Estudo económico e jurídico sobre a reserva de terrenos para residentes de Macau Sumário Executivo

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estudo económico e jurídico sobre a reserva de terrenos para residentes de Macau Sumário Executivo"

Transcrição

1 Estudo económico e jurídico sobre a reserva de terrenos para residentes de Macau Sumário Executivo Equipa de projecto do Instituto Politécnico de Macau 7 de Novembro de

2 Membros da equipa de projecto Sheng Li (Chefe), Professor Coordenador da Economia do IPM; Ieong Wan Chong, Professor Coordenador do Direito do IPM; Li Yanping, Professor Adjunta do Direito do IPM; Gu Xinhua, Professor Associado da Economia da Universidade de Macau; Che Sei Tak, Professor Assistente da Economia do IPM; Hans-Hermann Francke (Consultor), Professor Agregado da Universidade de Friburgo da Alemanha e Presidente do Instituto Imobiliário da Alemanha. 2

3 I. Introdução 1. O que é reserva de terrenos para residentes de Macau? A definição de "residentes de Macau" deveráabranger todos os residentes de Macau, ou seja, todos os residentes de Macau "são iguais perante a lei", e têm o direito de usufruir as políticas preferenciais de "aquisição de casa própria". Por outro lado, tendo em vista a escassez dos recursos da terra e da oferta limitada da natureza, sóuma parte de residentes efectivamente carenciados poderão ser gradualmente beneficiados. Por sua vez, os "terrenos de Macau" podem ser entendidos como certos lotes ou terrenos ociosos do novo aterro, a ser razoavelmente planeados por parte do governo para construir projetos habitacionais da política da reserva de terrenos para residentes de Macau, com base na "Lei de Terras". 2. Contexto social da reserva de terrenos para residentes de Macau - As influências da crise financeira ao nível mundial desde 2008; - Maior e único mercado chinês que continua a aproveitar o período da oportunidade internacional; - Bom desenvolvimento de Hong Kong e Taiwan em seu conjunto geral, e o melhoramento contínuo das relações entre os dois lados do Estreito; - Procura de saída para melhorar a vida popular nas condições de preços e alugueis prediais elevados. II. Análise comparativa sobre os mercados prediais de Macau e de outros países 1. Hong Kong O desenvolvimento habitacional é liderado por Governo com diferentes responsabilidades em diferentes épocas, e, de acordo com o ambiente económico de Hong Kong e as mudanças de procura no mercado para reajustar gradualmente as estratégias e as políticas habitacionais. A política imobiliário de Hong Kong destina-se aos problemas habitacionais dos estratos de rendimento médio e inferior, enquanto as transações e informações imobiliárias são relativamente transparentes e justas com garantia mais perfeita. Para a política imobiliária de Hong Kong, évisível o efeito de curto prazo, éforte o objectivo de regulação do mercado imobiliário. Na altura de coibir a especulação imobiliária de compradores de puro investimento através de alavanca financeira, épreciso garantir efectivamente que a procura do verdadeiro usuário não seja afectada por tal política de restrição. Por sua vez, a desvantagem consiste em que não são visíveis os efeitos ao longo prazo das novas políticas nas circunstâncias de baixas e perpétuas taxas de juro em Hong Kong, de ampla liquidez no mercado, de fluxo de hot money, e de oferta reduzida de terrenos, no ambiente mais amplo. 2. Singapura O sistema especial de garantia habitacional de Singapura tem importante valor de 3

4 consulta para a implementação do sistema de garantia habitacional de Macau: - Implementação do sistema de garantia de fornecimento habitacional tendo o governo como o principal; - Abertura de múltiplos canais para juntar investimentos habitacionais; - Elevação da eficácia do fundo de habitação; - Estabelecimento de um sistema multi-nível de oferta habitacional; - Garantia habitacional de residentes através da protecção jurídica. 3. Alemanha Primeiro, o governo alemão não considera o setor imobiliário como um "pilar industrial" do crescimento económico, mas sim um bem-estar social de imóveis. Segundo, é desenvolvido o mercado de arrendamento predial, graças à legislação saudável que protege eficazmente os locatários. Terceiro, a proteção é destinada especialmente às necessidades dos cidadãos de rendimento médio e baixo. Quarto, um sistema independente de avaliação imobiliária pode controlar preços dentro do limite razoável. Quinto, éalívio fiscal ou isenção de impostos a quem construi habitação com apoio nas próprias forças ou em cooperação. 4. Macau A definição de ciclos de desenvolvimento imobiliário édeterminada de acordo com o crescimento das áreas de habitação concluída e com o crescimento real de negócios imobiliários. Desde 1961 a 2012, Macau sofreu oito ciclos de desenvolvimento imobiliário, nos quais, o sector imobiliário de Macau foi afectado por ambas as partes, uma de influência de diferentes ciclos económicos, e outra de intervenção das políticas públicas habitacionais do governo, facto que formou um mercado imobiliário com a coexistência de habitação pública e de habitação privada. 5. Inspiração - Instituições responsáveis especializadas; - Leis e regulamentos completos; - Inovação de canais de financiamento; - Sistema rigoroso de auditoria e supervisão; - Políticas de impostos e subsídios. III. Análise jurídica da reserva de terrenos para residentes de Macau 1. Origem da ideia da reserva de terrenos para residentes de Macau - Devido a preço elevado, os moradores não conseguem atender às necessidades por casa própria; 4

5 - Cobertura inadequada da política de habitação pública; - Inspiração da política de "reserva de terrenos para residentes de Hong Kong". 2. Vários pontos-chave a compreender sobre a reserva de terrenos para residentes de Macau A política de "reserva de terrenos para residentes de Macau" deveráter meta visada a garantir os direitos de residência dos habitantes de Macau, mostrando o cumprimento das atribuições de administração pública por parte do governo, a fim de alcançar o objetivo final de interesse público e social. 3. A reserva de terrenos para residentes de Macau e a Lei Básica de Macau 3.1. A economia liberal e o interesse público Como o interesse público não poderáser alcançado através de administração privada, este interesse constituirá o alvo de atenção, proteção, e intervenção do Governo. Entretanto, este processo de tomada de decisão deveráser um processo democrático com a participação do público O Direito de propriedade privada e o direito àmoradia Sob a política "reserva de terrenos para residentes de Macau", e para os residentes de Macau poderem obter habitação suficiente, é provável limitar a transferência de propriedade privada. Entretanto, de acordo com o princípio da proporcionalidade, estas restrições sópoderão ser necessariamente definidas por legislação, com base na salvaguarda de outro direito fundamental O sistema de terras na Lei Básica de Macau qual éo entendimento sobre o artigo 7ºda Lei Básica O termo os solos e os recursos naturais na Região Administrativa Especial de Macau são propriedade do Estado não implica que os solos são propriedade do governo de Macau, mas sim a sua gestão por parte do governo em nome de todos os residentes e pelo interesse público Sub-conclusão Para a política de "reserva de terrenos para residentes de Macau" ser reconhecida e protegida como um interesse público, o julgamento dependeráde um consenso da sociedade em geral. O interesse público poderátornar-se o objecto de protecção legal sóatravés de processo legítimo e justo. 4. A reserva de terrenos para residentes de Macau e a Lei de Terras de Macau O Governo de Macau tem plena competência administrativa para desenvolver e 5

