Fontes Confiáveis de Informação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fontes Confiáveis de Informação"

Transcrição

1 1 Fntes Cnfiáveis de Infrmaçã A Internet é uma destas invenções que vei para mdificar definitivamente a humanidade. Pr ser capaz de permitir que qualquer pessa, independentemente de sua frmaçã, crie sites sbre assunts s mais diverss, a infrmaçã que circula na rede acaba pr ser bastante difusa e, muitas vezes, cntraditória. Na área de saúde, vcê encntrará sites de tds s tips. Desde aqueles que sã cnstruíds mas jamais mantids pr aluns de esclas d segund grau u entusiastas da área sem muita sustentaçã científica, até super-sites que apresentam td genma human, cm cmplexas e impnderáveis ferramentas gráficas para sua manipulaçã. Cm prsperar neste territóri selvagem, cnseguind separar a ba infrmaçã da infrmaçã ruim, u puc cnfiável? Este breve capítul tem pr bjetiv despertar em vcê a capacidade de discernir sbre que se cnstitui numa fnte cnfiável de infrmações em saúde na Internet, permitind-lhe julgar mais rapidamente, pssíveis cntradições encntradas a navegar pel mar de sites de infrmaçã científica dispníveis. Tips de infrmaçã científica Basicamente, pdems classificar as fntes de infrmaçã científica na Internet em dis tips distints: 1

2 2 Internet para Prfissinais de Saúde 1. Infrmaçã básica: fundaments relacinads a um determinad assunt, nrmalmente encntrads em livrs-text de disciplinas específicas, cm pr exempl, mecanisms biquímics e fisilógics fundamentais, fundaments de farmaclgia, fundaments de micrbilgia etc. Nrmalmente, estas infrmações nã sã encntradas em artigs científics, ficand destinadas a sites especializads, mantids pr instituições de ensin, empresas públicas e privadas, prfissinais de saúde, prfessres, estudantes e entusiastas d assunt. 2. Artigs científics: infrmações científicas publicadas em revistas e periódics de saúde após minucisa validaçã de sua veracidade. Nrmalmente estes periódics nã publicam infrmações básicas, apenas nvas descbertas científicas que levem estudante a situar-se n ápice d cnheciment em um determinad ram científic d saber. Esta infrmaçã pde vir a ser citada em futuras revisões de livrs-text, mas nrmalmente as precede cm razável interval de temp, send prduzida cntinuamente pela cmunidade científica internacinal. Uma vez que vcê tenha clar em sua mente que as infrmações científicas sã segmentadas nestas duas vertentes, a pesquisá-las na Internet, use as seguintes dicas: Se tip de infrmaçã que prcura é uma infrmaçã básica, nã tente encntrá-la em sites especializads em artigs científics, cm Lilacs, (Literatura para a Latin América e Caribe em Saúde), SciELO (Scientific Library On-Line) u PubMed. Será alg trabalhs e, na mairia das vezes, muit frustrante. Vcê encntrará minúncias sbre assunt pesquisad, mas raramente sua fundamentaçã. Nesta situaçã, tente pesquisar em sites de ampla abrangência, cm Ggle, Medline, nas bases de dads BVS, sites de instituições de ensin e muits utrs mas lembre-se de certificar a validade da infrmaçã cm será vist adiante neste capítul; Se vcê quer as últimas nvidades u tendências científicas sbre um determinad assunt, pesquise tema em um prtal de saúde, cm BVS u PubMed. Nestes sites, vcê terá acess nã apenas a que há de mais recente publicad sbre assunt, mas pderá também fazer diversas crrelações entre a infrmaçã desejada e utras pesquisas similares. Os prtais de saúde sã cnsiderads uma fnte segura de infrmaçã e nrmalmente frnecem grande flexibilidade para

3 Fntes cnfiáveis de infrmaçã 3 explrar, pr exempl, tds s artigs científics prduzids pr um determinad pesquisadr em um determinad interval de temp. Cm funcinam as URLs? Assim cm vcê pssui um númer telefônic únic n planeta (cmpst pel códig d país + códig d estad/municípi + númer d telefne), cada site na Internet pssui um endereç IP únic n mund. Os endereçs IP (Internet Prtcl), sã cmpsts de quatr cnjunts de três dígits: XXX.XXX.XXX.XXX Cada grup de XXX varia de 0 até 255. Pr exempl, endereç IP d site da BVS Base de dads Virtual em Saúde é seguinte: Para fazer cm que dis cmputadres cnversem à distância, é necessári especificar prtcl de cmunicações (u dialet ) que ambs utilizarã na cnversaçã entre dis endereçs IP. Há váris dialets crrentes na Internet, send mais cmum deles HTTP (HyperText Transfer Prtcl, u literalmente, prtcl de transferência de hypertext). Pr esse mtiv, a cntactar endereç IP de utr cmputadr na Internet, vcê pde especificar qual será dialet usad na cmunicaçã entre as máquinas. Para acessar endereç IP d site da BVS, pr exempl, vcê pde especificar que deseja cnectá-l utilizand prtcl HTTP, da seguinte frma: Nta: Os navegadres mais mderns, cm Internet Explrer 6 u superir, acrescentam autmaticamente prefix a qualquer endereç digitad em sua barra de endereçs. Se vcê quiser testar endereç IP da BVS em seu cmputadr, empregue- de frma pura sem frnecer prtcl (u seja, digite apenas ). Vcê navegará facilmente para este endereç. Há váris utrs prtcls de cmunicaçã dispníveis na Internet, dentre s quais pdems citar FTP (File Transfer Prtcl), MailT (prtcl usad n transprte de crrei eletrônic), UDP (Universal Datagram Prtcl) etc.

4 4 Internet para Prfissinais de Saúde Cm a sintaxe de prtcls e endereçs IP é muit cmplicada, uma rganizaçã suíça chamada CERN (Cnseil Eurpeen pur la Recherche Nucleaire, hje chamad de Eurpean Labratry fr Particle Physics), desenvlveu cnceit de URL cm frma mais fácil para acessar um endereç IP na Internet. URL é uma sigla para Unifrm Resurce Lcatr que significa, literalmente, Lcalizadr Unifrme de Recurs. A idéia prpagada pel CERN fi a de criar um banc de dads centralizad n qual s endereçs IP pderiam ser assciads a um nme padrã, u URL. Em 1980, esta idéia geru que se cnhece hje cm a WWW Wrd Wide Web (literalmente, Teia d Tamanh d Mund): um ambiente glbal, n qual tda a infrmaçã dispnibilizada pela Internet é passível de ser acessada empregand-se um cnjunt padrã de regras de nmenclatura e acess. Em lugar de digitar um endereç IP (numéric, de difícil memrizaçã), vcê digita a URL assciada a mesm (em frmat textual, facilmente assciável). Percebend a grande variedade de tips de endereçs pssíveis, a WWW segmentu lcal de registr ds nmes em dmínis cnjunts de três (u duas) letras, que indicam tip de endereç registrad. Entre s principais dmínis existentes, vcê encntra:.com u COMercial: nestes dmínis, qualquer pessa pde registrar um site e fazer cm que este prpague uma infrmaçã na Internet. Em alguns países, cm a Inglaterra, Japã etc., este dmíni pssui apenas duas letras (.CO);.MIL u MILitar: n qual apenas rganizações militares pdem se cadastrar (Marinha, Exércit u Aernáutica);.GOV u GOVernamental: permitind apenas cadastr de órgãs gvernamentais;.org u ORGanizações: lucrativas u nã, destinad a empresas u rganizações nã-cmerciais mas que pdem estar send financiadas pr empresas cmerciais;.edu u Educacinal: destinad apenas às instituições de ensin, cm Ministéri da Educaçã, universidades federais u particulares etc.

