INFORMAÇÃO Nº 013/2011 GOC Brasília, 10 AGO 2011

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INFORMAÇÃO Nº 013/2011 GOC Brasília, 10 AGO 2011"

Transcrição

1 INFORMAÇÃO Nº 013/2011 GOC Brasília, 10 AGO 2011 Para: Superintendência Administrativa e Financeira - SAF Assunto: Justificativas da Proposta Orçamentária de 2012 Senhor Superintendente, Esta Gerência de Orçamento e Contabilidade, unidade da Estrutura Auxiliar do CONFEA, subordinada a essa Superintendência, no cumprimento da determinação contida na Resolução nº 1015/06, apresenta a V.Sa, para conhecimento e apreciação pelos órgãos competentes deste Conselho Federal, as justificativas da Proposta de Orçamento para o exercício de 2012, com base na Lei 4.320/64, Resoluções 353, de 27 de outubro de 1990 do CONFEA e princípios da Lei Complementar nº 101/2000 LRF. Iniciamos em março passado a fase interna do processo orçamentário e concluímos em 16 de maio de 2011, com a aprovação pelo Conselho Diretor das Diretrizes, Orientações, Calendário e projeção da Receita para 2012, conforme Decisões CD 071/2011, considerando os seguintes cenários: Cenário Macroeconômico Perspectivas para Atividade econômica doméstica com leve desaceleração; - Confiança do consumidor crescente; - Alavancagem do PAC (reiniciar todas as obras paralisadas neste ano); - Grandes Construções os investimentos devem necessariamente ser retomados (copa 2014 e olimpíada 2016); - Manutenção da política fiscal com geração de superávit primário; A análise das perspectivas apontadas acima nos leva a projeção de um cenário positivo para a economia em 2012, redundando em aumento de arrecadação nos cofres do Sistema Confea/Creas, em função das variáveis e tendências da economia traçadas pelos principais institutos e agências de avaliação. Cenário Macroeconômico Projeções - expectativas do mercado Variável * 2012* Câmbio (R$/US$) 2,34 1,7 1,68 1,72 1,76 SELIC Meta (%aa) 13,75 8,75 10,8 12,5 13 IPCA (%aa) 5,9 4,3 5,9 6,26 5 IGP-M (%aa) 9,8-1,1 11,3 7,04 4,89 INPC (%aa) 6,68 4,11 6,46 6,95 7,8 Balança Comercial (US$ bilhões) 20,3 17 9,9 Over-Selic fim de período ( % a.a.) 8,75 12,3 11,5 PIB (%aa) 5,1-0,2 7,5 4 4,24 (*) Projeções para final do período - expectativas do mercado. Média de 6%

2 Este cenário positivo em 2012 proporcionará aumento real nas fontes de arrecadação do Sistema Confea/Creas, o que nos levou a propor um ingresso de 6% em nossas receitas. Quanto à inflação, o Governo Federal estabeleceu um teto de 4,5% para o próximo ano. Entendemos, no entanto, trabalhar com aumento de 4,5% a 7% nas despesas, objetivando atender possíveis ajustes de preços para 2012, com a finalidade de eliminar qualquer desconforto orçamentário nas despesas do próximo exercício. Nossa expectativa para os preços administrados permanece em 4,8%, em 2011, e 5% em Os preços administrados são aqueles cobrados por serviços monitorados, como combustíveis, energia elétrica, telefonia, medicamentos, água, educação, saneamento, transporte urbano coletivo, entre outros. I - Processo Orçamentário O processo de construção (fase externa) da Proposta de Orçamento foi iniciado em junho por meio de convocação geral, nos termos das Mensagens Eletrônicas n. º 10 a 13 da GOC, estabelecendo o prazo até 29 de julho de 2011, para que as unidades organizacionais e órgãos apresentassem seu planejamento, acompanhados dos recursos necessários para No período de 10 de junho a 29 de julho de 2011, foram realizadas 19 (dezenove) assembleias orçamentárias pelas Unidades Organizacionais em obediência ao aprovado pela Decisão CD 071/2011. Mediante as informações das Comissões Permanentes, Superintendências, Gerências, CDEN, Coordenadorias, Colégio de Presidentes e Conselho Diretor, procedemos a uma análise da Receita e prováveis Despesas do próximo exercício, mediante: Análise do comportamento da economia global e interna; Evolução histórica da Receita, seu estágio atual, evolução e tendência para 2012; Prioridades da Administração para 2012; Metas e prioridades apontadas pelas unidades organizacionais; Demonstrativos e Gráficos Comparativos da Receita e Despesa; Detalhamento e evolução da Receita e Despesa; Despesa ocorrida por grupo e por elemento de despesa; Projeção da meta de inflação para 2012 de 4,5%. Esta Proposta de Orçamento contempla uma Receita de R$ ,00 (noventa e oito milhões e oitocentos mil reais), representando uma redução de 38,62% em relação ao Orçamento corrente. No entanto, subtraindo o valor a título de Superávit Financeiro utilizado neste Orçamento corrente, a Proposta para 2012, passa a apresentar um aumento de 7,24% em relação ao exercício de

3 II - Fontes de Recursos entendimento: Abaixo apresentamos o quadro sintético da Receita para melhor ORIGEM DOS RECURSOS - RECEITA ORÇAMENTO % CÓDIGO ESPECIFICAÇÃO s/total RECEITAS CORRENTES ,00 99, RECEITAS DE CONTRIBUIÇÕES RECEITA PATRIMONIAL ,00 8, RECEITAS IMOBILIÁRIAS ,00 0, RECEITAS MOBILIÁRIAS + Dividendos ,00 8, TRANSFERÊNCIAS CORRENTES ,00 88, T. CORRENTES - (quotas Creas) ,00 84, TRANSF. CORRENTES - PRODESU ,00 4, TRANSFERÊNCIAS DE RECURSOS ,00 0, OUTRAS RECEITAS CORRENTES ,00 2, ACORDOS, MULTAS, COR. E JUROS ,00 0, INDENIZAÇÕES E RESTITUIÇÕES ,00 1, RECEITAS DA DIVIDA ATIVA RECEITAS DIVERSAS - 68ª SOEAA ,00 0, RECEITAS DE CAPITAL ,00 0, ALIENAÇÃO DE BENS IMÓVEIS AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS ,00 0,91 TOTAL GERAL , Receita Patrimonial: Imobiliária e Mobiliária aumentamos em 20% este grupo de receita em relação ao orçado para 2011, considerando que até julho já havíamos realizado 82% de nossa previsão inicial. Esclarecemos que estas duas fontes de recursos são provenientes dos aluguéis ativos e aplicação de disponibilidades em caderneta de poupança e fundos BB Institucional Federal e CEF Soberano (tipo de fundo atrelado aos títulos Públicos). Transferências Correntes Quotas dos Regionais: Receita proveniente das quotas dos CREAs - projetamos uma arrecadação na ordem de R$ 83,1 milhões de reais, superior em 7% em relação ao orçado em 2011, em função do aperfeiçoamento da fiscalização nos Regionais, crescimento vegetativo, reflexo do aumento das taxas e anuidades bem como o aumento das atividades fonte de recursos do Sistema, atrelado crescimento econômico projetado para Quanto à conta Transferências Correntes Prodesu - destina-se aos recebimentos oriundos dos Regionais que fizerem adesão ao Programa, conforme constituição do fundo estabelecido pelo Art. 5º, inciso I da Resolução 1.030/2010. Transferências de Recursos da União: Mantivemos este grupo de receita, considerando a possibilidade deste CONFEA firmar Convênio com a União, onde utilizamos R$ 500 mil reais a este título, para compor o orçamento de

