GESTÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GESTÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO"

Transcrição

1 GESTÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO Aula 7 Descrição Arquivística. Revisão, estudo de caso e elaboração de instrumentos de pesquisa.

2 Revisão do conteúdo Descrição Arquivística Aula 7

3 O caráter dinâmico do Arquivo Documentos e informações administrativas Decisão Ação Geração de novo(s) documento(s) e informações administrativas

4 Princípio da Proveniência: Descrição Arquivística Aula 7 Arquivos originários de uma instituição ou de uma pessoa devem manter a respectiva individualidade, dentro de seu contexto orgânico de produção, não devendo ser mesclados a outros de origem distinta. 4

5 Princípio da Organicidade: As relações administrativas orgânicas se refletem nos conjuntos documentais. A organicidade é a qualidade segundo a qual os arquivos espelham a estrutura, funções e atividades da entidade produtora/acumuladora em suas relações internas e externas. 5

6 Princípio da Unicidade: Unicidade - não obstante forma, gênero, tipo ou suporte, os documentos de arquivo conservam seu caráter único, em função do contexto em que foram produzidos. (BELLOTTO, 2002, p. 21). Ou seja, documentos duplicados não são necessariamente o mesmo. 6

7 Princípio da Invisibilidade ou integridade: Os fundos de arquivo devem ser preservados sem dispersão, mutilação, alienação, destruição não autorizada ou adição indevida. 7

8 Princípio da cumulatividade: O arquivo é uma formação progressiva, natural e orgânica 8

9 Ciclo de Vida das Informações Arquivísticas 1ª Idade 2ª Idade 3ª Idade Arquivos correntes Arquivos de gestão Arquivos vivos Arquivos ativos Arquivos intermediários Arquivos semi-ativos Pré-arquivo Arquivos permanentes Arquivos inativos Arquivos definitivos Arquivos históricos

10 Arquivo Corrente Arquivo Intermediário Arquivo Permanente Valor Primário Primário Secundário Acesso Restrito aos acumuladores Restrito aos acumuladores ou com autorização Aberto Conservação Física Centralizada ou Centralizada Centralizada Descentralizada Justificativa de conservação Apoio às atividades cotidianas Razões administrativas, legais ou fiscais Pesquisa, administrativa Volume 100% Sensível diminuição 5-10% do total acumulado Localização física Próxima ao acumulador Fora do setor de trabalho Instituição arquivística Processamento Técnico Classificação, temporalidade Temporalidade Arranjo, descrição

11 Arranjo Entende-se por arranjo a seqüência de operações intelectuais e físicas que visam à organização dos documentos de um arquivo ou coleção, utilizando-se diferentes métodos, de acordo com um plano ou quadro previamente estabelecido (ARQUIVO NACIONAL, 2005). No arranjo, ocorrem dois tipos de operações: -as operações intelectuais compreendem a análise dos documentos quanto a sua origem funcional, forma e conteúdo; - as operações físicas referem-se ao acondicionamento dos suportes documentais em locais apropriados e à identificação dos mesmos para definir sua disposição. O estudo das funções, das atividades e da estrutura da organização produzirá um esquema chamado quadro de arranjo que auxiliará nas atividades intelectuais e físicas de arranjo, realizadas na fase permanente.

12 Hierarquia da atividade de arranjo Fundo Seção Subseção Série Subséries 12

13 Princípios a serem observados na descrição Primeiro princípio: a descrição depende da classificação. Ela é feita a partir das unidades de descrição definidas pela classificação que descreve um conjunto de documentos que mantém ligações orgânicas entre si (fundo, série, subsérie, dossiê, item documental; e dos fundos entre si). Segundo princípio: o de respeito aos fundos (respect des fonds) já adotado na classificação. Na descrição, isso deve estar representado na hierarquia que se estabelece entre os diversos níveis de um mesmo fundo. Terceiro princípio: a descrição deve ser feita do geral para o particular. Devese produzir, primeiro, um conjunto de informações que forneça uma visão global, que permita estabelecer (ou restabelecer) os elos entre todas as partes, ou níveis, do fundo. Quarto princípio: a descrição evolui durante os "ciclos de vida" dos documentos. Da fase corrente à fase permanente, a descrição pode variar com o tempo, pois novos elementos informativos podem ser acrescentados. A descrição evolui no ritmo do tratamento dos documentos, num "processo integrado". Quinto princípio: em termos hierárquicos, o fundo é a unidade de descrição mais abrangente.

14 As atividades de descrição: 1. identificar conceitos; 2. gerenciar informações; 3. estabelecer controle intelectual; 4. localizar; 5. explicar o acervo arquivístico e; 6. promover o acesso.

15 Formas de descrição de documentos e acervos. Descrição Arquivística Aula 7 Seção1 Fundo GUIA Seção3 INVENTÁRIO Seção2 Série1 Série2 CATÁLOGO Série3 Sub-série1 Sub-série2 Documento/ Processo Documento/ Processo ÍNDICE Sub-série2.1 Sub-série2.3 Sub-série2.2 Documento/ Processo Documento subordinado / Ato informacional

16 Os instrumentos de Pesquisa Bellotto (2004) apresenta as formas tradicionais dos instrumentos arquivísticos de referências: a) o guia, de acesso fácil para o grande público por ter linguagem abrangente e popular. O guia é apresentado como o primeiro instrumento que deve ser consultado pelo pesquisador;

17

18

19 Três enfoques para difusão de acervo: o cultural, o editorial e o educativo.

20 Nível Base descrição Instrumentos Instituição Conjuntos documentais amplos Guia Fundos, grupos, coleções Séries Inventário Séries Unidades documentais Catálogo Unidades documentais Assunto, recorte temático Índices, catálogo seletivo Andre Lopez 20

21 Receitinha Descrição Arquivística Aula 7

22 Como chegar a eles: Descrição Arquivística Aula planejamento e definição de prioridades 2 - estabelecimento do conteúdo do instrumento 3 - preparação para o recolhimento das informações 4 - recolhimento das informações 5 - confecção e divulgação do instrumento de pesquisa

23 ISAD (G) Descrição Arquivística Aula 7

24 Áreas de Informação Descrição Arquivística Aula 7 As regras estão organizadas em sete áreas de informação descritiva: 1. Área de identificação (destinada à informação essencial para identificar a unidade de descrição); 2. Área de contextualização (destinada à informação sobre a origem e custódia da unidade de descrição); 3. Área de conteúdo e estrutura (destinada à informação sobre o assunto e organização da unidade de descrição); 4. Área de condições de acesso e de uso (destinada à informação sobre a acessibilidade da unidade de descrição); 5. Área de fontes relacionadas (destinada à informação sobre fontes com uma relação importante com a unidade de descrição); 6. Área de notas (destinada à informação especializada ou a qualquer outra informação que não possa ser incluída em nenhuma das outras áreas); 7. Área de controle da descrição (destinada à informação sobre como, quando e por quem a descrição arquivística foi elaborada).

