UHE Santo Antônio Programa de Conservação da Ictiofauna Subprograma de Monitoramento do Sistema de Transposição de Peixes

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UHE Santo Antônio Programa de Conservação da Ictiofauna Subprograma de Monitoramento do Sistema de Transposição de Peixes"

Transcrição

1 UHE Santo Antônio Programa de Conservação da Ictiofauna Subprograma de Monitoramento do Sistema de Transposição de Peixes Proposta apresentada à Santo Antônio Energia Belo Horizonte Junho de

2 Apresentação O documento que trata das premissas e critérios adotados para o desenvolvimento do projeto executivo do sistema de transposição de peixes (STP) da Ilha do Presídio da UHE Santo Antônio, protocolado no IBAMA em 27 de outubro de 2010, indica a necessidade de estudos visando o monitoramento da passagem de peixes pelo STP. Esses estudos são necessários para possibilitar o adequado entendimento do papel do STP da Ilha do Presídio na conservação e no manejo dos peixes do rio Madeira, para elaborar regras operativas que permitam sua adequada operação e para obter dados que permitam a melhoria de sua performance (definições dos termos utilizados na presente proposta estão apresentadas na Tabela 1). Os estudos serão desenvolvidos para obter dados sobre diferentes tipos de eficiência e seletividades do STP, sobre a influência de fatores abióticos e da hidráulica do STP e da operação da usina sobre o trânsito de peixes, além do tempo que os peixes levam para encontrar a entrada do STP e o tempo que eles levam para passá-lo. Objetivos O objetivo geral do monitoramento do STP da Ilha do Presídio é estabelecer sua performance para subsidiar a elaboração de regra operativa deste sistema. Para estabelecer a performance os seguintes objetivos específicos foram proposto para determinar: a) A eficiência de atração do STP; b) A eficiência de transposição do STP; c) O tempo total de passagem; d) O tempo de passagem dos peixes nos seguintes trechos do STP: canal de entrada, segmento com defletores sob influência do nível da água (NA) do canal de fuga, segmento com defletores fora da influência do NA do canal de fuga e canal de saída; e) A seletividade em tamanho do STP; f) A taxa de retorno para jusante, via turbinas, vertedouro e STP; g) A taxa de mortalidade do vertedouro e das turbinas na passagem para jusante; h) O trânsito horário de peixes; i) As espécies que utilizam o STP, e suas abundâncias; j) A seletividade específica; 2

3 k) A influência da velocidade da água de atração sobre as seletividades em tamanho e específica; l) A influência das condições hidráulicas decorrentes da operação da usina (número e posição das turbinas em operação, vazão turbinada, vazão vertida e nível da água do canal de fuga) sobre a performance do STP; m) A influência das condições hidráulicas do STP (profundidade, velocidade e potência específica do escoamento, vazão, carga hidráulica, abertura e velocidade do escoamento na comporta de entrada) sobre a performance do STP; n) A influência de fatores abióticos (precipitação, fases da lua e temperatura, oxigênio dissolvido e transparência da água) na performance do STP; o) A profundidade preferencial de entrada dos peixes pelo STP; p) Se acúmulo de peixes na entrada no STP dificulta a entrada das espécies-alvo; q) O tempo entre a chegada do peixe à barragem de Santo Antônio e sua entrada no STP; r) Os locais de concentração de peixes das espécies-alvo no canal de fuga; s) O caminho que peixes das espécies-alvo fazem ao passar próximo à entrada do STP; e t) O tamanho da população das espécies-alvo na região do canal de fuga; Metodologia Cinco técnicas principais serão utilizadas no monitoramento. Essas são: análise de imagens da ecossonda Didson, biotelemetria, captura e recaptura de peixes, marcação com etiqueta PIT e hidráulica e qualidade da água. As técnicas a serem empregadas para cada objetivo específico encontram-se discriminadas na Tabela 2. Metodologia a ser utilizada para cada técnica é descrita a seguir. 1- Análise de imagens do Didson O Didson é o único equipamento disponível que permitir visualizar, em qualidade próxima de vídeo e de maneira não invasiva, os peixes no rio Madeira. Embora ele permita a visualização em águas turvas e durante o dia e a noite, as elevadas cargas de sedimento em suspensão no rio Madeira limitam a sua capacidade de observação de peixes até cerca de 5-7 m, ao invés de m em locais mais propícios. Não obstante a essa limitação, vários objetivos específicos foram previstos que dependem de dados a serem obtidos das imagens do Didson. Caso as 3

4 imagens não possam gerar os dados previstos, os objetivos específicos (e, h, i, l, m, n, o, p) terão que ser modificados para técnicas alternativas, e o objetivo específico (t) terá que ser eliminado por não haver outra técnica que possa seja usada no lugar do Didson. Nicho especialmente projetado ao Didson foi projetado no trecho superior do STP da Ilha do Presídio, imediatamente a montante do último defletor e próximo à saída. Nele será instalado dois Didsons para registrar os peixes que passam pelo último defletor do STP. Um Didson registrará a passagem dos peixes na metade inferior da coluna d água e o outro, na metade superior. Ambos os aparelhos serão configurados para gravar imagens no esquema 24/7 (24 h por dia, 7 dias das semana). Os peixes registrados nas imagens gravadas pelo Didson serão contados e medidos. A contagem será feita de modo automático e manual. No modo automático, serão utilizadas as ferramentas de contagem e medição do tamanho dos peixes disponíveis no aplicativo do Didson. Na contagem manual, os peixes registrados nas imagens do Didson serão contados, medidos e, quando possível, identificados por uma pessoa especialmente treinada. Dependendo da quantidade de peixes registrados, todos serão contados e medidos ou uma amostra das imagens (e.g., 10 min a cada hora) será realizada. A contagem e medição ainda poderão ser feitas apenas para peixes acima de certo tamanho (e.g., 50 cm) no caso de número elevado de peixes registrados pelo Didson. No canal de entrada do STP da Ilha do Presídio, serão construídos dois trilhos para instalação do Didson. Um trilho será posicionado imediatamente a montante da comporta da entrada e outro, imediatamente a jusante. Os trilhos abrangerão toda a coluna d água do canal de entrada. Primeiramente, imagens do Didson serão obtidas em dias que peixes estiverem entrando em quantidades no STP. O Didson será posicionado em três diferentes profundidades por cerca de 1 h tanto no trilho de montante quanto no de jusante. As imagens serão analisadas para determinar qual é melhor trilho para visualização dos peixes passando pela entrada. O número de profundidades poderá ser diferente de três e o tempo em que o Didson ficará em cada uma delas maior que 1 h dependendo das circunstâncias no momento da amostragem. Estabelecido o melhor trilho, amostragens com o Didson da entrada de peixes no STP será feita uma vez por semana nos seis meses em que mais peixes entram de maior pico de subida. No restante do ano, serão realizadas amostragens quinzenalmente ou mensalmente. 4

