Zonas Francas: territörios comparatistas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Zonas Francas: territörios comparatistas"

Transcrição

1 Zonas Francas: territörios comparatistas Rita Lenira de Freitas Bittencourt Rita Terezinha Schmidt Organizadoras --* ' -" CS-* Porto Alegre 2011

2 SUMÄRIO APRESENTACÄO 3 LA COMPARACIÖN TIENE SU RAZÖN: UNA MIRADA DESDE LA GLOCALIDAD 9 Adriana Crolla O COMPARATISMO NAS FRONTEIRAS DO CONHECIMENTO: CONTRA- DICÖES E CONFLITOS 19 Eduardo F.Coutinho A FICCÄO DE CLARICE LISPECTOR:0 HUMANO E O NÄO-HUMANO 28 Evando Nascimento ENTRE O PRETO E O BRANCO, HÄ LUZ: LITERATURA, CINEMA E POESIA NO ENCONTRO ENTRE O PADRE E A MOCA 67 Joäo Manuel dos Santos Cunha LITERATURA E CINEMA 84 Lucia Sä Rebello ESCRITORES PENSADORES: LITERATURA COMO CONHECIMENTO Märcia Ivana de Lima e Silva SORTIES AS BORDERWORK:COMPARATIVE CROSSINGS INTOFREE ZONES 98 Margaret R. Higonnet VIVENCIAS LITERÄRIAS, ESTETICAS E CULTURAIS 116 Maria Luiza Berwangerda Silva A FICCIONALIZACÄO DA HISTÖRIA BRASILEIRA EM VOZES ESTRANGEIRAS: ALGUNS OLHARES DE FORA SOBRE O PASSADO DO BRASIL 123 Marilene Weinhardt HAUNTING PHOTOGRAPHIES: ON SEBALD'STEXT-IMAGE- COMPOSITIONS 137 Monika Schmitz-Emans PÖS-HUMANO, PÖS-MARXISTA, PÖS-MODERNO 144 Raul Antelo 3

3 EXPRESSÖES IDENTITÄRIAS NA LITERATURA EM MOCAMBIQUE: OS MITOS EM A VARANDA DO FRANGIPANI 166 Regina da Costa da Silveira ENCENACÖES, IMPOSTURAS E INTRADUTIBILIDADES 172 Rita Lenira de Freitas Bittencourt LITERATURA COMPARADA SEM FRONTEIRAS? NOTAS DO CONGRESSO AILC RitaTerezinha Schmidt LUZ E SOMBRA: DA LITERATURA AO CINEMA A EXEMPLO DE ABRIL DESPEDACADO 192 Simone Malaguti 4

4 LUZ E SOMBRA: DA LITERATURA AO CINEMA A EXEMPLO DE ABRIL DESPEDACADO Simone Malaguti Pode parecer estranho que o titulo Abril Despedagado aproxime autores de culturas täo diferentes quanto o escritor albanes Ismail Kadare e o cineasta brasileiro Walter Salles, mas talvez essa estranheza diminua se pensarmos que ambos representam em seus textos pactos de identidades em territörios extremos; narram histörias de pessoas que, motivadas por um contrato social, tem uma ligagäo fatal com o local onde moram. O local näo e menos penetrante do que o pacto ou o contrato, trata-se de paisagens äridas ou ingrimes; ensolaradas e deserticas ou nevadas e pedregosas. Conforme Klosi (1991), Kadare escreve para preservar a identidade de uma comunidade economicamente inexpressiva, diversas vezes ameagada culturalmente por guerras separatistas, tratados de anexagäo ou subjulgamento regilioso. Ja, Salles, conforme Nagib (2007, 29), esforga-se em redescobrir um pais numa epoca de euforia econömica e em recuperar nas telas do cinema a identidade brasileira muitas vezes relegada ao esquecimento ou ä vergonha nacional, como o sertäo nordestino. Vale tambem pensar na situagäo especifica dos autores e no contexto söcio-cultural, no quäl o romance e o filme sao produzidos e recepcionados pelo püblico. Durante a decada de 60 Kadare, de origem modesta, identificou-se com o regime socialista albanes e traduziu sua empolgagäo pelo partido em poesia. A partir dos meados dos anos 70, quando ja gozava de uma certa reputa(?äo no mercado editorial europeu, a estetica engajada se reverteu na narrativa de resistencia. Kadare passou a escrever romances e artigos para uma revista literäria francesa. Suas criticas ä politica da Älbania do final dos anos 80 o levaram ao exilio for<;ado em Paris, onde vive desde 1990 com sua familia. Na capital francesa, a obra de Kadare caiu em solo fecundo, pois ali encontrou um mercado editorial interessadissimo nas literaturas regionalistas das periferias e nos defensores da democracia. A Franga o acolheu, o consagrou e o projetou mundialmente como o representante mäximo da literatura albanesa. Salles passou sua pre-adolescencia na decada de 60 em Paris e conheceu de perto a esfervecencia politica e cultural daqueles anos. Filho do empreendedor e diplomata Walther Moreira Salles, Salles Jr. continuou a receber uma educa<?äo francesa no liceu do Rio de Janeiro, passando a ser, desde entäo, um receptor atento de tudo que a capital francesa oferecia de mais excepcional culturalmente, desde o cinema, como o movimento da Nouvelle Vague, ate ä literatura, como os textos de Kadare. Para o proprio Walter Salles (2007) e 192

5 para a literatura a respeito dele (Bentes 2001, Nagib 2003 e 2007, Strecker 2010), sua biografia o colocou, portanto, muito mais petto de cineastas, generös e gosto esteticos estrangeiros e numa posigäo distante, mesmo que dialögica (Nagib 2003, 61), do cinema engajado e da '"estetica da fome" propostos por Glauber Rocha. Como resultado, os filmes de Salles säo representantes do cinema pösmoderno, cinema este caracterizado pela bricologe, ou seja, pelo pluralismo ou ecletismo estilistico, que se traduz na estetica hibrida e na qualidade antolögica do filme (Bordwell 2003, 184). Tecnicas que radicalizaram a narrativa, tais como a montagem, a intertextualidade, a intermedialidade; passam a ser incorporadas na dramaturgia e edigäo do filme. Alem disso, a intramedialidade e a autoreferencia säo caracteristicas marcantes dessa estetica. Verifica-se um diälogo do filme com a traditio cinematogräfica. O filme pös-moderno toma, por exemplo, os filmes clässicos ou consagrados pelo püblico como ponto de partida, repete cenas e motivos, os atualiza ou os adapta para um outro contexto cultural. Outra marca distinguivel do cinema pösmoderno e a sua autoreflexäo. Ha nos filmes uma discussäo ou reflexäo implicita sobre a pröpria midia, pois os cineastas pös-modernos tem ciencia da histöria do cinema e a refletem dentro da dramartugia do filme. Conforme Bordwell, essas caracteristicas ja estäo presentes no novo cinema a partir dos anos 60, sendo amplamente verificadas no cinema a partir dos meados dos anos 80. Sem detalhar todas as incorporagöes da estetica pös-modernista de Salles, podemos afirmar que o filme Abril Despedagado estä inserido dentro desse propösito por dialogar com a tradigäo brasileira da representagäo nordestina no cinema, com a tradigäo europeia da representagäo da paisagem brasileira na pintura e com a literatura regionalista e, em especial, com a geografia extrema representada por ela. A seguir, o artigo aborda estes aspectos partindo da questao da luz e da sombra no roman.ce e no filme para entäo relacionä-los com a tradi^äo no cinema brasileiro e com a pintura europeia. LUZ E SOMBRA NA PAISAGEM O romance Abril Despedagado de Kadare leva-nos a um territörio extremo, pois o a vinganga de morte entre as familias Berisha e Kryeqyqe, narrada no romance, e ambientada nas montanhas albanesas entre o final do outono e inicio da primavera. Na regiäo literäria representada no romance, a geografia e a epoca do ano foram construidas como forgas agenciadoras de uma realidade dificil e contraditöria desencadeada pelo ponto geogräfico onde se localiza, na regiäo onde termina a Europa e onde o mundo oriental se inicia. 193

