Os planetas gémeos ...fim

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Os planetas gémeos ...fim"

Transcrição

1 Os planetas gémeos 21

2 Era uma vez um par de planetas gémeos que tinham uma forma de olho. Eram quase redondos como a Terra. Apesar da distância que os separava, mexiam-se sempre em simultâneo e faziam sempre o mesmo movimento, como se fossem um só. E embora vivessem em função do Sol, ao contrário dos planetas normais não andavam à volta dele. Era uma vez um par de planetas gémeos que tinham uma forma de olho Vistos do espaço tinham uma graciosidade única. Estavam tão bem treinados que pareciam dois bailarinos. Nunca nenhum par de bailarinos dançou de forma tão coordenada. Todos os movimentos que um deles realizava, eram feitos pelo outro em simultâneo. 22

3 Os países destes dois planetas eram tão rigorosamente iguais que tudo o que acontecia num deles acontecia no outro. Até os habitantes era iguais Num dos lados dos planetas via-se uma mancha escura; era uma espécie de porta por onde entrava a luz que chegava aos países daqueles planetas. Era uma porta mágica: fechava e abria sozinha conforme a quantidade de luz. Ficava mais pequena quando a luz era muita, e alargava quando a luz diminuía. Esta porta era um buraco construído num País chamado Íris. Era um país muito giro que visto do espaço podia ter várias cores. A maior parte dos dias era castanho. Noutros dias parecia azul, que podia até ser de vários tons. Noutros, Íris parecia verde ou até uma mistura de várias cores. Eram cores que tinham sido inventadas pelos amigos de um país vizinho Esse país vizinho chamava-se Retina, onde os meninos se divertiam a fazer imagens Eram meninos de muitas raças e espécies. Organizavam grandes grupos que brincavam de forma organizada. Eram todos muito felizes Os manos Cone eram três gémeos muito inventivos; desde pequeninos gostavam de fazer brincadeiras com a luz, ao contrário dos seus primos bastonetes que preferiam brincar com as imagens no escuro. Os manos Cone eram três gémeos muito inventivos que gostavam de fazer brincadeiras com a luz 23

4 Numa manhã de muito Sol os três gémeos inventaram as cores. Primeiro o menino CoR inventou o vermelho, depois o mano CoG inventou o verde e finalmente o terceiro gémeo, o CoB, inventou o azul. Com o vermelho fizeram lindas joaninhas e lindas papoilas. Com o verde plantaram as árvores e semearam grandes relvados, que encheram com as papoilas e as joaninhas. Com o azul espalharam o Céu. Primeiro pelo país e depois por todo o planeta. Era um Céu de um azul profundo; um azul que só os meninos de Retina conhecem. Para se formar este azul, a luz tem de ser filtrada pela atmosfera Vítrea que protege Retina. É uma atmosfera feita de um gel especial muito transparente e que protege o planeta dos meninos que fazem as cores. Fizeram papoilas joaninhas grandes relvados e espalharam o Céu 24

5 Depois num dia de chuva misturaram as cores num copo de água; mexeram bem. Com uma palhinha lançaram bolhinhas para o ar e todos ficaram espantados. Nunca tinham visto nada tão bonito! Eram faixas de luz com muitas cores, todas sobrepostas. Uma imagem tão bonita e era tão fácil de construir! Até os primos bastonete que gostavam de brincar no escuro vieram aplaudir. Perguntaram então uns aos outros como haveriam de chamar àquela imagem. Foi uma discussão gira! Lembraram-se que a imagem tinha um aspecto redondo como Íris. E como a luz que recebiam dependia do trabalho do planeta Íris, decidiram chamarlhe Arco-íris. Lançaram bolhinhas e fizeram o arco-íris 25

6 26 Lá estavam todas as cores inventadas! Mas agora tinham novas cores! Agora as suas imagens podiam ser ainda mais bonitas. Encheram o Céu com milhões de Arco-íris. Desenharam nuvens de muitas formas em que misturaram tons de branco e azul. Fizeram pássaros de todas as cores. Pintaram o Sol de amarelo e inventaram duas novas cores: uma para o nascer e outra para o pôr-do-sol. Depois ajudaram os primos Bastonete e inventaram muitas e novas cores para noite. Construíram uma Lua que nas noites mais bonitas ficava prateada. Depois inventaram as cores da Lua cheia e as cores das noites de luar às quais os namorados nunca ficam indiferentes Naqueles planetas existem outros países onde os meninos de Retina têm grandes amigos. Com eles fazem brincadeiras comuns. Um deles é Cristalino, onde os meninos se divertem a mudar a direcção dos raios de luz. Esta brincadeira faz com que a luz chegue ao planeta Retina mais focada e as cores fiquem mais nítidas. Cristalino é um país suspenso numas montanhas especiais; é redondo e por isso está seguro a toda a volta por uns cabos elásticos. Nas suas brincadeiras os meninos de Cristalino podem esticar ou alargar esses cabos para focar a luz ao gosto dos amiguinhos de Retina. Ah! Existe ainda outro país muito bonito! É tão transparente que brilha com a luz; por vezes a sua forma redonda e o seu brilho dão-lhe um aspecto de cristal. Chama-se Córnea. Os meninos do Planeta chamam-lhe janela porque toda a luz passa por ele. Córnea é um país que está sempre húmido. E quando não está, fica feio. Perde o brilho e a transparência e a luz que chega a Retina é tão má que os meninos deixam de fazer as cores. Essa humidade constante vem de umas nuvens especiais, chamadas glândulas, que existem à sua volta. A sua chuva é mágica. Chamam-lhe chuva-lágrima. Ela forma um manto quase invisível que torna a superfície de Córnea tão regular que os seus habitantes poderiam lá fazer sky. Córnea é um país muito frágil e muito sensível às alterações da sua atmosfera. Por isso tem umas vassouras especiais

