IPASSP-SM. Política de Investimentos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IPASSP-SM. Política de Investimentos"

Transcrição

1 INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA À SAÚDE DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE SANTA MARIA CNPJ: / IPASSP-SM Rua Venâncio Aires, 2.035, sala 106, Centro, CEP , Santa Maria - RS Fone: , IPASSP-SM Política de Investimentos 2009

2 1. Introdução Atendendo à legislação pertinente aos investimentos dos Regimes Próprios de Previdência Social RPPS, com ênfase a Resolução Bacen Nº 3506, de 25 de outubro de 2007, o IPASSP-SM, por meio de sua Diretoria Executiva, apresenta a Política de Investimentos para o ano de 2009, devidamente aprovada pelo Conselho Deliberativo, conforme Ata n 081/2008, de 02 de dezembro de Além de tratar-se de uma formalidade legal que fundamenta e norteia todo o processo de tomada de decisão relativa aos investimentos do IPASSP-SM é um instrumento gerencial necessário para garantir a consistência da gestão dos recursos do fundo de previdência no decorrer do exercício, com vistas à manutenção de seu equilíbrio econômico-financeiro e atuarial. A definição da Política de Investimentos visa buscar um incremento de receita para o fundo de previdência através de alternativas do mercado financeiro que apresentem, simultaneamente, as melhores condições de segurança, rentabilidade, solvência, liquidez e transparência. Por meio dessa política, pretende-se, ainda, alcançar, no mínimo, os índices de rentabilidades compatíveis com os previstos no cálculo que define a meta atuarial do exercício, qual seja, INPC + 6% a.a. 2

3 2. Características e Objetivos do RPPS 2.1. Características do RPPS O Instituto de Previdência e Assistência à Saúde dos Servidores Públicos de Santa Maria - IPASSP-SM, é uma autarquia constituída como órgão da administração indireta, com personalidade jurídica de direito público interno, dotada de autonomia administrativa, patrimonial e financeira, com sede e foro na cidade de Santa Maria, criada em 03/12/2001 pela Lei Municipal N 4483/2001. De acordo com o Estudo Atuarial efetuado a partir dos dados de 31 de janeiro de 2008, o número de servidores titulares ativos de cargos efetivos é de 2.816, e de beneficiário é de 789, destes 592 são aposentados e 197 são pensionistas. Além dos 789 beneficiários, o instituto também é responsável pelo pagamento de proventos e pensões a 336 servidores inativos e pensionistas da Prefeitura e Câmara de Vereadores, cujos recursos são repassados a Autarquia, por meio de aportes financeiros, na data da folha de pagamento. Desde a criação do IPASSP-SM até 31 de outubro de 2008 acumula-se no Fundo de Previdência a título de reservas matemáticas o valor de R$ ,73 (Cinqüenta milhões cento e oitenta e três mil novecentos e setenta e oito reais e setenta e três centavos) assim distribuídos: Composição dos Investimentos do IPASSP-SM Renda Fixa BB Regime Próprio III ,69 51% ,90 50% ,00 50% Banrisul Patrimonial 0,00 0% ,93 10% ,42 17% Banrisul Previdência Municipal 0,00 0% 0,00 0% ,81 4% CEF Caixa RS ,05 49% ,16 40% ,50 29% Total ,74 100% ,99 100% ,73 100% Nota Explicativa: Os dados referentes a 2008 são parciais acumulados até 31 de outubro. O Orçamento para 2009 prevê ingressos de receita ao Fundo de Previdência no valor de R$ (Quarenta e oito milhões e quinhentos mil reais), com despesas fixadas no valor de R$ ,00 (Vinte e nove milhões e quatrocentos mil reais), restando para a acumulação de capital e constituição de reservas matemáticas, 3

4 juntamente com os saldos existentes em dezembro de 2008 o valor de R$ ,00 (Dezenove milhões e cem mil reais), relativo ao superávit do exercício Programação Financeira 2009 De acordo com o orçamento do IPASSP-SM, e com base na receita prevista, nas despesas fixadas, e de acordo com o saldo existente apresenta-se a programação financeira para o exercício de Orçamento 2009 Receita Prevista 2009 R$ ,00 Despesa Fixadas 2009 R$ ,00 Saldo para Formação de Reservas R$ ,00 Fluxo Mensal para Formação Reservas R$ ,67 Nota: O Saldo Final do Exercício 2008 é formado com base em dados reais até agosto de 2008, sendo que os demais meses foram projetados de acordo com a média dos ingressos e das despesas realizadas nesse período. Os dados para o Exercício de 2009 estão conforme o Orçamento. Programação Financeira 2009 Saldo Final Exercício 2008 R$ ,10 Mês Ingresso Líquido Mês Valor Acumulado Mês Projeção IPCA 5%+ 6% (Meta) Saldo Mês jan/ , , , ,20 fev/ , , , ,87 mar/ , , , ,52 abr/ , , , ,10 mai/ , , , ,08 jun/ , , , ,47 jun/ , , , ,89 ago/ , , , ,50 set/ , , , ,08 out/ , , , ,99 nov/ , , , ,24 dez/ , , , ,47 Projeção Saldo das Reservas no Final 2009 R$ ,47 4

5 De acordo com dados projetados estima-se que o IPASSP-SM no final de 2009 terá aproximadamente o valor de R$ ,00 (Oitenta milhões) em reservas matemáticas Desempenho da Meta Atuarial Pelo período analisado, demonstrado na Tabela abaixo, o IPASSP-SM, desde sua criação, vem atingindo a meta atuarial, exclusivamente em investimentos de renda fixa. A tabela nos mostra, ainda, que de 2002 a 2008, esse índice oscilou com tendência de queda, no entanto, manteve-se a meta positiva até Em 2007, a rentabilidade alcançada foi o suficiente para atingir a meta atuarial. Em 2008, esse índice, até outubro, encontra-se negativo, pois os investimentos em renda fixa não apresentaram ganhos suficientes para superar a inflação medida pelo INPC acrescida do índice real de 6%. a.a. Tabela Metas Atuariais IPASSP-SM Ano Saldo Acumulado R$ Rendimento R$ Rentabilidade INPC + 6% Ganho Real , ,05 28,20 17,41 10, , ,37 23,13 15,83 7, , ,76 15,32 12,18 3, , ,48 17,45 10,82 6, , ,50 13,89 8,66 5, , ,74 10,92 10, , ,13 9,12 11,04 (1,92) Nota Explicativa: A meta atuarial é calculada pelo somatório dos índices dos doze meses acrescidos de 0,49% ao mês. No ano de 2008, a meta atuarial, é representada pela acumulação dos Índices do INPC acrescidos de 0,49% ao mês conforme fórmula. Os dados referentes a 2008 são parciais acumulados até outubro Estrutura Organizacional da Unidade Gestora Única O IPASSP-SM, em atendimento à Legislação que dispõe sobre os RPPS, possui uma estrutura organizacional composta pelos seguintes órgãos para tomada de decisões de investimentos: a) Comitê de Investimentos; b) Diretoria Executiva; c) Conselho Deliberativo. 5

