AVARIA GROSSA PRIMEIRAS LINHAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVARIA GROSSA PRIMEIRAS LINHAS"

Transcrição

1 RESUMO Artigo que propõe apresentar as primeiras linhas sobre o tema AVARIA GROSSA, sua previsão legal, características e iniciando a abordagem prática. AVARIA GROSSA Alexandro Alves Ferreira

2 AVARIA GROSSA PRIMEIRAS LINHAS O objetivo deste artigo é trazer as considerações gerais e primeiras sobre avaria grossa. Desta forma, optou-se pela didática textual, afastando o tecnicismo habitualmente encontrado nos artigos, assim procurando alcançar o maior número possível de interessados no tema. Nosso código comercial, de 1850, em seu artigo 763 se lido de forma reflexiva, parece já solucionar o tema, fazendo a distinção dos tipos de avarias e como devem ser tratadas, vejamos o inteiro teor do artigo: Art As avarias são de duas espécies: avarias grossas ou comuns, e avarias simples ou particulares. A importância das primeiras é repartida proporcionalmente entre o navio, seu frete e a carga; e a das segundas é suportada, ou só pelo navio, ou só pela coisa que sofreu o dano ou deu causa à despesa. Desdobrando e entendendo este dispositivo legal, vimos que: a) Avaria é gênero, sendo suas espécies (avarias grossas ou comuns e avarias simples ou particulares); b) Que a avaria grossa quando apurada, as despesas oriundas do estrago/dano são repartidas proporcionalmente entre o transportador/consignatários que tiveram carga a bordo; c) Que no caso de avaria simples, as despesas oriundas do estrago/dano, são suportadas apenas por quem sofreu ou dano, ou seja, ou somente o transportador ou somente o consignatário 1.AVARIA SIMPLES OU PARTICULAR De fato, nos deparamos com maior habitualidade com a avaria comum, identificada naqueles casos de contêineres amassados, embalagens quebradas, e outros eventos de iguais características. Nestes casos, geralmente o consignatário aciona sua seguradora, ocorrem vistorias, indenização ou não pela seguradora e demais expedientes necessários. Caso o consignatário não possua cobertura de seguro, geralmente acaba arcando com o prejuízo ou acionando procura invocar seu direito de reparação por vias judiciais acionando as partes que lhes pareceram causadoras da avaria, seja o transportador internacional, o terminal, o transportador rodoviário ou mesmo o exportador.

3 2.AVARIA GROSSA OU COMUNS (GENERAL AVERAGE) O tema (avaria grossa), já não faz parte do nosso cotidiano, ao menos (e ainda bem, não com a mesma habitualidade das avarias simples) por tanto, quando da sua ocorrência sempre gera dúvidas aos operadores e consignatários. Para compreender corretamente a avaria grossa, invocamos a doutrina, onde: AVARIA GROSSA - Há um ato de avaria grossa quando, e somente quando, qualquer sacrifício ou despesa extraordinários são intencionalmente e razoavelmente efetuados ou incorridos para a segurança comum (Navio, carga e tripulantes), com o propósito de preservar de perigo a propriedade envolvida, em uma aventura marítima comum (Vieira, Guilherme Bergmann Borges Transportes Internacionais de Cargas 2ª Edição São Paulo, Aduaneiras, 2002 Ou seja, aqui notamos que pode ser declarada avaria grossa quando a ação intencional visa proteger 03 instituições: - Navio - Carga - Tripulantes. Vamos aos exemplos: A-NAVIO ENCALHADO Se o navio encalhar e sofrer danos no seu casco, pelo que vimos até então, não poderia ser declarada avaria grossa. Por que? Porque a ação reparadora visará atender apenas há um interesse, qual seja, o do navio. B-NAVIO & EMINÊNCIA DE NAUFRÁGIO Agora, se um navio, encontra-se navegando e se depara com uma forte tempestade, onde para que se evite o naufrágio da embarcação seja necessário lançar alguns ou diversos contêineres ao mar, aqui se encontraria os preceitos para se declarar a avaria grossa. Por que? Porque a ação intencional, visa atender as três instituições (navio/carga/tripulantes). 3.DECLARAÇÃO DE AVARIA GROSSA Na ocorrência de um furtuito, que remeta danos e perdas, os armadores acionam os peritos reguladores, para apurar os fatos, e de acordo com suas análises, declarar ou não avaria grossa.

4 Tais peritos/árbitros reguladores são profissionais formados por cooperativas de armadores internacionais. Em caracterizando a avaria grossa, estes reguladores fazem o cálculo do dano, incluindo todas as despesas para reintegração plena do dano apurado, com o objetivo de ratear tais valores entre os consignatários embarcados. 4.COBRANÇA E PAGAMENTO DA COTA-PARTE SOBRE AVARIA GROSSA Em declarado avaria grossa, como vimos, os reguladores demonstram para os armadores os valores a serem rateados. Os armadores por sua vez, comunicam os consignatários e enviam a estes, documentos (BOND e AVERAGE GUARANTEE) bem como as devidas instrução para cargas seguradas e cargas não seguradas. Os consignatários devem apresentar tais documentos preenchidos por eles e por sua seguradora, nos casos de cargas seguradas. Nestes casos é a seguradora que irá responder pela parcela de contribuição da avaria grossa. Para os consignatários que não possuam cobertura de seguro, além da documentação solicitada pelo armador, devem apresentar depósito-garantia relativa a parcela contributiva referente a avaria grossa. Vale-se lembrar que o valor calculado e rateado, levará em conta o valor declarado na fatura comercial, onde o fator de contribuição será aplicado. Ou seja, o importar de uma máquina de USD ,00 após aplicação do fator de rateio, deverá contribuir com USD XXXX,XX. Já o importador, por exemplo, de canetas, cuja fatura comercial apresentada, declara o valor de USD 3.000,00 deverá contribuir com USD XX,XX 5.DIREITO DE RETENÇÃO Artigo 7º do DL 116/67 Art. 7º Ao armador é facultado o direito de determinar a retenção da mercadoria nos armazéns, até ver liquidado o frete devido ou o pagamento da contribuição por avaria grossa declarada. Ou seja, ainda que o importador liquide o valor do frete, mas não efetue o pagamento da contribuição por avaria grossa declarada, poderá ter sua carga retida pelo armador, que possui amparo legal para tal. A retenção se dá, operacionalmente falando através do bloqueando a CE, conforme prevê o parágrafo único, do Artigo 40 da IN RFB 800/07, onde: Parágrafo único. O sistema informará ao depositário, no momento da entrega, a retenção determinada pelo armador. Na expectativa de ter lançado luz sobre alguns aspectos e características sobre avaria grossa.

