UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Campo Mourão. Curso Superior de Tecnologia em Alimentos. Wallace José Maia

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Campo Mourão. Curso Superior de Tecnologia em Alimentos. Wallace José Maia"

Transcrição

1 1 UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Campo Mourão Curso Superior de Tecnologia em Alimentos Wallace José Maia Controle de Qualidade na Indústria e Comércio de Doces Sorriso Ltda BENEFICIAMENTO E CTERIZAÇÃO DE DA INDÚSTRIA DE NA RAGIÃO DE CORUMBATAÍ DO SUL: APROVEITAMENTA CASCA ESTÁGIO SUPERVISIONADO Campo Mourão Fevereiro / 2014

2 2

3 3 RESUMO Diante da realidade e da legislação vigente, todas as empresas de gênero alimentício devem se preocupar com problemas potenciais relativos ao enquadramento higiênico-sanitário de seus produtos. Sendo que o principal problema, no caso da Indústria e Comércio de Doces Sorriso Ltda e demais indústrias de produtos derivados do amendoim, está relacionado com a possível presença de aflatoxinas nos produtos, visto que as mesmas são extremamente prejudiciais à saúde humana. A higiene e sanitização dos equipamentos e utensílios são, sem dúvidas, operações fundamentais no controle sanitário em fábricas de alimentos, entretanto, frequentemente são negligenciadas ou efetuadas em condições inadequadas. Além destes cuidados, somente o resfriamento e a aplicação de tratamento térmico pelo uso do calor, em tempo determinado, asseguram um efeito controlador sobre o crescimento microbiano nos alimentos.

4 4 INTRODUÇÃO Umas das consequências mais graves da má higienização nas indústrias de alimentos é a possível ocorrência de toxinfecções de origem alimentar causada pela ingestão dos produtos industrializados contaminados (ANDRADE; MACEDO, 2006). A higienização correta tem papel relevante quando se observam os aspectos econômicos e comerciais. A produção de doces seguindo normas adequadas de controle de qualidade contribui para aperfeiçoar os custos de produção e satisfazer aos anseios. A participação permanente dos colaboradores e direção da empresa no sucesso do sistema é essencial, visto a necessidade de implementar novas metodologias produtivas e em alguns casos investir na renovação de equipamentos e instalações. Atualmente, a preocupação principal das indústrias de alimentos deve ser a prevenção da contaminação das matérias primas, durante o processo e produto acabado, assim, o controle deve abranger desde a escolha da matéria prima, exigindo a certificação da qualidade pré-determinada, de acordo com o padrão de identidade e qualidade estabelecido. Durante o processo de elaboração do produto podem ser incorporadas ao alimento substâncias inibidoras de crescimento microbiano ou utilizar-se de mais de um tipo de tratamento, tais como: Uso do calor: O calor elimina as células dos microrganismos indesejáveis que se encontra no alimento, a aplicação deste processo está condicionada ao grau adequado de temperatura, ao tempo de exposição, às diferentes características dos produtos a serem submetidos aos tratamentos, como também a resistência térmica dos microrganismos a serem destruídos. Portanto, a aplicação do calor como método de conservação necessita de um rigoroso controle, sob pena de destruir o alimento, ao invés de contribuir para sua conservação (EVANGELISTA, 2001).

5 5 Uso do açúcar: A adição de açúcar promove a conservação do alimento, agindo indiretamente sobre os microrganismos contaminantes, pela redução da água disponível ao crescimento microbiano, em função do aumento da função osmótica do interior do alimento, sendo assim com a redução da atividade de água, o ambiente interno do produto torna-se hostil, principalmente para as bactérias (GAVA, 1984).

6 6 DESCRIÇÃO DA EMPRESA A Indústria e Comércio de Doces Sorriso Ltda (Figura 1), fundada em 1994, está localizada no Município de Mamborê PR. Conta com duas unidades localizadas no Parque Industrial, uma que produz pipoca e pirulito e outra que produz doce de amendoim (que é comercializado em embalagens de 1,5 kg, 1,8 kg, 2 kg e 3 kg), geléia de frutas açucarada e doce de leite em casquinha. A indústria foi fundada em 1994, e inicialmente produzia apenas pipoca e pirulito, mas hoje em dia o principal produto produzido e comercializado é o doce de amendoim caseiro, onde as atividades do estágio foram focadas.. Figura 1. Indústria e Comércio de Doces Sorriso Ltda. Unidade situada no Parque Industrial de Mamborê.

7 7 ATIVIDADES DESENVOLVIDAS As atividades desenvolvidas no estágio curricular, no período entre agosto e novembro de 2013, foram realizadas na Unidade do Parque Industrial e focadas, principalmente, na produção de doce de amendoim caseiro, devido sua produção ser em maior escala. A produção dos doces ocorre conforme a comercialização dos mesmos. A quantidade de doce a ser produzido é estipulada em relação ao número de pedidos feitos pelos clientes. PERIGOS PRESENTES NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS De acordo com a Société Générale de Survaillance SGS (2001), os perigos que podem causar danos à saúde do consumidor podem ser de origem química, física ou biológica, desta forma devem ser tomados alguns cuidados para que os produtos estejam a salvos destes contaminantes: Perigos Químicos: Este tipo de contaminação pode ocorrer em qualquer etapa da produção de alimentos através de produtos químicos que podem, acidentalmente ou propositadamente, serem utilizados sem controle nos alimentos. Muitos derivados de plantas, animais ou microrganismos apresentam substâncias químicas naturalmente, como é o caso das histaminas, toxinas de produtos marinhos e de plantas. Perigos Físicos: Incluem qualquer material estranho não encontrado naturalmente nos alimentos e que frequentemente causam reclamações por parte dos consumidores, podendo sua presença ser percebida imediatamente após o consumo, ou antes, deste. No primeiro caso, o efeito pode ser grave. Perigos Biológicos: De extrema importância no que diz respeito à contaminação de alimentos, os perigos biológicos estão associados à ação dos microrganismos e são frequentemente associados a casos ou surtos de doenças de origem alimentar.

8 8 MICRORGANISMOS NOS ALIMENTOS Deve ser feito um ótimo controle de qualidade na produção dos doces, pois caso contrário, esses alimentos podem sofrer ataques de microrganismos. Os microrganismos são seres formados de uma célula e que tem vida própria, existem no mundo diversos tipos de microrganismos, cada espécie com características biológicas diferentes, alguns trazem prejuízos a sáude, podendo até mesmo levar à morte. Outros tipos são benéficos e necessários na indústria de alimentos (produção de alimentos e bebidas) (SILVA, 1995). Os microrganismos são classificados em: Bactérias: Geralmente, as bactérias podem se multiplicar muito bem nos alimentos, pois eles oferecem todas as condições necessárias para seu crescimento, como temperatura entre 5 e 63ºC, umidade, proteínas e ph muito próximos ao neutro (ROBERTS; HOBBS, 1998). Fungos: São divididos em bolores e leveduras. Podem se reproduzir em alimentos mais secos, frescos e que tenham quantidades maiores de açúcar. São encontrados também no intestino, bocas, mãos e no meio ambiente. Alguns fungos são produtores de micotoxinas, como as espécies Aspergillus flavus e Aspergillus parasiticus, produtores de aflotoxinas, frequentemente presentes em amendoim (ROBERTS; HOBBS, 1998). Vírus: São diferentes dos demais microrganismos, pois não possuem vida própria e só crescem quando estão dentro da célula do organismo do homem ou de animais (ROBERTS; HOBBS, 1998). RECEBIMENTO DO AMENDOIM A principal atividade realizada foi à aquisição da matéria-prima (amendoim), provenientes de vários lugares, como, Cascavel (PR), Presidente Prudente (SP) e Marília (SP), recebimento deste produto na Empresa acompanhado do laudo técnico que autorizava o uso deste produto. Quando o amendoim não chegava a Indústria com o laudo técnico, eram retiradas

