ELIMINAÇÃO DE RESÍDUOS PERIGOSOS PRODUZIDOS NA FCUL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ELIMINAÇÃO DE RESÍDUOS PERIGOSOS PRODUZIDOS NA FCUL"

Transcrição

1 ELIMINAÇÃO DE RESÍDUOS PERIGOSOS PRODUZIDOS NA FCUL "A gestão do resíduo constitui parte integrante do seu ciclo de vida, sendo da responsabilidade do respetivo produtor. (Decreto Lei n.º 178/2006 de 5 de Setembro, que estabelece o regime geral da gestão de resíduos) Como produtor de resíduos perigosos, a FCUL tem a obrigação de implementar uma política de gestão de resíduos perigosos resultantes da sua atividade que cumpra os requisitos das normas legais. A FCUL tem que assumir um papel ativo na preservação de um meio ambiente saudável através da aplicação de boas práticas ambientais, da transferência de conhecimento nessa área e da sensibilização de colaboradores, alunos e visitantes. Uma correta gestão dos resíduos é, para além de uma imposição legal, uma obrigação de uma Escola de Ciências. O presente documento define as regras de eliminação de resíduos perigosos produzidos pelas atividades lectivas e de investigação nos laboratórios da FCUL, não sendo permitida a eliminação intencional, para o meio ambiente, de resíduos químicos ou de substâncias perigosas. Os responsáveis de cada laboratório devem garantir que todos os seus colaboradores cumprem as regras de eliminação de resíduos perigosos, sendo responsáveis pela recolha, armazenamento e entrega dos resíduos devidamente identificados e acondicionados para posterior tratamento e/ou eliminação por empresa licenciada para o efeito. Os custos associados à eliminação dos resíduos provenientes de atividades de investigação são suportados pelos respetivos grupos de investigação. A gestão de resíduos passa também por uma atitude de prevenção na produção de resíduos a qual envolve não só a redução da sua quantidade como da sua nocividade, nomeadamente através da reutilização e da alteração dos processos produtivos, por via da adoção de tecnologias mais limpas, segundo os doze princípios da Química Verde. A opção por reagentes menos perigosos e a minimização da produção de resíduos é sempre a melhor solução ambiental e financeira para uma boa política de gestão dos resíduos. Junho de 2011 A Direcção da FCUL Versão 1.1 Página 1 de 10

2 1. TIPOS DE RESÍDUOS PERIGOSOS 1.1. RESÍDUOS LÍQUIDOS PERIGOSOS (RISCO QUÍMICO E BIOLÓGICO), exceto citostáticos e outros considerados do grupo IV. Tabela 1. Resíduos líquidos perigosos. Para mais informações consultar Código Designação do resíduo Exemplos Preço Cuidados específicos L.E.R* Solventes Não Álcoois, cetonas, hidrocarbonetos, ,80 /L Halogenados formaldeído, fenol Solventes Halogenados Clorofórmio, diclorometano 1,80 /L Corantes Safranina, violeta de cristal, azul demetileno, fucsina, verde de malaquite 0,97 /L Ácidos ou Soluções ácidas Ácido sulfúrico, ácido clorídrico 1,70 /L Bases ou Soluções Básicas Lixívia, soluções de hidróxidos 1,70 /L Soluções contendo metais Compostos metálicos, alumina 2,00 /L Resíduos Líquidos de Fluidos orgânicos (sangue, plasma, Risco Biológico urina), culturas de microrganismos 0,74 /L Fixador Banhos de fixação de películas fotográficas 0,42 /L Revelador Banhos de revelação de películas fotográficas 0,47 /L Compostos com Mercúrio 25,50 /L Compostos não identificados 25,50 /kg *Lista Europeia de Resíduos, definida pela Portaria nº 209/2004 de 3 de Março. Acondicionamento em jerricans de 5 L, 10 L ou 25 L ou em frascos de 1L ou 2L. Estes frascos são indicados apenas para Resíduos Líquidos de Risco Biológico, uma vez que a tampa não oferece segurança para acondicionamento de Resíduos Líquidos de Risco Químico. Juntamente com o frasco/jerrican vazio, é entregue uma etiqueta específica que deve ser colada no lado oposto à abertura do jerrican. A designação do resíduo deve ser colocada antes de o frasco/jerrican começar a ser usado. Durante a utilização do jerrican deve ter se muito cuidado! Ao fechar se a tampa com demasiada força, encerra se definitivamente o jerrican, não permitindo a sua reabertura. Isto implica o tratamento e pagamento do jerrican como se estivesse cheio. Depois de cheios até à marca os frascos/jerricans devem ser encerrados. O líquido não deve ocupar toda a capacidade do recipiente por questões de segurança. Versão 1.1 Página 2 de 10

3 1.2. RESÍDUOS SÓLIDOS HOSPITALARES DE RISCO BIOLÓGICO (GRUPO III) São considerados resíduos do Grupo III: a) Todos os resíduos provenientes de quartos de enfermarias de doentes infecciosos ou suspeitos, de unidades de hemodiálise, de blocos operatórios, de salas de tratamento, de salas de autópsia e de anatomia patológica, de patologia clínica e de laboratórios de investigação, com exceção dos do Grupo IV. b) Todo o material utilizado em diálise. c) Peças anatómicas não identificáveis. d) Resíduos que resultem da administração de sangue e derivados. e) Sistemas utilizados na administração de soros e medicamentos, com exceção dos do Grupo IV. f) Sacos coletores de fluidos orgânicos e respetivos sistemas. g) Material ortopédico: talas, gessos e ligaduras gessadas contaminados ou com vestígios de sangue; material de prótese retirado a doentes. h) Fraldas e resguardos descartáveis contaminados ou com vestígios de sangue. i) Material de proteção individual utilizado em cuidados de saúde e serviços de apoio geral em que haja contacto com produtos contaminados (como luvas, máscaras, aventais e outros). Os resíduos de risco biológico (grupo III) são sujeitos a pré tratamento por autoclavagem, em unidade licenciada para o efeito, e posterior deposição em aterro de resíduos industriais banais. Versão 1.1 Página 3 de 10

4 Tabela 2. Resíduos do Grupo III. Para mais informações consultar Exemplos Peças anatómicas não identificáveis, todos os resíduos contaminados por contacto com amostras biológicas (seringas, pipetas, placas de Petri, recipientes, luvas, papel de bancada) Tipo de acondicionamento Contentor verde de 60L ou 30L Baldes ou outros recipientes de bancada, forrados com sacos de cor branca a colocar no contentor verde depois de fechados Preço 7,20 (contentor 60L) 5,00 (contentor 30L) Cuidados específicos Acondicionamento no local de produção em sacos de cor branca, dentro de recipientes de bancada. Os sacos brancos, depois de cheios a 2/3 ou sempre que se verifique necessidade de remoção, devem ser encerrados com atilho ou nó duplo e acondicionados nos contentores verdes de 60 L ou 30 L. O contentor verde deve ser forrado com um saco branco antes da sua utilização. Este saco branco deve ficar bem aberto e com uma aba de cerca de 20 cm visível no exterior do contentor. Depois do contentor verde se encontrar cheio, o saco branco deve ser totalmente acondicionado dentro do contentor e a tampa devidamente encerrada com o auxílio das roscas. Para os laboratórios onde a produção de resíduos do Grupo III é tão reduzida que não justifica a existência de um contentor verde, podem ser fornecidos recipientes de bancada, que devem ser forrados com saco de cor branca. Os sacos, depois de devidamente encerrados com atilho ou nó duplo serão entregues em local combinado, onde exista um contentor verde comum de 60 L destinado a estas recolhas. Versão 1.1 Página 4 de 10