5 LEGISLAÇÃO APLICADA: DL 116/67 DL 556/1850 Código Comercial Brasileiro IN RFB 800/07 FONTES ELETRÔNICAS: DOUTRINA: Vieira, Guilherme Bergmann Borges Transportes Internacionais de Cargas 2ª Edição São Paulo, Aduaneiras, 2002

Características Gerais dos Seguros de Transportes Internacionais: I Condições Gerais;

Características Gerais dos Seguros de Transportes Internacionais: I Condições Gerais; Coberturas de Riscos UNIDADE III: Seguros: modalidades, custos e legislação internacional do setor. Cláusulas e condições gerais das apólices de seguros Características Gerais dos Seguros de Transportes

Leia mais

Unidade IV LOGÍSTICA PARA IMPORTAÇÃO. Prof. Márcio Antoni

Unidade IV LOGÍSTICA PARA IMPORTAÇÃO. Prof. Márcio Antoni Unidade IV LOGÍSTICA PARA IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO Prof. Márcio Antoni Seguros O seguro é uma operação comercial na qual o segurado (exportador ou importador) e segurador (companhia de seguro) formalizam

Leia mais

PORTO ORGANIZADO DE PORTO VELHO TARIFA PORTUÁRIA VIGÊNCIA: 07/05/2015.

PORTO ORGANIZADO DE PORTO VELHO TARIFA PORTUÁRIA VIGÊNCIA: 07/05/2015. 1 SOCIEDADE DE PORTOS E HIDROVIAS DO PORTO ORGANIZADO DE PORTO VELHO TARIFA PORTUÁRIA VIGÊNCIA: 07/05/2015. RESOLUÇÃO Nº 4.093-ANTAQ, DE 07/05/2015. (ANTAQ-Agência Nacional de Transportes Aquaviário) PORTO

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS SEGURO DE TRANSPORTES

GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS SEGURO DE TRANSPORTES GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS SEGURO DE TRANSPORTES Este glossário apresenta-se composto de palavras e expressões comumente usadas pelo mercado segurador e por vezes desconhecidas pelo grande público consumidor

Leia mais

DEMURRAGE OBJETIVO DA INFORMAÇÃO

DEMURRAGE OBJETIVO DA INFORMAÇÃO Página1de6 DEMURRAGE OBJETIVO DA INFORMAÇÃO O tema demurrage, embora não seja novo, é o de maior contencioso do Direito Marítimo. Assim, e sabendo-se que a quase totalidade das mercadorias importadas ou

Leia mais

Termos e Condições (Português)

Termos e Condições (Português) Termos e Condições (Português) I BOOKINGS DE EXPORTAÇÃO MARÍTIMA Antes do carregamento do container, por gentileza entrar em contato com o terminal e verificar se o booking encontra-se registrado e o levante

Leia mais

Condições Contratuais Seguro Transporte Internacional Cobertura Básica Ampla Nº 12 Processo SUSEP nº 15414.901332/2014-22 Versão 1.

Condições Contratuais Seguro Transporte Internacional Cobertura Básica Ampla Nº 12 Processo SUSEP nº 15414.901332/2014-22 Versão 1. Cobertura Básica Ampla Nº 12 PARA EMBARQUES A GRANEL (AQUAVIÁRIOS E TERRESTRES) Cláusula 1 Riscos Cobertos 1.1. A presente cobertura tem por objetivo indenizar, ao Segurado, os prejuízos que venha a sofrer

Leia mais

Condições Contratuais Seguro Transporte Internacional Cobertura Básica Restrita Nº 15 Processo SUSEP nº 15414.901332/2014-22 Versão 1.

Condições Contratuais Seguro Transporte Internacional Cobertura Básica Restrita Nº 15 Processo SUSEP nº 15414.901332/2014-22 Versão 1. Cobertura Básica Restrita Nº 15 PARA MADEIRAS (CARGA NO CONVÉS) Cláusula 1 Riscos Cobertos 1.1. A presente cobertura tem por objetivo indenizar, ao Segurado, os prejuízos que venha a sofrer em conseqüência

Leia mais

Condições Contratuais Seguro Transporte Internacional Cobertura Básica Restrita Nº 14 Processo SUSEP nº 15414.901332/2014-22 Versão 1.

Condições Contratuais Seguro Transporte Internacional Cobertura Básica Restrita Nº 14 Processo SUSEP nº 15414.901332/2014-22 Versão 1. Cobertura Básica Restrita Nº 14 PARA CARVÃO (EMBARQUES AQUAVIÁRIOS E TERRESTRES) Cláusula 1 Riscos Cobertos 1.1. A presente cobertura tem por objetivo indenizar, ao Segurado, os prejuízos que venha a sofrer

Leia mais

Tokio Marine TRANSPORTES

Tokio Marine TRANSPORTES Tokio Marine TRANSPORTES Tokio Marine Transportes Objetivo Compreender o Seguro de Transportes e sua aplicação. Identificar oportunidades de negócios ligadas ao seguro de Transportes. 1. Objetivo do Seguro

Leia mais

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 41, de 10 de junho de 1980 - DOU de 13.06.80

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 41, de 10 de junho de 1980 - DOU de 13.06.80 Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República Portuguesa sobre Transportes e Navegação Marítima Assinado em 23 de maio de 1978 Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 41,

Leia mais

Acordo entro e Governo da República Portuguesa e o Governo da República Federativa do Brasil sobre Transporte e Navegação Marítima.

Acordo entro e Governo da República Portuguesa e o Governo da República Federativa do Brasil sobre Transporte e Navegação Marítima. Decreto n.º 53/79 de 12 de Junho Acordo sobre Transporte e Navegação Marítima entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da República Federativa do Brasil O Governo decreta, nos termos da alínea

Leia mais

PRAZO PRESCRICIONAL DA SOBRE-ESTADIA (DEMURRAGE)

PRAZO PRESCRICIONAL DA SOBRE-ESTADIA (DEMURRAGE) PRAZO PRESCRICIONAL DA SOBRE-ESTADIA (DEMURRAGE) Ao adentrarmos nos aspectos legais envolvendo a sobre-estadia de contêineres, faz-se necessário expor um breve escorço histórico. No inicio da navegação

Leia mais

APÓLICE COLETIVA DE SEGURO DE TRANSPORTE Coletânea de Perguntas e Respostas

APÓLICE COLETIVA DE SEGURO DE TRANSPORTE Coletânea de Perguntas e Respostas APÓLICE COLETIVA DE SEGURO DE TRANSPORTE Coletânea de Perguntas e Respostas 1. A quem se destina a apólice? R.: Destina-se às empresas associadas ao SICEPOT-MG, sendo extensivo às empresas do mesmo grupo

Leia mais

OBS: o que está grifado em amarelo foi suprimido da resolução na versão do dia 29/02.

