ANUÁRIO DE JURISPRUDÊNCIA 9 PROCESSO N (Embargos) ACÓRDÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANUÁRIO DE JURISPRUDÊNCIA 9 PROCESSO N 2.692. (Embargos) ACÓRDÃO"

Transcrição

1 ANUÁRIO DE JURISPRUDÊNCIA 9 PROCESSO N (Embargos) ACÓRDÃO Embargos infringentes. Tidos como improcedentes, ao revolverem matéria dos votos vencidos. Presunção das vistorias e prevalência da diligência ordinária. A inavegabilidadc ligada ao conceito de culpa. A vetustez, risco latente e admitido, capaz de tomar o caráter de vício oculto, segundo as circunstâncias. Vistos e discutidos os presentes embargos infringentes, em que sáo embargantes a American International Underwriters Representações S. A. e a Firemen s Insurance Co. of Newark, N. J. Por decisão de 3 de setembro de 1957, êste Tribunal, contra os votos dos juizes Carlos de Miranda e Gerson Cruz, julgou como resultante de vicio oculto o naufrágio, em 24 de janeiro de 1954, do vapor "Pirineus, do Lóíde Brasileiro, P.N., ocorrido em virtude de água aberta, em sua viagem de Salvador para o Rio de Janeiro. Nos presentes embargos, que tiveram curso regular, figuram como impugnantes o Lóide Brasileiro e o capitão, ouvida a Procuradoria, que se pronunciou a fls. 1 foi o recurso interposto no prazo e admitido por não ser unânime a decisão e por se basear nas razões dos votos vencidos. No entanto, em sua impugnação, o Lóide Brasileiro levantou a preliminar de falta de qualidade das embargantes, uma vez que não juntaram prova de serem seguradoras da carga ou da sub- -rogação, com o pagamento da indenização. Ora. na espécie, pareceu ao relator que, admitindo o recurso para prosseguimento, a presidência se louvou na presunção aceitável da sub-rogação, tratando-se de emprêsas de tôda idoneidade que. como é de crer, não viriam a juízo por simples diletantismo, não tivessem um legítimo interêsse econômico. I)e forma que é de se reconhecer aquela legitimidade, como no caso vertente, tratando-se de sociedade de seguro que. assim, pela sua natureza e finalidade merecem a priori, o reconhecimento daquele direito. Aliás, essa presunção já era do Dec que considerava as Companhias de Seguros como partes interessadas, preceito êsse que se mantém no nosso atuai Regimento Interno. Em nada se opôs a Procuradoria e, destarte, é de se ter como improcedente a preliminar.

2 10 TRIBUNAL MARÍTIMO 2 De mentis, O acórdão embargado foi sucinto em suas considerações. Analisou as circunstâncias, e inclusive como se processou a invasão (causa do naufrágio): por bombordo, no fundo, próximo à antepara de ré da praça da máquina, onde esta situada uma bomba; local de difícil acesso, exame e reparo; possivelmente ruptura numa junta de chapas, num navio já velho (opinião do chefe-de-máquinas) e, ao ser batida uma das cunhas, o esforço do choque provocou um rombo maior. Levou em conta as vistorias porque passou o vapor: as oficiais, em séco e flutuando, dentro dos prazos, e a do Bureau Veritas, feita quatro meses antes do sinistro. E ainda às obras realizadas, com exame e substituições de chapas. E concluiu admitindo o vicio oculto, certamente porque escapava ao armador, como escapou aos peritos, a sua descoberta, isto é a de um possível ponto vulnerável naquela superfície enorme, em condições que permitissem aos técnicos ver nêle a eclosão eventual. O recurso, por sua vez. depois de estranhar que um navio abrisse água sem um fator externo (como colidir, abalroar, encalhar ou uma ação extraordinária do mar), apega-se. para alegar a culpa, às condições ruinosas do casco, o que significa más condições de navegabilidade, ou melhor, com fundamento no> votos vencidos, má conservação. Alude ao ocorrido, na viagem de ida, em Ilhéus, (na qual o vapor sofreu, quando atracado, a ação de algum pontalete do cais ou do fundo). E acrescenta que, em virtude dêsse fato, deveria ter passado por nova vistoria e não por simples inspeção ou exame, como foi feito. E. em assim sendo, caducara a anterior, regulamentar, o que quer dizer que a embarcação não estava com sua vistoria em dia. Passam, em seguida, as embargantes a abordar a presunção que geram as vistorias; o que constitui as condições de navegabilidade e terminam com a lição de Vaiin. em comentários à Ordenança de 1681, quando proclama a responsabilidade do armador, mesmo se vistoriado o seu navio e desde que. pelos acontecimentos, venha a se verificar, em razão de vícios ainda que ocultos, não estar êle de fato navegável, tudo porque está obrigado a fornecer um navio capaz de fazer a viagem". A impugnação do armador e do capitão, além da preliminar já referida, se funda nas vistorias e nas obras realizadas; repele o se pretender exigir dos responsáveis dons divinatórios do que, por natureza, é oculto à humana diligência. Mostra como os casos citados pelas recorrentes, e já julgados por êste Tribunal, não lhes aproveitam, porque nenhum dêles se apresenta nas condições do ora em julgamento. Cita. por fim. em abono, os dos vapores Buarque de Macedo, Itapuí (nêste admitido o bom estado de navegabilidade, apesar da vetustez) e Campinas, que consagram a verdadeira jurisprudência dêste órgão, consoante, aliás, a u niversal. Êste o relatório do que contêm o recurso e sua impugnação. 3 A questão do prazo da vistoria parece ser falha de razão. A argumentação seria digna de maior exame, não fôsse o absurdo que logo ressalta de. em vista de um j»equeno furo, logo reparado no local, dever o navio interromper a viagem, voltar ao Rio nara ser doeado e vistoriado, para os efeitos regulamentares. além do prejuízo com despesas e mais riscos para o carregamento. Ora, basta ler o art. 271 do R.C.P., para ^e constatar a improcedência do alegado. Êsse artigo só exiee nova vistoria para as avarias graves, o que positivamente não é o caso Bastou, é lógico, o exame

3 ANUÁRIO DE JURISPRUDÊNCIA 11 oficial realizado, do reparo e demais condições do vapor, lanto que nele mais se verificou (a invasão, como o naufrágio, se deu em outro ponio do casco). Seria, portanto, o caso de uma vistoria determinada, que não substitui nem anula a periódica, em sêco, que deu o navio como bom para navegar. 4 A presunção que gera a i istoria Na realidade, o que mais uma vez surge nestes autos é a insistente questão em tòrno da mera presunção que geram as vistorias, quanto ao estado de navegabilidade do navio. É pacífico que es&a presunção tem um valor juris tantum. Assim também é entre nós, há mais de cem anos. Pode ser ilidida por prova em contrário, que deverá versar sóbre displicência ou êrro grosseiro dos peritos, ou sòbre uma alteração posterior conhecida, que afete a segurança do navio. Nesta última hipótese é óbvio que cumpre ao dono repará-lo, para mantê-lo sempre apto, capaz de realizar a viagem; do contrário, ter-se-ia um navio dentro dos regulamentos, ma.> i navegável técnicamente. A doutrina, os julgados e as leis não reconheceram, por isso, na formalidade, uma capa ou absolvição para. com sua simples observância, desonerar o transportador de tudo o que então adviesse. Assim é que, cumprido o dever de vistoriar o seu navio no tempo e nos prazos da lei, surge, então, para o armador, aquêle outro, permanente e inalienável, de mantê-lo em bom estado. Mas nem por isso se pode deixar de reconhecer certos princípios que, também no direito marítimo presidem a matéria da culpa, quando se tratar daquele dever de conservar a aptidão e segurança do navio, o que. afinal, constitui a prestação do fretador no contrato de transporte. 5 a diligência ordinária Se o armador observa as exigências preventivas dos regulamentos, no que concerne às vistorias do navio, sua utilização e manejo, o que se exige mais para mantê-lo capaz de navegar com segurança? Que passe a usar dos cuidados ininterruptos à vigilância, e à diligência ordinária, isto é, o que se pode pretender, razoàvelmente. do homem, no trato de seus negócios. É a due diligence. de definição difícil para fugir ao casuismo; aos tribunais competia apreciá-la soberanamente. Por motivos que adiante se verão, as leis se limitaram àquela exigência: basta o transportador wsar de tôda diligência esperada, para isentar-se de culoa p^r atos que escapariam, quando procede como o bom pater familias. Isso significa que. cumprida essa obrigação, não responderá por fatos que aconteçam, apesar de seus cuidados, e que não lhe era possível evitar, nem êle nem seus prepostos. por escaparem às suas possibilidades, quer por ocultos, quer porque não eram precursores de um sinistro imediato, nem beiravam à temeridade. A prova da culpa cabe. assim, àquele que alegue a falta de vistoria ou dos cuidados esoerados na conservação do bom estado do navio. A simples due diligence e a vantagem da prova negativa criaram uma situacào que não é um privilégio, mas um amparo ao armador: justificam-se por motivos ponderáveis de eqüidadf» como se passará a ver. 6 a boa doutrina A evolução oue sofreu a matéria da responsabilidade contratual do transportador com o conceito legal dr» due dilinmce. positivada no Harter Act de deoois nas Regras de Haia. oue serviram de paradigma a tôda a legislação posterior anglo-americana e. em seguida à Convenção de Bruxelas d<» nara f1*nirar agora em tôdas as leis modernas está fundada em imperativos da razão: justa proteção ao armamento, aceita pelos demais interessados, carregadores e seguradores, nos conclaves em que se juntaram.