6 Percebe-se que a relacäo entre o sol, a luz e a sombra, pröpria dessa regiäo, liga-se ä situagäo dos personagens do romance, como o trecho a seguir exemplifica: "Com o canto do olho Gjorg mirou o fragmento de paisagem alem da janela estreita. La fora corria margo, meio risonho, meio gelado, com aquela perigosa luminosidade alpina que so esse mes possuia. " (Kadare 2007, 17) A mirada do protagonista para alem da janela revela o limite de um espa- 90, a casa. Hä para o protagonista, portanto, um interior e um exterior. E 4 1ä fora" que o tempo passa, pois dentro de casa, 0 ambiente protegido näo estä sujeito äs mesmas condigöes da paisagem exposta ä natureza. Temos, entäo, dois paradigmas cronolögicos: o real ou o externo e o subjetivo ou interno. O olhar de Gjorg revela tambem que a passagem do tempo estä ligada ä luz que, por sua vez, representa oposigöes. A luminosidade do inverno, baixa em relagäo ä da primavera, conflita com a da primavera, alta e que ofusca a visäo. Esse conflito podem ser lidos como um simbolo da contradigäo entre o Ocidente e o Oriente, entre inovagäo e tradigäo que a Albänia abriga simbolicamente (Strecker 2010, 115). Esse conflito e tambem representado 110 romance por meio do protagonista Gjorg, que por ser a pröxima vitima da tradigäo do cödigo moral, oscila entre a vida e a morte e estä ä beira de um ataque de loucura. Ora e a escuridäo ou a luz minguada que o apavora, como no trecho "Como um morcego, ele so se movimentarianas trevas, fugindo do sol, da lua cheia e das tochas." (Kadare 2007, 17), ora a claridade e ameagadora, lido na seguinte passagem: "Era uma manhä luminosa, o sol e a neve recente doiam nos olhos, tudo se achava claro e refulgente, como se o mundo inteiro de subito pudesse escorregar e se estilhagar em milhöes de pedagos, vitima da sua cristalina loucura" (Kadare 2007, 37). Os motivos da luz e da sombra, täo determinantes na narrativa de Kadare, estäo tambem presentes no filme de Salles das seguintes maneiras: fisicamente, na locagäo do filme, no Sertäo, o sol e o motivo dominante; metaforicamente, pela expressäo do ciclo de opulencia e decadencia que representou a cultura do acücar no nodeste brasileiro, na fotografia e nos personagens. O sol e a luz säo simbolos nacionais e, portanto, indispensäveis para caracterizar a singularidade da geografia brasileira. Um exemplo disso, e o hino nacional que fala do '"sol da liberdade em raios ftilgidos que brilhou no ceu", de um "raio vivido", de um ifc foi*moso ceu, risonho e limpido" e, por fim de um Brasil 'iluminado ao sol do novo mundo." O sol e o denominador comum das diversas paisagens brasileiras. Ele brilha na maioria do tempo no pais e, em algumas regiöes, e täo forte que a cabega parece queimar quando exposta a ele. E assim que o pequeno Pacu do filme descreve sua caminhada pelo Sertäo durante um dia de sol. 194

7 A claridade excessiva na paisagem brasileira tem efeitos visuais que muitas vezes passam desapercebidos aos olhos de quem convive com ela. As cores tornam-se mais äsperas, frias e alardeantes e o contraste entre a luz e a sombra e extremamente reforgado. O oposto dessa luminosidade e a paisagem na neve num dia nublado: a luz estä presente, o dia e claro; mas, como o sol näo aparece, as superficies näo tem brilho. A sensagäo e de uma apatia luminosa e de uma constante sombra que influenciam os änimos ä melancolia e ä tristeza. Esse ambiente triste estä amplamente representando no texto de Kadare. Ao contrario disso, onde o sol aparece com mais intensidade, o humor dos habitantes parece ser melhor. Se a quantidade de luz estä relacionada com a alegria, entäo e verdade que o Brasil e os brasileiros podem ser caracterizados como alegres. Isso justificaria tambem frases do hino nacional de que os "nossos campos säo lindos e risot^os" e de "que nossos bosques tem mais vida." Porem, e tambem verdade que o Brasil tem mais do que bosques, tem tambem aridez, favela e, com isso, muitos lados obscursos. Hä muitos brasileiros que vivem na sombra, ou seja, na miseria. Na tradigäo cinematrogräfica brasileira, o sertäo foi representado muitas vezes sob luzes dramäticas e violentas. Essas tecnicas reforgam o caräter realista e documentärio do filme e tem um compromisso com a objetividade. Em Vidas Secas (1963) e em Dens e o Diabo na Terra do Sol (1964) k4 hä uma explosäo de luz, o sol a pino acachapante invade o enquadramento sem sombras nem filtros. (...) A superexposigäo e o alto contraste lembram as xilogravuras utilizadas na literatura de cordel." (Strecker 2010, ). Abril Despedaqado recupera essa tradigäo e a supera, tratando o filme com uma escala de tons amarelados, pröximos äs cores dos filmes europeus ou americanos que se passam na idade media. Esse tratamento visa o abafamento da realidade objetiva em favor da realidade interna, subjetiva ou relativa de fatos e personagens. Alem do sol e das cores medievais, a luz e a sombra desempenham papeis importantes para a comunicagäo visual e dramätica: o jogo de luz e sombra serve de metäfora para o destino de uma familia na zona canaviera do sertäo nordestino que passa da opulencia ä decadencia. A familia Breves vive tanto no sol, portanto, numa atmosfera propicia ä alegria, como na sombra, num ambiente hostil e triste. Os membros da familia tem uma vida dura trabalhando na aridez, no canavial e no forno. Alem dos dois bois e um asno, a vida laboriosa em Riacho das Almas näo oferece mais nenhuma possibilidade de ascensäo econömica ä familia. Ao contrario, ela estä perto da sua extingäo, caso ceda ao pedido dos vizinhos e lhes concedam suas terras. No filme, hä de se defender a honra da familia dando continuidade ao assassinato do filho mais velho. Pacu Breves, o filho mais novo, que jä viu um irmäo mais velho morrer e contra esse destino. Ele tenta convencer seu 195

8 irmäo Tonho a fugir desta fatalidade ou a encontrar um caminho que o ieve das trevas ä luz. A CAMINHO DA LUZ Apesar de sua vastidäo e riqueza, o Sertäo representa uma regiäo economicamente ainda decadente. E nesse sentido, que podemos afirmar que muitas familias sertenejas, como a do filme, vivem ä sombra, ou seja, ä beira da sociedade. A fotografia do filme ilustra essa situagäo com o jogo de luz e sombra recuperando o visual de cores de um pintor europeu do periodo colonial. Uma das caracteristicas da luz do agreste nordestino e a sua posigäo zenital durante as horas do meio do dia. Disso resultam sombras acentuadas e um esfriamento das cores decorrente da alta temperatura de cor da luz do ceu. A luz e a cor brasileira tem uma especificidade: o seu alto-contraste de cores, geralmente do vermelho da cor de barro e do verde. E um contraste de duas cores primärias que se auto-iluminam. Sabe-se que esse composigäo de cores foi um desafio aos primeiros pintores europeus (Oliveria 2005, 6). Frans Post ( ) foi o primeiro a executar o trabalho de retratar a novo colönia europeia, sem, contudo, domar a luz arrebatadora na tela. Ele usou tons terra que abafaram o alarde de cores. Suas telas transmitem uma atmosfera triste e fechada da paisagem tropical brasileira. Somente apös seu retomo ä Holanda, utilizou cores vivazes ao retrartar o Brasil. Rugendas ( ) seguiu a segunda fase de Post; pintando mais tarde quadros de um Brasil idilico e bucölico em cores e luzes agradäveis. O pintor Eduard Hildebrandt ( ), por sua vez, deu continuidade ä primeira fase de Post, incrementando as imagens por meio do Chiaroscuro. Essa tecnica dä contraste profundo ä pintura sem utilizar cores fortes. Como efeito, cria-se na tela uma atmosfera de isolamento e tristeza. O filme de Salles recupera a pintura de Hildebrandt como decodificadora da paisagem e do humor do nordeste em tomo de 1900, da vida sob o sol, porem ä sombra; da vida que passa do ciclo da abundäncia para a decadencia. Hä diversas cenas dentro de ambientes escuros ou iluminado por velas. Outras vezes, hä cenas sob o sol povoadas de sombras. O jogo de escuro e claro e o uso de luz baixa (low key) däo ao filme uma nota de tristeza e solidäo. Elas abafam a cor local e fazem da imagem dura e seca, um retrato bonito. A cena de abertura do filme e um exemplo do uso da escuridäo como elemento dramätico. A escuridäo do fim da madrugada predomina no ceu, somente o ponto claro anuncia o dia. Nela vemos a silueta do menino caminhando na noite mata a dentro entre arbustos secos em diregäo contraria ä luz que desponta no ceu. A cena pode ser entendida como um prenüncio do desti- 196

