São constituídas por fenómenos que afectam a função estrutural de elementos da. desempenharem ou não outras funções.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "São constituídas por fenómenos que afectam a função estrutural de elementos da. desempenharem ou não outras funções."

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA CONSTRUÇÃO E PROCESSOS Tema 11 Patologias na Construção Patologias na Construção Tipos de Patologias: Estruturais; Não-Estruturais.

2 Patologias Estruturais São constituídas por fenómenos que afectam a função estrutural de elementos da construção, independentemente de estes desempenharem ou não outras funções. Entende-se como função estrutural, a capacidade que uma construção deve possuir de suportar, com segurança adequada, as acções, que o meio ambiente ou os seus utentes lhes aplicam. Patologias Estruturais Fundações e infra-estruturas; Superstruturas;

3 Fundações e infra-estruturas Movimentos verticais e horizontais: Horizontais - associados à alteração das condições na vizinhança; Ex: Paredes de contenção na fase de execução. Fundações e infra-estruturas Movimentos Verticais (assentamentos): - capacidade de suporte do terreno; - deficiências no dimensionamento das fundações; - deficiente execução das fundações; - construções adjacentes; - nivel freático (zonas aluvionares); - Localização hidrográfica (linhas de água subterrâneas); - Ataque quimico e biológico das fundações; Ex: Sapatas, ensoleiramentos e estacas.

4 Movimentos Verticais Causas Assentamento de Apoio Patologias estruturais e não-estruturais Introdução de esforços na estrutura Superestruturas Betão Armado; Alvenaria; Madeira;

5 Betão Armado Fendilhação; - retracção e efeitos térmicos; - esforços de flexão, transversos ou torsores; - corrosão de armaduras ou reacções químicas. Betão Armado Deformação excessiva; - com o aumento das resistências últimas dos materiais tem-se diminuído as secções dos elementos; - problemático para elementos não- estruturais (alvenarias, caixilharias, vidros)

6 Betão Armado Esmagamentos localizados; - fendilhação paralela aos dos esforços actuantes; - empolamento do betão. Corrosão das armaduras. - despassivação; - ataques quimicos. Construções em Alvenaria Fissurações; Desagregações; Esmagamentos localizados.

7 Estruturas de Madeira Apodrecimento Fungos Insectos Desenvolvimento a longo prazo de deformações excessivas; Patologias Não-Estruturais Humidades; Fissuração; Envelhecimento e degradação dos materiais (revestimentos); Inadequação dos elementos de construção para o desempenho das funções concebidas.

8 Humidade de construção; do terreno; de precipitação; de condensação; devida à higroscopicidade dos materiais; Devida a causas fortuitas. Causas das Patologias É extremamente difícil definir uma tipificação de causas de patologias em edifícios. Porquê? A grande variedade de elementos e materiais que constituem um edifício; A multiplicidade de funções a desempenhar pelos vários componentes; As várias fases por que passa um edifício (concepção, projecto, construção, utilização, manutenção e demolição); A interligação entre causas e efeitos dos vários fenómenos que se podem desenvolver simultaneamente.

9 Causas Humanas: Concepção e Projecto: Ausência de projecto; Má concepção; Causas das Patologias Quantificação inadequada de acções. Execução Qualidade dos materiais; Não conformidade entre o projecto e o que foi executado; Má interpretação do projecto. Utilização: Alteração das condições de utilização previstas; Remodelações e alterações mal estudadas. Outras Causas Causas das Patologias Acções naturais: Físicas (gravidade, temperatura, vento,etc); Químicas (oxidação, carbonatação, chuva ácida); Biológicas (raízes, fungos, aves); Desastres naturais: Sismo; Tempestade; Cheias, etc. Desastres de causas humanas: fogo; explosão, etc;

10 Soluções de intervenção Anomalias estruturais Reparação - restabelecer a resistência estrutural original (factores de segurança iniciais); Reforço aumentar a resistência estrutural original com vista a adequar a construção a novas acções ou uma diferente distribuição de esforços; Anomalias Estruturais Segurança Estrutural Características geométricas e propriedades dos materiais constituintes. Análise Estrutural Reforço Estrutural Distribuição de esforços antes e após a intervenção. Interligação entre elementos ou materiais Colagem; Soldadura; Adesão; Confinamento (pressão transversal); Ferrolhos (corte e tracção); Comportamento diferido.

11 Dimensionamento Anomalias Estruturais Reforço Estrutural Funcionamento em serviço; Resistência última; Interacção entre materiais novos e originais; Funcionamento em série ou em paralelo Tipo de esforço dominante. Durabilidade Durabilidade relativa dos materiais; Coexistência não reactiva; Resistência à corrosão e ao fogo; Resistência das ligações à fadiga. Anomalias Estruturais Acções Substituição dos elementos defeituosos; Demolição e reconstrução dos elementos afectados; Solução típica em casos de reparação de danos causados por sismos ou incêndios. Os materiais de substituição são em geral do mesmo tipo dos pré- existentes; Aumento das dimensões das secções Solução típica de reforço; Solidarização efectiva entre materiais; Aumento da altura útil (M); Aumento da secção (N); Em estruturas de madeira as ligações podem ser por colagem, aparafusamento ou com dispositivos ligadores; Em alvenarias, garantir limpeza e retirada dos elementos mais fracos; humedecimento das superfícies.

12 Anomalias Estruturais Acções Melhoria das propriedades dos materiais Injecções de caldas de cimento ou resinas epoxi; Avaliação da pressão de injecção a adoptar; Alteração da distribuição de esforços Introdução de novos elementos estruturais; Aplicação de pré-esforço; Reforços que impliquem alteração da distribuição de esforços; Rigidificação dos pavimentos no seu próprio plano; Criação de novas estruturas metálicas susceptiveis de absorver esforços horizontais; Elementos de solidarização que garantam um funcionamento conjunto de toda a estrutura. Anomalias Não-Estruturais Eliminação das anomalias; Substituição dos elementos e materiais afectados; Ocultação das anomalias; Protecção contra agentes agressivos; Eliminação das causas das anomalias; Reforço das características funcionais.

13 Anomalias Não-Estruturais Construção em geral: Secagem dos elementos ou materiais por evaporação superficial à custa de um amplo arejamento, do aquecimento ou da desumificação; Elementos primários: Eliminação das Anomalias Fissuração não-estabilizada colmatagem através da criação de rebaixos nas alvenarias ou nos seus revestimentos, colocação de bandas têxteis e aplicação dum revestimento assegurando a continuidade com a restante área de paramento das paredes; Fissuração estabilizada aplicação de mastique. Acabamentos: Eflorescências em paramentos interiores de paredes e tectos: Sais facilmente solúveis: ciclos de escovagem a seco, lavagem com água adicionada dum detergente neutro, enxaguadela (água) e secagem perfeita. Sais dificilmente solúveis: ciclos semelhantes aos indicados no caso anterior, excepto na enxaguadela, que deve ser substituída por um tratamento com soluções químicas diluídas, adequadas ao tipo de sal. Anomalias Não-Estruturais Acabamentos (continuação): Eliminação das Anomalias Bolores: Lavagem esterilizante, enxaguadela, secagem perfeita, aplicação dum produto fungicida e sua extracção por escovagem após alguns dias, e a pintura geral do paramento. Sais dificilmente solúveis: ciclos semelhantes aos indicados no caso anterior, excepto na enxaguadela, que deve ser substituída por um tratamento com soluções químicas diluídas, adequadas ao tipo de sal. Sujidade e alterações superficiais em paramentos exteriores de paredes: Limpeza dos paramentos por processos a definir em função da natureza dos respectivos materiais. Escovagem a seco; Lixagem ou a lavagem simples; Tratamento com agentes químicos; Projecção de granulados abrasivos a seco ou com água; Água a alta pressão, pulverizada, baixa pressão ou vapor saturado húmido.