25

26 (1) Área de identificação, onde se registra informação essencial para identificar a unidade de descrição; (2) Área de contextualização, onde se registra informação sobre a proveniência e custódia da unidade de descrição; (3) Área de conteúdo e estrutura, onde se registra informação sobre o assunto e a organização da unidade de descrição; (4) Área de condições de acesso e uso, onde se registra informação sobre o acesso à unidade de descrição; (5) Área de fontes relacionadas, onde se registra informação sobre outras fontes que têm importante relação com a unidade de descrição; (6) Área de notas, onde se registra informação sobre o estado de conservação e/ou qualquer outra informação sobre a unidade de descrição que não tenha lugar nas áreas anteriores; (7) Área de controle da descrição, onde se registra informação sobre como, quando e por quem a descrição foi elaborada; (8) Área de pontos de acesso e descrição de assuntos, onde se registra os termos selecionados para localização e recuperação da unidade de descrição.

27 Sete elementos obrigatórios Dentre os 28 elementos de descrição disponíveis, sete são obrigatórios, a saber: - código de referência; - título; - data(s); - nível de descrição; - dimensão e suporte; - nome(s) do(s) produtor(es); - condições de acesso (somente para descrições em níveis 0 e 1).

28

29

30

31

32 Metadados Descritivos ou intelectual: descrevem e identificam os recursos de informação (Handle, PURL, DC, MARC, HTML Meta tags, vocabulários controlados). Estruturais: facilitam a navegação e a apresentação dos recursos eletrônicos, linguagens para expressar metadados (SGML, XML, EAD, MOA2). Administrativos: facilita o gerenciamento de longo e curto prazo e o processamento de coleções digitais (MOA2, CEDARS, OAIS).

33 Metadados A especificação e utilização de padrões garantem a existência de um conjunto de informações comuns sobre um determinado tema ou área. Padrões facilitam a compreensão, integração e o uso compartilhado de informações entre usuários de diferentes formações, níveis de experiências e propósitos. O estabelecimento de padrões implica - compromisso em usar as terminologias e definições estabelecidas.

34 Metadados Dublin Core (DC - Dublin Core Metadata Element Set) - dados sobre documentos eletrônicos Government Information Locator Service (GILS) - informações governamentais; Federal Data Geographic Committee (FGDC) - descrição de dados geo-espaciais; Machine Readeble Card (MARC) - catalogação bibliográfica; Consortium for the Interchange of Museum Information (CIMI) - Informações sobre Museus. Spatial Archive and Interchange Format (SAIF) Meta Content Format (MCF) Text Enconding Iniciative (TEI) Electronic Archive description (EAD) Resource Description Framework (RDF)

35 RDF / Dublin Core Padrão de metadados composto por 15 elementos: Contributor Coverage Creator Format Date Description Identifier Language Publisher Relation Rights Source Subject Title Type Veremos estes elementos também na ISAD-G e NOBRADE

36 Trabalho GUIA - Elementos de descrição 1 Área de identificação 1.1 Código de referência 1.2 Título 1.3 Data(s) 1.4 Nível de descrição 1.5 Dimensão e suporte 2 Área de contextualização 2.1 Nome(s) do(s) produtor(es) 2.2 História administrativa/biografia 2.3 História arquivística 3 Área de conteúdo e estrutura 3.4 Sistema de arranjo 4 Área de condições de acesso e uso 4.1 Condições de acesso

37 Próxima aula AULA FINAL - publicar blog (avaliação final); - rodada de apresentação; - avaliação da disciplina; - e até +

FICHA DE DESCRIÇÃO DE COLEÇÕES

FICHA DE DESCRIÇÃO DE COLEÇÕES UFGD FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO REGIONAL FICHA DE DESCRIÇÃO DE COLEÇÕES COLEÇÃO: ESTRADA DE FERRO NOROESTE DO BRASIL 1. ÁREA DE IDENTIFICAÇÃO 1.1. Código de referência: BR CDR

Leia mais

A importância do estudo e descrição das entidades produtoras de arquivos, através da elaboração de Registos de Autoridade Arquivística (RAA)

A importância do estudo e descrição das entidades produtoras de arquivos, através da elaboração de Registos de Autoridade Arquivística (RAA) A importância do estudo e descrição das entidades produtoras de arquivos, através da elaboração de Registos de Autoridade Arquivística (RAA) I Encontro de Arquivos Contemporâneos ENTRE PARADIGMAS: DA CUSTÓDIA

Leia mais

ÍNDICE DE TERMOS. Guia Guia de remessa

ÍNDICE DE TERMOS. Guia Guia de remessa ÍNDICE DE TERMOS Acervo documental Acesso à informação Arquivo Arquivo Central Arquivo Corrente Arquivo definitivo Arquivo geral Arquivo histórico Arquivo intermédio Arquivo público Auto de eliminação

Leia mais

BASE DE DADOS ACERVO JUDICIÁRIO DO ARQUIVO NACIONAL

BASE DE DADOS ACERVO JUDICIÁRIO DO ARQUIVO NACIONAL BASE DE DADOS ACERVO JUDICIÁRIO DO ARQUIVO NACIONAL Manual para procedimentos básicos A tela inicial irá apresentar um menu com as seguintes opções: Introdução, Manual, Vocabulário, Consulta e Sair. 1

Leia mais

Workshop Gestão Documental

Workshop Gestão Documental Workshop Gestão Documental Interoperabilidade Documental na Administração Pública APOIO PRINCIPAL: Os Conceitos Sistema de Gestão Documental Interoperabilidade Sistema de Gestão Documental Um Sistema de

Leia mais

Taxonomia. Profa. Lillian Alvares, Faculdade de Ciência da Informação. Universidade de Brasília

Taxonomia. Profa. Lillian Alvares, Faculdade de Ciência da Informação. Universidade de Brasília Taxonomia Profa. Lillian Alvares, Faculdade de Ciência da Informação. Universidade de Brasília Origem O termo taxonomia tem sua origem no grego Táxis (ordem) Nomos (lei, norma) e...... derivou-se de um