4 12 TRIBUNAL MARÍTIMO Realmente, seria exigir muito de uma atividade, na qual o instrumento (navio) de complexa aparelhagem e construção, é susceptível de surpresas desconcertantes, que poderão chegar à destruição fulminante de vultosos capitais e à ruína do transportador através das indenizações a que fõsse obrigado. Assim foi que o primeiro reflexo daquela proteção apareceu na distinção entre as culpas náuticas e comerciais, isentando o armador de responder pelas primeiras e igualmente pelos últimos se provar a due diligence a que já se aludiu. Eis o que, enfim, reza o art. IV da Convenção: O transportador, ou o navio, nõo será responsável por perda ou araria causada ou resultante do estado de navegabilidade, a menos que seja imputável à falta de diligencia ordinária para ter o navio em bom estadi) e convenientemente aparelhado etc.. Colocando-se a meio têrmo, a legislação obrou com justiça, reconhecendo os riscos que assaltam a armação, por causas impossíveis de serem evitadas. Assim é, como vimos, em todo o mundo, com exceção de alguns países que vivem ainda em sonhos de mais de cem anos. De tal forma, que nem êsses sonhos souberam espancar, quando há tempos criaram uma lei especial, mal redigida, omissa e trapalhona. Lei magnânima que faz o estrangeiro preferir pleitear, por exemplo, no Brasil, como é o nosso caso. a fazê-lo em outras jurisdições. Felizmente que uma reação já aparece em alguns projetos, como o apresentado â C.M.M. e em outro estudo na Câmara dos Deputados e da autoria do dr. João Vicente Campos. Em resumo, e.-^ta rápida mas necessária divagação. mostra-nos como a indústria da navegação teve seus riscos comparados, nésse particular, de tal forma que as leis e as convenções em certos casos permitem até a exclusão da garantia de navegabilidade. E para reforçar o remédio que tem o armador, não há muito um julgado da justiça americana dizia: Se homens competentes deram o navio como navegável apos um exame, com completa ciência dos reparos realizados, isso significa que foi observada a diligência devida quanto ao que se exige para a viagem; assim o armador tem motivos para crer no bom estado do navio". Sentença no caso do Manton, em Knaught, The American L av of Ocean Hill of Lading, pág Não vale, pois, hoje em dia, argumentar com Valin, de quase três séculos, que. como a nossa lei. só visou a entrega da carga. Valin dos bons tempos dos reduzidos veleiros, de carenas com gusanos à vista. Hoje o insigne juri<ta veria, com «n n r ^ a. c^^o em sua terra as leis e os tribunais derrotaram sua extrema opinião. 7 A vetustez Alguns autores, por excess» ue -*>ulos, temem equiparar à vetustez aqueles outros vícios chamados próprios ou internos. Ésse temor advem da idéia da culpa, que trazem desde logo êstes últimos, na leitura dos códigos. Na realidade. a vetustez se diferencia daqueles defeitos, que precipuamente podem e devem ser obviados como remediáveis que são. Ao passo que ésse desgaste ou uso, como vício, é inerente, é permanente, ta7 parte integrante do navio. É admitido como se apresenta no seu estado potencial, conhecido dos interessados, que preferem correr o risco; que o carregador não ignora e o segurador por êle fixa o seu prêmio, para o que basta consultar os registros, mananciais cuja finalidade é fornecer os elementos para avaliação das garantias. Nessa base estabelece mesmo o segurador sua retenção para os efeitos do resseguro. É assim no mundo inteiro.

5 ANUÁRIO DE JURISPRUDÊNCIA 13 Risco agravado, considerado e medido, como agravados são os de percursos em navios de madeira, ou, nas viagens internacionais, nos de pequenos porte e em tantos outros casos. Imagine-se, então, têrmos nos a vetustez como um daqueles vícios propnos, que por si só condenam o navio. Seria a calamidade abrangendo 65% da nossa Marinha Mercante, vítima quase generalizada do desgaste natural, e que trafega ainda à custa de heroismo. Só nos restaria apelar para os barcos estrangeiros, para maior angústia dos técnicos nacionais. São navios que por aí trafegam, com o mal a èles inerente, que exige, não há dúvida, cuidadas maiores dos donos Quando nada acontece, eis o céu azul. Mas se, apesar dos cuidados e diligência, eclodir o que era possível, não obstante as apreensões, eis o navio em mau estado". Por fim, ainda sôbre a vetustez aqui está a opinião de um dos nossos mais abalizados especialistas: Vício oculto ou latente. Não se deve confundir o vício próprio com o vício oculto ou latente. Os navios, sobretudo aqueles de grande tonelagem, são estruturas extremamente complexas, verdadeiras cidades flutuantes, onde se congregam aparelhos, instalações e maquinismos os mais variados. Donde, apesar dos cuidados tomados, apesar dos controles feitos, ser sempre possível escapar aos construtores, como aos vistonadores (e muito mais ao armador e ao capitão) defeitos, cuja ação postericr cause um sinistro, impossível de prever, ou de evitar. São os vícios ocultos. O vício oculto é uma fortuna de mar a cargo do segurador (Danjon IV'. N. 1239). O Código italiano de Navegação, no seu art. 525, transformou em lei a doutrina dominante no seguinte preceito: "O segurador do navio responderá pelos prejuízos devidos ao vício oculto do navio, a menos que prove que êsse vício poderia ser descoberto por um armador que empregasse diligência normal. Vetustez Os princípios da nossa lei não toleram outra conclusão senão a de excluir a vetustez do conceito do vício próprio. O navio velho, cansado, por certo resiste menos ao mar que um novo. Mas o navio velho não é para condenar só porque é velho. A vida de um navio tem uma duração maior ou menor, dependendo do material com que foi construído, da conservação de que foi objeto, dos consêrtos que lhe fizeram. Para imputar-se vício próprio é preciso que apresente não só a idade, como também defeito. Não é de admitir que o segurador invoque a vetustez do navio para invalidar a apólice de vez que tem meios para investigá-la nas publicações do Lloyd s, A. Bureau, nos registros do Tribunal Marítimo e Capitanias Depende do segurador rejeitar o contrato, aumentar o prêmio, tomar suas precauções ao ajustar a apólice. Nâo autoriza a sua condenação, o navio só por ser velho, pois tudo depende do material com que é construído e sua conservação. Por isso. se exige que à idade se alie a um defeito, para que, então assim apareça o vício próprio, na acepção de alguns. O desgaste ou usura não é vício próprio igualmente, que aparecerão, porém, chegando o desgaste a ponto que tom e imprescindível a substi-