5 2- Marcação com etiqueta PIT Peixes de até seis espécies, entre as quais dourada e babão, serão capturados, medidos e etiquetados com uma marca PIT. A captura será realizada no STP da Ilha do Presídio e/ou o mais próximo possível da sua entrada. Imediatamente após a marcação, os peixes serão soltos a jusante da entrada do STP da Ilha do Presídio em local(is) a ser(em) definido(s) posteriormente. A forma de captura dos peixes deve ser aquela que menos lesões provoquem nos exemplares capturados. Nesse sentido, captura mecanizada dentro do STP da Ilha do Presídio é a técnica que potencialmente poderá ser a mais adequada. O número de exemplares a serem capturados e marcados dependerá da sua disponibilidade. Prevê-se que poderão ser marcados de 100 a 500 exemplares por espécie. Para detecção das etiquetas PIT, será instalado sistema de RFID a exemplo do utilizado por nos testes conduzidos no Canal Experimental de Transposição. Esse sistema será constituído por antenas, leitoras de PIT, caixa de ajuste, conversores de porta serial para USB, cabos, fontes de energia e computadores. Conjunto de antenas, cada uma delas com 6 10 m de comprimento por 1,5 m de altura, será afixado em suporte não metálico para formar um transecto. Cada transecto conterá antenas em número suficiente para cobrir toda a seção transversal do STP com água. Pelo menos, quatro transectos serão instalados ao longo do STP. O 1º transecto ficará localizado no canal de entrada, o 2º, imediatamente a montante da junção do tramo direito, o 3º, no início do terço superior, imediatamente a montante do trecho sob influência do NA do canal de fuga e o 4º, no canal de saída. Computadores, conversores, fontes de energia ficarão instalados em cômodos climatizados próximos aos transectos. Para cada peixe marcado que entrar no STP, as seguintes variáveis serão determinadas: tempo decorrido entre marcação e entrada no STP, tempo total de passagem e tempo de passagem pelo canal de entrada, pelo segmento com defletores sob influência do nível da água (NA) do canal de fuga, pelo segmento com defletores fora da influência do NA do canal de fuga e pelo canal de saída. 3- Captura de peixes Captura de peixes nas imediações da entrada do STP da Ilha do Presídio serão conduzidas mensalmente nos seis meses de maior intensidade de passagem de peixes e bimensalmente no restante do período para determinar a composição em espécies da fauna de peixes. A captura 5

6 deverá será feita, principalmente, com redes de emalhar, mas outros apetrechos também poderão ser utilizados para a captura de espécies não amostradas em redes. Captura mecanizada e/ou com tarrafa será conduzida no canal de saída do STP para determinar as espécies que o utilizam. Para essas espécies, também será determinada a CPUE (captura por unidade de esforço). Outros apetrechos de pesca, além da tarrafa, poderão ser utilizados, particularmente, para espécies de pequeno porte. As coletas deverão ser quinzenais nos seis meses de maior intensidade de passagem de peixes e mensais no restante do período. 4- Biotelemetria Duas técnicas de biotelemetria serão empregadas neste subprograma: presença/ausência e de posicionamento espacial. A biotelemetria acústica será utilizada em ambas as técnicas devido às limitações da radiotelemetria para as características do rio Madeira. Para a presença/ausência, 50 exemplares de dourada e 50 de babão serão capturados, marcados com transmissores acústicos e soltos a jusante da usina de Santo Antônio. A técnica de captura e o local de soltura deverão ser semelhantes às empregadas na marcação com etiqueta PIT. Os transmissores acústicos serão inseridos, preferencialmente, na cavidade celomática dos peixes através de incisão na parede do corpo. O rastreamento dos peixes será feito por oito receptores acústicos com hidrofones. Cinco receptores serão instalados a jusante e três, a montante da barragem de Santo Antônio. Rastreamento manual dos peixes marcados será feito mensalmente, tanto a montante quanto a jusante da barragem de Santo Antônio. Caso a eficiência de atração da dourada e do babão sejam baixos, comparativamente aos padrões internacionais e nacionais, e a causa da baixa eficiência de atração não tenha sido estabelecida, estudo de biotelemetria acústica para posicionamento 2D ou 3D, preferencialmente 3D, será desenvolvido. Para isso, bateria de receptores acústicos com hidrofone será instalada no canal de fuga nas proximidades da entrada do STP da Ilha do Presídio. Douradas e babões (50 exemplares de cada espécie) serão capturados, marcados com transmissores acústicos e soltos a jusante do canal de fuga da margem direita. O rastreamento dos peixes será feito de modo automático pelos receptores. Esse sistema permitirá mapear, com precisão de menos de metro (no caso do sistema 3D) o deslocamento dos peixes marcados nas imediações da entrada do STP da Ilha do Presídio. Consulta ao fabricante de equipamento de biotelemetria acústica para posicionamento 2D ou 3D precisará ser feita para avaliação do sistema de posicionamento, 2D ou 3D, mais adequado às condições locais. 6

7 5- Hidráulica e qualidade de água Dados hidráulicos do STP da Ilha do Presídio serão medidos diariamente para determinar profundidade, velocidade do escoamento, potência específica do escoamento, vazão, carga hidráulica, abertura e velocidade do escoamento na comporta de entrada. Sonda multiparâmetros será utilizada para determinar diariamente o oxigênio dissolvido e a turbidez. Termômetros automáticos serão utilizados para registrar a temperatura da água a cada hora. Análises A partir dos dados dos peixes marcados com PIT e registrados nos transectos, a eficiência de atração do STP da espécie i (EA i ) e a eficiência de transposição da espécie i (ET i ) serão determinadas de acordo com as equações: onde, EA i = N i * 100 / NE i ET i = N i * 100 / NS i N i = número de exemplares marcados da espécie i, NE i = número de exemplares da espécie i detectados no transecto do canal de entrada, e NS i = número de exemplares da espécie i detectados no transecto do canal de saída. ET i também será calculado como sendo a porcentagem dos peixes marcados com transmissores acústicos que atingem o reservatório de Santo Antônio. O tamanho da população da espécie i na região do canal de fuga (T) será determinado utilizando-se a equação: onde, T = NP i / ET i NPi = número de indivíduos da espécie i que passou pelo STP determinado pela análise das imagens do Didson. 7

8 Para cada espécie marcada com etiqueta PIT, a distribuição do tamanho dos peixes que alcançaram o reservatório de Santo Antônio passando pelo STP será comparada à distribuição do tamanho dos peixes marcados para determinar seletividade em tamanho do STP. A seletividade específica será determinada comparando-se a espécies presentes nas imediações da entrada do STP com aquelas registradas no STP. Duração Esse subprograma terá duração de três anos. Cronograma executivo Atividade Análise de imagens do Didson Marcação com etiqueta PIT Captura/recaptura de peixes Biotelemetria (presença/ausência) Biotelemetria (posicionamento espacial) Hidráulica e qualidade da água Obs: início de monitoramento previsto para NOV11 Ano 1º 2º 3º 8

9 Tabela 1. Definições dos termos empregados nos objetivos específicos do Programa de monitoramento do STP da Ilha do Presídio. Eficiência de atração Termo Eficiência de transposição Imediatamente a jusante da barragem de Santo Antônio Performance do STP Seletividade em tamanho Seletividade específica Tempo total de passagem Trânsito Taxa de retorno para jusante Taxa de mortalidade na passagem para jusante Definição Porcentagem dos peixes presentes imediatamente a jusante da barragem de Santo Antônio que são atraídos para dentro do STP Porcentagem dos peixes que entram no STP e que alcançam o reservatório de Santo Antônio Região que abrange os primeiros km do rio Madeira a jusante da barragem de Santo Antônio Conjunto de variáveis relativas à passagem dos peixes pelo STP indicadoras do seu funcionamento Diferença entre o tamanho dos peixes presentes imediatamente a jusante da barragem de Santo Antônio e o tamanho dos peixes que alcançam o reservatório de Santo Antônio Espécies imediatamente a jusante da barragem de Santo Antônio, mas que não utilizam o STP Tempo gasto por um indivíduo na sua passagem pelo canal de transposição Número de peixes que utilizam o STP e alcançam o reservatório de Santo Antônio Porcentagem dos peixes que retornam para jusante logo após saírem do STP Porcentagem dos peixes que morrem ao retornarem para jusante após passarem pelas turbinas ou vertedouro 9