Leia mais

2. ATOS DO DIRETOR-GERAL

2. ATOS DO DIRETOR-GERAL 2.1. INSTRUÇÃO NORMATIVA 2. ATOS DO DIRETOR-GERAL INSTRUÇÃO NORMATIVA DE 7 DE MARÇO DE 2010 O DIRETOR-GERAL DA SECRETARIA DO TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo

Leia mais

EDMS: conceito básico

EDMS: conceito básico EDMS Engineering Document Management System Gestão Eletrônica de Documentos - GED EDMS: conceito básico Propósito: Gerenciar documentos técnicos da empresa durante todo o Ciclo de Vida, seja na fase de

Leia mais

GESTÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO

GESTÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO GESTÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO Aula 1 Descrição Arquivística Revisando Conceitos de arquivologia: o documento, o arquivo, os princípios arquivísticos e a qualidade arquivística. Teoria das três idades.

Leia mais

Termos de Referência para serviços especializados de consultoria Individual na área de Especialista em Transito

Termos de Referência para serviços especializados de consultoria Individual na área de Especialista em Transito Termos de Referência para serviços especializados de consultoria Individual na área de Especialista em Transito Projeto de Modernização Fiscal do Tocantins (PMF/TO) Banco Interamericano de Desenvolvimento

Leia mais

Critérios específicos de avaliação HISTÓRIA 3.º ciclo Ano letivo

Critérios específicos de avaliação HISTÓRIA 3.º ciclo Ano letivo Objeto de avaliação Conhecimentos e Capacidades Específicos Critérios específicos de avaliação HISTÓRIA 3.º ciclo Ano letivo 2016-2017 Itens/Parâmetros Compreensão histórica (Temporalidade Espacialidade

Leia mais

3º INTEGRAR - Congresso Internacional de Arquivos, Bibliotecas, Centros de Documentação e Museus PRESERVAR PARA AS FUTURAS GERAÇÕES

3º INTEGRAR - Congresso Internacional de Arquivos, Bibliotecas, Centros de Documentação e Museus PRESERVAR PARA AS FUTURAS GERAÇÕES Preservação e organização de documentos teatrais: o laboratório de informações e memória da ECA/USP Elizabeth Ferreira Cardoso Ribeiro Azevedo Cibele Araújo Camargo Marques dos Santos Andréia Alves Ferreira

Leia mais

Introdução à Banco de Dados

Introdução à Banco de Dados Introdução à Banco de Dados Disciplina de Sistemas de Banco de Dados Prof. Marcos Antonio Schreiner /08/2015 Banco de dados Definição Coleção de dados relacionados. Fatos conhecidos que podem ser armazenados.

Leia mais

Gerenciamento de conteúdo semântico ECI/UFMG. Eduardo Ribeiro Felipe.

Gerenciamento de conteúdo semântico ECI/UFMG. Eduardo Ribeiro Felipe. Gerenciamento de conteúdo semântico ECI/UFMG Eduardo Ribeiro Felipe www.erfelipe.com.br Proposta Trabalhar com tecnologias ligadas à gestão da informação com enfoque computacional utilizando a Ciência

Leia mais

Bibliográfica: Levantamento de informações impressas e eletrônicas de obras publicadas sobre um tema; De campo: A partir da coleta de dados in

Bibliográfica: Levantamento de informações impressas e eletrônicas de obras publicadas sobre um tema; De campo: A partir da coleta de dados in A pesquisa científica faz parte da vida acadêmica do aluno exigindo que o pesquisador, através de seu trabalho, proponha formas de superar o conhecimento existente até o momento sobre determinado assunto.

Leia mais

Metadados e Dublin Core

Metadados e Dublin Core Metadados e Dublin Core Eloi Juniti Yamaoka 14 de Fevereiro de 2007 Meta Meta = sobre (about) Metadados Metametadados Metadata Meta data Metainformação Metadados? Dados sobre dados Informação sobre informações

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO ESCOLAR A MINHA ESCOLA ADOTA: UM MUSEU, UM PALÁCIO, UM MONUMENTO

REGULAMENTO DO CONCURSO ESCOLAR A MINHA ESCOLA ADOTA: UM MUSEU, UM PALÁCIO, UM MONUMENTO REGULAMENTO DO CONCURSO ESCOLAR A MINHA ESCOLA ADOTA: UM MUSEU, UM PALÁCIO, UM MONUMENTO O concurso escolar A minha escola adota um museu, um palácio, um monumento... é uma iniciativa promovida conjuntamente

Leia mais

CAPACITAÇÃO DOS USUÁRIOS DA BIBLIOTECA DA FIEO FUNDAÇÃO INSTITUTO DE ENSINO PARA OSASCO - PARA A NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS

CAPACITAÇÃO DOS USUÁRIOS DA BIBLIOTECA DA FIEO FUNDAÇÃO INSTITUTO DE ENSINO PARA OSASCO - PARA A NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS 1 CAPACITAÇÃO DOS USUÁRIOS DA BIBLIOTECA DA FIEO FUNDAÇÃO INSTITUTO DE ENSINO PARA OSASCO - PARA A NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS 1 INTRODUÇÃO A primeira e fundamental atividade de ligação entre

Leia mais

REGULAMENTO DA POLÍTICA DE MANUTENÇÃO E GUARDA DO ACERVO ACADÊMICO DA ESCOLA DE DIREITO DE BRASÍLIA EDB

REGULAMENTO DA POLÍTICA DE MANUTENÇÃO E GUARDA DO ACERVO ACADÊMICO DA ESCOLA DE DIREITO DE BRASÍLIA EDB REGULAMENTO DA POLÍTICA DE MANUTENÇÃO E GUARDA DO ACERVO ACADÊMICO DA ESCOLA DE DIREITO DE BRASÍLIA EDB Estabelece a Política para Manutenção e Guarda do Acervo Acadêmico da Escola de Direito de Brasília

Leia mais

Questão Resposta Argumentação

Questão Resposta Argumentação Questão Resposta Argumentação A questão refere-se à Resolução nº 10, de 6 de dezembro de 1999, que dispõe sobre a adoção de símbolos ISO nas sinaléticas utilizados nos procedimentos de microfilmagem, a

Leia mais

Repositórios Digitais: Gestão e Compartilhamento da Informação. Dr. Divino Ignacio Ribeiro Jr