14 Anomalias Não-Estruturais Eliminação das Anomalias Acabamentos (continuação): Descolamentos de revestimentos de piso, de paredes e de impermeabilização em coberturas em terraço: Nova colagem Assentamento dos revestimentos nas zonas afectadas com produtos de fixação adequados (desde que se encontrem num estado de conservação satisfatório). Decaímento de telhas ou chapas de revestimento em coberturas inclinadas: Reposição dos elementos descolados. Elementos Primários Anomalias Não-Estruturais Substituição de elementos e materiais afectados Peitoris com deficiências graves de estanqueidade à água: Substituição por novos peitoris com características adequadas (geometria, pingadeira, etc.) Elementos Secundários Apodrecimento ou empeno irreversível de caixilharia de madeira em janelas: Substituição total ou parcial da caixilharia, assegurando uma estanqueidade satisfatória. Acabamentos Desagregação de revestimentos de paredes devido a criptoflorescências: Substituição dos revestimentos afectados (após tratamento da parede que permita impedir a repetição do fenómeno).

15 Acabamentos Anomalias Não-Estruturais Substituição de elementos e materiais afectados (continuação) Degradação acentuada (apodrecimento, desagregação, desgaste exagerado, perfurações, etc) de revestimentos de piso: Substituição por novos revestimentos com caracteristicas adequadas às condições dos locais. Rotura de telhas ou chapas de revestimento em coberturas: substituição dos elementos partidos; Envelhecimento, rotura e deslocamentos generalizados de revestimentos de impermeabilização em coberturas em terraço: Substituição geral dos revestimentos; Elementos primários Anomalias Não-Estruturais Ocultação de Anomalias Paredes humidificadas em permanência e com os paramentos deteriorados sob a acção de outros agentes (ex:caves): Construção de panos de alvenaria, com caixa de ar e sistema de drenagem; Aplicação, sobre as paredes, de revestimentos desligados ou aderentes que recubram e disfarcem as anomalias; Fissuração não-estabilizada de paredes de alvenaria: Colagem dum revestimento constituido por material deformável; Fissuração estabilizada de paredes de alvenaria, apresentando suficiente regularidde geométrica: Aplicação de cobre-juntas sobre as fissuras; Pavimentos humidificados e com os paramentos de tecto subjacentes deteriorados em consequência: Aplicação de tectos falsos;

16 Elementos primários Anomalias Não-Estruturais Protecção contra os agentes agressivos Humidificação de paredes de pisos térreos pela humidade do terreno: Inserção de membranas impermeabilizantes em fendas rasgadas na base; Injecção de produtos impermeabilizantes em fiadas de furos abertos na parte inferior; Colocação de tubos drenantes inclinados (20 a 30 )e em quincôncio. Humidificação de paredes de caves pela humidade do terreno: Impermeabilização do respectivo paramento exterior; Humidificação de paredes exteriores em elevação pela humidade de precipitação: Impermeabilização dos paramentos exteriores com produtos em geral betuminosos; Aplicação de produtos hidrofugos (silicone); Aplicação de revestimentos pára-chuvas (chapa metálica ou fibro-cimento). Anomalias Não-Estruturais Protecção contra os agentes agressivos Elementos secundários Humidificação de caixilharia de madeira ou início de corrosão de caixilharia metálica: Aplicação de nova pintura; Acabamentos Humidificação de pavimentos térreos devida à humidade do terreno: Interposição duma camada impermeabilizante entre o massame e a betonilha do pavimento; Penetração de água da chuva através das juntas desprovidas de vedantes, entre chapas de fibrocimento de coberturas inclinadas com reduzida pendente: Aumento da pendente e das larguras de sobreposição.

17 Elementos primários Anomalias Não-Estruturais Eliminação das causas das anomalias Humidificação de paredes e pavimentos de pisos térreos: Drenagem do terreno; Humidificação de paredes, tectos e coberturas pela humidade de condensação: Diminuição da produção de vapor; Melhoria do respectivo isolamento térmico; Acabamentos Acabamentos Eflorescências e bolores: Actuação sobre as formas de manifestação de humidade responsáveis pela presença de águas nos elementos afectados. Anomalias Não-Estruturais Reforço das características funcionais Correcção de desajustamentos face a exigências de segurança não-estrutural (incêndio, intrusões, etc) Correcção de desajustamentos face a exigências de conforto e economia conforto térmico; acústico; poupança de energia; Soluções de intervenção no caso de anomalias não- estruturais Consultar quadro de resumo

18 Fichas de Reparação de Anomalias Patologia Estrutural; Patologia Não-Estrutural; 1. Sintomas 2. Exame 3. Diagnóstico das causas 4. Reparação Fichas de Reparação de Anomalias EXEMPLO 1 Sintomas: Fendilhação ao longo das armaduras Expulsão local ou generalizada de recobrimento com exposição de armaduras

19 Exame: Verificar por percussão, zonas superficiais soltas de betão; Verificar a espessura do recobrimento e a severidade do ataque de ferrugem. Diagnóstico das causas: Problema de corrosão das armaduras; O O aumento de volume provoca a fissuração, e leva mesmo à expulsão do recobrimento. Quanto maior a fendilhação, maior a possibilidade de acesso dos agentes corrosivos; Espessuras de recobrimento insuficientes.

20 Reparação: Protecção eficaz das armaduras com a supressão, quando possível dos agentes corrosivos; Armaduras com perda de secção significativa (>20%) devem ser substituídas, assegurando a continuidade. O O betão de recobrimento e o betão fendilhado próximo das armaduras devem ser retirados e substituídos por betão novo de grande compacidade e com recobrimento apropriado; Fichas de Reparação de Anomalias EXEMPLO 2 Humidade numa viga falsa, a qual oculta a presença de instalações (colector predial, gás, electricidade, água, telefone) numa cave, até à inserção dos mesmos na parede de contenção.

21 Fichas de Reparação de Anomalias EXEMPLO 2 Instalações Viga "falsa" Parede de contenção Laje térrea

22 Fichas de Reparação de Anomalias EXEMPLO 2 Sintomas: Humidade no encontro da viga falsa com a parede de contenção Existência de humidade em suficiente abundância para existir escorrência ao longo da parede O O aparecimento de humidade está circunscrito a dias de pluviosidade Exame: Verificar por tacto a extensão da humidade, no paramento e na face inferior da viga; Através de janelas (aberturas) criadas na viga falsa, analisar se a origem da humidade é proveniente, da inserção dos tubos na parede de suporte; Após abertura da janela molhar abundantemente, pelo exterior, a zona de inserção das instalações na parede de contenção;

23 Diagnóstico das causas: A A humidade provinha do encamisamento; A A selagem e impermeabilização da inserção das tubagens no muro criadas a partir do exterior foram deficientemente executadas; Encamisamentos colocados na horizontal ou com inclinação ascendente;

24 Reparação: Escavação junto à inserção dos tubos de forma a: Selar com mastiques à base de silicone os embainhamentos dos tubos; Impermeabilizar toda a zona envolvendo a tubagem em tela asfáltica selada na parede; Repavimentar a calçada garantindo o preenchimento das juntas com pó-de-pedra e cimento;

25 Reparação (interior): Após secagem da zona afectada, repor o gesso-cartonado; Aplicação de isolante de forma a promover a aderência da tinta em áreas afectadas; Reposição revestimento. da pintura de Fichas de Reparação de Anomalias EXEMPLO 3 Sintomas: Eflorescências e empolamento da tinta de revestimento num rodapé delimitador de uma varanda e um compartimento interior; As patologiass desenvolvem-se a toda a largura do paramento interior.

