CIMEIRA DE PARIS DE DEZEMBRO DE 1974: UM MARCO NA HISTÓRIA DAS COMUNIDADES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CIMEIRA DE PARIS DE DEZEMBRO DE 1974: UM MARCO NA HISTÓRIA DAS COMUNIDADES"

Transcrição

1 CIMEIRA DE PARIS DE DEZEMBRO DE 1974: UM MARCO NA HISTÓRIA DAS COMUNIDADES Nº 43 Sétima cimeira da Comunidade desde o Tratado de Roma, a Cimeira de Paris produziu algumas das mais importantes decisões tomadas no âmbito das Comunidades, fora do contexto formal de uma revisão dos Tratados; foi em Agosto que o Presidente Valéry Giscard d Estaing manifestou a sua intenção de convidar os Chefes de Governo dos então 9 Estados membros a reflectir em conjunto sobre o futuro da Europa e a prossecução da sua união política. Um jantar realizado em Paris em 14 de Setembro, com a presença dos nove Chefes de Estado e de Governo, permitiu preparar a cimeira, que se viria a realizar em Dezembro. Cimeira dos Chefes de Estado e de Governo dos Nove, em 9 e 10 de Dezembro de 1974 «Introdução in Keesing s: Record of World Events, Keesing s World Wide, Cambridge, pág Os Chefes de Governo dos nove Estados da Comunidade, os Ministros dos Negócios Estrangeiros e o Presidente da Comissão, reunidos em Paris a convite do Presidente da República Francesa, analisaram os vários problemas com que a Europa se depara. Tomaram conhecimento dos relatórios apresentados pelos Ministros dos Negócios Estrangeiros e registaram o acordo por eles obtido sobre os vários pontos abordados nos relatórios. Cooperação política 2. Perante a necessidade de uma abordagem global dos problemas internos relacionados com a construção europeia e dos problemas externos com que a Europa se depara, os Chefes de Governo consideram essencial garantir o avanço e a coesão das actividades comunitárias e do trabalho no âmbito da cooperação política. 3. Consequentemente, os Chefes de Governo decidiram reunir-se, juntamente com os Ministros dos Negócios Estrangeiros, três vezes por ano ou sempre que necessário, no Conselho das Comunidades e no contexto da cooperação política. Prevê-se o apoio de um secretariado administrativo, que observará as práticas e os procedimentos em vigor. A coerência das actividades comunitárias e a continuidade do trabalho serão assegurados pelos Ministros dos Negócios Estrangeiros, reunidos no Conselho da Comunidade, que actuarão como impulsionadores e coordenadores. Poderão realizar reuniões de cooperação política em simultâneo. Estas disposições não prejudicarão, de modo algum, as regras e procedimentos enunciados nos Tratados, nem as disposições sobre cooperação política dos Relatórios do Luxemburgo e de Copenhaga (adoptados formalmente em Outubro de 1970 e em Setembro de 1973, respectivamente). Nas várias reuniões referidas nos parágrafos anteriores, a Comissão exercerá os poderes que lhe foram conferidos e desempenhará a função que lhe é atribuída nos textos acima referidos. 4. Com o objectivo de avançar para a unidade europeia, os Chefes de Governo reafirmam a sua determinação de adoptar posições comuns e coordenar a actuação diplomática em todas as áreas internacionais que afectem os interesses da Comunidade Europeia. O Presidente em exercício será o porta-voz dos Nove e apresentará as respectivas posições em termos de diplomacia internacional. Competir-lhe-á ainda assegurar a realização atempada da necessária concertação.

2 Considerando a importância crescente da cooperação política para a construção europeia, a Assembleia Europeia (i.e. o Parlamento Europeu) deverá ter um maior envolvimento no trabalho da presidência, por exemplo, através de respostas a questões sobre cooperação política colocadas pelos seus membros. Aperfeiçoamento das instituições 5. Os Chefes de Governo consideram necessário aumentar a solidariedade dos Nove, melhorando os procedimentos comunitários e desenvolvendo novas políticas comuns em áreas ainda a decidir, concedendo às instituições os poderes necessários. 6. De forma a melhorar o funcionamento do Conselho da Comunidade, consideram necessário renunciar à prática que consiste em condicionar a aprovação de todos os assuntos ao consenso unânime dos Estados- Membros, independentemente das respectivas posições sobre as conclusões do Luxemburgo, de 28 de Janeiro de 1966 (que estabeleciam formalmente que, em questões muito importantes, o Conselho procuraria obter unanimidade, muito embora registassem também uma divergência de opiniões entre a França e os outros [cinco] Estados-Membros, relativamente ao que deveria ser feito em caso de impossibilidade de acordo total). 7. Será dada maior margem de manobra aos representantes permanentes, de forma a que apenas os problemas políticos mais importantes necessitem de ser discutidos no Conselho. (...) 8. Concordaram na vantagem de utilizar o disposto no Tratado de Roma, para atribuir à Comissão poderes de implementação e de gestão decorrentes da regulamentação comunitária. 9. Será dada continuidade à cooperação entre os Nove nas áreas externas ao âmbito do Tratado, onde ela já exista. Deverá ser extensiva a outras áreas, envolvendo os representantes dos Governos, que se reunirão no Conselho sempre que possível. União de passaportes 10. Será formado um grupo de trabalho para estudar a possibilidade de uma união de passaportes, e a eventual introdução de um passaporte uniformizado. 11. Será encarregado outro grupo de estudar as condições e os prazos em que os cidadãos dos nove Estados- Membros poderão usufruir de direitos especiais como membros da Comunidade. Parlamento Europeu 12. Os Chefes de Governo consideram que a eleição da Assembleia Europeia por sufrágio universal, um dos objectivos enunciados no Tratado, devia realizar-se o mais rapidamente possível. Para o efeito, aguardam com interesse as propostas da Assembleia Europeia, sobre as quais pretendem tomada de posição do Conselho em Partindo deste princípio, podem realizar-se eleições por sufrágio universal directo a partir de Uma vez que a Assembleia Europeia é composta por representantes dos povos dos estados unidos no seio da Comunidade, cada povo deverá ser representado de uma forma adequada. A Assembleia Europeia será associada à realização da construção europeia. Os Chefes de Governo não deixarão de tomar em consideração as opiniões solicitadas a este respeito, em Outubro de A competência da Assembleia Europeia será alargada, particularmente através da concessão de certos poderes no processo legislativo das Comunidades. União Europeia