9 9 amostras e encaminhado para análise em laboratório terceirizado, para verificação da possível existência de aflatoxinas, que geralmente ocorre nesse produto (Figura 2). Figura 2. Estocagem do amendoim. PROCESSO DE PREPARAÇÃO DO AMENDOIM Este processo era iniciado quando o amendoim era inserido numa espécie de forma grande, onde era torrado e depois encaminhado para o moinho (Figura 3).

10 10 Figura 3. Processo de preparação do amendoim. COCÇÃO Nesta etapa foi realizado o acompanhamento de sua produção, observando se todos os ingredientes eram adicionados adequadamente e na sua quantidade correta. A indústria dispunha de tachos onde os ingredientes eram inseridos e logo após recebiam tratamento térmico pelo calor que era de origem da caldeira. Os próprios tachos eram equipados por hélices que misturavam os ingredientes enquanto eram cozidos (Figura 4).

11 11 Figura 4. Equipamentos para produção dos doces. CORTE E CONTROLE DE QUALIDADE Após o cozimento, o produto era colocado sobre a mesa de corte (Figura 5), era cortado e analisado, verificando se estavam no peso adequado e se não havia defeitos e em seguida encaminhado para a etapa de embalagem dos doces (Figura 6).

12 12 Figura 5. Corte dos doces. Figura 6. Controle de Qualidade e Embalagem.

13 13 EMBALAGEM Os doces eram embalados em pacotes plásticos com 50 unidades de doces cada pacote. Após eram inseridos em caixas de papelão, que acomodavam 10 pacotes de doces cada caixa (Figura 7). Figura 7. Embalagem dos doces. DOCE DE LEITE O doce de leite era obtido pelo tratamento térmico dos ingredientes em panelas grandes. Depois o doce de leite era inserido em uma máquina de injeção que inseria o doce nas casquinhas, que eram previamente colocadas em pallets de madeira (Figura 8). Outras atividades realizadas foram a produção e o controle da qualidade dos doces de leite, onde era feito o acompanhamento da sua produção, observando se todos os ingredientes eram adicionados adequadamente e na sua quantidade correta, e também, eram analisados os doces prontos, verificando se estavam no peso adequado e se não havia defeitos (Figura 9).

14 14 Figura 8. Produção de doce de leite. Figura 9. Controle de qualidade do doce de leite.

15 15 GELÉIA AÇUCARADA Para a produção de geléia açucarada, os ingredientes do doce eram homogeneizados, recebiam tratamento térmico e a massa era depositada em fôrmas e ficava cerca de sete dias descansando para adquirir a consistência adequada (Figura 10). Figura 10. Produção de geléia açucarada. Após os sete dias de descanso (Figura 11), a geléia era cortada, era passada no açúcar e depois seguia para a etapa de embalagem.

16 16 Figura 11. Descanço da massa da geléia. Durante o processo de produção dos diversos doces, verificou-se o controle da higiene dos equipamentos e das instalações da Indústria, para eliminar os perigos de proliferação de microrganismos e de contaminação dos produtos.

17 17 CONCLUSÃO Ao iniciar as atividades do estágio supervisionado o aluno começa a entender realmente o que será a profissão de Tecnólogo em Alimentos, e por isso essa é uma fase essencial e que tem que ser aproveitada da melhor maneira possível, buscando o maior número de informações que fazem conexão com a teoria aprendida e entendendo o dia-a-dia do profissional em relação aos procedimentos executados na indústria e ao grupo que se convive. No decorrer de cada dia e com cada etapa do processo pode-se diferenciar a característica de cada tipo de doce e assim fazer a destinação correta. Finalmente, para alcançar os padrões de qualidade exigidos, é essencial a ética e a responsabilidade no procedimento de produção e controle da qualidade dos produtos, que são pontos fortes aprendidos no estágio.

18 18 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANDRADE, N. J; MACEDO, J. B. Higienização na indústria de alimentos. São Paulo: Varela, EVANGELISTA, J.Tecnologia de alimentos. 2. ed. São Paulo: Atheneu, GAVA, A. J. Princípios de tecnologia de alimentos. São Paulo: Nobel, ROBERTS, D.; HOBBS, B. C. Toxinfecções e controle higiênico sanitário de alimentos. São Paulo: Varela, SILVA, JR, E. A. Manual de controle higiênico-sanitário em alimentos. São Paulo: Varela, SOCIÉTE GÉNÉRALE DE SURVAILLANCE. Manual de treinamento em boas práticas de fabricação e conceitos básicos de HACCP Programa pró-amendoim. São Paulo: SGS, 2001.

FISPQ. Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico. LAVA ROUPA MALTEX (Tradicional, Coco)

FISPQ. Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico. LAVA ROUPA MALTEX (Tradicional, Coco) Página 1 de 5 LAVA ROUPA MALTEX (Tradicional, Coco) 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 1.1. Nome do produto:lava Roupa Maltex 1.2. Aplicação:Lava sem deixar resíduos e com mais maciez, é a solução

Leia mais

Centro de Educação Superior do Oeste - CEO

Centro de Educação Superior do Oeste - CEO CURSO: Engenharia de Alimentos ANO/SEMESTRE: 2012/1 DISCIPLINA: Higiene e Legislação de FASE: 6ª (6HGLA) Alimentos CARGA HORÁRIA 36 h/a TURNO: Vespertino PROFESSOR(A): Marlene Gomes Pereira CRÉDITOS: 02

Leia mais

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) DETERGENTE LIMPOL (Neutro, Cristal, Limão, Coco, Maçã, Chá Verde, Laranja e Caribe)

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) DETERGENTE LIMPOL (Neutro, Cristal, Limão, Coco, Maçã, Chá Verde, Laranja e Caribe) Página 1 de 7 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome: Detergente Limpol Códigos internos: Neutro: 5004 (500ml) / 19008 (5L) Cristal: 5002 (500ml) Limão: 5003 (500ml) Coco: 5006 (500ml) Maçã: 5005

Leia mais

LEITE UHT. Profa. Dra. Vanerli Beloti LIPOA UEL lipoa.uel@gmail.com vbeloti@uel.br www.uel.br/laboratorios/inspecao

LEITE UHT. Profa. Dra. Vanerli Beloti LIPOA UEL lipoa.uel@gmail.com vbeloti@uel.br www.uel.br/laboratorios/inspecao LEITE UHT Profa. Dra. Vanerli Beloti LIPOA UEL lipoa.uel@gmail.com vbeloti@uel.br www.uel.br/laboratorios/inspecao LEITE UHT HISTÓRIA NO BRASIL: 1972 Boom em 1998 hoje 78% do leite líquido consumido 5

