A URBANIZAÇÃO E SEUS IMPACTOS AMBIENTAIS: UM ESTUDO DE CASO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO DO BAIRRO SOLAR NA REGIONAL BARREIRO, BELO HORIZONTE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A URBANIZAÇÃO E SEUS IMPACTOS AMBIENTAIS: UM ESTUDO DE CASO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO DO BAIRRO SOLAR NA REGIONAL BARREIRO, BELO HORIZONTE"

Transcrição

1 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BELO HORIZONTE DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS, AMBIENTAIS E DA SAÚDE CURSO DE GEOGRAFIA E ANÁLISE AMBIENTAL A URBANIZAÇÃO E SEUS IMPACTOS AMBIENTAIS: UM ESTUDO DE CASO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO DO BAIRRO SOLAR NA REGIONAL BARREIRO, BELO HORIZONTE Diogo Caio Rocha Amorim 1 Pollyanna Neves da Silva 2 Leandro Cardoso 3 RESUMO O trabalho apresenta um breve histórico das mudanças urbanísticas ocorridas no cenário brasileiro a partir de 1940, dando enfoque à cidade de Belo Horizonte. Explica o processo de urbanização do bairro Solar do Barreiro, nesta mesma cidade e faz um levantamento de seus impactos ambientais e uma análise do uso e ocupação do solo através das leis municipais do uso do solo urbano. Palavras-chaves: urbanização, impactos ambientais urbanos, uso e ocupação do solo. Introdução As mudanças ocorridas no cenário urbano brasileiro entre as décadas de 1940 e 1970, devido à inversão quanto ao lugar da residência da população intensificou o êxodo rural rumo as grandes cidades brasileiras, sobretudo a partir dos anos 1940, as quais foram alimentadas pelo governo de Getúlio Vargas 4 e pelo seu sucessor Juscelino Kubitschek 5. Tais mudanças foram 1 Estudante do Curso de Geografia e Análise Ambiental do Centro Universitário de Belo Horizonte, 1º semestre de Estudante do Curso de Geografia e Análise Ambiental do Centro Universitário de Belo Horizonte, 1º semestre de Orientador, Professor do Curso de Geografia e Análise Ambiental do Centro Universitário de Belo Horizonte UNIBH. Doutor em Geografia. 4 A partir de 1930, Getúlio Vargas ( ), incentivou a realização de investimentos no setor industrial brasileiro e entre aquela data e 1934 tal setor apresentou crescimento bastante significativo. Diante desse desempenho, o governo federal adotou algumas medidas de estímulo ao desenvolvimento do setor industrial brasileiro, tais medidas foram: a criação de organismos de fomento e regulação, como o Conselho Nacional do Petróleo (1938); declaração da moratória ao pagamento da dívida externa; o monopólio cambial; a criação de um imposto sobre as operações cambiais, com o objetivo de constituir um fundo de investimento e, finalmente, um plano de obras públicas e aparelhamento da defesa nacional (SOUZA, 2008).

2 2 promovidas por ações políticas que visavam à industrialização do país, buscando fortalecer a economia interna. Com efeito, tal processo promoveu uma transformação social e houve uma explosão demográfica nos centros urbanos, a população brasileira migrou das áreas rurais a procura de melhores condições de vida devido à oferta de trabalho proveniente do processo de industrialização, gerando um crescimento das cidades em ritmo acelerado (CARDOSO, 2007). Esse intenso crescimento das cidades a partir da segunda metade do século XX trouxe alguns impactos na forma de organização espacial dos centros urbanos. Dentre os impactos, as cidades tendem a expandir seus limites surgindo novos bairros, em geral, localizados nas periferias urbanas. Muitos desses bairros são loteamentos clandestinos, em áreas que não são destinadas para ocupação. Assim, há uma falta de planejamento e esses bairros surgem desordenados. Os impactos ambientais urbanos são consequências da urbanização acelerada, pois, há um descompasso entre natureza e espaço urbano evidenciando que há problemas na maneira de como a sociedade vem se organizando. A partir do momento em que há mudanças nos padrões produtivos e nas dinâmicas populacionais, altera-se a natureza dos impactos e modifica as condições socioambientais dos aglomerados urbanos. A Capital mineira, Belo Horizonte, pode ser considerada como um exemplo esclarecedor desses processos. Belo Horizonte foi planejada com o intuito de ser uma cidade higiênica, saneada, livre de doenças, sendo inspirada nos modelos modernistas de cidades como Paris e Washington. Em algumas décadas, entretanto, a cidade apresentou um acelerado crescimento do seu tecido urbano, para fora do seu traçado original projetado por Aarão Reis e aos poucos foram surgindo novos bairros nas áreas periféricas (SOUZA, 2008). 5 Em 1956, Juscelino Kubitscheck iniciou o seu mandato no governo federal com o objetivo de promover cinquenta anos de crescimento e desenvolvimento econômico em apenas cinco anos de governo. Houve, naquele período, uma mudança na concepção do papel do poder público enquanto agente econômico, tendo o governo federal participado direta e indiretamente da economia, através de investimentos na produção e geração de empregos e da adoção de políticas públicas, de modo a incentivar o aumento da participação do setor privado, principalmente do capital internacional (SOUZA, 2008).

3 3 A partir de 1920, Belo Horizonte apresentou grande expansão na zona suburbana 6, nesse momento o crescimento da cidade se deu para os vetores oeste, nordeste e noroeste. Alguns desses novos bairros possuíam caráter agrícola e foram ocupados sem planejamento e infraestrutura como aconteceu no Barreiro, localizado no vetor sul da capital. O Barreiro surgiu antes mesmo da fundação de Belo Horizonte. A Fazenda Barreiro era uma grande propriedade rural, situada ao sul do município que após a fundação da nova capital, fora desapropriada e servira como colônia agrícola para abastecer a nova cidade. Seu crescimento foi impulsionado pela instalação da indústria siderúrgica Mannesmann em 1940, que atraiu uma população majoritariamente operária para residir na região. A partir desse acontecimento outras companhias importantes também instalaram-se na região. O bairro Solar do Barreiro situado na parte sul da Regional Barreiro, próximo a Serra do Rola Moça, foi por muito tempo área rural ocupado por plantações. Sua ocupação iniciou-se na década de 1960, mas se desenvolveu de forma lenta, ainda hoje o bairro se encontra em processo de expansão, com áreas não aprovadas. Com o avanço cada vez maior da urbanização houve também o aumento dos impactos ambientais, os quais podem contribuir para modificar completamente a dinâmica natural de uma área. O presente trabalho tem como principal objetivo mostrar quais foram as consequências do processo de urbanização do bairro Solar do Barreiro a partir de meados do século XX, abordando, sobretudo, os seus impactos ambientais como perda de áreas verde, impermeabilização e perda de solo. Será realizada uma análise comparativa do uso e ocupação do solo do bairro Solar do Barreiro e das determinações/normatizações de zoneamento definidas 6 De acordo com o planejamento original, Belo Horizonte foi dividida em três zonas: a urbana destinada a iniciar o processo de ocupação da cidade, sendo planejada a residir à população de melhores condições socioeconômicas; zona suburbana situada além da Avenida do Contorno a qual serviria como área de expansão urbana; e a zona rural que servira para o abastecimento de produtos agrícolas para a cidade.

4 4 pelas leis de uso e ocupação do solo, de modo a identificar quais são as deficiências tanto no planejamento, quanto na gestão urbana. Nesse contexto, será abordado o histórico da formação do município de Belo Horizonte e da Regional Barreiro focando no processo de urbanização de ambas a partir de 1920 apontando ainda os acontecimentos marcantes que contribuíram para o desenvolvimento da cidade. De acordo com as análises, será visto se as áreas destinadas à preservação ambiental estão sendo mantidas ou se com o desenvolvimento dos bairros sem planejamento prévio, essas áreas estão sendo ocupadas ilegalmente. Foram feitos levantamentos bibliográficos relacionados com o tema abordado, consulta a arquivos públicos, análise de mapas, acervos fotográficos para estabelecer uma comparação do uso e ocupação do solo do Bairro Solar do Barreiro, e partir dessa pesquisa foi possível desenvolver o trabalho dialogando com autores. 2. O surgimento da Capital mineira e seu processo de urbanização Desde a independência de Minas Gerais de São Paulo, em 1720, Ouro Preto foi o município escolhido para ser sede da capital de Minas Gerais, por concentrar a atividade mineradora da Província. Mas a atividade mineradora entrou em decadência no final do século XVIII e Ouro Preto ficou sem expressão econômica permanecendo por muitos anos ainda sede administrativa do governo de Minas Gerais (COSTA apud SOUZA, 2008: p.37). Outros fatores fizeram com que Ouro Preto perdesse poder político, sua localização geográfica distante do litoral, com sistema viário precário dificultava a comunicação como outros municípios mineiros. Devido a esses fatores, a ideia de uma nova Capital para ser sede do governo de Minas Gerais foi se fortalecendo, ao passo que a nova capital deveria ser transferida. Pretendia-se que a nova sede do governo fosse uma região de maior dinamismo econômico, contudo esperava-se que a nova Capital polarizar-se a nova economia mineira.