9 no sombrio de Pacu. Na casa dos Breves a escuridäo tambem predomina. E sempre noite quando a familia e filmada dentro da casa e, quando a familia estä ä mesa, hä somente uma vela no centro da cena a iluminar os personagens, de forma que ficam estes ficam circundados pelas sombras. A impressäo e de que os membros da familia estäo dentro de um circulo vicioso e fatal. Contudo, esse tipo de iluminagäo muda quando os irmäos estäo conversando a sos no quarto onde dormem. Nessas cenas, a ilumingäo, mesmo que escassa, parte de värios focos de forma que os corpos ficam envoltos em luz e sombra. Cria-se um ambiente misterioso e mitico. O contraste de luz e sombra sugere neste caso que entre os irmäos ainda hä espago para o carinho, para a esperanga e para o humano. O relacionamento solidärio e fraternal entre Pacu e Tonho repete-se em outras cenas por meio de gestos e expressöes faciais. Durante o dia, enquanto trabalham, os Breves quase näo conversam. As poucas frases que se ouve säo do pai dando ordens ao boi ou aos filhos. Ä noite, quando jantam, e o pai quem mais uma vez tem a palavra. Pacu e, contudo, o ünico menbro da familia que tenta quebrar com a regras, falando quando deve calar ou sonhando quando deve trabalhar. Ele se atreve, por exemplo, a fazer comentärios em favor ao seu irmäo. Quando pai lhe diz que chegou sua hora de defender a honra da familia, interfere com um "Näo vä, Tonho!'\ Em resposta, leva um tapa do pai. Quando Tonho tem pesadelos de motte, Pacu procurar acordä-lo como se tentasse libertä-lo do mal. Esta cena faz uma clara referencia ao texto biblico do atos dos apöstolos (12,7), "E eis que sobreveio o anjo do Senhor, e resplandeceu uma luz na prisäo; e, tocando a Pedro no lado, o despertou, dizendo: Levanta-te depressa! E cairam-lhe das mäos as cadeias.", equiparando Pacu ao anjo da luz que salva Pedro da prisäo. Em värias cenas do filme, Pacu tenta libertär sua familia da tristeza e da fatalidade de seu destino. E e ele, por exemplo, quem apresenta o irmäo ä Clara, personagem que motiva Tonho a romper com as regras. Clara e uma artista de circo e o seduz. Ela faz Tonho soltar a primeira gargalhada no filme e o convence a deixar o sertäo em diregäo ao mar. Ao se apaixonar pela artista, Tonho sente-se suficientemente forte para deixar tambem a casa patema na manhä seguinte. A luz na cena final do filme e o oposto da cena de abertura. Tonho estä na praia e anda entre dunas avangando em diregäo ä ägua. No ceu hä ainda muita bruma, o que torna a imagem clara e leitosa. Tudo indica que Tonho näo so se livrou da motte e da tradigäo familiär, como tambem saiu da escuridäo espiritual que sertäo simboliza no filme para iniciar uma nova etapa de vida. Nagib (2007, 4-9) entende que esse desfecho remete ao mito inaugural da cultura brasileira que o mar representa e que e recorrente na tradigäo cinematogräfica brasileira desde Mario Peixoto. Nesse contexto, o mar relaciona-se a ideia romäntica de liberdade e liberagäo do subjetivo em detrimento do social. 197

10 No romance albanes, o protagonista Gjorg näo tem a mesma sorte. Ele erra pelas florestas, onde e assassinado pelo membro da familia rival. Neste texto pravalece, portanto, o pacto social em detrimento do individuo. Apös o tiro, Gjorg ainda avista a claridade emanada por restos de neve, que se apagarä täo logo morra conforme o texto a seguir exemplifica: De repente o mundo emudeceu por complete, depois ele ouviu passos em meio ao mutismo. Sentiu duas mäos que faziam alguma coisa no seu corpo. "Viraram-me para cima", pensou. (...) 4k Ö Deus, tudo conforme as regras." Tentou abrir os olhos. Näo se deu conta se conseguira abri-los ou näo. Deu-se conta apenas de que, no lugar do gjaks, enxergava alvos restos de neve que ainda näo derretera (...). fc Tsso e tudo 1 ', pensou, " e ate que durou demais." (KADARE, 2007, 174) Ao aproximar romance e filme, a diferencja entre ambos, em especial a respeito dos finais, salta aos olhos. Poderiamos, portanto, nos perguntar: o final do filme e uma interpretagäo tipicamente brasileira de um texto estrangeiro? Tudo indica que sim, pois o trajeto de Tonho remete ä famosa fräse de Glauber Rocha de dita que o sertäo vai virar mar e ao hino brasileiro que aproxima o esplendido %i ao som do mar e ä luz". Alem disso, o desfecho lembra tambem uma cena otimista e de longa tradigäo no cinema, do hörnern que atravessa campos e chega ä costa maritima. Esta cena representa a vitöria da luz sobre as trevas, do hörnern que vence os desafios incalculaveis na e da natureza e encontra o seu lugar ao sol num lugar seguro. Este aspecto reforga o que haviamos constatado em artigo anterior, de que "Salles revela, assim, outra parte do projeto maior do seu cinema: o de unir elementos nacionais e transnacionais, o de buscar no exterior modelos narrativos para a exposigäo de problemas brasileiros.,, (Gambarato & Malaguti 2005, 1) O trajeto de Tonho pode ainda representar o caminho inverso dos colonizadores do Brasil, trata-se do colonizado que sai do seu lugar ä procura de um novo mundo. O filme termina, portanto, com uma mensagem, ou melhor com uma clara imagem de otimismo, talvez tipicamente brasileira. BIBLIOGRAFIA BENTES, Ivana. "Cosmetica da FomeJornal do Brasil BORD WELL, David. Visual Style in Cinema. München. Verlag der Autoren,

11 GAMBARATÜ. Renira R.; MALAGLTI, Simone. Objetos de Desejo de Halter Salles. In: II Congresso Internacional: Brasil, identidadee alteridade., 2005, Sao Paulo. Anais Associacäo Brasileira de Estudos Semiöticos. Sao Paulo : ABES, v. I. CD-Rom. KADARE. Ismail. Abril despedacado. Säo Paulo: Companhia de Bolso, KLOSI, Adrian. Mythologie am Werk. München: Sagner, NAGIB, Lucia. Brazil on Screen. London. New York: I.B. Taurus, NAGIB, Lucia. The New Brazialian Cinema. London, New York: LB. Taurus, OLIVE1RA, Mary. Frans Posta e as iniagens do Brasil holandes: O olhar que registra ou o traco que intepreta? Comunicacäo do Tercer Congreso Internacional Alexander von Humboldt: Literatura de viajes desde y hacia Latinoamerica del siglo XV al XXI, em /cms-oliveira.sites.uol.com.br/xii_ciso_2005.pdf. Acesso em SALLES, Walter. "Filme de estrada: manual de instrucäo ". O Estado de Säo Paulo, 20/ 07/2001 STRECKER, Marcos. "Na Estrada. O Cinema de Walter Salles Säo Paulo: Publifolha, 199

