RESUMO DOS TCC s DO NÚCLEO CLÍNICA COGNITIVA COMPORTAMENTAL 2001

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RESUMO DOS TCC s DO NÚCLEO CLÍNICA COGNITIVA COMPORTAMENTAL 2001"

Transcrição

1 DOS TCC s DO NÚCLEO CLÍNICA COGNITIVA COMPORTAMENTAL GOMES, ANDRÉA. M. & GUIMARÃES, MICHELE S. Análise comportamental da atuação do Psicólogo com crianças portadoras de paralisia cerebral. Trabalho de Conclusão do Curso de Psicologia. Universidade São Judas Tadeu. São Paulo, Orientador: Raphael Cangelli Filho Banca: Amílcar Rosádio Soto/ Luís Guilherme Coelho Mola A criança portadora de paralisia cerebral apresenta deficiências físicas, resultantes de uma ou mais lesões cerebrais. O quadro pode apresentar patologias associadas, como: déficits sensoriais, perceptuais, cognitivos e intelectuais. Neste contexto, a criança portadora de paralisia cerebral pode apresentar prejuízos em seu desenvolvimento global (adaptativo, motor, linguagem e pessoal-social). A presença de uma criança portadora da paralisia cerebral numa família gera sentimentos conflitantes o que altera aspectos de dinâmica familiar e influência no desenvolvimento global da criança. Com base nisso, este estudo teve por objetivo fornecer uma análise apoiada em uma revisão de literatura e embasada na abordagem comportamental, dos procedimentos usualmente utilizados pelo psicólogo no tratamento de crianças portadoras de paralisia cerebral. Através de uma revisão teórica, este trabalho conclui que a atuação do psicólogo junto ao portador de paralisia cerebral e sua família deve ser feito de modo precoce para que assim haja estimulação das potencialidades desta criança nos períodos de maturação, visando promover qualidade de vida à criança e à família. 2. BLEFARI, SANDRA. R. & SILVA, LETÍCIA S. Conseqüências da ingestão abusiva de álcool com início na adolescência. Trabalho de Conclusão do Curso de Psicologia. Universidade São Judas Tadeu. São Paulo, Orientador: André Luís Jonas Banca: Amílcar Rosádio Soto/ Luís Antonio Gomes Lima O objetivo em pesquisar sobre o adolescente e sua relação abusiva com o álcool, despertou-se pelo interesse em estar compreendendo o que leva um adolescente a beber, e, principalmente quais as conseqüências que este vício proporciona ao mesmo. No desenvolvimento deste trabalho, propiciamos ao leitor, um entendimento sobre o conceito da adolescência e suas características, bem como sobre o processo de construção de identidade; uma vez que é possivelmente nessa fase, que o jovem interessa-se pela ingestão de álcool, sem refletir sobre as conseqüências que esta substância pode causar-lhe. Esta pesquisa foi realizada com base em um levantamento bibliográfico. Portanto, utilizamos como fontes: livros, Internet, monografias e apostilas. Tendo por base as leituras realizadas e também nossas experiências como estagiárias-terapeutas, do Núcleo de Psicologia Comportamental Cognitiva, verificamos que fatores sociais, familiares e psicológicos, levam o adolescente a procurar prazer, extroversão, resolução de problemas, entre outros aspectos, através da ingestão do álcool. Após a realização deste trabalho, consideramos que seria muito importante que houvesse, cada vez mais, equipes multidisciplinares, para trabalhar na prevenção da ingestão do álcool, estabelecendo um bem-estar para o próprio adolescente, e, para as pessoas que convivem com o mesmo. 2

2 3. FIGUEIREDO, MARIA D. L. A arte de sorrir. Trabalho de Conclusão do Curso de Psicologia. Universidade São Judas Tadeu. São Paulo, Orientador: Sylvia van Enk Meira Banca: Carla Witter/ Ana Maria Haddad Baptista Alguns autores influentes afirmam que o sorriso e riso são graus diferentes de um mesmo fenômeno. Nas primeiras semanas de vida os bebês apresentam sorrisos reflexos e são independentes do grau de familiaridade destes. A partir da terceira semana o sorriso passa a ser eliciado por estimulação externa. Os estímulos auditivos ocorrem do desenvolvimento aos estímulos visuais. O riso aparece depois do sorriso. Darwin defendia a idéia que as primeiras ações expressivas exibidas pelo homem são inatas, porém outros autores afirmam que as expressões faciais são socialmente aprendidas e, por isso, apresentam extrema variação individual e cultural. O tema a arte de sorrir é apresentado neste trabalho a partir de idéias reflexivas de alguns autores, com também pelos significados contidos nas descrições das respostas que os professores do 5º ano do curso de Psicologia de uma Universidade particular atribuíram ao sorriso na comunicação interpessoal. As respostas dos professores são organizadas em categorias de aproximação e de afastamento. Para analisar o sorriso é fundamental a inserção do contexto em que ele ocorre. 4. ROSA, ANDRÉIA & SILVA, RENATA V. Mada: Um estudo sobre a Associação Mulheres que Amam Demais Anônimas. Trabalho de Conclusão do Curso de Psicologia. Universidade São Judas Tadeu. São Paulo, Orientador: Luís Alfredo Lilienthal Banca: Carla Witter/ Raphael Cangelli Filho O presente estudo visa apresentar o funcionamento da Associação MADA (Mulheres que Amam Demais Anônimas), freqüentada por mulheres com idade média de 30 anos, classe social e estado civil diversificados. O grupo realiza três reuniões semanais, com o objetivo de trabalhar a recuperação de mulheres que apresentam relacionamentos destrutivos. Considerando as observações realizadas em reunião, pode-se enfocar que os temas mais discutidos são os conflitos nas relações familiares e a baixa auto-estima, questões que apontam como causadoras do sofrimento que apresentam atualmente em seus relacionamentos amorosos. A partir dos dados obtidos, entende-se que o trabalho realizado pela Associação é funcional, no sentido de aliviar o sofrimento vivenciado naquele momento, porém, o sistema utilizado transfere o foco de dependência. Sendo assim, as mulheres passam a questionar seus novos relacionamentos para torná-los saudáveis, mas tornam-se dependentes do grupo. 5. LOYOLA, NATÁLIA M. & SILVA, DANIELA F. Sexo: Mas, afinal, o que é o sexo para os adolescentes? Trabalho de Conclusão do Curso de Psicologia. Universidade São Judas Tadeu. São Paulo, Orientador: Raphael Cangelli Filho Banca: Luís Alfredo Lilienthal/ Maria Esmeralda Mineu Zamlutti Sensibilizadas por um caso de gravidez na adolescência e por considerarmos que esta constitui uma possível conseqüência de um comportamento sexual indevido, objetivou-se no presente trabalho, compreender como o sexo tem sido visto pelos adolescentes da sociedade contemporânea. Convidamos o leitor a percorrer a complexidade do que é o adolescer, apresentando seu conceito e características bem como o desenvolvimento da sexualidade e histórico da educação sexual. Realizamos este estudo com base em um levantamento bibliográfico. Foram, 3

3 portanto, consultados livros sobre a adolescência e desenvolvimento do papel sexual, e uma literatura mais específica, como a gravidez na adolescência. Por intermédio das leituras realizadas e experiências como estagiáriasterapeutas na Clínica de Psicologia da Universidade São Judas Tadeu, consideramos que inúmeros fatores influenciam a forma do adolescente pensar em sexo, entre os quais, as crenças e valores morais transmitidos pela família; a série de mudanças provenientes da puberdade; a educação sexual que recebem; os meios de comunicação e outras questões sociais e culturais. Constatamos também que a gravidez na adolescência, bem como as outras conseqüências do ato sexual impensado, devem ser consideradas como o ápice de um problema bem maior que as antecedem, ao contrário do que a maioria das pessoas pensam, ou seja, que o problema da jovem gestante se inicia tão logo venha a constatação da gravidez. Portanto, a família e a sociedade como um todo, devem se conscientizar que esta é uma questão importante sendo fundamental repensar sobre seus preconceitos e crenças, e assumir a necessidade de promover a educação sexual compromissada de modo que a incidência de situações de risco com relação ao sexo tendam a diminuir; a saber, que o diálogo e a informação continuam a ser as melhores saídas. 6. DAMO, FABÍOLA & SOARES, TATIANA S. Adolescência e Drogas: Uma Compreensão desta Relação. Trabalho de Conclusão do Curso de Psicologia. Universidade São Judas Tadeu. São Paulo, Orientador: Raphael Cangelli Filho Banca: Armando Rezende Neto/ Valéria Ribeiro Linard O objetivo deste trabalho foi abordar a relação do adolescente com a droga, analisando os fatores que influenciam no seu uso. A adolescência é vida com uma fase entre a infância e a vida adulta, marcada por grandes mudanças físicas e psicológicas. O adolescente está em busca de sua aceitação no grupo, do par ideal, de uma profissão, das respostas, soluções, de si mesmo e da sua identidade. Porém, em busca vem acompanhada de incertezas que o deixam inseguro e angustiado. Por estar muito vulnerável a pressões, sofrimentos, prazeres e valores, o adolescente pode ver a droga como algo mágico que traz solução para os seus problemas, aliviando a aflição e a angústia e também dando força e prazer. Por "droga" entendemos tudo o que é utilizado para amenizar a dor, baixar a ansiedade, diminuir as frustrações, aumentar a segurança e a fantasia. O adolescente pode procurar a droga por vários motivos: curiosidade, pressão do grupo, angústia e alegria. O grupo é importante para o adolescente, pois como ele compartilha seus desejos, inquietudes, temores, experiências e interesses comuns. A imitação e repetição de ações e atividades garantem a aceitação no grupo. O sentimento de pertencer ao grupo faz parte do crescimento do adolescente e o grupo o acolhe bem com seus conflitos. Entre os adolescentes, no ritual da aceitação, não é necessária muita conversa. O contato é simples, repetitivo e de identificação. Seja qual for à situação referente às drogas, é importante verificar a forma com se procede, quais os caminhos a percorrer, qual é o papel e a função das pessoas e profissionais envolvidos com o adolescente. Perguntar e dialogar são atitudes de base frente aos adolescentes com problemas de drogas. Nenhum dependente químico pode curar a si mesmo, é necessário ajudá-los para que desejem a cura, através da compreensão, da confiança, de um diálogo sincero e sem censuras. 7. AMARAL, ROSELI A. C. & MAKI, KARINA. Maturescência: Implicações na auto-imagem. Trabalho de Conclusão do Curso de Psicologia. Universidade São Judas Tadeu. São Paulo, Orientador: Luís Alfredo Lilienthal Banca: Anete Aparecida Farina/ Sylvia van Enk Meira Alguns estudos discutem a imagem que a sociedade tem do idoso e sobre a imagem que ele tem de si mesmo. O presente estudo procurou investigar as possíveis implicações na auto-imagem do idoso, bem como sua relação com esta fase da vida. Para tanto, estudaram-se dois sujeitos do sexo feminino e dois do sexo masculino, sendo estes integrantes de um asilo mantido por instituição religiosa, situada no litoral de São Paulo, e dois sujeitos do sexo feminino e dois do sexo masculino, integrantes de uma Universidade, para a terceira idade, situada na cidade de 4

