Helena Pinto [PROPOSTA VALORHOSPITAL] Proposta para o Procedimento Nº 25/CCLIN/SRLF/2012

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Helena Pinto [PROPOSTA VALORHOSPITAL] Proposta para o Procedimento Nº 25/CCLIN/SRLF/2012"

Transcrição

1 2011 Helena Pinto [PROPOSTA VALORHOSPITAL] Proposta para o Procedimento Nº 25/CCLIN/SRLF/2012

2 Para: GNR Centro Clínico De: Helena Pinto CC: Centro Clínico Data: Tel: Assunto: Proposta para Gestão de Resíduos Hospitalares Ref. 379/AM/2011 Exmos. Senhores, A Valorhospital S.A. como Entidade licenciada para a realização de Operações de Gestão de Resíduos Hospitalares vem por este meio enviar orçamento para a gestão de resíduos hospitalares a produzir nos locais de recolha indicados na Parte II do Caderno de Encargos em diante designados Locais GNR. 1. RECOLHA DE RESÍDUOS HOSPITALARES PERIGOSOS 1.1 CARACTERIZAÇÃO DOS RESÍDUOS Os Resíduos Hospitalares são resíduos resultantes de actividades médicas desenvolvidas em unidades de prestação de cuidados de saúde, em actividades de prevenção, diagnóstico, tratamento, reabilitação e investigação, relacionada com seres humanos ou animais, em farmácias, em actividades médico-legais, de ensino e em quaisquer outras que envolvam procedimentos invasivos, tais como acupunctura, piercings e tatuagens. (Decreto-Lei n.º 178/2006). Grupo III (resíduos hospitalares de risco biológico): são resíduos contaminados ou suspeitos de contaminação, susceptíveis de incineração ou de outro pré-tratamento eficaz, permitindo posterior eliminação como resíduo urbano. (Despacho nº 242/96).

3 Inserem-se neste grupo: a) Todos os resíduos provenientes de quartos ou enfermarias de doentes infecciosos ou suspeitos, de unidades de hemodiálise, de blocos operatórios, de salas de tratamento, de salas de autópsia e de anatomia patológica, de patologia clínica e de laboratórios de investigação, com excepção dos do grupo IV; b) Todo o material utilizado em diálise; c) Peças anatómicas não identificáveis; d) Resíduos que resultam da administração de sangue e derivados; e) Sistemas utilizados na administração de soros e medicamentos, com excepção dos do grupo IV; f) Sacos colectores de fluidos orgânicos e respectivos sistemas; g) Material ortopédico: talas, gessos e ligaduras gessadas contaminadas ou com vestígios de sangue; material de prótese retirado a doentes; h) Fraldas e resguardos descartáveis contaminados ou com vestígios de sangue; i) Material de protecção individual utilizado em cuidados de saúde e serviços de apoio geral em que haja contacto com produtos contaminados (como luvas, máscaras, aventais e outros). Grupo IV (resíduos hospitalares específicos): são resíduos de vários tipos de incineração obrigatória. (Despacho nº 242/96) Integram-se neste grupo: a) Peças anatómicas identificáveis, fetos e placentas, até publicação de legislação específica; b) Cadáveres de animais de experiência laboratorial; c) Materiais cortantes e perfurantes: agulhas, catéteres e todo o material invasivo; d) Produtos químicos e fármacos rejeitados, quando não sujeitos a legislação específica; e) Citostáticos e todo o material utilizado na sua manipulação e administração.

4 1.2 ACONDICIONAMENTO DOS RESÍDUOS Acondicionamento Primário Os resíduos Hospitalares deverão ser colocados no saco de plástico que estará colocado em Recipiente adequado, de acordo com o grupo a que pertence e segundo a perigosidade associada e sempre no local onde os mesmos são produzidos. De acordo com o despacho nº 242/96, os sacos a utilizar para o acondicionamento dos diferentes tipos de resíduo são os seguintes: Grupo Cor do Saco de Plástico Grupos I e II Saco de Cor Preta Grupo III Saco de Cor Branca Grupo IV Saco de Cor Vermelha 1.3 RESÍDUOS HOSPITALARES PERIGOSOS GRUPOS III E IV Os sacos brancos, depois de cheios e encerrados, devem ser recolhidos por funcionários do Produtor, sendo encaminhados para a respectiva zona de sujos ou outro local estabelecido pelo Produtor para centralização de resíduos, onde serão colocados nos contentores de transporte disponibilizados para o efeito. Os Sacos Brancos serão fornecidos com a entrega dos contentores em todos os locais constantes da Parte II do Caderno de Encargos sem custos para o produtor. GRUPO III Resíduos Hospitalares Perigosos de Risco Biológico Contentores de 60 litros de Uso Múltiplo para Transporte de Resíduos Para acondicionamento de sacos brancos contendo resíduos de Grupo III

5 1.4 RESÍDUOS HOSPITALARES DE GRUPO IV Os Resíduos Hospitalares de Grupo IV serão acondicionados em contentores para material cortante e perfurante nas capacidades de 1,0 litros e 4,0 litros, consoante as solicitações do produtor e a especificidade do resíduos a recolher. Grupo IV Resíduos Hospitalares de Risco Específico Contentor de Transporte de Uso Múltiplo de 60 litros de Cor Vermelha para acondicionamento dos resíduos do grupo IV. Características Dos Contentores de Transporte de Resíduos Hospitalares Os contentores para acondicionamento dos resíduos hospitalares perigosos encontram-se homologados para transporte de resíduos da classe 6.1 e 6.2 do ADR (Decreto-lei n.º 170-A/2007 de 04 de Maio) e possuem condições de higiene e desinfecção que permitem a sua colocação junto aos locais de produção, ou outro local definido pelo Produtor. Deste modo, os contentores propostos dispõem das características necessárias ao cumprimento do disposto no Despacho n.º 242/96: estanques, herméticos, facilmente manuseáveis e laváveis e desinfectáveis.

6 1.5 RECOLHA E TRANSPORTE DOS RESÍDUOS HOSPITALARES DOS GRUPOS III E IV Transporte dos Resíduos O transporte de resíduos cumpre o estipulado no Regulamento Nacional do Transporte de Mercadorias Perigosas por Estrada (RPE), nomeadamente no que diz respeito à formação específica dos titulares da carta de ADR (Certificado de Formação para Condutores de Veículos de Transporte de Mercadorias Perigosas), sendo esta carta emitida aos Motoristas da Valorhospital que transportam os resíduos hospitalares. Periodicidade e Horário das Recolhas A recolha e substituição dos contentores com resíduos, a partir do local de armazenamento centralizado nos locais da GNR e o seu transporte serão efectuados segundo as periodicidades constantes na Parte II do caderno de Encargos e segundo a tabela 1 da presente proposta, no cumprimento estrito do despacho 242/96, utilizando viaturas devidamente preparadas para o efeito e guias de transporte de acordo com a legislação em vigor. Características das Viaturas da Valorhospital As viaturas de transporte de resíduos hospitalares perigosos são exclusivamente dedicadas ao transporte de resíduos hospitalares, com caixa fechada e isotérmica, lavável e facilmente desinfectável, higienizada no final de cada rota e antes de iniciar uma nova recolha de resíduos. Para aferição do processo de higienização, estas viaturas são submetidas a controlo analítico (microbiológico) com uma periodicidade regular. Transportadores da Valorhospital Os funcionários responsáveis pela recolha dos resíduos da Valorhospital utilizarão sempre fardamento composto por: Sapatos perfurados reforçados na biqueira com aço; Calças apropriadas em algodão com o logótipo Valorhospital;