5 1.3. RESÍDUOS HOSPITALARES ESPECÍFICOS (GRUPO IV) São considerados resíduos do Grupo IV: a) Peças anatómicas identificáveis, fetos e placentas. Órgãos, incluindo sacos de sangue e sangue conservado. b) Cadáveres de animais de experiência laboratorial. c) Materiais cortantes e perfurantes: agulhas, cateteres e todo o material invasivo. d) Produtos químicos e fármacos rejeitados, quando não sujeitos a legislação específica. e) Citostáticos e todo o material utilizado na sua manipulação e administração. Os resíduos hospitalares específicos (grupo IV) são sujeitos a tratamento por incineração. Versão 1.1 Página 5 de 10

6 Tabela 3. Resíduos do grupo IV. Para mais informações consultar Exemplos Tipo de acondicionamento Preço Cadáveres de animais, citostáticos e material usado na sua manipulação Material cortante e perfurante (agulhas, bisturis e todo o material invasivo) Fármacos rejeitados, sílicas Contentor vermelho de 60L ou 30L Baldes ou outros recipientes de bancada, forrados com saco de cor vermelha a colocar no contentor vermelho depois de fechados. Contentores específicos imperfuráveis (amarelos) Contentor vermelho de 60L ou 30L Baldes ou outros recipientes de bancada, forrados com sacos de cor vermelha a colocar no contentor vermelho depois de fechados Frascos com a identificação do resíduo a recolher 9,25 (contentor 60L) 7,00 (contentor 30L) Cuidados específicos Acondicionamento no local de produção em sacos de cor vermelha, dentro de recipientes de bancada. Os sacos vermelhos, depois de cheios a 2/3 ou sempre que se verifique necessidade de remoção, devem ser encerrados com atilho ou nó duplo e acondicionados nos contentores vermelhos de 60 L ou 30 L. Para os laboratórios onde a produção de resíduos do Grupo IV é tão reduzida que não justifica a existência de um contentor vermelho, podem ser fornecidos recipientes de bancada, que devem ser forrados com saco de cor vermelha. Os sacos, depois de devidamente encerrados com atilho ou nó duplo, serão entregues em local combinado, onde exista um contentor vermelho comum de 60 L destinado a estas recolhas. O material cortante e perfurante é acondicionado em recipientes específicos imperfuráveis (amarelos). Depois de cheios e encerrados, os recipientes são colocados nos contentores vermelhos de 60 L ou 30 L. Para os laboratórios que não têm contentor vermelho, os recipientes cheios e fechados poderão ser entregues em local combinado, onde exista um contentor vermelho comum de 60 L destinadoa estas recolhas. Acondicionamento no local de produção em frascos devidamente identificados ou em sacos de cor vermelha, dentro de recipientes de bancada. Os frascos e os sacos vermelhos, depois de encerrados, devem ser acondicionados nos contentores vermelhos de 60 L ou 30 L. Para os laboratórios que não têm contentor vermelho, podem ser fornecidos frascos ou recipientes de bancada, que devem ser forrados com saco de cor vermelha. Os frascos com a identificação do resíduo e os sacos vermelhos, depois de devidamente encerrados com atilho ou nó duplo, serão entregues em local combinado, onde exista um contentor vermelho comum de 60 L destinado estas recolhas. Versão 1.1 Página 6 de 10

7 2. INCOMPATIBILIDADE DE RESÍDUOS Tabela 4. Resíduos incompatíveis, que não podem ser armazenados no mesmo recipiente. SUBSTÂNCIAS Acetileno Ácido Acético Ácido Nítrico Ácido Oxálico Ácido Perclórico Amoníaco Nitrato de Amónia Anilina Carvão ativado Cianetos Cloratos Cobre Óxido de Crómio IV Hidrocarbonetos Peróxido de Hidrogénio Líquidos inflamáveis Mercúrio Metais Alcalinos INCOMPATÍVEL COM Cloro, bromo, flúor, cobre, prata, mercúrio Óxido de crómio IV, ácido nítrico, ácido perclórico, peróxidos, permanganato, anilina, líquidos e gases combustíveis. Ácido acético, anilina, líquido e gases combustíveis Prata, sais de mercúrio Anidrido acético, álcoois, papel, madeira, clorato de potássio, perclorato de potássio Mercúrio, hipoclorito de cálcio, iodo, bromo Ácidos, metais em pó, substâncias orgânicas ou combustíveis finamente divididos Ácido nítrico, peróxido de hidrogénio Hipoclorito de cálcio, oxidantes Ácidos Sais de amónia, ácidos, metais em pó, enxofre Acetileno, peróxido de hidrogénio Ácido acético, naftaleno, glicerina, líquidos combustíveis Flúor, cloro, bromo, peróxido de sódio Cobre, crómio, ferro, álcoois, acetonas, substâncias combustíveis Nitrato de amónia, peróxido de hidrogénio, ácido nítrico, peróxido de sódio, halogénios Acetileno, amoníaco Água, tetracloreto de carbono, halogénios Permanganato de Potássio Glicerina, etilenoglicol, ácido sulfúrico Versão 1.1 Página 7 de 10

8 3. CIRCUITO DE ELIMINAÇÃO DE RESÍDUOS NA FCUL a) Os Departamentos são responsáveis por definirem circuitos internos, garantindo que os resíduos são entregues nos locais de recolha cumprindo todas as regras estabelecidas no presente documento. b) Existem na FCUL três pontos de recolha de resíduos hospitalares do grupo III e IV e de resíduos líquidos perigosos (Edifício C2, ICAT e 1º piso do C1, por baixo do acesso entre o C1 e o C8). c) Os pontos de recolha da FCUL estão sob a responsabilidade do Gabinete de Infraestruturas e Apoio Técnico (GIAT) e o horário de recolha de resíduos é: RECOLHA DE RESÍDUOS E LEVANTAMENTO DE MATERIAL VAZIO HORÁRIO LOCAL RESPONSÁVEL CONTACTOS QUINTA FEIRA: C2 10H00 ÀS 10H30 ext QUINTA FEIRA: C1 SR. JOÃO SILVA 10H45 ÀS 11H15 QUINTA FEIRA: ICAT 11H30 ÀS 12H Fora deste horário, não se recebem resíduos d) Este horário está coordenado com o horário de recolha da Ambimed, de forma a minimizar a acumulação de resíduos nos pontos de recolha. A Ambimed faz recolhas de resíduos na FCUL à quinta feira ao início da tarde. Versão 1.1 Página 8 de 10

