ESTUDO DE DIABETES MELLITUS NA POPULAÇÃO DE BARRA DO GARÇAS MT. STUDY OF DIABETES MELLITUS IN THE POPULATION OF BARRA DO GARÇAS - MT.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTUDO DE DIABETES MELLITUS NA POPULAÇÃO DE BARRA DO GARÇAS MT. STUDY OF DIABETES MELLITUS IN THE POPULATION OF BARRA DO GARÇAS - MT."

Transcrição

1 ESTUDO DE DIABETES MELLITUS NA POPULAÇÃO DE BARRA DO GARÇAS MT. Patrícia Oliveira de Freitas 1 Menandes Alves de Souza Neto 2 RESUMO O diabetes mellitus consiste num distúrbio metabólico decorrente da falta de insulina e/ou incapacidade desta de agir adequadamente. Dos 74 exames analisados 62 (83,8%) dos pacientes foram diagnosticados diabéticos, 12 (83,8%) foram classificados como predisposto a diabetes enquanto que os normais foram (0,00%) não sendo analisados nesta pesquisa. Há uma maior prevalência do sexo feminino em relação ao masculino, pois do total de exames analisados 42 (56,8%) pertenciam ao sexo feminino enquanto que 32 (43,2%) pertenciam ao sexo masculino. Do sexo feminino foram encontrados (53,2 %) diabéticos e (75,0%) predispostos, enquanto que (46,8%) dos diabéticos e (25,0 %) dos predispostos são do sexo masculino. Na faixa etária de 51 a 60 e na faixa etária de 61 a 70 obteve a mesma prevalência de (28,4 %). Com relação à idade foi encontrada maior prevalência de diabéticos na faixa etária de 41 a 50 anos (86,7%) e predisposto na faixa etária de 51 a 60 anos com o mesmo percentual. Palavras-chaves: Diabetes mellitus: Tipo I, Tipo II; Diabetes; Predisposto. STUDY OF DIABETES MELLITUS IN THE POPULATION OF BARRA DO GARÇAS - MT. ABSTRACT Diabetes mellitus (DM) consists in a metabolic riot of the lack of insulina and/or incapacity of this to act adequately. The diagnosis of diabetes mellitus is made through laboratoriais examinations and of modified glicemic regulation. Of 74 analyzed examinations 62 (83.8%) of the patients they had been diagnosised diabetic, 12 (83.8%) had been classified as premade use diabetes whereas the normal ones had been (0.00%) not being analyzed in this research. It has a bigger prevalence of the feminine sex in relation to the masculine, therefore of the total of analyzed examinations 42 (56.8%) they belonged to the feminine sex whereas 32 (43.2%) belonged to the masculine sex. Of the feminine sex they had been found (53.2%) e diabetic (75.0%) premade use, whereas (46.8%) of diabetic the e (25.0%) of the premade use ones they are of the masculine sex. In the age range of 51 the 60 and in the age range of 61 the 70 got the same prevalence of (28.4%). With regard to the age bigger prevalence of diabetic was found in the age range of 41 the 50 years (86.7%) and premade use in the age range of 51 the 60 years with the same percentile. Word-keys: Diabetes mellitus: Type I; Type II; Diabetes; Predisposed. INTRODUÇÃO O diabetes mellitus assume grande importância no contexto dos problemas de saúde pública. O mal controle da doença ocasiona uma série de complicações agudas e crônicas que 1 Pós-graduada em Farmacologia Clínica pelo Instituto Brasil de Pós Graduação (I-BRAS). 2 Mestre em Biologia na área de concentração em Biologia celular e molecular.

2 podem ser evitadas através do acompanhamento pela equipe de saúde e da participação ativa do paciente no seu tratamento diário. Atividades educativas devem ser disponibilizadas com o intuito de prevenir complicações e promover melhor adaptação do paciente à doença (GRILLO et al, 2007). Segundo estimativas da Organização Mundial de Saúde, o número de portadores da doença em todo o mundo era de 177 milhões em 2000, com expectativa de alcançar 350 milhões de pessoas em No Brasil são cerca de seis milhões de portadores a números de hoje, e deve alcançar 10 milhões de pessoas agora em Um indicador macroeconômico a ser considerado é que o diabetes esta crescendo mais rapidamente em países pobres e em desenvolvimento e isso impacta de forma muito negativa devido à morbimortalidade precoce que atinge pessoas ainda em plena vida produtiva, onera a previdência social e contribui para a continuidade do ciclo vicioso da pobreza e da exclusão social (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2006). As conseqüências humanas, sociais e econômicas são devastadoras: são quatro milhões de mortes por ano por causa do diabetes e suas complicações (com muitas ocorrências prematuras), o que representa 9% da mortalidade mundial total (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2006). Este trabalho, portanto, tem como objetivo de avaliar o estudo do diabético e do suspeito, usuário dos serviços do laboratório privado que fizeram exames de glicemia no período do mês de junho a outubro do ano 2009 em Barra do Garças MT. Os dados utilizados foram à taxa de glicemia, sexo, idade. ETIOLOGIA E FISIOPATOLOGIA DO DIABETES A Diabetes mellitus trata-se de uma síndrome de etiologia múltipla, decorrente da falta de insulina e/ou da incapacidade desse hormônio em exercer adequadamente seus efeitos. Esta doença caracteriza-se por um estado crônico de hiperglicemia e, freqüentemente, é acompanhada por alterações no perfil lipídico, hipertensão arterial e disfunção endotelial (SÁ et al, 2009). As conseqüências do DM, a longo prazo, incluem disfunção e falência de vários órgãos, especialmente rins, olhos, nervos, coração e vasos sangüíneos (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2002). No final da década de 1980, estimou-se no Brasil que o diabetes ocorria em cerca de 8% da população, de 30 a 69 anos de idade, residente em áreas metropolitanas brasileiras.

3 Essa prevalência variava de 3% a 17% entre as faixas de e de anos. A prevalência da tolerância à glicose diminuída era igualmente de 8%, variando de 6 a 11% entre as mesmas faixas etárias. Hoje estima-se 11% da população igual ou superior a 40 anos,o que representa cerca de 5 milhões e meio de portadores (população estimada IBGE 2005) (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2006). Em 1985 foi publicado um relatório técnico no qual considerava dois maiores grupos de pacientes diabéticos: os insulino dependentes e os insulino- independentes. Saindo se de uma classificação que levava em conta a faixa etária do paciente (diabético juvenil ou adulto) para a forma de tratamento (uso de insulina ou hipoglicemiante oral). Já em 1997, a academia americana de diabetes publicou uma nova classificação, em que os termos citados acima passassem a ser diabetes do tipo 1 e do tipo 2 (DAMIANI, 2002). O diabetes mellitus tipo 1 auto-imune (DM1A) resulta da destruição auto-imune seletiva das células-beta pancreáticas produtoras de insulina. O principal determinante genético de suscetibilidade para o DM1A está em genes do complexo principal de histocompatibilidade, no cromossomo 6p211.3 (locus IDDM1), responsável por 40% ou mais da agregação familiar dessa doença. O maior risco é conferido pelo genótipo do antígeno leucocitário humano HLA-DR3-DQA1* 0501-DQB1*0201/DR4-DQA1*0301-QB1*0302, e o haplótipo HLA-DR15-DQA1* 0102-DQB1*0602 é associado à proteção. Três outros loci relacionados à predisposição a DM1A é o número variável de freqüências repetidas (VNTR) do gene da insulina (IDDM2), que confere 10% da suscetibilidade genética, o antígeno-4 associado ao linfócito T citotóxico (CTLA-4) e o protein tyrosine phosphatasis nonreceptortype 22 (PTPN22). Vários outros genes suspeitos de predispor à auto-imunidade estão sendo investigados. O DM1A é freqüentemente associado com doença auto-imune tiroidiana, doença celíaca, doença de Addison e várias outras doenças auto-imunes, caracterizadas por auto-anticorpos órgãos-específicos, relacionados aos mesmos determinantes genéticos. Esses anticorpos são úteis na detecção de auto-imunidade órgão-específico antes do aparecimento da doença clínica, prevenindo comorbidades (SILVA et al, 2008). O pico de incidência do diabetes do tipo 1 ocorre dos 10 aos 14 anos de idade, havendo uma diminuição progressiva da incidência até os 35 anos. Em geral, os pacientes apresentam índice de massa corporal normal, mas a presença de obesidade não exclui o diagnóstico (SARTORELLI & FRANCO, 2003). As maiores taxas de incidência mundial (superiores a 35/ /ano) ocorrem na Finlândia e na Sardenha (Itália), seguidas por populações caucasianas na Europa e na América do Norte, de incidência moderada (cerca de 10-20/ /ano). Finalmente, os países