6 aproveitar as terras. Se o objectivo da política da "reserva de terrenos para residentes de Macau" for reconhecido como interesse público, énecessário incluir em contratos de concessão determinados requisitos especiais, a fim de proteger as necessidades habitacionais dos residentes de Macau. 5. A reserva de terrenos para residentes de Macau e o regimento jurídico de habitação pública de Macau A política de habitação pública de Macau consiste em "habitação social como base, complementada pela habitação económica", e "ter teto para viver e trabalhar calmante", por isso, o objectivo núcleo é para ajudar o alívio e a solução dos problemas habitacionais de residentes essencialmente carenciados. 6. Propostas sobre a política e a legislação da reserva de terrenos para residentes de Macau O ponto de partida da política de "reserva de terrenos para residentes de Macau" e do sistema de habitação económica épara atender às necessidades de alojamento dos residentes de Macau em determinada situação, na espectativa de garantir o direito fundamental de moradia de residentes de Macau através de um sistema eficaz. Neste sentido, o sistema existente de habitação económica também pode ser considerado, em certa forma, como "reserva de terrenos para residentes de Macau." A partir do ponto de vista legal, a "reserva de terrenos para residentes de Macau" deveráter diferença com o sistema de habitação económica e manter um espaço relativamente independente. Em comparação com o sistema de habitação económica, a política de reserva de terrenos para residentes de Macau deverá abranger pelo menos: - Garantia perpétua do direito de residência dos habitantes de Macau, com respectivas restrições em articulações de aplicação e circulação, tais como as restrições de qualificação, de utilidade, e de activos; - Forma variada de construção, incluindo a forma existente de construção da habitação económica, ou por concessionária através de concessão por contrato, com o pleno aproveitamento da superioridade do mercado imobiliário; - Qualificação de compradores por parte do governo durante a transação das casas construídas segundo o modelo de habitação económica. Para habitações construídas através de concessão por contrato, a propriedade pertenceráàconcessionária durante o período de concessão, mas a concessionária estáobrigada a verificar a qualificação do comprador junto com o governo segundo os termos previstos no contrato; - Redução das restrições ao período de retenção predial e aumento de sua liquidez, a fim de responder ao sistema de habitação económica, devido àcriação das restrições da identidade e da utilidade para comprador nas articulações de circulação; - Permissão de sucessão para único sucessor legal mas não residente em Macau. Entretanto, quando utilizar habitação construída segundo a política de reserva de terrenos para residentes de Macau, deverá este sucessor respeitar as respectivas restrições. Por sua vez, o governo terá o direito preferencial para retomar a propriedade por meio de compra com base no respeito total da vontade do falecido e na garantia do interesse do sucessor; 6

7 - Gestão aberta, transparente, eficiente e profissional que constituem importantes condições para garantir a política da "reserva de terrenos para residentes de Macau"; - A "reserva de terrenos para residentes de Macau" e a habitação económica têm objetivos semelhantes. É preciso considerar a convergência da relação entre ambos os sistemas, para prevenir eventual situação difícil de desperdício de recursos legislativos, no caso de a concorrência de duas políticas conduzir um sistema pendurado e inútil. 7. Sub-Conclusão - A chave da política de "reserva de terrenos para residentes de Macau" consiste em compreender claramente o objectivo e o futuro desta; - Sem contradições com o sistema e iniciativas anteriores; - A dificuldade: Como é que tratar a relação com o sistema existente de habitação pública de Macau, em particular, com habitação económica; - Ampliar as condições e a eficácia de segurança. IV. A definição e a análise estáticas da reserva de terrenos para residentes de Macau para os prazos curto, médio e longo 1. A política de habitação pública e a reserva de terrenos para residentes de Macau A "reserva de terrenos para residentes de Macau" tem relevante característica comum com o sistema de habitação económica. O sistema de habitação económica tem resolvido eficazmente o problema da habitação da classe inferior, mas não poderá atender à crescente demanda dos cidadãos da classe média por ter casa própria, durante o período de descolagem económica. 2. Fundamentos e metodologia de estudo Usando as teorias de intervenção do governo, de oferta e procura, e de jogos, a política da "reserva de terrenos para residentes de Macau" seráanalisada de acordo com prazos curto, médio e longo, respectivamente. 3. Estratégia de desenvolvimento conservador da política reserva de terrenos para residentes de Macau A proporção das áreas habitacionais a ser obtidas segundo a política da "reserva de terrenos para residentes de Macau" num total do crescimento das áreas habitacionais serámenor do que a existente proporção das áreas de habitação pública num total das áreas habitacionais do território. Neste sentido, o efeito político épositivo, o efeito económico énegativo, e o efeito social énegativo. 4. Estratégia de desenvolvimento estável da política reserva de terrenos para residentes de Macau 7

8 A proporção das áreas habitacionais a ser obtidas segundo a política da "reserva de terrenos para residentes de Macau" num total do crescimento das áreas habitacionais seráigual àexistente proporção das áreas de habitação pública num total das áreas habitacionais do território. Neste sentido, o efeito político é positivo, o efeito económico énegativo, e o efeito social épositivo. 5. Estratégia de desenvolvimento ambicioso da política reserva de terrenos para residentes de Macau A proporção das áreas habitacionais a ser obtidas segundo a política da "reserva de terrenos para residentes de Macau" num total do crescimento das áreas habitacionais serámaior do que a existente proporção das áreas de habitação pública num total das áreas habitacionais do território. Neste sentido, o efeito político épositivo, o efeito económico énegativo, e o efeito social épositivo. 6. Sub-conslusão A final de contas, para a "reserva de terrenos para residentes de Macau", o efeito político é positivo, o efeito económico é negativo, e o efeito social é positivo. Considerando integralmente o desempenho do governo em busca de maximização de bem-estar social, e a reação política e social contra a economia, a reserva de terrenos para residentes de Macau tem mais vantagens do que desvantagens. Entretanto, é necessário avaliar plenamente eventuais dificuldades objectivas ao promover a política de reserva de terrenos para residentes de Macau : - Confronto de capitais; - Falta de terrenos; - Falhas do governo. V. A análise da teoria económica da reserva de terrenos para residentes de Macau 1. Procura de consumo e procura de investimento Num mercado imobiliário orientado por demanda de consumo, a procura érígida; por sua vez, num mercado imobiliário orientado por investimento, a procura é elás tica. Para o último caso, devido à"perda de peso morto", o efeito de bem-estar épior do que o anterior. Em Macau, o auge de "oferta excessiva" no setor imobiliário mostra a forte demanda por investimentos, pois o crescimento da receita, a "troca da casa velha por nova", e a entrada de novos imigrantes, têm incentivado a forte procura de consumo imobiliário. 2. Mercado grande e mercado pequeno A introdução do pequeno mercado da "reserva de terrenos para residentes de Macau" poderáacarretar influência nociva para grande mercado de habitação. Partindo do ponto de vista do bem-estar social, o impacto líquido dependeráde proporção relativa entre a procura de investimento e a procura de consumo. A análise estática mostra que, 8