5 Fntes cnfiáveis de infrmaçã 5 Cm s dmínis sã inerentes a cada país e s primeirs dmínis criads fram definids ns Estads Unids, cnvencinu-se que, se país nã fr s Estads Unids, a sigla d país deverá suceder nme d dmíni n qual a URL é registrada. A URL a seguir, pr exempl, mstra que endereç pertence a dmíni Gvernamental (.GOV) ds Estads Unids: Pr utr lad, próxim endereç, mstra uma URL registrada em um dmíni d gvern brasileir (.GOV.BR): É pr este mtiv que a grande mairia das URLs inicia-se pelas letras www (algumas nã estã registradas na WWW, apenas na Internet). Outra cnvençã interessante diz respeit a fat de as URLs separarem s cmputadres (máquinas) nde a infrmaçã está armazenada pr pnts (.), enquant que as pastas dentr das máquinas sã separadas pr / (barra inclinada para a direita). Observe a seguinte URL: Cm vcê pôde ver, endereç acima está registrad n dmíni GOV (gvernamental) d Brasil (.GOV.BR). Ele acessa arquiv SIAB.PHP, da pasta SIAB d cmputadr apelidad de DataSus, registrad n dmíni.gov.br. Certs sites frnecem um caminh mais cmplex para a infrmaçã. Observe, pr exempl, endereç da Natinal Library f Medicine (Bibliteca Nacinal de Medicina) ds Estads Unids: Neste cas, GOV é dmíni gvernamental american, NIH é nme d cmputadr que representa prtal de saúde american (Natinal Institutes f Healths), NLM é nme de utr cmputadr, acessad a partir d prtal NIH, que representa a Bibliteca Nacinal de Saúde Americana (Natinal Library f Medicine). O prjet Visible Human, pr exempl, é encntrad na seguinte URL: O que vcê pde depreender deste site? Repare:

6 6 Internet para Prfissinais de Saúde 1. é prtcl de acess ( dialet empregad para cnversaçã entre máquinas); 2. www é a Wrld Wide Web; 3. nlm é um cmputadr intern (sigla para Natinal Library f Medicine); 4. nih é cmputadr extern (sigla para Natinal Institute f Health), u prtal; 5. /Research/Visible sã pastas lcalizadas n cmputadr chamad NLM; 6. visible_human.html é arquiv cntend a página (site) que vcê deseja acessar (lcalizad em uma pasta específica d cmputadr nml ). Ist é imprtante prque muitas vezes vcê encntra publicadas URLs lngas, que remetem a um arquiv dentr de uma pasta, que está dentr de utra pasta, que está cntida dentr de um cmputadr acessível a partir de utr cmputadr na Internet (ufa). A títul de exempl, supnha que vcê leu em algum lcal endereç d prjet Visible Human, errneamente citad abaix: Nã sei vcê percebeu, mas endereç tem um err, que fará cm que navegadr nã encntre site: arquiv visible_humam.html tem a palavra humam terminada cm a letra m (deveria ser n ). A digitar este endereç e bter uma mensagem de err 404 (endereç nã encntrad), siga estas dicas para tentar depurá-l: 1. Cmece retirand nme d arquiv a ser recuperad. Quand vcê frnece nme de uma pasta na Web, cmputadr chamad de Servidr da Web está preparad para retrnar um arquiv-padrã em cada pasta, evitand que vcê precise redigitá-l. N cas d site Visible Human, pr exempl, vcê pderia tentar retirar da URL arquiv visible_human.html, frnecend apenas endereç abaix(nte que nã é necessári especificar prtcl HTTP cm parte d endereç): 2. Se endereç cntinuar a falhar, retire a pasta /Visible, btend seguinte:

7 Fntes cnfiáveis de infrmaçã 7 3. Se a falha persistir, retire também a pasta /Research, que resultará em: 4. Finalmente, se endereç cntinuar falhand, cntinue a retirar nme das máquinas da esquerda para a direita. Neste cas, retire nlm. d endereç: Sacu? A partir de agra, tda vez que vcê ler a URL de um endereç na Internet, pderá verificar cm esta é cmpsta e que tip de segurança de infrmaçã ela prpaga bservand apenas frmat d endereç. A próxima seçã trará algumas cnsiderações sbre cm decidir se a infrmaçã pstada na Internet é u nã cnfiável. O cnceit de Site Cnfiável A acessar um site na Internet cm infrmações científicas na área da saúde, vcê prvavelmente deverá utilizar algum critéri de validaçã da infrmaçã, baseand-se em suas próprias necessidades. Se a infrmaçã cnsultada estiver n dmíni.com, entã ela é passível de ser criada, literalmente, pr qualquer pessa e/u empresa. Vcê entã deve se perguntar: qual é a autridade (u frmaçã) da pessa (u empresa) que prpaga esta infrmaçã? Pr utr lad, se endereç pertencer a um site nã-cmercial, cm s dmínis.gov,.edu e.mil, há uma margem de segurança relativamente elevada de que a infrmaçã btida é razavelmente cnfiável. Para auxiliá-l em determinar se a infrmaçã btida é válida, u melhr, cnfiável, tente classificar site de acrd cm algumas categrias de qualidade, btend algumas das seguintes infrmações a respeit d lcal n qual ela é publicada. Sbre a autridade da rigem Quem é autr? Quais sã suas credenciais? Sua frmaçã científica capacita a fazer as cnsiderações encntradas n site sbre assunt em questã? Existe uma rganizaçã patrcinadra d site?

8 8 Internet para Prfissinais de Saúde O site está assciad a uma instituiçã de ensin superir? O site está assciad a uma empresa privada, passível de distrcer a infrmaçã para tirar vantagem cmercial dela? Se pssível, tente determinar a reputaçã d patrcinadr e/u desenvlvedr d site. Precisã e bjetividade Quem patrcina site? Há uma indicaçã clara de patrcíni u é apenas um site filantrópic? Havend patrcíni, este pde influenciar as infrmações apresentadas? Há alguma perspectiva plítica na infrmaçã publicada? Existe viés cultural u religis na infrmaçã? A página exibe anúncis e prpaganda? Em cas psitiv, estas pdem influenciar as infrmações exibidas? A página demnstra algum tip de registr referente à atualizaçã da infrmaçã, verificaçã de veracidade u algum sistema de revisã pr pares da infrmaçã apresentada? As fntes científicas sã citadas? Havend estatísticas u dads cletads, cm estes sã apresentads? Atualizaçã da infrmaçã A infrmaçã é atual? Cm que freqüência ela é atualizada pel site? Que interval de temp ela representa? Este interval é citad n dcument? A rigem da infrmaçã está dispnível para cnsulta (dads clínics, estatísticas vitais que levem à cnclusã, imagens etc.)? Organizaçã d Site O site é de fácil utilizaçã? A infrmaçã dispnível é bem rganizada? Há artigs crrelats n site?