26 Exame: Obervar a selagem da caixilharia; Observar o paramento exterior ao nível do rodapé de forma a avaliar a existência de fissurações na zona de remate da tela asfáltica; Avaliar, por desmonte da caixilharia, a selagem das pedras de soleira;

27

28

29 Diagnóstico das causas: A A humidade poderia derivar de: Mastique de selagem exterior da caixilharia apresentando descontinuidades; Junta não selada entre pedras de soleira; Junta entre o vão em alvenaria e as pedras de soleira; Fendilhação no paramento exterior ao longo do remate da tela de isolamento;

30 Reparação (exterior): Selagem de juntas com argamassa de secagem rápida e de elevada compacidade e/ou silicones à base de mastiques; Pintura com tinta acrilica sobre a fendilhação no paramento exterior Reparação (interior): ciclos de escovagem a seco, lavagem com água adicionada dum detergente neutro, enxaguadela (água) e secagem perfeita; Lixagem Lixagem; Aplicação de isolante/primário; Pintura de reposição em todo o paramento;

Obra 409. Ponte sobre a Ribeira do Jamor ao Km 1+550

Obra 409. Ponte sobre a Ribeira do Jamor ao Km 1+550 Designação: Ponte sobre a Ribeira do Jamor ao Km 1+550, do Muro de Contenção da Plataforma Rodoviária da Zona da Gibalta, da PS ao CF ao Km 3+600, da PI ao Km 8+700, da PP ao Km 10+660 e da PI ao Km 11+280

Leia mais

Membrana de isolamento, desacoplamento e drenagem

Membrana de isolamento, desacoplamento e drenagem Membrana de isolamento, desacoplamento e drenagem Membrana isolante e desacoplante em polietileno para a colocação de mosaicos, com ligações, conexões e junções, ideal para uma colocação de acordo com

Leia mais

PATOLOGIA DA CONSTRUÇÃO ESTUDO DE CASOS

PATOLOGIA DA CONSTRUÇÃO ESTUDO DE CASOS PATOLOGIA DA CONSTRUÇÃO ESTUDO DE CASOS Vasco Peixoto de Freitas Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de 2007-1 www.patorreb.com Estrutura do Site Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de 2007-2

Leia mais

Manutenção Estrutural e Construtiva

Manutenção Estrutural e Construtiva Manutenção de Instalações de Tratamento e Armazenamento de Águas Em actividade desde 1980, e actuando exclusivamente na área da reabilitação de estruturas, a Stap consolidou ao longo dos anos a sua posição

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO FICHA TÉCNICA DO PRODUTO TOPECA, Lda Rua do Mosqueiro 2490 115 Cercal Ourém PORTUGAL Tel.: 00 351 249 580 070 Fax.: 00 351 249 580 079 geral@topeca.pt www.topeca.pt rebetop color Pág. 2 utilização Revestimento

Leia mais

Fichas das Patologias

Fichas das Patologias Fichas das Patologias 1. Fendilhação Exterior Nº: 1.1 Patologia: Fendilhação da Fachadas Localização: Paredes exteriores Causa/Origem: Deve-se à retracção do reboco, provavelmente causada pela má execução

Leia mais

Guia Técnico de Pintura

Guia Técnico de Pintura Guia Técnico de Pintura IV - Varandas e Terraços As infiltrações de água são uma das maiores causas da degradação de algumas pinturas, e mesmo da estrutura de varandas e terraços. Para evitar este tipo

Leia mais

Desempenho em serviço Prof. Maristela Gomes da Silva

Desempenho em serviço Prof. Maristela Gomes da Silva Desempenho em serviço Prof. Maristela Gomes da Silva Departamento de Engenharia Civil Bibliografia referência para esta aula ISAIA, G. C. (editor) Materiais de Construção Civil e Princípios de ciência

Leia mais

Empreitada de Reabilitação da Cobertura e Fachada do centro de saúde de sete Rios

Empreitada de Reabilitação da Cobertura e Fachada do centro de saúde de sete Rios Empreitada de Reabilitação da Cobertura e Fachada do centro de saúde de sete Rios Projeto de Execução Memória Descritiva e Justificativa ARSLVT Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo,

Leia mais

PATOLOGIAS EM PAVIMENTOS E COBERTURA DE EDIFÍCIOS

PATOLOGIAS EM PAVIMENTOS E COBERTURA DE EDIFÍCIOS PATOLOGIAS EM PAVIMENTOS E COBERTURA DE EDIFÍCIOS Hélder Maurício Antunes Cruz * a40472@alunos.uminho.pt José Barroso de Aguiar aguiar@civil.uminho.pt Resumo A presente comunicação reflecte um estudo na

Leia mais

PATOLOGIA DO BETÃO ARMADO

PATOLOGIA DO BETÃO ARMADO PATOLOGIA DO BETÃO ARMADO Anomalias e Mecanismos de Deterioração António Costa Instituto Superior Técnico As estruturas de betão são duráveis!? Nenhum material é por si próprio prio durável; é a interacção

Leia mais

GET GESTÃO DE ENERGIA TÉRMICA Lda.

GET GESTÃO DE ENERGIA TÉRMICA Lda. 1 Dados climáticos de referência para a região do Porto: Inverno: Região climática I1, número de graus dias = 1610 (º dias), duração da estação de aquecimento = 6,7 meses. Verão: Região climática V1, Temperatura

Leia mais

MANUTENÇÃO E RESTAURAÇÃO DE OBRAS

MANUTENÇÃO E RESTAURAÇÃO DE OBRAS MANUTENÇÃO E RESTAURAÇÃO DE OBRAS Prof. Arq. Aline Fernandes 2013 PATOLOGIA DE FUNDAÇÕES Fases que os problemas podem ocorrer ou ser originados: - Caracterização do comportamento do solo; - Análise e projeto

Leia mais

FISSURAS, TRINCAS, RACHADURAS E FENDAS

FISSURAS, TRINCAS, RACHADURAS E FENDAS FISSURAS, TRINCAS, RACHADURAS E FENDAS 1 INTRODUÇÃO As estruturas, mesmo com a sua aparente rigidez, caracterizam sempre sistemas com certo grau de movimentação (deformabilidade). As forças induzidas pela

Leia mais

Reabilitação da envolvente de edifícios na ótica da estanquidade à água

Reabilitação da envolvente de edifícios na ótica da estanquidade à água Seminário APCMC REABILITAÇÃO SUSTENTÁVEL Reabilitação da envolvente de edifícios na ótica da estanquidade à água Jorge M. Grandão Lopes (Investigador do LNEC) glopes@lnec.pt 11 de outubro de 2012 Algumas

Leia mais

Planilha Orçamentária

Planilha Orçamentária Ministério da Educação Obra: Proinfância - Espaço Educativo Infantil Tipo C BDI adotado Município: Endereço: Planilha Orçamentária ITEM DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS UNID. QUANT. PR. UNIT.(R$) VALOR (R$) 1.0

Leia mais

Soluções de isolamento acústico: - Obra nova - Reabilitação - Estabelecimentos

Soluções de isolamento acústico: - Obra nova - Reabilitação - Estabelecimentos Soluções de isolamento acústico: - Obra nova - Reabilitação - Estabelecimentos Impermeabilização Isolamento Drenagens - Geotêxteis Clarabóias Índice OBRA NOVA... N. Pavimentos...... N.. Abaixo da betonilha

Leia mais

CENTRO HOSPITALAR PSIQUIÁTRICO DE LISBOA

CENTRO HOSPITALAR PSIQUIÁTRICO DE LISBOA NOTA PRÉVIA: O presente documento enuncia apenas a listagem dos itens incluidos no projecto, não descrevendo as suas características técnicas. Para a correcta interpretação destas medições deverão ser

Leia mais

CENTRO HOSPITALAR PSIQUIÁTRICO DE LISBOA NOTA PRÉVIA:

CENTRO HOSPITALAR PSIQUIÁTRICO DE LISBOA NOTA PRÉVIA: NOTA PRÉVIA: O presente documento enuncia apenas a listagem dos itens incluidos no projecto, não descrevendo as suas características técnicas. Para a correcta interpretação destas medições deverão ser