9 e) Os contentores, recipientes de bancada, sacos, frascos e jerricans vazios, bem como as etiquetas específicas para resíduos líquidos perigosos, são entregues pelo Sr. João Silva no mesmo horário. f) Apenas os colaboradores indicados pelos Presidentes dos departamentos ao responsável do GIAT estão autorizados a entregar resíduos e a levantar material vazio nos pontos de recolha da FCUL. g) Os resíduos só são aceites nos pontos de recolha acompanhados da respectiva requisição devidamente preenchida (ver ANEXO) e com a indicação clara do departamento produtor. h) Os frascos/jerricans e os contentores devem estar devidamente encerrados. i) Os frascos/jerricans contendo resíduos líquidos perigosos só são aceites com a designação do resíduo inscrita na etiqueta, de acordo com o exemplo: Código L.E.R Designação do resíduo Solventes Não Halogenados Solventes Halogenados Corantes Ácidos ou Soluções ácidas Bases ou Soluções Básicas Soluções contendo metais Resíduos Líquidos de Risco Biológico Fixador Revelador Compostos com Mercúrio Compostos não identificados Versão 1.1 Página 9 de 10

10 j) A Ambimed fatura o tratamento/eliminação de resíduos à FCUL, que imputa mensalmente os custos envolvidos aos departamentos. k) Os departamentos têm acesso ao relatório mensal com informação sobre os tipos e quantidades de resíduos recebidos em cada ponto de recolha e sobre os custos a imputar. l) Qualquer resíduo que não cumpra as condições de acondicionamento e as indicações relativas às etiquetas e requisições não é recebido pelo Sr. João Silva, sendo devolvido para regularização. Versão 1.1 Página 10 de 10

Riscos Ambientais e de Saúde PúblicaP

Riscos Ambientais e de Saúde PúblicaP Resíduos Hospitalares e a sua Perigosidade Segurança a e Higiene na Produção e Tratamento de Resíduos Hospitalares Riscos Ambientais e de Saúde PúblicaP 1. Gestão de Resíduos O Tratamento dos RSH é um

Leia mais

Despacho n.º 242/96. Sumário: Resíduos hospitalares.

Despacho n.º 242/96. Sumário: Resíduos hospitalares. Despacho n.º 242/96 Sumário: Resíduos hospitalares. A existência de resíduos provenientes da prestação de cuidados de saúde a seres humanos, incluindo as actividades médicas de prevenção, diagnóstico,

Leia mais

ANEXO IV. II- um armário para armazenagem de solventes, com construção resistente ao fogo.

ANEXO IV. II- um armário para armazenagem de solventes, com construção resistente ao fogo. ANEXO IV ARMAZENAMENTO DE PRODUTOS QUÍMICOS. No laboratório, almoxarifado e em locais em que se tenha que armazenar ou manipular substâncias químicas, deve-se ter em conta sua composição, pois muitas delas

Leia mais

Obrigações Legais dos Produtores de Resíduos Hospitalares e método de tratamento Cannon Hygiene

Obrigações Legais dos Produtores de Resíduos Hospitalares e método de tratamento Cannon Hygiene Seminários 2015 Resíduos Hospitalares Obrigações Legais dos Produtores de Resíduos Hospitalares e método de tratamento Cannon Hygiene Francisco Valente OBJETIVOS Informação sobre as obrigações legais dos

Leia mais

Helena Pinto [PROPOSTA VALORHOSPITAL] Proposta para o Procedimento Nº 25/CCLIN/SRLF/2012

Helena Pinto [PROPOSTA VALORHOSPITAL] Proposta para o Procedimento Nº 25/CCLIN/SRLF/2012 2011 Helena Pinto [PROPOSTA VALORHOSPITAL] Proposta para o Procedimento Nº 25/CCLIN/SRLF/2012 Para: GNR Centro Clínico De: Helena Pinto CC: Centro Clínico Data: 08.12.2011 email cari.cc.srf@gnr.pt Tel:

Leia mais

Comissão Institucional de Resíduos Químicos e Biológicos TABELAS DE INCOMPATIBILIDADES ENTRE ESPÉCIES QUÍMICAS

Comissão Institucional de Resíduos Químicos e Biológicos TABELAS DE INCOMPATIBILIDADES ENTRE ESPÉCIES QUÍMICAS TABELAS DE INCOMPATIBILIDADES ENTRE ESPÉCIES QUÍMICAS Ácidos inorgânicos 1 1 Ácidos inorgânicos Ácidos orgânicos 2 X 2 Ácidos orgânicos Bases 3 X X 3 Bases Aminas 4 X X 4 Aminas Compostos halogenados 5

Leia mais

Gerenciamento de Resíduos

Gerenciamento de Resíduos Gerenciamento de Resíduos ANVISA RDC 306/04 - REGULAMENTO TÉCNICO PARA GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DE SAÚDE veronica.schmidt@ufrgs.br O perigo do lixo hospitalar. Resíduos biológicos - culturas de microrganismos

Leia mais

Tópicos. Introdução Avaliação/gestão de riscos Normas de segurança Boas práticas laboratoriais (case study) Conclusões

Tópicos. Introdução Avaliação/gestão de riscos Normas de segurança Boas práticas laboratoriais (case study) Conclusões Boas Práticasde Trabalhoem Laboratório Olga Conde Moreira Seminário no âmbito do Projeto AGROPECUÁRIA, TECNOLOGIA ALIMENTAR E AMBIENTE APRENDER CIÊNCIA HANDS-ON Programa Ciência Viva 12 de Março de 2014

Leia mais

Manual de Segurança do Laboratório de Química

Manual de Segurança do Laboratório de Química Manual de Segurança do Laboratório de Química Universidade Federal do Pampa Campus Caçapava do Sul 1 INTRODUÇÃO O Manual de Segurança do Laboratório de Química foi elaborado com o objetivo de fornecer

Leia mais

Luís Filipe F. Ferreira DTABN, ESAS, IPS

Luís Filipe F. Ferreira DTABN, ESAS, IPS Luís Filipe F. Ferreira DTABN, ESAS, IPS RESÍDUOS 2 RESÍDUOS 3 RESÍDUOS IMPACTOS AMBIENTAIS RESÍDUOS: Quantidade Natureza POLUIÇÃO E POLUENTES: Natureza Consequências 4 RESÍDUOS: Quantidade Produção: 2000-17

Leia mais

Exemplo de resíduos. Cortantes e perfurantes não contaminados, rejeitados mas que não tenham sido utilizados em qualquer tipo de acção invasiva.

Exemplo de resíduos. Cortantes e perfurantes não contaminados, rejeitados mas que não tenham sido utilizados em qualquer tipo de acção invasiva. Resíduos Hospitalares 180101 180103* Objetos cortantes e perfurantes (exceto 18 01 03). Resíduos cujas recolha e eliminação estão sujeitos a requisitos especiais tendo em vista a prevenção de infeções.