Repositórios Digitais: Gestão e Compartilhamento da Informação. Dr. Divino Ignacio Ribeiro Jr Repositórios Digitais: Gestão e Compartilhamento da Informação Dr. Divino Ignacio Ribeiro Jr Objetivos Agenda Quem somos? Repositórios Digitais Bibliotecas Digitais Tecnologias Gestão e Compartilhamento

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 17, DE 29 DE MAIO DE 2001 (Publicada no D.O.U de 10 de julho de 2001)

RESOLUÇÃO Nº 17, DE 29 DE MAIO DE 2001 (Publicada no D.O.U de 10 de julho de 2001) Página 1 de 5 RESOLUÇÃO Nº 17, DE 29 DE MAIO DE 2001 (Publicada no D.O.U de 10 de julho de 2001) O Conselho Nacional de Recursos Hídricos, no uso das competências que lhe são conferidas pela Lei nº 9.433,

Leia mais

NOME DA AÇÃO EDUCACIONAL. Curso: Gestão de Riscos na Administração Pública - T01/2015-TRF

NOME DA AÇÃO EDUCACIONAL. Curso: Gestão de Riscos na Administração Pública - T01/2015-TRF NOME DA AÇÃO EDUCACIONAL Curso: Gestão de Riscos na Administração Pública - T01/2015-TRF OBJETIVO Apresentar os conceitos, os princípios, a estrutura e o processo para gerenciamento de riscos em organiza

Leia mais

É escolher um tema, clarificá-lo nos seus diversos aspectos, e tomar uma posição sobre o assunto. Não é necessariamente inventar algo.

É escolher um tema, clarificá-lo nos seus diversos aspectos, e tomar uma posição sobre o assunto. Não é necessariamente inventar algo. Elaborar um trabalho de pesquisa 1 É escolher um tema, clarificá-lo nos seus diversos aspectos, e tomar uma posição sobre o assunto. Não é necessariamente inventar algo. 2 1º - ESCOLHER o tema 2º - PROCURAR

Leia mais

1. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para elaboração e controle dos documentos e registros do Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ).

1. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para elaboração e controle dos documentos e registros do Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ). Sistema de Gestão da Qualidade SUPERINTENDÊNCIA DE VAPT VUPT E ATENDIMENTO AO PÚBLICO PROCEDIMENTO DE CONTROLE DE DOCUMENTOS E REGISTROS Responsável: Juliana Maria Gomes de Almeida Alves Cópia Controlada

Leia mais

MANUAL DE POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PILARESO GESTORA DE RECURSOS LTDA. 02 DE MARÇO DE 2016

MANUAL DE POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PILARESO GESTORA DE RECURSOS LTDA. 02 DE MARÇO DE 2016 MANUAL DE POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO DA PILARESO GESTORA DE RECURSOS LTDA. 02 DE MARÇO DE 2016 ÍNDICE GERAL 1. INTRODUÇÃO... 2 2. APLICAÇÃO... 2 3. DISPOSIÇÕES GERAIS... 2 3.1 DISPOSIÇÕES INICIAIS...

Leia mais

PESQUISA CIENTÍFICA -Aula 4-

PESQUISA CIENTÍFICA -Aula 4- PESQUISA CIENTÍFICA -Aula 4- Prof. Alexandre Paiva da Silva Pombal PB SUMÁRIO Pesquisa Conceitos Características Objetivos Finalidades Requisitos Qualidades do pesquisador Tipos de pesquisa científica

Leia mais

MODELO DE SIGAD PARA O ARQUIVO DA PROVÍNCIA NOSSA SENHORA CONQUISTADORA UTILIZANDO A NORMA ISAD(G) 1

MODELO DE SIGAD PARA O ARQUIVO DA PROVÍNCIA NOSSA SENHORA CONQUISTADORA UTILIZANDO A NORMA ISAD(G) 1 Disc. Scientia. Série: Ciências Naturais e Tecnológicas, S. Maria, v. 6, n. 1, p.119130, 2005. 119 ISSN 19812841 MODELO DE SIGAD PARA O ARQUIVO DA PROVÍNCIA NOSSA SENHORA CONQUISTADORA UTILIZANDO A NORMA

Leia mais

Volta Redonda, março de 2009

Volta Redonda, março de 2009 Trabalho de Conclusão de Curso TCC Prof. José Maurício dos Santos Pinheiro Núcleo de Graduação Tecnológica Volta Redonda, março de 2009 Agenda Objetivos Alcance Coordenação Orientação O Aluno Pesquisador

Leia mais

ENQUETE. Formação acadêmica Profissão (Área que atua) Interesses

ENQUETE. Formação acadêmica Profissão (Área que atua) Interesses Aula 1 e 2 ENQUETE Formação acadêmica Profissão (Área que atua) Interesses ESTRUTURA / PLANO DE AULA Horário: 19H00 às 23H00 com intervalo das 20H45 às 21H00 FALTAS A chamada será realizada antes e após

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Prof. Glauco Carvalho

GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Prof. Glauco Carvalho GERENCIAMENTO DE PROJETOS Prof. Glauco Carvalho 1. Gerência da integração do Projeto Processos: Possui 6 processos: Gerenciamento da integração do Projeto 1. Desenvolvimento do Termo de Abertura 2. Desenvolvimento

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação UNIDADE VIII Auditoria em Informática Professor : Hiarly Alves www.har-ti.com Fortaleza - 2014 Tópicos Noções gerais de auditoria na empresa em SI Conceito de auditoria Etapas do processo de auditoria

Leia mais

SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Secretaria de Tecnologia da Informação Coordenadoria de Sistemas BIBLIOTECA DIGITAL. Glossário

SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Secretaria de Tecnologia da Informação Coordenadoria de Sistemas BIBLIOTECA DIGITAL. Glossário SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Secretaria de Tecnologia da Informação BIBLIOTECA DIGITAL GLOSSÁRIO Acervo bibliográfico Acervo comum Ajuda Área Argumento de pesquisa Assunto Autor Campos descritivos Cesta de

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec: DR. JOSÉ LUIZ VIANA COUTINHO Código: 073 Município: JALES/ SP Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: HABILITAÇÃO PROFISSIONAL

Leia mais

Certificação ISO

Certificação ISO Sistema de Gestão Ambiental SGA Certificação ISO 14.000 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento das Boas Práticas, das Normas e da Legislação

Leia mais

Dec. nº 4.339, de 22/08/2002

Dec. nº 4.339, de 22/08/2002 POLÍTICA NACIONAL DA BIODIVERSIDADE Dec. nº 4.339, de 22/08/2002 Os princípios estabelecidos na PNBio (20 ao todo) derivam, basicamente, daqueles estabelecidos na Convenção sobre Diversidade Biológica

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec ETEC: PAULINO BOTELHO EXTENSÃO ARLINDO BITTENCOURT Código: 092-2 Município: SÃO CARLOS Eixo tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICO

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Município de Caxias do Sul

Estado do Rio Grande do Sul Município de Caxias do Sul DECRETO Nº 18.290, DE 13 DE JULHO DE 2016. Aprova o Plano de Classificação e a Tabela de Temporalidade de s da Secretaria Municipal de Segurança Pública e Proteção Social atividadesfim, para efeitos legais.

