas mensais do plano, será estornado um percentual (definido no Anexo I) da comissão paga sobre a 1ª contribuição mensal, com base na quantidade de parcelas pagas no certificado durante esse período. 4) Alteração da periodicidade de pagamento Caso o cliente altere a periodicidade de pagamento de seu plano, de contribuição mensal para contribuição esporádica, antes do efetivo pagamento das 24 primeiras parcelas, será estornado um percentual (definido no Anexo I) da comissão paga sobre a 1ª contribuição mensal, com base na quantidade de parcelas pagas no certificado até a data da alteração de periodicidade. Página 2 de 6

3 5) Suspensão de contribuição mensal Caso o cliente solicite a suspensão da cobrança antes do pagamento das 24 (vinte e quatro) primeiras parcelas, será estornado um percentual (definido no Anexo I) da comissão paga sobre a 1ª contribuição mensal, com base na quantidade de parcelas pagas no certificado até a data da suspensão. Obs: Entende-se por suspensão de cobrança mensal a suspensão da emissão de boletos ou de comandos de débitos. O cliente pode estar com a sua cobrança suspensa sem alterar a periodicidade de cobrança. 6) Redução do valor da contribuição mensal Se o cliente reduzir o valor da contribuição mensal nos primeiros 24 (vinte e quatro) meses de vigência do certificado, será estornado um percentual (definido no Anexo I) da comissão paga sobre a 1ª contribuição mensal, com base na quantidade de parcelas pagas no certificado antes da redução, e no percentual de redução efetuado. Exemplo de cálculo de estorno de comissão em função de redução do valor de contribuição (6) Cliente contrata um plano com contribuições mensais de R$ 500,00. Após o pagamento das 3 primeiras parcelas, solicita a redução do valor da contribuição para R$ 200,00. Assim, temos: 1ª parcela: R$ 500,00 - comissão (30%): R$ 150,00 2ª parcela: R$ 500,00 - comissão (1%): R$ 5,00 3ª parcela: R$ 500,00 - comissão (1%): R$ 5,00 4ª parcela: R$ 200,00 (após redução de 60%) - comissão (1%): R$ 2,00 O valor de comissão estornado será: - percentual da tabela do Anexo I, relativo ao mês 3: 87,50% - percentual de redução da contribuição: ( )/500 = 60% - comissão paga sobre a 1ª parcela: R$ 50,00 Estorno de comissão: R$ 150,00 * 87,50% * 60% = R$ 78,75 7) Resgate e Portabilidade de Saída Contribuição mensal: Se o cliente efetuar um resgate ou portabilidade de saída (total ou parcial) nos primeiros 24 (vinte e quatro) meses de vigência do certificado em um período inferior a 24 meses, será estornado um percentual (definido no Anexo I) da comissão paga sobre a 1ª contribuição mensal, com base na quantidade de parcelas pagas no certificado até a data do resgate ou da portabilidade de saída. Página 3 de 6

4 Aporte esporádico, contribuição única e portabilidade de entrada: Haverá estorno da comissão paga sobre aportes esporádicos, contribuições únicas e portabilidades de entrada, se algum valor recebido nestas movimentações for resgatado ou portado antes de completar 24 meses de permanência no certificado, conforme percentual definido no Anexo I. Para a composição das movimentações de saída será utilizado o conceito PEPS (Primeira aplicação que Entra é a Primeira que Sai). Será aplicado sobre o valor resultante o percentual correspondente ao valor nominal do aporte que compõe o resgate sobre o valor nominal total do aporte. Obs: haverá estorno de comissão caso o participante não cumpra o período de permanência acordado no certificado de origem. Assim, tanto a portabilidade interna como qualquer outro evento de saída dos recursos de um certificado onde tenha sido feito o pagamento de comissão, são passíveis de estorno. Exemplo 1 - Um cliente contrata um plano com uma portabilidade externa de R$ ,00. Depois disso faz outras 2 contribuições esporádicas de R$ ,00 cada uma. Temos: Aporte 1: R$ ,00 - comissão (1,0%): R$ 1.000,00 Aporte 2: R$ ,00 Aporte 3: R$ ,00 No 4º mês de vigência do certificado, solicita resgate de R$ ,00. A composição deste resgate será de R$ ,00, referentes ao Aporte 1, e R$ ,00, referentes ao Aporte 2. A comissão estornada será: Referente ao Aporte 1: percentual da tabela do Anexo I, relativo ao mês 3: 87,50% comissão paga sobre a 1ª parcela: R$ 1.000,00 estorno: R$ 1.000,00 * 87,50% = R$ 875,00 Referente ao Aporte 2: percentual da tabela do Anexo I, relativo ao mês 2: 91,667% comissão paga sobre o Aporte 2: R$ 500,00 estorno: R$ 500,00 * 91,667% = R$ 458,34 Estorno de comissão: R$ 875,00 + R$ 458,34 = R$ 1.333,34 Página 4 de 6

5 Exemplo 2 - Um cliente está na companhia há 5 anos e contribui com R$ 1.000,00 mensais, constituindo, desta forma, uma reserva de R$ ,00. Ele efetua uma contribuição esporádica de R$ ,00 e no mês seguinte resgata R$ ,00. Pela regra do PEPS, nenhum valor será estornado, uma vez que o valor do resgate será composto somente pela reserva formada pelas contribuições mensais, com mais de 24 meses de vigência e mais de 24 pagamentos efetuados no certificado. Exemplo 3 - Um cliente contrata um plano com uma portabilidade externa de R$ ,00. Faz ainda mais 2 contribuições esporádicas de R$ ,00 cada, uma em cada mês subseqüente. Temos: Aporte 1: R$ ,00 - comissão (1,0%): R$ 1.000,00 Aporte 2: R$ ,00 Aporte 3: R$ ,00 No quarto mês de vigência do certificado, solicita resgate de R$ ,00. A composição deste resgate será 70% do valor do 1º aporte. A comissão estornada será: percentual da tabela do Anexo I, relativo ao mês 3: 87,50% comissão paga sobre o Aporte 1: R$ 1.000,00 percentual de resgate sobre o Aporte 1: ,00/ ,00 = 70% Estorno: R$ 1.000,00 * 87,50% * 70% = R$ 612,50 No sexto mês de vigência do certificado, solicita outro resgate, agora de R$ ,00. A composição deste resgate será R$ ,00 do valor do Aporte 1 e R$ ,00 do Aporte 2. A comissão estornada será: Referente ao Aporte 1: percentual da tabela do Anexo I, relativo ao mês 5: 79,167% comissão paga sobre o Aporte 1: R$ 1.000,00 percentual de resgate sobre o Aporte1 : ,00/ ,00=30% Estorno: R$ 1.000,00 * 79,167% * 30% = R$ 237,50 Referente ao Aporte 2: percentual da tabela do Anexo I, relativo ao mês 4: 83,333% comissão paga sobre o Aporte 1: R$ 500,00 percentual de resgate sobre o Aporte 1: ,00/50.000,00=40% Estorno: R$ 500,00 * 83,333% * 40% = R$ 166,67 Estorno de comissão: R$ 237,50 + R$ 166,67 = R$ 404,17 Página 5 de 6