6 14 TRIBUNAL MARÍTIMO tuição. (J. V. Campos. Da avaria particular no direito nacional c internacional 16Ò/6). E prossegue: For isso, é de reconhecer que no nosso país, o conceito de navegabilidade deve se entender com o temperamento de ju>tiça, que pedem não só a situação da economia marítima, como os limites da capacidade humana. A maioria das unidades da nossa frota mercante está fora de classe e mal conservada. É de presumir que o segurador, que deve saber disso, considerou èsse risco suplementar no prêmio que colheu '. É um conforto, para quem julga, ter um amparo dessa ordem na concepção das coisas. Sentir-se robustecido nas suas afirmativas pela opinião ae um jurista que dedicou tòda sua vida ao estudo e à meditação no campo árido e empolgante do direito marítimo. Eis alguns dos julgados que se encontram em Hude (ob. cit. adiantei insuficiência da conservação do navio, teve relação com sua idade. A vctustez não é um vicio do navio senão na medida em que seu estado é agravado por culpa do armador. 2. O sinistro devido sòmentc á vetustez fica a cargo do segurador, porque a idade e a classe do navio foram considerados por éle ao assinar a apólice. 3. Tratando-se de uma erosão impossível de constatar por ocasião da piengem, o navio sendo pintado e raspado sete meses antes do sinistro, e a lei exigindo a vistoria em sêco de 18 em 18 meses, nenhuma negligencia pode ser imputada aos armadores. Por aí vai o autor citando numerosas outras decisões. 8 A inavegabilidade ligada à noção de responsabilidade Tòdas essas considerações mostram como é difícil estabelecer o que se chamaria um padrão de navegabilidade. Da noção material, técnica ou objetiva, deveu a boa doutrina, desde os fins do século, ater-se. principalmente nos casos de vícios ocultos, à da responsabilidade. confirmando assim o conceito de Bonnecase: Todo processo de direito marítimo é, em princípio, um processo de responsabilidade..lá conhecemos os motivos que levavam a doutrina a não se descurar diante de fatos e problemas que assoberbam o armamento. O princípio gerador da inavegabilidade não se encontra em nosso código. nem no francês. Daí o recurso à teoria da culpa, que as contingência> exigiram. Uma obra interessante existe na nossa biblioteca (Essai sur l innavigabilité du navire en droit français E. Hude) no qual o autor nos mostra como a ingerência do Estado na fiscalização (visita e controle) dos navios só apareceu na França com a ordenança de 1681, com uma organização inspirada na de Felipe II. de 1565; em seguida, refere-se à Declaração Real de 1770, às leis do seculo X IX e às francesas dêste século. Abordando as duas nações, navegabilidade objetiva e subjetiva, reconhece não ser possível abstrair-se da culpa, segundo a lei civil. Esclarece como a vistoria gera mera presunção, que pode ser ilidida por prova em contrário, mas prova material e não simples alegações ou presunções; cita um julgado da Côrte de Ruão de 1923, que declara que a simples alegação do bom tempo pode fazer presumir o vício próprio do navio que se avaria, mas não o prova, porque não estabelece a materialidade. Enfim, como é difícil destruir a prova negativa da presunção. Tratando do vício oculto, alude aos defeitos não descobertos pela vistoria. que são assim admitidos com aquela natureza, se não lmputáveis ao armador, e à jurisprudência moderna que cobre a responsabilidade do transportador que submeteu seu navio a tôdas as exigências regulamentares. Finaliza reconhecendo que o problema da responsabilidade, que se identifica com a inavegabilidade, está

7 ANU ARI O DE JURISPRUDÊNCIA 13 resolvido pela aplicação do art do Código Civil francês: a noção da inavegabilidade se liga diretamente à da culpa, base da responsabilidade. 9 Não tem sido senão nesse sentido a nossa jurisprudência. No caso do vapor Buarque de Macedo as questões da vetustez e a do vicio oculto foram abordadas exaustivamente. Tratava-se de um navio velho, de madeira, com os riscos que lhe eram inerentes, conhecidos e palpáveis e que nessa situação devia navegar: sujeito apenas aos cuidados que se lhe podiam dispensar e às vistorias da autoridade, que não o condenou. Seu casco abriu água em um ponto imprevisível, diga-se em local que não apresentava indícios de maior vetustez, que não aquela que envolvia tóda a carena. O acórdão respectivo consigna as considerações que agora são feitas. Em várias outras decisões o mesmo critério foi observado. Não é preciso repetir agora seus fundamentos: basta consultar os XI volumes de nossa jurisprudência, já publicados graças aos esforços do nosso diretor e do chefe e demais pessoal da seção respectiva, dignos de elogios. A decisão ora embargada veio reforçar essa jurisprudência: consulta a nossa realidade e de outra forma não pode nem deve ser 3 proceder déste Tribunal, sob pena de colocar a nossa Marinha Mercante no dilema entristecedor de se privar de substancial percentagem de navios ou se submeter à falência sob o pêso das indenizações. Sem que isso signifique que seja tolerada qualquer negligência nas medidas à relativa segurança do material, ao juízo da técnica e da ordinária prudência. 10 Era o Pirineus um navio velho, mas não nesta ou naquela particularidade. Era-o no seu todo. máquinas, outros acessórios e carena. Seria absurdo que. para evitar a possibilidade de sucumbir, o chape^mento fôsse substituido todo êle. Aí então não seria mais o mesmo veterano Pirineus, digno pelos serviços que prestou até o último alento, ao sepultar-se naquelas mesmas águas que singrou por mais de 50 anos. Oferecia o armador êsse navio tal qual era: nenhum elemento existe nos autos que autorize inculpá-lo de negligente: foi vistoriado há tempo curto, fraqueza maior em chapas foi afastada com as obras referidas e provadas a fls. e fls. Assim trafegara continuamente, em condições relativas de segurança, segundo os técnicos. E a ruptura causa do sinistro, se deu nas condições e local já aludidos: no fundo, possivelmente na junção de duas chapas, em local que não permitia um exame diário ou pelo menos contínuo, fora de um dique, exame aliás que nem seria eventualmente capaz de descobrir um ponto mais frágil com possível corruição. Assim sendo, provada a diligência esperada do armador, o sinistro se deu apesar dela. E a ruptura se verificou em local enfraquecido como de quase todo o chapeamento. Daí admitir o acórdão o vício oculto. Êsse mesmo vício no qual abalizado autor reconhece o poderio subre-humano quando diz: Os navios modernos são estruturas complexas onde se congregam aparelhos, instalações e maquinismos os mais variados. Donde, apesar dos cuidados tomados, apesar dos controles feitos, ser sempre possível escapar aos construtores, como p o s vistoriadores (e muito mais ao armador e ao capitão) defeitos cuja ação posterior causa um sinistro impossível de prever ou evitar: são os vícios ocultos (João Vicente Campos Da avaria particular no direito nacional e internacional 83).

8 16 TRIBUNAL MA R í T I M O 11 Não foi ilidida a presunção aue nasce da vistoria, pois nada provou a negligência do armador quanto à diligência a que estava obrigado, para manter o navio em estado de navegabilidade, não obstante a sua robustez e constante uso. É admissível, embora não provado que para a ruptura numa chapa, causa do naufrágio, tenha concorrido o desgaste. Mas nada indica que o ponto frágil pudesse ser conhecido dos responsáveis pela segurança do <iavio que, ao contrário, tinham razões para confiar nos exame* feitos pelos peritos, uns oficiais e outros de reconhecidas autoridades. 12 Dignas de elogios são as argumentações das embargantes e dos impugnantes. Seus patronos drs..toão Vicente Campos e José Joaquim da Gama e Silva, mais uma vez vieram ilustrar os nossos anais. Seus esforços e erudição serviram para que a matéria fôsse apreciada em têrmos de justiça. E, certo, os seguradores recorrentes se convencerão de como não é possível ao julga<k>r fugir à realidade das coisas, num país onde 6 precário o material empregado no transporte por água e com uma Marinha Mercante que ainda existe graças à abnegação de alguns homens. De tudo isso advêm os maus riscos, que a todos incumba suportar, o armador redobrrndo seus cuidados, os carregadores recorrendo ao seguro e os seguradores enfrentando a vicissitude com o recurso à técnica, à observação e às precauções, que para tudo há o remédio na confecção de suas tarifas de prêmios. 13 Destarte e por tudo o que acima se expõe, são os presentes embargos recebidos, mas para serem julgados improcedentes, mantida, assim, a decisão embargada. Decisão do Trihuna! Marítimo, preliminarmente: rejeitar a preliminar suscitada pelo Loide Brasileiro, quanto a inadmissibilidade dos embargos. Foram vencidos os votos dos juizes Gerson Cruz e Francisco Rocha: no mérito, por maioria, conhecer dos embargos para negar-lhes provimento, mantendo a decisão recorrida. Foi vencido o voto do juiz Gerson Cruz. que deu provimento aos embargos, julgando culpado- os representados. P.C R. Rio de Janeiro. 23 de dezembro de Carlos Lafayette Bezerra de Miranda, no exercício da presidência João Stoll Gonçalves prolator dos embargos Francisco José da Rocha, vencido, na preliminar Gerson Rocha da Cruz vencido Alberto Epaminondas das de Souza Antonio Mendes Braz da Silva. Fui presente: Eduardo Maya Ferreira, 1 adjunto-de-procurador.

