ERGONOMIA. Prof. Ruy Alexandre Generoso

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ERGONOMIA. Prof. Ruy Alexandre Generoso"

Transcrição

1 ERGONOMIA Prof. Ruy Alexandre Generoso

2 Ergonomia de Software - Definição É a ciência que estuda o conforto, a utilização, a organização e a documentação do software. Tem como objetivo facilitar e otimizar o trabalho do usuário junto ao computador.

3 Ergonomia de Software - Definição Propõe padrões de: apresentação de telas diálogos ferramentas de trabalho menus documentação técnicas de arquivos técnicas de otimização auxílio (help)

4 Ergonomia de Software - Vantagens Atração homem-máquina Programas mais bem documentados Redução dos custos de manutenção Software mais eficiente Software com funções mais poderosas Facilidade de aprendizado Redução de perturbações psicológicas do usuário em relação ao computador

5 Ergonomia de Software - Desvantagens Esforço adicional no desenvolvimento de software. Técnica bastante desconhecida dos "micreiros". Técnica relativamente nova, ainda em fase de maturação. Mas já há muitos antecedentes que comprovam sua eficácia.

6 Princípios Básicos 1 - Esforço Mínimo do Usuário 2 - Memória Mínima do Usuário 3 - Frustração Mínima 4 - Maximizar o uso de Padrões e Hábitos 5 - Máxima Tolerância para Diferencas Humanas 6 - Máxima Tolerância para Mudanças Ambientais 7 - Notificação Imediata de Problemas 8 - Controle Máximo de tarefas pelo usuário 9 - Apoio Máximo às Tarefas

7 1 - Esforço Mínimo do Usuário O usuário deve desempenhar somente as funções absolutamente essenciais, e que não possam ser realizadas pelo sistema. Tomadas de decisões Digitação de valores escolhidos (ex. num saque de banco) Escolha de opções desejadas

8 1 - Esforço Mínimo do Usuário Transferir para o software uma função mesmo que ela possa ser desempenhada pelo usuário. Calcular um sub-total ou total de parcelas já informadas

9 1 - Esforço Mínimo do Usuário Não repetir trabalho já feito: Um dado só deve ser alimentado uma vez; o programa deve ser re-utilizável, assim como rotinas, consultas, comandos, etc. Trabalho não produtivo deve ser eliminado - Ex.: A data deve ser fornecida pelo sistema; "Recovery" deve ser automático. Questão para discussão: redigitação sucessiva da senha em terminais bancários ou na Internet; controle de tempo pode servir para timeout e para evitar redigitação da senha.

10 Ex. de pagamento de Doc bancário DOC: Valor do DOC: R$100,00 à vista 15% de desconto Valor à vista: R$85,00 Banco XXXX Valor do DOC Desconto Multa Juros Total R$100,00 R$15,00 R$85,00 Este valor deverá ser calculado pelo usuário

11 1 - Esforço Mínimo do Usuário Facilitar o acesso a informações sobre o sistema: Documentação escrita completa, mas apenas o suficiente e o necessário para a tarefa do usuário. As instruções do sistema devem ser diretas e específicas, que não requeiram interpretação (somar números, decifrar código, etc.) Exemplo: A calculadora do programa do Imposto de Renda: Ela calcula e transfere resultados para os campos

12 1 - Esforço Mínimo do Usuário Eliminar trabalho duplicado: Todo trabalho deve poder ser feito pelo uso do sistema, sem estágios burocráticos intermediários. Não redigitar dados já digitados anteriormente. Evitar a repetição de ciclos para operacões semelhantes. Exemplo: No Banrisul cada operação que se faz no caixa eletrônico exige o início de uma nova sessão (redigitar conta, senha, etc)

13 2 - Memória Mínima do Usuário O usuário deve ter que memorizar o mínimo possível. O aprendizado do sistema deve ser um processo hierárquico e incremental. O usuário só deve ter que aprender o essencial para sua tarefa. Aprender uma pequena parte do sistema, deve recompensar o usuário com a capacidade de fazer algum trabalho real, ainda que limitado.

14 2 - Memória Mínima do Usuário O usuário não deve ter que aprender a terminologia não relacionada à tarefa as instruções ou comunicações do sistema devem ser feitas na linguagem natural da tarefa. A terminologia deve ser consistente por todo software com que o usuário vai interagir. Os comandos do usuário devem ter sintaxe natural e simples, e não devem ser complexos e compostos.

15 2 - Memória Mínima do Usuário

16 3 - Frustração Mínima Evitar demora na execução de tarefas. Ao usar menus ou técnicas equivalentes, o sistema deve permitir que o usuário experiente vá direto à tarefa desejada. A organização hieráquica de menus ou técnicas equivalentes deve ser tal que o usuário não tenha que executar ou explicitamente saltar tarefas desnecessárias. Orientação ou help deve estar disponível de forma consistente em todo o sistema.

17 3 - Frustração Mínima Relembrar ações passadas: Em caso de interrupção de uma série de passos interrelacionados. o sistema deve prover (se solicitado) um resumo das ações executadas antes da interrupção. Escolha de atividade: O usuário deve poder interromper ou terminar qualquer atividade a qualquer momento e selecionar outra. Após terminar a 2ª atividade, o sistema deve permitir a retomada da atividade interrompida no ponto de interrupção, numa ação simples e intuitiva.

18 3 - Frustração Mínima Auto-configuração e auto-verificação: A instalação de hardware ou software básico deve ser suportada por técnicas de auto-configuração e auto-verificação. Deve ser fornecida orientação para qualquer ação cujos resutados não sejam óbvios.

19 4 - Maximizar o Uso de Padrões e Hábitos Usar sempre certas teclas para as mesmas funções. Colocar sempre informações similares nas mesmas posições nas telas. Desenho consistente de formato de telas. Informação devolvida ao usuário como resultado de uma ação sua, deve ser posicionada no ponto onde o usuário a espera: em geral na próxima linha.

20 4 - Maximizar o Uso de Padrões e Hábitos Abordagem e terminologia consistentes para todas as funções do usuário. Datilografar uma carta num processador de textos deve ser o mais próximo possível da mesma atividade na máquina de escrever. Isto implica em um mínimo de re-treinamento.

21 5 - Máxima Tolerância para Diferenças Humanas Os sistemas devem armazenar perfis sobre a forma em que cada usuário prefere executar as tarefas. Estes perfis devem condicionar o sistema aos padrões de trabalho do usuário quando este começa uma sessão.

22 5 - Máxima Tolerância para Diferenças Humanas

23 5 - Máxima Tolerância para Diferenças Humanas Uso de métodos visuais e audíveis para chamar a atenção

24 5 - Máxima Tolerância para Diferenças Humanas Uso de formas gráficas ou de desenho para auxiliar a comunicação visual. Aceitar abordagens "procedurais" e "não procedurais" em técnicas de orientação e em tarefas complexas como o desenvolvimento de consultas.