6 Do Comitê de Investimentos: Ao Comitê de Investimentos cabe fazer acompanhamento e controle da movimentação financeira e tomar decisões sobre os resgates e aplicações dos recursos previdenciários para atender os fluxos operacionais. Em casos de transferência de valores e mudança de investimentos, será necessária a aprovação da Diretoria Executiva. Os trabalhos de acompanhamento e controle são aqueles previstos no Decreto Executivo nº 061/2006. Da Diretoria Executiva: Representada pelo Diretor-Presidente e pelo Diretor-Geral, possui funções referentes à coordenação, liderança e articulação ampla das atribuições inerentes ao controle do patrimônio e dos investimentos do RPPS. Além de ser responsável pelas autorizações legais, cabe à Diretoria-Executiva tomar as decisões de implementação e de ajustes estabelecidas na Política de Investimentos para o exercício de Do Conselho Deliberativo: É responsável pela aprovação da Política de Investimentos dos recursos do fundo de previdência e das revisões que poderão acontecer no decorrer do exercício de Ainda, é de sua competência analisar e fiscalizar a aplicação dos recursos previdenciários quanto à forma, ao prazo e à natureza dos investimentos Objetivos A Política de Investimentos exerce um papel importante dentro do sistema gerencial de controle, organização e manutenção do RPPS. Conduz melhor a administração dos ativos financeiros e facilita a comunicação entre os gestores e mercado 6

7 financeiro. Além disso, permite que se faça adequações no âmbito do sistema de previdência, em decorrência de possíveis mudanças advindas no controle dos recursos aplicados no mercado financeiro. Consiste em um instrumento gerencial que proporciona à Diretoria Executiva e ao Conselho Deliberativo, órgãos envolvidos na gestão dos recursos, a busca de uma melhor definição das diretrizes básicas e dos limites de risco a que serão expostos os conjuntos de investimentos do IPASSP-SM. Essa política trata, ainda, da rentabilidade mínima a ser buscada pelos gestores, da adequação das aplicações aos ditames legais e da estratégia de alocação de recursos para o período de 01/01/2009 a 31/12/2009. No intuito de alcançar determinada taxa de rentabilidade real para as aplicações dos recursos previdenciários, a estratégia de investimento proposta prevê sua diversificação em renda fixa e/ou aquisição direta de títulos públicos. As aplicações em renda fixa serão efetuadas em fundos de investimentos em mais de uma instituição financeira oficial, preferencialmente em fundos de investimentos organizados para atender os RPPSs. A Administração do IPASSP-SM, por meio da política de investimentos, propõe a preservação do capital do RPPS investido, em níveis de baixo risco, à taxa esperada de retorno, aos limites legais e operacionais, à liquidez adequada dos ativos, traçando-se uma estratégia de investimentos de modo a garantir a meta atuarial anual, e se possível superá-la. 3. Avaliação de Cenário Macroeconômico Para a elaboração da Política de Investimentos de 2009, é indispensável que na data da formulação do relatório, os gestores do RPPS tenham conhecimento do cenário econômico do momento e das perspectivas futuras. 7

8 3.1. Cenário em 2008 Em 2008, a inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) e pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), conforme tabela abaixo, refletiu uma aceleração dos preços ao consumidor atingindo seu ápice em maio de O Índice Geral de Preços (IGP-M) teve uma aceleração atingindo em junho o maior índice. A aceleração do nível de preços ao consumidor reflete essencialmente o comportamento dos preços livres, que subiram mais rapidamente do que os preços administrados e monitorados por contrato. O aumento dos preços das commodities, o descompasso entre o ritmo de expansão da demanda em relação a oferta, principalmente a demanda doméstica, o aquecimento da economia, são fatores que contribuiram para o dinamismo da atividade econômica, gerando pressões inflacionárias. Índices Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro INPC 0,69 0,48 0,51 0,64 0,96 0,91 0,58 0,21 0,15 0,50 IPCA 0,54 0,49 0,48 0,55 0,79 0,74 0,53 0,28 0,26 0,45 IGP-M 1,09 0,53 0,74 0,69 1,61 1,98 1,76-0,32 0,11 0,98 Em 2008, a meta de inflação, estabelecida pelo Banco Central, era de 4,5% aa com variação de dois pontos percentuais para cima ou para baixo. No sentido de promover os ajustes necessários e manter a inflação no centro da meta e diante da conjuntura macroeconômica, o Copom optou pela elevação da Taxa Selic, que no ano, já representou 2,5%, conforme tabela abaixo, visando contribuir para a diminuição do cenário inflacionário. Reunião 132ª 133ª 134ª 135ª 136ª 137ª 138ª Data 23/01/08 05/03/08 16/04/08 04/06/08 23/07/08 10/09/08 29/10/08 Taxa Selic 11,25 11,25 11,75 12,25 13,00 13,75 13,75 No que se refere ao cenário externo, verifica-se um quadro de comprometimento das economias industrializadas causada pela crise dos Estados Unidos da América. Em decorrência disso houve flutuações nos mercados financeiros e de capitais, retração dos preços do commodities, crise de crédito, o que ocasionou uma elevação dos riscos de 8

9 desaceleração do crescimento econômico, comprometendo as projeções de crescimento da economia mundial. Esse cenário de crise atingiu diretamente os investimentos de renda variável, com agravamento no segundo semestre, afetando as bolsas de valores mundiais, cujos índices tiveram grandes oscilações acumulando até o momento um rendimento negativo. Nesse sentido, o segmento de renda fixa, embora, não tenha produzido ganhos suficientes para atingir a meta atuarial, tendo em vista o aumento da inflação, mostrou-se como o investimento que traduziu melhor as condições de segurança, liquidez e rentabilidade aos investimentos dos RPPSs. Essa afirmação é confirmada por Claudenir Vieira da Silva, presidente da Conexão Investimentos, no Relatório de Conjuntura Econômica de 20 de outubro de , pois segundo o mesmo no atual cenário econômico a renda fixa é o caminho mais prudente a ser tomado, especialmente por pequenos investidores sem maiores ambições que a de bater sua meta atuarial. Ainda enfoca que a desvalorização de algo como 40% no ano faz da BOVESPA o pior investimento de Perspectivas para 2009 Para o ano de 2009 poderá, na visão de muitos especialistas, ser um período de recessão, enquanto que para outros, esse ano poderá ser de crescimento. Segundo o governo, a economia brasileira tende a continuar sua trajetória de crescimento, que vem sendo sustentado essencialmente pela demanda doméstica e a projeção de crescimento para o ano de 2009, gira em torno de 4,00% a.a 2. No Relatório de Mercado Focus do dia 21/11/2008, a expectativa de crescimento do PIB para o próximo ano gira em torno de 3,00% a.a. Contudo no cenário internacional, de acordo com as noticias vinculadas nos principais jornais em circulação no país, crescem as preocupações com a desaceleração da demanda global, em especial o menor crescimento das economias industrializadas, motivas pela atual crise americana. 1 Recebido de em 21/10/ em 24/10/

10 A partir dos dados do Relatório de Mercado Focus do dia 21/11/2008, pode-se verificar as expectativas do mercado para as principais variáveis econômicas para o ano de 2009: Expectativa de Mercado Média Top Curto Prazo IPCA (%) 6,42 5,28 IGP-DI (%) 10,76 5,98 IGPM (%) 11,03 6,97 Taxa de Cambio fim período (R$/US$) 2,20 2,10 Meta Taxa Selic fim período (%aa) 13,75 13,29 Médio Prazo IPCA (%) 6,30 5,16 IGP-DI (%) 10,70 6,32 IGPM (%) 10,78 6,48 Taxa de Cambio fim período (R$/US$) 2,08 2,13 Meta Taxa Selic fim período (%aa) 13,85 14,30 4. Modelo de Gestão Para o exercício de 2009, as aplicações dos recursos do RPPS serão realizadas em instituição financeira oficial, preferencialmente em agências bancárias localizadas no Município de Santa Maria-RS. Para a escolha da instituição financeira oficial, o IPASSP-SM observará os seguintes critérios: a) A instituição financeira oficial deve ser uma entidade pública, conforme entendimento do TCE/RS; b) No Município de Santa Maria, os recursos poderão ser aplicados no Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal e Banrisul; c) Para receber recursos do RPPS, a instituição financeira deverá apresentar documentos que possibilitem à Administração do IPASSP-SM avaliar a solidez patrimonial da Entidade, verificar o volume de recursos e a experiência positiva no exercício da atividade de administração de recursos de terceiros; 10