4 asiáticos e a grande maioria dos países da América do Sul apresentam as menores taxas mundiais (inferiores a 5/ /ano). No Brasil, a incidência é de 8/ /ano (5,6). A incidência anual de DM1A está aumentando em 3,2% nos mais jovens, principalmente naqueles manifestados antes dos 4 anos de idade, sugerindo fator ambiental atuante (7,8). O DM1 incide igualmente nos sexos masculino e feminino, mas nos países com alta prevalência da doença, predomina nos homens com diagnóstico após os 20 anos de idade. A agregação familiar é rara, mas superior à da população normal, sendo o risco para diabetes de 1,3% nos pais, 4,2% nos irmãos e 1,9% nos filhos dos diabéticos. A transmissão paterna do diabetes para os filhos é maior que a materna. Cerca de 10% a 13% dos pacientes com DM1A recémdiagnosticados têm um familiar de primeiro grau afetado (SILVA et al, 2008). O diabetes mellitus do tipo 2 (DM2) resultam de defeitos na secreção e ação da insulina. Esta freqüentemente associada à resistência à insulina, obesidade andróide, dislipidemia e hipertensão arterial, constituindo a síndrome metabólica. (ARAÚJO et al, 2000). Esse tipo de diabetes é mais comum do que a do tipo 1 a destruição auto- imune do pâncreas não esta envolvida (SOCIEDADE BRASILEIRA DE DIABETES, 2002). Por causa dos sintomas do diabetes do tipo 2 ser menos pronunciados esta é a razão para considerar este tipo mais brando que a do tipo 1 não podendo esquecer que seus sintomas possam permanecer desaparecidos por muito tempo, colocando em sério risco a saúde do indivíduo. Quando diagnosticada, já em estágio avançado seus sintomas são os mesmos do diabetes tipo 1 (BAZOTTE, 2005). Os indivíduos com diabetes do tipo 2 podem desenvolver cetoacidose, embora isso não seja freqüente, e geralmente esta associada ao processo infeccioso ou ao estresse (ARAÚJO et al, 2000). Alguns pacientes com diabetes do tipo 2 podem apresentar níveis plasmáticos de insulina que apresenta serem normais ou elevados, porém os níveis elevados da glicemia exigiram valores mais elevados de insulina isso se a função das células beta estivesse normal. Portanto, a secreção de insulina é deficiente e ou insuficiente para compensar a resistência insulínica mas tem alguns indivíduos que apresentam uma ação insulínica normal, porém uma marcante deficiência na sua produção (HABER et al, 2001). Cerca de 80% dos casos de diabetes tipo 2 podem ser atendidos predominantemente na atenção básica, enquanto que os casos de diabetes tipo 1 requerem maior colaboração com especialistas em função da complexidade de seu acompanhamento. Em ambos os casos, a

5 coordenação do cuidado dentro e fora do sistema de saúde é responsabilidade da equipe de atenção básica (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2006). A diabetes gestacional é a diminuição da tolerância à glicose, de magnitude variável, diagnosticada, pela primeira vez, na gestação, podendo ou não persistir após o parto. Abrange os casos de DM e de tolerância à glicose diminuída, detectados na gravidez. O Estudo Brasileiro de Diabetes Gestacional EBDG revelou que 7,6% das mulheres em gestação apresentam intolerância à glicose ou diabetes (MINISTERIO DA SAÚDE, 2002). Seu diagnóstico é controverso. A OMS recomenda detectá-lo com os mesmos procedimentos diagnósticos empregados fora da gravidez, considerando como diabetes gestacional valores referidos fora da gravidez como indicativos de diabetes ou de tolerância à glicose diminuída (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2006). Todo paciente com diabetes mellitus seja do tipo 1 ou 2, esta sujeito a desenvolver uma série de problemas de saúde, conseqüentes do descontrole glicêmico. Essas complicações do diabetes podem ser subdivididas em agudas e crônicas dependendo das características de seu aparecimento (SOCIEDADE BRASILEIRA DE DIABETES, 2002). Existem vários sinais e sintomas básicos do diabetes como astenia (fraqueza), perda de peso, polifagia (fome excessiva), poliúria (excesso de eliminação de urina), polidpsia (ingestão excessiva de água), desidratação (CHANDRASOMA & TAYLOR, 1993). Segundo FILHO (2000) outros sinais e sintomas importantes no diabetes são a acidose e a glicosúria. A acidose ocorre quando o organismo utiliza gordura como fonte de energia, aumentando a quantidade de ácido acetoacético, como conseqüência o fígado libera tanto este ácido que ele não pode ser metabolizado pelos tecidos, surgindo reações de acidose metabólica como respiração rápida e profunda. Portanto, pode causar acidose grave e coma, o que frequentemente leva a morte. Quando os níveis de glicose sanguínea excedem o limiar renal, a urina fica com glicose aparecendo assim os sintomas de glicosúria. Devido à falta de insulina nos diabéticos, caem os níveis de glicose intracelular (glicopenia), o que eleva as taxas de glucagon, cortisol, catecolaminas e hormônio do crescimento (catabolizadores ou gastadores de energia). Estes hormônios mobilizam novos substratos energéticos para as células, que se encontram em glicopenia, por promoverem lipólise, proteólise, gliconeogênese (síntese hepática e eventualmente renal de glicose a partir do glicerol, ácido láctico e cetoácidos) e cetogênese (formação de corpos cetônicos ou cetoácidos - acetona, ácido acetoacético e ácido beta-hidroxibutírico nos hepatócitos, a partir

6 dos ácidos graxos). Assim, favorecem a hiperglicemia e pioram os desarranjos metabólicos. A gliconeogênese e a cetogênese são condições fisiológicas. Ocorrem em situações de glicopenia (jejum, por exemplo), quando se esgotam os estoques de glicogênio e existe necessidade de novas fontes de energia para o metabolismo celular (RAMOS et al, 1999). Outra alteração muito comum nos pacientes diabéticos é retinopatia diabética conhecida popularmente como cegueira. As alterações do fundo do olho que ocorrem com a progressão da doença seguem um curso que se inicia na forma não proliferativa podendo evoluir para a forma proliferativa. Elas são resultados da microangiopatia que afeta o organismo do diabético, caracterizada, nos estágios iniciais, por microaneurismas e oclusões vasculares e, nos estágios tardios, por formação de cicatrizes (PEREIRA, 2004). Nos pacientes de diabetes tipo 2 pode acontecer vários fatores de risco cardiovasculares, incluindo hipertensão arterial, obesidade, resistência à insulina microalbuminúria e anormalidades nos lipídios (dislipidemias) e lipoproteínas plasmáticas (triglicérideos alto e colesterol HDL baixo (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2002). Para prevenir essas complicações no paciente diabético depende não somente da manutenção de um controle de sua glicemia, mas também da correção de outros fatores de risco, como fumo, dislipidemias e a obesidade e especialmente a hipertensão arterial, que depende não somente de um tratamento médico adequado como de mudanças do estilo de vida do paciente (LIMA et al, 2005). Não podendo deixar de salientar que pode ocorrer uma deficiência na irrigação sanguínea dos membros inferiores e uma perda de sensibilidade nos pés, causando deformidades, ulcerações e infecções nos pés podendo até levar a amputação conhecido como pé de diabético (GROSS & NEHME, 1999). Com isso os pacientes diabéticos deveram ter um cuidado especial com os pés evitando machuca-los mantendo uma higiene afim de evitar o desenvolvimento de infecções. São fatores de risco idade superior a 40 anos, tabagismo, diabetes com mais de 10 anos de duração, diminuição dos pulsos arteriais ou hipoestesia, artropatia, calosidades, presença de ulcerações ou amputações prévias (MINELLI et al, 2003). Segundo LIMA et al, 2005 como prevenção dessas complicações nos pacientes diabéticos não depende somente da manutenção de um bom controle de sua glicemia mas sim da correção de outros fatores de risco que não depende de um tratamento médico mas de mudanças do estilo de vida.

7 Segundo GROSS e colaboradores, 2002 o diagnóstico do diabetes baseia-se fundamentalmente nas alterações da glicose plasmática de jejum ou após uma sobrecarga de glicose por via oral. A medida da hemoglobina glicosilada da glicosúria e da glicemia capilar não apresenta acurácia diagnóstica adequada e não deve ser utilizada para o diagnóstico de diabetes. A concentração de glicose nos glóbulos vermelhos reflete a média dos níveis de glicose no período de 6 a 8 semanas, que é o período de vida útil da hemoglobina. Este exame é muito utilizado porque apresenta o grau real de controle de um determinado período de tempo e não apenas de um único momento. Por isso, o exame de hemoglobina glicosilada, é pedido a casa dois ou três meses para pacientes diabéticos. Já o diagnóstico em crianças que não apresentam um quadro característico de descompensação metabólica com poliúria, polidipsia e emagrecimento ou de cetoacidose diabética, são adotados os mesmos critérios diagnósticos empregados para os adultos. Quando houver a indicação de um TOTG, utiliza-se 1,75g/kg (gramas/ quilo) de glicose (máximo 75gramas). O exame de glicemia capilar é muito usado para o monitoramento da doença obtendo o melhor controle metabólico. Frequentemente realizada com amostras coletadas em pontas dos dedos e colocação em fitas reagentes acopladas a aparelhos que fornecem os resultados em poucos segundos (FERRAZ et al, 2004). É muito importante salientar que todas as mulheres grávidas acima de 25 anos, não obesas e sem histórico de diabetes na família, façam o teste oral para gestante. O ideal é realizá-lo entre a 24ª e a 28ª semanas de gestação. O teste consiste na ingestão oral de uma dose de 50g de glicose em solução aquosa 25% por via oral. O sangue será colhido nos tempos basal e 60 (minutos). Os resultados normais são de até 80mg/dl (miligramas/decilitro) e 140mg/dl. Consideram-se diabetes as mulheres que apresentam glicemia maior que 126mg/dl, no tempo basal ou igual ou maior que 200mg/dl (KATZ et al,2002). Os valores para o teste de glicemia mudaram, os pacientes considerados como normal quando a glicemia de jejum esta entre 70mg/dl e 99mg/dl e inferior a 140mg/dl, duas horas de sobrecarga de glicose. Já o individuo considerado predisposto quando a glicemia de jejum esta entre 101 a 125mg/dl e o paciente é considerado como diabético quando o valor for maior ou igual a 126mg/dl tendo que colher duas amostras em dias diferentes ou quando a glicemia aleatória estiver igual ou acima de 200mg/dl na presença dos sintomas (SOCIEDADE BRASILEIRA DE DIABETES, 2010).