7 chamadas pálpebras, que lhe dão protecção. Passam constantemente na sua superfície; assim limpam todas as poeiras e espalham a humidade. Durante milhões e milhões de anos todos os meninos do planeta foram inventando novas brincadeiras e novas imagens. Com o tempo inventaram uns cabos nervosos especiais, que eram muito rápidos a transmitir mensagens. A comunicação tornou-se mais fácil. E por isso as imagens e as cores que construíam eram cada vez mais giras. Um dos melhores amigos dos três manos, era um menino muito bonito. Como tinha um nome comprido os outros meninos chamavam-lhe Gang. Era comprido e de uma estrutura muito fina. Tal como os seus amigos gémeos, adorava brincar com as imagens. Por isso inventou um cabo que era capaz de levar as imagens e as cores até um computador onde elas pudessem ser guardadas. Os gémeos ficaram delirantes com a ideia e propuseram chamar Cérebro ao computador. Foi uma invenção tão extraordinária que ainda hoje não há nenhum computador que se compare ao cérebro. No inicio as imagens de cada planeta chegavam separadas ao Computador-cérebro. Com o tempo, os meninos inventaram uma maneira de juntar as duas imagens numa só. Agora só guardavam uma única imagem apesar de receber duas! As imagens eram mais que siamesas! Os dois planetas eram ainda mais gémeos. 27

8 .Ainda hoje não há nenhum computador que se compare ao cérebro....fim 28

Shué também cantou na Festa de Natal da Escola O Gotinhas...fim 42 43

Shué também cantou na Festa de Natal da Escola O Gotinhas...fim 42 43 O Gotinhas 43 Era uma vez um País feito de nuvens. Ficava no cimo de uma enorme montanha impossível de expugnar. Lá viviam muitos meninos. Cada um tinha a sua própria nuvem. Uma enorme cegonha do espaço

Leia mais

Um planeta. chamado Albinum

Um planeta. chamado Albinum Um planeta chamado Albinum 1 Kalum tinha apenas 9 anos. Era um menino sonhador, inteligente e inconformado. Vivia num planeta longínquo chamado Albinum. Era um planeta muito frio, todo coberto de neve.

Leia mais

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele O Plantador e as Sementes Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele sabia plantar de tudo: plantava árvores frutíferas, plantava flores, plantava legumes... ele plantava

Leia mais

Teoria física sobre a luz, a cor e a visão

Teoria física sobre a luz, a cor e a visão Teoria física sobre a luz, a cor e a visão No século XVII, Newton aproveitou um feixe de luz do Sol, que atravessava uma sala escura, fazendo-o incidir sobre um prisma de vidro. Verificou que o feixe se

Leia mais

Preciso usar óculos?

Preciso usar óculos? A U A UL LA Preciso usar óculos? Você lembra daquela brincadeira de criança chamada cabra-cega? Nela, coloca-se uma venda nos olhos de um dos participantes que, sem conseguir enxergar nada, precisa pegar

Leia mais

Óptica Visual e. Instrumentação

Óptica Visual e. Instrumentação Óptica Visual e Instrumentação Trabalho elaborado por: Andreia Fonseca 13220 Elia Coelho 13846 Gonçalo Heleno 13007 Ensino de Física e Química Página 1 Objectivos: Este trabalho experimental tem como principais

Leia mais

Narrador Era uma vez um livro de contos de fadas que vivia na biblioteca de uma escola. Chamava-se Sésamo e o e o seu maior desejo era conseguir contar todas as suas histórias até ao fim, porque já ninguém

Leia mais

Todo o conjunto que compõe a visão humana é chamado globo ocular.

Todo o conjunto que compõe a visão humana é chamado globo ocular. Olho humano O olho humano é um sistema óptico complexo, formado por vários meios transparentes além de um sistema fisiológico com inúmeros componentes. Olho humano Todo o conjunto que compõe a visão humana

Leia mais

Luís Norberto Pascoal

Luís Norberto Pascoal Viver com felicidade é sucesso com harmonia e humildade. Luís Norberto Pascoal Agradecemos aos parceiros que investem em nosso projeto. ISBN 978-85-7694-131-6 9 788576 941316 Era uma vez um pássaro que

Leia mais

Ficha Técnica Texto e Edição: Daniela Costa Ilustração: Vera Guedes Impressão: Colorshow. www.biografiasporencomenda.com

Ficha Técnica Texto e Edição: Daniela Costa Ilustração: Vera Guedes Impressão: Colorshow. www.biografiasporencomenda.com O balão. Ficha Técnica Texto e Edição: Daniela Costa Ilustração: Vera Guedes Impressão: Colorshow www.biografiasporencomenda.com O Balão Ainda não tinhas nascido quando recebeste o teu primeiro presente.

Leia mais

Unidade Portugal. Ribeirão Preto, de de 2011. AVALIAÇÃO DO CONTEÚDO DO GRUPO II 1 o BIMESTRE

Unidade Portugal. Ribeirão Preto, de de 2011. AVALIAÇÃO DO CONTEÚDO DO GRUPO II 1 o BIMESTRE Unidade Portugal Ribeirão Preto, de de 2011. Nome: 3 o ano (2ª série) AVALIAÇÃO DO CONTEÚDO DO GRUPO II 1 o BIMESTRE Eixo temático O campo e a cidade. Disciplina/Valor Português 4,0 Matemática 4,0 Hist./Geog.

Leia mais

A Temperatura de cor - Texto extraído de:

A Temperatura de cor - Texto extraído de: 77 A Temperatura de cor - Texto extraído de: BALAN, W.C. A iluminação em programas de TV: arte e técnica em harmonia. Bauru, 1997. 137f. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Poéticas Visuais) Faculdade

Leia mais

A VISÃO. 02. A Ciência e a Tecnologia dependem muito do conhecimento que se tem da natureza e das possibilidades

A VISÃO. 02. A Ciência e a Tecnologia dependem muito do conhecimento que se tem da natureza e das possibilidades Aula n ọ 11 A VISÃO 01. Como funcionam exatamente os olhos? Até cerca do ano 1000 d. C., acreditava-se que os olhos emitiam luz e que essa luz de algum modo formava uma imagem. As pessoas pensavam que,

Leia mais

Apoio: Patrocínio: Realização:

Apoio: Patrocínio: Realização: 1 Apoio: Patrocínio: Realização: 2 O ANJO Hans Christian Andersen 3 Contos de Hans Christian Andersen Hans Christian Andersen nasceu em Odensae, em 2 de abril de 1805, e faleceu em Conpenhague em 1875.