4 Indenizações e Restituições: Suplementamos em 25% este grupo de receita, considerando os recebimentos de Direito Autoral, Recursos provenientes de prestação de contas dos Convênios com os Regionais e Entidades e Condomínio do prédio da 516. Este grupo atingiu 52% da previsão inicial até o mês de julho/11. Amortização de Empréstimos: Mantivemos esta conta de receita em função dos empréstimos autorizados pelo Plenário e aqueles que porventura venham ocorrer até o final de dezembro, com programação de recebimento a partir de janeiro de 2012, razão do crédito de R$ 900 mil, a este título. III - Aplicações dos Recursos entendimento: Abaixo apresentamos o quadro sintético da Despesa para melhor APLICAÇÃO DOS RECURSOS Orçamento % CÓDIGO ESPECIFICAÇÃO S/Total DESPESAS CORRENTES ,00 92, DESPESAS DE CUSTEIO PESSOAL - VENCIMENTOS E VANTAGENS ,00 26, OBRIGAÇÕES PATRONAIS ,00 8, MATERIAL DE CONSUMO ,00 0, SERVIÇOS DE TERCEIROS E ENCARGOS ,00 0, OUTROS SERVIÇOS E ENCARGOS ,00 43, DIVERSAS DESPESAS DE CUSTEIO ,00 0, TRANSFERÊNCIA A PESSOAS ,00 0, P A S E P ,00 0, DIVERSAS TRANSF. CORRENTES ,00 11, DESPESAS DE CAPITAL ,00 7, OBRAS EM ANDAMENTO EQUIPAMENTOS E MAT. PERMANENTE ,00 3, TRANSFERÊNCIA DE CAPITAL ,00 4, RESERVAS DE CONTINGÊNCIA TOTAL GERAL , Com base no Anexo I das diretrizes e calendário e orientações, aprovadas pela Decisão CD-071/11, distribuímos os recursos com pequenos ajustes para equilibrar a proposta, com destaque para o Custo Confea ou custo fixo, os investimentos prioritários da Administração e os custos variáveis. Assim, com base na legislação e processualística que norteia o processo de alocação dos recursos orçamentários, aplicamos os mesmos levando-se em consideração, também, a meta de inflação projetada para 2012, observando cada conta e grupo de despesa e seus impactos sobre o Orçamento global e variações dos reajustes dos preços administrados. 4

5 Evidenciamos abaixo os principais grupos de destino dos recursos orçamentários para 2012: Vencimentos e Vantagens - Pessoal: suplementamos este grupo de despesas em 4,81%, em relação ao exercício corrente em função da reposição salarial prevista no ACT para maio próximo, financiamento de prováveis rescisões contratuais, indenizações trabalhistas para cobrir as ações em andamento na justiça do trabalho, bem como prováveis ajustes em função da nova Administração a partir de 01 de janeiro de O valor orçado para este grupo de despesa representa 27% do orçamento total. Esclarecemos que projetamos as despesas com pessoal para 2012, com base na folha de pagamento de janeiro a maio de Obrigações Patronais: Adicionamos mais 4,69% neste grupo de despesas, em função dos encargos que a Administração deverá atender pela sua condição de empregadora e resultante de pagamento de pessoal, tais como Fundo de Garantia do Tempo de Serviço e de contribuições para Institutos da Previdência. Orçamos proporcionalmente ao grupo de pessoal. O valor orçado para este grupo de despesa representa 9% do orçamento total. Outros Serviços e Encargos: Como este grupo de despesa é responsável por todas as atividades rotineiras deste Conselho, atendendo as ações, metas, projetos e eventos programados pela Administração, representando 43% do Orçamento Total, mesmo assim, reduzimos em de 15% em relação a este exercício. O valor orçado para este grupo tem o objetivo de cobrir despesas e demandas específicas do Órgão, tais como: Serviços de Energia Elétrica e Gás; Serviços de Asseio e Higiene; Seguros em Geral, Fretes e Carretos, Despesas Bancárias; Locação de Bens Móveis, Serviço de Comunicação em Geral; Diárias e Transporte de Conselheiros, Servidores e Convidados; Serviços de Manutenção e Adaptações de Bens Móveis e Imóveis; Serviços de Divulgação e Publicidade, Serviços de Impressão e Encadernação; Serviços de Vigilância, Serviços de Alimentação; Semana Oficial de Engenharia, Arquitetura e Agronomia; Locação de Outros Serviços de Pessoas Jurídicas e etc. Diversas Transferências Correntes: Grupo de contas responsável pelos repasses e auxílios financeiros aos Regionais (Prodesu), Entidades, Instituições, Federações e outras Organizações por meio de convênios de auxilio financeiro e de cooperação técnica, amparando as seguintes linhas de crédito e valores: - Chamada Pública (CAIS): R$ ,00 - Apoio Institucional (CAIS): R$ ,00 - Calamidade Pública (CD): R$ ,00 - Parcerias com as Entidades (CDEN): R$ ,00 - PRODESU: R$ ,00 O montante deste grupo representa 11,06% do Orçamento Total, cujo valor orçamento inicialmente da conta Outros Auxílios Diversos é de R$ 10,927 milhões. 5

6 Conforme Resolução 1.030/10, o programa Prodesu é constituído de 1% (um por cento) da receita mensal dos Creas sobre: 1) anuidades oriundas de pessoa física ou jurídica; 2) expedição de carteiras profissionais e documentos diversos; 3) vistos, registros e outros procedimentos; 4) registro da Anotação de Responsabilidade Técnica; e multas previstas na Lei n.º 5.194/66 e 6.496/77; e, de 10% (dez por cento) da receita corrente líquida mensal do Confea também sobre os itens 1 a 4 aqui descritos. Transferências de Capital: Grupo de contas responsável pelos repasses do Prodesu, específico para imobilizações por parte dos Regionais. Portanto, os R$ 4,318 milhões alocados neste grupo de investimentos pertencem ao programa Prodesu. Esclarecemos que o PRODESU, conta com um orçamento inicial de R$ 13 milhões, sendo R$ 12,7 milhões para repasses e R$ 300 mil para cobrir despesas correntes (financiamento de diárias e passagens para o Conselho Gestor e Suporte Técnico Operacional às linhas de crédito). Equipamentos e Materiais Permanentes: Neste grupo de investimentos reservamos 3% desta proposta para contemplar as aquisições de bens após a revitalização do Ed. Adolpho Morales de Los Rios Filho, objetivando também a instalação do centro cultural e do Centro de Treinamento e Capacitação Corporativa CTCC, planejados para o próximo exercício. O total orçado para estas Despesas de Capital é de R$ 3,035 milhões de reais. Finalmente, o controle e acompanhamento gerencial do orçamento para o exercício de 2012 será por Unidade de Centro de Custos, distribuídos em 84 (oitenta e quatro) orçamentos individualizados, ou seja, com o detalhamento das contas para cada peça orçamentária de cada Unidade e Órgão, atendendo o processo de descentralização Administrativa iniciada em 2006 bem como o Art. 50 3º da Lei Complementar Nº 101/00 LRF. Acompanham esta justificativa os seguintes ANEXOS: - Anexo I - Demonstrativo Sintético da Receita e Despesa; - Anexo II - Demonstrativo Analítico da Despesa; - Anexo III - Demonstrativo Sintético por Unidade de Centro de Custos e o detalhamento especifico de cada Unidade de Centro de Custo. Respeitosamente, Cont. Robinson Ribeiro Cardoso Gerente - GOC 6

1 Nome do Projeto Centro de Treinamento e Capacitação Corporativa. 2 Coordenador (a) Eng. Mec. Vinício Duarte Ferreira. 3 Gestor (a) 4 Programa

1 Nome do Projeto Centro de Treinamento e Capacitação Corporativa. 2 Coordenador (a) Eng. Mec. Vinício Duarte Ferreira. 3 Gestor (a) 4 Programa 1 Nome do Projeto Centro de Treinamento e Capacitação Corporativa 2 Coordenador (a) Eng. Mec. Vinício Duarte Ferreira 3 Gestor (a) 4 Programa Eng. Agr. Flávio Henrique da Costa Bolzan Organização, Normas

Leia mais

Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011.

Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011. Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011. CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 o São estabelecidas, em cumprimento

Leia mais

CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO RESOLUÇÃO N 289, DE 30 DE JUNHO DE

CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO RESOLUÇÃO N 289, DE 30 DE JUNHO DE CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO RESOLUÇÃO N 289, DE 30 DE JUNHO DE 1998 Estabelece diretrizes para a aplicação dos recursos e a elaboração das propostas orçamentárias do FGTS,

Leia mais

LEI Nº 1047/2012. O Prefeito do Município de Pinhalão, Estado do Paraná. Faço saber que a Câmara Municipal decreta, e eu, sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 1047/2012. O Prefeito do Município de Pinhalão, Estado do Paraná. Faço saber que a Câmara Municipal decreta, e eu, sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1047/2012 O Prefeito do Município de Pinhalão,. SÚMULA: Dispõe sobre as Diretrizes Orçamentárias para o exercício de 2013 e dá outras providências. Faço saber que a Câmara Municipal decreta, e eu,

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE. Senhor Presidente,

RIO GRANDE DO NORTE. Senhor Presidente, RIO GRANDE DO NORTE Mensagem n.º 046/2012 GE Em Natal, 14 de setembro de 2012. Excelentíssimo Senhor Deputado Ricardo Motta M.D. Presidente da Assembléia Legislativa do Estado. Senhor Presidente, Tenho

Leia mais

Resolução nº 1.053/14

Resolução nº 1.053/14 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA CONFEA RESOLUÇÃO N 1.053, DE 11 DE MARÇO DE 2014. Regulamenta a concessão de recursos para as entidades de classe que objetivem apoiar

Leia mais

Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 13.115 DE 20 DE ABRIL DE 2015 (publicada no DOU de 21/01/2014, Seção 1, página 1) Estima a receita e fixa a despesa da União

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA

ESTADO DE SANTA CATARINA ESTADO DE SANTA CATARINA TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DIRETORIA DE CONTROLE DOS MUNICÍPIOS DMU PROCESSO : PCP 06/00076210 UNIDADE : Município de BALNEÁRIO CAMBORIÚ RESPONSÁVEL : Sr. RUBENS SPERNAU - Prefeito

Leia mais

ORÇAMENTO 2014 QUADRO COMPARATIVO ENTRE A LEI Nº 9.979/13 E O PROJETO Nº 307/13

ORÇAMENTO 2014 QUADRO COMPARATIVO ENTRE A LEI Nº 9.979/13 E O PROJETO Nº 307/13 1 ORÇAMENTO 2014 QUADRO COMPARATIVO ENTRE A LEI Nº 9.979/13 E O PROJETO Nº 307/13 LEI Nº 9.979/13 Estima a receita e fixa a despesa do Estado para o exercício Financeiro de 2013. PROJETO DE LEI Nº 307/13

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE DECRETO Nº 22.561, DE 10 DE FEVEREIRO DE 2012.

RIO GRANDE DO NORTE DECRETO Nº 22.561, DE 10 DE FEVEREIRO DE 2012. RIO GRANDE DO NORTE DECRETO Nº 22.561, DE 10 DE FEVEREIRO DE 2012. Fixa normas para a execução orçamentária e financeira do exercício de 2012 e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO RIO GRANDE

Leia mais

CREA/SP. Comparativo da Despesa Liquidada. CREA SP - Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Estado de SP CNPJ: 60.985.017/0001-77.

CREA/SP. Comparativo da Despesa Liquidada. CREA SP - Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Estado de SP CNPJ: 60.985.017/0001-77. CREA SP - Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Estado de SP CNPJ: 60.985.017/0001-77 Comparativo da Liquidada 6.2.2.1.1 - CRÉDITO DISPONÍVEL DA DESPESA 236.796.764,70 105.293.483,53 131.503.281,17

Leia mais

ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2015

ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2015 ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2015 I - Critérios utilizados para a discriminação, na programação de trabalho, do código identificador de resultado primário

Leia mais

Mensagem nº 72/2014. Salvador, 30 de setembro de 2014. Senhor Presidente,

Mensagem nº 72/2014. Salvador, 30 de setembro de 2014. Senhor Presidente, Mensagem nº 72/2014. Salvador, 30 de setembro de 2014. Senhor Presidente, Tenho a honra de encaminhar a Vossa Excelência, para a apreciação dessa augusta Assembleia Legislativa, o anexo Projeto de Lei

Leia mais

Receita Imobiliária 1.327.875,69 PEUGEOT - ALUGUEL MENSAL PEUGEOT - MULTA PROPORCIONAL PETROBRAS 667.428,17. Receita Financeira 19.

Receita Imobiliária 1.327.875,69 PEUGEOT - ALUGUEL MENSAL PEUGEOT - MULTA PROPORCIONAL PETROBRAS 667.428,17. Receita Financeira 19. TRX Edifícios Corporativos XTED11 - FII Lâmina mensal Dezembro 2015 DADOS DO FUNDO DISTRIBUIÇÃO DE RENDIMENTO DATA DE INÍCIO Novembro/2012 PRAZO Indeterminado VALOR DE MERCADO R$ 58.606.650,00 VALOR PATRIMONIAL

Leia mais

O P R E S I D E N T E D A R E P Ú B L I C A Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O P R E S I D E N T E D A R E P Ú B L I C A Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI N o 11.306, DE 16 DE MAIO DE 2006 Estima a receita e fixa a despesa da União para o exercício financeiro de 2006. O P R E S I D E N T E D A R E P Ú B L I C A Faço saber que o Congresso Nacional decreta

Leia mais

Prefeitura Municipal de Guaranésia

Prefeitura Municipal de Guaranésia LEI 1.652, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2006. ESTIMA A RECEITA E FIXA A DESPESA DO MUNICÍPIO DE GUARANÉSIA PARA O EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2007. O Prefeito Municipal de Guaranésia. Faço saber que a Câmara Municipal

Leia mais

PROPOSTA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS - 2010

PROPOSTA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS - 2010 Secretaria da Administração do Estado da Bahia Superintendência de Previdência Diretoria de Gestão Financeira Previdenciária e Investimentos PROPOSTA DE POLÍTICA DE INVESTIMENTOS - 2010 REGIME PRÓPRIO

Leia mais

RESOLUÇÃO CFP N.º 028/2014

RESOLUÇÃO CFP N.º 028/2014 RESOLUÇÃO CFP N.º 028/2014 Estabelece a previsão orçamentária dos Conselhos Regionais de Psicologia para o ano de 2015. O CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA, no uso de suas atribuições legais que lhe confere

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS. Av. Gabriel de Lara, 1307 Leblon Paranaguá PR Cep 83.203-550 - (041) 3425-6969 - CNPJ - 08.542.