6 Observações: 1. Todos os exemplos estão ignorando a rentabilidade das cotas dos planos. 2. Nenhum valor estornado poderá ser recuperado. 3. O estorno de comissão será lançado a débito na carteira de comissões do corretor. Anexo I Última parcela paga ou tempo de permanência em meses dos aportes únicos, contribuições esporádicas ou portabilidades % de estorno % % % % % % % % % % % % % % % % % % % % % % % % Página 6 de 6

CIRCULAR SUSEP N o 239, de 22 de dezembro de 2003(*)

CIRCULAR SUSEP N o 239, de 22 de dezembro de 2003(*) CIRCULAR SUSEP N o 239, de 22 de dezembro de 2003(*) Altera e consolida as normas que dispõem sobre o pagamento de prêmios relativos a contratos de seguros de danos. O SUPERINTENDENTE DA SUPERINTENDÊNCIA

Leia mais

BB SEGURO CRÉDITO PROTEGIDO

BB SEGURO CRÉDITO PROTEGIDO BB SEGURO CRÉDITO PROTEGIDO Contrato de Seguro Processo SUSEP Nº 15414.003063/2009-70 COMPANHIA DE SEGUROS ALIANÇA DO BRASIL - CNPJ: 28.196.889/0001-43 Serviço de Atendimento aos Clientes (SAC): 0800 729

Leia mais

Regime de Tributação de Imposto de Renda

Regime de Tributação de Imposto de Renda Apresentação O INFRAPREV elaborou esta cartilha com o objetivo de orientar o participante na escolha do regime de tributação quando do ingresso no seu Plano de Contribuição Variável. Com a publicação da

Leia mais

Objetivo. Oferecer informações claras e precisas sobre Previdência.

Objetivo. Oferecer informações claras e precisas sobre Previdência. Objetivo Oferecer informações claras e precisas sobre Previdência. Entender o quão importante é fazer um plano de Previdência complementar/privada para seus clientes. Derrubar o mito de que plano de Previdência

Leia mais

Programa de Previdência Complementar ArcelorMittal Brasil. ArcelorMittal Brasil

Programa de Previdência Complementar ArcelorMittal Brasil. ArcelorMittal Brasil Programa de Previdência Complementar ArcelorMittal Brasil ArcelorMittal Brasil 1 Porque ter um Plano de Previdência Complementar? 2 O Novo Programa de Previdência Complementar ArcelorMittal Brasil Conheça

Leia mais

III - Início de Vigência Art. 3 - O Título entra em vigor na data do primeiro pagamento.

III - Início de Vigência Art. 3 - O Título entra em vigor na data do primeiro pagamento. Pé Quente Bradesco 10 Condições Gerais - Plano PM 60/60 G GLOSSÁRIO Subscritor - é a pessoa que subscreve a proposta de aquisição do Título, assumindo o compromisso de efetuar o pagamento na forma convencionada

Leia mais

TELOS. Fundação Embratel de Seguridade Social. Lei 11.053: institui novo tratamento fiscal para a Previdência Complementar

TELOS. Fundação Embratel de Seguridade Social. Lei 11.053: institui novo tratamento fiscal para a Previdência Complementar TELOS Fundação Embratel de Seguridade Social Lei 11.053: institui novo tratamento fiscal para a Previdência Complementar Introdução Esta apresentação tem por objetivo esclarecer os principais aspectos

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO BRADESCO SOLUÇÃO DE ALUGUEL

CONDIÇÕES GERAIS DO BRADESCO SOLUÇÃO DE ALUGUEL I INFORMAÇÕES INICIAIS CONDIÇÕES GERAIS DO BRADESCO SOLUÇÃO DE ALUGUEL SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ: 33.010.851/0001-74 BRADESCO SOLUÇÃO DE ALUGUEL PLANO PU 15/15 A - MODALIDADE:

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO DE PAGAMENTO MENSAL (CÓDIGO 45.1) VIP MILHÃO

CONDIÇÕES GERAIS TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO DE PAGAMENTO MENSAL (CÓDIGO 45.1) VIP MILHÃO CONDIÇÕES GERAIS TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO DE PAGAMENTO MENSAL (CÓDIGO 45.1) VIP MILHÃO CONDIÇÕES GERAIS TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO DE PAGAMENTO MENSAL - CÓDIGO 50 GLOSSÁRIO Subscritor é a pessoa que subscreve

Leia mais

INSTRUÇÃO CONJUNTA Nº. 2, DE XXX DE XXXXXXXXXX DE 2016.

INSTRUÇÃO CONJUNTA Nº. 2, DE XXX DE XXXXXXXXXX DE 2016. INSTRUÇÃO CONJUNTA Nº. 2, DE XXX DE XXXXXXXXXX DE 2016. Estabelece as regras a serem observadas pelas sociedades seguradoras e entidades fechadas de previdência complementar para transferência de riscos

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BRADESCO FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES DIVIDENDOS 06.916.384/0001-73. Informações referentes a Julho de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BRADESCO FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES DIVIDENDOS 06.916.384/0001-73. Informações referentes a Julho de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BRADESCO FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES DIVIDENDOS 06.916.384/0001-73 Informações referentes a Julho de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais

Leia mais

OUROCAP ESTILO PRÊMIO SITE NA INTERNET : CONDIÇÕES GERAIS MODALIDADE TRADICIONAL GLOSSÁRIO

OUROCAP ESTILO PRÊMIO SITE NA INTERNET :  CONDIÇÕES GERAIS MODALIDADE TRADICIONAL GLOSSÁRIO OUROCAP ESTILO PRÊMIO SITE NA INTERNET : www.brasilcap.com CONDIÇÕES GERAIS MODALIDADE TRADICIONAL GLOSSÁRIO Subscritor - é a pessoa que subscreve a proposta de aquisição do Título, assumindo o compromisso

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BRADESCO FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO ADVANCED 01.919.

