ANE018 - ELABORAÇÃO E ANÁLISE DE PROJETOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANE018 - ELABORAÇÃO E ANÁLISE DE PROJETOS"

Transcrição

1 ANE018 - ELABORAÇÃO E ANÁLISE DE PROJETOS 1. INTRODUÇÃO A disciplina tem por objetivo a apresentação e discussão dos métodos de análise de projetos de investimento empresarial de longo prazo, as teorias sobre diversificação de risco, bem como os efeitos do financiamento sobre a estrutura de capital das organizações. 2. CONTEUDO PROGRAMÁTICO 1. Introdução às Finanças de Longo Prazo (cap. 3 ROSS) 2. Analise de investimento (Cap. 4, 6 e 7 ROSS) 2.1 Simplificações do desconto de valores - anuidade e perpetuidade 2.2 Regras de Decisão de Investimento - Payback, Payback Descontado, TIR, TIR Modificada, IR. 2.3 Orçamento de Capital: avaliando projetos de investimento pelo VPL 3. Conceitos Relacionados a Risco e Retorno (Cap. 9, 10 e 12 ROSS) 3.1 Conceitos relacionados a Risco-Retorno de um Ativo isolado 3.2 Como medir o Risco-Retorno de uma Carteira de Ativos 3.3 Covariância e Correlação 3.4 Benefícios da Diversificação 3.5 Definição da Fronteira Eficiente 3.6 Construindo a Fronteira Eficiente no Excel e no Portfólio Definição de Risco Próprio e Risco Sistêmico 3.8 CAPM e WACC 4. Estrutura de Capital (Cap. 15 e 16 ROSS) 4.1 Introdução à Discussão de Estrutura de Capital: quanto vale uma empresa com dívida? 4.2 Benefícios da Alavancagem Financeira 4.3 Estrutura de Capital: as proposições de M&M 3. AVALIAÇÃO E FREQUENCIA Prova 1 e 2: peso 35% cada Trabalho: peso 20% Prova Substitutiva: no final do semestre, o(a) aluno(a) que tiver perdido ou tiver tido nota inferior a 60 em uma das avaliações terá direito a 01 (uma) prova substitutiva. A matéria será toda aquela discutida ao longo do semestre.

2 Freqüência: o(a) aluno(a) deverá ter, no mínimo 75% de freqüência. Quem obtiver mais de 8 faltas 16 horas (independente da apresentação de atestado) será reprovado por infrequencia. Trabalho: Avaliação de um Projeto de Investimento, evidenciando os seguintes pontos: análise do ambiente macroeconômico (cenário atual e perspectivas); análise do setor de atuação da empresa (cenário atual e perspectivas); projeção do fluxo de caixa do projeto (considerando receitas, custos/despesas operacionais, resultado financeiro, amortizações previstas, gastos de capital projetados); discussão sobre estrutura de capital escolhida; apresentação das premissas assumidas nas projeções dos itens 3 e 4; análise final do investimento (payback, TIR, VPL, ponto de equilíbrio, sensibilidades, etc.); Adicionalmente, cada grupo irá entregar, em meio magnético ou físico, a avaliação completa do projeto seguindo e melhorando o Modelo A disponibilizado pelo Banco do Brasil S/A (disponível em /Empresa/Crédito/Roteiro para Projetos/Modelo A + Anexo Projeções Modelo A) BIBLIOGRAFIA RECOMENDADA ROSS, S. WESTERFIELD, R. JAFFE, J. Administração Financeira Corporate Finance, Ed. Atlas, BRIGHAM, E. GAPENSKI, L. EHRHARDT, M. Administração Financeira Teoria e Prática, Ed. Atlas, BODIE, Z. MERTON, R. Finanças, Ed. Bookman, 2002

