Banco de Dados II - Bibliotecas Digitais. Gustavo Braz Guilherme Rodrigues Jeferson Lopes Dias Moreli

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Banco de Dados II - Bibliotecas Digitais. Gustavo Braz Guilherme Rodrigues Jeferson Lopes Dias Moreli"

Transcrição

1 Banco de Dados II - Bibliotecas Digitais Gustavo Braz Guilherme Rodrigues Jeferson Lopes Dias Moreli

2 Sumário 1. Introdução 2. Metadados 3. Extensible Markup Language (XML) 4. Dublin Core Metadata Initiative 5. Interoperabilidade 6. Open Archives Initiative (OAI) 7. Open Archives Initiative Protocol for Metadata Harvesting (OAI- PMH) 8. Biblioteca Digital Brasileira de Computação (BDBComp) 9. Biblioteca Digital do Departamento de Computação (BDDECOM) 10. Considerações Finais 11. Referências 12. Perguntas

3 Sumário 1. Introdução 2. Metadados 3. Extensible Markup Language (XML) 4. Dublin Core Metadata Initiative 5. Interoperabilidade 6. Open Archives Initiative (OAI) 7. Open Archives Initiative Protocol for Metadata Harvesting (OAI- PMH) 8. Biblioteca Digital Brasileira de Computação (BDBComp) 9. Biblioteca Digital do Departamento de Computação (BDDECOM) 10. Considerações Finais 11. Referências 12. Perguntas

4 Introdução Biblioteca tradicional: lugar no qual os livros estão organizados e são conservados para oferecer continuidade a produção cultural; Digitalização de documentos: aumento da leitura de documentos por intermédio da tecnologia digital, devido a expansão da internet; Bibliotecas digitais: sistemas eletrônicos de armazenamento de informações. Capaz de extender e ampliar os recursos das bibliotecas convencionais, possibilitando o intercâmbio de informações a nível mundial.

5 Sumário 1. Introdução 2. Metadados 3. Extensible Markup Language (XML) 4. Dublin Core Metadata Initiative 5. Interoperabilidade 6. Open Archives Initiative (OAI) 7. Open Archives Initiative Protocol for Metadata Harvesting (OAI- PMH) 8. Biblioteca Digital Brasileira de Computação (BDBComp) 9. Biblioteca Digital do Departamento de Computação (BDDECOM) 10. Considerações Finais 11. Referências 12. Perguntas

6 Metadados São dados que descrevem outros dados. São dados que descrevem atributos de um recurso. São um conjunto de dados/atributos, estruturados e codificados, baseado em padrões para representar informações de um recurso informacional. São conjuntos de atributos, mais especificamente dados referenciais, que representam o conteúdo informacional de um recurso que pode estar em meio eletrônico ou não.

7 Metadados Não existem somente no mundo digital. Permitem descrever documentos eletrônicos e informações. Permitem gerenciar computadores ou programas e também robôs. A utilização de metadados cresceu com o aumento das publicações eletrônicas. Com o aumento da utilização de metadados surgiu a necessidade de padrões.

8 Exemplos de metadados: localização física; Metadados Número de caixa; Etiqueta de pasta; Sistema de classificação; Tipo de documento; Data; Autor; Assunto;

9 Sumário 1. Introdução 2. Metadados 3. Extensible Markup Language (XML) 4. Dublin Core Metadata Initiative 5. Interoperabilidade 6. Open Archives Initiative (OAI) 7. Open Archives Initiative Protocol for Metadata Harvesting (OAI- PMH) 8. Biblioteca Digital Brasileira de Computação (BDBComp) 9. Biblioteca Digital do Departamento de Computação (BDDECOM) 10. Considerações Finais 11. Referências 12. Perguntas

10 Extensible Markup Language (XML) XML é uma linguagem de marcação simples e flexível criada em 1997, descreve o conteúdo de dados por meio de tags (etiquetas). Linguagem de marcação é um agregado de códigos que podem ser aplicados a dados ou textos para serem lidos por computadores. São dados semi-estruturados. Possui uma estrutura flexível. Linguagem de fácil compreensão por seres humanos.

11 Extensible Markup Language (XML) Document Type Definition (DTD) XML

12 XML no Contexto de Bibliotecas Digitais A estrutura e marcação de um documento XML melhora a identificação semântica dos conteúdos. Facilita herança de documentos de bibliotecas já existentes, sem modificar o documento fonte. Aumenta a velocidade de recuperação de informação em bibliotecas digitais. Os metadados podem ser explicitamente lidos das etiquetas XML. Comparado com o HTML, a XML tem maior versatilidade.

13 XML no Contexto de Bibliotecas Digitais <?xml version="1.0"?> <metadata xmlns=" xmlns:xsi=" xsi:schemalocation=" xmlns:dc=" <dc:title> UKOLN </dc:title> <dc:description> UKOLN is a national focus of expertise in digital information management. It provides policy, research and awareness services to the UK library, information and cultural heritage communities. UKOLN is based at the University of Bath. </dc:description> <dc:publisher> UKOLN, University of Bath </dc:publisher> <dc:identifier> </dc:identifier> </metadata>

14 Sumário 1. Introdução 2. Metadados 3. Extensible Markup Language (XML) 4. Dublin Core Metadata Initiative 5. Interoperabilidade 6. Open Archives Initiative (OAI) 7. Open Archives Initiative Protocol for Metadata Harvesting (OAI- PMH) 8. Biblioteca Digital Brasileira de Computação (BDBComp) 9. Biblioteca Digital do Departamento de Computação (BDDECOM) 10. Considerações Finais 11. Referências 12. Perguntas

15 Dublin Core É um conjunto de metadados planejados para facilitar a descrição de documentos na Web. O Dublin Core simples inclui quinze elementos. Alguns deles são: Title, Creator, Subject, Description, Publisher e Contributor. Formato de simples utilização. Fornece recursos necessários para descrever, identificar, localizar, recuperar e filtrar documentos digitais publicados na rede. Simplicidade de criação e manutenção: conjunto pequeno de metados.

16 Dublin Core Interoperabilidade semântica: a simples semântica provê entendimento comum em âmbito mundial. Escopo internacional: gera um desenvolvimento comunitário em nível mundial. Extensibilidade: fornece um mecanismo para extender o conjunto de elementos. Permite interoperabilidade de dados de forma consistente e padronizada.

17 Dublin Core Dublin Core Simples: Metadado Descrição Title Creator Subject Description Nome dado ao recurso. Entidade principalmente responsável por criar o conteúdo do recurso. Tópico do conteúdo do recurso. Tipicamente, uma palavra-chave. Descrição do conteúdo do recurso. Dublin Core Qualificado: Metadado DateAccepted Alternative Alternative Descrição Data de aceitação. Por exemplo, em um congresso. Título alternativo ao título original do recurso. Versão de algum trabalho já existente. Por exemplo, uma paródia de uma música.