Leia mais

Janaina Tokitaka. Eugênia e os

Janaina Tokitaka. Eugênia e os Janaina Tokitaka Eugênia e os R B ˆS 1 Uma coisa é certa: existem tantos tipos de crianças no mundo quanto há diferentes espécies aquáticas no oceano. Eu explico: assim como não é possível encontrar duas

Leia mais

O PATINHO QUE NÃO QUERIA APRENDER A VOAR

O PATINHO QUE NÃO QUERIA APRENDER A VOAR Numa bela manhã, nasceram seis lindos patinhos que encheram de encanto seus pais. Eram amarelinhos e fofinhos. Um dos patinhos recebeu o nome de Taco. Mamãe e papai estavam muito felizes com seus filhotes.

Leia mais

Material Didáctilo Raul Ventura o Cosmonauta!

Material Didáctilo Raul Ventura o Cosmonauta! Raul Ventura o Cosmonauta! Narrador: Raul era um menino muito curioso! Adorava fazer experiências, conhecer coisas novas! Já tinha efectuado várias viagens a volta de sua casa, na companhia do seu gato

Leia mais

O homem que tinha uma árvore na cabeça

O homem que tinha uma árvore na cabeça O homem que tinha uma árvore na cabeça Era uma vez um homem que tinha uma árvore na cabeça. No princípio era apenas um arbusto com folhas esguias e acastanhadas. Depois os ramos começaram a engrossar e

Leia mais

Professora Bruna FÍSICA B. Aula 17 Seus Óculos. Página 232

Professora Bruna FÍSICA B. Aula 17 Seus Óculos. Página 232 FÍSICA B Aula 17 Seus Óculos. Página 232 INTRODUÇÃO Na aula de hoje, estudaremos os defeitos da visão e os tipos de lentes indicadas para correção destes defeitos. Para isso, estudaremos primeiramente

Leia mais

Quando for grande... QUERO SER PAI!

Quando for grande... QUERO SER PAI! Quando for grande... QUERO SER PAI! Ficha Técnica Autora Susana Teles Margarido Título Quando for grande...quero SER PAI! Ilustrações Joana Dias Paginação/Design Ana do Rego Oliveira Revisão Brites Araújo

Leia mais

Astronomia à luz do dia

Astronomia à luz do dia Astronomia à luz do dia (Expresso: 16-05-1998) O Sol revela-nos as suas manchas e a Lua mostra-nos as suas crateras. Vénus e Júpiter estão ao nosso alcance. QUEM nunca observou o Sol através de um telescópio

Leia mais

1- Fonte Primária 2- Fonte Secundária. 3- Fonte Puntiforme 4- Fonte Extensa

1- Fonte Primária 2- Fonte Secundária. 3- Fonte Puntiforme 4- Fonte Extensa Setor 3210 ÓPTICA GEOMÉTRICA Prof. Calil A Óptica estuda a energia denominada luz. 1- Quando nos preocupamos em estudar os defeitos da visão e como curá-los, estamos estudando a Óptica Fisiológica. Estudar

Leia mais

Laranja-fogo. Cor-de-céu

Laranja-fogo. Cor-de-céu Laranja-fogo. Cor-de-céu Talita Baldin Eu. Você. Não. Quero. Ter. Nome. Voz. Quero ter voz. Não. Não quero ter voz. Correram pela escada. Correram pelo corredor. Espiando na porta. Olho de vidro para quem

Leia mais

06-01-2012. Sumário. O Sistema Solar. Principais características dos planetas do Sistema Solar 05/01/2012. 23 e 24

06-01-2012. Sumário. O Sistema Solar. Principais características dos planetas do Sistema Solar 05/01/2012. 23 e 24 Sumário Os planetas do Sistema Solar e as suas principais características. (BI dos Planetas do Sistema Solar). Atividade Prática de Sala de Aula Características dos planetas. Preenchimento de tabelas,

Leia mais

ALUNO: Nº SÉRIE: DATA: / / PROF.: VICTOR GERMINIO EXERCÍCIOS DE REVISÃO II UNIDADE FÍSICA 3º ANO ENSINO MÉDIO

ALUNO: Nº SÉRIE: DATA: / / PROF.: VICTOR GERMINIO EXERCÍCIOS DE REVISÃO II UNIDADE FÍSICA 3º ANO ENSINO MÉDIO ALUNO: Nº SÉRIE: DATA: / / PROF.: VICTOR GERMINIO EXERCÍCIOS DE REVISÃO II UNIDADE FÍSICA 3º ANO ENSINO MÉDIO 1) Em uma atividade de um engenheiro civil, o mesmo precisa determinar a altura de um edifício.

Leia mais

Luz, olho humano e óculos Capítulo 12 (pág. 219)

Luz, olho humano e óculos Capítulo 12 (pág. 219) Luz, olho humano e óculos Capítulo 12 (pág. 219) Raios de Luz - Alguns filósofos gregos pensavam que nossos olhos emitiam raios que permitiam enxergar os objetos; - Só nos é possível ver quando há luz

Leia mais

O Boneco de Neve Bonifácio e o Presente de Natal Perfeito

O Boneco de Neve Bonifácio e o Presente de Natal Perfeito O Boneco de Neve Bonifácio e o Presente de Natal Perfeito Era uma vez um boneco de neve chamado Bonifácio, que vivia numa terra distante onde fazia muito frio. Ele era um boneco especial, porque podia

Leia mais

SOBRE ESTE LIVRO > SIGAM AS PISTAS...

SOBRE ESTE LIVRO > SIGAM AS PISTAS... As pistas e propostas de trabalho que se seguem são apenas isso mesmo: propostas e pistas, pontos de partida, sugestões, pontapés de saída... Não são lições nem fichas de trabalho, não procuram respostas

Leia mais

ÓPTICA GEOMÉTRICA MENU DE NAVEGAÇÃO. LENTES ESFÉRICAS LENTES CONVERGENTES Elementos

ÓPTICA GEOMÉTRICA MENU DE NAVEGAÇÃO. LENTES ESFÉRICAS LENTES CONVERGENTES Elementos ÓPTICA GEOMÉTRICA MENU DE NAVEGAÇÃO Clique em um item abaixo para iniciar a apresentação LENTES ESFÉRICAS LENTES CONVERGENTES Elementos Propriedades Construção Geométrica de Imagens LENTES DIVERGENTES

Leia mais

Gaspar e o bebé Naquele dia, os pais do Gaspar pareciam um pouco atrapalhados. O que teriam eles? - perguntava-se o nosso amigo, vendo que o pai estava sempre a andar de um lado para o outro e que a mãe

Leia mais

A sociedade das estrelas fica situada no Concelho da Fantasia. Ali, os dias são convidativos ao sonho e as noites propostas claras de ilusão.