5 5 Além de promover o crescimento econômico, a construção de uma nova cidade modificaria também a sociedade que ali se instalaria, com mudanças de conduta e valores sociais. Sobre essa reflexão Aguiar faz um comentário: A mudança da capital mineira e a construção de uma nova cidade devem ser compreendidas como iniciativas que, através do progresso material, buscavam transformar a sociedade e promover o progresso moral (AGUIAR, 2006: p. 59). A localização da nova sede do governo mineiro deveria ser em um local mais ao centro do Estado, privilegiando a comunicação com diferentes centros, que oferecesse um conjunto de vantagens, tanto no setor agrícola e industrial, divergindo das características que a atual Capital, Ouro Preto, apresentava no momento. Através de um processo eleitoral foi escolhido o Sítio Curral Del Rey para ser capital mineira, arraial que viria abrigar Belo Horizonte (CARDOSO, 2007). A construção da cidade teve como engenheiro chefe o maranhense Aarão Reis que fazia parte da Comissão Construtora da Nova Capital. O projeto da capital se inspirava nos modelos modernistas de cidades como Paris e Washington com o intuito de ser uma cidade higiênica, saneada, livre de doenças e organizada com técnicas apuradas aliadas às novas infra-estruturas sofisticadas (AGUIAR, 2006). Belo Horizonte instalou-se em um vale, o do Ribeirão Arrudas que desenvolvia no sentido leste-oeste da cidade, no entanto a Capital no início de sua ocupação desenvolveu-se para os vetores norte-sul (VILLAÇA, 2001). De acordo com o planejamento, a cidade foi delineada em zona urbana, zona suburbana e zona rural. A zona urbana tinha o pressuposto de iniciar processo de ocupação da cidade, sendo planejada para residir à população que dispunha de condições socioeconômicas privilegiada. Essa zona concebida para ser o núcleo central da cidade foi separada das demais visando valorizar a área urbana, pelo traçado da Avenida do Contorno que inspirada em modelos modernistas, dava ênfase à higiene e na organização das ruas com formas geométricas regulares com quarteirões ordenados.

6 6 Segundo Souza (2008), a ocupação da zona urbana de Belo Horizonte se deu entre os eixos norte-sul, impulsionada pela construção da Avenida Afonso Pena com o intuito de orientar a expansão do município de dentro para fora, mais precisamente para o vetor norte já que ao sul havia o limite da Serra do Curral que dificultava a ocupação. A zona suburbana se estendia para além da Avenida do Contorno e servira como área de expansão da zona urbana e de transição para a zona rural. O povoamento dos bairros suburbanos seguiu basicamente na construção de casas em grandes lotes formando chácaras, os moradores pertenciam a diversas classes sociais, inclusive camadas altas e médias da nova capital. Mas a ocupação dos bairros na zona suburbana não se organizou exclusivamente dessa maneira, operários, funcionários públicos e pequenos comerciantes povoaram a periferia. Surgiram conjuntos denominados de vilas, as casas eram alugadas com aluguel barato que incentivou a ocupação de uma população de baixa renda. Mas o arranjo espacial da zona suburbana projetava setores diferenciados, com áreas potencialmente mais ou menos adensadas, e estabelecia com clareza os eixos de articulação da nova cidade com seus arredores (AGUIAR, 2006: p. 178). Seguindo o plano da Comissão Construtora a zona rural encontrava-se em uma área mais periférica da cidade, composta por cinco colônias agrícolas, essa área tinha o intuito de abastecer a nova capital. Foi povoada por pequenos agricultores, operários e por imigrantes estrangeiros que vieram para a cidade com o incentivo do Estado em promover a modernização agrícola. O controle de ocupação das terras de Belo Horizonte era feito pelo Estado no sentido de selecionar os habitantes que iriam residir nas áreas urbanas, suburbanas e rurais. O Estado utilizou como estratégia a diferenciação do preço das terras, dessa forma, os lotes localizados na zona urbana correspondia a altos valores o que restringia a ocupação da população de baixa renda (SOUZA, 2008).

7 7 É possível constatar um processo de segregação desde o início na organização da cidade, uma vez que, o projeto da construtora visava separar as populações de classes sociais distintas planejando áreas ao centro com maior privilégio para a ocupação e áreas periféricas onde iriam residir as classes mais baixas. O crescimento de Belo Horizonte ocorre como se viu das áreas periféricas pra o centro, em decorrência do controle inicialmente exercido pelo Estado sobre as áreas internas ao perímetro da Contorno e posteriormente pela especulação imobiliária (SOUZA apud LE VEN, 1977, p. 142). Como poucos indivíduos tinham grandes concentrações de terra, iniciativa favorecida pelo Governo, o controle de ocupação das terras em Belo Horizonte falhou, pois houve grande especulação no mercado imobiliário. Segundo SOUZA (2008), a especulação imobiliária intensificou o processo de crescimento da cidade de fora para dentro, o que era contrario ao plano original da construtora. A figura 1 mostra a expansão urbana de Belo Horizonte entre os anos de 1900 a A partir da década de 1920 o crescimento da cidade ultrapassava o perímetro da Avenida do Contorno, a ocupação das áreas suburbanas e rurais orientou-se no sentido leste-oeste. Na década de 1930, a zona suburbana apresentara grandes áreas desordenadas e juntamente a esse crescimento a população era desfavorecida de infra-estrutura básica como água, luz e esgoto. Entre as décadas de 1930 e 1940, Belo Horizonte foi estruturada para o processo de industrialização que veio ocorrer a partir de 1950, uma das obras estruturantes pode-se destacar o prolongamento da Avenida Amazonas que era o acesso da Cidade Industrial, que impulsionou o crescimento do vetor oeste. O desenvolvimento da Cidade Industrial teve como estratégia a proximidade da força de trabalho, famílias pobres se instalaram na região e forneciam mão-de-obra para as indústrias.

8 8 Figura: 1 Cidade de Belo Horizonte: áreas edificadas entre 1900 e 1940 Fonte: Villaça, Nas décadas de 1950 e 1960, a expansão da cidade ocorreu nos sentidos norte e leste. A abertura da Avenida Antônio Carlos proporcionou o crescimento do eixo norte da cidade com áreas carentes de infraestrutura localizadas na periferia do Complexo da Pampulha. A figura 2 apresenta significativo crescimento do tecido urbano de Belo Horizonte em 1964, mais precisamente nos vetores norte e leste-oeste. É notável na figura que a expansão está vinculada nas regiões por onde se tem acesso a rede ferroviária e rodoviária do município.

9 9 Figura: 2 Cidade de Belo Horizonte: áreas edificadas em 1964 Fonte: Villaça, A ocupação dessas áreas está relacionada com o aumento da população de Belo Horizonte entre as décadas de 1940 a 1970 e a ação da especulação imobiliária que estimulava a ocupação de loteamentos clandestinos. Segundo SOUZA (2008), na década de 1970 o processo de verticalização na zona sul se intensificou, mas mantendo-se um espaço reservado para as camadas de renda elevada, os investimentos na rede viária como a ampliação da Avenida Cristiano Machado e a criação do Complexo da Lagoinha reforçaram a expansão do município no sentido norte e oeste. A ocupação dessas áreas está relacionada com o aumento da população de Belo Horizonte entre as décadas de 1940 a 1970 e a ação da especulação imobiliária que estimulava a ocupação de loteamentos clandestinos. Segundo dados da PBH e IBGE, consolidados em FJP (1979), em 1940, a população de Belo Horizonte era habitantes; em 1950, habitantes; em 1960, habitantes e em 1970, habitantes (FERREIRA, s/d). É importante ressaltar que crescimento da população nos centros urbanos, como por exemplo, em Belo Horizonte não foi um fato isolado, houve uma

10 10 explosão demográfica por todo país, sobre esse acontecimento Santos argumenta: Entre 1940 e 1980, dá-se a verdadeira inversão quanto ao lugar da residência da população brasileira. Há meio século atrás (1940), a taxa de urbanização era de 26,35%, em 1980 alcança 68,86%. Nesses quarenta anos, triplica a população total no Brasil, ao passo que a população urbana se multiplica por sete vezes e meia (SANTOS, 1991, p.31). A próxima seção irá abordar o processo de urbanização e ocupação da Regional Barreiro, antiga Colônia Agrícola, dando ênfase ao bairro Solar do Barreiro, sobretudo ao seu desenvolvimento e aos impactos ambientais urbanos existentes devido à urbanização. 3. Da antiga Fazenda do Barreiro ao Bairro Solar A história oficial do Barreiro teve início no ano de 1855, quando o Coronel Damazo da Costa Pacheco, cumprindo determinação do governo 7 fez o registro de suas terras declarando que possui no distrito e freguesia do Curral Del Rei, uma fazenda de cultura denominada o Barreiro, cujas terras dividem com as fazendas do Jatobá, Cercado, Olaria e Cachoeirinha (SOUZA, 1986). Durante muitos anos o Coronel Damazo da Costa Pacheco desenvolveu a fazenda Barreiro, vendendo-a depois para o Major Cândido José dos Santos Brochado, descendente de uma família de portugueses. Nas mãos de Cândido Brochado, a fazenda teve seus dias de gloria e fartura na segunda metade do século passado. Por influência e poder ele costumava receber visitas de personalidades importantes da sociedade, da política e religiosos. A fazenda barreiro era considerada de rara beleza pelos seus pomares que produziam variadas frutas (SOUZA, 1986). Com a morte de Cândido Brochado a família resolve deixar o local e vender parte da fazenda. Ela foi adquiria pelo senhor Manoel Pereira de Melo Viana. 7 Dispondo sobre a organização do serviço de registro de terras, em setembro de 1850 foi sancionada a lei nº. 601, regulamentada pelo decreto nº de 30 de junho de Os proprietários foram obrigados a declarar as terras que possuíam para os párocos, que foram incumbidos de receber as declarações (BARRETO apud NETO, 2000 P. 8).