OBS: o que está grifado em amarelo foi suprimido da resolução na versão do dia 29/02. NORMA QUE ESTABELECE PARÂMETROS REGULATÓRIOS A SEREM OBSERVADOS NA PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE CONTÊINERES E VOLUMES, EM INSTALAÇÕES DE USO PÚBLICO, NOS PORTOS ORGANIZADOS -

Leia mais

Por tonelada líquida de registro (TLR) de embarcação destinada ao transporte de passageiros, turismo e recreio, na área do Porto Organizado

Por tonelada líquida de registro (TLR) de embarcação destinada ao transporte de passageiros, turismo e recreio, na área do Porto Organizado Tabela I Utilização da Infraestrutura de Acesso Aquaviário (Taxas devidas pelo armador ou agente) No. Espécie Incidência Valor() 1. Carregamento, descarga ou baldeação, por tonelada ou fração 3,73 2. Carregamento,

Leia mais

Das Atribuições e Competências. Art. 2º Compete ao Serviço de Vigilância e Controle Aduaneiro (Sevig) da ALF/VIT:

Das Atribuições e Competências. Art. 2º Compete ao Serviço de Vigilância e Controle Aduaneiro (Sevig) da ALF/VIT: Port. Inspet. Alfândega Porto de Vitória - ES 70/08 - Port. - Portaria INSPETOR- CHEFE DA ALFÂNDEGA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL DO PORTO DE VITÓRIA-ES - Inspet. Alfândega Porto do Vitória - ES nº 70 de

Leia mais

Dispõe sobre o transporte rodoviário de cargas por conta de terceiros e mediante remuneração e revoga a Lei nº 6.813, de 10 de julho de 1980.

Dispõe sobre o transporte rodoviário de cargas por conta de terceiros e mediante remuneração e revoga a Lei nº 6.813, de 10 de julho de 1980. LEI Nº 11.442, de 05/01/2007 Dispõe sobre o transporte rodoviário de cargas por conta de terceiros e mediante remuneração e revoga a Lei nº 6.813, de 10 de julho de 1980. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço

Leia mais

TABELA DE PREÇOS E CONDIÇÕES COMERCIAIS ESTRUTURA DE SERVIÇOS E PREÇOS

TABELA DE PREÇOS E CONDIÇÕES COMERCIAIS ESTRUTURA DE SERVIÇOS E PREÇOS TABELA DE PREÇOS E CONDIÇÕES COMERCIAIS Vigência: 15/03/2014 a 14/03/2015 ESTRUTURA DE SERVIÇOS E PREÇOS OPERAÇÃO PORTUÁRIA - Tarifas devidas pelo armador, agente de navegação ou requisitante - A. OPERAÇÃO

Leia mais

Condições Contratuais Seguro Transporte Internacional Cobertura Básica Ampla Nº 7 Processo SUSEP nº 15414.901332/2014-22 Versão 1.

Condições Contratuais Seguro Transporte Internacional Cobertura Básica Ampla Nº 7 Processo SUSEP nº 15414.901332/2014-22 Versão 1. Cobertura Básica Ampla Nº 7 PARA MERCADORIAS/ BENS CONGELADOS Cláusula 1 Riscos Cobertos 1.1. A presente cobertura tem por objetivo indenizar, ao Segurado, os prejuízos que venha a sofrer em conseqüência

Leia mais

- Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC

- Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC FORMAÇÃO Analista de Logística em Comércio Exterior - Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC Objetivo: Habilitar o participante para trabalhar com as rotinas da logística

Leia mais

TARIFA DO PORTO DE SUAPE

TARIFA DO PORTO DE SUAPE SUAPE COMPLEXO INDUSTRIAL PORTUÁRIO TARIFA DO PORTO DE SUAPE Homologada pela RESOLUÇÃO Nº 4.091, DE 7 DE MAIO DE 2015 (D.O.U. de 08.05.15) TABELA 1 UTILIZAÇÃO DA INFRAESTRUTURA MARÍTIMA (Taxas devidas

Leia mais

SEGURO DE TRANSPORTE DE CARGAS NACIONAL E INTERNACIONAL

SEGURO DE TRANSPORTE DE CARGAS NACIONAL E INTERNACIONAL SEGURO DE TRANSPORTE DE CARGAS NACIONAL E INTERNACIONAL Sobre o Seguro de Transportes É destinado a dois tipos de clientes: 1. Proprietários de mercadorias (embarcador) 2. Empresas de transportes rodoviários

Leia mais

Condições Contratuais Seguro Transporte Internacional Cobertura Básica Restrita Nº 13 Processo SUSEP nº 15414.901332/2014-22 Versão 1.

Condições Contratuais Seguro Transporte Internacional Cobertura Básica Restrita Nº 13 Processo SUSEP nº 15414.901332/2014-22 Versão 1. Cobertura Básica Restrita Nº 13 PARA RANSPORE DE ÓLEO (PERÓLEO) A GRANEL (EMBARQUES AQUAVIÁRIOS E ERRESRES) Cláusula 1 Riscos Cobertos 1.1. A presente cobertura tem por objetivo indenizar, ao Segurado,

Leia mais

CAPÍTULO I das DISPOSIÇÕES PRELIMINARES. Seção I Das Definições e Classificações

CAPÍTULO I das DISPOSIÇÕES PRELIMINARES. Seção I Das Definições e Classificações ADVERTÊNCIA Informamos que os textos das normas constantes deste material são digitados ou digitalizados, não sendo, portanto, textos oficiais. São reproduções digitais de textos publicados na internet

Leia mais

Para todos os efeitos do presente CONTRATO, e para maior precisão e clareza dos termos nele utilizados, ficam estabelecidas as seguintes definições:

Para todos os efeitos do presente CONTRATO, e para maior precisão e clareza dos termos nele utilizados, ficam estabelecidas as seguintes definições: Os presentes Termos e Condições Gerais, doravante denominados CONTRATO, que estarão sempre disponíveis na página internet da Santos-Brasil S.A., são válidos para a prestação de serviços para as Linhas

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos ADVERTÊNCIA Informamos que os textos das normas constantes deste material são digitados ou digitalizados, não sendo, portanto, textos oficiais. São reproduções digitais de textos publicados na internet

Leia mais

Condições Contratuais Seguro Transporte Internacional Cobertura Básica Restrita Nº 6 Processo SUSEP nº 15414.901332/2014-22 Versão 1.