A sociedade das estrelas fica situada no Concelho da Fantasia. Ali, os dias são convidativos ao sonho e as noites propostas claras de ilusão. A sociedade das estrelas fica situada no Concelho da Fantasia. Ali, os dias são convidativos ao sonho e as noites propostas claras de ilusão. Há muitos anos, nesse reino encantado, morava uma linda menina,

Leia mais

4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Atividades de Língua Portuguesa Nome:

4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Atividades de Língua Portuguesa Nome: 4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Atividades de Língua Portuguesa Nome: Olá, amiguinho! Já estamos todos encantados com a sua presença aqui no 4 o ano. Vamos, agora, ler uma história e aprender um pouco

Leia mais

O LIVRO SOLIDÁRIO. Texto: Letícia Soares Ilustração: Hildegardis Bunda Turma 9º A

O LIVRO SOLIDÁRIO. Texto: Letícia Soares Ilustração: Hildegardis Bunda Turma 9º A O LIVRO SOLIDÁRIO Texto: Letícia Soares Ilustração: Hildegardis Bunda Turma 9º A 1 Era uma vez um rapaz que se chamava Mau-Duar, que vivia com os pais numa aldeia isolada no Distrito de Viqueque, que fica

Leia mais

SOBRE A HISTÓRIA BOM TRABALHO PARA TODOS!

SOBRE A HISTÓRIA BOM TRABALHO PARA TODOS! As pistas e propostas de trabalho que se seguem são apenas isso mesmo: propostas e pistas, pontos de partida, sugestões, pontapés de saída... Não são lições nem fichas de trabalho, não procuram respostas

Leia mais

Estrutura do OLHO HUMANO:

Estrutura do OLHO HUMANO: ÓPTICA DA VISÃO Estrutura do OLHO HUMANO: É um fino tecido muscular que tem, no centro, uma abertura circular ajustável chamada de pupila. Ajustam a forma do cristalino. Com o envelhecimento eles perdem

Leia mais

PROJETO DE ARTICULAÇÃO HORIZONTAL DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PROFESSOR ABEL SALAZAR

PROJETO DE ARTICULAÇÃO HORIZONTAL DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PROFESSOR ABEL SALAZAR PROJETO DE ARTICULAÇÃO HORIZONTAL DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PROFESSOR ABEL SALAZAR ANO LETIVO 2012/2013 Era uma vez um peixinho azul muito pequenino, que nadava no fundo

Leia mais

Ejemplos de ítems y tareas

Ejemplos de ítems y tareas Ejemplos de ítems y tareas Tipo de Item: Emparejamiento Componente: Comprensión Lectora Você vai conhecer Mariana e seus amigos. Leia a informação de cada um deles e coloque ao lado do nome o número da

Leia mais

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar CATEGORIAS OBJECTIVOS ESPECÍFICOS S. C. Sim, porque vou para a beira de um amigo, o Y. P5/E1/UR1 Vou jogar à bola, vou aprender coisas. E,

Leia mais

O que é LUZ? SENAI - Laranjeiras. Espectro Eletromagnético. Fontes de luz 14/01/2013. Luminotécnica 40h

O que é LUZ? SENAI - Laranjeiras. Espectro Eletromagnético. Fontes de luz 14/01/2013. Luminotécnica 40h SENAI - Laranjeiras Luminotécnica 40h O que é LUZ? A luz, como conhecemos, faz parte de um comprimento de onda sensível ao olho humano, de uma radiação eletromagnética pulsante ou num sentido mais geral,

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

4ºano Turma Mista. Autora: Beatriz Rodrigues

4ºano Turma Mista. Autora: Beatriz Rodrigues 4ºano Turma Mista O ESPAÇO Autora: Beatriz Rodrigues O que é e como é o Espaço? Os seres humanos chamam Espaço a tudo o que está fora da superfície e atmosfera terrestre. A maioria dos peritos acredita

Leia mais

1a) Resposta: O aluno deveria ter pintado a bola maior de amarelo e a média de azul ou indicado a cor.

1a) Resposta: O aluno deveria ter pintado a bola maior de amarelo e a média de azul ou indicado a cor. Sociedade Astronômica Brasileira (SAB) - Agência Espacial Brasileira (AEB) VIII Olimpíada Brasileira de Astronomia e de Astronáutica- 2005 Gabarito da Prova do nível 1 (para alunos da 1ª à 2ª série) Questão

Leia mais

O menino e o pássaro. Rosângela Trajano. Era uma vez um menino que criava um pássaro. Todos os dias ele colocava

O menino e o pássaro. Rosângela Trajano. Era uma vez um menino que criava um pássaro. Todos os dias ele colocava O menino e o pássaro Era uma vez um menino que criava um pássaro. Todos os dias ele colocava comida, água e limpava a gaiola do pássaro. O menino esperava o pássaro cantar enquanto contava histórias para

Leia mais

FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES APRENDER A APRENDER DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CIÊNCIAS. Conteúdo: - Ótica

FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES APRENDER A APRENDER DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CIÊNCIAS. Conteúdo: - Ótica Conteúdo: - Ótica Habilidades: - Entender a propagação da luz e suas aplicações Dispersão da luz A dispersão da luz consiste em um fenômeno onde a luz branca VERMELHO ALARANJADO AMARELO VERDE AZUL ANIL

Leia mais

Unidade 01- Estamos apenas começando Deus criou, eu cuidarei

Unidade 01- Estamos apenas começando Deus criou, eu cuidarei Olhando as peças Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse 3 a 6 anos Unidade 01- Estamos apenas começando Deus criou, eu cuidarei O velho testamento está cheio de histórias que Deus nos deu, espantosas e verdadeiras.

Leia mais

Caderno 1. 45 minutos. Prova de Aferição de Língua Portuguesa. 1.º Ciclo do Ensino Básico. prova de aferição do ensino básico.