9 Fntes cnfiáveis de infrmaçã 9 O site permite buscas em seu cnteúd sbre utrs artigs crrelats? Existe um sumári u índice ds assunts frnecids? Há alguma tendência que pssa levar site a ser cnsiderad puc cnfiável? Prpósit d site A quem site destina sua infrmaçã? A públic em geral? Estudantes secundaristas? Estudantes universitáris da área de saúde? Prfissinais de saúde? Seu prpósit é infrmar u dissuadir leitr das infrmações apresentadas? A infrmaçã exibida é de alguma frma prmcinal u pde ter frte impact cntábil sbre s patrcinadres/anunciantes exibids? A infrmaçã é prtegida pr leis de direits autrais? Cmpare a infrmaçã cm utras fntes Existem fntes de infrmaçã melhres que as exibidas? (livrs, periódics, CDRms etc.). O serviç é livre e gratuit u é de alguma frma cbrad? (muits bns periódics em saúde na verdade, a mairia exigem desembls financeir pr parte d leitr). A infrmaçã frnecida pde ser btida de frma mais fácil pr uma utra fnte tradicinal? Qual grau de utilidade da infrmaçã btida para seu prpósit? Se vcê cnseguir aplicar e respnder a pel mens uma pergunta de cada uma das categrias a respeit da infrmaçã btida, há uma grande chance de pder determinar, cm razável precisã, se a infrmaçã btida é u nã cnfiável. Muitas vezes, um site u prtal de infrmações científicas em saúde hspeda um grande númer de links para utrs sites interessantes e/u indicads. Neste cas, vcê pde determinar a cnfiabilidade da infrmaçã a citar a rigem inicial de sua descberta. O PubMed, pr exempl, é um site basead n NLM Natinal Library f Medicine, uma rganizaçã sem fins lucrativs ds Estads Unids da América, que pr sua vez, frnece acess a prjet Visible Human, Medline, NCBI e muits utrs. Pdems intuir

10 10 Internet para Prfissinais de Saúde a acessar estes sites referenciads pel PubMed, que s mesms sã fntes seguras de infrmações em saúde. O leitr deverá, entretant, ter cuidad a usar infrmações publicadas em sites de labratóris farmacêutics, WikiPedia, aqueles destinads a estudantes em geral etc. Muits deles cntêm imprecisões, u nã fram adequadamente revisads pr uma autridade certificadra. Dentre s principais sites cm infrmações em saúde que este livr pretende abrdar, encntram-se primrdialmente, cm imenss prtais em saúde s seguintes endereçs eletrônics: Base de dads Virtual em Saúde Natinal Institute f Health DataSus, cm estatísticas d sistema de saúde brasileir A partir ds mesms, farems inúmeras viagens pela Internet, encntrand e revisand s mais diverss tips de infrmaçã de qualidade na área da saúde. Usand Favrits A lng deste livr vcê será apresentad a diverss sites de interesse. Alguns cm URLs muit simples, e utrs, muit cmplexas. Além diss, a efetuar suas próprias buscas ns sites indicads, cnstantemente irá se deparar cm arquivs n line as quais desejará retrnar cm alguma freqüência. Para bter agilidade e sucess n us destes inúmers recurss, acnselh a leitr dmíni d sistema Favrits de armazenament de URLs pel Internet Explrer, que acmpanha Windws (utrs navegadres, pdem denminar este sistema empregand utra nmenclatura, cm BkMarks, pr exempl). Tda vez em que vcê estiver num site de interesse e quiser ter a facilidade de retrnar a ele cm rapidez e eficiência, use sistema Favrits, seguind estes passs: 1. Cm site exibid n Internet Explrer, esclha cmand de menu Favrits, Adicinar a Favrits;

11 Fntes cnfiáveis de infrmaçã Na janela Adicinar a Favrits que aparece, vcê bservará na pçã Nme da caixa de text, mesm text exibid na barra de títul d Internet Explrer (este text é definid pel criadr d site). A Figura 1.1 exibe a adiçã d site da BVS Base de dads Virtual em Saúde a menu Favrits d Internet Explrer; Nta: Muitas vezes text nã está de acrd cm cnteúd exibid e, prtant, recmend alterá-l para refletir exatamente cnteúd d site; Figura 1.1: Adicinand um site a menu Favrits. O text da barra de títul da janela, será prpst para ser armazenad em Favrits 3. Se vcê clicar em Adicinar, site será adicinad a menu raiz de Favrits. Para retrnar a mesm, basta clicar em Favrits, esclher site na lista pel seu nme e clicar n mesm para ser direcinad à URL cadastrada; 4. Recmend, entretant, criar pastas cm nmes específics para cada tip de site a ser armazenad. Para criar uma nva pasta em Favrits, clique na pasta raiz (nrmalmente é Favrits), a seguir n btã Nva Pasta e digite nme da pasta, pressinand OK para criá-la. Para

1 Criando uma conta no EndNote

1 Criando uma conta no EndNote O EndNte Basic (anterirmente cnhecid pr EndNte Web), é um sftware gerenciadr de referências desenvlvid pela Editra Thmsn Reuters. Permite rganizar referências bibligráficas para citaçã em artigs, mngrafias,

Leia mais

Administração de Redes Servidores de Aplicação

Administração de Redes Servidores de Aplicação 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA Administraçã de Redes Servidres de Aplicaçã

Leia mais

COMO CONFIGURAR SUA(S) CONTA(S) NO MICROSOFT OFFICE OUTLOOK

COMO CONFIGURAR SUA(S) CONTA(S) NO MICROSOFT OFFICE OUTLOOK COMO CONFIGURAR SUA(S) CONTA(S) NO MICROSOFT OFFICE OUTLOOK Use as instruções de acrd cm a versã d seu Outlk (2010, 2007 u 2003) Para saber a versã de seu Outlk, clique n menu Ajuda > Sbre Micrsft Office

Leia mais

GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS

GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS CONTEÚDO 1. Intrduçã... 3 2. Requisits de Sftware e Hardware:... 3 3. Usuári e Grups:... 3 3.1. Cnfigurand cm Micrsft AD:... 3 3.2. Cnfigurand s Grups e Usuáris:...