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico Nome do Produto: Tricrômio de Masson Código: EP-11-20013 TRICRÔMIO DE MASSON Seção 1: Identificação do Produto e da Empresa Erviegas Ltda R. Lacedemônia,

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA Diploma: CIVA Artigo: Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Decreto-Lei n.º 147/2003, de 11 de julho RBC Resíduos Hospitalares Processo: nº 5110, por despacho de 2013-07-22, do SDG do IVA, por delegação do Director

Leia mais

Escola Secundária com 3.º ciclo Jorge Peixinho

Escola Secundária com 3.º ciclo Jorge Peixinho Escola Secundária com 3.º ciclo Jorge Peixinho Ciências Físico-Químicas: CEF-EM(N2) PROFESSORA: Daniela Oliveira MÓDULO 1 SEGURANÇA EM LABORATÓRIOS DE QUÍMICA Escola Secundária com 3.º ciclo Jorge Peixinho

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUíMICOS (FISPQ)

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUíMICOS (FISPQ) 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Aplicação: Redutor de ph Empresa: Micheloto Ind. e Com. de Prod. Químicos Ltda EPP Endereço: Est. Vic. Dr. Eduardo Dias de Castro Km 03 B Zona Rural Fernão/SP

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. Amarelado. Característico ph 10,00 11,50 g/cm3 ( 20ºC )

RELATÓRIO TÉCNICO. Amarelado. Característico ph 10,00 11,50 g/cm3 ( 20ºC ) RELATÓRIO TÉCNICO I - DADOS GERAIS: Nome do Produto: ÁGUA SANITÁRIA Estado Físico: Líquido Cuidados para conservação: Conservar o produto na embalagem original. Proteger do sol, do calor e da umidade.

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS As recomendações, aqui descritas, correspondem aos procedimentos necessários para implantação de um Programa de Gerenciamento de Resíduos Químicos (PGRQ) na UFPE. Essas

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MANEJO

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MANEJO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MANEJO NATAL/RN OUT/2013 GERENCIAMENTO DOS RSS PROCEDIMENTOS PLANEJADOS E IMPLEMENTADOS minimizar a produção na fonte, destinar e dispor com segurança Planejamento

Leia mais

Classifique seu Resíduo Laboratorial

Classifique seu Resíduo Laboratorial Normas para Coleta, Tratamento e Armazenagem de Resíduos Químicos da UFPR 1) Classifique o resíduo laboratorial de acordo com a Tabela 1. 2) As classes de resíduos químicos e os seus tratamentos estão

Leia mais

NORMA COGERE - RQ01/2007 ROTULAGEM, ARMAZENAMENTO E DESCARTE DE RESÍDUOS QUÍMICOS

NORMA COGERE - RQ01/2007 ROTULAGEM, ARMAZENAMENTO E DESCARTE DE RESÍDUOS QUÍMICOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PREFEITURA DO CAMPUS DIVISÃO AMBIENTAL COMISSÃO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS NORMA COGERE - RQ01/2007 ROTULAGEM, ARMAZENAMENTO E DESCARTE DE RESÍDUOS QUÍMICOS 1. Classificação

Leia mais

IT - 27 MEDIDAS DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS PERIGOSOS

IT - 27 MEDIDAS DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS PERIGOSOS IT - 27 MEDIDAS DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS PERIGOSOS SUMÁRIO ANEXOS 1 Objetivo A - Tabela de incompatibilidade entre produtos 2 Aplicação B - Programa de matérias 3 Referências normativas e bibliográficas

Leia mais

DIAGNÓSTICO DE RESÍDUOS UFPR

DIAGNÓSTICO DE RESÍDUOS UFPR 2009 DIAGNÓSTICO DE RESÍDUOS UFPR Regina Célia Zanelatto Divisão de Gestão Ambiental Prefeitura da Cidade Universitária Pró-Reitora de Administração DIAGNÓSTICO DE RESÍDUOS DA UFPR A Divisão de Gestão

Leia mais

INFECÇÃO ASSOCIADA AOS CUIDADOS DE SAÚDE (IACS)

INFECÇÃO ASSOCIADA AOS CUIDADOS DE SAÚDE (IACS) 25 de Novembro de 2008 Cristina Santos; Esmeralda Santos; Fernando Campos INFECÇÃO ASSOCIADA AOS CUIDADOS DE SAÚDE (IACS) DEFINIÇÃO É uma infecção adquirida pelos doentes em consequência dos cuidados e

Leia mais

Anexo II. Programa de Prevenção de Riscos Ambientais. Laudo Técnico Ambiental Sala de Reagentes

Anexo II. Programa de Prevenção de Riscos Ambientais. Laudo Técnico Ambiental Sala de Reagentes Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Anexo II Laudo Técnico Ambiental Sala de Reagentes CAMPUS AVANÇADO DE POÇOS DE CALDAS Instituto de Ciência e Tecnologia Diretor do Instituto Prof. Cláudio Antônio

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS NO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS NO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL - CEP CURSO TÉCNICO EM QUÍMICA GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS NO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES Vanessa Tressoldi Schneider Lajeado, novembro de

Leia mais

IT - 27 MEDIDAS DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS PERIGOSOS

IT - 27 MEDIDAS DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS PERIGOSOS IT - 27 MEDIDAS DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS PERIGOSOS SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas e bibliográficas ANEXO A - Tabela de incompatibilidade entre produtos B - Programa de matérias

Leia mais

Autoclavagem. Microondas. Manejo de Resíduos Sólidos e de Serviços de Saúde Tratamento preliminar e destinação

Autoclavagem. Microondas. Manejo de Resíduos Sólidos e de Serviços de Saúde Tratamento preliminar e destinação USP Incineração Manejo de Resíduos Sólidos e de Serviços de Saúde Profa. Dra. Vera Letticie de Azevedo Ruiz 2014 1 Deve seguir a Resolução CONAMA nº 316 de 2002 Processo cuja operação seja realizada acima

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico Nome do Produto: Reticulina Código: EP-12-20021 RETICULINA Seção 1: Identificação do Produto e da Empresa Erviegas Ltda R. Lacedemônia, 268 - São Paulo

Leia mais

www.crisagua.ind.br www.youtube.com/crisaguaindustria www.slideshare.net/crisaguaindustria www.flickr.com/crisaguaindustria

www.crisagua.ind.br www.youtube.com/crisaguaindustria www.slideshare.net/crisaguaindustria www.flickr.com/crisaguaindustria 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Cris ph - Aplicação: Nome da Empresa: Endereço: Ajustador de ph Marco Antonio Spaca Piscinas EPP Rua: João Paulino dos Santos, 150 Bairro: Atibaia

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DOS RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE POR UNIDADE GERADORA E A SEGREGAÇÃO DOS RESÍDUOS POR GRUPO.