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS. Av. Gabriel de Lara, 1307 Leblon Paranaguá PR Cep 83.203-550 - (041) 3425-6969 - CNPJ - 08.542. POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2008 ÍNDICE 1 Introdução 2 Objetivo 3 Estrutura Organizacional para Tomada de Decisões de Investimento 4 Diretrizes de Alocação dos Recursos 4.1. Segmentos de Aplicação 4.2. Objetivos

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS CONSULTORIA DE ORÇAMENTO E FISCALIZAÇÃO FINANCEIRA Nota Técnica nº 13/2007 Medida Provisória nº 359/2007 NOTA TÉCNICA Nº 13/2007

CÂMARA DOS DEPUTADOS CONSULTORIA DE ORÇAMENTO E FISCALIZAÇÃO FINANCEIRA Nota Técnica nº 13/2007 Medida Provisória nº 359/2007 NOTA TÉCNICA Nº 13/2007 NOTA TÉCNICA Nº 13/2007 SUBSÍDIOS À APRECIAÇÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 359, DE 16 DE MARÇO DE 2007, QUANTO À ADEQUAÇÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA Altera as Leis n os 10.355, de 26 de dezembro de 2001, 10.855,

Leia mais

IPASSP-SM. Política de Investimentos

IPASSP-SM. Política de Investimentos INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA À SAÚDE DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE SANTA MARIA CNPJ: 04.870.834/0001-09 IPASSP-SM Rua Venâncio Aires, 2.035, sala 106, Centro, CEP 97010-005, Santa Maria

Leia mais

DECRETO Nº 980, DE 16 DE ABRIL DE 2012

DECRETO Nº 980, DE 16 DE ABRIL DE 2012 DECRETO Nº 980, DE 16 DE ABRIL DE 2012 Regulamenta o Fundo Municipal dos Direitos do Idoso. O Prefeito Municipal de São José dos Pinhais, Estado do Paraná, usando de suas atribuições legais, e de acordo

Leia mais

A INSTITUIÇÃO TESOURO ESTADUAL EM TEMPO DE AMEAÇAS ÀS FINANÇAS CAPIXABAS*

A INSTITUIÇÃO TESOURO ESTADUAL EM TEMPO DE AMEAÇAS ÀS FINANÇAS CAPIXABAS* A INSTITUIÇÃO TESOURO ESTADUAL EM TEMPO DE AMEAÇAS ÀS FINANÇAS CAPIXABAS* Marcos Bragatto O sucesso da gestão de qualquer instituição se fundamenta na eficiência do desempenho do tripé métodos, meios e

Leia mais

INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO

INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO Aos Srs. Acionistas Investco S.A. Anexo I - Comentários dos Diretores da Companhia Contas dos Administradores referentes ao exercício social encerrado em 31.12.2012.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA OLINDA

PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA OLINDA LEI N 274/2013 Nova Olinda - TO, 23 de outubro de 2013 "Institui e cria o Fundo Municipal do Meio Ambiente - FMMA do Município de Nova Olinda -TO e dá outras providências." O PREFEITO MUNICIPAL DE NOVA

Leia mais

LEI Nº 008/2003, DE 01 DE JULHO DE 2003. A CÂMARA MUNICIPAL DE RESERVA, Estado do Paraná, aprovou, e eu Prefeito Municipal, sanciono a seguinte LEI:

LEI Nº 008/2003, DE 01 DE JULHO DE 2003. A CÂMARA MUNICIPAL DE RESERVA, Estado do Paraná, aprovou, e eu Prefeito Municipal, sanciono a seguinte LEI: LEI Nº 008/2003, DE 01 DE JULHO DE 2003. Súmula: Dispõe sobre as diretrizes orçamentárias para o ano 2.004 e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE RESERVA, Estado do Paraná, aprovou, e eu Prefeito

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA CONFEA. RESOLUÇÃO Nº 1.066, DE 25 DE SETEMBRO de 2015.

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA CONFEA. RESOLUÇÃO Nº 1.066, DE 25 DE SETEMBRO de 2015. RESOLUÇÃO Nº 1.066, DE 25 DE SETEMBRO de 2015. Fixa os critérios para cobrança das anuidades, serviços e multas a serem pagos pelas pessoas físicas e jurídicas registradas no Sistema Confea/Crea, e dá

Leia mais

Treinamento 2013. Programa de Desenvolvimento Sustentável do Sistema Apresentação Polyana Motta Zeller PRODESU- SECOP

Treinamento 2013. Programa de Desenvolvimento Sustentável do Sistema Apresentação Polyana Motta Zeller PRODESU- SECOP Treinamento 2013 Programa de Desenvolvimento Sustentável do Sistema Apresentação Polyana Motta Zeller - SECOP DN 86/2012 Aspectos importantes do Manual de Convênios Encaminhamento de proposta de parceria

Leia mais

CREA/SP. Comparativo da Despesa Liquidada. CREA SP - Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Estado de SP CNPJ: 60.985.017/0001-77.

CREA/SP. Comparativo da Despesa Liquidada. CREA SP - Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Estado de SP CNPJ: 60.985.017/0001-77. CREA SP - Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Estado de SP CNPJ: 60.985.017/0001-77 Comparativo da Liquidada 6.2.2.1.1 - CRÉDITO DISPONÍVEL DA DESPESA 236.796.764,70 12.925.099,08 91.035.128,47

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL CONSELHO SECCIONAL DO DISTRITO FEDERAL CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO Nº 4, DE 21 DE FEVEREIRO DE 2013

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL CONSELHO SECCIONAL DO DISTRITO FEDERAL CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO Nº 4, DE 21 DE FEVEREIRO DE 2013 ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL CONSELHO SECCIONAL DO DISTRITO FEDERAL CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO Nº 4, DE 21 DE FEVEREIRO DE 2013 Aprova o orçamento para o exercício financeiro compreendido entre 1º de janeiro

Leia mais

Lei nº 590/10/2010. Do Orçamento do Município. Dos Orçamentos das Unidades Gestoras Prefeitura e Câmara Municipal

Lei nº 590/10/2010. Do Orçamento do Município. Dos Orçamentos das Unidades Gestoras Prefeitura e Câmara Municipal M U N I C Í P I O D E C H I A P E T A Lei nº 590/10/2010 Estima a Receita e fixa a Despesa do Município de CHIAPETA para o Exercício de 2011.. OSMAR KUHN, Prefeito Municipal de CHIAPETA, faz saber a todos

Leia mais

MUNICÍPIOS COM POPULAÇÃO INFERIOR A 50.000 HABITANTES QUE OPTARAM PELA DIVULGAÇÃO SEMESTRAL DOS ANEXOS DOS ARTS. 53, 54 E 55 DA LRF

