Um Provedor de Dados para Bibliotecas Digitais Compatível com o Padrão OAI 1

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Um Provedor de Dados para Bibliotecas Digitais Compatível com o Padrão OAI 1"

Transcrição

1 Um Provedor de Dados para Bibliotecas Digitais Compatível com o Padrão OAI 1 Diego Fraga Contessa, Daniel Lazzarotto, José Palazzo Moreira de Oliveira Instituto de Informática Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) Caixa Postal Porto Alegre RS Brasil Abstract. This paper presents a proposal for the adaptation of the Journal and Event Management System (JEMS), enabling it to work as a data provider compatible with the Open Archives Initiative model. To achieve this goal, the paper lists the changes that must be made in the system and the new modules that must be developed. Resumo. Este artigo apresenta uma proposta para a adaptação do sistema de submissão de artigos JEMS de forma a torná-lo um provedor de dados compatível com o modelo proposto pela Iniciativa de Arquivos Abertos. Para isso são listadas as mudanças que devem ser feitas no sistema, além dos novos módulos que devem ser criados. 1. Introdução A publicação de trabalhos científicos é uma das principais formas de avanço da ciência, dando aos autores o reconhecimento de seu trabalho por parte da comunidade científica. A medida da aceitação ou qualidade de um trabalho pode ser calculada pelo número de vezes que ele é referenciado [Silva 2004]. Porém, a publicação de artigos científicos pode ser resultado de um processo bastante complicado, que passa pela avaliação do trabalho por comitês especializados no assunto do trabalho, para posterior aceitação. Além disso, há muitas vezes a necessidade de resolver problemas burocráticos relativos aos direitos autorais e à propriedade intelectual do trabalho. Neste contexto, as bibliotecas digitais surgem como uma alternativa para simplificar o processo de publicação de artigos. Estas bibliotecas caracterizam-se como repositórios de dados que possuem meta-informações sobre os artigos publicados e links para os artigos propriamente ditos. Um exemplo de biblioteca digital é a BDBComp [Laender 2004] que constitui-se em um repositório de artigos publicados em Computação no Brasil. Porém, a implementação e uso das bibliotecas digitais devem 1 Este trabalho foi parcialmente financiado pelos projetos PERMML, proc /2004-0, e DIGITE, proc /2005-5, do CNPq. 21

2 fornecer mecanismos de interoperabilidade e padronização dos metadados que serão utilizados pelos repositórios. Essas questões podem ser resolvidas através da Iniciativa de Arquivos Abertos (Open Archives Initiative - OAI) [OAI 2005] e pelo formato Dublin Core [Dublin Core 2005]. O objetivo principal do trabalho apresentado neste artigo é o desenvolvimento de um serviço de geração de metadados sobre artigos publicados nas conferências ou periódicos da SBC (Sociedade Brasileira de Computação). Os metadados gerados serão disponibilizados para bibliotecas digitais como, por exemplo, a BDBComp. Esse serviço será desenvolvido como um módulo do sistema JEMS (Journal and Event Management System) [JEMS 2005], o qual é baseado no EDAS [Schulzrinne 2005]. O JEMS é o sistema de gerenciamento de submissões de artigos da SBC (Sociedade Brasileira de Computação). O serviço deve ser compatível com o padrão OAI. Neste artigo são apresentadas as tecnologias, sistemas e padrões envolvidos, bem como a proposta do sistema de geração de metadados para bibliotecas digitais e a arquitetura desenvolvida para esse sistema. A seguir são apresentados os principais conceitos envolvidos no trabalho, mostrando o padrão OAI e o formato Dublin Core, além dos sistemas da BDBComp e do JEMS. Em seguida, serão mostrados os módulos adicionais ao JEMS, e os metadados que serão disponibilizados no padrão OAI. 2. Conceituação A arquitetura aqui descrita envolve padrões abertos para o desenvolvimento de sistemas cujo objetivo é a interoperabilidade. Alguns dos padrões e sistemas fundamentais ao desenvolvimento do trabalho são apresentados nesta seção Iniciativa de Arquivos Abertos Tendo em vista que cada biblioteca digital é suportada por um sistema independente, que pode ser implementado de forma completamente diferente dos demais, é evidente que um ponto onde existe uma significativa dificuldade é a interoperabilidade. Essa característica, a interoperabilidade, é interessante, pois permite a troca de metadados entre diferentes bibliotecas digitais. Para tentar minimizar esse problema, foi criada a Iniciativa de Arquivos Abertos OAI (sigla para Open Archives Initiative) [OAI 2005]. Nessa abordagem, o termo arquivo se refere a um depósito de textos completos, e o termo aberto se refere à arquitetura do sistema, que define interfaces que facilitam a disponibilização de conteúdos procedentes de diversos provedores [Silva 2005]. A justificativa para a criação e adoção da OAI é o fato desta iniciativa facilitar a disseminação dos artigos científicos, o que traz um aumento da oferta e uma rápida divulgação dos trabalhos desenvolvidos pela comunidade científica. A coleta dos metadados dos artigos por parte das bibliotecas digitais é feita usando o protocolo OAI-PMH (Open Archives Initiative Protocol for Metadata Harvesting) [PMH 05]. Esse protocolo define como deve ser feita a transferência de metadados entre computadores (provedores de dados e de serviços). O padrão OAI define duas entidades básicas: os provedores de dados e os provedores de serviços. Os provedores de dados têm a função de buscar metadados em bases de dados, e disponibilizá-los suportando o protocolo OAI-PMH. Os provedores de serviços, por sua 22

3 vez, utilizam os metadados disponibilizados pelo provedor de dados para fornecer serviços mais específicos. A Figura 1 apresenta o funcionamento básico do protocolo OAI-PMH. Os provedores de serviços implementam um harvester, o qual busca metadados em um provedor de dados. Para isso, eles enviam requisições baseadas em HTTP aos provedores de dados, os quais possuem repositórios onde buscam os metadados, para em seguida retorná-los aos provedores de serviços por meio de documentos ML. Figura 1: Funcionamento básico do OAI-PMH [OAI 2005] Os metadados são retornados em formatos específicos, os quais devem ser reconhecidos pelo provedor de serviços e pelo provedor de dados. Os metadados formatados segundo um esquema definido são chamados de registros (records). Cada item em um repositório possui um identificador único, de modo que pode ser recuperado diretamente. Os repositórios podem ser logicamente particionados por conjuntos (sets) de metadados. O OAI-PMH define seis tipos de requisição. Um harvester não é obrigado a usar todos os tipos, mas um repositório necessita interpretar e responder a todos [OAForum 2005]. Os seis tipos são apresentados a seguir: Identify: retorna a descrição de um arquivo ; ListMetadataFormats: recupera os formatos disponíveis de metadados em um arquivo ; ListSets: Retorna uma lista de conjuntos de um repositório; ListRecords: Busca uma lista de registros de um repositório; ListIdentifiers: Recupera os identificadores de todos os registros de um repositório; GetRecord: Recupera um registro individual de um repositório; Os repositórios devem implementar mecanismos de controle de fluxo, de modo a particionar listas muito grandes de metadados. O controle de fluxo pode ser feito por meio de resumption tokens, que são uma espécie de apontadores para itens da lista de metadados, conhecidos pelo repositório, que marcam até que ponto da lista os metadados já foram retornados Dublin Core A padronização do conjunto de metadados que são utilizados pelas bibliotecas digitais é também uma questão importante para a interoperabilidade entre bibliotecas. Para isso adotou-se o formato Dublin Core [Dublin Core 2005], que tem como objetivo principal identificar e definir um conjunto mínimo de elementos capazes de descrever recursos disponíveis na Internet. 23