4 São Paulo; de faixa etária entre cinqüenta e oito e oitenta e sete anos de idade. Foram investigados seus relatos sobre a concepção de serem idosos. A avaliação dos resultados demonstrou que, apesar de haver influências do meio em que estão inseridos, o fator que se mostrou predominante para a concepção da auto-imagem destes indivíduos, foi o das características individuais. 8. BRANCO, JONAS C. Adoção: O uso da fantasia como instrumento de abertura de conversação. Trabalho de Conclusão do Curso de Psicologia. Universidade São Judas Tadeu. São Paulo, Orientador: Sylvia van Enk Meira Banca: Liz Verônica Versilo Luisi/ Raphael Cangelli Filho A adoção é uma prática antiga na história da humanidade, mas ainda é cercada de mitos e preconceitos que dificultam a aceitação dessa opção como forma de maternidade e paternidade. A família visando proporcionar proteção a ela e ao filho adotado pode instaurar o segredo familiar evitando falar de adoção e sobre a forma como a criança se tornou filho. Manter o segredo além de dispensar uma carga alta de energia e gerar ansiedade nas relações, influencia negativamente na formação de identidade da criança fragmentando sua narrativa de vida. Embora cercada de mitos de abandono, as pesquisas sobre adoção mostram que a vida da criança e da família após a revelação, mesmo que tardia, não apresenta mudanças negativas no comportamento individual e ou relacional, nem tampouco os filhos optaram por sua família biológica. Pela pesquisa bibliográfica realizada, não se registrou um consenso entre os autores sobre a hora da revelação; no entanto, há coincidência na posição de que falar sobre adoção deve ser feito de forma contínua, levando-se em conta o grau de compreensão da criança. Optou-se pelo uso da fantasia como instrumento de abertura de conversação, por oferecer através de um contexto alterado, condições da criança falar dos seus sentimentos, através da sua identificação com os personagens. 9. SILVA, LUCIANA R. & SOUZA, LOURIETE R. A utilização de técnicas comportamentais na modificação do comportamento em crianças autistas. Trabalho de Conclusão do Curso de Psicologia. Universidade São Judas Tadeu. São Paulo, Orientador: André Luís Jonas Banca: Armando Rezende Neto/ Amílcar Rosádio Soto A modificação de comportamento em crianças autistas tem sido objeto de estudo na área da psicologia comportamental, a fim de promover uma melhor qualidade de vida para essas crianças. A presente pesquisa teve por objetivo, através de levantamento bibliográfico verificar as possibilidades que as crianças autistas possuem para se adequar ao meio através da utilização destas técnicas. As técnicas abordadas no presente estudo foram: 1) TEACCH (Tratamento e Educação para Autistas e Crianças com Deficiências relacionadas à Comunicação); método elaborado após intensa observação comportamental dos indivíduos com deficiências tanto relacionadas ao autismo quanto à comunicação em diferentes settings e frente a diferentes estímulos; 2) o método CABAS (Compreensive Aplication of Behavior Analysis to Schooling), no qual o ensino é individual e tem como regra revisar o comportamento da criança continuamente através de técnicas de registro; e 3) um estudo recente sobre a equivalêcia de estímulos como base para a emergência de novos intraverbais, que procurou mostrar como emergem discriminações condicionais novas após o ensino de algumas poucas discriminações. Desta forma, através dessa breve revisão, pode-se concluir que as técnicas comportamentais citadas objetivam provocar mudanças no repertório comportamental da criança, de maneira a reduzir os déficits e excessos comportamentais marcantes através do controle de estímulos. 5

5 6

6 DOS TCC s. DO NÚCLEO CLÍNICA COGNITIVA COMPORTAMENTAL CARDOSO, SELMA G. N. & SILVA, ROSELI T. Adolescência e os transtornos alimentares: uma compreensão desta relação. Trabalho de Conclusão do Curso de Psicologia. Universidade São Judas Tadeu. São Paulo, Orientador: Raphael Cangelli Filho Banca: André Luís Jonas/ Táki Athanássios Cordás Este trabalho tem, por objetivo, abordar os transtornos alimentares e, em especial, a anorexia nervosa e a bulimia nervosa, com base na Teoria Comportamental-Cognitiva, que prioriza os eventos cognitivos na geração dos problemas pessoais e transtornos psiquiátricos. Os transtornos alimentares têm recebido muita atenção dos meios de comunicação nos últimos anos, em parte pela importância do tema, que afeta milhões de pessoas em todo o mundo a cada ano, e em parte por atingir pessoas do mundo da moda, das artes e dos esportes (modelos, bailarinas e atletas). A grande maioria dos que sofrem os transtornos alimentares mais de 90% - são adolescentes e mulheres jovens, por estarem numa época da vida em que a manutenção de uma forma física ideal é um valor muito cultivado. A nossa cultura ratifica e apóia estes conceitos. Estar magro é uma condição para aceitação, reconhecimento e sucesso. Na tentativa de atingir a meta de estar magro a qualquer custo, as pessoas fazem regimes muito rigorosos, aos quais os especialistas atribuem um papel fundamental no desencadeamento dos transtornos alimentares. As conseqüências destes transtornos podem ser muito graves e 1 em cada 10 casos termina, em parte, por parada cardíaca, desnutrição ou suicídio. 11. AMENDOLA, LETÍCIA. Adoção e seus segredos. Trabalho de Conclusão do Curso de Psicologia. Universidade São Judas Tadeu. São Paulo, Orientador: Sylvia van Enk Meira Banca: Armando Rezende Neto/ Raphael Cangelli Filho A adoção é uma prática antiga encontrada em várias citações de história da humanidade. No Brasil é uma prática também antiga, porém ainda existem mitos e tabus permeando e dificultando as relações entre pais e filhos adotivos. Para muitos pais, a fertilidade é uma benção e a esterilidade uma maldição. Prêmio ou castigo é transmitido de geração para geração por meio de mitos. A infertilidade no casal frustra os desejos e expectativas que foram criados dentro de um padrão de crenças adquiridas pelo casal em suas famílias de origem. A família, com o objetivo de proporcionar uma dupla proteção a ela e ao filho adotado, pode instaurar o segredo familiar evitando falar da adoção, e sobre a forma como a criança se tornou filho. Manter o segredo, além de dispender uma carga alta de energia e gerar ansiedade nas relações, influencia negativamente na formação da identidade da criança, fragmentando sua narrativa de vida. Pela pesquisa realizada, não se registrou um consenso entre os autores sobre a hora da revelação; no entanto, há coincidência na posição de que falar sobre adoção deve ser feito continuamente, ser construída junto da relação diária com a criança, levando-se em conta o seu nível se compreensão. 7

7 12. BALTHAZAR, ANDREZA & RODRIGUES, CLAUDIA.F. Síndrome do Pânico O Fantasma do Medo. Trabalho de Conclusão do Curso de Psicologia. Universidade São Judas Tadeu. São Paulo, Orientador: Raphael Cangelli Filho Banca: Amílcar Rosádio Soto/ Simone Mancini Castilho Este trabalho apresenta abordagens teóricas no âmbito da psiquiatria, neurologia e psicologia cognitiva, para explicar a origem da Síndrome do Pânico, seus sintomas e possíveis modos de tratamento. Através da análise teórica, concluise que a Síndrome do Pânico é de causa múltipla, ou seja, há um distúrbio nos mediadores químicos, e é descrita pela abordagem psiquiátrica, por ser um transtorno de ansiedade e por sua sintomatologia difusa. Um dos tratamentos indicados e que se mostra eficaz para a Síndrome do Pânico é terapia cognitiva, acompanhada de tratamento farmacológico, pois possibilita, ao portador, menor possibilidade de recaída. 13. PAES, SANDRA M. & RINALDI, SOLANGE. Adolescência e Maconha: Onde começa esta relação? Trabalho de Conclusão do Curso de Psicologia. Universidade São Judas Tadeu. São Paulo, Orientador: Raphael Cangelli Filho Banca: Sylvia van Enk Meira/ Simone Mancini Castilho Este trabalho foi realizado com base na Teoria Cognitiva e foi dividido em três capítulos: Drogas, Adolescência e Prevenção. Em cada um deles buscamos informações esclarecedoras, para apresentá-las e discuti-las de forma que fiquem claras para todos que queiram saber mais sobre o assunto. O objetivo do nosso trabalho é o de estudar onde se inicia a relação do Adolescente e da Maconha, visando, principalmente, os motivos que os levam a procurá-la, podendo ser usado, também, como base para um trabalho preventivo, pois traz informações importantes para sabermos como podemos fazer para diminuir o risco de um adolescente envolver-se com a maconha. 14. COSTA, INGRID L. A. & TRINDADE, LOUIZIANE C. Da união à separação: por que o relacionamento de alguns casais que vivem maritalmente não dá certo? Trabalho de Conclusão do Curso de Psicologia. Universidade São Judas Tadeu. São Paulo, Orientador: Luís Alfredo Lilienthal Banca: Sylvia van Enk Meira/ Liz Verônica V. Luisi O trabalho realizado é um estudo sobre por que o relacionamento de alguns casais que vivem maritalmente não dá certo, tendo como principal objetivo levantar possíveis relações existentes entre o término do relacionamento e as condições dadas pela sociedade atual. Para este estudo utilizou-se a abordagem fenomenológica como orientação teórica. Foram entrevistados seis sujeitos de ambos os sexos, moradores da Capital de São Paulo, com idade entre 25 a 50 anos, que viveram maritalmente por no mínimo dois anos e que estivessem separados por no mínimo dois anos, utilizando-nos de entrevistas abertas, individuais, deixando o sujeito livre para contar a história de sua união. Os dados desta pesquisa foram avaliados de forma qualitativa, na qual os pesquisadores atuaram como variável interveniente, entrando em contato com a experiência do entrevistado de maneira participativa. Os dados nos permitiram avaliar questões relacionadas com o início de um relacionamento, as implicações da decisão, bem como os motivos que podem levar à separação, permitindo-nos avaliar o papel da terapia de casal nessa relação. Concluímos que não existe regra, mas uma série de circunstâncias que podem potencialmente determinar o sucesso ou o insucesso da união. 8

8 15. PINHO, VANESSA.& PIVISAN, BIANCA A. T. O conceito de imagem corporal em estudantes universitários. Trabalho de Conclusão do Curso de Psicologia. Universidade São Judas Tadeu. São Paulo, Orientador: André Luís Jonas Banca: Paola Espósito de Moraes Almeida/ Simone Mancini Castilho Uma das maneiras que o indivíduo tem para pensar em si é através da imagem de seu próprio corpo. Segundo Castilho (2001), a identidade humana é inseparável de seu substrato e o modo com que as pessoas vivem neste substrato determinam sua forma de existir no mundo. O presente estudo teve como objetivo avaliar o nível de distorção da imagem corporal em estudantes universitários. Foi utilizado um questionário aberto com 34 questões, que relaciona o nível de distorção da imagem corporal com o índice de massa corporal obtido junto a população diferente, atendida em clínicas, ou seja, em pacientes não hospitalizados. Foi constatado que de acordo com os padrões do índice de massa corporal, mulheres em sua maioria, ou seja, N=54 mesmo estando com o peso adequado apresentam leve, moderada ou grave distorção da Imagem Corporal e através da classificação obtida no Questionário de Imagem Corporal mulheres em sua maioria, ou seja, N=74 apresentam uma insatisfação com o corpo, mesmo estando com o peso adequado. Já entre os homens, N=61 mesmo apresentando sobrepeso e obesidade não distorcem a imagem corporal. O que indica que o contexto cultural influencia principalmente no comportamento feminino, criando pressões para que a mulher tente se adequar a determinados padrões de beleza. 16. KALIL, ADRIANA F. & WAAGE, RENATA. Critérios de escolhas de parceiros em estudantes universitários. Trabalho de Conclusão do Curso de Psicologia. Universidade São Judas Tadeu. São Paulo, Orientador: André Luís Jonas Banca: Luís Guilherme Coelho Mola/ Simone Mancini Castilho Diante da necessidade de atrair, e serem atraídos, os homens e as mulheres estabelecem critérios particulares de escolhas de seus parceiros. Nosso objetivo foi levantar quais eram os critérios utilizados, por universitários, na busca de um parceiro. Os sujeitos foram estudantes universitários da Universidade São Judas Tadeu. Foram aplicados 100 questionários, sendo 50 para o sexo masculino e 50 para o sexo feminino. Os resultados foram analisados quantitativamente, buscando conhecer as diferenças de critérios de escolha de parceiro entre homens e mulheres. Com base nesses dados, conclui-se que os locais utilizados para a busca de parceiros são semelhantes entre os homens e as mulheres. Com relação à condição social, os mesmos interesses discutidos, influência da profissão dos parceiros, questões impeditivas como deficiências e doenças, aos vícios, as características raciais, religiosas e o estado civil do parceiro, ambos os sexos tiveram respostas semelhantes. De acordo com a classe característica psicológica os sujeitos de ambos os sexos apontaram as mesmas categorias, já na classe características físicas, houve uma diferenciação entre os homens e as mulheres. Referente às características culturais, os sujeitos colaram respostas semelhantes, o que se confirma com o nível de instrução exigido do parceiro, ou seja, cultos, com instrução mínima superior. Já com relação ao comportamento sexual houve diferença entre os sexos pelos estilos de respostas. Outra questão que diferenciou nas respostas de ambos os sexos foi na questão de idade, sendo que os homens preferem parceiras mais novas e as mulheres preferem parceiros mais velhos. Com esses dados, pode-se dizer que a maioria dos critérios é utilizada para ambos os sexos. 9