Leia mais

INTERDICIPLINARIEDADE NA ORGANIZAÇÃO DE ACERVOS ESTUDO DE CASO DO NÚCLEO DE ESTUDO, CULTURA, ORALIDADE, IMAGEM E MEMÓRIA NECOIM

INTERDICIPLINARIEDADE NA ORGANIZAÇÃO DE ACERVOS ESTUDO DE CASO DO NÚCLEO DE ESTUDO, CULTURA, ORALIDADE, IMAGEM E MEMÓRIA NECOIM ENCONTRO INTERNACIONAL DE ARQUIVOS INTERDICIPLINARIEDADE NA ORGANIZAÇÃO DE ACERVOS ESTUDO DE CASO DO NÚCLEO DE ESTUDO, CULTURA, ORALIDADE, IMAGEM E MEMÓRIA NECOIM Faro/Portugal 5 Out. de 2013 Imagem disponível

Leia mais

Um Provedor de Dados para Bibliotecas Digitais Compatível com o Padrão OAI 1

Um Provedor de Dados para Bibliotecas Digitais Compatível com o Padrão OAI 1 Um Provedor de Dados para Bibliotecas Digitais Compatível com o Padrão OAI 1 Diego Fraga Contessa, Daniel Lazzarotto, José Palazzo Moreira de Oliveira Instituto de Informática Universidade Federal do Rio

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DEPARTAMENTO DE BIBLIOTECONOMIA E HISTÓRIA CONCURSO PÚBLICO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DEPARTAMENTO DE BIBLIOTECONOMIA E HISTÓRIA CONCURSO PÚBLICO CRONOGRAMA DAS PROVAS ARQUEOLOGIA PROVA DATA HORÁRIO Prova Escrita 26 de maio 14h Entrega da proposta de 26 de maio 14h Resultado da prova escrita e 27 de maio 14h sorteio de pontos Prova didática 28 de

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PROF. MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGOCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO DE TÉCNICO EM

Leia mais

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS INSTRUÇÃO NORMATIVA CGM N.º 0/09 1 / 5 O CONTROLADOR GERAL DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DO XINGU MT., no uso de suas atribuições legais, com base na Lei Municipal n.º 353/2008, regulamentado pelo Decreto Municipal

Leia mais

Manual para elaboração de artigos

Manual para elaboração de artigos 1 Manual para elaboração de artigos ESTRELA 2016 2 APRESENTAÇÃO Este documento visa auxiliar os estudantes da Faculdade La Salle Estrela na elaboração de artigos, apresentando as regras dispostas nas normas

Leia mais

Normas ISO:

Normas ISO: Universidade Católica de Pelotas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina de Qualidade de Software Normas ISO: 12207 15504 Prof. Luthiano Venecian 1 ISO 12207 Conceito Processos Fundamentais

Leia mais

FAMEBLU Engenharia Civil

FAMEBLU Engenharia Civil Disciplina LOGÍSTICA EMPRESARIAL FAMEBLU Engenharia Civil Aula 5: Revisão Geral Professor: Eng. Daniel Funchal, Esp. Estratégia Corporativa Estratégia corporativa é o processo essencial dentro das organizações,

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROFESSOR

PLANO DE ENSINO PROFESSOR PLANO DE ENSINO PROFESSOR SOBRE O PLANO DE ENSINO O Plano de Ensino é um instrumento de ação educativa, que promove a organização, o planejamento e a sistematização das ações do professor e dos alunos

Leia mais

PGE Digital DESCRIÇÃO DO PROJETO

PGE Digital DESCRIÇÃO DO PROJETO PGE Digital DESCRIÇÃO DO PROJETO Desenvolvimento de sistema de acompanhamento processual efetivo e eficaz para toda a Administração Pública, incluindo Autarquias e posterior desenvolvimento e implantação

Leia mais

Critérios Para Acreditação e Sanções de OAC. Marcos Aurélio Lima de Oliveira Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia

Critérios Para Acreditação e Sanções de OAC. Marcos Aurélio Lima de Oliveira Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia Critérios Para Acreditação e Sanções de OAC Marcos Aurélio Lima de Oliveira Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia Marcos Aurélio Lima de Oliveira Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade

Leia mais

Edital de Chamamento de Artigos

Edital de Chamamento de Artigos Edital de Chamamento de Artigos A Editora Dinâmica Jurídica informa que está aberta ao recebimento de artigos científicos para o segundo projeto denominado Estudos interdisciplinares: O contrato em suas

Leia mais

PLANO DE ENSINO COORDENADOR

PLANO DE ENSINO COORDENADOR PLANO DE ENSINO COORDENADOR SOBRE O PLANO DE ENSINO O Plano de Ensino é um instrumento de ação educativa, que promove a organização, o planejamento e a sistematização das ações do professor e dos alunos

Leia mais

NORMALIZAÇÃO E PADRONIZAÇÃO BIBLIOGRÁFICA

NORMALIZAÇÃO E PADRONIZAÇÃO BIBLIOGRÁFICA NORMALIZAÇÃO E PADRONIZAÇÃO BIBLIOGRÁFICA Luciana Danielli de Araujo CTIC / ICICT / FOCRUZ 03 de outubro 2016 O QUE É NORMALIZAÇÃO? Atividade que estabelece, em relação a problemas existentes ou potenciais,

Leia mais

II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação

II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação 25 de maio de 2016 EIXO 1: PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Dimensão 8: Planejamento e avaliação Fragilidades Melhorar as reuniões da CPA e reestruturar

Leia mais

Documento de Requisitos SISTEMA DE APOIO À ESCRITA (SAPES)

Documento de Requisitos SISTEMA DE APOIO À ESCRITA (SAPES) 1. Introdução 1.1 Propósito Documento de Requisitos SISTEMA DE APOIO À ESCRITA (SAPES) O propósito deste documento de especificação de requisitos é definir os requisitos do sistema SAPES - Sistema de Apoio

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Geração do Registro 1700 da EFD-ICMS/IPI 18/08/14

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Geração do Registro 1700 da EFD-ICMS/IPI 18/08/14 18/08/14 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 4. Conclusão... 6 5. Informações Complementares... 6 6. Referências... 7 7.