Leia mais

Aula 11 Bibliotecas de função

Aula 11 Bibliotecas de função Universidade Federal d Espírit Sant Centr Tecnlógic Departament de Infrmática Prgramaçã Básica de Cmputadres Prf. Vítr E. Silva Suza Aula 11 Biblitecas de funçã 1. Intrduçã À medida que um prgrama cresce

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA Manual de Us (Para Detentres de Bens) Infrmações adicinais n Prtal da Crdenaçã de Patrimôni: www.cpa.unir.br 2013 Cnteúd O que papel Detentr de Bem pde fazer?... 2 Objetiv...

Leia mais

Guia Sphinx: Instalação, Reposição e Renovação

Guia Sphinx: Instalação, Reposição e Renovação Guia Sphinx: Instalaçã, Repsiçã e Renvaçã V 5.1.0.8 Instalaçã Antes de instalar Sphinx Se vcê pssuir uma versã anterir d Sphinx (versões 1.x, 2.x, 3.x, 4.x, 5.0, 5.1.0.X) u entã a versã de Demnstraçã d

Leia mais

Versões Todos os módulos devem ser atualizados para as versões a partir de 03 de outubro de 2013.

Versões Todos os módulos devem ser atualizados para as versões a partir de 03 de outubro de 2013. Serviç de Acess as Móduls d Sistema HK (SAR e SCF) Desenvlvems uma nva ferramenta cm bjetiv de direcinar acess ds usuáris apenas as Móduls que devem ser de direit, levand em cnsideraçã departament de cada

Leia mais

Novo Sistema Almoxarifado

Novo Sistema Almoxarifado Nv Sistema Almxarifad Instruções Iniciais 1. Ícnes padrões Existem ícnes espalhads pr td sistema, cada um ferece uma açã. Dentre eles sã dis s mais imprtantes: Realiza uma pesquisa para preencher s camps

Leia mais

Plano de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa

Plano de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa Plan de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa Escla Clégi Eng Juarez Wanderley Prfessr Fernand Nishimura de Aragã Disciplina Infrmática Objetivs Cnstruçã de um website pessal para publicaçã de atividades

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO ÍNDICE QUE VALORES [MASTERSAF DFE] TRAZEM PARA VOCÊ? 1. VISÃO GERAL E REQUISITOS PARA INSTALAÇÃO... 2 1.1. AMBIENTE... 2 1.2. BANCO DE DADOS... 4 2. BAIXANDO OS INSTALADORES DO DFE MASTERSAF... 5 3. INICIANDO

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

Operação Metalose orientações básicas à população

Operação Metalose orientações básicas à população Operaçã Metalse rientações básicas à ppulaçã 1. Quem é respnsável pel reclhiment de prduts adulterads? As empresas fabricantes e distribuidras. O Sistema Nacinal de Vigilância Sanitária (Anvisa e Vigilâncias

Leia mais

Inscrição do Candidato ao Processo de Credenciamento

Inscrição do Candidato ao Processo de Credenciamento Inscriçã d Candidat a Prcess de Credenciament O link de inscriçã permitirá que candidat registre suas infrmações para participar d Prcess de Credenciament, cnfrme Edital. Após tmar ciência de td cnteúd

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE N prcess de renvaçã de matrículas para an lectiv 2008/2009, e na sequência d plan de melhria cntínua ds serviçs a dispnibilizar as aluns, IPVC ferece, pela

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

CRC-MG Central de Registro Civil de Minas Gerais Certidão Online - Serventia. Manual do usuário

CRC-MG Central de Registro Civil de Minas Gerais Certidão Online - Serventia. Manual do usuário CRC-MG Central de Registr Civil de Minas Gerais Certidã Online - Serventia Manual d usuári Prefáci Data: 30/01/2015 Versã dcument: 1.0 1. COMO ACESSAR O MÓDULO DA CERTIDÃO ONLINE... 04 2. OPÇÕES DE PEDIDOS

Leia mais

MTur Sistema Artistas do Turismo. Manual do Usuário

MTur Sistema Artistas do Turismo. Manual do Usuário MTur Sistema Artistas d Turism Manual d Usuári Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 3 3. ACESSAR O SISTEMA... 4 4. UTILIZANDO O SISTEMA... 9 4.1. CADASTRAR REPRESENTANTE... 9 4.2. CADASTRAR

Leia mais

PDF Livre com o Ghostscript

PDF Livre com o Ghostscript PDF Livre cm Ghstscript Um tutrial para criaçã de um geradr de arquivs PDF em Windws, basead em ferramentas gratuitas. Márci d'ávila, 05 de mai de 2004. Revisã 8, 20 de setembr de 2007. Categria: Text

Leia mais

EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA VERSÃO Eikn Dcuments 2007 Service Pack 5 (2.9.5) Fevereir de 2010 DATA DE REFERÊNCIA DESCRIÇÃO Sftware para implantaçã de sistemas em GED / ECM (Gerenciament Eletrônic

Leia mais

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software).

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software). HARDWARE e SOFTWARE O Cmputadr é cmpst pr duas partes: uma parte física (hardware) e utra parte lógica (sftware). Vcê sabe qual é a diferença entre "Hardware" e "Sftware"? Hardware: é nme dad a cnjunt

Leia mais

MUSEU VIRTUAL DE CIÊNCIAS E SALA VIRTUAL DE LEITURA: Entendimento e Informações Técnicas

MUSEU VIRTUAL DE CIÊNCIAS E SALA VIRTUAL DE LEITURA: Entendimento e Informações Técnicas MUSEU VIRTUAL DE CIÊNCIAS E SALA VIRTUAL DE LEITURA: Entendiment e Infrmações Técnicas A elabraçã da prpsta baseu se em alguns pressupsts que fcam nã só us presente d Museu e da Sala de Leitura, cm suas

Leia mais

Manual de Procedimentos

Manual de Procedimentos Manual de Prcediments Prcediments para Submissã de Prjets de MDL à Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Secretaria Executiva Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Prcediments para

Leia mais

Profa. Dra. Silvia M de Paula

Profa. Dra. Silvia M de Paula Prfa. Dra. Silvia M de Paula Espelhs Esférics Certamente tds nós já estivems diante de um espelh esféric, eles sã superfícies refletras que têm a frma de calta esférica. Em nss ctidian ficams diante de

Leia mais

Matemática / 1ª série / ICC Prof. Eduardo. Unidade 1: Fundamentos. 1 - Introdução ao Computador

Matemática / 1ª série / ICC Prof. Eduardo. Unidade 1: Fundamentos. 1 - Introdução ao Computador Unidade 1: Fundaments 1 - Intrduçã a Cmputadr Cnceits básics e Terminlgias O cmputadr é uma máquina eletrônica capaz de realizar uma grande variedade de tarefas cm alta velcidade e precisã, desde que receba

Leia mais

Tutorial de criação de um blog no Blogger

Tutorial de criação de um blog no Blogger Tutrial de criaçã de um blg n Blgger Bem-vind a Blgger! Este guia pde ajudar vcê a se familiarizar cm s recurss principais d Blgger e cmeçar a escrever seu própri blg. Para cmeçar a usar Blgger acesse

Leia mais

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01.