Leia mais

REABILITAÇÃO DA COBERTURA DE EDIFÍCIO NO RIO DE JANEIRO - SUBSTITUIÇÃO DE TELHADO DANIFICADO POR SISTEMA DE IMPERMEABILIZAÇÃO

REABILITAÇÃO DA COBERTURA DE EDIFÍCIO NO RIO DE JANEIRO - SUBSTITUIÇÃO DE TELHADO DANIFICADO POR SISTEMA DE IMPERMEABILIZAÇÃO REABILITAÇÃO DA COBERTURA DE EDIFÍCIO NO RIO DE JANEIRO - SUBSTITUIÇÃO DE TELHADO DANIFICADO POR SISTEMA DE IMPERMEABILIZAÇÃO 1) Jordy, J. C. / 2) Mendes, L. C. 1) Universidade Federal Fluminense (UFF),

Leia mais

1.1 Montagem de estaleiro, compreendendo instalações e equipamentos necessários á execução da obra.

1.1 Montagem de estaleiro, compreendendo instalações e equipamentos necessários á execução da obra. ORÇAMENTO OBRA: CONSTRUÇÃO HABITAÇÃO UNIFAMILIAR Dono de obra: Local da obra: 1 Estaleiro 1.1 Montagem de estaleiro, compreendendo instalações e equipamentos necessários á execução da obra. 2 Movimentos

Leia mais

AVALIAÇÃO IN-SITU DA ADERÊNCIA DE MATERIAIS DE REVESTIMENTO

AVALIAÇÃO IN-SITU DA ADERÊNCIA DE MATERIAIS DE REVESTIMENTO AVALIAÇÃO IN-SITU DA ADERÊNCIA DE MATERIAIS DE REVESTIMENTO Inês Flores-Colen (I.S.T) Jorge de Brito (I.S.T) Fernando A. Branco (I.S.T.) Introdução Índice e objectivo Ensaio de arrancamento pull-off Estudo

Leia mais

Patologias das Edificações

Patologias das Edificações Unisalesiano Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil Construção Civil II Patologias das Edificações Prof. André L. Gamino Tipos Comuns: Patologias das alvenarias; Patologias

Leia mais

Memorial Descritivo Escola Municipal Professor Ismael Silva

Memorial Descritivo Escola Municipal Professor Ismael Silva PREFEITURA MUNICIPAL DE ILICÍNEA Estado de Minas Gerais CNPJ: 18.239.608/0001-39 Praça. Padre João Lourenço Leite, 53 Centro Ilicínea Tel (fax).: (35) 3854 1319 CEP: 37175-000 Memorial Descritivo Escola

Leia mais

CARIOCA SHOPPING - EXPANSÃO

CARIOCA SHOPPING - EXPANSÃO CARIOCA SHOPPING - EXPANSÃO ÍNDICE: Introdução...03 2. Impermeabilização A pisos e paredes em contato com o solo... 04 3. Impermeabilização B reservatórios... 06 4. Impermeabilização C pisos frios... 08

Leia mais

CAPÍTULO 4 4. ELEMENTOS ESTRUTURAIS. 4.1 Classificação Geométrica dos Elementos Estruturais

CAPÍTULO 4 4. ELEMENTOS ESTRUTURAIS. 4.1 Classificação Geométrica dos Elementos Estruturais Elementos Estruturais 64 CAPÍTULO 4 4. ELEMENTOS ESTRUTURAIS 4.1 Classificação Geométrica dos Elementos Estruturais Neste item apresenta-se uma classificação dos elementos estruturais com base na geometria

Leia mais

FICHA TÉCNICA DE PRODUTO LAJE ALVEOLADA LA 12 -R ARMADURAS LA12-2-R

FICHA TÉCNICA DE PRODUTO LAJE ALVEOLADA LA 12 -R ARMADURAS LA12-2-R Página 1/5 LAJE ALVEOLADA LA 12 -R DESCRIÇÃO Painel pré-fabricado em betão pré-esforçado, com armadura constituída por fios de aço aderentes, de secção vazada, com as faces prontas a pintar. As lajes apresentam-se

Leia mais

ANEXO 02 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS OBRA: SUBST PISO RESIDEN 01 CONDOM SOBRAL LOCALIZAÇÃO: CONDOMINIO SOBRAL

ANEXO 02 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS OBRA: SUBST PISO RESIDEN 01 CONDOM SOBRAL LOCALIZAÇÃO: CONDOMINIO SOBRAL OBRA: SUBST PISO RESIDEN 01 CONDOM SOBRAL LOCALIZAÇÃO: CONDOMINIO SOBRAL ANEXO 02 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS O reboco será demolido com ferramentas adequadas, tendo todo o cuidado para não causar nenhum dano

Leia mais

Sistema de Isolamento Térmico pelo Exterior. Reboco Delgado Armado sobre Poliestireno Expandido - ETICS

Sistema de Isolamento Térmico pelo Exterior. Reboco Delgado Armado sobre Poliestireno Expandido - ETICS Sistema de Isolamento Térmico pelo Exterior Reboco Delgado Armado sobre Poliestireno Expandido - ETICS Sistema TEPROTERM 2 / 19 1. INTRODUÇÃO I Cerca de 1/3 do consumo mundial de energia destina-se a habitações

Leia mais

Alvenaria, aspecto final face à vista e correntes, rebocadas.

Alvenaria, aspecto final face à vista e correntes, rebocadas. Terminologia relativa a alvenarias Hipólito de Sousa ALVENARIAS Alvenaria associação de elementos naturais ou artificiais, constituindo uma construção. Correntemente a ligação é assegurada por uma argamassa.

Leia mais

1º RELATÓRIO Março/2003. a) identificação de patologias e suas causas; b) definição de acções de reabilitação; c) definição de plano de manutenção.

1º RELATÓRIO Março/2003. a) identificação de patologias e suas causas; b) definição de acções de reabilitação; c) definição de plano de manutenção. Reabilitação Estrutural e Funcional do Pavilhão de Civil do Instituto Superior Técnico 1º RELATÓRIO Março/2003 1. Objectivo Desde a ocupação do Pavilhão de Engenharia Civil do Instituto Superior Técnico,

Leia mais

MANIFESTAÇÕES PATOLÓGICAS EM VEDAÇÕES ANA RITA ALVES BRUNO GREGORI DAIANA K. SCHORR SPOHR GIAN MINUZZO TALISSA RIBEIRO FONTOURA

MANIFESTAÇÕES PATOLÓGICAS EM VEDAÇÕES ANA RITA ALVES BRUNO GREGORI DAIANA K. SCHORR SPOHR GIAN MINUZZO TALISSA RIBEIRO FONTOURA MANIFESTAÇÕES PATOLÓGICAS EM VEDAÇÕES ANA RITA ALVES BRUNO GREGORI DAIANA K. SCHORR SPOHR GIAN MINUZZO TALISSA RIBEIRO FONTOURA VEDAÇÕES Elementos que limitam o ambiente controlando a ação de agentes indesejáveis,

Leia mais

MEMORIAL DE CÁLCULO. 10201 Demolição de piso cimentado inclusive lastro de concreto 5,58X2,98=16,62 10,73+10,70+19,98=41,41 m² TOTAL=58,03m²

MEMORIAL DE CÁLCULO. 10201 Demolição de piso cimentado inclusive lastro de concreto 5,58X2,98=16,62 10,73+10,70+19,98=41,41 m² TOTAL=58,03m² MEMORIAL DE CÁLCULO 10201 Demolição de piso cimentado inclusive lastro de concreto 5,58X2,98=16,62 10,73+10,70+19,98=41,41 m² TOTAL=58,03m² 10214 Retirada de portas e janelas de madeira, inclusive batentes

Leia mais

07/05/2017. Cuiabá/MT Maio

07/05/2017. Cuiabá/MT Maio Cuiabá/MT Maio - 2017 Alvenaria e um maciço constituído de pedras ou blocos, naturais ou artificiais, ligadas entre si de modo estável pela combinação de juntas e interposição de argamassa, ou somente

Leia mais

execução Caixote de massa em madeira A madeira absorve a água da argamassa o que diminui a trabalhabilidade da argamassa.

execução Caixote de massa em madeira A madeira absorve a água da argamassa o que diminui a trabalhabilidade da argamassa. execução Caixote de massa em madeira A madeira absorve a água da argamassa o que diminui a trabalhabilidade da argamassa. Para melhorar a fluidez da argamassa o pedreiro adiciona água, o que modifica todas

Leia mais

FLEXÍVEIS Suportam deformações de amplitude variável, dependendo de seu reforço à tração.