11 d) A instituição financeira deverá apresentar, sempre que solicitado pelo IPASSP-SM, a relação dos tipos de investimentos que possui nos segmentos permitidos pela Resolução Bacen N 3506/2007, bem como declaração daqueles que forem organizados nos termos desta. 5. Estratégia de Alocação de Recursos A política de investimentos refere-se à alocação dos recursos do IPASSP-SM entre as instituições financeiras. Esses recursos serão alocados em ativos de renda fixa e/ ou aquisição de títulos públicos, respeitando-se os limites estabelecidos pela Resolução Bacen N 3506/2007, procurando-se sempre maximizar a rentabilidade dentro do mesmo nível de risco Ativos Autorizados No segmento de renda fixa, estão autorizados todos os ativos permitidos pela legislação vigente. A alocação dos recursos dos planos de benefícios do RPPS no segmento de renda fixa deverá restringir-se aos seguintes ativos e limites: I - até 100% (cem por cento) em títulos de emissão do Tesouro Nacional, registrados no Sistema Especial de Liquidação e Custódia - SELIC. II - Até 80% (oitenta por cento) em: a) cotas de fundos de investimentos referenciados em indicadores de desempenho de renda fixa, constituídos sob a forma de condomínio aberto; b) cotas de fundos de investimentos previdenciários e as cotas de fundos de investimentos em cotas de fundos de investimento previdenciários classificados como renda fixa ou referenciados em indicadores de desempenho de renda fixa, constituídos sob a forma de condomínio aberto, desde que apliquem recursos exclusivamente em títulos de emissão do Tesouro Nacional ou títulos privados considerados, com base em 11

12 classificação efetuada por agência classificadora de risco em funcionamento no País, como de baixo risco de crédito, observado o disposto nos arts. 17 e 18 da Resolução Bacen Nº 3506/2007. III - até 20% (vinte por cento) em depósitos de poupança em instituição financeira considerada, pelos responsáveis pela gestão dos recursos do RPPS, com base em classificação efetuada por agência classificadora de risco em funcionamento no País, como de baixo risco de crédito; IV - até 15% (quinze por cento) em cotas de fundos de investimentos de renda fixa, constituídos sob a forma de condomínio aberto; V - até 15% (quinze por cento) em cotas de fundos de investimentos em direitos creditórios, constituídos sob a forma de condomínio aberto Definição das alocações Diante dos ativos autorizados, com vistas a dar maior flexibilidade dos gestores haja vista as restrições legais, propõe-se adotar os limites máximos de aplicação no segmento de renda fixa determinados pela Resolução Bacen N 3506/2007. Com relação à renda variável, cuja limitação permite a aplicação de, no máximo, de 30% das reservas do RPPS, bem como no segmento de poupança, cuja limitação permite a aplicação de, no máximo 20% dos recursos do RPPSs, no ano de 2009, mantendo-se a conjuntura atual, não serão alocados recursos nesses segmentos de aplicações. Entretanto, no caso da renda variável, em condições de normalidade do mercado de capitais e com vista a obter melhores índices para garantir o índice da meta atuarial, pode-se utiliza-la. Nas aplicações em fundos investimentos devem ser priorizados aqueles cuja carteira seja composta de títulos públicos e tenham expectativa de melhor retorno. Assim, os investimentos do IPASSP-SM em 2009, observada a aplicação de um percentual em títulos públicos federais ou em cotas de fundo de investimento cuja carteira seja composta exclusivamente por tais ativos, seguirão a seguinte distribuição: Modalidade Percentual de Aplicação 12

13 Títulos Públicos Federais Até 100% Fundos de Investimentos Até 80% Depósito em Poupança 0% Fundo de Referenciado Indice Ações 0% 6. Metodologia de Gestão da Alocação Os cenários de investimentos dessa política foram traçados a partir das perspectivas para economia, com ênfase na política monetária, no panorama político e no comportamento das principais variáveis econômicas. Essa conjuntura econômica será acompanhada para realização de revisões periódicas e possíveis alterações na condução dos investimentos planejados nesse documento. As estratégias de investimento foram elaboradas dando ênfase à aversão ao risco. 7. Diretrizes para Gestão dos Segmentos No caso de recursos aplicados por meio de Fundos de Investimento e/ou Carteira Administrada as estratégias serão aquelas definidas pelos gestores das instituições financeiras e pela Diretoria-Executiva, com aprovação do Conselho-Deliberativo, no caso da carteira própria. 8. Disposições finais 13

14 O IPASSP-SM opta por uma gestão com perfil conservador, o que significa não se expor a altos níveis de risco. Contudo, tendo em vista garantir, ou superar, a meta atuarial buscará as melhores rentabilidades dentro dos investimentos selecionados. Dadas tais expectativas, a variável chave para a decisão de alocação é a probabilidade de satisfação da meta atuarial no exercício de Santa Maria, 02 de dezembro de EGLON DO CANTO SILVA Diretor Presidente 14

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA EXECUÇÃO FINANCEIRA

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA EXECUÇÃO FINANCEIRA CONTRATO 07/2013 EXERCÍCIO 2013 jan/13 fev/13 mar/13 abr/13 mai/13 jun/13 jul/13 ago/13 set/13 out/13 nov/13 dez/13 Número da Nota Fiscal emitida - - - - - - 92 99 110 121/133-157 - - Depósitos realizados

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES Página 1 de 28 Atualização: da poupança jun/81 1 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00 26.708,00-0,000% - 26.708,00 26.708,00 26.708,00 jul/81 2 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00

Leia mais

relatório mensal BB Recebíveis Imobiliários Fundo de Investimento Imobiliário FII

relatório mensal BB Recebíveis Imobiliários Fundo de Investimento Imobiliário FII relatório mensal BB Recebíveis Imobiliários Fundo de Investimento Imobiliário FII Julho 2015 BB Recebíveis Imobiliários Fundo de Investimento Imobiliário FII O fundo BB Recebíveis Imobiliários FII iniciou

Leia mais

relatório mensal BB Recebíveis Imobiliários Fundo de Investimento Imobiliário FII

relatório mensal BB Recebíveis Imobiliários Fundo de Investimento Imobiliário FII relatório mensal BB Recebíveis Imobiliários Fundo de Investimento Imobiliário FII Abril 2015 BB Recebíveis Imobiliários Fundo de Investimento Imobiliário FII O fundo BB Recebíveis Imobiliários FII iniciou

Leia mais

RELATÓRIO DA CARTEIRA DE INVESTIMENTOS MARÇO DE 2016

RELATÓRIO DA CARTEIRA DE INVESTIMENTOS MARÇO DE 2016 RELATÓRIO DA CARTEIRA DE INVESTIMENTOS MARÇO DE 2016 Os recursos do CaraguaPrev são aplicados respeitando os princípios de segurança, legalidade, liquidez e eficiência. Neste mês a carteira de investimentos

Leia mais

INDICADORES SETORIAIS E MACROECONÔMICOS

INDICADORES SETORIAIS E MACROECONÔMICOS INDICADORES SETORIAIS E MACROECONÔMICOS MAIO 2015 INCTF INCTL IGPM IPCA INPC ICV OUTROS ÍNDICE VARIAÇÃO MÊS (%) VARIAÇÃO ANO (%) VARIAÇÃO 12 MESES (%) Índice Nacional do Custos do Transporte de Carga Fracionada