9 se um grande mercado for dominado pela procura de investimento, a introdução de pequenos mercados poderámelhorar o bem-estar social em totalidade; E se um grande mercado for dominado pela procura dos consumidores, o bem-estar social total poderá subir ou descer. Considerando o rápido crescimento económico de Macau, o afluxo de análise dinâmica de investimento estrangeiro mostra que, independentemente de consumo ou de investimento de grande mercado, a introdução de pequenos mercados poderá aumentar o bem-estar social na totalidade. Análise da teoria de filtragem habitacional mostra que a expansão de pequenos mercados irácausar declínio de procura e de preço do grande mercado. Entretanto, o crescimento económico em ritmo rápido, a entrada contínua do capital estrangeiro, e a dilatação cada vez maior de distribuição de renda poderão prosperar continuamente os grandes mercados. Por seu turno, com a influência dos pequenos mercados, o mercado low-end especial representado por habitação económica vai sofrer a queda de demanda e de preço. 3. O melhor mercado do pequeno tamanho O bem-estar social está condicionado por rendimento nacional, investimento estrangeiro, preço imobiliário, distribuição de renda, e custo externo do sector predial. Utilizando a pequena dimensão do mercado como variável para decidir estratégia, o bem-estar social poderáser totalmente maximizado, que conduziráo melhor tamanho de um único pequeno mercado, ou seja, para a "reserva de terrenos para residentes de Macau", o grande mercado nem sempre é melhor. Segundo a análise estática comparativa, o tamanho ideal de pequenos mercados, a renda nacional, e a distribuição desigual da riqueza são correlacionados positivamente. 4. Sub-conclusão A introdução de pequeno mercado da "reserva de terrenos para residentes de Macau" poderámelhorar o bem-estar social, e atender à procura de parte de consumidores da classe média, que conduziráa subida do excedente do consumidor. Para o grande mercado, apesar do impacto devido ao declínio do excedente do produtor, a sua perda de bem-estar poderáser compensada através do efeito de crescimento da receita e de investimento de fora. O mercado imobiliário de habitação económica poderá ser negativamente afetada com a queda de procura e de preço em situação de abrandamento económico. Para o longo prazo, o melhor modelo da "reserva de terrenos para residentes de Macau" vai enfraquecer por causa de atenuação das justificações, com moderação do ritmo do crescimento económico em Macau, saída de capitais estrangeiros, e distribuição equitativa das riquezas. Partindo da perspectiva de desenvolvimento sustentável, a iniciativa da "reserva de terrenos para residentes de Macau" não passa de ser uma política improvisada. Por isso, éconveniente adoptar estratégias de desenvolvimento conservadoras e prudentes, e observar atentamente o ritmo do crescimento económico, a distribuição das riquezas, e o nível de entrada de capitais estrangeiros, a fim de reajustar atempadamente a quantidade de oferta. VI. Análise dinâmica integrando as mudanças do Interior da China, das regiões de vizinhança e da arena internacional 1. O Interior da China e a reserva de terrenos para residentes de Macau 9

10 A mudança económica e de política de habitação pública da China poderátrazer influências de curto prazo para "reserva de terrenos para residentes de Macau". Por sua vez, o impacto de longo alcance dependeráde esforços de implementação de um mecanismo de procuração, concedido pelo Governo Central às regiões administrativas especiais, à luz da política de Um país e dois sistemas. 2. Hong Kong e a reserva de terrenos para residentes de Macau A mudança económica e de política de habitação pública de Hong Kong poderá exercer influências de medio prazo para a "reserva de terrenos para residentes de Macau". Por sua vez, o impacto de longo alcance dependeráde integração de sistemas de ambas regiões e de mudança dominante de meio de comunicação em Macau. 3. A Província do Guangdong e a reserva de terrenos aos residentes de Macau É muito limitado o impacto de mudança económica e de política de habitação pública da Província do Guangdong sobre a "reserva de terrenos para residentes de Macau". Por sua vez, o impacto de longo alcance dependerá da eventual política do governo central, segundo a qual, Guangdong forneceráterrenos a Macau para desenvolver a política de "reserva de terrenos para residentes de Macau". 4. A mudança internacional e a reserva de terrenos aos residentes de Macau As mudanças e as reformas económicas globais poderão trazer influência de curto prazo para a "reserva de terrenos para residentes de Macau". Por sua vez, o impacto de longo prazo dependeráde uma série de novas iniciativas internacionais, tais como a regulação financeira, anti-lavagem de dinheiro, a estabilidade e a efectividade de taxas de juros dos EUA. 5. Sub-conclusão Apesar de factores externos existentes, o rumo da política interna exerceráimpacto decisivo e efectivo para a oferta e a demanda da política de "reserva de terrenos para residentes de Macau". 1. Conclusão principal VII. Conclusão Tendo como objectivo-valor o interesse público, a política de "reserva de terrenos para residentes de Macau" tem sua legitimidade legal e seu espaço de existência na "Lei de Terras", e ainda sua justificação de introdução. Por isso, éconveniente adoptar uma estratégia de desenvolvimento conservadora e prudente. Como uma garantia social básica e válvula segura da estabilidade social, as habitações sociais e económicas não poderão ser ignoradas por causa da política de "reserva de terrenos para residentes de Macau". 10

11 2. Varias questões que devem ser atenciosamente consideradas - Unanimidade do interesse da Região Administrativa Especial com o interesse do Estado; - Unanimidade do interesse actual com o interesse de longo alcance; - Unanimidade do interesse parcial com o interesse integral; - Unanimidade de cumprimento das leis e das regras com o respeito às normas sociais e aos bons usos e costumes; - Unanimidade do pensamento inovador de "experiência-piloto" e "tratamento especial no caso especial" com o objetivo de longo alcance da política de "Um país e dois sistemas"; - Unanimidade da "reserva de terrenos para residentes de Macau" com outras iniciativas de políticas governamentais. 11

As instituições de auditoria chinesas no desenvolvimento da auditoria de resultados

As instituições de auditoria chinesas no desenvolvimento da auditoria de resultados Comunicação da cerimónia de abertura (Bao Guoming, Directora do Departamento de Auditoria do Sector Público Administrativo do Gabinete Nacional de Auditoria da China) As instituições de auditoria chinesas

Leia mais

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009 IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões Lisboa, 15 de Abril de 2009 Foi com todo o gosto e enorme interesse que aceitei o convite do Diário Económico para estar presente neste IV Fórum do sector

Leia mais

ÍNDICE. NOTAS EXPLICATIVAS Metodológica e Fontes Estatísticas.. 3 Conceitos...3 Sinais Convencionais... 6 Siglas e Abreviaturas...

ÍNDICE. NOTAS EXPLICATIVAS Metodológica e Fontes Estatísticas.. 3 Conceitos...3 Sinais Convencionais... 6 Siglas e Abreviaturas... ÍNDICE PREFÁCIO... 2 NOTAS EXPLICATIVAS Metodológica e Fontes Estatísticas.. 3 Conceitos...3 Sinais Convencionais... 6 Siglas e Abreviaturas... 6 ANÁLISE DE RESULTADOS Situação Global... 7 Conta Corrente...

Leia mais

O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL

O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL 1 O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL A segurança social tem que ser entendida na dupla perspectiva de direito social dos cidadãos, que compete ao Estado garantir, e de princípio

Leia mais

Vencendo os desafios da Educação nos PALOP

Vencendo os desafios da Educação nos PALOP WORKSHOP INTERNACIONAL Vencendo os desafios da Educação nos PALOP Seminário para o diálogo e a troca de conhecimento e experiências na área do ensino básico destinado aos Países Africanos de expressão

Leia mais

Assistência Social. Instituto de Acção Social (IAS) Serviço de Apoio a Idosos

Assistência Social. Instituto de Acção Social (IAS) Serviço de Apoio a Idosos Assistência Social A política de acção social do Governo da RAEM consiste principalmente em promover os serviços sociais para que correspondam às necessidades reais da sociedade, através da estreita colaboração

Leia mais

REFLECTINDO SOBRE A EDUCAÇÃO EM MACAU

REFLECTINDO SOBRE A EDUCAÇÃO EM MACAU Adminisiração. n. 1. vol. I. 1988-1., 13-19 REFLECTINDO SOBRE A EDUCAÇÃO EM MACAU Alexandre Rosa * 1. INTRODUÇÃO A realidade da educação em Macau no final dos anos oitenta é o resultado de um processo

Leia mais

Reestruturar o Sector Empresarial do Estado

Reestruturar o Sector Empresarial do Estado PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 458/XI/2.ª Reestruturar o Sector Empresarial do Estado A descrição de carácter económico-financeiro apresentada na próxima secção não deixa dúvidas sobre a absoluta necessidade

Leia mais

www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015

www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015 54 CAPA www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015 CAPA 55 ENTREVISTA COM PAULO VARELA, PRESDIDENTE DA CÂMARA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA PORTUGAL ANGOLA O ANGOLA DEVE APOSTAR NO CAPITAL HUMANO PARA DIVERSIFICAR

Leia mais

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite que a FCT me dirigiu para

Leia mais

Boletim digital do FMI: Quais são os objectivos principais do pacote de políticas acordado com Portugal?