8 Sendo o diabetes como uma doença evolutiva, com o decorrer dos anos, quase todos os pacientes requerem tratamento farmacológico, muitos deles com insulina, uma vez que as células beta do pâncreas tendem a progredir para um estado de falência parcial ou total ao longo dos anos. Entretanto, mudanças positivas no estilo de vida alimentar e de atividade física são de fundamental importância no alcance dos objetivos do tratamento quais seja o alívio dos sintomas e a prevenção de complicações agudas e crônicas (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2006). Entre os agentes medicamentosos disponíveis para a terapia do diabetes estão incluídos a insulina e os hipoglicemiantes orais (principalmente, biguanidas e sulfoniluréias) (ASSUNÇÃO et al, 2002). As insulinas podem ser classificadas de acordo com sua origem, grau de purificação e tempo de ação. Referindo se a espécie de origem e pureza pode ser de origem animal (pâncreas de boi ou de porco ou de ambas as espécies). Também pode ser humana obtida pela síntese, utilizando a técnica de DNA recombinante, a qual constitui a maioria das preparações atualmente utilizadas (PRADO et al, 2003). A insulina é indicada no tratamento de pacientes com diabetes tipo 1 e tipo 2 sem controle adequado com dieta e ou antidiabético oral, DM gestacional, tratamento de cetoacidose diabética, coma hiperosmolar não cetótico e controle perioperatório de pacientes com DM tipos 1 e 2 (GOODMAN & GILMAN, 2003). Segundo PRADO et al, 2003, com o decorrer dos anos, o diabetes passará por fases intermediarias em que ambos os defeitos e deficiência de insulina, poderão coexistir indicando se então associar se as drogas sensibilizadoras da ação insulínica (metformina), drogas secretagogas de insulina (sulfoniluréias, raglinida). À medida que a deficiência se acentua, as combinações terapêuticas de agentes orais podem não ser mais eficazes em controlar a glicemia elevada e a administração de insulina se impõe. Com o passar do tempo atualizações sobre o tratamento de diabetes vem acontecendo, uma vez que uma dieta hipocalórica com redução de peso é por si só capaz de controlar os níveis glicêmicos, em muitos pacientes diabéticos tem se dado mais ênfase no tratamento da obesidade, podendo utilizar medicamentos para anti-obesidade. Diversas medicações estão disponíveis no mercado: catecolaminérgica (anfepramona, femproporex, mazindol), serotoninérgicas (fluoxetina, sertralina) e de ação mista catecolaminérgica e serotoninérgica (sibutramina), que agem no controle do apetite e na indução de saciedade. O orlistat ou tetrahidrolipstatina, é um inibidor da lípase intestinal que diminui em 30 % a absorção de gorduras. Um estudo multicêntrico em diabéticos tratados com orlistat por um ano, mostrou

9 perda de peso duas vezes maior do que com placebo inicial após um ano, com significativa melhora do controle e do perfil lipídico e diminuição da dose de hipoglicemiante (ARAÚJO, et al, 2000). MATERIAL E MÉTODOS Foi realizado um estudo epidemiológico, retrospectivo transversal de casos de pacientes com diabetes e ou suspeito em laboratório privado na cidade de Barra do Garças MT. Os dados apresentados foram pesquisados através de fichas dos pacientes sem identificação dos nomes existentes no laboratório privado no período de Junho a Outubro de 2009, considerando as seguintes situações e condições: faixa etária, sexo, taxa de glicemia. Tanto os casos de diabéticos quanto os predispostos foram analisados. A análise dos dados obtidos através de pesquisa de campo foram arquivados e analisados em microcomputador, utilizando o programa Epi info (versão Centers for Disease Control, Atlanta, Geórgia, USA, 2005) no ambiente Windows e Microsoft Excel, também no ambiente Windows. Para a análise estatística, aplicou se o teste do qui quadrado de Mantel Haenszel. Foi considerado significativo (S) o valor p- associado inferior a 0,05 (p< 0,05). RESULTADOS E DISCUSSÃO A Figura 01 mostra que, dos 74 exames analisados, 62 (83,8%) dos pacientes foram diagnosticados diabéticos, pois apresentaram à taxa de glicemia 126 mg/dl, 12 (16,2%) dos indivíduos foram classificados como predispostos a diabetes. Figura 01 Glicemia dos pacientes

10 Em um estudo feito por BARBOSA e cols. (2001), realizado a partir da campanha de detecção de casos suspeitos de DM no Brasil, o pesquisador encontrou dados dos quais (8 %) da população-alvo apresentavam o diagnóstico de diabetes enquanto que (16%) dos indivíduos, ou seja, o dobro foram considerados predispostos. Contradizendo com os resultados encontrados nesta pesquisa, onde a percentagem de diabéticos é maior que dos predispostos, porém não mostraram ser o dobro. Figura 02 Sexo dos pacientes 42 (56,8%) 32 (43,2%) Masculino Feminino Analisando a Figura 02, verificou se que houve uma prevalência do sexo feminino (56,8%) em relação ao masculino (43,2%). Estes dados corroboram com os dados encontrados por GOLDENBERG e cols. (2003) em um estudo sobre prevalência de diabetes mellitus: quanto ao gênero, encontraram que (56,3%) correspondiam ao sexo feminino e (43,7%) ao sexo masculino. Figura 03 Faixas etárias dos pacientes

11 Na Figura 03, foram analisados pacientes de 11 a 80 anos. Provavelmente, são casos de Diabetes mellitus Tipo 2 pois afetam mais adultos do que crianças. Foram encontrados nesta pesquisa entre 51 e 60 anos e na faixa etária de 61 a 70 anos a mesma prevalência de (28,4 %). Estes dados estão de acordo com o estudo feito por GRILLO et al, em 2007, que encontraram uma maior prevalência de diabetes na faixa etária de 60 a 69 anos (34,4%). Em Mato Grosso, a faixa etária mais prevalente é de 55 a 59 anos, representando 21% da amostra no ano 2005 a Já em Barra do Garças, a faixa etária mais prevalente é a de 55 a 59 anos de idade, representando (19%) dos indivíduos notificados no mesmo ano (DATASUS, 2010). Gênero Tabela 01 Relação entre glicemia (em mg/dl) e gênero dos pacientes. Glicemia entre 101 e Glicemia Total 125mg/dL 126mg/dL Nº(%) % Nº(%) % Nº % Feminino 9 (21,4) 75,0 33 (78,6) 53, ,8 Masculino 3 (9,4) 25,0 29 (90,6) 46, ,2 Total 12 (16,2) 62 (83,8) A Tabela 01 relaciona os diabéticos e os suspeitos em relação ao sexo, sendo a maioria do sexo feminino para as duas categorias, (53,2%) dos diabéticos e (75,0%) dos predispostos ao diabetes. SCHAAN (2003) em seus estudos encontrou que a maioria dos pacientes diabéticos eram mulheres (9,4%) enquanto que o sexo masculino representou (8,7%) da amostra. Segundo o DATASUS (2010), consta que no Estado de Mato Grosso no período de março de 2005 a março de 2006 notificou-se a presença de 1732 diabéticos, sendo (66,6%) pertencentes ao sexo feminino e (33,4%) ao sexo masculino. No município de Barra do Garças, no mesmo período, foram notificados 79 casos de DM sendo o sexo feminino também predominante (67,1%). Faixa Etária (anos) Tabela 02 Relação entre glicemia (em mg/dl) e faixa etária dos pacientes. Glicemia entre 101 e Glicemia Total 125mg/dL 126mg/dL Nº (%) % Nº (%) % Nº % (0,0) 0,0 1 (1,6) 100,0 1 1, (0,0) 0,0 2 (3,2) 100,0 2 2,7

12 (0,0) 0,0 7 (11,3) 100,0 7 9, (16,7) 13,3 13(21,0) 86, , (25,0) 14,3 18 (29,0) 85, , (41,7) 23,8 16 (25,8) 76, , (16,7) 28,6 5 (8,1) 71,4 7 9,5 Total 12 (16,2) 62 (83,8) (p< 0,05) Na Tabela 02, observa-se que a freqüência de suspeito é estatisticamente significante em relação aos diabéticos, verifica-se que o índice de suspeito 12 (16,2%) é bem menor comparado aos diabéticos 62 (83,8%). Nota-se que a faixa etária variou, sendo que a prevalência de diabéticos foi na faixa etária de 41 a 50 anos enquanto a de suspeitos foi na faixa etária de 51 a 60 anos correspondendo, respectivamente, a (86,7%) e (14,3%) dos pacientes analisados. Segundo a SOCIEDADE BRASILEIRA DE DIABETES (2005), a prevalência de DM, por grupo etário, na população brasileira é maior na população de 30 a 69 anos, sendo a faixa etária mais prevalente a de 60 a 69 anos correspondendo a (17,43%) da população analisada. Sendo assim, os resultados encontrados se diferem, onde a faixa etária com DM mais prevalente foi a de 41 a 50 anos. CONSIDERAÇÕES FINAIS Analisando os resultados deste estudo pode verificar que a população ainda não adota medidas preventivas e eficazes para evitar a diabetes mellitus do tipo II, sendo que o diagnóstico de diabetes e suspeitos só vem aumentando, considerando uma patologia endêmica. Levando em consideração os dados encontrados neste estudo observa-se que houve uma semelhança dos casos diagnosticados diabéticos (83,8%) com taxa glicêmica 126 mg/dl em relação aos casos predisposto (83,8%) com taxa glicêmica de 101 a 125 mg/dl. Os casos normais não foram analisados neste estudo. Quanto ao sexo, verifica-se que houve uma predominância sexo feminino (56,8%) em relação ao sexo masculino (43,2%), podendo comprovar que há uma maior prevalência de mulheres na realização de exames de glicemia em relação aos homens. Percebe-se também (53,2%) dos diabéticos e (75,0%) dos predispostos são do sexo feminino, enquanto que (46,8%) dos diabéticos e (25,0 %) dos predispostos são do sexo masculino.