10 Tabela 2. Relação das técnicas a serem empregadas por objetivo específico do monitoramento do STP da Ilha do Presídio [em negrito, a(s) técnica(s) principal(is)]. Objetivo Específico Técnica* a) A eficiência de atração do STP D b) A eficiência de transposição do STP B, D c) O tempo total de passagem B, D d) O tempo de passagem dos peixes nos seguintes trechos do STP: canal de entrada, segmento com defletores sob influência do nível da água (NA) do canal de fuga, segmento com defletores fora da influência do NA do canal de fuga e canal de saída e) A seletividade em tamanho do STP A, B, C, D f) A taxa de retorno para jusante, via turbinas, vertedouro e STP B g) A taxa de mortalidade do vertedouro e das turbinas na passagem para jusante B h) O trânsito horário de peixes A i) As espécies que utilizam o STP, e suas abundâncias C j) A seletividade específica C, D k) A influência da velocidade da água de atração sobre as seletividades em tamanho e específica l) A influência das condições hidráulicas decorrentes da operação da usina (número e posição das turbinas em operação, vazão turbinada, vazão vertida e nível da água do canal de fuga) sobre a performance do STP m) A influência das condições hidráulicas do STP (profundidade, velocidade e potência específica do escoamento, vazão, carga hidráulica, abertura e velocidade do escoamento na comporta de entrada) sobre a performance do STP n) A influência de fatores abióticos (precipitação, fases da lua e temperatura, oxigênio dissolvido e turbidez) na performance do STP o) A profundidade preferencial de entrada dos peixes pelo STP A p) Se acúmulo de peixes na entrada no STP dificulta a entrada das espécies-alvo A q) O tempo entre a chegada do peixe à barragem de Santo Antônio e sua entrada no STP B r) Os locais de concentração de peixes das espécies-alvo no canal de fuga B s) O caminho que peixes das espécies-alvo fazem ao passar próximo a entrada do STP B t) O tamanho da população das espécies-alvo na região do canal de fuga A, D D A, C, D A, D A, D, E *: (A) análise de imagens do Didson, (B) biotelemetria, (C) captura de peixes, (D) marcação com etiqueta PIT e (E) hidráulica e qualidade de água. A, D 10

PASSAGENS DE PEIXES EM USINAS DO RIO MADEIRA. Alexandre Godinho Centro de Transposição de Peixes UFMG.

PASSAGENS DE PEIXES EM USINAS DO RIO MADEIRA. Alexandre Godinho Centro de Transposição de Peixes UFMG. PASSAGENS DE PEIXES EM USINAS DO RIO MADEIRA Alexandre Godinho Centro de Transposição de Peixes UFMG agodinho@ufmg.br Entrada Saída Entrada Região da futura passagem de peixes Escavação da entrada Entrada

Leia mais

Trabalho dos seguintes Mestrandos e Doutorandos:

Trabalho dos seguintes Mestrandos e Doutorandos: Prof. Marco Túlio Correa de Faria Profa. Edna Maria de Faria Viana Trabalho dos seguintes Mestrandos e Doutorandos: Giuseppe Campos Vicentini; Hersília de Andrade e Santos; Rafael Emilio Lopes; Viviane

Leia mais

Visita técnica de Canal do Piracema

Visita técnica de Canal do Piracema RELATÓRIO DE VIAGEM Visita técnica de Canal do Piracema Itaipu Dam, Brasil, 14 a 19 de janeiro de 2004 Luiz da Silva UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) Universidade Federal de Minas Gerais Instituto

Leia mais

Avaliação de risco de morte de peixes em usinas da Cemig

Avaliação de risco de morte de peixes em usinas da Cemig Workshop da ABRAGE sobre Técnicas de Proteção da Fauna Ictiológica durante a Operação e Manutenção de UHE s Avaliação de risco de morte de peixes em usinas da Cemig Raoni Rosa Rodrigues Maiores riscos

Leia mais

Interferência do alagamento nas parcelas dos módulos de monitoramento de fauna considerando a cota 71,3 metros

Interferência do alagamento nas parcelas dos módulos de monitoramento de fauna considerando a cota 71,3 metros Interferência do alagamento nas parcelas dos módulos de monitoramento de fauna considerando a cota 71,3 metros O PBA Consolidado da UHE Santo Antônio, protocolado janeiro de 2009, definiu para o Programa

Leia mais

ÍNDICE DE SUSTENTABILIDADE SOCIOAMBIENTAL (ISSA) PARA TRECHO DE VAZÃO REDUZIDA

ÍNDICE DE SUSTENTABILIDADE SOCIOAMBIENTAL (ISSA) PARA TRECHO DE VAZÃO REDUZIDA ÍNDICE DE SUSTENTABILIDADE SOCIOAMBIENTAL (ISSA) PARA TRECHO DE VAZÃO REDUZIDA ESTUDO DE CASO: VOLTA GRANDE DO RIO XINGU Cristiane VIEIRA/Viviane MAGALHÃES/Maria Betânia SOUZA/Gustavo OLIVEIRA XXXI - SEMINÁRIO

Leia mais

Maio de Relatório de atendimento à Condicionante 19. LO 067/2010 UHE Irapé. Fundação Biodiversitas

Maio de Relatório de atendimento à Condicionante 19. LO 067/2010 UHE Irapé. Fundação Biodiversitas Relatório de atendimento à Condicionante 19 LO 067/2010 UHE Irapé Maio de 2014 Rio Araçuaí Projeto: MIGRAÇÃO, SÍTIOS DE DESOVA E DESENVOLVIMENTO INICIAL DE DUAS ESPÉCIES POTENCIALMENTE MIGRADORAS DO RIO

Leia mais

Capítulo 4 - MATERIAIS DE ESTUDO

Capítulo 4 - MATERIAIS DE ESTUDO Capítulo 4 - MATERIAIS DE ESTUDO 4.1. Introdução A redução da resistência mecânica é um aspecto de grande preocupação na aplicação de rochas em engenharia civil e, por isso, constitui tema de vários relatos

Leia mais

APOSTILA PARA ATIVIDADE DE CAMPO Medição de Vazão

APOSTILA PARA ATIVIDADE DE CAMPO Medição de Vazão APOSTILA PARA ATIVIDADE DE CAMPO Medição de Vazão Objetivo: conhecer processos de medição de vazão e saber calcular uma vazão pelo método de medição com flutuadores e Molinete. 1 Introdução Fluviometria:

Leia mais

HIDROLOGIA AULA semestre - Engenharia Civil. MEDIÇÃO DE VAZÃO Profª. Priscila Pini

HIDROLOGIA AULA semestre - Engenharia Civil. MEDIÇÃO DE VAZÃO Profª. Priscila Pini HIDROLOGIA AULA 13 5 semestre - Engenharia Civil MEDIÇÃO DE VAZÃO Profª. Priscila Pini prof.priscila@feitep.edu.br INTRODUÇÃO Vazão: volume de água que passa por uma determinada seção de um rio ao longo

Leia mais

NORTE ENERGIA S.A. -NESA UHE BELO MONTE. Rio Xingu, Brasil

NORTE ENERGIA S.A. -NESA UHE BELO MONTE. Rio Xingu, Brasil NORTE ENERGIA S.A. -NESA UHE BELO MONTE Rio Xingu, Brasil Dezembro 2010 Localização UHE BELO MONTE BREVE HISTÓRICO Estudo de Inventário do rio Xingu: realizados na década de 1970 com relatório técnico

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA INSTRUMENTAÇÃO NO CASO DE CARREGAMENTOS EXCEPCIONAIS APLICADOS A BARRAGENS

A IMPORTÂNCIA DA INSTRUMENTAÇÃO NO CASO DE CARREGAMENTOS EXCEPCIONAIS APLICADOS A BARRAGENS A IMPORTÂNCIA DA INSTRUMENTAÇÃO NO CASO DE CARREGAMENTOS EXCEPCIONAIS APLICADOS A BARRAGENS Sérgio Fernandes e Claudia Paula (Aliança Energia), Ana Nicácio (Enemax) e Teresa Fusaro A IMPORTÂNCIA DA INSTRUMENTAÇÃO

Leia mais

Avaliação de técnicas para proteger peixes em manobras da UHE Três Marias Francisco de Andrade, Ivo Prado, Raquel Loures, Alexandre Godinho

Avaliação de técnicas para proteger peixes em manobras da UHE Três Marias Francisco de Andrade, Ivo Prado, Raquel Loures, Alexandre Godinho Avaliação de técnicas para proteger peixes em manobras da UHE Três Marias Francisco de Andrade, Ivo Prado, Raquel Loures, Alexandre Godinho Impactos que usinas hidrelétricas causam aos peixes: Bloqueio

Leia mais

Rio Doce: passado, presente e futuro

Rio Doce: passado, presente e futuro Rio Doce: passado, presente e futuro Fábio Vieira Consultor Ambiental e professor colaborador no Programa de Pós Graduação em Zoologia, ICB, UFMG 02/47 03/47 04/47 05/47 06/47 Manchete da Revista Galileu

Leia mais

SISEMA Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos. POLÍCIA MILITAR D E M I N A S G E R A I S Nossa profissão, sua vida.