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BRADESCO FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO ADVANCED 01.919. LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BRADESCO FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO ADVANCED 01.919.660/0001-33 Informações referentes a Maio de 2016 Esta lâmina contém

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO TC SUPER SORTE

CONDIÇÕES GERAIS DO TC SUPER SORTE Página 1 de 8 CONDIÇÕES GERAIS DO TC SUPER SORTE I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: HSBC Empresa de Capitalização (Brasil) S.A. CNPJ: 33.425.075/0001-73 TC SUPER SORTE MODALIDADE: TRADICIONAL

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO TC HIPER CHANCE

CONDIÇÕES GERAIS DO TC HIPER CHANCE CONDIÇÕES GERAIS DO TC HIPER CHANCE I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: HSBC Empresa de Capitalização (Brasil) S.A. CNPJ: 33.425.075/0001-73 TC HIPER CHANCE- MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO CAP FIADOR MAIS. SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Brasilcap Capitalização S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05 CAP FIADOR MAIS

CONDIÇÕES GERAIS DO CAP FIADOR MAIS. SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Brasilcap Capitalização S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05 CAP FIADOR MAIS CONDIÇÕES GERAIS DO CAP FIADOR MAIS I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Brasilcap Capitalização S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05 CAP FIADOR MAIS MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.900427/2013-48

Leia mais

Restrições de Investimento:.

Restrições de Investimento:. LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O ORAMA DI TESOURO MASTER 12.823.610/0001-74 Informações referentes a 05/2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o ÓRAMA DI TESOURO MASTER

Leia mais

Valor máximo: R$ 4.663,75 (2015) Benefícios variáveis, dependendo do valor acumulado pelo servidor

Valor máximo: R$ 4.663,75 (2015) Benefícios variáveis, dependendo do valor acumulado pelo servidor Valor máximo: R$ 4.663,75 (2015) Benefícios variáveis, dependendo do valor acumulado pelo servidor De servidor para servidor Conhecemos o dia a dia de quem trabalha para mover o estado mais importante

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO CEM

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO CEM CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO CEM I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO CEM PLANO PU 36/001 C - MODALIDADE:

Leia mais

Condições Gerais Big Din Din

Condições Gerais Big Din Din GLOSSÁRIO Subscritor é a pessoa que subscreve a proposta de aquisição do Título, assumindo o compromisso de efetuar o pagamento na forma convencionada nestas Condições Gerais. Titular - é o próprio subscritor

Leia mais

OUROCAP 200 ANOS CONDIÇÕES GERAIS - MODALIDADE TRADICIONAL SITE NA INTERNET: www.brasilcap.com GLOSSÁRIO

OUROCAP 200 ANOS CONDIÇÕES GERAIS - MODALIDADE TRADICIONAL SITE NA INTERNET: www.brasilcap.com GLOSSÁRIO OUROCAP 200 ANOS CONDIÇÕES GERAIS - MODALIDADE TRADICIONAL SITE NA INTERNET: www.brasilcap.com GLOSSÁRIO Subscritor - é a pessoa que subscreve a proposta de aquisição do Título, assumindo o compromisso

Leia mais

PLANO ITAÚ DE CAPITALIZAÇÃO PLIN DOS SONHOS CIA ITAÚ DE CAPITALIZAÇÃO PROCESSO SUSEP 15414.002933/2008-11

PLANO ITAÚ DE CAPITALIZAÇÃO PLIN DOS SONHOS CIA ITAÚ DE CAPITALIZAÇÃO PROCESSO SUSEP 15414.002933/2008-11 PLANO ITAÚ DE CAPITALIZAÇÃO PLIN DOS SONHOS CIA ITAÚ DE CAPITALIZAÇÃO PROCESSO SUSEP 15414.002933/2008-11 CONDIÇÕES GERAIS PLIN DOS SONHOS MODALIDADE TRADICIONAL GLOSSÁRIO Subscritor é a pessoa que subscreve

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FIC SELEÇÃO TOP AÇÕES 02.436.763/0001-05 Informações referentes a Junho de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FIC SELEÇÃO TOP AÇÕES 02.436.763/0001-05 Informações referentes a Junho de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FIC SELEÇÃO TOP AÇÕES 02.436.763/0001-05 Informações referentes a Junho de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o SANTANDER

Leia mais

Super PIC Ano Novo 2009 PIC - Plano Itaú de Capitalização. Cia Itaú de Capitalização

Super PIC Ano Novo 2009 PIC - Plano Itaú de Capitalização. Cia Itaú de Capitalização Super PIC Ano Novo 2009 PIC - Plano Itaú de Capitalização 1. CONDIÇÕES GERAIS I INFORMAÇÕES INICIAIS Sociedade de Capitalização: Cia Itaú de Capitalização CNPJ: 23.025.711/0001-16 Super PIC Ano Novo -

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO RIO GRANDE DO SUL Autarquia Federal Lei nº 5.905/73

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO RIO GRANDE DO SUL Autarquia Federal Lei nº 5.905/73 DECISÃO COREN-RS Nº 133/2013 ESTABELECE NOVA REGULAMENTAÇÃO AO PAGAMENTO DE DÉBITOS DE ANUIDADES JUNTO AO CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO RIO GRANDE DO SUL - COREN-RS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Conselho

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O HSBC FI ACOES PETROBRAS 2 12.014.083/0001-57 Informações referentes a Abril de 2013

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O HSBC FI ACOES PETROBRAS 2 12.014.083/0001-57 Informações referentes a Abril de 2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o HSBC FUNDO DE INVESTIMENTO EM ACOES. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento do fundo,

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BNP PARIBAS MASTER CRÉDITO FI RENDA FIXA CRÉDITO PRIVADO LONGO PRAZO

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BNP PARIBAS MASTER CRÉDITO FI RENDA FIXA CRÉDITO PRIVADO LONGO PRAZO LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O CNPJ/MF: Informações referentes a Maio de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o BNP PARIBAS MASTER CRÉDITO FI RENDA FIXA CRÉDITO

Leia mais

Manual do sistema SMARam. Módulo Reavaliação Financeira

Manual do sistema SMARam. Módulo Reavaliação Financeira Manual do sistema SMARam Módulo Reavaliação Financeira LISTA DE FIGURAS Figura 1. Acesso à Reavaliação Financeira... 6 Figura 2. Tela Inicial da Reavaliação Financeira... 7 Figura 3. Tipo de Patrimônio...