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01. Agenda Intrduçã Diariamente cada um ds trabalhadres de uma empresa executam diversas atividades, muitas vezes estas atividades tem praz para serem executadas e devem ser planejadas juntamente cm utras

Leia mais

Manual de Instalação

Manual de Instalação Manual de Instalaçã Prdut: n-hst Versã d prdut: 4.1 Autr: Aline Della Justina Versã d dcument: 1 Versã d template: Data: 30/07/01 Dcument destinad a: Parceirs NDDigital, técnics de suprte, analistas de

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE N prcess de renvaçã de matrículas para an lectiv 2010/2011, e na sequência d plan de melhria cntínua ds serviçs a dispnibilizar as aluns, IPVC ferece, pela

Leia mais

Versão 14.0 Junho 2015 www.psr-inc.com Contato: sddp@psr-inc.com. Representação mais detalhada da operação em cada estágio: 21 blocos

Versão 14.0 Junho 2015 www.psr-inc.com Contato: sddp@psr-inc.com. Representação mais detalhada da operação em cada estágio: 21 blocos Versã 14.0 Junh 2015 www.psr-inc.cm Cntat: sddp@psr-inc.cm SDDP VERSÃO 14.0 Nvidades Representaçã mais detalhada da peraçã em cada estági: 21 blcs Tradicinalmente, a peraçã de cada estági (semana u mês)

Leia mais

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas Perguntas frequentes sbre Prgrama Banda Larga nas Esclas 1. Qual bjetiv d Prgrama Banda Larga nas Esclas? O Prgrama Banda Larga nas Esclas tem cm bjetiv cnectar tdas as esclas públicas à internet, rede

Leia mais

Manual. Autorizador da UNIMED

Manual. Autorizador da UNIMED Manual Prtal Autrizadr da UNIMED Pass a Pass para um jeit simples de trabalhar cm Nv Prtal Unimed 1. Períd de Atualizaçã Prezads Cperads e Rede Credenciada, A Unimed Sul Capixaba irá atualizar seu sistema

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS Sã Paul 2013 1 1 INTRODUÇÃO Este Manual tem a finalidade de servir à nrmalizaçã da elabraçã de Trabalhs de Cnclusã de Curs TCC pr mei de artigs científics,

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016 Sua hra chegu. Faça a sua jgada. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 Salvadr, nvembr de 2015. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 é uma cmpetiçã interna da Laureate

Leia mais

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões:

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões: Pessal, vislumbr recurss na prva de cnheciments específics de Gestã Scial para as seguintes questões: Questã 01 Questã 11 Questã 45 Questã 51 Questã 56 Vejams as questões e arguments: LEGISLAÇÃO - GESTÃO

Leia mais

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO:

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3.1 MANUTENÇÃO CORRETIVA A manutençã crretiva é a frma mais óbvia e mais primária de manutençã; pde sintetizar-se pel cicl "quebra-repara", u seja, repar ds equipaments após a avaria.

Leia mais

RECOMENDAÇÕES GERAIS PARA AQUISIÇÃO DE IMAGENS RADIOLÓGICAS PARA CRIAÇÃO DE RÉPLICAS FETAIS ATRAVÉS DE IMPRESSÃO 3D

RECOMENDAÇÕES GERAIS PARA AQUISIÇÃO DE IMAGENS RADIOLÓGICAS PARA CRIAÇÃO DE RÉPLICAS FETAIS ATRAVÉS DE IMPRESSÃO 3D RECOMENDAÇÕES GERAIS PARA AQUISIÇÃO DE IMAGENS RADIOLÓGICAS PARA CRIAÇÃO DE RÉPLICAS FETAIS ATRAVÉS DE IMPRESSÃO 3D ULTRASSONOGRAFIA OBSTÉTRICA RESSONÂNCIA MAGNÉTICA FETAL ANEXO 1 TUTORIAL PARA EXPORTAÇÃO

Leia mais

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas Unidade 7: Sínteses de evidências para plíticas Objetiv da Unidade Desenvlver um entendiment cmum d que é uma síntese de evidências para plíticas, que inclui e cm pde ser usada 3 O que é uma síntese de

Leia mais

WEBSITE LOJAS JOMÓVEIS

WEBSITE LOJAS JOMÓVEIS WEBSITE LOJAS JOMÓVEIS Manual d Usuári Elabrad pela W3 Autmaçã e Sistemas Infrmaçã de Prpriedade d Grup Jmóveis Este dcument, cm tdas as infrmações nele cntidas, é cnfidencial e de prpriedade d Grup Jmóveis,

Leia mais

T12 Resolução de problemas operacionais numa Companhia Aérea

T12 Resolução de problemas operacionais numa Companhia Aérea T12 Resluçã de prblemas peracinais numa Cmpanhia Aérea Objectiv Criar um Sistema Multi-Agente (SMA) que permita mnitrizar e reslver s prblemas relacinads cm s aviões, tripulações e passageirs de uma cmpanhia

Leia mais

Projeto de Arquitetura Objetivos. Tópicos abordados. Arquitetura de software. Vantagens da arquitetura explícita

Projeto de Arquitetura Objetivos. Tópicos abordados. Arquitetura de software. Vantagens da arquitetura explícita Prjet de Arquitetura Objetivs Apresentar prjet de arquitetura e discutir sua imprtância Explicar as decisões de prjet de arquitetura que têm de ser feitas Apresentar três estils cmplementares de arquitetura

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO INTEGRADA POLICIAL Elabrad: Equipe SAG Revisad: Aprvad: Data: 11/09/2008 Data: 10/10/2008 Data: A autenticaçã d dcument cnsta n arquiv primári da Qualidade Referencia: Help_Online_Antecedentes_Criminais.dc

Leia mais

- COMO PROCURAR EMPREGO -

- COMO PROCURAR EMPREGO - GUIA PRÁTICO - COMO PROCURAR EMPREGO - e 1 de 7 Técnicas de Prcura de Empreg...3 1. Aut Avaliaçã...3 2. Meis de Divulgaçã de Ofertas de Empreg...3 3. Carta de Apresentaçã...4 4. Curriculum Vitae...4 4.1.1.