MUNICÍPIOS COM POPULAÇÃO INFERIOR A 50.000 HABITANTES QUE OPTARAM PELA DIVULGAÇÃO SEMESTRAL DOS ANEXOS DOS ARTS. 53, 54 E 55 DA LRF MUNICÍPIOS COM POPULAÇÃO INFERIOR A 50.000 HABITANTES QUE OPTARAM PELA DIVULGAÇÃO SEMESTRAL DOS ANEXOS DOS ARTS. 53, 54 E 55 DA LRF MODELO / SUGESTÃO PARA O RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DAS METAS DO TERCEIRO

Leia mais

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2009/2012 LEI Nº 217/2010 de 12 de Julho de 2010

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2009/2012 LEI Nº 217/2010 de 12 de Julho de 2010 LEI Nº 217/2010 de 12 de Julho de 2010 Autoriza a abertura de credito adicional suplementar por anulação parcial ou total de dotações orçamentárias, e dá outras providências O Prefeito Municipal de Itanhangá,

Leia mais

VOLUME ASSUNTO PÁGINA VOLUME I

VOLUME ASSUNTO PÁGINA VOLUME I VOLUME I I - Critérios utilizados para a discriminação, na programação de trabalho, do código identificador de resultado primário previsto no art. 7o, 4o, desta Lei; 4 VOLUME I II - Recursos destinados

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PROGRAMA DE REESTRUTURAÇÃO E AJUSTE FISCAL DOS ESTADOS MISSÃO TÉCNICA AO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL

TERMO DE REFERÊNCIA PROGRAMA DE REESTRUTURAÇÃO E AJUSTE FISCAL DOS ESTADOS MISSÃO TÉCNICA AO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL MINISTÉRIO DA FAZENDA TERMO DE REFERÊNCIA PROGRAMA DE REESTRUTURAÇÃO E AJUSTE FISCAL DOS ESTADOS MISSÃO TÉCNICA AO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL A Missão Técnica da Secretaria do Tesouro Nacional é uma

Leia mais

Lei Ordinária Nº 5.519 de 13/12/2005 DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

Lei Ordinária Nº 5.519 de 13/12/2005 DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Lei Ordinária Nº 5.519 de 13/12/2005 Dispõe sobre a qualificação de entidades como organizações sociais, e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PIAUÍ, FAÇO saber que o Poder Legislativo decreta

Leia mais

A CÂMARA MUNICIPAL DE CAMPOS DOS GOYTACAZES DECRETA E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI:

A CÂMARA MUNICIPAL DE CAMPOS DOS GOYTACAZES DECRETA E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI: Lei nº 7.084, de 02 de julho de 2001. Cria o Fundo de Desenvolvimento de Campos dos Goytacazes - FUNDECAM e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE CAMPOS DOS GOYTACAZES DECRETA E EU SANCIONO A SEGUINTE

Leia mais

PLANO DE CONTAS UNIFICADO DOS CONSELHOS FEDERAL E REGIONAIS DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA.

PLANO DE CONTAS UNIFICADO DOS CONSELHOS FEDERAL E REGIONAIS DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA. PLANO DE CONTAS UNIFICADO DOS CONSELHOS FEDERAL E REGIONAIS DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA. DEMONSTRATIVO ANALÍTICO DA RECEITA EXERCÍCIO BASE 1000.00.00 1200.00.00 1210.00.00 1210.40.00 1210.40.10

Leia mais

LEI Nº 9.548, DE 22 DE ABRIL DE 2015. A CÂMARA MUNICIPAL DE GOIÂNIA, Estado de Goiás, aprova e eu, PREFEITO MUNICIPAL, sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 9.548, DE 22 DE ABRIL DE 2015. A CÂMARA MUNICIPAL DE GOIÂNIA, Estado de Goiás, aprova e eu, PREFEITO MUNICIPAL, sanciono a seguinte Lei: 1 Gabinete do Prefeito LEI Nº 9.548, DE 22 DE ABRIL DE 2015 Institui o Programa Municipal de Parcerias Público-Privadas, cria a Comissão Gestora de Parcerias Público-Privadas de Goiânia e dá outras providências.

Leia mais

CREFITO/MT Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional 9ª Região CNPJ: 00.577.473/0001-56

CREFITO/MT Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional 9ª Região CNPJ: 00.577.473/0001-56 Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional 9ª Região CNPJ: 00.577.473/0001-56 Balancete Conta Anterior Débitos Créditos 1 - ATIVO 1.474.008,93D 717.680,43 804.036,65 1.387.652,71D 1.1 - ATIVO

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA. Lei n.º 2/13 de 7 de Março

REPÚBLICA DE ANGOLA. Lei n.º 2/13 de 7 de Março REPÚBLICA DE ANGOLA ASSEMBLEIA NACIONAL Lei n.º 2/13 de 7 de Março O Orçamento Geral do Estado é o principal instrumento da política económica e financeira do Estado Angolano que, expresso em termos de

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2015 (Em Reais)

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2015 (Em Reais) NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2015 (Em Reais) 1. CONTEXTO OPERACIONAL O Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo, Autarquia Federal nos termos da

Leia mais

Associação Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada IMPA-OS

Associação Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada IMPA-OS Associação Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada IMPA-OS Demonstrações Financeiras em 31 de dezembro de 2004 e Parecer dos Auditores Independentes Parecer dos Auditores Independentes 03 de fevereiro

Leia mais

Lei nº 542/09/2009. Do Orçamento do Município. Dos Orçamentos das Unidades Gestoras Prefeitura e Câmara Municipal

Lei nº 542/09/2009. Do Orçamento do Município. Dos Orçamentos das Unidades Gestoras Prefeitura e Câmara Municipal M U N I C Í P I O D E C H I A P E T A Lei nº 542/09/2009 Estima a Receita e fixa a Despesa do Município de CHIAPETA para o Exercício de 2010.. OSMAR KUHN, Prefeito Municipal de CHIAPETA, faz saber a todos

Leia mais

CAU - PE. Comparativo da Despesa Paga. Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Estado do Pernambuco CNPJ: 14.944.213/0001-86.

CAU - PE. Comparativo da Despesa Paga. Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Estado do Pernambuco CNPJ: 14.944.213/0001-86. Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Estado do Pernambuco CNPJ: 14.944.213/0001-86 Comparativo da Paga CRÉDITO DISPONÍVEL DA DESPESA 1.135.578,36 505.388,09 CRÉDITO DISPONÍVEL DESPESA CORRENTE 845.084,13

Leia mais

CAIXA: POSSIBILIDADES DE ATUAÇÃO EM CONCESSÕES DE INFRAESTRUTURA

CAIXA: POSSIBILIDADES DE ATUAÇÃO EM CONCESSÕES DE INFRAESTRUTURA CAIXA: POSSIBILIDADES DE ATUAÇÃO EM CONCESSÕES DE INFRAESTRUTURA 85º Encontro Nacional da Indústria da Construção Rogério de Paula Tavares Diretor Executivo de Infraestrutura e Saneamento Fortaleza/CE,

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRACAO - MG Sistema de Contabilidade COMPARATIVO DA RECEITA ORÇADA COM A REALIZADA RECEITA - Julho - 2015

CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRACAO - MG Sistema de Contabilidade COMPARATIVO DA RECEITA ORÇADA COM A REALIZADA RECEITA - Julho - 2015 COMPARATIVO DA RECEITA ORÇADA COM A REALIZADA RECEITA - Julho - 2015 Pág. : 1 6.2.1 RECEITAS CORRENTES 11.295.000,00 583.289,72 9.070.248,71 80,30 2.224.751,29 6.2.1.1 CONTRIBUIÇÕES 9.092.350,00 339.794,44