Leia mais

3º INTEGRAR - Congresso Internacional de Arquivos, Bibliotecas, Centros de Documentação e Museus PRESERVAR PARA AS FUTURAS GERAÇÕES

3º INTEGRAR - Congresso Internacional de Arquivos, Bibliotecas, Centros de Documentação e Museus PRESERVAR PARA AS FUTURAS GERAÇÕES Projeto apoio a biblioteca FESP-SP : preservação e integração entre equipes, acervo e disciplina Fernanda Kelly Silva de Brito Rosa Maria Beretta Eixo Temático: Preservação da Memória Institucional. Palavras-chave:

Leia mais

Acreditação de Operadoras: por que investir em qualidade?

Acreditação de Operadoras: por que investir em qualidade? Gestão da Qualidade investimento ou Despesa? Acreditação de Operadoras: por que investir em qualidade? Heleno Costa Junior Consórcio Brasileiro de Acreditação (CBA) Assessor de Relações Institucionais

Leia mais

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO?

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO? Modelo de Artigo de periódico baseado na NBR 6022, 2003 COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO? Título do artigo, centralizado. Maria da Silva Pereira* Maria Alves de Arruda** Nome(s) do(s) autor(es). RESUMO

Leia mais

MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DE. Apresentação com material de apoio do evento Orientação Técnica sobre a recuperação paralela realizado nos dias

MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DE. Apresentação com material de apoio do evento Orientação Técnica sobre a recuperação paralela realizado nos dias MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DE PROJETOS Apresentação com material de apoio do evento Orientação Técnica sobre a recuperação paralela realizado nos dias 23, 24 e 25 de julho de 2008. AVALIAÇÃO Os objetivos

Leia mais

Desenvolvimento de um Museu Virtual 3D Utilizando Agentes Inteligentes

Desenvolvimento de um Museu Virtual 3D Utilizando Agentes Inteligentes Desenvolvimento de um Museu Virtual 3D Utilizando Agentes Inteligentes Encontro Unificado de Computação ENUCOMP 2012 Seção técnica 1 Inteligência Artificial Íthalo Bruno Grigório de Moura 1 Francisco Milton

Leia mais

1/12 S U M Á R I O. 1 Objetivo, 2/12. 2 Definição, 2/12. 3 Competências, 3/12. 4 Procedimentos, 3/12. 5 Disposições Finais, 4/12.

1/12 S U M Á R I O. 1 Objetivo, 2/12. 2 Definição, 2/12. 3 Competências, 3/12. 4 Procedimentos, 3/12. 5 Disposições Finais, 4/12. DE COMUNICAÇÃO 1/12 S U M Á R I O 1 Objetivo, 2/12 2 Definição, 2/12 3 Competências, 3/12 4 Procedimentos, 3/12 5 Disposições Finais, 4/12 Anexos A - FOR-002 - Ofício, 5/12 B - FOR-003 - Carta, 7/12 C

Leia mais

PLANIFICAÇÃO LONGO PRAZO

PLANIFICAÇÃO LONGO PRAZO PLANIFICAÇÃO LONGO PRAZO INFORMÁTICA ANO LETIVO 01/017 Curso Vocacional do 3º Ciclo.º ANO Módulos Horas Letivos 5 Período Semanas Data 5 - Processador de texto 30 0 1.º 7 Setembro/Outubro - Apresentações

Leia mais

PROJETO DE ENSINO. Gestor do Projeto: Setor ou Colegiado do Curso:

PROJETO DE ENSINO. Gestor do Projeto: Setor ou Colegiado do Curso: PROJETO DE ENSINO TÍTULO DO PROJETO DE ENSINO Gestor do Projeto: Setor ou Colegiado do Curso: 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1. Título do Projeto: 1.2. Dados Completos do Gestor do Projeto: Nome: CPF: RG: Endereço

Leia mais

O período de vigência deste edital é 01/04/2012 a 31/03/2013.

O período de vigência deste edital é 01/04/2012 a 31/03/2013. EDITAL 2012 A Universidade Federal do Rio Grande do Sul, por intermédio da Pró-Reitoria de Pesquisa (PROPESQ), torna público o presente Edital e convoca os interessados a apresentarem propostas nos termos

Leia mais

UNIDADE CENTRAL DE CONTROLE INTERNO - UCI AV. JOSÉ HUMÁRCIO CARLOS FERREIRA, S/N.º, CENTRO CAPÍTULO I

UNIDADE CENTRAL DE CONTROLE INTERNO - UCI AV. JOSÉ HUMÁRCIO CARLOS FERREIRA, S/N.º, CENTRO CAPÍTULO I UNIDADE CENTRAL DE CONTROLE INTERNO - UCI AV. JOSÉ HUMÁRCIO CARLOS FERREIRA, S/N.º, CENTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 001/2013 - UCI "Dispõe sobre o Manual de Normas e Procedimentos (MNP), uniformiza, disciplina

Leia mais

Tatiane Moraes Analista de instrumentos de avaliação

Tatiane Moraes Analista de instrumentos de avaliação Tatiane Moraes Analista de instrumentos de avaliação Tatianemoraes@caed.ufjf.br Objetivo Analisar e interpretar os resultados do SAEPB para (re)planejamento das ações pedagógicas implementadas em sala

Leia mais

O que é pesquisar? Pesquisar é procurar respostas para inquietações, para um problema, para indagações propostas.