SARESP 2004 Prova de Leitura e Escrita 5ª Série EF - Manhã. Narizinho

SARESP 2004 Prova de Leitura e Escrita 5ª Série EF - Manhã. Narizinho SARESP 2004 Prova de Leitura e Escrita 5ª Série EF - Manhã Narizinho Numa casinha branca, lá no Sítio do Picapau Amarelo, mora uma velha de mais de sessenta anos. Chama-se dona Benta. Quem passa pela estrada

Leia mais

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05 QUESTÃO 01 Arte abstrata é uma arte: a) que tem a intenção de representar figuras geométricas. b) que não pretende representar figuras ou objetos como realmente são. c) sequencial, como, por exemplo, a

Leia mais

GODARD E O CINEMA NOVO: BREVES APONTAMENTOS ACERCA

GODARD E O CINEMA NOVO: BREVES APONTAMENTOS ACERCA GODARD E O CINEMA NOVO: BREVES APONTAMENTOS ACERCA DA APROXIMAÇÃO CINEMANOVISTA DA OBRA GODARDIANA Jailson Dias Carvalho Ao longo da década de 1960, Jean-Luc Godard assumiu um papel cada vez mais preponderante

Leia mais

A PINTORA Era madrugada, fumaça e pincéis estampavam a paisagem interna de um loft. Lá fora uma grande lua pintava as ruas semi-iluminadas com um fantasmagórico prateado. Uma mão delicada retocava a gravata

Leia mais

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele O Plantador e as Sementes Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele sabia plantar de tudo: plantava árvores frutíferas, plantava flores, plantava legumes... ele plantava

Leia mais

COMPUTAÇÃO GRÁFICA CORES. Curso: Tecnológico em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: COMPUTAÇÃO GRÁFICA 4º Semestre Prof.

COMPUTAÇÃO GRÁFICA CORES. Curso: Tecnológico em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: COMPUTAÇÃO GRÁFICA 4º Semestre Prof. COMPUTAÇÃO GRÁFICA CORES Curso: Tecnológico em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: COMPUTAÇÃO GRÁFICA 4º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA CORES EM COMPUTAÇÃO GRÁFICA O uso de cores permite melhorar

Leia mais

Cores em Computação Gráfica

Cores em Computação Gráfica Cores em Computação Gráfica Uso de cores permite melhorar a legibilidade da informação, possibilita gerar imagens realistas, focar atenção do observador, passar emoções e muito mais. Colorimetria Conjunto

Leia mais

ROMANTISMO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS LITERÁRIAS

ROMANTISMO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS LITERÁRIAS ROMANTISMO O Romantismo foi uma estética artística surgida no início do século XVIII, que provocou uma verdadeira revolução na produção literária da época. Retratando a força dos sentimentos, ela propôs

Leia mais

Teatro O Santo e a Porca ( 1957)

Teatro O Santo e a Porca ( 1957) Modernismo Teatro O Santo e a Porca ( 1957) Biografia Ariano Suassuna (1927-2014) foi um escritor brasileiro. "O Auto da Compadecida", sua obra prima, foi adaptada para a televisão e para o cinema. Sua

Leia mais

caderno de atividades

caderno de atividades caderno de atividades ÊXODOS SEBASTIÃO SALGADO O desenho fotográfico de Sebastião Salgado foi realizado ao longo de seis anos por quarenta países, conta a história da humanidade em trânsito, como ele próprio

Leia mais

Apresentação das obras de Maximiliano Gutiez por Marcelo M. Martins bolsista CNPq Maximiliano Gutiez expõe, a partir do dia 21, na Galeria da

Apresentação das obras de Maximiliano Gutiez por Marcelo M. Martins bolsista CNPq Maximiliano Gutiez expõe, a partir do dia 21, na Galeria da 1 Apresentação das obras de Maximiliano Gutiez por Marcelo M. Martins bolsista CNPq Maximiliano Gutiez expõe, a partir do dia 21, na Galeria da Unicamp, algumas de suas obras. Aproveita o caro momento

Leia mais

Agrupamento Vertical de Escolas do Viso. Escola E. B. 2.3 do Viso. A vida é uma folha de papel

Agrupamento Vertical de Escolas do Viso. Escola E. B. 2.3 do Viso. A vida é uma folha de papel 1.º Prémio A vida é uma folha de papel A vida pode ser Escura como a noite, Ou clara como as águas cristalinas Que brilham ao calor do sol. A vida pode ser Doce como o mel Ou amarga como o fel. A vida

Leia mais

PARAGUAI ENCIENDE UMA LUZ. Tema

PARAGUAI ENCIENDE UMA LUZ. Tema 59 PARAGUAI ENCIENDE UMA LUZ Tema Será como la luz de la mañana, como el resplandor del sol en una mañana sin nubes, como la lluvia que hace brotar la hierba de la tierra. II Samuel 23:4 Versículo Chave

Leia mais

O NASCIMENTO DO SALVADOR

O NASCIMENTO DO SALVADOR Mensagem pregada pelo Pr Luciano R. Peterlevitz no culto de natal na Igreja Batista Novo Coração, em 20 de dezembro de 2015. Evangelho de Lucas 2.8-20: 8 Havia pastores que estavam nos campos próximos

Leia mais

ARTES VISUAIS E LITERATURA

ARTES VISUAIS E LITERATURA Vestibular 2009 1ª Fase ARTES VISUAIS E LITERATURA Instruções Gerais: No dia de hoje (09/11), você deverá responder às questões de Geografia, História, Artes Visuais e Literatura e de Raciocínio Lógico-Matemático.

Leia mais

Composição fotográfica

Composição fotográfica Composição fotográfica É a seleção e os arranjos agradáveis dos assuntos dentro da área a ser fotografada. Os arranjos são feitos colocando-se figuras ou objetos em determinadas posições. Às vezes, na

Leia mais

JESUS, MOISÉS E ELIAS Lição 30. 1. Objetivos: Mostrar que Jesus está sobre todas as pessoas porque é o filho de Deus..

JESUS, MOISÉS E ELIAS Lição 30. 1. Objetivos: Mostrar que Jesus está sobre todas as pessoas porque é o filho de Deus.. JESUS, MOISÉS E ELIAS Lição 30 1 1. Objetivos: Mostrar que Jesus está sobre todas as pessoas porque é o filho de Deus.. 2. Lição Bíblica: Mateus 17.1-13; Marcos 2.1-13; Lucas 9.28-36 (Leitura bíblica para

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO 2012/2013 PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA (Prova 3) 6º Ano / Ensino Fundamental

CONCURSO DE ADMISSÃO 2012/2013 PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA (Prova 3) 6º Ano / Ensino Fundamental Leia atentamente todas as questões e assinale a única alternativa correta. Texto 1 A menina que desenhava 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Crianças do Brasil Suas histórias, seus brinquedos, seus sonhos elaborada por ANA CAROLINA CARVALHO livro de JOSÉ SANTOS ilustrações

Leia mais

A influência do contexto social na obra Chapeuzinho Vermelho

A influência do contexto social na obra Chapeuzinho Vermelho A influência do contexto social na obra Chapeuzinho Vermelho Guilherme Argenta Souza Ceres Helena Ziegler Bevilaqua UFSM A obra Chapeuzinho Vermelho é um clássico da literatura universal, apreciada por

Leia mais

3º ano Filosofia Teorias do conhecimento Prof. Gilmar Dantas. Aula 4 Platão e o mundo das ideias ou A teoria do conhecimento em Platão

3º ano Filosofia Teorias do conhecimento Prof. Gilmar Dantas. Aula 4 Platão e o mundo das ideias ou A teoria do conhecimento em Platão 3º ano Filosofia Teorias do conhecimento Prof. Gilmar Dantas Aula 4 Platão e o mundo das ideias ou A teoria do conhecimento em Platão ACADEMIA DE PLATÃO. Rafael, 1510 afresco, Vaticano. I-Revisão brevíssima

Leia mais

As 12 Vitimas do Medo.