FLEXÍVEIS Suportam deformações de amplitude variável, dependendo de seu reforço à tração. IMPERMEABILIZAÇÃO Têm a função de proteger a edificação contra patologias que poderão surgir como possível infiltração de água. Classificação RÍGIDAS Baixa capacidade de deformação FLEXÍVEIS Suportam deformações

Leia mais

ANEXO À ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 032/09 PROCESSO DE COMPRA Nº 107/09 Campinas SGVO Eng, Constr. e Empreend. Imob. Ltda

ANEXO À ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 032/09 PROCESSO DE COMPRA Nº 107/09 Campinas SGVO Eng, Constr. e Empreend. Imob. Ltda ANEXO À ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 032/09 PROCESSO DE COMPRA Nº 107/09 Campinas SGVO Eng, Constr. e Empreend. Imob. Ltda CÓDIGO DESCRIÇÃO UNIDADE QUANT. PREÇO(R$) PREÇO TOTAL (R$) 1 Requisitos gerais

Leia mais

Coordenação: Prof. F.A. Branco, Prof. Jorge de Brito, Eng.º Pedro Vaz Paulo e Eng.º João Pedro Correia

Coordenação: Prof. F.A. Branco, Prof. Jorge de Brito, Eng.º Pedro Vaz Paulo e Eng.º João Pedro Correia I. CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS Coordenação: Prof. F.A. Branco, Prof. Jorge de Brito, Eng.º Pedro Vaz Paulo e Eng.º João Pedro Correia 1/70 5. FASES CONSTRUTIVAS estrutura pórtico sapatas vigas de fundação

Leia mais

Tecnologia da Construção Civil - I Fundações. Roberto dos Santos Monteiro

Tecnologia da Construção Civil - I Fundações. Roberto dos Santos Monteiro Tecnologia da Construção Civil - I Fundações Após a execução da sondagem, iremos definir qual o tipo de fundação mais adequada a ser utilizado no nosso empreendimento. As Fundações são elementos estruturais

Leia mais

LUIZA. Execução do Revestimento de Fachada de Argamassa. Santos / SP. Universidade Santa Cecília Santos / SP. Universidade Santa Cecília Santos / SP

LUIZA. Execução do Revestimento de Fachada de Argamassa. Santos / SP. Universidade Santa Cecília Santos / SP. Universidade Santa Cecília Santos / SP Execução do Revestimento de Fachada de Argamassa Aluno(s): Lucio Vinicius Andrade Carlini Luiza Pautz Aguiar Professor : Damin Santos / SP LUIZA 1 Revestimento Função Proteger os elementos da vedação e

Leia mais

ISOLAMENTOS TÉRMICOS / ACÚSTICOS

ISOLAMENTOS TÉRMICOS / ACÚSTICOS ISOLAMENTOS TÉRMICOS / ACÚSTICOS Lã DE ROCHA A Lã de Rocha é um produto de excelência para o isolamento ao nível térmico e acústico. O silêncio é um bem precioso que convém manter no interior das nossas

Leia mais

ALVENARIA ESTRUTURAL SERVIÇOS

ALVENARIA ESTRUTURAL SERVIÇOS Alvenaria Ministério Estruturalda Educação Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Marcação da Alvenaria: Construção Civil II ( TC-025) Verificação do esquadro e nível do pavimento; Traçado

Leia mais

Ficha de Inspeção da minha Casa de Construção Antiga

Ficha de Inspeção da minha Casa de Construção Antiga Zona Envolvente e Exterior : AGENTES EXTERNOS 01 Poças de água no terreno Acumulação de água na base ou sobre a calçada 03 04 05 06 07 08 09 10 Áreas específicas do terreno mais húmidas que o envolvente

Leia mais

Oque é? Conjunto estabelecido pela associação da tinta de acabamento a respectivas massas e fundos, através de ferramentas/utensílios específicos.

Oque é? Conjunto estabelecido pela associação da tinta de acabamento a respectivas massas e fundos, através de ferramentas/utensílios específicos. Sistemas de pintura Oque é? Conjunto estabelecido pela associação da tinta de acabamento a respectivas massas e fundos, através de ferramentas/utensílios específicos. Sua aplicação resulta em uma película

Leia mais

Paredes Fichas de Aplicação

Paredes Fichas de Aplicação Fichas de Aplicação e Revestimento Painel Perfurado Painel Sandwich Consulte o Dossier Técnico Viroc disponível em www.viroc.pt, na página de Downloads. Outros Suplementos de Soluções Recomendadas Viroc

Leia mais

1/73. DFA Estruturas Estruturas de Edifícios de B.A. Reforço de Fundações 3/73. DFA Estruturas Estruturas de Edifícios de B.A. Reforço de Fundações

1/73. DFA Estruturas Estruturas de Edifícios de B.A. Reforço de Fundações 3/73. DFA Estruturas Estruturas de Edifícios de B.A. Reforço de Fundações 1/73 2/73 Tipos e Patologias Técnicas de Reforço Métodos Construtivos Disposições Construtivas Casos Práticos Tipos e Patologias 3/73 Tipos de Fundações tradicionais em terrenos brandos 4/73 Solução de

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO FICHA TÉCNICA DO PRODUTO TOPECA, Lda Rua do Mosqueiro 2490 115 Cercal Ourém PORTUGAL Tel.: 00 351 249 580 070 Fax.: 00 351 249 580 079 geral@ topeca. pt www.topeca.pt Pág. 2 silitop barreira utilização

Leia mais

FUNDAÇÕES DE EDIFÍCIOS ANTIGOS

FUNDAÇÕES DE EDIFÍCIOS ANTIGOS FUNDAÇÕES DE EDIFÍCIOS ANTIGOS CONSTRUÇÃO TRADICIONAL Licenciatura em Arquitectura IST António Moret Rodrigues TIPOS DE FUNDAÇÃO I As FUNDAÇÕES ou ALICERCES dos edifícios antigos dependiam, como hoje:

Leia mais

ÁREAS Impermeabilização em lajes resina acrílica. Lajes pequenas dimensões - Sem circulação.