25 6 - Máxima Tolerância para Mudanças as Ambientais O sistema deve suportar mudanças do ambiente de hardware / software com um mínimo de esforço do usuário. A mudança de ambiente também pode ser a mudança de plataforma ou ambiente operacional. Plataformas: Ambientes operacionais: Windows 98 / NT / XP / Vista Macintosh OS 9 / X Linux/Unix Red Hat / Conectiva / família Unix

26 6 - Máxima Tolerância para Mudanças as Ambientais O sistema deve se re-configurar automaticamente no caso de adição ou retirada de unidades do computador (exceto no caso de dispositivos de hardware críticos, como a UCP ou a unidade de disco onde o software reside). No caso de adição dispor pelo menos de um assistente de configuração do novo hardware.

27 6 - Máxima Tolerância para Mudanças as Ambientais Programas de aplicação não devem precisar recompilação para mudanças na base de dados, seja de conteúdo, método de acesso ou localização do arquivo, que não mudem a lógica de processamento para o programa de aplicação em questão.

28 6 - Máxima Tolerância para Mudanças as Ambientais Programas de aplicação devem ser compatíveis e transportáveis entre diferentes modelos de computadores. Aplicações para Internet: a difícil compatibilidade entre plataformas, ambientes, browsers e versões.

29 6 - Máxima Tolerância para Mudanças as Ambientais Cuidado com o uso de exclusividades de certo modelo/marca de computador, pois causará problemas quando da transportabilidade. Antes de usar um recurso novo verificar sua compatibilidade.

30 6 - Máxima Tolerância para Mudanças as Ambientais Alocação de espaço deve ser automática, não requerendo intervenção ou ação do usuário A existência de defaults selecionados pelo usuário facilita esta alocação automática.

31 7 - Notificação Imediata de Problemas Notificar ao usuário sobre um problema tão logo seja detectado. Notificar problemas potenciais antes que ocorram. Antes da mudança permanente em informação armazenada, o sistema deve mostrar os resultados da mudança e requerer aprovação do usuário. Cuidado com a "síndrome de Windows"

32 7 - Notificação Imediata de Problemas Sintaxe e terminologia de comandos, devem ser editados interativamente com resposta imediata indicando qual o erro e qual a ação corretiva. O usuário deve ser notificado quando um percentual substancial de utilização do espaço for atingido (ex: 80%) para que o usuário possa tomar ações preventivas com antecedência.

33 7 - Notificação Imediata de Problemas A edição da entrada deve ser interativa, indicando os erros e provendo orientação e meios para correção imediata. Terminada a correção, o sistema deve voltar ao ponto que interrompeu.

34 8 - Controle máximo m de tarefas pelo usuário Usuário deve controlar e gerenciar a seqüência do trabalho sempre que não hajam atividades que exijam uma seqüência. Usuário deve poder modificar as prioridades de processamento.

35 8 - Controle máximo m de tarefas pelo usuário Usuário deve poder definir opções "default e o sistema deve "lembrar" estas definições no futuro. Usuário deve poder armazenar e recuperar informações de forma consistente, sendo-lhe transparente os problemas de localização e armazenamento físicos.

36 9 - Apoio máximo m às s tarefas usuário não deve precisar de outros recursos para desempenhar a tarefa. O Documentação da tarefa deve estar "on line", estruturada hierarquicamente e bem indexada. Um usuário deve poder se comunicar com outros via facilidades do sistema. O usuário deve possuir acesso a métodos "customizados" de obtenção de informações, tais como filtros para geração de relatórios.

37 21 novos Princípios da ANEC Association européenne pour la coordination de la représentation des consommateurs dans la normalisation)

38 OS PRINCÍPIOS 1 - Facilidade de uso 2 - Projeto para todos 3 - Funcionalidade da solução 4 - Aspectos multi-cultural e multi-lingüista 5 - Terminologia 6 - Padrões compreensíveis 7 - Interoperabilidade e Compatibilidade 8 - Interface de usuário consistente 9 - Adaptabilidade 10 - Provisão para informações de status do sistema 11 - Tolerância a erros e estabilidade do sistema

39 OS PRINCÍPIOS 12 - Minimização das necessidades do usuário relembrar operações 13 - Explorabilidade 14 - Privacidade e segurança das informações 15 - Transparência de custos 16 - Qualidade do serviço, confiabilidade e durabilidade do sistema 17 - Questões de saúde e segurança 18 - Importância da informação 19 - Questões ambientais 20 - Utilização de Sistemas de avaliação e de classificação 21 - Trabalhos posteriores

40 1 - Facilidade de uso Sistemas ergonômicos devem ser fáceis de usar, independentemente do tipo de usuário que fará uso do mesmo. Facilidade de uso inclui aspectos de hardware, software, serviços e suporte. A facilidade de uso pode ser medida em termos de desempenho do usuário para completar uma tarefa (inclui tempo, número de erros, satisfação) Deve-se estabelecer metas de facilidade de uso a serem alcançadas.

41 2 - Projeto para todos Consiste no processo de criação de produtos, sistemas e serviços que são acessíveis e usáveis por pessoas com a mais ampla faixa possível de habilidades operacionais, na mais ampla faixa possível de situações. Pode haver situações em que o sistema não é desejado que seja para uso de todos. Seu uso dependeria de seleção de grupo especial de usuário e de treinamento específico. Nesse caso deve ser conhecido para quem o sistema é indicado e para quem não é indicado.

42 3 - Funcionalidade da solução A solução adotada para determinado problema deve ser funcional. Geralmente casos de não-funcionalidade são aqueles em que o desenvolvedor não conhece exatamente as necessidades dos usuários para o qual desenvolve o sistema. Até mesmo porque nunca se deparou com aquela situação em sua vida, se pondo como usuário.

43 4 - Aspectos multicultural e multi-lingüístico Os sistemas hoje saem da fronteira de nossas redes internas (principalmente na Internet), e assim percorrem várias culturas diferentes, mesmo dentro de um mesmo país. Ex. Um site de seguro descreve os passos para acionar o conserto do carro: " com a liberação na mão o cliente pode procurar o lanterneiro de sua preferência (São Paulo) " com a liberação na mão o cliente pode procurar o funileiro de sua preferência (Rio de Janeiro) " com a liberação na mão o cliente pode procurar o chapeador de sua preferência (Rio Grande do Sul)

44 4 - Aspectos multicultural e multi-lingüístico Alguns sistemas precisam ser multilingüísticos, ou seja, poderem ser operados em várias línguas. É o caso de sites de turismo, hotéis e similares.

45 5 - Terminologia A terminologia usada nas interfaces deve ser consistente, e compatível com a terminologia usada em documentos escritos, em uso fora do computador. Deve ser clara e de fácil domínio por qualquer usuário.

46 6 - Padrões compreensíveis Padrões devem ser "não ambíguos" e fáceis de entender, de forma que qualquer pessoa não técnica em informática possa entender. O não atendimento deste princípio dificulta a padronização de processos e procedimentos. Símbolo padrão para erros Símbolo padrão para Atenção

47 6 - Padrões compreensíveis transferência de tarefas Tarefas Disponibilidades

48 7 - Interoperabilidade e compatibilidade Diferentes serviços devem operar entre si, nas mesmas redes e equipamentos. Para tanto é preciso que haja compatibilidade nas aplicações. Compatibilidade dentro de um sistema deveria assegurar que novas versões do sistema, devem ser compatíveis com as versões anteriores.