As 12 Vitimas do Medo. As 12 Vitimas do Medo. Em 1980 no interior de São Paulo, em um pequeno sítio nasceu Willyan de Sousa Filho. Filho único de Dionizia de Sousa Millito e Willian de Sousa. Sempre rodeado de toda atenção por

Leia mais

Apoio: Patrocínio: Realização:

Apoio: Patrocínio: Realização: 1 Apoio: Patrocínio: Realização: 2 O ANJO Hans Christian Andersen 3 Contos de Hans Christian Andersen Hans Christian Andersen nasceu em Odensae, em 2 de abril de 1805, e faleceu em Conpenhague em 1875.

Leia mais

Cópia autorizada. II

Cópia autorizada. II II Sugestões de avaliação Português Compreensão de texto 2 o ano Unidade 5 5 Unidade 5 Compreensão de texto Nome: Data: Leia este texto expositivo e responda às questões de 1 a 5. As partes de um vulcão

Leia mais

Salve o cinema II: um apelo e uma louvação em nome da arte cinematográfica

Salve o cinema II: um apelo e uma louvação em nome da arte cinematográfica Salve o cinema II: um apelo e uma louvação em nome da arte cinematográfica Cláudio Bezerra 1 Resenha MEDEIROS, Fábio Henrique Nunes e MORAES, Taiza Mara Rauen (Org.). Salve o Cinema II: leitura da linguagem

Leia mais

SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR

SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR SARGENTO NADER ALVES DOS SANTOS SÉRIE/ANO: 6 TURMA(S):

Leia mais

LETRAS E PALAVRAS: IMAGENS DO ÚLTIMO CALÍGRAFO. PALAVRAS-CHAVE: Caligrafia, Imagem, Livros manuscritos árabes e persas; cinema.

LETRAS E PALAVRAS: IMAGENS DO ÚLTIMO CALÍGRAFO. PALAVRAS-CHAVE: Caligrafia, Imagem, Livros manuscritos árabes e persas; cinema. LETRAS E PALAVRAS: IMAGENS DO ÚLTIMO CALÍGRAFO RODRIGUES, Ubirajara Alencar (UNICAMP) RESUMO: Esse texto é sobre imagens de letras, livros e filmes; e particularmente as de um pequeno documentário encontrado

Leia mais

Unidade 5 O Universo e seus astros

Unidade 5 O Universo e seus astros Sugestões de atividades Unidade 5 O Universo e seus astros 6 CIÊNCIAS 1 Céu e constelações A Constelação do Cruzeiro de Sul é representada na bandeira do Brasil e na bandeira de outros países, como Austrália,

Leia mais

Instituto de Educação Infantil e Juvenil Verão, 2015. Londrina, Nome: Ano: Tempo Início: Término: Total: Edição 2 MMXV Intermediária 2 Grupo A

Instituto de Educação Infantil e Juvenil Verão, 2015. Londrina, Nome: Ano: Tempo Início: Término: Total: Edição 2 MMXV Intermediária 2 Grupo A Instituto de Educação Infantil e Juvenil Verão, 2015. Londrina, Nome: de Ano: Tempo Início: Término: Total: Edição 2 MMXV Intermediária 2 Grupo A A TEMPESTADE É um quadro que mostra um profundo senso de

Leia mais

1º Domingo de Agosto Primeiros Passos 02/08/2015

1º Domingo de Agosto Primeiros Passos 02/08/2015 1º Domingo de Agosto Primeiros Passos 02/08/2015 JESUS ESTÁ COMIGO QUANDO SOU DESAFIADO A CRESCER! OBJETIVO - Saber que sempre que são desafiados a crescer ou assumir responsabilidades, Jesus está com

Leia mais

TURMA 801. Aula 07 PERSPECTIVA LINEAR

TURMA 801. Aula 07 PERSPECTIVA LINEAR TURMA 801 Aula 07 PERSPECTIVA LINEAR Nós habitamos um mundo tridimensional. Ou seja, vemos o mundo em três dimensões: a altura, a largura e a profundidade. É por conta da profundidade que dizemos a árvore

Leia mais

Autor (a): Januária Alves

Autor (a): Januária Alves Nome do livro: Crescer não é perigoso Editora: Gaivota Autor (a): Januária Alves Ilustrações: Nireuda Maria Joana COMEÇO DO LIVRO Sempre no fim da tarde ela ouvia no volume máximo uma musica, pois queria

Leia mais

O Pequeno Mundo de Maria Lúcia

O Pequeno Mundo de Maria Lúcia Eric Ponty O Pequeno Mundo de Maria Lúcia Pinturas de Fernando Campos [2005] Virtual Book s Numa noite de outubro a pequena Maria Lúcia viu o azul do céu escuro da tarde um homem andando de bicicleta.

Leia mais

NOTÍCIAS. Seca que castiga a vegetação preocupa funcionários do Parque da Cidade

NOTÍCIAS. Seca que castiga a vegetação preocupa funcionários do Parque da Cidade V.5 - N.5 - Out/Dez de 2015 Vilma Lúcia da Silva 05 Assessora de Comunicação do Parque da Cidade Seca que castiga a vegetação preocupa funcionários do Parque da Cidade Falta de chuvas regulares descarte

Leia mais

A ILUSTRAÇÃO NO LIVRO DE LITERATURA INFANTO-JUVENIL: UM PROJETO EM ANDAMENTO

A ILUSTRAÇÃO NO LIVRO DE LITERATURA INFANTO-JUVENIL: UM PROJETO EM ANDAMENTO A ILUSTRAÇÃO NO LIVRO DE LITERATURA INFANTO-JUVENIL: UM PROJETO EM ANDAMENTO Maria da Graça Cassano 1 1 Dos fatores determinantes para a pesquisa O trabalho com a literatura infanto-juvenil desenvolvido

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor,

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor, Xixi na Cama Cara Professora, Caro Professor, Estamos oferecendo a você e a seus alunos mais um livro da coleção Revoluções: Xixi na Cama, do autor mineiro Drummond Amorim. Junto com a obra, estamos também

Leia mais

A História de Uma Árvore

A História de Uma Árvore A História de Uma Árvore Blumenau/2013 Editora: Cristina Marques Produção: Instituto Evoluir Revisão: Gervásio Tessaleno Luz Ilustrações: Sydnei Prado Jr. Arte final-colorização: Célio Vogel / Paulo Zanon

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

Como Vemos as Coisas? Uma proposta para o ensino de Óptica e Visão no Ensino Fundamental

Como Vemos as Coisas? Uma proposta para o ensino de Óptica e Visão no Ensino Fundamental Como Vemos as Coisas? Uma proposta para o ensino de Óptica e Visão no Ensino Fundamental Valéria Rangel Soares Uma pergunta antiga que desde a Antiguidade despertou a curiosidade do homem. Como Vemos as

Leia mais

CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL

CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL 1.0. Clima no Mundo A grande diversidade verificada na conjugação dos fatores climáticos pela superfície do planeta dá origem a vários tipos de clima. Os principais

Leia mais

René Magritte Le Fils de Lhomme. Surrealismo

René Magritte Le Fils de Lhomme. Surrealismo Surrealismo Surrealismo Movimento artístico e literário nascido em Paris, em 1924, quando foi lançado o Manifesto surrealista, escrito por André Breton. Propunha aos artistas que expressassem livremente

Leia mais

O Vermelho do Capim. Poemas da Guerra Colonial. José Rosa Sampaio. Portimão 1986

O Vermelho do Capim. Poemas da Guerra Colonial. José Rosa Sampaio. Portimão 1986 José Rosa Sampaio * O Vermelho do Capim Poemas da Guerra Colonial ** Ficha Técnica: Título: O Vermelho do Capim: poemas da Guerra Colonial Autor: José Rosa Sampaio, 1949- Tiragem: 30 exemplares fora do

Leia mais

Reescrevendo poesias

Reescrevendo poesias Reescrevendo poesias Turma Carlos Drummond de Andrade Escola Municipal Córrego São Miguel Rio Piracicaba-2015 As reescritas foram iniciadas a partir da proposta de trabalho para as aulas de Literatura.