Condições Contratuais Seguro Transporte Internacional Cobertura Básica Restrita Nº 6 Processo SUSEP nº 15414.901332/2014-22 Versão 1. Cobertura Básica Restrita Nº 6 PARA MERCADORIAS/BENS CONGELADOS Cláusula 1 Riscos Cobertos 1.1. A presente cobertura tem por objetivo indenizar ao Segurado os prejuízos que venha a sofrer em conseqüência

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.442, DE 5 DE JANEIRO DE 2007. Mensagem de veto Dispõe sobre o transporte rodoviário de cargas por conta de terceiros e mediante

Leia mais

PLANILHA REFERENCIAL DE CUSTO DE TRANSPORTE DE CONTÊINER

PLANILHA REFERENCIAL DE CUSTO DE TRANSPORTE DE CONTÊINER PLANILHA REFERENCIAL DE CUSTO DE TRANSPORTE DE CONTÊINER PLANILHA REFERENCIAL DE CUSTOS PARA O TRANSPORTE DE CONTÊINER julho-11 Percurso de ida e volta Contêiner até 25 t Contêiner acima de 25 t até 30

Leia mais

TABELA DE SERVIÇOS BÁSICOS LIBRA TERMINAIS RIO

TABELA DE SERVIÇOS BÁSICOS LIBRA TERMINAIS RIO TABELA DE SERVIÇOS BÁSICOS LIBRA TERMINAIS RIO (vigência a partir de 01/07/2012 Valores expressos em Reais) A ARMAZENAGEM DE IMPORTAÇÃO: A.1 CONTÊINERES / CARGA GERAL (períodos de 7 dias ou fração): Fixo

Leia mais

Tabela de Preços Armazenagem e Serviços Acessórios Versão 19.1 - Válida a partir de 01/05/2015

Tabela de Preços Armazenagem e Serviços Acessórios Versão 19.1 - Válida a partir de 01/05/2015 Tabela de Preços Armazenagem e Serviços Acessórios Versão 19.1 - Válida a partir de 01/05/2015 ARMAZENAGEM 1 - Armazenagem de Importação - Contêiner e Carga Solta Do Valor CIF 1º período de 7 dias ou fração

Leia mais

GRUPO Serviço Valores Janeiro 2014 20" STD R$ 241,22 40" STD R$ 411,94 20" OOG R$ 360,85 40" OOG R$ 617,93 20" IMO R$ 241,22 40" IMO R$ 411,94

GRUPO Serviço Valores Janeiro 2014 20 STD R$ 241,22 40 STD R$ 411,94 20 OOG R$ 360,85 40 OOG R$ 617,93 20 IMO R$ 241,22 40 IMO R$ 411,94 Tabela de Preços Máximos TCP Válida a partir de 01/01/2014 Esta Tabela de Preços de Serviços será aplicada a todos os usuários, que, na data do faturamento do serviço, não possuírem acordo individual com

Leia mais

TABELA DE SERVIÇOS BÁSICOS LIBRA TERMINAIS RIO

TABELA DE SERVIÇOS BÁSICOS LIBRA TERMINAIS RIO TABELA DE SERVIÇOS BÁSICOS LIBRA TERMINAIS RIO (vigência a partir de 25/02/2014 Valores expressos em Reais) A ARMAZENAGEM DE IMPORTAÇÃO: A.1 CONTÊINERES / CARGA GERAL (períodos de 7 dias ou fração): Fixo

Leia mais

I - no Sistema de Controle da Arrecadação do Adicional ao Frete para Renovação da Marinha Mercante (Sistema Mercante); e

I - no Sistema de Controle da Arrecadação do Adicional ao Frete para Renovação da Marinha Mercante (Sistema Mercante); e Instrução Normativa RFB nº 1.473, de 2 de junho de 2014 DOU de 4.6.2014 Altera a Instrução Normativa RFB nº 800, de 27 de dezembro de 2007, que dispõe sobre o controle aduaneiro informatizado da movimentação

Leia mais

GRUPO Serviço Valores Janeiro 2015

GRUPO Serviço Valores Janeiro 2015 01. Movimentação de Contêineres 20" Std R$ 257,12 40" Std R$ 439,09 20" OOG R$ 384,63 40" OOG R$ 658,65 20" IMO R$ 257,12 40" IMO R$ 439,09 Observações dos serviços do Grupo 01: 01.1 - Os preços acima

Leia mais

2. Qual a relação do Siscomex Carga com o sistema Mercante do DEFMM?... 5

2. Qual a relação do Siscomex Carga com o sistema Mercante do DEFMM?... 5 Este documento sob o formato de perguntas freqüentes e respostas visa a esclarecer os intervenientes do Comércio Exterior sobre o novo sistema da Secretaria da Receita Federal do Brasil (RFB) de controle

Leia mais

R I O G R A N D E S. A.

R I O G R A N D E S. A. ESTRUTURA DE SERVIÇOS E PREÇOS A. UTILIZAÇÃO DAS INSTALAÇÕES DE ACOSTAGEM (CAIS/DEFENSAS) A.1. Ocupação do cais de acostagem por embarcação, incluindo serviços de atracação, desatracação e uso de defensas.

Leia mais

1º O Tribunal Marítimo emitirá, para as embarcações incluídas no REB, o Certificado de Registro Especial Brasileira.