Leia mais

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO Um prject eurpeu em clabraçã cm a EHFA Eurpean Health and Fitness Assciatin, cm sede em Bruxelas Regist ds Prfissinais Intrduçã Estams numa fase em que a Tutela

Leia mais

Manual do DEC Domicílio Eletrônico do Contribuinte

Manual do DEC Domicílio Eletrônico do Contribuinte GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA FAZENDA Crdenadria da Administraçã Tributária Diretria Executiva da Administraçã Tributária Manual d DEC Dmicíli Eletrônic d Cntribuinte Manual DEC (dezembr

Leia mais

Política de Privacidade Qrush Cards

Política de Privacidade Qrush Cards Plítica de Privacidade Qrush Cards Última atualizaçã em 21/09/2013 A Qrush Tecnlgia e Serviçs Ltda repeita a privacidade de seus clientes e usuáris e desenvlveu esta Plítica de Privacidade para demnstrar

Leia mais

Manual de Instalação e Configuração

Manual de Instalação e Configuração Manual de Instalaçã e Cnfiguraçã Prdut:n-ReleaserEmbedded fr Lexmark Versã 1.2.1 Versã d Dc.:1.0 Autr: Lucas Machad Santini Data: 14/04/2011 Dcument destinad a: Clientes e Revendas Alterad pr: Release

Leia mais

Processador de Texto Funcionalidades Avançadas

Processador de Texto Funcionalidades Avançadas Prcessadr de Text Funcinalidades Avançadas ÍNDICE INTRODUÇÃO...4 MODELOS...4 Criar Mdels...5 MODELO NORMAL...6 Alterar mdel Nrmal.dtm...7 IMPRESSÃO EM SÉRIE MAILINGS...7 Cartas e mensagens de crrei electrónic...8

Leia mais

Processo de envio de e-mail de marketing

Processo de envio de e-mail de marketing Prcess de envi de e-mail de marketing Intrduçã Visand um melhr gerenciament ns prcesss de marketing das empresas, fi desenvlvid uma nva funcinalidade para sistema TCar, que tem pr finalidade realizar envis

Leia mais

Manual do Novo Pátio. Revenda. Versão 2.0

Manual do Novo Pátio. Revenda. Versão 2.0 Manual d Nv Páti Revenda Versã 2.0 1 Cnteúd INTRODUÇÃO... 3 1.LOGIN... 4 2.ANUNCIANTE... 4 2.1 Listar Usuáris... 4 2.2 Criar Usuári... 5 2.2.1 Permissões:... 6 3.SERVIÇOS... 7 3.1 Serviçs... 7 3.2 Feirã...

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs)

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs) MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE Técnics de Instalaçã e Manutençã de Edifícis e Sistemas (TIMs) NO SISTEMA INFORMÁTICO DO SISTEMA NACIONAL DE CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA NOS EDIFÍCIOS (SCE) 17/07/2014

Leia mais

PROCESSO DE ATENDIMENTO AO CLIENTE DO GRUPO HISPASAT

PROCESSO DE ATENDIMENTO AO CLIENTE DO GRUPO HISPASAT PROCESSO DE ATENDIMENTO AO CLIENTE DO GRUPO HISPASAT GRUPO HISPASAT Mai de 2014 PRIVADO PRIVADO E CONFIDENCIAL E Dcument Dcument prpriedade prpriedade HISPASAT,S.A. da 1 Prcess de atendiment a cliente

Leia mais

Event Viewer - Criando um Custom View

Event Viewer - Criando um Custom View Event Viewer - Criand um Custm View Qui, 06 de Nvembr de 2008 18:21 Escrit pr Daniel Dnda Cnhecend Event Viewer Muit imprtante na manutençã e mnitrament de servidres Event Viewer é uma ferramenta que gera

Leia mais

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30)

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30) UNIP Brasília - Crdenaçã CG/CW/GR/AD Senhres Aluns, Seguem infrmações imprtantes sbre PIM: 1. O QUE É? - Os PIM (Prjet Integrad Multidisciplinar) sã prjets brigatóris realizads els aluns ds curss de graduaçã

Leia mais

Design Patterns ABSTRACT FACTORY EMERSON BARROS DE MENESES

Design Patterns ABSTRACT FACTORY EMERSON BARROS DE MENESES Design Patterns ABSTRACT FACTORY EMERSON BARROS DE MENESES 1 Breve Históric Sbre Design Patterns A rigem ds Design Patterns (Padrões de Desenh u ainda Padrões de Prjet) vem d trabalh de um arquitet chamad

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO FINANCEIRO

MANUAL DO USUÁRIO FINANCEIRO SIGIO Sistema Integrad de Gestã de Imprensa Oficial MANUAL DO USUÁRIO FINANCEIRO S I G I O M A N U A L D O U S U Á R I O P á g i n a 2 Cnteúd 1 Intrduçã... 3 2 Acess restrit a sistema... 4 2.1 Tips de

Leia mais

ALTERAÇÕES NO SISTEMA ORION

ALTERAÇÕES NO SISTEMA ORION ALTERAÇÕES NO SISTEMA ORION Orin Versã 7.74 TABELAS Clientes Na tela de Cadastr de Clientes, fi inserid btã e um camp que apresenta códig que cliente recebeu após cálcul da Curva ABC. Esse btã executa

Leia mais

Shavlik Patch para Microsoft System Center

Shavlik Patch para Microsoft System Center Shavlik Patch para Micrsft System Center Guia d Usuári Para us cm Micrsft System Center Cnfiguratin Manager 2012 Cpyright e Marcas cmerciais Cpyright Cpyright 2014 Shavlik. Tds s direits reservads. Este

Leia mais

PRÊMIO AUTOMAÇÃO - CATEGORIA DE JORNALISMO

PRÊMIO AUTOMAÇÃO - CATEGORIA DE JORNALISMO PRÊMIO AUTOMAÇÃO - CATEGORIA DE JORNALISMO REGULAMENTO 1. DOS OBJETIVOS DO PRÊMIO O PRÊMIO NA CATEGORIA DE JORNALISMO tem cm bjetiv premiar matérias veiculadas na imprensa nacinal relativas a temas ligads

Leia mais

MANUAL DOS GESTORES DAA

MANUAL DOS GESTORES DAA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - NTI MANUAL DOS GESTORES DAA MÓDULOS: M atrícula e P rgramas e C DP [Digite resum d dcument aqui. Em geral, um resum é um apanhad

Leia mais

TESTE DE SOFTWARE (Versão 2.0)

TESTE DE SOFTWARE (Versão 2.0) Universidade Luterana d Brasil Faculdade de Infrmática Disciplina de Engenharia de Sftware Prfessr Luís Fernand Garcia www.garcia.pr.br TESTE DE SOFTWARE (Versã 2.0) 9 Teste de Sftware Imprtância Dependência

Leia mais

MTUR Sistema FISCON. Manual do Usuário

MTUR Sistema FISCON. Manual do Usuário MTUR Sistema FISCON Manual d Usuári Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 3 3. ACESSAR O SISTEMA... 4 4. UTILIZANDO O SISTEMA... 5 4.1. CADASTRAR CONVENENTE... 5 4.2. INSERIR FOTOS DOS CONVÊNIOS...