Leia mais

A Temperatura de cor - Texto extraído de:

A Temperatura de cor - Texto extraído de: 77 A Temperatura de cor - Texto extraído de: BALAN, W.C. A iluminação em programas de TV: arte e técnica em harmonia. Bauru, 1997. 137f. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Poéticas Visuais) Faculdade

Leia mais

Observe esta estrada. Seguindo por ela você vai encontrar uma subida ou uma descida? (ilusão de Marcelo Kothe, 2001)

Observe esta estrada. Seguindo por ela você vai encontrar uma subida ou uma descida? (ilusão de Marcelo Kothe, 2001) Ilusão de Óptica Imagens Reversíveis Qual seta está apontando a entrada da figura? A laranja ou a azul? Para ver a entrada reverter fixe seus olhos no lado contrário ao que você viu como a entrada. Talvez

Leia mais

Um planeta. chamado Albinum

Um planeta. chamado Albinum Um planeta chamado Albinum 1 Kalum tinha apenas 9 anos. Era um menino sonhador, inteligente e inconformado. Vivia num planeta longínquo chamado Albinum. Era um planeta muito frio, todo coberto de neve.

Leia mais

Esses acontecimentos surgem na lista que se segue, embora desordenados.

Esses acontecimentos surgem na lista que se segue, embora desordenados. Natureza 2. Nesta narrativa, os diferentes acontecimentos aparecem pela ordem em que sucederam. Esses acontecimentos surgem na lista que se segue, embora desordenados. 2.1 Reconstitui a história pela ordem

Leia mais

Sugestão de avaliação

Sugestão de avaliação Sugestão de avaliação 6 PORTUGUÊS Professor, esta sugestão de avaliação corresponde ao segundo bimestre escolar ou às Unidades 3 e 4 do livro do Aluno. Avaliação - Língua Portuguesa NOME: TURMA: escola:

Leia mais

Portuguese Poetry / 14-30 lines HS 5-6

Portuguese Poetry / 14-30 lines HS 5-6 Ai quem me dera 1. Ai, quem me dera, terminasse a espera 2. Retornasse o canto simples e sem fim, 3. E ouvindo o canto se chorasse tanto 4. Que do mundo o pranto se estancasse enfim 5. Ai, quem me dera

Leia mais

CIÊNCIAS PROVA 1º BIMESTRE 6º ANO

CIÊNCIAS PROVA 1º BIMESTRE 6º ANO PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO CIÊNCIAS PROVA 1º BIMESTRE 6º ANO 2010 Questão 1 PROVA DE CIÊNCIAS 6 ANO A imagem

Leia mais

Poesia AUTOR. Adélia Prado DADOS BIOGRÁFICOS Nome completo: Adélia Luzia Prado de Freitas. Poesia

Poesia AUTOR. Adélia Prado DADOS BIOGRÁFICOS Nome completo: Adélia Luzia Prado de Freitas. Poesia OBRA ANALISADA: O Coração Disparado 1978 GÊNERO Poesia AUTOR Adélia Prado DADOS BIOGRÁFICOS Nome completo: Adélia Luzia Prado de Freitas BIBLIOGRAFIA Poesia Bagagem, Imago - 1975 O Coração Disparado, Nova

Leia mais

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES SUPLEMENTO DE ATIVIDADES NOME: N O : ESCOLA: SÉRIE: 1 Considerado um dos mais importantes escritores de todos os tempos, Edgar Allan Poe se inscreveu na história da literatura mundial com seu estilo inconfundível.

Leia mais

RIO 2016 & AS TRÊS GRAÇAS: AS MUITAS FACES

RIO 2016 & AS TRÊS GRAÇAS: AS MUITAS FACES RIO 2016 & AS TRÊS GRAÇAS: AS MUITAS FACES EM UMA MESMA IMAGEM Maria da Glória Weissheimer Professora-Tutora Externa Marinilse Netto Centro Universitário Leonardo da Vinci - UNIASSELVI Curso Artes Visuais

Leia mais

Cara Professora, Caro Professor,

Cara Professora, Caro Professor, A olhinhos menina de rasgados Cara Professora, Caro Professor, Estamos oferecendo a você e a seus alunos um belo livro de narrativa A menina de olhinhos rasgados, do premiado autor mineiro Vanderlei Timóteo.

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

Condições didáticas geradas para o desenvolvimento do Projeto

Condições didáticas geradas para o desenvolvimento do Projeto Condições didáticas geradas para o desenvolvimento do Projeto Propor a reflexão sobre o literário a partir de situações de leitura e essencialmente de escrita. Propor situações didáticas que favoreçam

Leia mais

DICAS DE FOTOGRAFIAS Material retirado do curso da National Geographic e de diversos materiais disponibilizados na Internet

DICAS DE FOTOGRAFIAS Material retirado do curso da National Geographic e de diversos materiais disponibilizados na Internet DICAS DE FOTOGRAFIAS Material retirado do curso da National Geographic e de diversos materiais disponibilizados na Internet 1 Usar a regra dos 2 3 da imagem. 2 - Lembre-se que o flash tem um alcance limitado,

Leia mais

Literatura e cinema: algumas reflexões sobre a produção voltada para o público infantil

Literatura e cinema: algumas reflexões sobre a produção voltada para o público infantil Literatura e cinema: algumas reflexões sobre a produção voltada para o público infantil Fábio Augusto Steyer Universidade Estadual de Ponta Grossa PR A atual produção cinematográfica voltada para o público

Leia mais

Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto

Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto 3 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO

Leia mais

INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA Orientações para a Redação

INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA Orientações para a Redação I - Proposta de Redação INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA Orientações para a Redação A proposta de redação do vestibular do ITA pode ser composta de textos verbais, não verbais (foto ou ilustração,

Leia mais

Os Cânticos do Natal # 03 O Cântico de Zacarias Lucas 1.67-79

Os Cânticos do Natal # 03 O Cântico de Zacarias Lucas 1.67-79 Benedictus - O Cântico de Zacarias Lucas 1.67-79 67 Seu pai, Zacarias, foi cheio do Espírito Santo e profetizou: 68 Louvado seja o Senhor, o Deus de Israel, porque visitou e redimiu o seu povo. 69 Ele

Leia mais

Fotografia: a escrita da luz 1. Angélica Lüersen 2 Universidade Federal de Santa Maria

Fotografia: a escrita da luz 1. Angélica Lüersen 2 Universidade Federal de Santa Maria Fotografia: a escrita da luz 1 Angélica Lüersen 2 Universidade Federal de Santa Maria Resumo A luz é essencial para a fotografia. Esse fato, por assim dizer, é fundamentalmente importante para compreender

Leia mais

Luz e Representação e Representação da Luz - alguns aspectos da foto-grafia na Imagem Artística

Luz e Representação e Representação da Luz - alguns aspectos da foto-grafia na Imagem Artística Luz e Representação e Representação da Luz - alguns aspectos da foto-grafia na Imagem Artística Light and Representation and Representation of Ligh -aumont some aspects of photography in Artistic Image

Leia mais

Divergencias. Revista de estudios lingüísticos y literarios. Volumen 4 Número 1, Primavera 2006.