Caderno 1. 45 minutos. Prova de Aferição de Língua Portuguesa. 1.º Ciclo do Ensino Básico. prova de aferição do ensino básico. prova de aferição do ensino básico 2011 A preencher pelo aluno Rubrica do Professor Aplicador Nome A preencher pelo agrupamento Número convencional do Aluno Número convencional do Aluno A preencher pela

Leia mais

Oficina COMPUTADOR FERRAMENTA Objetivo

Oficina COMPUTADOR FERRAMENTA Objetivo Oficina COMPUTADOR FERRAMENTA Objetivo Para o professor, o uso da animação pode ser fonte de investigação e análise da visão de mundo de seu aluno e das diferentes linguagens utilizadas na elaboração da

Leia mais

Tema: Imagens. Problema: Será que a imagem de um objeto é igual em qualquer tipo de espelho?

Tema: Imagens. Problema: Será que a imagem de um objeto é igual em qualquer tipo de espelho? Tema: Imagens Atividade experimental nº. 1 Problema: Será que a imagem de um objeto é igual em qualquer tipo de espelho? 1. Nesta experiência desafiamos-te a observar a tua imagem em três tipos de espelhos.

Leia mais

MODELO FUNCIONAL DO OLHO HUMANO. (Manual de Actividades Experimentais)

MODELO FUNCIONAL DO OLHO HUMANO. (Manual de Actividades Experimentais) MODELO FUNCIONAL DO OLHO HUMANO (Manual de Actividades Experimentais) 3B W11851 (NT4025) Pág. 1 de 11 Como o olho humano recebe uma imagem Figura 1: O olho humano Quando a luz entra no olho, atinge primeiro

Leia mais

Luz, olho humano e óculos Capítulo 12

Luz, olho humano e óculos Capítulo 12 Luz, olho humano e óculos Capítulo 12 O olho humano O papel da retina e do cérebro A Pupila - É a estrutura do olho responsável por regular a entrada da quantidade de luz para a formação da imagem; - Em

Leia mais

Colégio Visconde de Porto Seguro

Colégio Visconde de Porto Seguro Colégio Visconde de Porto Seguro Unidade I 2011 AULA 1 Ensino Fundamental e Ensino Médio Atividade de Recuperação Contínua Nome do (a) Aluno (a): Atividade de Recuperação Contínua de Ciências Nível I Classe:

Leia mais

[Comentários sobre isso. Não transcrito, mas explicado em diário de campo]

[Comentários sobre isso. Não transcrito, mas explicado em diário de campo] [Visionamento das fotos] [Comentários sobre isso. Não transcrito, mas explicado em diário de campo] E- Então o que é que achaste das fotos? E7- Boas. Tá fixe. E- Faz-te lembrar coisas boas ou más? E7-

Leia mais

Agrupamento Vertical de Escolas do Viso. Escola E. B. 2.3 do Viso. A vida é uma folha de papel

Agrupamento Vertical de Escolas do Viso. Escola E. B. 2.3 do Viso. A vida é uma folha de papel 1.º Prémio A vida é uma folha de papel A vida pode ser Escura como a noite, Ou clara como as águas cristalinas Que brilham ao calor do sol. A vida pode ser Doce como o mel Ou amarga como o fel. A vida

Leia mais

Oficina 17: GRANDEZAS E MEDIDAS. Introdução

Oficina 17: GRANDEZAS E MEDIDAS. Introdução Oficina 17: GRANDEZAS E MEDIDAS Introdução Ao chegar à escola, a criança traz consigo uma bagagem muito rica de experiências em relação às medidas vividas no seu dia a dia, nas brincadeiras e jogos e em

Leia mais

Oblíqüo superior. Gira o globo para baixo e para longe do nariz. Reto superior Gira o globo para cima. e para perto do nariz

Oblíqüo superior. Gira o globo para baixo e para longe do nariz. Reto superior Gira o globo para cima. e para perto do nariz Reto superior Gira o globo para cima e para perto do nariz Oblíqüo superior. Gira o globo para baixo e para longe do nariz Reto inferior Gira o globo para baixo e para perto do nariz Reto medial Gira o

Leia mais

Entrevista Descrição da demanda: Relatório da Entrevista:

Entrevista Descrição da demanda: Relatório da Entrevista: Entrevista Dia 21/05, às 19:00, no MOM Família de 2 pessoas: Roney e Helena Endereço da casa: Rua Uberlândia, 531 (esquina com Rua Padre Eustáquio) Tempo: 2h Presentes: Amanda Descrição da demanda: Os

Leia mais

Sala Pinipon. Continuamos a registar momentos muito importantes, quer ao nível das descobertas, quer ao nível das interacções

Sala Pinipon. Continuamos a registar momentos muito importantes, quer ao nível das descobertas, quer ao nível das interacções Sala Pinipon Depois da grande agitação, euforia e expectativa com o Natal, deu se a chegada do Ano Novo, altura de voltarmos ao trabalho a sério (o que todos nós adoramos...) Continuamos a registar momentos

Leia mais

IV. Da luz visível à luz invisível

IV. Da luz visível à luz invisível IV. Da luz visível à luz invisível 1. o que é a luz A luz é o princípio de toda a ciência, porque é a luz que nos permite ver o mundo. Sem luz não existiria a relação íntima entre sujeito observador e

Leia mais

Como a casa dos Larsen estava abandonada desde o ano anterior, as folhas secas cobrindo o caminho até a porta, o que Tomás fez foi tirar uma tábua e

Como a casa dos Larsen estava abandonada desde o ano anterior, as folhas secas cobrindo o caminho até a porta, o que Tomás fez foi tirar uma tábua e 11 a caixa 2007 Como a casa dos Larsen estava abandonada desde o ano anterior, as folhas secas cobrindo o caminho até a porta, o que Tomás fez foi tirar uma tábua e passar pela janela quebrada, vendo então

Leia mais

A CRIAÇÃO DE DEUS. 2003 Igreja de Deus Unida, uma Associação Internacional

A CRIAÇÃO DE DEUS. 2003 Igreja de Deus Unida, uma Associação Internacional A CRIAÇÃO DE DEUS 2003 Igreja de Deus Unida, uma Associação Internacional A história que nós ouvimos frequentemente como a história da criação é realmente uma história da re-criação. Há muitos anos entre