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 963.454 - SC (2007/0143805-5) RELATOR RECORRENTE ADVOGADOS RECORRIDO PROCURADOR INTERES. : MINISTRO PAULO DE TARSO SANSEVERINO : LIBERTY PAULISTA SEGUROS S/A : SÉRGIO ALEXANDRE SODRÉ

Leia mais

DO REGIME DA RESPONSABILIDADE CIVIL POR DANOS À CARGA NA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA

DO REGIME DA RESPONSABILIDADE CIVIL POR DANOS À CARGA NA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA XVII CONGRESSO INSTITUTO IBEROAMERICANO DE DIREITO MARÍTIMO 05 A 07 DE NOVEMBRO DE 2012 - RIO DE JANEIRO - BRASIL DO REGIME DA RESPONSABILIDADE CIVIL POR DANOS À CARGA NA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA Paulo Campos

Leia mais

EMBARGOS INFRINGENTES EM APELAÇÃO CÍVEL nº 551137/RN (2007.84.02.000434-2/01)

EMBARGOS INFRINGENTES EM APELAÇÃO CÍVEL nº 551137/RN (2007.84.02.000434-2/01) EMBTE : DNIT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES REPTE : PROCURADORIA REGIONAL FEDERAL - 5ª REGIÃO EMBDO : SILDILON MAIA THOMAZ DO NASCIMENTO ADV/PROC : SILDILON MAIA THOMAZ DO NASCIMENTO

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo fls. 5 TRIBUNAL DE JUSTIÇA São Paulo ACÓRDÃO Registro: 2014.0000527400 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0010031-52.2012.8.26.0554, da Comarca de Santo André, em que é apelante

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/MDG PROCESSO Nº 21.096/04 ACÓRDÃO. N/M ICE FLAKE. Arribada para reparos, forçada e injustificada. Condenação

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/MDG PROCESSO Nº 21.096/04 ACÓRDÃO. N/M ICE FLAKE. Arribada para reparos, forçada e injustificada. Condenação TRIBUNAL MARÍTIMO JP/MDG PROCESSO Nº 21.096/04 ACÓRDÃO N/M ICE FLAKE. Arribada para reparos, forçada e injustificada. Condenação Vistos, relatados e discutidos os presentes autos. No dia 03/06/04, cerca

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br O terceiro no contrato de seguro de responsabilidade civil: a ação direta em face da seguradora Frederico Eduardo Zenedin Glitz* A definição de seguro de responsabilidade civil gira

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.311.407 - SP (2012/0041104-0) RELATÓRIO O EXMO. SR. MINISTRO RICARDO VILLAS BÔAS CUEVA (Relator): Trata-se de recurso especial interposto por PAULO DONIZETI DA SILVA e sua esposa

Leia mais

OPERADOR DE TELEMARKETING INTELIGÊNCIA DA SÚMULA 29 DESTE TRIBUNAL REGIONAL

OPERADOR DE TELEMARKETING INTELIGÊNCIA DA SÚMULA 29 DESTE TRIBUNAL REGIONAL Acórdão 9ª Turma OPERADOR DE TELEMARKETING INTELIGÊNCIA DA SÚMULA 29 DESTE TRIBUNAL REGIONAL Reconheço o pedido do autor como operador de telemarketing, afastando o argumento da CONTAX de que o autor era

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 593.196 - RS (2003/0164484-3) RELATOR : MINISTRO HÉLIO QUAGLIA BARBOSA EMENTA RECURSO ESPECIAL. SEGURO. ATRASO NO PAGAMENTO DOS VALORES DEVIDOS PELA SEGURADORA. LUCROS CESSANTES. OCORRÊNCIA.

Leia mais

Processo nº 71-A/1990 Acórdão de: 22-06-2011

Processo nº 71-A/1990 Acórdão de: 22-06-2011 PDF elaborado pela Datajuris Processo nº 71-A/1990 Acórdão de: 22-06-2011 ACORDAM NO SUPREMO TRIBUNAL DE JUSTIÇA I. OBJECTO DO RECURSO E QUESTÃO A SOLUCIONAR. No Tribunal do Trabalho de V..., AA SEGUROS

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO fls. 359 ACÓRDÃO Registro: 2014.0000557534 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 1043649-38.2013.8.26.0100, da Comarca de São Paulo, em que é apelante AMIL SAÚDE S/A, é apelado FELLIPE

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO Acórdão 10ª Turma INDENIZAÇÃO. DANO MORAL. ATRASO NA ENTREGA DAS GUIAS DO FGTS E SEGURO- DESEMPREGO. A demora injustificada na entrega das guias do FGTS e do Seguro- Desemprego, feita ultrapassado o decêndio

Leia mais

Apelação Cível e Remessa Ex-Officio nº 1-92169-6

Apelação Cível e Remessa Ex-Officio nº 1-92169-6 Órgão : 2ª TURMA CÍVEL Classe : APELAÇÃO CÍVEL E REMESSA EX-OFFICIO N. Processo : 2000 01 1 092169 6 Apelante : DISTRITO FEDERAL Apelados : FRANCISCO MASCARENHAS MENDES, SANDRA MARIA REIS MENDES Relatora

Leia mais

VISTOS, relatados e discutidos estes autos, em que são partes as acima identificadas:

VISTOS, relatados e discutidos estes autos, em que são partes as acima identificadas: . ' ESTADO DA PARAÍBA t-n " PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Apelação Civel n 200.2004.038313-1/001 Relator: Des. Luiz Silvio Ramalho Júnior Apelante: Executivos Administração e Promoção de Seguros

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO TRABALHO. Regimento Interno CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO DO CONSELHO NACIONAL DO TRABALHO

CONSELHO NACIONAL DO TRABALHO. Regimento Interno CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO DO CONSELHO NACIONAL DO TRABALHO CONSELHO NACIONAL DO TRABALHO Regimento Interno CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO DO CONSELHO NACIONAL DO TRABALHO Art. 1.º O Conselho Nacional do Trabalho, com sede na Capital da República e jurisdição em todo

Leia mais

DECISÃO MONOCRÁTICA CONTRATO DE SEGURO DE VIDA E INVALIDEZ PERMANENTE EM GRUPO. PRESCRIÇÃO. INOCORRÊNCIA. SEGURADO COM LESÃO NEUROLÓGICA QUE

DECISÃO MONOCRÁTICA CONTRATO DE SEGURO DE VIDA E INVALIDEZ PERMANENTE EM GRUPO. PRESCRIÇÃO. INOCORRÊNCIA. SEGURADO COM LESÃO NEUROLÓGICA QUE DÉCIMA SEXTA CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO N.º 0402603-95.2008.8.19.0001 APELANTE: SULAMÉRICA SEGUROS DE VIDA E PREVIDENCIA APELADO: FRANCISCO DE SOUZA COELHO JUNIOR RELATOR: DES. LINDOLPHO MORAIS MARINHO DECISÃO

Leia mais

ACÓRDÃO. Ao contrário do que afirma a apelante, não existem provas de que o condutor do veículo de propriedade do segundo promovido

ACÓRDÃO. Ao contrário do que afirma a apelante, não existem provas de que o condutor do veículo de propriedade do segundo promovido ESTADO DA PARAIBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gah. Des. Genésio Gomes Pereira Filho ACÓRDÃO APELAÇÃO Cá/EL N 016.2009.000727-5/ 001 RELATOR: Des. Genésio Gomes Pereira Filho APELANTE: Nikanora

Leia mais

i mil um um um um um um mu mi m *02665723*

i mil um um um um um um mu mi m *02665723* PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRÁTICA REGISTRADO(A) SOB N i mil um um um um um um mu mi m *02665723* Vistos, relatados e

Leia mais

1/6 TRIBUNAL MARÍTIMO JP/FAL PROCESSO Nº 20.643/03 ACÓRDÃO

1/6 TRIBUNAL MARÍTIMO JP/FAL PROCESSO Nº 20.643/03 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO JP/FAL PROCESSO Nº 20.643/03 ACÓRDÃO N/M SOTIRIA. Quedas de carga n água, sacaria de açúcar, com sua perda, durante operação de carregamento, junto ao armazém nº 11 do porto de Santos,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO DISTRITO FEDERAL E DOS TERRITÓRIOS

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO DISTRITO FEDERAL E DOS TERRITÓRIOS Órgão : Segunda Turma Criminal Classe : Apelação Criminal Nº Processo : 1999 04 1 000829-4 Apelante : JOÃO AMARO FERNANDES Apelada : A JUSTIÇA PÚBLICA Relator : Des or GETULIO PINHEIRO Delito de trânsito.