SISEMA Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos. POLÍCIA MILITAR D E M I N A S G E R A I S Nossa profissão, sua vida. SISEMA Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos Criação de Rios de Preservação: A Experiência em Minas Gerais Palestrante: Erick Almeida Silva Coordenador de Áreas Protegidas IEF- Regional

Leia mais

Empreendimentos do Rio Madeira

Empreendimentos do Rio Madeira Empreendimentos do Rio Madeira Sistema de Transmissão Associado (Leilão ANEEL n 007/2008) Abordagem Conceitual AGENDA Introdução Aspectos Gerais Considerações sobre os Empreendimentos de Geração Considerações

Leia mais

O Impacto das Mudanças. as Climáticas na Gestão de Recursos Hídricos: H Implicações para o Setor Mineral

O Impacto das Mudanças. as Climáticas na Gestão de Recursos Hídricos: H Implicações para o Setor Mineral O Impacto das Mudanças as Climáticas na Gestão de Recursos Hídricos: H Implicações para o Setor Mineral - MÁRIO CICARELI PINHEIRO - 13 º CONGRESSO BRASILEIRO DE MINERAÇÃO Belo Horizonte, 24 de setembro

Leia mais

Usinas Hidrelétricas e Integração Regional. Usina Hidrelétrica Jirau

Usinas Hidrelétricas e Integração Regional. Usina Hidrelétrica Jirau Usinas Hidrelétricas e Integração Regional Usina Hidrelétrica Jirau Santa Cruz de La Sierra 04/11/2016 Integração Energética Grande potencial de integração energética devido à abundância de recursos naturais

Leia mais

Leitor MaxProx-PC. O leitor de cartões de proximidade MaxProx-PC é destinado aos Integradores de Controle de Acesso.

Leitor MaxProx-PC. O leitor de cartões de proximidade MaxProx-PC é destinado aos Integradores de Controle de Acesso. Leitor MaxProx-PC O leitor de cartões de proximidade MaxProx-PC é destinado aos Integradores de Controle de Acesso. Ele foi especialmente projetado para controle de acesso, para ser usado no modo de operação

Leia mais

SISTEMA DE COLETA DE DADOS OPERACIONAIS DAS USINAS TÉRMICAS REEMBOLSADAS PELA CONTA DE DESENVOLVIMENTO ENERGÉTICO SCD-CDE ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

SISTEMA DE COLETA DE DADOS OPERACIONAIS DAS USINAS TÉRMICAS REEMBOLSADAS PELA CONTA DE DESENVOLVIMENTO ENERGÉTICO SCD-CDE ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SISTEMA DE COLETA DE DADOS OPERACIONAIS DAS USINAS TÉRMICAS REEMBOLSADAS PELA CONTA DE DESENVOLVIMENTO ENERGÉTICO SCD-CDE ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 500 DA ANEEL, DE 17.07.2012 Outubro

Leia mais

GENOVA MONITORAMENTO DE PARÂMETROS HÍDRICOS E METEOROLÓGICOS

GENOVA MONITORAMENTO DE PARÂMETROS HÍDRICOS E METEOROLÓGICOS GENOVA MONITORAMENTO DE PARÂMETROS HÍDRICOS E METEOROLÓGICOS 2015 MONITORAMENTO EM TEMPO REAL O monitoramento por tempo real proporciona uma grande eficiência no sistema de segurança de monitoramento das

Leia mais

1331 Velocidade do som em líquidos Velocidade de fase e de grupo

1331 Velocidade do som em líquidos Velocidade de fase e de grupo 1 Roteiro elaborado com base na documentação que acompanha o conjunto por: Osvaldo Guimarães PUC-SP Tópicos Relacionados Ondas longitudinais, velocidade do som em líquidos, comprimento de onda, freqüência,

Leia mais

Poderoso aquisitor de dados VBOX e tecnologia de vídeo em uma interface amigável tudo num produto acessível

Poderoso aquisitor de dados VBOX e tecnologia de vídeo em uma interface amigável tudo num produto acessível Poderoso aquisitor de dados VBOX e tecnologia de vídeo em uma interface amigável tudo num produto acessível Vídeo VBOX Lite é uma caixa de soluções, incorporando um gravador de vídeo em estado de gravação

Leia mais

BARRAGEM DE CAMPOS NOVOS

BARRAGEM DE CAMPOS NOVOS 3º SIMPÓSIO SIO DE SEGURANÇA A DE BARRAGENS E RISCOS ASSOCIADOS ACIDENTES EM BARRAGENS BRASILEIRAS BARRAGEM DE CAMPOS NOVOS LAILTON VIEIRA XAVIER CARLOS CORREA LOCALIZAÇÃO ARRANJO GERAL 650 650 600 550

Leia mais

Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1:

Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1: IPH 110 Hidráulica e Hidrologia Aplicadas Exercícios de Hidrologia Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1: Tabela 1 Características

Leia mais

Taller sobre Agendas Cartográficas Propuesta para la constitución de um GTE

Taller sobre Agendas Cartográficas Propuesta para la constitución de um GTE Taller sobre Agendas Cartográficas Propuesta para la constitución de um GTE João Bosco de Azevedo Diretoria de Geociências Sumário Necessidades Posicionamento Preciso Tomada de Decisão Além das Fronteiras

Leia mais

parâmetros de cálculo 4. Velocidade 5. Vazão

parâmetros de cálculo 4. Velocidade 5. Vazão parâmetros de cálculo 4. Velocidade Velocidade é distância percorrida por unidade de tempo. A unidade usual é m/s. Uma maneira de entender a velocidade da água na tubulação é imaginar uma partícula de

Leia mais

É a superfície coberta por água o que corresponde a 70% da mesma; Encontrada em: - Oceanos; - Mares; - Águas continentais (rios, lagos e geleiras);

É a superfície coberta por água o que corresponde a 70% da mesma; Encontrada em: - Oceanos; - Mares; - Águas continentais (rios, lagos e geleiras); É a superfície coberta por água o que corresponde a 70% da mesma; Encontrada em: - Oceanos; - Mares; - Águas continentais (rios, lagos e geleiras); - 97,5% é água salgada - 2,5% apenas é água doce Distribuição:

Leia mais

Relatório de Instalação das Estações Hidrométricas em Atendimento à Resolução Conjunta nº 03/2010 da UHE São Domingos

Relatório de Instalação das Estações Hidrométricas em Atendimento à Resolução Conjunta nº 03/2010 da UHE São Domingos Relatório de Instalação das Estações Hidrométricas em Atendimento à Resolução Conjunta nº 03/2010 da UHE São Domingos Palhoça, 2 de outubro de 2012 1. INTRODUÇÃO Este relatório apresenta a instalação das

Leia mais

HGP Prática 8 30/1/ HIDRÁULICA GERAL PRÁTICA N 8

HGP Prática 8 30/1/ HIDRÁULICA GERAL PRÁTICA N 8 HGP Prática 8 30//03 4 ) TEMA: Medidas de velocidades de fluidos. HIDRÁULICA GERAL PRÁTICA N 8 ) OBJETIOS: Avaliação das velocidades de fluidos gasosos e líquidos em escoamento, por meio de tubo de Pitot

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA IBAMA N 185, DE 22 DE JULHO DE 2008.