Leia mais

AS QUESTÕES OBRIGATORIAMENTE DEVEM SER ENTREGUES EM UMA FOLHA À PARTE COM ESTA EM ANEXO. O PORCO-ESPINHO

AS QUESTÕES OBRIGATORIAMENTE DEVEM SER ENTREGUES EM UMA FOLHA À PARTE COM ESTA EM ANEXO. O PORCO-ESPINHO ENSINO FUNDAMENTAL Conteúdos do 6º Ano 3º/4º Bimestre 2014 Trabalho de Dependência Nome: N. o : Turma: Professor(a): Monique Data: / /2014 Unidade: Cascadura Mananciais Méier Taquara Redação Resultado

Leia mais

Para gostar de pensar

Para gostar de pensar Rosângela Trajano Para gostar de pensar Volume III - 3º ano Para gostar de pensar (Filosofia para crianças) Volume III 3º ano Para gostar de pensar Filosofia para crianças Volume III 3º ano Projeto editorial

Leia mais

Relatório Final de Instrumentação de Ensino F809 Ótica e Problemas da Visão

Relatório Final de Instrumentação de Ensino F809 Ótica e Problemas da Visão Relatório Final de Instrumentação de Ensino F809 Ótica e Problemas da Visão Aluna: Gabriela Simone Lorite RA 008769 Orientador: Lucila Cescato Universidade Estadual de Campinas Junho/2004 Resumo O olho

Leia mais

Turma: 2201 Turno: Manhã Professor: Douglas Baroni

Turma: 2201 Turno: Manhã Professor: Douglas Baroni Colégio Zaccaria TELEFAX: (0 XX 21) 3235-9400 www.zaccaria.g12.br Lista de exercícios Física II (Recuperação) 2º Período 2014 Aluno(a): N.º Turma: 2201 Turno: Manhã Professor: Douglas Baroni QUESTÃO 1

Leia mais

BIGUCCINO TURMA DO APRENDENDO A POUPAR BRINCANDO COM A TURMA DO JOGO DOS 7 ERROS CRUZADINHA CAÇA-PALAVRAS JOGO DAS SOMBRAS ENIGMA E MUITO MAIS

BIGUCCINO TURMA DO APRENDENDO A POUPAR BRINCANDO COM A TURMA DO JOGO DOS 7 ERROS CRUZADINHA CAÇA-PALAVRAS JOGO DAS SOMBRAS ENIGMA E MUITO MAIS Uma publicação da TURMA DO BRINCANDO COM A TURMA DO BIGUCCINO Ano 9 nº 9 Dezembro/20 Atividades infantis para aprender, brincar e se divertir! APRENDENDO A POUPAR ENCARTE COM UM COFRINHO PARA MONTAR JOGO

Leia mais

Anelise de Brito Turela Ferrão Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP. Edição de um filme a partir de fotografias

Anelise de Brito Turela Ferrão Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP. Edição de um filme a partir de fotografias PROJETO DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTO RELATÓRIO DE ATIVIDADE Anelise de Brito Turela Ferrão Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP Edição de um filme a partir de fotografias ANIVERSÁRIO GEMEOS / 7

Leia mais

Delicadesa. Deves tratar as pessoas com delicadeza, de contrário elas afastar-se-ão de ti. Um pequeno gesto afectuoso pode ter um grande significado.

Delicadesa. Deves tratar as pessoas com delicadeza, de contrário elas afastar-se-ão de ti. Um pequeno gesto afectuoso pode ter um grande significado. Delicadeza 1 Delicadesa Deves tratar as pessoas com delicadeza, de contrário elas afastar-se-ão de ti. Um pequeno gesto afectuoso pode ter um grande significado. As Janelas Douradas O menino trabalhava

Leia mais

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO. NOME: Serviço Voluntário Europeu (SVE) EMAIL: info@euromedp.org

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO. NOME: Serviço Voluntário Europeu (SVE) EMAIL: info@euromedp.org PROGRAMA DE VOLUNTARIADO NOME: Serviço Voluntário Europeu (SVE) EMAIL: info@euromedp.org WEBSITES: Serviço de Voluntariado Europeu: http://www.sve.pt http://www.facebook.com/l.php?u=http%3a%2f%2fwww.sve.pt%2f&h=z

Leia mais

Amarelo. 2b) (0,5 ponto) Pinte (de qualquer cor) a figura abaixo que melhor representa a forma da Terra.

Amarelo. 2b) (0,5 ponto) Pinte (de qualquer cor) a figura abaixo que melhor representa a forma da Terra. Sociedade Astronômica Brasileira (SAB) - Agência Espacial Brasileira (AEB) VIII Olimpíada Brasileira de Astronomia e de Astronáutica - 2005 Gabarito da Prova do nível 2 (para alunos da 3ª à 4ª série) Questão

Leia mais

ÓRBITA ILUMINADA HU F 152/ NT4091

ÓRBITA ILUMINADA HU F 152/ NT4091 ÓRBITA ILUMINADA HU F 152/ NT4091 INTRODUÇÃO Trata-se de um modelo científico de trabalho, representando o Sol, a Terra e a Lua, e mostrando como estes se relacionam entre si. Foi concebido para mostrar

Leia mais

Chantilly, 17 de outubro de 2020.

