9. Centro financeiro e mercado de capital.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "9. Centro financeiro e mercado de capital."

Transcrição

1 9. Centro financeiro e mercado de capital. Com aproximadamente pessoas empregadas (6 % do total de pessoas activas na Suíça) e um valor agregado equivalente a 11 % do produto interno bruto, o sector financeiro ocupa uma posição central na economia suíça. As competências principais estão no sector de private banking e asset management, mas também na área de seguros. A longa tradição da estabilidade político-económica e da política monetária reflecte-se na baixa inflação, em baixas taxas de juros e no importante papel internacional do franco suíço, principalmente na área de administração de bens e em operações bancárias de investimento. Fig. 44: Centros financeiros globais, 2010 Ranking Centro financeiro 1 Londres 2 Nova Iorque 3 Hong Kong 4 Singapura 5 Shenzhen 6 Zurique 7 Tóquio 8 Chicago 9 Genebra 10 Xangai Fonte: Índice dos Grandes Centros Financeiros Globais 6, City of London 9.1 Bancos Estrutura e condições básicas Existem na Suíça em torno de 330 bancos, 250 empresas de seguro controladas, bem como fundos de pensão. Além dos dois grandes bancos globais, o Grupo Credit Suisse e o UBS, que entre si dividem mais de 50 % dos totais de balanço, os bancos cantonais, assim como os bancos regionais e as caixas económicas, desempenham um papel muito importante. Paralelamente, há uma variedade de instituições financeiras e bancos privados menores, que oferecem, em parte, serviços altamente especializados (por exemplo, financiamento do comércio de commodities). O grupo dos 24 bancos cantonais totalmente ou parcialmente estatais e com garantia fornecida pelo estado têm nas operações comerciais nacionais uma participação no mercado de aproximadamente um terço. Em 2010, a sua participação na soma total do balanço de todos os bancos com sede na Suíça foi de aproximadamente 15 %. A eles juntam-se cerca de 122 bancos controlados estrangeiros com uma participação de aproximadamente 12 % na soma total do balanço. A Suíça é um centro de administração patrimonial profissional para clientes privados e para investidores institucionais. Com uma participação no mercado de 27 % (2009), ela lidera mundialmente o mercado de operações transnacionais de administração de bens. No total, os bancos suíços administraram em 2009 bens na ordem dos mil milhões de francos suíços. 82 Manual para investidores 2012

2 O êxito do centro financeiro da Suíça é uma consequência da concomitância de uma série de factores. A estabilidade macro-económica política constitui uma premissa básica para a confiança dos clientes, tão importante na operação financeira. Adicionalmente, o franco suíço contribui como importante moeda de reserva e de diversificação. A forte rede global e a eficiente infraestrutura financeira permitem aos participantes de mercado administrar os valores patrimónios e riscos com rentabilidade e diversificação internacional. O centro financeiro suíço goza de uma excelente reputação no estrangeiro e é atrativo quer enquanto local de estabelecimento de empresas quer para clientes estrangeiros. Comparativamente com o estrangeiro, as barreiras e os custos de regulação no sistema banqueiro suíço são relativamente baixos. Para a abertura de um banco, corretagem de títulos, administração de fundos e alguns ramos de administração de patrimónios, é necessário obter uma autorização. O órgão de supervisão do mercado financeiro, FINMA, que controla mais de 400 instituições financeiras, informa sobre as exigências em casos específicos. A organização de controle dos bancos é a «Schweizerische Bankiervereinigung» (Associação Suíça de Banqueiros). Associação Banqueira Suíça SBVg recursos financeiros e à capitalização de património dos bancos, mas também ao amplo leque de regras de precaução e conduta a serem observadas. Como medida adicional de segurança, a legislação suíça define até mesmo exigências mais rígidas de capital do que o «Basel Capital Accord» (Acordo de Capitais da Basileia). Autoridade Federal de Supervisão do Mercado Financeiro FINMA Prestação de serviços Os bancos na Suíça colocam à disposição de clientes privados e empresas um amplo leque de produtos financeiros e serviços. Pelo facto de o sistema bancário suíço basear-se no princípio do banco universal, todos os bancos podem oferecer todos os serviços bancários, por exemplo: Operações bancárias de crédito e de investimento de fundos Administração de bens e consultoria de investimentos Movimentação de pagamentos Operações passivas (contas-poupança etc.) Compra e venda de títulos (comércio na bolsa de valores) Lançamento de títulos de renda fixa (emissão de obrigações) Análise financeira Não obstante, vários grupos bancários e especializações desenvolveram-se no país Supervisão Como autoridade federal fiscalizadora independente, a FINMA protege os clientes do mercado financeiro, a saber, credores, investidores e também os assegurados. Com isso, ela fortalece a confiança em um centro financeiro activo, íntegro e competitivo. Adicionalmente, a regulação independente estabeleceu-se enquanto forma de regulação alternativa no centro financeiro suíço. A FIN- MA é solicitada pelo legislador a apoiar a regulação independente e a lhe garantir o espaço necessário. A Associação Banqueira Suíça propõe, entre outras coisas, regulamentações correspondentes que são autorizadas e implementadas pela FINMA. Basicamente, todo adulto pode abrir uma conta bancária na Suíça. Entretanto, os bancos reservam-se o direito de recusar clientes. Assim, um banco pode, por exemplo, recusar-se a aceitar uma relação comercial com as chamadas «pessoas politicamente expostas», já que tais clientes podem representar para o banco um risco de reputação. O mesmo se aplica, em princípio, a empresas, independentemente de estarem domiciliadas na Suíça ou não. A maioria dos bancos suíços não exige um depósito mínimo para contas-corrente ou contas-poupança comuns. Muitos bancos oferecem, além de contas em francos suíços, também contas em euro, dólar americano ou em outras moedas. Todos os bancos que actuam na Suíça necessitam de uma licença. Os padrões de supervisão aplicados referem-se não apenas a Para reclamações concretas contra um banco com sede na Suíça, os clientes podem se dirigir ao ombudsman do banco suíço para informações e intermediação de forma neutra e gratuita. Manual para investidores