49 8 - Interface de usuário consistente Os sistemas devem ter uma interface de usuário consistente. É especialmente importante que o método de processamento, armazenamento e acesso aos sistemas seja consistente para o usuário.

50 9 - Adaptabilidade O sistema deve se adaptar às necessidades específicas de cada usuário. Isso implica em necessidades essenciais (deficiências) e necessidades preferenciais do usuário. A forma e a seleção de saídas pode ser um exemplo de necessidades especiais e preferenciais.

51 10 - Provisão de informações sobre status do sistema O status do sistema deve estar disponível para o usuário. Diferentes mecanismos podem ser empregados para dar um completo feedback ao usuário. Técnicas de áudio e visuais podem contribuir para melhor comunicação de erros e de entrada de dados.

52 11 - Tolerância a erros e estabilidade do sistema O sistema deveria antecipar erros de operação e se possível corrigí-los. O sistema deve ser robusto e permanecer estável, se o usuário comete erros operacionais e de entrada de dados, informando a existência do erro e como corrigí-lo.

53 11 - Tolerância a erros e estabilidade do sistema

54 12 - Minimização da necessidade de memorização da operação do sistema Sistemas devem mostrar elementos do diálogo ao usuário e permitir que se selecione itens gerados pelo sistema e permitir que se os edite. Técnica de Menus, é aplicação deste objetivo o exemplo de

55 13 -Explorabilidade O sistema deve permitir que o usuário o explore, até mesmo sem realizar operações completas, fazendo apenas uma navegação.

56 14 - Privacidade e Segurança de informações O sistema deve garantir a privacidade do indivíduo. Não deve ser permitido que pessoas não autorizadas acessem certos dados individuais nas redes. O nível de segurança adotado deve ser comunicado ao usuário.

57 15 - Transparência nos custos O sistema deve ser transparentes quanto aos custos envolvidos. Por exemplo, ao se selecionar serviços e produtos que envolvam custos, mostrá-los antes da efetivação do serviço.

58 16 - Qualidade do serviço, confiabilidade e durabilidade A qualidade é hoje ponto importantíssimo na prestação de um serviço. E nos serviços prestados pelo computador, especialmente na Internet é ponto importante. A confiabilidade contribui para a qualidade e para obter a adesão do usuário ao sistema. A durabilidade inclui a manutenção de serviços e sistemas ainda que com a implantação de novos sistemas.

59 17 - Confiabilidade da informação As informações prestadas devem conter a fonte, para que a confiabilidade dos dados seja mantida.

60 18 - Questões de saúde e segurança Os sistemas devem considerar a aplicação das regras de ergonomia e segurança física do usuário.

61 19 - Questões ambientais Muito se discute sobre a questão ambiental e os sistemas computadorizados também devem entrar nesta discussão. Por exemplo, determinado banco suspendeu a emissão de comprovante de saque, porque constatou que 90% dos clientes, jogava fora o comprovante, e muitos o faziam no chão do caixa eletrônico ou mesmo na rua, na saída.

62 20 - Permitir sistemas de avaliação e de classificação A avaliação constante do sistema faz parte das regras para garantir que os princípios têm sido aplicados. Nas técnicas de Usabilidade tem-se diversos critérios e formas de avaliar um sistema. Estudos sobre classificação dos sistemas ("Taxionomia") começam a ser desenvolvidos e implementados.

63 21 - Trabalhos posteriores Após a conclusão do sistema, há de se fazer avaliações e simulações de processos, para se medir a eficiência, eficácia e satisfação do usuário Eficiência significa fazer certo. Eficácia é fazer da maneira certa, ou da melhor maneira possível. E nisto consiste uma grande diferença. Isto porque podemos alcançar uma meta, porém despendendo um esforço e recursos maiores do que necessário.

ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - MÓDULO 2.1 - ANÁLISE DE PONTO POR FUNÇÃO - APF 1. INTRODUÇÃO Criada em 1979 por Allan J. Albrecht (IBM), a APF - ANÁLISE DE PONTOS POR FUNÇÃO é uma técnica para medição de projetos cujo objeto seja o

Leia mais

1. Introdução. Avaliação de Usabilidade Página 1

1. Introdução. Avaliação de Usabilidade Página 1 1. Introdução Avaliação de Usabilidade Página 1 Os procedimentos da Avaliação Heurística correspondem às quatro fases abaixo e no final é apresentado como resultado, uma lista de problemas de usabilidade,

Leia mais

Introdução Ciclo de vida tradicional de desenvolvimento Prototipagem Pacotes de software Desenvolvimento de 4ª geração Terceirização

Introdução Ciclo de vida tradicional de desenvolvimento Prototipagem Pacotes de software Desenvolvimento de 4ª geração Terceirização Prof. Ricardo José Pfitscher Material elaborado com base em: José Luiz Mendes Gerson Volney Lagemann Introdução Ciclo de vida tradicional de desenvolvimento Prototipagem Pacotes de software Desenvolvimento

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software 2.1 Capítulo 2 QUALIDADE DE SOFTWARE 1. INTRODUÇÃO Como foi mencionado no capítulo anterior, o papel da Engenharia de Software é, principalmente, fornecer métodos e ferramentas para

Leia mais

Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger

Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger O controle da entrada e saída (E/S ou I/O, input/output) de dados dos dispositivos é uma das funções principais de um sistema operacional.

Leia mais

HP Factory Express. Para obter mais informações sobre o portfólio de computação pessoal HP PC Factory Express, visite www.hp.com/go/factory-express

HP Factory Express. Para obter mais informações sobre o portfólio de computação pessoal HP PC Factory Express, visite www.hp.com/go/factory-express HP Factory Express Serviços de personalização Portfólio de computação pessoal Para obter mais informações sobre o portfólio de computação pessoal HP PC Factory Express, visite www.hp.com/go/factory-express

Leia mais

Gerenciamento de Requisitos Gerenciamento de Requisitos

Gerenciamento de Requisitos Gerenciamento de Requisitos Gerenciamento de Requisitos Objetivos da disciplina Descrever o processo de Gerenciamento e Engenharia de Requisitos para projetos Treinar alunos no Gerenciamento de Requisitos Apresentar estudos de caso

Leia mais

Descrição do Produto. Altus S. A. 1

Descrição do Produto. Altus S. A. 1 Descrição do Produto O software MasterTool IEC é um ambiente completo de desenvolvimento de aplicações para os controladores programáveis da Série Duo. Esta ferramenta permite a programação e a configuração

Leia mais

Metadados. 1. Introdução. 2. O que são Metadados? 3. O Valor dos Metadados

Metadados. 1. Introdução. 2. O que são Metadados? 3. O Valor dos Metadados 1. Introdução O governo é um dos maiores detentores de recursos da informação. Consequentemente, tem sido o responsável por assegurar que tais recursos estejam agregando valor para os cidadãos, as empresas,