18 Sumário 1. Introdução 2. Metadados 3. Extensible Markup Language (XML) 4. Dublin Core Metadata Initiative 5. Interoperabilidade 6. Open Archives Initiative (OAI) 7. Open Archives Initiative Protocol for Metadata Harvesting (OAI- PMH) 8. Biblioteca Digital Brasileira de Computação (BDBComp) 9. Biblioteca Digital do Departamento de Computação (BDDECOM) 10. Considerações Finais 11. Referências 12. Perguntas

19 Interoperabilidade Interoperabilidade é a capacidade das bibliotecas digitais trocarem e compartilharem documentos, consultas e serviços. Atavés dessa troca e compartilhamento são realizadas interações entre os sistemas das bibliotecas digitais. A chave para a interoperabilidade está na consistência a qual é alcançada através do uso de certos padrões. Tem como objetivo disponibilizar serviços coerentes aos usuários, isto requer cooperação em três níveis: Técnico Conteúdo Organizacional

20 Interoperabilidade A interoperabilidade é o aspecto fundamental para as bibliotecas digitais. Para que a interoperabilidade aconteça, é necessário reunir informações padronizadas que vão auxiliar o relacionamento entre dados.

21 Sumário 1. Introdução 2. Metadados 3. Extensible Markup Language (XML) 4. Dublin Core Metadata Initiative 5. Interoperabilidade 6. Open Archives Initiative (OAI) 7. Open Archives Initiative Protocol for Metadata Harvesting (OAI- PMH) 8. Biblioteca Digital Brasileira de Computação (BDBComp) 9. Biblioteca Digital do Departamento de Computação (BDDECOM) 10. Considerações Finais 11. Referências 12. Perguntas

22 Open Archives Initiative (OAI) Objetivo de criar uma arquitetura tecnológica padronizada que sustente a interoperabilidade entre bibliotecas digitais. Foi criada para minimizar o problema de troca de metadados entre diferentes bibliotecas digitais. Facilita a disseminação dos artigos científicos. No contexto da Open Archives Initiative, foram desenvolvidas tecnologias, padrões e metodologias para publicação e disponibilização.

23 Sumário 1. Introdução 2. Metadados 3. Extensible Markup Language (XML) 4. Dublin Core Metadata Initiative 5. Interoperabilidade 6. Open Archives Initiative (OAI) 7. Open Archives Initiative Protocol for Metadata Harvesting (OAI- PMH) 8. Biblioteca Digital Brasileira de Computação (BDBComp) 9. Biblioteca Digital do Departamento de Computação (BDDECOM) 10. Considerações Finais 11. Referências 12. Perguntas

24 Open Archives Initiative Protocol for Metadata Harvesting (OAI-PMH) Protocolo desenvolvido pela Open Archives Initiative. Utilizado para distribuir e coletar (Harvesting) metadados principalmente relativos a descritores de documentos. O protocolo tem como finalidade facilitar o compartilhamento de metadados.

25 Open Archives Initiative Protocol for Metadata Harvesting (OAI-PMH) Há duas classes de participantes no âmbito do protocolo OAI- PMH: 1. Provedores de Dados - mantêm repositórios de documentos digitais que implementam o protocolo OAI como forma de expor os metadados de seus documentos. 2. Provedores de serviço - oferecem buscas a metadados, pois coletam, organizam e disponibilizam estes a m de agregar valor à Iniciativa.

26 Open Archives Initiative Protocol for Metadata Harvesting (OAI-PMH) O protocolo OAI-PMH apresenta 6 verbos, utilizados para recuperar as informações. Elemento Identify ListMetadata- Formats GetRecord Descrição Utilizado para recuperar as informações sobre os provedores de dados. A resposta mínima esperada consiste em: nome do provedor de dados, endereço do repositório (URL), versão do protocolo e endereço eletrônico do administrador do repositório. Recupera os formatos de metadados disponíveis no repositório. O formato padrão é Dublin Core. Recupera um único registro do repositório. Deve-se especificar o formato dos metadados, cujo padrão é Dublin Core, e o identificador do registro (Identifier), que é único na comunidade OAI. ListRecords ListIdentifiers ListSets Realiza a colheita dos metadados do repositório. É uma versão abreviada do verbo ListRecords, que retorna apenas os cabeçalhos dos registros. Lista a estrutura do repositório.

27 Open Archives Initiative Protocol for Metadata Harvesting (OAI-PMH) Metadata Harvesting

28 Sumário 1. Introdução 2. Metadados 3. Extensible Markup Language (XML) 4. Dublin Core Metadata Initiative 5. Interoperabilidade 6. Open Archives Initiative (OAI) 7. Open Archives Initiative Protocol for Metadata Harvesting (OAI- PMH) 8. Biblioteca Digital Brasileira de Computação (BDBComp) 9. Biblioteca Digital do Departamento de Computação (BDDECOM) 10. Considerações Finais 11. Referências 12. Perguntas

29 Biblioteca Digital Brasileira de Computação (BDBComp) Tem por finalidade prestar serviços de informações à comunidade da área de Informática e Computação. Foi criada com o objetivo de: arquivar; organizar; preservar dados digitais; disseminar o conhecimento cientíco. A arquitetura da BDBComp compreende 3 camadas: Interfaces; Services; Repositories.

30 Biblioteca Digital Brasileira de Computação (BDBComp) Arquitetura da BDBComp

31 Biblioteca Digital Brasileira de Computação (BDBComp) Esquema Conceitual da BDBComp

32 XML de exemplo da BDBComp Biblioteca Digital Brasileira de Computação (BDBComp)

33 Sumário 1. Introdução 2. Metadados 3. Extensible Markup Language (XML) 4. Dublin Core Metadata Initiative 5. Interoperabilidade 6. Open Archives Initiative (OAI) 7. Open Archives Initiative Protocol for Metadata Harvesting (OAI- PMH) 8. Biblioteca Digital Brasileira de Computação (BDBComp) 9. Biblioteca Digital do Departamento de Computação (BDDECOM) 10. Considerações Finais 11. Referências 12. Perguntas

34 Biblioteca Digital do Departamento de Computação (BDDECOM) Possibilita o armazenamento e a consulta de trabalhos monográficos produzidos por alunos do Curso de Ciência da computação. Tem o objetivo de armazenar, organizar e divulgar os trabalhos. Aumentar a visibilidade do curso de Ciência da Computação. Possibilitar a interoperabilidade entre bibliotecas digitais.

35 Biblioteca Digital do Departamento de Computação (BDDECOM) Mapeamento do Dublin Core simples para a BDDECOM

36 Biblioteca Digital do Departamento de Computação (BDDECOM) Mapeamento do Dublin Core qualificado para a BDDECOM

37 Biblioteca Digital do Departamento de Computação (BDDECOM) Esquema Conceitual da BDDECOM

38 Biblioteca Digital do Departamento de Computação (BDDECOM) XML BDDCOM

39 Sumário 1. Introdução 2. Metadados 3. Extensible Markup Language (XML) 4. Dublin Core Metadata Initiative 5. Interoperabilidade 6. Open Archives Initiative (OAI) 7. Open Archives Initiative Protocol for Metadata Harvesting (OAI- PMH) 8. Biblioteca Digital Brasileira de Computação (BDBComp) 9. Biblioteca Digital do Departamento de Computação (BDDECOM) 10. Considerações Finais 11. Referências 12. Perguntas

40 Considerações Finais Bibliotecas Digitais estendem e ampliam recursos de uma biblioteca convencional. Bibliotecas Digitais organizam e garantem persistência. Bibliotecas Digitais seguem padrões internacionais. Bibliotecas Digitais possibilitam o intercâmbio de informações a nível mundial. Bibliotecas Digitais disseminam produções científicas. Bibliotecas Digitais evitam replicações