3 Bancos cantonais Seguro de depósitos dos bancos suíços e corretores de valores mobiliários Associação de Bancos Estrangeiros na Suíça Vereinigung Schweizerischer Privatbankiers (VSPB) (União dos Banqueiros Privados da Suíça) Tributação de juros Pelo acordo de tributação de juros, a Suíça apoia o sistema da UE de tributação de pagamentos de juros transfronteiriços dos países-membros a pessoas físicas: sobre rendimentos de juros que incidem na Suíça de pessoas sujeitas à tributação na UE, os bancos suíços arrecadam uma retenção de imposto (similar ao imposto suíço de compensação)de 35 %. Com a retenção de imposto, a Suíça garante que o sistema de tributação de juros da UE não seja burlado por desvio na Suíça. Simultaneamente, o sistema legal suíço e o sigilo bancário permanecem assegurados. Tributação de juros Bankenombudsmann (Ombudsman do Banco Suíço) Seguro de depósitos Os investimentos de até francos suíços realizados em instituições financeiras suíças são protegidos. Se o órgão federal de supervisão do mercado financeiro, FINMA, interpor uma acção de proteção ou a liquidação obrigatória para um banco ou corretor de valores mobiliários na Suíça, então, os membros da associação»seguro de Depósitos dos Bancos Suíços e Corretores de Valores Mobiliários» disponibilizarão valores para que os depósitos privilegiados pela lei bancária possam ser pagos o mais rapidamente possível às pessoas com tal direito. Fazem parte dessa associação todos os bancos e corretores de valores mobiliários que mantêm uma agência na Suíça e que aceitam investimentos privilegiados. A obrigação máxima de contribuição dos membros, entretanto, está limitada ao total de 6 bilhões de francos suíços. Através do seguro dos depósitos privilegiados, a associação contribui substancialmente na proteção dos credores, fortalecendo, assim, a reputação e a estabilidade da Suíça como centro financeiro. > Themen > Bilaterale Abkommen CH-EU (> Temas > Acordos bilaterais CH-UE) 9.2 Bolsa de valores da Suíça: SIX Swiss Exchange. A SIX Swiss Exchange é uma das bolsas líderes reguladas da Europa e a bolsa europeia mais importante na área das ciências da vida. Enquanto pilar de sustentação da estrutura do centro financeiro suíço, ela cria as melhores condições comerciais possíveis e liga investidores, emissores e participantes de todo o mundo. O poder do centro financeiro suíço, sua posição como líder mundial na administração de bens transfronteiriços associada à elevada força de financiamento e posicionamento de seus bancos, assim como a atratividade da Suíça em geral como localidade, garantem à bolsa de valores suíça SIX Swiss Exchange um grande poder de atração para empresas nacionais e internacionais. Uma cotação e abertura de capital na bolsa SIX Swiss Exchange proporciona às empresas acesso a um círculo de investidores internacionais experientes e financeiramente potentes. 84 Manual para investidores 2012

4 Qualquer empresa desfruta na SIX Swiss Exchange de destacada presença e atenção dos investidores, analistas e jornalistas. Ao mesmo tempo, os investidores dispõem de experiência de longos anos em estratégias de investimento sectoriais e transnacionais. Com base na estrutura económica da Suíça, os sectores de bancos e seguros, indústrias alimentícias, farmacêuticas, de biotecnologia e biomédicas, tecnologia ambiental, bem como de micro- e nanotecnologia chamam a atenção dos investidores. Para a abertura de capital, as determinações reguladoras próximas do mercado da SIX Swiss Exchange representam uma facilidade adicional. Em virtude da legislação suíça, a SIX Swiss Exchange está investida de competências auto-reguladoras, dispondo assim de excelentes possibilidades para unir uma elevada proteção dos investidores a um campo regulador compatível sob o ponto de vista das empresas. A grande oferta de índices abrange com o SMI o índice de ações mais importante da Suíça e contém, além de outras benchmarks, como o SLI e SPI, também índices de obrigações, de nichos, de setores e de clientes. Através do SIX Exfeed a bolsa fornece os seus dados primários em tempo real a fornecedores de informações financeiras. Com participações na Scoach Schweiz, STOXX, Swiss Fund Data e Indexium a SIX Swiss Exchange explora Joint Ventures de sucesso a favor de vários atores do mercado financeiro. A SIX Swiss Exchange é uma empresa do Grupo SIX Group, que fornece mundialmente serviços de primeira classe nas áreas do comércio e execução de títulos, bem como das informações financeiras e de pagamentos. Além do amplo leque de produtos, é em especial o sistema integrado e totalmente automático de comércio, clearing e settlement que satisfaz a «Swiss-Value Chain» (Cadeia de Valores Suíça). Bolsa Suíça Idiomas: Alemão, Inglês, Francês 9.3 Financiamento de negócios e imóveis. Projectos de implementação geralmente têm um objectivo de médio ou longo prazo. Via de regra, eles exigem significativos investimentos iniciais e financiamentos de projectos. Os bancos dão maior valor a análises de mercados consolidados e a uma gestão profissional Financiamento de actividades comerciais em funcionamento Para suprir as necessidades de capital de giro, os bancos concedem diferentes tipos de empréstimos de curto prazo. Podem ser concedidos como créditos abertos ou por garantia através de penhor. O escopo no qual os créditos são concedidos depende da idoneidade e das perspectivas da empresa. Além das formas habituais de crédito bancário, os financiamentos de leasing e compra sem direito de regresso de recebíveis a prazo ganharam peso. Para empreendimentos jovens, com crescimento rápido e start-ups, é importante definir, no momento da escolha da localidade, quais possibilidades de financiamento da fase inicial e da segunda etapa estão disponíveis. Também para isso, a variedade e qualidade dos prestadores de serviços no centro financeiro da Suíça oferecem condições excelentes, tais como fianças, empréstimos conversíveis e financiamentos de capital individual através de business-angels, venture capital e investidores privados de participações. Quando se trata da abertura de uma nova filial na Suíça, um financiamento em francos suíços deveria estar em primeiro plano. Os custos deste são geralmente mais favoráveis do que um financiamente em moeda estrangeira Hipotecas Se a criação ou instalação de uma empresa estiver associada à aquisição de um imóvel ou à implantação de uma fábrica, então o crédito garantido por hipoteca ganha muita importância. Na Suíça, há, basicamente, três tipos de hipotecas: hipoteca fixa, hipoteca variável e hipoteca do mercado monetário. Enquanto que a taxa de juros da hipoteca variável adapta-se continuamente ao nível do mercado de capitais, na hipoteca fixa os juros são fixados tipicamente de três a cinco anos. No caso da hipoteca do mercado monetário, os juros orientam-se pela taxa interbancária da zona do euro Libor (London Interbank Offered Rate). Os prestadores desse tipo de serviço incluem uma margem que depende da credibilidade do tomador do crédito. O investimento para imóveis ocorre em até 80 % do valor movimentado; até 65 %, como primeira hipoteca que não precisa ser amortizada, como normalmente acontece em outros países e, acima desse valor, como segunda hipoteca, que deve ser amortizada. O banco examina a idoneidade do objecto e do tomador de crédito de Manual para investidores

5 acordo com as suas directrizes. Regra geral, a exigência mínima é que um comprador possa obter pelo menos 20 % do preço da compra por meios próprios. Como segunda exigência, o ónus anual resultante da compra (juros, amortização e sustento) não deve exceder um terço da renda bruta. As taxas de juros são negociáveis. Por isso, vale a pena solicitar ofertas de várias instituições. No caso de imóveis comerciais, o investimento baseia-se cada vez mais no valor da receita. Em casos normais, para projetos industriais, pode ser financiado até 50 % do valor total da instalação valor de mercado ou custos de construção, inclusive máquinas e equipamentos contra garantia por penhor imobiliário e sob condições bastante favoráveis. Para prédios de escritório e de prestação de serviços, a taxa de investimento normalmente é em torno de 70 %, porém, também varia de acordo com os riscos (do objeto). As taxas de juros e condições aplicadas nesse procedimento e em geral para projetos empresariais de investimento atualmente dependem da solvência do empreendimento e da sua classificação pelo banco que concederá o crédito. A avaliação do risco e das perspectivas também desempenha um papel central. Quem possui um imóvel residencial deve pagar os impostos junto ao governo federal e cantão como se fosse renda. Como regra geral para o imposto federal, vigora um valor de locação própria de pelo menos 70 %. Para impostos de cantões e comunas, o valor mínimo é de 60 % das locações médias de mercado. Em contrapartida, proprietários de casas podem deduzir juros sobre a dívida e custos de manutenção. Por esse motivo, a primeira hipoteca é amortizada apenas em casos raros. Fig. 45: Juros hipotecários, Hipotecas variáveis Hipotecas pela taxa Libor Hipotecas fixas de 5 anos Fonte: VZ Vermögenszentrum (Centro Patrimonial), 86 Manual para investidores 2012