Leia mais

RESUMO DO DIÁRIO PUBLICAMOS NESTA EDIÇÃO OS SEGUINTES DOCUMENTOS:

RESUMO DO DIÁRIO PUBLICAMOS NESTA EDIÇÃO OS SEGUINTES DOCUMENTOS: Diário Oficial do Município de Boquira - Bahia Poder Executivo Ano VI Nº 870 11 de Novembro de 2014 RESUMO DO DIÁRIO PUBLICAMOS NESTA EDIÇÃO OS SEGUINTES DOCUMENTOS: LEIS LEI Nº 623 DE 03 DE NOVEMBRO DE

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Júlio de Mesquita Filho

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Júlio de Mesquita Filho GOVERNO DO ESTADO SÃO PAULO UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Júlio de Mesquita Filho PROPOSTA ORÇAMENTÁRIA EXERCÍCIO - 2013 ELABORAÇÃO: Assessoria Planejamento Estratégico - APE INTRODUÇÃO O Governo

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL CONSELHO SECCIONAL DO DISTRITO FEDERAL PRESIDÊNCIA CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO Nº 3, DE 4 DE FEVEREIRO DE 2010.

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL CONSELHO SECCIONAL DO DISTRITO FEDERAL PRESIDÊNCIA CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO Nº 3, DE 4 DE FEVEREIRO DE 2010. CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO Nº 3, DE 4 DE FEVEREIRO DE 2010. Aprova o Orçamento para o Exercício Financeiro compreendido entre 1 de janeiro a 31 de dezembro de 2010. O Conselho Seccional da Ordem dos Advogados

Leia mais

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA D 4.10 Aspectos fiscais: receita e necessidade de financiamento do governo central (20h) (Aula 1: Receita Pública) Professor: José Paulo de A. Mascarenhas

Leia mais

Composição das Mensalidades para 2012

Composição das Mensalidades para 2012 Composição das Mensalidades para 2012 SEMESP Rodrigo Capelato 11/11/2011 Agenda 1. Formação do Preço pelo Custo Implantação dos Centro de Custos Critério de Rateio 2. Reajuste sobre a Inflação Como medir

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Distrito Federal ATO NORMATIVO Nº XX, DE XX DE XXXXXXXXXX DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Distrito Federal ATO NORMATIVO Nº XX, DE XX DE XXXXXXXXXX DE 2015 ATO NORMATIVO Nº XX, DE XX DE XXXXXXXXXX DE 2015 Dispõe sobre a concessão de recursos para medidas que objetivem o aperfeiçoamento técnico/científico/de inovação e cultural pelo Crea-DF e dá outras providências;

Leia mais

I - o modelo de gestão a ser adotado e, se for o caso, os critérios para a contratação de pessoas jurídicas autorizadas ou credenciadas nos termos da

I - o modelo de gestão a ser adotado e, se for o caso, os critérios para a contratação de pessoas jurídicas autorizadas ou credenciadas nos termos da RESOLUCAO 3.506 Dispõe sobre as aplicações dos recursos dos regimes próprios de previdência social instituídos pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 11, DE 04 DE NOVEMBRO DE 2015. Art. 1º Aprovar, na forma do Anexo, a Norma de Capacitação de Servidores da APO.

RESOLUÇÃO Nº 11, DE 04 DE NOVEMBRO DE 2015. Art. 1º Aprovar, na forma do Anexo, a Norma de Capacitação de Servidores da APO. RESOLUÇÃO Nº 11, DE 04 DE NOVEMBRO DE 2015 A DIRETORIA EXECUTIVA DA AUTORIDADE PÚBLICA OLÍMPICA APO, no uso das atribuições que lhe conferem o inciso XIV do Parágrafo Segundo da Cláusula Décima Quinta

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Dispõe sobre o quórum de aprovação de convênio que conceda remissão dos créditos tributários constituídos em decorrência de benefícios, incentivos fiscais ou financeiros instituídos

Leia mais

Construindo e garantindo seu futuro

Construindo e garantindo seu futuro Construindo e garantindo seu futuro Agenda proposta 08:30 Café & Pão-de-Queijo 09:00 Abertura: Sérgio Quiroga / Vera Lúcia Gobetti Convidado Especial: Manoel Horácio Francisco da Silva 09:30 Análise dos

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2012 Fortalecendo o Futuro! SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVOS... 3 2.1 OBJETIVO GERAL... 3 2.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 3 VIGÊNCIA... 4 4 MODELO

Leia mais

L E I Nº 6.816, DE 25 DE JANEIRO DE 2006.

L E I Nº 6.816, DE 25 DE JANEIRO DE 2006. L E I Nº 6.816, DE 25 DE JANEIRO DE 2006. Dispõe sobre a reestruturação organizacional da Secretaria Executiva de Estado de Obras Públicas - SEOP e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO

CURSO ON-LINE PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO RESOLUÇÃO DA PROVA DE AFO/MPOG/2008 I PARTE Prezados colegas! O fim do ano de 2008 se aproxima! Porém, em 2008, com crise financeira e tudo mais, houve bastantes concursos. O ano de 2008 praticamente está

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTO E RESUMO DO INFORMATIVO MENSAL DA BB GESTÃO DE RECURSOS DTVM

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTO E RESUMO DO INFORMATIVO MENSAL DA BB GESTÃO DE RECURSOS DTVM RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTO E RESUMO DO INFORMATIVO MENSAL DA BB GESTÃO DE RECURSOS DTVM Maio/2014 1. Extrato Sintético das Aplicações FUNDOS RENDA FIXA SALDO 30.04.14 APLICAÇÃO

Leia mais

República Federativa do Brasil Estado do Ceará Município de Juazeiro do Norte Poder Executivo

República Federativa do Brasil Estado do Ceará Município de Juazeiro do Norte Poder Executivo LEI Nº 4311, DE 28 DE ABRIL DE 2014 Dispõe sobre a qualificação de entidades sem fins lucrativos como organizações sociais e adota outras providências O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE JUAZEIRO DO NORTE,. FAÇO

Leia mais

LEI Nº 9.038, DE 14 DE JANEIRO DE 2005. O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 9.038, DE 14 DE JANEIRO DE 2005. O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 9.038, DE 14 DE JANEIRO DE 2005 Dispõe sobre o Programa Municipal de Parcerias Público- Privadas. O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2014 - COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS Versão : 2. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2014 - COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS Versão : 2. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 5 Demonstração do Resultado 7 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº DE DE ABRIL DE 2010 A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

PROJETO DE LEI Nº DE DE ABRIL DE 2010 A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES PROJETO DE LEI Nº DE DE ABRIL DE 2010 DISPÕE SOBRE AS DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DA LEI DO ORÇAMENTO ANUAL DE 2011 E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO RESOLVE:

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE LEI N. 2.678, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012 Estima a Receita e fixa a Despesa do Estado para o exercício financeiro de 2013, e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE FAÇO SABER que a Assembleia

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS PREFEITURA MUNICIPAL DE CATALÃO LEI ORÇAMENTÁRIA ANUAL L O A EXERCÍCIO DE 2016. 1 de 13