Chantilly, 17 de outubro de 2020. Chantilly, 17 de outubro de 2020. Capítulo 1. Há algo de errado acontecendo nos arredores dessa pequena cidade francesa. Avilly foi completamente afetada. É estranho descrever a situação, pois não encontro

Leia mais

Período: Matutino. 1º semestre/2012. Professora: Giovana Barbosa de Souza. Coordenadora Pedagógica: Júlia Souto Guimarães Araújo

Período: Matutino. 1º semestre/2012. Professora: Giovana Barbosa de Souza. Coordenadora Pedagógica: Júlia Souto Guimarães Araújo Memórias de um Grupo 4 Período: Matutino 1º semestre/2012 Professora: Giovana Barbosa de Souza Coordenadora Pedagógica: Júlia Souto Guimarães Araújo Alimenta o fogo atormenta o mar arrepia o corpo joga

Leia mais

Óptica geométrica, óptica física e o olho humano. 1 Foco na retina 2 Difração da luz na pupila 3 Sensibilidade do olho humano e a Muralha da China

Óptica geométrica, óptica física e o olho humano. 1 Foco na retina 2 Difração da luz na pupila 3 Sensibilidade do olho humano e a Muralha da China Óptica geométrica, óptica física e o olho humano 1 Foco na retina 2 Difração da luz na pupila 3 Sensibilidade do olho humano e a Muralha da China Otaviano Helene, IFUSP, 2010 1 1 Foco na retina Evolução

Leia mais

Era um peixe tão feio que nem parecia um peixe. Uma pedra

Era um peixe tão feio que nem parecia um peixe. Uma pedra Era um peixe tão feio que nem parecia um peixe. Uma pedra feita de carne fria musgosa e invasiva, salpicada de verde e branco. A princípio não o vi, mas depois encostei a cara ao vidro e tentei ficar mais

Leia mais

o quantos queres da emoções

o quantos queres da emoções Brincadeiras de Brincar o quantos queres da emoções Recuperando um jogo tradicional da infância, o Quantos Queres das Emoções da Chão d andar, foi concebido como um jogo para os pais e os filhos atendendo

Leia mais

Experimento 1 Como funciona uma máquina fotográfica? Construção de uma câmera escura

Experimento 1 Como funciona uma máquina fotográfica? Construção de uma câmera escura 9 o ano abril/2011 Experimento 1 Como funciona uma máquina fotográfica? Construção de uma câmera escura Já faz tempo que o ser humano tenta desenvolver objetivos para formar e armazenar imagens. Leonardo

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO SENAC. José Fernando Baldo Caneiro. Trabalho Final História da Arte Auto Van Gogh

CENTRO UNIVERSITÁRIO SENAC. José Fernando Baldo Caneiro. Trabalho Final História da Arte Auto Van Gogh CENTRO UNIVERSITÁRIO SENAC José Fernando Baldo Caneiro Trabalho Final História da Arte Auto Van Gogh São Paulo 2005 1 INTRODUÇÃO Van Gogh foi um artista como poucos. Influências de vários movimentos e

Leia mais

2ºano. 2º período 1.2 HISTÓRIA & GEOGRAFIA. 10 de junho de 2014

2ºano. 2º período 1.2 HISTÓRIA & GEOGRAFIA. 10 de junho de 2014 2ºano 1.2 HISTÓRIA & GEOGRAFIA 2º período 10 de junho de 2014 Cuide da organização da sua avaliação, escreva de forma legível, fique atento à ortografia e elabore respostas claras. Tudo isso será considerado

Leia mais

R. Rutschka. R. Rutschka. P. Rull Gomes

R. Rutschka. R. Rutschka. P. Rull Gomes Primeira Edição R. Rutschka Ilustrações de: R. Rutschka Revisão de texto: P. Rull Gomes São Paulo, 2012 3 R. Rutschka 2012 by R. Rutschka Ilustrações R. Rutschka Publicação PerSe Editora Ltda. ISBN 978-85-8196-024-1

Leia mais

Aluno(a): Nº. Professor: Fabrízio Gentil Série: 3 o ano Disciplina: Física Óptica Geométrica. Mecanismos do Eclipse

Aluno(a): Nº. Professor: Fabrízio Gentil Série: 3 o ano Disciplina: Física Óptica Geométrica. Mecanismos do Eclipse Lista de Exercícios Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Fabrízio Gentil Série: 3 o ano Disciplina: Física Óptica Geométrica 01 - (PUC RJ) A uma certa hora da manhã, a inclinação dos

Leia mais

Origem da vida. Valdir estava doido para ir à praia e curtir. A voz do professor

Origem da vida. Valdir estava doido para ir à praia e curtir. A voz do professor A UU L AL A Origem da vida Valdir estava doido para ir à praia e curtir suas férias. Antes de viajar, porém, tomou todos os cuidados necessários: trancou bem as portas e as janelas, desligou todos os aparelhos

Leia mais

A.C. Ilustrações jordana germano

A.C. Ilustrações jordana germano A.C. Ilustrações jordana germano 2013, O autor 2013, Instituto Elo Projeto gráfico, capa, ilustração e diagramação: Jordana Germano C736 Quero-porque-quero!! Autor: Alexandre Compart. Belo Horizonte: Instituto

Leia mais

Sistema Solar. Sistema de Ensino CNEC. 4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Atividades de Ciências Nome:

Sistema Solar. Sistema de Ensino CNEC. 4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Atividades de Ciências Nome: 4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Atividades de Ciências Nome: Sistema Solar 1 o Mercúrio 5 o Júpiter 2 o Vênus 6 o Saturno 3 o Terra 7 o Urano 4 o Marte 8 o Netuno Com certeza você já deve ter ouvido

Leia mais

Diogo e Olívia. Livro de atividades. Patrícia Engel Secco Ilustrado por Edu A. Engel

Diogo e Olívia. Livro de atividades. Patrícia Engel Secco Ilustrado por Edu A. Engel Diogo e Olívia Livro de atividades Patrícia Engel Secco Ilustrado por Edu A. Engel 1 1/12/04, 3:14 PM Revisão Patrícia Zahorcsak Editoração Evidência.Br Coordenação Editorial Sílnia N. Martins Prado Realização

Leia mais

PROJETO PROFISSÕES. Entrevista com DJ

PROJETO PROFISSÕES. Entrevista com DJ Entrevista com DJ Meu nome é Raul Aguilera, minha profissão é disc-jóquei, ou DJ, como é mais conhecida. Quando comecei a tocar, em festinhas da escola e em casa, essas festas eram chamadas de "brincadeiras

Leia mais

ALIANÇA MUNICIPAL ESPÍRITA DE JUIZ DE FORA (AME-JF) AULA No. 38 Departamento de Evangelização da Criança (DEC) IDADES: 7/8 PLANO DE AULA

ALIANÇA MUNICIPAL ESPÍRITA DE JUIZ DE FORA (AME-JF) AULA No. 38 Departamento de Evangelização da Criança (DEC) IDADES: 7/8 PLANO DE AULA ALIANÇA MUNICIPAL ESPÍRITA DE JUIZ DE FORA (AME-JF) AULA No. 38 Departamento de Evangelização da Criança (DEC) I CICLO B IDADES: 7/8 1. TEMA: Causa e Efeito - o que é PLANO DE AULA 2. OBJETIVO: A criança