1º O Tribunal Marítimo emitirá, para as embarcações incluídas no REB, o Certificado de Registro Especial Brasileira. DECRETO Nº 2.256, DE 17 DE JUNHO DE 1997 Regulamenta o Registro Especial Brasileiro-REB para embarcações de que trata a Lei nº 9.432, de 8 de janeiro de 1997. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição

Leia mais

fernando.molinari@viasulcorretora.com.br

fernando.molinari@viasulcorretora.com.br fernando.molinari@viasulcorretora.com.br Aspectos Gerais Seguros de Transporte A CARTEIRA de transportes abrange o conjunto de seguros relativos a BENS e MERCADORIAS transportadas. O Conjunto de seguros

Leia mais

O TRANSPORTE DE COISAS E A RESPONSABILIDADE CIVIL

O TRANSPORTE DE COISAS E A RESPONSABILIDADE CIVIL www.apd.adv.br +55 (27) 3019-3993 O TRANSPORTE DE COISAS E A RESPONSABILIDADE CIVIL SUMÁRIO 1. O TRANSPORTE DE COISAS E A RESPONSABILIDADE CIVIL 1.1. REMETENTE 1.2. TRANSPORTADOR 1.3. DESTINATÁRIO 2. REFERÊNCIAS

Leia mais

PARTE A - IMPLEMENTAÇÃO 1 GERAL. 1.1 Definições. As seguintes definições se aplicam às Partes A e B deste Código.

PARTE A - IMPLEMENTAÇÃO 1 GERAL. 1.1 Definições. As seguintes definições se aplicam às Partes A e B deste Código. PREÂMBULO 1 O propósito deste Código é estabelecer um padrão internacional para a operação e gerenciamento seguros de navios e para a prevenção da poluição. 2 A Assembleia adotou a Resolução A.443(XI),

Leia mais

LEI N. 11.442, DE 05 DE JANEIRO DE 2007

LEI N. 11.442, DE 05 DE JANEIRO DE 2007 LEI N. 11.442, DE 05 DE JANEIRO DE 2007 Dispõe sobre o transporte rodoviário de cargas por conta de terceiros e mediante remuneração e revoga a Lei n. 6.813, de 10 de julho de 1980 Alterações: Lei n. 12249,

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 77 - Data 28 de março de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS PREVIDENCIÁRIAS PLANO DE SAÚDE DISPONIBILIZADO

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA MAA N 03, DE 9 DE FEVEREIRO DE 1999.

INSTRUÇÃO NORMATIVA MAA N 03, DE 9 DE FEVEREIRO DE 1999. INSTRUÇÃO NORMATIVA MAA N 03, DE 9 DE FEVEREIRO DE 1999. O Ministro de Estado da Agricultura e do Abastecimento, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso II, da Constituição

Leia mais

COMÉRCIO INTERNACIONAL

COMÉRCIO INTERNACIONAL COMÉRCIO INTERNACIONAL 01. Sobre regimes aduaneiros, marque a opção incorreta: a) Regimes Aduaneiros Atípicos são criados para atender a determinadas situações econômicas peculiares, de pólos regionais

Leia mais

FORMAÇÃO Gestão de Operações Portuárias - Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC

FORMAÇÃO Gestão de Operações Portuárias - Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC FORMAÇÃO Gestão de Operações Portuárias - Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC Objetivo: Capacitar o participante para gerir as rotinas e operações logísticas em um porto

Leia mais

SEGURO GENERALI TRANSPORTES

SEGURO GENERALI TRANSPORTES SEGURO GENERALI TRANSPORTES CONDIÇÕES GERAIS I. ÂMBITO GEOGRÁFICO E BENS SEGURADOS 1- As disposições desta apólice aplicam-se aos bens segurados em viagens aquaviárias, terrestres e aéreas. 2- Consideram-se

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 20 19 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 117 - Data 12 de maio de 2015 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS PREVIDENCIÁRIAS CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS SEGURO CASCO MARITIMO

CONDIÇÕES GERAIS SEGURO CASCO MARITIMO CONDIÇÕES GERAIS CONDIÇÕES GERAIS SEGURO CASCO MARITIMO 1. GLOSSÁRIO... 2 2. OBJETIVO DO SEGURO... 5 3. RISCOS EXCLUÍDOS... 7 4. PERDAS DE DIREITOS... 10 5. INÍCIO E TERMINO DA COBERTURA... 11 6. VALOR

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Emissão do Recibo Pagamento de Autônomo (RPA)

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Emissão do Recibo Pagamento de Autônomo (RPA) 30/06/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 4 3.1 Lei Complementar nº 87 de 13 de setembro de 1996.... 4 3.2 Convênio ICMS

Leia mais

Luanda, 30.Março.2015. SEMINÁRIO Frete Marítimo e Seguro de Importação de Mercadoria Francisco Agostinho Itembo 1

Luanda, 30.Março.2015. SEMINÁRIO Frete Marítimo e Seguro de Importação de Mercadoria Francisco Agostinho Itembo 1 Luanda, 30.Março.2015 SEMINÁRIO Frete Marítimo e Seguro de Importação de Mercadoria Francisco Agostinho Itembo 1 EXW DTA FAS FOB CFR CIF VANTAGENS NA IMPORTAÇÃO DA MODALIDADE FOB 2 ÍNDICE 1. Introdução

Leia mais

Controle de Carga e Facilitação do Fluxo Logístico no Comércio Internacional. Siscomex Carga. PROCOMEX Brasília março de 2007

Controle de Carga e Facilitação do Fluxo Logístico no Comércio Internacional. Siscomex Carga. PROCOMEX Brasília março de 2007 Controle de Carga e Facilitação do Fluxo Logístico no Comércio Internacional Siscomex Carga PROCOMEX Brasília março de 2007 Cenário Contemporâneo Crescimento do comércio internacional; Preocupação com

Leia mais

Fundada em 29 de novembro de 1976, a ABTTC congregava empresas que atuavam no seguimento de transporte rodoviário de contêineres Passados 33 anos, a

Fundada em 29 de novembro de 1976, a ABTTC congregava empresas que atuavam no seguimento de transporte rodoviário de contêineres Passados 33 anos, a Fundada em 29 de novembro de 1976, a ABTTC congregava empresas que atuavam no seguimento de transporte rodoviário de contêineres Passados 33 anos, a ABTTC representa um grupo de empresas e profissionais

Leia mais

Acordo sobre Transporte Marítimo entre a República Federal da Alemanha e a República Federativa do Brasil

Acordo sobre Transporte Marítimo entre a República Federal da Alemanha e a República Federativa do Brasil Acordo sobre Transporte Marítimo entre a República Federal da Alemanha e a República Federativa do Brasil Assinado em 04 de abril de 1979 Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 54, de 16 de agosto de 1983

Leia mais

LEI Nº 9.432, DE 8 DE JANEIRO DE 1997.