41 Sumário 1. Introdução 2. Metadados 3. Extensible Markup Language (XML) 4. Dublin Core Metadata Initiative 5. Interoperabilidade 6. Open Archives Initiative (OAI) 7. Open Archives Initiative Protocol for Metadata Harvesting (OAI- PMH) 8. Biblioteca Digital Brasileira de Computação (BDBComp) 9. Biblioteca Digital do Departamento de Computação (BDDECOM) 10. Considerações Finais 11. Referências 12. Perguntas

42 Referências 1. Gustavo H. B. Silva. Proposta de uma Biblioteca Digital para Trabalhos Monográficos do Departamento de Computação da Universidade Federal de Ouro Preto. Monografia. UFOP 2. Pablo A. Robert. The Web-DL Environment for Building Digital Libraries from the Web. artigo, publicado na Joint Conference on Digital Libraries, R.C.V. Alves. Web semântica: uma análise focada no uso de metadados. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) Universidade Estadual Paulista, Celeste Magela Campos da Silva e Guilherme Tavarez de Assis. Proposta de uma biblioteca digital para trabalhos monográficos Jakob Nielsen Hoa Loranger. Usabilidade na Web - Projetando Websites com qualidade. Editora CAMPUS, 2007.

43 Sumário 1. Introdução 2. Metadados 3. Extensible Markup Language (XML) 4. Dublin Core Metadata Initiative 5. Interoperabilidade 6. Open Archives Initiative (OAI) 7. Open Archives Initiative Protocol for Metadata Harvesting (OAI- PMH) 8. Biblioteca Digital Brasileira de Computação (BDBComp) 9. Biblioteca Digital do Departamento de Computação (BDDECOM) 10. Considerações Finais 11. Referências 12. Perguntas

44 Perguntas

Weslley da Silva Fernandes Mathias

Weslley da Silva Fernandes Mathias Weslley da Silva Fernandes Mathias 1 Biblioteca digital é a biblioteca constituída por documentos primários, que são digitalizados sob a forma material (disquetes, CD-ROM, DVD), ou online através da internet,

Leia mais

Um Provedor de Dados para Bibliotecas Digitais Compatível com o Padrão OAI 1

Um Provedor de Dados para Bibliotecas Digitais Compatível com o Padrão OAI 1 Um Provedor de Dados para Bibliotecas Digitais Compatível com o Padrão OAI 1 Diego Fraga Contessa, Daniel Lazzarotto, José Palazzo Moreira de Oliveira Instituto de Informática Universidade Federal do Rio

Leia mais

Repositórios Digitais: Gestão e Compartilhamento da Informação. Dr. Divino Ignacio Ribeiro Jr

Repositórios Digitais: Gestão e Compartilhamento da Informação. Dr. Divino Ignacio Ribeiro Jr Repositórios Digitais: Gestão e Compartilhamento da Informação Dr. Divino Ignacio Ribeiro Jr Objetivos Agenda Quem somos? Repositórios Digitais Bibliotecas Digitais Tecnologias Gestão e Compartilhamento

Leia mais

Proposta de uma Biblioteca Digital para Documentos Técnico-cientícos do Departamento de Computação da Universidade Federal de Ouro Preto

Proposta de uma Biblioteca Digital para Documentos Técnico-cientícos do Departamento de Computação da Universidade Federal de Ouro Preto Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas - ICEB Departamento de Computação - DECOM Proposta de uma Biblioteca Digital para Documentos Técnico-cientícos do Departamento

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br. Prof. José Maurício S. Pinheiro UniFOA 2009-2

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br. Prof. José Maurício S. Pinheiro UniFOA 2009-2 PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Tecnologias WEB Web 3.0 Prof. José Maurício S. Pinheiro UniFOA 2009-2 Conceitos As pessoas geram o conhecimento; A informação é a matéria prima na geração de

Leia mais

ABD Arquivos e Bibliotecas Digitais

ABD Arquivos e Bibliotecas Digitais ABD Arquivos e Bibliotecas Digitais Abril 2008 Parte VII Dublin Core Fontes dublincore.org/ http://dublincore.org/usage/documents/principles/ http://dublincore.org/documents/dc-rdf/ Objectivo do Dublin

Leia mais

- Campus Salto. Disciplina: Sistemas de Arquivos Docente: Fernando Santorsula E-mail: fernandohs@ifsp.edu.br

- Campus Salto. Disciplina: Sistemas de Arquivos Docente: Fernando Santorsula E-mail: fernandohs@ifsp.edu.br Disciplina: Sistemas de Arquivos Docente: Fernando Santorsula E-mail: fernandohs@ifsp.edu.br Sistemas de Arquivos- Parte 2 Pontos importantes de um sistema de arquivos Vários problemas importantes devem

Leia mais

Biblioteca Digital da SBC: Disponibilizando os Artigos do JEMS Através de um Provedor de Dados Compatível com OAI *

Biblioteca Digital da SBC: Disponibilizando os Artigos do JEMS Através de um Provedor de Dados Compatível com OAI * Biblioteca Digital da SBC: Disponibilizando os Artigos do JEMS Através de um Provedor de Dados Compatível com OAI * Diego Fraga Contessa, José Palazzo Moreira de Oliveira Instituto de Informática Universidade

Leia mais

Desafios da Implantação da IDE.Bahia. Iara Musse Felix Murilo Oliveira Diego Mendes Rodrigues

Desafios da Implantação da IDE.Bahia. Iara Musse Felix Murilo Oliveira Diego Mendes Rodrigues Desafios da Implantação da IDE.Bahia Iara Musse Felix Murilo Oliveira Diego Mendes Rodrigues Salvador, 16 de Dezembro de 2014 O Contexto de Desenvolvimento do Projeto Qualidade e completude das especificações

Leia mais

Avaliação da acessibilidade da página web do Portal de Busca Integrada SIBiUSP

Avaliação da acessibilidade da página web do Portal de Busca Integrada SIBiUSP Powered by TCPDF (www.tcpdf.org) Avaliação da acessibilidade da página web do Portal de Busca Integrada SIBiUSP Ana Paula Aparecida Calabrez (PUSP-SC/USP) - aninha@sc.usp.br Maria Cristina Cavarette Dziabas

Leia mais

Proposta de uma Biblioteca Digital para Trabalhos Monográficos

Proposta de uma Biblioteca Digital para Trabalhos Monográficos Proposta de uma Biblioteca Digital para Trabalhos Monográficos Celeste Magela Campos da Silva Guilherme Tavares de Assis Centro Universitário de Belo Horizonte (Uni-BH) Resumo - Este artigo apresenta a

Leia mais

1.1. Definição do Problema

1.1. Definição do Problema 13 1 Introdução Uma das principais preocupações de área de engenharia de software diz respeito à reutilização [1]. Isso porque a reutilização no contexto de desenvolvimetno de software pode contribuir

Leia mais

Título : B1 INTRODUÇÃO. Conteúdo : INTRODUÇÃO

Título : B1 INTRODUÇÃO. Conteúdo : INTRODUÇÃO Título : B1 INTRODUÇÃO Conteúdo : INTRODUÇÃO O termo documentação tornou se um conceito básico nos negócios, na administração, na ciência e na tecnologia da informação. A modelagem nada mais é que uma