3 13. Os Chefes de Governo consideram que já se iniciou o processo de transformação das relações entre os Estados-Membros, de acordo com a decisão tomada em Paris, em Outubro de 1972, e estão determinados a fazê-lo avançar. Consideram, pois, que chegou o momento de os Nove chegarem a acordo, o mais rapidamente possível, sobre o conceito de União Europeia. Consequentemente, e em conformidade com o desejo expresso na reunião de Paris, em Outubro de 1972, pelos Chefes de Estado e de Governo, confirmam a importância dos relatórios a cargo das instituições comunitárias. Solicitam à Assembleia Europeia, à Comissão e ao Tribunal de Justiça que antecipem a data-limite de entrega dos relatórios para o final de Junho de Acordaram em que Leo Tindemans, Primeiro-Ministro do Reino da Bélgica, apresentasse um relatório global aos Chefes de Governo antes do final de 1975, com base nos relatórios recebidos das instituições e em consultas a realizar aos Governos e à opinião pública, na Comunidade. União Económica e Monetária 14. Os Chefes de Governo, tendo considerado que as dificuldades internas e externas impediram, em 1973 e 1974, o avanço esperado rumo à UEM, afirmam que, neste domínio, a sua vontade não enfraqueceu e que os seus objectivos não mudaram desde a Conferência de Paris. Convergência de políticas económicas 15. Os Chefes de Governo discutiram a situação económica no mundo e na Comunidade. 16. Constataram que o aumento dos preços da energia contribui para tendências inflacionistas e défices na balança de pagamentos, intensificando a ameaça de uma recessão geral. As alterações resultantes em termos de comércio obrigam os Estados-Membros a reorientar as suas estruturas de produção. 17. Os Chefes de Governo reafirmam que o objectivo da política económica continua a ser o combate à inflação e a manutenção do emprego. A cooperação dos parceiros sociais será essencial para que esta política obtenha resultados positivos. Sublinham que, nas actuais circunstâncias, deve ser dada prioridade ao relançamento económico em condições de estabilidade, i.e. agir para evitar uma recessão económica geral e restabelecer a estabilidade. (...). Os Estados-Membros com excedente na balança de pagamentos devem adoptar uma política económica de estímulo da procura interna e manter um alto nível de emprego, sem criarem novas condições inflacionistas. Uma atitude deste tipo permitirá aos países com consideráveis défices na balança de pagamentos seguirem mais facilmente uma política que garanta um nível de emprego satisfatório, estabilidade dos custos e reequilíbrio da balança comercial externa sem recurso a medidas proteccionistas. Todos expressaram satisfação pelos esforços envidados pelos países cuja balança de pagamentos apresenta défices, que tentam manter uma posição competitiva que contribua para uma balança de pagamentos mais satisfatória e para um nível de emprego mais favorável. 19. Reconhecendo a situação particular de cada Estado-Membro da Comunidade - que torna inadequada uma política uniforme -, os Chefes de Governo consideram absolutamente necessário um consenso sobre as políticas a adoptar. Esta convergência só terá significado se tiver como objectivo a solidariedade comunitária e se for baseada em mecanismos de consulta permanente. (...). 21. A Comunidade continuará a contribuir para a expansão harmoniosa do comércio mundial, especialmente em relação aos países em desenvolvimento, participando, para tal, de uma forma construtiva nas negociações comerciais do GATT, que espera venham a ser retomadas activamente no futuro próximo.

4 Política regional 22. Os Chefes de Governo decidiram que o Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional, concebido para corrigir os principais desequilíbrios regionais na Comunidade, resultantes sobretudo da predominância agrícola, da evolução da indústria e do subemprego estrutural, seja instituído na Comunidade a partir de 1 de Janeiro de Serão consagradas ao fundo unidades de conta em 1975 e UC em 1976 e em 1977, i.e milhões UC 24. Este montante total de milhões UC será financiado em UC através de créditos não utilizados actualmente pelo Fundo Europeu de Orientação e de Garantia Agrícola (secção Orientação). Os recursos do fundo serão repartidos de acordo com as linhas previstas pela Comissão: Bélgica: 1,5 %; Dinamarca: 1,3 %; França: 15 %; Irlanda: 6 %; Itália: 40 %; Luxemburgo: 0,1 %; Países Baixos: 1,7 %; República Federal da Alemanha: 6,4 %; Reino Unido: 28 %. Serão consagradas adicionalmente à Irlanda mais UC provenientes da redução da percentagem dos outros Estados-Membros, à excepção da Itália. Problemas de emprego 25. O esforço necessário para combater a inflação e os riscos de recessão e de desemprego acima referidos deverá corresponder às imposições de uma política social progressiva e equitativa, para que se concretize o apoio e a cooperação por parte dos parceiros sociais, a nível nacional e comunitário. (...) 26. Na devida altura, o Conselho da Comunidade considerará, pela experiência adquirida e tendo em conta o problema das regiões e as categorias dos trabalhadores mais prejudicados pelas dificuldades de emprego, como e em que medida será necessário aumentar os recursos do fundo social. 27. Os Chefes de Governo, convencidos de que neste período de dificuldades económicas deve ser dado relevo às medidas sociais, reiteram a importância da aplicação das medidas enunciadas no programa de acção social aprovado pelo Conselho, na resolução de 21 de Janeiro de Os Chefes de Governo definem como objectivo a harmonização do nível de prestações da segurança social nos vários Estados-Membros, zelando pelo progresso, mas sem que seja necessário que os sistemas sociais dos Estados-Membros sejam idênticos. Energia 31. Os Chefes de Governo, conscientes da importância do problema da energia para a economia mundial, discutiram as possibilidades de cooperação entre os países exportadores e os países importadores de petróleo, tendo escutado o parecer do Chanceler Federal sobre o assunto (a Alemanha Ocidental foi a responsável, como detentora da Presidência do Conselho de Ministros na primeira metade de 1974, pela coordenação dos contactos iniciais com vista à realização de uma conferência CEE-Países Árabes sobre energia e assuntos afins). 32. Os Chefes de Governo dão grande importância à próxima reunião entre o Presidente dos Estados Unidos e o Presidente da República Francesa. 33. Os Chefes de Governo, referindo a resolução do Conselho de 17 de Setembro de 1974, incumbem as instituições comunitárias da elaboração e implementação de uma política de energia comum, o mais rapidamente possível. Adesão britânica à Comunidade

5 34. O Primeiro-Ministro do Reino Unido indicou a base das negociações do Governo de Sua Majestade relativamente à manutenção do Reino Unido na Comunidade (...). 35. Os Chefes de Governo relembraram a declaração feita pela Comunidade durante as negociações de adesão segundo a qual, surgindo situações inaceitáveis, a própria sobrevivência da Comunidade fará com que as instituições encontrem soluções equitativas. 36. Os Chefes de Governo confirmam que o sistema de recursos próprios representa um dos elementos fundamentais da integração económica comunitária. 37. Determinam que as instituições comunitárias (o Conselho e a Comissão) estabeleçam, o mais rapidamente possível, um mecanismo de correcção, de aplicação geral, que, no âmbito do sistema dos recursos próprios e em harmonia com o seu funcionamento normal, baseado em critérios objectivos e tomando em consideração, em particular, as sugestões feitas para este fim pelo governo britânico, possa evitar, durante o período de convergência das economias dos Estados-Membros, o possível desenvolvimento de situações inaceitáveis para um Estado-Membro e incompatíveis com o bom funcionamento da Comunidade.»

Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007. Conteúdo e desafios

Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007. Conteúdo e desafios Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007 Conteúdo e desafios Os Tratados Tratado de Paris (CECA) 18 de Abril de 1951 Tratados de Roma (CEE e CEEA) 25 de Março de 1957 Acto Único Europeu 17 de Fevereiro 1986

Leia mais

Perguntas e Respostas: O Pacote ODM (Objectivos de Desenvolvimento do Milénio) da Comissão

Perguntas e Respostas: O Pacote ODM (Objectivos de Desenvolvimento do Milénio) da Comissão MEMO/05/124 Bruxelas, 12 de Abril de 2005 Perguntas e Respostas: O Pacote ODM (Objectivos de Desenvolvimento do Milénio) da Comissão 1. Em que consiste este pacote? A Comissão aprovou hoje 3 comunicações

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DECISÃO DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DECISÃO DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 19.05.2004 COM(2004)385 final 2004/0121(CNS). Proposta de DECISÃO DO CONSELHO que concede uma garantia da Comunidade ao Banco Europeu de Investimento em caso

Leia mais

CONFERÊNCIA DOS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS. Bruxelas, (OR. fr) CIG 15/07

CONFERÊNCIA DOS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS. Bruxelas, (OR. fr) CIG 15/07 417 der Beilagen XXIII. GP - Staatsvertrag - 44 portugiesische Schlussakte (Normativer Teil) 1 von 36 CONFERÊNCIA DOS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS Bruxelas, (OR. fr) CIG 15/07 Assunto:

Leia mais

EVOLUÇÃO DA POLÍTICA EUROPEIA DE AMBIENTE

EVOLUÇÃO DA POLÍTICA EUROPEIA DE AMBIENTE Políticas de Ambiente EVOLUÇÃO DA POLÍTICA EUROPEIA DE AMBIENTE Francisco Nunes Correia IST, Ano Lectivo 2010/2011 Onde estamos? Projecto de Tratado que estabelece uma CONSTITUIÇÃO PARA A EUROPA 2001-2005

Leia mais

Decreto n.º 139/80 Convenção sobre o Reconhecimento dos Estudos e Diplomas Relativos ao Ensino Superior nos Estados da Região Europa

Decreto n.º 139/80 Convenção sobre o Reconhecimento dos Estudos e Diplomas Relativos ao Ensino Superior nos Estados da Região Europa Decreto n.º 139/80 Convenção sobre o Reconhecimento dos Estudos e Diplomas Relativos ao Ensino Superior nos Estados da Região Europa O Governo decreta, nos termos da alínea c) do artigo 200.º da Constituição,

Leia mais

L 343/10 Jornal Oficial da União Europeia 29.12.2010

L 343/10 Jornal Oficial da União Europeia 29.12.2010 L 343/10 Jornal Oficial da União Europeia 29.12.2010 REGULAMENTO (UE) N. o 1259/2010 DO CONSELHO de 20 de Dezembro de 2010 que cria uma cooperação reforçada no domínio da lei aplicável em matéria de divórcio

Leia mais

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 3 Abril de 2003 8084/03 ADD 1 LIMITE FISC 59

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 3 Abril de 2003 8084/03 ADD 1 LIMITE FISC 59 CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 3 Abril de 2003 8084/03 ADD 1 LIMITE FISC 59 ADENDA À NOTA de: Secretariado-Geral do Conselho para: COREPER de 9 de Abril de 2003 Assunto: Tributação da energia Junto

Leia mais

(Actos legislativos) DIRECTIVAS

(Actos legislativos) DIRECTIVAS 26.10.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 280/1 I (Actos legislativos) DIRECTIVAS DIRECTIVA 2010/64/UE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 20 de Outubro de 2010 relativa ao direito à interpretação

Leia mais

(Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) CONSELHO

(Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) CONSELHO L 52/32 II (Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) CONSELHO RECOMENDAÇÃO DO CONSELHO de 14 de Fevereiro de 2000 relativa à execução das políticas de emprego dos Estados-Membros

Leia mais

Conciliação entre vida profissional, familiar e privada

Conciliação entre vida profissional, familiar e privada C 102 E/492 Jornal Oficial da União Europeia PT 28.4.2004 P5_TA(2004)0152 Conciliação entre vida profissional, familiar e privada Resolução do Parlamento Europeu sobre a conciliação entre vida profissional,

Leia mais

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 15 de Maio de 2007 (OR. en) 9556/07 DEVGEN 88 RELEX 346 FIN 229 WTO 116 ONU 24

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 15 de Maio de 2007 (OR. en) 9556/07 DEVGEN 88 RELEX 346 FIN 229 WTO 116 ONU 24 CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 15 de Maio de 2007 (OR. en) 9556/07 DEVGEN 88 RELEX 346 FIN 229 WTO 116 ONU 24 NOTA de: Secretariado-Geral data: 15 de Maio de 2007 n.º doc. ant.: 9179/07 Assunto:

Leia mais

Proposta de REGULAMENTO (UE) N.º /2010 DO CONSELHO. que impõe medidas restritivas contra o Irão e revoga o Regulamento (CE) n.

Proposta de REGULAMENTO (UE) N.º /2010 DO CONSELHO. que impõe medidas restritivas contra o Irão e revoga o Regulamento (CE) n. PT PT PT COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 31.8.2010 COM(2010) 459 final 2010/0240 (NLE) Proposta de REGULAMENTO (UE) N.º /2010 DO CONSELHO que impõe medidas restritivas contra o Irão e revoga o Regulamento

Leia mais

Jornal oficial no. L 024 de 30/01/1998 P. 0001-0008

Jornal oficial no. L 024 de 30/01/1998 P. 0001-0008 Jornal oficial no. L 024 de 30/01/1998 P. 0001-0008 DIRECTIVA 97/66/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 15 de Dezembro de 1997 relativa ao tratamento de dados pessoais e à protecção da privacidade

Leia mais

PROJECTO DE RELATÓRIO

PROJECTO DE RELATÓRIO ASSEMBLEIA PARLAMENTAR PARITÁRIA ACP- UE Comissão de Desenvolvimento Económico, Finanças e Comércio 3.9.2007 PROJECTO DE RELATÓRIO sobre o impacto do investimento directo estrangeiro (IDE) nos Estados

Leia mais

CONVENÇÃO COMPLEMENTAR À CONVENÇÃO DE PARIS DE 29 DE JULHO DE 1960 SOBRE A RESPONSABILIDADE CIVIL NO DOMÍNIO DA ENERGIA NUCLEAR.