11 11 Logo, à época da construção da nova capital Belo Horizonte, por iniciativa do chefe da Comissão Construtora o engenheiro Aarão Reis, o Governo do Estado comprou a Fazenda Barreiro, com a intenção de usar as águas dos córregos Capão da Posse, Clemente e Antônio Francisco para o abastecimento da nova população (SOUZA 1986). Por se tratar de uma região com boa topografia e abundância de água e terras para o plantio, o Governo do Estado resolveu criar na região a Colônia Vargem Grande com o intuito de abastecer de produtos agrícolas a nova capital. Teve a sua inauguração em 1896, com grande festa (SOUZA, 1986). Foi a partir da criação da Colônia Vargem Grande, através dos colonos 8, e outras famílias que chegaram, juntando-se aos antigos moradores que se deu a efetiva ocupação daquela região, que hoje compreende aproximadamente os bairros: Araguaia, Barreiro de Cima, Brasil Industrial, Cardoso, Conjunto Habitacional Teixeira Dias, Diamante, Flávio Marques Lisboa, Milionários, Pongelupe, Santa Helena, Serra do José Vieira, Solar e Urucuia (ARREGUI; RIBEIRO, 2008). Por muitos anos a região se manteve com características rurais, distante do desenvolvimento da capital Belo Horizonte e das outras regiões da cidade. A partir da década de 1950 com a instalação de uma grande indústria siderúrgica 9 na porção norte do Barreiro, fez com que a região recebesse várias pessoas, famílias inteiras se transferiram para a região em busca de trabalho na nova indústria, simultaneamente, cresce a demanda de lotes e residências. A esse respeito Souza observa: A Mannesmann, por isso, entrou em contado com cooperativas habitacionais para a construção de residências destinadas aos empregados, apoiando-os financeiramente através do sistema financeiro habitacional e estimulando a participação naquelas 8 Colonos eram as pessoas que, com o apoio dos governos estadual e municipal, que mudaram para ali com o compromisso de produzirem gêneros agrícolas que abasteceriam as regiões próximas ao Barreiro (SOUZA, 1986 P. 13). 9 Em fevereiro de 1952, ocorre a fundação da Companhia Siderúrgica Mannesmann, com a usina do Barreiro, em Belo Horizonte. A mannesmann foi a primeira empresa alemã que ainda com o país destruído pelas bombas e sob legislação especial dos aliados se decidiu por um grande investimento no Brasil. Em 31 de maio de 1952 foi lançada a pedra fundamental da Usina Barreiro, (...), (SOUZA 1986).

12 12 cooperativas. Muitos empregados puderam adquirir casa própria com a ajuda da Fundação Mannesmann e da Cooperativa de Crédito da Mannesmann COSIMA. Em 1954 surgem as primeiras ruas asfaltadas e são construídas igrejas e escolas, em 1955 o primeiro ginásio com nove classes (SOUZA 1986). É a partir desse momento que a região do Barreiro tem inúmeras transformações e crescimento. Segundo Souza (1986), em 1960 o Barreiro já contava com cerca de 15 mil habitantes. Em seis anos esse numero passa para 60 mil habitantes. Com isso as áreas de lavouras foram desaparecendo dando lugar aos inúmeros loteamentos abertos em toda a região, sendo um deles o bairro Solar do Barreiro, que se originou do bairro Urucuia, que tem suas origens vinculadas às antigas fazendas da família Cardoso e Pongelupe, (ARREGUI; RIBEIRO. 2008). Segundo consta em documentos de escritura de imóveis e relato de moradores do Solar do Barreiro, como o do senhor João Aniversino Januário 10, o loteamento do bairro data de 1966, quando foram feitas as primeiras residências no local. O bairro se encontra no vetor sul de Belo Horizonte e faz divisa com o PESRM (Parque Estadual Serra do Rola Moça). Dentro do bairro solar há algumas nascentes e mananciais o que torna ainda mais importante o estudo de seus impactos ambientais na tentativa de conhecer mais os problemas para propor soluções. A figura 3 mostra a localização do bairro Solar dentro da Regional Barreiro, em destaque, o bairro possui área de confronto com o Parque Estadual Serra do Rola Moça. 10 João Aniversino Januário é morador antigo do bairro e um dos lideres comunitários que luta por melhorias no local. Gentilmente concedeu-nos entrevista e forneceu alguns documentos, copia de escritura de seu imóvel, guias de IPTU e outros.

13 13 Figura: 3 Mapa de localização bairro Solar do Barreiro Fonte: Prodabel, Vários são os impactos ambientais resultantes de um loteamento, os mais comuns podem ser: o desmatamento; movimentos de terra, com possíveis assoreamentos de rios, córregos e lagoas; modificação no ecossistema. A esse respeito escreve Mota: A ocupação de um ambiente natural, no processo de urbanização, geralmente ocorre com a remoção da cobertura vegetal. O desmatamento, quando feito de forma inadequada, resulta em vários impactos ambientais, tais como: modificações climáticas; danos á flora e a fauna; descobrimento do solo, causando o incremento da erosão; remoção da camada fértil do solo, empobrecendo-o; assoreamento dos recursos hídricos; aumento do escoamento superficial da água e redução da infiltração; inundações (MOTA, 2003, p. 53). Dentre esses impactos ambientais os mais visíveis no Bairro Solar do Barreiro são: a perda de cobertura vegetal, impermeabilização do solo com consequente perda de nascentes e erosão do solo. A imagem a seguir mostra

14 14 dois lotes tomados por uma voçoroca no bairro Solar do Barreiro, provocada pela falta de um sistema planejado de escoamento de águas fluviais. Figura: 4 Voçoroca no bairro Solar do Barreiro Autor: Pollyanna Neves Além dos prejuízos ambientais que afetam toda a população, há também o econômico, no caso da imagem anterior, os lotes perdem o seu valor, devido ao alto custo para recuperação de suas áreas. Nas grandes cidades a utilização do solo geralmente é feita sem respeitar a drenagem natural das águas, o que pode causar o aterramento das margens de córregos, rios e lagoas, além de ocupar áreas de amortecimento das cheias (MOTA, 2003). As múltiplas edificações e o asfaltamento das ruas e avenidas colaboraram significativamente com a perda de cobertura vegetal e consequentemente com a impermeabilização do solo, dificultando a infiltração o que faz aumentar a velocidade e o volume das enxurradas, provocando enchentes nas áreas mais baixas do bairro, o que vem ocasionando grandes prejuízos aos moradores destas áreas.

15 15 Além dos impactos ambientais já citados, o bairro ainda enfrenta problemas com a falta de políticas públicas capazes de solucionar questões referentes ao uso e ocupação do solo, que serão abordados adiante. 4. Análise comparativa ( ) do uso e ocupação do solo do bairro Solar do Barreiro A partir de análises realizadas dos sucessivos Planos Diretores do município de Belo Horizonte, foi possível construir uma análise comparativa do uso e ocupação do solo do Bairro Solar do Barreiro. O período temporal de 1966 a 1996 foi definido pela disponibilidade de dados obtidos tanto do loteamento do bairro e pelas leis promulgadas no decorrer desse período. Em 1976 foi aprovada a primeira Lei de Uso e Ocupação do Solo de Belo Horizonte, Lei nº /11/ , que define o bairro como ZR-3 permitindo a construção de conjuntos residenciais verticais e residências unifamiliares de até 2 pavimentos, e comércio e serviço locais e equipamentos institucionais. Figura: 5 Folha 64 Lei de Uso e Ocupação do Solo nº /11/1976 Fonte: Arquivo Público de Belo Horizonte, A primeira lei de uso e ocupação do solo de Belo Horizonte, elaborada pelo PLAMBEL e promulgada em 1976 (Lei 2662/76), baseava-se no conceito de zonings, idéia implementada na Alemanha no início do século, dividindo a cidade em pequenas zonas que determinavam os tipos de usos preponderante ou exclusivo e os parâmetros de ocupação dos lotes permitidos (FERREIRA, s/d).

16 16 De acordo com a figura 12 5 extraída da publicação da lei de Uso e Ocupação do Solo Urbano de 1976, o Solar do Barreiro nesse mesmo período, diante das normatizações definidas pela lei, confrontava com a Zona de Expansão Urbana (ZEU-2) áreas não parceladas e a Zona Rural (ZN) que correspondiam à área da serra do Rola Moça com nascentes de alguns mananciais que ao longo do percurso passavam dentro dos lotes do bairro. A figura 6 mostra que parte do bairro localizada acima do Ramal Águas Claras da Ferrovia Centro Atlântica, estava próxima a linha de transmissão da CEMIG, sendo um local impróprio para ocupação, o loteamento expandiu sua área para Zona Rural (ZN). Pela imagem notam-se vestígios da colônia agrícola Vargem Grande abrigando a sociedade agrária, que aos poucos foi cedendo lugar ao processo de urbanização. Bairro Solar do Barreiro Figura: 6 Foto aérea 1974 Fonte: Instituto de Geociências Aplicadas, IGA. 12 As imagens 5 e 7 a seguir, foram retiradas das publicações anteriores das leis de Uso e Ocupação do Solo do município de Belo Horizonte 1976 e 1985 sucessivamente, aparecem no texto por meios de fotos digitais por não ser permitido fazer cópias de acervos contidos no Arquivo Público do município.