Leia mais

COR. Prof. Wanderlei Paré

COR. Prof. Wanderlei Paré DEFINIÇÃO Cada fonte, ou centro luminoso, emana ondas ou vibrações que, impressionando a vista, dão precisamente a sensação de luz. A luz se compõe de uma mistura de radiações de diferentes longitudes

Leia mais

Sensoriamento Remoto aplicado ao Monitoramento Ambiental

Sensoriamento Remoto aplicado ao Monitoramento Ambiental Disciplina: Monitoramento e Controle Ambiental Prof.: Oscar Luiz Monteiro de Farias Sensoriamento Remoto aplicado ao Monitoramento Ambiental Andrei Olak Alves 1 2 PROCESSAMENTO DE IMAGENS espectro visível

Leia mais

SOCIEDADE ASTRONÔMICA BRASILEIRA SAB IV Olimpíada Brasileira de Astronomia IV OBA Gabarito da Prova de nível I (para alunos de 1ª à 4ª série)

SOCIEDADE ASTRONÔMICA BRASILEIRA SAB IV Olimpíada Brasileira de Astronomia IV OBA Gabarito da Prova de nível I (para alunos de 1ª à 4ª série) SOCIEDADE ASTRONÔMICA BRASILEIRA SAB IV Olimpíada Brasileira de Astronomia IV OBA Gabarito da Prova de nível I (para alunos de 1ª à 4ª série) GABARITO NÍVEL 1 (Cada questão vale 1 ponto sendo que cada

Leia mais

Câmera Digital. Autor: Darllene Negri Nicioli

Câmera Digital. Autor: Darllene Negri Nicioli Câmera Digital Autor: Darllene Negri Nicioli 2 OBJETIVO Têm como objetivo este trabalho mostrar o princípio de funcionamento geral de uma câmera digital até as vantagens e desvantagens do produto final,

Leia mais

INTRODUÇÃO À ASTRONOMIA SANDRO FERNANDES

INTRODUÇÃO À ASTRONOMIA SANDRO FERNANDES INTRODUÇÃO À ASTRONOMIA SANDRO FERNANDES O que é a Astronomia? É a ciência que estuda o universo, numa tentativa de perceber a sua estrutura e evolução. Histórico É a ciência mais antiga. Os registros

Leia mais

Ciência na Planície EBI de Amareleja. Propostas de atividades

Ciência na Planície EBI de Amareleja. Propostas de atividades Ciência na Planície EBI de Amareleja Propostas de atividades Escrita Invisível Com esta experiência podes torna-te num espião e deixa mensagens que os teus amigos só poderão ler depois de desvendares o

Leia mais

Nível: A1. Artigo definido e indefinido. Artigo Indefinido Singular Artigo Indefinido Plural Masculino Feminino Masculino Feminino um uma uns umas

Nível: A1. Artigo definido e indefinido. Artigo Indefinido Singular Artigo Indefinido Plural Masculino Feminino Masculino Feminino um uma uns umas Nível: A1 Artigo definido e indefinido Artigo Indefinido Singular Artigo Indefinido Plural Masculino Feminino Masculino Feminino um uma uns umas 1. Coloca o artigo indefinido. 1. Isto é livro. 2. Isto

Leia mais

DICAS DE FOTOGRAFIAS Material retirado do curso da National Geographic e de diversos materiais disponibilizados na Internet

DICAS DE FOTOGRAFIAS Material retirado do curso da National Geographic e de diversos materiais disponibilizados na Internet DICAS DE FOTOGRAFIAS Material retirado do curso da National Geographic e de diversos materiais disponibilizados na Internet 1 Usar a regra dos 2 3 da imagem. 2 - Lembre-se que o flash tem um alcance limitado,

Leia mais

JORNALINHO DO CAMPO. Madalena. Ana Miguel. Mariana. Cláudia. Ana Mafalda. Mafalda Inês

JORNALINHO DO CAMPO. Madalena. Ana Miguel. Mariana. Cláudia. Ana Mafalda. Mafalda Inês Ana Miguel Madalena Mariana Cláudia Mafalda Inês Ana Mafalda JORNALINHO DO CAMPO Junho / Julho 2009 Edição on-line nº 7 Carlos Caseiro (Autor) Sara Loureiro Correia (Revisão de textos) CAP - Confederação

Leia mais

Ficha Técnica: Design e Impressão Mediana Global Communication

Ficha Técnica: Design e Impressão Mediana Global Communication Uma Cidade para Todos Ficha Técnica: Design e Impressão Mediana Global Communication Colaboração Nuno Oliveira, coordenador do Serviço de Psicologia do 1º ciclo do Ensino Básico da EMEC - Empresa Municipal

Leia mais

APOSTILA DE CIÊNCIAS

APOSTILA DE CIÊNCIAS Escola D. Pedro I Ciências - 2ª Unidade Carla Oliveira Souza APOSTILA DE CIÊNCIAS Órgão dos Sentidos Assunto do Teste SALVADOR BAHIA 2009 Os cinco sentidos fundamentais do corpo humano: O Paladar identificamos

Leia mais

Cao Guimarães: "Não conseguir ficar sozinho é a maior solidão i

Cao Guimarães: Não conseguir ficar sozinho é a maior solidão i Cao Guimarães: "Não conseguir ficar sozinho é a maior solidão i O cineasta mineiro Cao Guimarães, 41, terá seu filme mais recente "Andarilho" (2006) exibido pela primeira vez na Quinzena de Realizadores,

Leia mais

Processamento de Imagem. Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Processamento de Imagem. Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Processamento de Imagem Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Visão Humana Sistema complexo Conceitos Básicos e Terminologia

Leia mais

As latinhas também amam

As latinhas também amam As latinhas também amam Um romance a favor da reciclagem Julieta de Godoy Ladeira 4 o ano do Ensino Fundamental Nome: N o Atenção: Data da entrega: / / Valor: 8 pontos (0,5 cada acerto) Capriche! -09a-36s-tc-09

Leia mais