3 EMENTA DA DISCIPLINA ANE-58 MACROECONOMIA III A Economia Industrial estuda o comportamento das empresas em mercados imperfeitos: situações de monopólio e, principalmente, situações de concorrência estratégica entre empresas. Neste sentido visa-se analisar a evolução da Teoria da Economia Industrial; das Estrutura de Mercado; dos Modelos de oligopólio; e das Políticas Econômicas. O desenvolvimento destes temas serão realizados em consonância com o Modelo de Estrutura-Conduta-Resultado, onde também serão enfatizadas as críticas atuais impostas a este modelo. OBJETIVOS: Amparando-se no fato de a maioria dos estudos mais recentes sobre desenvolvimento econômico enfatizarem o relacionamento da dinâmica do crescimento econômico com o processo de industrialização, o curso tem por objetivo discutir as teorias sobre oligopólios, concentração de capital, objetivos da firma, desenvolvimento tecnológico, recursos naturais e humanos e as políticas governamentais de modo a permitir ao aluno um referencial teórico suficiente para a interpretação da dinâmica econômica alavancada pelos setores produtivos. CONTEÚDO: 1. Aspectos Introdutórios: A evolução da Teoria da Economia Industrial; a inserção da Economia Industrial; antecedentes da Teoria da Economia Industrial; o advento da Teoria Contemporânea; a crítica à abordagem do equilíbrio; desenvolvimentos recentes. 2. Estrutura de Mercado: Concentração da produção; Outras dimensões de estrutura de mercado. 3. Modelos de oligopólio: Aplicação da teoria dos jogos; O modelo de Cournot; O modelo de Bertrand; O modelo de Stackelberg; Modelos dinâmicos; 4. Elementos de análise: poder de mercado; barreiras à entrada; Aquisições e fusões; discriminação de preços; Diferenciação de produto; Pesquisa e desenvolvimento (P&D). 5. Política Econômica: Macrofundamentos do bom desempenho industrial; O problema regional e de indústrias específicas; Políticos e práticas restritivas; Política relativa ao monopólio e às fusões; Política Industrial (priorização e setores estratégicos); Política de concorrência; Regulação de mercados e empresas. BIBLIOGRAFIA: ARANSON, Jack.(1980). Tecnologia e as multinacionais. Rio de Janeiro: Zahar. BAUMANN, Renato.(Organizador).(1995). O Brasil e a economia global. Rio de Janeiro: Editora Campus/SOBEET.

4 BRYCE, M. D..(1970). Política e métodos de desenvolvimento industrial. Rio de Janeiro: Forense. BUCKLEY, Peter J. & CLEGG, Jeremy (Editors).(1991). Multinational enterprises in less developed countries. Great Britain: Macmillan. CABRAL, Luís.(1994). Economia industrial. Lisboa: McGraw-Hill.COUTINHO, Luciano & FERRAZ, João Carlos.(Coordenadores).(1994). Estudo da competitividade da indústria brasileira. Campinas/São Paulo: Papirus/Editora da Universidade Estadual de Campinas. DOCLING, Carlos & CAVALCANTI, Leonardo.(1979). Empresas multinacionais na indústria brasileira. Rio de Janeiro: Zahar. EVANS, Peter.(1980). A tríplice aliança: as multinacionais, as estatais e o capital nacional no desenvolvimento dependente brasileiro. São Paulo: Zahar. FARINA, Elizabeth Maria M. Q.; AZEVEDO, Paulo F. de & SAES, Maria Sylvia M..(1997). Competitividade: mercado, estado e organizações. São Paulo : Editora Singular. FERRAZ, João Carlos; KUPFER, David & HAGUENAUER, Lia.(1995). Made in Brazil: desafios competitivos para a indústria. Rio de Janeiro: Campus. GREER, Douglas F..(1992). Industrial organziation and public policy. New York: Macmillan. GUIMARÃES, Eduardo Augusto.(1982). Acumulação, Crescimento da firma. Rio de Janeiro: Zahar. JACQUEMIM, Alexis.(1984). Economia Industrial Européia. Lisboa: Edições 70. JOLL, Caroline & GEORGE, Kenneth.(1983). Organização Industrial. Rio de Janeiro: Zahar. KOCH, James V..(1980). Industrial organization and prices. New Jersey: Prentice-Hall. KON, Anita.(1994). Economia industrial. São Paulo: Nobel. MONTGOMERY, Cyntia A & PORTER, Michael E..(Org.) (1998). Estratégia: a busca da vantagem competitiva. Rio de Janeiro: Campus MONTORO FILHO, André Franco et al.. Manual de economia. São Paulo: Saraiva, PORTER, Michael E..(1986). Estratégia competitiva: técnicas para análise de indústrias e da concorrência. Rio de Janeiro: Editora Campus.