9 17. NUNES, NELSON. Mercado de Trabalho: Tornando-se Obsoleto. Trabalho de Conclusão do Curso de Psicologia. Universidade São Judas Tadeu. São Paulo, Orientador: Luís Alfredo Lilienthal Banca: Ana Zahira Bassit/ Anete Aparecida Farina/ Maria Esmeralda Mineu Zamlutti Através dos tempos, em algum momento da vida do homem, em particular na do trabalhador, este foi considerado obsoleto. Em virtude de fenômenos como a globalização e o neoliberalismo que este processo de obsolescência passou a aconteça cada vez mais cedo na vida do trabalhador, trazendo conseqüências cujas causas e efeitos são aqui discutidas. Para auxiliar a analise destas conseqüências, foram entrevistados oito indivíduos de faixa etária entre 45 e 75 anos, com intervalos de dez anos, dividido igualmente entre sexo feminino e masculino. A avaliação dos resultados demonstrou que, o sentimento de obsolescência está presente em cada um dos entrevistados, gerando outros sentimentos, como medo do futuro, arrependimento por atitudes não tomadas no passado, como reciclagem e atualização, descrédito em relação às ações governamentais, principalmente nos campos econômicos e sociais. Felizmente em cada um deles, resta ainda um sentimento de esperança, de que em algum lugar no futuro a dignidade de cada um seja respeitada e todos com indivíduos, trabalhadores e cidadãos valorizados. 18. ARAUJO, SHEYLA S. A relação do pai de família desempregado com seu meio. Trabalho de Conclusão do Curso de Psicologia. Universidade São Judas Tadeu. São Paulo, Orientador: Luís Alfredo Lilienthal Banca: Ana Zahira Bassit/ Sylvia van Enk Meira/ Maria Esmeralda Mineu Zamlutti/ O presente estudo tem como objetivo verificar, através do discurso de chefes de família, desempregados, como fica sua relação com o seu meio social primário no momento de desemprego. Foram entrevistados cinco chefes de família que se encontravam desempregados há pelo menos seis meses. Como instrumento de investigação foram utilizadas entrevistas semi-dirigidas, que foram gravadas em fita cassete. Todas as entrevistas foram transcritas na íntegra e analisadas qualitativamente. Constatou-se que o momento de desemprego causa algumas alterações dentro do grupo social primário, principalmente nos primeiros meses de desemprego, que é quando ocorrem as principais mudanças, principalmente no aspecto financeiro. Pode-se perceber que os desempregados buscam suas forças na família, ou seja, este grupo é a principal fonte de incentivo contra o sentimento de impotência, exclusão e inferioridade. Este estudo revelou que a falta de emprego está ligada a aspectos muito além da falta de dinheiro, pois não é o desemprego em si, mas o sofrimento que ele gera, que envolve mudanças na vida de quem está desempregado. 19. MERCES, NEURI P. Paternidade e a sua importância na formação do filho. Trabalho de Conclusão do Curso de Psicologia. Universidade São Judas Tadeu. São Paulo, Orientador: Sylvia van Enk Meira Banca: Luís Alfredo Lilienthal/ Vera Lúcia G. Beres Este trabalho teve por este objetivo aprofundar o conhecimento acerca da relevância da figura paterna na formação da identidade da criança, atendendo inicialmente `a demanda de um usuário do Centro de Psicologia Aplicada da Universidade São Judas Tadeu. A pesquisa bibliográfica evidenciou a existência de poucas referências sobre o tema. Nesse estudo buscou-se focalizar teoricamente os aspectos afetivos, sociais e cognitivos do desenvolvimento infantil, a importância do papel da figura de autoridade na construção da auto-imagem infantil, assim como os possíveis reflexos que esta ausência acarreta na vida de relações da criança. Apesar de não ser este um estudo conclusivo pode- 10

10 se evidenciar que a participação da figura paterna, que não necessariamente seja a do pai biológico, é requerida, valorizada e, portanto reconhecida como fundamental na formação da identidade de um filho. 20. BAPTISTA, ELETÍCIA L. & BOTACIN, WILMA M. A. Agressividade física e brincadeiras na instituição da Polícia Mirim: Um estudo sobre o desenvolvimento infantil. Trabalho de Conclusão do Curso de Psicologia. Universidade São Judas Tadeu, Orientador: Sylvia van Enk Meira Banca: Anete Aparecida Farina/ Carla Witter/ Liz Verônica V. Luisi O presente estudo teve por objetivo verificar os comportamentos de agressividade física nas interações entre crianças de sete anos de idade, atendendo a uma demanda do corpo docente da Instituição. Inicialmente, para a clarificação da demanda foram realizadas entrevistas com a direção da Instituição, e com base nos dados obtidos, realizou-se três observações: a primeira, em situação de atividade livre, no pátio da Instituição, a segunda no refeitório, horário do almoço e a terceira, em atividade dirigida pela professora, festa junina. Posteriormente, foi elaborado um questionário composto por cinco questões, o qual foi aplicado entre cinco professoras e quatro funcionários da Instituição com a finalidade de identificar o significado atribuído dos comportamentos nomeados como agressividade nas interações infantis. Conclui-se que a agressividade física faz parte do desenvolvimento infantil e que nas brincadeiras utilizam o próprio corpo como instrumento de interação entre eles. 21. SILVA, ANA N. S. & ZANCHETTA, FLAVIA. Estudo de Caso: O Enfoque Terapêutico Cognitivo na Co-Morbidade Depressão e Ansiedade. Trabalho de Conclusão do Curso de Psicologia. Universidade São Judas Tadeu. São Paulo, Orientador: Simone Mancini Castilho Banca: Ângela Mª Regis Cavalcanti Brasil/ Maria Esmeralda Mineu Zamlutti Este trabalho teve como objetivo, investigar as características de um provável quadro Depressivo e Transtornos de Ansiedade Generalizada, bem como a terapêutica para essa patologia, a partir de um referencial cognitivo. A necessidade de nos aprofundarmos no estudo de um caso clínico surgiu mediante o primeiro atendimento em Plantão Psicológico, e a necessidade em compreender as dificuldades apresentadas por uma usuária por nós atendida no Centro de Psicologia Aplicada. O atendimento teve duração de dois meses, tendo sido interrompido por normas da Instituição. Nós, estagiárias terapeutas, não estávamos de acordo com a interrupção do atendimento naquele momento visto a boa recuperação da usuária. Desde o início de nossa formação acadêmica ouvíamos falar sobre Depressão e Ansiedade, porém não tínhamos, até então, contato com estas patologias. Ao pesquisarmos sobre o assunto, pudemos compreender que depressão refere-se a um quadro de sofrimento psicológico que geralmente começa com uma tristeza, podendo chegar a um grave prejuízo na vida do indivíduo; porém, é importante lembrar que depressão é tratável. Em relação à ansiedade, pode-se dizer que é considerada como um "estado emocional", e é mais inespecífica. Geralmente os indivíduos sentem medos e não conseguem relaxar. Concluímos que a usuária, tendo possibilidade de continuar o acompanhamento psicológico, criará ferramentas para lidar com suas dificuldades atingindo, assim, sua melhora. 11

11 12

12 DOS TCC s DO NÚCLEO CLÍNICA COGNITIVA COMPORTAMENTAL RODRIGUES, LILIAN S. & SGROTT, TATIANA. A relação com crianças portadoras de Síndrome de Down: Uma análise do relato de mães. Trabalho de Conclusão do Curso de Psicologia. Universidade São Judas Tadeu. São Paulo, Orientador: André Luís Jonas Banca: Simone Mancini Castilho/ Sylvia van Enk Meira Resumo O presente estudo teve por objetivo verificar, através de entrevistas realizadas com mães de portadores de Síndrome de Down como ocorre a percepção do problema, a busca de apoio ou cuidados, a relação familiar, e a convivência direta com a mãe no que se refere ao tratamento e criação, autonomia e treino de habilidades, preconceitos e futuro. Foram entrevistadas cinco mães, sendo que um pai esteve presente durante a realização de uma das entrevistas, viabilizou-se como instrumento um questionário com cinco questões abertas. As entrevistas foram gravadas e transcritas para garantir a fidedignidade das informações. Após análise verificamos que o apoio e os cuidados através da estimulação, convívio, uma relação familiar satisfatória contribuirão para um melhor desenvolvimento das habilidades do portador da Síndrome de Down. 23. REALI, KARINA A. & SOUSA, CAROLINE P. A questão dos limites na formação da criança. Trabalho de Conclusão do Curso de Psicologia. Universidade São Judas Tadeu. São Paulo, Orientador: Sylvia van Enk Meira Banca: Luis Antônio Gomes Lima/ Raphael Cangelli Filho Este trabalho teve o propósito de pesquisar e refletir sobre a questão dos limites, e de compreender a dificuldade dos pais em estabelecê-los com os filhos, buscando recursos para uma possível atuação preventiva junto às famílias. Foi realizada uma pesquisa, com seis mães de famílias residentes nas Zonas Leste e Sul da cidade de São Paulo, com filhos na faixa etária de 3 a 7 anos. O material utilizado foi um roteiro de entrevista semi-dirigida. Os resultados das conversações mantidas com as mães indicaram que a impossibilidade da garantia do controle sobre o comportamento da criança leva, muitas vezes, as mães a atitudes extremas, não percebendo freqüentemente seus próprios limites, e desencadeando sanções com as quais elas próprias não concordam. Os dados das entrevistas indicam também uma consciência da importância do estabelecimento dos limites das crianças frente às demandas do mundo atual. Entende-se que estabelecer limites de forma mais coerente está relacionado também à compreensão do estágio de desenvolvimento cognitivo da criança por parte dos adultos, e, nesse sentido, considera-se relevante um trabalho junto aos pais para auxiliá-los a criar um espaço de conversação que envolva a escuta entre eles e seus filhos. 13

13 24 ABREU, SIVANA P. & BARBOSA, MARIA SHIRLEI G. Considerações sobre os aspectos Bio- Psicológicos na Relação Mãe-Feto. Trabalho de Conclusão do Curso de Psicologia. Universidade São Judas Tadeu. São Paulo, Orientador: Sylvia van Enk Meira Banca: Simone Mancini Castilho/ Ângela Mª Regis Cavalcanti Brasil Esta pesquisa constou de uma breve revisão da bibliografia existente sobre o tema das relações materno-filiais na fase intra-uterina. Partiu-se do pressuposto que as trocas bio-psicológicas que ocorrem neste período refletem na formação do vínculo afetivo, visto que desde a concepção e durante a vida-uterina, o ser em desenvolvimento mantém uma relação de dependência com sua mãe. À medida que o feto vai evoluindo, começa adquirir neurofisiológica, tornando-se capaz de registrar e dar significado às emoções e aos sentimentos maternos, essa comunicação se processa pelos movimentos do bebê no útero materno, sendo percebidos pela mãe que responde a eles bio-psicologicamente, numa interação contínua mãe-feto, onde se estabelece a formação do vinculo positivo e negativo. Dentro desta perspectiva o nosso trabalho buscou reunir elementos que possam servir de suporte para a atuação preventiva junto a casais grávidos e gestantes. Daí a necessidade de dar continuidade a este trabalho de pesquisa sobre este tema, para proporcionar informações e considerações relevantes que influenciam na relação mãefeto, visto que não há material suficiente para maior aprofundamento, pois a Psicologia Fetal é uma área de pesquisa muito recente. 25. COSTA, DEBORA P. & TINONIN, CHEILA C. Padrões de comportamento do adolescente paulista: normas e regras. Trabalho de Conclusão do Curso de Psicologia. Universidade São Judas Tadeu. São Paulo, Orientador: Raphael Cangelli Filho Banca: Carla Witter/ Luís Alfredo Lilienthal O objetivo desta pesquisa foi de conhecer qual a importância do comportamento de burlar regras para o adolescente paulista de diferentes classes sociais. A partir do método de pesquisa qualitativa, elaboramos uma entrevista semidirigida, abordando temas como relações familiares, regras impostas pelos pais e pela sociedade, grupos de referência e transgressões. Como sujeitos, entrevistamos dez adolescentes entre quinze e dezessete anos de idade, sendo dois de cada classe social previamente definida, não levando em conta o sexo e o nível de escolaridade. Não incluímos neste estudo, adolescentes infratores com pendências perante a lei. Pudemos concluir que todos os adolescentes entrevistados burlam regras, independente de classes sociais. A família tem grande importância na forma como o adolescente questiona as regras impostas. Todos os entrevistados questionam seus pais e, mesmo havendo diálogo entre eles, sentem necessidade de burlar algumas normas. Entendemos que o comportamento de burlar regras, dependendo da conseqüência que ele trás à família e à sociedade, contribui para que o adolescente adquira responsabilidade pelos seus atos e aprenda a manter uma postura crítica diante da sociedade em que está inserido. 14