CARACTERIZAÇÃO DOS RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE POR UNIDADE GERADORA E A SEGREGAÇÃO DOS RESÍDUOS POR GRUPO. 1 Unidade ou serviço Descrição do Resíduo Grupo Estado -Secreções, excreções, e outros fluidos orgânicos. -Recipientes e materiais resultantes do processo de assistência à saúde, que não contenha sangue

Leia mais

AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Procedimentos e normas de segurança em laboratórios escolares parte 1

AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Procedimentos e normas de segurança em laboratórios escolares parte 1 AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Procedimentos e normas de segurança em laboratórios escolares parte 1 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL - 3º ANO DO ENSINO MÉDIO OBJETIVO Propor e explicar procedimentos padrão

Leia mais

MANUAL DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO: NOÇÕES GERAIS. LABORATÓRIO DE QUÍMICA.

MANUAL DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO: NOÇÕES GERAIS. LABORATÓRIO DE QUÍMICA. MANUAL DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO: NOÇÕES GERAIS. LABORATÓRIO DE QUÍMICA. 1 Introdução. Na escola dedicada ao ensino técnico profissionalizante, encontram se vários laboratórios para diversas áreas

Leia mais

GESTÃO RESÍDUOS LABORATORIAIS UNIVERSIDADE DO ALGARVE

GESTÃO RESÍDUOS LABORATORIAIS UNIVERSIDADE DO ALGARVE GESTÃO RESÍDUOS LABORATORIAIS UNIVERSIDADE DO ALGARVE 2012 1. HISTÓRIA DO GRUPO CARMONA INÍCIO Recolha de óleos usados, tratamento de slop s desmantelamento de barcos e limpezas NOVA ERA TRATAMENTO ÓLEOS

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO POP UFMG/PRA/DGA-PGRQ/AC 01/2014. Acondicionamento de Resíduos Químicos das Unidades Geradoras.

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO POP UFMG/PRA/DGA-PGRQ/AC 01/2014. Acondicionamento de Resíduos Químicos das Unidades Geradoras. Página 2 de 18 Sumário 1 OBJETIVO... 3 2 RESULTADOS ESPERADOS... 3 3 APLICAÇÃO E RESPONSABILIDADES... 3 4 RECURSOS NECESSÁRIOS... 4 5 DEFINIÇÕES... 4 6 PROCEDIMENTOS... 5 6.1 Procedimentos Gerais... 5

Leia mais

VI-172 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE ANÁLISES LABORATORIAIS EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL

VI-172 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE ANÁLISES LABORATORIAIS EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 3 - Joinville - Santa Catarina VI-172 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE ANÁLISES LABORATORIAIS EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR

Leia mais

Sistema globalmente harmonizado de classificação e rotulagem de produtos químicos (GHS)

Sistema globalmente harmonizado de classificação e rotulagem de produtos químicos (GHS) Sistema globalmente harmonizado de classificação e rotulagem de produtos químicos (GHS) (ANTT 420) Definição das classes de risco PROPORÇÃO ENTRE OS SÍMBOLOS A SEGUIR ESTÁ ALTERADA. 1 - Explosivos 2 -

Leia mais

Guia Prático de Descarte de Resíduos no Instituto Butantan

Guia Prático de Descarte de Resíduos no Instituto Butantan Guia Prático de Descarte de Resíduos no Instituto Butantan São Paulo 2013 Guia Prático: Descarte de Resíduos no Instituto Butantan Prefácio Apresentação Capítulo 1: Objetivo, abrangência, regulamentação

Leia mais

MANUAL DE SEGURANÇA PARA ATIVIDADES NO LACER

MANUAL DE SEGURANÇA PARA ATIVIDADES NO LACER MANUAL DE SEGURANÇA PARA ATIVIDADES NO LACER SUMÁRIO: I. INTRODUÇÃO II. SEGURANÇA III. PROCEDIMENTOS PARA DESCARTE DE RESÍDUOS GERADOS EM LABORATÓRIO IV. ALGUNS PRODUTOS QUÍMICOS PERIGOSOS I - INTRODUÇÃO

Leia mais

J. GESTÃO DOS RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO

J. GESTÃO DOS RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO J. GESTÃO DOS RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO ENQUADRAMENTO LEGAL Face à necessidade da criação de condições legais para a correta gestão dos Resíduos de Construção e Demolição (RCD), foi publicado

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CAMPUS ANISIO TEIXEIRA-INSTITUTO MULTIDICIPLINAR EM SAÚDE COORDENAÇÃO GERAL DE LABORATÓRIOS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CAMPUS ANISIO TEIXEIRA-INSTITUTO MULTIDICIPLINAR EM SAÚDE COORDENAÇÃO GERAL DE LABORATÓRIOS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CAMPUS ANISIO TEIXEIRA-INSTITUTO MULTIDICIPLINAR EM SAÚDE COORDENAÇÃO GERAL DE LABORATÓRIOS NORMAS INTERNAS DO LABORATÓRIO DE BIOTECNOLOGIA E GENÉTICA

Leia mais

RESÍDUOS DOS SERVIÇOS DE. Hélida Rosa Silva Enfª Resp. Técnica GRSS CTAALS

RESÍDUOS DOS SERVIÇOS DE. Hélida Rosa Silva Enfª Resp. Técnica GRSS CTAALS RESÍDUOS DOS SERVIÇOS DE SAÚDE Hélida Rosa Silva Enfª Resp. Técnica GRSS CTAALS 1- SUMÁRIO - O que é o plano de gerenciamento (PGRSS) e gerenciamento de resíduos (GRSS)? - Objetivo do PGRSS - Leis que

Leia mais

PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS

PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS Curso de Auto-aprendizagem PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS Descontaminação de equipamentos Químico Agnaldo R. de Vasconcellos CETESB DEFINIÇÃO CONTAMINAÇÃO: contato

Leia mais

Agostinho Paim Cota NIF: 128 659 823

Agostinho Paim Cota NIF: 128 659 823 LISTA DE OPERADORES DE GESTÃO DE RESÍDUOS LICENCIADOS EM SÃO JORGE ATUALIZADA A 31.07.2012 Agostinho Paim Cota NIF: 128 659 823 - Armazenagem dos seguintes resíduos: LER Alvará n.º 5/DRA/2012 (validade:

Leia mais

Ingredientes que contribuam para o perigo: Nome químico ou genérico N CAS % Classificação e rotulagem Etanol 64-17-5 5-20 F; R11; S2, S7, S16

Ingredientes que contribuam para o perigo: Nome químico ou genérico N CAS % Classificação e rotulagem Etanol 64-17-5 5-20 F; R11; S2, S7, S16 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ Nome do produto: DENINSOFT CN Página 1 de 5 1. Identificação do produto e da empresa Nome do produto: DENINSOFT CN Nome da Empresa: INDÚSTRIA

Leia mais

Resíduos Químicos. Manejo de. Comissão de Gerenciamento de Resíduos Faculdade de Farmácia. Elaboração:

Resíduos Químicos. Manejo de. Comissão de Gerenciamento de Resíduos Faculdade de Farmácia. Elaboração: + Re d Comissão de Gerenciamento de Resíduos Faculdade de Farmácia Elaboração: Elviscley de Oliveira Silva Email: elviscley@hotmail.com Mariângela Fontes Santiago Email: mariangelafs@gmail.com Bruna Carneiro