13 Neste mesmo estudo nota-se na faixa etária de 51 a 60 e na faixa etária de 61 a 70 a mesma prevalência de (28,4%). Em contra partida, a faixa etária variou sendo que a prevalência de diabéticos foi na faixa etária de 41 a 50 anos (86,7%) enquanto a de predisposto foi na faixa etária de 51 a 60 anos correspondendo respectivamente (14,3%) dos pacientes analisados. Estudos feitos pelos países poderão descobrir que a prevalência de diabetes mellitus tem se elevado muito e futuramente espera-se um maior acréscimo. No Brasil como em outros países subdesenvolvidos as mudanças observadas com maior ingestão de alimentos com alto teor calórico, a disseminação de atividades sedentárias, devido à modernização dos processos produtivos e maior acesso a tecnologia, as alterações no estilo de vida, com diminuição da prática de atividades físicas. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ARAÚJO, L. M.; BRITTO, M. S. e CRUZ, T. R. Tratamento do Diabetes Mellitus tipo 2: novas opções. Arquivo Brasileiro de Endocrinologia e Metabolismo, v.44, n.6, ARAÚJO, R. B.; CABALETI, M. A. e BÉRIA, J. U. Avaliação do cuidado prestado à pacientes em nível primário. Revista de saúde pública, v.33, n.1, São Paulo, BARBOSA, R. B. e BARCELÓ, A. Campanha nacional de Detecção de Casos suspeitos de Diabetes no Brasil: relatório preliminar. Revista Panamericana de Salud Pública, v.10, n.15. Washington, BAZOTTE, R. B. Perfil de pacientes diabéticos usuários de sulfoniluréias. Pharmácia Brasileira, ano IX, n.48, Brasília, BERETTA, A. L. R. Z. Campanha da prevenção e diagnostico do diabetes realizada pela UNIARARAS e prefeitura da cidade de araras. Laes & Haes, vol.3, n.131. Mc Will editores incorporados, São Paulo, CHANDRASSOMA, P. e TAYLOR, R. C. Patologia Básica, Rio de Janeiro: Pentice-Hall do Brasil,1993. P DAMIANI, D. Critérios diagnósticos no Diabetes Mellitus. Revista Associação Médica Brasileira, v.46, n.4, São Paulo, DATASUS. Disponível em:<http//hiperdia.datasus.gov.br.> Acesso em 21 de fev. de 2010.

14 FERRAZ, D. P. Glicemia capilar em ponta do dedo versus lóbulo da orelha: estudo comparativo dos valores resultantes e preferência dos pacientes. Arquivo Brasileiro de Endocrinologia e Metabolismo, v.48, n.3, São Paulo, FILHO, G. B. Bogliolo Patologia. Hipotálamo e Glândulas Endócrinas. Sistema APVD. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, p GILMAN, A. G. GOODMAN & GILMAN. As Bases Farmacológicas da Terapêutica. Insulina, Hipoglicemiantes Orais e a Farmacologia do Pâncreas Endócrino. 10 ed. Rio de Janeiro: Mc Graw-Hill Interamericana do Brasil Ltda, p GOLDENBERG, P.; SCHENKMAN, S. e FRANCO, J. L. Prevalência do Diabetes Mellitus: diferença de gênero e igualdade entre sexo. Revista Brasileira Epidemiológica, v.6, n.1; GRILLO, M. F. F. e GORINI, M. I. P. C. Caracterização de pessoas com Diabetes Mellitus Tipo 2. Revista Brasileira de Enfermagem, v.60, n.1, Brasília, GROSS, J. L.; SILVEIRO, S. P. e CAMARGO, J. L. Diabetes Mellitus: diagnóstico, classificação e avaliação do controle glicêmico. Arquivo Brasileiro de Endocrinologia e Metabolismo, v.46, n.1, GROSS, J. L.; NEHME, M. Detecção e tratamento das complicações crônicas do Diabetes Mellitus; Consenso da Sociedade Brasileira Diabetes e Conselho Brasileiro de Oftalmologia. Revista Associação Médica Brasileira, v.4, n.3, HABER, E. P., CURI, R. C. e CARVALHO, C. L. Secreção da insulina: efeito autócrino da insulina e modulação por ácidos graxos. Arquivo Brasileiro de Endocrinologia e Metabolismo, v.45, n.3, KATZ, L. Análise comparativa de testes diagnóstico para diabetes gestacional. Revista Brasileira de Ginecologia e obstetrícia, v.24,n. 8, Rio de Janeiro, LIMA, J. G.; GOIS, L. T. e NOBREGA, L. H. Diabetes Mellitus: uso do ácido acetilsalicílico. Revista Associação Médica Brasileira, v.51, n.4, São Paulo, MINELLI, L.; NONINO, A. B.; SALMAZO, J. C.; NEME, L. e MARCONDES, M. Diabetes mellitus e afecções cutâneas. Anais Brasileiro de Dermatologia, v.78, n.6, Rio de Janeiro, MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de políticas de saúde. Departamento de ações programáticas estratégicas. Plano de reorganização a atenção a hipertensão arterial e ao

15 diabetes mellitus. Manual hipertensão arterial e diabetes mellitus. Brasília: Editora MS, MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Diabetes mellitus. Cadernos de Atenção Básica - n.16. Série A. Normas e Manuais Técnicos. Brasília: Editora MS, PEREIRA, D. S.; REIS, F. A. C.; WAETGE, R. T. L.; CALIARI, L. E. C. e AIHARA, T. Prevalência da retinopatia diabética no Ambulatório de Endocrinologia Pediátrica da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. Arquivos Brasileiros de Oftalmologia, v.67, n.1, São Paulo, RAMOS, G. C; CARNEIRO, A. F.; RAMOS, F. R. e PINTO, E. X. Diabetes Mellitus: Considerações Clínicas e Manuseio Pré e Per-Operatório. Revista Brasileira de Anestesiologia, v.49, n.2, SARTORELLI, D. e FRANCO, L. J. Tendências do Diabetes mellitus no Brasil: o papel da transcrição nutricional. Caderno de Saúde Pública, v.19, Rio de Janeiro, SCHAAN, B. e HARZHEIM, E. Perfil do risco cardíaco no diabetes mellitus e na glicemia de jejum alterada. Revista de Saúde Pública, v.38, n.4, São Paulo, SILVA, M. E. R.; MORY, D. e DAVINI, E. Marcadores genéticos e auto-imunes do diabetes melito tipo 1: da teoria para a prática. Arquivos Brasileiros de Endocrinologia & Metabologia, v.52, n.2, São Paulo, SOCIEDADE BRASILEIRA DE DIABETES. Disponível em <http//www.diabetes.org.br.> Acesso em 24 de fev. de SOCIEDADE BRASILEIRA DE DIABETES (SBD). Consenso de diabetes. Rio de Janeiro: Diagrafic, 2002.