Leia mais

SOFTWARES. Rotina de Instruções. Dados

SOFTWARES. Rotina de Instruções. Dados SOFTWARES 1 CONCEITOS Podemos dizer que os softwares são a alma do computador, eles são responsáveis pelo seu funcionamento e aproveitamento. De uma forma geral os softwares se desenvolvem através de uma

Leia mais

Tencologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: WEB I Conteúdo: Arquitetura de Software Aula 03

Tencologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: WEB I Conteúdo: Arquitetura de Software Aula 03 Tencologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: WEB I Conteúdo: Arquitetura de Software Aula 03 Agenda 1. Arquitetura de Software 1.1.Introdução 1.2.Vantagens da Arquitetura de Software

Leia mais

Fase de Análise de Requisitos. Engenharia de Software ANÁLISE DE REQUISITOS. Tipos de Requisitos. Tipos de requisitos. Tipos de requisitos

Fase de Análise de Requisitos. Engenharia de Software ANÁLISE DE REQUISITOS. Tipos de Requisitos. Tipos de requisitos. Tipos de requisitos Engenharia de Software Fase de Análise de Requisitos Engenharia de Sistemas de Computador ANÁLISE DE REQUISITOS ANÁLISE DE REQUISITOS Projeto de Software 1 2 Tipos de Requisitos 3 4 Tipos de requisitos

Leia mais

Modelos de Sistemas Casos de Uso

Modelos de Sistemas Casos de Uso Modelos de Sistemas Casos de Uso Auxiliadora Freire Fonte: Engenharia de Software 8º Edição / Ian Sommerville 2000 Slide 1 Modelagem de Sistema UML Unified Modeling Language (Linguagem de Modelagem Unificada)

Leia mais

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST. Módulo 4 Procedimentos Operativos do Sistema de Distribuição

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST. Módulo 4 Procedimentos Operativos do Sistema de Distribuição Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Módulo 4 Procedimentos Operativos do Sistema de Distribuição Revisão 0

Leia mais

Banco de Dados Orientado a Objetos

Banco de Dados Orientado a Objetos Banco de Dados Orientado a Objetos MODELAGEM, ANÁLISE, PROJETO e CLASSIFICAÇÃO Interação combinando lógica, através de objetos que contém os dados. Estes divididos conforme seus tipos e métodos (classe),

Leia mais

natureza do projeto e da aplicação métodos e ferramentas a serem usados controles e produtos que precisam ser entregues

natureza do projeto e da aplicação métodos e ferramentas a serem usados controles e produtos que precisam ser entregues Modelo De Desenvolvimento De Software É uma representação abstrata do processo de desenvolvimento que define como as etapas relativas ao desenvolvimento de software serão conduzidas e interrelacionadas

Leia mais

O Windows também é um programa de computador, mas ele faz parte de um grupo de programas especiais: os Sistemas Operacionais.

O Windows também é um programa de computador, mas ele faz parte de um grupo de programas especiais: os Sistemas Operacionais. MICROSOFT WINDOWS O Windows também é um programa de computador, mas ele faz parte de um grupo de programas especiais: os Sistemas Operacionais. Apresentaremos a seguir o Windows 7 (uma das versões do Windows)

Leia mais

Arquitetura dos Sistemas Operacionais

Arquitetura dos Sistemas Operacionais Arquitetura dos Sistemas Operacionais Arquitetura de um Sistema Operacional Basicamente dividido em shell é a interface entre o usuário e o sistema operacional é um interpretador de comandos possui embutido

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - MÓDULO 2 - ANÁLISE DE REQUISITOS DE SOFTWARE APLICATIVO 1. INTRODUÇÃO Entender os requisitos de um problema está entre as tarefas mais difíceis na construção de um software. Na maioria das vezes o cliente

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Software. Prof. M.Sc. Sílvio Bacalá Jr

Metodologia de Desenvolvimento de Software. Prof. M.Sc. Sílvio Bacalá Jr Metodologia de Desenvolvimento de Software Prof. M.Sc. Sílvio Bacalá Jr Objetivos Discutir aspectos de Engenharia de Software Aplicar um método de desenvolvimento para especificação e projeto de software

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE UM SISTEMA OPERATIVO

CONCEITOS BÁSICOS DE UM SISTEMA OPERATIVO 4 CONCEITOS BÁSICOS DE UM SISTEMA OPERATIVO CONCEITOS BÁSICOS MS-DOS MICROSOFT DISK OPERATION SYSTEM INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO DE UM SISTEMA OPERATIVO LIGAÇÕES À INTERNET O que é um sistema operativo?

Leia mais

Professor. Thiago Miranda Material: www.thiagomiranda.net. Email: mirandathiago@gmail.com

Professor. Thiago Miranda Material: www.thiagomiranda.net. Email: mirandathiago@gmail.com Microsoft Windows 1 Professor Thiago Miranda Material: www.thiagomiranda.net Email: mirandathiago@gmail.com Conceitos básicos de SO O que é um sistema operacional? É um programa ou conjunto de programas

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Sistemas Operacionais Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Estruturas de Sistemas Operacionais Um sistema operacional fornece o ambiente no qual os programas são executados. Internamente,

Leia mais

Introdução à Informática

Introdução à Informática Introdução à Informática Aula 6 http://www.ic.uff.br/~bianca/introinfo/ Aula 6-21/09/2007 1 Ementa Conceitos Básicos de Computação (Hardware, Software e Internet) Softwares Aplicativos Tutorial: Word Tutorial:

Leia mais

VISÃO GERAL DE BANCO DE DADOS

VISÃO GERAL DE BANCO DE DADOS Banco de Dados BD_A007 Visão Geral de Banco de Dados 02 de março de 2005 VISÃO GERAL DE BANCO DE DADOS Relação de siglas utilizadas neste trabalho: ABD: Administrador de Banco de Dados. BD: Banco de Dados.

Leia mais

Válvulas de Controle-"Case"- Copesul. Nelzo Luiz Neto da Silva 1 Jader Weber Brum 2

Válvulas de Controle-Case- Copesul. Nelzo Luiz Neto da Silva 1 Jader Weber Brum 2 Válvulas de Controle-"Case"- Copesul Nelzo Luiz Neto da Silva 1 Jader Weber Brum 2 RESUMO Visando rever conceitos, procedimentos, estratégias e tecnologias voltadas para a manutenção de válvulas, partimos

Leia mais

dois podem ser alternados com algumas coisas em mente. Por exemplo, temos aqui um valor ORACLE_BASE que você pode encontrar no Linux/Unix:

dois podem ser alternados com algumas coisas em mente. Por exemplo, temos aqui um valor ORACLE_BASE que você pode encontrar no Linux/Unix: 2 Oracle 11g para Leigos dois podem ser alternados com algumas coisas em mente. Por exemplo, temos aqui um valor ORACLE_BASE que você pode encontrar no Linux/Unix: $ORACLE_BASE: /u01/app/oracle No Windows,

Leia mais

Prof.: Roberto Franciscatto. Capítulo 1 Introdução

Prof.: Roberto Franciscatto. Capítulo 1 Introdução Sistemas Operacionais Prof.: Roberto Franciscatto Capítulo 1 Introdução Conceituação Um Sistema Operacional tem como função principal gerenciar os componentes de hardware (processadores, memória principal,

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 2- Teste Estático e Teste Dinâmico Aula 4 Projeto de Teste 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 ANÁLISE E PROJETO DE TESTE... 3 1.