7 Pólos de algodão com a identificação da empresa; Luvas 100% cabedal; A Valorhospital responsabiliza-se por todos os danos causados pelos seus funcionários durante o procedimento de gestão dos resíduos. Controle de Quantidades O controlo das quantidades de resíduos removidos para Autoclavagem ou Incineração, será efectuada através da contabilização do número de contentores recolhidos distinguindo os diferentes grupos e capacidades, consoante as capacidades e características expressas na tabela de preços das Condições Comerciais. Tratamento dos Resíduos O tratamento dos resíduos será feito de acordo com o disposto no Despacho Ministerial 242/96. O tratamento do Grupo III faz-se por Autoclavagem, obtendo-se uma descontaminação de alto nível. Este processo é realizado na central de Autoclavagem do Such sita em Vila Nova de Gaia, operando em regime de parceria e com a qual a Valorhospital tem protocolo de colaboração. A armazenagem dos resíduos recebidos para tratamento é efectuada de acordo com o nº 8 do Despacho Ministerial n 0 242/96, de 5 de Julho, recorrendo a contentores refrigerados, (temperatura regulável até 20Cº), dedicada ao Grupo IV, a qual poderá funcionar igualmente como armazenagem de segurança para o grupo III. O tratamento dos resíduos do grupo IV será feito através da sua incineração, sob a responsabilidade do SUCH, entidade com a qual a Valorhospital tem um protocolo de colaboração.

8 1.6 CONDIÇÕES COMERCIAIS Tabela de Preços Unitários Designação Valor Unitário Contentor de 60 litros Grupo III 9,90 Contentores de 30 litros Grupo III 6,60 Contentores de 1 litros Grupo IV 2,40 Contentores de 4,0 litros Grupo IV 4,90 Jerrican com capacidade para 25 Litros para Liquido de Risco Biológico 26,80 Dispensadores para Higiene Feminina 11,40 Carro de Apoio com sistema de pedal 95,00 Designação Valor Mensal Valor Total Procedimento de Ajuste Directo Nº 25/CCLIN/SRLF/ , ,40 Nota: O valor apresentado como Valor Total será o Valor a pagar pela entidade adjudicante pelo fornecimento dos serviços objecto do contrato e que inclui todas as demais obrigações constantes no Caderno de Encargos deste procedimento, acrescido de IVA à taxa legal em vigor. Nos locais onde se designa Recolha Pontual foi atribuído o Valor Anual a pagar de 40,00 por cada local á excepção do local designado por Portimão por não apresentar quantidades previstas.

9 1.6.2 Impostos Aos valores indicados acrescerá imposto sobre valor acrescentado (IVA) à taxa legal em vigor Condições de Pagamento A quantias devidas pela entidade adjudicante deverão ser pagas no prazo de 30 (trinta) dias após a recepção pela entidade adjudicante da respectiva factura Duração do Contrato A prestação do serviço terá a duração do ano de 2012, podendo eventualmente ser prolongado anualmente até ao limite de 3 anos Prazo de Validade da proposta A presente proposta é válida por um período de 66 (sessenta e seis dias) dias.

10 Tabela 1 - Periodicidades Local Periodicidade Local Periodicidade Aveiro Quinzenal Escola da Guarda - Figueira Foz Mensal São João Madeira Mensal USHE - Ajuda Mensal Beja Mensal USHE - Braço de Prata Mensal Braga Mensal USHE - VET Calçada Ajuda Mensal Guimarães Pontual USHE - Calçada Ajuda Mensal Bragança Trimestral USHE - VET Braço de Prata Mensal Castelo Branco Mensal Comando - Carmo Mensal Coimbra Mensal Centro Clínico - Bloco Bissemanal Évora Quinzenal Centro Clínico - Cardiologa Mensal Faro Quinzenal Centro Clínico - Enfermaria Cir. Semanal Portimão 0 Centro Clínico - Estomatologia Bissemanal Guarda Pontual Centro Clínico - Farmacia Mensal Leiria Pontual Centro Clínico - Gastro Quinzenal Pombal Mensal Centro Clínico - Análises Semanal Tomar Mensal Centro Clínico - Oftalmologia Semestral Setubal Pontual Centro Clínico - Posto Socorros Mensal Almada Mensal Centro Clínico - Radiologia Mensal Viana do Castelo Pontual Centro Clínico - Sala 4 (ORL) Mensal Vila Real Pontual Centro Clínico - Preventiva Semanal Viseu Trimestral Centro Clínico - JUNQUEIRA Mensal Santa Bárbara - Lisboa Mensal Centro Clínico - Santa Apolonia Quinzenal C. Cinotécnica - Lisboa Mensal Centro Clínico - Porto Semanal Escola da Guarda - Queluz Quinzenal Penafiel Mensal Escola da Guarda - Portalegre Quinzenal Serviços Sociais - Caparica Pontual Helena Pinto Directora Técnica

Despacho n.º 242/96. Sumário: Resíduos hospitalares.

Despacho n.º 242/96. Sumário: Resíduos hospitalares. Despacho n.º 242/96 Sumário: Resíduos hospitalares. A existência de resíduos provenientes da prestação de cuidados de saúde a seres humanos, incluindo as actividades médicas de prevenção, diagnóstico,

Leia mais

Obrigações Legais dos Produtores de Resíduos Hospitalares e método de tratamento Cannon Hygiene

Obrigações Legais dos Produtores de Resíduos Hospitalares e método de tratamento Cannon Hygiene Seminários 2015 Resíduos Hospitalares Obrigações Legais dos Produtores de Resíduos Hospitalares e método de tratamento Cannon Hygiene Francisco Valente OBJETIVOS Informação sobre as obrigações legais dos

Leia mais

Riscos Ambientais e de Saúde PúblicaP

Riscos Ambientais e de Saúde PúblicaP Resíduos Hospitalares e a sua Perigosidade Segurança a e Higiene na Produção e Tratamento de Resíduos Hospitalares Riscos Ambientais e de Saúde PúblicaP 1. Gestão de Resíduos O Tratamento dos RSH é um

Leia mais

Seminários 2013 Resíduos Hospitalares. Obrigações Legais dos Produtores de Resíduos Hospitalares. Francisco Valente

Seminários 2013 Resíduos Hospitalares. Obrigações Legais dos Produtores de Resíduos Hospitalares. Francisco Valente Seminários 2013 Resíduos Hospitalares Obrigações Legais dos Produtores de Resíduos Hospitalares Francisco Valente OBJECTIVOS Informação sobre as obrigações legais dos produtores de resíduos hospitalares;