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DAS APLICAÇÕES DOS RECURSOS DO FUNDO DE SAÚDE TRIMESTRE: OUTUBRO DEZEMBRO

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DAS APLICAÇÕES DOS RECURSOS DO FUNDO DE SAÚDE TRIMESTRE: OUTUBRO DEZEMBRO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DAS APLICAÇÕES DOS RECURSOS DO FUNDO DE SAÚDE TRIMESTRE: OUTUBRO DEZEMBRO - 2011 A Diretoria do IPASSP-SM, no uso das atribuições que lhes são conferidas pela Lei

Leia mais

Índices de Preços. Em 12

Índices de Preços. Em 12 Indicadores econômicos Índices de Preços IPC/FIPE IPCA Período Em 12 Em 12 Mensal No ano Mensal No ano meses meses Jan. 0,46 0,46 6,27 0,48 0,48 5,84 Fev. 0,27 0,73 5,52 0,55 1,03 5,90 Mar. 0,40 1,14 6,28

Leia mais

INDX apresenta alta de 2,67% em março

INDX apresenta alta de 2,67% em março INDX apresenta alta de 2,67% em março Dados de Março/11 Número 51 São Paulo O Índice do Setor Industrial (INDX), composto pelas ações mais representativas do segmento, encerrou o mês de março de 2010,

Leia mais

Panorama da Economia Brasileira

Panorama da Economia Brasileira Panorama da Economia Brasileira Nelson Barbosa Secretário de Política Econômica Brasília, 23 de novembro de 2009 1 PRODUÇÃO INDUSTRIAL Índice com ajuste sazonal (jan/2007 = 100) 115 110 110,9 105 101,89

Leia mais

Índices de Preços. Em 12

Índices de Preços. Em 12 Indicadores econômicos Índices de Preços IPC/FIPE IPCA Período Em 12 Em 12 Mensal No ano Mensal No ano meses meses Jan. 0,52 0,52 4,27 0,54 0,54 4,56 Fev. 0,19 0,71 4,12 0,49 1,03 4,61 Mar. 0,31 1,02 4,33

Leia mais

Relatório Mensal. BB Recebíveis Imobiliários FII

Relatório Mensal. BB Recebíveis Imobiliários FII Relatório Mensal BB Recebíveis Imobiliários FII Dezembro 2015 BB Recebíveis Imobiliários Fundo de Investimento Imobiliário FII O fundo BB Recebíveis Imobiliários FII iniciou suas atividades em 11 de setembro

Leia mais

GRUPO DE CONJUNTURA CAIO PRATES 29 MAI 2012

GRUPO DE CONJUNTURA CAIO PRATES 29 MAI 2012 GRUPO DE CONJUNTURA CAIO PRATES 29 MAI 2012 Tabela 1 - Projeções para 2011 e 2012 Mercado 2012 2013 PIB (%) 2,99 4,50 Indústria Geral (%) 1,58 4,20 IPCA (%) 5,17 5,60 Taxa Selic fim de ano 8,00 9,50 Taxa

Leia mais

Principais Características Banestes Recebíveis Imobiliários Fundo de Investimento Imobiliário

Principais Características Banestes Recebíveis Imobiliários Fundo de Investimento Imobiliário PERFIL DO FUNDO O Banestes Recebíveis Imobiliários Fundo de Investimento Imobiliário FII tem como objetivo a aquisição de ativos financeiros de base imobiliária, como Certificados de Recebíveis Imobiliários

Leia mais

Série 310 E 311 Relatório de Acompanhamento do CRI 31-jan-15

Série 310 E 311 Relatório de Acompanhamento do CRI 31-jan-15 31-jan-15 a - Juros 2.132.138,01 a - Juros 7.425,07 b - Amortização 1.380.493,17 b - Amortização 5.131,94 a - Saldo atual dos CRI Seniors (263.559.280,52) b - Saldo atual dos CRI Junior (851.761,29) c

Leia mais

Relatório Mensal. BB Recebíveis Imobiliários FII

Relatório Mensal. BB Recebíveis Imobiliários FII Relatório Mensal BB Recebíveis Imobiliários FII Abril 2016 BB Recebíveis Imobiliários Fundo de Investimento Imobiliário FII O fundo BB Recebíveis Imobiliários FII iniciou suas atividades em 11 de setembro

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL FATOR IFIX FII

RELATÓRIO MENSAL FATOR IFIX FII FATOR IFIX FII Dezembro de 2016 FATOR IFIX FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO PERFIL DO FUNDO O Fator IFIX Fundo de Investimento Imobiliário FII tem como objetivo o investir preponderantemente, em cotas

Leia mais

Informativo Mensal Investimentos

Informativo Mensal Investimentos Objetivo Os investimentos dos Planos Básico e Suplementar, modalidade contribuição definida, tem por objetivo proporcionar rentabilidade no longo prazo através das oportunidades oferecidas pelos mercados

Leia mais

Cenários Cenário Internacional. Plano Milênio. sentadas também destacamse. Cenário Nacional

Cenários Cenário Internacional. Plano Milênio. sentadas também destacamse. Cenário Nacional Ano II Novembro/2011 Nº 18 Cenários Cenário Internacional Em outubro o plano de salvação para a Europa mudou o cenário para os mercados. Os líderes europeus conseguiram fechar um acordo para tentar superar

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL FATOR IFIX FII

RELATÓRIO MENSAL FATOR IFIX FII FATOR IFIX FII Novembro de 2016 FATOR IFIX FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO PERFIL DO FUNDO O Fator IFIX Fundo de Investimento Imobiliário FII tem como objetivo o investir preponderantemente, em cotas

Leia mais

Projeto desenvolvido por:

Projeto desenvolvido por: Coordenação Geral Kennya Beatriz Siqueira Alziro Vasconcelos Carneiro Equipe Técnica Kennya Beatriz Siqueira - Pesquisadora Embrapa Gado de Leite Alziro Vasconcelos Carneiro - Analista Embrapa Gado de

Leia mais

INDICADORES ECONÔMICOS

INDICADORES ECONÔMICOS INDICADORES ECONÔMICOS Índice de Preços IGP-M IGP-DI Mensal No ano Em 12 meses Mensal No ano Em 12 meses Jan. 0,39 0,39 11,87 0,33 0,33 11,61 Fev. 0,30 0,69 11,43 0,40 0,74 10,86 Mar. 0,85 1,55 11,12 0,99

Leia mais

Dinheiro Multiplique-se

Dinheiro Multiplique-se Dinheiro Multiplique-se Por que se preocupar? Por que se preocupar? Basta trabalhar!!! Então, como faço para ganhar ser milionário? Preciso inventar uma nova empresa? 1º passo Você precisa estar alinhado

Leia mais

PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO 1 PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) 1984-2014 2 2 FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO DESAFIOS DA ECONOMIA BRASILEIRA: DEMOGRAFIA, MERCADO DE TRABALHO E AMBIENTE EXTERNO 3 3 O BAIXO DESEMPREGO NO

Leia mais

Extrato de Fundos de Investimento

Extrato de Fundos de Investimento São Paulo, 02 de Março de 2015 Prezado(a) FUNDO DE PENSAO MULTIPATR OAB 02/02/2015 a 27/02/2015 Panorama Mensal Fevereiro 2015 Os mercados financeiros seguiram bastante voláteis ao longo do mês de fevereiro,

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário FII CEO Cyrela Commercial Properties (CEOC11B)