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS

SISTEMAS OPERACIONAIS 1 SISTEMAS OPERACIONAIS Profª Josiane T. Ferri Licenciada em Computação prof.jositf@yahoo.com.br facebook.com/josiferri ESTRUTURA DO SISTEMA OPERACIONAL Embora a definição de níveis de privilégio imponha

Leia mais

Conectar diferentes pesquisas na internet por um menu

Conectar diferentes pesquisas na internet por um menu Conectar diferentes pesquisas na internet por um menu Pré requisitos: Elaboração de questionário Formulário multimídia Publicação na internet Uso de senhas na Web Visualização condicionada ao perfil A

Leia mais

BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EaD UAB/UFSCar Sistemas de Informação - prof. Dr. Hélio Crestana Guardia

BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EaD UAB/UFSCar Sistemas de Informação - prof. Dr. Hélio Crestana Guardia O Sistema Operacional que você usa é multitasking? Por multitasking, entende-se a capacidade do SO de ter mais de um processos em execução ao mesmo tempo. É claro que, num dado instante, o número de processos

Leia mais

Manual de Instruções TELEMETRIA. MANU-7310-TLP Rev. A

Manual de Instruções TELEMETRIA. MANU-7310-TLP Rev. A Manual de Instruções TELEMETRIA MANU-7310-TLP Rev. A MANUAL DE INSTRUÇÕES TELEMETRIA STARA S.A. - INDÚSTRIA DE IMPLEMENTOS AGRÍCOLAS CNPJ: 91.495.499/0001-00 AV. STARA, 519 CEP 99470-000 - Não-Me-Toque/RS

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Prof. Ms. Márcio Andrey Teixeira A Caracterização dos Sistemas Funções do S.O Administração de Processos Administração da Memória Principal Administração do Armazenamento Secundário Administração

Leia mais

Professor: Gládston Duarte

Professor: Gládston Duarte Professor: Gládston Duarte INFRAESTRUTURA FÍSICA DE REDES DE COMPUTADORES Ø Computador Ø Instalação e configuração de Sistemas Operacionais Windows e Linux Ø Arquiteturas físicas e lógicas de redes de

Leia mais

CALENDÁRIO ESCOLAR PREVISTO... 3 INSTRUÇÕES... 4

CALENDÁRIO ESCOLAR PREVISTO... 3 INSTRUÇÕES... 4 Sumário CALENDÁRIO ESCOLAR PREVISTO... 3 INSTRUÇÕES... 4 Informática Básica... 5 Excel Avançado... 6 Word Avançado... 7 Montagem e Manutenção de Microcomputadores... 8 Formação Inicial e Continuada Programação

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE

QUALIDADE DE SOFTWARE QUALIDADE DE SOFTWARE MODULO 3 SISTEMA DE GARANTIA DA QUALIDADE CONTEÚDO 3.1 A ABORDAGEM NBR ISO 9000 3.2 MODELOS DE QUALIDADE DE PRODUTO DE SOFTWARE 3.2.1 NBR ISO/IEC 9126 (SOFTWARE) 3.2.2 NBR ISO/IEC

Leia mais

O mecanismo de alocação da CPU para execução de processos constitui a base dos sistemas operacionais multiprogramados.

O mecanismo de alocação da CPU para execução de processos constitui a base dos sistemas operacionais multiprogramados. O mecanismo de alocação da CPU para execução de processos constitui a base dos sistemas operacionais multiprogramados. A multiprogramação tem como objetivo permitir que, a todo instante, haja algum processo

Leia mais

Caso de uma Central de distribuição. Fluxos e roteiros de processamento. Injeção de plásticos

Caso de uma Central de distribuição. Fluxos e roteiros de processamento. Injeção de plásticos Max-Prod SIMULADORES DE PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DE ALTA PERFORMANCE OTIMIZAÇÃO NO SEQUENCIAMENTO DE OP S E CARGA DE MÁQUINAS OTIMIZAÇÃO NA ESCOLHA DE MATERIAS DE PRODUTOS E COMPONENTES OTIMIZAÇÃO NA

Leia mais

Padrão ix. Q-Ware Cloud File Publisher Manual do Usuário QWCFP. Versão 1.2.0.1

Padrão ix. Q-Ware Cloud File Publisher Manual do Usuário QWCFP. Versão 1.2.0.1 Padrão ix Q-Ware Cloud File Publisher Manual do Usuário QWCFP Versão 1.2.0.1 Copyright 2000-2014 Padrão ix Sistemas Abertos Ltda. Todos os direitos reservados. As informações contidas neste manual estão

Leia mais

Instruções Servidor TeoremaEE

Instruções Servidor TeoremaEE Instruções Servidor TeoremaEE DESENVOLVENDO SOLUÇÕES Autora: Laila Maria Doc. Vrs. 01 Revisão: Bernardo Aprovado em: Fevereiro de 2016. Nota de copyright Copyright 2016 Teorema Informática, Guarapuava.

Leia mais

Implementação de uma Ferramenta de Apoio à Criação de Sistemas Especialistas

Implementação de uma Ferramenta de Apoio à Criação de Sistemas Especialistas 1 Implementação de uma Ferramenta de Apoio à Criação de Sistemas Especialistas Fabrício Kelmer Pinto, Elio Lovisi Filho (Orientador) Departamento de Ciência da Computação - Faculdade de Ciência da Computação

Leia mais

FAT32 ou NTFS, qual o melhor?

FAT32 ou NTFS, qual o melhor? FAT32 ou NTFS, qual o melhor? Entenda quais as principais diferenças entre eles e qual a melhor escolha O que é um sistema de arquivos? O conceito mais importante sobre este assunto, sem sombra de dúvidas,

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS SOBRE PROGRAMAÇÃO Programação Orientada a Objetos (POO)

CONCEITOS BÁSICOS SOBRE PROGRAMAÇÃO Programação Orientada a Objetos (POO) CONCEITOS BÁSICOS SOBRE PROGRAMAÇÃO Programação Orientada a Objetos (POO) Profa. Vania V. Estrela, Profa. Albany E. Herrmann 1. Programação Programação requer o uso de uma linguagem, cuja sintaxe geralmente

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO O melhor sistema de Gestão Financeira para micro e pequenas empresas.