Leia mais

Ações para a preservação e acesso à memória brasileira de arquitetura e urbanismo - projeto de digitalização da revista acrópole

Ações para a preservação e acesso à memória brasileira de arquitetura e urbanismo - projeto de digitalização da revista acrópole Powered by TCPDF (www.tcpdf.org) Ações para a preservação e acesso à memória brasileira de arquitetura e urbanismo - projeto de digitalização da revista acrópole Marcia Rosetto (USP) - mrosetto@usp.br

Leia mais

Orientações Para o Preenchimento do Formulário de Inscrição Preliminar dos Projetos

Orientações Para o Preenchimento do Formulário de Inscrição Preliminar dos Projetos Orientações Para o Preenchimento do Formulário de Inscrição Preliminar dos Projetos O presente documento tem como objetivo apresentar as diretrizes e orientar no preenchimento do formulário de inscrição

Leia mais

Sumário. 4 Introdução. 4 Definições. 4 Utilização. 4 Padrões. 4 Conclusão. 4 Os padrões permitem 4 Padrões USMARC 4 Padrões Dublin Core

Sumário. 4 Introdução. 4 Definições. 4 Utilização. 4 Padrões. 4 Conclusão. 4 Os padrões permitem 4 Padrões USMARC 4 Padrões Dublin Core Sumário 4 Introdução 4 Definições 4 Utilização 4 Padrões 4 Os padrões permitem 4 Padrões USMARC 4 Padrões Dublin Core 4 Conclusão Introdução 4 A constante evolução da área de informática, permite com que

Leia mais

CTIC - Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Tecnologias. Digitais para Informação e Comunicação CHAMADA DE PROJETOS. Computação em Nuvem

CTIC - Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Tecnologias. Digitais para Informação e Comunicação CHAMADA DE PROJETOS. Computação em Nuvem CTIC - Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Tecnologias Digitais para Informação e Comunicação CHAMADA DE PROJETOS Computação em Nuvem O Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Tecnologias Digitais

Leia mais

O profissional da informação e o papel de educador em uma Escola Técnica de Porto Alegre-RS

O profissional da informação e o papel de educador em uma Escola Técnica de Porto Alegre-RS Powered by TCPDF (www.tcpdf.org) O profissional da informação e o papel de educador em uma Escola Técnica de Porto Alegre-RS Luciane Berto Benedetti (GHC) - lucianeberto@yahoo.com.br Resumo: Relata a experiência

Leia mais

Documento de Requisitos do Sistema SISFOTO Sistema de gerenciamento de eventos fotográficos Versão 1.0

Documento de Requisitos do Sistema SISFOTO Sistema de gerenciamento de eventos fotográficos Versão 1.0 SISFOTO Sistema de Gerenciamento de Eventos Fotográficos do Sistema SISFOTO Sistema de gerenciamento de eventos fotográficos Versão 1.0 Histórico de Alterações Data Versão Descrição Autor 17/10/2014 1.0

Leia mais

GESTÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO

GESTÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO GESTÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO Aula 3 Descrição Arquivística Formas de descrição de documentos e acervos. Os instrumentos de pesquisa. O perfil de metadados. Aplicando os instrumentos de pesquisa: divulgação,

Leia mais

Relatório Técnico: Descrição do algoritmo para pesquisa automática dos egressos do curso de Ciência da Computação

Relatório Técnico: Descrição do algoritmo para pesquisa automática dos egressos do curso de Ciência da Computação Universidade Federal de Campina Grande Centro de Engenharia Elétrica e Informática Departamento de Ciências da Computação Laboratório de Engenharia de Software Relatório Técnico: Descrição do algoritmo

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 6 Slide 1 Objetivos Descrever requisitos funcionais e não funcionais Explicar como os requisitos de software podem

Leia mais

Desenvolvendo Competências dos Alunos de Pós-graduação da Unidade Acadêmica de Garanhuns da UFRPE: da pesquisa a elaboração de trabalhos acadêmicos.

Desenvolvendo Competências dos Alunos de Pós-graduação da Unidade Acadêmica de Garanhuns da UFRPE: da pesquisa a elaboração de trabalhos acadêmicos. Powered by TCPDF (www.tcpdf.org) Desenvolvendo Competências dos Alunos de Pós-graduação da Unidade Acadêmica de Garanhuns da UFRPE: da pesquisa a elaboração de trabalhos acadêmicos. Elisabeth da Silva

Leia mais

NORMAS A UTILIZAR NO ÂMBITO DA REDE PORTUGUESA DE ARQUIVOS

NORMAS A UTILIZAR NO ÂMBITO DA REDE PORTUGUESA DE ARQUIVOS NORMAS A UTILIZAR NO ÂMBITO DA REDE PORTUGUESA DE ARQUIVOS As normas a utilizar no âmbito da RPA podem agrupar-se da nas seguintes classes: 1. Conteúdos - Documentação e outros recursos Identificador:

Leia mais

O Repositório Institucional UNESP: compartilhando experiências e desafios

O Repositório Institucional UNESP: compartilhando experiências e desafios O Repositório Institucional UNESP: compartilhando experiências e desafios Introdução Repositório da Produção Científica do CRUESP Lançamento em outubro de 2013 Portaria UNESP 88, de 28 fev. 2013, que instituiu

Leia mais

Modelo cooperativo de publicação Eletrônica em paises em Desenvolvimento. Solange Santos Unidade SciELO BIREME/OPS/OMS

Modelo cooperativo de publicação Eletrônica em paises em Desenvolvimento. Solange Santos Unidade SciELO BIREME/OPS/OMS Modelo cooperativo de publicação Eletrônica em paises em Desenvolvimento Solange Santos Unidade SciELO BIREME/OPS/OMS Scientific Electronic Library Online Biblioteca Científica Electrónica em Linha Lançado

Leia mais

Dispositivos Externos

Dispositivos Externos Dispositivos Externos Guia do Usuário Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. As informações contidas neste documento estão sujeitas a alterações sem aviso. As únicas garantias para produtos

Leia mais

1. Definir penalidade a ser aplicada por arquivo indevido em pasta corporativa.

1. Definir penalidade a ser aplicada por arquivo indevido em pasta corporativa. Objetivo Estabelecer critérios e procedimentos padronizados necessários para utilização e controle em Backup dos arquivos e pastas de equipamentos, rede física e lógica, softwares corporativos e informações

Leia mais

POLÍTICA INFORMACIONAL DO REPOSITÓRIO INSTITUCIONAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ

POLÍTICA INFORMACIONAL DO REPOSITÓRIO INSTITUCIONAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ POLÍTICA INFORMACIONAL DO REPOSITÓRIO INSTITUCIONAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ 1 O Repositório Institucional da UNIFEI é um conjunto de serviços oferecidos pela Biblioteca Mauá para a gestão e

Leia mais

Qualidade de Produto. Maria Cláudia F. P. Emer

Qualidade de Produto. Maria Cláudia F. P. Emer Qualidade de Produto Maria Cláudia F. P. Emer Introdução Qualidade diretamente ligada ao produto final Controle de qualidade Adequação do produto nas fases finais no processo de produção Software Atividades