INSTRUÇÃO NORMATIVA IBAMA N 185, DE 22 DE JULHO DE 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA IBAMA N 185, DE 22 DE JULHO DE 2008. O PRESIDENTE DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA, no uso das atribuições que lhe confere o item

Leia mais

Bancada para medição de fenômeno hidráulico durante a operação de um grupo gerador como síncrono

Bancada para medição de fenômeno hidráulico durante a operação de um grupo gerador como síncrono Bancada para medição de fenômeno hidráulico durante a operação de um grupo gerador como síncrono Carlos Barreira MARTINEZ Leonardo A. B. TORRES Luís A. AGUIRRE Viviane P. F. MAGALHÃES Introdução Operação

Leia mais

2.1. Projeto de Monitoramento Batimétrico. Revisão 00 NOV/2013. PCH Dores de Guanhães Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

2.1. Projeto de Monitoramento Batimétrico. Revisão 00 NOV/2013. PCH Dores de Guanhães Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PCH Dores de Guanhães Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS 2.1 Projeto de Monitoramento Batimétrico Revisão 00 NOV/2013 Coordenador da Equipe Carlos Eduardo Alencar Carvalho CRBio 37538/4-D

Leia mais

MF-511.R-4 - DETERMINAÇÃO DOS PONTOS PARA AMOSTRAGEM EM CHAMINÉS E DUTOS DE FONTES ESTACIONÁRIAS

MF-511.R-4 - DETERMINAÇÃO DOS PONTOS PARA AMOSTRAGEM EM CHAMINÉS E DUTOS DE FONTES ESTACIONÁRIAS MF-511.R-4 - DETERMINAÇÃO DOS PONTOS PARA AMOSTRAGEM EM CHAMINÉS E DUTOS DE FONTES ESTACIONÁRIAS Notas: Aprovado pela Deliberação CECA n. 1949, de 24 de setembro de 1981. Publicado no DOERJ de 14 de dezembro

Leia mais

PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO DA FAUNA DA UHE SANTO ANTÔNIO

PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO DA FAUNA DA UHE SANTO ANTÔNIO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO DA FAUNA DA UHE SANTO ANTÔNIO SUBPROGRAMA DE MONITORAMENTO DA HERPETOFAUNA DE RIOS QUELÔNIOS AQUÁTICOS RESPONSÁVEIS TÉCNICOS Dr a. Daniely Félix-Silva OBJETIVOS Subprograma Avaliar

Leia mais

DUTOS E CHAMINÉS DE FONTES ESTACIONÁRIAS DETERMINAÇÃO DOS PONTOS DE AMOSTRAGEM. Método de ensaio

DUTOS E CHAMINÉS DE FONTES ESTACIONÁRIAS DETERMINAÇÃO DOS PONTOS DE AMOSTRAGEM. Método de ensaio CETESB DUTOS E CHAMINÉS DE FONTES ESTACIONÁRIAS DETERMINAÇÃO DOS PONTOS DE AMOSTRAGEM Método de ensaio L9.221 JUL/90 SUMÁRIO Pág. 1 Objetivo...1 2 Definições...1 3 Condições gerais...2 4 Condições específicas...3

Leia mais

Conceitos- Vazão, movimento e regime de escoamento. 1) Determine o regime de escoamento sabendo que o tubo tem um diâmetro de 75 mm e

Conceitos- Vazão, movimento e regime de escoamento. 1) Determine o regime de escoamento sabendo que o tubo tem um diâmetro de 75 mm e Lista de exercícios- Hidráulica I Conceitos- Vazão, movimento e regime de escoamento 1) Determine o regime de escoamento sabendo que o tubo tem um diâmetro de 75 mm e transporta água (ν=10 6 m 2 /s) com

Leia mais

Bios Consultoria e Serviços Ambientais Ltda. MARÇO 2012 LAVRAS MG

Bios Consultoria e Serviços Ambientais Ltda. MARÇO 2012 LAVRAS MG 1 PLANO DE RESGATE DA ICTIOFAUNA NOS VÃOS DO VERTEDOURO PRINCIPAL DA UHE SANTO ANTÔNIO PARA CONSTRUÇÃO DAS OGIVAS FASE DE IMPLANTAÇÃO DA UHE SANTO ANTÔNIO, RIO MADEIRA/RO Bios Consultoria e Serviços Ambientais

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL NA PESQUISA MINERAL

LICENCIAMENTO AMBIENTAL NA PESQUISA MINERAL LICENCIAMENTO AMBIENTAL NA PESQUISA MINERAL 1 PESQUISA MINERAL PRELIMINARES 2 Alvará de Pesquisa Mineral O título para a pesquisa mineral é a autorização, denominada no Brasil de Alvará de Pesquisa, concedida

Leia mais

DISCIPLINA: SANEAMENTO PROF. CARLOS EDUARDO F MELLO

DISCIPLINA: SANEAMENTO PROF. CARLOS EDUARDO F MELLO UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DECIV DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Tratamento de Água: Floculação DISCIPLINA: SANEAMENTO PROF. CARLOS EDUARDO F MELLO e-mail: cefmello@gmail.com Conceito São unidades

Leia mais

14. Usinas Hidrelétricas

14. Usinas Hidrelétricas Fazem parte das usinas hidrelétricas as estruturas extravasoras, incluindo o canal de fuga e as unidades geradoras, compostas pela casa de máquinas, onde está localizado o conjunto gerador, do qual, por

Leia mais

de Requisitos do Sistema BET de Fortaleza

de Requisitos do Sistema BET de Fortaleza ApÊNDICE A Documento de Requisitos do Sistema BET de Fortaleza Introdução Propósito Este documento descreve os requisitos de software para o sistema de controle de Bilhetes Eletrônicos para Transporte

Leia mais

Propagação Radioelétrica 2017/II Profa. Cristina

Propagação Radioelétrica 2017/II Profa. Cristina Propagação Radioelétrica 2017/II Profa. Cristina Módulo II Fenômenos de Propagação Efeitos da Refração na Propagação Fenômenos de Propagação Quando uma onda se propaga e encontra certo meio, como um obstáculo

Leia mais

ESTUDO DA ENERGIA ESPECÍFICA EM CANAL EXPERIMENTAL

ESTUDO DA ENERGIA ESPECÍFICA EM CANAL EXPERIMENTAL ESTUDO DA ENERGIA ESPECÍFICA EM CANAL EXPERIMENTAL Michelly Matos Pereira 1 Antonio Italcy de Oliveira Júnior 2 Paulo Fernando Matos de Santana 3 Rodrigo Alencar Ferreira 4 Paulo Roberto Lacerda Tavares

Leia mais

UHE Belo Monte. IBRACON - 53 Congresso Brasileiro de Concreto Florianópolis -SC 03/Nov./2011

UHE Belo Monte. IBRACON - 53 Congresso Brasileiro de Concreto Florianópolis -SC 03/Nov./2011 UHE Belo Monte IBRACON - 53 Congresso Brasileiro de Concreto Florianópolis -SC 03/Nov./2011 LOCALIZAÇÃO Volta Grande do Xingu Pará Altamira Transamazônica Belo Monte Vitória do Xingu Brasil Novo Anapu

Leia mais

PROJETO BÁSICO AMBIENTAL UHE TELES PIRES

PROJETO BÁSICO AMBIENTAL UHE TELES PIRES PROJETO BÁSICO AMBIENTAL UHE TELES PIRES P.10 PROGRAMA DE MONITORAMENTO CLIMATOLÓGICO Parecer Técnico EQUIPE TÉCNICA RESPONSÁVEL PELO DESENVOLVIMENTO DAS ATIVIDADES DO PROGRAMA INTEGRANTES CONSELHO CTF

Leia mais

2.1. Projeto de Monitoramento Batimétrico. Revisão 00 NOV/2013. PCH Jacaré Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

2.1. Projeto de Monitoramento Batimétrico. Revisão 00 NOV/2013. PCH Jacaré Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PROGRAMAS AMBIENTAIS 2.1 Projeto de Monitoramento Batimétrico NOV/2013 CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 1 2. Justificativa... 1 3. Objetivos... 2 4. Área de Abrangência...