Leia mais

INFECÇÃO ASSOCIADA AOS CUIDADOS DE SAÚDE (IACS)

INFECÇÃO ASSOCIADA AOS CUIDADOS DE SAÚDE (IACS) 25 de Novembro de 2008 Cristina Santos; Esmeralda Santos; Fernando Campos INFECÇÃO ASSOCIADA AOS CUIDADOS DE SAÚDE (IACS) DEFINIÇÃO É uma infecção adquirida pelos doentes em consequência dos cuidados e

Leia mais

Legislação sobre Resíduos

Legislação sobre Resíduos Legislação sobre Resíduos Eng. Cristina Marcelo Correia (APEA - Associação Portuguesa dos Engenheiros do Ambiente) 03 de Março 2004 Tipos de Resíduos Resíduos urbanos Resíduos industriais Resíduos hospitalares

Leia mais

REGULAMENTO DE GESTÃO DE RESÍDUOS NO PORTO DE AVEIRO. CAPÍTULO 1 Disposições gerais. Artigo 1.º Objectivo e Âmbito de aplicação

REGULAMENTO DE GESTÃO DE RESÍDUOS NO PORTO DE AVEIRO. CAPÍTULO 1 Disposições gerais. Artigo 1.º Objectivo e Âmbito de aplicação REGULAMENTO DE GESTÃO DE RESÍDUOS NO PORTO DE AVEIRO CAPÍTULO 1 Disposições gerais Artigo 1.º Objectivo e Âmbito de aplicação O presente Regulamento aplica-se a toda a área portuária e tem como objectivo

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RESIDUOS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. IDENTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS... 4 3. MODO OPERATIVO... 5 4. RESPONSABILIDADES...

PLANO DE GESTÃO DE RESIDUOS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. IDENTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS... 4 3. MODO OPERATIVO... 5 4. RESPONSABILIDADES... PLANO DE GESTÃO DE RESIDUOS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. IDENTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS... 4 3. MODO OPERATIVO... 5 3.1. FASE DE PLANEAMENTO (PRÉ-OBRA)...5 3.2. FASE DE CONSTRUÇÃO...5 3.2.1. Deposição

Leia mais

Código: CHCB.PI..EST.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:1 de 12. 1. Objectivo. 2. Aplicação

Código: CHCB.PI..EST.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:1 de 12. 1. Objectivo. 2. Aplicação Código: CHCB.PI..EST.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:1 de 12 1. Objectivo o Estabelecer normas para o processamento dos dispositivos médicos, baseadas em padrões de qualidade. o Estabelecer condições de

Leia mais

PQS GLOBAIS. (c). Tempo de estabelecimento de chamada para chamadas nacionais (segundos) que correspondem ao percentil 95% das chamadas mais rápidas

PQS GLOBAIS. (c). Tempo de estabelecimento de chamada para chamadas nacionais (segundos) que correspondem ao percentil 95% das chamadas mais rápidas PQS GLOBAIS Anacom Objetivo SU Ano1 SU PQS 1 PQS 1 (a) PQS1. Prazo de fornecimento da ligação inicial (a) Demora no fornecimento das ligações, quando o cliente não define uma data objetivo (dias) PQS 1

Leia mais

VEÍCULOS EM FIM DE VIDA

VEÍCULOS EM FIM DE VIDA TEMA 7 VEÍCULOS EM FIM DE VIDA B. NÍVEL MAIS AVANÇADO De acordo com o Decreto-lei nº 196/2003, de 23 de Agosto, entende-se por veículo qualquer veículo classificado nas categorias M1 1 ou N1 2 definidas

Leia mais

Regulamento de admissão de Resíduos Não Perigosos (RNP) no Aterro de Sermonde

Regulamento de admissão de Resíduos Não Perigosos (RNP) no Aterro de Sermonde o Regulamento o Anexos: I. Inquérito para Pedido de Autorização para Deposição no Aterro de Sermonde II. III. IV. Descrição da Atividade da Empresa Produtora Declaração de Responsabilidade do Produtor

Leia mais

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº00029/2013 (S03432-201303)

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº00029/2013 (S03432-201303) 1 7 ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº00029/2013 (S03432-201303) Nos termos do artigo 33º. do Decreto-Lei n.º 178/2006, com a redação conferida pelo Decreto- Lei

Leia mais

ELIMINAÇÃO DE RESÍDUOS PERIGOSOS PRODUZIDOS NA FCUL

ELIMINAÇÃO DE RESÍDUOS PERIGOSOS PRODUZIDOS NA FCUL ELIMINAÇÃO DE RESÍDUOS PERIGOSOS PRODUZIDOS NA FCUL "A gestão do resíduo constitui parte integrante do seu ciclo de vida, sendo da responsabilidade do respetivo produtor. (Decreto Lei n.º 178/2006 de 5

Leia mais

DECRETO Nº 18.480 DE 21 DE FEVEREIRO DE 2000

DECRETO Nº 18.480 DE 21 DE FEVEREIRO DE 2000 DECRETO Nº 18.480 DE 21 DE FEVEREIRO DE 2000 Regulamenta a Lei nº 16.478/99, publicada no Diário Oficial da Cidade do Recife em 23.02.99 CAPÍTULO I OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Art. 1º Estas normas têm

Leia mais

Amb3e: Parceiro de Excelência para a Gestão de REEE de Lâmpadas em Fim de Vida Soluções para Distribuidores, Retalhistas e Instaladores

Amb3e: Parceiro de Excelência para a Gestão de REEE de Lâmpadas em Fim de Vida Soluções para Distribuidores, Retalhistas e Instaladores Amb3e: Parceiro de Excelência para a Gestão de REEE de Lâmpadas em Fim de Vida Soluções para Distribuidores, Retalhistas e Instaladores António Afonso de Abreu Ferreira 24 de Agosto de 2008 0 Porque é

Leia mais

Arquitecto João Santa-Rita, adiante designado por Ordem dos Arquitectos;

Arquitecto João Santa-Rita, adiante designado por Ordem dos Arquitectos; Entre CONTRATO Ordem dos Arquitectos, pessoa colectiva nº 500802025, com sede em Lisboa, na Travessa do Carvalho, nº 23, representada neste acto pelo Presidente do Conselho Directivo Nacional, Arquitecto

Leia mais

GESTÃO RESÍDUOS LABORATORIAIS UNIVERSIDADE DO ALGARVE

GESTÃO RESÍDUOS LABORATORIAIS UNIVERSIDADE DO ALGARVE GESTÃO RESÍDUOS LABORATORIAIS UNIVERSIDADE DO ALGARVE 2012 1. HISTÓRIA DO GRUPO CARMONA INÍCIO Recolha de óleos usados, tratamento de slop s desmantelamento de barcos e limpezas NOVA ERA TRATAMENTO ÓLEOS

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL. Gabinete do Secretário de Estado da Segurança Social DESPACHO Nº 9-I/SESS/2008

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL. Gabinete do Secretário de Estado da Segurança Social DESPACHO Nº 9-I/SESS/2008 DESPACHO Nº 9-I/SESS/2008 O Despacho n.º 16790/2008, de 20 de Junho, 2.ª Série, criou a Medida de Apoio à Segurança dos Equipamentos Sociais, adiante designada por Medida de Apoio à Segurança, dirigida

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO DISTRIBUIDOR DAS FARMÁCIA COMUNITÁRIAS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO DISTRIBUIDOR DAS FARMÁCIA COMUNITÁRIAS Luis Figueiredo 2016.01.19 12:27:21 Z PROCEDIMENTO 1. OBJECTIVO Definição de procedimentos nos distribuidores das farmácias comunitárias aderentes à VALORMED. 2. ÂMBITO A VALORMED tem por objectivo a implementação

Leia mais

Perguntas Frequentes. Pilhas e Acumuladores. 1. Qual é a legislação nacional em vigor em matéria de Pilhas e Acumuladores?