ESTADO DE GOIÁS PREFEITURA MUNICIPAL DE CATALÃO LEI ORÇAMENTÁRIA ANUAL L O A EXERCÍCIO DE 2016. 1 de 13 L O A DE 1 de 13 NOME DO ESTADO NOME DO MUNICÍPIO NOME DO PREFEITO(A) CARGO NOME CARGO CADASTRO DE DADOS DO MUNICÍPIO ESTADO DE GOIÁS JARDE SEBBA PREFEITO MUNICIPAL ABRANTE SILVERIO DE SOUZA CONTADOR CADASTRO

Leia mais

AUDITORIA INTERNA RELATÓRIO SOBRE AS CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2013

AUDITORIA INTERNA RELATÓRIO SOBRE AS CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2013 AUDITORIA INTERNA RELATÓRIO SOBRE AS CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2013 Em cumprimento à Instrução Normativa nº 14, de 14.12.2011, especificamente do seu art. 10, e à Decisão Normativa nº 009/2013, ambas do Tribunal

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 490, DE 24 DE AGOSTO DE 2005

RESOLUÇÃO Nº 490, DE 24 DE AGOSTO DE 2005 RESOLUÇÃO Nº 490, DE 24 DE AGOSTO DE 2005 Fixa os valores de registro de ART e dá outras providências. O CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA Confea, no uso das atribuições que lhe confere

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA Analista/Técnico MPU

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA Analista/Técnico MPU ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA Analista/Técnico MPU 4/5 - Classificação de gastos públicos (despesas). Normas da LRF sobre despesas (1ª Parte) Sergio Karkache sekarkache@yahoo.com.br http://sergiokarkache.blogspot.com

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA

ESTADO DE SANTA CATARINA ESTADO DE SANTA CATARINA TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DIRETORIA DE CONTROLE DOS MUNICÍPIOS DMU PROCESSO PCP 08/00199278 UNIDADE Município de Joinville RESPONSÁVEL Sr. Marco Antonio Tebaldi - Prefeito Municipal

Leia mais

LEI Nº 7.439 DE 18 DE JANEIRO DE 1999 CAPÍTULO I DA FINALIDADE E COMPETÊNCIA

LEI Nº 7.439 DE 18 DE JANEIRO DE 1999 CAPÍTULO I DA FINALIDADE E COMPETÊNCIA Publicada D.O.E. Em 19.01.99 LEI Nº 7.439 DE 18 DE JANEIRO DE 1999 Dispõe sobre a criação da Agência Estadual de Defesa Agropecuária da Bahia - ADAB e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DA

Leia mais

Art. 2º) A peça orçamentária e parte integrante desta resolução.

Art. 2º) A peça orçamentária e parte integrante desta resolução. FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO CONTESTADO FUnC RESOLUÇÃO 01/2010 FUnC Dispõe sobre o orçamento 2010 da FUnC. O Presidente da Fundação Universidade do Contestado, no uso de suas atribuições, de acordo com o Art.

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE PÚBLICA EXERCÍCIO DE 2014

DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE PÚBLICA EXERCÍCIO DE 2014 NOTAS EXPLICATIVAS 1. DIVULGAÇÃO DE POLÍTICAS CONTÁBEIS Políticas contábeis são os princípios, bases, convenções, regras e procedimentos específicos aplicados pela entidade na elaboração e na apresentação

Leia mais

CRM/MG. Comparativo da Despesa Paga. Conselho Regional de Medicina do Estado de Minas Gerais CNPJ: 22.256.879/0001-70. Página:1/5

CRM/MG. Comparativo da Despesa Paga. Conselho Regional de Medicina do Estado de Minas Gerais CNPJ: 22.256.879/0001-70. Página:1/5 Conselho Regional de Medicina do Estado de Minas Gerais CNPJ: 22.256.879/0001-70 Comparativo da Paga 6.2.2.1.1 - CRÉDITO DISPONÍVEL - DESPESAS CORRENTES 34.981.999,00 8.818.345,10 8.818.345,10 26.163.653,90

Leia mais

Proposta Aprovada no 8º Congresso Nacional de Profissionais Inserção Internacional do Sistema Confea/Crea

Proposta Aprovada no 8º Congresso Nacional de Profissionais Inserção Internacional do Sistema Confea/Crea Proposta Aprovada no 8º Congresso Nacional de Profissionais Inserção Internacional do Sistema Confea/Crea 31 de janeiro de 2015 Sãp Paulo - SP 8º Congresso Nacional de Profissionais Eixo Referencial -

Leia mais

MUTUOPREV 2014 - RELATÓRIO ANUAL DO PLANO DE BENEFÍCIOS II

MUTUOPREV 2014 - RELATÓRIO ANUAL DO PLANO DE BENEFÍCIOS II MUTUOPREV 2014 - RELATÓRIO ANUAL DO PLANO DE BENEFÍCIOS II A MUTUOPREV Entidade de Previdência Complementar - CNPJ nº 12.905.021/0001-35 e CNPB 2010.0045-74, aprovado pela portaria nº 763 de 27 de setembro

Leia mais

Electro Aço Altona S/A

Electro Aço Altona S/A Electro Aço Altona S/A Companhia Aberta de Capital Autorizado CNPJ n.º 82.643.537/0001-34 IE n.º 250.043.106 Rua Eng.º Paul Werner, 925 CEP 89030-900 Blumenau SC Data base: 30 de Junho de 2011 1 Destaques

Leia mais

RESOLUÇÃO BACEN Nº 3.866, DE 7 DE JUNHO DE 2010 DOU 08.06.2010

RESOLUÇÃO BACEN Nº 3.866, DE 7 DE JUNHO DE 2010 DOU 08.06.2010 RESOLUÇÃO BACEN Nº 3.866, DE 7 DE JUNHO DE 2010 DOU 08.06.2010 Dispõe sobre programas de investimento agropecuário amparados em recursos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Leia mais

ANEXO IV DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL

ANEXO IV DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL ANEXO IV DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL 1. INTRODUÇÃO Este anexo objetiva apresentar as informações necessárias a orientar a LICITANTE quanto à apresentação e conteúdo da sua PROPOSTA

Leia mais

Desafios dos Novos Gestores Eleitos 2013/2016

Desafios dos Novos Gestores Eleitos 2013/2016 Desafios dos Novos Gestores Eleitos 2013/2016 Orçamento e Lei de Responsabilidade Fiscal Patrícia Sibely D Avelar Secretária Municipal de Fazenda de Lagoa Santa FORMAÇÃO Graduada em Ciência Contábeis.

Leia mais

ANEXO II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO ANEXO 9-1-II DA INSTRUÇÃO CVM Nº. 481/2009 2014 (R$) 949.176.907,56

ANEXO II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO ANEXO 9-1-II DA INSTRUÇÃO CVM Nº. 481/2009 2014 (R$) 949.176.907,56 ANEXO II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO ANEXO 9-1-II DA INSTRUÇÃO CVM Nº. 481/2009 1. Informar o lucro líquido do exercício. 949.176.907,56 2. Informar o montante global e o valor por ação dos dividendos,

Leia mais

O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE SUMARÉ

O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE SUMARÉ LEI Nº 5456, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2012. Estima a receita e fixa a despesa do Município de Sumaré para o exercício financeiro de 2013, e dá outras providências.- O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE SUMARÉ seguinte

Leia mais

NOSSA ABO/DF. Por ocasião da última Assembleia Geral Extraordinária (AGE) acontecida em 02 de Dezembro de 2013 informamos o que se segue.