Leia mais

FISPQ. Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico. DETERGENTE MALTEX (Neutro, Citrus, Coco, Guaraná, Laranja, Limão, Maça, Maracujá)

FISPQ. Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico. DETERGENTE MALTEX (Neutro, Citrus, Coco, Guaraná, Laranja, Limão, Maça, Maracujá) Página 1 de 6 DETERGENTE MALTEX (Neutro, Citrus, Coco, Guaraná, Laranja, Limão, Maça, Maracujá) 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 1.1. Nome do produto:detergente Maltex 1.2. Aplicação: Utilizado

Leia mais

Segurança Alimentar. abordagem integrada, considerando riscos e medidas de controlo ao longo de toda a cadeia alimentar

Segurança Alimentar. abordagem integrada, considerando riscos e medidas de controlo ao longo de toda a cadeia alimentar Segurança Alimentar Gestão da Segurança Alimentar Princípios básicos para GSA abordagem integrada, considerando riscos e medidas de controlo ao longo de toda a cadeia alimentar responsabilidade partilhada

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS. ECOWAY TECNOLOGIA SUSTENTÁVEL

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS. ECOWAY TECNOLOGIA SUSTENTÁVEL 1 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS. No. do Documento: EC 00004 Data da Publicação: 25-11-2014 Versão: 1.30 Estado Documento:PUBLICADO 1 - IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA E DO PRODUTO. ECOWAY

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS PELO EMPREGO DE ALTAS TEMPERATURAS

CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS PELO EMPREGO DE ALTAS TEMPERATURAS CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS PELO EMPREGO DE ALTAS TEMPERATURAS Temperaturas elevadas causam desnaturação de proteínas e a inativação de enzimas necessárias ao metabolismo microbiano; Tratamento térmico necessário

Leia mais

Centro de Educação Superior do Oeste - CEO

Centro de Educação Superior do Oeste - CEO CURSO: Engenharia de Alimentos ANO/SEMESTRE: 2012/1 DISCIPLINA: Higiene, Legislação e FASE: 7ª (HLSA) Segurança Alimentar CARGA HORÁRIA 60 h/a TURNO: Vespertino PROFESSOR(A): Marlene Gomes Pereira CRÉDITOS:

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS Pág. 1/6 FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS 1. Identificação do produto e da empresa Nome do produto: COLT PRIME Código do Produto: 101.129 Nome da Empresa: ROGAMA INDÚSTRIA E COMÉRCIO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE ALIMENTOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE ALIMENTOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE ALIMENTOS MARIA JULIA DAS CHAGAS RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO: OTIMIZE

Leia mais

Introdução. Graduando do Curso de Nutrição FACISA/UNIVIÇOSA. 3

Introdução. Graduando do Curso de Nutrição FACISA/UNIVIÇOSA.   3 ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE PRESUNTOS FATIADOS COMERCIALIZADOS NA CIDADE DE VIÇOSA, MG Sofia Ferreira Macedo 1, Danielli Carvalho de Oliveira 2, Ana Paula Boroni Moreira 3, Cristiane Sampaio Fonseca 4, Érica

Leia mais

FISPQ Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos

FISPQ Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos revisão: 01 Identificação do produto e da Empresa Nome do Natureza Química: Desinfetante de uso geral Autorização de Funcionamento / MS Nº: 3.04500.8 Produto Registrado na ANVISA/MS Nº: 3.0453434.6 Publicação

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS Pág. 1/6 FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS 1. Identificação do produto e da empresa Nome do produto: COLT GEL Código do Produto: 101.062 Nome da Empresa: ROGAMA INDÚSTRIA E COMÉRCIO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE ESCOLA DE NUTRIÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE ESCOLA DE NUTRIÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE ESCOLA DE NUTRIÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA CURSO: Bacharelado em Nutrição DEPARTAMENTO: Tecnologia de Alimentos

Leia mais

BALANÇO DE MASSA NA PRODUÇÃO DE PÃO DE QUEIJO CONGELADO NA INDÚSTRIA FRUTPRES. Camila Mendes Correa (1) ; Raquel Clasen Pich (2).

BALANÇO DE MASSA NA PRODUÇÃO DE PÃO DE QUEIJO CONGELADO NA INDÚSTRIA FRUTPRES. Camila Mendes Correa (1) ; Raquel Clasen Pich (2). BALANÇO DE MASSA NA PRODUÇÃO DE PÃO DE QUEIJO CONGELADO NA INDÚSTRIA FRUTPRES Camila Mendes Correa (1) ; Raquel Clasen Pich (2). (1) Graduando em Engenharia Química Centro Universitário de Patos de Minas

Leia mais

VIGILÂNCIA SANITÁRIA EM AÇÃO PROGRAMA VIGILÂNCIA EM SAÚDE CONSUMO DE LEITE IN NATURA PODE CAUSAR RISCOS À SAÚDE!

VIGILÂNCIA SANITÁRIA EM AÇÃO PROGRAMA VIGILÂNCIA EM SAÚDE CONSUMO DE LEITE IN NATURA PODE CAUSAR RISCOS À SAÚDE! VIGILÂNCIA SANITÁRIA EM AÇÃO PROGRAMA VIGILÂNCIA EM SAÚDE CONSUMO DE LEITE IN NATURA PODE CAUSAR RISCOS À SAÚDE! COMÉRCIO DE LEITE IN NATURA PROIBIDO PELAS LEIS: DECRETO LEI N 66.183, DE 05 DE FEVEREIRO

Leia mais

Disciplina: Controle de Qualidade Série: 2ª Turmas: L/N/M/O. Curso: Técnico em Agroindústria. Professora: Roberta M. D.

Disciplina: Controle de Qualidade Série: 2ª Turmas: L/N/M/O. Curso: Técnico em Agroindústria. Professora: Roberta M. D. Disciplina: Controle de Qualidade Série: 2ª Turmas: L/N/M/O Segurança Alimentar e Curso: Técnico em Agroindústria Professora: Roberta M. D. Cardozo Segurança Alimentar Grupos ou espécies de microrganismos

Leia mais

O êxito na preparação de defumados, não depende unicamente da aplicação da fumaça e sim, da combinação de fatores físicos e químicos, sendo

O êxito na preparação de defumados, não depende unicamente da aplicação da fumaça e sim, da combinação de fatores físicos e químicos, sendo DEFUMAÇÃO O êxito na preparação de defumados, não depende unicamente da aplicação da fumaça e sim, da combinação de fatores físicos e químicos, sendo necessário um controle rigoroso de cada uma das etapas

Leia mais

PARASIL N100 SELANTE DE SILICONE NEUTRO 1. IDENTIFICAÇÃO DA SUBSTÂNCIA / PREPARAÇÃO E DA COMPANHIA / EMPRESA

PARASIL N100 SELANTE DE SILICONE NEUTRO 1. IDENTIFICAÇÃO DA SUBSTÂNCIA / PREPARAÇÃO E DA COMPANHIA / EMPRESA PARASIL N100 SELANTE DE SILICONE NEUTRO 1. IDENTIFICAÇÃO DA SUBSTÂNCIA / PREPARAÇÃO E DA COMPANHIA / EMPRESA Nome do Produto: Nome da Companhia: PARASIL N100 MACROFLEX COMERCIAL LTDA. RUA DONA ALZIRA,