LEI Nº 9.432, DE 8 DE JANEIRO DE 1997. LEI Nº 9.432, DE 8 DE JANEIRO DE 1997. - 1 - LEI Nº 9.432, DE 8 DE JANEIRO DE 1997. Dispõe sobre a ordenação do transporte aquaviário e dá outras providências O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que

Leia mais

ESTUDO IBPT Frete marítimo e seu impacto na arrecadação tributária e na inflação

ESTUDO IBPT Frete marítimo e seu impacto na arrecadação tributária e na inflação Junho 2013 ESTUDO IBPT AUMENTO DO FRETE MARÍTIMO NA IMPORTAÇÃO TEM REFLEXOS NA ARRECADAÇÃO TRIBUTÁRIA E NA INFLAÇÃO Frete marítimo na importação teve aumento de 82,11% em Dólar no período de janeiro de

Leia mais

TARIFA PORTUÁRIA DO PORTO DE ILHÉUS

TARIFA PORTUÁRIA DO PORTO DE ILHÉUS SECRETARIA DE PORTOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA TARIFA PORTUÁRIA DO PORTO DE ILHÉUS TAXAS, PREÇOS, FRANQUIAS E OBSERVAÇÕES Resolução nº 4.093 ANTAQ, de 07/05/2015 Vigência: 15/05/2015 TABELA I - UTILIZAÇÃO

Leia mais

PORTOS DE BELÉM, OUTEIRO, MIRAMAR, VILA DO CONDE, SANTARÉM, ITAITUBA, ÓBIDOS, ALTAMIRA, SÃO FRANCISCO E MARABÁ. Nº Espécie e Incidência...

PORTOS DE BELÉM, OUTEIRO, MIRAMAR, VILA DO CONDE, SANTARÉM, ITAITUBA, ÓBIDOS, ALTAMIRA, SÃO FRANCISCO E MARABÁ. Nº Espécie e Incidência... TARIFA COMPANHIA DOCAS DO PARÁ PORTOS DE BELÉM, OUTEIRO, MIRAMAR, VILA DO CONDE, SANTARÉM, ITAITUBA, ÓBIDOS, ALTAMIRA, SÃO FRANCISCO E MARABÁ Tabela I - Utilização da Infraestrutura Aquaviária (Tarifas

Leia mais

Seguro Garantia É o seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice.

Seguro Garantia É o seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice. 2 Definição Seguro Garantia É o seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice. Partes Seguradora - Sociedade de seguros garantidora,

Leia mais

28/06/2012 (Orientação) Fato Gerador das Contribuições Previdenciárias

28/06/2012 (Orientação) Fato Gerador das Contribuições Previdenciárias 28/06/2012 (Orientação) Fato Gerador das Contribuições Previdenciárias 1. Introdução 2. Fato Gerador da Obrigação Previdenciária Principal 2.1. Em Relação ao Segurado Empregado 2.2. Em Relação ao Empregado

Leia mais

Seguro Garantia - Seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice.

Seguro Garantia - Seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice. GUIA DE SEGURO GARANTIA PARA CONSULTA FENSEG QUEM SÃO AS PARTES Seguro Garantia - Seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice.

Leia mais

Quem Somos. A FAST BRAZIL é uma empresa 100% brasileira, especializada em agenciamento de cargas e despacho aduaneiro.

Quem Somos. A FAST BRAZIL é uma empresa 100% brasileira, especializada em agenciamento de cargas e despacho aduaneiro. Quem Somos A FAST BRAZIL é uma empresa 100% brasileira, especializada em agenciamento de cargas e despacho aduaneiro. Contamos com profissionais altamente qualificados no comércio internacional e uma rede

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N o 269, de 30 de setembro de 2004.

CIRCULAR SUSEP N o 269, de 30 de setembro de 2004. CIRCULAR SUSEP N o 269, de 30 de setembro de 2004. Estabelece, altera e consolida as regras e critérios complementares de funcionamento e de operação dos contratos de seguros de automóveis, com inclusão

Leia mais

SEGUROS E RISCOS EM TRANSPORTE INTERNACIONAL. Profª MSc Cristiana Rennó D Oliveira Andrade

SEGUROS E RISCOS EM TRANSPORTE INTERNACIONAL. Profª MSc Cristiana Rennó D Oliveira Andrade SEGUROS E RISCOS EM TRANSPORTE INTERNACIONAL Profª MSc Cristiana Rennó D Oliveira Andrade TRANSPORTE INTERNACIONAL Transporte Internacional: comercial e global progresso e desenvolvimento troca e circulação

Leia mais

FORMAÇÃO Agente de Carga Internacional - Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC

FORMAÇÃO Agente de Carga Internacional - Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC FORMAÇÃO Agente de Carga Internacional - Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC Objetivo: Habilitar os participantes para trabalhar com o Agenciamento de Cargas Internacionais,

Leia mais

Módulo Operações na Logística. Objetivos. Questões

Módulo Operações na Logística. Objetivos. Questões Módulo Operações na Logística 1. O Direito, a lei e a Logística 2. Os Direitos do Consumidor 3. Atividade Empresarial e a Logística 4. As Obrigações Tributárias Prof. Mardônio da Silva Girão Objetivos

Leia mais

SEGUROS NA INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS

SEGUROS NA INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS SEGUROS NA INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS Paulo Robson Alves FATORES DE COMPETITIVIDADE Seguradoras devem ter atuação Global Preço do Seguro compatível com o mercado internacional Coberturas de Seguros

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS PARA AS OPERAÇÕES DE CONTÊINERES NA EMPRESA BRASILEIRA DE TERMINAIS PORTUÁRIOS S.A - EMBRAPORT

TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS PARA AS OPERAÇÕES DE CONTÊINERES NA EMPRESA BRASILEIRA DE TERMINAIS PORTUÁRIOS S.A - EMBRAPORT TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS PARA AS OPERAÇÕES DE CONTÊINERES NA EMPRESA BRASILEIRA DE TERMINAIS PORTUÁRIOS S.A - EMBRAPORT O presente Termos e Condições Gerais, doravante denominado CONTRATO está disponível

Leia mais

(Código INF) Capítulo 1. Generalidades. 1.1 Definições. 1.1.1 Para os efeitos deste Código:

(Código INF) Capítulo 1. Generalidades. 1.1 Definições. 1.1.1 Para os efeitos deste Código: CÓDIGO INTERNACIONAL PARA O TRANSPORTE SEGURO DE COMBUSTÍVEL NUCLEAR IRRADIADO, PLUTÔNIO E RESÍDUOS COM ELEVADO NÍVEL DE RADIOATIVIDADE, SOB A FORMA EMBALAGEM, A BORDO DE NAVIOS (Código INF) Capítulo 1