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO fls. 180 Registro: 2015.0000572048 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 1022498-16.2013.8.26.0100, da Comarca de São Paulo, em que são apelantes/apelados ROBERTO CARLOS MONTEIRO

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo fls. 91 Registro: 2014.0000560120 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 4008523-94.2013.8.26.0577, da Comarca de São José dos Campos, em que é apelante ULYSSES PINTO NOGUEIRA,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO A C Ó R D Ã O 3ª T U R M A PODER JUDICIÁRIO FEDERAL MEMBRO DE CONSELHO CONSULTIVO. ESTABILIDADE. DESCABIMENTO. Não faz jus à estabilidade sindical o empregado eleito pelo órgão consultivo da entidade,

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO 34 a Câmara SEÇÃO DE DIREITO PRIVADO APELAÇÃO C/ REVISÃO N 940070-0/5. Comarca de CAMPINAS Processo 872/00

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO 34 a Câmara SEÇÃO DE DIREITO PRIVADO APELAÇÃO C/ REVISÃO N 940070-0/5. Comarca de CAMPINAS Processo 872/00 34 a Câmara APELAÇÃO C/ REVISÃO N 940070-0/5 Comarca de CAMPINAS Processo 872/00 l.v.cível APTE APDO MARCELO AZEVEDO FEITOR CORRETORA DE SEGUROS LTDA OTONIEL QUEIROZ DA SILVA A C Ó R D Ã O TRIBUNAL DE

Leia mais

EMB. DECL. EM AC 333.188-CE (2002.81.00.013652-2/01). RELATÓRIO

EMB. DECL. EM AC 333.188-CE (2002.81.00.013652-2/01). RELATÓRIO RELATÓRIO 1. Trata-se de Embargos Declaratórios interpostos pela FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO VALE DO ACARAÚ- UVA, contra Acórdão da Segunda Turma deste TRF de fls. 526/528, nos autos de AC 333.188-CE,

Leia mais

PODER JUDIGÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAÍBA GABINETE DO DESEMBARGADOR MANOEL PAUUNO DA LUZ

PODER JUDIGÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAÍBA GABINETE DO DESEMBARGADOR MANOEL PAUUNO DA LUZ 1' t PODER JUDIGÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAÍBA GABINETE DO DESEMBARGADOR MANOEL PAUUNO DA LUZ ACÓRDÃO Embargos de Declaração na Apelação Cível n 001.2004.027809-3/001 7' Vara Cível da Comarca

Leia mais

02/10/2014 PLENÁRIO : MIN. GILMAR MENDES

02/10/2014 PLENÁRIO : MIN. GILMAR MENDES Decisão sobre Repercussão Geral Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 10 02/10/2014 PLENÁRIO REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 704.520 SÃO PAULO RELATOR RECTE.(S) ADV.(A/S) : MIN.

Leia mais

Poder Judiciário da União Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios

Poder Judiciário da União Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios Poder Judiciário da União Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios Órgão 2ª Turma Recursal dos Juizados Especiais do Distrito Federal Processo N. Apelação Cível do Juizado Especial 20110710091144ACJ

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.366/05 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.366/05 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.366/05 ACÓRDÃO R/E ASSO VENTI. Ferimento em tripulante durante faina de reinstalação de rede de resfriamento do diesel-gerador, provocando-lhe a amputação traumática parcial

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 659.830 - DF (2004/0087560-5) RELATOR RECORRENTE RECORRIDO : MINISTRO CARLOS ALBERTO MENEZES DIREITO : EDUARDO AUGUSTO QUADROS E ALMEIDA : MANOEL FAUSTO FILHO E OUTRO : SOCIEDADE DE

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO ACÓRDÃO Registro: 2013.0000166668 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0203107-50.2009.8.26.0100, da Comarca de São Paulo, em que é apelante VERSAILLES INCORPORADORA SPE LTDA, são

Leia mais

RESPONSABILIDADE MÉDICA EMPRESARIAL E DA EQUIPE CIRÚRGICA POR ERRO ANESTÉSICO

RESPONSABILIDADE MÉDICA EMPRESARIAL E DA EQUIPE CIRÚRGICA POR ERRO ANESTÉSICO RESPONSABILIDADE MÉDICA EMPRESARIAL E DA EQUIPE CIRÚRGICA POR ERRO ANESTÉSICO TOMÁS LIMA DE CARVALHO Em julgamento proferido no dia 22 de setembro de 2009, a Quarta Turma do Superior Tribunal de Justiça

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Decisão sobre Repercussão Geral DJe 04/10/2012 Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 12 20/09/2012 PLENÁRIO REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO 688.223 PARANÁ RELATOR RECTE.(S) ADV.(A/S) : MIN.

Leia mais

: MIN. DIAS TOFFOLI GRANDE

: MIN. DIAS TOFFOLI GRANDE RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 686.721 SÃO PAULO RELATOR RECTE.(S) PROC.(A/S)(ES) RECDO.(A/S) ADV.(A/S) INTDO.(A/S) ADV.(A/S) : MIN. DIAS TOFFOLI :MUNICÍPIO ESTÂNCIA BALNEÁRIA DE PRAIA GRANDE :PROCURADOR-GERAL

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO 34ª Câmara de Direito Privado

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO 34ª Câmara de Direito Privado TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO 34 a Câmara Seção de Direito Privado Julgamento sem segredo de justiça: 23 de agosto de 2010, v.u. Relator: Desembargador Irineu Pedrotti. Apelação Cível nº 992.06.040400-0

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Decisão sobre Repercussão Geral Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 10 29/11/2012 PLENÁRIO REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 692.186 PARAÍBA RELATOR RECTE.(S) RECTE.(S) RECTE.(S)

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO. Registro: 2013.0000530787 ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO. Registro: 2013.0000530787 ACÓRDÃO fls. 1 ACÓRDÃO Registro: 2013.0000530787 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 9238542-72.2008.8.26.0000, da Comarca de São Paulo, em que são apelantes TRIP TRANSPORTE AEREO REGIONAL

Leia mais

PROJETO DE LEI N o, DE 2012 (Do Sr. Romero Rodrigues) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI N o, DE 2012 (Do Sr. Romero Rodrigues) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI N o, DE 2012 (Do Sr. Romero Rodrigues) Permite ao terceiro prejudicado intentar ação diretamente contra o segurador. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta Lei faculta ao terceiro prejudicado

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 695.205 - PB (2004/0145940-1) RELATOR RECORRENTE ADVOGADOS RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRO CARLOS ALBERTO MENEZES DIREITO : BANCO DO BRASIL S/A : MAGDA MONTENEGRO PAULO LOPES DA SILVA

Leia mais

EMENTA ACÓRDÃO RELATÓRIO

EMENTA ACÓRDÃO RELATÓRIO D.E. Publicado em 11/09/2008 EMENTA Previdenciário. Tempo Especial. Vigia. Uso de arma de fogo. Requisito. A atividade de vigia/vigilante somente tem caráter especial quando o segurado efetivamente portava

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO MINISTÉRIO PÚBLICO ELEITORAL EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ RELATOR DO EGRÉGIO TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO AMAZONAS. PROCESSO N. 220-95.2011.6.04.0000 - Classe 30 AUTOS:

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo fls. 327 Registro: 2015.0000232987 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 1091097-70.2014.8.26.0100, da Comarca de, em que é apelante CLAUDIO GUERREIRO, são apelados ALTA GRACIA

Leia mais

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores CHRISTINE SANTINI (Presidente), CLAUDIO GODOY E LUIZ ANTONIO DE GODOY.

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores CHRISTINE SANTINI (Presidente), CLAUDIO GODOY E LUIZ ANTONIO DE GODOY. fls. 1 ACÓRDÃO Registro: 2014.0000230468 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0015157-53.2013.8.26.0003, da Comarca de São Paulo, em que é apelante SUL AMÉRICA COMPANHIA DE SEGURO

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Decisão sobre Repercussão Geral DJe 18/09/2012 Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 13 06/09/2012 PLENÁRIO REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO 651.703 PARANÁ RELATOR : MIN. LUIZ FUX RECTE.(S)

Leia mais

PRESSUPOSTOS SUBJETIVOS DE ADMISSIBILIDADE RECURSAL: - Possui legitimidade para recorrer quem for parte na relação jurídica processual.