14 26. GARCIA, GISLAINE Q. & BARBIERI, GRAZIELLA B. A Família diante do paciente deprimido: o enfoque cognitivo. Trabalho de Conclusão do Curso de Psicologia. Universidade São Judas Tadeu. São Paulo, Orientador: Simone Mancini Castilho Banca: Ângela Mª Regis Cavalcanti Brasil/ Sylvia van Enk Meira Este trabalho teve como objetivo, estudar o conceito da síndrome depressiva, seu tipos, possíveis, causas e terapêuticas disponíveis, além de abordar a importância do apoio familiar no tratamento do paciente com depressão. Através das entrevistas realizadas pôde-se ilustrar o sofrimento do paciente deprimindo, de que forma a família fica envolvida neste processo e quais são os recursos necessários para que a mesma possa auxiliá-lo. Como conclusão observou-se a importância do suporte familiar no tratamento da depressão e a necessidade de existirem grupos de ajuda ou associações que ofereçam informação sobre a depressão para pacientes e familiares. 27. MENEZES, IVAN L.B. & PINTO, SONIA.R.S. O papel da atividade remunerada para adolescentes de família de baixa renda. Trabalho de Conclusão do Curso de Psicologia. Universidade São Judas Tadeu. São Paulo, Orientador: Luís Alfredo Lilienthal Banca: Raphael Cangelli Filho/ Sylvia van Enk Meira O trabalho realizado é um estudo sobre o papel da atividade remunerada na vida de adolescentes de baixa renda, buscando compreender a influência que esta atividade exerce no desenvolvimento da fase adolescente e sobre as vivências peculiares de cada entrevistado. Para este estudo utilizou-se a abordagem fenomenológica como orientação teórica, embora autores de outras abordagens teóricas tenham sido citados neste trabalho. Foram entrevistados cinco voluntários do sexo masculino, com idade entre dezessete e vinte e dois anos, residentes na Capital de São Paulo, e que exerceram uma atividade remunerada, recebendo por esta uma remuneração igual ou inferior a um salário mínimo vigente no País. Utilizamos entrevistas abertas e individuais, de maneira que pudéssemos compreender e apreender fenomenologicamente a história dos entrevistados. Os dados da pesquisa foram avaliados de maneira qualitativa, na qual os pesquisadores atuaram como uma variável interveniente, entrando em contato com a experiência do entrevistando de maneira participativa. Os dados coletados permitiram uma maior compreensão do contexto biopsicossociocultural dos adolescentes pertencentes à família de baixa renda e do significado que o papel da atividade remunerada têm em suas vivências peculiares. Concluímos que o papel de integrante ativo na renda familiar é considerado como satisfatório para o desenvolvimento do adolescente quando este adquire, em virtude desta experiência, uma maturação biopsicossociocultural. Desta forma, a transição para a fase adulta é propiciada por um desenvolvimento e crescimento psicossocial. 15

15 28. MORAES, FÁTIMA A. & AFANASIEV, KELLI C. C. Além da Rivalidade entre os times de futebol: Uma compreensão sobre a violência entre adolescentes participantes de torcidas organizadas de futebol. Trabalho de Conclusão do Curso de Psicologia. Universidade São Judas Tadeu, Orientador: Raphael Cangelli Filho Banca: André Luís Jonas/ Sylvia van Enk Meira Este trabalho teve como objetivo, refletir sobre o comportamento agressivo dos adolescentes que participam de Torcidas Organizadas e sua relação com o ambiente familiar e fatores externos como drogas e mídia. Para tanto, foram entrevistados 07 (sete) adolescentes participantes da Torcida Organizada do São Paulo Futebol Clube, denominada Torcida Independente. As entrevistas foram realizadas na própria sede da torcida. A coleta de dados foi realizada, utilizando-se um roteiro de questões, composto por itens que buscavam responder aos objetivos do estudo. Foram estabelecidos dois eixos de análise, que diziam respeito à violência entre os adolescentes participantes de torcidas organizadas e relação com família e outros fatores. A partir dos dados coletados, pode-se considerar que o adolescente procura a torcida organizada, com o intuito de encontrar-se em um lugar onde é aceito e respeitado pelos companheiros, onde pode demonstrar sua força e poder e onde também pode demonstrar sua agressividade, através de atos violentos, contra os adversários. A família, o uso de drogas, a mídia e a classe social do adolescente, são fatores que podem contribuir para essa violência, principalmente a família que é o primeiro modelo do indivíduo. Palavras chaves: adolescentes, torcidas organizadas, violência. 29. D ANDRETTA, PATRÍCIA.& FELICE, ELIANA. A atuação do Psicólogo na Unidade de Terapia Intensiva. Trabalho de Conclusão do Curso de Psicologia. Universidade São Judas Tadeu, Orientador: Ângela Mª Regis Cavalcanti Brasil Banca: André Luís Jonas/ Simone Mancini Castilho O presente estudo tem por objetivo conhecer a atuação do psicólogo em Unidade de Terapia Intensiva (U.T.I.), dentro de uma instituição hospitalar junto à equipe multidisciplinar no atendimento de pacientes e familiares. A importância desse trabalho junto à criança internada tanto quanto aos familiares que acompanham, geram angústias e conflitos em decorrência da fase de desenvolvimento em que se encontra, sendo necessário cuidados à nível físico e emocional, além de informações orientações aos responsáveis. Foi realizado um levantamento bibliográfico a respeito do tema objetivando um aprofundamento sobre o trabalho do psicólogo na área da saúde, pois a especialização hospitalar é relativamente recente no mercado de trabalho deste profissional, principalmente como intensivista, ou seja, suas funções e atribuições dentro de uma Unidade de Terapia Intensiva no complexo hospitalar. Observamos que esse profissional tem como principal tarefa atender às necessidades do enfermo e da família, buscando minimizar o sofrimento causado pela hospitalização. A partir da conotação negativa que o termo U.T.I. é conhecido socialmente, acreditamos que cabe ao psicólogo, além dos seus conhecimentos teóricos e técnicos, humanizar as relações empreendidas no trabalho. 16

16 17

17 DOS TCC s DO NÚCLEO CLÍNICA COGNITIVA COMPORTAMENTAL ANDRADE, CRISTIANE C. & SILVA, ÉRICA S. Compulsão sexual na visão comportamental: Um estudo com integrantes do DASA - Dependentes de Amor e Sexo Anônimos. Trabalho de Conclusão do Curso de Psicologia. Universidade São Judas Tadeu. São Paulo, Orientador: André Luís Jonas Banca: Denis Roberto Zamignani/ Simone Mancini Castilho Este presente trabalho objetivou entrevistar integrantes do grupo DASA (Dependentes de Amor e Sexo Anônimos) a fim de realizar um estudo sobre compulsão sexual em uma abordagem comportamental, levantar suas características e conseqüências, assim como as dificuldades encontradas pelos mesmos diante desta dependência, os tratamentos propostos e as vantagens e desvantagens de participar do grupo, no que se refere ao processo de recuperação. Foram entrevistados dois participantes do sexo masculino que apresentavam sintomas de compulsão sexual. As entrevistas se realizaram em locais públicos na cidade de São Paulo com duração média aproximada de 60 minutos para cada voluntário. O instrumento utilizado foi dividido em duas partes, sendo a primeira uma ficha de caracterização contendo dados da identificação do sujeito e duas questões de cunho pessoal abordando sobre a Instituição DASA e a segunda composta pelo próprio roteiro de entrevista que apresentou 13 perguntas semi-dirigidas que teve o intuito de verificar, entre outras questões, como ocorreu o processo de dependência, qual a freqüência do comportamento sexual, que tipo de pensamentos estavam relacionados com o ato compulsivo, as principais dificuldades encontradas pela existência da compulsão, a procura por tratamento psicológico e/ou psiquiátrico, bem como sobre o funcionamento da Irmandade no processo de recuperação. Tendo como base a revisão bibliográfica e as entrevistas obtidas, pôde-se concluir que o comportamento sexual passa a ser considerado disfuncional quando o sujeito não consegue controlar os seus impulsos, quando há uma perda desordenada de tempo relacionada à experiência sexual, negligência de atividades sociais importantes em função deste comportamento, assim como a presença de outros tipos de comportamentos (voyeurismo; sexo exibicionista; fantasiosos) que interligados também caracterizam a dependência, e que a prática do ato compulsivo apresenta conseqüências reforçadoras imediatas, mas que em longo prazo acarretam conseqüências punitivas. Em relação às dificuldades apresentadas frente a esta compulsão foram encontradas: a perda de produtividade no trabalho, isolamento do convívio social, prejuízo afetivo e financeiro. Foi visto também que o sexo não necessariamente está relacionado com outras compulsões, assim como, que o aparecimento da compulsão sexual não está associada ao contexto familiar do dependente. Sobre a eficácia dos tratamentos propostos, encontra-se o uso de medicamentos juntamente com a psicoterapia individual quanto em grupo. E por fim, como as reuniões propostas pela Irmandade, são vistas pelos integrantes como um processo de identificação onde há possibilidades de trocas de experiências e acolhimento. 31. ANDRÉ, BEATRIZ & CAMPOS, VANESSA T. BELEZA E AUTO-ESTIMA. Trabalho de Conclusão do Curso de Psicologia. Universidade São Judas Tadeu. São Paulo, Orientador: Simone Mancini Castilho Banca: Fábio Salzano/ Maria Esmeralda Mineu Zamlutti A beleza, nos dias atuais, vem sendo uma questão bastante discutida. As pessoas, em conseqüência do padrão imposto pela sociedade, acabam se sentindo insatisfeitas com seu próprio corpo e buscando alternativas para modificá-lo.essa modificação nem sempre acontece de uma forma saudável, podendo causar alguns transtornos relacionados à imagem corporal. O objetivo deste trabalho é fazer uma reflexão sobre como a auto-estima pode estar relacionada à insatisfação das pessoas com relação ao seu corpo, na busca pelo ideal de beleza. Para refletir sobre este tema, foram utilizadas referências bibliográficas, e a partir disso conclui-se que é necessário que a auto-estima do indivíduo esteja fortalecida para que o mesmo possa enfrentar sem grandes obstáculos as cobranças impostas pelo padrão de beleza. 18