4 O Dublin Core define um conjunto de 15 elementos (Dublin Core Metadata Element Set - DCMES), sendo todos recomendados e nenhum obrigatório [Dublin Core 2005]. Esses elementos descrevem um objeto através do título, do criador, do assunto, da descrição, do tipo, da data, do formato, entre outros. Além desses, há extensões com elementos opcionais e qualificadores. A Tabela 1 apresenta os metadados do Dublin Core Qualificado, que é formado pelos metadados básicos do Dublin Core, mais o campo Audience. Tabela 1. Metadados do Dublin Core Qualificado Elemento Audience Contributor Coverage Creator Date Description Identifier Format Language Publisher Rights Relation Source Subject Title Type Descrição A quem o trabalho se destina Pessoas que contribuíram para o trabalho Área de abrangência do trabalho Autores dos trabalho Data de disponibilização do trabalho Descrição do trabalho (para artigos, um abstract) Um identificador único para o trabalho, como um ISBN ou uma URL Formato em que é disponibilizado o trabalho Idioma do trabalho publicado Informações sobre o responsável pela publicação do trabalho Descrição da propriedade intelectual ou direito autorais Relacionamento com outros trabalhos, se houver Outras fontes das quais o trabalho se deriva, se houverem Assunto do qual trata o trabalho Titulo de um trabalho Tipo do objeto 2.3. BDBComp Biblioteca Digital Brasileira de Computação A BDBComp [Laender 2004, Silva 2005] surgiu com o objetivo de disponibilizar as informações dos trabalhos da comunidade brasileira de computação, permitindo assim a disseminação dos resultados para toda a comunidade. Ela adota o padrão OAI e o formato Dublin Core para os metadados. Atualmente, a BDBComp realiza a colheita (harvesting) de metadados em páginas Web, gerando os metadados a partir das páginas HTML das conferências da SBC. Um dos objetivos do sistema proposto neste artigo é oferecer a possibilidade da BDBComp se utilizar dos metadados dos artigos publicados nas conferências da SBC, a partir do sistema JEMS, por meio de um provedor de dados compatível com o padrão OAI, que realiza a colheita de metadados diretamente dos artigos publicados. 24

5 2.4. JEMS Journal and Event Management System O sistema JEMS (Journal and Event Management System) [JEMS 2005] recebe as submissões dos artigos das conferências e periódicos da Sociedade Brasileira de Computação. Atualmente, os metadados armazenados por ele não são disponibilizados. Esse sistema é uma versão atualizada do EDAS [Schulzrinne 2005], com correções de bugs e adição de funcionalidades mais avançadas. O JEMS possui dois processos, cadastro de autores, e submissão de artigos. Através destes dois processos o sistema obtém metadados dos artigos e dos autores. Além disso, há metadados sobre as conferências ou periódicos (comitê de avaliação dos artigos, datas, prazos, entre outros). Os artigos passam pelo processo de avaliação e são marcados como aceitos ou rejeitados. Aos autores de artigos aceitos, em geral, é solicitado o envio de uma versão final do artigo. 3. Serviço de Provedor de Dados para o JEMS A Figura 2 apresenta o serviço para a geração automática ou semi-automática dos metadados dos artigos aprovados em conferências que utilizem o JEMS para gerenciar as submissões. Os metadados gerados são disponibilizados no formato Dublin Core a bibliotecas digitais, como a BDBComp, para que elas possam utilizar os metadados dos artigos registrados no JEMS em seus repositórios. Para isso, do ponto de vista do JEMS, é necessário implementar modificações no processo de submissão de artigos e no processo de gerenciamento dos eventos e publicações. Deve-se adicionar um módulo que solicite ao coordenador do comitê de programa de um evento alguns dados que não são disponibilizados atualmente, como por exemplo, informações sobre a publicação e o meio de disponibilização do artigo. Além disso, deve ser acrescentado ao JEMS um módulo de solicitação de metadados sobre o artigo, que complementam os dados já existentes, os quais são solicitados no momento da submissão da primeira versão do artigo. Essa solicitação deve ocorrer quando o autor for submeter a versão final de seu artigo para publicação. Exemplos de metadados que podem ser solicitados são: informações sobre idioma, relação com outros trabalhos, entre outros. Esses módulos complementam a aquisição de metadados pelo JEMS, os quais serão utilizados por um provedor de dados para que sejam disponibilizados para as bibliotecas digitais. 25

6 Figura 2. Esquema geral do serviço proposto Conforme apresentado pela Figura 2, um usuário (autor de um artigo) submete seu trabalho a alguma conferência cadastrada no JEMS, usando a interface já existente no sistema. A partir disso, há o processo de avaliação do artigo submetido, que fica a cargo do comitê de programa cadastrado no sistema. Ao final, o coordenador deste comitê de programa marca os artigos que foram submetidos como aprovados ou rejeitados. Aqueles autores que tiverem seu artigo aprovado poderão enviar sua versão final, levando em consideração as alterações solicitadas pelo comitê de programa. Neste ponto, o sistema deve ser modificado para conter formulários onde o coordenador do comitê inclui no sistema informações sobre o evento ou publicação. A partir disso, o sistema fica apto a receber as versões finais dos artigos do referido evento ou publicação. No momento em que um autor for submeter a versão final de seu artigo, o sistema deverá apresentar um formulário novo, para que o mesmo inclua informações adicionais sobre o trabalho que ainda não constem da base de dados do JEMS. A partir desta ação o sistema solicitará o envio da nova versão do artigo. Desse modo pode-se completar o conjunto de metadados disponíveis, permitindo a posterior disponibilização dos mesmos a bibliotecas digitais por um provedor de dados compatível com o padrão OAI. 4. Arquitetura do provedor de dados proposto Este trabalho está desenvolvendo um provedor de dados compatível com o padrão OAI, implementando o suporte ao protocolo OAI-PMH. A Figura 3 apresenta a arquitetura proposta para o sistema, baseada na arquitetura geral de um provedor de dados apresentada em [OAForum 2005]. O provedor de dados recebe uma requisição HTTP, e realiza a validação da mesma através de um parser. Em seguida, o módulo de extração dos metadados realiza a busca de metadados no repositório e nos próprios artigos e, de acordo com o controle de fluxo, gera as respostas em ML. No caso de ocorrência de erros, entra em funcionamento o módulo de geração de erros, que também retorna um arquivo ML. A Figura 3 apresenta a arquitetura do sistema proposto. 26

7 JEMS Artigos JEMS Novo Form. (Chair) Novo Form. (Usuário) Solicitação de Metadados MySQL JEMS Requisição OAI (HTTP) 1º Workshop em Bibliotecas Digitais Validação da Requisição Extração de Metadados Montagem das Consultas Consultas Arq. Consultas SQL Recebimento das Respostas Geração de Erros (ML) Geração de Respostas (ML) Controle de Fluxo PROVEDOR DE DADOS Resposta OAI (ML) Figura 3: Arquitetura do sistema proposto Nota-se na arquitetura, apresentada na Figura 3, a existência dos dois módulos adicionais do sistema JEMS. O primeiro deles é o provedor de dados, que é o responsável pelo recebimento de solicitações, busca das informações no JEMS e envio das respostas. O segundo consiste em dois formulários de solicitação de metadados adicionais. Também é prevista a adaptação da base de dados do JEMS para receber esses novos metadados. Com base em trabalhos relacionados, como [Warpechowski 2005], espera-se posteriormente estender esse serviço com um maior número de metadados, além dos do formato Dublin Core. Dessa forma, será possível atender outros tipos de necessidades de diferentes harvesters. A Figura 4 apresenta o esquema preliminar do repositório de metadados a ser implementado. Esse esquema foi feito com base na estrutura dos metadados do padrão Dublin Core Qualificado, de modo a facilitar o armazenamento e posterior recuperação dos metadados. Figura 4: Modelo preliminar da base de dados do repositório 27