Leia mais

Biodiversidade e Funcionamento de um Ecossistema Costeiro Subtropical: Subsídios para Gestão Integrada. BIOTA/FAPESP - Araçá

Biodiversidade e Funcionamento de um Ecossistema Costeiro Subtropical: Subsídios para Gestão Integrada. BIOTA/FAPESP - Araçá Biodiversidade e Funcionamento de um Ecossistema Costeiro Subtropical: Subsídios para Gestão Integrada BIOTA/FAPESP - Araçá Motivação Impactos em regiões costeiras são problemas globais http://www.nceas.ucsb.edu/globalmarine

Leia mais

Geração de Energia Elétrica

Geração de Energia Elétrica Geração de Energia Elétrica Centrais Hidrelétricas Curiosidades Joinville, 26 de Fevereiro de 2013 Fernando B. Prioste Escopo dos Tópicos Abordados Componentes básicos de uma Central Hidrelétrica 2 Fernando

Leia mais

5. Processo do Almoxarifado de Figurino com RFID

5. Processo do Almoxarifado de Figurino com RFID 5. Processo do Almoxarifado de Figurino com RFID O objetivo do presente capítulo é apresentar como o processo na produtora passou a ser executado após a implantação da tecnologia RFID. O Capítulo contempla

Leia mais

Relatório mensal de acompanhamento climatológico na região da UHE Mauá Março de 2012

Relatório mensal de acompanhamento climatológico na região da UHE Mauá Março de 2012 INSTITUTO TECNOLÓGICO SIMEPAR Unidade Complementar do Serviço Social Autônomo Paraná Tecnologia Curitiba PR, Caixa Postal 19100, CEP 81531-990, Tel/Fax: + 55 (41) 3320-2001 Relatório mensal de acompanhamento

Leia mais

Linha de tubulação de pvc

Linha de tubulação de pvc 101 5.3.2- Linha de tubulação de pvc A seguir, são apresentados os perfis GPR adquiridos com os seguintes parâmetros, modo de aquisição passo a passo, arranjo de antenas Ey-Ey, freqüência de 100MHz e espaçamento

Leia mais

Anexo 4. Termo de Referência do Plano de Negócios

Anexo 4. Termo de Referência do Plano de Negócios Anexo 4 Termo de Referência do Plano de Negócios I. Introdução 1.1. Este Termo de Referência tem por objetivo orientar as Proponentes na elaboração de seu Plano de Negócios, conforme definido no Edital,

Leia mais

CORRIDA DE OBSTÁCULOS

CORRIDA DE OBSTÁCULOS CORRIDA DE OBSTÁCULOS 1. DO OBJETIVO GERAL 1.1 O objetivo geral da modalidade Corrida de Obstáculos é estimular a inserção de novos alunos em competições de robótica a partir da utilização de conceitos

Leia mais

Com nível baixo por causa da estiagem, reservatório da Usina de Foz do Areia atenuou enchentes rio abaixo

Com nível baixo por causa da estiagem, reservatório da Usina de Foz do Areia atenuou enchentes rio abaixo Reservatório vazio evitou tragédia no Rio Iguaçu Com nível baixo por causa da estiagem, reservatório da Usina de Foz do Areia atenuou enchentes rio abaixo Uma estratégia acertada de operação na Usina Gov.

Leia mais

INF Fundamentos da Computação Gráfica Professor: Marcelo Gattass Aluno: Rogério Pinheiro de Souza

INF Fundamentos da Computação Gráfica Professor: Marcelo Gattass Aluno: Rogério Pinheiro de Souza INF2608 - Fundamentos da Computação Gráfica Professor: Marcelo Gattass Aluno: Rogério Pinheiro de Souza Trabalho 02 Visualização de Imagens Sísmicas e Detecção Automática de Horizonte Resumo Este trabalho

Leia mais

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 4A AULA 11. Profº André Tomasini

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 4A AULA 11. Profº André Tomasini TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 4A AULA 11 Profº André Tomasini ÁGUAS CONTINENTAIS Os oceanos e mares cobrem 2/3 da superfície do planeta. Águas Oceânicas : Abrange oceanos e mares. Águas Continentais: Rios,

Leia mais

Saneamento Ambiental I

Saneamento Ambiental I Universidade Federal do Paraná Engenharia Ambiental Saneamento Ambiental I Aula 23 O Sistema de Esgoto Sanitário: dimensionamento Profª Heloise G. Knapik 1 EXERCÍCIO ESTIMATIVA DE VAZÕES E CARGA DE ESGOTO

Leia mais

DRENAGEM AULA 04 OBRAS DE ARTE CORRENTES

DRENAGEM AULA 04 OBRAS DE ARTE CORRENTES AULA 04 OBRAS DE ARTE CORRENTES Tipos de drenagem Drenagem de transposição de talvegues Tem por objetivo permitir a passagem das águas que escoam pelo terreno natural, não as interceptando, de um lado

Leia mais

Montagem & Manutenção Oficina de Informática - 1 - GABINETE. O mercado disponibiliza os seguintes modelos de gabinete para integração de PC s:

Montagem & Manutenção Oficina de Informática - 1 - GABINETE. O mercado disponibiliza os seguintes modelos de gabinete para integração de PC s: GABINETE - 1 - O gabinete é considerado a estrutura do PC porque é nele que todos os componentes internos serão instalados e fixados. Portanto, a escolha de um gabinete adequado aos componentes que serão

Leia mais

Vertedouros. Aeração e Aspectos Operativos. Aluno: Leandro Clemente Hikaru Kaku de Oliveira

Vertedouros. Aeração e Aspectos Operativos. Aluno: Leandro Clemente Hikaru Kaku de Oliveira Vertedouros Aeração e Aspectos Operativos Aluno: Leandro Clemente Hikaru Kaku de Oliveira Agenda Cavitação Um breve resumo Redução dos efeitos da Cavitação Aeração Aspectos Operativos de vertedouros e

Leia mais

ESTUDOS HIDROLÓGICOS E ENERGÉTICOS. Paulo Antunes da Rocha Bruno van der Meer

ESTUDOS HIDROLÓGICOS E ENERGÉTICOS. Paulo Antunes da Rocha Bruno van der Meer ESTUDOS HIDROLÓGICOS E ENERGÉTICOS TE- 033 Paulo Antunes da Rocha Bruno van der Meer 1 Objetivo Apresentar os aspectos dos estudos hidrológicos correspondentes aos projetos de PCHs 2 Roteiro Estudos Hidrológico:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA ENG 008 Fenômenos de Transporte I A Profª Fátima Lopes

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA ENG 008 Fenômenos de Transporte I A Profª Fátima Lopes Equações básicas Uma análise de qualquer problema em Mecânica dos Fluidos, necessariamente se inicia, quer diretamente ou indiretamente, com a definição das leis básicas que governam o movimento do fluido.