6 Aspetos financeiros relativos ao património imobiliário Empresas e fundos de capital de risco > Finanzen & Steuern (> Finanças & Impostos) Idiomas: Alemão, Francês > KMU > Risikokapital (> KMU > Capital de Risco) Cálculo da sustentabilidade financeira > (Berechnungstools) Ferramenta de cálculo) Swiss Private Equity & Corporate Finance Association (SECA) (Associação Suíça de Capital de Participação Privado e de Finanças Corporativas) Idiomas: Alemão, Inglês, Francês 9.4 Capital de risco. Desde 1999 as empresas com capital de risco investiram cerca de 6 bilhões de francos suíços em jovens empresas inovadoras, criando assim entre 10 a 20 postos de trabalho por empresa. O Venture Capital (VC) é, para além dos programas de incentivo federais e créditos dos bancos de negócios, com um número de 80 a 150 transações anuais um pilar importante da capacidade inovadora da Suíça. As autoridades federais também apoiam a disponibilização de capital de risco, através da legislação federal sobre empresas de capital de risco (ECR). Existem dois tipos de facilidade tributária: As empresas ECR reconhecidas estão isentas da contribuição de emissão quando da fundação e do aumento de capital As pessoas físicas, na qualidade de Business Angels (BA), que auxiliam novos empreendimentos quando da fundação e desenvolvimento, desfrutam de facilidades no imposto federal direto, se elas concederem, para a preparação da fundação de novas empresas, empréstimos subordinados, provenientes de património privado A oferta de capital de risco e de recursos financeiros similares a este muda muito e, por isso, é muito pouco transparente. Por esse motivo, as universidades, empresas de consultoria e comunidade empresarial mantêm, em conjunto, diversas plataformas, também electrónicas, a fim de reunir empreendimentos e investidores Venture capital Certas empresas financeiras especializaram-se na concessão de capital de risco, ou venture capital. Essas empresas, denominadas empresas de venture capital, têm participações no capital social, com a expectativa de obter lucros elevados, caso a empresa venha a prosperar algum dia, ou mesmo passe a ser negociada na bolsa de valores. Elas disponibilizam seus recursos sem exigir as garantias tradicionais. Regra geral, apenas as empresas jovens com forte potencial de crescimento e de volume de negócio, bem como com recursos na ordem de vários milhões de francos é que são consideradas. Os investidores que oferecem venture capital veem-se como guias durante a fase de estruturação do projeto de financiamento. Depois que a tarefa é cumprida, eles se retiram e vendem suas participações aos fundadores das empresas ou a outros investidores. Venture Capital > KMU-Themen > Finanzen Eigenkapital (> Temas KMU > Finanças Capital individual) Plataforma de informações, rede para empresas Manual para investidores

7 9.4.2 Business Angels Inúmeras empresas jovens e promissoras necessitam, para sua fase inicial, de um financiamento estatal na fase de implantação (seed finance) inferior a 2 milhões de francos suíços. Hoje em dia, há uma crescente disponibilidade de capital de risco. O volume mínimo de uma transação de financiamento foi ampliado pelos investidores de capital de risco e pelas empresas de participações. Hoje, poucos investidores de capital de risco profissionais discutem financiamentos abaixo de 2 milhões de francos suíços. Por isso, são cada vez mais os chamados business angels investidores individuais que financiam as novas fundações (startups). Para além do capital, os típicos business angels dispõem de experiências e relações adquiridas de forma ideal enquanto empresários, pelo que frequentemente são consultores ou mentores dos jovens empresários. Portanto, os business angels investem duas vezes ou até três vezes mais nas empresas: nomeadamente, capital, experiência e tempo, pelo que a jovem empresa obtém o chamado Smart Money. Regra geral, os business angels, bem como os investidores de venture capital perseguem claros objetivos de rendimentos. O objetivo é iniciar, desenvolver, estabelecer empresas jovens para finalmente as tornar atrativas para futuros investidores. Nesse sentido, as jovens empresas são geralmente acompanhadas estreitamente pelos business angels, que também exigem perspectivas correspondentes nos planos de negócio. Business Angels Schweiz Idiomas: Alemão, Francês Apoio estatal Mesmo que a Suíça disponha de relativamente poucos recursos auxiliares financeiros diretos e se restrinja principalmente à obtenção de condições básicas favoráveis, o país dispõe de um instrumental amplo para dar suporte às empresas, abrangendo desde apoio administrativo e facilidades tributárias até garantias de fiança. As agências de promoção econômica dos cantões tampouco participam diretamente de uma empresa. Porém, elas podem auxiliar com a intermediação de terrenos idôneos ou com incentivos fiscais na fase inicial ou de ampliação da empresa. A «Eidgenössische Stiftung zur Förderung schweizerischer Volkswirtschaft durch wissenschaftliche Forschung» (Fundação Federal de Incentivo à Economia Suíça pela Pesquisa Científica) concede empréstimos sem juros e, em casos excepcionais, participa até mesmo do capital de risco. Porém, ela também espera do fundador da empresa um empenho financeiro pessoal. Fig. 46: Instrumentos de incentivo do governo Instrumento Favorecido Regiões Medidas Nova política regional NRP Indústria, serviços próximos à produção Áreas de aplicação, conforme Portaria do EVD (Depto. Federal de Economia) Facilidades fiscais no imposto federal direto Garantias a indústrias Garantias para regiões montanhosas Fonte: Diagram Generis AG, Schaffhausen PME (empresas de pequeno e médio porte), indústrias PME (empresas de pequeno e médio porte), indústrias Toda a Suíça Regiões montanhosas Crédito a hóteis Hotelaria Regiões de turismo e montanhosas Ações de fomento a atividades autônomas remuneradas Comissão para a Tecnologia e Inovação KTI/ CTI Garantias para empréstimos bancários (máx francos suíços) Garantias para empréstimos bancários (máx francos suíços) Contribuições de custos de juros Empréstimos diretos a prazo indeterminado Contribuições de custos de juros (parcial) Desempregados Em toda a Suíça Diárias (máx. 90 dias para fase de planeamento) Garantias para empréstimos bancários (máx francos suíços) Projetos para cooperação de pesquisa em escolas superiores e empresas Toda a Suíça Pagamento dos salários dos pesquisadores 88 Manual para investidores 2012