17 17 Na Lei de Uso e Ocupação do Solo de 1985, aprovada pela Lei nº 4034 de 25/03/1985, o bairro permanece com as mesmas definições do plano anterior. As áreas de confronto ampliaram, de acordo com análises feitas da figura 7, tendo anteriormente no limite Zona de Expansão Urbana, foi estabelecido novo zoneamento para o uso do solo, Setor Especial 1 (SE-1) que compreende a áreas sujeitos a preservação paisagística ou de proteção de mananciais e matas naturais, e Setor Especial 2 (SE-2) que compreende espaços, estabelecimentos e instalações destinadas aos serviços de uso coletivo onde hoje se localiza o Conjunto Habitacional Pongelupe. Figura: 7 Folha 64 Lei de Uso e Ocupação do Solo nº 4034 de 25/03/1985 Fonte: Arquivo Público de Belo Horizonte, A figura 8 revela transformações no que diz respeito ao arranjo espacial da área sendo visíveis duas realidades socioespaciais distintas. Na porção esquerda da figura nas áreas de confronto com o loteamento do bairro Solar do Barreiro, observam-se a expansão do tecido urbano, novos bairros são instituídos nas antigas terras que compreendiam as Colônias Agrícolas que eram propriedades de colonos que residiam nessa região. As leis de uso e ocupação do solo nos planos anteriores indicavam o crescimento dessas mesmas áreas definindo-as como Zona de Expansão (ZE).

18 18 Figura: 8 Foto aérea 1989 Fonte: Instituto de Geociências Aplicadas, IGA. O bairro Solar do Barreiro no início de sua ocupação desenvolveu-se abaixo do Ramal Águas Claras da Ferrovia Centro Atlântica, na imagem nota-se que as primeiras ocupações se estabeleceram na divisa com as áreas de confronto. A direta da imagem acima da linha férrea, o loteamento do bairro estava próximo à linha de transmissão da CEMIG, sendo um local impróprio para ocupação o loteamento expandiu sua área adentrando na Zona Rural (ZN), sendo que de acordo com a lei de 1985 o bairro não ultrapassava esses limites. Em 1996, o zoneamento do bairro Solar do Barreiro demonstra significativa mudança. A Lei nº7166 que estabelece normas sobre o Uso e Ocupação do Solo do município de Belo Horizonte, sancionada em 27 de agosto de 1996, define parte do bairro como Zona de Proteção Ambiental (ZPAM) de acordo com a figura 9 extraída da lei. Tendo como áreas de confronto Zona de Proteção Ambiental (ZP-1) que compreende em regiões desocupadas, de proteção ambiental, nas quais a ocupação é permitida mediante condições especiais e Zona de Adensamento Preferencial (ZAP) que são regiões de

19 19 passíveis de adensamento. Essa mudança se deu pela criação do Parque Estadual Serra do Rola Moça criado pelo decreto de lei nº /09/1994 com intuito de preservação das áreas de manancial. Com uma área de 3.688,63ha, o parque localiza-se nos municípios de Belo Horizonte, Brumadinho, Ibirité e Nova Lima. Figura: 9 Folha 63 Lei de Uso e Ocupação do Solo nº7166de 27/08/1996 Fonte: Com a criação do parque, parte do bairro que se localiza acima do Ramal Águas Claras da Ferrovia Centro Atlântica, como mostra a figura 11 encontrase hoje estagnado, com carência de infraestrutura nos serviços urbanos. Os moradores do bairro possuem o registro de seus imóveis e pagam o Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbano (IPTU), mas as ruas do bairro não possuem asfalto, não há rede de esgoto, sistema de escoamento fluvial, a coleta de lixo é precária, pois, os caminhões coletores passam em apenas uma rua, a única pavimentada nessa parte do bairro, a iluminação também é insuficiente e as companhias que prestam serviços de energia e saneamento básico negam seus serviços ao bairro alegando irregularidades quanto a sua ocupação. O decreto de lei nº6656 de 10 de setembro de 1990 aprova parte do loteamento do bairro Solar do Barreiro que se integra ao bairro Urucuia.

20 20 Figura: 10 Bairro Solar do Barreiro e adjacências Figura: 11 Parte do bairro Solar do Barreiro Fonte:Google, 2009 Fonte: Google, 2009 De acordo com as análises realizadas dos Planos Diretores, mais precisamente das leis de uso e ocupação do solo, o bairro Solar do Barreiro cumpre devidamente as determinações/normatizações estabelecidas nas leis de 1976 e 1985 no que diz respeito aos padrões de ocupação que o define como Zona Residencial (ZR). Em 1996, no entanto, parte do bairro se encontra em área de preservação ambiental após a instituição do Parque Estadual Serra do Rola Moça, causando conflitos entre o Estado e os moradores do bairro. Segundo o Portal de Notícias G1 Brasil Notícias (2007), o Estado alega que o bairro se encontra em um local de parque, não sendo apropriado para ocupação e propõem a retirada dos moradores junto à indenização dos mesmos. Há um descaso por parte dos órgãos públicos, pois o loteamento data de 1966, ou seja, anterior ao parque, identificando nesse caso uma falta de planejamento, sendo que parte do mesmo bairro foi beneficiada com a regulamentação na Prefeitura de Belo Horizonte, não se conhecendo os reais motivos para apenas aprovar uma porção do mesmo loteamento. No mapa de zoneamento da lei de uso e ocupação do solo de 1996, aparece na planta do bairro uma praça delineada, mas a realidade é totalmente diferente do que se afigura no local, fica então a pergunta: Porque não

A PRODUÇÃO SOCIOESPACIAL DO BAIRRO PINHEIRINHO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS-SP: A BUSCA PELA CIDADANIA

A PRODUÇÃO SOCIOESPACIAL DO BAIRRO PINHEIRINHO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS-SP: A BUSCA PELA CIDADANIA A PRODUÇÃO SOCIOESPACIAL DO BAIRRO PINHEIRINHO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS-SP: A BUSCA PELA CIDADANIA Ana Lia Ferreira Mendes de Carvalho liafmc@yahoo.com.br Geografia Bacharelado - UNIFAL-MG INTRODUÇÃO O presente

Leia mais

MORFOLOGIA URBANA DAS ÁREAS DE FUNDO DE VALE DO CÓRREGO DO VEADO EM PRESIDENTE PRUDENTE, SP

MORFOLOGIA URBANA DAS ÁREAS DE FUNDO DE VALE DO CÓRREGO DO VEADO EM PRESIDENTE PRUDENTE, SP 361 MORFOLOGIA URBANA DAS ÁREAS DE FUNDO DE VALE DO CÓRREGO DO VEADO EM PRESIDENTE PRUDENTE, SP Andressa Mastroldi Ferrarezi, Arlete Maria Francisco Curso de Arquitetura e Urbanismo; Departamento de Planejamento,

Leia mais

PLANOS DIRETORES REGIONAIS

PLANOS DIRETORES REGIONAIS PLANOS DIRETORES REGIONAIS ORIGEM DOS PLANOS DIRETORES REGIONAIS CONSTITUIÇÃO FEDERAL ESTABELECE O PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO E A GESTÃO DEMOCRÁTICA II CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE POLÍTICA URBANA PLANO DIRETOR

Leia mais

ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA

ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA No Brasil, as capitais nordestinas são as que mais sofrem com a especulação imobiliária. Na foto, Maceió, capital do estado de Alagoas. Especulação imobiliária é a compra ou aquisição

Leia mais

BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL. Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil

BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL. Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil PLANEJAMENTO URBANO O planejamento urbano é o processo de

Leia mais

DIVISÃO GEOGRÁFICA DE CLASSES SOCIAIS

DIVISÃO GEOGRÁFICA DE CLASSES SOCIAIS CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DE CURITIBA COORDENAÇÃO DE ESTÁGIO CURSO TÉCNICO DE... Tema do Pôster DIVISÃO GEOGRÁFICA DE CLASSES SOCIAIS ALUNO: EXEMPLO TURMA: XXXXXXXXXXX CURITIBA 2013 SUMÁRIO

Leia mais

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Região Norte 1. Qual a diferença entre região Norte, Amazônia Legal e Amazônia Internacional? A região Norte é um conjunto de 7 estados e estes estados

Leia mais

III Conferência Municipal de Política Urbana ESTUDOS URBANOS Transformações recentes na estrutura urbana

III Conferência Municipal de Política Urbana ESTUDOS URBANOS Transformações recentes na estrutura urbana III Conferência Municipal de Política Urbana ESTUDOS URBANOS Transformações recentes na estrutura urbana PBH/SMURBE Núcleo de Planejamento Urbano da Secretaria Municipal de Políticas Urbanas de Belo Horizonte

Leia mais

URBANIZAÇÃO BRASILEIRA: ALGUNS COMENTÁRIOS. Profa. Dra. Vera Lúcia Alves França

URBANIZAÇÃO BRASILEIRA: ALGUNS COMENTÁRIOS. Profa. Dra. Vera Lúcia Alves França URBANIZAÇÃO BRASILEIRA: ALGUNS COMENTÁRIOS Profa. Dra. Vera Lúcia Alves França A década de 1930 do século XX traz para a população brasileira um novo momento, quanto a sua distribuição. Até então, a população

Leia mais

ANÁLISE DE EMPREENDIMENTOS DE HABITAÇÃO SOCIAL EM PRESIDENTE PRUDENTE-SP UMA VISÃO AMBIENTAL

ANÁLISE DE EMPREENDIMENTOS DE HABITAÇÃO SOCIAL EM PRESIDENTE PRUDENTE-SP UMA VISÃO AMBIENTAL ANÁLISE DE EMPREENDIMENTOS DE HABITAÇÃO SOCIAL EM PRESIDENTE PRUDENTE-SP UMA VISÃO AMBIENTAL Sibila Corral de Arêa Leão Honda Arquiteta e Urbanista pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Mestre e Doutora