CONVENÇÃO COMPLEMENTAR À CONVENÇÃO DE PARIS DE 29 DE JULHO DE 1960 SOBRE A RESPONSABILIDADE CIVIL NO DOMÍNIO DA ENERGIA NUCLEAR. Decreto do Governo n.º 24/84 Convenção de 31 de Janeiro de 1963 Complementar da Convenção de Paris de 29 de Julho de 1960 sobre Responsabilidade Civil no Domínio da Energia Nuclear O Governo decreta, nos

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Recomendação de PARECER DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Recomendação de PARECER DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 13.2.2007 SEC(2007) 190 final Recomendação de PARECER DO CONSELHO em conformidade com o n.º 3 do artigo 9º do Regulamento (CE) n.º 1466/97 do Conselho, de 7

Leia mais

A COMUNIDADE EUROPEIA (a seguir designada por "a Comunidade"), O REINO DA BÉLGICA, A REPÚBLICA CHECA, O REINO DA DINAMARCA,

A COMUNIDADE EUROPEIA (a seguir designada por a Comunidade), O REINO DA BÉLGICA, A REPÚBLICA CHECA, O REINO DA DINAMARCA, ACORDO DE COOPERAÇÃO RELATIVO A UM SISTEMA MUNDIAL DE NAVEGAÇÃO POR SATÉLITE (GNSS) PARA UTILIZAÇÃO CIVIL ENTRE A COMUNIDADE EUROPEIA E OS SEUS ESTADOS-MEMBROS, POR UM LADO, E O REINO DE MARROCOS, POR

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o terceiro parágrafo do artigo 159º,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o terceiro parágrafo do artigo 159º, REGULAMENTO (CE) Nº 1082/2006 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 5 de Julho de 2006 relativo aos agrupamentos europeus de cooperação territorial (AECT) O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA,

Leia mais

A Bandeira da Europa simboliza a União Europeia e também representa a unidade e a identidade da Europa. O circulo de estrelas douradas representa a

A Bandeira da Europa simboliza a União Europeia e também representa a unidade e a identidade da Europa. O circulo de estrelas douradas representa a Após a II Guerra Mundial alguns países europeus tiveram a ideia de se unirem para melhor resolver os seus problemas. Era necessário garantir a paz, reconstruir cidades e reorganizar o comércio. Só com

Leia mais

Trabalho realizado por: Hélio nº 10 Jorge nº 13 Pedro F nº21 Ricardo P nº24 Miguel F nº27

Trabalho realizado por: Hélio nº 10 Jorge nº 13 Pedro F nº21 Ricardo P nº24 Miguel F nº27 Trabalho realizado por: Hélio nº 10 Jorge nº 13 Pedro F nº21 Ricardo P nº24 Miguel F nº27 Disciplina de: Área de Projecto Nome do Professor: Hélder Baião 1 Este trabalho foi proposto pelo professor de

Leia mais

Comissão apresenta estratégia europeia para a energia

Comissão apresenta estratégia europeia para a energia Comissão apresenta estratégia europeia para a energia Numa época em que se assiste a importantes reestruturações empresariais no sector energético a nível europeu, a Comissão Europeia estabeleceu as bases

Leia mais

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR DE MAIORES DE 23 ANOS PROVA ESPECIFICA DE ECONOMIA 2014/06/14 GRUPO A1

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR DE MAIORES DE 23 ANOS PROVA ESPECIFICA DE ECONOMIA 2014/06/14 GRUPO A1 ACESSO AO ENSINO SUPERIOR DE MAIORES DE 23 ANOS PROVA ESPECIFICA DE ECONOMIA 2014/06/14 (Cotações: 6 x 1,0 = 6 valores) GRUPO A1 1- O sector de atividade que agrupa as atividades relacionadas com o aproveitamento

Leia mais

* PROJECTO DE RELATÓRIO

* PROJECTO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão das Liberdades Cívicas, da Justiça e dos Assuntos Internos 26.10.2009 2009/0101(CNS) * PROJECTO DE RELATÓRIO sobre a proposta de decisão-quadro do Conselho relativa

Leia mais

não-convencionais e expressam seu propósito de intensificar as ações tendentes a lograr aquele fim.

não-convencionais e expressam seu propósito de intensificar as ações tendentes a lograr aquele fim. COMUNICADO CONJUNTO O Senhor Ministro das Relações Exteriores da República Oriental do Uruguai, Dom Adolfo Folle Martinez, atendendo a convite oficial que lhe formulou o Senhor Ministro das Relações Exteriores

Leia mais

Declaração de Lima sobre as linhas mestras de controlo das Finanças Públicas. Prefácio

Declaração de Lima sobre as linhas mestras de controlo das Finanças Públicas. Prefácio Declaração de Lima sobre as linhas mestras de controlo das Finanças Públicas Prefácio Quando a Declaração de Lima, das directivas sobre os princípios do controlo, foi adoptada por unanimidade pelos delegados

Leia mais

Jornal oficial no. L 171 de 07/07/1999 P. 0012-0016. Texto:

Jornal oficial no. L 171 de 07/07/1999 P. 0012-0016. Texto: Directiva 1999/44/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 25 de Maio de 1999, relativa a certos aspectos da venda de bens de consumo e das garantias a ela relativas Jornal oficial no. L 171 de 07/07/1999

Leia mais

Direito das sociedades e governo das sociedades: a Comissão apresenta um Plano de Acção

Direito das sociedades e governo das sociedades: a Comissão apresenta um Plano de Acção IP/03/716 Bruxelas, 21 de Maio de 2003 Direito das sociedades e governo das sociedades: a Comissão apresenta um Plano de Acção O reforço dos direitos dos accionistas e da protecção dos trabalhadores e

Leia mais

ACORDO SOBRE AS LINHAS ESTRATÉGICAS DE REFORMA DA SEGURANÇA SOCIAL

ACORDO SOBRE AS LINHAS ESTRATÉGICAS DE REFORMA DA SEGURANÇA SOCIAL ACORDO SOBRE AS LINHAS ESTRATÉGICAS DE REFORMA DA SEGURANÇA SOCIAL Julho de 2006 1 O sistema de protecção social português encontra-se hoje, tal como na generalidade dos países desenvolvidos, perante desafios

Leia mais

CONTRATO-MODELO. Reembolso dos custos. para projectos de demonstração (CE) (Versão montante fixo)

CONTRATO-MODELO. Reembolso dos custos. para projectos de demonstração (CE) (Versão montante fixo) CONTRATO-MODELO Reembolso dos custos para projectos de demonstração (CE) (Versão montante fixo) NB: O presente contrato é utilizado quando a contribuição comunitária consiste num montante fixo. A contribuição

Leia mais

Reunião Transfonteiriça Espanha Portugal SUMÁRIO. Boletim Informativo n.º 25. Balanço do 25.º Aniversário da Adesão à UE e Desafios para 2012

Reunião Transfonteiriça Espanha Portugal SUMÁRIO. Boletim Informativo n.º 25. Balanço do 25.º Aniversário da Adesão à UE e Desafios para 2012 Boletim Informativo n.º 25 SUMÁRIO REUNIÃO TRANSFONTEIRIÇA ESPANHA- PORTUGAL Pág. 1 MECANISMO INTERLIGAR EUROPA GALILEO SATELITE EUROPEU Pág. 2 FRONTEIRAS INTELIGENTES Pág. 3 LUTA CONTRA AS NOVAS DROGAS

Leia mais

As regiões Portuguesas: Lisboa: Competitividade e Emprego; Madeira: Phasing-in; Algarve: Phasing-out; Norte, Centro, Alentejo, Açores: Convergência

As regiões Portuguesas: Lisboa: Competitividade e Emprego; Madeira: Phasing-in; Algarve: Phasing-out; Norte, Centro, Alentejo, Açores: Convergência A Nova Agenda da Política de Coesão no Espaço Europeu Nuno Teixeira CCDR-LVT 26.Novembro.2010 A Nova Agenda da Política de Coesão no Espaço Europeu 1 ÍNDICE I. A coesão no espaço europeu II. O Tratado