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO - ANP PORTARIA ANP Nº 11, DE 13 DE JANEIRO DE 1999 (*)

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO - ANP PORTARIA ANP Nº 11, DE 13 DE JANEIRO DE 1999 (*) AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO - ANP PORTARIA ANP Nº 11, DE 13 DE JANEIRO DE 1999 (*) O DIRETOR GERAL DA AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO ANP, no uso de suas atribuições legais, com base na Resolução de Diretoria

Leia mais

MJR 2002. O Seguro no Transporte de Mercadorias

MJR 2002. O Seguro no Transporte de Mercadorias MJR 2002 O Seguro no Transporte de Mercadorias No contexto do Seguro, o transporte de mercadorias implica o recurso a um ou vários meios sobre os quais importa ter alguma noção, nomeadamente no que respeita

Leia mais

LIBERTY VELA FICHA DE PRODUTO

LIBERTY VELA FICHA DE PRODUTO FICHA DE PRODUTO O Liberty Vela é um Seguro de Embarcações Particulares de Recreio que garante os danos de Pequenas é Medias Embarcações à Vela, dos respectivos ocupantes, bem como danos causados a terceiros.

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N o 269, de 30 de setembro de 2004.

CIRCULAR SUSEP N o 269, de 30 de setembro de 2004. CIRCULAR SUSEP N o 269, de 30 de setembro de 2004. Estabelece, altera e consolida as regras e critérios complementares de funcionamento e de operação dos contratos de seguros de automóveis, com inclusão

Leia mais

O QUE É A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO?

O QUE É A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO? O QUE É A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO? É a substituição da contribuição previdenciária patronal de 20% sobre o salário de contribuição dos empregados, trabalhadores avulsos e contribuintes individuais.

Leia mais

Gestão de Riscos. Glossário de seguros

Gestão de Riscos. Glossário de seguros Gestão de Riscos Glossário de seguros A ADESÃO - Termo utilizado para definir características do contrato de seguro; contrato de adesão; ato ou efeito de aderir. ADITIVO - Termo utilizado para definir

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 4.358-C, DE 2001. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 4.358-C, DE 2001. O CONGRESSO NACIONAL decreta: COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 4.358-C, DE 2001 Dispõe sobre o transporte rodoviário de cargas e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art.

Leia mais

*ESTE CONTRATO ESTÁ REGISTRADO NO 9O. OFICIAL DE REGISTRO DE TÍTULOS E DOCUMENTOS DE SÃO PAULO SOBRE O NÚMERO 793973.

*ESTE CONTRATO ESTÁ REGISTRADO NO 9O. OFICIAL DE REGISTRO DE TÍTULOS E DOCUMENTOS DE SÃO PAULO SOBRE O NÚMERO 793973. *ESTE CONTRATO ESTÁ REGISTRADO NO 9O. OFICIAL DE REGISTRO DE TÍTULOS E DOCUMENTOS DE SÃO PAULO SOBRE O NÚMERO 793973. CONTRATO DE LOCAÇÃO INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONTRATO DE LOCAÇÃO DE BEM MÓVEL Contrato

Leia mais

SEMINÁRIO. JJ Cerveira Afonso-JCA. Frete Marítimo e Seguro de Importação de Mercadoria

SEMINÁRIO. JJ Cerveira Afonso-JCA. Frete Marítimo e Seguro de Importação de Mercadoria SEMINÁRIO JJ Cerveira Afonso-JCA Frete Marítimo e Seguro de Importação de Mercadoria Luanda, 30.Março.2015 O CONTRATO DE TRANSPORTE E AS OBRIGAÇÕES DAS PARTES Índice O Contrato de Transporte e as obrigações

Leia mais

Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: Artigo único

Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: Artigo único Decreto n.º 51/1991 Acordo de Transportes Marítimos entre a República Portuguesa e a República de Moçambique Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte:

Leia mais

Resoluções e Normativas Federais. GTT - Náutico

Resoluções e Normativas Federais. GTT - Náutico Resoluções e Normativas Federais GTT - Náutico Ministério da Fazenda Secretaria da Receita Federal do Brasil (RFB) -Decreto nº 6.759, de 5 de fevereiro de 2009. Regulamento Aduaneiro (art. 26 ao 30; art.

Leia mais

Quem contrata? Embarcador Transportador Documentos (NF/Conhecimento) Interesse segurável? Quem são estes personagens no processo logístico?

Quem contrata? Embarcador Transportador Documentos (NF/Conhecimento) Interesse segurável? Quem são estes personagens no processo logístico? Quem contrata? Embarcador Transportador Documentos (NF/Conhecimento) Interesse segurável? Quem são estes personagens no processo logístico? 1 Modais Aquaviário Terrestre Aéreo 2 Contratos de Compra e Venda

Leia mais

Agradecemos a oportunidade de apresentar nossa Tabela de Preços - Longo Curso e Cabotagem, conforme abaixo.

Agradecemos a oportunidade de apresentar nossa Tabela de Preços - Longo Curso e Cabotagem, conforme abaixo. CONVICON - CONTEINERES DE VILA DO CONDE S/A CNPJ: 06.013.760/0001-10 I.E: 15.235.534-0 End. Rod. PA. 481 S/N Km21 - Barcarena - Cep.: 68447-000 - Cx. P.: 82 Tel: (091) 3322-7575 Home page: www.santosbrasil.com.br

Leia mais

CONVENÇÃO INTERNACIONAL SOBRE SALVAMENTO MARÍTIMO, 1989

CONVENÇÃO INTERNACIONAL SOBRE SALVAMENTO MARÍTIMO, 1989 CONVENÇÃO INTERNACIONAL SOBRE SALVAMENTO MARÍTIMO, 1989 OS ESTADOS PARTES DA PRESENTE CONVENÇÃO, RECONHECENDO desejável o estabelecimento, por acordo, de regras internacionais uniformes relativas às operações

Leia mais

Armazenagem Container 20 Pés Container 40 Pés Cadastramento por B/L R$ 210,00 R$ 210,00

Armazenagem Container 20 Pés Container 40 Pés Cadastramento por B/L R$ 210,00 R$ 210,00 TABELA DE PREÇOS SERVIÇOS DE TERMINAL ALFANDEGADO (IMPORTAÇÃO) Transporte Costado Navio Operador Portuário até a Transbrasa Container 20 Pés Container 40 Pés Margem Direita R$ 430,00 R$ 460,00 Margem Esquerda