Leia mais

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS Um programa para integrar objetivos ambientais e sociais na gestão das águas Superintendência de Desenvolvimento da Capital -

Leia mais

os projetos de urbanização de favelas 221

os projetos de urbanização de favelas 221 5.15 Favela Jardim Floresta. Vielas e padrão de construção existente. 5.16 Favela Jardim Floresta. Plano geral de urbanização e paisagismo. 5.17 Favela Jardim Floresta. Seção transversal. 5.18 Favela Jardim

Leia mais

19 22 de Outubro de 2014, MINASCENTRO, Belo Horizonte MG

19 22 de Outubro de 2014, MINASCENTRO, Belo Horizonte MG 2º Simpósio Brasileiro de Saúde e Ambiente 19 22 de Outubro de 2014, MINASCENTRO, Belo Horizonte MG Eixo 1. Desenvolvimento socioeconômico e conflitos territoriais DESENVOLVIMENTO CAPITALISTA E SEUS IMPACTOS

Leia mais

Dinamização imobiliária no entorno da unidade de conservação Mata de Santa Genebra, Campinas (SP)

Dinamização imobiliária no entorno da unidade de conservação Mata de Santa Genebra, Campinas (SP) Dinamização imobiliária no entorno da unidade de conservação Mata de Santa Genebra, Campinas (SP) Mariana Ferreira Cisotto maricisotto@yahoo.com.br IG/UNICAMP Antonio Carlos Vitte IG/UNICAMP Palavras-chave:

Leia mais

Situação Geográfica e Demográfica

Situação Geográfica e Demográfica Guarulhos História A memória é a base para a construção da identidade, da consciência do indivíduo e dos grupos sociais de um determinado local. A maioria das fontes de memória de Guarulhos traz que sua

Leia mais

LAUDO DE CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL

LAUDO DE CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL LAUDO DE CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL INTERESSADO: IMOBILIÁRIA PARQUE BRASIL LTDA DENOMINAÇÃO: LOTEAMENTO RESIDENCIAL VILA REAL FINALIDADE: LAUDO TÉCNICO PARA CUMPRIMENTO DA LEI MUNICIPAL 4.123 DE 04/05/2007

Leia mais

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis Fabiana Cristina da Luz luz.fabiana@yahoo.com.br Universidade Cruzeiro do Sul Palavras-chave: Urbanização

Leia mais

DINÂMICA ESPECULATIVA NO PROCESSO DE EXPANSÃO URBANA DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON-PR Josiane de Oliveira Medeiros Führ 1 Edson dos Santos Dias 2

DINÂMICA ESPECULATIVA NO PROCESSO DE EXPANSÃO URBANA DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON-PR Josiane de Oliveira Medeiros Führ 1 Edson dos Santos Dias 2 DINÂMICA ESPECULATIVA NO PROCESSO DE EXPANSÃO URBANA DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON-PR Josiane de Oliveira Medeiros Führ 1 Edson dos Santos Dias 2 Introdução Impulsionado por fatores econômicos, o processo

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 006/2010

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 006/2010 PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 006/2010 INSTITUI A PLANTA GENÉRICA DE VALORES DO MUNICÍPIO DEFINE CRITÉRIOS PARA LANÇAMENTO DO IMPOSTO PREDIAL E TERRITORIAL URBANO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Prefeito

Leia mais

E CONFLITOS. Painel: Habitação Popular e Mercados Informais (Regularização Fundiária) / Outros Temas de Interesse Geral

E CONFLITOS. Painel: Habitação Popular e Mercados Informais (Regularização Fundiária) / Outros Temas de Interesse Geral REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NA CIDADE DE PIRACICABA - SP: AÇÕES A E CONFLITOS Painel: Habitação Popular e Mercados Informais (Regularização Fundiária) / Outros Temas de Interesse Geral Engª Civil Silvia Maria

Leia mais

A Ocupação do Sítio Urbano de São Paulo: implicações de ordem socioeconômica, espacial e ambiental. Plano de Aula

A Ocupação do Sítio Urbano de São Paulo: implicações de ordem socioeconômica, espacial e ambiental. Plano de Aula A Ocupação do Sítio Urbano de São Paulo: implicações de ordem socioeconômica, espacial e ambiental. Plano de Aula Urbanização em São Paulo Brasil Crise no Campo Estrutura Fundiária Mecanização Questões

Leia mais

recuperação ambiental de áreas rurais e periurbanas - Projeto Piloto da Câmara Técnica de Comunidades

recuperação ambiental de áreas rurais e periurbanas - Projeto Piloto da Câmara Técnica de Comunidades Uso de efluentes de tratamento de esgotos para a recuperação ambiental de áreas rurais e periurbanas - Projeto Piloto da Câmara Técnica de Comunidades Isoladas VI SEMINÁRIO NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL

Leia mais

-Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante a Oficina 3 - Financiamento para habitação social em Centros.

-Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante a Oficina 3 - Financiamento para habitação social em Centros. -Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante a Oficina 3 - Financiamento para habitação social em Centros. -Data: 05/12/2008 -Local: Instituto Pólis MORADIA É CENTRAL

Leia mais

PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DO PARQUE DOM PEDRO II

PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DO PARQUE DOM PEDRO II PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DO PARQUE DOM PEDRO II UFJF Faculdade de Engenharia - Dep. de Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Projeto VIII Prof: Luciane Tasca Grupo: Jeanny Vieira, Livia Cosentino, Marília

Leia mais

Prefeitura Municipal de Registro

Prefeitura Municipal de Registro Prefeitura Municipal de Registro Departamento Municipal de Administração Rua José Antônio de Campos, nº 250 Centro CEP: 11.900-000 Registro SP Fone: (13) 3828-1000 Fax: (13) 3821-2565 e-mail prefeitura@registro.sp.gov.br

Leia mais

TRANSFERÊNCIA DO POTENCIAL CONSTRUTIVO

TRANSFERÊNCIA DO POTENCIAL CONSTRUTIVO ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE JOÃO PESSOA Assessoria Técnica SEPLAM Sobre a Lei nº. 12.145 de 08 de Setembro de 2011, que regulamentou o Instrumento: TRANSFERÊNCIA DO POTENCIAL CONSTRUTIVO

Leia mais

Nota técnica Março/2014

Nota técnica Março/2014 Nota técnica Março/2014 Sistemas de Saneamento no Brasil - Desafios do Século XXI João Sergio Cordeiro O Brasil, no final do ano de 2013, possuía população de mais de 200 milhões de habitantes distribuídos

Leia mais

Parcelamento do Solo. Projeto de Loteamentos

Parcelamento do Solo. Projeto de Loteamentos Introdução Parcelamento do Solo Projeto de Loteamentos Prof. Mário Barreiros O parcelamento e a estruturação da cidade O parcelamento do solo é o principal instrumento de estruturação do espaço urbano

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ LABORATÓRIO DE ARQUITETURA E URBANISMO LAURB GRUPO DE PESQUISA CIDADE, MEIO AMBIENTE E POLÍTICAS PÚBLICAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ LABORATÓRIO DE ARQUITETURA E URBANISMO LAURB GRUPO DE PESQUISA CIDADE, MEIO AMBIENTE E POLÍTICAS PÚBLICAS 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ LABORATÓRIO DE ARQUITETURA E URBANISMO GRUPO DE PESQUISA CIDADE, MEIO AMBIENTE E POLÍTICAS PÚBLICAS Série Textos de reconhecimento do objeto de pesquisa 1 Título: CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino Pinto Orientadora: Regina Célia de Mattos. Considerações Iniciais

Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino Pinto Orientadora: Regina Célia de Mattos. Considerações Iniciais AS TRANSFORMAÇÕES ESPACIAIS NA ZONA OESTE DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO A PARTIR DOS INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA PARA COPA DO MUNDO EM 2014 E AS OLIMPÍADAS DE 2016 Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino

Leia mais

Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013

Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013 Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013 Segurança hídrica - Declaração Ministerial do 2o Fórum Mundial da Água, 2001 Acesso físico e econômico à água em quantidade e qualidade suficiente

Leia mais

CONSTRUINDO CIDADES E CIDADANIA

CONSTRUINDO CIDADES E CIDADANIA UCLG Congress Parallel Session: CONSTRUINDO CIDADES E CIDADANIA Inês da Silva Magalhães Secretária Nacional de Habitação - Brasil Cidade do México 18 de novembro de 2010 PRINCIPAIS MARCOS INSTITUCIONAIS

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

RECOMENDAÇÃO GT/HIS Nº 02, de 26 de novembro de 2014

RECOMENDAÇÃO GT/HIS Nº 02, de 26 de novembro de 2014 RECOMENDAÇÃO GT/HIS Nº 02, de 26 de novembro de 2014 Inquérito Civil Público nº 1.22.000.002106/2010-13 O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, por intermédio do Grupo de Trabalho Intercameral Habitação de Interesse,

Leia mais

Palavras chave: movimento pendular, região metropolitana de Belo Horizonte

Palavras chave: movimento pendular, região metropolitana de Belo Horizonte Quem entra e quem sai de Belo Horizonte Uma análise das características dos trabalhadores que realizam o movimento pendular na Região Metropolitana de Belo Horizonte Elisângela Oliveira Camargos 1 Cláudia

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Maio 2012 BAIRROS PLANEJADOS UMA REALIDADE NO BRASIL