5 PORTER, Michael E..(1990). Vantagem Conmpetitiva. Rio de Janeiro: Editora Campus. PORTER, Michael E..(1993). A vantagem competitiva das nações. Rio de Janeiro: Editora Campus. PORTER, Michael E..(1999). Competição on competition: estratégias competitivas essenciais. Rio de Janeiro: Editora Campus. POSSAS, Mario L..(1985). Estruturas de mercado em Oligopólio. São Paulo: Hucitec POSSAS, Mario L..(1997). Competitividade e Fatores Sistêmicos e Política Industrial: Implicações para o Brasil In: CASTRO, Antônio B.; POSSAS, Mario L. e PROENÇA, Adriano (Org). Estratégias Empresariais na Indústria Brasileira. Rio de Janeiro: Forense Universitária. ROBINSON, Joan (1953). Contribuições à Economia Moderna. Rio de Janeiro: Zahar. SCHWARTZMAN, Simon (Coordenador); KRIEGER, Eduardo et al..(1995). Ciência e tecnologia no Brasil: política industrial, mercado de trabalho e instituições de apoio. Rio de Janeiro: FGV. SHUMPETER, J. A..(1942). Capitalismo, Socialismo, e Democracia, Rio de Janeiro, Zahar, 1984 VERMON, Raymond.(1978). A expansão multinacional das empresas americanas. São Paulo: Novos Umbrais. WINTERS, L. Alan.(Editor).(1992). Trade flows and trade policy after "1992". Cambridge: Cambridge University Press. YOFFIE, David B..(Editor).(1993). Beyond free trade: firms, governments, and global competition. Boston: Harvard B. School Press.

6 TEORIA MACROECONÔMICA I ANE025 Programa 1. O Modelo Clássico de Determinação do Produto e do Emprego 2. O Modelo Keynesiano de Determinação da Renda 3. O Modelo IS-LM em uma economia fechada 4. Oferta Agregada e Demanda Agregada 5. Inflação, Desemprego e a Curva de Phillips Bibliografia BLANCHARD, Oliver. Macroeconomia. Rio de Janeiro: Campus, DORNBUSH, Rudiger., FISHER, Stanley. Macroeconomia. 5 ed. Rio de Janeiro: Makron, MANKIW, Gregory. Macroeconomia. Rio de Janeiro: LTR, SNOWDON, Brian. et al. A modern guide to macroeconomics: An introduction to competing schools of thought. Cheltenham: Edward Elgar, ROMER, David. Advanced macroeconomics. 2 ed. New York: McGraw-Hill, 2001.

7 TEORIA MACROECONÔMICA II ANE026 Programa 1. O Modelo de Solow e introdução à Nova Teoria de Crescimento 2. O Modelo Mundell-Fleming 3. As Hipóteses do Ciclo da Vida (Modigliani) e A Hipótese da Renda Permanente (Friedman) 4. Inflação e Política Monetária Bibliografia BLANCHARD, Oliver. Macroeconomia. Rio de Janeiro: Campus, DORNBUSH, Rudiger., FISHER, Stanley. Macroeconomia. 5 ed. Rio de Janeiro: Makron, MANKIW, Gregory. Macroeconomia. Rio de Janeiro: LTR, SNOWDON, Brian. et al. A modern guide to macroeconomics: An introduction to competing schools of thought. Cheltenham: Edward Elgar, ROMER, David. Advanced macroeconomics. 2 ed. New York: McGraw-Hill, 2001.