8 Suporte do governo para financiamento > KMU-Themen > Finanzen Eigenkapital (> Temas KMU > Finanças Capital Individual) Escritórios de Desenvolvimento Económico Cantonal Endereços: páginas Custos de capital e juros. A Suíça está entre os países mais seguros do mundo sob o ponto de vista político e econômico e é visto como um «porto seguro». O orçamento das finanças do estado é saudável. Isso é válido tanto para os assuntos financeiros do governo central, no plano federal, como também para os cantões e as comunas. O déficit do estado de 2010 que, em relação ao PIB é de 1,32 %, é nitidamente mais baixo do que valores médios da UE e dos paísesmembros da OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Económico). As dívidas totais do poder público (governo federal, cantões e comunas) perfazem 39 % do PIB (2010) Fig. 47: Classificação da solvência: os dez países mais seguros, 2011 Ranking País Pontos (máximo = 100) 1 Noruega 93,44 2 Luxemburgo 91,03 3 Suíça 89,59 4 Dinamarca 89,21 5 Suécia 88,74 6 Cingapura 87,48 7 Finlândia 86,96 8 Países Baixos 86,67 9 Canadá 86,17 10 Australia 85,36 Fonte: Euromoney, março 2011 A elevada quantidade de aplicações em poupança juntamente com grandes afluxos de dinheiro estrangeiro e a alta credibilidade leva a juros baixos. Dessa forma, as actividades comerciais e de investimento podem ser financiadas com custos favoráveis. Nos últimos anos, a diferença média dos juros do mercado monetário e do mercado de capital em francos suíços e em euro oscilou entre 1 % e 2 %. As taxas de juros e as condições, conforme a solvência do cliente, podem oscilar consideravelmente. Fig. 48: Custos de capital, = obstruem o desenvolvimento da economia, 10 = incentivam o desenvolvimento da economia 1 Suíça 7,53 2 Hong Kong 7,24 3 Finnlanda 7,04 4 Taiwan 6,81 5 EUA 6,75 10 Alemanha 6,44 14 Japão 6,21 16 Luxemburgo 6,00 17 Países Baixos 5,95 18 Dinamarca 5,88 21 Singapura 5,59 22 Índia 5,46 31 França 4,88 37 Irlanda 4,73 40 Itália 4,66 44 China 4,42 46 Grã-Bretanha 4,14 55 Rússia 2,81 57 Brasil 2,64 Fonte: Competitividade Mundial Online 2011, IMD Índice de preços ao consumidor (IPC) do país Eidgenössische Finanzverwaltung EFV (Administração Federal das Finanças) Manual para investidores

9 9.6 Inflação. A Suíça sempre fez jus à sua fama de país voltado para a estabilidade. A taxa de inflação medida, com base no índice de preços ao consumidor do país nos últimos anos, ficou clara e regularmente abaixo dos países da UE, bem como das mais importantes nações industrializadas e dos 5 países membros ASEAN. Fig. 49: Inflação, % 30 % 25 % 20 % 15 % 10 % 5 % 0 % Mundo Principais países industrializados (G7) União Europeia ASEAN-5 Suíça Fonte: Relatório IMF WEO, abril Manual para investidores 2012

6. Mercados de capital e financiamento

6. Mercados de capital e financiamento Frédéric Monnerat, (canton of Geneva) 6. Mercados de capital e financiamento Índice 6.1 O centro financeiro da Suíça 2 6.2 O Banco Nacional da Suíça 2 6.3 O sistema bancário suíço 2-3 6.4 Obtenção de crédito

Leia mais

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Prof. Onivaldo Izidoro Pereira Finanças Corporativas Ambiente Econômico Em suas atividades uma empresa relacionase com: Clientes

Leia mais

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto o O que é Abertura de Capital o Vantagens da abertura o Pré-requisitos

Leia mais

Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS)

Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS) Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS) África do Sul: Taxa predominante cobrada pelos bancos de contas garantidas prime. Alemanha: Taxa sobre crédito de conta-corrente de

Leia mais

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade II Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Definição do mercado financeiro Representa o Sistema Financeiro Nacional Promove o fluxo de recursos através

Leia mais

ENTIDADES AUTO-REGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO

ENTIDADES AUTO-REGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO BM&FBOVESPA A BM&FBOVESPA é muito mais do que um espaço de negociação: lista empresas e fundos; realiza negociação de ações, títulos, contratos derivativos; divulga cotações; produz índices de mercado;

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Sistema Financeiro Nacional Dinâmica do Mercado Mercado Bancário Conteúdo 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro Nacional (SFN) é composta

Leia mais

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços...

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... BANCOS MÚLTIPLOS LISTA DE TABELAS Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... RESUMO Neste trabalho serão apresentadas as principais características e serviços disponibilizados pelos

Leia mais

Acções. Amortização. Autofinanciamento. Bens

Acções. Amortização. Autofinanciamento. Bens Palavra Acções Significado Títulos que representam uma parte ou fracção de uma sociedade anónima e que dão ao seu proprietário o direito à parcela correspondente de votos, lucros líquidos e activos da

Leia mais

Santander Totta. Santander Totta. Especializado no Negócio de PME

Santander Totta. Santander Totta. Especializado no Negócio de PME Santander Totta Santander Totta Especializado no Negócio de PME O Banco Santander Totta está integrado num dos maiores Grupos Financeiros a nível Mundial. Distingue-se pela sua capacidade de oferecer as

Leia mais

ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014

ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014 ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014 REPÚBLICA DA COLÔMBIA POPULAÇÃO 48 Milhões SUPERFÍCIE 1.141.748 Km2 CAPITAL Bogotá 7,3 milhões PRINCIPAIS CIDADES

Leia mais

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO CONHECIMENTOS BANCÁRIOS 1. O Sistema Financeiro Nacional (SFN) é constituído por todas as instituições financeiras públicas ou privadas existentes no país e seu órgão normativo

Leia mais

REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Destaque

REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Destaque REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Destaque Walter Douglas Stuber e Adriana Maria Gödel Stuber WALTER DOUGLAS STUBER é sócio fundador de Amaro, Stuber e Advogados Associados, e ADRIANA MARIA GÖDEL é advogada

Leia mais

O Sistema Financeiro Nacional

O Sistema Financeiro Nacional O Sistema Financeiro Nacional 1 O Sistema Financeiro Nacional Foi constituído com base nas leis: 4595 de 31-12-64 Estrutura o Sistema Financeiro Nacional 4728 de 14-7- 65 Lei do Mercado de Capitais O Sistema

Leia mais

PROPOSTA DO IBMEC PROJETO ACESSO DAS EMPRESAS AO MERCADO DE CAPITAIS SÃO PAULO 29/06/2012

PROPOSTA DO IBMEC PROJETO ACESSO DAS EMPRESAS AO MERCADO DE CAPITAIS SÃO PAULO 29/06/2012 PROPOSTA DO IBMEC PROJETO ACESSO DAS EMPRESAS AO MERCADO DE CAPITAIS CEMEC SÃO PAULO 29/06/2012 C.A.ROCCA INDICE 1. Bases da proposta do IBMEC 2. Mercado de capitais brasileiro: regulação, funcionalidade

Leia mais

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS Governança Corporativa se faz com Estruturas O Itaú se orgulha de ser um banco essencialmente colegiado. A Diretoria atua de forma integrada e as decisões são tomadas em conjunto, buscando sempre o consenso

Leia mais

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS Unidade III 6 O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O sistema financeiro nacional é o conjunto de instituições e instrumentos financeiros que possibilita a transferência de recursos

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária I

Administração Financeira e Orçamentária I Administração Financeira e Orçamentária I Sistema Financeiro Brasileiro AFO 1 Conteúdo Instituições e Mercados Financeiros Principais Mercados Financeiros Sistema Financeiro Nacional Ações e Debêntures

Leia mais

O que é o Mercado de Capitais. A importância do Mercado de Capitais para a Economia. A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro

O que é o Mercado de Capitais. A importância do Mercado de Capitais para a Economia. A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro 1 2 O que é o Mercado de Capitais A importância do Mercado de Capitais para a Economia A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro O que é Conselho Monetário Nacional (CNM) O que é Banco Central (BC)

Leia mais

Programa de Estímulo ao Mercado de Capitais

Programa de Estímulo ao Mercado de Capitais Programa de Estímulo ao Mercado de Capitais Guido Mantega Ministro da Fazenda São Paulo, 16 de junho de 2014 1 Apresentação de medidas para: 1 VIABILIZAR a capitalização das empresas de porte médio 2 ATRAIR

Leia mais

Soluções CA para a Agricultura, Agro-Indústria Floresta e Mar

Soluções CA para a Agricultura, Agro-Indústria Floresta e Mar Soluções CA para a Agricultura, Agro-Indústria Floresta e Mar Quem somos O Grupo Crédito Agrícola é um Grupo Financeiro de âmbito nacional, integrado por um vasto número de bancos locais Caixas Agrícolas

Leia mais

Lusoflora 2015. Crédito Agrícola. Santarém, 27 de Fevereiro

Lusoflora 2015. Crédito Agrícola. Santarém, 27 de Fevereiro Lusoflora 2015 Crédito Agrícola Santarém, 27 de Fevereiro Agenda 1. Quem somos 2. Proposta Valor 3. Soluções Crédito Agrícola para EMPRESAS/ ENI 4. CA Seguros 2 Quem somos O Grupo Crédito Agrícola é um

Leia mais

A Concepção da Ideia

A Concepção da Ideia A Concepção da Ideia Inov@emprego - Fórum do emprego, formação e empreendedorismo do litoral alentejano Tiago Santos Sines, 7 de Novembro de 2008 Sines Tecnopolo O Sines Tecnopolo é uma associação de direito

Leia mais

Apenas para referência CEPA. Sector ou. 7. Actividade Financeira. Subsector

Apenas para referência CEPA. Sector ou. 7. Actividade Financeira. Subsector CEPA B. Actividade bancária e outros serviços financeiros [excluindo actividade seguradora e serviços de compra e venda de títulos financeiros (securities)] a. Aceitação de depósitos e outros fundos reembolsáveis

Leia mais

O que é Finanças? instituições, mercados e instrumentos envolvidos na transferência de fundos entre pessoas, empresas e governos.

O que é Finanças? instituições, mercados e instrumentos envolvidos na transferência de fundos entre pessoas, empresas e governos. Demonstrações Financeiras O Papel de Finanças e do Administrador Financeiro Professor: Roberto César O que é Finanças? Podemos definir Finanças como a arte e a ciência de administrar fundos. Praticamente

Leia mais

Derivativos Oportunidades e Alternativas de Proteção. 17 de setembro de 2008

Derivativos Oportunidades e Alternativas de Proteção. 17 de setembro de 2008 Derivativos Oportunidades e Alternativas de Proteção 17 de setembro de 2008 Presença Global do Unibanco O Unibanco é um dos maiores conglomerados financeiros do Brasil, presente nos principais centros

Leia mais

Letras Financeiras - LF

Letras Financeiras - LF Renda Fixa Privada Letras Financeiras - LF Letra Financeira Captação de recursos de longo prazo com melhor rentabilidade O produto A Letra Financeira (LF) é um título de renda fixa emitido por instituições

Leia mais

BNDES Prosoft. Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação

BNDES Prosoft. Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação BNDES Prosoft Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação Objetivo - Contribuir para o desenvolvimento da indústria nacional de software

Leia mais

Workshop - Mercado Imobiliário

Workshop - Mercado Imobiliário Workshop - Mercado Imobiliário Workshop - Mercado Imobiliário Workshop - Mercado Imobiliário 1. O que está acontecendo com o Brasil? 2. Por que o Brasil é a bola da vez? 3. Por que o Mercado imobiliário

Leia mais

Securitização De Créditos Imobiliários

Securitização De Créditos Imobiliários Securitização De Créditos Imobiliários Operações Imobiliárias A 1. O que é securitização de créditos imobiliários? Securitização é um processo estruturado, coordenado por uma instituição especializada

Leia mais

A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco

A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco IP/98/305 Bruxelas, 31 de Março de 1998 A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco A Comissão Europeia lançou uma vasta iniciativa para promover o desenvolvimento de um importante mercado

Leia mais

Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012

Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012 Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012 Analistas indicam quais cuidados tomar no mercado financeiro em 2012 e quais investimentos oferecem menor probabilidade

Leia mais

SICOOB NORTE. Resultados

SICOOB NORTE. Resultados SICOOB NORTE Resultados 2014 MENSAGEM DA DIRETORIA O Sicoob Norte conseguiu ótimos resultados, numa clara demonstração da força do trabalho cooperativo, na busca por maior participação no mercado financeiro

Leia mais

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. Bancos Comerciais. Bancos Comerciais. prof.bancario@gmail.com

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. Bancos Comerciais. Bancos Comerciais. prof.bancario@gmail.com Concurso 2011 Prof. Cid Roberto prof.bancario@gmail.com Mercado Financeiro Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) 5ª aula Início da aula Instituições Operadoras Livro Como esticar seu dinheiro Ricardo

Leia mais

O entendimento e os benefícios de aplicação da Lei Federal de Inovação Tecnol. Florianópolis

O entendimento e os benefícios de aplicação da Lei Federal de Inovação Tecnol. Florianópolis O entendimento e os benefícios de aplicação da Lei Federal de Inovação Tecnol ológica Florianópolis polis,, 02 de abril de 2008. 1 CRONOLOGIA OS TRABALHOS: 1. Indicativos do quadro brasileiro de inovação;

Leia mais

Banco Santander (Brasil) S.A.

Banco Santander (Brasil) S.A. Banco Santander (Brasil) S.A. Resultados em BR GAAP 4T14 3 de Fevereiro de 2015 INFORMAÇÃO 2 Esta apresentação pode conter certas declarações prospectivas e informações relativas ao Banco Santander (Brasil)

Leia mais

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - POLÍTICA ECONÔMICA & MERCADO FINANCEIRO

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - POLÍTICA ECONÔMICA & MERCADO FINANCEIRO CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - POLÍTICA ECONÔMICA & MERCADO FINANCEIRO Prof.Nelson Guerra Ano 2012 www.concursocec.com.br INTRODUÇÃO Trata-se da política utilizada pelo Governo para obter desenvolvimento

Leia mais

Mirae Asset Securities (Brasil) C.T.V.M. Ltda www.miraeasset.com.br

Mirae Asset Securities (Brasil) C.T.V.M. Ltda www.miraeasset.com.br ENTIDADES AUTORREGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO BM&FBOVESPA A BM&FBOVESPA é uma companhia de capital brasileiro formada, em 2008, a partir da integração das operações da Bolsa de Valores

Leia mais

Perspectivas para o setor de TI. BM&F Bovespa. 26 de junho de 2013 BRASSCOM

Perspectivas para o setor de TI. BM&F Bovespa. 26 de junho de 2013 BRASSCOM Perspectivas para o setor de TI BM&F Bovespa 26 de junho de 2013 BRASSCOM Associados BRASSCOM 1 Mercado Mundial de TI Crescimento Mercado TI BRASIL (2012/2011) 10,8% Crescimento Mercado TI Mundo (2012/2011)