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES 5.5.2009 Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES Introdução Diabetes Mellitus é uma doença metabólica, causada pelo aumento da quantidade de glicose sanguínea A glicose é a principal fonte de energia

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Dra. Luciana N Cosenso Martin Disciplina de Clínica Médica FAMERP

DIABETES MELLITUS. Dra. Luciana N Cosenso Martin Disciplina de Clínica Médica FAMERP DIABETES MELLITUS Dra. Luciana N Cosenso Martin Disciplina de Clínica Médica FAMERP DIABETES MELLITUS DEFINIÇÃO Síndrome de etiologia múltipla decorrente da falta de ação de insulina e/ou da incapacidade

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS TÍTULO: DIABETES MELLITUS TIPO II E O ANTIDIABÉTICO METFORMINA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS

Leia mais

EXERCÍCIO E DIABETES

EXERCÍCIO E DIABETES EXERCÍCIO E DIABETES Todos os dias ouvimos falar dos benefícios que os exercícios físicos proporcionam, de um modo geral, à nossa saúde. Pois bem, aproveitando a oportunidade, hoje falaremos sobre a Diabetes,

Leia mais

Cartilha de Prevenção. ANS - nº31763-2. Diabetes. Fevereiro/2015

Cartilha de Prevenção. ANS - nº31763-2. Diabetes. Fevereiro/2015 Cartilha de Prevenção 1 ANS - nº31763-2 Diabetes Fevereiro/2015 Apresentação Uma das missões da Amafresp é prezar pela qualidade de vida de seus filiados e pela prevenção através da informação, pois esta

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel DIABETES MELLITUS Diabetes mellitus Definição Aumento dos níveis de glicose no sangue, e diminuição da capacidade corpórea em responder à insulina e ou uma diminuição ou ausência de insulina produzida

Leia mais

Aula 10: Diabetes Mellitus (DM)

Aula 10: Diabetes Mellitus (DM) Aula 10: Diabetes Mellitus (DM) Diabetes Mellitus (DM) Doença provocada pela deficiência de produção e/ou de ação da insulina, que leva a sintomas agudos e a complicações crônicas características; Insulina:

Leia mais

PERFIL PANCREÁTICO. Prof. Dr. Fernando Ananias. MONOSSACARÍDEOS Séries das aldoses

PERFIL PANCREÁTICO. Prof. Dr. Fernando Ananias. MONOSSACARÍDEOS Séries das aldoses PERFIL PANCREÁTICO Prof. Dr. Fernando Ananias MONOSSACARÍDEOS Séries das aldoses 1 DISSACARÍDEO COMPOSIÇÃO FONTE Maltose Glicose + Glicose Cereais Sacarose Glicose + Frutose Cana-de-açúcar Lactose Glicose

Leia mais

Os portadores de diabetes representam 30% dos pacientes que se internam em unidades coronarianas.

Os portadores de diabetes representam 30% dos pacientes que se internam em unidades coronarianas. A Diabetes é a sexta causa mais frequente de internação hospitalar e contribui de forma significativa (30% a 50%) para outras causas como cardiopatias isquêmicas, insuficiência cardíacas, AVC e hipertensão.

Leia mais

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG CAMPOS NETO, Moacir Batista de¹; SANTOS, Débora Ferreira

Leia mais

D I R E T O R I A D E S A Ú D E

D I R E T O R I A D E S A Ú D E Saúde In Forma Junho/2013 Dia 26 de Junho Dia Nacional do Diabetes Diabetes é uma doença metabólica caracterizada por um aumento anormal da glicose ou açúcar no sangue. A glicose é a principal fonte de

Leia mais

DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS 18/9/2014

DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS 18/9/2014 UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª.: FLÁVIA NUNES O Diabetes Mellitus configura-se hoje como uma epidemia mundial, traduzindo-se em grande desafio para os sistemas de saúde de todo o mundo. O envelhecimento

Leia mais

Tipos de Diabetes. Diabetes Gestacional

Tipos de Diabetes. Diabetes Gestacional Tipos de Diabetes Diabetes Gestacional Na gravidez, duas situações envolvendo o diabetes podem acontecer: a mulher que já tinha diabetes e engravida e o diabetes gestacional. O diabetes gestacional é a

Leia mais

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Uma vida normal com diabetes Obesidade, histórico familiar e sedentarismo são alguns dos principais fatores

Leia mais

IDENTIFICANDO AS COMPLICAÇÕES DO DIABETES MELLITUS EM FREQÜENTADORES DE UM CENTRO REGIONAL DE ESPECIALIDADES (CRE) 1

IDENTIFICANDO AS COMPLICAÇÕES DO DIABETES MELLITUS EM FREQÜENTADORES DE UM CENTRO REGIONAL DE ESPECIALIDADES (CRE) 1 IDENTIFICANDO AS COMPLICAÇÕES DO DIABETES MELLITUS EM FREQÜENTADORES DE UM CENTRO REGIONAL DE ESPECIALIDADES (CRE) 1 Ariana Rodrigues Silva CARVALHO 2 Karina Isabel VIVIAN 3 Marister PICCOLI 4 INTRODUÇÃO:

Leia mais

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada.

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada. 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AVALIAÇÃO

Leia mais

Profa. Fernanda Oliveira Magalhães

Profa. Fernanda Oliveira Magalhães Profa. Fernanda Oliveira Magalhães Conceito Importância - Prevalência Classificação Diagnóstico Tratamento Não farmacológico Farmacológico Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes, 2011 www.diabetes.org.br

Leia mais

A PESSOA COM DIABETES

A PESSOA COM DIABETES A PESSOA COM DIABETES A diabetes mellitus é uma doença crónica com elevados custos humanos, sociais e económicos, em rápida expansão por todo o mundo. Calcula-se que Portugal terá, na segunda década deste

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Profa. Ms. Priscilla Sete de Carvalho Onofre

DIABETES MELLITUS. Profa. Ms. Priscilla Sete de Carvalho Onofre MELLITUS Profa. Ms. Priscilla Sete de Carvalho Onofre O Diabetes Mellitus (DM) é uma doença crônicas não transmissíveis (DCNT), de alta prevalência cujos fatores de risco e complicações representam hoje

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA

ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA Obesidade 300 mil mortes / ano; 100 bi dólares / ano; O excesso de peso (IMC >25) acomete de 15% a 60% da população de todos os países civilizados. EUA...

Leia mais

DIABETES MELLITUS ( DM ) Autor: Dr. Mauro Antonio Czepielewski www.abcdasaude.com.br/artigo.php?127

DIABETES MELLITUS ( DM ) Autor: Dr. Mauro Antonio Czepielewski www.abcdasaude.com.br/artigo.php?127 DIABETES MELLITUS ( DM ) Autor: Dr. Mauro Antonio Czepielewski www.abcdasaude.com.br/artigo.php?127 Sinônimos: Diabetes, hiperglicemia Nomes populares: Açúcar no sangue, aumento de açúcar. O que é? Doença

Leia mais

Tome uma injeção de informação. Diabetes

Tome uma injeção de informação. Diabetes Tome uma injeção de informação. Diabetes DIABETES O diabetes é uma doença crônica, em que o pâncreas não produz insulina em quantidade suficiente, ou o organismo não a utiliza da forma adequada. Tipos

Leia mais

DROGAS HIPOGLICEMIANTES

DROGAS HIPOGLICEMIANTES DROGAS HIPOGLICEMIANTES Secreção da insulina Insulina plasmática Receptor de insulina Ações da insulina DIABETES: Síndrome de múltipla etiologia, decorrente da falta de insulina e/ou sua incapacidade

Leia mais

Diabetes INVESTIGAÇÕES BIOQUÍMICAS ESPECIALIZADAS

Diabetes INVESTIGAÇÕES BIOQUÍMICAS ESPECIALIZADAS DIABETES Diabetes INVESTIGAÇÕES BIOQUÍMICAS ESPECIALIZADAS Homeostasia da glucose ACÇÃO DA INSULINA PÂNCREAS Gluconeogénese Glicogenólise Lipólise Cetogénese Proteólise INSULINA GO GO GO GO GO Absorção

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS DIABETES MELLITUS Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS Segundo a Organização Mundial da Saúde, existem atualmente cerca de 171 milhões de indivíduos diabéticos no mundo.

Leia mais

O beneficio da atividade física no tratamento do diabetes tipo 2. ALVIN. Fabiano A. Folgate. Resumo:

O beneficio da atividade física no tratamento do diabetes tipo 2. ALVIN. Fabiano A. Folgate. Resumo: O beneficio da atividade física no tratamento do diabetes tipo 2 ALVIN. Fabiano A. Folgate Resumo: O objetivo do trabalho foi analisar o beneficio do exercício físico no individuo diabético tipo 2, tratando

Leia mais

DIABETES MELLITUS: MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS EVIDENCIADAS EM IDOSOS ATENDIDOS EM UMA UNIDADE SAÚDE DA FAMÍLIA DO MUNICÍPIO DE ALAGOA GRANDE-PB

DIABETES MELLITUS: MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS EVIDENCIADAS EM IDOSOS ATENDIDOS EM UMA UNIDADE SAÚDE DA FAMÍLIA DO MUNICÍPIO DE ALAGOA GRANDE-PB DIABETES MELLITUS: MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS EVIDENCIADAS EM IDOSOS ATENDIDOS EM UMA UNIDADE SAÚDE DA FAMÍLIA DO MUNICÍPIO DE ALAGOA GRANDE-PB Esmeraldina Ana Sousa e Silva-Faculdade de Enfermagem Nova Esperança

Leia mais

Cadernos de. Informação. Científica. Ano 7 nº 11 2012. Diabetes Mellitus

Cadernos de. Informação. Científica. Ano 7 nº 11 2012. Diabetes Mellitus Cadernos de Informação Científica Ano 7 nº 11 2012 Diabetes Mellitus C a d e r n o s d e I n f o r m a ç ã o C i e n t í f i c a introdução O diabetes mellitus é um problema de importância crescente em

Leia mais

Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança

Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança Projecto Mexa-se em Bragança Organização: Pedro Miguel Queirós Pimenta Magalhães E-mail: mexaseembraganca@ipb.pt Web: http://www.mexaseembraganca.ipb.pt

Leia mais

0800 30 30 03 www.unimedbh.com.br

0800 30 30 03 www.unimedbh.com.br ANS - Nº 34.388-9 0800 30 30 03 www.unimedbh.com.br Março 2007 Programa de Atenção ao Diabetes O que é diabetes? AUnimed-BH preocupa-se com a saúde e o bem-estar dos seus clientes, por isso investe em