Perguntas Frequentes. Pilhas e Acumuladores. 1. Qual é a legislação nacional em vigor em matéria de Pilhas e Acumuladores? Perguntas Frequentes Pilhas e Acumuladores 1. Qual é a legislação nacional em vigor em matéria de Pilhas e Acumuladores? É o Decreto-Lei n.º 6/2009, de 6 de Janeiro, que estabelece o regime de colocação

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ARMAZENISTA

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ARMAZENISTA Luis Figueiredo 2014.02.06 16:35:35 Z PROCEDIMENTO 1. OBJECTIVO Definição de Procedimentos nos Armazenistas que aderiram à VALORMED. 2. ÂMBITO A VALORMED tem por objectivo a implementação e gestão de um

Leia mais

MANUAL GESTÃO DE RESÍDUOS HOS INTEGRADOS EQUIPA REGIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS DEPARTAMENTO DE SAÚDE PÚBLICA JANEIRO/2011

MANUAL GESTÃO DE RESÍDUOS HOS INTEGRADOS EQUIPA REGIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS DEPARTAMENTO DE SAÚDE PÚBLICA JANEIRO/2011 MANUAL GESTÃO DE RESÍDUOS HOS OSPITALARE PITALARES PARA UNIDADES DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS EQUIPA REGIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS DEPARTAMENTO DE SAÚDE PÚBLICA ADAPTADO DO PROGRAMA

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO DOS CAMPEONATOS PORTUGUESES DE DERBY ATRELADO PARA 2009

PROPOSTA DE REGULAMENTO DOS CAMPEONATOS PORTUGUESES DE DERBY ATRELADO PARA 2009 PROPOSTA DE REGULAMENTO DOS CAMPEONATOS PORTUGUESES DE DERBY ATRELADO PARA 2009 A partir de 1 de Janeiro de 2009 entra em vigor o presente Regulamento revogando o Regulamento do Campeonato de Derbies de

Leia mais

Luís Filipe F. Ferreira DTABN, ESAS, IPS

Luís Filipe F. Ferreira DTABN, ESAS, IPS Luís Filipe F. Ferreira DTABN, ESAS, IPS RESÍDUOS 2 RESÍDUOS 3 RESÍDUOS IMPACTOS AMBIENTAIS RESÍDUOS: Quantidade Natureza POLUIÇÃO E POLUENTES: Natureza Consequências 4 RESÍDUOS: Quantidade Produção: 2000-17

Leia mais

Projecto Limpar Portugal - Manual para actuação para dia L

Projecto Limpar Portugal - Manual para actuação para dia L Projecto Limpar Portugal - Manual para actuação para dia L Introdução Breves definições: O que são resíduos? Não há uma definição única! O conceito do que são resíduos e a respectiva definição é variável

Leia mais

Inês Sofia Samouco Moreira da Silva

Inês Sofia Samouco Moreira da Silva Inês Sofia Samouco Moreira da Silva Triagem de Resíduos Hospitalares: Informação dos alunos do 2.º e 3.º ano do Curso de Licenciatura em Enfermagem da Universidade Fernando Pessoa - Porto Universidade

Leia mais

1 - Abastecimento de água 1. O estabelecimento utiliza água da rede pública?

1 - Abastecimento de água 1. O estabelecimento utiliza água da rede pública? QUESTIONÁRIO PARA DIAGNÓSTICO DE ASPECTOS AMBIENTAIS E MANEJO DE RESÍDUO DAS UNIDADE DE SAÚDE. A) Aspectos Ambientais Avaliação da estrutura Responda os itens abaixo com a seguinte legenda: Sim = S Não

Leia mais

E D I T A L Nº 130/2015

E D I T A L Nº 130/2015 E D I T A L Nº 130/2015 ALBANO JOAQUIM MESTRE PEREIRA, VEREADOR DA CÂMARA MUNICIPAL DE SANTIAGO DO CACÉM, FAÇO PÚBLICO QUE: ---------------------------------------------------- No uso da competência delegada

Leia mais

Índice. Página 1 de 7

Índice. Página 1 de 7 Índice 1 - Objectivos...2 2 - Legislação aplicável...2 3 - Enquadramento legal...2 3.1 - Limites de fornecimento...2 3.2 - Descrição de encargos...2 3.2.1 - Encargos do adjudicatário...2 3.3 - Encargos

Leia mais

DIPLOMA ÂMBITO DE APLICAÇÃO LEGISLAÇÃO TRANSPOSTA OBSERVAÇÕES IMPORTÂNCIA NO CONTEXTO DO PERH GESTÃO DE RESÍDUOS

DIPLOMA ÂMBITO DE APLICAÇÃO LEGISLAÇÃO TRANSPOSTA OBSERVAÇÕES IMPORTÂNCIA NO CONTEXTO DO PERH GESTÃO DE RESÍDUOS GESTÃO DE RESÍDUOS Portaria n.º 1127/2009, de 1 de Outubro [Republicada pela Portaria n.º 1324/2010, de 29 de Dezembro] Art.º 121.º da Lei n.º 64- A/2008, de 31 de Dezembro Aprova o Regulamento Relativo

Leia mais

CONTRATO. a) Nos termos do nº 1 do artigo 4º, os operadores económicos são coresponsáveis pela gestão das pilhas e acumuladores usados;

CONTRATO. a) Nos termos do nº 1 do artigo 4º, os operadores económicos são coresponsáveis pela gestão das pilhas e acumuladores usados; CONTRATO Entre: a) Ecopilhas, Sociedade Gestora de Resíduos de Pilhas e Acumuladores, Lda., sociedade comercial por quotas, com sede na Praça Nuno Rodrigues dos Santos, 7, 1600-171 Lisboa, pessoa colectiva

Leia mais

CADERNO DE ENCARGOS SELECÇÃO DE UM PONTO DE RECOLHA NO DISTRITO DE VISEU CADERNO DE ENCARGOS ÍNDICE. SECÇÃO I Disposições Gerais 2