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA Leite de Côco Desidratado

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA Leite de Côco Desidratado na 1 de 5 1. DESCRIÇÃO Leite de côco Desidratado é um ingrediente alimentício que contém o leite do côco e maltodextrina, sem uso de outros aditivos ou conservantes. As matérias primas foram selecionadas

Leia mais

BIOTECNOLOGIA E ALIMENTOS: DESAFIOS DA DÉCADA

BIOTECNOLOGIA E ALIMENTOS: DESAFIOS DA DÉCADA CRBio2 na Fundação Rio-Zoo Rio de Janeiro 4/09/2014 SIMPÓSIO DE BIOLOGIA: DESAFIOS DA DÉCADA Alimentos transgênicos: economia e qualidade de vida BIOTECNOLOGIA E ALIMENTOS: DESAFIOS DA DÉCADA Dra. MARIA

Leia mais

Escola Superior Agrária de Coimbra DISCIPLINA: PROCESSAMENTO GERAL DOS ALIMENTOS. O Leite UHT

Escola Superior Agrária de Coimbra DISCIPLINA: PROCESSAMENTO GERAL DOS ALIMENTOS. O Leite UHT Escola Superior Agrária de Coimbra DISCIPLINA: PROCESSAMENTO GERAL DOS ALIMENTOS O Leite UHT Coimbra, 15 de Outubro de 2007 Realizado por: António Martins Nº 20603054 Bárbara Abreu Nº 20603072 Gisela Vilão

Leia mais

Instrução Interna N. 07/2015 NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA FEIJÃO INDUSTRIAL

Instrução Interna N. 07/2015 NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA FEIJÃO INDUSTRIAL I Instrução Interna N. 07/2015 DE : Diretoria PARA : Todos os setores NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA FEIJÃO INDUSTRIAL 01 - RECEPÇÃO: Todo feijão será recebido nas seguintes unidades, sendo que deverá ser

Leia mais

Avaliação de parâmetros de qualidade de doce em massa e das matérias primas utilizadas na formulação

Avaliação de parâmetros de qualidade de doce em massa e das matérias primas utilizadas na formulação RESUMO Avaliação de parâmetros de qualidade de doce em massa e das matérias primas utilizadas na formulação Cristina Pereira de SÁ 1 ; Cláudia Helena de MAGALHÃES 2, Wellingta C. Almeida do Nascimento

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO E SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS MATERIAL SAFETY DATA SHEET (MSDS) HIDROCLEAN

FICHA DE INFORMAÇÃO E SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS MATERIAL SAFETY DATA SHEET (MSDS) HIDROCLEAN HIDROCLEAN 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome Comercial do Produto: HIDROCLEAN Identificação da Empresa: Nippon Chemical Ind. e Com. de San. e Det. Prof. Ltda Rua Platina, nº 259 Recreio Campestre

Leia mais

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO DETALHADA DO OBJETO

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO DETALHADA DO OBJETO ITEM 1 CÓDIGO: 10.309 ESPECIFICAÇÃO ÓLEO DE SOJA, Tipo 1 - Embalagem com 900 ml. ANEXO I ESPECIFICAÇÃO DETALHADA DO OBJETO Óleo vegetal de soja, refinado, tendo sofrido processo tecnológico adequado com

Leia mais

Área: Tecnologia de Alimentos SECAGEM DE BANANA EM ESTUFA COMO MÉTODO DE CONSERVAÇÃO

Área: Tecnologia de Alimentos SECAGEM DE BANANA EM ESTUFA COMO MÉTODO DE CONSERVAÇÃO 1/5 Área: Tecnologia de Alimentos SECAGEM DE BANANA EM ESTUFA COMO MÉTODO DE CONSERVAÇÃO Fernanda Jaqueline Menegusso,Ângela Broca, Amauri Anzolin Viecili, Dermânio Tadeu Lima Ferreira * Laboratório de

Leia mais

PADRÕES PARA CLASSIFICAÇÃO - AMENDOIM

PADRÕES PARA CLASSIFICAÇÃO - AMENDOIM PADRÕES PARA CLASSIFICAÇÃO - AMENDOIM Alunos: Ana Claudia Montuan de Sousa Suellen Paulino Poliana Mendes Jhony Silva Manejo e Pós Colheita de Grãos. DEFINIÇÃO Entende-se por amendoim o produto proveniente

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE FARMÁCIA PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE FARMÁCIA PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO DADOS DA DISCIPLINA Nome da Disciplina: Microbiologia de Alimentos Curso: Farmácia Termo: 5º Carga Horária Semanal (h/a): 4 Carga Horária Semestral (h/a): 60 Teórica: 2 Prática: 2 Total:

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA 01/2011 PNAE/SEE-AL/15ª CRE ANEXO III TOTAL GERAL DA 15ª. CRE ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DOS GÊNEROS ALIMENTÍCIOS CEREAIS

CHAMADA PÚBLICA 01/2011 PNAE/SEE-AL/15ª CRE ANEXO III TOTAL GERAL DA 15ª. CRE ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DOS GÊNEROS ALIMENTÍCIOS CEREAIS ANEXO III TOTAL GERAL DA 15ª. CRE CEREAIS ARROZ BRANCO - Comum, classe longo fino, agulha, tipo 2, isento de matéria terrosa, pedras, fungos ou parasitas, livre de umidade, com grãos inteiros. Acondicionado

Leia mais

AULA PRÁTICA PARA DETECÇÃO DA PRESENÇA OU NÃO DE AMIDO EM DOIS TIPOS DE QUEIJOS COMERCIALIZADOS NA FEIRA CENTRAL DE CAMPINA GRANDE-PB

AULA PRÁTICA PARA DETECÇÃO DA PRESENÇA OU NÃO DE AMIDO EM DOIS TIPOS DE QUEIJOS COMERCIALIZADOS NA FEIRA CENTRAL DE CAMPINA GRANDE-PB AULA PRÁTICA PARA DETECÇÃO DA PRESENÇA OU NÃO DE AMIDO EM DOIS TIPOS DE QUEIJOS COMERCIALIZADOS NA FEIRA CENTRAL DE CAMPINA GRANDE-PB Luan Matheus Cassimiro; Romildo Lima Souza; Raphael de Andrade Braga;

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PECUÁRIA E ABASTECIMENTO PORTARIA Nº 795 DE 15 DE DEZEMBRO DE 1993

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PECUÁRIA E ABASTECIMENTO PORTARIA Nº 795 DE 15 DE DEZEMBRO DE 1993 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PECUÁRIA E ABASTECIMENTO PORTARIA Nº 795 DE 15 DE DEZEMBRO DE 1993 NORMA DE IDENTIDADE, QUALIDADE, EMBALAGEM, MARCAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO FARELO DE SOJA 1 OBJETIVO Esta norma tem

Leia mais

ATA DE REUNIÃO DA COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÕES

ATA DE REUNIÃO DA COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÕES 1 Ata de reunião realizada às 09:00horas do dia 19 de fevereiro de 2015, na sala de reuniões da Comissão Permanente de Licitações, junto a sede do Poder Executivo Municipal, onde estiveram presentes os

Leia mais

Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle

Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle Carina Branta Lopes Rios Engenheira de Alimentos 10 de outubro de 2016 História Desenvolvido pela Pillsburry Company em resposta as solicitações da NASA;

Leia mais

A alimentação é importante para os meus dentes e para a minha saúde? Sabias que há alimentos que protegem os dentes?