Fundo de Investimento Imobiliário FII CEO Cyrela Commercial Properties (CEOC11B) Informações Objeto e Perfil do Fundo Aquisição de 7 e meio andares, constituído de 60 futuras unidades autônomas, todas correspondentes a salas comerciais com as respectivas vagas de garagem, pertencentes

Leia mais

BC Fund. Webcast Resultados de março de 2013

BC Fund. Webcast Resultados de março de 2013 BC Fund Webcast Resultados 2012 28 de março de 2013 Resultados 2012 Destaques Receita de locação totalizou R$ 200,3 milhões, um crescimento de 23,7% vs. 2011 (R$ 161,9 milhões) 29,0% da carteira passou

Leia mais

2005: Cenários para o Mercado de Renda Fixa. Marcello Siniscalchi

2005: Cenários para o Mercado de Renda Fixa. Marcello Siniscalchi 2005: Cenários para o Mercado de Renda Fixa Marcello Siniscalchi Ampla liquidez internacional provocada por taxas de juros reais negativas e curvas de juros pouco inclinadas. Taxas de juros Reais G3 Inclinação

Leia mais

relatório mensal Rio Bravo Crédito Imobiliário I Fundo de Investimento Imobiliário - FII

relatório mensal Rio Bravo Crédito Imobiliário I Fundo de Investimento Imobiliário - FII relatório mensal Imobiliário I Fundo de Investimento Imobiliário - FII AGOSTO 2013 Imobiliário I Fundo de Investimento Imobiliário - FII O fundo Imobiliário I FII iniciou suas atividades em 4 de agosto

Leia mais

Índices de preços base: ago. 94 = 100

Índices de preços base: ago. 94 = 100 Índices de preços base: ago. 94 = 100 ÍNDICE GERAL DE PREÇOS DISPONIBILIDADE INTERNA (IGP-DI) ÍNDICE GERAL DE PREÇOS DO MERCADO (IGP-M) ÍNDICE DE PREÇOS AO PRODUTOR AMPLO DISPONIBILIDADE INTERNA (IPA-DI)

Leia mais

FATOR VERITÀ FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII CNPJ: / Administrado pelo Banco Fator S.A. CNPJ:

FATOR VERITÀ FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII CNPJ: / Administrado pelo Banco Fator S.A. CNPJ: FATOR VERITÀ FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII CNPJ: 11.664.201/0001-00 Administrado pelo Banco Fator S.A. CNPJ: 33.644.196/0001-06 RELATÓRIO ANUAL 1º. e 2º. SEM. 2011 1. OBJETIVO E DESCRIÇÃO DO FUNDO

Leia mais

Caixa TRX Logística Renda FII - CXTL11. Relatório Trimestral 1º Trimestre de 2015

Caixa TRX Logística Renda FII - CXTL11. Relatório Trimestral 1º Trimestre de 2015 Caixa TRX Logística Renda FII CXTL11 Relatório Trimestral 1º Trimestre de 2015 ÍNDICE Caixa TRX Logística Renda FII CXTL11 Relatório Trimestral 1º Trimestre de 2015 DADOS DO FUNDO 3 OBJETIVO 3 PÚBLICOALVO

Leia mais

Por que o Brasil pode ser um dos primeiros países a sair da recessão?

Por que o Brasil pode ser um dos primeiros países a sair da recessão? Por que o Brasil pode ser um dos primeiros países a sair da recessão? Luciano Luiz Manarin D Agostini * RESUMO Observa-se tanto em países desenvolvidos como em desenvolvimento quedas generalizadas do crescimento

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário FII Hotel Maxinvest (HTMX11B)

Fundo de Investimento Imobiliário FII Hotel Maxinvest (HTMX11B) Informações Início do Fundo 30/01/2007 Número de Emissões 1 Gestor dos Ativos HotelInvest Consultor do Fundo BTG Gestora de Recursos LTDA Administrador BTG Pactual Serviços Financeiros S.A. DTVM Taxa de

Leia mais

Perspectivas econômicas

Perspectivas econômicas Perspectivas econômicas 5º seminário Abecip Ilan Goldfajn Economista-chefe e Sócio Itaú Unibanco Maio, 2015 2 Roteiro Recuperação em curso nas economias desenvolvidas. O Fed vem adiando o início do ciclo

Leia mais

Carta de Conjuntura do Setor de Seguros

Carta de Conjuntura do Setor de Seguros Carta de Conjuntura do Setor de Seguros Número 11, Fevereiro/2015 www.ratingdeseguros.com.br 1 Objetivo: O objetivo desta é ser uma avaliação mensal desse segmento e seus setores relacionados (resseguro,

Leia mais

Terça 11 de abril 05:00 IPC (semanal) FIPE

Terça 11 de abril 05:00 IPC (semanal) FIPE Informe Semanal 47/217 Publicado em 13 de abril de 217 Brasil Relatório Focus 7/4/217 BACEN Agenda da Semana SUMÁRIO EXECUTIVO DA SEMANA Segunda 1 de abril Terça 11 de abril 5: IPC (semanal) FIPE 9: Pesquisa

Leia mais

O Sistema de Metas de Inflação No Brasil. - Como funciona o sistema de metas e seus resultados no Brasil ( ).

O Sistema de Metas de Inflação No Brasil. - Como funciona o sistema de metas e seus resultados no Brasil ( ). O Sistema de Metas de Inflação No Brasil - Como funciona o sistema de metas e seus resultados no Brasil (1999-2007). - Desempenho recente: a relação juros-câmbio. - Aceleração do crescimento econômico

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DE RENDIMENTO

DISTRIBUIÇÃO DE RENDIMENTO 1 Caixa TRX Logística Renda CXTL11 - FII Relatório Gerencial Novembro 2016 DADOS DO FUNDO DATA DE INÍCIO Novembro/2011 PRAZO Indeterminado VALOR DE MERCADO R$ 28.942.380,00 DISTRIBUIÇÃO DE RENDIMENTO O

Leia mais

Conjuntura Nacional e Internacional Escola Florestan Fernandes, Guararema, 3 de julho de º. PLENAFUP

Conjuntura Nacional e Internacional Escola Florestan Fernandes, Guararema, 3 de julho de º. PLENAFUP Conjuntura Nacional e Internacional Escola Florestan Fernandes, Guararema, 3 de julho de 2015 5º. PLENAFUP Economia Brasileira I.54 - Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) Período Índice

Leia mais

BALANÇA COMERCIAL US$ MILHÕES FONTE: BACEN ELABORAÇÃO E ESTIMATIVA: BRADESCO

BALANÇA COMERCIAL US$ MILHÕES FONTE: BACEN ELABORAÇÃO E ESTIMATIVA: BRADESCO BALANÇA COMERCIAL 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 BALANÇA COMERCIAL US$ MILHÕES 50.000 44.703 46.457 45.166 40.000 30.000 24.794

Leia mais

Uma análise dos principais indicadores da economia brasileira

Uma análise dos principais indicadores da economia brasileira NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA Uma análise dos principais indicadores da economia brasileira Guilherme R. S. Souza e Silva * RESUMO - O presente artigo tem o objetivo de apresentar e

Leia mais

BALANÇA COMERCIAL US$ MILHÕES FONTE: BACEN ELABORAÇÃO E ESTIMATIVA: BRADESCO 60,000 50,000 47,284 47,842 44,703 46,457 40,032 37,841 40,000 33,641

BALANÇA COMERCIAL US$ MILHÕES FONTE: BACEN ELABORAÇÃO E ESTIMATIVA: BRADESCO 60,000 50,000 47,284 47,842 44,703 46,457 40,032 37,841 40,000 33,641 BALANÇA COMERCIAL 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 BALANÇA COMERCIAL US$ MILHÕES 60,000 50,000 24,794 33,641 44,703 46,457 40,032