Leia mais

NORMAS INTERNAS DA UTILIZAÇÃO DO HERBÁRIO DO CÂMPUS DE AQUIDAUANA - UFMS/CPAq

NORMAS INTERNAS DA UTILIZAÇÃO DO HERBÁRIO DO CÂMPUS DE AQUIDAUANA - UFMS/CPAq Serviço Público Federal Ministério da Educação Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul NORMAS INTERNAS DA UTILIZAÇÃO DO HERBÁRIO DO CÂMPUS DE AQUIDAUANA - UFMS/CPAq Define as normas internas

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03/2015

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03/2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03/2015 Descarte de resíduos infectantes e perfurocortantes. 1. Objetivo e aplicação Conforme as resoluções vigentes, os estabelecimentos de serviços de saúde são responsáveis pelo

Leia mais

CONDIÇÕES DE ENTREGA/RECEPÇÃO DO SERVIÇO EXTRA URBANO

CONDIÇÕES DE ENTREGA/RECEPÇÃO DO SERVIÇO EXTRA URBANO SERVIÇO EXTRA URBANO O Serviço extra Urbano corresponde ao serviço a ser prestado aos produtores de resíduos não urbanos de embalagens, de forma a garantir a esses produtores um destino final adequado

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. Característico, irritante ph ( Puro ) 0,45 0,65 Densidade 0,980 1,040 ( 25ºC )

RELATÓRIO TÉCNICO. Característico, irritante ph ( Puro ) 0,45 0,65 Densidade 0,980 1,040 ( 25ºC ) Elaboração: 03/12 Revisão: 0-03/12 RELATÓRIO TÉCNICO I - DADOS GERAIS: Nome do Produto: LIMPA BAÚ Sinônimo: Detergente Ácido Composição: Linear Alquil Benzeno Sulfonado, Ácido Clorídrico, Ácido Cítrico,

Leia mais

1 - Abastecimento de água 1. O estabelecimento utiliza água da rede pública?

1 - Abastecimento de água 1. O estabelecimento utiliza água da rede pública? QUESTIONÁRIO PARA DIAGNÓSTICO DE ASPECTOS AMBIENTAIS E MANEJO DE RESÍDUO DAS UNIDADE DE SAÚDE. A) Aspectos Ambientais Avaliação da estrutura Responda os itens abaixo com a seguinte legenda: Sim = S Não

Leia mais

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO ASSUNTO: RESÍDUOS SÓLIDOS DOS SERVIÇOS DE SAÚDE -LIXO HOSPITALAR

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO ASSUNTO: RESÍDUOS SÓLIDOS DOS SERVIÇOS DE SAÚDE -LIXO HOSPITALAR 1/6 1) DOS OBJETIVOS: 1.1)Normatizar a classificação, segregação, acondicionamento, coleta, armazenamento interno, transporte interno, armazenamento externo e disposição final dos resíduos; 1.2) Elevar

Leia mais

- Descarte de Resíduos em Ambientes Laboratoriais -

- Descarte de Resíduos em Ambientes Laboratoriais - - Descarte de Resíduos em Ambientes Laboratoriais - 1 - Acondicionamento dos Resíduos Bombona plástica (5 litros e 20 litros) e/ou frasco de vidro âmbar (1litro); Verificar as condições do recipiente (vedação,

Leia mais

admin@ulsna.min-saude.pt

admin@ulsna.min-saude.pt Avenida de Santo António 7301-853 Portalegre Tel: 245 301 000 Fax: 245 330 359 admin@ulsna.min-saude.pt Portalegre, Março de 2012 Mudámos o nosso meio ambiente tão radicalmente, que agora temos de nos

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico Página 1 de 4

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico Página 1 de 4 Página 1 de 4 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA LATEX ACRILICO PLUS Empresa INDUSTRIA E COMERCIO DE TINTAS FERRAZ LTDA RODOVIA INDIO TIBIRIÇA 2520 RAFFO SUZANO SP CEP 008776-960 SAC- (11) 4749-1566

Leia mais

Higiene e Segurança nos Laboratórios do DAN

Higiene e Segurança nos Laboratórios do DAN 27 de maio de 2014 Higiene e Segurança nos Laboratórios do DAN Anabela Coelho e Carla Mota Encontros com Ciência do DAN Agenda Estagiários (manuais de acolhimento) Laboratório Química Laboratório Microbiologia

Leia mais

COLEGIO EST. FRANCISCO CARNEIRO MARTINS. Descarte de resíduos de laboratório química biologia

COLEGIO EST. FRANCISCO CARNEIRO MARTINS. Descarte de resíduos de laboratório química biologia COLEGIO EST. FRANCISCO CARNEIRO MARTINS Descarte de resíduos de laboratório química biologia Guarapuava 2013 BPL Boas Praticas de Laboratório Descarte de resíduos de laboratório 1º Módulo Química Professoras:

Leia mais

Hospital Universitário Profº Polydoro Ernani de São Thiago

Hospital Universitário Profº Polydoro Ernani de São Thiago SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO POP GRUPO DE TRABALHO EM GESTÃO DE RESÍDUOS CÓDIGO DR019 Hospital Universitário Profº Polydoro Ernani de São Thiago DATA DA CRIAÇÃO

Leia mais

GESTÃO DE RESÍDUOS HOSPITALARES

GESTÃO DE RESÍDUOS HOSPITALARES 2012/2013 PROJETO FEUP GESTÃO DE RESÍDUOS HOSPITALARES Equipa: Cátia Da Costa Cristiana Ribeiro Filipe Seabra Frederico Moreira Márcia Barbosa Marta Silva Supervisora: Sílvia Pinho Monitora: Filipa Magalhães

Leia mais

Lista das frases de risco e de segurança

Lista das frases de risco e de segurança Lista das frases de risco e de segurança FRASES DE RISCO R1 : Explosivo no estado seco. R2 : Risco de explosão por choque, fricção, fogo ou outras fontes de ignição. R3 : Grande risco de explosão por choque,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. Mônica Macedo de Jesus & Sidnei Cerqueira dos Santos RESÍDUOS & REJEITOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. Mônica Macedo de Jesus & Sidnei Cerqueira dos Santos RESÍDUOS & REJEITOS UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE Mônica Macedo de Jesus & Sidnei Cerqueira dos Santos RESÍDUOS & REJEITOS Profa. Songeli Menezes Freire Salvador 2009 RESÍDUO Qualquer material,

Leia mais

Manual Prático de Orientação para, Tratamento, Armazenamento e Descarte de Resíduos Químicos e Biológicos.