Boletim digital do FMI: Quais são os objectivos principais do pacote de políticas acordado com Portugal? Boletim do FMI ENTREVISTA SOBRE PORTUGAL FMI delineia plano conjunto de apoio com UE para Portugal Boletim digital do FMI 6 de Maio de 2011 Café no Bairro Alto, em Lisboa. A criação de novos empregos,

Leia mais

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão A Análise das Demonstrações Financeiras Este artigo pretende apoiar o jovem empreendedor, informando-o de como utilizar os

Leia mais

Parte 4 Recursos e Serviços públicos

Parte 4 Recursos e Serviços públicos Parte 4 Recursos e Serviços públicos GOVERNAÇÃO LOCAL E MOBILIZAÇÃO DE RECURSOS PARA FINANCIAR SERVIÇOS BÁSICOS. ESTUDOS DE CASO: ÁGUA E SAÚDE Introdução e resumo Descentralização e governação local têm

Leia mais

ARC Ratings atribui rating soberano de BBB +, com perspectiva estável, à India

ARC Ratings atribui rating soberano de BBB +, com perspectiva estável, à India ARC Ratings atribui rating soberano de BBB +, com perspectiva estável, à India EMITENTE DATA República da India 12 de Dezembro de 2014 RATINGS EMITENTE - MOEDA ESTRANGEIRA Médio e Longo Prazo BBB+ (BBB+,

Leia mais

PROJECTO DE CARTA-CIRCULAR SOBRE POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS

PROJECTO DE CARTA-CIRCULAR SOBRE POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS PROJECTO DE CARTA-CIRCULAR SOBRE POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS No âmbito da avaliação realizada, a nível internacional, sobre os fundamentos da crise financeira iniciada no Verão

Leia mais

Formação em Protecção Social

Formação em Protecção Social Formação em Protecção Social Sessão 3 A dimensão económica da PS e a relação com outras áreas da política Bilene, Moçambique, 5, 6 e 7 de Maio de 2010 A importância do investimento Ao nível da intervenção

Leia mais

政 府 機 關 通 告 及 公 告 AVISOS E ANÚNCIOS OFICIAIS

政 府 機 關 通 告 及 公 告 AVISOS E ANÚNCIOS OFICIAIS N.º 12 27-3-2015 BOLETIM OFICIAL DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU II SÉRIE 2.º SUPLEMENTO 5241 政 府 機 關 通 告 及 公 告 AVISOS E ANÚNCIOS OFICIAIS 澳 門 金 融 管 理 局 AUTORIDADE MONETÁRIA DE MACAU 通 告 澳 門

Leia mais

Global Development Finance: uma perspectiva mais positiva para os países em desenvolvimento

Global Development Finance: uma perspectiva mais positiva para os países em desenvolvimento Global Development Finance: uma perspectiva mais positiva para os países em desenvolvimento Os países em desenvolvimento estão se recuperando da crise recente mais rapidamente do que se esperava, mas o

Leia mais

VERSÃO PRELIMINAR. Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade

VERSÃO PRELIMINAR. Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade 1) Nos últimos dez anos a renda media dos brasileiros que caiu a taxa de 0.6% ao ano, enquanto o dos pobres cresceu 0.7%, já descontados o crescimento

Leia mais

Análise econômica e suporte para as decisões empresariais

Análise econômica e suporte para as decisões empresariais Cenário Moveleiro Análise econômica e suporte para as decisões empresariais Número 01/2008 Cenário Moveleiro Número 01/2008 1 Cenário Moveleiro Análise econômica e suporte para as decisões empresariais

Leia mais

CIMEIRA DE PARIS DE DEZEMBRO DE 1974: UM MARCO NA HISTÓRIA DAS COMUNIDADES

CIMEIRA DE PARIS DE DEZEMBRO DE 1974: UM MARCO NA HISTÓRIA DAS COMUNIDADES CIMEIRA DE PARIS DE DEZEMBRO DE 1974: UM MARCO NA HISTÓRIA DAS COMUNIDADES Nº 43 Sétima cimeira da Comunidade desde o Tratado de Roma, a Cimeira de Paris produziu algumas das mais importantes decisões

Leia mais

FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS

FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS 1. REGIME DA RESERVA FINANCEIRA A Lei n. o 8/2011 estabelece o regime jurídico da reserva financeira

Leia mais

Economia dos EUA e Comparação com os períodos de 1990-1991 e 2000-2001

Economia dos EUA e Comparação com os períodos de 1990-1991 e 2000-2001 Economia dos EUA e Comparação com os períodos de - e - Clara Synek* O actual período de abrandamento da economia dos EUA, iniciado em e previsto acentuar-se no decurso dos anos /9, resulta fundamentalmente

Leia mais

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS MUNICÍPIOS PORTUGUESES. Conferências sobre a Tributação do Património Imobiliário

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS MUNICÍPIOS PORTUGUESES. Conferências sobre a Tributação do Património Imobiliário ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS MUNICÍPIOS PORTUGUESES Conferências sobre a Tributação do Património Imobiliário A Contribuição Autárquica como fonte de financiamento dos municípios e a questão das isenções Paulo

Leia mais

Estudo aponta que o salário mínimo aumentou 1.019,2% em 20 anos de Plano Real

Estudo aponta que o salário mínimo aumentou 1.019,2% em 20 anos de Plano Real Veículo: Bahia Negócios Data: 28/05/14 Estudo aponta que o salário mínimo aumentou 1.019,2% em 20 anos de Plano Real Em 1994, quando foi instituído o Plano Real, o salário mínimo custava R$ 64,79. Passados

Leia mais

turbo warrants manual /////// www warrants commerzbank com ///////////////////////////////////////////////////////////////////// Warrants Estruturados Turbo warrants Turbo Warrants Acelere os seus investimentos

Leia mais

Avaliação Distribuída 2º Mini-Teste (30 de Abril de 2007 15h00) Os telemóveis deverão ser desligados e guardados antes do início do teste.