8 A Tabela 2 apresenta os metadados que serão disponibilizados, citando a fonte de cada um. A coluna BD JEMS representa os metadados que podem ser recuperados a partir do banco de dados do JEMS. A coluna Arquivos representa os metadados que podem ser recuperados automaticamente pela análise dos arquivos submetidos. A coluna Autor e Chair representam, respectivamente, os novos formulários que deverão ser preenchidos pelo autor do trabalho e pelo chair do evento. O provedor de dados deverá reconhecer e responder corretamente às seis diferentes requisições do OAI-PMH, de modo a poder ser utilizado pelas bibliotecas digitais. A implementação dos módulos do provedor de dados e do repositório é hospedada no mesmo servidor que abriga o JEMS, de modo que a base de dados e os artigos sejam facilmente acessíveis para o processo de geração de metadados. Com isso, o que se obtém é a extensão do JEMS para que este passe a se comportar como um provedor de dados do padrão OAI. Metadados Audience Contributor Coverage Creator Date Description Identifier Format Language Publisher Rights Relation Source Subject Title Type 5. Considerações finais Tabela 2. Origem dos metadados BD JEMS Arquivos Form. Novo Autor Chair O trabalho proposto oferece uma implementação de um provedor de dados do padrão OAI, que suporta o protocolo OAI-PMH. Com isso, espera-se facilitar o arquivamento dos artigos, e promover o uso dos metadados, contidos no sistema JEMS, sobre os artigos publicados em bibliotecas digitais, de modo a disseminar os resultados dos trabalhos de forma eficiente. Com o serviço apresentado deixa-se de ter a necessidade de inserção manual dos metadados nas bibliotecas digitais, sendo automática a utilização dos metadados disponibilizados. Além disso, remove-se a necessidade de fazer com que as bibliotecas digitais realizem varreduras nas páginas dos eventos em busca de metadados sobre os artigos publicados, já que os mesmos estarão disponíveis no formato Dublin Core Qualificado, que é utilizado amplamente. Dessa forma, é oferecida uma maior riqueza de metadados às bibliotecas digitais. 28

9 A BDBComp poderá se utilizar do provedor de dados implementado para a aquisição automática de metadados para seus repositórios. Além disso, outro resultado importante é a adição de funcionalidades ao sistema JEMS, o qual conterá interfaces novas para o início do período de submissão de versões finais e para o envio por parte dos autores das mesmas, o que estimulará os autores a informarem os metadados que se deseja disponibilizar. Referências Dublin Core. (2005) Dublin Core Metadata Initiative, Disponível em < Acessado em: Abril de JEMS. (2005) Journal and Event Management System, Disponível em < Acessado em: Julho de Laender, A. H. F., Gonçalves, M. A., Roberto, P. A. (2004) BDBComp: building a digital library for the Brazilian computer science community, Proceedings of the 4th ACM/IEEE-CS joint conference on Digital libraries 2004, Tuscon, AZ, USA, June 07-11, 2004, pp OAI. (2005) Open Archives Initiative, Disponível em < Acessado em: Abril de OAForum. (2005) Open Archives Forum: OAI-PMH Online Tutorial, Disponível em < Acessado em: Abril de PMH. (2005) The Open Archives Initiative Protocol for Metadata Harvesting, Disponível em < Acessado em: Janeiro de Schulzrinne, H. (2005) Editor s Assistant v3, Disponível em < Acessado em: Abril de Silva, L. V. (2004) Um Serviço de Auto-arquivamento de Publicações Científicas compatível com o Padrão OAI, Dissertação (Mestrado). Belo Horizonte, UFMG Universidade Federal de Minas Gerais. Warpechowski, M., Oliveira, J. P. M. (2005) Retrieval of Learning Objects Metadata in AdaptWeb, In proceedings of thecaise 05 Workshops, Porto, Portugal, RS. 29

Biblioteca Digital da SBC: Disponibilizando os Artigos do JEMS Através de um Provedor de Dados Compatível com OAI *

Biblioteca Digital da SBC: Disponibilizando os Artigos do JEMS Através de um Provedor de Dados Compatível com OAI * Biblioteca Digital da SBC: Disponibilizando os Artigos do JEMS Através de um Provedor de Dados Compatível com OAI * Diego Fraga Contessa, José Palazzo Moreira de Oliveira Instituto de Informática Universidade

Leia mais

Repositórios Digitais: Gestão e Compartilhamento da Informação. Dr. Divino Ignacio Ribeiro Jr

Repositórios Digitais: Gestão e Compartilhamento da Informação. Dr. Divino Ignacio Ribeiro Jr Repositórios Digitais: Gestão e Compartilhamento da Informação Dr. Divino Ignacio Ribeiro Jr Objetivos Agenda Quem somos? Repositórios Digitais Bibliotecas Digitais Tecnologias Gestão e Compartilhamento

Leia mais

ABD Arquivos e Bibliotecas Digitais

ABD Arquivos e Bibliotecas Digitais ABD Arquivos e Bibliotecas Digitais Abril 2008 Parte VII Dublin Core Fontes dublincore.org/ http://dublincore.org/usage/documents/principles/ http://dublincore.org/documents/dc-rdf/ Objectivo do Dublin

Leia mais

Banco de Dados II - Bibliotecas Digitais. Gustavo Braz Guilherme Rodrigues Jeferson Lopes Dias Moreli

Banco de Dados II - Bibliotecas Digitais. Gustavo Braz Guilherme Rodrigues Jeferson Lopes Dias Moreli Banco de Dados II - Bibliotecas Digitais Gustavo Braz Guilherme Rodrigues Jeferson Lopes Dias Moreli Sumário 1. Introdução 2. Metadados 3. Extensible Markup Language (XML) 4. Dublin Core Metadata Initiative

Leia mais

POLÍTICA INFORMACIONAL DO REPOSITÓRIO INSTITUCIONAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ

POLÍTICA INFORMACIONAL DO REPOSITÓRIO INSTITUCIONAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ POLÍTICA INFORMACIONAL DO REPOSITÓRIO INSTITUCIONAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ 1 O Repositório Institucional da UNIFEI é um conjunto de serviços oferecidos pela Biblioteca Mauá para a gestão e

Leia mais

GESTÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO

GESTÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO GESTÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO Aula 3 Descrição Arquivística Formas de descrição de documentos e acervos. Os instrumentos de pesquisa. O perfil de metadados. Aplicando os instrumentos de pesquisa: divulgação,

Leia mais

Proposta de uma Biblioteca Digital para Trabalhos Monográficos

Proposta de uma Biblioteca Digital para Trabalhos Monográficos Proposta de uma Biblioteca Digital para Trabalhos Monográficos Celeste Magela Campos da Silva Guilherme Tavares de Assis Centro Universitário de Belo Horizonte (Uni-BH) Resumo - Este artigo apresenta a

Leia mais

Recuperação Contextualizada de Documentos Integrados pelo Protocolo OAI-PMH

Recuperação Contextualizada de Documentos Integrados pelo Protocolo OAI-PMH UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE INFORMÁTICA RENAN RODRIGUES DE OLIVEIRA Recuperação Contextualizada de Documentos Integrados pelo Protocolo OAI-PMH Goiânia 2010 RENAN RODRIGUES DE OLIVEIRA Recuperação