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Maio 2012 BAIRROS PLANEJADOS UMA REALIDADE NO BRASIL Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Maio 2012 BAIRROS PLANEJADOS UMA REALIDADE NO BRASIL Ivo Szterling, Arquiteto Urbanista Diretor de Urbanismo da Cipasa Desenvolvimento

Leia mais

Urbanização no Brasil

Urbanização no Brasil Urbanização no Brasil Urbanização é o aumento proporcional da população urbana em relação à população rural. Segundo esse conceito, só ocorre urbanização quando o crescimento da população urbana é superior

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE PRESERVAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO MACHADO

EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE PRESERVAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO MACHADO EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE PRESERVAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO MACHADO FÁBIO VIEIRA MARTINS Pós-graduando em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP fabio.vieirageo@hotmail.com

Leia mais

Urbanização Brasileira

Urbanização Brasileira Urbanização Brasileira O Brasil é um país com mais de 190 milhões de habitantes. A cada 100 pessoas que vivem no Brasil, 84 moram nas cidades e 16 no campo. A população urbana brasileira teve seu maior

Leia mais

AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO

AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Marcia Heloisa P. S. Buccolo, consultora jurídica de Edgard Leite Advogados

Leia mais

O Acesso à Casa Própria como principal motivo da mudança de endereço e ratificador da estrutura urbana em Belo Horizonte

O Acesso à Casa Própria como principal motivo da mudança de endereço e ratificador da estrutura urbana em Belo Horizonte O Acesso à Casa Própria como principal motivo da mudança de endereço e ratificador da estrutura urbana em Belo Horizonte David Jose A. V. de Magalhães 1 Elisa Araujo de Salvo Brito 2 Iara Almeida Silva

Leia mais

Urbanização no Brasil. Prof Claudio F Galdino - Geografia

Urbanização no Brasil. Prof Claudio F Galdino - Geografia Urbanização no Brasil Prof Claudio F Galdino - Geografia Estruturas, Aspectos Gerais e Rede Urbana Origem: Cidades espontâneas (campo Belo, Rio de Janeiro) Cidades planejadas (BH, Brasília) Urbanização

Leia mais

DIAGNÓSTICO SOCIOAMBIENTAL COMO SUBSÍDIO À GESTÃO DAS ÁREAS DE VULNERABILIDADE AMBIENTAL DA CIDADE DE CORUMBÁ - MS

DIAGNÓSTICO SOCIOAMBIENTAL COMO SUBSÍDIO À GESTÃO DAS ÁREAS DE VULNERABILIDADE AMBIENTAL DA CIDADE DE CORUMBÁ - MS DIAGNÓSTICO SOCIOAMBIENTAL COMO SUBSÍDIO À GESTÃO DAS ÁREAS DE VULNERABILIDADE AMBIENTAL DA CIDADE DE CORUMBÁ - MS Nayane Cristina Costa Silva *, Graciela Gonçalves de Almeida, Joelson Gonçalves Pereira

Leia mais

A CONSOLIDAÇÃO DO PROCESSO DE SEGREGAÇÃO SOCIOESPACIAL E A PERIFERIZAÇÃO DA MORADIA DAS CAMADAS POPULARES, NA ÁREA CONURBADA DE FLORIANÓPOLIS.

A CONSOLIDAÇÃO DO PROCESSO DE SEGREGAÇÃO SOCIOESPACIAL E A PERIFERIZAÇÃO DA MORADIA DAS CAMADAS POPULARES, NA ÁREA CONURBADA DE FLORIANÓPOLIS. A CONSOLIDAÇÃO DO PROCESSO DE SEGREGAÇÃO SOCIOESPACIAL E A PERIFERIZAÇÃO DA MORADIA DAS CAMADAS POPULARES, NA ÁREA CONURBADA DE FLORIANÓPOLIS. Eixo Temático: Políticas públicas, demandas sociais e a questão

Leia mais

VERTICALIZAÇÃO E CUSTO DA TERRA: TENDÊNCIAS DE EXPANSÃO DA CIDADE DE CURITIBA

VERTICALIZAÇÃO E CUSTO DA TERRA: TENDÊNCIAS DE EXPANSÃO DA CIDADE DE CURITIBA VERTICALIZAÇÃO E CUSTO DA TERRA: TENDÊNCIAS DE EXPANSÃO DA CIDADE DE CURITIBA Gislene Pereira Universidade Federal do Paraná (UFPR) gislenepereira42@gmail.com Bruna Gregorini Universidade Federal do Paraná

Leia mais

CAMARA MUNICIPAL DE BRUMADINHO Praça da Paz Carmem de Oliveira Gonçalves, s/nº - São Conrado Brumadinho/MG CEP 35.460-000

CAMARA MUNICIPAL DE BRUMADINHO Praça da Paz Carmem de Oliveira Gonçalves, s/nº - São Conrado Brumadinho/MG CEP 35.460-000 PROPOSIÇAO DE LEI Nº 30/2004 O Presidente da Câmara Municipal de Brumadinho, no uso de suas atribuições e no termos do disposto nos 1º e 8º do Art. 89 da Lei Orgânica Municipal do município de Brumadinho,

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO APLICADO AO PLANEJAMENTO URBANO UM OLHAR SOBRE AS TRANSFORMAÇÕES NA PAISAGEM URBANA OCORRIDAS NO BAIRRO JABOTIANA, ARACAJU/SE.

GEOPROCESSAMENTO APLICADO AO PLANEJAMENTO URBANO UM OLHAR SOBRE AS TRANSFORMAÇÕES NA PAISAGEM URBANA OCORRIDAS NO BAIRRO JABOTIANA, ARACAJU/SE. GEOPROCESSAMENTO APLICADO AO PLANEJAMENTO URBANO UM OLHAR SOBRE AS TRANSFORMAÇÕES NA PAISAGEM URBANA OCORRIDAS NO BAIRRO JABOTIANA, ARACAJU/SE. Rafael da Cruz 1, Anna Allice Souza Silva 2, Luana Pereira

Leia mais

Nº ALGUMAS DAS PROPOSTAS INDICAÇÃO DA ALTERAÇÃO 1 Aumento do tamanho dos lotes:

Nº ALGUMAS DAS PROPOSTAS INDICAÇÃO DA ALTERAÇÃO 1 Aumento do tamanho dos lotes: Instituto Defenda Sorocaba aponta contradição no Plano Diretor 2014: meta de projeção de uma cidade sustentável e a ampliação do parcelamento de lotes são incompatíveis O Instituto Defenda Sorocaba (entidade

Leia mais

INCLUSÃO DE HABITAÇÕES SOCIAIS PARA REQUALIFICAÇÃO DA ÁREA CENTRAL DE PRESIDENTE PRUDENTE

INCLUSÃO DE HABITAÇÕES SOCIAIS PARA REQUALIFICAÇÃO DA ÁREA CENTRAL DE PRESIDENTE PRUDENTE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 244 INCLUSÃO DE HABITAÇÕES SOCIAIS PARA REQUALIFICAÇÃO DA ÁREA CENTRAL DE PRESIDENTE PRUDENTE João Victor de Souza

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG Coordenadoria Geral de Pesquisa CGP Campus Universitário Ministro Petrônio Portela,

Leia mais

PROCESSO DE METROPOLIZAÇÃO. desigualmente mudando de natureza e de composição, exigindo

PROCESSO DE METROPOLIZAÇÃO. desigualmente mudando de natureza e de composição, exigindo Geografia urbana Costa, 2002 1 PROCESSO DE METROPOLIZAÇÃO! As porções do território ocupadas pelo homem vão desigualmente mudando de natureza e de composição, exigindo uma nova definição. As noções de

Leia mais

Figura 5 - Mapa no papel vegetal pronto Autor: PEREIRA, T. mar/2006.

Figura 5 - Mapa no papel vegetal pronto Autor: PEREIRA, T. mar/2006. 55 Figura 5 - Mapa no papel vegetal pronto Autor: PEREIRA, T. mar/2006. Depois desta etapa no módulo seguinte realizou-se um trabalho de campo na área localizada anteriormente, registraram-se as coordenadas

Leia mais

Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1

Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1 Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1 Entenda quais são os Instrumentos de Planejamento e Gestão Urbana que serão revistos Revisão Participativa

Leia mais

A urbanização contemporânea de Campinas e o processo de constituição da região do Jardim Campo Belo

A urbanização contemporânea de Campinas e o processo de constituição da região do Jardim Campo Belo A urbanização contemporânea de Campinas e o processo de constituição da região do Jardim Campo Belo Helena Rizzatti Fonseca helena.fonseca@ige.unicamp.br IG/UNICAMP Palavras-chave: urbanização, periferização,

Leia mais

AULA 3. Aspectos Técnicos da Regularização Fundiária.