8 EMENTA DA DISCIPLINA ANE027 ECONOMIA MONETÁRIA I Capacitar o aluno a analisar o papel da moeda pelas diferentes correntes econômicas; propiciar a interação da análise macroeconômica no que se relaciona à economia monetária e, ainda conduzí-lo na elaboração de considerações críticas quanto à avaliação das ações das autoridades monetárias. Capítulo 1 - A Gênese da Moeda 1.1. O conceito de moeda pela ótica neoclássica : origem, funções e evolução histórica 1.2. A moeda pela ótica marxista: circulação simples e transformação do dinheiro em capital Capítulo 2 - Teoria Monetária 2.1. O Monetarismo e a dicotomia clássica 2.2. A Teoria Quantitativa da Moeda 2.3. Teoria Monetária Keynesiana Capítulo 3 - O Sistema Financeiro e os Meios de Pagamentos 3.1. Criação e destruição dos meios de pagamentos 3.2. A atividade bancária e a preferência pela liquidez dos Bancos em Keynes 3.3. A atividade bancária e a preferência pela liquidez dos Bancos em Minsky 3.4. Considerações sobre o sistema financeiro no Brasil Capítulo 4 - A Teoria de Inflação 4.1. Inflação no modelo clássico 4.2. O Modelo de Cagan 4.3. Tipos de Inflação e o processo inflacionário no Brasil SIMONSEN, M.H.; CYSNE, R. P. Macroeconomia.(2ª edição) São Paulo: Atlas, 1995 pp.15-19, SANT ANA, J.A. Economia Monetária. Brasília: UnB, Capítulo 1, Capítulo 9 MARX, K. O Capital. São Paulo: Abril, (Caps. 1 a 3) KEYNES, J.M. A Teoria Geral do Emprego, do Juro e da Moeda. São Paulo: Atlas, DILLARD, D. A Teoria Econômica de John Maynard Keynes. São Paulo: Pioneira, LOPES, J.C.; ROSSETTI, J.P. Economia Monetária (7ª ed). São Paulo: Atlas, 1998.Capítulos 2 e 4

9 HILLBRECHT, R. Economia Monetária. São Paulo: Atlas, 1999.Capítulo 16, 17 e 18 PAULA, L.F.R. Comportamento dos Bancos, posturas financeiras e oferta de crédito: de Keynes a Minsky. Rio de Janeiro: UFRJ/IE, CYSNE, R.P.; FARIA, L.F.V. Considerações sobre o sistema financeiro brasileiro. Rio de Janeiro: EPGE/FGV, MENDONÇA DE BARROS, R. Análise do Ajuste do Sistema Financeiro no Brasil. Brasília, SACHS, J. D.; LARRAIN, F. Macroeconomia. São Paulo: Makron Books, Capítulo 23.

10 CARGA HORÁRIA: 60 HORAS AULA DISCIPLINA: ECONOMIA MONETÁRIA II CODIGO: ANE A Composição dos meios de pagamento 1.2-As contas consolidadas do Sistema Monetário Nacional As Contas das Autoridades Monetárias As contas dos Bancos Comerciais 1.3-Os Coeficientes de Comportamento da economia 1.4-O multiplicador de Moeda e a Base Monetária 2-Análise da Contas do Sistema Bancário 2.1-As relações contábeis da moeda com o setor bancário 2.2-Técnicas de consolidação e análise das contas 3-Os Principais Instrumentos de Controle Monetário 3.1-As operações de liquidez 3.2-As operações do mercado aberto(open-market) 3.3-O orçamento monetário Conceito e finalidade Metodologia pela agregação das contas do sistema monetário 3.4-Outras operações relacionadas coma oferta de moeda 4-A Moeda e as Formas de Equilíbrio Geral da Economia 4.1-A Teoria Quantitativa da Moeda Teoria Clássica A teoria neo-clássica A teoria contemporânea 4.2-O mecanismo cumulativo de Wicksell 4.3-A influência dos estudos de Friedman 4.4-A teoria Monetária de Keynes Os determinantes da demanda monetária A demanda total da moeda Análise Gráfica e Matemática da curva de IM 4.5-A moeda e a formação da renda nacional Os determinantes da oferta poupada(s) A demanda da moeda poupada(i) 4.6-Interpretações da eficácia das medidas político-administrativas A Política Monetária A política fiscal 5-Os Fenômenos Monetários mais Importantes 5.1-As teorias sobre inflação 5.2-Inflação provocada pela demanda