Leia mais

Sumário. 4 Introdução. 4 Definições. 4 Utilização. 4 Padrões. 4 Conclusão. 4 Os padrões permitem 4 Padrões USMARC 4 Padrões Dublin Core

Sumário. 4 Introdução. 4 Definições. 4 Utilização. 4 Padrões. 4 Conclusão. 4 Os padrões permitem 4 Padrões USMARC 4 Padrões Dublin Core Sumário 4 Introdução 4 Definições 4 Utilização 4 Padrões 4 Os padrões permitem 4 Padrões USMARC 4 Padrões Dublin Core 4 Conclusão Introdução 4 A constante evolução da área de informática, permite com que

Leia mais

Modelagem de Bibliotecas Digitais

Modelagem de Bibliotecas Digitais Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Informática PPGC Exame de Qualificação em Abrangência Modelagem de Bibliotecas Digitais Cristiano Roberto Cervi Orientadora: Profª. Dr. Renata Galante

Leia mais

Metadados e Dublin Core

Metadados e Dublin Core Metadados e Dublin Core Eloi Juniti Yamaoka 14 de Fevereiro de 2007 Meta Meta = sobre (about) Metadados Metametadados Metadata Meta data Metainformação Metadados? Dados sobre dados Informação sobre informações

Leia mais

Weslley da Silva Fernandes Mathias

Weslley da Silva Fernandes Mathias Weslley da Silva Fernandes Mathias 1 Biblioteca digital é a biblioteca constituída por documentos primários, que são digitalizados sob a forma material (disquetes, CD-ROM, DVD), ou online através da internet,

Leia mais

GESTÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO

GESTÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO GESTÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO Aula 7 Descrição Arquivística. Revisão, estudo de caso e elaboração de instrumentos de pesquisa. Revisão do conteúdo Descrição Arquivística Aula 7 O caráter dinâmico do

Leia mais

Biblioteca Digital para a coleção de lundus do acervo Mozart de Araújo

Biblioteca Digital para a coleção de lundus do acervo Mozart de Araújo Biblioteca Digital para a coleção de lundus do acervo Mozart de Araújo Adriana Olinto Ballesté Laboratório Nacional de Computação Científica UNIRIO-PPGM e-mail: adri@lncc.br Jupter Martins de Abreu Jr.

Leia mais

Proposta de uma Biblioteca Digital para Documentos Técnico-cientícos do Departamento de Computação da Universidade Federal de Ouro Preto

Proposta de uma Biblioteca Digital para Documentos Técnico-cientícos do Departamento de Computação da Universidade Federal de Ouro Preto Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas - ICEB Departamento de Computação - DECOM Proposta de uma Biblioteca Digital para Documentos Técnico-cientícos do Departamento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO UNIVASF SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO STI DEPARTAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES

UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO UNIVASF SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO STI DEPARTAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO UNIVASF SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO STI DEPARTAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES MANUAL DO USUÁRIO SISTEMA DE TRAMITAÇÃO DE DOCUMENTOS Versão 3.0

Leia mais

Gerenciamento de conteúdo semântico ECI/UFMG. Eduardo Ribeiro Felipe.

Gerenciamento de conteúdo semântico ECI/UFMG. Eduardo Ribeiro Felipe. Gerenciamento de conteúdo semântico ECI/UFMG Eduardo Ribeiro Felipe www.erfelipe.com.br Proposta Trabalhar com tecnologias ligadas à gestão da informação com enfoque computacional utilizando a Ciência

Leia mais

contidos na descrição do serviço para localizar, contactar e chamar o serviço. A figura mostra os componentes e a interação entre eles.

contidos na descrição do serviço para localizar, contactar e chamar o serviço. A figura mostra os componentes e a interação entre eles. Web Services Web Service é um componente de software identificado por uma URI que independe de implementação ou de plataforma e pode ser descrito, publicado e invocado sobre uma rede por meio de mensagens

Leia mais

Introdução. descrever os tipos de interfaces e linguagens oferecidas por um SGBD. mostrar o ambiente de programas dos SGBD s

Introdução. descrever os tipos de interfaces e linguagens oferecidas por um SGBD. mostrar o ambiente de programas dos SGBD s Introdução Contribuição do Capítulo 2: discutir modelos de dados definir conceitos de esquemas e instâncias descrever os tipos de interfaces e linguagens oferecidas por um SGBD mostrar o ambiente de programas

Leia mais

Manual do Usuário FEB

Manual do Usuário FEB UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UFRGS CENTRO INTERDISCIPLINAR DE NOVAS TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO - CINTED GT - FEB Manual do Usuário FEB Porto Alegre, RS, Brasil 2009 Manual do Usuário - FEB 2

Leia mais

O Repositório Institucional UNESP: compartilhando experiências e desafios

O Repositório Institucional UNESP: compartilhando experiências e desafios O Repositório Institucional UNESP: compartilhando experiências e desafios Introdução Repositório da Produção Científica do CRUESP Lançamento em outubro de 2013 Portaria UNESP 88, de 28 fev. 2013, que instituiu

Leia mais

Orientações básicas para submissão de projetos de pesquisa

Orientações básicas para submissão de projetos de pesquisa Orientações básicas para submissão de projetos de pesquisa Versão 1.2 Versão Autor Data Descrição 1.0 Equipe suporte 13/10/2011 Criação do Plataforma Brasil documento 1.1 Equipe suporte Plataforma Brasil

Leia mais

Bancos de dados. Sistemas de bancos de dados. Professor Emiliano S. Monteiro

Bancos de dados. Sistemas de bancos de dados. Professor Emiliano S. Monteiro Bancos de dados Sistemas de bancos de dados Professor Emiliano S. Monteiro Introdução Apresentação do professor Apresentação da disciplina Avaliações Conceitos Banco de dados Segundo C.J. Date : "O sistema

Leia mais

MANUTENÇÃO SISTEMAS INFORMATIZADOS PARA O PLANEJAMENTO E CONTROLE DA MANUTENÇÃO. CCMS- Computer Maintenance Management System

MANUTENÇÃO SISTEMAS INFORMATIZADOS PARA O PLANEJAMENTO E CONTROLE DA MANUTENÇÃO. CCMS- Computer Maintenance Management System MANUTENÇÃO SISTEMAS INFORMATIZADOS PARA O PLANEJAMENTO E CONTROLE DA MANUTENÇÃO CCMS- Computer Maintenance Management System Prof. Dissenha professor@dissenha.net SISTEMAS INFORMATIZADOS PARA O PLANEJAMENTO

Leia mais

Pesquisa e Desenvolvimento em Publicações Eletrônicas na Área de Saúde e Medicina

Pesquisa e Desenvolvimento em Publicações Eletrônicas na Área de Saúde e Medicina Pesquisa e Desenvolvimento em Publicações Eletrônicas na Área de Saúde e Medicina Marcelo Sabbatini Instituto Edumed Nordeste msabbatini@edumed.org.br Universidade Estadual de Campinas Núcleo de Informática

Leia mais

Introdução a Banco de Dados

Introdução a Banco de Dados Sumário DCC011: Introdução a Banco de Mirella Moro mirella@dcc.ufmg.br DCC011 Conceitos Básicos O que é um banco de dados Como manipular um banco de dados Projeto de Banco de Tópicos Importantes Aplicações

Leia mais

Introdução à Computação

Introdução à Computação Introdução à Computação Jordana Sarmenghi Salamon jssalamon@inf.ufes.br jordanasalamon@gmail.com http://inf.ufes.br/~jssalamon Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda

Leia mais

Banco de Dados I. Prof. Edson Thizon ethizon@bol.com.br

Banco de Dados I. Prof. Edson Thizon ethizon@bol.com.br Banco de Dados I Prof. Edson Thizon ethizon@bol.com.br Conceitos Dados Fatos conhecidos que podem ser registrados e que possuem significado implícito Banco de dados (BD) Conjunto de dados interrelacionados

Leia mais

Projeto. Observatório Nacional de Clima e Saúde

Projeto. Observatório Nacional de Clima e Saúde Projeto Observatório Nacional de Clima e Saúde Coordenação Técnica Institucional: Fiocruz e INPE Coordenação Nacional CGVAM- Coordenação Geral de Vigilância Ambiental Secretaria de Vigilância em Saúde

Leia mais

MANUAL DO PUBLICADOR

MANUAL DO PUBLICADOR MANUAL DO PUBLICADOR Brasília 2010/2013 1 SUMÁRIO 1 Introdução... 5 2 O Sistema... 5 2.1 Módulos do Sistema... 6 2.2 Perfis do Sistema... 6 2.2.1 Perfil Publicador... 7 3 Publicar Documentos - Publicador...