Leia mais

Tarefa 2 - Monitorização de nutrientes e atividade trófica na albufeira do Enxoé

Tarefa 2 - Monitorização de nutrientes e atividade trófica na albufeira do Enxoé PTDC/AGR-AAM/098100/2008 Gestão integrada de fósforo para controlo da eutrofização de bacias hidrográficas EUTROPHOS Tarefa 2 - Monitorização de nutrientes e atividade trófica na albufeira do Enxoé Âmbito

Leia mais

Mecânica dos Fluidos. Aula 18 Exercícios Complementares. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Mecânica dos Fluidos. Aula 18 Exercícios Complementares. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues Aula 18 Exercícios Complementares Tópicos Abordados Nesta Aula. Exercícios Complementares. 1) A massa específica de uma determinada substância é igual a 900kg/m³, determine o volume ocupado por uma massa

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Manual de Operação e Instalação Calha Parshall MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS Cód: 073AA-025-122M Rev. M Março / 2016 Indústria e Comércio de Medidores de Vazão e Nível LTDA. Rua João Serrano, 250

Leia mais

Universidade Tecnológica Federal do Paraná. CC54Z - Hidrologia. Evaporação e evapotranspiração. Prof. Fernando Andrade Curitiba, 2014

Universidade Tecnológica Federal do Paraná. CC54Z - Hidrologia. Evaporação e evapotranspiração. Prof. Fernando Andrade Curitiba, 2014 Universidade Tecnológica Federal do Paraná CC54Z - Hidrologia Evaporação e evapotranspiração Prof. Fernando Andrade Curitiba, 2014 Objetivos da aula Definir os conceitos básicos da evaporação e evapotranspiração

Leia mais

Prof. Leandro Morais VAZÃO

Prof. Leandro Morais VAZÃO Prof. Leandro Morais VAZÃO Vazão Definição de Vazão - É a quantidade de líquido, gás ou sólido que passa por um determinado local por unidade de tempo. - Quantidade medida em volume (m³) ou massa (kg)

Leia mais

V- DESVIO DO RIO. canais ou túneis. túneis escavados nas ombreiras. Apresenta-se no item V.1 deste capítulo, o desvio do rio através de

V- DESVIO DO RIO. canais ou túneis. túneis escavados nas ombreiras. Apresenta-se no item V.1 deste capítulo, o desvio do rio através de DESVIO DO RIO V- DESVIO DO RIO Já no anteprojeto da obra, é preciso definir os procedimentos a serem adotados para o desvio do rio para construção da obra, analisando-se criteriosamente todos os aspectos

Leia mais

CatLocVBA RD. Washington de Araújo Melo. Projetista e Programador Contato (31)

CatLocVBA RD. Washington de Araújo Melo. Projetista e Programador Contato (31) APRESENTAÇÃO O programa CatLocVBA RD foi desenvolvido para a locação de linhas de 34,5kV, usando os cálculos de tensões e flechas dos cabos, entrando se com as cargas limites admissíveis, onde os valores

Leia mais

Sistema de Alerta da Bacia do rio Doce

Sistema de Alerta da Bacia do rio Doce Sistema de Alerta da Bacia do rio Doce Belo Horizonte, 26 de novembro de 2015 às 19:30 h. Previsão da turbidez A CPRM está utilizando um modelo simplificado para a previsão de Turbidez na calha do rio

Leia mais

CATRACA LED PEDESTAL Características

CATRACA LED PEDESTAL Características No CATRACA LED PEDESTAL Características Design inovador e requintado para os mais diversos ambientes; Novo sistema de acesso aos componentes eletrônicos direto na tampa, de fácil acesso; Novo sistema de

Leia mais

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil Viviane Olive Leonardo Souza SYNAPSIS BRASIL LTDA SYNAPSIS BRASIL LTDA volive@synapsis-it.com

Leia mais

Lista de Exercícios Perda de Carga Localizada e Perda de Carga Singular

Lista de Exercícios Perda de Carga Localizada e Perda de Carga Singular Lista de Exercícios Perda de Carga Localizada e Perda de Carga Singular 1. (Petrobrás/2010) Um oleoduto com 6 km de comprimento e diâmetro uniforme opera com um gradiente de pressão de 40 Pa/m transportando

Leia mais

PROPOSTA DE FORNECIMENTO

PROPOSTA DE FORNECIMENTO I.E.: 149.242.170.112 A São Paulo, 17 de Dezembro de 2010. Universidade Federal do Pampa Pregão Eletrônico Nº 86/2010 Processo Nº: 23100.001555/2010-26 PROPOSTA DE FORNECIMENTO Item Qt. Descrição R$/unid.

Leia mais

ABINEE TEC MINAS 2008 - SINAEES. Seminário Vendas para Áreas de Petróleo e Gás, Inovação, Qualidade, Aspectos Ambientais e Controle PCH s

ABINEE TEC MINAS 2008 - SINAEES. Seminário Vendas para Áreas de Petróleo e Gás, Inovação, Qualidade, Aspectos Ambientais e Controle PCH s ABINEE TEC MINAS 2008 - SINAEES Seminário Vendas para Áreas de Petróleo e Gás, Inovação, Qualidade, Aspectos Ambientais e Controle PCH s SISTEMAS DE TRANSPOSIÇÃO DE PEIXES EM BARRAGENS DE RIOS CASO DA

Leia mais

MÁQUINAS HIDRÁULICAS AULA 14 TURBINAS HIDRÁULICAS PROF.: KAIO DUTRA

MÁQUINAS HIDRÁULICAS AULA 14 TURBINAS HIDRÁULICAS PROF.: KAIO DUTRA MÁQUINAS HIDRÁULICAS AULA 14 TURBINAS HIDRÁULICAS PROF.: KAIO DUTRA Centrais Hidroelétricas A energia hidráulica encontra-se no mares, rios e reservatórios, sob a forma potencial e cinética e podem ser

Leia mais

Memorial Descritivo BUEIROS CELULARES DE CONCRETO. 01 BUEIRO triplo na RS715 com 3,00m X 2,50m X 16m, cada célula, no km 0 + 188,5m.

Memorial Descritivo BUEIROS CELULARES DE CONCRETO. 01 BUEIRO triplo na RS715 com 3,00m X 2,50m X 16m, cada célula, no km 0 + 188,5m. Memorial Descritivo BUEIROS CELULARES DE CONCRETO OBRAS / LOCALIZAÇÃO 01 BUEIRO triplo na RS715 com 3,00m X 2,50m X 16m, cada célula, no km 0 + 188,5m. 01 BUEIRO triplo na RS 715 com 3,00m X 2,00m X 19m,

Leia mais

Uso de Travessia Subaquática em Rede de Distribuição Rural de Energia.

Uso de Travessia Subaquática em Rede de Distribuição Rural de Energia. UNICAMP Universidade Estadual de Campinas NIPE Núcleo Interdisciplinar em Pesquisas Energéticas Uso de Travessia Subaquática em Rede de Distribuição Rural de Energia. Autores: Aureo Matos e Manuel Filho

Leia mais

Distribuição Potencial de Peixes em Bacias Hidrográficas

Distribuição Potencial de Peixes em Bacias Hidrográficas Boas Práticas em Conservação e Manejo da Ictiofauna em Minas Gerais Distribuição Potencial de Peixes em Bacias Hidrográficas Ricardo Oliveira Latini Belo Horizonte / 2011 Foto: Fernando Alves Nicho ecológico

Leia mais

Interpretação dos Registros de Auscultação das UHE s Ilha Solteira e Engenheiro Souza Dias (Jupiá)

Interpretação dos Registros de Auscultação das UHE s Ilha Solteira e Engenheiro Souza Dias (Jupiá) Interpretação dos Registros de Auscultação das UHE s Ilha Solteira e Engenheiro Souza Dias (Jupiá) Jhaber Dahsan Yacoub Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Faculdade de Engenharia de

Leia mais

1979 Estudos de Inventário da Bacia Hidrográfica do Rio Xingu ELETRONORTE Estudos de Viabilidade - 1ª Etapa ELETRONORTE

1979 Estudos de Inventário da Bacia Hidrográfica do Rio Xingu ELETRONORTE Estudos de Viabilidade - 1ª Etapa ELETRONORTE HISTÓRICO 1979 Estudos de Inventário da Bacia Hidrográfica do Rio Xingu ELETRONORTE AHE Altamira, à montante da cidade de Altamira (antigo Babaquara) UHE Belo Monte com geração em Kararaô e barramento