18 32. GONÇALVES, MARCELO; MALDONADO, CRISTINA A. & ROCHA, TATIANA G. Um olhar através da canção popular brasileira sobre os comportamentos dos jovens a partir da década de 60 até os dias atuais. Trabalho de Conclusão do Curso de Psicologia. Universidade São Judas Tadeu. São Paulo, Orientador: Luís Alfredo Lilienthal Banca: Annie Dymetman/ Arilson Pereira da Silva Este presente trabalho visou compreender os comportamentos dos jovens através de sua articulação social, imersos nos movimentos: estudantis das décadas de 60 e 70, Diretas Já! da década de 80, Caras-Pintadas da década de 90 e ONG s dos dias atuais. Para isso utilizamos algumas canções expoentes do cancioneiro popular brasileiro, de cada tempo histórico, dos anos 60 aos dias atuais. Participou desta pesquisa um total de 08 (oito) participantes. Sendo que na primeira fase, foram entrevistados 03 (três) participantes com formação universitária em música e no segundo momento da pesquisa, entrevistamos 04 (quatro) participantes que tinham idades entre 17 a 25 anos nas décadas de 60, 70, 80 e 90, e que também tenham participado dos seus respectivos movimentos sócio-político-histórico. E um participante que nos dias atuais tenha entre 17 e 25 anos e participe de alguma ONG. O trabalho foi norteado pela abordagem Fenomenológica-Existencial, realizando-se uma pesquisa qualitativa que leva em conta a vivência dos participantes na investigação e a sua relação com os pesquisadores. As entrevistas realizadas com os participantes do primeiro momento partiram de duas perguntas, e uma única pergunta foi para os participantes do segundo momento. Ainda no segundo momento da pesquisa, os participantes foram expostos às canções tidas como expoentes de cada época, que foram escolhidas pelos participantes do primeiro momento. Concluímos que o jovem imerso nos movimentos sócio-político-históricos flui ao longo da história, num movimento dialético, ou seja, mudam a sociedade e conseqüentemente sofrem com essas mudanças. 33. MINORELLI, PRISCILA & PAIVA, CAMILA F. Transtorno obsessivo-compulsivo: um estudo de caso. Trabalho de Conclusão do Curso de Psicologia. Universidade São Judas Tadeu. São Paulo, Orientador: Simone Mancini Castilho Banca: Denis Roberto Zamignani/ Sylvia van Enk Meira O Transtorno Obsessivo-Compulsivo (TOC) é um tipo de Transtorno Ansioso que consiste na combinação de obsessões e compulsões. Obsessões são pensamentos, idéias ou sensações intrusivas que levam a um aumento na ansiedade, estes pensamentos geralmente são preocupações sobre germes e medo de contaminação, medos de prejudicar ou ofender pessoas ou preocupações de violar normas sociais. Compulsões são comportamentos, como lavar as mãos, organizar, verificar, entre outros, ou são atos mentais conscientes como: orar, contar, repetir palavras em silêncio e outros. Ambos são repetitivos e recorrentes, tem a finalidade de diminuem a ansiedade. A prevalência no período de vida na população geral está em torno de 2,5, considerado hoje um dos diagnósticos psiquiátricos mais freqüentes. Estudos indicam a associação da terapia comportamental e a farmacoterapia com o uso de serotonina e inibidores seletivos de recaptação de serotonina como tratamentos de primeira linha para os sintomas obsessivocompulsivos. Este estudo tem como objetivo estudar as principais características do Transtorno Obsessivo- Compulsivo e apresentar um caso clínico de uma criança de dez anos de idade que ilustre os aspectos teóricos do TOC e a Técnica de Exposição e Prevenção de Respostas (EPR) que foi empregada como o principal recurso terapêutico. A intervenção da EPR neste caso foi eficiente no tratamento do TOC, podendo verificar que o participante respondeu ao tratamento, aprendeu a discriminar sus sintomatologia e extinguiu quase por completo suas compulsões. O controle e redução do comportamento compulsivo foram conquistados com a adesão ao tratamento, pois o participante e familiares cumpriram com o contrato terapêutico, o que proporcionou ao participante e sua família uma melhor qualidade de vida. 19

19 34. FERRAZ, MAYRA A. G. & MURBACH, TATIANA F. Meu filho tem AIDS : uma análise da relação dos pais com o filho soropositivo. Trabalho de Conclusão do Curso de Psicologia. Universidade São Judas Tadeu, Orientador: Sylvia van Enk Meira Banca: Arilson Pereira da Silva/ Maria Esmeralda Mineu Zamlutti Este trabalho teve como propósito analisar e compreender sob o enfoque da teoria cognitiva-comportamental, os comportamentos e sentimentos dos pais em relação ao filho portador do HIV positivo. A pesquisa dividiu-se em cinco fases, compreendendo inicialmente a pesquisa bibliográfica sobre o tema escolhido; a seguir, o contato com a Instituição GAVI Grupo de Apoio à Vida; a terceira fase foram feitos os contatos com os participantes; na fase subseqüente foram realizadas as entrevistas e na quinta e última fase, foi feita a análise qualitativa dos dados coletados. Para a integridade do conteúdo deste trabalho foi necessária a realização de entrevistas semi-dirigidas com base num roteiro previamente elaborado. Foram participantes da pesquisa, quatro pais de portadores do HIV positivo; uma das entrevistas foi realizada na Instituição e as demais na residência do portador. As entrevistas foram autorizadas pela Instituição, de acordo com a disponibilidade dos voluntários. No relato de todos os participantes pôde-se identificar o sofrimento dos pais diante da impotência para promover o alívio e o bem-estar do filho, o que desencadeia sentimentos ambivalentes, sendo vista a morte, por alguns dos participantes, como promotora de um certo alívio para ambas as partes, tanto do aspecto da dor que o doente vem sentindo, quanto na responsabilidade de cuidar do filho doente. As limitações impostas pela SIDA/AIDS afetam o grupo familiar e em especial os pais, foco de nossa pesquisa, que precisam se adaptar às necessidades do membro doente; para isso utilizam novos recursos de enfrentamento, buscando substituir a real doença por outra, frente a amigos e parentes, e, às vezes isolam o doente do convívio social, para que o mesmo não seja exposto a situações constrangedoras. A questão do preconceito pode ser observada no relato de todos os participantes; esse foi sentido pelos mesmos entre amigos, vizinhos e até entre os próprios familiares. As principais necessidades identificadas na análise dos dados colhidos juntos aos pais são: a oportunidade de trocarem experiências com outros pais; através da fala e da escuta, identificar seus pensamentos (cognições) e sentimentos relativos ao momento que estão vivendo e fornecer suporte para o alívio da ansiedade. Acreditamos também na importância da criação de grupos de apoio para que sejam abordados temas que venham de encontro às suas demandas e acreditamos também que seja importante que todos participem de terapias em grupo, com o intuito de alívio da ansiedade, proximidade do paciente com os pais e suporte dos mesmos aos filhos doentes. 35. IWASHITA, KUNIHARU & MIRANDA, LUCIANA B. RELIGIÃO, METACONTINGÊNCIAS E COERÇÃO: Uma análise comportamental dos pecados capitais. Trabalho de Conclusão do Curso de Psicologia. Universidade São Judas Tadeu. São Paulo, Orientador: André Luís Jonas Banca: Joana Singer Vernes/ Denise Cristina Hardt Pires Este trabalho teve como objetivo analisar os pecados capitais do ponto de vista da psicologia comportamental, considerando-os não primeiramente como regras de conduta religiosa, mas como sendo metacontingências, no sentido de que essas regras emitidas por determinada agência religiosa, ligadas ao modelo de seleção por conseqüências, podem ser consideradas práticas culturais determinadas por conseqüências, e que podem também ter evoluído por processos de seleção, a fim de que a vida do grupo ou da sociedade torne-se possível. A pesquisa revelou que os pecados capitais, enquanto regras de conduta, contêm aspectos de coerção e de controle do comportamento e essa coerção ou controle exercido por parte de alguma agência religiosa, deve ser compreendido dentro dos processos que ocorrem dentro da cultura, com propósitos que podem ser muito variados, com o intuito de tornar possível a convivência no seio do grupo. Soberba, avareza, inveja, ira, luxúria, gula e preguiça, são considerados comportamentos inadequados, por violarem determinadas regras de conduta dessa convivência. 20

20 36. MARTINS, ROBERTA & ANDRADE, VIVIANE M. Aspectos familiares de adolescentes com Anorexia Nervosa. Trabalho de Conclusão do Curso de Psicologia. Universidade São Judas Tadeu. São Paulo, Orientador: Raphael Cangelli Filho Banca: Táki A. Cordás /Sylvia van Enk Meira Este trabalho tem, por objetivo, estudar sobre os aspectos familiares de adolescentes com Anorexia Nervosa. Este transtorno alimentar acomete principalmente as mulheres jovens (90% dos casos ocorrem em mulheres e apenas 10% dos casos ocorrem em homens) e tem seu princípio na adolescência, pois é neste período que a cultura e a sociedade tem mais influência sobre o comportamento e as atitudes que o jovem adota para se identificar e se sentir pertencente a um grupo. A família e a mídia também podem ajudar a propagar a cultura do corpo magro e estabelecer padrões de beleza do qual o ideal é se ter uma forma física esguia. Ser e estar magro passaram a ser algumas condições de aceitação, sucesso e beleza em nossa sociedade, e para atingir este objetivo, muitas pessoas fazem regimes e dietas rigorosas, além de exercícios físicos intensos. As conseqüências que estes comportamentos podem ter são graves e que em alguns casos termina com uma parada cardíaca, desnutrição ou suicídio. 37. BELLO, MONIQUE & NIGRO, SABRINA N. Violência de gênero: estudo de uma amostra de periódicos nacionais. Trabalho de Conclusão do Curso de Psicologia. Universidade São Judas Tadeu. São Paulo, Orientador: André Luís Jonas Banca: Carla Witter/ Joana Singer Vernes Este estudo teve como objetivo fazer uma análise da produção científica em periódicos nacionais sobre a violência de gênero contra a mulher. Foram utilizados artigos referentes ao tema e levantada uma discussão em cima do mesmo. Ela é considerada um fenômeno presente em todas as sociedades, culturas e classes sociais. A violência contra a mulher pode ser apresentada em diversas situações: físicas, sexuais ou psicológicas contida por pessoas próximas ou não. O estudo foi dividido em: violência propriamente dita (psicológica, física e de gênero); violência doméstica e violência sexual. Pudemos observar que ela continua trazendo seqüelas para as mulheres de um modo geral e que a omissão destas frente ao problema continua persistindo, devido ao medo, insegurança, falta de consciência e de informação e também porque a maioria dos agressores é, na verdade, seus parceiros. As mulheres vítimas de violência, muitas vezes, não conseguem perceber o ato do agressor como violência, principalmente quando a mesma é psicológica e não há danos físicos e visíveis; sendo este tipo o mais difícil de ser detectado e denunciado. Um fator agravante são as más condições ou até mesmo a falta de estrutura nas delegacias e instituições de saúde. Na literatura existente, ficou claro que poucas vezes realiza-se uma intervenção para a resolução da problemática, procurando apenas fazer um levantamento de dados referente ao assunto. 21

SUPERANDO A DEPRESSÃO RESUMO

SUPERANDO A DEPRESSÃO RESUMO SUPERANDO A DEPRESSÃO Andreza do Ouro Corrêa - andreza.correa@ymail.com Mayara Cristina Costa Mariângela Pinto da Silva Gislaine Lima da Silva - gilisilva@ig.com.br Curso de Psicologia Unisalesiano/ Lins

Leia mais

TOC E A INTERFERÊNCIA NA VIDA SOCIAL DO PACIENTE

TOC E A INTERFERÊNCIA NA VIDA SOCIAL DO PACIENTE TOC E A INTERFERÊNCIA NA VIDA SOCIAL DO PACIENTE Laís Rosiak 1 Rebeca Bueno dos Santos ¹ Mara Regina Nieckel da Costa 2 RESUMO O presente artigo apresenta o estudo realizado sobre o Transtorno Obsessivo

Leia mais

silêncio impresso pela família. Os sentimentos são proibidos por serem muito doloridos e causarem muito incômodo. O medo e a vergonha dominam.

silêncio impresso pela família. Os sentimentos são proibidos por serem muito doloridos e causarem muito incômodo. O medo e a vergonha dominam. Introdução O objetivo deste trabalho é compreender a possível especificidade das famílias nas quais um ou mais de seus membros apresentam comportamento adictivo a drogas. Para isto analisaremos que tipos

Leia mais

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8 CAPÍTULO 8 Fator emocional O projeto comum de ter filhos, construir a própria família, constitui um momento existencial muito importante, tanto para o homem como para a mulher. A maternidade e a paternidade

Leia mais

CARTILHA. Um dia de cada vez

CARTILHA. Um dia de cada vez CARTILHA Um dia de cada vez ÍNDICE APADEQ ESTRUTURA TRATAMENTO EM VILA ESPERANÇA SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA TERAPÊUTICA AMBULATORIAL PÚBLICO TIPOS DE ASSISTÊNCIA SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA TERAPÊUTICA RESIDENCIAL

Leia mais

DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA. Silvana C. Maciel UFPB

DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA. Silvana C. Maciel UFPB DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA Silvana C. Maciel UFPB CONCEITO DE DROGA Droga é qualquer substância que, não sendo produzida pelo organismo, tem a propriedade de atuar sobre um ou mais de seus sistemas,

Leia mais

SERVIÇO DE ESCUTA PSICOLÓGICA: UMA ESCUTA PROFUNDA DE CARÁTER EMERGENCIAL

SERVIÇO DE ESCUTA PSICOLÓGICA: UMA ESCUTA PROFUNDA DE CARÁTER EMERGENCIAL SERVIÇO DE ESCUTA PSICOLÓGICA: UMA ESCUTA PROFUNDA DE CARÁTER EMERGENCIAL MORAIS 1, Alexsandra Dias LIMA 2, Aline Cristine da Silva GOMES 3, Inalígia Figueiredo FRANCA 4, Juliana Monteiro da OLIVEIRA 5,

Leia mais

Laura Meyer da Silva SEXO: MUITO PRAZER 2. Como ter uma vida sexual plena e feliz. www.lpm.com.br L&PM POCKET

Laura Meyer da Silva SEXO: MUITO PRAZER 2. Como ter uma vida sexual plena e feliz. www.lpm.com.br L&PM POCKET Laura Meyer da Silva SEXO: MUITO PRAZER 2 Como ter uma vida sexual plena e feliz www.lpm.com.br L&PM POCKET 3 3 Quando a ejaculação prematura reforça a angústia Ejaculação rápida, ejaculação prematura

Leia mais

TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL DOS TRANSTORNOS ALIMENTARES: ANOREXIA NERVOSA E BULIMIA NERVOSA.

TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL DOS TRANSTORNOS ALIMENTARES: ANOREXIA NERVOSA E BULIMIA NERVOSA. TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL DOS TRANSTORNOS ALIMENTARES: ANOREXIA NERVOSA E BULIMIA NERVOSA. Daniela Dornsbach Koszeniewski¹ Flávia Souza de Freitas¹ Rosieli Ribarski Bortolotti¹ RESUMO Este artigo

Leia mais

O que você deve saber sobre

O que você deve saber sobre O que você deve saber sobre TOC Transtorno Obsessivo Compulsivo Fênix Associação Pró-Saúde Mental 1. O que é TOC? O Transtorno Obsessivo Compulsivo é uma doença mental crônica (transtorno psiquiátrico),

Leia mais

1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano. Vamos falar sobre isso?

1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano. Vamos falar sobre isso? 1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano Vamos falar sobre isso? Algumas estatísticas sobre Saúde Mental Transtornos mentais são frequentes e afetam mais de 25% das pessoas

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA Ementário/abordagem temática/bibliografia básica (3) e complementar (5) Morfofisiologia e Comportamento Humano Ementa: Estudo anátomo funcional

Leia mais

Serviço de Psicologia do Instituto de Neurologia e Cardiologia de Curitiba:

Serviço de Psicologia do Instituto de Neurologia e Cardiologia de Curitiba: Serviço de Psicologia do Instituto de Neurologia e Cardiologia de Curitiba: Tem por objetivo prestar atendimento aos pacientes internados ou de forma ambulatorial no Hospital, bem como aos seus familiares,

Leia mais

Tratamento da Dependência Química: Um Olhar Institucional.

Tratamento da Dependência Química: Um Olhar Institucional. A dependência química é uma síndrome de números superlativos e desconfortáveis; A OMS (Organização Mundial de Saúde) aponta que mais de 10% de qualquer segmento populacional apresenta predisposição à dependência

Leia mais

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial Eliane Maria Monteiro da Fonte DCS / PPGS UFPE Recife PE - Brasil Pesquisa realizada pelo NUCEM,

Leia mais

PARENTALIDADE NA FAVELA: UMA EXPERIÊNCIA COM CONSULTAS TERAPÊUTICAS

PARENTALIDADE NA FAVELA: UMA EXPERIÊNCIA COM CONSULTAS TERAPÊUTICAS PARENTALIDADE NA FAVELA: UMA EXPERIÊNCIA COM CONSULTAS TERAPÊUTICAS Daniel Kauffmann 1 Tereza Marques de Oliveira 2 Resumo O objetivo deste trabalho é relatar nossa experiência na clínica do social, junto

Leia mais

Obesidade e Transtornos Alimentares

Obesidade e Transtornos Alimentares Obesidade e Transtornos Alimentares NECPAR Maringá 26 e 27 de Julho de 2013 Transtornos Alimentares (TA) Características Gerais: Severas perturbações no comportamento alimentar, que trazem sérios comprometimentos

Leia mais

ACONSELHAMENTO PARA DST/AIDS NO SUS

ACONSELHAMENTO PARA DST/AIDS NO SUS ACONSELHAMENTO PARA DST/AIDS NO SUS A prática do aconselhamento desempenha um papel importante no diagnóstico da infecção pelo HIV/ outras DST e na qualidade da atenção à saúde. Contribui para a promoção

Leia mais

Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação-Porto\Portugal. Uma perspectiva comportamental em Adolescentes Obesos: Brasil x Portugal

Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação-Porto\Portugal. Uma perspectiva comportamental em Adolescentes Obesos: Brasil x Portugal Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação-Porto\Portugal Discente: Genaina Bibiano Vieira Disciplina: Desenvolvimento Humano Uma perspectiva comportamental em Adolescentes Obesos: Brasil x Portugal

Leia mais

Consumo de álcool por adolescentes e gênero. Tatiane Vilela Coelho Raínne Costa Sousa

Consumo de álcool por adolescentes e gênero. Tatiane Vilela Coelho Raínne Costa Sousa Consumo de álcool por adolescentes e gênero Tatiane Vilela Coelho Raínne Costa Sousa Área de pesquisa Saúde pública Importância do fenômeno Álcool Droga psicotrópica atua no sistema nervoso central Possui

Leia mais

CÂNCER DE MAMA:PERSPECTIVAS SOBRE AS RELAÇÕES FAMILIARES

CÂNCER DE MAMA:PERSPECTIVAS SOBRE AS RELAÇÕES FAMILIARES V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 CÂNCER DE MAMA:PERSPECTIVAS SOBRE AS RELAÇÕES FAMILIARES Simone Lemos 1 ; Suzei Helena Tardivo Barbosa 2 ; Giseli

Leia mais

Create PDF with PDF4U. If you wish to remove this line, please click here to purchase the full version

Create PDF with PDF4U. If you wish to remove this line, please click here to purchase the full version O CUIDAR DE ENFERMAGEM A PUERPERA APRESENTANDO DEPRESSÃO PÓS-PARTO HOLANDA, Eliane Rolim de ARAUJO, Tereza Lourença Matias de RIBEIRO, Francica Sanches Tavares SANTOS, Kamila Késsia Gomes dos SILVA, Gerson

Leia mais

Dr. Gustavo Teixeira Psiquiatria da infância e adolescência

Dr. Gustavo Teixeira Psiquiatria da infância e adolescência Dr. Gustavo Teixeira Psiquiatria da infância e adolescência www.comportamentoinfantil.com EPIDEMILOGIA 10-20% da população infanto-juvenil (AACAP 2002) Blumenau 61.600 matrículas (IBGE 2008) 6.160 estudantes???

Leia mais

ABUSO DO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS, UMA QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA. Senhor Presidente,

ABUSO DO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS, UMA QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA. Senhor Presidente, Discurso proferido pelo deputado GERALDO RESENDE (PMDB/MS), em sessão no dia 04/05/2011. ABUSO DO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS, UMA QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados,

Leia mais

Revista Pandora Brasil O JOVEM, O ÁLCOOL, A ESCOLA E SEUS ENTORNOS:

Revista Pandora Brasil O JOVEM, O ÁLCOOL, A ESCOLA E SEUS ENTORNOS: 32 Revista Pandora Brasil Home Índice Minicurrículos dos autores O JOVEM, O ÁLCOOL, A ESCOLA E SEUS ENTORNOS: MODELOS DE PREVENÇÃO E CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA AMBIENTAL UM ENSAIO Aurélio Fabrício Torres

Leia mais

PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ

PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ MINISTÉRIO DA SAÚDE IMPACTO DA VIOLÊNCIA NA SAÚDE DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ VOCÊ É A PEÇA PRINCIPAL PARA ENFRENTAR ESTE PROBLEMA Brasília - DF 2008

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO PSICOSSOCIAL DE PRETENDENTES À ADOÇÃO INTERNACIONAL (CONTEÚDOS RELEVANTES)

ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO PSICOSSOCIAL DE PRETENDENTES À ADOÇÃO INTERNACIONAL (CONTEÚDOS RELEVANTES) ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO PSICOSSOCIAL DE PRETENDENTES À ADOÇÃO INTERNACIONAL (CONTEÚDOS RELEVANTES) ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO PSICOSSOCIAL DE PRETENDENTES À ADOÇÃO INTERNACIONAL

Leia mais

Psicoterapia Cognitivo Comportamental

Psicoterapia Cognitivo Comportamental Psicoterapia Cognitivo Comportamental Selma Rejane Setani Diretora Técnica de Serviço de Saúde, especialista em dependência química, especializada em T.C.C. para dependência de álcool e Outras Drogas srsetani-cratod@saude.sp.gov.br

Leia mais

LEVANTAMENTO DO USO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS ENTRE ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR

LEVANTAMENTO DO USO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS ENTRE ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 LEVANTAMENTO DO USO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS ENTRE ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE

Leia mais

Sumário. Prefácio... 15 Introdução... 17

Sumário. Prefácio... 15 Introdução... 17 Sumário Prefácio... 15 Introdução... 17 1. QUÊS E PORQUÊS... 21 1) O que é droga?... 21 2) O que é vício?... 21 3) O que é dependência?... 22 4) O que é abuso?... 24 5) Que drogas levam a abuso ou dependência?...

Leia mais

Orientações a respeito do Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade

Orientações a respeito do Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade Orientações a respeito do Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade Nathália Fernandes Andreza Aparecida Polia Ranielí Gonçalves de Souza Halessandra Medeiros O Transtorno do Déficit de Atenção

Leia mais

AUTOVIOLÊNCIA. Dalila Santos Daniela Soares Colombi

AUTOVIOLÊNCIA. Dalila Santos Daniela Soares Colombi AUTOVIOLÊNCIA Dalila Santos Daniela Soares Colombi Automutilação Conceito: Comportamento autolesivo deliberado, causando dano tissular, com a intenção de provocar lesão não fatal para obter alívio de tensão.

Leia mais

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Alessandro Alves A pré-adolescência e a adolescência são fases de experimentação de diversos comportamentos. É nessa fase que acontece a construção

Leia mais

NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS DOS CASOS SUSPEITOS OU CONFIRMADOS DE VIOLÊNCIAS PRATICADAS CONTRA CRIANÇA E ADOLESCENTE

NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS DOS CASOS SUSPEITOS OU CONFIRMADOS DE VIOLÊNCIAS PRATICADAS CONTRA CRIANÇA E ADOLESCENTE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS DOS CASOS SUSPEITOS OU CONFIRMADOS DE VIOLÊNCIAS PRATICADAS CONTRA CRIANÇA E ADOLESCENTE Márcia Regina Ribeiro Teixeira Promotora de Justiça de Salvador Agosto de 2014 VIOLÊNCIA:

Leia mais

O modelo biomédico da medicina pode ser entendido partir do nível das respostas que dá às seguintes questões:

O modelo biomédico da medicina pode ser entendido partir do nível das respostas que dá às seguintes questões: Ogden, J.(1999). Psicologia da Saúde. Lisboa: Climepsi Editores, Capitulo 1. Capítulo 1. Uma Introdução a Psicologia da Saúde Antecedentes da Psicologia da Saúde O século XIX Foi no decorrer do século

Leia mais

Terapia Comportamental de Casais

Terapia Comportamental de Casais CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO Terapia Comportamental de Casais Ana Paula M. Carvalho Cinthia Cavalcante

Leia mais

Desafios contemporâneos da clínica psicológica na promoção de saúde mental

Desafios contemporâneos da clínica psicológica na promoção de saúde mental Desafios contemporâneos da clínica psicológica na promoção de saúde mental Resumo Simpósio DESAFIOS CONTEMPORÂNEOS DA CLÍNICA PSICOLÓGICA NA PROMOÇÃO DE SAÚDE MENTAL. Neuza Cristina dos Santos Perez (Grupo

Leia mais

Transtornos Alimentares. Dr. Eduardo Henrique Teixeira PUC-Campinas

Transtornos Alimentares. Dr. Eduardo Henrique Teixeira PUC-Campinas Transtornos Alimentares Dr. Eduardo Henrique Teixeira PUC-Campinas Anorexia Nervosa Anorexia sem fome Comportamento obstinado e propositado a perder peso Medo intenso de aumento de peso Alteração da imagem

Leia mais

Alessandra Santana. Angélica Cristina da Silva Freire

Alessandra Santana. Angélica Cristina da Silva Freire Câmpus Alfenas 28 de novembro de 2011 SUMÁRIO Alessandra Santana... 2 Angélica Cristina da Silva Freire... 2 Bárbara Luiza Novais... 3 Bruna Aparecida Reis... 3 Carolina Esteves Martins... 4 Celsianne

Leia mais

Autismo e Aprendizagem

Autismo e Aprendizagem Autismo e Aprendizagem O termo autismo origina-se do grego autós, que significa de si mesmo. Foi empregado pela primeira vez pelo psiquiatra suíço Bleuler, em 1911, que buscava descrever a fuga da realidade

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO Terapia de Casal Débora Kalwana Flávia Verceze Júlia Montazzolli

Leia mais

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência?