Leia mais

GUIA DE DÚVIDAS E RESPOSTAS

GUIA DE DÚVIDAS E RESPOSTAS GUIA DE DÚVIDAS E RESPOSTAS 1) Qual o procedimento para aderir ao Débito Automático, para operações novas? A concessionária deverá acessar o Portal e seguir os passos abaixo: 1º) Cadastrar uma operação

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BNP PARIBAS DIVIDENDOS FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO AÇÕES CNPJ/MF:

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BNP PARIBAS DIVIDENDOS FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO AÇÕES CNPJ/MF: LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BNP PARIBAS DIVIDENDOS FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO AÇÕES CNPJ/MF: Informações referentes a Dezembro de 2014 Esta lâmina contém um resumo

Leia mais

Lâmina de informações essenciais sobre o Fundo SUMITOMO MITSUI MASTER PLUS FI REF DI CREDITO PRIVADO LONGO PRAZO

Lâmina de informações essenciais sobre o Fundo SUMITOMO MITSUI MASTER PLUS FI REF DI CREDITO PRIVADO LONGO PRAZO Lâmina de informações essenciais sobre o Fundo SUMITOMO MITSUI MASTER PLUS FI REF DI CREDITO PRIVADO LONGO PRAZO Informações referentes a fevereiro de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PROJETO TAMAR

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PROJETO TAMAR I INFORMAÇÕES INICIAIS CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PROJETO TAMAR SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO PROJETO TAMAR PLANO PM 60/60

Leia mais

Pagamento de complemento de salário-maternidade, considerando que este valor deve ser deduzido da guia de INSS, pois é pago pelo INSS.

Pagamento de complemento de salário-maternidade, considerando que este valor deve ser deduzido da guia de INSS, pois é pago pelo INSS. Complemento Salarial Licença Maternidade Abaixo estão descritas as regras do sistema para cálculo do complemento de salário-maternidade, no complemento salarial e na rescisão complementar por Acordo/Convenção/Dissídio:

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO REALCAP UNIVERSITÁRIO

CONDIÇÕES GERAIS DO REALCAP UNIVERSITÁRIO CONDIÇÕES GERAIS DO REALCAP UNIVERSITÁRIO I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Santander Capitalização S/A (Empresa Incorporadora da Real Capitalização S.A. desde 30/09/2009) CNPJ: 03.209.092/0001-02

Leia mais

Gestão de Pessoas. Remuneração Variável. Allan Souza // Belchior Borges Felipe Mangabeira // Júlio Bordin

Gestão de Pessoas. Remuneração Variável. Allan Souza // Belchior Borges Felipe Mangabeira // Júlio Bordin Gestão de Pessoas Remuneração Variável Allan Souza // Belchior Borges Felipe Mangabeira // Júlio Bordin Salário O salário é a retribuição em dinheiro ou equivalente paga pelo empregador ao empregado em

Leia mais

V - VIGÊNCIA 5.1 - A vigência do Título é de 15 meses, sendo que todos os direitos dele decorrentes se iniciam na data do pagamento único.

V - VIGÊNCIA 5.1 - A vigência do Título é de 15 meses, sendo que todos os direitos dele decorrentes se iniciam na data do pagamento único. I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Sul América Capitalização S.A. SULACAP CNPJ: 03.558.096/0001-04 (PU 15 MESES) - MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.000696/2011-41 II - GLOSSÁRIO

Leia mais

FIOS, TECIDOS, ARTIGOS DE ARMARINHO E CONFECÇÕES. PERGUNTAS E RESPOSTAS Atualizado em 05/01/2016 Incluídas perguntas 11 e 12

FIOS, TECIDOS, ARTIGOS DE ARMARINHO E CONFECÇÕES. PERGUNTAS E RESPOSTAS Atualizado em 05/01/2016 Incluídas perguntas 11 e 12 FIOS, TECIDOS, ARTIGOS DE ARMARINHO E CONFECÇÕES PERGUNTAS E RESPOSTAS Atualizado em 05/01/2016 Incluídas perguntas 11 e 12 2 PERGUNTAS E RESPOSTAS 1. Em que consiste a sistemática simplificada de tributação

Leia mais

Sistema Gerador de Boletos

Sistema Gerador de Boletos Sistema Gerador de Boletos Você não precisa mais de um banco para emitir boletos. Com o Sistema Gerador de Boleto, as pessoas físicas, profissionais liberais e empresas podem contar com um sistema fácil,

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA RESOLUÇÃO CFM Nº 1.975/2011 (Publicada no D.O.U. de 29 de julho de 2011, Seção I, p. 336-337) Revogada pela Resolução CFM nº 1979/2011 Fixa os valores das anuidades e taxas

Leia mais

Obs.: O aluno não conseguirá efetuar a matrícula caso o contrato não tenha sido confirmado no processo inicial de matrícula.

Obs.: O aluno não conseguirá efetuar a matrícula caso o contrato não tenha sido confirmado no processo inicial de matrícula. 1. Considerações Iniciais 1.1 O Contrato de Prestação de Serviços Educacionais estará disponível no ato da matrícula on-line, e deverá ser aceito eletronicamente no início do processo; 1.2 Pagamento do

Leia mais

Mínimo de abertura: Não aplicável. Não aplicável (conta não remunerada)

Mínimo de abertura: Não aplicável. Não aplicável (conta não remunerada) Designação Conta Ordenado Condições de Acesso Clientes Particulares, que efetuem a domiciliação do seu ordenado, através de transferência bancária codificada como ordenado. Modalidade Depósito à Ordem

Leia mais

GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM JUNDIAÍ APOSENTADORIAS X ALTERAÇÕES

GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM JUNDIAÍ APOSENTADORIAS X ALTERAÇÕES GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM JUNDIAÍ APOSENTADORIAS X ALTERAÇÕES 1 MODALIDADES APOSENTADORIA POR IDADE (urbana, rural e mista) APOSENTADORIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO (comum, especial e mista) LC142 (por

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Rendimentos Recebidos Acumuladamente x Licença Maternidade

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Rendimentos Recebidos Acumuladamente x Licença Maternidade 02/01/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 5 5. Informações Complementares... 5 6. Referências... 6 7.

Leia mais

PU 12 MESES versão 0042013 Pág.1

PU 12 MESES versão 0042013 Pág.1 PU 12 MESES versão 0042013 Pág.1 CONDIÇÕES GERAIS DO (PU 12 MESES versão 0042013) I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Sul América Capitalização S.A. SULACAP CNPJ: 03.558.096/0001-04 (PU

Leia mais

1. Público - Alvo O FUNDO destina-se a receber aplicações de recursos pelo público em geral, desde que sejam clientes do Banco Citibank S.A.