Leia mais

REPOSITÓRIO DIGITAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL. UFRGS Porto Alegre, RS Brasil 2009

REPOSITÓRIO DIGITAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL. UFRGS Porto Alegre, RS Brasil 2009 REPOSITÓRIO DIGITAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UFRGS Porto Alegre, RS Brasil 2009 LUME Repositório Digital da Universidade Federal do Rio Grande do Sul Implementado em janeiro de 2008, a

Leia mais

REPOSITÓRIOS INSTITUCIONAIS NO PODER JUDICIÁRIO BRASILEIRO: O CONSÓRCIO BDJur 1

REPOSITÓRIOS INSTITUCIONAIS NO PODER JUDICIÁRIO BRASILEIRO: O CONSÓRCIO BDJur 1 REPOSITÓRIOS INSTITUCIONAIS NO PODER JUDICIÁRIO BRASILEIRO: O CONSÓRCIO BDJur 1 Resumo TERESA BASEVI Coordenadora de Biblioteca Digital Biblioteca Ministro Oscar Saraiva Superior Tribunal de Justiça Brasília/DF

Leia mais

Sefaz Virtual Ambiente Nacional Projeto Nota Fiscal Eletrônica

Sefaz Virtual Ambiente Nacional Projeto Nota Fiscal Eletrônica Projeto Nota Fiscal Eletrônica Orientações de Utilização do Sefaz Virtual Ambiente Nacional para as Empresas Versão 1.0 Fevereiro 2008 1 Sumário: 1. Introdução... 3 2. O que é o Sefaz Virtual... 4 3. Benefícios

Leia mais

MGS. Gestão de Documentos

MGS. Gestão de Documentos MGS CATÁLOGO DE SERVIÇOS Gestão de Documentos SUMÁRIO 1- Apresentação...4 2- Gestão de Documentos...5 3- Missão...6 4- Objetivos...6 5- Conceitos gerais...7 6- Legislação arquivística...8 7- Serviços

Leia mais

Manual Genconnect REQUISITOS MÍNIMOS PARA UTILIZAÇÃO DO PORTAL. Procedimentos TI Centro de Genomas

Manual Genconnect REQUISITOS MÍNIMOS PARA UTILIZAÇÃO DO PORTAL. Procedimentos TI Centro de Genomas 1 Manual Genconnect O Genconnect vem com a finalidade de facilitar o acesso dos parceiros do Centro de Genomas na solicitação e realização de exames laboratoriais e reduzir a incidência de enganos no controle

Leia mais

Tutorial USP para uso do ORCID

Tutorial USP para uso do ORCID Tutorial USP para uso do ORCID Sistema Integrado de Bibliotecas Universidade de São Paulo Outubro 2017 Sumário Neste tutorial você aprenderá a: Criar seu ORCID id autenticado USP; Incluir sua biografia,

Leia mais

Gerenciamento da impressora

Gerenciamento da impressora Impressora a laser Phaser 4400 Gerenciamento da impressora Visão geral Siga os procedimentos abaixo para iniciar o programa de instalação Xerox no seu sistema operacional. As seguintes seções também contêm

Leia mais

RELATÓRIO 3 CONJUNTO DE METADADOS DO REPOSITÓRIO INSTITUCIONAL DA ENAP

RELATÓRIO 3 CONJUNTO DE METADADOS DO REPOSITÓRIO INSTITUCIONAL DA ENAP RELATÓRIO 3 CONJUNTO DE METADADOS DO REPOSITÓRIO INSTITUCIONAL DA ENAP Projeto básico sobre Repositório Digital: Definição da Arquitetura Informacional / Definição do Conjunto de Metadados / Definição

Leia mais

Manual Mobuss Construção - Móvel

Manual Mobuss Construção - Móvel Manual Mobuss Construção - Móvel VISTORIA & ENTREGA - MÓVEL Versão 1.0 Data 22/04/2014 Mobuss Construção - Vistoria & Entrega Documento: v1.0 Blumenau SC 2 Histórico de Revisão Versão Data Descrição 1.0

Leia mais

Manual do Usuário do Repositório Digital ASCES

Manual do Usuário do Repositório Digital ASCES Manual do Usuário do Repositório Digital ASCES Repositório Repositórios são sistemas disponíveis na web que fornecem, principalmente, facilidades de depósito e acesso aos objetos digitais. Nesse sentido,

Leia mais

Gerenciamento de Redes: Protocolo SNMP

Gerenciamento de Redes: Protocolo SNMP Gerenciamento de Redes: Protocolo SNMP Protocolo SNMP (do inglês Simple Network Management Protocol Protocolo Simples de Gerência de Rede) é um protocolo usado para gerenciar redes TCP/IP complexas. Com

Leia mais

CATEGORIA 2 INICIATIVAS DE INOVAÇÃO

CATEGORIA 2 INICIATIVAS DE INOVAÇÃO ESAF Escola de Administração Fazendária CATEGORIA 2 INICIATIVAS DE INOVAÇÃO 3º Lugar 020I FERNANDO VENANCIO PINHEIRO* 26 Anos RIO DE JANEIRO - RJ SKYLOGS - Aplicativo Para Diário de Bordo Eletrônico *

Leia mais

Uso de software livre para implementação de provedores de serviços OAI-PMH: caso do provedor de serviços Sabiia

Uso de software livre para implementação de provedores de serviços OAI-PMH: caso do provedor de serviços Sabiia Uso de software livre para implementação de provedores de serviços OAI-PMH: caso do provedor de serviços Sabiia Anderson Hirata Isaque Vacari Introdução A iniciativa de Acesso Aberto promove a interoperabilidade

Leia mais

Protocolo HTTP. Professor Leonardo Larback

Protocolo HTTP. Professor Leonardo Larback Protocolo HTTP Professor Leonardo Larback Protocolo HTTP No final da década de 1980, Tim Berners-Lee criou o protocolo HTTP (HyperText Transfer Protocol) e o padrão de arquivo HTML (HyperText Markup Language)

Leia mais

Sistema De Gerenciamento Web UFFS

Sistema De Gerenciamento Web UFFS Sistema De Gerenciamento Web UFFS Acesso ao Sistema Link para acesso O acesso ao SGW UFFS é feito através de um link, que por segurança, poderá não ser permanente. Este mesmo link será modificado com uma

Leia mais

Aplicativo para geração automática de páginas de gerenciamento on-line de banco de dados para sites

Aplicativo para geração automática de páginas de gerenciamento on-line de banco de dados para sites UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO (BACHARELADO) Aplicativo para geração automática de páginas de gerenciamento on-line de banco de dados

Leia mais

ESTUDO DE FERRAMENTAS MATEMÁTICAS SIMPLES EM PHP: APLICAÇÕES EM ENSINO E INSTRUÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA

ESTUDO DE FERRAMENTAS MATEMÁTICAS SIMPLES EM PHP: APLICAÇÕES EM ENSINO E INSTRUÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA ESTUDO DE FERRAMENTAS MATEMÁTICAS SIMPLES EM PHP: APLICAÇÕES EM ENSINO E INSTRUÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA RELATÓRIO FINAL DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PIBIC/CNPq/INPE) Jeane Aparecida Rosa de Morais

Leia mais

Tutorial de utilização do Sistema de Abertura de Chamado Sumário

Tutorial de utilização do Sistema de Abertura de Chamado Sumário Tutorial de utilização do Sistema de Abertura de Chamado Sumário 1. Processo de atendimento...2 1.1. Porque abrir um chamado...2 1.2. Entendendo o processo de atendimento...2 1.3. Acessando o sistema...3

Leia mais

Ministério da Saúde PORTARIA Nº 2.073, DE 31 DE AGOSTO DE 2011

Ministério da Saúde PORTARIA Nº 2.073, DE 31 DE AGOSTO DE 2011 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 2.073, DE 31 DE AGOSTO DE 2011 Regulamenta o uso de padrões de interoperabilidade

Leia mais

Portal de Sistemas Integrados. Manual do Usuário. Versão: 1.0

Portal de Sistemas Integrados. Manual do Usuário. Versão: 1.0 Portal de Sistemas Integrados Manual do Usuário Versão: 1.0 Página: 1/33 Índice 1. Apresentação... 3 2. Descrição do Sistema... 3 3. Orientações Gerais ao Usuário...4 3.1. Senhas de Acesso... 4 4. Funcionalidades

Leia mais

Gestão colaborativa de conteúdo educacional

Gestão colaborativa de conteúdo educacional Gestão colaborativa de conteúdo educacional Liane Tarouco - CINTED/UFRGS Marcelo Schmitt - Escola Técnica/UFRGS Alessandra Rodrigues IF Sul-rio-grandense Rosa Viccari - CINTED/UFRGS 1 Gestão de Conteúdo

Leia mais

Tutorial Moodle. Acesso. Página Inicial Preencher perfil. Enviar Mensagem. Recursos. Atividades. Moodle

Tutorial Moodle. Acesso. Página Inicial Preencher perfil. Enviar Mensagem. Recursos. Atividades. Moodle Tutorial MOODLE Tutorial Moodle Página Inicial Preencher perfil Enviar Mensagem Acesso Moodle Recursos Atividades Moodle Moodle é um sistema de administração de atividades educacionais destinado à criação

Leia mais

Uma Proposta de Navegação na Web Utilizando Facetas

Uma Proposta de Navegação na Web Utilizando Facetas Uma Proposta de Navegação na Web Utilizando Facetas Cássio Prazeres 1, Daniel Lucrédio 1, Renata Fortes 1, Cesar Teixeira 2 1 Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Universidade de São Paulo

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO http:// www.cefetrn.br/datinf ARQUITETURA TCP/IP Nome: Curso: Turma: LISTA DE EXERCÍCIO

Leia mais

PROGRAMA TREINAMENTO E CAPACITAÇÃO TÉCNICA TCT

PROGRAMA TREINAMENTO E CAPACITAÇÃO TÉCNICA TCT EDITAL FAPERJ N.º 08/2007 PROGRAMA TREINAMENTO E CAPACITAÇÃO TÉCNICA TCT O Governo do Estado do Rio de Janeiro, por intermédio da Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia, através da Fundação Carlos

Leia mais

Sistema de Editoração Eletrônica de Revistas (SEER) Open Journal System (OJS) TUTORIAL SUBMISSÃO DE ARTIGOS

Sistema de Editoração Eletrônica de Revistas (SEER) Open Journal System (OJS) TUTORIAL SUBMISSÃO DE ARTIGOS Sistema de Editoração Eletrônica de Revistas (SEER) Open Journal System (OJS) TUTORIAL SUBMISSÃO DE ARTIGOS Processo de submissão Visão geral dos passos de submissão PASSO 1 Iniciar submissão PASSO 2 Inclusão

Leia mais

em Redes IP Guido Lemos de Souza Filho DI CCEN UFPB Coordenador GTVD-RNP

em Redes IP Guido Lemos de Souza Filho DI CCEN UFPB Coordenador GTVD-RNP Aplicações de Vídeo V Digital em Redes IP Guido Lemos de Souza Filho DI CCEN UFPB Coordenador GTVD-RNP Redes Avançadas adas Transmissão de Conversas Áudio Troca de Mensagens Vídeo Rede Avançada Dados Distribuição

Leia mais

Criação e desenvolvimento do Repositório Institucional da Universidade do Minho

Criação e desenvolvimento do Repositório Institucional da Universidade do Minho Estoril, 13 de Maio de 2004 Criação e desenvolvimento do Repositório Institucional da Universidade do Minho Eloy Rodrigues, Matilde Almeida, Ângelo Miranda, Augusta Guimarães, Daniela Castro E-mail: {eloy,

Leia mais

Implementação de Interoperabilidade entre Repositórios Digitais por meio do Protocolo OAI-PMH. Renan Rodrigues de Oliveira Cedric Luiz de Carvalho

Implementação de Interoperabilidade entre Repositórios Digitais por meio do Protocolo OAI-PMH. Renan Rodrigues de Oliveira Cedric Luiz de Carvalho Implementação de Interoperabilidade entre Repositórios Digitais por meio do Protocolo OAI-PMH Renan Rodrigues de Oliveira Cedric Luiz de Carvalho Technical Report - RT-INF_003-09 - Relatório Técnico March

Leia mais

Participar na Europeana: Requisitos Técnicos

Participar na Europeana: Requisitos Técnicos Participar na Europeana: Requisitos Técnicos Nuno Freire Biblioteca Nacional de Portugal nuno.freire@bnportugal.pt Agenda Participar na Europeana requisitos técnicos Objectos digitais, formatos de dados,

Leia mais

INSTRUÇÃO PARA PREENCHIMENTO DOS FORMULÁRIOS

INSTRUÇÃO PARA PREENCHIMENTO DOS FORMULÁRIOS INSTRUÇÃO PARA PREENCHIMENTO DOS FORMULÁRIOS CADASTRO DA INSTITUIÇÃO Bloco 1 - Identificação da Instituição O Bloco 1 tem por objetivo cadastrar as instituições geradoras de informações INSTITUIÇÃO RESPONSÁVEL

Leia mais

ÁREA DO PROFESSOR (TUTOR)

ÁREA DO PROFESSOR (TUTOR) ÁREA DO PROFESSOR (TUTOR) O MOODLE (Modular Object Oriented Dynamic Learning Environment) é um Ambiente Virtual de Ensino-Aprendizagem (AVEA) de código aberto, livre e gratuito que se mantém em desenvolvimento

Leia mais

Como se origina um curso de especialização no SIGAA?