ÁREAS Impermeabilização em lajes resina acrílica. Lajes pequenas dimensões - Sem circulação. 1 ÁREAS Impermeabilização em lajes resina acrílica. Lajes pequenas dimensões - Sem circulação. INDICE 1. DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 01 2. MATERIAIS... 01 3. CUIDADOS INICIAIS... 02 4. TRATAMENTO: FISSURAS

Leia mais

FICHAS DE PATOLOGIAS DOS SISTEMAS ETICS

FICHAS DE PATOLOGIAS DOS SISTEMAS ETICS FICHAS DE PATOLOGIAS DOS SISTEMAS ETICS Vasco Peixoto de Freitas Andreia Mota Miranda Laboratório de Física das Construções FACULDADE DE ENGENHARIA UNIVERSIDADE DO PORTO Vasco Peixoto de Freitas e Andreia

Leia mais

O que são os revestimentos verticais??? REVESTIMENTO: Cartão de visitas da empresa!!! que cobre uma superfície

O que são os revestimentos verticais??? REVESTIMENTO: Cartão de visitas da empresa!!! que cobre uma superfície Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Construção Civil PCC-2436 Tecnologia da Construção de Edifícios II Aula 05: Revestimentos Verticais Conceituação e Classificação

Leia mais

FRAME Índice 1 - Introdução 3 - Estrutura 4 - Fundação 5 - Paredes 6-2 Pavimento 7 - Telhado 8 - Instalações Elétricas e Hidráulicas 9 - Isolações 13 - Vedação vertical 15 - Esquadrias 16 - Acabamentos

Leia mais

Nº10 Dezembro 2002 REFORÇOS ESTRUTURAIS COM PERFIS E CHAPAS DE AÇO

Nº10 Dezembro 2002 REFORÇOS ESTRUTURAIS COM PERFIS E CHAPAS DE AÇO Nº10 Dezembro 2002 REFORÇOS ESTRUTURAIS COM PERFIS E CHAPAS DE AÇO Gonçalo Fernandes Luís Tomé Hugo Santos Ricardo Almeida EDIÇÃO: CONSTRULINK PRESS Construlink, SA Tagus Park, - Edifício Eastecníca 2780-920

Leia mais

ANOMALIAS DE REVESTIMENTOS CERÂMICOS APLICADOS NA FAIXA COSTEIRA

ANOMALIAS DE REVESTIMENTOS CERÂMICOS APLICADOS NA FAIXA COSTEIRA ANOMALIAS DE REVESTIMENTOS CERÂMICOS APLICADOS NA FAIXA COSTEIRA Teresa de Deus Ferreira, Arq.ª, Mestre em Construção pelo Instituto Superior Técnico Jorge de Brito, Eng.º Civil, Professor Associado no

Leia mais

INFRAESTRUTURA DE PONTES FUNDAÇÕES PROFUNDAS

INFRAESTRUTURA DE PONTES FUNDAÇÕES PROFUNDAS INFRAESTRUTURA DE PONTES FUNDAÇÕES PROFUNDAS GENERALIDADES Fundações são elementos estruturais destinados a transmitir ao terreno as cargas da estrutura; Devem ter resistência adequada para suportar as

Leia mais

Professor: Eng Civil Diego Medeiros Weber.

Professor: Eng Civil Diego Medeiros Weber. Professor: Eng Civil Diego Medeiros Weber. PATOLOGIA DAS ESTRUTURAS, PISOS DE CONCRETO E DOS REVESTIMENTOS. CONSTRUÇÃO CIVIL PATOLOGIA DAS ESTRUTURAS CONSTRUÇÃO CIVIL PATOLOGIA "A patologia na construção

Leia mais

BOSCH BRAGA BRG 801 FASE 2. FUNDAÇÕES E ESTRUTURAS PROJETO DE EXECUÇÃO Rev. 02_

BOSCH BRAGA BRG 801 FASE 2. FUNDAÇÕES E ESTRUTURAS PROJETO DE EXECUÇÃO Rev. 02_ BOSCH BRAGA BRG 801 FASE 2 FUNDAÇÕES E ESTRUTURAS PROJETO DE EXECUÇÃO Rev. 02_2017.08.24 MAPA DE TRABALHOS E QUANTIDADES BOSCH BRAGA BRG 801 FASE 2 FUNDAÇÕES E ESTRUTURAS PROJETO DE EXECUÇÃO BOSCH BRAGA

Leia mais

Os Painéis Cimentício são compostos de Cimento Portland, partículas de madeira, água, aditivos e pigmentos. Muito

Os Painéis Cimentício são compostos de Cimento Portland, partículas de madeira, água, aditivos e pigmentos. Muito Os Painéis Cimentício são compostos de Cimento Portland, partículas de madeira, água, aditivos e pigmentos. Muito utilizados em fechamentos de edifícios comerciais e residências, estes painéis são uma

Leia mais

ÁREAS Impermeabilização de fundação com cimento polimérico. Baldrame, sapata e contra piso em contato com o solo.

ÁREAS Impermeabilização de fundação com cimento polimérico. Baldrame, sapata e contra piso em contato com o solo. 1 ÁREAS Impermeabilização de fundação com cimento polimérico. Baldrame, sapata e contra piso em contato com o solo. INDICE 1. DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 01 2. MATERIAIS... 01 3. CUIDADOS INICIAIS... 02 4.

Leia mais

INSPECÇÃO, PATOLOGIA E REABILITAÇÃO DE REVESTIMENTOS DE E PISOS

INSPECÇÃO, PATOLOGIA E REABILITAÇÃO DE REVESTIMENTOS DE E PISOS INSPECÇÃO, PATOLOGIA E REABILITAÇÃO DE REVESTIMENTOS DE E PISOS 1/72 Adaptado dos textos originais: Autores: Arq.ª Sofia Ruivo, Arq.ª Teresa Ferreira, Eng.º João Garcia Coordenação: Prof. F.A. Branco,

Leia mais

Manutenção e Restauro de Obras. Prof. Aline Fernandes de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010

Manutenção e Restauro de Obras. Prof. Aline Fernandes de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010 Manutenção e Restauro de Obras de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010 PRINCIPAIS PROBLEMAS DAS ESTRUTURAS: AS LESÕES VERIFICADAS EM OBRAS SOB EFEITO DAS MOVIMENTAÇÕES DIFERENCIADAS, ASSUMEM DIVERSAS SITUAÇÕES

Leia mais

Tecnologia da Construção Civil - I Estruturas de concreto. Roberto dos Santos Monteiro

Tecnologia da Construção Civil - I Estruturas de concreto. Roberto dos Santos Monteiro Tecnologia da Construção Civil - I Estruturas de concreto Estruturas de concreto As estruturas das edificações, sejam eles de um ou vários pavimentos, são constituídas por diversos elementos cuja finalidade

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES E NORMAS TÉCNICAS PARA RECUPERAÇÃO PARCIAL DO MURO DE CONTENÇÃO NO MOSQUEIRO PRAIA DO MURUBIRA E PORTO ARTHUR

ESPECIFICAÇÕES E NORMAS TÉCNICAS PARA RECUPERAÇÃO PARCIAL DO MURO DE CONTENÇÃO NO MOSQUEIRO PRAIA DO MURUBIRA E PORTO ARTHUR 1 ESPECIFICAÇÕES E NORMAS TÉCNICAS PARA RECUPERAÇÃO PARCIAL DO MURO DE CONTENÇÃO NO MOSQUEIRO PRAIA DO MURUBIRA E PORTO ARTHUR GENERALIDADES Esta especificação tem como objetivo estabelecer as normas e

Leia mais

EMPREITADA DO EDIFÍCIO VASCO DA GAMA, SÃO MARTINHO DO PORTO

EMPREITADA DO EDIFÍCIO VASCO DA GAMA, SÃO MARTINHO DO PORTO EMPREITADA DO EDIFÍCIO VASCO DA GAMA, SÃO MARTINHO DO PORTO PROJETO DE EXECUÇÃO MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA JANEIRO DE 2017 A presente memória descritiva e justificativa pretende caracterizar sumariamente

Leia mais

Tratamento, Pintura, Proteção e Aços utilizados.

Tratamento, Pintura, Proteção e Aços utilizados. Tratamento, Pintura, Proteção e Aços utilizados. 1 I TRATAMENTO SUPERFICIAL DO AÇO: PROCESSO UTILIZADO: Spray pressurizado aquecido e envolvente de alta pressão. FUNÇÕES: Remover todas as impurezas da

Leia mais

VIAFIX é uma emulsão adesiva a base de resinas sintéticas, para aderência da argamassa de regularização ao substrato.

VIAFIX é uma emulsão adesiva a base de resinas sintéticas, para aderência da argamassa de regularização ao substrato. 1 ÁREAS Impermeabilização de fundação com cimento polimérico. Baldrame, sapata e contra piso em contato com o solo. INDICE 1. DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 01 2. MATERIAIS... 01 3. CUIDADOS INICIAIS... 02 4.