Leia mais

BDIRECTIVA 96/34/CE DO CONSELHO de 3 de Junho de 1996 relativo ao Acordo-quadro sobre a licença parental celebrado pela UNICEF, pelo CEEP e pela CES

BDIRECTIVA 96/34/CE DO CONSELHO de 3 de Junho de 1996 relativo ao Acordo-quadro sobre a licença parental celebrado pela UNICEF, pelo CEEP e pela CES 1996L0034 PT 05.02.1998 001.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições BDIRECTIVA 96/34/CE DO CONSELHO de 3 de Junho de 1996 relativo ao Acordo-quadro sobre

Leia mais

DISCURSO PROFERIDO POR VÍTOR CALDEIRA, PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS EUROPEU

DISCURSO PROFERIDO POR VÍTOR CALDEIRA, PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS EUROPEU TRIBUNAL DE CONTAS EUROPEU ECA/09/69 DISCURSO PROFERIDO POR VÍTOR CALDEIRA, PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS EUROPEU ******* APRESENTAÇÃO DO RELATÓRIO ANUAL RELATIVO AO EXERCÍCIO DE 2008 À COMISSÃO DO

Leia mais

QUALIDADE DOS CUIDADOS E DA EDUCAÇÃO NA PRIMEIRA INFÂNCIA

QUALIDADE DOS CUIDADOS E DA EDUCAÇÃO NA PRIMEIRA INFÂNCIA DIRECÇÃO-GERAL DAS POLÍTICAS INTERNAS DEPARTAMENTO TEMÁTICO B: POLÍTICAS ESTRUTURAIS E DE COESÃO CULTURA E EDUCAÇÃO QUALIDADE DOS CUIDADOS E DA EDUCAÇÃO NA PRIMEIRA INFÂNCIA ESTUDO SUMÁRIO EXECUTIVO Resumo

Leia mais

O Conselho Europeu O Conselho

O Conselho Europeu O Conselho PT SECRETARIADO-GERAL DO CONSELHO COLEÇÃO «INFORMAÇÕES» O Conselho Europeu O Conselho Duas instituições na ação europeia SETEMBRO DE 2013 Advertência A presente brochura é publicada pelo Secretariado-Geral

Leia mais

RESUMO. Contribuição da UE: 128 165 000 EUR Base jurídica Artigo 6. do Regulamento (CE) n.º 1889/2006 de 20.12.2006 (JO L 386 de 29.12.2006, p.

RESUMO. Contribuição da UE: 128 165 000 EUR Base jurídica Artigo 6. do Regulamento (CE) n.º 1889/2006 de 20.12.2006 (JO L 386 de 29.12.2006, p. RESUMO Programa de Ação Anual 2013, ao abrigo do Instrumento Europeu para a Democracia e os Direitos Humanos (IEDDH), a financiar pela rubrica orçamental 19 04 01 do orçamento geral da União Europeia 1.

Leia mais

REMUNERAÇÃO PELO EMPRÉSTIMO PÚBLICO

REMUNERAÇÃO PELO EMPRÉSTIMO PÚBLICO Circular nº 8 Lisboa, 16 de Julho de 2007 REMUNERAÇÃO PELO EMPRÉSTIMO PÚBLICO Estimados associados, No passado mês de Junho, o Conselho Directivo Nacional da BAD enviou à Comissão de Educação, Ciência

Leia mais

TÍTULO I OBJETIVOS. Artigo 1.º Objetivos

TÍTULO I OBJETIVOS. Artigo 1.º Objetivos Regulamento da RIPD A Rede Ibero-americana de Proteção de Dados (RIPD) surge na sequência do acordo alcançado entre os representantes de 14 países ibero-americanos, participantes no Encontro Ibero-americano

Leia mais

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO relativa a um procedimento simplificado de tratamento de certas operações de concentração nos termos do Regulamento (CEE) n 4064/89 do Conselho (Texto relevante para efeitos do

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE. Parlamento nacional RESOLUÇÃO DO PARLAMENTO NACIONAL N. O 16/2002 DE 14 DE NOVEMBRO

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE. Parlamento nacional RESOLUÇÃO DO PARLAMENTO NACIONAL N. O 16/2002 DE 14 DE NOVEMBRO REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE Parlamento nacional RESOLUÇÃO DO PARLAMENTO NACIONAL N. O 16/2002 DE 14 DE NOVEMBRO RATIFICA A CONVENÇÃO SOBRE A PROIBIÇÃO DO DESENVOLVIMENTO DA PRODUÇÃO E DO ARMAZENAMENTO

Leia mais

Sistemas de garantia para os seguros: ponto de situação e orientação para os trabalhos no futuro (Documento de discussão)

Sistemas de garantia para os seguros: ponto de situação e orientação para os trabalhos no futuro (Documento de discussão) COMISSÃO EUROPEIA DG Mercado Interno INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS Seguros MARKT/2517/02 PT Orig. EN Sistemas de garantia para os seguros: ponto de situação e orientação para os trabalhos no futuro (Documento

Leia mais

Declaração dos Mecanismos das Mulheres da América Latina e do Caribe frente ao 58º Período de Sessões da Comissão do Status da Mulher (CSW)

Declaração dos Mecanismos das Mulheres da América Latina e do Caribe frente ao 58º Período de Sessões da Comissão do Status da Mulher (CSW) Declaração dos Mecanismos das Mulheres da América Latina e do Caribe frente ao 58º Período de Sessões da Comissão do Status da Mulher (CSW) Cidade do México, México 7 de fevereiro de 2014 Nós, ministras

Leia mais

O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE

O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE Durante muito tempo os países da Europa andaram em guerra. A segunda Guerra Mundial destruiu grande parte do Continente Europeu. Para evitar futuras guerras, seria

Leia mais

CONCEÇÃO E ADOÇÃO DOS PROGRAMAS DE ASSISTÊNCIA FINANCEIRA

CONCEÇÃO E ADOÇÃO DOS PROGRAMAS DE ASSISTÊNCIA FINANCEIRA Respostas do Banco Central Europeu ao questionário do Parlamento Europeu que complementa o relatório de iniciativa que avalia a estrutura, o papel e as operações no âmbito da atuação da troika (Comissão

Leia mais

Segunda Cúpula das Américas Declaração de Santiago

Segunda Cúpula das Américas Declaração de Santiago Segunda Cúpula das Américas Santiago, Chile, 18 e 19 de abril de 1998 Segunda Cúpula das Américas Declaração de Santiago O seguinte documento é o texto completo da Declaração de Santiago assinada pelos

Leia mais

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Diploma Decreto-Lei n.º 62/2005 11/03 Estado: Vigente Legislação Resumo: Transpõe para a ordem jurídica interna a Directiva n.º 2003/48/CE, do Conselho, de 3 de Junho, relativa à tributação dos rendimentos

Leia mais

Junto se enviam, à atenção das delegações, as conclusões adotadas pelo Conselho Europeu na reunião em epígrafe.