Leia mais

Proposta de uma Biblioteca Digital para Trabalhos Monográcos do Departamento de Computação da Universidade Federal de Ouro Preto

Proposta de uma Biblioteca Digital para Trabalhos Monográcos do Departamento de Computação da Universidade Federal de Ouro Preto Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas - ICEB Departamento de Computação - DECOM Proposta de uma Biblioteca Digital para Trabalhos Monográcos do Departamento

Leia mais

Faculdade de Odontologia de Piracicaba DPQ

Faculdade de Odontologia de Piracicaba DPQ Faculdade de Odontologia de Piracicaba DPQ A QUALIDADE DE UM PERIÓDICO CIENTÍFICO Profa Dra Dagmar de Paula Queluz Professora Associada da FOP - UNICAMP Especialista em Saúde Coletiva - EUA Especialista

Leia mais

Arquitetura de Banco de Dados

Arquitetura de Banco de Dados Arquitetura de Banco de Dados Modelos de Dados Alto Nível Utilizam conceitos tais como Entidades, Atributos e Relacionamentos. Uma entidade é um objeto que é representado na base de dados. Um atributo

Leia mais

Introdução. Qualidade de Produto. Introdução. Introdução ISO/IEC 9126. Normas

Introdução. Qualidade de Produto. Introdução. Introdução ISO/IEC 9126. Normas Qualidade de Produto Maria Cláudia F.P. Emer Introdução z Qualidade diretamente ligada ao produto final z Controle de qualidade Adequação do produto nas fases finais no processo de produção z Software

Leia mais

OpenPDV: Sistema aberto para gerenciamento de restaurantes

OpenPDV: Sistema aberto para gerenciamento de restaurantes Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística INE5638 Introdução a Projetos Orientador: José Eduardo de Lucca OpenPDV: Sistema aberto para gerenciamento de restaurantes

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software

Processo de Desenvolvimento de Software Processo de Desenvolvimento de Software Programação Orientada a Objetos Prof. Francisco de Assis S. Santos, Dr. São José, 2015. Processo de Desenvolvimento de Software O desenvolvimento de software é uma

Leia mais

Periódicos científicos eletrônicos e critérios de qualificação da comunicação científica Ana Gruszynski

Periódicos científicos eletrônicos e critérios de qualificação da comunicação científica Ana Gruszynski Periódicos científicos eletrônicos e critérios de qualificação da comunicação científica Ana Gruszynski Em fase de consolidação, o processo de edição e publicação on line abrange aspectos particulares

Leia mais

Banco de Dados. Banco de Dados. Conceitos Básicos. Banco de Dados SGBD SGBD. Fundamentos. Fernando Fonseca Ana Carolina.

Banco de Dados. Banco de Dados. Conceitos Básicos. Banco de Dados SGBD SGBD. Fundamentos. Fernando Fonseca Ana Carolina. Banco de Dados Banco de Dados Fundamentos Fernando Fonseca Ana Carolina Ana Carolina Salgado acs@cin.ufpe.br www.cin.ufpe.br/~acs Fernando Fonseca fdfd@cin.ufpe.br www.cin.ufpe.br/~fdfd Banco de Dados

Leia mais

Universidade Federal de Pernambuco Centro de Artes e Comunicação Departamento de Ciência da Informação. Informação digital. Fábio Mascarenhas e Silva

Universidade Federal de Pernambuco Centro de Artes e Comunicação Departamento de Ciência da Informação. Informação digital. Fábio Mascarenhas e Silva Universidade Federal de Pernambuco Centro de Artes e Comunicação Departamento de Ciência da Informação Informação digital Fábio Mascarenhas e Silva fabiomascarenhas@yahoo.com.br 05julho2007 PARTE II FOLHA

Leia mais

Proporcionar a modelagem de sistemas utilizando todos os conceitos da orientação a objeto;

Proporcionar a modelagem de sistemas utilizando todos os conceitos da orientação a objeto; Módulo 7 UML Na disciplina de Estrutura de Sistemas de Informação, fizemos uma rápida passagem sobre a UML onde falamos da sua importância na modelagem dos sistemas de informação. Neste capítulo, nos aprofundaremos

Leia mais

Como Fazer uma Monografia

Como Fazer uma Monografia Como Fazer uma Monografia Profa. Mara Abel Instituto de Informática / UFRGS marabel@inf.ufrgs.br O que é uma monografia? A descrição, através de um texto com formato pré-definido, dos resultados obtidos

Leia mais

Manual do Usuário. E-DOC Peticionamento Eletrônico TST

Manual do Usuário. E-DOC Peticionamento Eletrônico TST E-DOC Peticionamento APRESENTAÇÃO O Sistema Integrado de Protocolização e Fluxo de Documentos s e-doc é uma ferramenta informatizada que propicia o peticionamento e a transmissão de documentos por meio

Leia mais

Ambientes Virtuais e Mídias de Comunicação: Tarefa A Aluno: Maykon Dos Santos Marinho 1. Relação do itens principais

Ambientes Virtuais e Mídias de Comunicação: Tarefa A Aluno: Maykon Dos Santos Marinho 1. Relação do itens principais Ambientes Virtuais e Mídias de Comunicação: Tarefa A Aluno: Maykon Dos Santos Marinho 1. Relação do itens principais A interface está presente nos ambientes virtuais e nas mídias utilizadas em cursos EAD

Leia mais

Sumário. 3 Estruturas das bases de

Sumário. 3 Estruturas das bases de Sumário 1 Tipos de bases de dados (BDs) 1.1 BDsreferências 1.1.1 BDsbibliográficos 1.1.1.1 Chaves de recuperação 1.1.2 BDs catalográficos 1.1.3 BDsreferenciais 1.2 BDsde fontes 2 Produtos das bases de

Leia mais

aumento de custos de armazenamento e acesso performance baixa incoerência de informações nas alterações de dados

aumento de custos de armazenamento e acesso performance baixa incoerência de informações nas alterações de dados Modelagem de Dados A Informática é a Ciência da Informação. Os computadores e programas surgiram devido à necessidade de manipular informações de forma cada vez mais eficiente e veloz. As informações são

Leia mais

Glossário Versão 1.0 Desenvolvimento do Sistema de Gestão de Documentos Doc Manager Histórico de Revisão

Glossário Versão 1.0 Desenvolvimento do Sistema de Gestão de Documentos Doc Manager Histórico de Revisão Glossário Versão 1.0 Desenvolvimento do Sistema de Gestão de Documentos Doc Manager Cliente: São José Agroindustrial Representante do cliente: Paulo José de Souza Histórico de Revisão 1 Data Versão Descrição

Leia mais

Introdução de XML. Dados da Web. Gerência de Dados da Web. A Web representa, nos dias de hoje, um repositório universal de dados, onde:

Introdução de XML. Dados da Web. Gerência de Dados da Web. A Web representa, nos dias de hoje, um repositório universal de dados, onde: Dados da Web Introdução de XML Banco de Dados II Prof. Guilherme Tavares de Assis Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB Departamento de Computação DECOM

Leia mais

Avaliação da Satisfação do Cliente de Informática

Avaliação da Satisfação do Cliente de Informática Avaliação da Satisfação do Cliente de Informática JULIANO MAIA ARINS Orientador: Everaldo Artur Grahl Roteiro de Apresentação Introdução Objetivos Qualidade de Software Qualidade Princípios da Qualidade