1. Público - Alvo O FUNDO destina-se a receber aplicações de recursos pelo público em geral, desde que sejam clientes do Banco Citibank S.A. LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O FRANKLIN MAXI ACOES FUNDO DE INVESTIMENTO EM ACOES CNPJ: 09.217.033/0001-62 Informações referentes a Maio de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais

Leia mais

SALÁRIO DE CONTRIBUIÇÃO, SALÁRIO DE BENEFÍCIO E RENDA MENSAL INICIAL CONCEITOS Professor: Anderson Castelucio CONCEITOS DE SALÁRIO DE CONTRIBUIÇÃO Art. 214. Entende-se por salário-de-contribuição: I -

Leia mais

VIDA GERADOR DE BENEFÍCIO LIVRE VGBL MODALIDADE DE CONTRIBUIÇÃO VARIÁVEL REGULAMENTO VGBL SICREDI MULTI IS PREV VALOR COMPOSTO INDIVIDUAL

VIDA GERADOR DE BENEFÍCIO LIVRE VGBL MODALIDADE DE CONTRIBUIÇÃO VARIÁVEL REGULAMENTO VGBL SICREDI MULTI IS PREV VALOR COMPOSTO INDIVIDUAL DEZ/2013 VIDA GERADOR DE BENEFÍCIO LIVRE VGBL MODALIDADE DE CONTRIBUIÇÃO VARIÁVEL REGULAMENTO VGBL SICREDI MULTI IS PREV VALOR COMPOSTO INDIVIDUAL TÍTULO I DAS CARACTERÍSTICAS Art. 1º A ICATU Seguros S/A*,

Leia mais

DOS ÍNDICES DE ATUALIZAÇÃO E DOS JUROS MORATÓRIOS CAPÍTULO I DA ATUALIZAÇÃO DOS VALORES CONTRATADOS

DOS ÍNDICES DE ATUALIZAÇÃO E DOS JUROS MORATÓRIOS CAPÍTULO I DA ATUALIZAÇÃO DOS VALORES CONTRATADOS Fls. 3 da CIRCULAR SUSEP N o 255, de 4 de junho de 2004. CIRCULAR SUSEP N o 255, de 4 de junho de 2004 ANEXO I DOS ÍNDICES DE ATUALIZAÇÃO E DOS JUROS MORATÓRIOS CAPÍTULO I DA ATUALIZAÇÃO DOS VALORES CONTRATADOS

Leia mais

CG DA MODALIDADE POPULAR PM CONDIÇÕES GERAIS DO CAP SORTE DO MILHÃO

CG DA MODALIDADE POPULAR PM CONDIÇÕES GERAIS DO CAP SORTE DO MILHÃO CG DA MODALIDADE POPULAR PM CONDIÇÕES GERAIS DO CAP SORTE DO MILHÃO I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Santander Capitalização S/A CNPJ: 03.209.092/0001-02 SANTANDER CAP SORTE DO MILHÃO

Leia mais

Restrições de Investimento:.

Restrições de Investimento:. LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O GAP ABSOLUTO FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO 01.823.373/0001 25 Informações referentes a 05/2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FIC FI MASTER RENDA FIXA REFERENCIADO DI 02.367.527/0001-84 Informações referentes a Abril de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FIC FI MASTER RENDA FIXA REFERENCIADO DI 02.367.527/0001-84 Informações referentes a Abril de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FIC FI MASTER RENDA FIXA REFERENCIADO DI 02.367.527/0001-84 Informações referentes a Abril de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais

Leia mais

REGULAMENTO ALFAPREV VGBL RF MODERADO - INDIVIDUAL VIDA GERADOR DE BENEFÍCIO LIVRE VGBL MODALIDADE DE CONTRIBUIÇÃO VARIÁVEL

REGULAMENTO ALFAPREV VGBL RF MODERADO - INDIVIDUAL VIDA GERADOR DE BENEFÍCIO LIVRE VGBL MODALIDADE DE CONTRIBUIÇÃO VARIÁVEL VIDA GERADOR DE BENEFÍCIO LIVRE VGBL MODALIDADE DE CONTRIBUIÇÃO VARIÁVEL REGULAMENTO DE PLANO INDIVIDUAL ÍNDICE 1. TÍTULO I DAS CARACTERÍSTICAS 2. TÍTULO II DAS DEFINIÇÕES 3. TÍTULO III DA CONTRATAÇÃO

Leia mais

PLANO MULTIFUTURO II

PLANO MULTIFUTURO II PLANO MULTIFUTURO II Sumário Apresentação... 05 Participantes... 07 Contribuições... 09 Institutos... 13 Benefícios... 19 3 Apresentação Prezado participante, Este manual explica, em linguagem simples,

Leia mais

Lista de exercício nº 1 Juros simples e compostos*

Lista de exercício nº 1 Juros simples e compostos* Lista de exercício nº 1 Juros simples e compostos* 1. Um investidor aplicou $1.000,00 numa instituição financeira que remunera seus depósitos a uma taxa de 5 % ao trimestre, no regime de juros simples.

Leia mais

VIDA GERADOR DE BENEFÍCIO LIVRE VGBL MODALIDADE DE CONTRIBUIÇÃO VARIÁVEL REGULAMENTO DE PLANO INDIVIDUAL ÍNDICE

VIDA GERADOR DE BENEFÍCIO LIVRE VGBL MODALIDADE DE CONTRIBUIÇÃO VARIÁVEL REGULAMENTO DE PLANO INDIVIDUAL ÍNDICE VIDA GERADOR DE BENEFÍCIO LIVRE VGBL MODALIDADE DE CONTRIBUIÇÃO VARIÁVEL REGULAMENTO DE PLANO INDIVIDUAL ÍNDICE TÍTULO I DAS CARACTERÍSTICAS TÍTULO II DAS DEFINIÇÕES TÍTULO III DA CONTRATAÇÃO DO PLANO

Leia mais

Apostila. Controle de Cheque

Apostila. Controle de Cheque Apostila Controle de Cheque Índice Introdução...3 Menu Cheque Pré-Datado...3 1. Financeiro / Cheque Pré-Datado...3 2. Opções de Controle...3 3. Cadastrando Cheques...3 4. Manutenção de Cheques por Aluno...7

Leia mais

APRESENTAÇÃO DEFINIÇÃO. O que é o Plano de Contribuição Definida CD

APRESENTAÇÃO DEFINIÇÃO. O que é o Plano de Contribuição Definida CD APRESENTAÇÃO Esta cartilha tem o objetivo de informá-lo, de forma simples e precisa, sobre os principais pontos do Plano SERGUS de Benefícios na modalidade de Contribuição Definida (CD), baseado no seu

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DE

REGULAMENTO DO PLANO DE REGULAMENTO DO PLANO DE BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS DO ADVOGADO PREVER REGULAMENTO DO PLANO DE BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS DO ADVOGADO PREVER CAPÍTULO I - DO OBJETO... 2 CAPÍTULO II - DAS DEFINIÇÕES... 2