Leia mais

Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes

Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes Diabetes é uma doença ocasionada pela total falta de produção de insulina pelo pâncreas ou pela quantidade insuficiente da substância no corpo. A insulina

Leia mais

VI - Diabetes hiperglicémia

VI - Diabetes hiperglicémia VI - Diabetes A Diabetes mellitus é uma doença caracterizada por deficiência na produção da insulina, aumento da sua destruição ou ineficiência na sua acção. Tem como consequência principal a perda de

Leia mais

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma 8 Epidemiologia da Atividade Física & Doenças Crônicas: Diabetes Dênis Marcelo Modeneze Graduado em Educação Física Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde-UNICAMP Em pleno

Leia mais

DIABETES MELLITUS PATRÍCIA DUPIM

DIABETES MELLITUS PATRÍCIA DUPIM DIABETES MELLITUS PATRÍCIA DUPIM Introdução É um conjunto de doenças metabólicas que provocam hiperglicemia por deficiência de insulina Essa deficiência pode ser absoluta, por baixa produção, ou relativa

Leia mais

II OFICINA NACIONAL DE FORMAÇÃO DE TUTORES EM EDUCAÇÃO EM SAÚDE PARA O AUTOCUIDADO EM DIABETES. Entendendo o Diabetes Mellitus

II OFICINA NACIONAL DE FORMAÇÃO DE TUTORES EM EDUCAÇÃO EM SAÚDE PARA O AUTOCUIDADO EM DIABETES. Entendendo o Diabetes Mellitus II OFICINA NACIONAL DE FORMAÇÃO DE TUTORES EM EDUCAÇÃO EM SAÚDE PARA O AUTOCUIDADO EM DIABETES Entendendo o Diabetes Mellitus Dra. Jeane Sales Macedo Dra. Iraci Oliveira Objetivos Capacitar profissionais

Leia mais

47 Por que preciso de insulina?

47 Por que preciso de insulina? A U A UL LA Por que preciso de insulina? A Medicina e a Biologia conseguiram decifrar muitos dos processos químicos dos seres vivos. As descobertas que se referem ao corpo humano chamam mais a atenção

Leia mais

DIABETES EM PESSOAS COM SÍNDROME DE DOWN O QUE É O DIABETES?

DIABETES EM PESSOAS COM SÍNDROME DE DOWN O QUE É O DIABETES? Nesta cartilha, vamos esclarecer a relação entre a síndrome de Down e o diabetes, descrever as diferenças entre os tipos 1 e 2 da doença e ainda oferecer informações sobre os possíveis sintomas e tratamentos.

Leia mais

Conheça mais sobre. Diabetes

Conheça mais sobre. Diabetes Conheça mais sobre Diabetes O diabetes é caracterizado pelo alto nível de glicose no sangue (açúcar no sangue). A insulina, hormônio produzido pelo pâncreas, é responsável por fazer a glicose entrar para

Leia mais

DIABETES E SINAIS VITAIS

DIABETES E SINAIS VITAIS AGENTE DE FÉ E DO CORAÇÃO PASTORAL NACIONAL DA SAÚDE 04 de outubro de 2013 DIABETES E SINAIS VITAIS Marcia Nery Equipe Médica de Diabetes Hospital das Clínicas da FMUSP Definição Diabetes mellitus: Doença

Leia mais

Diabetes Mellitus Tipo 1

Diabetes Mellitus Tipo 1 Diabetes Mellitus Tipo 1 Doença decorrente do mal funcionamento das células β do pâncreas, que são produtoras do hormônio insulina. Este tem a função de colocar a glicose sanguínea dentro das células.

Leia mais

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ CUSTO ENERGÉTICO DA GRAVIDEZ CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO FETAL SÍNTESE DE TECIDO MATERNO 80.000 kcal ou 300 Kcal por dia 2/4 médios 390 Kcal depósito de gordura- fase

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 50 /2015 - CESAU Salvador, 23 de março de 2015 Objeto: Parecer. Promotoria de Justiça GESAU / Dispensação de medicamentos. REFERÊNCIA: Promotoria de Justiça de Conceição do Coité/

Leia mais

à diabetes? As complicações resultam da de açúcar no sangue. São frequentes e graves podendo (hiperglicemia).

à diabetes? As complicações resultam da de açúcar no sangue. São frequentes e graves podendo (hiperglicemia). diabetes Quando Acidente a glicemia vascular (glicose cerebral no sangue) (tromboses), sobe, o pâncreas uma das principais O que Quais é a diabetes? as complicações associadas à diabetes? produz causas

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ

PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ VIEIRA, G.A. Resumo: O diabetes Mellitus é considerado atualmente uma das principais

Leia mais

Que tipos de Diabetes existem?

Que tipos de Diabetes existem? Que tipos de Diabetes existem? -Diabetes Tipo 1 -também conhecida como Diabetes Insulinodependente -Diabetes Tipo 2 - Diabetes Gestacional -Outros tipos de Diabetes Organismo Saudável As células utilizam

Leia mais

TRATAMENTO MEDICAMENTOSO DO DIABETES MELLITUS: SULFONILUREIAS E BIGUANIDAS

TRATAMENTO MEDICAMENTOSO DO DIABETES MELLITUS: SULFONILUREIAS E BIGUANIDAS UNIVERSIDADE DE UBERABA LIGA DE DIABETES 2013 TRATAMENTO MEDICAMENTOSO DO DIABETES MELLITUS: SULFONILUREIAS E BIGUANIDAS PALESTRANTES:FERNANDA FERREIRA AMUY LUCIANA SOUZA LIMA 2013/2 CRITÉRIOS PARA ESCOLHA

Leia mais

Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães

Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães Cecilia Sartori Zarif Residente em Clínica e Cirurgia de Pequenos Animais da UFV Distúrbio do Pâncreas Endócrino Diabete Melito

Leia mais

Tendências do Diabete Melito

Tendências do Diabete Melito Tendências do Diabete Melito Francine Leite Carina Martins Marcos Novais José Cechin Superintendente Executivo Apresentação Este texto apresenta a evolução das taxas de mortalidade e morbidade por Diabete

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE CRUTAC. Diabetes mellitus. Exames Laboratoriais. Extensão.

PALAVRAS-CHAVE CRUTAC. Diabetes mellitus. Exames Laboratoriais. Extensão. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AUTOCUIDADO

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Diabetes mellitus. Aconselhamento. Glicemia.

PALAVRAS-CHAVE Diabetes mellitus. Aconselhamento. Glicemia. ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA 1 A PARTICIPAÇÃO DE ACADÊMICOS DO CURSO DE

Leia mais

Enfermagem em Clínica Médica. Diabetes. Enfermeiro: Elton Chaves email: eltonchaves76@hotmail.com

Enfermagem em Clínica Médica. Diabetes. Enfermeiro: Elton Chaves email: eltonchaves76@hotmail.com Enfermagem em Clínica Médica Diabetes Enfermeiro: Elton Chaves email: eltonchaves76@hotmail.com É um grupo de doenças metabólicas, com etiologias diversas, caracterizado por hiperglicemia que resulta de

Leia mais

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS Características socioeconômicas, demográficas, nutricionais, controle glicêmico e atividade física de adolescentes portadores de diabetes melito tipo 1 Izabela Zibetti de ALBUQUERQUE 1 ; Maria Raquel Hidalgo

Leia mais

MORBIMORTALIDADE DA POPULAÇÃO IDOSA POR DIABETES MELLITUS EM AQUIDAUANA E ANASTÁCIO MS

MORBIMORTALIDADE DA POPULAÇÃO IDOSA POR DIABETES MELLITUS EM AQUIDAUANA E ANASTÁCIO MS MORBIMORTALIDADE DA POPULAÇÃO IDOSA POR DIABETES MELLITUS EM AQUIDAUANA E ANASTÁCIO MS Alfredo Aguirre da Paixão Acadêmico do curso de Licenciatura em Geografia da Universidade Federal de Mato Grosso do

Leia mais

BENEFÍCIOS DO EXERCÍCIO FÍSICO E DIETA HIPOCALÓRICA EM DIABÉTICOS

BENEFÍCIOS DO EXERCÍCIO FÍSICO E DIETA HIPOCALÓRICA EM DIABÉTICOS BENEFÍCIOS DO EXERCÍCIO FÍSICO E DIETA HIPOCALÓRICA EM DIABÉTICOS Autora: Márcia de Fátima Ferraretto Pavan Resumo: Diabetes mellitus é uma doença crônica e está associada a complicações que comprometem

Leia mais

Idade, ela pesa 07/07/ 2015. Minhavida.com.br

Idade, ela pesa 07/07/ 2015. Minhavida.com.br Todo mundo quer viver muitos anos, não é mesmo? Mas você já se questionou se está somando mais pontos contra do que a favor na busca pela longevidade? Por isso mesmo, um estudo da Universidade da Califórnia,

Leia mais

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NO PERFIL LIPÍDICO E GLICÊMICO DE PACIENTES HIV POSITIVOS QUE FAZEM USO DE ANTIRETROVIRAIS

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NO PERFIL LIPÍDICO E GLICÊMICO DE PACIENTES HIV POSITIVOS QUE FAZEM USO DE ANTIRETROVIRAIS ALTERAÇÕES METABÓLICAS NO PERFIL LIPÍDICO E GLICÊMICO DE PACIENTES HIV POSITIVOS QUE FAZEM USO DE ANTIRETROVIRAIS Greice Rodrigues Bittencourt Introdução A terapia antiretroviral contemporânea (TARV) baseado