Avaliação Distribuída 2º Mini-Teste (30 de Abril de 2007 15h00) Os telemóveis deverão ser desligados e guardados antes do início do teste. LICENCIATURA EM ECONOMIA MACROECONOMIA II LEC 206 (2006-2007) Avaliação Distribuída 2º Mini-Teste (30 de Abril de 2007 15h00) Duração: 60 minutos Não é permitida qualquer forma de consulta. Os telemóveis

Leia mais

ÍNDICE DE RISCO DE 2008 PORTUGAL

ÍNDICE DE RISCO DE 2008 PORTUGAL ÍNDICE DE RISCO DE 2008 PORTUGAL Índice de Pagamentos 2004 191 2005 184 2006 183 2007 182 2008 183 Desenvolvimento Económico (%) UE 27 - Média PIB per capita US 21.800 (2007) Crescimento do PIB 1,9 2,9

Leia mais

RELATÓRIO DAS LINHAS DE ACÇÃO GOVERNATIVA PARA O ANO FINANCEIRO DE 2013 MELHORAR O BEM-ESTAR DA POPULAÇÃO E PLANEAR UM DESENVOLVIMENTO A LONGO PRAZO

RELATÓRIO DAS LINHAS DE ACÇÃO GOVERNATIVA PARA O ANO FINANCEIRO DE 2013 MELHORAR O BEM-ESTAR DA POPULAÇÃO E PLANEAR UM DESENVOLVIMENTO A LONGO PRAZO RELATÓRIO DAS LINHAS DE ACÇÃO GOVERNATIVA PARA O ANO FINANCEIRO DE 2013 MELHORAR O BEM-ESTAR DA POPULAÇÃO E PLANEAR UM DESENVOLVIMENTO A LONGO PRAZO Governo da Região Administrativa Especial de Macau

Leia mais

Declaração de Lima sobre as linhas mestras de controlo das Finanças Públicas. Prefácio

Declaração de Lima sobre as linhas mestras de controlo das Finanças Públicas. Prefácio Declaração de Lima sobre as linhas mestras de controlo das Finanças Públicas Prefácio Quando a Declaração de Lima, das directivas sobre os princípios do controlo, foi adoptada por unanimidade pelos delegados

Leia mais

DIRECTIVA N 01/2009/CM/UEMOA Sobre o Código de Transparência na Gestão das Finanças Públicas NO SEIO DA UEMOA

DIRECTIVA N 01/2009/CM/UEMOA Sobre o Código de Transparência na Gestão das Finanças Públicas NO SEIO DA UEMOA UNIÃO ECONÓMICA E MONETÁRIA OESTE AFRICANA O Conselho de Ministros DIRECTIVA N 01/2009/CM/UEMOA Sobre o Código de Transparência na Gestão das Finanças Públicas NO SEIO DA UEMOA O CONSELHO DE MINISTROS

Leia mais

Moçambique. Estratégia da Suécia para a cooperação para o desenvolvimento com 2015-2020 MFA

Moçambique. Estratégia da Suécia para a cooperação para o desenvolvimento com 2015-2020 MFA MINISTRY FOR FOREIGN AFFAIRS, SWEDEN UTRIKESDEPARTEMENTET Estratégia da Suécia para a cooperação para o desenvolvimento com Moçambique 2015-2020 MFA 103 39 Stockholm Telephone: +46 8 405 10 00, Web site:

Leia mais

NORMAS INTERNACIONAIS DO TRABALHO Convenção (n.º 102) relativa à segurança social (norma mínima), 1952

NORMAS INTERNACIONAIS DO TRABALHO Convenção (n.º 102) relativa à segurança social (norma mínima), 1952 NORMAS INTERNACIONAIS DO TRABALHO Convenção (n.º 102) relativa à segurança social (norma mínima), 1952 Bureau Internacional do Trabalho 1 Ratificação Como são utilizadas as Normas Internacionais do Trabalho?

Leia mais

C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009

C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009 C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009 Comunicação da Comissão Critérios para a análise da compatibilidade dos auxílios estatais a favor de trabalhadores desfavorecidos e com deficiência sujeitos

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Recomendação de PARECER DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Recomendação de PARECER DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 13.2.2007 SEC(2007) 190 final Recomendação de PARECER DO CONSELHO em conformidade com o n.º 3 do artigo 9º do Regulamento (CE) n.º 1466/97 do Conselho, de 7

Leia mais

Instrumento de emenda da Constituição da OIT de 1986

Instrumento de emenda da Constituição da OIT de 1986 Instrumento de emenda da Constituição da OIT de 1986 Instrumento de emenda da Constituição da OIT de 1986 A que se refere a emenda e para que serviria? Em 1986, a Conferência Internacional do Trabalho

Leia mais

ESTUDO STERN: Aspectos Económicos das Alterações Climáticas

ESTUDO STERN: Aspectos Económicos das Alterações Climáticas Resumo das Conclusões Ainda vamos a tempo de evitar os piores impactos das alterações climáticas, se tomarmos desde já medidas rigorosas. As provas científicas são presentemente esmagadoras: as alterações

Leia mais

ANÁLISE EXTERNA ANÁLISE INTERNA

ANÁLISE EXTERNA ANÁLISE INTERNA 3. DIAGNÓSTICO ESTRATÉGICO Neste último sub-capítulo do diagnóstico procurar-se-ão cruzar as diversas componentes analisadas nos pontos anteriores, numa dupla perspectiva: Análise externa - a avaliação

Leia mais

SÍNTESE a SÍNTESE. Janet Murdock NOVEMBRO 2009. Understanding conflict. Building peace.

SÍNTESE a SÍNTESE. Janet Murdock NOVEMBRO 2009. Understanding conflict. Building peace. SÍNTESE a Governação de Recursos Naturais em São Tomé e Príncipe: Um Estudo de Caso sobre a Supervisão e Transparência das Receitas Petrolíferas SÍNTESE Janet Murdock NOVEMBRO 2009 Understanding conflict.

Leia mais

Do Projecto de Obra Pública. ao Programa de Desenvolvimento Regional: Reflexões em torno do caso do Novo Aeroporto de Lisboa

Do Projecto de Obra Pública. ao Programa de Desenvolvimento Regional: Reflexões em torno do caso do Novo Aeroporto de Lisboa : Reflexões em torno do caso do Novo Aeroporto de Lisboa José Manuel Viegas CESUR- Instituto Superior Técnico; e TIS.pt, consultores em Transportes Inovação e Sistemas, s.a. Workshop APDR Impacto dos Aeroportos

Leia mais

SÍNTESE DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO

SÍNTESE DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 10.7.2007 SEC(2007) 870 DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO Documento apenso à Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO aos seguros

Leia mais

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014 Comunicado à imprensa Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em A Autoridade Monetária de Macau (AMCM) torna público os valores totais dos activos da Reserva Financeira da Região Administrativa

Leia mais

PROJECTO DE RELATÓRIO

PROJECTO DE RELATÓRIO ASSEMBLEIA PARLAMENTAR PARITÁRIA ACP- UE Comissão de Desenvolvimento Económico, Finanças e Comércio 3.9.2007 PROJECTO DE RELATÓRIO sobre o impacto do investimento directo estrangeiro (IDE) nos Estados

Leia mais

ANEXO A à. Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO. relativo ao Sistema europeu de contas nacionais e regionais na União Europeia

ANEXO A à. Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO. relativo ao Sistema europeu de contas nacionais e regionais na União Europeia PT PT PT COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 20.12.2010 COM(2010) 774 final Anexo A/Capítulo 08 ANEXO A à Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO relativo ao Sistema europeu de contas nacionais

Leia mais

DECLARAÇÃO DE SUNDSVALL

DECLARAÇÃO DE SUNDSVALL DECLARAÇÃO DE SUNDSVALL PROMOÇÃO DA SAÚDE E AMBIENTES FAVORÁVEIS À SAÚDE 3ª Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde Sundsvall, Suécia, 9 15 de Junho de 1991 Esta conferência sobre Promoção da

Leia mais

Trabalhos prioritários do ensino não superior e dos assuntos juvenis do ano lectivo de 2015/2016

Trabalhos prioritários do ensino não superior e dos assuntos juvenis do ano lectivo de 2015/2016 Trabalhos prioritários do ensino não superior e dos assuntos juvenis do ano lectivo de 2015/2016 Para que o início das aulas do novo ano lectivo se realize com facilidade, a Direcção dos Serviços de Educação

Leia mais

CARTA EMPRESARIAL PELA CONSERVAÇÃO E USO SUSTENTÁVEL DA BIODIVERSIDADE

CARTA EMPRESARIAL PELA CONSERVAÇÃO E USO SUSTENTÁVEL DA BIODIVERSIDADE CARTA EMPRESARIAL PELA CONSERVAÇÃO E USO SUSTENTÁVEL DA BIODIVERSIDADE A Organização das Nações Unidas declarou 2010 como o Ano Internacional da Biodiversidade, com o objetivo de trazer ao debate público

Leia mais

Bancário e Financeiro. aos derivados - EMIR MARÇO 2013 01 1. O QUE É O EMIR?