Leia mais

Financiamento. Financiamento

Financiamento. Financiamento É preciso ter em conta o valor de: Imobilizações corpóreas Imobilizações incorpóreas Juros durante a fase de investimento Capital circulante permanente 1 O capital circulante tem que financiar o ciclo

Leia mais

IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO

IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO hhh IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) O Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) é aplicável quer ao rendimento obtido por entidades residentes

Leia mais

Artigo 7.º Fiscalização

Artigo 7.º Fiscalização Artigo 7.º Fiscalização 1 - Todas as pessoas, singulares ou coletivas, de direito público ou de direito privado, a quem sejam concedidos benefícios fiscais, automáticos ou dependentes de reconhecimento,

Leia mais

- PERFIL DO GRUPO - O Portfólio de negócios, obedece a um critério de maturidade e geração de valor, no qual o Grupo, concilia:

- PERFIL DO GRUPO - O Portfólio de negócios, obedece a um critério de maturidade e geração de valor, no qual o Grupo, concilia: GRUPO FERREIRA A GFH, é um Grupo sólido e inovador, detendo um curriculum de projectos de qualidade reconhecida, com um portfólio de negócios diversificado, e que aposta no processo de internacionalização,

Leia mais

Fomento à Inovação e Negócios em Ciências da Vida em Belo Horizonte

Fomento à Inovação e Negócios em Ciências da Vida em Belo Horizonte Fomento à Inovação e Negócios em Ciências da Vida em Belo Horizonte Atração de Investimentos, Promoção Comercial e Projeção Internacional Eduardo Bernis Secretaria Municipal de Desenvolvimento Belo Horizonte

Leia mais

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL INSTITUIÇÕES. Lei 4.595/64 FINANCEIRAS COLETA INTERMEDIAÇÃO APLICAÇÃO CUSTÓDIA

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL INSTITUIÇÕES. Lei 4.595/64 FINANCEIRAS COLETA INTERMEDIAÇÃO APLICAÇÃO CUSTÓDIA SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL INSTITUIÇÕES Lei 4.595/64 FINANCEIRAS COLETA INTERMEDIAÇÃO APLICAÇÃO CUSTÓDIA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA JUROS PAGOS PELOS TOMADORES - REMUNERAÇÃO PAGA AOS POUPADORES SPREAD

Leia mais

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Henrique de Campos Meirelles Novembro de 20 1 Fundamentos macroeconômicos sólidos e medidas anti-crise 2 % a.a. Inflação na meta 8 6 metas cumpridas

Leia mais

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 Factores Determinantes para o Empreendedorismo Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 IAPMEI Instituto de Apoio às PME e à Inovação Principal instrumento das políticas económicas para Micro e Pequenas

Leia mais

Os Princípios de Prevenção aos Crimes de Lavagem de Dinheiro para Bancos Correspondentes

Os Princípios de Prevenção aos Crimes de Lavagem de Dinheiro para Bancos Correspondentes Os Princípios de Prevenção aos Crimes de Lavagem de Dinheiro para Bancos Correspondentes 1 Introdução O Grupo de Instituições Financeiras Wolfsberg 1 ¹ considera que estes princípios constituem uma orientação

Leia mais

Seus serviços vão além das fronteiras?

Seus serviços vão além das fronteiras? Seus serviços vão além das fronteiras? Negócios Internacionais Oportunidades para o setor de serviços Globalização Transformações de ordem política, econômica e cultural mundial Mais intensidade nas últimas

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão dos Assuntos Económicos e Monetários DOCUMENTO DE TRABALHO. sobre os fundos hedge e os instrumentos derivados

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão dos Assuntos Económicos e Monetários DOCUMENTO DE TRABALHO. sobre os fundos hedge e os instrumentos derivados PARLAMENTO EUROPEU 1999 2004 Comissão dos Assuntos Económicos e Monetários 5 de Agosto de 2003 DOCUMENTO DE TRABALHO sobre os fundos hedge e os instrumentos derivados Comissão dos Assuntos Económicos e

Leia mais

N A P NORMA DE APLICAÇÃO PERMANENTE

N A P NORMA DE APLICAÇÃO PERMANENTE D.S. 01/07/2004 05/07/2004 06/2004 1/5 Assunto: Regras funcionamento para os Bancos Investimento.- O BCSTP, no uso das competências e atribuições, que lhe são concedidas pelos artigos 8.º, alínea c) e

Leia mais

1 - Estrutura do Sistema Financeiro Nacional: 2 - Sistema de Seguros Privados e Previdência Complementar:

1 - Estrutura do Sistema Financeiro Nacional: 2 - Sistema de Seguros Privados e Previdência Complementar: EDITAL 2012 1 - Estrutura do Sistema Financeiro Nacional: Conselho Monetário Nacional; Banco Central do Brasil; Comissão de Valores Mobiliários; Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional; bancos

Leia mais

Proposta do Ibmec estratégia nacional de acesso ao mercado de capitais

Proposta do Ibmec estratégia nacional de acesso ao mercado de capitais ESTUDOS E PESQUISAS Nº 417 Proposta do Ibmec estratégia nacional de acesso ao mercado de capitais Carlos A. Rocca * XXIV Fórum Nacional Rumo ao Brasil Desenvolvido (Em Duas Décadas): Estratégia de Desenvolvimento

Leia mais

Bancos brasileiros prontos para um cenário de crescimento sustentado e queda de juros

Bancos brasileiros prontos para um cenário de crescimento sustentado e queda de juros 1 Bancos brasileiros prontos para um cenário de crescimento sustentado e queda de juros Tomás Awad Analista senior da Itaú Corretora Muito se pergunta sobre como ficariam os bancos num cenário macroeconômico

Leia mais

Madeira: Global Solutions for Wise Investments

Madeira: Global Solutions for Wise Investments Madeira: Global Solutions for Wise Investments Madeira: Global Solutions for Wise Investments O Centro Internacional de Negócios da Madeira Lisboa, 20 de Abril de 2010 Índice 1. Fundamentos do CINM 2.

Leia mais

Mercado de Capitais e o Investimento Imobiliário. 1 Fórum de Investimentos Imobiliários

Mercado de Capitais e o Investimento Imobiliário. 1 Fórum de Investimentos Imobiliários Mercado de Capitais e o Investimento Imobiliário 1 Fórum de Investimentos Imobiliários Abril, 2014 Mercado Imobiliário e Mercado de Capitais Relembrando o Passado Recente Maior renda da população Evolução

Leia mais

Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa

Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa Antônio Gustavo Matos do Vale Diretor de Liquidações e Desestatização 4 de outubro de 2010 1 Evolução recente da economia brasileira O momento

Leia mais

O que é e como funciona uma operação de swap

O que é e como funciona uma operação de swap O que é e como funciona uma operação de swap! O que é Swap! O que é Hedge! Mecanismo básico de funcionamento de uma operação de Swap Autores: Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)! Administrador de Empresas

Leia mais

Política de Produto e Serviço Caixa Geral de Depósitos. Política de Produto e Serviço