Manual Prático de Orientação para, Tratamento, Armazenamento e Descarte de Resíduos Químicos e Biológicos. Manual Prático de Orientação para, Tratamento, Armazenamento e Descarte de Resíduos Químicos e Biológicos. A Comissão de Resíduos Químicos e Biológicos (CRQB), organizou este Manual Prático com objetivo

Leia mais

EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS

EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS Ebola Perguntas e Respostas 13 O que fazer se um viajante proveniente desses países africanos apresentar sintomas já no nosso

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO PROJETO DE IDENTIFICAÇÃO E ARMAZENAMENTO DE PRODUTOS QUÍMICOS NOS LABORATÓRIOS DA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA SÉRIO AROUCA/FIOCRUZ

IMPLANTAÇÃO DO PROJETO DE IDENTIFICAÇÃO E ARMAZENAMENTO DE PRODUTOS QUÍMICOS NOS LABORATÓRIOS DA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA SÉRIO AROUCA/FIOCRUZ Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 IMPLANTAÇÃO DO PROJETO DE IDENTIFICAÇÃO E ARMAZENAMENTO DE PRODUTOS QUÍMICOS NOS LABORATÓRIOS DA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA SÉRIO AROUCA/FIOCRUZ. Caroline Borges

Leia mais

(Segregação, Armazenamento e Rotulagem)

(Segregação, Armazenamento e Rotulagem) 680È5,2 1. OBJETIVO 2. CAMPO DE APLICAÇÃO 3. RESPONSABILIDADE 4. DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 5. DEFINIÇÕES 6. CONDIÇÕES GERAIS PARA ACONDICIONAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS 7. CONDIÇÕES GERAIS PARA SEGREGAÇÃO

Leia mais

PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO

PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO ÍNDICE 1.- INTRODUÇÃO... 3 2.- ESPECIFICAÇÕES SOBRE AS OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO... 3 3.- PLANO DE PREVENÇÃO

Leia mais

Número CC004/2015. Fornecedor. Pregão. Item Descrição do Material UF Quantidade Preço Unitário Preço Total Marca / Modelo Prazo Entrega

Número CC004/2015. Fornecedor. Pregão. Item Descrição do Material UF Quantidade Preço Unitário Preço Total Marca / Modelo Prazo Entrega Folha 1 1 AGUA destilada, para solucao injetavel. Embalagem: ampola com 20 ml conteendo a impressao " venda proibida pelo comercio." registro dos produtos na Anvisa e Certificado de Boas Praticas, Fabricacao

Leia mais

Laboratório de Química Orgânica. Orgânica e Farmacêutica. Com colaboração da Dr.ª Sara Cravo QOI - 02/03 1

Laboratório de Química Orgânica. Orgânica e Farmacêutica. Com colaboração da Dr.ª Sara Cravo QOI - 02/03 1 Laboratório de Química Orgânica e Farmacêutica NORMAS GERAIS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA Com colaboração da Dr.ª Sara Cravo 1 Laboratório de Química Orgânica 2 QOI - 02/03 1 1) Não entre no laboratório

Leia mais

Seminários 2013 Resíduos Hospitalares. Obrigações Legais dos Produtores de Resíduos Hospitalares. Francisco Valente

Seminários 2013 Resíduos Hospitalares. Obrigações Legais dos Produtores de Resíduos Hospitalares. Francisco Valente Seminários 2013 Resíduos Hospitalares Obrigações Legais dos Produtores de Resíduos Hospitalares Francisco Valente OBJECTIVOS Informação sobre as obrigações legais dos produtores de resíduos hospitalares;

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS GERADOS EM LABORATÓRIOS DE ENSINO E PESQUISA: PROCEDIMENTOS GERAIS. Patricia Busko Di Vitta. pabusko@iq.usp.

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS GERADOS EM LABORATÓRIOS DE ENSINO E PESQUISA: PROCEDIMENTOS GERAIS. Patricia Busko Di Vitta. pabusko@iq.usp. GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS GERADOS EM LABORATÓRIOS DE ENSINO E PESQUISA: PROCEDIMENTOS GERAIS Patricia Busko Di Vitta pabusko@iq.usp.br Setor Técnico de Tratamento de Resíduos Instituto de Química

Leia mais

SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE

SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO SMA N. 33, DE 16.11.2005 Dispõe sobre procedimentos para o gerenciamento e licenciamento ambiental de sistemas de tratamento e disposição final de resíduos de serviços

Leia mais

Anexo II. Programa de Prevenção de Riscos Ambientais. Laudo Técnico Ambiental Laboratório Multiusuário II

Anexo II. Programa de Prevenção de Riscos Ambientais. Laudo Técnico Ambiental Laboratório Multiusuário II Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Anexo II Laudo Técnico Ambiental Laboratório Multiusuário II CAMPUS AVANÇADO DE POÇOS DE CALDAS Instituto de Ciência e Tecnologia Diretor do Instituto Prof. Cláudio

Leia mais

Material Cabeçote Polipropileno Eixo Aço inox 316 Mat. do tubo da bomba. Adaptadores G/2 G 1½ Altura de descarga 4 m 0,3-0,45 l/curso Vazão

Material Cabeçote Polipropileno Eixo Aço inox 316 Mat. do tubo da bomba. Adaptadores G/2 G 1½ Altura de descarga 4 m 0,3-0,45 l/curso Vazão JP 02/ JP 03 Bombas manuais JP-02 e JP-03 são adequadas para quase todos os fluidos líquidos especialmente para ácidos, soluções alcalinas e álcool (50%) e produtos químicos à base de água. Esta não é

Leia mais

LABORATÓRIOS ESCOLARES ESPAÇOS FLEXÍVEIS PARA APRENDER CIÊNCIAS

LABORATÓRIOS ESCOLARES ESPAÇOS FLEXÍVEIS PARA APRENDER CIÊNCIAS LABORATÓRIOS ESCOLARES ESPAÇOS FLEXÍVEIS PARA APRENDER CIÊNCIAS Escola Secundária D. Maria II Professora de Física e Química A Responsável pelos Laboratórios de Física e Química A Maria Lucinda Moreira

Leia mais

Manejo dos Resíduos de Serviços de Saúde

Manejo dos Resíduos de Serviços de Saúde GERENCIAMENTO DE RISCO AMBIENTAL Manejo dos Resíduos de Serviços de Saúde Nos Estabelecimentos Assistenciais de Saúde Dados da Pesquisa Nacional de Saneamento Básico apontam que somente 63% dos municípios

Leia mais

MANUSEIO, ACONDICIONAMENTO, ARMAZENAMENTO E TRANSPORTE DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS. Profa. Margarita Maria Dueñas O.

MANUSEIO, ACONDICIONAMENTO, ARMAZENAMENTO E TRANSPORTE DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS. Profa. Margarita Maria Dueñas O. MANUSEIO, ACONDICIONAMENTO, ARMAZENAMENTO E TRANSPORTE DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS Profa. Margarita Maria Dueñas O. RESÍDUOS PERIGOSOS Ponto de geração Destino final FASE INTERNA COLETA ACONDICIONAMENTO FASE

Leia mais

O poder. proteger. para. mundo. o seu. 3M Cuidado Institucional. Sorbents

O poder. proteger. para. mundo. o seu. 3M Cuidado Institucional. Sorbents 3M Cuidado Institucional Sorbents O poder para proteger o seu mundo A 3M é pioneira no conceito de microfibra e polipropileno, com mais de 25 anos de experiência na fabricação de respiradores descartáveis.

Leia mais

São mais de 80 os serviços que garantem o correcto acondicionamento e encaminhamento do papel/cartão para os respectivos pontos de recolha.