Bancário e Financeiro. aos derivados - EMIR MARÇO 2013 01 1. O QUE É O EMIR? Briefing MARÇO 2013 01 Entrada em vigor das novas regras aplicáveis aos derivados - EMIR O Parlamento Europeu e o Conselho da União Europeia adoptaram, em 4 de Julho de 2012, o Regulamento (UE) n.º 648/2012

Leia mais

Perguntas e Respostas: O Pacote ODM (Objectivos de Desenvolvimento do Milénio) da Comissão

Perguntas e Respostas: O Pacote ODM (Objectivos de Desenvolvimento do Milénio) da Comissão MEMO/05/124 Bruxelas, 12 de Abril de 2005 Perguntas e Respostas: O Pacote ODM (Objectivos de Desenvolvimento do Milénio) da Comissão 1. Em que consiste este pacote? A Comissão aprovou hoje 3 comunicações

Leia mais

Crédito Habitação BPI - Ficha de Informação Geral

Crédito Habitação BPI - Ficha de Informação Geral Crédito Habitação BPI - Ficha de Informação Geral Mutuante Banco BPI, S.A. Sede: Rua Tenente Valadim, 284 4100-476 PORTO Sociedade Aberta, Capital Social 1.293.063.324,98, matriculada na CRCP sob o número

Leia mais

Módulo 2 Análise de Grupos de Interesse

Módulo 2 Análise de Grupos de Interesse Módulo 2 Análise de Grupos de Interesse No Módulo 2... Porquê realizar uma análise de grupos de interesse? Identificação dos grupos de interesse Avaliação da importância e influência dos grupos de interesse

Leia mais

Regime jurídico que regulamenta a compra e venda de fracções autónomas de edifícios em construção

Regime jurídico que regulamenta a compra e venda de fracções autónomas de edifícios em construção Regime jurídico que regulamenta a compra e venda de fracções autónomas de edifícios em construção Actualmente em Macau, designa-se geralmente por compra e venda de fracções autónomas de edifícios em construção

Leia mais

Glossário da crise financeira

Glossário da crise financeira Glossário da crise financeira Focus A crise financeira que teve início em 2008 com a falência do banco de investimento norte-americano Lehman Brothers alastrou-se a todo o mundo e transformou-se na pior

Leia mais

XXV anos de FUNDOS de PENSÕES

XXV anos de FUNDOS de PENSÕES XXV anos de FUNDOS de PENSÕES 05 de Maio de 2010 - Lisboa - Francisco de Medeiros Cordeiro Provedor dos Participantes e Beneficiários de Adesões Individuais a Fundos de Pensões Abertos I ve Got a Feeling

Leia mais

Empresas Responsáveis Questionário de Sensibilização

Empresas Responsáveis Questionário de Sensibilização Empresas Responsáveis Questionário de Sensibilização 1. Introdução O presente questionário ajudá-lo-á a reflectir sobre os esforços desenvolvidos pela sua empresa no domínio da responsabilidade empresarial,

Leia mais

Relatório de análise sobre uma queixa relacionada com omissão administrativa

Relatório de análise sobre uma queixa relacionada com omissão administrativa Relatório de análise sobre uma queixa relacionada com omissão administrativa Parte I: Assunto * 1. A Associação Novo Macau apresentou, em 11 de Setembro de 2012, uma queixa ao Comissariado contra a Corrupção

Leia mais

CADERNO APFN Apostar na Família Construir o Futuro

CADERNO APFN Apostar na Família Construir o Futuro CADERNO APFN 5 Apostar na Família Construir o Futuro Fevereiro 2002-1 - DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS DA APFN Acreditamos que: 1. A vida humana deve ser respeitada, reconhecida e protegida desde o momento da

Leia mais

O estado actual e perspectivas sobre os investimentos estrangeiros directos NOTA DE TRABALHO REPRESENTAÇÃO COMERCIAL GENEBRA - SUÍÇA

O estado actual e perspectivas sobre os investimentos estrangeiros directos NOTA DE TRABALHO REPRESENTAÇÃO COMERCIAL GENEBRA - SUÍÇA MISSÃO PERMANENTE DA REPÚBLICA DE ANGOLA JUNTO AO OFÍCIO DAS NAÇÕES UNIDAS REPRESENTAÇÃO COMERCIAL GENEBRA - SUÍÇA NOTA DE TRABALHO O estado actual e perspectivas sobre os investimentos estrangeiros directos

Leia mais

ACORDO SOBRE AS LINHAS ESTRATÉGICAS DE REFORMA DA SEGURANÇA SOCIAL

ACORDO SOBRE AS LINHAS ESTRATÉGICAS DE REFORMA DA SEGURANÇA SOCIAL ACORDO SOBRE AS LINHAS ESTRATÉGICAS DE REFORMA DA SEGURANÇA SOCIAL Julho de 2006 1 O sistema de protecção social português encontra-se hoje, tal como na generalidade dos países desenvolvidos, perante desafios

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 11.º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) Curso Científico-Humanístico de Ciências Socioeconómicas PROVA 712/12 Págs. Duração da prova: 120

Leia mais

III Congresso de Direito Fiscal

III Congresso de Direito Fiscal III Congresso de Direito Fiscal A REFORMA DO SISTEMA FISCAL ANGOLANO Rui Dinis Nascimento Advogado / Consultor Fiscal 25 e 26 de Outubro de 2012 A origem da Reforma Fiscal em Angola resulta de vários factores

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO. Valores

SUMÁRIO EXECUTIVO. Valores SUMÁRIO EXECUTIVO O Plano Estratégico da Província de Inhambane para o período 2011-2020 (PEP II) é parte integrante do processo provincial de planificação do Governo, com a finalidade de promover o desenvolvimento

Leia mais

Com decisão sobre aeroporto de Charleroi, Comissão promove actividade das companhias de custos reduzidos e desenvolvimento regional

Com decisão sobre aeroporto de Charleroi, Comissão promove actividade das companhias de custos reduzidos e desenvolvimento regional IP/04/157 Bruxelas, 3 de Fevereiro de 2004 Com decisão sobre aeroporto de Charleroi, Comissão promove actividade das companhias de custos reduzidos e desenvolvimento regional A Comissão Europeia tomou

Leia mais

Os Segredos da Produtividade. por Pedro Conceição

Os Segredos da Produtividade. por Pedro Conceição Os Segredos da Produtividade por Pedro Conceição Em 1950, cada português produzia durante uma hora de trabalho um quinto do que um trabalhador norte-americano conseguia na mesma hora. Em 1999 esta diferença

Leia mais

ALTERAÇÕES 1-58. PT Unida na diversidade PT 2012/2039(INI) 16.10.2012. Projeto de parecer Regina Bastos (PE483.860v02)