A alimentação é importante para os meus dentes e para a minha saúde? Sabias que há alimentos que protegem os dentes? Copyright 2014: Todos os direitos reservados Título: Saúde Oral e Alimentação Autores: Ana Lopes Pereira Cristina Sousa Ferreira Pedro Graça Rui Calado Design e Ilustrações: DEBUTSTRASS Lda. Editor: Direção-Geral

Leia mais

CONTROLE DE QUALIDADE E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS EM PRODUÇÃO DE REFEIÇÕES

CONTROLE DE QUALIDADE E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS EM PRODUÇÃO DE REFEIÇÕES CONTROLE DE QUALIDADE E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS EM PRODUÇÃO DE REFEIÇÕES Nutricionista Especialista Tecnologia de Alimentos UFMA Consultor em Implementação de Unidades de Alimentação e Nutrição. Controle

Leia mais

IDÉIAS ORIENTADORAS PARA O MERCADO DE LEITE

IDÉIAS ORIENTADORAS PARA O MERCADO DE LEITE IDÉIAS ORIENTADORAS PARA O MERCADO DE LEITE Março/94 ÍNDICE Págin a 1. CARACTERIZAÇÃO DO PROBLEMA... 1 2. PARÂMETROS ORIENTADORES PARA O MERCADO DO LEITE... 6 3. OPERACIONALIZAÇÃO DOS PARÂMETROS PARA O

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ANIMAIS INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ANIMAIS INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ANIMAIS INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL Derivados lácteos Med. Vet. Karoline Mikaelle de Paiva Soares Leites Fermentados Padrões

Leia mais

Especificação Técnica Sabmix Sabugo Moído

Especificação Técnica Sabmix Sabugo Moído 26/10/26 1.Objetivo Fixar as condições de aceitação o Sabmix e suas principais características físico-químicas, microbiológica, sensoriais, microscópica e macroscópica, granulometria, bem como outras propriedades

Leia mais

a) Aspecto geral: A cebola deve apresentar-se homogénea e parcialmente isenta de defeitos.

a) Aspecto geral: A cebola deve apresentar-se homogénea e parcialmente isenta de defeitos. PÁGINA: 1 1. Descrição geral do produto: - A cebola cubos ultracongelada é preparada a partir das raízes da planta da cebola, frescas, limpas e sãs, de acordo com as características da espécie Allium cepa

Leia mais

Produtos Químicos Ltda. Rua: Castro Alves, 278/280 Diadema SP. Fone: (11) 4053-3939 Fax: (11)4055-1613

Produtos Químicos Ltda. Rua: Castro Alves, 278/280 Diadema SP. Fone: (11) 4053-3939 Fax: (11)4055-1613 pág.:1/6 1- Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: - Código interno de identificação do produto: 00189 - Nome da empresa: Casquimica Produtos Químicos Ltda - Endereço: Rua Castro Alves,

Leia mais

Ministério da Saúde - MS Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA. (Publicada no DOU nº 37, de 22 de fevereiro de 2011)

Ministério da Saúde - MS Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA. (Publicada no DOU nº 37, de 22 de fevereiro de 2011) RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº 7, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2011 (*) (Publicada no DOU nº 37, de 22 de fevereiro de 2011) (Republicada no DOU nº 46, de 9 de março de 2011) Dispõe sobre limites máximos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 7, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2011(*) Dispõe sobre limites máximos tolerados (LMT) para micotoxinas em alimentos.

RESOLUÇÃO Nº 7, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2011(*) Dispõe sobre limites máximos tolerados (LMT) para micotoxinas em alimentos. RESOLUÇÃO Nº 7, DE 18 DE FEVEREIRO DE 11(*) Dispõe sobre limites máximos tolerados (LMT) para micotoxinas em alimentos. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS CALOR/FRIO

CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS CALOR/FRIO CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS CALOR/FRIO PROPRIEDADES TÉRMICAS DOS ALIMENTOS CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS Objetivos Inibir ou retardar o desenvolvimento microbiano e enzimático. Proteger e destruir os microrganismos.

Leia mais

Especificação Técnica Fecomix 425 Integral Farinha de Milho Inteiro

Especificação Técnica Fecomix 425 Integral Farinha de Milho Inteiro 1.Objetivo Fixar as condições de aceitação o Fecomix 425 Integral e suas principais características físico-químicas, microbiológica, sensoriais, microscópica e macroscópica, granulometria, bem como outras

Leia mais

Análise de Perigos. Árvore de decisão Q1 Q2 Q3 Q4. Ref.: IP 4 Inspecção à Recepção IP 5 Inspecção à Recepção: Verificação de Temperaturas

Análise de Perigos. Árvore de decisão Q1 Q2 Q3 Q4. Ref.: IP 4 Inspecção à Recepção IP 5 Inspecção à Recepção: Verificação de Temperaturas Análise de s ETAPA: Recepção das matérias-primas s considerados: Biológicos: bactérias patogénicas (forma vegetativa ou esporulada), parasitas e vírus Químicos: micotoxinas, aminas e toxinas naturais,

Leia mais

TULIO MARCUS DOS REIS Rua Emilio Andreatta, n 420, Ponta Grossa / PR. 42 32384847 / 42 99361344 tuliom.reis@terra.com.br 37 anos, casado OBJETIVO

TULIO MARCUS DOS REIS Rua Emilio Andreatta, n 420, Ponta Grossa / PR. 42 32384847 / 42 99361344 tuliom.reis@terra.com.br 37 anos, casado OBJETIVO TULIO MARCUS DOS REIS Rua Emilio Andreatta, n 420, Ponta Grossa / PR. 42 32384847 / 42 99361344 tuliom.reis@terra.com.br 37 anos, casado OBJETIVO Atuar na área de coordenação de indústria e projetos ligados

Leia mais

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) VANTAGE LIMPA CARPETES E TAPETES

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) VANTAGE LIMPA CARPETES E TAPETES Página 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Código interno: 7519 (12/500 ml) Aplicação: Limpar Carpetes e Tapetes. Empresa: BOMBRIL S/A TELEFONE DE EMERGÊNCIA: 0800 014 8110

Leia mais

PROCESSO Nº 152/2012 PARECER CEE/PE Nº 18/2013-CEB APROVADO PELO PLENÁRIO EM 11/03/2013 I RELATÓRIO:

PROCESSO Nº 152/2012 PARECER CEE/PE Nº 18/2013-CEB APROVADO PELO PLENÁRIO EM 11/03/2013 I RELATÓRIO: INTERESSADO: ASSUNTO: RELATORA: PROCESSO Nº 152/2012 CEPEP - CENTRO DE PROFISSIONALIZAÇÃO E EDUCAÇÃO DE PERNAMBUCO RECIFE/PE CREDENCIAMENTO DA INSTITUIÇÃO PARA A OFERTA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA