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA, CONTROLADORIA E AUDITORIA 2015.1

GESTÃO FINANCEIRA, CONTROLADORIA E AUDITORIA 2015.1 GESTÃO FINANCEIRA, CONTROLADORIA E AUDITORIA 2015.1 PROCESSO SELETIVO O processo seletivo compreende análise curricular (experiência profissional relevante, mínima de 2 anos) e entrevista. Terá início

Leia mais

Aditamento do Fies 2015.2 (Renovação do Contrato) do FIES

Aditamento do Fies 2015.2 (Renovação do Contrato) do FIES Aditamento do Fies 2015.2 (Renovação do Contrato) do FIES Para realizar o aditamento 2015.2 a CPSA dará início ao processo de renovação semestral do contrato de financiamento, e o aluno terá até 20 (vinte)

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO Tricap Empresarial Único 300 TRADICIONAL

CONDIÇÕES GERAIS DO Tricap Empresarial Único 300 TRADICIONAL CONDIÇÕES GERAIS DO Tricap Empresarial Único 300 TRADICIONAL I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: ICATU CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ: 74.267.170/0001-73 PU 81.2 - MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO

Leia mais

Novas regras sobre o REFIS. Parcelamento Federal. Lei nº 12.996/2014. Portaria PGFN/RFB nº 13, de 30 de julho de 2014

Novas regras sobre o REFIS. Parcelamento Federal. Lei nº 12.996/2014. Portaria PGFN/RFB nº 13, de 30 de julho de 2014 Novas regras sobre o REFIS Parcelamento Federal Lei nº 12.996/2014 Portaria PGFN/RFB nº 13, de 30 de julho de 2014 Abrangência I os débitos inscritos em Dívida Ativa da União, no âmbito da Procuradoria-Geral

Leia mais

PLANO GERADOR DE BENEFÍCIO LIVRE PGBL MODALIDADE DE CONTRIBUIÇÃO VARIÁVEL REGULAMENTO PGBL SICREDI MULTI IS PREV VALOR COMPOSTO INDIVIDUAL

PLANO GERADOR DE BENEFÍCIO LIVRE PGBL MODALIDADE DE CONTRIBUIÇÃO VARIÁVEL REGULAMENTO PGBL SICREDI MULTI IS PREV VALOR COMPOSTO INDIVIDUAL DEZ/2013 PLANO GERADOR DE BENEFÍCIO LIVRE PGBL MODALIDADE DE CONTRIBUIÇÃO VARIÁVEL REGULAMENTO PGBL SICREDI MULTI IS PREV VALOR COMPOSTO INDIVIDUAL TÍTULO I DAS CARACTERÍSTICAS Art. 1º A ICATU Seguros

Leia mais

VIDA GERADOR DE BENEFÍCIO LIVRE VGBL MODALIDADE DE CONTRIBUIÇÃO VARIÁVEL REGULAMENTO DE PLANO INDIVIDUAL ÍNDICE

VIDA GERADOR DE BENEFÍCIO LIVRE VGBL MODALIDADE DE CONTRIBUIÇÃO VARIÁVEL REGULAMENTO DE PLANO INDIVIDUAL ÍNDICE VIDA GERADOR DE BENEFÍCIO LIVRE VGBL MODALIDADE DE CONTRIBUIÇÃO VARIÁVEL TÍTULO I DAS CARACTERÍSTICAS TÍTULO II DAS DEFINIÇÕES REGULAMENTO DE PLANO INDIVIDUAL ÍNDICE TÍTULO III DA CONTRATAÇÃO DO PLANO

Leia mais

Como Gerar Boletos? FS132

Como Gerar Boletos? FS132 Como Gerar Boletos? FS132 Sistema: Futura Server Caminho: Contas a Receber>Boleto>Boleto Envio Referência: FS132 Versão: 2016.02.15 Como Funciona: Esta tela é utilizada para gerar boletos através do sistema.

Leia mais

Entretanto, este benefício se restringe a um teto de 12% da renda total tributável. O plano VGBL é vantajoso em relação ao PGBL para quem:

Entretanto, este benefício se restringe a um teto de 12% da renda total tributável. O plano VGBL é vantajoso em relação ao PGBL para quem: 2 1 3 4 2 PGBL ou VGBL? O plano PGBL, dentre outras, tem a vantagem do benefício fiscal, que é dado a quem tem renda tributável, contribui para INSS (ou regime próprio ou já aposentado) e declara no modelo

Leia mais

REGULAMENTO PGBL.net Composto 20 C

REGULAMENTO PGBL.net Composto 20 C REGULAMENTO PGBL.net Composto 20 C 1. Tipo de Plano: COMPOSTO 2. Aprovado na SUSEP através do processo nº: 15414.003831/2004-81 3. Taxa de carregamento sobre as contribuições: Entrada: 1,5% Saída: Permanência

Leia mais

Consórcio Imobiliário. Utilização do FGTS

Consórcio Imobiliário. Utilização do FGTS REGRAS GERAIS Nº 6565.047.002 Versão 2 Consórcio Imobiliário Utilização do FGTS (amortização extraordinária / liquidação do saldo devedor e pagamento de parte das parcelas) Elaborado em: 01/11/2013 REQUISITOS

Leia mais

Consulta Pública de Lâmina de Fundo

Consulta Pública de Lâmina de Fundo Página 1 de 20 Consulta Pública de Lâmina de Fundo Atenção: Estas informações tem por base os documentos enviados à CVM pelas Instituições Administradoras dos Fundos de Investimento e são de exclusiva

Leia mais

SulAmérica Previdência SulAmérica Previdência

SulAmérica Previdência SulAmérica Previdência SulAmérica Previdência PGBL - PLANO GERADOR DE BENEFÍCIO LIVRE Plano 4012 1 Índice TÍTULO I - DAS CARACTERÍSTICAS...5 TÍTULO II - DAS DEFINIÇÕES...7 TÍTULO III - DA CONTRATAÇÃO DO PLANO...10 TÍTULO IV

Leia mais

VIDA GERADOR DE BENEFÍCIO LIVRE VGBL MODALIDADE DE CONTRIBUIÇÃO VARIÁVEL

VIDA GERADOR DE BENEFÍCIO LIVRE VGBL MODALIDADE DE CONTRIBUIÇÃO VARIÁVEL VIDA GERADOR DE BENEFÍCIO LIVRE VGBL MODALIDADE DE CONTRIBUIÇÃO VARIÁVEL REGULAMENTO DE PLANO INDIVIDUAL ÍNDICE TÍTULO I - DAS CARACTERÍSTICAS...3 TÍTULO II - DAS DEFINIÇÕES...3 TÍTULO III - DA CONTRATAÇÃO

Leia mais

MANUAL DE APOSENTADORIA DEFINIÇÕES / INFORMAÇÕES

MANUAL DE APOSENTADORIA DEFINIÇÕES / INFORMAÇÕES MANUAL DE APOSENTADORIA DEFINIÇÕES / INFORMAÇÕES A PREVIDÊNCIA SOCIAL É uma forma de seguro coletivo de caráter contributivo em que todos contribuem com uma parcela de seu salário e de filiação obrigatória.