Leia mais

ACORDO MARITIMO_ ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E A UNIÃO ECONOMICA BELGO-LUXEMBURGUESA

ACORDO MARITIMO_ ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E A UNIÃO ECONOMICA BELGO-LUXEMBURGUESA ACORDO MARITIMO_ ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E A UNIÃO ECONOMICA BELGO-LUXEMBURGUESA ACORDO MARITIMO ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E A UNIÃO ECONOMICA BELGO-LUXEMBURGUESA O GOVERNO

Leia mais

CLÁUSULAS DE SEGURO DE TRANSPORTES CLÁUSULA DE SEGURO DE CARGAS CLÁUSULA (A)

CLÁUSULAS DE SEGURO DE TRANSPORTES CLÁUSULA DE SEGURO DE CARGAS CLÁUSULA (A) CLÁUSULAS DE SEGURO DE TRANSPORTES CLÁUSULA DE SEGURO DE CARGAS CLÁUSULA (A) Este seguro cobre todos os riscos de perda ou dano sofrido pelo objeto seguro com exceção dos casos abaixo referidos nas «EXCLUSÕES»

Leia mais

AIR LIQUIDE SOLDADURA, LDA. CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA

AIR LIQUIDE SOLDADURA, LDA. CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA AIR LIQUIDE SOLDADURA, LDA. CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA Junho de 2015 Primeira.- Definições. Produtos significa todos os equipamentos, instalações, consumíveis, processos, sistemas, soluções e serviços relacionados

Leia mais

DO REGIME DA RESPONSABILIDADE CIVIL POR DANOS À CARGA NA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA

DO REGIME DA RESPONSABILIDADE CIVIL POR DANOS À CARGA NA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA XVII CONGRESSO INSTITUTO IBEROAMERICANO DE DIREITO MARÍTIMO 05 A 07 DE NOVEMBRO DE 2012 - RIO DE JANEIRO - BRASIL DO REGIME DA RESPONSABILIDADE CIVIL POR DANOS À CARGA NA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA Paulo Campos

Leia mais

COMO PREPARAR A EMPRESA PARA A IMPLANTAÇÃO DO ORÇAMENTO PARTE II

COMO PREPARAR A EMPRESA PARA A IMPLANTAÇÃO DO ORÇAMENTO PARTE II COMO PREPARAR A EMPRESA PARA A Como estruturar o orçamento? A importância dos centros de custos. O plano de contas orçamentário. Qual a função da árvore de produtos? Autores: Carlos Alexandre Sá(carlosalex@openlink.com.br)

Leia mais

CIRCULAR Nº 3249. Art. 3º Divulgar as folhas anexas, necessárias à atualização da CNC. - Carta-Circular 2.201, de 20 de agosto de 1991;

CIRCULAR Nº 3249. Art. 3º Divulgar as folhas anexas, necessárias à atualização da CNC. - Carta-Circular 2.201, de 20 de agosto de 1991; CIRCULAR Nº 3249 Divulga o Regulamento sobre Frete Internacional, e dá outras providências. A Diretoria Colegiada do Banco Central do Brasil, com base nos artigos 9º e 11 da Lei 4.595, de 31 de dezembro

Leia mais

Gestão de Operações Portuárias com Pós Graduação

Gestão de Operações Portuárias com Pós Graduação Gestão de Operações Portuárias com Pós Graduação Objetivo: Capacitar o participante para gerir as rotinas e operações logísticas em um porto ou terminal portuário voltado para a movimentação interna, importação

Leia mais

TÍTULO: ECOTÊINER - DISPOSITIVO DE CONTENÇÃO PARA O TRANSPORTE MARÍTIMO E RODOVIÁRIO SEGURO DE PRODUTOS E RESÍDUOS PERIGOSOS

TÍTULO: ECOTÊINER - DISPOSITIVO DE CONTENÇÃO PARA O TRANSPORTE MARÍTIMO E RODOVIÁRIO SEGURO DE PRODUTOS E RESÍDUOS PERIGOSOS TÍTULO: ECOTÊINER - DISPOSITIVO DE CONTENÇÃO PARA O TRANSPORTE MARÍTIMO E RODOVIÁRIO SEGURO DE PRODUTOS E RESÍDUOS PERIGOSOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO:

Leia mais

TABELA DE SERVIÇOS BÁSICOS LIBRA TERMINAIS SANTOS (vigência a partir de 01/07/2012 Valores expressos em Reais)

TABELA DE SERVIÇOS BÁSICOS LIBRA TERMINAIS SANTOS (vigência a partir de 01/07/2012 Valores expressos em Reais) TABELA DE SERVIÇOS BÁSICOS LIBRA TERMINAIS SANTOS (vigência a partir de 01/07/2012 Valores expressos em Reais) A ARMAZENAGEM DE IMPORTAÇÃO: A.1 CONTÊINERES FCL/FCL (PERÍODOS DE 7 DIAS OU FRAÇÃO) Fixo A

Leia mais

02.10 PROVISÕES, PASSIVOS CONTINGENTES E ATIVOS CONTINGENTES 02.10.01 INTRODUÇÃO

02.10 PROVISÕES, PASSIVOS CONTINGENTES E ATIVOS CONTINGENTES 02.10.01 INTRODUÇÃO 02.10 PROVISÕES, PASSIVOS CONTINGENTES E ATIVOS CONTINGENTES 02.10.01 INTRODUÇÃO A normatização dos procedimentos contábeis relativos a provisões, passivos contingentes e ativos contingentes foi elaborada

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES DE SERVIÇO DA DHL GLOBAL FORWARDING

TERMOS E CONDIÇÕES DE SERVIÇO DA DHL GLOBAL FORWARDING TERMOS E CONDIÇÕES DE SERVIÇO DA DHL GLOBAL FORWARDING Estes termos e condições de serviço constituem um contrato juridicamente vinculante entre a Empresa e o "Cliente". Caso um documento de transporte

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS SEGURO GARANTIA SEGURADO SETOR PÚBLICO

CONDIÇÕES GERAIS SEGURO GARANTIA SEGURADO SETOR PÚBLICO CONDIÇÕES GERAIS CONDIÇÕES GERAIS 1. OBJETO 1.1 Este contrato de seguro garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice e até o valor

Leia mais