CADERNO DE ENCARGOS SELECÇÃO DE UM PONTO DE RECOLHA NO DISTRITO DE VISEU CADERNO DE ENCARGOS ÍNDICE. SECÇÃO I Disposições Gerais 2 Folha 1/15 CADERNO DE ENCARGOS ÍNDICE SECÇÃO I Disposições Gerais 2 SECÇÃO II Apresentação de propostas 7 SECÇÃO III Selecção e celebração de contrato 12 SECÇÃO IV Disposições Finais 13 Anexos: Anexo I

Leia mais

MINISTÉRIO DAS ACTIVIDADES ECONÓMICAS E DO TRABALHO MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO LICENÇA

MINISTÉRIO DAS ACTIVIDADES ECONÓMICAS E DO TRABALHO MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO LICENÇA LICENÇA Licenciamento de uma entidade gestora de resíduos de embalagens, ao abrigo do preceituado no Decreto-Lei n.º 366-A/97, de 20 de Dezembro, na redacção introduzida pelo Decreto-Lei n.º 162/2000,

Leia mais

Questões Frequentes sobre a Taxa Turística de Dormida do Município de Lisboa

Questões Frequentes sobre a Taxa Turística de Dormida do Município de Lisboa Questões Frequentes sobre a Taxa Turística de Dormida do Município de Lisboa Nota: o elenco de perguntas e respostas que se segue visa apenas enquadrar algumas das questões colocadas pelos nossos associados

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA (REGULAMENTO (CE) n 1907/2006 - REACH) Versão 2.1 (30/01/2014) - Página 1/5 FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA (Regulamento REACH (CE) nº 1907/2006 - nº 453/2010) SECÇÃO 1: IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS DE HIGIENE

CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS DE HIGIENE Grupo Águas de Portugal CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS DE HIGIENE no Sistema de Abastecimento da EPAL edição 01-2012 A Epal - Empresa Portuguesa das Águas Livres, S.A., garante a qualidade do serviço prestado,

Leia mais

[SELO ALIMENTO SEGURO] 08 de Maio de 2009

[SELO ALIMENTO SEGURO] 08 de Maio de 2009 2 Lista de Verificação Geral Selo Alimento Seguro Lista de Verificação Geral com a finalidade de examinar todos os aspectos relacionados com as instalações, equipamentos, ferramentas, instrumentos utilizados

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA (Regulamento REACH (CE) nº 1907/2006 - nº 453/2010)

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA (Regulamento REACH (CE) nº 1907/2006 - nº 453/2010) FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA (REGULAMENTO CE N.o 1907/2006 - REACH) Data: 30/01/2012 Página 1/5 FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA (Regulamento REACH (CE) nº 1907/2006 - nº 453/2010) SECÇÃO 1: IDENTIFICAÇÃO DA

Leia mais

Agenda. Fluxos financeiros. Como preencher a declaração anual. Reciclagem de embalagens. Multipacks. Valores Ponto Verde 2013

Agenda. Fluxos financeiros. Como preencher a declaração anual. Reciclagem de embalagens. Multipacks. Valores Ponto Verde 2013 JORNADAS TÉCNICAS Lisboa, 13 Dezembro 2012 Agenda 2 Fluxos financeiros Como preencher a declaração anual Reciclagem de embalagens Multipacks Valores Ponto Verde 2013 Fluxos financeiros 3 Fluxos financeiros

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA (REGULAMENTO CE N.o 1907/2006) Data: 17/02/2010 Página 1/5 FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA 1 IDENTIFICAÇÃO DA SUBSTÂNCIA/PREPARAÇÃO E DA SOCIEDADE / EMPRESA Identificação da substância/preparação:

Leia mais

Revisão das Guidelines sobre Boas Práticas de Distribuição

Revisão das Guidelines sobre Boas Práticas de Distribuição LIFE SCIENCES Newsletter 2/2013 Março /Abril Revisão das Guidelines sobre Boas Práticas de Distribuição No passado dia 8 de Março, foram publicadas, no Jornal Oficial da União Europeia, as novas Guidelines

Leia mais

Procedimento nº 17/2014

Procedimento nº 17/2014 / REGIME GERAL AJUSTE DIRETO CADERNO DE ENCARGOS (ALÍNEA A) DO Nº 1 DO ARTIGO 20º DO DECRETO-LEI Nº18/2008 DE 29 DE JANEIRO, ALTERADO E REPUBLICADO PELO DECRETO-LEI Nº278/2009 DE 02 DE OUTUBRO) Procedimento

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA (REGULAMENTO CE N.o 1907/2006 - REACH) Data: 29/06/2011 Página 1/5 FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA (Regulamento REACH (CE) nº 1907/2006 - nº 453/2010) SECÇÃO 1: IDENTIFICAÇÃO DA

Leia mais

Atributos da Proposta e Preço Contratual

Atributos da Proposta e Preço Contratual Atributos da Proposta e Preço Contratual António José da Silva Coutinho, portador do cartão de cidadão nº. 08419828, com domicílio profissional na Rua Castilho, 165, 4º, 1070-050 Lisboa, na qualidade de

Leia mais

Reunião com Maria João da SPP

Reunião com Maria João da SPP Reunião com Maria João da SPP Fui a Lisboa dia 26 de Novembro de 2007 Nomeação de médicos para contactos com imprensa: Norte: José Luís Centro: Helena Sul: Leonor Reunião com Maria João da SPP Curso da

Leia mais

Prestação de Serviços Capítulo I. Disposições Gerais. Cláusula 1ª (Objecto)

Prestação de Serviços Capítulo I. Disposições Gerais. Cláusula 1ª (Objecto) Prestação de Serviços Capítulo I Disposições Gerais Cláusula 1ª (Objecto) O presente Caderno de Encargos compreende as cláusulas que têm por objecto principal a Prestação de Serviços de Fiscal Único. Cláusula

Leia mais

Ficha Técnica de Fiscalização

Ficha Técnica de Fiscalização FTF: 64//07 IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO Nome/Designação Social: Morada: IDENTIFICAÇÃO DA BRIGADA Brigada: Direcção Regional: Data de Controlo: / / Hora: h m LEGISLAÇÃO APLICÁVEL: Licenciamento: o

Leia mais

Projecto Limpar Portugal - Manual para actuação para dia L

Projecto Limpar Portugal - Manual para actuação para dia L Projecto Limpar Portugal - Manual para actuação para dia L Introdução Breves definições: O que são resíduos? Não há uma definição única! O conceito do que são resíduos e a respectiva definição é variável

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA (REGULAMENTO (CE) n 1907/2006 - REACH) Data : 11/05/2015 Página 1/6 FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA (Regulamento REACH (CE) nº 1907/2006 - nº 453/2010) SECÇÃO 1: IDENTIFICAÇÃO DA

Leia mais

Direção de Serviços de Saúde e Proteção Animal PERGUNTAS E RESPOSTAS FREQUENTES SOBRE ANIMAIS DE COMPANHIA E LEGISLAÇÃO DE BASE

Direção de Serviços de Saúde e Proteção Animal PERGUNTAS E RESPOSTAS FREQUENTES SOBRE ANIMAIS DE COMPANHIA E LEGISLAÇÃO DE BASE PERGUNTAS E RESPOSTAS FREQUENTES SOBRE ANIMAIS DE COMPANHIA E LEGISLAÇÃO DE BASE Lista e número das perguntas P1 - Como ser um dono responsável de um animal de companhia? P2 - Qual o número máximo de animais