Leia mais

Tratores. Informações gerais sobre tratores. Recomendações. Distância do eixo

Tratores. Informações gerais sobre tratores. Recomendações. Distância do eixo Informações gerais sobre tratores Informações gerais sobre tratores Os tratores foram projetados para puxar semirreboques e são, portanto, equipados com uma quinta roda para possibilitar a fácil troca

Leia mais

Resolução Comentada Fuvest - 1ª fase 2014

Resolução Comentada Fuvest - 1ª fase 2014 Resolução Comentada Fuvest - 1ª fase 2014 01 - Em uma competição de salto em distância, um atleta de 70kg tem, imediatamente antes do salto, uma velocidade na direção horizontal de módulo 10m/s. Ao saltar,

Leia mais

Utiliza sistema de gerenciamento embarcado, através de navegador Web, sem necessidade de instalação de software na máquina cliente;

Utiliza sistema de gerenciamento embarcado, através de navegador Web, sem necessidade de instalação de software na máquina cliente; Características Registrador eletrônico de ponto que atende a Portaria 1.510/09 do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), e os requisitos da Portaria 595/13 do INMETRO, que determina novos padrões de segurança

Leia mais

Auditoria de Meio Ambiente da SAE/DS sobre CCSA

Auditoria de Meio Ambiente da SAE/DS sobre CCSA 1 / 8 1 OBJETIVO: Este procedimento visa sistematizar a realização de auditorias de Meio Ambiente por parte da SANTO ANTÔNIO ENERGIA SAE / Diretoria de Sustentabilidade DS, sobre as obras executadas no

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA FIT- FUNCAP

SECRETARIA EXECUTIVA FIT- FUNCAP SECRETARIA EXECUTIVA FIT- FUNCAP ÍNDICE APRESENTAÇÃO 03 RESUMO DO PROJETO 05 I. CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROJETO NO PLANEJAMENTO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO 05 II. DIAGNÓSTICO 06 III. JUSTIFICATIVA 06

Leia mais

7º MATERIAL EXTRA 3º ANO PROF. PASTANA

7º MATERIAL EXTRA 3º ANO PROF. PASTANA 7º MATERIAL EXTRA 3º ANO PROF. PASTANA ENEM /21 1. Um engenheiro para calcular a área de uma cidade, copiou sua planta numa folha de papel de boa qualidade, recortou e pesou numa balança de precisão, obtendo

Leia mais

Escol Superior Agrária de Ponte de Lima Disciplina de Economia Ambiental Exercício sobre Recursos Renováveis: Gestão de um Pesqueiro

Escol Superior Agrária de Ponte de Lima Disciplina de Economia Ambiental Exercício sobre Recursos Renováveis: Gestão de um Pesqueiro Escol Superior Agrária de Ponte de Lima Disciplina de Economia Ambiental Exercício sobre Recursos Renováveis: Gestão de um Pesqueiro (A) Preencha a Tabela fornecida, dada a seguinte informação sobre o

Leia mais

Augusto Ribeiro Mendes Filho Assessor de Comunicação da Elipse Software NECESSIDADE

Augusto Ribeiro Mendes Filho Assessor de Comunicação da Elipse Software NECESSIDADE ELIPSE E3 PERMITE AVALIAR A PERFORMANCE DAS TECNOLOGIAS USADAS EM USINA FOTOVOLTAICA DA TRACTEBEL ENERGIA Solução da Elipse Software monitora o comportamento das tecnologias testadas na Usina Fotovoltaica

Leia mais

ANÁLISE DOS NÍVEIS SONOROS GERADOS NA OPERAÇÃO DE PCH: ASPECTOS AMBIENTAIS E OCUPACIONAIS.

ANÁLISE DOS NÍVEIS SONOROS GERADOS NA OPERAÇÃO DE PCH: ASPECTOS AMBIENTAIS E OCUPACIONAIS. ANÁLISE DOS NÍVEIS SONOROS GERADOS NA OPERAÇÃO DE PCH: ASPECTOS AMBIENTAIS E OCUPACIONAIS. Luiz Felipe SILVA Professor Dr. Universidade Federal de Itajubá, IRN Mateus RICARDO Engenheiro M.Sc. Universidade

Leia mais

INFRAESTRUTURA NECESSÁRIA...

INFRAESTRUTURA NECESSÁRIA... VISÃO DO SISTEMA Sumário 1 INTRODUÇÃO... 2 2 ITSCAM PRO... 3 2.1. 2.2. ARQUITETURA DO SISTEMA... 3 PRINCIPAIS FUNCIONALIDADES E TELAS... 4 3 INFRAESTRUTURA NECESSÁRIA... 11 3.1. 3.2. 3.3. 3.4. INFRAESTRUTURA

Leia mais

Fluidos - Dinâmica. Estudo: Equação da Continuidade Equação de Bernoulli Aplicações

Fluidos - Dinâmica. Estudo: Equação da Continuidade Equação de Bernoulli Aplicações Fluidos - Dinâmica Estudo: Equação da Continuidade Equação de Bernoulli Aplicações Dinâmica em Fluido Ideal Nosso fluido ideal satisfaz a quatro requisitos: 1. Escoamento laminar: a velocidade do fluido

Leia mais

DIRETRIZES PARA PROJETO

DIRETRIZES PARA PROJETO ELABORAÇÃO EQUIPE TÉCNICA USHI: Ely Carlos de Alvarenga Josete de Fátima de Sá Nicolás Lopardo 1 INTRODUÇÃO Esta Diretriz tem como função principal indicar critérios técnicos necessários para permitir

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO SUBCATEGORIA: LUMINÁRIAS PARA USO CONJUNTO A CENTRAL DE ILUMINAÇÃO DE EMERGÊNCIA Luminária de Balizamento Acrílico - Com Iluminação a LED Para Uso Conjunto a Centrais de Iluminação de Emergência em 24

Leia mais

APRESENTAÇÃO UHE MAUÁ WORKSHOPSOBRE BARRAGENS EM SÍTIOS CONTENDO SULFATOS. José Marques Filho Companhia Paranaense de Energia

APRESENTAÇÃO UHE MAUÁ WORKSHOPSOBRE BARRAGENS EM SÍTIOS CONTENDO SULFATOS. José Marques Filho Companhia Paranaense de Energia APRESENTAÇÃO UHE MAUÁ WORKSHOPSOBRE BARRAGENS EM SÍTIOS CONTENDO SULFATOS José Marques Filho Companhia Paranaense de Energia UHE GOV. JAYME CANET JR. CONSÓRCIO EPC J. Malucelli Construtora de Obras S/A,

Leia mais

BOMBAS. Definições. ALTURA DE SUCÇÃO (H S ) - Desnível geométrico (altura em metros), entre o nível dinâmico da captação e o bocal de sucção da bomba.

BOMBAS. Definições. ALTURA DE SUCÇÃO (H S ) - Desnível geométrico (altura em metros), entre o nível dinâmico da captação e o bocal de sucção da bomba. BOMBAS Definições ALTURA DE SUCÇÃO (H S ) - Desnível geométrico (altura em metros), entre o nível dinâmico da captação e o bocal de sucção da bomba. OBS.: Em bombas centrífugas normais, instaladas ao nível

Leia mais

Unidade 5: Força e movimento

Unidade 5: Força e movimento Unidade 5: Força e movimento Desde a antiguidade até os dias atuais que nós, seres humanos, estudamos e aprendemos sobre a produção do movimento e como dominá-lo. E essa constante evolução tecnológica

Leia mais

Programa Peixe Vivo - Cemig

Programa Peixe Vivo - Cemig Programa Peixe Vivo - Cemig 4º Seminário Estratégias para Conservação de Peixes em Minas Gerais. 40 anos Uma Trajetória Ambiental no Setor Elétrico Vasco Campos Torquato Novembro 2014 Com muito orgulho

Leia mais