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Dados preliminares do sistema de informações de mortalidade do Ministério da Saúde de

Leia mais

Projetos Financiados em 2008. CMDCA de Guarujá

Projetos Financiados em 2008. CMDCA de Guarujá Projetos Financiados em 2008 CMDCA de Guarujá APAE - Guarujá Projeto: Valorizando a Vida. Objetivo: Dar continuidade as atividade para melhorar as capacidades de comunicação, expressão, sociabilidade dos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Especial EDUCAÇÃO INCLUSIVA A FAMÍLIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Especial EDUCAÇÃO INCLUSIVA A FAMÍLIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Especial EDUCAÇÃO INCLUSIVA A FAMÍLIA Brasília - 2004 Série: EDUCAÇÃO INCLUSIVA 1. A Fundamentação Filosófica 2. O Município 3 A Escola 4 A Família FICHA TÉCNICA

Leia mais

ATUAÇÃO DO SERVIÇO v SOCIAL JUNTO AO PACIENTE COM QUEIMADURAS POR TENTATIVA DE SUICÍDIO

ATUAÇÃO DO SERVIÇO v SOCIAL JUNTO AO PACIENTE COM QUEIMADURAS POR TENTATIVA DE SUICÍDIO ATUAÇÃO DO SERVIÇO v SOCIAL JUNTO AO PACIENTE COM QUEIMADURAS POR TENTATIVA DE SUICÍDIO 1.AMBULATÓRIO DO CTQ Atendimento ao paciente e familiares, garantindo a permanência de um acompanhante como apoio

Leia mais

Experiência com o tratamento de Dependentes Químicos

Experiência com o tratamento de Dependentes Químicos Experiência com o tratamento de Dependentes Químicos INSTITUTO BAIRRAL DE PSIQUIATRIA Dr. Marcelo Ortiz de Souza Dependência Química no Brasil (CEBRID, 2005) População Geral: 2,9% já fizeram uso de cocaína

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA

PÓS-GRADUAÇÃO EM TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA PÓS-GRADUAÇÃO EM TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA Instituição Certificadora: FALC Faculdade da Aldeia de Carapicuíba Amparo Legal: Resolução CNE CES 1 2001/ 2007 Carga Horária: 600h (sendo 150h para estágio)

Leia mais

TRANSTORNO DE PÂNICO: ENTENDENDO MELHOR COMO ACONTECE O TRATAMENTO NA ABORDAGEM COGNITIVO COMPORTAMENTAL.

TRANSTORNO DE PÂNICO: ENTENDENDO MELHOR COMO ACONTECE O TRATAMENTO NA ABORDAGEM COGNITIVO COMPORTAMENTAL. TRANSTORNO DE PÂNICO: ENTENDENDO MELHOR COMO ACONTECE O TRATAMENTO NA ABORDAGEM COGNITIVO COMPORTAMENTAL. * Danielle Moraes; Juliana Vieira; Marcos Fagundes. ** Cláudia Mazzoni * Alunos do curso de graduação

Leia mais

O PROCESSO TERAPÊUTICO EM UM CAPSad: A VISÃO DOS TRABALHADORES

O PROCESSO TERAPÊUTICO EM UM CAPSad: A VISÃO DOS TRABALHADORES 122 O PROCESSO TERAPÊUTICO EM UM CAPSad: A VISÃO DOS TRABALHADORES Carlise Cadore Carmem Lúcia Colomé Beck Universidade Federal de Santa Maria Resumo Os movimentos da Reforma Sanitária e da Reforma Psiquiátrica

Leia mais

AVALIAÇÃO DE OCORRÊNCIA DE DEPRESSÃO EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS.

AVALIAÇÃO DE OCORRÊNCIA DE DEPRESSÃO EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS. V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 AVALIAÇÃO DE OCORRÊNCIA DE DEPRESSÃO EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS. Ângela Mari Rauth 1, Arlinda Jesus Sampaio¹,

Leia mais

Organização de serviços para o tratamento da dependência química

Organização de serviços para o tratamento da dependência química Organização de serviços para o tratamento da dependência química Coordenação: Prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Apresentação: Dr. Elton P. Rezende UNIAD /INPAD/UNIFESP Agradecimentos: Dr. Marcelo Ribeiro Fatores

Leia mais

OFICINA: SEXUALIDADE

OFICINA: SEXUALIDADE OFICINA: SEXUALIDADE Daniele Costa Tatiane Fontoura Garcez APRESENTAÇÃO A oficina tem como tema a Sexualidade, será realizado no Instituto Estadual de Educação Bernardino Ângelo, no dia 25/08/2014, segunda-feira,

Leia mais

DEPRESSÃO NO ÂMBITO DA. Felicialle Pereira da Silva Nov. 2015

DEPRESSÃO NO ÂMBITO DA. Felicialle Pereira da Silva Nov. 2015 DEPRESSÃO NO ÂMBITO DA SEGURANÇA PÚBLICA Felicialle Pereira da Silva Nov. 2015 Ser humano x Humor VARIAÇÕES : SIM( X) NÃO( ) EXTREMOS: SIM( ) NÃO( X) CONTROLE Sensações normais Saúde mental x doença mental

Leia mais

Serviço Social. DISCURSIVA Residência Saúde 2012 C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A. wwww.cepuerj.uerj.br ATIVIDADE DATA LOCAL

Serviço Social. DISCURSIVA Residência Saúde 2012 C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A. wwww.cepuerj.uerj.br ATIVIDADE DATA LOCAL HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A Serviço Social DISCURSIVA Residência Saúde 2012 ATIVIDADE DATA LOCAL Divulgação do gabarito - Prova Objetiva (PO) 31/10/2011

Leia mais

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável.

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável. Transtornos mentais: Desafiando os Preconceitos Durante séculos as pessoas com sofrimento mental foram afastadas do resto da sociedade, algumas vezes encarcerados, em condições precárias, sem direito a

Leia mais

Aplicação da terapia cognitiva na depressão: análise de caso clínico

Aplicação da terapia cognitiva na depressão: análise de caso clínico Aplicação da terapia cognitiva na depressão: análise de caso clínico * Ana Carolina Diethelm Kley Introdução O objetivo do tratamento em terapia cognitiva no caso dos transtornos afetivos, grupo que engloba

Leia mais

Nome: APADD - Associação de Prevenção e Assistência aos Dependentes de Drogas

Nome: APADD - Associação de Prevenção e Assistência aos Dependentes de Drogas 1- NOME DO PROJETO PROJETO FALA GAROTO 2- IDENTIFICAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO EXECUTORA Nome: APADD - Associação de Prevenção e Assistência aos Dependentes de Drogas Razão social e CNPJ: 31.754.914/0001-71 Endereço:

Leia mais

MANUAL DO VOLUNTÁRIO. Ajudar uma criança é tornar o mundo melhor.

MANUAL DO VOLUNTÁRIO. Ajudar uma criança é tornar o mundo melhor. MANUAL DO VOLUNTÁRIO Ajudar uma criança é tornar o mundo melhor. Apresentação No decorrer do ano de 2010, muitas mudanças estruturais ocorreram na Casa do Bom Menino. Podemos colher alguns frutos positivos

Leia mais

Caros alunos de Psicologia que irão cursar estágios específicos no 1º semestre de 2013:

Caros alunos de Psicologia que irão cursar estágios específicos no 1º semestre de 2013: 1 EDITAL II - Atribuições de Estágio em Psicologia Educacional, Psicologia do Trabalho, Psicologia Clínica e Psicologia Institucional/Social para o 1º semestre de 2013 Caros alunos de Psicologia que irão

Leia mais

O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA

O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA (2011) Dayana Lima Dantas Valverde Psicóloga, graduada pela Faculdade de Tecnologia e Ciências de Feira de Santana, BA. Pós-graduanda em Saúde Mental

Leia mais

TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR

TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR e Prática Clínica TRATAMENTO ANALÍTICO-COMPORTAMENTAL DO TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR TRATAMENTO ANALÍTICO-COMPORTAMENTAL DO TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR Maria Rita Zoéga Soares Samir Vidal Mussi e cols. Coordenação

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU. Ano: 2014/2015

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU. Ano: 2014/2015 PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU Ano: 2014/2015 1 - JUSTIFICATIVA A hospitalização pode ser experienciada como um dos momentos mais delicados e difíceis do processo do adoecer. Isso porque

Leia mais

Fundada em 1986. Gestão Comportamental. Educação para a saúde Gestão de crise

Fundada em 1986. Gestão Comportamental. Educação para a saúde Gestão de crise MISSÃO Educar para a prevenção e condução de crises, visando a saúde emocional individual, da família e da organização. Gestão Comportamental Fundada em 1986 PAP - Programa de Apoio Pessoal Atuações em

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Considerando a atuação de um psicólogo em equipe 57 O casal em psicoterapia deverá ser treinado a identificar seus multidisciplinar de saúde de um órgão público e as normas éticas

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO EPB0178 QUEBRA DO SIGILO PROFISSIONAL EM CASOS DE PEDOFILIA GABRIELE

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

A INTEGRAÇÃO SENSORIAL COMO ABORDAGEM DE TRATAMENTO DE UM ADOLESCENTE NO ESPECTRO AUTISTA

A INTEGRAÇÃO SENSORIAL COMO ABORDAGEM DE TRATAMENTO DE UM ADOLESCENTE NO ESPECTRO AUTISTA A INTEGRAÇÃO SENSORIAL COMO ABORDAGEM DE TRATAMENTO DE UM ADOLESCENTE NO ESPECTRO AUTISTA MATIAS, Rayane CLASSE, Jéssica P. D. CAVALCANTI, Flavia R. R. SILVA, Angela C. D. RESUMO O presente trabalho se

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE ESTABELECIMENTO: CEEBJA TOLEDO DISCIPLINA: EDUCAÇÃO FÍSICA - 2014 ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO INDIVIDUAL E COLETIVO

PLANO DE TRABALHO DOCENTE ESTABELECIMENTO: CEEBJA TOLEDO DISCIPLINA: EDUCAÇÃO FÍSICA - 2014 ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO INDIVIDUAL E COLETIVO CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO BÁSICA PARA JOVENS E ADULTOS - TOLEDO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO Rua Guarani, 1640 Centro Fone/Fax: 45 3252-7479 Toledo Paraná tooceebjatoledo@seed.pr.gov.br PLANO DE TRABALHO

Leia mais

Perfil do usuário de crack no Brasil

Perfil do usuário de crack no Brasil Lígia Bonacim Dualibi Prof. Dr. Marcelo Ribeiro Prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Instituto Nacional de Políticas do Álcool e Drogas - INPAD Unidade de Pesquisa em Álcool e Drogas - UNIAD Universidade Federal

Leia mais

O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH

O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH Distúrbio Bipolar, também conhecido como mania e depressão, é uma desordem do cérebro que causa mudanças não previstas no estado mental da pessoa,

Leia mais

3 Aun (2005) adota a definição de contexto como regras de relação que são estabelecidas pelo(s)

3 Aun (2005) adota a definição de contexto como regras de relação que são estabelecidas pelo(s) Resenha AUN, J.G.; ESTEVES DE VASCONCELLOS, M. J.; COELHO, S.V. Atendimento sistêmico de famílias e redes sociais. Volume I - Fundamentos teóricos e epistemológicos (2005); Volume II - O processo de atendimento