AULA 3. Aspectos Técnicos da Regularização Fundiária. Regularização Fundiária de Assentamentos Informais em Áreas Urbanas Disciplina: Regularização Fundiária e Plano Diretor Unidade 03 Professor(a): Laura Bueno e Pedro Monteiro AULA 3. Aspectos Técnicos da

Leia mais

Sumário. Agradecimentos II Resumo III Resumen V Abstrat X

Sumário. Agradecimentos II Resumo III Resumen V Abstrat X Sumário Agradecimentos II Resumo III Resumen V Abstrat X 1. Introdução Centro da investigação 01 Delimitação do campo de estudo e aproximação metodológica 02 Os percursos da investigação: o Rio Grande

Leia mais

INTRODUÇÃO 2.1 O MUNICÍPIO E A REGIÃO

INTRODUÇÃO 2.1 O MUNICÍPIO E A REGIÃO 2 INTRODUÇÃO 2.1 O MUNICÍPIO E A REGIÃO O Município de Manaus está localizado na Região Norte do Brasil, no centro geográfico da Amazônia. A superfície total do Município é de 11.458,5km 2 (Lei Municipal

Leia mais

INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA

INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA LOCALIZAÇÃO E CONTEXTO Jundiaí Campinas Rio de Janeiro Sorocaba Guarulhos OUC AB Congonhas CPTM E METRÔ: REDE EXISTENTE E PLANEJADA OUC AB SISTEMA VIÁRIO ESTRUTURAL

Leia mais

Cidade de São Paulo. 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011

Cidade de São Paulo. 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011 Cidade de São Paulo 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011 LOCALIZAÇÃO POPULAÇÃO (Censo 2010) RMSP...19.683.975 habitantes Município de São Paulo...11.253.563 habitantes Estatuto

Leia mais

ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA -CENTRO COMERCIAL

ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA -CENTRO COMERCIAL 2013 ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA -CENTRO COMERCIAL IAB ADMINISTRADORA DE BENS LTDA, CNPJ 08.111.520/0001 POMERODE/SC 03/10/2013 Dados do Projeto O projeto trata-se do empreendimento de um Centro Comercial

Leia mais

HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL E SEU CONTROLE POR MEIO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE 1996

HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL E SEU CONTROLE POR MEIO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE 1996 229 HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL E SEU CONTROLE POR MEIO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE 1996 Jéssica Telles Zanateli¹; Lennon Gomes¹; Marcela do Carmo Vieira²; Sibila Corral de Arêa Leão Honda³ 1 Discente

Leia mais

Planejamento e gestão da expansão urbana

Planejamento e gestão da expansão urbana CURSO GESTÃO DA VALORIZAÇÃO IMOBILIÁRIA: Contribuição de Melhoria, Reajuste de Terrenos e Redesenvolvimento Belo Horizonte, 24 a 26 de outubro de 2012 Planejamento e gestão da expansão urbana Daniel Todtmann

Leia mais

A URBANIZAÇÃO SOB O CAPITALISMO E SEUS PROBLEMAS. www.tiberiogeo.com.br A Geografia Levada a Sério

A URBANIZAÇÃO SOB O CAPITALISMO E SEUS PROBLEMAS. www.tiberiogeo.com.br A Geografia Levada a Sério A URBANIZAÇÃO SOB O CAPITALISMO E SEUS PROBLEMAS 1 Industrialização e urbanização A industrialização dá o tom da urbanização contemporânea; Teve seu início próxima as áreas de matériasprimas e água; Ela

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VESPASIANO LEI Nº 2.334/2009

PREFEITURA MUNICIPAL DE VESPASIANO LEI Nº 2.334/2009 LEI Nº 2.334/2009 APROVA TABELA DE VALORES PARA BASE DE CÁLCULO DO IPTU E TAXAS PARA O EXERCÍCIO DE 2010 E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Povo do Município de Vespasiano, através de seus representantes na Câmara

Leia mais

URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE

URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE. DA REPRODUÇÃO DA VIDA E PODE SER ANALISADO PELA TRÍADE HABITANTE- IDENTIDADE-LUGAR. OBJETIVOS ESPECÍFICOS A. Caracterizar o fenômeno da urbanização como maior intervenção humana

Leia mais

Metodologia. Resultados

Metodologia. Resultados ENCONTRO INTERNACIONAL PARTICIPAÇÃO, DEMOCRACIA E POLÍTICAS PÚBLICAS: APROXIMANDO AGENDAS E AGENTES UNESP SP 23 a 25 de abril de 2013, UNESP, Araraquara (SP) AGENTES SOCIAIS E A PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO

Leia mais

Processo que leva ao estabelecimento de um conjunto coordenado de ações visando à consecução de determinados objetivos.

Processo que leva ao estabelecimento de um conjunto coordenado de ações visando à consecução de determinados objetivos. Planejamento: Processo que leva ao estabelecimento de um conjunto coordenado de ações visando à consecução de determinados objetivos. Séc XX Planejar: Fazer o plano ou planta de; projetar, traçar. 1881

Leia mais

Urban View. Urban Reports. Fielzão e seu impacto na zona Leste

Urban View. Urban Reports. Fielzão e seu impacto na zona Leste Urban View Urban Reports Fielzão e seu impacto na zona Leste Programa Falando em dinheiro, coluna Minha cidade, meu jeito de morar e investir Rádio Estadão ESPN Itaquera acordou com caminhões e tratores

Leia mais

Principais características geográficas do estado do Goiás

Principais características geográficas do estado do Goiás Principais características geográficas do estado do Goiás Laércio de Mello 1 Para iniciarmos o estudo sobre o estado de Goiás é importante primeiramente localizá-lo dentro do território brasileiro. Para

Leia mais

DIRETRIZES URBANÍSTICAS EXPANSÃO DO PARANOÁ

DIRETRIZES URBANÍSTICAS EXPANSÃO DO PARANOÁ 1 DIRETRIZES URBANÍSTICAS EXPANSÃO DO PARANOÁ Brasília, 29 de novembro de 2012 DIRETRIZES URBANÍSTICAS Marco Legal 2 Lei nº 6.766/79: Art. 6 - Antes da elaboração do projeto de loteamento, o interessado

Leia mais

Oportunidades criadas pelo Plano Diretor Estratégico

Oportunidades criadas pelo Plano Diretor Estratégico A CRIAÇÃO DE TERRITÓRIOS DE OPORTUNIDADE JUNTO AO SISTEMA METRO-FERROVIÁRIO: EM PROL DE UMA PARCERIA MAIS EFETIVA NOS PROCESSOS DE TRANSFORMAÇÃO URBANA NO ENTORNO DAS ESTAÇÕES. ABSTRACT Ao longo dos trinta

Leia mais

EXERCÍCIOS ON LINE DE GEOGRAFIA 7º 2º TRI

EXERCÍCIOS ON LINE DE GEOGRAFIA 7º 2º TRI 1. Coloque V para verdadeiro e F para falso: EXERCÍCIOS ON LINE DE GEOGRAFIA 7º 2º TRI ( ) a população economicamente ativa compreende a parcela da população que está trabalhando ou procurando emprego.

Leia mais

Palavras-chave: água esgoto gerenciamento - resíduo poluente

Palavras-chave: água esgoto gerenciamento - resíduo poluente MEDIDAS DE SANEAMENTO BÁSICO OU RUAS CALÇADAS? Angela Maria de Oliveira Professora da E.M.E.F. Zelinda Rodolfo Pessin Márcia Finimundi Barbieri Professora da E.M.E.F. Zelinda Rodolfo Pessin Resumo Este

Leia mais

Igarapés de Manaus uma oportunidade de ação intra-urbana Fernanda Magalhaes e Eduardo Rojas

Igarapés de Manaus uma oportunidade de ação intra-urbana Fernanda Magalhaes e Eduardo Rojas Igarapés de Manaus uma oportunidade de ação intra-urbana Fernanda Magalhaes e Eduardo Rojas Resumo Este trabalho toma como base para reflexão uma intervenção na área dos Igarapés de Manaus desenvolvido

Leia mais

ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO

ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO SIMÃO, Rosycler Cristina Santos Palavras chave: rede urbana; São Paulo; disparidades regionais; Censo Demográfico 2000. Resumo O objetivo do trabalho é mostrar

Leia mais

SITUAÇÃO DO SANEAMENTO BÁSICO DO BAIRRO KIDÉ, JUAZEIRO/BA: UM ESTUDO DE CASO NO ÂMBITO DO PET CONEXÕES DE SABERES SANEAMENTO AMBIENTAL

SITUAÇÃO DO SANEAMENTO BÁSICO DO BAIRRO KIDÉ, JUAZEIRO/BA: UM ESTUDO DE CASO NO ÂMBITO DO PET CONEXÕES DE SABERES SANEAMENTO AMBIENTAL SITUAÇÃO DO SANEAMENTO BÁSICO DO BAIRRO KIDÉ, JUAZEIRO/BA: UM ESTUDO DE CASO NO ÂMBITO DO PET CONEXÕES DE SABERES SANEAMENTO AMBIENTAL Juliana Maria Medrado de Melo (1) Graduanda em Engenharia Agrícola

Leia mais

Catalão nas Fronteiras do Capitalismo: do desenvolvimento produtivo a construção da sociabilidade

Catalão nas Fronteiras do Capitalismo: do desenvolvimento produtivo a construção da sociabilidade Catalão nas Fronteiras do Capitalismo: do desenvolvimento produtivo a construção da sociabilidade Leonardo César PEREIRA 1 ; Revalino Antonio FREITAS (orientador) Palavras-chave: trabalho, migração, fronteira,

Leia mais

LAUDO DE CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL

LAUDO DE CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL LAUDO DE CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL INTERESSADO: CONDOMÍNIO RESIDENCIAL BOUGAINVILLEA DENOMINAÇÃO: CONDOMÍNIO RESIDENCIAL BOUGAINVILLEA FINALIDADE: LAUDO TÉCNICO PARA CUMPRIMENTO DA LEI MUNICIPAL 4.123 DE

Leia mais

Etapas do PLHIS PROPOSTAS

Etapas do PLHIS PROPOSTAS Plano Local de Habitação de Interesse Social de Boituva Seminário de Homologação do PLHIS de Boituva 25 de Fevereiro de 2010 Etapas do PLHIS etapa 1 etapa 2 etapa 3 METODOLOGIA DIAGNÓSTICO PROPOSTAS Princípios

Leia mais

APLICAÇÃO DE MÉTODO DE LOCALIZAÇÃO DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS E MONITORAMENTO DA VARIAÇÃO DO VALOR DO SOLO.