Leia mais

CÓDIGOS REGIME DE ACESSO E EXERCÍCIO DA ATIVIDADE DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS COM VEÍCULOS PRONTO-SOCORRO TERMOS DE DISPONIBILIZAÇÃO E DE UTILIZAÇÃO

CÓDIGOS REGIME DE ACESSO E EXERCÍCIO DA ATIVIDADE DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS COM VEÍCULOS PRONTO-SOCORRO TERMOS DE DISPONIBILIZAÇÃO E DE UTILIZAÇÃO CÓDIGOS REGIME DE ACESSO E EXERCÍCIO DA ATIVIDADE DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS COM VEÍCULOS PRONTO-SOCORRO TERMOS DE DISPONIBILIZAÇÃO E DE UTILIZAÇÃO A seleção dos textos legislativos disponibilizados no sitio

Leia mais

da Uniiversiidade de Évora

da Uniiversiidade de Évora Universidade de Évora Rellatóriio sobre o Inquériito aos Liicenciiados da Uniiversiidade de Évora Pró-Reitoria para a Avaliação e Política da Qualidade Jacinto Vidigal da Silva Luís Raposo Julho de 2010

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA Diploma: CIVA Artigo: Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Decreto-Lei n.º 147/2003, de 11 de julho RBC Resíduos Hospitalares Processo: nº 5110, por despacho de 2013-07-22, do SDG do IVA, por delegação do Director

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Processo:

FICHA DOUTRINÁRIA. Processo: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: CIVA Artigo: 1º 29º Assunto: Empresa não residente Armazém em Portugal T909 2006018 despacho do SDG dos Impostos, em substituição do Director- Geral, em 24-02-06 Conteúdo: 1.

Leia mais

CONTRATO PARA AQUISIÇÃO DE SERVIÇO DE SEGUROS Nº CP 001/ENB/2014

CONTRATO PARA AQUISIÇÃO DE SERVIÇO DE SEGUROS Nº CP 001/ENB/2014 CONTRATO PARA AQUISIÇÃO DE SERVIÇO DE SEGUROS Nº CP 001/ENB/2014 Entre: A Escola Nacional de Bombeiros, NIF 503 657 190, com sede na Quinta do Anjinho, São Pedro de Penaferrim - 2710-460 Sintra, neste

Leia mais

RELATÓRIO FRANCHISING

RELATÓRIO FRANCHISING RELATÓRIO FRANCHISING ESTUDO DO PERFIL E SATISFAÇÃO DO FRANCHISADO EM PORTUGAL JULHO 2013 Índice ENQUADRAMENTO... 3 METODOLOGIA (FICHA TÉCNICA)... 4 ANÁLISE DE RESULTADOS... 5 CARACTERIZAÇÃO DO FRANCHISADO...

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa Assunto: Medidas preventivas de comportamentos agressivos/violentos de doentes - contenção física Nº: 08/DSPSM/DSPCS DATA: 25/05/07 Para: Contacto na DGS: ARS, Hospitais do SNS, Serviços Locais e Regionais

Leia mais

Módulo 21 Comércio Internacional

Módulo 21 Comércio Internacional Escola Secundária de Paços de Ferreira 2009/2010 Módulo 21 Comércio Internacional Exportação e Importação Trabalho realizado por: Tânia Leão n.º19 12.ºS Importação e Exportação A Exportação é a saída de

Leia mais

Q1 Há quanto tempo se graduou em Medicina Veterinária?

Q1 Há quanto tempo se graduou em Medicina Veterinária? Q1 Há quanto tempo se graduou em Medicina Veterinária? Respondidas: Ignoradas: 0 < 10 anos 10 a 20 anos 20 a 30 anos > 30 anos Opções de resposta < 10 anos 10 a 20 anos 20 a 30 anos > 30 anos Respostas

Leia mais

Critérios de decisão na escolha dos dispositivos médicos. Departamento da Qualidade na Saúde. Divisão da Qualidade Clínica e Organizacional

Critérios de decisão na escolha dos dispositivos médicos. Departamento da Qualidade na Saúde. Divisão da Qualidade Clínica e Organizacional Amália Espada IACS DA GESTÃO À PRÁTICA CLINICA I. as JORNADAS DE CONTROLO DA INFECÇÃO DO CENTRO HOSPITALAR DO PORTO 8e 9de Novembro de 2010 HOSPITAL DE SANTO ANTÓNIO Auditório Profº Alexandre Moreira Critérios

Leia mais

RESÍDUOS HOSPITALARES 2005 RELATÓRIO

RESÍDUOS HOSPITALARES 2005 RELATÓRIO RESÍDUOS HOSPITALARES 2005 RELATÓRIO (Artigo 5º da Portaria n.º 178/97, de 11 de Março) DIRECÇÃO GERAL DA SAÚDE DIVISÃO DE SAÚDE AMBIENTAL JULHO 2006 ÍNDICE GERAL ÍNDICE DE TABELAS...I ÍNDICE DE GRÁFICOS...III

Leia mais

XXIII TASQUINHAS PORTO DE MÓS FESTAS DE SÃO PEDRO 2015

XXIII TASQUINHAS PORTO DE MÓS FESTAS DE SÃO PEDRO 2015 ARTIGO 1º (Objecto e Âmbito) XXIII TASQUINHAS PORTO DE MÓS FESTAS DE SÃO PEDRO REGULAMENTO O presente Regulamento tem por objectivo a definição das condições de realização da XXIII edição das Tasquinhas

Leia mais

Perguntas Frequentes Pneus Usados

Perguntas Frequentes Pneus Usados Perguntas Frequentes Pneus Usados 1. Qual a legislação em vigor em matéria de gestão de pneus usados? O Decreto-Lei n.º 111/2001, de 6 de Abril, estabelece os princípios e as normas aplicáveis à gestão

Leia mais

Normas de Contratação de Publicidade

Normas de Contratação de Publicidade Normas de Contratação de Publicidade Outdoors Eletrónicos (LEDS) e Mupi 1. Disposições Gerais 1.1 A contratação de publicidade a difundir pela Urbhorta EEM nos espaços publicitários (Outdoors eletrónicos

Leia mais

HASTA PÚBLICA PARA ALIENAÇÃO DE SUCATA CADERNO DE ENCARGOS

HASTA PÚBLICA PARA ALIENAÇÃO DE SUCATA CADERNO DE ENCARGOS HASTA PÚBLICA PARA ALIENAÇÃO DE SUCATA CADERNO DE ENCARGOS Cláusula 1ª Objecto do procedimento Constitui objecto deste procedimento a venda de sucata vária. Cláusula 2ª Identificação da sucata Material

Leia mais

Município do Funchal

Município do Funchal Concurso público para a aquisição de 1485 sinais de trânsito retroreflectorizados e 40 cones como dispositivos complementares para o Município do Funchal. CADERNO DE ENCARGOS - 1 - CADERNO DE ENCARGOS