Leia mais

DIABETES MELLITUS NA GESTAÇÃO (DMG) Compilado pela profa. Flora Maria B. da Silva. Glossário

DIABETES MELLITUS NA GESTAÇÃO (DMG) Compilado pela profa. Flora Maria B. da Silva. Glossário 1 DIABETES MELLITUS NA GESTAÇÃO (DMG) Compilado pela profa. Flora Maria B. da Silva Glossário Abortamento: É a expulsão ou extração de um embrião ou feto pesando menos de 500g (aproximadamente 20-22 semanas

Leia mais

Dia Mundial da Diabetes - 14 Novembro de 2012 Controle a diabetes antes que a diabetes o controle a si

Dia Mundial da Diabetes - 14 Novembro de 2012 Controle a diabetes antes que a diabetes o controle a si Dia Mundial da Diabetes - 14 Novembro de 2012 Controle a diabetes antes que a diabetes o controle a si A função da insulina é fazer com o que o açúcar entre nas células do nosso corpo, para depois poder

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 TABUS ALIMENTARES DESCRITOS POR PACIENTES DIABÉTICOS DE LAVRAS MG DALILA PEREIRA DE MENDONÇA 1 ; JULIANA DE BRITO MIAMOTO 2 ; ROSEANE MARIA EVANGELISTA OLIVEIRA 3 ; ANDREA RESENDE COSTA DE OLIVEIRA 4 ;

Leia mais

Sedentarismo, tratamento farmacológico e circunferência abdominal no controle glicêmico de diabéticos tipo 2 em Ponta Grossa.

Sedentarismo, tratamento farmacológico e circunferência abdominal no controle glicêmico de diabéticos tipo 2 em Ponta Grossa. 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE

Leia mais

INTRODUÇÃO. Diabetes & você

INTRODUÇÃO. Diabetes & você INTRODUÇÃO Diabetes & você Uma das coisas mais importantes na vida de uma pessoa com diabetes é a educação sobre a doença. Conhecer e saber lidar diariamente com o diabetes é fundamental para levar uma

Leia mais

Células A (25%) Glucagon Células B (60%) Insulina Células D (10%) Somatostatina Células F ou PP (5%) Polipeptídeo Pancreático 1-2 milhões de ilhotas

Células A (25%) Glucagon Células B (60%) Insulina Células D (10%) Somatostatina Células F ou PP (5%) Polipeptídeo Pancreático 1-2 milhões de ilhotas Instituto Biomédico Departamento de Fisiologia e Farmacologia Disciplina: Fisiologia II Curso: Medicina Veterinária Pâncreas Endócrino Prof. Guilherme Soares Ilhotas Células A (25%) Glucagon Células B

Leia mais

S a, 22 de dezembro de 2014. J. AO EXPEO ERNO EM 2 114 GER. UDtOGONÇALVEff í PRESIDENTE

S a, 22 de dezembro de 2014. J. AO EXPEO ERNO EM 2 114 GER. UDtOGONÇALVEff í PRESIDENTE :.:4:. GP-RI-2007/14 Senhor Presidente, J. AO EXPEO ERNO EM 2 114 GER S a, 22 de dezembro de 2014. UDtOGONÇALVEff í PRESIDENTE Em ate 'ã ao requerimento n 2070/2014, de autoria do Vereador FERNANDO L S

Leia mais

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Evolução dos Fatores de Risco para Doenças Crônicas e da prevalência do Diabete Melito e Hipertensão Arterial na população brasileira: Resultados do VIGITEL 2006-2009 Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS

RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: SAÚDE RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS Apresentador 1 SILVA,Claudia Fagundes e Apresentador 2 PLOCHARSKI, Mayara

Leia mais

PROJETO PROMOÇÃO DA SAÚDE E EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR

PROJETO PROMOÇÃO DA SAÚDE E EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR PROJETO PROMOÇÃO DA SAÚDE E EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR A Diabetes afeta cerca de 366 milhões de pessoas em todo o mundo e cerca de 1 milhão de Portugueses. A cada 7 segundos morre no Planeta Terra

Leia mais

ID:1772 MORBIMORTALIDADE HOSPITALAR POR DIABETES MELLITUS EM UM MUNICÍPIO DO INTERIOR DA BAHIA, BRASIL

ID:1772 MORBIMORTALIDADE HOSPITALAR POR DIABETES MELLITUS EM UM MUNICÍPIO DO INTERIOR DA BAHIA, BRASIL Memorias Convención Internacional de Salud. Cuba Salud 15 ISBN 78-5-1-63-4 ID:177 MORBIMORTALIDADE HOSPITALAR POR DIABETES MELLITUS EM UM MUNICÍPIO DO INTERIOR DA BAHIA, BRASIL Andrade Rios, Marcela; Rodrigues

Leia mais

Diabetes Mellitus em animais de companhia. Natália Leonel Ferreira 2º ano Medicina Veterinária

Diabetes Mellitus em animais de companhia. Natália Leonel Ferreira 2º ano Medicina Veterinária Diabetes Mellitus em animais de companhia Natália Leonel Ferreira 2º ano Medicina Veterinária O que é Diabetes Mellitus? É uma doença em que o metabolismo da glicose fica prejudicado pela falta ou má absorção

Leia mais

REGULAÇÃO HORMONAL DO METABOLISMO

REGULAÇÃO HORMONAL DO METABOLISMO REGULAÇÃO HORMONAL DO METABOLISMO A concentração de glicose no sangue está sempre sendo regulada A glicose é mantida em uma faixa de 60 a 90 g/100ml de sangue (~4,5mM) Homeostase da glicose Necessidade

Leia mais

Pré diabetes. Diagnóstico e Tratamento

Pré diabetes. Diagnóstico e Tratamento Pré diabetes Diagnóstico e Tratamento Zulmira Jorge Assistente Hospitalar Endocrinologia do Hospital Santa Maria Endocrinologista do NEDO e do Hospital Cuf Infante Santo Diabetes Mellitus Diagnóstico PTGO

Leia mais

Pesquisa revela que um em cada 11 adultos no mundo tem diabetes

Pesquisa revela que um em cada 11 adultos no mundo tem diabetes Pesquisa revela que um em cada 11 adultos no mundo tem diabetes O Dia Mundial da Saúde é celebrado todo 7 de abril, e neste ano, o tema escolhido pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para conscientização

Leia mais

Diabetes. Fisiopatologia e Farmacoterapia II. Introdução. Insulina 12/02/2012. Introdução Ilhotas de Langerhans

Diabetes. Fisiopatologia e Farmacoterapia II. Introdução. Insulina 12/02/2012. Introdução Ilhotas de Langerhans Diabetes Fisiopatologia e Farmacoterapia II Profa. Ms. Renata Fontes Introdução Pâncreas: Glândula localizada atrás da parte baixa do estômago Introdução Ilhotas de Langerhans Porção endócrina do pâncreas

Leia mais

Sistema Endócrino II - Hormônios

Sistema Endócrino II - Hormônios Ciências Morfofuncionais III Sistema Endócrino II - Hormônios Natureza, química e funções Professores: Felipe, Jean-Pierre e Olivia Endocrinologia Estudo das secreções internas do organismo Hormônios São

Leia mais

NUTRIÇÃO E DIABETES MELLITUS

NUTRIÇÃO E DIABETES MELLITUS UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO HOSPITAL DAS CLÍNICAS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM NUTRIÇÃO NUTRIÇÃO E DIABETES MELLITUS Marilia Duarte Sales Ribeirão Preto 2008 2 UNIVERSIDADE

Leia mais

Disciplina de BIOQUÍMICA do Ciclo Básico de MEDICINA Universidade dos Açores. 1º Ano ENSINO PRÁTICO DIABETES MELLITUS

Disciplina de BIOQUÍMICA do Ciclo Básico de MEDICINA Universidade dos Açores. 1º Ano ENSINO PRÁTICO DIABETES MELLITUS Disciplina de BIOQUÍMICA do Ciclo Básico de MEDICINA Universidade dos Açores 1º Ano ENSINO PRÁTICO DIABETES MELLITUS Diabetes Mellitus É a doença endócrina mais comum encontrada na clínica; - Caracterizada

Leia mais

OS 5 PASSOS QUE MELHORAM ATÉ 80% OS RESULTADOS NO CONTROLE DO DIABETES. Mônica Amaral Lenzi Farmacêutica Educadora em Diabetes

OS 5 PASSOS QUE MELHORAM ATÉ 80% OS RESULTADOS NO CONTROLE DO DIABETES. Mônica Amaral Lenzi Farmacêutica Educadora em Diabetes OS 5 PASSOS QUE MELHORAM ATÉ 80% OS RESULTADOS NO CONTROLE DO DIABETES Mônica Amaral Lenzi Farmacêutica Educadora em Diabetes TER DIABETES NÃO É O FIM... É o início de uma vida mais saudável, com alimentação

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA O PROFESSOR PRESENCIAL

ORIENTAÇÕES PARA O PROFESSOR PRESENCIAL ORIENTAÇÕES PARA O PROFESSOR PRESENCIAL Componente Curriculares Educação Física Professores Ministrantes: Kim Raone e Marcus Marins Série/ Ano letivo: 2º ano/ 2014 Data: 26/03/2014 AULA 5.1 Conteúdo: Doenças