NOSSA ABO/DF. Por ocasião da última Assembleia Geral Extraordinária (AGE) acontecida em 02 de Dezembro de 2013 informamos o que se segue. NOSSA ABO/DF Por ocasião da última Assembleia Geral Extraordinária (AGE) acontecida em 02 de Dezembro de 2013 informamos o que se segue. Assumimos nossa primeira gestão em 01 de abril de 2010, e em reuniões

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTO E RESUMO DO INFORMATIVO MENSAL DA BB GESTÃO DE RECURSOS DTVM

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTO E RESUMO DO INFORMATIVO MENSAL DA BB GESTÃO DE RECURSOS DTVM RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTO E RESUMO DO INFORMATIVO MENSAL DA BB GESTÃO DE RECURSOS DTVM Janeiro/2015 1. Extrato Sintético das Aplicações FUNDOS RENDA FIXA SALDO 31.12.14 APLICAÇÃO

Leia mais

Capítulo I Das Organizações Sociais. Seção I Da Qualificação

Capítulo I Das Organizações Sociais. Seção I Da Qualificação Lei n.º 9.637, de 15 de maio de 1998 Dispõe sobre a qualificação de entidades como organizações sociais, a criação do Programa Nacional de Publicização, a extinção dos órgãos e entidades que menciona e

Leia mais

DECRETO Nº 15.114,DE 8 DE JANEIRO DE 2013 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

DECRETO Nº 15.114,DE 8 DE JANEIRO DE 2013 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS DECRETO Nº 15.114,DE 8 DE JANEIRO DE 2013 Disciplina a celebração de convênios e operações de crédito com previsão de ingresso de recursos financeiros que beneficiem órgãos e entidades da Administração

Leia mais

PARCERIAS PÚBLICO- PRIVADAS III Fórum Brasileiro sobre a Reforma do Estado Carlos Ari Sundfeld SITUANDO O TEMA DA PPP escassez de recursos orçamentários para projetos de alto custo déficit de projetos

Leia mais

LEI Nº 180 DE 25 DE SETEMBRO DE 1997

LEI Nº 180 DE 25 DE SETEMBRO DE 1997 LEI Nº 180 DE 25 DE SETEMBRO DE 1997 Autoriza o Poder Executivo a transformar o Banco do Estado de Roraima S/A - BANER, em Agência de Fomento do Estado de Roraima S/A - AFERR, e dá outras providências.

Leia mais

DIÁRIO OFICIAL Nº. 31144 de 08/04/2008

DIÁRIO OFICIAL Nº. 31144 de 08/04/2008 DIÁRIO OFICIAL Nº. 311 de 08/0/008 GABINETE DA GOVERNADORA L E I Nº 7.030, DE 30 DE JULHO DE 007* Cria o Instituto de Desenvolvimento Econômico, Social e Ambiental do Pará - IDESP, e dá outras providências.

Leia mais

DAIEA Demonstrativo Analítico dos Investimentos e Enquadramento das Aplicações

DAIEA Demonstrativo Analítico dos Investimentos e Enquadramento das Aplicações DAIEA Demonstrativo Analítico dos Investimentos e Enquadramento das Aplicações FUNDO DE PENSÃO PRECIN 1 Semestre / 2006 DAIEA Demonstrativo Analítico de Investimentos e de Enquadramentos das Aplicações

Leia mais

Relatório Gerencial Abril 2016. Receita Imobiliária 763.982,82 PEUGEOT 96.554,65 PETROBRAS 667.428,17 RENDA FIXA 7.938,83. Receitas Totais 771.

Relatório Gerencial Abril 2016. Receita Imobiliária 763.982,82 PEUGEOT 96.554,65 PETROBRAS 667.428,17 RENDA FIXA 7.938,83. Receitas Totais 771. TRX Edifícios Corporativos XTED11 - FII Relatório Gerencial Abril 2016 DADOS DO FUNDO DATA DE INÍCIO Novembro/2012 PRAZO Indeterminado VALOR DE MERCADO R$ 38.142.000,00 VALOR PATRIMONIAL R$ 94.237.354,75

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS GABINETE CIVIL

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS GABINETE CIVIL PUBLICADA NO DIÁRIO OFICIAL Nº 1925, DE 23 DE MAIO DE 2005, Págs 54 e 56 LEI Nº 1367, DE 17 DE MAIO DE 2005. Regulamentada pelo Decreto nº 198/06 Cria o Fundo Municipal de Desenvolvimento da Economia Popular

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU LEI Nº 6.576, DE 23 DE OUTUBRO DE 2.014 P. 35.427/13 (4.599/13-Emdurb) Cria o Conselho Municipal de Mobilidade de Bauru e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE BAURU, nos termos do art. 51 da

Leia mais

QUESTÕES DE AFO E CONTABILIDADE PÚBLICA ANALISTA JUDICIÁRIO CONTABILIDADE - STM/2011 ÚLTIMA PARTE

QUESTÕES DE AFO E CONTABILIDADE PÚBLICA ANALISTA JUDICIÁRIO CONTABILIDADE - STM/2011 ÚLTIMA PARTE QUESTÕES DE AFO E CONTABILIDADE PÚBLICA ANALISTA JUDICIÁRIO CONTABILIDADE - STM/2011 ÚLTIMA PARTE Prezado internauta e estudante do Ponto dos Concursos! Desejo a todos uma mente ILUMINADA e que tenham

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE LEI N. 1.478, DE 15 DE JANEIRO DE 2003 Cria o Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal do Estado do Acre IDAF/AC e define sua competência e organização básica. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte

Leia mais

MUNICÍPIO DE NOVA LARANJEIRAS ESTADO DO PARANÁ

MUNICÍPIO DE NOVA LARANJEIRAS ESTADO DO PARANÁ LEI Nº 1077/2015 DATA: 07/12/2015 ESTIMA A RECEITA E FIXA A DESPESA DO MUNICÍPIO DE NOVA LARANJEIRAS PARA O EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2016 A CÂMARA MUNICIPAL DE NOVA LARANJEIRAS, ESTADO DO PARANÁ, APROVOU

Leia mais

REAL LEASING S.A. ARRENDAMENTO MERCANTIL INCORPORADO POR SANTANDER LEASING S.A. ARRENDAMENTO MERCANTIL

REAL LEASING S.A. ARRENDAMENTO MERCANTIL INCORPORADO POR SANTANDER LEASING S.A. ARRENDAMENTO MERCANTIL REAL LEASING S.A. ARRENDAMENTO MERCANTIL INCORPORADO POR SANTANDER LEASING S.A. ARRENDAMENTO MERCANTIL 5ª Emissão Pública de Debêntures Não Conversíveis Ações em Série Única da Espécie Subordinada Relatório

Leia mais

L E I N 7.785, DE 9 DE JANEIRO DE 2014

L E I N 7.785, DE 9 DE JANEIRO DE 2014 L E I N 7.785, DE 9 DE JANEIRO DE 2014 Dispõe sobre a reestruturação da Loteria do Estado do Pará - LOTERPA e dá outras providências. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO PARÁ estatui e eu sanciono a

Leia mais

LEI Nº1856, DE 19 DE JANEIRO DE 2015

LEI Nº1856, DE 19 DE JANEIRO DE 2015 GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ LEI Nº1856, DE 19 DE JANEIRO DE 2015 Estima a Receita e fixa a Despesa do Estado para o exercício financeiro de 2015. do art. 107 da Constituição Estadual, sanciono a seguinte

Leia mais