PRESSUPOSTOS SUBJETIVOS DE ADMISSIBILIDADE RECURSAL: - Possui legitimidade para recorrer quem for parte na relação jurídica processual. PRESSUPOSTOS SUBJETIVOS DE ADMISSIBILIDADE RECURSAL: - Legitimidade - art. 499 CPC: - Possui legitimidade para recorrer quem for parte na relação jurídica processual. Preposto é parte? Pode recorrer? NÃO.

Leia mais

Nº 70020383147 COMARCA DE CANOAS APELANTE;. M.F.B. P.S.M.N.S.S.. APELADO.

Nº 70020383147 COMARCA DE CANOAS APELANTE;. M.F.B. P.S.M.N.S.S.. APELADO. APELAÇÃO CÍVEL. REVISIONAL DE ALIMENTOS. CERCEAMENTO DE DEFESA. IMPOSSIBILIDADE FINANCEIRA. INOCORRÊNCIA. Não há falar em cerceamento de defesa quando o próprio recorrente dispensou a produção e outras

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 9ª REGIÃO "A conciliação é o melhor caminho para a paz"

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 9ª REGIÃO A conciliação é o melhor caminho para a paz ENQUADRAMENTO SINDICAL. COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL. ENQUADRAMENTO. O fator de agregação dos trabalhadores não é a profissão por eles exercida, mas a natureza da atividade preponderante do empregador

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DÉCIMA NONA CÂMARA CÍVEL RELATOR: DES. MARCOS ALCINO DE AZEVEDO TORRES

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DÉCIMA NONA CÂMARA CÍVEL RELATOR: DES. MARCOS ALCINO DE AZEVEDO TORRES TRIBUNAL DE JUSTIÇA DÉCIMA NONA CÂMARA CÍVEL RELATOR: DES. MARCOS ALCINO DE AZEVEDO TORRES APELAÇÃO CÍVEL Nº. 0002183.65.2008.8.19.0001 APTE: CRISTOVÃO JERONIMO SOARES LOPES APDO: ITAU SEGUROS S.A. Apelação

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO ACÓRDÃO Registro: 2011.0000299990 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 9000322-04.2010.8.26.0037, da Comarca de Araraquara, em que é apelante/apelado DORIVAL CAVICHIONI JUNIOR (JUSTIÇA

Leia mais

APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 283.044-4/0-00, da Comarca de. SÃO PAULO, em que são apelar t es CLODOALDO HUGO DE

APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 283.044-4/0-00, da Comarca de. SÃO PAULO, em que são apelar t es CLODOALDO HUGO DE 13^ 2 «-> - 1 - ACÓRDÃO I TRIBUNAL DE'JUSTIÇA DE. 2 Vistos, relatados e discutidos estes autos de ^ APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 283.044-4/0-00, da Comarca de, em que são apelar t es CLODOALDO HUGO DE

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO. Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO. Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº Registro: 2013.0000605821 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0002348-73.2011.8.26.0238, da Comarca de Ibiúna, em que é apelante ASSOCIAÇAO DOS PROPRIETARIOS DO LOTEAMENTO

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRÁTICA REGISTRADO(A) SOB N *02741632* PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 957.245 - RJ (2007/0227082-3) RELATÓRIO O EXMO. SR. MINISTRO ALDIR PASSARINHO JUNIOR: Cargolux Airlines Internacional S/A opõe agravo regimental contra decisão com o seguinte

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.183/99 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.183/99 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.183/99 ACÓRDÃO Lancha de passageiros COMDUSA XII. Queda de passageira a bordo, provocando-lhe ferimentos graves, com fraturas múltiplas no ombro. Desequilíbrio sofrido

Leia mais

2ª FASE OAB CIVIL Direito Processual Civil Prof. Renato Montans Aula online. EMBARGOS INFRINGENTES (Art. 530 534 do CPC)

2ª FASE OAB CIVIL Direito Processual Civil Prof. Renato Montans Aula online. EMBARGOS INFRINGENTES (Art. 530 534 do CPC) 2ª FASE OAB CIVIL Direito Processual Civil Prof. Renato Montans Aula online EMBARGOS INFRINGENTES (Art. 530 534 do CPC) Cabe de acórdão não unânime por 2x1 3 modalidades: a) Julgamento da apelação b) Julgamento

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE MINAS GERAIS

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE MINAS GERAIS TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE MINAS GERAIS Recurso Eleitoral 255-34.2012.6.13.0141 Procedência: Ituiutaba-MG (141ª ZE - Ituiutaba) Recorrente: Partido Socialismo e Liberdade - PSOL Recorridos: Paranaíba

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 779.487 RIO DE JANEIRO RELATORA RECTE.(S) PROC.(A/S)(ES) : MIN. CÁRMEN LÚCIA :ESTADO DO RIO DE JANEIRO :PROCURADOR-GERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO RECDO.(A/S) :FRANCISCO

Leia mais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais Número do 1.0132.07.009709-3/001 Númeração 0097093- Relator: Relator do Acordão: Data do Julgamento: Data da Publicação: Des.(a) Batista de Abreu Des.(a) Batista de Abreu 27/11/2014 10/12/2014 EMENTA:

Leia mais

Processo n.º 697/2010 Data do acórdão: 2010-12-02. Assunto: suspensão da execução da pena de prisão S U M Á R I O. O relator, Chan Kuong Seng

Processo n.º 697/2010 Data do acórdão: 2010-12-02. Assunto: suspensão da execução da pena de prisão S U M Á R I O. O relator, Chan Kuong Seng Processo n.º 697/2010 Data do acórdão: 2010-12-02 Assunto: suspensão da execução da pena de prisão S U M Á R I O Sendo o arguido recorrente um delinquente com antecedentes criminais e sem confissão integral

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo fls. 168 Registro: 2015.0000424279 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 1034086-83.2014.8.26.0100, da Comarca de, em que é apelante LUIS EDUARDO DA SILVA NAVES, é apelado TEC

Leia mais

PROCESSO Nº TST-RR-358-35.2014.5.03.0011. A C Ó R D Ã O (8ª Turma) GMMCP/dpf/klg

PROCESSO Nº TST-RR-358-35.2014.5.03.0011. A C Ó R D Ã O (8ª Turma) GMMCP/dpf/klg A C Ó R D Ã O (8ª Turma) GMMCP/dpf/klg RECURSO DE REVISTA INTERPOSTO SOB A ÉGIDE DA LEI Nº 10.015/2014 NULIDADE DA CITAÇÃO ÔNUS DO DESTINATÁRIO Na forma do art. 841, 1º, da CLT, A notificação será feita

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL LUIZ ALBERTO GURGEL DE FARIA

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL LUIZ ALBERTO GURGEL DE FARIA AGTR Nº 74178 - PB (2007.05.00.005494-7) AGRAVANTE(S) : CEF CAIXA ECONÔMICA FEDERAL ADVOGADO(S) : ISAAC MARQUES CATÃO e outros AGRAVADO(S) : ANA PATRÍCIA SAMPAIO DE ALMEIDA e cônjuge ADVOGADO(S) : JAIRO

Leia mais

CONSUMIDOR. CARTÃO DE CRÉDITO. PAGAMENTO. DIVERGÊNCIA CÓDIGO DE BARRAS. QUITAÇÃO DEMONSTRADA POR OUTROS MEIOS DE PROVA.