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS, TARIFAS E PREÇOS (ALTERAÇÃO)

REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS, TARIFAS E PREÇOS (ALTERAÇÃO) REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS, TARIFAS E PREÇOS (ALTERAÇÃO) A - ALTERAÇÕES AO REGULAMENTO 1. Alteração do art.º 4º: Artigo 4º - Isenções 1- ( ) 2- ( ) 3- As entidades referidas em 1, através da apresentação

Leia mais

NORMA TÉCNICA. 1. Finalidade

NORMA TÉCNICA. 1. Finalidade 1. Finalidade Disciplinar os procedimentos administrativos e operacionais para o correto gerenciamento de resíduos gerados em operações portuárias, manutenção de máquinas e equipamentos e atendimento a

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO. DECRETO LEI N.º 8/2003, de 18 de Junho 2003 REGULAMENTO DE ATRIBUI ÇÃO E USO DOS VEÍCULOS DO ESTADO

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO. DECRETO LEI N.º 8/2003, de 18 de Junho 2003 REGULAMENTO DE ATRIBUI ÇÃO E USO DOS VEÍCULOS DO ESTADO REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO DECRETO LEI N.º 8/2003, de 18 de Junho 2003 REGULAMENTO DE ATRIBUI ÇÃO E USO DOS VEÍCULOS DO ESTADO O Governo decreta, nos termos da alínea d) do artigo 116.º

Leia mais

MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR

MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR Entre O Primeiro Outorgante, A Administração Regional de Saúde de. IP, adiante

Leia mais

PROJETO DE REGULAMENTO DO PAVILHÃO GIMNODESPORTIVO NORMA JUSTIFICATIVA

PROJETO DE REGULAMENTO DO PAVILHÃO GIMNODESPORTIVO NORMA JUSTIFICATIVA PROJETO DE REGULAMENTO DO PAVILHÃO GIMNODESPORTIVO NORMA JUSTIFICATIVA O Pavilhão Gimnodesportivo Municipal, constituído pelo recinto de jogos principal, ginásio e sala de musculação, é propriedade da

Leia mais

ELEIÇÃO DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ELEIÇÃO DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Círculo eleitoral dos Açores Aliança Açores Partido Social Democrata Partido Democrático do Atlântico CDS-PP. PPD/D PDA Círculo eleitoral de Aveiro Partido Cidadania e Democracia Cristã PPV/CDC PPD/D.

Leia mais

QUESTIONÁRIO A SOCIEDADE DIGITAL E O NOVO PERFIL DO TÉCNICO OFICIAL DE CONTAS

QUESTIONÁRIO A SOCIEDADE DIGITAL E O NOVO PERFIL DO TÉCNICO OFICIAL DE CONTAS Contacto: nelma.marq@gmail.com QUESTIONÁRIO A SOCIEDADE DIGITAL E O NOVO PERFIL DO TÉCNICO OFICIAL DE CONTAS O presente questionário pretende servir de apoio ao desenvolvimento de um estudo relacionado

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE AS ACTIVIDADES DE ENSINO E INVESTIGAÇÃO E A ACTIVIDADE CLÍNICA

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE AS ACTIVIDADES DE ENSINO E INVESTIGAÇÃO E A ACTIVIDADE CLÍNICA UNL Universidade Nova de Lisboa CHL ZC Centro Hospitalar de Lisboa Zona Central PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE AS ACTIVIDADES DE ENSINO E INVESTIGAÇÃO E A ACTIVIDADE CLÍNICA Nos termos do regime jurídico

Leia mais

Biotecnologia Enquadramento Normativo da Segurança e Higiene no Trabalho

Biotecnologia Enquadramento Normativo da Segurança e Higiene no Trabalho Biotecnologia Enquadramento Normativo da Segurança e Higiene no Trabalho Maria Helena Franco, Alice C. Rodrigues, João Paulo Sousa Direcção de Serviços de Prevenção de Riscos Profissionais (DSPRP), Instituto

Leia mais

Normas conjuntas da Comissão de Controlo da Infecção e do Serviço de Saúde Ocupacional

Normas conjuntas da Comissão de Controlo da Infecção e do Serviço de Saúde Ocupacional NORMA DE PROCEDIMENTO Nº3 COMISSÃO DE CONTROLO DA INFECÇÃO E SERVIÇO DE SAÚDE OCUPACIONAL Elaborado em Agosto de 2009 Revisão nº Próxima revisão Assunto: RECOMENDAÇÕES PARA A PREVENÇÃO E CONTROLO DA INFECÇÃO

Leia mais

RESÍDUOS HOSPITALARES

RESÍDUOS HOSPITALARES RESÍDUOS HOSPITALARES Resíduos hospitalares Resíduos resultantes de actividades médicas desenvolvidas em unidades de prestação de cuidados de saúde, em actividades de prevenção, diagnóstico, tratamento,

Leia mais

Vendas de Medicamentos Não Sujeitos a Receita Médica fora das Farmácias (MNSRM) janeiro - junho 2013

Vendas de Medicamentos Não Sujeitos a Receita Médica fora das Farmácias (MNSRM) janeiro - junho 2013 Vendas de Medicamentos Não Sujeitos a Receita Médica fora das Farmácias (MNSRM) janeiro - junho 2013 Gabinete de Estudos e Projetos do INFARMED I.P. (31 de julho de 2013) 1. Enquadramento 2. Sumário Executivo

Leia mais

ALTERAÇÕES AO REGULAMENTO DO CENTRO DE RECOLHA ANIMAL DE CANTANHEDE. Preâmbulo

ALTERAÇÕES AO REGULAMENTO DO CENTRO DE RECOLHA ANIMAL DE CANTANHEDE. Preâmbulo ALTERAÇÕES AO REGULAMENTO DO CENTRO DE RECOLHA ANIMAL DE CANTANHEDE Preâmbulo O Centro de Recolha Animal de Cantanhede constitui a valência central no âmbito da recolha, captura e abate compulsivo de animais

Leia mais

Transporte de resíduos em território nacional

Transporte de resíduos em território nacional Transporte de resíduos nacional Versão 1: outubro de 2015 em território Transporte de resíduos em território nacional Índice 1 Legislação aplicável ao transporte de resíduos em território nacional... 3

Leia mais

REGULAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS LIMPEZA PÚBLICA

REGULAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS LIMPEZA PÚBLICA REGULAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E LIMPEZA PÚBLICA ÍNDICE CAPÍTULO I...5 DISPOSIÇÕES GERAIS...5 Artigo 1º... 5 Âmbito... 5 Artigo 2º... 5 Competências... 5 CAPÍTULO II...5 TIPOS DE RESÍDUOS SÓLIDOS...5

Leia mais

Decreto Regulamentar n.º 41/90 de 29 de Novembro

Decreto Regulamentar n.º 41/90 de 29 de Novembro Decreto Regulamentar n.º 41/90 de 29 de Novembro O Decreto-Lei n.º 497/88, de 30 de Dezembro, estabelece o regime de férias, faltas e licenças dos funcionários e agentes da Administração Pública, disciplinando,

Leia mais

Concurso público para a prestação de serviços de iluminação, som e palco para a Feira do Livro a realizar entre 20 e 29 de Maio de 2011

Concurso público para a prestação de serviços de iluminação, som e palco para a Feira do Livro a realizar entre 20 e 29 de Maio de 2011 Concurso público para a prestação de serviços de iluminação, som e palco para a Feira do Livro a realizar entre 20 e 29 de Maio de 2011 Programa de concurso CMF Abril de 2011 Programa de concurso Pág.