Leia mais

O desempenho dos principais indicadores da economia brasileira em 2008

O desempenho dos principais indicadores da economia brasileira em 2008 NIVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA O desempenho dos principais indicadores da economia brasileira em 2008 Guilherme R. S. Souza e Silva * RESUMO - O presente artigo tem o objetivo de apresentar

Leia mais

2005: Prêmio de Risco; Cenário Externo e Convergência. Dany Rappaport Corecon, 27 de janeiro de 2005

2005: Prêmio de Risco; Cenário Externo e Convergência. Dany Rappaport Corecon, 27 de janeiro de 2005 2005: Prêmio de Risco; Cenário Externo e Convergência Dany Rappaport Corecon, 27 de janeiro de 2005 Cenário Externo Maior crescimento global em 30 anos. Crescimento do PIB em 2004 - Expectativa Área do

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DE INVESTIMENTOS OUTUBRO

RELATÓRIO DE GESTÃO DE INVESTIMENTOS OUTUBRO RELATÓRIO DE GESTÃO DE INVESTIMENTOS OUTUBRO - 2014 Í NDICE RELATÓRIOO DE GESTÃO DE INVESTIMENTOS Carteira consolidada... 1 Carteira detalhada... 2 Política de Investimento 2014... 3 Análise de rentabilidadee...

Leia mais

Safra Fundo de Investimento em Ações Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30

Safra Fundo de Investimento em Ações Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 Safra Fundo de Investimento em Ações Vale do Rio Doce Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 de setembro de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes

Leia mais

EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES

EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES SETOR EXTERNO BALANÇA COMERCIAL out/02 jan/03 abr/03 jul/03 out/03 jan/04 abr/04 jul/04 out/04 jan/05 abr/05 jul/05 out/05 jan/06 abr/06 jul/06 out/06 jan/07 abr/07 jul/07 out/07 jan/08 abr/08 jul/08 out/08

Leia mais

CNC - Divisão Econômica Rio de janeiro

CNC - Divisão Econômica Rio de janeiro CNC - Divisão Econômica Rio de janeiro PEIC Síntese dos Resultados Síntese dos Resultados Total de Endividados Dívidas ou Contas em Atrasos Não Terão Condições de Pagar mar/10 63,0% 27,3% 8,7% fev/11 65,3%

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Fevereiro Tema: Emprego

Boletim de Conjuntura Econômica Fevereiro Tema: Emprego Boletim de Conjuntura Econômica Fevereiro Tema: Emprego Setor de Serviços lidera a geração de empregos com 48% dos empregos Gerados em Janeiro O setor de Serviços lidera a geração de empregos em 211, começou

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO : DESAFIOS E OPORTUNIDADES

CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO : DESAFIOS E OPORTUNIDADES CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO 2014-2015: DESAFIOS E OPORTUNIDADES ABRIL, 2014 Fabiana D Atri Economista Sênior do Departamento de Pesquisas 1 e Estudos Econômicos - DEPEC 17/04/11 17/05/11 17/06/11

Leia mais

VIA VAREJO S.A. CNPJ/MF / NIRE ( COMPANHIA )

VIA VAREJO S.A. CNPJ/MF / NIRE ( COMPANHIA ) VIA VAREJO S.A. CNPJ/MF 33.041.260/0652-90 NIRE 35.300.394.925 ( COMPANHIA ) COMUNICAÇÃO SOBRE AUMENTO DE CAPITAL, DECORRENTE DE PLANO DE REMUNERAÇÃO EM OPÇÕES DA COMPANHIA, APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

CIP-Brasil. Catalogação-na-publicação. Embrapa Gado de Leite

CIP-Brasil. Catalogação-na-publicação. Embrapa Gado de Leite Ano 7, n. 44 - Dezembro/2016 Embrapa Gado de Leite Rua Eugênio do Nascimento, 610 - Bairro Dom Bosco 36038-330 Juiz de Fora/MG Telefone: (32) 3311-7400 Fax: (32) 3311-7424 www.embrapa.br www.embrapa.br/fale-conosco/sac

Leia mais

Federação Nacional dos Engenheiros (FNE) Colocar a economia no rumo do crescimento

Federação Nacional dos Engenheiros (FNE) Colocar a economia no rumo do crescimento Federação Nacional dos Engenheiros (FNE) Colocar a economia no rumo do crescimento Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda Barra Bonita, 25 de Novembro de 2016 BRASIL: EVOLUÇÃO DO CRESCIMENTO DO PIB (VAR.

Leia mais

Resultados 3º Trimestre 2012

Resultados 3º Trimestre 2012 Resultados 3º Trimestre 2012 jan/03 abr/03 jul/03 out/03 jan/04 abr/04 jul/04 out/04 jan/05 abr/05 jul/05 out/05 jan/06 abr/06 jul/06 out/06 jan/07 abr/07 jul/07 out/07 jan/08 abr/08 jul/08 out/08 jan/09

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário FII Hotel Maxinvest (HTMX11B)

Fundo de Investimento Imobiliário FII Hotel Maxinvest (HTMX11B) Informações Início do Fundo 30/01/2007 Número de Emissões 1 Gestor dos Ativos HotelInvest Consultor do Fundo BTG Gestora de Recursos LTDA Administrador BTG Pactual Serviços Financeiros S.A. DTVM Taxa de

Leia mais

Cenário Macroeconômico 2006 Janeiro de 2006

Cenário Macroeconômico 2006 Janeiro de 2006 Cenário Macroeconômico 2006 Janeiro de 2006 1 Cenário Econômico Regra básica: Cenário Internacional é dominante. Oscilações de curto prazo são determinadas exogenamente. 2 Cenário Internacional União monetária

Leia mais

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança D A T A A B E C I P D E Z E M B R O, 2 0 1 6 D E S T A Q U E S D O M Ê S Poupança SBPE Captação Líquida: R$ 9,0 bilhões Saldo: R$ 516,0 bilhões Financiamentos

Leia mais

R$ ,15 (dezesseis milhões, seiscentos e trinta e quatro mil, duzentos e quatorze reais e quinze centavos)

R$ ,15 (dezesseis milhões, seiscentos e trinta e quatro mil, duzentos e quatorze reais e quinze centavos) DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO 1) Lucro líquido do exercício: R$ 16.634.214,15 (dezesseis milhões, seiscentos e trinta e quatro mil, duzentos e quatorze reais e quinze centavos) 2) Montante global e valor

Leia mais

Agosto/2009 VOLATILIDADE CAMBIAL VOLATILIDADE CAMBIAL DEPECON / DEREX

Agosto/2009 VOLATILIDADE CAMBIAL VOLATILIDADE CAMBIAL DEPECON / DEREX Agosto/2009 VOLATILIDADE CAMBIAL VOLATILIDADE CAMBIAL DEPECON / DEREX 1 A importância da taxa de câmbio para a economia brasileira A taxa de câmbio é um dos principais preços da economia, pois: Determina

Leia mais

Relatório posicionamento, análise e comparativos dos insvestimentos do RPPS.