CONSUMIDOR. CARTÃO DE CRÉDITO. PAGAMENTO. DIVERGÊNCIA CÓDIGO DE BARRAS. QUITAÇÃO DEMONSTRADA POR OUTROS MEIOS DE PROVA. Poder Judiciário da União TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO DISTRITO FEDERAL E DOS TERRITÓRIOS Órgão 3ª Turma Recursal dos Juizados Especiais do Distrito Federal Processo N. Apelação Cível do Juizado Especial 20111010056592ACJ

Leia mais

08/11/2012 PLENÁRIO : MIN. GILMAR MENDES

08/11/2012 PLENÁRIO : MIN. GILMAR MENDES Decisão sobre Repercussão Geral Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 11 08/11/2012 PLENÁRIO REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 675.505 RIO DE JANEIRO RELATOR RECTE.(S) ADV.(A/S) RECDO.(A/S)

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 468.333 - MS (2002/0108270-6) RELATOR : MINISTRO LUIS FELIPE SALOMÃO RECORRENTE : BANCO DO BRASIL S/A ADVOGADO : GILBERTO EIFLER MORAES E OUTRO(S) RECORRIDO : LEODARCY DA SILVA ANGELIERI

Leia mais

Página 1 de 5 PROC. Nº TST-E-RR-543.966/1999.6. fls. 1 PROC. Nº TST-E-RR-543.966/1999.6 A C Ó R D Ã O SBDI-1 ACV/sp/vm

Página 1 de 5 PROC. Nº TST-E-RR-543.966/1999.6. fls. 1 PROC. Nº TST-E-RR-543.966/1999.6 A C Ó R D Ã O SBDI-1 ACV/sp/vm Página 1 de 5 PROC. Nº TST-E-RR-543.966/1999.6 fls. 1 PROC. Nº TST-E-RR-543.966/1999.6 A C Ó R D Ã O SBDI-1 ACV/sp/vm RECURSO DE EMBARGOS. ADICIONAL DE INSALUBRE E REFLEXOS. NEUTRALIZAÇÃO DO AGENTE INSALUBRE

Leia mais

Recurso jurisdicional em matéria administrativa. Assunto: Suspensão da eficácia do acto. Prova testemunhal. Lei Básica.

Recurso jurisdicional em matéria administrativa. Assunto: Suspensão da eficácia do acto. Prova testemunhal. Lei Básica. Processo n.º 23/2015. Recurso jurisdicional em matéria administrativa. Recorrente: A. Recorrido: Secretário para a Segurança. Assunto: Suspensão da eficácia do acto. Prova testemunhal. Lei Básica. Data

Leia mais

VISTOS, relatados e discutidos estes autos, em que são partes as acima identificadas: RELATÓRIO

VISTOS, relatados e discutidos estes autos, em que são partes as acima identificadas: RELATÓRIO ESTADO DA PARAÍBA 21 PODER JUDICIÁRIO 1 Apelação Cível n. 888.2002.014.833-4/001 Relator: Des. Luiz Silvio Ramalho Júnior Apelante: GM Factoring Sociedade de Fomento Comercial Ltda Advogada: Maria Irinea

Leia mais

O julgamento teve a participação dos Desembargadores BORIS KAUFFMANN (Presidente) e ELLIOT AKEL. São Paulo, 01 de junho de 2010.

O julgamento teve a participação dos Desembargadores BORIS KAUFFMANN (Presidente) e ELLIOT AKEL. São Paulo, 01 de junho de 2010. th.-,; V. pjúk-^i ** "i' ''" >*.. > ' * ' PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACORDAO/DECISÃO MONOCRÁTICA REGISTRADO(A) SOB N ACÓRDÃO I llllll MU llfll lllli

Leia mais

Certificados de Capacidade dos Pescadores

Certificados de Capacidade dos Pescadores 1 CONVENÇÃO N. 125 Certificados de Capacidade dos Pescadores I Aprovada na 50ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1966), entrou em vigor no plano internacional em 15.7.69. II Dados

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg nos EMBARGOS DE DIVERGÊNCIA EM RESP Nº 1.201.791 - SP (2013/0340189-0) RELATOR AGRAVANTE ADVOGADOS AGRAVADO ADVOGADO : MINISTRO RICARDO VILLAS BÔAS CUEVA : M O M DE B A : ADRIANA CHIECO E OUTRO(S)

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo. Voto nº 23951

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo. Voto nº 23951 10ª Câmara Seção de Direito Privado Apelação com Revisão n 4002213-20.2013.8.26.0562 Comarca: Santos Ação: Compromisso de Venda e Compra e Repetição de indébito Apte(s).: API Assessoria Consultoria e Intermediação

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO Registro: 2013.0000450602 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0112846-73.2008.8.26.0100, da Comarca de São Paulo, em que é apelante COMPANHIA MULLER DE BEBIDAS, são apelados

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO. Registro: 2013.0000027012 ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO. Registro: 2013.0000027012 ACÓRDÃO fls. 1 Registro: 2013.0000027012 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Embargos Infringentes nº 0003778-19.2011.8.26.0575/50000, da Comarca de São José do Rio Pardo, em que é embargante

Leia mais

06/02/2007 SEGUNDA TURMA : PGE-SP - MANOEL FRANCISCO PINHO : ROBERTO DE SIQUEIRA CAMPOS E OUTRO(A/S) R E L A T Ó R I O

06/02/2007 SEGUNDA TURMA : PGE-SP - MANOEL FRANCISCO PINHO : ROBERTO DE SIQUEIRA CAMPOS E OUTRO(A/S) R E L A T Ó R I O 06/02/2007 SEGUNDA TURMA RECURSO EXTRAORDINÁRIO 461.968-7 SÃO PAULO RELATOR RECORRENTE(S) ADVOGADO(A/S) RECORRENTE(S) ADVOGADO(A/S) RECORRIDO(A/S) : MIN. EROS GRAU : ESTADO DE SÃO PAULO : PGE-SP - MANOEL

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL RELATOR: JUIZ FEDERAL RELATÓRIO Cuida-se de pedido de uniformização de jurisprudência que tem por objeto divergência entre julgado da 2ª Turma Recursal do Rio de Janeiro e acórdão proferido pela Turma

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO Registro: 2013.0000209289 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0017770-14.2003.8.26.0224, da Comarca de Guarulhos, em que é apelante/apelado HSBC SEGUROS ( BRASIL ) S/A, são

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA SEGUNDA CÂMARA CÍVEL

TRIBUNAL DE JUSTIÇA SEGUNDA CÂMARA CÍVEL TRIBUNAL DE JUSTIÇA SEGUNDA CÂMARA CÍVEL Agravo Inominado na Apelação Cível nº. 0335220-03.2008.8.19.0001 Agravante: GOLDEN CROSS ASSISTÊNCIA INTERNACIONAL DE SAÚDE LTDA Agravado: JORGE MEDEIROS FREITAS

Leia mais

...n,1 h, , sal:0 I < s. 1, 1891 '...

...n,1 h, , sal:0 I < s. 1, 1891 '... .. -.-...,...n,1 h,, sal:0 I < s. 1, 1891 '... --á--ig. Poder Judiciário do Estado da Paraíba Tribunal de Justiça Gabinete da Desa Maria das Neves do Egito de A. D. Ferreira ACÓRDÃO APELAÇÃO Cá/EL N o

Leia mais

EMENTA: CIVIL. Ação declaratória c/c reparatória

EMENTA: CIVIL. Ação declaratória c/c reparatória 1 I c4j1,1';,i N 001.2006.006.866-3/001 - - -= ACÓRDÃO N a. 001.2006.006.866-3/001. RELATOR Desembargador Marcos Cavalcanti de Albuquerque APELANTE Joseilton Lima de Andrade Adv. Fabio Severiano do Nascimento.

Leia mais

JAFC Nº 70009625369 2004/CÍVEL

JAFC Nº 70009625369 2004/CÍVEL AÇÃO DE NUNCIAÇÃO DE OBRA NOVA E DANO INFECTO. INDENIZAÇÃO DOS DANOS MATERIAIS E MORAIS SOFRIDOS PELO OCUPANTE DO IMÓVEL. O INQUILINO, COMO POSSUIDOR DIRETO DO BEM, É TITULAR DO DIREITO DE PROTEÇÃO CONTRA

Leia mais

35 a Câmara A C O R D A O *01967384*

35 a Câmara A C O R D A O *01967384* ^ TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SAO PAULO 3 SEÇÃO DE DIREITO PRIVADO J APELAÇÃO S/ REVISÃO N 1031227-0/3 35 a Câmara Comarca de SÃO PAULO 4 0.V.CÍVEL Processo 37645/05 APTE CMW PLANEJAMENTO E CONSULTORIA

Leia mais

EXMº SR. DR. JUÍZ DE DIREITO DO 12º JUIZADO ESPECIAL CIVEL DO MEIER DA COMARCA DA CAPITAL.