APLICAÇÃO DE MÉTODO DE LOCALIZAÇÃO DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS E MONITORAMENTO DA VARIAÇÃO DO VALOR DO SOLO. APLICAÇÃO DE MÉTODO DE LOCALIZAÇÃO DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS E MONITORAMENTO DA VARIAÇÃO DO VALOR DO SOLO. Laura Pereira Aniceto Faculdade de Arquitetura e Urbanismo CEATEC Laura.aniceto@gmail.com Jonathas

Leia mais

História da Habitação em Florianópolis

História da Habitação em Florianópolis História da Habitação em Florianópolis CARACTERIZAÇÃO DAS FAVELAS EM FLORIANÓPOLIS No início do século XX temos as favelas mais antigas, sendo que as primeiras se instalaram em torno da região central,

Leia mais

MOBILIDADE URBANA EM PRESIDENTE PRUDENTE: O TRANSPORTE COLETIVO E SUAS POSSIBILIDADES

MOBILIDADE URBANA EM PRESIDENTE PRUDENTE: O TRANSPORTE COLETIVO E SUAS POSSIBILIDADES 480 MOBILIDADE URBANA EM PRESIDENTE PRUDENTE: O TRANSPORTE COLETIVO E SUAS POSSIBILIDADES Poliana de Oliveira Basso¹, Sibila Corral de Arêa Leão Honda². ¹Discente do curso de Arquitetura e Urbanismo da

Leia mais

Disciplina EQW-010. INDÚSTRIA E MEIO AMBIENTE Prof. Denize Dias de Carvalho (denize@eq.ufrj.br) sala E-203 Tel: 2562-7564

Disciplina EQW-010. INDÚSTRIA E MEIO AMBIENTE Prof. Denize Dias de Carvalho (denize@eq.ufrj.br) sala E-203 Tel: 2562-7564 Disciplina EQW-010 INDÚSTRIA E MEIO AMBIENTE Prof. Denize Dias de Carvalho (denize@eq.ufrj.br) sala E-203 Tel: 2562-7564 Prof. Lídia Yokoyama (lidia@eq.ufrj.br) sala E-206 Tel:2562-7560 CONCEITOS - DEFINIÇÕES

Leia mais

COPA. Morumbi ou Outra Arena? As Marcas de um Novo Estádio na Dinâmica Urbana de São Paulo. José Roberto Bernasconi. Presidente Sinaenco São Paulo

COPA. Morumbi ou Outra Arena? As Marcas de um Novo Estádio na Dinâmica Urbana de São Paulo. José Roberto Bernasconi. Presidente Sinaenco São Paulo COPA Morumbi ou Outra Arena? As Marcas de um Novo Estádio na Dinâmica Urbana de São Paulo José Roberto Bernasconi Presidente Sinaenco São Paulo SP/Agosto/ 2010 1 1 Um histórico Os dois principais estádios

Leia mais

Interbits SuperPro Web

Interbits SuperPro Web CIÊNCIAS HUMANAS XXIII HISTÓRIA ERA VARGAS LIBERALISMO GEOGRAFIA QUESTÕES AMBIENTAIS 1. (Fuvest 2011) Conforme proposta do geógrafo Aziz Ab Saber, existem, no Brasil, seis domínios morfoclimáticos. Assinale

Leia mais

PDDU/ SÃO BENEDITO LEGISLAÇÃO

PDDU/ SÃO BENEDITO LEGISLAÇÃO 1 TASSO RIBEIRO JEREISSATI GOVERNADOR DO ESTADO DO CEARÁ FRANCISCO DE QUEIROZ MAIA JÚNIOR SECRETÁRIO DA INFRAESTRUTURA DO ESTADO DO CEARÁ JOSÉ MARDÔNIO DA COSTA PREFEITO MUNICIPAL DE SÃO BENEDITO LANA

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO.

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO. UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO. Patrícia Pinheiro da Cunha 1, Magda Beatriz de Almeida Matteucci

Leia mais

Tema: Diretrizes, Pré-Aprovação e Aprovação Final. Palestrante: Arqº Milton Faria de Assis Júnior

Tema: Diretrizes, Pré-Aprovação e Aprovação Final. Palestrante: Arqº Milton Faria de Assis Júnior Tema: Diretrizes, Pré-Aprovação e Aprovação Final. Palestrante: Arqº Milton Faria de Assis Júnior Rio Preto lidera loteamentos no Estado Nos últimos anos, Rio Preto se mantém como 1ª no ranking dos municípios

Leia mais

Centro Educacional Juscelino Kubitschek

Centro Educacional Juscelino Kubitschek Centro Educacional Juscelino Kubitschek ALUNO: N.º: DATA: / /2011 ENSINO FUNDAMENTAL SÉRIE: 6ª série/7 ano TURMA: TURNO: DISCIPLINA: GEOGRAFIA PROFESSOR: Equipe de Geografia Roteiro e lista de Recuperação

Leia mais

2. (Espcex (Aman) 2013) Com relação às regiões metropolitanas (RM) no Brasil, leia as afirmativas abaixo:

2. (Espcex (Aman) 2013) Com relação às regiões metropolitanas (RM) no Brasil, leia as afirmativas abaixo: 1. (Fuvest 2013) Observe os gráficos. Com base nos gráficos e em seus conhecimentos, assinale a alternativa correta. a) Em função de políticas de reforma agrária levadas a cabo no Norte do país, durante

Leia mais

Projeto Cidade da Copa : influência na mobilidade da Zona da Mata Norte do Estado de Pernambuco

Projeto Cidade da Copa : influência na mobilidade da Zona da Mata Norte do Estado de Pernambuco Danilo Corsino de Queiróz Albuquerque¹ Ana Regina Marinho Dantas Barboza da Rocha Serafim² ¹Graduando do 5º Período no Curso de Licenciatura em Geografia pela Universidade de Pernambuco (UPE), E-mail:

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS

ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS 3.2 - COMPONENTES ESPECÍFICOS 3.2.1 - Plano de Intervenção

Leia mais

PRESERVANDO NASCENTES E MANANCIAIS

PRESERVANDO NASCENTES E MANANCIAIS PRESERVANDO NASCENTES E MANANCIAIS A água é um recurso natural insubstituível para a manutenção da vida saudável e bem estar do homem, além de garantir auto-suficiência econômica da propriedade rural.

Leia mais

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis Universidade Metodista Recuperação Ambiental de Áreas Degradadas Impactos gerados pelo uso e ocupação do solo no meio urbano Final século XVIII Revolução Industrial Migração do homem do campo objetivo

Leia mais

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza Legislação Territorial Agenda 21 Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza O que é Agenda 21? Agenda 21 é um conjunto de resoluções tomadas Eco-92, que

Leia mais

ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL E MEIO AMBIENTE: O CASO DE BRASÍLIA TEIMOSA

ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL E MEIO AMBIENTE: O CASO DE BRASÍLIA TEIMOSA Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL E MEIO AMBIENTE: O CASO DE BRASÍLIA TEIMOSA Tatiana Cavalcanti Fonseca*, Elizabeth Amaral Pastich, Hélida Karla Philippini da Silva

Leia mais

AS TRANSFORMAÇÕES NA PAISAGEM A PARTIR DA IMPLANTAÇÃO DO LAGO DE FURNAS NO MUNICÍPIO DE FAMA-MG

AS TRANSFORMAÇÕES NA PAISAGEM A PARTIR DA IMPLANTAÇÃO DO LAGO DE FURNAS NO MUNICÍPIO DE FAMA-MG AS TRANSFORMAÇÕES NA PAISAGEM A PARTIR DA IMPLANTAÇÃO DO LAGO DE FURNAS NO MUNICÍPIO DE FAMA-MG Tamiris Batista Diniz tamirisbdiniz@hotmail.com Discente Geografia UNIFAL-MG 349 Ana Rute do Vale ana.vale@unifal-mg.edu.br

Leia mais

COORDENAÇÃO. PREFEITURA DE BELO HORIZONTE Marcio Lacerda Prefeito Municipal

COORDENAÇÃO. PREFEITURA DE BELO HORIZONTE Marcio Lacerda Prefeito Municipal PLANOS DIRETORES REGIONAIS COORDENAÇÃO PREFEITURA DE BELO HORIZONTE Marcio Lacerda Prefeito Municipal SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO Marcello de Lima Santiago Faulhaber Campos Secretário Municipal

Leia mais

INUNDAÇÕES NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTES EM GOIÂNIA-GO FLOODS IN PERMANENT PRESERVATION AREAS IN GOIÂNIA-GO

INUNDAÇÕES NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTES EM GOIÂNIA-GO FLOODS IN PERMANENT PRESERVATION AREAS IN GOIÂNIA-GO INUNDAÇÕES NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTES EM GOIÂNIA-GO FLOODS IN PERMANENT PRESERVATION AREAS IN GOIÂNIA-GO Thalyta Lopes Rego Mestranda em Geografia, Universidade Federal de Goiás Instituto de

Leia mais

O homem e o meio ambiente urbano. Paulo Saldiva

O homem e o meio ambiente urbano. Paulo Saldiva 1 O homem e o meio ambiente urbano Paulo Saldiva AMeio ambiente e saúde: o desafio das metrópoles s cidades sempre representaram polos de atração para o homem. A escalada cultural da Humanidade, a consolidação

Leia mais