Relatório posicionamento, análise e comparativos dos insvestimentos do RPPS. Relatório posicionamento, análise e comparativos dos insvestimentos do RPPS. IPSETUR Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município de Turmalina - MG. RELATÓRIO TRIMESTRAL SITE: www.investorbrasil.com

Leia mais

Distribuição de Renda

Distribuição de Renda Distribuição de Renda Renda Per Capita do Trabalho Principais Regiões Metropolitanas 15 a 60 anos de idade Inclui zeros www.fgv.br/cps/ms Índice de Gini Desigualdade Níveis Renda domiciliar per capita

Leia mais

Plano de Previdência Complementar - PPC Evolução Mensal da Carteira de Investimentos

Plano de Previdência Complementar - PPC Evolução Mensal da Carteira de Investimentos (R$ Mil) 1.050.000 Plano de Previdência Complementar - PPC Evolução Mensal da Carteira de Investimentos Período: Janeiro/2009 - Fevereiro/2016 1.000.000 950.000 900.000 850.000 800.000 750.000 700.000

Leia mais

Extrato de Fundos de Investimento

Extrato de Fundos de Investimento São Paulo, 01 de Junho de 2011 Prezado(a) FUNDO DE PENSAO MULTIPATR OAB 02/05/2011 a 31/05/2011 Panorama Mês de Maio de 2011 O Mês de Maio foi marcado por um aumento da aversão ao risco. Voltou se a discutir

Leia mais

PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO 1 PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) 1984-2014 2 2 FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO DESAFIOS DA ECONOMIA BRASILEIRA: DEMOGRAFIA, MERCADO DE TRABALHO E AMBIENTE EXTERNO 3 3 O BAIXO DESEMPREGO NO

Leia mais

RELATÓRIO QUADRIMESTRAL

RELATÓRIO QUADRIMESTRAL Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação - CCONF Gerência de Normas e Procedimentos de Gestão Fiscal - GENOP RELATÓRIO QUADRIMESTRAL RELATÓRIO QUADRIMESTRAL Proposta de orientação

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DE EIRO

RELATÓRIO DE GESTÃO DE EIRO RELATÓRIO DE GESTÃO DE INVESTIMENTOS JAN EIRO - 2013 ÍNDICE RELATÓRIO GERENCIAL Carteira Consolidada... 1 Carteira Detalhada... 2 Política de Investimentos... 3 Análise de Rentabilidade... 4 Retorno da

Leia mais

Relatório do Administrador FI Imobiliário BB Votorantim JHSF Cidade Jardim Continental Tower (CNPJ no / )

Relatório do Administrador FI Imobiliário BB Votorantim JHSF Cidade Jardim Continental Tower (CNPJ no / ) Relatório do Administrador FI Imobiliário BB Votorantim JHSF Cidade Jardim Continental Tower (CNPJ no. 10.347.985/0001-80) Em conformidade com o Artigo n. 39 da Instrução CVM n. 472, de 31 de outubro de

Leia mais

Renda Fixa: 88%[(78% [CDI+0,5%]+17% IMAB + 5%IMAB5)+12%(103%CDI)] Renda Variável Ativa = 100%(IBrx+6%) Inv. estruturados = IFM Inv. no exterior = BDRX

Renda Fixa: 88%[(78% [CDI+0,5%]+17% IMAB + 5%IMAB5)+12%(103%CDI)] Renda Variável Ativa = 100%(IBrx+6%) Inv. estruturados = IFM Inv. no exterior = BDRX Objetivo Os investimentos dos Planos Básico e Suplementar, modalidade contribuição definida, tem por objetivo proporcionar rentabilidade no longo prazo através das oportunidades oferecidas pelos mercados

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DE DESEMPENHO DO MULTIPREV CARTEIRA 14 FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CRÉDITO PRIVADO

DEMONSTRAÇÃO DE DESEMPENHO DO MULTIPREV CARTEIRA 14 FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CRÉDITO PRIVADO DEMONSTRAÇÃO DE DESEMPENHO DO CNPJ/MF: Informações referentes a 2016 1. Denominação completa do fundo conforme o cadastro na CVM: MULTIPREV CARTEIRA 14 FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CRÉDITO PRIVADO

Leia mais

Conjuntura Econômica e o Mercado Imobiliário

Conjuntura Econômica e o Mercado Imobiliário Conjuntura Econômica e o Mercado Imobiliário Ricardo Yazbek Vice Presidente do Secovi-SP IBAPE - 16/09/2016 Economia Produto Interno Bruto do Brasil (%) 0,5% 4,4% 1,4% 3,1% 1,1% 5,8% 3,2% 4,0% 6,1% 5,1%

Leia mais

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA Uma avaliação dos indicadores da economia brasileira em 2007

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA Uma avaliação dos indicadores da economia brasileira em 2007 NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA Uma avaliação dos indicadores da economia brasileira em 2007 Lucas Lautert Dezordi * Guilherme R. S. Souza e Silva ** Introdução O presente artigo tem

Leia mais

Octavas Jornadas sobre Mercado de Trabajo y Equidad en Argentina. A queda recente na desigualdade de renda no Brasil: determinantes e obstáculos

Octavas Jornadas sobre Mercado de Trabajo y Equidad en Argentina. A queda recente na desigualdade de renda no Brasil: determinantes e obstáculos A queda recente na desigualdade de renda no Brasil: determinantes e obstáculos Fernando Gaiger Silveira IPEA/Brasil Buenos Aires, 13 de agosto de 2010 A desigualdade da renda no Brasil diminui de modo

Leia mais

SINCOR-SP 2017 FEVEREIRO 2017 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2017 FEVEREIRO 2017 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS FEVEREIRO 2017 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 2 Sumário Palavra do presidente... 4 Objetivo... 5 1. Carta de Conjuntura... 6 2. Estatísticas dos Corretores de SP... 7 3. Análise macroeconômica...

Leia mais

Market Share Indicadores Mar/09 Mar/10 Mar/11 Mar/12 Mar/13 Ativo Total Patrimônio Líquido Depósitos Totais Nº de Agências

Market Share Indicadores Mar/09 Mar/10 Mar/11 Mar/12 Mar/13 Ativo Total Patrimônio Líquido Depósitos Totais Nº de Agências Market Share Indicadores Mar/09 Mar/10 Mar/11 Mar/12 Mar/13 Ativo Total 10º 11º 11º 11º 11º Patrimônio Líquido 12º 11º 12º 11º 11º Depósitos Totais 8º 8º 8º 8º 7º Nº de Agências 7º 7º 7º 7º 7º Fonte: Banco

Leia mais

1. PLANO DE BENEFÍCIOS II CODEPREV

1. PLANO DE BENEFÍCIOS II CODEPREV 1. PLANO DE BENEFÍCIOS II CODEPREV 1.1.1 Notas Explicativas COMPOSIÇÃO DO ATIVO 2.1.1.1 Gestão Previdencial Constituída por provisões de contribuições a receber: a. Patrocinador R$ 543 mil; b. Participantes

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BNP PARIBAS SKY FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BNP PARIBAS SKY FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O CNPJ/MF: Informações referentes a Maio de 2017 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o BNP PARIBAS SKY FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO,

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de fevereiro de 2013

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de fevereiro de 2013 Nota de Informação Estatística Lisboa, de fevereiro de 3 Banco de Portugal divulga estatísticas da balança de pagamentos e da posição de investimento internacional referentes a O Banco de Portugal publica

Leia mais

Nova queda do PIB não surpreende mercado

Nova queda do PIB não surpreende mercado Nova queda do PIB não surpreende mercado Os dados do Produto Interno Bruto (PIB) divulgados pelo Instituto Brasileiro de Estatística e Geografia (IBGE) nesta primeira semana de março mostram a tendência