Leia mais

Ministério da Saúde - MS Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA. (Publicada em DOU nº 37, de 22 de fevereiro de 2011)

Ministério da Saúde - MS Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA. (Publicada em DOU nº 37, de 22 de fevereiro de 2011) RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº 07, DE 18 DE FEVEREIRO DE 11 (*) (Publicada em DOU nº 37, de 22 de fevereiro de 11) (Republicada em DOU nº 46, de 09 de março de 11) Dispõe sobre limites máximos

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico 1. Identificação do Produto e da Empresa. Nome comercial: Sal de Cromo Chromacid (BR). Código do produto: 1673923 Atotech do Brasil Galvanotécnica Ltda Rua Maria Patrícia da Silva, 205 - Jardim Isabela

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS UM INVESTIMENTO DAS COOPERATIVAS

CATÁLOGO DE PRODUTOS UM INVESTIMENTO DAS COOPERATIVAS CATÁLOGO DE PRODUTOS UM INVESTIMENTO DAS COOPERATIVAS CATALOGO ALEGRA FOODS2016 v002.indd 1 19/02/16 10:02 e famíli D a pr A nossa a maior alegria é levar produtos de qualidade a mesa das famílias CATALOGO

Leia mais

FONTES DE CONTAMINAÇÃO DOS ALIMENTOS. Profa. Msc Márcia Maria de Souza Americano

FONTES DE CONTAMINAÇÃO DOS ALIMENTOS. Profa. Msc Márcia Maria de Souza Americano FONTES DE CONTAMINAÇÃO DOS ALIMENTOS Profa. Msc Márcia Maria de Souza Americano CONTAMINAÇÃO DOS ALIMENTOS POR MICRORGANISMO Vários fatores interferem na vulnerabilidade dos alimentos aos processos de

Leia mais

GERÊNCIA DE INSPEÇÃO PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL NORMAS DE CONSTRUÇÃO CARNE E DERIVADOS

GERÊNCIA DE INSPEÇÃO PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL NORMAS DE CONSTRUÇÃO CARNE E DERIVADOS GERÊNCIA DE INSPEÇÃO PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL NORMAS DE CONSTRUÇÃO CARNE E DERIVADOS NORMAS DE ORIENTAÇÃO PARA OS ESTABELECIMENTOS DE CARNE E DERIVADOS 1. O estabelecimento de produtos de origem animal

Leia mais

Causa grave irritação ocular Pode causar irritação respiratória. Ao manipular utilize vestimenta de proteção adequada (EPI)

Causa grave irritação ocular Pode causar irritação respiratória. Ao manipular utilize vestimenta de proteção adequada (EPI) FOLHA...: 1 / 5 1 Identificação do Produto e da Empresa: Nome do produto: Empresa: Endereço: Av. Gupê, 10497 Telefone: 55 11 4772 4900 Cosmoquimica Indústria e Comércio EIRELI Fax: 55 11 4772 4955 e-mail:

Leia mais

PLANO DE ENSINO I IDENTIFICAÇÃO. CURSO: Nutrição MODALIDADE: DISCIPLINA: Microbiologia Geral de Alimentos ( X ) OBRIGATÓRIA ( ) OPTATIVA

PLANO DE ENSINO I IDENTIFICAÇÃO. CURSO: Nutrição MODALIDADE: DISCIPLINA: Microbiologia Geral de Alimentos ( X ) OBRIGATÓRIA ( ) OPTATIVA PLANO DE ENSINO I IDENTIFICAÇÃO CURSO: Nutrição MODALIDADE: DISCIPLINA: Microbiologia Geral de Alimentos ( X ) OBRIGATÓRIA ( ) OPTATIVA DEPARTAMENTO: Microbiologia e Imunologia DOCENTE RESPONSÁVEL : Sandra

Leia mais

Além de fazer uma ótima escolha, você ainda está ajudando a natureza e garantindo a preservação do meio ambiente.

Além de fazer uma ótima escolha, você ainda está ajudando a natureza e garantindo a preservação do meio ambiente. Obrigado por adquirir um produto Meu Móvel de Madeira. Agora, você tem em suas mãos um produto de alta qualidade, produzido com matérias-primas derivadas de floresta plantada. Além de fazer uma ótima escolha,

Leia mais

TÍTULO: APLICAÇÃO DE TÉCNICAS DE MICROBIOLOGIA PREDITIVA EM PATÊ DE PEITO DE PERU PARA BACTÉRIAS LÁTICAS

TÍTULO: APLICAÇÃO DE TÉCNICAS DE MICROBIOLOGIA PREDITIVA EM PATÊ DE PEITO DE PERU PARA BACTÉRIAS LÁTICAS TÍTULO: APLICAÇÃO DE TÉCNICAS DE MICROBIOLOGIA PREDITIVA EM PATÊ DE PEITO DE PERU PARA BACTÉRIAS LÁTICAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: NUTRIÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE

Leia mais

RDC , BPF, HACCP, ISO 14001, ISO

RDC , BPF, HACCP, ISO 14001, ISO Descupinização A BIOMAX é especializada no Controle Integrado de Vetores e Pragas Urbanas em indústrias de alimentos, medicamentos e embalagens, centros comerciais (shoppings), em redes hoteleiras e hospitalares

Leia mais

Aula 2 Resíduos Sólidos

Aula 2 Resíduos Sólidos RESÍDUOS SÓLIDOS Aula 2 Resíduos Sólidos Coleta seletiva no Brasil Contaminação/ Origem/ Química/ Física/ Biológica Quanto a Contaminação: (NBR 10.004/04 e CONAMA nº23/96) Classe I ou Perigosos: Apresentam

Leia mais

PREVENÇÃO NA PREPARAÇÃO DE ALIMENTOS

PREVENÇÃO NA PREPARAÇÃO DE ALIMENTOS . Como sempre afirmamos em nosso treinamento entender o conceito de prevenção como algo que se aplica apenas ao mundo do trabalho é um grande erro que precisa ser corrigido na cabeça das pessoas. Prevenção

Leia mais

L 70/12 Jornal Oficial da União Europeia

L 70/12 Jornal Oficial da União Europeia L 70/12 Jornal Oficial da União Europeia 9.3.2006 REGULAMENTO (CE) N. o 401/2006 DA COMISSÃO de 23 de Fevereiro de 2006 que estabelece os métodos de amostragem e de análise para o controlo oficial dos

Leia mais

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio : Técnico em Panificação Descrição do Perfil Profissional: O profissional será capaz de planejar, coordenar, orientar e controlar ações próprias do setor de fabricação, relacionadas aos processos financeiro-administrativos

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES

MANUAL DE INSTRUÇÕES MANUAL DE INSTRUÇÕES TRANSFORMADOR A SECO ÍNDICE DESCRIÇÃO PÁGINA 1 Instruções para a instalação.................................... 02 2 Instruções para a manutenção..................................