Junto se enviam, à atenção das delegações, as conclusões adotadas pelo Conselho Europeu na reunião em epígrafe. Conselho Europeu Bruxelas, 18 de dezembro de 2015 (OR. en) EUCO 28/15 CO EUR 13 CONCL 5 NOTA DE ENVIO de: Secretariado-Geral do Conselho para: Delegações Assunto: Reunião do Conselho Europeu (17 e 18 de

Leia mais

Empresas Responsáveis Questionário de Sensibilização

Empresas Responsáveis Questionário de Sensibilização Empresas Responsáveis Questionário de Sensibilização 1. Introdução O presente questionário ajudá-lo-á a reflectir sobre os esforços desenvolvidos pela sua empresa no domínio da responsabilidade empresarial,

Leia mais

CONTRATO DERIVADO Bolsas Marie Curie de acolhimento em empresas

CONTRATO DERIVADO Bolsas Marie Curie de acolhimento em empresas CONTRATO DERIVADO Bolsas Marie Curie de acolhimento em empresas -1- CONTRATO Nº A [Comunidade Europeia][Comunidade Europeia da Energia Atómica] (a seguir designada «a Comunidade»), representada pela Comissão

Leia mais

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO E AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO E AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU PT PT PT COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 13.12.2010 COM(2010) 731 final RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO E AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU Relatório de Actividades EURES 2006-2008,

Leia mais

Decreto do Governo n.º 1/85 Convenção n.º 155, relativa à segurança, à saúde dos trabalhadores e ao ambiente de trabalho

Decreto do Governo n.º 1/85 Convenção n.º 155, relativa à segurança, à saúde dos trabalhadores e ao ambiente de trabalho Decreto do Governo n.º 1/85 Convenção n.º 155, relativa à segurança, à saúde dos trabalhadores e ao ambiente de trabalho O Governo, cumprido o disposto nos artigos 4.º e seguintes da Lei n.º 16/79, de

Leia mais

CONVENÇAO EUROPEIA SOBRE O EXERCÍCIO DOS DIREITOS DAS CRIANÇAS

CONVENÇAO EUROPEIA SOBRE O EXERCÍCIO DOS DIREITOS DAS CRIANÇAS CONVENÇAO EUROPEIA SOBRE O EXERCÍCIO DOS DIREITOS DAS CRIANÇAS Preâmbulo Os Estados-membros do Conselho da Europa, bem como os outros Estados signatários da presente Convenção, Considerando que o objetivo

Leia mais

DECLARAÇÃO FINAL Adotado pela 24 os Estados Gerais em Malmö em 24 abril 2009

DECLARAÇÃO FINAL Adotado pela 24 os Estados Gerais em Malmö em 24 abril 2009 2 24 os ESTADOS GERAIS DO CONSELHO DOS MUNICÍPIOS E REGIÕES DA EUROPA «PRONTOS PARA O FUTURO? COMO É QUE SE PREPARAM OS PODERES LOCAIS E REGIONAIS DECLARAÇÃO FINAL Adotado pela 24 os Estados Gerais em

Leia mais

Anúncio de concurso. Serviços

Anúncio de concurso. Serviços 1/7 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:351310-2012:text:pt:html GR-Tessalónica: Prestação de serviços por parte de um organizador profissional de conferências

Leia mais

ANEXOS ÀS CONCLUSÕES DA PRESIDÊNCIA

ANEXOS ÀS CONCLUSÕES DA PRESIDÊNCIA ANEXOS ÀS CONCLUSÕES DA PRESIDÊNCIA CONSELHO EUROPEU DE ESTOCOLMO 23 E 24 DE MARÇO DE 2001 SN 100/01 ADD 1 ANEXOS Anexo I Resolução do Conselho Europeu sobre uma regulamentação mais eficaz do mercado de

Leia mais

Estudo económico e jurídico sobre a reserva de terrenos para residentes de Macau Sumário Executivo

Estudo económico e jurídico sobre a reserva de terrenos para residentes de Macau Sumário Executivo Estudo económico e jurídico sobre a reserva de terrenos para residentes de Macau Sumário Executivo Equipa de projecto do Instituto Politécnico de Macau 7 de Novembro de 2013 1 Membros da equipa de projecto

Leia mais

20 de Setembro de 2005. Original: Inglês

20 de Setembro de 2005. Original: Inglês Nações Unidas Assembleia Geral A/60/L.1* Distr.: Limitada 20 de Setembro de 2005 Original: Inglês 60ª Sessão Pontos 48 e 121 da ordem de trabalhos provisória** Implementação integrada e coordenada e seguimento

Leia mais

GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS ECOSSISTEMAS FLORESTAIS

GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS ECOSSISTEMAS FLORESTAIS TRATADO RELATIVO à CONSERVAÇÃO à GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS ECOSSISTEMAS FLORESTAIS de ÁFRICA CENTRALE INSTITUINDO a COMISSÃO DAS FLORESTAS de ÁFRICA CENTRAL (COMIFAC) PREÂMBULO A década passada conhe u profundas

Leia mais

A COMUNIDADE EUROPEIA (a seguir designada "a Comunidade"), O REINO DA BÉLGICA, A REPÚBLICA CHECA, O REINO DA DINAMARCA,

A COMUNIDADE EUROPEIA (a seguir designada a Comunidade), O REINO DA BÉLGICA, A REPÚBLICA CHECA, O REINO DA DINAMARCA, ACORDO DE COOPERAÇÃO RELATIVO A UM SISTEMA MUNDIAL CIVIL DE NAVEGAÇÃO POR SATÉLITE (GNSS) ENTRE A COMUNIDADE EUROPEIA E OS SEUS ESTADOS-MEMBROS, POR UM LADO, E A REPÚBLICA DA COREIA, POR OUTRO CE/KR/pt

Leia mais

Resolução da CES sobre Governação Económica e Social

Resolução da CES sobre Governação Económica e Social Resolução da CES sobre Governação Económica e Social Adoptada no Comité Executivo a 13-14 de Outubro de 2010 Governação económica europeia e a U.E.2020: As propostas da Comissão 1. Um Pacto de Estabilidade

Leia mais

ANEXO. ACORDO DE ESTABILIZAÇÃO E DE ASSOCIAÇÃO entre as Comunidades Europeias e os seus Estados-Membros e a República da Albânia

ANEXO. ACORDO DE ESTABILIZAÇÃO E DE ASSOCIAÇÃO entre as Comunidades Europeias e os seus Estados-Membros e a República da Albânia PT ANEXO ACORDO DE ESTABILIZAÇÃO E DE ASSOCIAÇÃO entre as Comunidades Europeias e os seus Estados-Membros e a República da Albânia 1 ACORDO DE ESTABILIZAÇÃO E DE ASSOCIAÇÃO entre as Comunidades Europeias

Leia mais

Bélgica-Bruxelas: Apoio a iniciativas voluntárias de promoção da gestão de diversidade no local de trabalho na UE 2014/S 039-063712

Bélgica-Bruxelas: Apoio a iniciativas voluntárias de promoção da gestão de diversidade no local de trabalho na UE 2014/S 039-063712 1/6 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:63712-2014:text:pt:html Bélgica-Bruxelas: Apoio a iniciativas voluntárias de promoção da gestão de diversidade no local

Leia mais

Profissão de advogado na União Européia. Directiva 98/5/CE 08-05-2002

Profissão de advogado na União Européia. Directiva 98/5/CE 08-05-2002 Profissão de advogado na União Européia Directiva 98/5/CE 08-05-2002 tendente a facilitar o exercício permanente da profissão de advogado num Estado-membro diferente daquele em que foi adquirida a qua