O que é pesquisar? Pesquisar é procurar respostas para inquietações, para um problema, para indagações propostas. PROJETO MULTIDICIPLINAR Professor: Roberto César O que é pesquisar? Pesquisar é procurar respostas para inquietações, para um problema, para indagações propostas. É a Atividade básica das ciências na sua

Leia mais

Assessoria de Comunicação Social - ASCOM

Assessoria de Comunicação Social - ASCOM UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO Assessoria de Comunicação Social - ASCOM Petrolina - PE Julho de 2016 2ª Versão Apresentação A Assessoria de Comunicação Social (Ascom) da Univasf tem como

Leia mais

AS SETE FERRAMENTAS DA QUALIDADE. Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira

AS SETE FERRAMENTAS DA QUALIDADE. Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira AS SETE FERRAMENTAS DA QUALIDADE Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira 3º semestre ISHIKAWA: classificou as técnicas de controle estatístico em três grupos de complexidade

Leia mais

Conteúdo Básico Comum (CBC) de Artes do Ensino Fundamental do 6º ao 9º ano Exames Supletivos / 2013

Conteúdo Básico Comum (CBC) de Artes do Ensino Fundamental do 6º ao 9º ano Exames Supletivos / 2013 SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO ENSINO MÉDIO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Conteúdo

Leia mais

Metodologia SciELO. Odila Duru BIREME/OPAS/OMS. I Encontro de Editores de Revistas Científicas na Área de Psicologia São Paulo, 30 de agosto de 2004

Metodologia SciELO. Odila Duru BIREME/OPAS/OMS. I Encontro de Editores de Revistas Científicas na Área de Psicologia São Paulo, 30 de agosto de 2004 Metodologia SciELO Odila Duru BIREME/OPAS/OMS I Encontro de Editores de Revistas Científicas na Área de Psicologia São Paulo, 30 de agosto de 2004 Novas Perspectivas da Comunicação Científica Peer Review

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO ACERVO

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO ACERVO POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO ACERVO 1 POLÍTICA DE SELEÇÃO 1.1 Objetivos Permitir o crescimento racional e equilibrado do acervo de acordo com cada curso; Identificar os elementos adequados à formação

Leia mais

Cada programa, projeto ou produto possui determinadas fases de desenvolvimento: São as

Cada programa, projeto ou produto possui determinadas fases de desenvolvimento: São as Cada programa, projeto ou produto possui determinadas fases de desenvolvimento: São as chamadas fases do ciclo de vida de um PROJETO Planeamento a) Fase Inicial - concetual b) Fase de planeamento c) Fase

Leia mais

Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados

Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados Introdução Prof. Marcos Alexandruk EMENTA Sistemas gerenciadores de banco de dados; Configurações do ambiente de trabalho; Diferenças entre as diversas plataformas;

Leia mais

Gestão de Conteúdo com Plone. Luiz Ferreira

Gestão de Conteúdo com Plone. Luiz Ferreira Gestão de Conteúdo com Plone Luiz Ferreira Gestão de Conteúdo Conjunto de processos e tecnologias que provêem meios para coletar, administrar e publicar informação. Informação: tipicamente chamada de conteúdo.

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA APCN

ORIENTAÇÕES PARA APCN Identificação Área de Avaliação: Letras/Linguística Coordenador de Área: Dermeval da Hora Oliveira (UFPB/JP) Coordenador-Adjunto de Área: Ida Maria Santos Ferreira Alves (UFF) Coordenador-Adjunto de Mestrado

Leia mais

OBJETIVOS. Dar a conhecer a estrutura do Modelo de Excelência de Gestão MEG. Refletir sobre o ciclo PDCL. Planejamento. Verificação Aprendizagem

OBJETIVOS. Dar a conhecer a estrutura do Modelo de Excelência de Gestão MEG. Refletir sobre o ciclo PDCL. Planejamento. Verificação Aprendizagem 1 OBJETIVOS Dar a conhecer a estrutura do Modelo de Excelência de Gestão MEG. Refletir sobre o ciclo PDCL Planejamento Execução Verificação Aprendizagem 2 INTRODUÇÃO Na aula passada, conhecemos os 11 Fundamentos

Leia mais

Políticas Organizacionais

Políticas Organizacionais Políticas Organizacionais Versão 1.4 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 11/10/2012 1.0 Revisão das políticas EPG 26/11/2012 1.1 Revisão do Item de customização EPG 24/10/2013 1.2 Revisão

Leia mais

Termos de Referência para Serviços especializados de consultoria Individual na área de Especialista em Processo Administrativo- Fiscal

Termos de Referência para Serviços especializados de consultoria Individual na área de Especialista em Processo Administrativo- Fiscal Termos de Referência para Serviços especializados de consultoria Individual na área de Processo Administrativo- Fiscal Projeto de Modernização Fiscal do Tocantins (PMF/TO) Banco Interamericano de Desenvolvimento

Leia mais

Data: 06 a 10 de Junho de 2016 Local: Rio de Janeiro

Data: 06 a 10 de Junho de 2016 Local: Rio de Janeiro Data: 06 a 10 de Junho de 2016 Local: Rio de Janeiro Justificativas O Estado contemporâneo busca superar uma parte substantiva dos obstáculos que permeiam as políticas públicas e as ações privadas através

Leia mais

Requisitos de Sistemas

Requisitos de Sistemas Requisitos de Sistemas Unidade II - Processos de Negócio Identificação Conceitos Modelagem - BPM - UML Processos x Requisitos 1 Processo de negócio CONCEITO Um processo de negócio, processo organizacional

Leia mais

Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO

Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR 1. Projeto: OEI/BRA/09/004 - Aprimoramento da sistemática

Leia mais

5 De F A ma

5 De F A ma Educação Física 5 De F A ma Uma Breve Revisão... Em 07 de abril de 2005 entra em vigor no Estado de Minas Gerais a resolução SEE N.º 666; Em agosto de 2011, é instituído o PIP CBC; No ano de 2012 o PIP

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ASSISTÊNCIA A PROGRAMAS ESPECIAIS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ASSISTÊNCIA A PROGRAMAS ESPECIAIS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ASSISTÊNCIA A PROGRAMAS ESPECIAIS TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA - CONSULTOR POR PRODUTO - TOR/OEI/MEC/FNDE/DIPRO/

Leia mais

Meg Silva Gestora de Processos Contato: / Blog: Uberlândia - MG

Meg Silva Gestora de Processos Contato: / Blog:  Uberlândia - MG FLUXOGRAMA CONCEITO Fluxograma é um tipo de diagrama, e pode ser entendido como uma representação esquemática de um processo, muitas vezes feito através de gráficos que ilustram de forma descomplicada

Leia mais

AVALIAÇÃO INEP: ACERVO BIBLIOGRAFIA BÁSICA, BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR E PERIÓDICOS ESPECIALIZADOS