Leia mais

Escola Superior de Redes

Escola Superior de Redes Escola Superior de Redes Por que uma Escola Superior de Redes? Capacitação em TIC é um dos objetivos do Programa Prioritário de Informática do MCT/SEPIN (PPI RNP). A ESR é um novo instrumento na realização

Leia mais

Segurança para Serviços Web no Ambiente pipes-br

Segurança para Serviços Web no Ambiente pipes-br UNIVERSIDADE SALVADOR- UNIFACS PLANO DE TRABALHO EM INICIAÇÃO CIENTÍFICA Segurança para Serviços Web no Ambiente pipes-br Bruno Oliveira Xavier de Souza José Augusto Suruagy Monteiro Salvador 03/05/2006

Leia mais

Introdução a Banco de Dados. INTRODUÇÃO

Introdução a Banco de Dados. INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO O termo banco de dados é bastante popular em diversas áreas de atuação. Com o aumento da utilização de computadores na manipulação de dados que envolvem diversas aplicações, os bancos de dados

Leia mais

XML - Extensible Markup Language

XML - Extensible Markup Language Por Sergio Crespo XML - Extensible Markup Language Extensible Markup Language (XML) é linguagem de marcação de dados (meta-markup language) que provê um formato para descrever dados estruturados. Isso

Leia mais

Recuperação Contextualizada de Documentos Integrados pelo Protocolo OAI-PMH

Recuperação Contextualizada de Documentos Integrados pelo Protocolo OAI-PMH UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE INFORMÁTICA RENAN RODRIGUES DE OLIVEIRA Recuperação Contextualizada de Documentos Integrados pelo Protocolo OAI-PMH Goiânia 2010 RENAN RODRIGUES DE OLIVEIRA Recuperação

Leia mais

Aplicação do ICA-AtoM no acervo fotográfico do Departamento de Arquivo Geral da UFSM

Aplicação do ICA-AtoM no acervo fotográfico do Departamento de Arquivo Geral da UFSM 2º SEMINÁRIO DE ENSINO EM ARQUIVOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL Aplicação do ICA-AtoM no acervo fotográfico do Departamento de Arquivo Geral da UFSM Acadêmico: Henrique Machado dos Santos Orientador: Prof

Leia mais

Instruções para elaboração de TCC ANÁLISE DE MERCADO

Instruções para elaboração de TCC ANÁLISE DE MERCADO INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA PROGRAMAS CERTIFICATES Instruções para elaboração de TCC ANÁLISE DE MERCADO Estas instruções para elaboração de TCC do tipo Melhoria de Processo possuem três tópicos:

Leia mais

Arquiteturas para Sistemas Distribuídos I

Arquiteturas para Sistemas Distribuídos I Arquiteturas para Sistemas Distribuídos I Pedro Ferreira Departamento de Informática Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa Tópicos Estilos Arquiteturais: formas de desenhar o software do SD Organização

Leia mais

Projeto Integrador Gestão em TI II Gestão em Pessoas. Organograma DIRETOR DEPARTAMENTO DE T.I ANALISTA TÉCNICO

Projeto Integrador Gestão em TI II Gestão em Pessoas. Organograma DIRETOR DEPARTAMENTO DE T.I ANALISTA TÉCNICO Projeto Integrador Gestão em TI II Gestão em Pessoas Organograma - Gráfico da estrutura hierárquica de uma organização social complexa, que representa simultaneamente os diferentes elementos do grupo e

Leia mais

ARQUITETURA DA INFORMAÇÃO PARA BIBLIOTECA DIGITAL PERSONALIZÁVEL INFORMATION ARCHITECTURE FOR CUSTOMIZATION DIGITAL LIBRARY

ARQUITETURA DA INFORMAÇÃO PARA BIBLIOTECA DIGITAL PERSONALIZÁVEL INFORMATION ARCHITECTURE FOR CUSTOMIZATION DIGITAL LIBRARY ARQUITETURA DA INFORMAÇÃO PARA BIBLIOTECA DIGITAL PERSONALIZÁVEL INFORMATION ARCHITECTURE FOR CUSTOMIZATION DIGITAL LIBRARY Liriane Soares de Araújo de Camargo Mestre em Ciência da Informação, UNESP, Marília,

Leia mais

e-nota G Módulo de Guarda da Nota Fiscal eletrônica

e-nota G Módulo de Guarda da Nota Fiscal eletrônica Página1 e-nota G Módulo de Guarda da Nota Fiscal eletrônica Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa Página2 Índice 1. Safeweb e-nota G... 03 2. O que é XML... 04 3. Acesso e-nota G... 06

Leia mais

Programa. Sumário. Introdução. 1. O que é um Banco de Dados? DCC011: Introdução a Banco de Dados. Sistema de Gerência de Banco de Dados

Programa. Sumário. Introdução. 1. O que é um Banco de Dados? DCC011: Introdução a Banco de Dados. Sistema de Gerência de Banco de Dados Programa DCC011: Introdução a Banco de Dados Mirella M. Moro Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais mirella@dcc.ufmg.br Introdução Conceitos básicos, características

Leia mais

Art. 2º A responsabilidade pelo cumprimento desta Instrução Normativa é da Gerência de Recursos Humanos ou equivalente.

Art. 2º A responsabilidade pelo cumprimento desta Instrução Normativa é da Gerência de Recursos Humanos ou equivalente. INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 008/ DGRH/SEA Orienta os procedimentos relativos a elaboração dos Planos de Capacitação no âmbito da Administração Direta, Autárquica e Fundacional mencionados no Decreto 3.917,

Leia mais

Código de barras XXII SEMANA ACADÊMICA DA MATEMÁTICA. 1. Código de barras. Fernanda Taline da Silva ¹, Fabiana Garcia Papani ²

Código de barras XXII SEMANA ACADÊMICA DA MATEMÁTICA. 1. Código de barras. Fernanda Taline da Silva ¹, Fabiana Garcia Papani ² Código de barras Fernanda Taline da Silva ¹, Fabiana Garcia Papani ² ¹ Acadêmica do Curso de Matemática Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas da Universidade Estadual do Oeste do Paraná Caixa Postal

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS A universalização da inclusão digital, através do desenvolvimento de uma Política Pública de Inclusão Digital, que contemple a criação de um Sistema Municipal de Inclusão Digital,

Leia mais

Informação/Exame de Equivalência à Frequência. Ano letivo de 2012/2013

Informação/Exame de Equivalência à Frequência. Ano letivo de 2012/2013 ESCOLA MARTIM DE FREITAS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MARTIM DE FREITA Informação/Exame de Equivalência à Frequência Ano letivo de 2012/2013 Disciplina: Ciências da Natureza 2º Ciclo do Ensino Básico 1.-

Leia mais

PROVA DE NOÇÕES DE INFORMÁTICA

PROVA DE NOÇÕES DE INFORMÁTICA 16 PROVA DE NOÇÕES DE INFORMÁTICA QUESTÃO 51: Em um computador com o sistema operacional Windows 2000, um usuário possui a seguinte configuração de permissões sobre um arquivo: As opções abaixo representam