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Desenvolvimento Regional PROJECTO DE PARECER. da Comissão do Desenvolvimento Regional

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Desenvolvimento Regional PROJECTO DE PARECER. da Comissão do Desenvolvimento Regional PARLAMENTO EUROPEU 2004 ««««««««««««2009 Comissão do Desenvolvimento Regional PROVISÓRIO 2004/0000 23.8.2005 PROJECTO DE PARECER da Comissão do Desenvolvimento Regional destinado à Comissão das Petições

Leia mais

Impostos sobre os veículos automóveis ligeiros de passageiros *

Impostos sobre os veículos automóveis ligeiros de passageiros * P6_TA(2006)0334 Impostos sobre os veículos automóveis ligeiros de passageiros * Resolução legislativa do Parlamento Europeu sobre uma proposta de directiva do Conselho relativa à tributação aplicável aos

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 124/IX ALTERA AS REGRAS DO SIGILO BANCÁRIO E GARANTE A TRANSPARÊNCIA FISCAL. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º 124/IX ALTERA AS REGRAS DO SIGILO BANCÁRIO E GARANTE A TRANSPARÊNCIA FISCAL. Exposição de motivos PROJECTO DE LEI N.º 124/IX ALTERA AS REGRAS DO SIGILO BANCÁRIO E GARANTE A TRANSPARÊNCIA FISCAL Exposição de motivos O sigilo bancário foi instituído em Portugal, como noutros países, como uma garantia

Leia mais

Carreiras e Quadros de Pessoal dos Serviços da Assembleia da República

Carreiras e Quadros de Pessoal dos Serviços da Assembleia da República Carreiras e Quadros de Pessoal dos Serviços da Assembleia da República Resolução da Assembleia da República n.º 8/98, de 18 de Março 1, (Declaração de Rectificação n.º 11/98, de 8 de Junho) com as alterações

Leia mais

DIRECTIVA N 01/2009/CM/UEMOA Sobre o Código de Transparência na Gestão das Finanças Públicas NO SEIO DA UEMOA

DIRECTIVA N 01/2009/CM/UEMOA Sobre o Código de Transparência na Gestão das Finanças Públicas NO SEIO DA UEMOA UNIÃO ECONÓMICA E MONETÁRIA OESTE AFRICANA O Conselho de Ministros DIRECTIVA N 01/2009/CM/UEMOA Sobre o Código de Transparência na Gestão das Finanças Públicas NO SEIO DA UEMOA O CONSELHO DE MINISTROS

Leia mais

ESTRATÉGIA DO CENTRO PARA O PERÍODO 2007/2008

ESTRATÉGIA DO CENTRO PARA O PERÍODO 2007/2008 ESTRATÉGIA DO CENTRO PARA O PERÍODO 2007/2008 NOTA INTRODUTÓRIA Após ter assinalado o seu décimo aniversário em 2005, o Centro de Tradução dos Organismos da União Europeia entrou na segunda década da sua

Leia mais

PRÉMIOS EUROPEUS DE PROMOÇÃO EMPRESARIAL MANUAL OPERACIONAL

PRÉMIOS EUROPEUS DE PROMOÇÃO EMPRESARIAL MANUAL OPERACIONAL 2015 PRÉMIOS EUROPEUS DE PROMOÇÃO EMPRESARIAL 2015 MANUAL OPERACIONAL Prémios Europeus de Promoção Empresarial 2015 2/13 ÍNDICE 1. DEFINIÇÃO E JUSTIFICAÇÃO... 3 1.1. Um prémio que reconhece a excelência

Leia mais

Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo à venda de crianças, prostituição e pornografia infantis

Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo à venda de crianças, prostituição e pornografia infantis Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo à venda de crianças, prostituição e pornografia infantis Os Estados Partes no presente Protocolo, Considerando que, para melhor realizar

Leia mais

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO. sobre a avaliação das medidas adoptadas pela Lituânia e pela Roménia

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO. sobre a avaliação das medidas adoptadas pela Lituânia e pela Roménia PT PT PT COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 21.9.2010 COM(2010) 495 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO sobre a avaliação das medidas adoptadas pela Lituânia e pela Roménia em resposta às recomendações

Leia mais

Instrumento de emenda da Constituição da OIT de 1986

Instrumento de emenda da Constituição da OIT de 1986 Instrumento de emenda da Constituição da OIT de 1986 Instrumento de emenda da Constituição da OIT de 1986 A que se refere a emenda e para que serviria? Em 1986, a Conferência Internacional do Trabalho

Leia mais

INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA

INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA FACTORES CRÍTICOS DE SUCESSO DE UMA POLÍTICA DE INTENSIFICAÇÃO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO EMPRESARIAL EM PORTUGAL E POTENCIAÇÃO DOS SEUS RESULTADOS 0. EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

Leia mais

Estatuto da Agência Internacional da Energia Renovável

Estatuto da Agência Internacional da Energia Renovável Estatuto da Agência Internacional da Energia Renovável As Partes deste Estatuto, desejando promover a difusão e a crescente utilização da energia renovável com vista ao desenvolvimento sustentável, inspiradas

Leia mais

Declaração do Sabadell dell

Declaração do Sabadell dell Declaração do Sabadell dell Sabadell, 6 de Julho de 2004 Reunida em Sabadell, na sua XII Assembleia Geral, a Associação das Colectividades Têxteis Europeias, ACTE, aprovou solenemente a seguinte declaração.

Leia mais

Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social

Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social Ter, 02 de Junho de 2009 18:38 Administrador REPÚBLICA DE ANGOLA Conselho de Ministros Decreto-lei nº 8 /07 de 4 de

Leia mais

Bélgica-Bruxelas: Análise e comunicação dos resultados alcançados pelos projetos de replicação no mercado da ecoinovação do PCI 2013/S 236-409025

Bélgica-Bruxelas: Análise e comunicação dos resultados alcançados pelos projetos de replicação no mercado da ecoinovação do PCI 2013/S 236-409025 1/5 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:409025-2013:text:pt:html Bélgica-Bruxelas: Análise e comunicação dos resultados alcançados pelos projetos de replicação

Leia mais

Secretaria de Estado para o Desenvolvimento Rural

Secretaria de Estado para o Desenvolvimento Rural Secretaria de Estado para o Desenvolvimento Rural Decreto-Lei n.º 1/09 de 28 de Abril Tendo em conta a nova orgânica do Governo que de entre outros órgãos institui a Secretaria de Estado para o Desenvolvimento

Leia mais

Tendo em conta a sua Resolução, de 9 de Outubro de 2008, sobre como enfrentar o desafio da escassez de água e das secas na União Europeia 2,

Tendo em conta a sua Resolução, de 9 de Outubro de 2008, sobre como enfrentar o desafio da escassez de água e das secas na União Europeia 2, P6_TA(2009)0130 Degradação das terras agrícolas na UE Resolução do Parlamento Europeu, de 12 de Março de 2009, sobre o problema da degradação das terras agrícolas na UE e particularmente no Sul da Europa:

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU CONSELHO COMISSÃO

PARLAMENTO EUROPEU CONSELHO COMISSÃO 14.6.2006 C 139/1 I (Comunicações) PARLAMENTO EUROPEU CONSELHO COMISSÃO ACORDO INTERINSTITUCIONAL Entre o Parlamento Europeu, o Conselho e a Comissão, sobre a disciplina orçamental e a boa gestão financeira

Leia mais

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES PT PT PT COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 6.1.2010 COM(2009)708 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES sobre a aplicação

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Meio Ambiente, da Saúde Pública e da Política do Consumidor

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Meio Ambiente, da Saúde Pública e da Política do Consumidor PARLAMENTO EUROPEU 1999 2004 Comissão do Meio Ambiente, da Saúde Pública e da Política do Consumidor 31 de Março de 2004 PE 340.787/1-10 ALTERAÇÕES 1-10 Projecto de relatório (PE 340.787) Hans Blokland

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Projecto de

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Projecto de PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 27.6.2008 SEC(2008) 2109 final Projecto de DECISÃO DO PARLAMENTO EUROPEU, DO CONSELHO, DA COMISSÃO, DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA, DO TRIBUNAL DE CONTAS,

Leia mais

Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau)

Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau) Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau) Plano de Acção para a Cooperação Económica e Comercial (2014-2016) 4ª Conferência Ministerial Preâmbulo

Leia mais

NORMAS INTERNACIONAIS DO TRABALHO Convenção (n.º 102) relativa à segurança social (norma mínima), 1952

NORMAS INTERNACIONAIS DO TRABALHO Convenção (n.º 102) relativa à segurança social (norma mínima), 1952 NORMAS INTERNACIONAIS DO TRABALHO Convenção (n.º 102) relativa à segurança social (norma mínima), 1952 Bureau Internacional do Trabalho 1 Ratificação Como são utilizadas as Normas Internacionais do Trabalho?

Leia mais

Luxemburgo-Luxemburgo: Seguro contra incêndios e riscos conexos do parque imobiliário e do seu conteúdo 2013/S 131-225564. Anúncio de concurso

Luxemburgo-Luxemburgo: Seguro contra incêndios e riscos conexos do parque imobiliário e do seu conteúdo 2013/S 131-225564. Anúncio de concurso 1/10 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:225564-2013:text:pt:html Luxemburgo-Luxemburgo: Seguro contra incêndios e riscos conexos do parque imobiliário e do

Leia mais

Anúncio de concurso. Fornecimentos

Anúncio de concurso. Fornecimentos 1/9 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:297835-2015:text:pt:html Itália-Ispra: Fornecimento, manutenção e serviços conexos de antenas, recetor de ensaio, gerador

Leia mais

Acesso à informação, participação do público e acesso à justiça em matéria de ambiente a nível comunitário um Guia Prático

Acesso à informação, participação do público e acesso à justiça em matéria de ambiente a nível comunitário um Guia Prático Acesso à informação, participação do público e acesso à justiça em matéria de ambiente a nível comunitário um Guia Prático O acesso à informação, a participação do público no processo de tomada de decisão

Leia mais

financeiras que actuam em diferentes áreas de negócio, bem como por empresas instrumentais para o funcionamento e apoio à actividade do Grupo.

financeiras que actuam em diferentes áreas de negócio, bem como por empresas instrumentais para o funcionamento e apoio à actividade do Grupo. Código de Conduta Preâmbulo O Crédito Agrícola Mútuo é uma das instituições mais antigas da sociedade portuguesa, com génese nos Celeiros Comuns e nas Misericórdias. Ao longo da sua história, o Crédito

Leia mais

Índice. Índice Sistemático 7 TRATADO DA UNIÃO EUROPEIA 15 TRATADO SOBRE O FUNCIONAMENTO DA UNIÃO EUROPEIA 43 TRATADO DE LISBOA 159

Índice. Índice Sistemático 7 TRATADO DA UNIÃO EUROPEIA 15 TRATADO SOBRE O FUNCIONAMENTO DA UNIÃO EUROPEIA 43 TRATADO DE LISBOA 159 5 Índice Índice Sistemático 7 TRATADO DA UNIÃO EUROPEIA 15 TRATADO SOBRE O FUNCIONAMENTO DA UNIÃO EUROPEIA 43 TRATADO DE LISBOA 159 S 163 ANEXO QUADROS DE CORRESPONDÊNCIA A QUE SE REFERE O ARTIGO 5.º DO

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 11.4.2007 COM(2007) 178 final RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO Relatório final da Comissão Europeia sobre a continuação da adequação

Leia mais

ARC Ratings atribui rating soberano de BBB +, com perspectiva estável, à India

ARC Ratings atribui rating soberano de BBB +, com perspectiva estável, à India ARC Ratings atribui rating soberano de BBB +, com perspectiva estável, à India EMITENTE DATA República da India 12 de Dezembro de 2014 RATINGS EMITENTE - MOEDA ESTRANGEIRA Médio e Longo Prazo BBB+ (BBB+,

Leia mais

(Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade)

(Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) 7.7.2006 Jornal Oficial da União Europeia L 186/1 I (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) REGULAMENTO (CE) N. o 1028/2006 DO CONSELHO de 19 de Junho de 2006 relativo às normas de

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO PARA AS MATÉRIAS FINANCEIRAS/COMISSÃO DE AUDITORIA

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO PARA AS MATÉRIAS FINANCEIRAS/COMISSÃO DE AUDITORIA Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO PARA AS MATÉRIAS FINANCEIRAS/COMISSÃO DE AUDITORIA Aprovado em 18 de Junho de 2015 REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO PARA AS MATÉRIAS FINANCEIRAS/COMISSÃO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO AVALIAÇÃO DO PESSOAL NÃO DOCENTE

REGIMENTO INTERNO AVALIAÇÃO DO PESSOAL NÃO DOCENTE REGIMENTO INTERNO AVALIAÇÃO DO PESSOAL NÃO DOCENTE Artigo 1.º Objectivos da avaliação A avaliação do pessoal não docente visa: a) A avaliação profissional, tendo em conta os conhecimentos, qualidades e

Leia mais

* DOCUMENTOS DE APOIO *

* DOCUMENTOS DE APOIO * E m A N Á L I S E * DOCUMENTOS DE APOIO * Nº 10 Dezembro 2006 Gabinete de Investigação e Projectos Reforma da Segurança Social Síntese Portugal dispõe de um Sistema Público de Segurança Social que se desenvolveu

Leia mais

Anúncio de concurso. Serviços

Anúncio de concurso. Serviços 1/5 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:200638-2015:text:pt:html Bélgica-Bruxelas: «Fornecimento de decisões de investimento fundamentadas para investimentos

Leia mais

PROJECTO DE RELATÓRIO

PROJECTO DE RELATÓRIO ASSEMBLEIA PARLAMENTAR PARITÁRIA ACP-UE Comissão do Desenvolvimento Económico, das Finanças e do Comércio ACP-EU/101.516/B/13 18.08.2013 PROJECTO DE RELATÓRIO sobre a cooperação Sul-Sul e a cooperação

Leia mais