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ACESSO ÀS ATIVIDADES ACADÊMICAS

ORIENTAÇÕES PARA ACESSO ÀS ATIVIDADES ACADÊMICAS ORIENTAÇÕES PARA ACESSO ÀS ATIVIDADES ACADÊMICAS Apresentaçã A ESMPU adtu cm platafrma de educaçã a distância Mdle, um ambiente virtual de aprendizagem (AVA) que prprcina a ferta das mais diversas atividades

Leia mais

Sistema de Comercialização de Radiofármacos - Manual do Cliente

Sistema de Comercialização de Radiofármacos - Manual do Cliente Sistema de Cmercializaçã de Radifármacs - Manual d Cliente O IEN está dispnibilizand para s seus clientes um nv sistema para a slicitaçã ds radifármacs. Este nv sistema permitirá a cliente nã só fazer

Leia mais

MODELO DE PROGRAMAÇÃO DO WINDOWS AZURE

MODELO DE PROGRAMAÇÃO DO WINDOWS AZURE MODELO DE PROGRAMAÇÃO DO WINDOWS AZURE DAVID CHAPPELL OUTUBRO DE 2010 PATROCINADO PELA MICROSOFT CORPORATION SUMÁRIO Pr que criar um nv mdel de prgramaçã?... 3 Três regras d mdel de prgramaçã d Windws

Leia mais

Channel. Colaboradores. Tutorial. Atualizado com a versão 3.9

Channel. Colaboradores. Tutorial. Atualizado com a versão 3.9 Channel Clabradres Tutrial Atualizad cm a versã 3.9 Cpyright 2009 pr JExperts Tecnlgia Ltda. tds direits reservads. É pribida a reprduçã deste manual sem autrizaçã prévia e pr escrit da JExperts Tecnlgia

Leia mais

Copyright 1999-2006 GrupoPIE Portugal, S.A. Manual Utilizador

Copyright 1999-2006 GrupoPIE Portugal, S.A. Manual Utilizador Reprts Relatóris à sua Medida Reprts Cpyright 1999-2006 GrupPIE Prtugal, S.A. Reprts 1. WinREST Reprts...5 1.1. Licença...6 1.2. Linguagem...7 1.3. Lgin...7 1.4. Página Web...8 2. Empresas...9 2.1. Cm

Leia mais

FKcorreiosg2_cp1 - Complemento Transportadoras

FKcorreiosg2_cp1 - Complemento Transportadoras FKcrreisg2_cp1 - Cmplement Transprtadras Instalaçã d módul Faça dwnlad d arquiv FKcrreisg2_cp1.zip, salvand- em uma pasta em seu cmputadr. Entre na área administrativa de sua lja: Entre n menu Móduls/Móduls.

Leia mais

SGCT - Sistema de Gerenciamento de Conferências Tecnológicas

SGCT - Sistema de Gerenciamento de Conferências Tecnológicas SGCT - Sistema de Gerenciament de Cnferências Tecnlógicas Versã 1.0 09 de Setembr de 2009 Institut de Cmputaçã - UNICAMP Grup 02 Andre Petris Esteve - 070168 Henrique Baggi - 071139 Rafael Ghussn Can -

Leia mais

SDK (Software Development Kit) do Microsoft Kinect para Windows

SDK (Software Development Kit) do Microsoft Kinect para Windows SDK (Sftware Develpment Kit) d Micrsft Kinect para Windws Os presentes terms de licença cnstituem um acrd entre a Micrsft Crpratin (u, dependend d lcal n qual vcê esteja dmiciliad, uma de suas afiliadas)

Leia mais

Número de cédula profissional (se médico); Nome completo; 20/06/2014 1/7

Número de cédula profissional (se médico); Nome completo; 20/06/2014 1/7 Mdel de Cmunicaçã Sistema Nacinal de Vigilância Epidemilógica Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes d Sistema Nacinal de Vigilância Epidemilógica.

Leia mais

Requisitos técnicos de alto nível da URS para registros e registradores

Requisitos técnicos de alto nível da URS para registros e registradores Requisits técnics de alt nível da URS para registrs e registradres 17 de utubr de 2013 Os seguintes requisits técnics devem ser seguids pels peradres de registr e registradres para manter a cnfrmidade

Leia mais

Versão 1.1.1.3. Descrição do produto, 2009. www.graycell.pt

Versão 1.1.1.3. Descrição do produto, 2009. www.graycell.pt Versã 1.1.1.3 Descriçã d prdut, 2009 www.graycell.pt 1 ENQUADRAMENTO A platafrma ask-it! é uma aplicaçã web-based que permite criar inquérits dinâmics e efectuar a sua dispnibilizaçã n-line. A facilidade

Leia mais

Segue abaixo projeto para desenvolvimento de novo website para loja Virtual

Segue abaixo projeto para desenvolvimento de novo website para loja Virtual Lja Virtual Desenvlviment FrmigaNegócis Orçament: /2012 Cliente: Respnsável: Prjet: Lja virtual Telefne: Frmiga (MG), de de 2012 Intrduçã Segue abaix prjet para desenvlviment de nv website para lja Virtual

Leia mais

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006 1 GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Dads da rganizaçã Data de elabraçã da ficha: Fev 2008 Nme: GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Endereç: Av. Brigadeir Faria Lima, 2.413 1º andar

Leia mais

Desenho centrado em utilização

Desenho centrado em utilização Desenh centrad em utilizaçã Engenharia de Usabilidade Prf.: Clarind Isaías Pereira da Silva e Pádua Departament de Ciência da Cmputaçã - UFMG Desenh centrad em utilizaçã Referências Cnstantine, L.L., &

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA 1. Intrduçã e Objetivs a) O Cncurs de Ideias OESTECIM a minha empresa pretende ptenciar apareciment de prjets invadres na regiã d Oeste sempre numa perspetiva de desenvlviment ecnómic e scial. b) O Cncurs

Leia mais

Formação nzeb nos países do Sul da UE Mantendo as tradições de construção

Formação nzeb nos países do Sul da UE Mantendo as tradições de construção Frmaçã nzeb ns países d Sul da UE Mantend as tradições de cnstruçã SuthZEB WP4 Desenvlviment d prtal SuthZEB D4.1: Prtal SuthZEB visã geral d desenvlviment d prtal e suas seções, integraçã e aceitaçã d

Leia mais

MTUR Sistema FISCON. Manual do Usuário

MTUR Sistema FISCON. Manual do Usuário MTUR Sistema FISCON Manual d Usuári Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 3 3. ACESSAR O SISTEMA... 4 4. UTILIZANDO O SISTEMA... 5 4.1. CADASTRAR CONVENENTE... 5 4.2. INSERIR FOTOGRAFIAS/IMAGENS

Leia mais

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa Manual Cm intrduzir emplyeeship na empresa Índice Intrduçã Pass 1 - Cnheça as vantagens d emplyeeship para a empresa Pass 2 - Saiba que é a cultura emplyeeship Pass 3 - Aprenda a ter "bns" empregads Pass

Leia mais

Academia FI Finanças

Academia FI Finanças Academia FI Finanças A Academia é melhr caminh para especializaçã dentr de um tema n ERP da SAP. Para quem busca uma frmaçã cm certificaçã em finanças, mais indicad é participar da próxima Academia de

Leia mais

Informática II INFORMÁTICA II

Informática II INFORMÁTICA II Jrge Alexandre jureir@di.estv.ipv.pt - gab. 30 Artur Susa ajas@di.estv.ipv.pt - gab. 27 1 INFORMÁTICA II Plan Parte I - Cmplementar cnheciment d Excel cm ferramenta de análise bases de dads tabelas dinâmicas