ALTERAÇÕES 1-58. PT Unida na diversidade PT 2012/2039(INI) 16.10.2012. Projeto de parecer Regina Bastos (PE483.860v02) PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão do Emprego e dos Assuntos Sociais 16.10.2012 2012/2039(INI) ALTERAÇÕES 1-58 Regina Bastos (PE483.860v02) sobre o estatuto da mutualidade europeia (2012/2039(INI))

Leia mais

PNAI NA IMPRENSA. 2008-11-07 em Público. ONG questionam plano nacional de inclusão

PNAI NA IMPRENSA. 2008-11-07 em Público. ONG questionam plano nacional de inclusão PNAI NA IMPRENSA 2008-11-07 em Público ONG questionam plano nacional de inclusão A estrutura responsável pela coordenação do Plano Nacional de Acção para a Inclusão (PNAI) tem uma "preocupante escassez

Leia mais

Índice Genworth: Medimos a Segurança e Vulnerabilidade Financeira do Consumidor

Índice Genworth: Medimos a Segurança e Vulnerabilidade Financeira do Consumidor Março 2013 I Quinta Edição Índice Genworth: Medimos a Segurança e Vulnerabilidade Financeira do Consumidor GF90336 05/11 i I Índice Genworth: Medimos a Segurança e Vulnerabilidade Financeira do Consumidor

Leia mais

A COMUNIDADE EUROPEIA (a seguir designada por "a Comunidade"), O REINO DA BÉLGICA, A REPÚBLICA CHECA, O REINO DA DINAMARCA,

A COMUNIDADE EUROPEIA (a seguir designada por a Comunidade), O REINO DA BÉLGICA, A REPÚBLICA CHECA, O REINO DA DINAMARCA, ACORDO DE COOPERAÇÃO RELATIVO A UM SISTEMA MUNDIAL DE NAVEGAÇÃO POR SATÉLITE (GNSS) PARA UTILIZAÇÃO CIVIL ENTRE A COMUNIDADE EUROPEIA E OS SEUS ESTADOS-MEMBROS, POR UM LADO, E O REINO DE MARROCOS, POR

Leia mais

Exmo. Senhor Presidente do Pelouro do Trabalho da Confederação das Associações Económicas de Moçambique,

Exmo. Senhor Presidente do Pelouro do Trabalho da Confederação das Associações Económicas de Moçambique, Senhores Membros do Conselho de Ministros Excelências, Exmo. Senhor Presidente do Pelouro do Trabalho da Confederação das Associações Económicas de Moçambique, Exmo Senhor Secretário-geral da Organização

Leia mais

A EVOLUÇÃO DO INVESTIMENTO EXTERNO DIRETO (IED) NO BRASIL: 1995-2013 1 RESUMO

A EVOLUÇÃO DO INVESTIMENTO EXTERNO DIRETO (IED) NO BRASIL: 1995-2013 1 RESUMO 1 A EVOLUÇÃO DO INVESTIMENTO EXTERNO DIRETO (IED) NO BRASIL: 1995-2013 1 Cleidi Dinara Gregori 2 RESUMO Este artigo tem como objetivo analisar a evolução do investimento externo direto, também conhecido

Leia mais

Orientações sobre o tratamento de dados dos documentos de identificação dos titulares de cartão de pagamento por parte das firmas comerciais

Orientações sobre o tratamento de dados dos documentos de identificação dos titulares de cartão de pagamento por parte das firmas comerciais Orientações sobre o tratamento de dados dos documentos de identificação dos titulares de cartão de pagamento por parte das firmas comerciais Muitas firmas comerciais de Macau solicitam o fornecimento de

Leia mais

Conjuntura Global Dá uma Guinada Rumo ao Desenvolvimento

Conjuntura Global Dá uma Guinada Rumo ao Desenvolvimento Volume 11, Number 4 Fourth Quarter 2009 Conjuntura Global Dá uma Guinada Rumo ao Desenvolvimento As economias pelo mundo estão emergindo da recessão, embora em diferentes velocidades. As economias em desenvolvimento

Leia mais

NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO

NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO 1. O presente estudo dá continuidade ao trabalho de natureza estatística relativo às declarações do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (DR Modelo 22 de

Leia mais

Comentários ao relatório Uma década para Portugal promovido pelo PS

Comentários ao relatório Uma década para Portugal promovido pelo PS Comentários ao relatório Uma década para Portugal promovido pelo PS Ao definir uma estratégia de crescimento económico sustentado, centrada em propostas políticas concretas, o relatório Uma década para

Leia mais

CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA

CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA PARTE I - MISSÃO, VALORES, VISÃO E LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA DO COMISSARIADO DA AUDITORIA O Comissariado da Auditoria (CA) funciona como órgão independente na

Leia mais

Boletim Económico Angola

Boletim Económico Angola Boletim Económico Angola 1. Conjuntura: estabilidade macro económica reforçada 3º Trimestre de 2013 A informação disponível para caracterizar o desempenho da economia de Angola no 3º trimestre de 2013

Leia mais

ACTUALIZAÇÃO ANUAL DO PROGRAMA DE ESTABILIDADE E CRESCIMENTO: PRINCIPAIS LINHAS DE ORIENTAÇÃO. 11 de Março de 2011

ACTUALIZAÇÃO ANUAL DO PROGRAMA DE ESTABILIDADE E CRESCIMENTO: PRINCIPAIS LINHAS DE ORIENTAÇÃO. 11 de Março de 2011 Ministério das Finanças e da Administração Pública ACTUALIZAÇÃO ANUAL DO PROGRAMA DE ESTABILIDADE E CRESCIMENTO: PRINCIPAIS LINHAS DE ORIENTAÇÃO 11 de Março de 2011 Enquadramento No actual quadro de incerteza

Leia mais

ANÁLISE DO MERCADO DE REMESSAS PORTUGAL/BRASIL

ANÁLISE DO MERCADO DE REMESSAS PORTUGAL/BRASIL Banco Interamericano de Desenvolvimento Fundo Multilateral de Investimentos Financiado pelo Fundo Português de Cooperação Técnica ANÁLISE DO MERCADO DE REMESSAS PORTUGAL/BRASIL SUMÁRIO EXECUTIVO Equipa

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA. Texto de Apoio 1. Análise Económica e Financeira

GESTÃO ESTRATÉGICA. Texto de Apoio 1. Análise Económica e Financeira INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS EMPRESARIAIS Departamento de Economia e Gestão (ce.deg@esce.ips.pt) GESTÃO ESTRATÉGICA Texto de Apoio 1 à Análise Económica e Financeira Silva

Leia mais

Fórum Reforma Tributária. Construir o Futuro

Fórum Reforma Tributária. Construir o Futuro Construir o Futuro 18 de Fevereiro de 2015 Agenda A Administração Geral Tributária Procedimento de inspecção fiscal e contencioso O Grande Contribuinte Imposto Industrial Imposto sobre os Rendimentos do

Leia mais

PVP Programa de Valorização de Património. Apresentação à CML Helena Roseta 14.12.2012

PVP Programa de Valorização de Património. Apresentação à CML Helena Roseta 14.12.2012 PVP Programa de Valorização de Património Apresentação à CML Helena Roseta 14.12.2012 Objectivos genéricos do PVP garantir a função social do município no apoio ao acesso à habitação; promover a adequação

Leia mais

12 perguntas. que você precisa fazer para o seu cliente.