MANUAL DE INSTALAÇÃO O melhor sistema de Gestão Financeira para micro e pequenas empresas. MANUAL DE INSTALAÇÃO O melhor sistema de Gestão Financeira para micro e pequenas empresas. INDÍCE 1. Características gerais 2. Guia rápido de instalação 3. Processo de instalação 4. Opções avançadas de

Leia mais

Descrição do Serviço Serviços Dell System Track

Descrição do Serviço Serviços Dell System Track Visão geral dos Termos e Condições Descrição do Serviço Serviços Dell System Track Este contrato ( Contrato ou Descrição do Serviço ) é firmado entre o cliente ( você ou Cliente ) e a entidade Dell identificada

Leia mais

Ambiente Visual para o Desenvolvimento de Jogos Eletrônicos

Ambiente Visual para o Desenvolvimento de Jogos Eletrônicos Ambiente Visual para o Desenvolvimento de Jogos Eletrônicos Diego Cordeiro Barboza 1, Júlio César da Silva 2 1 UNIFESO, Centro de Ciências e Tecnologia, Curso de Ciência da Computação, diego.cbarboza@gmail.com

Leia mais

Sumário. 1 Introdução à administração do Windows Vista...27. 2 Gerenciando sistemas Windows Vista...51

Sumário. 1 Introdução à administração do Windows Vista...27. 2 Gerenciando sistemas Windows Vista...51 Sumário 1 Introdução à administração do Windows Vista...27 Começando a usar o Windows Vista... 28 Instalando e executando o Windows Vista... 30 Instalando o Windows Vista...30 Utilizando o Centro de Boas-vindas

Leia mais

Nero AG SecurDisc Viewer

Nero AG SecurDisc Viewer Manual do SecurDisc Nero AG SecurDisc Informações sobre direitos autorais e marcas registradas O manual e todo o seu conteúdo é protegido por leis de direitos autorais e são de propriedade da Nero AG.

Leia mais

Prof. Daniel Gondim danielgondimm@gmail.com. Informática

Prof. Daniel Gondim danielgondimm@gmail.com. Informática Prof. Daniel Gondim danielgondimm@gmail.com Informática Componentes de um SC Softwares O que é Software? Conjunto de instruções/funções/tarefas que definem o que o computador deve executar para chegar

Leia mais

documentclass[a4paper,12pt,dvipdfm]report usepackagegraphicx

documentclass[a4paper,12pt,dvipdfm]report usepackagegraphicx documentclass[a4paper,12pt,dvipdfm]report usepackagegraphicx 1 2 Elaborado por SIGA-EPT Projeto SIGA-EPT: Manual do Usuário Biblioteca - v. 2 Versão Novembro - 2009 Sumário 1 Introdução 5 2 Acesso ao sistema

Leia mais

Diagrama de Casos de Uso

Diagrama de Casos de Uso Diagrama de Casos de Uso Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Referências: Booch, G. et al. The Unified Modeling Language User Guide Medeiros,

Leia mais

Manual de instalação, configuração e utilização do Enviador XML

Manual de instalação, configuração e utilização do Enviador XML Manual de instalação, configuração e utilização do Enviador XML 1. Conceitos e termos importantes XML Empresarial: é um sistema web (roda em um servidor remoto) de armazenamento e distribuição de documentos

Leia mais

CARTILHA PARA FORNECEDORES DA COPASA

CARTILHA PARA FORNECEDORES DA COPASA CARTILHA PARA FORNECEDORES DA COPASA Índice Conteúdo 1. Introdução:... 4 2. Cadastro de fornecedores... 4 3. Certificado de Registro Cadastral... 4 4. Operacionalização do Sistema de Compras da COPASA...

Leia mais

2-Introdução e Conceitos Básicos das TIC

2-Introdução e Conceitos Básicos das TIC Agrupamento de escolas de Pevidém 2-Introdução e Conceitos Básicos das TIC Conhecer e adotar regras de ergonomia e exploração de diferentes tipos de software Prof.: Alexandra Matias Sumário Conhecer as

Leia mais

Aula 03-04: Modelos de Sistemas Distribuídos

Aula 03-04: Modelos de Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Computação Aula 03-04: Modelos de Sistemas Distribuídos 2o. Semestre / 2014 Prof. Jesus Principais questões no projeto de um sistema distribuído (SD) Questão de acesso (como sist. será acessado)

Leia mais

UNIDADE 2: Sistema Operativo em Ambiente Gráfico

UNIDADE 2: Sistema Operativo em Ambiente Gráfico UNIDADE 2: Sistema Operativo em Ambiente Gráfico Ambiente de trabalho Configurações Acessórios O Sistema Operativo (SO) é o conjunto de programas fundamentais que permitem que o computador funcione e comunique

Leia mais

CURSO ALUNO TÉCNICO. Um pouco mais sobre redes

CURSO ALUNO TÉCNICO. Um pouco mais sobre redes GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO GERÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO SUBGERÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DA ED. BÁSICA E PROFISSIONAL PROGRAMA DE INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO

Leia mais

Introdução a Banco de Dados Aula 03. Prof. Silvestri www.eduardosilvestri.com.br

Introdução a Banco de Dados Aula 03. Prof. Silvestri www.eduardosilvestri.com.br Introdução a Banco de Dados Aula 03 Prof. Silvestri www.eduardosilvestri.com.br Arquiteturas de Banco de Dados Arquiteturas de BD - Introdução Atualmente, devem-se considerar alguns aspectos relevantes

Leia mais

Uma visão mais clara da UML Sumário

Uma visão mais clara da UML Sumário Uma visão mais clara da UML Sumário 1 Método...2 2 Análise de requisitos...2 2.1 Diagramas de Casos de Uso...3 2.1.1 Ator...3 2.1.2 Casos de Uso (Use Case)...4 2.1.3 Cenário...4 2.1.4 Relacionamentos...6

Leia mais

ITIL. Conteúdo. 1. Introdução. 2. Suporte de Serviços. 3. Entrega de Serviços. 4. CobIT X ITIL. 5. Considerações Finais

ITIL. Conteúdo. 1. Introdução. 2. Suporte de Serviços. 3. Entrega de Serviços. 4. CobIT X ITIL. 5. Considerações Finais ITIL Conteúdo 1. Introdução 2. Suporte de Serviços 3. Entrega de Serviços 4. CobIT X ITIL 5. Considerações Finais Introdução Introdução Information Technology Infrastructure Library O ITIL foi desenvolvido,

Leia mais

Motorola Phone Tools. Início Rápido

Motorola Phone Tools. Início Rápido Motorola Phone Tools Início Rápido Conteúdo Requisitos mínimos...2 Antes da instalação Motorola Phone Tools...3 Instalar Motorola Phone Tools...4 Instalação e configuração do dispositivo móvel...6 Registro

Leia mais

CEFET.PHB - PI. Plano de Ensino. Banco de Dados. Plano de Ensino. Plano de Ensino. Plano de Ensino - Conteúdo. Plano de Ensino - Conteúdo

CEFET.PHB - PI. Plano de Ensino. Banco de Dados. Plano de Ensino. Plano de Ensino. Plano de Ensino - Conteúdo. Plano de Ensino - Conteúdo CEFET.PHB - PI Plano de Ensino Banco de Dados Prof. Jefferson Silva Sistema de Banco de Dados Objetivos Vantagens e Desvantagens Conceitos básicos de BD e de SGBD Abstração de Dados Linguagem de Definição

Leia mais

Planificação de. Aplicações Informáticas B

Planificação de. Aplicações Informáticas B Escola básica e secundária de Velas Planificação de Aplicações Informáticas B Ano letivo 2011/2012 1- Introdução à Programação Planificação de Aplicações Informáticas B Unidade Sub-Unidades Objetivos Conteúdos