Leia mais

Artigo 12 Como montar um Lava Jato

Artigo 12 Como montar um Lava Jato Artig 12 Cm mntar um Lava Jat Antigamente era cmum bservar as pessas, n final de semana, cm seus carrs, bucha e sabã nas mãs. Apesar de ainda haver pessas que preferem fazer serviç suj szinhas, s lava

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

Boletim Técnico. CAGED Portaria 1129/2014 MTE. Procedimento para Implementação. Procedimento para Utilização

Boletim Técnico. CAGED Portaria 1129/2014 MTE. Procedimento para Implementação. Procedimento para Utilização Bletim Técnic CAGED Prtaria 1129/2014 MTE Prdut : TOTVS 11 Flha de Pagament (MFP) Chamad : TPRQRW Data da criaçã : 26/08/2014 Data da revisã : 12/11/2014 País : Brasil Bancs de Dads : Prgress, Oracle e

Leia mais

Manual de Configuração

Manual de Configuração Manual de Cnfiguraçã Pnt de Venda (PDV) Versã: 1.1 Índice 1 EASYASSIST PONTO DE VENDA (PDV)... 3 1.1 INSTALANDO O TERMINAL EASYASSIST PONTO DE VENDA (PDV)... 3 1.2 CAPTURANDO O NÚMERO DE SÉRIE E O GT DO

Leia mais

Proposta de Formação para o uso pedagógico e integrado do Tablet Educacional Estudos Autônomos

Proposta de Formação para o uso pedagógico e integrado do Tablet Educacional Estudos Autônomos Prpsta de Frmaçã para us pedagógic e integrad d Tablet Educacinal Estuds Autônms Objetiv geral: OBJETIVOS Prmver a Frmaçã Cntinuada ds Prfessres, Crdenadres Pedagógics e Gestres Esclares, na mdalidade

Leia mais

Dados sobre investimento da FAPESP revelam articulação entre geração do conhecimento e sua aplicação

Dados sobre investimento da FAPESP revelam articulação entre geração do conhecimento e sua aplicação POLÍTICA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA Dads sbre investiment da FAPESP revelam articulaçã entre geraçã d cnheciment e sua aplicaçã A ESP investiu, n an 2000, R$ 550,7 milhões fment à atividade científica e

Leia mais

Aula prática 6 Modelos Conceptuais e cenários de actividade

Aula prática 6 Modelos Conceptuais e cenários de actividade Aula prática 6 Mdels Cnceptuais e cenáris de actividade 1. Objetiv 1. Pretende-se que s aluns prduzam mdel cnceptual d prject e desenhem cenáris de actividade cm base nesse mdel. 2. Pretende-se ainda que

Leia mais

BRIEFING DO WEBSITE E SISTEMAS FEMURN A FEMURN. Página de conteúdo estático. Página de conteúdo estático. Página de conteúdo estático.

BRIEFING DO WEBSITE E SISTEMAS FEMURN A FEMURN. Página de conteúdo estático. Página de conteúdo estático. Página de conteúdo estático. www.maxmei.cm BRIEFING DO WEBSITE E SISTEMAS FEMURN A FEMURN Históric Diretria Ex-presidentes Estatut Página de cnteúd estátic. Página de cnteúd estátic. Página de cnteúd estátic. Página de cnteúd estátic.

Leia mais

API de Integração E-Zoop Documentação de uso

API de Integração E-Zoop Documentação de uso API de Integraçã E-Zp Dcumentaçã de us Data de Atualizaçã: 10/06/2015 Índice 1. Intrduçã... 1 2. Características... 2 Cadastr de características... 2 Exclusã de características... 4 Listagem de características...

Leia mais

Workflow. José Palazzo Moreira de Oliveira. Mirella Moura Moro

Workflow. José Palazzo Moreira de Oliveira. Mirella Moura Moro Pdems definir Wrkflw cm: Wrkflw Jsé Palazz Mreira de Oliveira Mirella Mura Mr "Qualquer tarefa executada em série u em paralel pr dis u mais membrs de um grup de trabalh (wrkgrup) visand um bjetiv cmum".

Leia mais

WEB MANAGER. Conhecendo o Web Manager!

WEB MANAGER. Conhecendo o Web Manager! WEB MANAGER Cnhecend Web Manager! O Web Manager é uma pdersa ferramenta para gestã de Sites, prtais, intranets, extranets e htsites. Cm ela é pssível gerenciar ttalmente seus ambientes web. Integrad ttalmente

Leia mais

Aliança Estratégica com a Delta Dezembro, 2011. Uma Consistente História de Investimento

Aliança Estratégica com a Delta Dezembro, 2011. Uma Consistente História de Investimento Aliança Estratégica cm a Delta Dezembr, 2011 Uma Cnsistente História de Investiment 1 Agenda Resum da Operaçã 1 Benefícis da Operaçã 2 2 Disclaimer O material a seguir é uma apresentaçã cnfidencial cntend

Leia mais

DISCIPLINA: Matemática. MACEDO, Luiz Roberto de, CASTANHEIRA, Nelson Pereira, ROCHA, Alex. Tópicos de matemática aplicada. Curitiba: Ibpex, 2006.

DISCIPLINA: Matemática. MACEDO, Luiz Roberto de, CASTANHEIRA, Nelson Pereira, ROCHA, Alex. Tópicos de matemática aplicada. Curitiba: Ibpex, 2006. DISCIPLINA: Matemática 1- BIBLIOGRAFIA INDICADA Bibliteca Virtual Pearsn MACEDO, Luiz Rbert de, CASTANHEIRA, Nelsn Pereira, ROCHA, Alex. Tópics de matemática aplicada. Curitiba: Ibpex, 2006. PARKIN, Michael.

Leia mais

Fundamentos de Informática 1ºSemestre

Fundamentos de Informática 1ºSemestre Fundaments de Infrmática 1ºSemestre Aula 4 Prf. Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Descrevend Sistemas de um Cmputadr

Leia mais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais 53 3 Frmulaçã da Metdlgia 3.1. Cnsiderações Iniciais O presente capítul tem cm finalidade prpr e descrever um mdel de referencia para gerenciament de prjets de sftware que pssa ser mensurável e repetível,

Leia mais

Apresentação do Curso

Apresentação do Curso At endi m ent acl i ent e Apr es ent aç ãdc ur s Apresentaçã d Curs O curs Atendiment a Cliente fi elabrad cm bjetiv de criar cndições para que vcê desenvlva cmpetências para: Identificar s aspects que

Leia mais

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo:

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo: Gestã d Escp 1. Planejament da Gestã d Escp: i. Autrizaçã d prjet ii. Definiçã d escp (preliminar) iii. Ativs em cnheciments rganizacinais iv. Fatres ambientais e rganizacinais v. Plan d prjet i. Plan

Leia mais