Leia mais

Cirurgia para edifícios e estruturas

Cirurgia para edifícios e estruturas Cirurgia para edifícios e estruturas Soluções de reforço estrutural para estabilização e conservação O sistema de ancoragem Cintec O sistema de ancoragem Cintec é um método versátil de reforço estrutural

Leia mais

GUIÃO TÉCNICO CORRECÇÃO DE PONTES TÉRMICAS PAREDES SIMPLES. FICHA TÉCNICA DOW Nº 14 Nº de pág.: 5 16 de Setembro de

GUIÃO TÉCNICO CORRECÇÃO DE PONTES TÉRMICAS PAREDES SIMPLES. FICHA TÉCNICA DOW Nº 14 Nº de pág.: 5 16 de Setembro de GUIÃO TÉCNICO CORRECÇÃO DE PONTES TÉRMICAS PAREDES SIMPLES FICHA TÉCNICA DOW Nº 14 Nº de pág.: 5 16 de Setembro de 2005 www.construlink.com CORRECÇÃO DE PONTES TÉRMICAS - PAREDES SIMPLES A necessidade

Leia mais

b. Referencias bibliográficas e páginas da internet.

b. Referencias bibliográficas e páginas da internet. Roteiro para Apresentação de Questões Orientações: 1. Cada grupo (e cada integrante do grupo) será responsável em pesquisar, responder e apresentar as questões (mostradas a seguir para cada grupo), bem

Leia mais

PAINÉIS DE FIBRAS DE MADEIRA

PAINÉIS DE FIBRAS DE MADEIRA PAINÉIS DE FIBRAS DE MADEIRA Prof. Setsuo Iwakiri UFPR INTRODUÇÃO HISTÓRICO > 1914: Primeira fábrica > painéis fibras isolantes > processo úmido 1930: Primeira fábrica > painéis fibras duras > processo

Leia mais

2,25 2,36 3,43 3,52 VERDE CORES. Silicones BRANCO TRANSPARENTE. Silicone Universal. Silicone Neutro Plus - METAL

2,25 2,36 3,43 3,52 VERDE CORES. Silicones BRANCO TRANSPARENTE. Silicone Universal. Silicone Neutro Plus - METAL Silicones Silicone Universal Silicone acético de uso universal, monocomponente, para selagem de juntas em sistemas de vidro, caixilharias de alumínio, PVC, madeira e na construção em geral. Tem excelente

Leia mais

TABELA DE PREÇOS. Membrana de betume modificado com polímero plastómero (APP), massa de 4,0 kg/m 2, armadura de poliester com 150 gr/m 2,

TABELA DE PREÇOS. Membrana de betume modificado com polímero plastómero (APP), massa de 4,0 kg/m 2, armadura de poliester com 150 gr/m 2, Art Descrição UN P Unit 1 - Sistemas de impermeabilização com membranas betuminosas APP 11 Coberturas: 111 Para coberturas acessiveis: Sistema - FV30 + PY40 T Membrana de betume modificado com polímero

Leia mais

Selagem asfáltica de fissuras de pavimentos Edição Maio/2006 Revista Téchne

Selagem asfáltica de fissuras de pavimentos Edição Maio/2006 Revista Téchne Selagem asfáltica de fissuras de pavimentos Edição 110 - Maio/2006 Revista Téchne Todas as estradas, rodovias e ruas necessitam de manutenção para manter suas condições operacionais, pois sofrem constante

Leia mais

Sistema de colagem elástica para painéis em fachadas

Sistema de colagem elástica para painéis em fachadas Ficha de Produto Edição de Agosto de 2007 Nº de identificação: 5.43 Versão nº 4 SikaTack -Panel Sistema de colagem elástica para painéis em fachadas Descrição do sistema SikaTack -Panel é um sistema de

Leia mais

PAINEL DE VEDAÇÃO VERTICAL DE TUBOS DE PAPELÃO FICHA CATALOGRÁFICA NOVEMBRO/2014

PAINEL DE VEDAÇÃO VERTICAL DE TUBOS DE PAPELÃO FICHA CATALOGRÁFICA NOVEMBRO/2014 Tecnologias, Sistemas Construtivos e Tipologias para Habitações de Interesse Social PAINEL DE VEDAÇÃO VERTICAL DE TUBOS DE PAPELÃO FICHA CATALOGRÁFICA NOVEMBRO/2014 Tecnologias, Sistemas Construtivos e

Leia mais

RELATÓRIO VISTORIA NA ESTRUTURA DO CARTÓRIO ELEITORAL DE GURINHÉM - SEARQ

RELATÓRIO VISTORIA NA ESTRUTURA DO CARTÓRIO ELEITORAL DE GURINHÉM - SEARQ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DA PARAÍBA Secretaria de Administração e Orçamento Seção de Engenharia e Arquitetura / COSEG RELATÓRIO VISTORIA NA ESTRUTURA DO CARTÓRIO ELEITORAL DE GURINHÉM

Leia mais

ESTRUTURAS DE FUNDAÇÕES RASAS

ESTRUTURAS DE FUNDAÇÕES RASAS Universidade Federal de Ouro Preto - Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV620-Construções de Concreto Armado ESTRUTURAS DE FUNDAÇÕES RASAS Profa. Rovadávia Aline Jesus Ribas Ouro Preto,

Leia mais

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO MESTRADO INTEGRADO EM ARQUITECTURA TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 2º Semestre 2014/2015 A CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS Construção de Obras Públicas - Obras de Arte, Viadutos, Túneis, Ferrovias,

Leia mais

TERMINAL DE VOOS DOMÉSTICOS AEROPORTO DE LUANDA CONCEPÇÃO ESTRUTURAL

TERMINAL DE VOOS DOMÉSTICOS AEROPORTO DE LUANDA CONCEPÇÃO ESTRUTURAL TERMINAL DE VOOS DOMÉSTICOS AEROPORTO DE LUANDA CONCEPÇÃO ESTRUTURAL Vitor França a, Hugo Sousa b e Narciso Ferreira c a,b Eng.º Civil, TRIEDE ANGOLA, Luanda c Eng.º Civil, TRIEDE, Lisboa Resumo. Descreve-se

Leia mais

TUNEIS. Obra Recomendada Ingenieria Geológica Coordenação de Luis I. De Gonzáles Vallejo Edição de Prentice Hall, Pearson Education, Madrid, 2002

TUNEIS. Obra Recomendada Ingenieria Geológica Coordenação de Luis I. De Gonzáles Vallejo Edição de Prentice Hall, Pearson Education, Madrid, 2002 Obra Recomendada Ingenieria Geológica Coordenação de Luis I. De Gonzáles Vallejo Edição de Prentice Hall, Pearson Education, Madrid, 2002 OS TÚNEIS COMO ESTRUTURAS GEOTÉCNICAS Falsos Túneis (Metodo Cut

Leia mais

A aposta em soluções de baixo custo

A aposta em soluções de baixo custo Em que pensamos quando falamos em soluções de baixo custo? Materiais baratos? Sistemas de execução rápida e simples? Soluções duradouras? Solução inicial mais barata vs solução global mais económica? Qual

Leia mais

Planilha Orçamentária

Planilha Orçamentária 1 SERVIÇOS PRELIMINARES,DEMOLIÇÕES,LIMPEZA 2.742,56 1.1 PLACA DE OBRA 6,00 m² 205,83 25,62 231,45 1.234,98 153,72 1.388,70 1.2 LIMPEZA PERMANENTE DA OBRA 66,00 h 0,37 7,37 7,74 24,32 486,42 510,74 1.3

Leia mais

DESEMPENHO DAS EDIFICAÇÕES

DESEMPENHO DAS EDIFICAÇÕES DESEMPENHO DAS EDIFICAÇÕES SUMÁRIO Conceito e Definição de Desempenho Histórico do desempenho das edificações; Abordagem de desempenho nas edificações; Norma Prescritivas X Normas de Desempenho; Metodologia