Leia mais

DESENVOLVIMENTO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM WEBSITE PARA O CURSO DE ENGENHARIA FÍSICA DA UEMS

DESENVOLVIMENTO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM WEBSITE PARA O CURSO DE ENGENHARIA FÍSICA DA UEMS DESENVOLVIMENTO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM WEBSITE PARA O CURSO DE ENGENHARIA FÍSICA DA UEMS Rafael Araújo ; Antonio Cesar Aguiar Pinto 2 ; Gustavo Mitsui Morishita 3 ; Fábio Ferreira Dedé 4 Estudante do Curso

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE ARQUITETURA EM CAMADAS BASEADA NO MODEL VIEW CONTROLLER, EM APLICAÇÕES WEB

UTILIZAÇÃO DE ARQUITETURA EM CAMADAS BASEADA NO MODEL VIEW CONTROLLER, EM APLICAÇÕES WEB UTILIZAÇÃO DE ARQUITETURA EM CAMADAS BASEADA NO MODEL VIEW CONTROLLER, EM APLICAÇÕES WEB Viviani Priscila Piloni VILHEGAS 1 RESUMO: Este trabalho procura mostrar a importância da utilização de um modelo

Leia mais

MATERIAIS VIRTUAIS INTERATIVOS PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA EM DVD

MATERIAIS VIRTUAIS INTERATIVOS PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA EM DVD MATERIAIS VIRTUAIS INTERATIVOS PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA EM DVD Tânia Michel Pereira tmichel@gmail.com Juliane Sbaraine Pereira Costa juliane.sbaraine@gmail.com Rudieri Turchiello

Leia mais

7. Defina encapsulamento. R.: Encapsular é ocultar. Criar uma cápsula ao redor da classe, para proteger o que está dentro dela.

7. Defina encapsulamento. R.: Encapsular é ocultar. Criar uma cápsula ao redor da classe, para proteger o que está dentro dela. 1. O que são classes? Dê exemplos. R.: Classe é um tipo abstrato de dados. Encapsula estrutura e comportamento. Ou seja: uma descrição de um conjunto de objetos que compartilham a mesma estrutura, os mesmos

Leia mais

Manual do Usuário da Biblioteca 1.0

Manual do Usuário da Biblioteca 1.0 Manual do Usuário da Biblioteca 1.0 1 Sumário Apresentação Pesquisa Simples área de buscas Pesquisa Avançada Aquisições Periódicos Resultado das Buscas Detalhamento do Acervo Google Books Z3950 Busca Biblioteca

Leia mais

Participação nacional e guia para o estabelecimento de um Nó Nacional GBIF

Participação nacional e guia para o estabelecimento de um Nó Nacional GBIF Workshop: Importância da participação de Moçambique no Sistema Global de Informação Sobre Biodiversidade (GBIF) Participação nacional e guia para o estabelecimento de um Nó Nacional GBIF Rui Figueira Nó

Leia mais

Termos de Referência para Serviços especializados de consultoria Individual na área de Arquitetura de Sistemas

Termos de Referência para Serviços especializados de consultoria Individual na área de Arquitetura de Sistemas Termos de Referência para Serviços especializados de consultoria Individual na área de Arquitetura de Sistemas Projeto de Modernização Fiscal do Tocantins (PMF/TO) Banco Interamericano de Desenvolvimento

Leia mais

Engenharia de Software. Ciclos de Vida do Software. 1. Sistemas

Engenharia de Software. Ciclos de Vida do Software. 1. Sistemas Engenharia de Software Profa. Dra. Lúcia Filgueiras Profa. Dra. Selma S. S. Melnikoff Ciclos de Vida do Software 1. Sistemas 2. Crise do software 3. Caracterização do software 4. Ciclos de vida do software

Leia mais

Ref: Observatório Nacional de Clima e Saúde Projeto Observatorium.

Ref: Observatório Nacional de Clima e Saúde Projeto Observatorium. À Fundação Oswaldo Cruz, ICICT Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde Rio de Janeiro, 28 de outubro de 2009. At: Sr. Christovam Barcellos Ref: Observatório Nacional de

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO

ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO Este documento tem por objetivo orientar a estruturação e formatação do relatório de estágio. O texto está dividido em duas partes: 1) Normas de formatação,

Leia mais

Import Control System. Segurança e Protecção ICS-SP. Guia de implementação. das mensagens XML

Import Control System. Segurança e Protecção ICS-SP. Guia de implementação. das mensagens XML AUTOR: INDRA DATA: 2010-06 VERSÃO: 1.3 Import Control System Segurança e Protecção ICS-SP Guia de implementação das mensagens XML DEFINIÇÕES GERAIS VERSÃO: 1.3 XML ICS-SP Definições Gerais PÁGINA: 1/ 22

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE INFORMÁTICA CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE INFORMÁTICA CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE INFORMÁTICA CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ESTUDO DE MAPEAMENTO SISTEMÁTICO SOBRE AS TENDÊNCIAS E DESAFIOS DO CLOUD GAMING Aluno: Chrystian José Soares da

Leia mais

Soluções de gestão de clientes e de impressão móvel

Soluções de gestão de clientes e de impressão móvel Soluções de gestão de clientes e de impressão móvel Manual do utilizador Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Microsoft é uma marca comercial registada da Microsoft Corporation nos

Leia mais

SIG. USANDO A TECNOLOGIA COMO SUPORTE Tecnologias de Apoio

SIG. USANDO A TECNOLOGIA COMO SUPORTE Tecnologias de Apoio SIG USANDO A TECNOLOGIA COMO SUPORTE Tecnologias de Apoio Os Sistemas de Informações e os Sistemas de Informações Gerenciais (SIG) podem ser manuais e eletrônicos. I parte SIGs eletrônicos Tecnologias

Leia mais

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR SANTO ANDRÉ

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR SANTO ANDRÉ PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS. 1. INTRODUÇÃO O Instituto de Ensino Superior Santo André dispõe atualmente de infraestrutura de Tecnologia

Leia mais

Resumo Aula-tema 07: Desbravando o Mundo Digital

Resumo Aula-tema 07: Desbravando o Mundo Digital Resumo Aula-tema 07: Desbravando o Mundo Digital Você já ouviu falar em redes sociais, Twitter, Web 2.0, Blog, Orkut, YouTube? As mudanças que ocorrem na área da tecnologia são constantes e tão rápidas

Leia mais

Pesquisa e Desenvolvimento em Publicações Eletrônicas na Área de Saúde e Medicina

Pesquisa e Desenvolvimento em Publicações Eletrônicas na Área de Saúde e Medicina Pesquisa e Desenvolvimento em Publicações Eletrônicas na Área de Saúde e Medicina Marcelo Sabbatini Instituto Edumed Nordeste msabbatini@edumed.org.br Universidade Estadual de Campinas Núcleo de Informática

Leia mais

5 - Qual é a principal vantagem de desenvolvimento de código por pares:

5 - Qual é a principal vantagem de desenvolvimento de código por pares: 1 - Quais são os atributos essenciais de um bom software: a) Ser baseado numa boa linguagem de programação b) Fácil manutenção, segurança, eficiência e aceitabilidade c) Fácil manutenção e simplicidade

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CNCT Cadastro Nacional de Cursos de Educação Profissional de Nível Técnico Secretaria de Educação Média e Tecnológica SEMTEC/UCP/PROEP www.mec.gov.br/semtec/proep/cnct/ cnct.siep@mec.gov.br

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO - SGI (MEIO AMBIENTE, SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO) CONTROLE DE DOCUMENTOS e REGISTROS

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO - SGI (MEIO AMBIENTE, SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO) CONTROLE DE DOCUMENTOS e REGISTROS (MEIO AMBIENTE, SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO) Procedimento CONTROLE DE DOCUMENTOS e REGISTROS PR.01 Página 1 de 3 14001: 4.4.5, 4.5.4 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática para o processo de elaboração,

Leia mais

Modelando sistemas em UML - Casos de uso.