Como se origina um curso de especialização no SIGAA? SIGAA Manual de Usuário Cadastro de Propostas de Cursos de Lato Sensu O Módulo Lato Sensu no SIGAA possibilita o gerenciamento das atividades acadêmicas dos cursos do tipo Especialização existentes na

Leia mais

XML - Extensible Markup Language

XML - Extensible Markup Language Por Sergio Crespo XML - Extensible Markup Language Extensible Markup Language (XML) é linguagem de marcação de dados (meta-markup language) que provê um formato para descrever dados estruturados. Isso

Leia mais

Uma ferramenta de geração de Workflows para a plataforma ERP5

Uma ferramenta de geração de Workflows para a plataforma ERP5 Uma ferramenta de geração de Workflows para a plataforma ERP5 Vanderson Mota dos Santos Rogério Atem de Carvalho ** Palavras-chave: Geração de código. Workflows. ERP5. UML. ERP. Diagrama de Máquina de

Leia mais

HEMOVIDA (CICLO DO SANGUE - Gerenciamento de estoque para grandes eventos)

HEMOVIDA (CICLO DO SANGUE - Gerenciamento de estoque para grandes eventos) Ministério da Saúde Secretaria Executiva Departamento de Informática do SUS HEMOVIDA (CICLO DO SANGUE - Gerenciamento de estoque para grandes eventos) Manual do Usuário Versão 1.0 Fevereiro, 2014 Índice

Leia mais

Web Services - Definição. Web Services - Introdução. Universidade Federal de Santa Catarina. DSOOII Web Services

Web Services - Definição. Web Services - Introdução. Universidade Federal de Santa Catarina. DSOOII Web Services Universidade Federal de Santa Catarina DSOOII Web Services Web Services - Introdução Havia inconsistência de plataformas, sistemas operacionais e/ou linguagens de programação; Acadêmicos: Ariane Talita

Leia mais

REST RESTfulWeb Services JAX-RS

REST RESTfulWeb Services JAX-RS Web Services REST Web Service Serviço oferecido por um sistema que pode ser acessado diretamente por outro sistema desenvolvido em qualquer tecnologia através de uma rede como a internet. Cada plataforma

Leia mais

Política de acesso à rede WiFi

Política de acesso à rede WiFi Política de acesso à rede WiFi Campus Tucuruí do IFPA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PARÁ. Documento elaborado com a colaboração entre a Coordenação de Tecnologia da Informação

Leia mais

REITORA Ulrika Arns. VICE-REITOR Almir Barros da Silva Santos Neto. DIRETOR DO NTIC Leonardo Bidese de Pinho

REITORA Ulrika Arns. VICE-REITOR Almir Barros da Silva Santos Neto. DIRETOR DO NTIC Leonardo Bidese de Pinho 2014 Núcleo de Tecnologia da Informação e Comunicação - NTIC 17/01/2014 REITORA Ulrika Arns VICE-REITOR Almir Barros da Silva Santos Neto DIRETOR DO NTIC Leonardo Bidese de Pinho COORDENADOR DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Tutorial USP para uso do ORCID

Tutorial USP para uso do ORCID Tutorial USP para uso do ORCID Jan. 2017 Sistema Integrado de Bibliotecas Universidade de São Paulo Sumário Neste tutorial você aprenderá a: Criar seu ORCID id autenticado USP; Incluir sua biografia, suas

Leia mais

SInBAD Sistema Integrado de Biblioteca e Arquivo Digital

SInBAD Sistema Integrado de Biblioteca e Arquivo Digital SInBAD Sistema Integrado de Biblioteca e Arquivo Digital Pedro Almeida 1, Marco Fernandes 1, Miguel Alho 1, Joaquim Arnaldo Martins 2, Joaquim Sousa Pinto 2 1 IEETA, Universidade de Aveiro 3810-193 Aveiro,

Leia mais

BIBLIOTECAS DIGITAIS: CONCEITOS E PLANEJAMENTO. Liliana Giusti Serra

BIBLIOTECAS DIGITAIS: CONCEITOS E PLANEJAMENTO. Liliana Giusti Serra BIBLIOTECAS DIGITAIS: CONCEITOS E PLANEJAMENTO Liliana Giusti Serra INFORMAÇÃO - NOVA ECONOMIA Ciência da Informação Ciência da Computação CONTEÚDO Tecnologia de Rede BIBLIOTECAS DIGITAIS Interoperabilidade

Leia mais

Tutorial USP para uso do ORCID

Tutorial USP para uso do ORCID Tutorial USP para uso do ORCID Dez. 2016 Sistema Integrado de Bibliotecas Sumário Neste tutorial você aprenderá a: Criar seu ORCID id; Incluir sua biografia, suas informações de educação, emprego e financiamento

Leia mais

INFORMÁTICA. Indique a opção que contenha todas as afirmações verdadeiras. a) I e II b) II e III c) III e IV d) I e III e) II e IV

INFORMÁTICA. Indique a opção que contenha todas as afirmações verdadeiras. a) I e II b) II e III c) III e IV d) I e III e) II e IV INFORMÁTICA 01. Analise as seguintes afirmações relativas a conceitos de Internet. I - O SPAM é caracterizado pela utilização indevida do servidor POP de uma empresa ou outra entidade para enviar uma grande

Leia mais

Lista Funcionalidades Tainacan

Lista Funcionalidades Tainacan Lista Funcionalidades Tainacan Sistema de busca: Busca por palavra-chave; Busca por operadores lógicos AND e OR; Busca avançada: Frase completa; Por coleção; Título ou descrição; Tags; metadado de dado;

Leia mais

CVS Controle de Versões e Desenvolvimento Colaborativo de Software

CVS Controle de Versões e Desenvolvimento Colaborativo de Software CVS Controle de Versões e Desenvolvimento Colaborativo de Software Cristiano Caetano Novatec Editora Capítulo 1 Introdução ao CVS Quem controla o passado, controla o futuro. Quem controla o presente, controla

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. Resposta aos questionamentos efetuados pela empresa TOTVS, temos a informar conforme segue:

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. Resposta aos questionamentos efetuados pela empresa TOTVS, temos a informar conforme segue: Resposta aos questionamentos efetuados pela empresa TOTVS, temos a informar conforme segue: Questionamento 1: Tomando como base a definição de que os Conselhos o Federal e os Regionais foram criados por

Leia mais

SGCD 2.0 Sistema Gerenciador de Conteúdo Dinâmico

SGCD 2.0 Sistema Gerenciador de Conteúdo Dinâmico Sistema Gerenciador de Conteúdo Dinâmico No final de 2007, o Serviço Técnico de Informática da UNESP Marília, disponibilizou para a comunidade acadêmica e administrativa o Sistema Dinâmico de websites

Leia mais

Sistema de Acompanhamento de Produção Sisnet/Sinan- SAPSS Manual de Operação

Sistema de Acompanhamento de Produção Sisnet/Sinan- SAPSS Manual de Operação Sistema de Acompanhamento de Produção Sisnet/Sinan- SAPSS Manual de Operação Versão do produto: 1.0 Edição do documento: 1.0 Abril de 2012 Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento

Leia mais

Open Archives. um marco na história das Bibliotecas Digitais

Open Archives. um marco na história das Bibliotecas Digitais Open Archives um marco na história das Bibliotecas Digitais Motivação Pontiac G6 Preço igual (EUA) USD $17,000 Motivação Dificuldades encontradas pelos pesquisadores no ciclo da comunicação científica

Leia mais

Programação para Web HTML - Parte 2

Programação para Web HTML - Parte 2 Programação para Web HTML - Parte 2 Professor: Harlley Lima E-mail: harlley@decom.cefetmg.br Departamento de Computação Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais Belo Horizonte, 2 de março

Leia mais

O que é DDFe? DDF-e é um acrônimo para Distribuidor de Documentos Fiscais Eletrônicos.