Leia mais

Definição e classificação

Definição e classificação Definição A gestão de resíduos urbanos Qual o nosso papel? Definição e classificação «Resíduo» qualquer substância ou objecto de que o detentor se desfaz ou tem a intenção ou a obrigação de se desfazer,

Leia mais

Ficha de Segurança. 1. Identificação da preparação e da companhia

Ficha de Segurança. 1. Identificação da preparação e da companhia 1. Identificação da preparação e da companhia Nome do Produto/Preparação Código do produto Uso específico Ver Ficha Técnica do Produto. Métodos de aplicação Ver Ficha Técnica do Produto. Nome da Empresa

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA Página 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Produto: Utilização: VERSÁTIL LIMPADOR CAPIM SANTO Detergente com aroma de capim limão ideal para a limpeza de pavimentos, paredes, sanitários e limpeza

Leia mais

Norma de Orientação Farmacêutica Higienização das mãos Hygiènization des mains Hygienization of the hands

Norma de Orientação Farmacêutica Higienização das mãos Hygiènization des mains Hygienization of the hands p. 1 de 10k Norma de Orientação Farmacêutica Higienização das mãos Hygiènization des mains Hygienization of the hands 1ª EDIÇÃO Janeiro de p. 2 de 10k p. 3 de 10k Índice Introdução... 4 Campo de aplicação...

Leia mais

Constituem receitas das freguesias o produto da cobrança de taxas, nomeadamente provenientes da prestação de serviços pelas freguesias;

Constituem receitas das freguesias o produto da cobrança de taxas, nomeadamente provenientes da prestação de serviços pelas freguesias; Considerando que: Se torna necessário aprovar um novo Regulamento das Taxas a aplicar pela Junta de Freguesia pela prestação de serviços administrativos, em ordem à sua harmonização com a recente produção

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA Regulamento Contra a Violência, Racismo, Xenofobia e Intolerância (*) Disposições gerais Artigo 1.º Objecto O presente regulamento visa o combate à violência, ao racismo, à xenofobia e à intolerância nas

Leia mais

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO Mestrado em Química Têxtil _Página 1 de 100_ CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO O uso de batas cirúrgicas e de campos operatórios como forma de protecção dos pacientes contra possíveis infecções na sala de operações

Leia mais

CASA DE REPOUSO DE COIMBRA

CASA DE REPOUSO DE COIMBRA CASA DE REPOUSO DE COIMBRA EXPERIÊNCIA EM PREVENÇÃO E CONTROLO DE INFECÇÃO Maio, 2016 CASA DE REPOUSO DE COIMBRA Grupo de coordenação local PPCIRA Dr.ª Maria de Lurdes Enf.ª Inês Palhinha Enf.ª Joana Jardim

Leia mais

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA. Decreto-Lei n.º 128/2006 de 5 de Julho

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA. Decreto-Lei n.º 128/2006 de 5 de Julho MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA Decreto-Lei n.º 128/2006 de 5 de Julho O n.º 1 do artigo 117.º do Código da Estrada, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 114/94, de 3 de Maio, na última redacção que lhe foi

Leia mais

Plataforma móvel de trabalho em altura Manual de Instruções

Plataforma móvel de trabalho em altura Manual de Instruções Spot Picker V 0.1 Plataforma móvel de trabalho em altura Manual de Instruções SPOT JET Serviços de Manutenção Industrial, Lda Rua D. Luís de Noronha n.º 22, 4 Dto. 1050-072 Lisboa Portugal Tel. (+351)

Leia mais

ASSUNTO: Convite para apresentação de proposta Ajuste Directo para Fornecimento de Material de Escritório Nº 3/ 2012-2013

ASSUNTO: Convite para apresentação de proposta Ajuste Directo para Fornecimento de Material de Escritório Nº 3/ 2012-2013 À JOBRILE, LDA. Rua Monte dos Congregados, 70 4000-338 Porto Porto, 30 de Agosto de 2012 ASSUNTO: Convite para apresentação de proposta Ajuste Directo para Fornecimento de Material de Escritório Nº 3/

Leia mais

Regulamento Municipal de Resíduos Sólidos

Regulamento Municipal de Resíduos Sólidos Regulamento Municipal de Resíduos Sólidos Índice CAPÍTULO I Disposições Gerais... 1 CAPÍTULO II Tipos de Resíduos Sólidos... 2 CAPÍTULO III Definição do Sistema Municipal para a Gestão dos Resíduos Sólidos

Leia mais

Novo cluster para a mobilidade congrega 50 a 60 entidades

Novo cluster para a mobilidade congrega 50 a 60 entidades A1 Tiragem: 55364 Pág: 11 Área: 29,32 x 33,18 cm² Corte: 1 de 5 Novo cluster para a mobilidade congrega 50 a 60 entidades O plano nacional de apoio à introdução do carro eléctrico envolve empresas, institutos

Leia mais

NATALIDADE, MORTALIDADE INFANTIL, FETAL E PERINATAL 2006/2010

NATALIDADE, MORTALIDADE INFANTIL, FETAL E PERINATAL 2006/2010 ESTATÍSTICAS NATALIDADE, MORTALIDADE INFANTIL, FETAL E PERINATAL 2006/2010 D I R E C Ç Ã O - G E R A L D A S A Ú D E L I S B O A ESTATÍSTICAS NATALIDADE, MORTALIDADE INFANTIL, FETAL E PERINATAL 2006/2010

Leia mais

CONDUTAS EM CASOS SUPEITOS DE SÍNDROME RESPIRATÓRIA AGUDA GRAVE SRAG Espécimes clínicos procedentes de casos suspeitos

CONDUTAS EM CASOS SUPEITOS DE SÍNDROME RESPIRATÓRIA AGUDA GRAVE SRAG Espécimes clínicos procedentes de casos suspeitos Centro Nacional de Epidemiologia Elenice Deffune www.hemocentro.fmb.unesp.br CONDUTAS EM CASOS SUPEITOS DE SÍNDROME RESPIRATÓRIA AGUDA GRAVE SRAG Espécimes clínicos procedentes de casos suspeitos O agente

Leia mais

Procedimento de Contratação. (artº 5º do CCP Contratação Excluída) Procedimento 5/2013

Procedimento de Contratação. (artº 5º do CCP Contratação Excluída) Procedimento 5/2013 Procedimento de Contratação (artº 5º do CCP Contratação Excluída) Procedimento 5/2013 Aquisição de Serviços de Consultores-formadores de Ligação e Especialistas para a execução do Projecto nº 084749/2012/831

Leia mais