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO Pág. 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Agecom NFE 40 Código do produto: PQNF001KG Aplicação química: Surfactante Fornecedor: Agecom Produtos de Petróleo Ltda. Rua Dr. Ulisses

Leia mais

A Energia que vem do campo Linha de Produtos

A Energia que vem do campo Linha de Produtos A Energia que vem do campo Linha de Produtos CASTELHANO Santa Cecília 10 anos Visão Estar entre os três maiores produtores de biodiesel no Brasil Missão Participar do desenvolvimento sustentável do planeta

Leia mais

INSTRUÇÕES DE USO PRODUTO DE USO MÉDICO PRODUTO NÃO ESTÈRIL

INSTRUÇÕES DE USO PRODUTO DE USO MÉDICO PRODUTO NÃO ESTÈRIL INSTRUÇÕES DE USO NOME TÉCNICO: Caixa/Estojo para Instrumental Cirúrgico NOME COMERCIAL: Caixa para Instrumental Cirúrgico PRODUTO DE USO MÉDICO PRODUTO NÃO ESTÈRIL ATENÇÃO: Ler atentamente todas as instruções

Leia mais

I MOSTRA ARTE E SUSTENTABILIDADE

I MOSTRA ARTE E SUSTENTABILIDADE EDITAL nº 01/2015 1. ORGANIZAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO I MOSTRA ARTE E SUSTENTABILIDADE A I Mostra Arte e Sustentabilidade é uma exposição de trabalhos artísticos, sem fins lucrativos, produzida e dirigida

Leia mais

Microbilogia de Alimentos I - Curso de Engenharia de Alimentos Profª Valéria Ribeiro Maitan

Microbilogia de Alimentos I - Curso de Engenharia de Alimentos Profª Valéria Ribeiro Maitan 32 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PUC Goiás ESCOLA DE ENGENHARIA CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS Aula nº 7 e 8 Quantificação de Microrganismos: Diluição e Plaqueamento Spreader Plate e Pour

Leia mais

Produção de doce de Abóbora

Produção de doce de Abóbora Instituto Politécnico de Coimbra Escola Superior Agrária de Coimbra Licenciatura em Engenharia Alimentar Ano lectivo 2009/2010 Processamento Geral de Alimentos Produção de doce de Abóbora Trabalho realizado

Leia mais

Avaliação de Perdas em Unidades Armazenadoras

Avaliação de Perdas em Unidades Armazenadoras Grãos 2009 - Simpósio e - 8º Expo Pós-Colheita de Grãos Avaliação de Perdas em Unidades Armazenadoras Luís César da Silva Dr. Engenharia Agrícola Universidade Federal do Espírito Santo - UFES 1 Novembro/

Leia mais

OS EFEITOS ALELOPÁTICOS DO EXTRATO DE PATA DE VACA (Bauhinia forticata BENTH) EM SEMENTES DE SOJA (Glycine max MERR)

OS EFEITOS ALELOPÁTICOS DO EXTRATO DE PATA DE VACA (Bauhinia forticata BENTH) EM SEMENTES DE SOJA (Glycine max MERR) ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 OS EFEITOS ALELOPÁTICOS DO EXTRATO DE PATA DE VACA (Bauhinia forticata BENTH) EM SEMENTES

Leia mais

Pontos críticos na fabricação de sal mineral / ração. Dr. Lucas Eduardo Pilon Médico Veterinário ATC Canal Indústria de Ração DSM - Tortuga

Pontos críticos na fabricação de sal mineral / ração. Dr. Lucas Eduardo Pilon Médico Veterinário ATC Canal Indústria de Ração DSM - Tortuga Pontos críticos na fabricação de sal mineral / ração Dr. Lucas Eduardo Pilon Médico Veterinário ATC Canal Indústria de Ração DSM - Tortuga Outubro de 2016 Quem Somos DSM, Dutch State Mines DSM foi criada

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINAS

PROGRAMA DE DISCIPLINAS U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D A B A H I A SUPERINTENDÊNCIA ACADÊMICA SECRETARIA GERAL DOS CURSOS PROGRAMA DE DISCIPLINAS DISCIPLINAS CÓDIGO NUT 129 N O M E TOXICOLOGIA DOS ALIMENTOS CARGA HORÁRIA

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES SE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIMICO (FISPQ)

FICHA DE INFORMAÇÕES SE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIMICO (FISPQ) FICHA DE INFORMAÇÕES SE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIMICO (FISPQ) Produto: Sabão de Coco Indaiá FISPQ 08 Revisão 2 DATA: 05/10/2010 MANTOVANI INDÚSTRIA QUIMICA LTDA Fone: (16) 3628-4349 Fax:(16) 3628-4349 E-mail:

Leia mais

ITEM DESCRIÇÃO NCM IVA-ST SP PRESENTE NOS ACORDOS

ITEM DESCRIÇÃO NCM IVA-ST SP PRESENTE NOS ACORDOS ITEM DESCRIÇÃO NCM IVA-ST SP PRESENTE NOS ACORDOS 1.1 Chocolate branco, em embalagens de conteúdo inferior ou igual a 1kg 1704.90.10 40,88% NÃO 1.2 Chocolates contendo cacau, em embalagens de conteúdo

Leia mais

Cuidados a serem tomados para que produtos apícolas tenham qualidade

Cuidados a serem tomados para que produtos apícolas tenham qualidade Cuidados a serem tomados para que produtos apícolas tenham qualidade LIDIANA SOUZA CORREIA LIMA Profa. MSc. IFCE Campus Fortaleza O QUE É QUALIDADE? Conjunto de características de todo produto e serviço,

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Unidade Universitária: CCBS Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Curso: Farmácia Disciplina: Microbiologia de alimentos Professor(es):María Beatriz Riverón Acosta Carga horária: 68 Ementa: Ementa:

Leia mais

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO FISPQ Nº: 009/2016 Páginas: 01/09 Revisão: 0 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: MASSA CORRIDA PVA MISTER CRYL Código

Leia mais

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 27 REINO MONERA

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 27 REINO MONERA BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 27 REINO MONERA Enzimas relacionadas à respiração e que estão ligadas à face interna da membrana plasmática Como pode cair no enem? (ENEM) O uso prolongado de lentes de contato,

Leia mais

ABATE DE SUÍNOS. Figura 1. Abate suíno no Brasil e em São Paulo (ABIPECS, 2006)

ABATE DE SUÍNOS. Figura 1. Abate suíno no Brasil e em São Paulo (ABIPECS, 2006) ABATE DE SUÍNOS Katiani Silva Venturini 1 (e-mail: katiani_sv@hotmail.com.) Miryelle Freire Sarcinelli 1 (e-mail: miryelle@hotmail.com.) Luís César da Silva 2 (website: www.agais.com) 1. INTRODUÇÃO A carne

Leia mais

Associação dos Produtores Feirantes de Formiga. Associação dos Produtores Feirantes de Formiga. Associação dos Produtores Feirantes de Formiga

Associação dos Produtores Feirantes de Formiga. Associação dos Produtores Feirantes de Formiga. Associação dos Produtores Feirantes de Formiga AQUISIÇÃO DE GÊNEROS ALIMENTÍCIOS Data Abertura: 25/04/2016 Horário Abertura: 12:30 h Mapa de Apuração dos Vencedores ITEM PRODUTO PRODUTOR 1 Doce de goiaba mole, de ótima qualidade, íntegro, produzido

Leia mais

PRINCÍPIOS BÁSICOS E MÉTODOS DE CONSERVAÇÃO

PRINCÍPIOS BÁSICOS E MÉTODOS DE CONSERVAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS E MÉTODOS DE CONSERVAÇÃO Conservação e Rotulagem de Alimentos 3º Módulo Profª Vivian Pupo de Oliveira Machado ASSEPSIA Recipiente de transporte e de manipulação sujos, falta de cuidado

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos

Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Fabricante: SUN CHEMICAL CORPORATION Distribuidor no Brasil: COSMOTEC Especialidades Químicas Ltda Rua: João Alfredo, 900 Cid. Ind. Satélite Cumbica.