Leia mais

Consulta Pública de Lâmina de Fundo

Consulta Pública de Lâmina de Fundo Página 1 de 6 Consulta Pública de Lâmina de Fundo Atenção: Estas informações tem por base os documentos enviados à CVM pelas Instituições Administradoras dos Fundos de Investimento e são de exclusiva responsabilidade

Leia mais

1 - DO PROGRAMA 2 DA REGULARIZAÇÃO DA RENOVAÇÃO DO FIES

1 - DO PROGRAMA 2 DA REGULARIZAÇÃO DA RENOVAÇÃO DO FIES EDITAL DE ADITAMENTO DO FINANCIAMENTO ESTUDANTIL 2011/2º 1 - DO PROGRAMA (Somente para os contratos firmados antes de 2010) O Instituto Mineiro de Educação e Cultura Unibh S/A (IMEC), entidade mantenedora

Leia mais

Restrições de Investimento:.

Restrições de Investimento:. LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O GAP MULTIPORTIFOLIO FI MULTIMERCADO 03.804.917/0001 37 Informações referentes a 04/2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o GAP MULTIPORTFOLIO

Leia mais

RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE MATEMÁTICA FINANCEIRA

RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE MATEMÁTICA FINANCEIRA RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE MATEMÁTICA FINANCEIRA Caro aluno, Disponibilizo abaixo a resolução resumida das questões de Matemática Financeira da prova de Auditor da SEFAZ/PI 2015. Vale dizer que utilizei

Leia mais

Prof. Cid Roberto. Sistema de Seguros Privados, Previdência Complementar Aberta e Títulos de Capitalização

Prof. Cid Roberto. Sistema de Seguros Privados, Previdência Complementar Aberta e Títulos de Capitalização Conhecimentos Bancários e Atualidades do Mercado Financeiro Prof. Cid Roberto Grupo Conhecimentos Bancários no Google http://goo.gl/gbkij Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) http://goo.gl/4a6y7

Leia mais

Conhecimentos Bancários

Conhecimentos Bancários Conhecimentos Bancários Conhecimentos Básicos em Administração Financeira: Fundamentos e Técnicas; Orçamento e Controle de Custos Professor Lucas Silva www.acasadoconcurseiro.com.br Conhecimentos Bancários

Leia mais

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO APLUBCAP POPULAR 379 MODALIDADE POPULAR PAGAMENTO MENSAL CONDIÇÕES GERAIS

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO APLUBCAP POPULAR 379 MODALIDADE POPULAR PAGAMENTO MENSAL CONDIÇÕES GERAIS I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLUB CAPITALIZAÇÃO S. A. CNPJ: 88.076.302/0001-94 APLUBCAP POPULAR 379 MODALIDADE: POPULAR PROCESSO SUSEP Nº: 15414.901215/2013-88 II - GLOSSÁRIO Subscritor

Leia mais

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES. CARTA - CIRCULAR Nº 35/2006 Rio de Janeiro, 25 de agosto de 2006

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES. CARTA - CIRCULAR Nº 35/2006 Rio de Janeiro, 25 de agosto de 2006 BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES CARTA - CIRCULAR Nº 35/2006 Rio de Janeiro, 25 de agosto de 2006 Ref.: Linha de Financiamento BNDES-exim Pré-embarque Automóveis. Ass.: Alteração

Leia mais

RESOLUÇÃO N 03/2015. O DIRETOR GERAL da FACULDADE INTEGRADA DE SANTA MARIA, no uso de suas atribuições regimentais, RESOLVE

RESOLUÇÃO N 03/2015. O DIRETOR GERAL da FACULDADE INTEGRADA DE SANTA MARIA, no uso de suas atribuições regimentais, RESOLVE RESOLUÇÃO N 03/2015 Estabelece a Política de Preço das mensalidades dos Cursos de Graduação e Pós-Graduação da FISMA para o Primeiro Semestre de 2016. O DIRETOR GERAL da FACULDADE INTEGRADA DE SANTA MARIA,

Leia mais

PLANO GERADOR DE BENEFÍCIO LIVRE VGBL MODALIDADE DE CONTRIBUIÇÃO VARIÁVEL

PLANO GERADOR DE BENEFÍCIO LIVRE VGBL MODALIDADE DE CONTRIBUIÇÃO VARIÁVEL PLANO GERADOR DE BENEFÍCIO LIVRE VGBL MODALIDADE DE CONTRIBUIÇÃO VARIÁVEL REGULAMENTO DE PLANO INDIVIDUAL REGULAMENTO ALFAPREV VGBL VIP 49 ALFA PREVIDÊNCIA E VIDA S/A CNPJ 02.713.530/0001-02 Alameda Santos,

Leia mais

Campinas 26 e 27 de fevereiro de 2015

Campinas 26 e 27 de fevereiro de 2015 Campinas 26 e 27 de fevereiro de 2015 CONCEITO RIGOROSO CONTROLE SALDO DE UMA CONTA DE MOVIMENTO EXTRATO BANCÁRIO (informação externa à contabilidade) OBJETIVO 1 COMPARAR A MOVIMENTAÇÃO FINANCEIRA DAS

Leia mais

EDITAL N.º 02/2015 DISPÕE SOBRE O PROCESSO DE MATRÍCULA PARA OS CURSOS TÉCNICOS, CONCOMITANTES E SUBSEQUENTES AO ENSINO MÉDIO

EDITAL N.º 02/2015 DISPÕE SOBRE O PROCESSO DE MATRÍCULA PARA OS CURSOS TÉCNICOS, CONCOMITANTES E SUBSEQUENTES AO ENSINO MÉDIO EDITAL N.º 02/2015 DISPÕE SOBRE O PROCESSO DE MATRÍCULA PARA OS CURSOS TÉCNICOS, CONCOMITANTES E SUBSEQUENTES AO ENSINO MÉDIO O, mantido pela Associação Paranaense de Cultura, torna pública a abertura

Leia mais

Este ano será possível fazer a declaração no modo online através do e-cac Fatos Relevantes:

Este ano será possível fazer a declaração no modo online através do e-cac Fatos Relevantes: Este ano será possível fazer a declaração no modo online através do ecac Fatos Relevantes: 1) Caso seu interesse seja Publicar no DIÁRIO OFICIAL do MUNICÍPIO do RJ Rio de Janeiro, CLIQUE AQUI 2) Caso seu

Leia mais

Página 59 Inserir as questões a seguir após a questão 08.