12 perguntas. que você precisa fazer para o seu cliente. 12 perguntas que você precisa fazer para o seu cliente. Introdução Neste final de ano, a Icatu Seguros quer convidar a todos para uma reflexão sobre decisões aparentemente simples, mas que nem sempre são

Leia mais

O Banco Mundial e a Agricultura uma discussão crítica do RDM 2008

O Banco Mundial e a Agricultura uma discussão crítica do RDM 2008 O Banco Mundial e a Agricultura uma discussão crítica do RDM 2008 Carlos Nuno Castel-Branco 1 Diferentemente do que se diz na introdução do RDM 2008, este não é o segundo, mas em vez disso é o terceiro,

Leia mais

Agenda 21 Local do Concelho de Redondo. Síntese do Diagnostico do Concelho

Agenda 21 Local do Concelho de Redondo. Síntese do Diagnostico do Concelho Agenda 21 Local do Concelho de Redondo Síntese do Diagnostico do Concelho Redondo 2004 INTRODUÇÃO O presente documento constituí uma Síntese do Diagnóstico do concelho, elaborado no âmbito da Agenda 21Local

Leia mais

Acesso à informação, participação do público e acesso à justiça em matéria de ambiente a nível comunitário um Guia Prático

Acesso à informação, participação do público e acesso à justiça em matéria de ambiente a nível comunitário um Guia Prático Acesso à informação, participação do público e acesso à justiça em matéria de ambiente a nível comunitário um Guia Prático O acesso à informação, a participação do público no processo de tomada de decisão

Leia mais

3.2 Companhias de seguros

3.2 Companhias de seguros Desenvolvimento de produtos e serviços Tendo em conta o elevado grau de concorrência dos serviços bancários, os bancos têm vindo a prestar uma vasta gama de produtos e serviços financeiros, por um lado

Leia mais

Sumário. Parte I. Parte II 3 FERRAMENTAS DE ANÁLISE NORMATIVA 34 1 INTRODUÇÃO 2 2 FERRAMENTAS DE ANÁLISE POSITIVA 18 4 BENS PÚBLICOS 54

Sumário. Parte I. Parte II 3 FERRAMENTAS DE ANÁLISE NORMATIVA 34 1 INTRODUÇÃO 2 2 FERRAMENTAS DE ANÁLISE POSITIVA 18 4 BENS PÚBLICOS 54 Parte I PRIMEIROS PASSOS 1 1 INTRODUÇÃO 2 FINANÇAS PÚBLICAS E IDEOLOGIA 3 Visão orgânica do governo 3 Visão mecanicista do governo 4 Ponto de vista deste livro 5 O GOVERNO RESUMIDO 5 O marco legal 5 O

Leia mais

REGULAMENTO DA AGMVM N.º 1/2012 SUPERVISÃO PRUDENCIAL

REGULAMENTO DA AGMVM N.º 1/2012 SUPERVISÃO PRUDENCIAL REGULAMENTO DA AGMVM N.º 1/2012 SUPERVISÃO PRUDENCIAL A recente crise financeira internacional em que vivemos e os seus efeitos no sector financeiro suscitaram uma profunda reflexão internacional sobre

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA PRIMEIRO. MINISTRO, Dr. Pascoal Mocumbi, POR OCASIÃO DO LANÇAMENTO OFICIAL DA PESQUISA

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA PRIMEIRO. MINISTRO, Dr. Pascoal Mocumbi, POR OCASIÃO DO LANÇAMENTO OFICIAL DA PESQUISA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA PRIMEIRO MINISTRO, Dr. Pascoal Mocumbi, POR OCASIÃO DO LANÇAMENTO OFICIAL DA PESQUISA NACIONAL DE BASE SOBRE GOVERNAÇÃO E CORRUPÇÃO Maputo, 27 de Novembro

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Junio 2011 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

Código de Conduta Empresarial da Nestlé. 2008, Nestec Ltd. Conceito e Design: Nestec Ltd., Identidade Corporativa e Design, Vevey (Suiza)

Código de Conduta Empresarial da Nestlé. 2008, Nestec Ltd. Conceito e Design: Nestec Ltd., Identidade Corporativa e Design, Vevey (Suiza) Código de Conduta Empresarial da Nestlé 2008, Nestec Ltd. Conceito e Design: Nestec Ltd., Identidade Corporativa e Design, Vevey (Suiza) Introdução Desde a sua fundação, as práticas comerciais da Nestlé

Leia mais

Definições (parágrafo 9) 9 Os termos que se seguem são usados nesta Norma com os significados

Definições (parágrafo 9) 9 Os termos que se seguem são usados nesta Norma com os significados Norma contabilística e de relato financeiro 14 Concentrações de actividades empresariais Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Relato Financeiro IFRS 3

Leia mais

Resumo do relatório de estudo do Regime da Segurança Social

Resumo do relatório de estudo do Regime da Segurança Social Resumo do de estudo do Regime da Segurança Social Introdução De acordo com o de estudo principal do dia 18 de Abril e os dois anexos respectivamente dos dias 29 de Maio e 27 de Junho (Análises 1 e 2 dos

Leia mais

I Fórum Crédito e Educação Financeira

I Fórum Crédito e Educação Financeira 25 de Janeiro de 2012 Pedro Duarte Neves A Importância Estratégica da Formação Financeira 2 A LITERACIA FINANCEIRA É UM PILAR ESTRATÉGICO DA ACTUAÇÃO DO BANCO DE PORTUGAL O Banco de Portugal tem dedicado

Leia mais

MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS

MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS DECLARAÇÃO ALUSIVA AO DIA MUNDIAL DA ÁGUA 22 DE MARÇO DE 2016 Água e Emprego DECLARAÇÃO ALUSIVA AO DIA MUNDIAL DA ÁGUA O dia 22 de Março foi instituído em 1992 pela Organização

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 14 CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS. Objectivo ( 1) 1 Âmbito ( 2 a 8) 2

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 14 CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS. Objectivo ( 1) 1 Âmbito ( 2 a 8) 2 NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 14 CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IFRS 3 Concentrações

Leia mais

A POSTURA DO GOVERNO DIANTE DA CRISE PRESERVAR O NOVO CICLO DE DESENVOLVIMENTO EM CURSO A ATUAÇÃO CONTRADITÓRIA DO BACEN

A POSTURA DO GOVERNO DIANTE DA CRISE PRESERVAR O NOVO CICLO DE DESENVOLVIMENTO EM CURSO A ATUAÇÃO CONTRADITÓRIA DO BACEN 1 A POSTURA DO GOVERNO DIANTE DA CRISE PRESERVAR O NOVO CICLO DE DESENVOLVIMENTO EM CURSO A ATUAÇÃO CONTRADITÓRIA DO BACEN Cézar Manoel de Medeiros* O Novo Ciclo de desenvolvimento em curso no Brasil é

Leia mais

DECLARAÇÃO DO RIO SOBRE AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO

DECLARAÇÃO DO RIO SOBRE AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO DECLARAÇÃO DO RIO SOBRE AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO A Conferência das Nações Unidas sobre Ambiente e Desenvolvimento, no Rio de Janeiro de 3 a 14 de Junho de 1992, Reafirmando a Declaração da Conferência

Leia mais

CONFERÊNCIA PLANO DE ACÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TURISMO EM PORTUGAL

CONFERÊNCIA PLANO DE ACÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TURISMO EM PORTUGAL Parceiros Estratégicos: Hospital Particular do Algarve CONFERÊNCIA TURISMO 2020 PLANO DE ACÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TURISMO EM PORTUGAL Turismo e Fundos Comunitários. Que futuro? O caso do Algarve

Leia mais