São mais de 80 os serviços que garantem o correcto acondicionamento e encaminhamento do papel/cartão para os respectivos pontos de recolha. A Câmara Municipal procura ser um exemplo de bom desempenho ambiental. A gestão ambiental da autarquia promove, através de um conjunto de projectos, a reciclagem junto dos munícipes e dos seus trabalhadores.

Leia mais

A solução Integrada para o tratamento de Água para Consumo Humano

A solução Integrada para o tratamento de Água para Consumo Humano A solução Integrada para o tratamento de Água para Consumo Humano A solução Integrada para o tratamento de Água para Consumo Humano A legislação nacional relativa à qualidade da água para consumo humano

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002)

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil. Correlações: Alterada pela Resolução nº 469/15

Leia mais

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUIMICOS

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUIMICOS DATA DE APROVAÇÃO: 31/08/2012 Página 1 de 5 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto Fabricado por Endereço Vedapac Laje Preto Lwart Química Telefone (14) 3269-5060 Fax (14) 3269-5003 email

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N. 307, DE 05 DE JULHO DE 2002 Alterações: Resolução CONAMA n. 348, de 16.08.04 Resolução CONAMA n. 431, de 24.05.11 Resolução CONAMA n. 448, de 18.01.12 Resolução

Leia mais

Guia Básico para o Manejo de resíduos

Guia Básico para o Manejo de resíduos 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOÁS CAMPUS JATAÍ Comissão Interna de Gerenciamento de Resíduos Guia Básico para o Manejo de resíduos UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Edward Madureira Brasil Reitor Eriberto Francisco

Leia mais

Introdução de contentores reutilizáveis

Introdução de contentores reutilizáveis SERVIÇO DE SAÚDE DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA, E.P.E. Introdução de contentores reutilizáveis Grupos III e IV Grupo de Coordenação do PPCIRA do SESARAM, EPE Área Hoteleira 1/13 GRUPOS DE RESÍDUOS DESPACHO

Leia mais

GLOSSÁRIO MICROBIOLÓGICOS FÍSICO-QUÍMICOS PARÂMETROS PARÂMETROS

GLOSSÁRIO MICROBIOLÓGICOS FÍSICO-QUÍMICOS PARÂMETROS PARÂMETROS PARÂMETROS MICROBIOLÓGICOS Coliformes Fecais (E.Coli), Enterococos, Clostrídios Perfringens Os organismos pertencentes a este grupo estão presentes nas matérias fecais de todos os animais de sangue quente.

Leia mais

FISPQ - Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico

FISPQ - Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico FISPQ - Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Código interno: Empresa: FLEXOTOM INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE PRODUTOS QUÍMICOS PARA CONSTRUÇÃO

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO E CONFIRMAÇÃO DE GRUPOS FUNCIONAIS: Parte 1: ALDEÍDOS E CETONAS

IDENTIFICAÇÃO E CONFIRMAÇÃO DE GRUPOS FUNCIONAIS: Parte 1: ALDEÍDOS E CETONAS PRÁTICA N o. 02 IDENTIFICAÇÃO E CONFIRMAÇÃO DE GRUPOS FUNCIONAIS: Parte 1: ALDEÍDOS E CETONAS OBJETIVOS: Esta prática tem como objetivo a identificação e confirmação de grupos funcionais de aldeídos e

Leia mais

2. Resíduos sólidos: definição e características

2. Resíduos sólidos: definição e características 2. Resíduos sólidos: definição e características Definição e tipologia Lixo é, basicamente, todo e qualquer resíduo sólido proveniente das atividades humanas ou gerado pela natureza em aglomerações urbanas,

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA Resolução nº 307, de 5 de Julho de 2002. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil, disciplinando as ações

Leia mais

Elaborada por: Sandra Mara Vieira de Camargo Gavetti Assistente de Suporte Acadêmico I

Elaborada por: Sandra Mara Vieira de Camargo Gavetti Assistente de Suporte Acadêmico I Elaborada por: Sandra Mara Vieira de Camargo Gavetti Assistente de Suporte Acadêmico I 2013 Índice 1. Conhecendo o laboratório...1 1.1. O Laboratório de Biologia e Microbiologia - Unesp Sorocaba...1 1.2.

Leia mais

HI 701-25 Reagente para Cloro Livre

HI 701-25 Reagente para Cloro Livre Data de revisão: 2013-07-15 Motivo da Revisão: Conformidade com o Regulamento (CE) No. 1272/2008 SECÇÃO 1: IDENTIFICAÇÃO DA SUBSTÂNCIA/MISTURA E DA SOCIEDADE/EMPRESA HI 701-25 Identificador do produto:

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2015

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2015 Regulamentação do descarte de resíduos comuns, recicláveis, pilhas e baterias e lâmpadas no Centro de Ciências da Saúde da UFRJ - CCS-UFRJ. 1 Objetivo e aplicação Com o

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA PROMINOL P 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Data de emissão: 13 / 03 / 08 Nome do produto: Uso do produto: PROMINOL P Adubo Empresa responsável pela comercialização:

Leia mais

Reacções de precipitação

Reacções de precipitação Precipitados Reacções de precipitação Introdução teórica O interesse das reacções de precipitação manifesta-se em diversos domínios, nomeadamente a nível geológico, biológico e industrial. Já ouviste falar

Leia mais

International Paper do Brasil Ltda

International Paper do Brasil Ltda International Paper do Brasil Ltda Autor do Doc.: Editores: Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Título: Tipo do Documento: SubTipo: Serviços de Limpeza e Disposição

Leia mais

Dispõe sobre os resíduos sólidos provenientes de serviços de saúde e dá outras providências.

Dispõe sobre os resíduos sólidos provenientes de serviços de saúde e dá outras providências. LEI Nº 10.099, DE 07 DE FEVEREIRO DE 1994. Dispõe sobre os resíduos sólidos provenientes de serviços de saúde e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Faço saber, em cumprimento

Leia mais

ACIDENTES DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO E/OU PERFUROCORTANTES ENTRE OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE

ACIDENTES DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO E/OU PERFUROCORTANTES ENTRE OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE ACIDENTES DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO E/OU PERFUROCORTANTES ENTRE OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE Os acidentes de trabalho com material biológico e/ou perfurocortante apresentam alta incidência entre

Leia mais

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUIMICOS

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUIMICOS DATA DE APROVAÇÃO: 22/11/2011 Página 1 de 5 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto LW Impercit Nome da empresa Lwart Química Ltda. Endereço Rodovia Marechal Rondon, Km 303,5, Lençóis Paulista-SP

Leia mais

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUIMICOS

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUIMICOS DATA DE APROVAÇÃO: 31/08/2012 Página 1 de 6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto Metrofix Fabricado por: Lwart Química Endereço Rodovia Marechal Rondon, Km 303,5, Lençóis Paulista-SP

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA BIOESTIM K 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Data de emissão: 13 / 03 / 08 Nome do produto: Uso do produto: BIOESTIM K Adubo Empresa responsável pela comercialização:

Leia mais