Leia mais

INFORMÁTICA. Sistemas Operacionais. Professor: Rogério Vargas 2014/2

INFORMÁTICA. Sistemas Operacionais. Professor: Rogério Vargas 2014/2 INFORMÁTICA Sistemas Operacionais Professor: Rogério Vargas 2014/2 Introdução Computador é um sistema composto de dois importantes componentes: hardware e software. Hardware é o equipamento físico, e software,

Leia mais

Auditoria de Sistemas de Informação. Everson Santos Araujo

Auditoria de Sistemas de Informação. Everson Santos Araujo <everson@por.com.br> Auditoria de Sistemas de Informação Everson Santos Araujo 2 Abordagens Ao redor do computador Através do computador Com o computador 3 Ao redor do computador Auditoria de documento-fonte

Leia mais

A abordagem da Engenharia Semiótica para o desenvolvimento de software centrado no usuário

A abordagem da Engenharia Semiótica para o desenvolvimento de software centrado no usuário A abordagem da Engenharia Semiótica para o desenvolvimento de software centrado no usuário Jair Cavalcanti Leite Departamento de Informática e Matemática Aplicada Universidade Federal do Rio Grande do

Leia mais

NAPNE / SIEP. Softwares Educativos MANUAL GCOMPRIS

NAPNE / SIEP. Softwares Educativos MANUAL GCOMPRIS NAPNE / SIEP Softwares Educativos MANUAL GCOMPRIS Janeiro de 2009 1 ÍNDICE Introdução 3 Requisitos básicos 3 Instalação 3 Interface do usuário 4 Janela principal 4 Administração de GCompris 5 Seleção de

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMAS OPERACIONAIS. 2º TRIMESTRE Patrícia Lucas

SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMAS OPERACIONAIS. 2º TRIMESTRE Patrícia Lucas SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMAS OPERACIONAIS 2º TRIMESTRE Patrícia Lucas O QUE SÃO SISTEMAS OPERACIONAIS? Um sistema operacional é um conjunto de rotinas executado pelo processador, de forma semelhante

Leia mais

The Application of The Principles of GLP to Computerised

The Application of The Principles of GLP to Computerised APLICAÇÃO DOS PRINCÍPIOS BPL AOS SISTEMAS INFORMATIZADOS NORMA N o NIT-DICLA-038 APROVADA EM SET/2011 N o 01/13 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Histórico da revisão 5 Siglas

Leia mais

Papel de Parede Secreto

Papel de Parede Secreto USO DO WINDOWS o Windows XP finalmente está perdendo forças no mercado de sistemas operacionais. Na pesquisa mais recente feita pelo StatsCounter, com dados de novembro de 2014, a versão foi ultrapassada

Leia mais

Guia de Início Rápido SystemTweaker

Guia de Início Rápido SystemTweaker Guia de Início Rápido SystemTweaker O SystemTweaker é uma ferramenta segura e fácil de usar para personalizar o Windows de acordo com as suas preferências. Este guia de início rápido irá ajudar você a

Leia mais

Documento de Especificação de Requisitos

Documento de Especificação de Requisitos Sistema Móvel de Diário Escolar (SIMDE) Documento de Especificação de Requisitos Versão 3 Índice 1 PREFÁCIO... 4 2 INTRODUÇÃO... 5 3 GLOSSÁRIO... 6 4 DEFINIÇÃO DE REQUISITOS DO USUÁRIO... 7 5 ARQUITETURA

Leia mais

QUALIDADE DO SOFTWARE (PRODUTO)

QUALIDADE DO SOFTWARE (PRODUTO) QUALIDADE DO SOFTWARE (PRODUTO) Baseado no material do prof. Mario Lúcio Cortes http://www.ic.unicamp.br/~cortes/mc726/ 1 1. Introdução No início qualidade = funcionalidade capacidade de substituir o hardware

Leia mais

CONFIGURAÇÃO DO BIOS E CARACTERÍSTICAS DE SEGURANÇA

CONFIGURAÇÃO DO BIOS E CARACTERÍSTICAS DE SEGURANÇA CAPÍTULO VINTE DOIS CONFIGURAÇÃO DO BIOS E CARACTERÍSTICAS DE SEGURANÇA Nesse capítulo, você irá aprender como acessar o Menu da Configuração do BIOS e manipular várias configurações para controle de hardware.

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS

SISTEMAS OPERACIONAIS Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Sistemas de Informação Prof.: Maico Petry SISTEMAS OPERACIONAIS DISCIPLINA: Fundamentos de Informática DEFINIÇÃO É um programa de controle do computador.

Leia mais

SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO COORDENADORIA DE SUPORTE TÉCNICO AOS USUÁRIOS MANUAL DE ACESSO AO PORTAL DE APLICAÇÕES DO GABINETE VIRTUAL

SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO COORDENADORIA DE SUPORTE TÉCNICO AOS USUÁRIOS MANUAL DE ACESSO AO PORTAL DE APLICAÇÕES DO GABINETE VIRTUAL SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO COORDENADORIA DE SUPORTE TÉCNICO AOS USUÁRIOS MANUAL DE ACESSO AO PORTAL DE APLICAÇÕES DO GABINETE VIRTUAL 16 DE ABRIL DE 2013 SUMÁRIO 1 OBJETIVO DO MÓDULO... 3 2

Leia mais

Protótipo de um Software Tutorial para Auxílio na Construção de Interfaces Padrão Windows

Protótipo de um Software Tutorial para Auxílio na Construção de Interfaces Padrão Windows Protótipo de um Software Tutorial para Auxílio na Construção de Interfaces Padrão Windows Eduardo Comin Prof. Dalton Solano dos Reis Orientador 1 Roteiro Introdução Ergonomia Interface Software Educacional

Leia mais

Introdução. Software (Parte I)

Introdução. Software (Parte I) Universidade Federal de Campina Grande Centro de Engenharia Elétrica e Informática Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação Introdução à Computação Software (Parte I) Prof. a Joseana Macêdo Fechine Régis

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO PORTAL DO PROFESSOR

MANUAL DO USUÁRIO PORTAL DO PROFESSOR MANUAL DO USUÁRIO PORTAL DO PROFESSOR ACESSANDO O PORTAL DO PROFESSOR Para acessar o portal do professor, acesse o endereço que você recebeu através da instituição de ensino ou acesse diretamente o endereço:

Leia mais

UNIDADE III Sistemas Operacionais WINDOWS

UNIDADE III Sistemas Operacionais WINDOWS UNIDADE III Sistemas Operacionais WINDOWS Objetivo da unidade Objetivo Geral Apontar as noções básicas do Windows Praticar o aprendizado sobre o Sistema Operacional Objetivos Específicos Entender como

Leia mais

Pró-Reitoria de Administração - PRAd Assessoria de Informática - AI SISTEMA DE PUBLICAÇÃO DE LICITAÇÕES. Manual de Procedimentos

Pró-Reitoria de Administração - PRAd Assessoria de Informática - AI SISTEMA DE PUBLICAÇÃO DE LICITAÇÕES. Manual de Procedimentos Pró-Reitoria de Administração - PRAd Assessoria de Informática - AI SISTEMA DE PUBLICAÇÃO DE LICITAÇÕES Manual de Procedimentos 2004 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...3 2. OBJETIVOS...3 3. ÂMBITO DE APLICAÇÃO...3