Modelando sistemas em UML - Casos de uso. Modelando sistemas em UML - Casos de uso. Neste artigo vou falar um pouco sobre modelagem de sistemas usando UML focando exclusivamente os diagramas de casos de uso. A primeira coisa que devemos ter em

Leia mais

Software Livre e o Ensino Público: limites e perspectivas

Software Livre e o Ensino Público: limites e perspectivas Software Livre e o Ensino Público: limites e perspectivas Laura Bittencourt Paiva Valquíria Lopes Rabelo RESUMO Este artigo pretende analisar quais as perspectivas da adoção do sistema e da filosofia de

Leia mais

PO - Procedimento Operacional Revisão: 09 Página 1 de 5

PO - Procedimento Operacional Revisão: 09 Página 1 de 5 PO - Procedimento Operacional Revisão: 09 Página 1 de 5 1. OBJETIVO Definir as etapas do processo de elaboração e controle de documentos e registro do Sistema de Gestão da Qualidade. 2. RESPONSÁVEIS Diretores

Leia mais

M A N U A L D O ADMINISTRADOR DO PORTAL

M A N U A L D O ADMINISTRADOR DO PORTAL M A N U A L D O ADMINISTRADOR DO PORTAL Versão 1.1 Sumário Introdução 1 Sobre o Administrador do Portal 1 Categorias de informação 2 Link adicional 3 Lista de arquivos 5 Anexos da licitação 9 Anexos do

Leia mais

TUTORIAL PESQUISA DE POLÍTICA DE REMOÇÃO

TUTORIAL PESQUISA DE POLÍTICA DE REMOÇÃO TUTORIAL PESQUISA DE POLÍTICA DE REMOÇÃO Diretoria de Planejamento, Administração e Logística DIPLAN Coordenação Geral de Gestão de Pessoas CGGP Página 2 de 15 ÍNDICE DE ILUSTRAÇÕES Ilustração 1: Tela:

Leia mais

INE 5323 Banco de Dados I

INE 5323 Banco de Dados I UFSC-CTC-INE Curso de Ciências de Computação INE 5323 Banco de Dados I Ronaldo S. Mello 2006/1 http://www.inf.ufsc.br/~ronaldo/ine5323 Horário Atendimento: Quintas-feiras, das 17h30 às 19h Programa da

Leia mais

Manual do Pesquisa Saúde perfil Pesquisador. Sumário. Informações técnicas do Pesquisa Saúde

Manual do Pesquisa Saúde perfil Pesquisador. Sumário. Informações técnicas do Pesquisa Saúde Manual do Pesquisa Saúde perfil Pesquisador Informações técnicas do Pesquisa Saúde Sistema desenvolvido para rodar em Internet Explorer 9.0 ou superior, Mozilla Firefox 16 ou superior e Google Chrome ou

Leia mais

PRODUÇÃO CIENTÍFICA DOS PESQUISADORES DA UEL, NA ÁREA DE AGRONOMIA: TRABALHOS PUBLICADOS EM EVENTOS DE 2004 A 2008.

PRODUÇÃO CIENTÍFICA DOS PESQUISADORES DA UEL, NA ÁREA DE AGRONOMIA: TRABALHOS PUBLICADOS EM EVENTOS DE 2004 A 2008. PRODUÇÃO CIENTÍFICA DOS PESQUISADORES DA UEL, NA ÁREA DE AGRONOMIA: TRABALHOS PUBLICADOS EM EVENTOS DE 2004 A 2008. Karina de Oliveira Pinho (PIBIC/ UEL), Ana Esmeralda Carelli (Orientador), e-mail: carelliana@uel.br

Leia mais

Regulamento Prêmio Portal Unimed 2011 Singulares

Regulamento Prêmio Portal Unimed 2011 Singulares Regulamento Prêmio Portal Unimed 2011 Singulares 1. O que é o Prêmio Portal Unimed O Prêmio Portal Unimed tem como objetivo estimular a utilização das soluções web oferecidas pela empresa aos seus clientes.

Leia mais

Comiqs Manual e Guia de exploração do Comiqs para utilização em contexto de Educação Visual e Tecnológica. Rosabela Agostinho Borges

Comiqs Manual e Guia de exploração do Comiqs para utilização em contexto de Educação Visual e Tecnológica. Rosabela Agostinho Borges Estudo sobre a integração de ferramentas digitais no currículo da disciplina de Educação Visual e Tecnológica Comiqs Manual e Guia de exploração do Comiqs para utilização em contexto de Educação Visual

Leia mais

Avanços e Perspectivas

Avanços e Perspectivas Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Coordenação Geral de Vigilância em Saúde Ambiental - CGVAM Curso de Operacionalização de Unidades Sentinelas para o VIGIAR Avanços e Perspectivas Mato

Leia mais

Atividade Inventiva na Indústria de Tecnologia (Software Inventions)

Atividade Inventiva na Indústria de Tecnologia (Software Inventions) Atividade Inventiva na Indústria de Tecnologia (Software Inventions) Roberto A Lotufo Inova Unicamp XXXII Congresso Internacional Propriedade Intelectual ABPI 2012 26 a 28 de agosto de 2012, São Paulo

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA. MANUAL ESPECÍFICO Projeto Integrado Multidisciplinar I PIM I

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA. MANUAL ESPECÍFICO Projeto Integrado Multidisciplinar I PIM I UNIVERSIDADE PAULISTA CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA MANUAL ESPECÍFICO Projeto Integrado Multidisciplinar I PIM I Este manual atende todos os cursos de gestão 1º semestre, turmas ingressantes em fevereiro

Leia mais

Atividades de Treinamento. Carregando programas na família GTI100. HI Tecnologia Indústria e Comércio Ltda. Documento de acesso Público

Atividades de Treinamento. Carregando programas na família GTI100. HI Tecnologia Indústria e Comércio Ltda. Documento de acesso Público Carregando programas na família GTI100 HI Tecnologia Indústria e Comércio Ltda. Documento de acesso Público EAT.42911 Versão 1.0 24 de Novembro de 2014 Apresentação Este documento foi elaborado pela HI

Leia mais

PESQUISA OPERACIONAL: NA TOMADA DE DECISÕES ADMINISTRATIVA

PESQUISA OPERACIONAL: NA TOMADA DE DECISÕES ADMINISTRATIVA PESQUISA OPERACIONAL: NA TOMADA DE DECISÕES ADMINISTRATIVA Rodrigo de Oliveira SOUZA 1 Letícia Pinheiro Ribeiro da COSTA 1 Camila Pires Cremasco GABRIEL 22 Luís Roberto Almeida GABRIEL-FILHO 2 RESUMO:

Leia mais