Página 59 Inserir as questões a seguir após a questão 08. Atualização da obra Contabilidade de Custos 9ª para a 10ª edição Página 59 Inserir as questões a seguir após a questão 08. (Especialista/Anatel/2014) Com relação aos custos, julgue os itens de 09 a 11.

Leia mais

Cartilha do Plano PrevSIAS

Cartilha do Plano PrevSIAS Sociedade Ibgeana de Assistência e Seguridade Cartilha do Plano PrevSIAS Plano de Aposentadoria SIAS Instituidor Associação dos Funcionários da SIAS - AFUSI JULHO DE 2013 MENSAGEM DA SIAS Prezado(a) Sr(a).,

Leia mais

Restrições de Investimento:.

Restrições de Investimento:. LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O VOTORANTIM FIC DE FI CAMBIAL DÓLAR 03.319.016/0001-50 Informações referentes a 05/2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o VOTORANTIM

Leia mais

VIDA GERADOR DE BENEFÍCIO LIVRE VGBL MODALIDADE DE CONTRIBUIÇÃO VARIÁVEL REGULAMENTO DE PLANO INDIVIDUAL ÍNDICE

VIDA GERADOR DE BENEFÍCIO LIVRE VGBL MODALIDADE DE CONTRIBUIÇÃO VARIÁVEL REGULAMENTO DE PLANO INDIVIDUAL ÍNDICE VIDA GERADOR DE BENEFÍCIO LIVRE VGBL MODALIDADE DE CONTRIBUIÇÃO VARIÁVEL TÍTULO I DAS CARACTERÍSTICAS TÍTULO II DAS DEFINIÇÕES REGULAMENTO DE PLANO INDIVIDUAL ÍNDICE TÍTULO III DA CONTRATAÇÃO DO PLANO

Leia mais

GUIA DE VENDAS PLANOS DE PREVIDÊNCIA

GUIA DE VENDAS PLANOS DE PREVIDÊNCIA PLANOS DE PREVIDÊNCIA 1 Índice Planos VGBL Proteção 05 PGBL/VGBL Individual - Planos Rubi Plus e Rubi Premium 07 PGBL/VGBL Individual - Planos Diamante 09 PGBL/VGBL Infantil - Planos Rubi 11 PGBL/VGBL

Leia mais

OBJETIVO INSTRUÇÕES. Primeiro processo:

OBJETIVO INSTRUÇÕES. Primeiro processo: OBJETIVO O objetivo deste material é orientar consultores que optem em utilizar parte do valor de sua bonificação para ativação mensal e/ou pagamento de pedidos e que também desejam transferir o saldo

Leia mais

SafraPrev MULTI. 11. Como efetuar os resgates? Através de formulário próprio, fornecido nas agências do Banco Safra S/A.

SafraPrev MULTI. 11. Como efetuar os resgates? Através de formulário próprio, fornecido nas agências do Banco Safra S/A. SafraPrev MULTI 1. O que é? É um produto na modalidade PGBL Plano Gerador de Benefício Livre, desenvolvido pela Safra Vida e Previdência S/A, com base nos mais modernos conceitos e tendências de mercado.

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Fundo Estadual de Combate a Pobreza - Energia Elétrica e Comunicação - RJ

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Fundo Estadual de Combate a Pobreza - Energia Elétrica e Comunicação - RJ Parecer Consultoria Tributária Segmentos Fundo Estadual de Combate a Pobreza - Energia Elétrica e Comunicação - RJ 04/02/2016 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente...

Leia mais

Restrições de Investimento:.

Restrições de Investimento:. LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BRADESCO FUNDO DE INVESTIMENTO CAMBIAL EURO 04.084.590/0001 39 Informações referentes a 06/2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre obradesco

Leia mais

Plano de Contribuição Definida

Plano de Contribuição Definida Plano de Contribuição Definida Gerdau Previdência CONHEÇA A PREVIDÊNCIA REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR Oferecido pelo setor privado, com adesão facultativa, tem a finalidade de proporcionar uma proteção

Leia mais

Itauprev VGBL Multi Agressivo Notas Explicativas

Itauprev VGBL Multi Agressivo Notas Explicativas Notas Explicativas O é uma forma moderna de você poupar a longo prazo, na forma de um plano de Previdência Complementar, desenvolvido e administrado pela Itaú Previdência e Seguros S.A.. Uma Previdência

Leia mais

ÍNDICE. 1. Tabela Progressiva - a partir de Abril/2015... 2. 2. Exemplos Práticos... 3. 2.1. Declarante 1 Empregador pessoa física...

ÍNDICE. 1. Tabela Progressiva - a partir de Abril/2015... 2. 2. Exemplos Práticos... 3. 2.1. Declarante 1 Empregador pessoa física... ÍNDICE 1. Tabela Progressiva - a partir de Abril/2015.... 2 2. Exemplos Práticos... 3 2.1. Declarante 1 Empregador pessoa física... 3 2.2. Declarante 2 Rendimento pago ao exterior Fonte pagadora pessoa

Leia mais

EDITAL DC/IT-NPL 2/2013

EDITAL DC/IT-NPL 2/2013 EDITAL DC/IT-NPL 2/2013 ABRE INSCRIÇÕES PARA O PROCESSO DE SELEÇÃO PARA OS CURSOS DE PÓS- GRADUAÇÃO LATO SENSU DO CAMPUS ITATIBA DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO USF NO 1º SEMESTRE DE 2014. O Diretor do Campus

Leia mais

NOME DA TABELA: BALANCETES DE RECEITAS ORÇAMENTÁRIAS

NOME DA TABELA: BALANCETES DE RECEITAS ORÇAMENTÁRIAS 76 5.3.14. Balancetes de Receitas Orçamentárias: BALANCETES DE RECEITAS ORÇAMENTÁRIAS NOME DO ARQUIVO: BR201001.BAL TIPO DE DOCUMENTO: 301 1. Tipo do Documento 2. Código do Município 3. Exercício do Orçamento

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 139, DE 2005.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 139, DE 2005. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 139, DE 2005. Altera e consolida as regras de funcionamento e os critérios para operação da cobertura por sobrevivência oferecida

Leia mais