Leia mais

A ATUAÇÃO DA PASTORAL DA AIDS EM DUQUE DE CAXIAS E SÃO JOÃO DE MERITI E O DIÁLOGO DA SEXUALIDADE

A ATUAÇÃO DA PASTORAL DA AIDS EM DUQUE DE CAXIAS E SÃO JOÃO DE MERITI E O DIÁLOGO DA SEXUALIDADE A ATUAÇÃO DA PASTORAL DA AIDS EM DUQUE DE CAXIAS E SÃO JOÃO DE MERITI E O DIÁLOGO DA SEXUALIDADE Aluna: Sandra Regina de Souza Marcelino Orientador: Luís Corrêa Lima Introdução Este relatório tem por finalidade

Leia mais

SEXUALIDADE NA EDUCAÇÃO: PRÁTICAS INTEGRATIVAS SOBRE DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS

SEXUALIDADE NA EDUCAÇÃO: PRÁTICAS INTEGRATIVAS SOBRE DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS SEXUALIDADE NA EDUCAÇÃO: PRÁTICAS INTEGRATIVAS SOBRE DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS Renata de Barros Oliveira (UFPE/CAV) José Phillipe Joanou Santos (UFPE/CAV) Janaina Patrícia Dos Santos (Escola Estadual

Leia mais

UMA ANÁLISE DO PROCESSO DE INTERNAÇÃO E REABILITAÇÃO DE PACIENTES DO CAPS

UMA ANÁLISE DO PROCESSO DE INTERNAÇÃO E REABILITAÇÃO DE PACIENTES DO CAPS TERRA E CULTURA, ANO XX, Nº 38 87 UMA ANÁLISE DO PROCESSO DE INTERNAÇÃO E REABILITAÇÃO DE PACIENTES DO CAPS *Ana Carolina Nóbile *Fernando Koga *Giselle Monteiro Avanzi **Carmen Garcia de Almeida RESUMO

Leia mais

Política Nacional de Saúde do Homem

Política Nacional de Saúde do Homem Política Nacional de Saúde do Homem O Ministério da Saúde lançou a Política Nacional de Saúde do Homem. O objetivo é facilitar e ampliar o acesso da população masculina aos serviços de saúde. A iniciativa

Leia mais

Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas

Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas Andrea da Silveira Rossi Brasília, 15 a 18 out 2013 Relato de adolescentes e jovens vivendo com HIV Todo adolescente pensa

Leia mais

GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA: FATORES PRECURSORES E RISCOS ASSOCIADOS.

GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA: FATORES PRECURSORES E RISCOS ASSOCIADOS. GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA: FATORES PRECURSORES E RISCOS ASSOCIADOS. RIBEIRO, Fernanda Nunes. Discente de Psicologia da Universidade Federal de Campina Grande. E-mail: fernandanunesribeiro@hotmail.com SANTANA,

Leia mais

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres 2 Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres Ana Paula Bueno de Moraes Oliveira Graduada em Serviço Social Pontifícia Universidade Católica de Campinas - PUC Campinas Especialista

Leia mais

Psicoterapia e Psicofarmacologia. Como optar ou associá-las? Hewdy Lobo Ribeiro Psiquiatra Forense e Psicogeriatra AMBULIM e ProMulher IPq - USP

Psicoterapia e Psicofarmacologia. Como optar ou associá-las? Hewdy Lobo Ribeiro Psiquiatra Forense e Psicogeriatra AMBULIM e ProMulher IPq - USP e Psicofarmacologia. Como optar ou associá-las? Hewdy Lobo Ribeiro Psiquiatra Forense e Psicogeriatra AMBULIM e ProMulher IPq - USP Estudo da forma e função dos Psicofármacos Psicofármacos / Psicotrópicos

Leia mais

DIFERENTES OLHARES SOBRE PSICOLOGIA HOSPITALAR DENTRO DE UM GRUPO A PARTIR DO ESTÁGIO ACADÊMICO

DIFERENTES OLHARES SOBRE PSICOLOGIA HOSPITALAR DENTRO DE UM GRUPO A PARTIR DO ESTÁGIO ACADÊMICO DIFERENTES OLHARES SOBRE PSICOLOGIA HOSPITALAR DENTRO DE UM GRUPO A PARTIR DO ESTÁGIO ACADÊMICO Trabalho de Intervenção em Psicologia Hospitalar Bacharelado em Psicologia da Universidade São Francisco,

Leia mais

RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES

RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES Kátia Hatsue Endo Unesp hatsueendo@yahoo.com.br Daniela Bittencourt Blum - UNIP danibittenc@bol.com.br Catarina Maria de Souza Thimóteo CEETEPS - catarinamst@netonne.com.br

Leia mais

Unidade: As áreas de atuação em Psicopedagogia. Unidade I:

Unidade: As áreas de atuação em Psicopedagogia. Unidade I: Unidade: As áreas de atuação em Psicopedagogia. Unidade I: 0 Unidade: As áreas de atuação em Psicopedagogia. AS ÁREAS DE ATUAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA Para Nadia A. Bossa(2007) o campo de atuação em psicopedagogia

Leia mais

PROJETO DE EXTENSÃO FUTEBOL PARA TODOS EDUCANDO ATRAVÉS DO ESPORTE

PROJETO DE EXTENSÃO FUTEBOL PARA TODOS EDUCANDO ATRAVÉS DO ESPORTE PROJETO DE EXTENSÃO FUTEBOL PARA TODOS EDUCANDO ATRAVÉS DO ESPORTE *Luciano Leal Loureiro *Jéssica Finguer RESUMO O presente texto busca explicar o que é o projeto Futebol Para Todos, oferecido pelo curso

Leia mais

DRUNKOREXIA: VOCÊ SABE O QUE É ISSO?

DRUNKOREXIA: VOCÊ SABE O QUE É ISSO? DRUNKOREXIA: VOCÊ SABE O QUE É ISSO? Mileni Araújo Servilla graduanda em Psicologia pela AEMS Alini Daniéli Viana Sabino Mestre em Ciências pela FFCLRP/USP Coordenadora e Docente do Curso de Psicologia

Leia mais

Conversando com os pais

Conversando com os pais Conversando com os pais Motivos para falar sobre esse assunto, em casa, com os filhos 1. A criança mais informada, e de forma correta, terá mais chances de saber lidar com sua sexualidade e, no futuro,

Leia mais

Muito se discute no meio científico sobre as dificuldades em se pesquisar o processo

Muito se discute no meio científico sobre as dificuldades em se pesquisar o processo TCC em Re vista 2009 135 PINTO, Fabiana Pessini. 24 Produção científica sobre psicoterapias na base de dados Pepsic (1998/2007). 2008. 20 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Psicologia), Franca,

Leia mais

BANCAS DE TCC PSICOLOGIA 2015/2

BANCAS DE TCC PSICOLOGIA 2015/2 SEGUNDA-FEIRA 30 DE NOVEMBRO DE 2015 17h E01 121 Kamily Ramos Moro Clarisse Mosmann Patrícia Balestrin 1. Síndrome de Down e Estimulação Precoce: sentimentos e percepções dos genitores frente às novas

Leia mais

10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM

10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM 10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM PROJETO INTERINSTITUCIONAL SAÚDE, EDUCAÇÃO E CIDADANIA: APOIO PSICOSSOCIAL AS FAMÍLIAS POR MEIO DA PARTICIPAÇÃO DE PAIS EM GRUPOS DE REFLEXÃO Daniela Cristina Grégio

Leia mais

Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional

Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional CAPÍTULO I PRINCÍPIOS NORTEADORES Art. 1º Os procedimentos em saúde mental a serem adotados

Leia mais

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se PEDAGOGIA HOSPITALAR: PERSPECTIVAS PARA O TRABALHO DO PROFESSOR. Bergamo, M.G. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Silva, D.M. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Moreira, G.M. (Curso de Pedagogia,

Leia mais

II Seminário de Integração sobre Saúde e Segurança Boas Práticas na Área Portuária

II Seminário de Integração sobre Saúde e Segurança Boas Práticas na Área Portuária II Seminário de Integração sobre Saúde e Segurança Boas Práticas na Área Portuária PROGRAMA PORTO SEGURO LIMPO EM TERRA E A BORDO Área de Abrangência Saúde Mental e Comportamental. Objetivo Prevenção,

Leia mais

A.2 Vargas, Marlizete Maldonado. Adoção tardia; de família sonhada à família possível São Paulo: Casa do Psicólogo, 1998.

A.2 Vargas, Marlizete Maldonado. Adoção tardia; de família sonhada à família possível São Paulo: Casa do Psicólogo, 1998. A.1 Freire, Fernando. Abandono e adoção; contribuição para uma cultura de adoção. Curitiba: Terre des Hommes, 1991. O livro aborda a questão da adoção que não pode ser entendida dissociada do abandono.

Leia mais

Material e Método. Resultados

Material e Método. Resultados Uso de Drogas entre Adolescentes e Jovens Mulheres: uma revisão da literatura Autoras: Patrícia Castro de Oliveira e Silva doutoranda em psicossociologia de comunidades e ecologia social, Universidade

Leia mais

SAUDE MENTAL DA MULHER NOS CICLOS DE VIDA

SAUDE MENTAL DA MULHER NOS CICLOS DE VIDA SAUDE MENTAL DA MULHER NOS CICLOS DE VIDA ENCONTRO MULHER DE ATITUDE Campanha de Prevenção do Câncer Cérvico C Uterino Março o 2013 Maristela C Sousa - Médica Psiquiatra DVSAM/DACC/SAS/SESA Dados Epidemiológicos

Leia mais

IDEAÇÃO E/OU TENTATIVA DE SUICÍDIO NA ADOLESCÊNCIA BEM COMO A UTILIZAÇÃO DE FÁRMACOS EM JOVENS DEPRESSIVOS

IDEAÇÃO E/OU TENTATIVA DE SUICÍDIO NA ADOLESCÊNCIA BEM COMO A UTILIZAÇÃO DE FÁRMACOS EM JOVENS DEPRESSIVOS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 IDEAÇÃO E/OU TENTATIVA DE SUICÍDIO NA ADOLESCÊNCIA BEM COMO A UTILIZAÇÃO DE FÁRMACOS EM JOVENS DEPRESSIVOS Suzane da Costa 1 ; Daniele Custódio de Oliveira

Leia mais

SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV

SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV SOCIOASSISTENCIAL X SOCIOEDUCATIVO SOCIOASSISTENCIAL apoio efetivo prestado a família, através da inclusão em programas de transferência de renda

Leia mais

Cartilha de Direitos e Deveres dos Usuários das Unidades de Saúde da SMS

Cartilha de Direitos e Deveres dos Usuários das Unidades de Saúde da SMS Cartilha de Direitos e Deveres dos Usuários das Unidades de Saúde da SMS 1 2 OS USUÁRIOS EM TRATAMENTO NOS HOSPITAIS E POSTOS DE ATENDIMENTO DA REDE MUNICIPAL DEVERÃO TER ASSEGURADO OS SEGUINTES DIREITOS:

Leia mais

REABILITAÇÃO AOS DEPENDENTES QUÍMICOS EM EMPRESA DE ECONONIA MISTA

REABILITAÇÃO AOS DEPENDENTES QUÍMICOS EM EMPRESA DE ECONONIA MISTA 1 REABILITAÇÃO AOS DEPENDENTES QUÍMICOS EM EMPRESA DE ECONONIA MISTA Cláudia Cristina Augusto Currículo: Pedagogia pela - Pontifícia Universidade Católica de Campinas (1996-1999); Pós-Graduação em Pedagogia

Leia mais

Portfolio FORMAÇÃO CONTÍNUA

Portfolio FORMAÇÃO CONTÍNUA Portfolio FORMAÇÃO CONTÍNUA Elaboramos soluções de formação customizadas de acordo com as necessidades específicas dos clientes. Os nossos clientes são as empresas, organizações e instituições que pretendem

Leia mais

O DIAGNÓSTICO DOS TRANSTORNOS DO ESPECTRO DO AUTISMO TEA

O DIAGNÓSTICO DOS TRANSTORNOS DO ESPECTRO DO AUTISMO TEA 1 MARIA ELISA GRANCHI FONSECA Psicóloga Mestre em Educação Especial UFSCAR TEACCH Practitioner pela University of North Carolina USA Coordenadora de Curso INFOCO FENAPAES UNIAPAE Coordenadora CEDAP APAE

Leia mais