Leia mais

ÍNDICE BRASILEIROS ENFRENTAM SEGUNDO ANO DE CRISE EMPREGO FORMAL... 03

ÍNDICE BRASILEIROS ENFRENTAM SEGUNDO ANO DE CRISE EMPREGO FORMAL... 03 CONSTRUÇÃO CIVIL EM ANÁLISE Nº 11 NOVEMBRO 2016 1 ÍNDICE BRASILEIROS ENFRENTAM SEGUNDO ANO DE CRISE... 02 1 EMPREGO FORMAL... 03 1.1 SALDO MENSAL DE EMPREGO NA CONSTRUÇÃO CIVIL DO ESTADO DO PARÁ... 04

Leia mais

Compatibilizando Títulos Pré e Pós Fixados nas Carteiras. Sávio Borba Maio 2015

Compatibilizando Títulos Pré e Pós Fixados nas Carteiras. Sávio Borba Maio 2015 Compatibilizando Títulos Pré e Pós Fixados nas Carteiras Sávio Borba Maio 2015 Gestão Ativa/Passiva Gestão de recursos em um maneira geral, consiste na otimização da alocação dos recursos em ativos que

Leia mais

Evolução Mensal da Carteira de Investimentos

Evolução Mensal da Carteira de Investimentos Evolução Mensal da Carteira de Investimentos (R$ Mil) 980.000 Período: Jan/07 - Dez/12 940.000 900.000 860.000 820.000 780.000 740.000 700.000 660.000 620.000 580.000 540.000 fev/07 abr/07 jun/07 ago/07

Leia mais

Esta instituição aderiu ao código de auto-regulação da Anbid Caracteristícas CSHG VERDE FICFIM Relatório Gerencial: CSHG VERDE FICFIM Fundo de Investimento Financeiro de renda variável que busca rentabilidade

Leia mais

No Brasil. No Mundo. BB DTVM: Líder do Mercado. O Brasil subiu para 6º lugar no ranking mundial. Fonte: ANBIMA- Agosto/10 e ICI - Mar/10 EUA 48,69%

No Brasil. No Mundo. BB DTVM: Líder do Mercado. O Brasil subiu para 6º lugar no ranking mundial. Fonte: ANBIMA- Agosto/10 e ICI - Mar/10 EUA 48,69% Ranking Mundial de Fundos No Mundo O Brasil subiu para 6º lugar no ranking mundial. No Brasil BB DTVM: Líder do Mercado EUA 48,69% BB DTVM 21,43% Luxemburgo 10,09% ITAÚ-UNIBANCO 17,11% França 7,51% BRADESCO

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Fundo de Aposentadoria e Previdência Social dos Servidores Efetivos do Município de Barra do Rio Azul-RS. Gestão Econômica e Financeira.

Fundo de Aposentadoria e Previdência Social dos Servidores Efetivos do Município de Barra do Rio Azul-RS. Gestão Econômica e Financeira. Fundo de Aposentadoria e Previdência Social dos Servidores Efetivos do Município de Barra do Rio Azul-RS. Gestão Econômica e Financeira. Comitê de Investimentos RELATORIO GESTÃO FINANCEIRA 11/2015 O Comitê

Leia mais

Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras. Boletim 1º Semestre 2016

Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras. Boletim 1º Semestre 2016 Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras Boletim 1º Semestre 2016 N O T A Ressaltamos que os dados divulgados pelo BACEN, são sempre informados como preliminares nos últimos três meses

Leia mais

Em junho foram criados empregos formais em Santa Catarina

Em junho foram criados empregos formais em Santa Catarina Informativo Caged nº 07/2009 16/07/2009 Em junho foram criados 1.121 empregos formais em Santa Catarina No 1º semestre foram abertas 11,7 mil vagas e foi o pior resultado para o acumulado no primeiro semestre

Leia mais

Ano II Número 5 Março/2012

Ano II Número 5 Março/2012 Ano II Número 5 Março/2012 Troca de LFT reflete estratégia de desindexação das taxas de curto prazo» Efeitos da menor oferta de títulos indexados à taxa Selic deve se estender para além dos segmentos diretamente

Leia mais

DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 1º Trimestre Coletiva de Imprensa 12 de Maio de 2016

DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 1º Trimestre Coletiva de Imprensa 12 de Maio de 2016 DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 1º Trimestre 2016 Coletiva de Imprensa 12 de Maio de 2016 Avisos Estas apresentações podem conter previsões acerca de eventos futuros. Tais previsões refletem apenas expectativas

Leia mais

CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO RESOLUÇÃO Nº 836, DE 6 DE FEVEREIRO DE 2017 Dá nova redação à Resolução nº 702, de 4 de

CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO RESOLUÇÃO Nº 836, DE 6 DE FEVEREIRO DE 2017 Dá nova redação à Resolução nº 702, de 4 de CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO RESOLUÇÃO Nº 836, DE 6 DE FEVEREIRO DE 2017 Dá nova redação à Resolução nº 702, de 4 de outubro de 2012, que estabelece diretrizes para elaboração

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL FATOR VERITÀ FII

RELATÓRIO MENSAL FATOR VERITÀ FII FATOR VERITÀ FII Outubro de 2016 FATOR VERITÀ FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO PERFIL DO FUNDO O Fator Verità FII (Fundo) é um fundo de investimento imobiliário, constituído sob a forma de condomínio

Leia mais

Relatório. Anual. Resumo 2015

Relatório. Anual. Resumo 2015 Relatório Anual Resumo 2015 2 Mensagem da Diretoria O ano de 2015 foi marcado por um cenário volátil e conturbado com inflação alta, PIB negativo, escândalos políticos, rebaixamento de grau de investimento

Leia mais

Safra Fundo de Investimento em Ações da Petrobrás (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 de

Safra Fundo de Investimento em Ações da Petrobrás (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 de Safra Fundo de Investimento em Ações da Petrobrás Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 de setembro de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes

Leia mais

Alocação Atual x Limite Legal

Alocação Atual x Limite Legal Relatório de Avaliação da Política de Investimento Relatório Semestral 2º semestre de 2010 Relatório de Avaliação da Política de Investimento 2º semestre de 2010 O presente relatório tem por objetivo avaliar

Leia mais

SINCOR-SP 2017 JULHO 2017 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2017 JULHO 2017 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JULHO 2017 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS Sumário Mensagem do presidente... 4 Objetivo... 5 1. Carta de Conjuntura... 6 2. Estatísticas dos Corretores de SP... 7 3. Análise macroeconômica... 10

Leia mais

Carta de Conjuntura do Setor de Seguros

Carta de Conjuntura do Setor de Seguros Carta de Conjuntura do Setor de Seguros Número 2, Maio/2014 www.ratingdeseguros.com.br 1 Objetivo: O objetivo desta é ser uma avaliação mensal desse segmento e seus setores relacionados (resseguro, capitalização,

Leia mais

Lâmina de Informações Essenciais do. Título Fundo de Investimento Multimercado Longo Prazo (Título FIM-LP) CNPJ/MF:

Lâmina de Informações Essenciais do. Título Fundo de Investimento Multimercado Longo Prazo (Título FIM-LP) CNPJ/MF: Lâmina de Informações Essenciais do Informações referentes à Janeiro de 2017 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o TÍTULO FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO - LONGO PRAZO (Título

Leia mais

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança D A T A A B E C I P A G O S T O, 2 0 1 6 D E S T A Q U E S D O M Ê S Poupança SBPE Captação Líquida: - R$ 3,5 bilhões Saldo: R$ 495,4 bilhões Financiamentos

Leia mais

Renda de Escritórios Fundo de Investimento Imobiliário FII

Renda de Escritórios Fundo de Investimento Imobiliário FII Renda de Escritórios Fundo de Investimento Imobiliário FII Características do Fundo Valor da Cota (30/08): 101,15 O fundo foi constituído com o objetivo de investir em imóveis não residenciais, Qtd. Total

Leia mais