Política de Produto e Serviço Caixa Geral de Depósitos. Política de Produto e Serviço Política de Produto e Serviço Publicado em julho 2012 1 Fundada em 1876, a Caixa Geral de Depósitos (CGD) é o maior grupo financeiro nacional, atuando em diferentes áreas, designadamente na banca comercial,

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Prof. Fabini Hoelz Bargas Alvarez O que são finanças? Finanças é a arte e a ciência de gestão do dinheiro; Imprescindível, pois todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam dinheiro; A teoria

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA

MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA Conceito e Características. O mercado de capitais pode ser definido como um conjunto de instituições e de instrumentos que negociam com títulos e valores mobiliários, objetivando

Leia mais

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEGMENTOS DE ASSOCIADOS

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEGMENTOS DE ASSOCIADOS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEGMENTOS DE ASSOCIADOS Joel Queiroz 1 COOPERATIVAS DE CRÉDITO INSTRUMENTO DE ORGANIZAÇÃO ECONÔMICA Associação voluntária de pessoas para satisfação de necessidades econômicas,

Leia mais

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA 16/04/2013. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA 16/04/2013. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 Obs.: Para aprofundar os conhecimentos no Sistema Financeiro Nacional, consultar o livro: ASSAF NETO, Alexandre.

Leia mais

A importância dos Bancos de Desenvolvimento

A importância dos Bancos de Desenvolvimento MISSÃO PERMANENTE DA REPÚBLICA DE ANGOLA JUNTO AO OFÍCIO DAS NAÇÕES UNIDAS REPRESENTAÇÃO COMERCIAL GENEBRA - SUÍÇA NOTA DE TRABALHO A importância dos Bancos de Desenvolvimento G E NEBRA A OS 5 DE Segundo

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 5 Balanço Patrimonial Passivo 9 Demonstração do Resultado 12 Demonstração do Resultado

Leia mais

Crédito ao sector privado não financeiro (taxas de variação homóloga)

Crédito ao sector privado não financeiro (taxas de variação homóloga) G1 Crédito ao sector privado não financeiro (taxas de variação homóloga) 35 3 25 Em percentagem 2 15 1 5 Jan-91 Jan-92 Jan-93 Jan-94 Jan-95 Jan-96 Jan-97Jan-98 Jan-99 Jan- Jan-1 Sociedades não Financeiras

Leia mais

Previdência no Brasil. Regime de Previdência Complementar. Regimes Próprios dos Servidores Públicos. Regime Geral de Previdência Social

Previdência no Brasil. Regime de Previdência Complementar. Regimes Próprios dos Servidores Públicos. Regime Geral de Previdência Social As Entidades Fechadas de participantes desta pesquisa, conhecidas como Fundos de Pensão, fazem parte do Sistema de. Os Fundos de Pensão desenvolveram-se e modernizaram-se ao longo dos últimos anos graças

Leia mais

Instituto Ling. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012

Instituto Ling. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 em 31 de dezembro de 2013 e 2012. em 31 de dezembro de 2013 e 2012 Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 3 Balanços patrimoniais 5 Demonstrações de superávit

Leia mais

O RISCO SEMPRE EXISTIU E ESTAMOS TODOS SUJEITOS A ELE

O RISCO SEMPRE EXISTIU E ESTAMOS TODOS SUJEITOS A ELE 64 CAPA ENTREVISTA AMÍLCAR SILVA, PRESIDENTE, E NÍRIA ORAMALU, COORDENADORA DO NÚCLEO DE ESTUDOS E ESTATÍSTICAS DA ABANC O RISCO SEMPRE EXISTIU E ESTAMOS TODOS SUJEITOS A ELE Na sede da Associação Angolana

Leia mais

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 1 2 O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 3 A origem do Fundo Social Europeu O Fundo Social Europeu foi criado em 1957 pelo Tratado de Roma,

Leia mais

Eixo de integração Centro-Oeste - Logística ABDE

Eixo de integração Centro-Oeste - Logística ABDE Eixo de integração Centro-Oeste - Logística ABDE AIE/DELOG/GESET Novembro/2011 Agenda Vetores Estratégicos e Metas a Alcançar Centro-Oeste: Desafios e Oportunidades Conclusão Atuação do BNDES 2 Vetores

Leia mais

Introdução: Mercado Financeiro

Introdução: Mercado Financeiro Introdução: Mercado Financeiro Prof. Nilton TÓPICOS Sistema Financeiro Nacional Ativos Financeiros Mercado de Ações 1 Sistema Financeiro Brasileiro Intervém e distribui recursos no mercado Advindos de

Leia mais

FORUM NACIONAL DE EDUCAÇÃO

FORUM NACIONAL DE EDUCAÇÃO FORUM NACIONAL DE EDUCAÇÃO Educação Profissional e Tecnológica Sergio Moreira BRASIL ÍNDICE GLOBAL DE COMPETITIVIDADE 2013/2014 Ranking Global de Competitividade BRICS: 2006 a 2013 Brasil ficou em 56º

Leia mais

Introdução. Capitais Internacionais

Introdução. Capitais Internacionais Capitais Internacionais e Mercado de Câmbio no Brasil Atualizado em fevereiro de 2009 1 Introdução O tratamento aplicável aos fluxos de capitais e às operações de câmbio acompanhou as conjunturas econômicas

Leia mais

BAN CO DO BRASIL. Atualizada 19/01/2011 Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores 1

BAN CO DO BRASIL. Atualizada 19/01/2011 Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores 1 41. (CAIXA/2010) Compete à Comissão de Valores Mobiliários CVM disciplinar as seguintes matérias: I. registro de companhias abertas. II. execução da política monetária. III. registro e fiscalização de

Leia mais

INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME: ANGOLA

INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME: ANGOLA INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME: ANGOLA 12 de Junho de 2013 Índice REGIME DO INVESTIMENTO ESTRANGEIRO CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA ESTRANGEIRA OU DE GESTÃO REGIME CAMBIAL SISTEMA FISCAL Regime

Leia mais

Instruções para o Questionário Online

Instruções para o Questionário Online Instruções para o Questionário Online Este é um pequeno guia para o preenchimento do questionário de Monitor de Cooperativas Mundial. O questionário está disponível em www.euricse.eu/en/worldcooperativemonitor

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.2.5- Factoring

Conhecimentos Bancários. Item 2.2.5- Factoring Conhecimentos Bancários Item 2.2.5- Factoring Conhecimentos Bancários Item 2.2.5- Factoring Sociedades de Fomento Mercantil (Factoring); NÃO integram o SFN; As empresas de factoring se inserem na livre

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

CONDIÇÕES PARA OS MEMBROS - PROFISSIONAIS LIBERAIS E ENIs

CONDIÇÕES PARA OS MEMBROS - PROFISSIONAIS LIBERAIS E ENIs PROTOCOLO ORDENS PROFISSIONAIS CONDIÇÕES PARA OS MEMBROS - PROFISSIONAIS LIBERAIS E ENIs Para aderir a este Protocolo e beneficiar das respectivas condições, abra a sua Conta Gestão Tesouraria ou Conta

Leia mais

I Jornadas Financeiras Capital de Risco. Fundos de Investimento no Espaço Lusófono

I Jornadas Financeiras Capital de Risco. Fundos de Investimento no Espaço Lusófono I Jornadas Financeiras Capital de Risco Local: Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa Data: 07 de Maio de 2015 Fundos de Investimento no Espaço Lusófono António Raposo Subtil (Coordenador RSA-LP)