EXMº SR. DR. JUÍZ DE DIREITO DO 12º JUIZADO ESPECIAL CIVEL DO MEIER DA COMARCA DA CAPITAL. 223 EXMº SR. DR. JUÍZ DE DIREITO DO 12º JUIZADO ESPECIAL CIVEL DO MEIER DA COMARCA DA CAPITAL. PROC.0011163-42-2014-8-19-0208 I. CONDOMÍNIO DO EDIFICIO FANY, por seu advogado, nos autos da AÇÃO INDENIZATORIA

Leia mais

itmint, Poder Judiciário do Estado da Paraíba Tribunal de Justiça Gabinete da Desembargadora Maria das Neves do Egito de A. D.

itmint, Poder Judiciário do Estado da Paraíba Tribunal de Justiça Gabinete da Desembargadora Maria das Neves do Egito de A. D. AC no 001.2005.000.540-2/001 1 itmint, Poder Judiciário do Estado da Paraíba Tribunal de Justiça Gabinete da Desembargadora Maria das Neves do Egito de A. D. Ferreira ACÓRDÃO APELAÇÃO CÍVEL No 001.2005.000.540-2/001

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO SEGUNDO TRIBUNAL DE ALÇADA CIVIL DÉCIMA CÂMARA

PODER JUDICIÁRIO SEGUNDO TRIBUNAL DE ALÇADA CIVIL DÉCIMA CÂMARA APELAÇÃO COM REVISÃO N º 641.562-0/7 CAMPINAS Apelante: Lafontes Seguros Administração e Corretora de Seguros S. C. Ltda. Apelada : Margarida da Cunha Santos AÇÃO DE COBRANÇA. EMBARGOS À EXECUÇÃO. CERCEAMENTO

Leia mais

Nº 91441-PGR-RJMB APELAÇÃO. AÇÃO CIVIL PÚBLICA. CONSTITUCIO- NAL. ADMINISTRATIVO. UNIVERSIDADE. CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZA-

Nº 91441-PGR-RJMB APELAÇÃO. AÇÃO CIVIL PÚBLICA. CONSTITUCIO- NAL. ADMINISTRATIVO. UNIVERSIDADE. CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZA- Nº 91441-PGR-RJMB Eletrônico Relator: Ministro Dias Toffoli Recorrente: Universidade Federal de Pernambuco Recorrido: Ministério Público Federal RECURSO EXTRAORDINÁRIO. DIREITO À EDUCAÇÃO. INSTITUIÇÃO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RELATOR : MINISTRO ARNALDO ESTEVES LIMA EMENTA DIREITO ADMINISTRATIVO. RECURSO ESPECIAL. MILITAR. "AJUDA-DE-CUSTO". MUDANÇA TEMPORÁRIA DE SEDE. POSSIBILIDADE. "INDENIZAÇÃO DE TRANSPORTE". MUDANÇA DE DOMICÍLIO.

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO 9ª Câmara de Direito Privado ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO 9ª Câmara de Direito Privado ACÓRDÃO Registro: 2014.0000760XXX ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0057XXX- 94.2009.8.26.0405, da Comarca de Osasco, em que é apelante COOPERATIVA HABITACIONAL PLANALTO, é apelado

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Decisão sobre Repercussão Geral DJe 20/05/2011 Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 6 13/08/2010 PLENÁRIO REPERCUSSÃO GERAL NO AGRAVO DE INSTRUMENTO 754.745 SÃO PAULO RELATOR AGTE.(S) ADV.(A/S) AGDO.(A/S)

Leia mais

RECURSO ESPECIAL Nº 502.765 - RS (2003/0023756-0)

RECURSO ESPECIAL Nº 502.765 - RS (2003/0023756-0) RECURSO ESPECIAL Nº 502.765 - RS (2003/0023756-0) RELATOR : MINISTRO JOSÉ DELGADO RECORRENTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS PROCURADOR : PATRÍCIA VARGAS LOPES E OUTROS RECORRIDO : OSTRA OBRAS

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE CONSELHO DE RECURSOS FISCAIS

RIO GRANDE DO NORTE CONSELHO DE RECURSOS FISCAIS RIO GRANDE DO NORTE CONSELHO DE RECURSOS FISCAIS PROCESSO : Nº 0125/2008-CRF. PAT : Nº 0140/2006-1ª URT. RECORRENTE : SECRETARIA DE ESTADO DA TRIBUTAÇÃO. RECORRIDO : MARISA LOJAS VAREJISTAS LTDA. RECURSO

Leia mais

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL PROCESSO: RC 1-30.2013.6.21.0068 PROCEDÊNCIA: FLORES DA CUNHA RECORRENTE: MINISTÉRIO PÚBLICO ELEITORAL RECORRIDO: JONATAN DE OLIVEIRA -----------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gab. Des. Genésio Gomes Pereira Filho ACÓRDÃO

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gab. Des. Genésio Gomes Pereira Filho ACÓRDÃO ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gab. Des. Genésio Gomes Pereira Filho ACÓRDÃO AGRAVO DE INSTRUMENTO n 200.2009.038547-3/001 1 7a Vara Cível da Capital RELATOR: Des. Genésio Gomes

Leia mais

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores LUIZ ANTONIO DE GODOY (Presidente sem voto), DE SANTI RIBEIRO E ELLIOT AKEL.

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores LUIZ ANTONIO DE GODOY (Presidente sem voto), DE SANTI RIBEIRO E ELLIOT AKEL. ACÓRDÃO Registro: 2011.0000324840 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0068021-37.2009.8.26.0576, da Comarca de São José do Rio Preto, em que é apelante UNIMED - SÃO JOSÉ DO RIO PRETO

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de APELAÇÃO ClVEL n^ 071.433-4/5, da Comarca de SÃO PAULO, em que é apelante TROPVILLE COMERCIAL LTDA., sendo apelada EMPRESARIAL E ASSESSORIA S/C LTDA.:

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO GABINETE DO EXMO. DES. MÁRCIO MURILO DA CUNHA RAMOS

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO GABINETE DO EXMO. DES. MÁRCIO MURILO DA CUNHA RAMOS f.- ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO GABINETE DO EXMO. DES. MÁRCIO MURILO DA CUNHA RAMOS ACÓRDÃO APELAÇÃO CÍVEL N 018.2010.001180-0/001 r Vara da Comarca de Guarabira RELATOR: Dr. João Batista Barbosa,

Leia mais

V I S T O S, relatados e discutidos estes autos de. GRUPO PREVENIR CONSULTING LTDA. [ME] e GOLDEN PLAN PARTICIPAÇÕES COMERCIAIS LTDA.. I.

V I S T O S, relatados e discutidos estes autos de. GRUPO PREVENIR CONSULTING LTDA. [ME] e GOLDEN PLAN PARTICIPAÇÕES COMERCIAIS LTDA.. I. RECURSO ORDINÁRIO, provenientes da V I S T O S, relatados e discutidos estes autos de MM. 08ª VARA DO TRABALHO DE CURITIBA, PR, sendo Recorrente JESSICA LUANNA CASSAROTTI e Recorridos GRUPO PREVENIR CONSULTING

Leia mais

DECISÃO DO STJ NO RECURSO ESPECIAL Nº 1196671 Relatora Ministra ASSUSETE MAGALHÃES Trata-se de Recurso Especial interposto por MARIA ALICE MARQUES

DECISÃO DO STJ NO RECURSO ESPECIAL Nº 1196671 Relatora Ministra ASSUSETE MAGALHÃES Trata-se de Recurso Especial interposto por MARIA ALICE MARQUES DECISÃO DO STJ NO RECURSO ESPECIAL Nº 1196671 Relatora Ministra ASSUSETE MAGALHÃES Trata-se de Recurso Especial interposto por MARIA ALICE MARQUES RIPOLL DE MACEDO e OUTROS, com fundamento no art. 105,

Leia mais

ACÓRDÃO. Vistos, relatados e discutidos estes autos de. APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 566.553-5/0-00, da Comarca de

ACÓRDÃO. Vistos, relatados e discutidos estes autos de. APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 566.553-5/0-00, da Comarca de ACÓRDÃO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRATICA REG,ST^.?^.!!I I1.. 1 Vistos, relatados e discutidos estes autos de APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 566.553-5/0-00, da Comarca de SÃO JOSÉ DO RIO PRETO, em que são apelantes

Leia mais

1, 91 I, L.; Poder Judiciário do Estado da Paraíba Tribunal de Justiça Gabinete da Desembargadora Maria das Neves do Egito de A. D.

1, 91 I, L.; Poder Judiciário do Estado da Paraíba Tribunal de Justiça Gabinete da Desembargadora Maria das Neves do Egito de A. D. # 1' AC no 001.2008.015902-1/001 1 1, 91 I, L.; Poder Judiciário do Estado da Paraíba Tribunal de Justiça Gabinete da Desembargadora Maria das Neves do Egito de A. D. Ferreira ACÓRDÃO 4110 APELAÇÃO Chi/EL

Leia mais