Leia mais

Perfis para varandas e terraços Cerfix Protec

Perfis para varandas e terraços Cerfix Protec PROFILPAS S.P.A. VIA EINSTEIN, 38 35010 CADONEGHE (PADOVA) ITALY TEL. +39 (0)49 8878411 +39 (0)49 8878412 FAX. +39 (0)49-706692 EMAIL: INFO@PROFILPAS.COM Perfis para varandas e terraços Cerfix Protec Aplicación

Leia mais

Gestão da Construção - Anexo 7A1 - Mapa de quantidades Página 1

Gestão da Construção - Anexo 7A1 - Mapa de quantidades Página 1 DIMENSÕES QUANTIDADES comp. larg. alt. UN elemento parciais CAP. art. DESCRIÇÃO DOS TRABALHOS ELEMENTO 0 ESTALEIRO 0.1 Montagem e desmontagem de estaleiro 1 vg 1 ALVENARIAS 1.1 Tijolo Cerâmico 1.1.1 Paredes

Leia mais

soluções +eficientes de reabilitação de edifícios sistemas de renovação +sustentáveis sistemas energéticos +verdes Um edifício +sustentável.

soluções +eficientes de reabilitação de edifícios sistemas de renovação +sustentáveis sistemas energéticos +verdes Um edifício +sustentável. APRESENTAÇÃO A Reabilitação Sustentável é um serviço que agrega o know-how, os recursos, e a experiência das diversas áreas de atividade da Sotecnisol. A Sotecisol apresenta ao mercado uma oferta inovadora

Leia mais

EDIFICAÇÕES. Técnicas construtivas Memória de aula 04 FUNDAÇÕES

EDIFICAÇÕES. Técnicas construtivas Memória de aula 04 FUNDAÇÕES Professora Carolina Barros EDIFICAÇÕES Técnicas construtivas Memória de aula 04 FUNDAÇÕES 1. INTRODUÇÃO Fundações são elementos estruturais destinados a transmitir ao terreno as cargas da estrutura. Devem

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA MARIA DAS BARREIRAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA MARIA DAS BARREIRAS PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA MARIA DAS BARREIRAS PROJETO DE CONSTRUÇÃO DE GINÁSIO POLIESPORTIVO LOCAL: SEDE DO MUNICÍPIO MEMORIAL DESCRITIVO SANTA MARIA DAS BARREIRAS 2015 1 MEMORIAL DESCRITIVO 1- APRESENTAÇÃO

Leia mais

ANEXO IV MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA. Reabilitação do Pavilhão 24A do Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa Pólo Júlio de Matos

ANEXO IV MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA. Reabilitação do Pavilhão 24A do Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa Pólo Júlio de Matos ANEXO IV MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA Reabilitação do Pavilhão 24A do Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa Pólo Júlio de Matos dezembro de 2016 ÍNDICE 1. Introdução... 4 2. Descrição do Edifício...

Leia mais

índice Fases básicas da obra 3 Importância da estrutura .4 Mapa estrutural 5 Alvenaria 7 Cobertura 8 Acabamento 9 Como escolher o cimento

índice Fases básicas da obra 3 Importância da estrutura .4 Mapa estrutural 5 Alvenaria 7 Cobertura 8 Acabamento 9 Como escolher o cimento índice Fases básicas da obra...3 Importância da estrutura...4 Mapa estrutural...5 Alvenaria...7 Cobertura...8 Acabamento...9 Como escolher o cimento...10 Portfólio...12 Dicas...14 Uma obra passa por dezenas

Leia mais

Isolamento Térmico com Grés Cerâmico Manual de Instalação

Isolamento Térmico com Grés Cerâmico Manual de Instalação Isolamento Térmico com Grés Cerâmico Manual de Instalação www.candigres.com :: candigres@candigres.com Índice Pág. 1.0 Cálculo do Material necessário 4 2.0 Preparação do suporte 4 2.1 Condições Gerais

Leia mais

Fundações Diretas Rasas

Fundações Diretas Rasas Fundações Diretas Rasas Grupo: Anderson Martens Daniel Pereira Ricardo N. Lima Ronaldo Guedes Vitor A. Teruya Vivian R. Pestana Professor Manoel Vitor O que são fundações? Elementos estruturais cuja função

Leia mais

Município de Leiria Câmara Municipal

Município de Leiria Câmara Municipal Município de Leiria Câmara Municipal Divisão Jurídica e Administrativa (DIJA) DELIBERAÇÃO DA REUNIÃO DA CÂMARA MUNICIPAL DE 6 DE FEVEREIRO DE 206 Serviço responsável pela execução da deliberação Gabinete

Leia mais

8 8/14. Nível 1 9 9/14 1 : 100 1/14

8 8/14. Nível 1 9 9/14 1 : 100 1/14 1 2 3 4 A B 8 8/14 C 9 9/14 D 1 1/14 1 2 3 4 A B 8 8/14 C 9 9/14 D 2 2/14 1 2 3 4 A B 8 8/14 C 9 9/14 D 3 Cobertura 3/14 1 2 3 4 A B C D 4 Fundação 4/14 1 2 3 4 Cobertura 8.00 4.00 5 Elevação Frontal 0.00

Leia mais

Técnicas de recuperação e reforço de estruturas de concreto armado Escolha do tipo de reforço

Técnicas de recuperação e reforço de estruturas de concreto armado Escolha do tipo de reforço Aspectos de projeto 5/06/206 Quando se deve recuperar/reforçar? Técnicas de recuperação e reforço de estruturas de concreto armado Escolha do tipo de reforço Leila Cristina Meneghetti Valverdes Abril,

Leia mais

CEAA COMÉRCIO DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO LTDA-ME CNPJ / MEMORIAL DESCRITIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ÂNGELO

CEAA COMÉRCIO DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO LTDA-ME CNPJ / MEMORIAL DESCRITIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ÂNGELO MEMORIAL DESCRITIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ÂNGELO SECRETÁRIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE -PROJETO BASE PARA BALANÇA DE CONCRETO, -PROJETO ESCRITÓRIO DE CONTROLE DE CARGAS. -DESCRIÇÃO BALANÇA RODOVIÁRIA

Leia mais

AQUOSOS CONSTRUÇÃO CIVIL

AQUOSOS CONSTRUÇÃO CIVIL AQUOSOS CONSTRUÇÃO CIVIL Primários/Isolantes SELCRIL ISOLAQUA Primário acrílico aquoso de cor branca, indicado para o exterior e interior. Foi concebido com resinas acrílicas de fácil penetração e de excelente

Leia mais

Elementos Componentes da Mesoestrutura

Elementos Componentes da Mesoestrutura UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIENCIAS EXATAS E TECNOLOGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: ESTRUTURAS DE PONTES Elementos Componentes da Mesoestrutura

Leia mais

FLEX. 1.2 INSTALAÇÕES PROVISÓRIAS Será implantado canteiro de obras dimensionado de acordo com o porte e as necessidades da obra.

FLEX. 1.2 INSTALAÇÕES PROVISÓRIAS Será implantado canteiro de obras dimensionado de acordo com o porte e as necessidades da obra. MEMORIAL DESCRITIVO 1 HABITAÇÃO 1 EQUIPAMENTO COMUNITÁRIO IDENTIFICAÇÃO: Proponente : Favoritto Incorporações SPE LTDA. Construtora : Magis Incorporações e Participações Ltda. Empreendimento : Residencial

Leia mais

Sistemas para paredes

Sistemas para paredes Sistemas para paredes Wall Tech Descrição geral Aplicações Integra-se perfeitamente aos sistemas de pisos em MMA, formando um sistema monolítico único. Ideal para ambientes internos, é aplicável diretamente

Leia mais