Leia mais

DESAFIOS E PERSPECTIVAS PARA A INDÚSTRIA DE FUNDOS IMOBILIÁRIOS NO BRASIL

DESAFIOS E PERSPECTIVAS PARA A INDÚSTRIA DE FUNDOS IMOBILIÁRIOS NO BRASIL DESAFIOS E PERSPECTIVAS PARA A INDÚSTRIA DE FUNDOS IMOBILIÁRIOS NO BRASIL Valdery Albuquerque 2ª Conferência Internacional de Crédito Imobiliário De 17 a 19 de março de 2010 Índice 1. Conceitos e Características

Leia mais

Enquadramento da atividade bancária

Enquadramento da atividade bancária Enquadramento da atividade bancária Miguel Matias E.S.T.G. Instituto Politécnico de Leiria CET TECNICAS GESTAO E COM INTERNACIONAL EDIÇÃO 2015/16 PROGRAMA 1. Enquadramento da atividade bancária 2. Conta

Leia mais

Acreditamos que o seu sucesso é o nosso sucesso: Porque o todo é maior que a soma das partes.

Acreditamos que o seu sucesso é o nosso sucesso: Porque o todo é maior que a soma das partes. Acreditamos que o seu sucesso é o nosso sucesso: Porque o todo é maior que a soma das partes. Com 17 anos de história a Onebiz representa 6 áreas de negócio Conjunto de marcas Serviços especializados Liderança

Leia mais

RBC BRASIL DTVM LTDA. Confiança que faz a diferença

RBC BRASIL DTVM LTDA. Confiança que faz a diferença RBC BRASIL DTVM LTDA Confiança que faz a diferença Sobre o RBC Brasil O RBC Brasil (RBC Brasil DTVM Ltda) é uma subsidiária integral do Royal Bank of Canada, cuja história de atuação em nosso país remonta

Leia mais

Financiamento das PME. Evolução fiscal e regulatória. Carlos Loureiro. 28 de Novembro de 2014. 2014 Deloitte

Financiamento das PME. Evolução fiscal e regulatória. Carlos Loureiro. 28 de Novembro de 2014. 2014 Deloitte Financiamento das PME Evolução fiscal e regulatória Carlos Loureiro 28 de Novembro de 2014 1 Temas a discutir Abordagem da temática Financiamento bancário: Panaceia ou factor de restrição? As alternativas

Leia mais

The Winterbotham Merchant Bank

The Winterbotham Merchant Bank The Winterbotham Merchant Bank uma divisão de The Winterbotham Trust Company Limited CASH MANAGEMENT E SERVIÇOS DE BANCA FIDUCIÁRIA CASH MANAGEMENT E SERVIÇOS DE BANCA FIDUCIÁRIA Introdução Licenciada

Leia mais

Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil

Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil Yoshiaki Nakano Escola de Economia de São Paulo Fundação Getulio Vargas 26 de Abril de 2006 Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil A Base do Novo

Leia mais

Unidade III. Mercado Financeiro. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade III. Mercado Financeiro. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade III Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Lembrando da aula anterior Conceitos e Funções da Moeda Política Monetária Política Fiscal Política Cambial

Leia mais

Planificação Anual. Escola Secundária de Pombal - (400634) Referência ANO LECTIVO - 2010/ 2011 COMPETÊNCIAS GERAIS

Planificação Anual. Escola Secundária de Pombal - (400634) Referência ANO LECTIVO - 2010/ 2011 COMPETÊNCIAS GERAIS Planificação Anual Escola Secundária de Pombal - (400634) Referência Direcção Regional de Educação do Centro Equipa de Apoio às Escolas - Leiria ANO LECTIVO - 2010/ 2011 ÁREA DISCIPLINAR DE ECONOMIA E

Leia mais

Comércio (Países Centrais e Periféricos)

Comércio (Países Centrais e Periféricos) Comércio (Países Centrais e Periféricos) Considera-se a atividade comercial, uma atividade de alto grau de importância para o desenvolver de uma nação, isso se dá pela desigualdade entre o nível de desenvolvimento

Leia mais

apresentação corporativa

apresentação corporativa apresentação corporativa 2 Índice 1. Apresentação da BBS a) A empresa b) Evolução c) Valores d) Missão e Visão 2. Áreas de Negócio a) Estrutura de Serviços b) Accounting/Tax/Reporting c) Management & Consulting

Leia mais

Programa Municipal de Competitividade e Inovação INOVA PALHOCA

Programa Municipal de Competitividade e Inovação INOVA PALHOCA Programa Municipal de Competitividade e Inovação INOVA PALHOCA Gestão Pública: Plano Palhoça 2030 Prefeito Municipal de Palhoça Comitê Executivo de Acompanhamento e Implantação Avaliação de Desempenho

Leia mais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Exmo Senhor Presidente da Associação Angolana de Bancos Sr. Amílcar Silva Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Estimados Bancários Minhas Senhoras

Leia mais

O Cluster Financeiro

O Cluster Financeiro O Cluster Financeiro Um sector financeiro promotor do crescimento Manuel Lima Bolsa de Valores de Cabo Verde 15 de Maio de 2013 WS 2.4 O Cluster Financeiro Índice Breves notas O que assinalam os números

Leia mais

A Retomada dos Investimentos e o Mercado de Capitais Instituto IBMEC 18.08.2015

A Retomada dos Investimentos e o Mercado de Capitais Instituto IBMEC 18.08.2015 A Retomada dos Investimentos e o Mercado de Capitais Instituto IBMEC 18.08.2015 A RETOMADA DOS INVESTIMENTOS E O MERCADO DE CAPITAIS Sumário I. O MERCADO DE TÍTULOS DE DÍVIDA PRIVADA NO BRASIL II. A AGENDA

Leia mais

Financiamento de Projetos para a Inovação

Financiamento de Projetos para a Inovação GESTÃO Financiamento de Projetos para a Inovação Objetivos da Aula Conhecer sobre o financiamento de projetos de pesquisa aplicada; Conhecer a dinâmica do processo de elaboração de projetos de pesquisa

Leia mais

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Transportadoras de Carga. São Paulo - SP 16.abr.2015

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Transportadoras de Carga. São Paulo - SP 16.abr.2015 Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Transportadoras de Carga São Paulo - SP 16.abr.2015 Quem somos Fundado em 20 de Junho de 1952 Empresa pública de propriedade integral da União Principal fonte

Leia mais

2.7 Financiamento. Por que Financiamento? Comparação Internacional. Visão 2022

2.7 Financiamento. Por que Financiamento? Comparação Internacional. Visão 2022 2.7 Financiamento Por que Financiamento? O ritmo de crescimento de uma economia e a competitividade da sua indústria dependem da disponibilidade de recursos para investimento e da capacidade do sistema

Leia mais

Uma Rede de apoio à competitividade das empresas. 30 de abril de 2014, ISCTE-IUL, Lisboa

Uma Rede de apoio à competitividade das empresas. 30 de abril de 2014, ISCTE-IUL, Lisboa Uma Rede de apoio à competitividade das empresas 30 de abril de 2014, ISCTE-IUL, Lisboa Quem somos Quem somos? Onde estamos? Criada pela Comissão Europeia no âmbito do Programa Quadro para a Competitividade

Leia mais