AVALIAÇÃO INEP: ACERVO BIBLIOGRAFIA BÁSICA, BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR E PERIÓDICOS ESPECIALIZADOS AVALIAÇÃO INEP: ACERVO BIBLIOGRAFIA BÁSICA, BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR E PERIÓDICOS ESPECIALIZADOS SPDC. Seção de Planejamento e Desenvolvimento de Coleções Márcia Silvestre Bibliotecária silvestre@ndc.uff.br

Leia mais

Planejamento e Controle de Projetos 5 TADS FSR. Prof. Esp. André Luís Belini

Planejamento e Controle de Projetos 5 TADS FSR. Prof. Esp. André Luís Belini Planejamento e Controle de Projetos 5 TADS FSR Prof. Esp. André Luís Belini Seja a mudança que você quer ver no mundo Mahatma Ghandi 2 Principais variáveis de um projeto 3 Características e benefícios

Leia mais

VI SEMANA DE EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA: EXTENSÃO: CAMINHOS POSSÍVEIS PARA O ENFRENTAMENTO DAS DIVERSAS FORMAS DE POBREZA UEPB

VI SEMANA DE EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA: EXTENSÃO: CAMINHOS POSSÍVEIS PARA O ENFRENTAMENTO DAS DIVERSAS FORMAS DE POBREZA UEPB VI SEMANA DE EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA: EXTENSÃO: CAMINHOS POSSÍVEIS PARA O ENFRENTAMENTO DAS DIVERSAS FORMAS DE POBREZA UEPB Período: 18 a 21 DE OUTUBRO de 2011 Campus I da UEPB ASSUNTO:

Leia mais

Prova Escrita de Biologia e Geologia

Prova Escrita de Biologia e Geologia Exame Final Nacional do Ensino Secundário Prova Escrita de Biologia e Geologia 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 19/01, de de julho Prova 70/1.ª Fase Critérios de Classificação 10 Páginas 01 Prova

Leia mais

EDITAL 01/2009 CHAMADA PARA ARTIGOS REVISTA GÊNERO E DIREITO DISCIPLINA A CHAMADA DE ARTIGOS PARA

EDITAL 01/2009 CHAMADA PARA ARTIGOS REVISTA GÊNERO E DIREITO DISCIPLINA A CHAMADA DE ARTIGOS PARA EDITAL 01/2009 CHAMADA PARA ARTIGOS REVISTA GÊNERO E DIREITO DISCIPLINA A CHAMADA DE ARTIGOS PARA PUBLICAÇÃO NA REVISTA GÊNERO E DIREITO DO NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM GÊNERO E DIREITO - UNIVERSIDADE

Leia mais

CURRÍCULO ESCOLAR VMSIMULADOS

CURRÍCULO ESCOLAR VMSIMULADOS CURRÍCULO ESCOLAR 01. Segundo a LDB (Lei no 9394/96), os currículos do ensino fundamental e médio devem ter uma base nacional comum, a ser complementada, em cada sistema de ensino e estabelecimento escolar,

Leia mais

Implantando Pontos de Função com PSM

Implantando Pontos de Função com PSM Implantando Pontos de Função com PSM Diana Baklizky & Cecília Techy diana@metricas.com.br cecilia@metricas.com.br ti MÉTRICAS R. Domingos de Morais, 2243/36 São Paulo, SP Brasil www.metricas.com.br 1 Agenda

Leia mais

XVII SEPEX SEMANA DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

XVII SEPEX SEMANA DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO XVII SEPEX SEMANA DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO EDITAL DE CHAMADA DE TRABALHOS 1 APRESENTAÇÃO - A Faculdade Católica Salesiana do Espírito Santo promoverá, entre os dias 08 a 09 de dezembro de 2015, a

Leia mais

OBJETIVOS E INDICADORES ESTRATÉGICOS

OBJETIVOS E INDICADORES ESTRATÉGICOS OBJETIVOS E INDICADORES ESTRATÉGICOS PERSPECTIVA: TRE/RN e Sociedade Objetivo 1: Primar pela satisfação do cliente de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) Descritivo: Conhecer e ouvir o cliente

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC: PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: Tupã Eixo tecnológico: AMBIENTE e SAÚDE Habilitação Profissional: Técnico em Farmácia Qualificação:

Leia mais

METADADOS: CATALOGANDO DADOS NA INTERNET*

METADADOS: CATALOGANDO DADOS NA INTERNET* 93 RESUMO METADADOS: CATALOGANDO DADOS NA INTERNET* Terezinha Batista de SOUZA UELJE-mail:tbatista@npd.uel.br Maria Elisabete CATARINO UELJE-mail:beteca@npd.uel.br Paulo Cesar dos SANTOS FUNREl/E-mail:psantos@zeus.puccamp.br

Leia mais

CES-30 Técnicas de Banco de Dados - BD e CE-240 Projeto de Sistema de BD. Introdução e Orientações Gerais

CES-30 Técnicas de Banco de Dados - BD e CE-240 Projeto de Sistema de BD. Introdução e Orientações Gerais CURSO DE GRADUAÇÃO e DE PÓS-GRADUAÇÃO DO ITA 1º SEMESTRE 2002 CES-30 Técnicas de Banco de Dados - BD e CE-240 Projeto de Sistema de BD Prof. Dr. Adilson Marques da Cunha Introdução e Orientações Gerais

Leia mais

CURSO de ARQUIVOLOGIA - Gabarito

CURSO de ARQUIVOLOGIA - Gabarito UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE TRANSFERÊNCIA 2 o semestre letivo de 2009 e 1 o semestre letivo de 2010 CURSO de ARQUIVOLOGIA - Gabarito INSTRUÇÕES AO CANDIDATO Verifique se este caderno contém : PROVA

Leia mais

Redundância das informações nos diversos sistemas. Sistemas desenvolvidos em tecnologia não Web (DOS) Informações das obras não alimentadas na origem

Redundância das informações nos diversos sistemas. Sistemas desenvolvidos em tecnologia não Web (DOS) Informações das obras não alimentadas na origem DESCENTRALIZANDO OBRAS CENTRALIZANDO INFORMAÇÕES Cenário de Gestão de Obras antes do SICOP Diversos Órgãos executam obras no Estado Processos de Gestão diferentes em cada obra Sistemas isolados (bases

Leia mais

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO 1 Modelo de Artigo de periódico baseado na NBR 6022, 2003. Título do artigo, centralizado. COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO Maria Bernardete Martins Alves * Susana Margaret de Arruda ** Nome do (s) autor

Leia mais