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA E DIABETES. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

ATIVIDADE FÍSICA E DIABETES. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior ATIVIDADE FÍSICA E DIABETES Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior O QUE É DIABETES? Trata-se de uma doença crônica que ocorre quando o pâncreas não produz insulina ou quando o corpo não consegue utilizar

Leia mais

Modelo de Atenção às Condições Crônicas. Seminário II. Laboratório de Atenção às Condições Crônicas

Modelo de Atenção às Condições Crônicas. Seminário II. Laboratório de Atenção às Condições Crônicas Modelo de Atenção às Condições Crônicas Seminário II Laboratório de Atenção às Condições Crônicas A Estratificação de Risco na SMS de Curitiba HAS Diabete melito + Laboratório de Inovações na Atenção às

Leia mais

Diabetes Gestacional

Diabetes Gestacional Diabetes Gestacional Introdução O diabetes é uma doença que faz com que o organismo tenha dificuldade para controlar o açúcar no sangue. O diabetes que se desenvolve durante a gestação é chamado de diabetes

Leia mais

DIABETES E GRAVIDEZ 1. CONCEITO

DIABETES E GRAVIDEZ 1. CONCEITO DIABETES E GRAVIDEZ 1. CONCEITO Diabete é uma síndrome caracterizada por elevação crônica da glicemia de jejum e/ou das pós-prandiais, devido a defeito absoluto ou relativo da produção de insulina, ou

Leia mais

8º Simposio de Ensino de Graduação AVALIAÇÃO DA PRESENÇA DE FATORES DE RISCO PARA O DESENVOLVIMENTO DE DIABETES MELLITUS EM INDIVÍDUOS ADULTOS

8º Simposio de Ensino de Graduação AVALIAÇÃO DA PRESENÇA DE FATORES DE RISCO PARA O DESENVOLVIMENTO DE DIABETES MELLITUS EM INDIVÍDUOS ADULTOS 8º Simposio de Ensino de Graduação AVALIAÇÃO DA PRESENÇA DE FATORES DE RISCO PARA O DESENVOLVIMENTO DE DIABETES MELLITUS EM INDIVÍDUOS ADULTOS Autor(es) MIRIÃ DE CASTRO COSTA Orientador(es) PATRÍCIA CARREIRA

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Diabetes mellitus. Insulina. Acompanhamento farmacoterapêutico.

PALAVRAS-CHAVE Diabetes mellitus. Insulina. Acompanhamento farmacoterapêutico. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

VOCÊ CUIDA DO SEU DIABETES, A GENTE CUIDA DE VOCÊ.

VOCÊ CUIDA DO SEU DIABETES, A GENTE CUIDA DE VOCÊ. Referências bibliográficas: 1. Sociedade Brasileira de Diabetes. Algoritmo para o tratamento do diabetes tipo 2 atualização 2011. Posicionamento Oficial SBD no. 3. São Paulo: SBD; 2011. 2. Sociedade Brasileira

Leia mais

DIABETES TIPO 2 PREVALÊNCIA DIAGNÓSTICO E ABORDAGEM. Paula Bogalho. S. Endocrinologia Diabetes e Metabolismo

DIABETES TIPO 2 PREVALÊNCIA DIAGNÓSTICO E ABORDAGEM. Paula Bogalho. S. Endocrinologia Diabetes e Metabolismo DIABETES TIPO 2 PREVALÊNCIA DIAGNÓSTICO E ABORDAGEM Paula Bogalho S. Endocrinologia Diabetes e Metabolismo Hosp. Curry Cabral, Lisboa, 20.2.2010 Diabetes Crescimento nos países em desenvolvimento Diabetes

Leia mais

Proteger nosso. Futuro

Proteger nosso. Futuro Proteger nosso Futuro A Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) é uma entidade sem fins lucrativos criada em 1943, tendo como objetivo unir a classe médica especializada em cardiologia para o planejamento

Leia mais

Tópicos da Aula. Classificação CHO. Processo de Digestão 24/09/2012. Locais de estoque de CHO. Nível de concentração de glicose no sangue

Tópicos da Aula. Classificação CHO. Processo de Digestão 24/09/2012. Locais de estoque de CHO. Nível de concentração de glicose no sangue Universidade Estadual Paulista DIABETES E EXERCÍCIO FÍSICO Profª Dnda Camila Buonani da Silva Disciplina: Atividade Física e Saúde Tópicos da Aula 1. Carboidrato como fonte de energia 2. Papel da insulina

Leia mais

Epidemiologia DIABETES MELLITUS

Epidemiologia DIABETES MELLITUS Epidemiologia DIABETES MELLITUS 300 milhões / mundo ( 5,9% população adulta) / Brasil : > 10 milhões Aumento progressivo : Longevidade, Síndrome metabólica Mortalidade anual : 3,8 milhões AVC, IAM... Amputação

Leia mais

Diabetes e a relação com as doenças periodontais

Diabetes e a relação com as doenças periodontais Diabetes e a relação com as doenças periodontais Na clínica diária, cirurgiões-dentistas devem estar atentos e orientar pacientes portadores de diabetes sobre a importância da saúde bucal para o controle

Leia mais

AMBULATÓRIO DE ENDOCRINOLOGIA OBSTÉTRICA ENDOB (DIABETES MELLITUS, TIREOIDEOPATIAS E OUTRAS)

AMBULATÓRIO DE ENDOCRINOLOGIA OBSTÉTRICA ENDOB (DIABETES MELLITUS, TIREOIDEOPATIAS E OUTRAS) AMBULATÓRIO DE ENDOCRINOLOGIA OBSTÉTRICA ENDOB (DIABETES MELLITUS, TIREOIDEOPATIAS E OUTRAS) 1- Hipóteses diagnósticas que devem ser encaminhadas para este ambulatório 1a) Diabetes Mellitus Tipo 1, Tipo

Leia mais

Diagnóstico. Exame Laboratorial. Poliúria Polidpsia Polifagia

Diagnóstico. Exame Laboratorial. Poliúria Polidpsia Polifagia Diabetes Mellitus É concebido por um conjunto de distúrbios metabólicos, caracterizado por hiperglicemia resultando de defeitos na secreção de insulina e/ou na sua atividade Report of Expert Committe on

Leia mais

DEMONSTRANDO A NECESSIDADE DE ATENÇÃO ESPECIAL AOS HIPERTENSOS E DIABÉTICOS DE UMA UNIDADE DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE PONTA GROSSA, PR

DEMONSTRANDO A NECESSIDADE DE ATENÇÃO ESPECIAL AOS HIPERTENSOS E DIABÉTICOS DE UMA UNIDADE DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE PONTA GROSSA, PR 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA DEMONSTRANDO

Leia mais

Avaliação de Retinopatia Diabética em Idosos do Lar São Vicente de Paulo- Sorocaba, SP.

Avaliação de Retinopatia Diabética em Idosos do Lar São Vicente de Paulo- Sorocaba, SP. Avaliação de Retinopatia Diabética em Idosos do Lar São Vicente de Paulo- Sorocaba, SP. Gabriela Preturlan Capitani Anna Paula Romero Mariana Braga Falcão Giovanna Cardia Caserta Marcelo Silva Soares²

Leia mais

TABAGISMO, SEDENTARISMO E SOBREPESO COMO FATORES ASSOCIADOS À DIABETES MELLITUS TIPO II NOS ANOS DE 2010 E 2011 NO ESTADO DE MINAS GERAIS.

TABAGISMO, SEDENTARISMO E SOBREPESO COMO FATORES ASSOCIADOS À DIABETES MELLITUS TIPO II NOS ANOS DE 2010 E 2011 NO ESTADO DE MINAS GERAIS. TABAGISMO, SEDENTARISMO E SOBREPESO COMO FATORES ASSOCIADOS À DIABETES MELLITUS TIPO II NOS ANOS DE 2010 E 2011 NO ESTADO DE MINAS GERAIS. SMOKING, SEDENTARY LIFESTYLE AND OVERWEIGHT AS FACTORS ASSOCIATED

Leia mais

DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL: Prevenção, Consciência e Convivência.

DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL: Prevenção, Consciência e Convivência. DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL: Prevenção, Consciência e Convivência. Lourival dos Santos Filho Graduando em Farmácia Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Klerison Romero Martinez Graduando

Leia mais

CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE

CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE Janaína Esmeraldo Rocha, Faculdade Leão Sampaio, janainaesmeraldo@gmail.com

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES CNHD Supervisão

Leia mais

NÚMERO: 002/2011 DATA: 14/01/2011 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTO:

NÚMERO: 002/2011 DATA: 14/01/2011 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTO: NÚMERO: 002/2011 DATA: 14/01/2011 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTO: Diagnóstico e Classificação da Diabetes Mellitus Diabetes ; Diagnóstico Médicos e Enfermeiros do Serviço Nacional de Saúde Departamento

Leia mais

Cetoacidose Diabética. Prof. Gilberto Perez Cardoso Titular de Medicina Interna UFF

Cetoacidose Diabética. Prof. Gilberto Perez Cardoso Titular de Medicina Interna UFF Cetoacidose Diabética Prof. Gilberto Perez Cardoso Titular de Medicina Interna UFF Complicações Agudas do Diabetes Mellitus Cetoacidose diabética: 1 a 5% dos casos de DM1 Mortalidade de 5% Coma hiperglicêmico

Leia mais