Divergencias. Revista de estudios lingüísticos y literarios. Volumen 4 Número 1, Primavera 2006. Almas secas Aquele verão não choveu. Isto era quase normal. Era o deserto. Desta vez o céu não deixou que nehuma gota caísse na terra. O ar evaporava a água antes de tocar no chão. As pessoas não tinham

Leia mais

Impressões sobre o Porto. Maria Zaclis Veiga FERREIRA 1

Impressões sobre o Porto. Maria Zaclis Veiga FERREIRA 1 Impressões sobre o Porto Maria Zaclis Veiga FERREIRA 1 Resumo Utilizando alguns preceitos sobre a fotografia como forma de contextualização do tema, o presente artigo trata da imagem fotográfica enquanto

Leia mais

AULA: 19.2 Conteúdo: Gêneros literários: cordel, conto e romance. INTERATIVIDADE FINAL LÍNGUA PORTUGUESA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA

AULA: 19.2 Conteúdo: Gêneros literários: cordel, conto e romance. INTERATIVIDADE FINAL LÍNGUA PORTUGUESA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA : 19.2 Conteúdo: Gêneros literários: cordel, conto e romance. Habilidades: Compreender as características que compõem os gêneros discursivos. REVISÃO Produzindo a Literatura Repente Literatura de cordel

Leia mais

EDUCAÇÃO, LETRAMENTO E ALFABETIZAÇÃO A PARTIR DO FILME NARRADORES DE JAVÉ

EDUCAÇÃO, LETRAMENTO E ALFABETIZAÇÃO A PARTIR DO FILME NARRADORES DE JAVÉ EDUCAÇÃO, LETRAMENTO E ALFABETIZAÇÃO A PARTIR DO FILME NARRADORES DE JAVÉ Geane Apolinário Oliveira Graduada em Pedagogia pela Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) - Geane-cg@hotmail.com RESUMO: Este

Leia mais

Do Livro do Desassossego - Bernardo Soares

Do Livro do Desassossego - Bernardo Soares Do Livro do Desassossego - Bernardo Soares Bernardo Soares (heterônimo de Fernando Pessoa) 1. "O coração, se pudesse pensar, pararia." "Considero a vida uma estalagem onde tenho que me demorar até que

Leia mais

Entrelaçamentos entre Arte e Interpretação na Clínica Extensa Leila Souza Alves de Araújo

Entrelaçamentos entre Arte e Interpretação na Clínica Extensa Leila Souza Alves de Araújo Entrelaçamentos entre Arte e Interpretação na Clínica Extensa Leila Souza Alves de Araújo Entrelaçamentos entre Arte e Interpretação é o que se busca promover a partir da realização do Projeto Transformador:

Leia mais

- Glória ao Pai e ao Filho e ao Santo Espírito, - Glória a Trindade Santa, glória ao Deus bendito!

- Glória ao Pai e ao Filho e ao Santo Espírito, - Glória a Trindade Santa, glória ao Deus bendito! Área Juventude e Vocações Subsídio 1 para Encontro de oração em memória de São Luís Gonzaga Patrono da Juventude 1. CHEGADA Canto: Amar a Ti, Senhor, em todas as coisas E todas em Ti, em tudo amar e servir

Leia mais

Teoria da Comunicação Funções da Linguagem

Teoria da Comunicação Funções da Linguagem Teoria da Comunicação Funções da Linguagem Professor Rafael Cardoso Ferreira O que é linguagem? A linguagem é o instrumento graças ao qual o homem modela seu pensamento, seus sentimentos, suas emoções,

Leia mais

ALUNO: Nº SÉRIE/ANO: TURMA: TURNO: 8º D V. DISCIPLINA: TIPO DE ATIVIDADE: PROFESSOR (A): HISTÓRIA DA ARTE TEXTO COMPLEMENTAR - 1 2º trimestre TATIANE

ALUNO: Nº SÉRIE/ANO: TURMA: TURNO: 8º D V. DISCIPLINA: TIPO DE ATIVIDADE: PROFESSOR (A): HISTÓRIA DA ARTE TEXTO COMPLEMENTAR - 1 2º trimestre TATIANE Fonte: http://www.musee-orsay.fr/fr/collections/catalogue-des-oeuvres/resultatcollection.html?no_cache=1&zoom=1&tx_damzoom_pi1%5bzoom%5d=0&tx_da mzoom_pi1%5bxmlid%5d=001089&tx_damzoom_pi1%5bback%5d=fr%2fcollec

Leia mais

Aluno (a): Ana Paula Batista Pereira Série: 3º Ano do Ensino Médio Professora: Deysiane Maria Assis Zille. Água

Aluno (a): Ana Paula Batista Pereira Série: 3º Ano do Ensino Médio Professora: Deysiane Maria Assis Zille. Água Aluno (a): Ana Paula Batista Pereira Série: 3º Ano do Ensino Médio Professora: Deysiane Maria Assis Zille Água Tu és um milagre que Deus criou, e o povo todo glorificou. Obra divina do criador Recurso

Leia mais

CEGO, SURDO E MUDO (porque nao?) LETRA: Ricardo Oliveira e Mário F.

CEGO, SURDO E MUDO (porque nao?) LETRA: Ricardo Oliveira e Mário F. FRUTO PROIBIDO FRUTO PROIBIDO 1 Cego, surdo e mudo (porque não?) 2 Mundo inteiro 3 Acordo a tempo 4 Contradição 5 A água não mata a fome 6 Quem és é quanto basta 7 Nascer de novo (és capaz de me encontrar)

Leia mais

LITERATURA E AUTORIA FEMININA: REFLEXÕES SOBRE O CÂNONE LITERÁRIO E MARTHA MEDEIROS

LITERATURA E AUTORIA FEMININA: REFLEXÕES SOBRE O CÂNONE LITERÁRIO E MARTHA MEDEIROS LITERATURA E AUTORIA FEMININA: REFLEXÕES SOBRE O CÂNONE LITERÁRIO E MARTHA MEDEIROS Mestranda Kézia Dantas Félix 1, UEPB 1 Resumo: Neste artigo estudo o debate estabelecido em torno do cânone literário,

Leia mais

GENTE EDUCADA, CIDADE BONITA. Modelo de Projeto para Leopoldina Minas Gerais. Projeto de Atividades. 1º Edição

GENTE EDUCADA, CIDADE BONITA. Modelo de Projeto para Leopoldina Minas Gerais. Projeto de Atividades. 1º Edição GENTE EDUCADA, CIDADE BONITA Projeto de Atividades 1º Edição Modelo de Projeto para Leopoldina Minas Gerais 1. INTRODUÇÃO A educação atualmente não pode se restringir apenas ao ambiente escolar, o estudante

Leia mais

Entre o Ser e o Mar, o olhar fotográfico de Antônio David

Entre o Ser e o Mar, o olhar fotográfico de Antônio David Entre o Ser e o Mar, o olhar fotográfico de Antônio David Linaldo Guedes linaldo.guedes@gmail.com Filho de Gregório David, fotógrafo da pequena cidade de Taperoá, localizada no Cariri paraibano, a visão

Leia mais

YUME : NARRATIVAS MÍTICAS DE KUROSAWA

YUME : NARRATIVAS MÍTICAS DE KUROSAWA YUME : NARRATIVAS MÍTICAS DE KUROSAWA CAVALHEIRO, Kaline (UNIOESTE G/Pibic - CNPq) DIAS, Acir (UNIOESTE Orientador) RESUMO: O presente trabalho tem como objeto o estudo da cultura, mitos e imagens presentes

Leia mais

Atividade: Leitura e interpretação de texto. Português- 8º ano professora: Silvia Zanutto

Atividade: Leitura e interpretação de texto. Português- 8º ano professora: Silvia Zanutto Atividade: Leitura e interpretação de texto Português- 8º ano professora: Silvia Zanutto Orientações: 1- Leia o texto atentamente. Busque o significado das palavras desconhecidas no dicionário. Escreva