O que é DDFe? DDF-e é um acrônimo para Distribuidor de Documentos Fiscais Eletrônicos. Solução DDFe O que é DDFe? 1 DDF-e é um acrônimo para Distribuidor de Documentos Fiscais Eletrônicos. 3 Com isso, agiliza todo o processo das empresas (CNPJ s envolvidos) no monitoramento das notas emitidas

Leia mais

TECNOLOGIAS LOD E A PUBLICAÇÃO E INTERLIGAÇÃO DE ACERVOS DIGITAIS DE ARQUIVOS, BIBLIOTECAS E MUSEUS NA WEB

TECNOLOGIAS LOD E A PUBLICAÇÃO E INTERLIGAÇÃO DE ACERVOS DIGITAIS DE ARQUIVOS, BIBLIOTECAS E MUSEUS NA WEB TECNOLOGIAS LOD E A PUBLICAÇÃO E INTERLIGAÇÃO DE ACERVOS DIGITAIS DE ARQUIVOS, BIBLIOTECAS E MUSEUS NA WEB Seminário BBM de Bibliotecas Digitais, Preservação e Acesso, São Paulo, 13 e 14 de novembro, 2017

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SISTEMA DE BIBLIOTECAS BIBLIOTECA DIGITAL DE PERIÓDICOS DA UFPR

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SISTEMA DE BIBLIOTECAS BIBLIOTECA DIGITAL DE PERIÓDICOS DA UFPR UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SISTEMA DE BIBLIOTECAS BIBLIOTECA DIGITAL DE PERIÓDICOS DA UFPR DIRETRIZES PARA ATRIBUIÇÃO DO DIGITAL OBJECT IDENTIFIER AOS PERIÓDICOS HOSPEDADOS NA BIBLIOTECA DIGITAL DE

Leia mais

PODCAST: UMA PROPOSTA DE DESCRIÇÃO POR MEIO DE PADRÕES DE METADADOS

PODCAST: UMA PROPOSTA DE DESCRIÇÃO POR MEIO DE PADRÕES DE METADADOS PODCAST: UMA PROPOSTA DE DESCRIÇÃO POR MEIO DE PADRÕES DE METADADOS METADADOS O termo metadados é definido como dados sobre dados e é usado por diversas áreas com o objetivo de tratar recursos informacionais

Leia mais

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL PCI/ MCT/ INPE RELATÓRIO FINAL DE ATIVIDADES

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL PCI/ MCT/ INPE RELATÓRIO FINAL DE ATIVIDADES PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL PCI/ MCT/ INPE RELATÓRIO FINAL DE ATIVIDADES Número do Processo Individual: 385210/2006-0 Nome do bolsista: Lise Christine Banon Orientador da bolsa: José Carlos Neves

Leia mais

TCI Sistemas Integrados

TCI Sistemas Integrados TCI Sistemas Integrados Manual Gera arquivo Prefeitura 1 Índice 1 - Cadastros obrigatórios para Gerar Arquivo para Prefeitura...3 2 Gerar Arquivo...8 3 Retorno Arquivo Prefeitura...19 2 1 Cadastros obrigatórios

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO DE CONSULTÓRIO MÉDICO

DOCUMENTAÇÃO SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO DE CONSULTÓRIO MÉDICO DOCUMENTAÇÃO SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO DE CONSULTÓRIO MÉDICO SUMÁRIO Parte I Modelagem do Software Documento de Requisitos 1. Introdução 2. Descrição Geral do Sistema 3. Requisitos Funcionais 4. Requisitos

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação a indexação e resumos, julgue os itens a seguir. Julgue os itens subsecutivos, referentes à gestão da informação e do conhecimento. 51 Coerência intraindexador refere-se

Leia mais

EDITAL Nº 01/ 2014 EDITAL DE SELEÇÃO PARA O CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE.

EDITAL Nº 01/ 2014 EDITAL DE SELEÇÃO PARA O CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CARDIOLOGIA E EPIDEMIOLOGIA. UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL (UFRGS) INSTITUTO DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIA EM SAÚDE - IATS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO

Leia mais

BANCO DE DADOS PARA GERENCIAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

BANCO DE DADOS PARA GERENCIAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE BANCO DE DADOS PARA GERENCIAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Ingrid Oliveira Lotfi Bolsista de Inic. Científica, Informática, UFRJ Peter Rudolf Seidl Orientador, Quimica Industrial, Ph.D. RESUMO O projeto

Leia mais

SERVIÇOS WEB. Frankley Gustavo F. Mesquita, Tamiris Souza Fonseca. 27 de junho de 2016

SERVIÇOS WEB. Frankley Gustavo F. Mesquita, Tamiris Souza Fonseca. 27 de junho de 2016 Frankley Gustavo F. Mesquita Tamiris Souza Fonseca 27 de junho de 2016 Sumário 1 2 3 4 5 6 7 8 O padrão Web foi desenvolvido pelo Laboratório Europeu de Física de Partículas (CERN - European Particle Physics

Leia mais

PRESERVAÇÃO DIGITAL DA MEMÓRIA TÉCNICO-CIENTÍFICA DO INPE

PRESERVAÇÃO DIGITAL DA MEMÓRIA TÉCNICO-CIENTÍFICA DO INPE PRESERVAÇÃO DIGITAL DA MEMÓRIA TÉCNICO-CIENTÍFICA DO INPE BANON, G. J. F. *, RIBEIRO, M. L. *, BANON, L. C. A grande inovação da área digital foi a possibilidade de criar com grande facilidade e rapidez,

Leia mais

TUTORIAL SER V 1.1 SUPORTE TÉCNICO

TUTORIAL SER V 1.1 SUPORTE TÉCNICO TUTORIAL SER V 1.1 Este tutorial tem como objetivo mostrar as principais funcionalidades do sistema SER (Sistema Eletrônico de Revistas), o qual é uma versão em português do sistema OJS (Open Journal System).

Leia mais

Introdução a B anco de Dados. INE5206 Introdução à Informática INE/CTC/UFSC Prof. Roberto Willrich

Introdução a B anco de Dados. INE5206 Introdução à Informática INE/CTC/UFSC Prof. Roberto Willrich Introdução a B anco de Dados INE5206 Introdução à Informática INE/CTC/UFSC Prof. Roberto Willrich 1 Introdução Sistema de banco de dados Projetados para gerenciar grandes quantidades de informação Proporcionar

Leia mais

Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados

Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados Introdução Prof. Marcos Alexandruk EMENTA Sistemas gerenciadores de banco de dados; Configurações do ambiente de trabalho; Diferenças entre as diversas plataformas;

Leia mais

Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Ciências Humanas e da Educação Departamento de Biblioteconomia e Gestão da Informação

Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Ciências Humanas e da Educação Departamento de Biblioteconomia e Gestão da Informação PLANO DE ENSINO TECNOLOGIAS APLICADAS À BIBLIOTECAS DIGITAIS Departamento: Biblioteconomia e Gestão da Ano/semestre: 2014/2 Curso: Biblioteconomia Fase: 6ª Disciplina: Tecnologias Aplicadas à Bibliotecas

Leia mais

DF-e Manager Manual de uso Manifestação do destinatário Setembro de 2015

DF-e Manager Manual de uso Manifestação do destinatário Setembro de 2015 DF-e Manager Manual de uso Manifestação do destinatário Setembro de 2015 Copyright 2015 Synchro Solução Fiscal Brasil 1 Conteúdo 1. Introdução... 3 2. A Manifestação do Destinatário no DF-e Manager...

Leia mais

O PADRÃO DE METADADOS DUBLIN CORE: A REPRESENTAÇÃO DESCRITIVA EM HTML 1

O PADRÃO DE METADADOS DUBLIN CORE: A REPRESENTAÇÃO DESCRITIVA EM HTML 1 1 Eixo Temático: Organização e Representação da Informação e do Conhecimento O PADRÃO DE METADADOS DUBLIN CORE: A REPRESENTAÇÃO DESCRITIVA EM HTML 1 Bill Alexander Santos da Silva 2 Juliana Marques do

Leia mais