Leia mais

Departamento de Tecnologia da Informação DTI Coordenadoria de Relacionamento com o Cliente CRC. Treinamento Básico do Correio Eletrônico

Departamento de Tecnologia da Informação DTI Coordenadoria de Relacionamento com o Cliente CRC. Treinamento Básico do Correio Eletrônico Departamento de Tecnologia da Informação DTI Coordenadoria de Relacionamento com o Cliente CRC Treinamento Básico do Correio Eletrônico Brasília Março de 2012 SUMÁRIO 1. Introdução... 3 1.1 Como acessar

Leia mais

5.1 Sistemas de Arquivos

5.1 Sistemas de Arquivos Capítulo 5 Os Sistemas de Arquivos 5.1 Sistemas de Arquivos Neste capítulo nós iremos examinar, a partir da visão do usuário, as estruturas que possibilitam o armazenamento persistente de informações no

Leia mais

Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento. Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller

Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento. Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller 1 Introdução O objetivo deste trabalho é verificar a eficiência da Avaliação com o Usuário e da

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE Questionamento a alta direção: 1. Quais os objetivos e metas da organização? 2. quais os principais Produtos e/ou serviços da organização? 3. Qual o escopo da certificação? 4. qual é a Visão e Missão?

Leia mais

SUMÁRIO. 1. Instalação... 1. 2. Operações... 3. 2.1 Comunicação... 4. 2.1.1 Modo... 4. 2.1.2 Ethernet... 5. 2.1.3 Serial... 6

SUMÁRIO. 1. Instalação... 1. 2. Operações... 3. 2.1 Comunicação... 4. 2.1.1 Modo... 4. 2.1.2 Ethernet... 5. 2.1.3 Serial... 6 SUMÁRIO 1. Instalação... 1 2. Operações... 3 2.1 Comunicação... 4 2.1.1 Modo... 4 2.1.2 Ethernet... 5 2.1.3 Serial... 6 2.1.4 Configurações da placa de rede... 6 2.2 Edição base... 7 2.2.1 Produto... 7

Leia mais

CIBM. IBM SmartCloud Entry. Guia do Usuário - Versão 2.2

CIBM. IBM SmartCloud Entry. Guia do Usuário - Versão 2.2 CIBM Guia do Usuário - Versão 2.2 Esta edição aplica-se à versão 2, release 2, modificação 0 do (número do produto 5765-SKC) e a todos os releases e modificações subsequentes, até que seja indicado de

Leia mais

MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO

MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO UTILIZANDO O HIBERNATE Rafael Laurino GUERRA, Dra. Luciana Aparecida Martinez ZAINA Faculdade de Tecnologia de Indaiatuba FATEC-ID 1 RESUMO Este artigo apresenta

Leia mais

Estrutura de um Sistema Linux Moderno Padrões de um Sistema Linux. Prof. Claudio Silva

Estrutura de um Sistema Linux Moderno Padrões de um Sistema Linux. Prof. Claudio Silva Estrutura de um Sistema Linux Moderno Padrões de um Sistema Linux Estrutura de um Sistema Linux Por ter sua origem universitária, a forma como o Linux foi concebido é de perfeito agrado para o seu estudo.

Leia mais

Interação Humano Computador IHC

Interação Humano Computador IHC Universidade Federal do Vale do São Francisco -UNIVASF Colegiado de Engenharia de Computação Interação Humano Computador IHC Prof. Jorge Cavalcanti Jorge.cavalcanti@univast.edu.br www.twitter.com/jorgecav

Leia mais

Ref.: Consulta Pública Solução Educacional

Ref.: Consulta Pública Solução Educacional Belo Horizonte, 11 de junho de 2013 À Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerais Rod. Pref. Américo Gianetti, Serra Verde - Prédio Minas, 11º andar 31.630-900 Belo Horizonte Minas Gerais Ref.: Consulta

Leia mais

UFSM- Universidade Federal de Santa Maria Colégio Agrícola de Frederico Westphalen ERGONOMIA. Elisa Maria Pivetta. Ir p/ primeira página

UFSM- Universidade Federal de Santa Maria Colégio Agrícola de Frederico Westphalen ERGONOMIA. Elisa Maria Pivetta. Ir p/ primeira página UFSM- Universidade Federal de Santa Maria Colégio Agrícola de Frederico Westphalen ERGONOMIA Elisa Maria Pivetta Ergonomia Ergonomia vem do grego: "ergos" que significa trabalho, "nomos", que significa

Leia mais

Introdução à Computação: Sistemas de Computação

Introdução à Computação: Sistemas de Computação Introdução à Computação: Sistemas de Computação Beatriz F. M. Souza (bfmartins@inf.ufes.br) http://inf.ufes.br/~bfmartins/ Computer Science Department Federal University of Espírito Santo (Ufes), Vitória,

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA BNDES 01/2008 QUESTIONAMENTOS DA EMPRESA SAS

CONSULTA PÚBLICA BNDES 01/2008 QUESTIONAMENTOS DA EMPRESA SAS 1 CONSULTA PÚBLICA BNDES 01/2008 QUESTIONAMENTOS DA EMPRESA SAS QUESTÃO 1 2. DESCRIÇÃO DO OBJETO 2.1. Aquisição do SISTEMA DE RISCO 2.1.1. Fornecimento e cessão de direito de uso definitivo, não exclusivo,

Leia mais

MF = (M1 * 0,4) + (M2 * 0,6) MF < 6 MF = (MF * 0,6) + (EXA * 0,4)

MF = (M1 * 0,4) + (M2 * 0,6) MF < 6 MF = (MF * 0,6) + (EXA * 0,4) Informática Aplicada Prof. Gilmar F. Aquino Filho São Vicente, SP 22/02/2016 EMENTA Fundamentos em Informática; O computador; História; Origem; Funcionamento; Componentes; Conceito de Hardware; Conceito

Leia mais

Virtual Box. Guia. Instalação E Utilização. Criado por Wancleber Vieira wancleber.vieira@ibest.com.br

Virtual Box. Guia. Instalação E Utilização. Criado por Wancleber Vieira wancleber.vieira@ibest.com.br Virtual Box Guia De Instalação E Utilização 1 Sumário Instalação do Linux Ubuntu através de um gerenciador de Máquinas Virtuais 1.1 Introdução, 3 1.2 Instalação do Virtual Box, 3 1.3 Configuração do Virtual

Leia mais

INFORMÁTICA INFORMÁTICA BÁSICA

INFORMÁTICA INFORMÁTICA BÁSICA INFORMÁTICA BÁSICA PROF. MARCOS VINICIUS GRADUADO EM ANÁLISES DE SISTEMAS. PÓS-GRADUADO EM ADMINISTRAÇÃO E SEGURANÇA DE SISTEMAS COMPUTACIONAIS FACULDADE ESTÁCIO DE SÁ. ANALISTA DE SISTEMAS E DBA SQL SERVER

Leia mais