Leia mais

MEDITAÇÃO SALA LARANJA SEMANA 16 QUEDA E MALDIÇÃO Nome: Professor: Rebanho

MEDITAÇÃO SALA LARANJA SEMANA 16 QUEDA E MALDIÇÃO Nome: Professor: Rebanho MEDITAÇÃO SALA LARANJA SEMANA 16 QUEDA E MALDIÇÃO Nome: Professor: Rebanho VERSÍCULOS PARA DECORAR ESTA SEMANA Usamos VERSÍCULOS a Bíblia na PARA Nova DECORAR Versão Internacional ESTA SEMANA NVI Usamos

Leia mais

JORNAL DO MESTIPEN 2º PERÍODO Janeiro / Fevereiro / Março ANO LECTIVO 2015-2016

JORNAL DO MESTIPEN 2º PERÍODO Janeiro / Fevereiro / Março ANO LECTIVO 2015-2016 JORNAL DO MESTIPEN 2º PERÍODO Janeiro / Fevereiro / Março ANO LECTIVO 2015-2016 APRENDEMOS COMUNICAMOS Iniciámos o 2º período, e na primeira semana lembrámos o DIA MUNDIAL DA PAZ, e o seu significado.

Leia mais

A amizade abana o rabo

A amizade abana o rabo RESENHA Leitor iniciante Leitor em processo Leitor fluente ILUSTRAÇÕES: Marina relata, nessa história, seu encontro com cães especiais, que fazem parte de sua vida: Meiga, Maribel e Milord. A história

Leia mais

O dia em que ele nasceu

O dia em que ele nasceu O dia em que ele nasceu E le nasceu no verão mais seco dos últimos quarenta anos. O sol cozinhava a argila vermelha do Alabama, transformando-a em pó, e não havia água por quilômetros ao redor. A comida

Leia mais

AS TRÊS EXPERIÊNCIAS

AS TRÊS EXPERIÊNCIAS Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: Colégio PARA QUEM CURSA O 8 Ọ ANO EM 2014 Disciplina: PoRTUGUÊs Prova: desafio nota: Texto para as questões de 1 a 7. AS TRÊS EXPERIÊNCIAS Há três coisas para

Leia mais

Sistema de Ensino CNEC. 1 o ano Ensino Fundamental Data: / / Nome:

Sistema de Ensino CNEC. 1 o ano Ensino Fundamental Data: / / Nome: 1 o ano Ensino Fundamental Data: / / Nome: -06a-34s-at-04 Língua Portuguesa Produção e Interpretação Leia um trecho do livro Uma professora muito maluquinha, de Ziraldo. Era uma vez uma professora maluquinha.

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA DEPARTAMENTO DE LETRAS E ARTES Campus Avançado de Santo Amaro

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA DEPARTAMENTO DE LETRAS E ARTES Campus Avançado de Santo Amaro UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA DEPARTAMENTO DE LETRAS E ARTES Campus Avançado de Santo Amaro As crenças populares do interior da Bahia presentes em Memorial do inferno Santo Amaro Bahia Agosto/2006

Leia mais

Eu gosto desta, porque tem uma menina com neve na cabeça

Eu gosto desta, porque tem uma menina com neve na cabeça Eu gosto desta, porque tem uma menina com neve na cabeça Eduarda Coquet Tenho na minha frente a Joana, a Inês, o André, o Lourenço, a Margarida, o Francisco, a Maria e outros tantos que vieram conversar

Leia mais

AMÉRICA: ASPECTOS NATURAIS E TERRITORIAIS

AMÉRICA: ASPECTOS NATURAIS E TERRITORIAIS AMÉRICA: ASPECTOS NATURAIS E TERRITORIAIS Tema 1: A América no mundo 1. Um continente diversificado A América possui grande extensão latitudinal e, por isso, nela encontramos diversas paisagens. 2. Fatores

Leia mais

Comentários ao filme "Moça com brinco de pérola" de Johannes Vermeer

Comentários ao filme Moça com brinco de pérola de Johannes Vermeer Comentários ao filme "Moça com brinco de pérola" de Johannes Vermeer 07 de Agosto de 2013 Mestre Cristina Susigan csusigan@gmail.com A historiadora de arte Svetlana Alpers, em sua obra A ARTE DE DESCREVER

Leia mais

SOBRE ESTE LIVRO > SIGAM AS PISTAS...

SOBRE ESTE LIVRO > SIGAM AS PISTAS... As pistas e propostas de trabalho que se seguem são apenas isso mesmo: propostas e pistas, pontos de partida, sugestões, pontapés de saída... Não são lições nem fichas de trabalho, não procuram respostas

Leia mais

POESIA NO ENSINO MÉDIO: ANÁLISE DE RECEITAS RESUMO

POESIA NO ENSINO MÉDIO: ANÁLISE DE RECEITAS RESUMO POESIA NO ENSINO MÉDIO: ANÁLISE DE RECEITAS Caroline Orlandini Moraes (Bolsista Fundação Araucária / G CLCA UENP/CJ) (Integrante do GP Literatura e Ensino - UENP/CJ) Rafaela Stopa (Orientadora - CLCA-UENP/CJ)

Leia mais

Exercícios de Revisão - 1

Exercícios de Revisão - 1 Exercícios de Revisão - 1 1. Isto Dizem que finjo ou minto Tudo que escrevo. Não. Eu simplesmente sinto Com a imaginação. Não uso o coração. Tudo o que sonho ou passo O que me falha ou finda, É como que

Leia mais

Cabra macho e cidadão do mundo

Cabra macho e cidadão do mundo Cabra macho e cidadão do mundo Uma poesia antilírica, dirigida ao intelecto, mais presa à realidade objetiva do poema enquanto criação; Cronologicamente pertence à geração de 45, mas dela se afasta pela

Leia mais

ARTE DE MAIO, OU DE QUALQUER OUTRO MÊS

ARTE DE MAIO, OU DE QUALQUER OUTRO MÊS 1 ARTE DE MAIO, OU DE QUALQUER OUTRO MÊS A exposição Maio, realizada na Galeria Vermelho, em 2005, composta por individuais de Rogério Canella e Nicolás Robbio é uma mostra que desvela nossa época, evidencia

Leia mais

Projeto. Pedagógico ÁGUIA SONHADORA

Projeto. Pedagógico ÁGUIA SONHADORA Projeto Pedagógico ÁGUIA SONHADORA 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Apresentação O livro narra a história de uma águia inquieta para alçar o primeiro voo; ainda criança, sai pela floresta

Leia mais

Assim caminha a luz. Logo após o jantar, Roberto e Ernesto saem. Em linha reta...

Assim caminha a luz. Logo após o jantar, Roberto e Ernesto saem. Em linha reta... A UU L AL A Assim caminha a luz Logo após o jantar, Roberto e Ernesto saem para dar uma volta. - Olha, pai, como a Lua está grande! - diz Ernesto. - É, aparentemente isso é verdade. Mas pegue essa moeda

Leia mais

JANELA SOBRE O SONHO

JANELA SOBRE O SONHO JANELA SOBRE O SONHO um roteiro de Rodrigo Robleño Copyright by Rodrigo Robleño Todos os direitos reservados E-mail: rodrigo@robleno.eu PERSONAGENS (Por ordem de aparição) Alice (já idosa). Alice menina(com

Leia mais

Como a casa dos Larsen estava abandonada desde o ano anterior, as folhas secas cobrindo o caminho até a porta, o que Tomás fez foi tirar uma tábua e

Como a casa dos Larsen estava abandonada desde o ano anterior, as folhas secas cobrindo o caminho até a porta, o que Tomás fez foi tirar uma tábua e 11 a caixa 2007 Como a casa dos Larsen estava abandonada desde o ano anterior, as folhas secas cobrindo o caminho até a porta, o que Tomás fez foi tirar uma tábua e passar pela janela quebrada, vendo então

Leia mais