Leia mais

NBR (1992) Aditivos para concreto de cimento Portland

NBR (1992) Aditivos para concreto de cimento Portland NBR 11768 (1992) Aditivos para concreto de cimento Portland Objetivo Esta Norma fixa as condições exigíveis dos materiais a serem utilizados como aditivos para concreto de cimento Portland, de acordo com

Leia mais

POLPA DE MANGA A MANGA: ENCONTRA-SE DIFERENTES VARIEDADES: Drupa, de cor amarela, laranja, vermelha ou verde, quando madura

POLPA DE MANGA A MANGA: ENCONTRA-SE DIFERENTES VARIEDADES: Drupa, de cor amarela, laranja, vermelha ou verde, quando madura A MANGA: POLPA DE MANGA Drupa, de cor amarela, laranja, vermelha ou verde, quando madura Constituída por: açúcar, proteínas, vitaminas(a, B6, C), fibras, anti-oxidantes, polifenois e minerais; Continua

Leia mais

A importância do Controle e eliminação de microrganismos na manutenção da Qualidade no Processo Cervejeiro

A importância do Controle e eliminação de microrganismos na manutenção da Qualidade no Processo Cervejeiro A importância do Controle e eliminação de microrganismos na manutenção da Qualidade no Processo Cervejeiro Julho 2016 Graduação: Bióloga Especialista: Microbiologia Mestre e doutoranda: Engenharia Biomédica

Leia mais

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos)

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) Página 1 de 7 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: Nome do produto: PRATICE LIMPADOR Códigos internos: Pratice Limpador Cerâmica e Porcelanato - 07175 Pratice Limpador Laminados - 07176 Pratice Limpador

Leia mais

FICHA DE SEGURANÇA DESINFETANTE Á BASE DE QUATERNÁRIO DE AMÓNIO LINHA PROFISSIONAL

FICHA DE SEGURANÇA DESINFETANTE Á BASE DE QUATERNÁRIO DE AMÓNIO LINHA PROFISSIONAL Ficha de Segurança de acordo com Regulamento (CE) nº 1907/2006 (REACH). Classificação e Rotulagem de acordo com Regulamento para a Classificação, Embalagem e Rotulagem de Preparações perigosas. 1. Identificação

Leia mais

FACULDADES NORDESTE - FANOR CURSO DE GRADUAÇÃO EM GASTRONOMIA

FACULDADES NORDESTE - FANOR CURSO DE GRADUAÇÃO EM GASTRONOMIA FACULDADES NORDESTE - FANOR CURSO DE GRADUAÇÃO EM GASTRONOMIA CARLA VITORIA CAVALCANTE DE FREITAS LARISSA PEREIRA AGUIAR JANAINA MARIA MARTINS VIEIRA LARISSA PONCIANO LIMA COSTA CARLILSE DA SILVA GOMES

Leia mais

Segurança Alimentar na Restauração. Controlo de Temperaturas na Restauração

Segurança Alimentar na Restauração. Controlo de Temperaturas na Restauração Segurança Alimentar na Restauração Controlo de Temperaturas na Restauração 1 Índice Controlo de temperaturas na restauração... 3 Controlo da temperatura na receção das matérias-primas e produtos alimentares...

Leia mais

PEDROSA DISTRIBUIDORA LTDA

PEDROSA DISTRIBUIDORA LTDA PEDROSA DISTRIBUIDORA LTDA Elaboração: Reginaldo Beserra Alves Engº de Seg. do Trabalho CREA 5.907 D/PB Outubro / 2012 Manaus Amazonas 1 de 20 IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA Razão Social: PEDROSA DISTRIBUIDORA

Leia mais

Água limpa Qualquer água do mar limpa e água doce limpa (Retificação ao Reg. (CE) n.º 852/2004 do Parlamento Europeu e do Conselho de 29 de abril).

Água limpa Qualquer água do mar limpa e água doce limpa (Retificação ao Reg. (CE) n.º 852/2004 do Parlamento Europeu e do Conselho de 29 de abril). GLOSSÁRIO - A - Ação corretiva / Ações corretivas Procedimento ou ação a tomar quando os efeitos da monitorização dos pontos críticos de controlo (PCC s) apresentam uma perda de controlo (Vaz et al., 2000;

Leia mais

FICHA TÉCNICA DE PRODUTO FINAL

FICHA TÉCNICA DE PRODUTO FINAL DESCRIÇÃO: Produto preparado a partir das cultivares de Solanum tuberosum. Deverão apresentar-se frescas, limpas, sãs, no estado de maturação industrial conveniente, lavadas, peladas, cortadas, calibradas

Leia mais

SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA SÃO PAULO E DISTRITO FEDERAL. Produtos Alimentícios. Vigência a partir de ANEXO ÚNICO

SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA SÃO PAULO E DISTRITO FEDERAL. Produtos Alimentícios. Vigência a partir de ANEXO ÚNICO SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA SÃO PAULO E DISTRITO FEDERAL Produtos Alimentícios Vigência a partir de 01-11-2015 ANEXO ÚNICO I - CHOCOLATES 1 1704.90.10 2 3 1806.31.10 1806.31.20 1806.32.10 1806.32.20 4 1806.90

Leia mais

Código interno de identificação: LG-140 MP-41 MC-41 MP-42 MC-42 MP-43 MC-43 MP-61 MC-61 MP-62 MC-62 MP-63 MC-63

Código interno de identificação: LG-140 MP-41 MC-41 MP-42 MC-42 MP-43 MC-43 MP-61 MC-61 MP-62 MC-62 MP-63 MC-63 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Lã de vidro Código interno de identificação: LG-140 MP-41 MC-41 MP-42 MC-42 MP-43 MC-43 MP-61 MC-61 MP-62 MC-62 MP-63 MC-63 Principais usos recomendados

Leia mais

Professor Rogério Imagens meramente ilustrativas, domínio público sites diversos/internet

Professor Rogério Imagens meramente ilustrativas, domínio público sites diversos/internet Ciências Prof. Rogério 2016 Professor Rogério Imagens meramente ilustrativas, domínio público sites diversos/internet Ciências Prof. Rogério 2016 1º MOMENTO - O solo - O Ar - A água SOLOS Parte mais superficial

Leia mais

Objetivo: Preparar produtos derivados de mandioca de forma caseira.

Objetivo: Preparar produtos derivados de mandioca de forma caseira. Ocupação: Produção Artesanal de Alimentos. Grupo: Beneficiamento e Transformação Caseira de Mandioca Módulo: Básico em mandioca Objetivo: Preparar produtos derivados de mandioca de forma caseira. OBJETIVOS

Leia mais