11 5.3-Inflação impulsionada pelo custo 5.4-O dilema de dupla causa de inflação 5.5-A curva de Philipe 5.6-A correção monetária 6-A Moeda na Economia Mundial 6.1-A composição do Sistema Monetário Internacional 6.2-Os fatos monetários internacionais relevantes 6.3-A grande corrida do ouro nos anos de 1967/ A moeda escritural internacional(des) Inflação exportada Inflação importada 6.6-Os efeitos da política da OPEP e a situação econômica mundial 6.7-O momento atual e o futuro do Sistema Monetário Internacional BIBLIOGRAFIA BÁSICA GUDIN.Princípios de Economia Monetária(2vol.) SIMONSEN.Macroeconomia(2vol) DUILO.Macroeconomia(1vol) DENBURG-Mc DOUGALL.Macroeconomia(1vol) BROOMAN. Macroeconomia(1VOL) NEWLYN.Teoria Monetária(1vol) SHAPIRO.Análise Macroeconômica(1vol) BRANSON-LITVACK.Macroeconomia(1vol) FRAZER-YOHE.Money and Banking(1vol) Revista Conjuntura Econômica-FGV Boletins do Banco Central do Brasil

12 TÉCNICAS DE PESQUISA ANE029 Programa 1. Definição / circunscrição de objeto / tema de pesquisa. 2. Pesquisa, resenha bibliográfica, citações e referências. 3. Levantamento / fontes de dados secundários, metodologia. 4. Elaboração de projeto de pesquisa. 5. Elaboração de monografia. Bibliografia BÊRNI, Ávila. Técnicas de pesquisa em economia. São Paulo: Saraiva, ECO, Humberto. Como se faz uma tese. 14 ed. São Paulo: Perspectiva, SILVA, José M., SILVEIRA, Emerson. Apresentação de trabalhos acadêmicos. 2 ed. Juiz de Fora: Juizforana, 2002.

13 EMENTA DA DISCIPLINA ANE030 COMÉRCIO EXTERIOR EMENTA: Introduzir aos principais conceitos e palavras-chave utilizadas no mercado internacional. Analisar os condicionantes e determinantes do fluxo de comércio internacional que envolve a economia brasileira. Para tanto, são verificados os principais mecanismos de inserção e alavancagem no mercado internacional. Bem como a forma utilizada pelo Brasil para escoar sua produção para o resto do mundo. Finalmente, é realizada uma análise empírica, utilizando dados atuais do Brasil, sobre: a composição da balança comercial, principais parceiros econômicos e modais de transporte utilizados para importação e exportação de bens. CONTEÚDO: 1. INTRODUÇÃO A decisão de exportar / importar BIBLIOGRAFIA: ALICEweb, Sistema de Análise das Informações de Comércio Exterior, da Secretaria de Comércio Exterior (SECEX), do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC). Disponível on line:

14 EMENTA DA DISCIPLINA ANE031 ECONOMIA DA TECNOLOGIA Objetivos: Capacitar o aluno a relacionar conceitos básicos ligados à disciplina, identificar a importância da mesma para sua vida profissional, analisar criticamente a relação tecnologia versus desenvolvimento sócio-econômico, suas vantagens e desvantagens o ponto de vista do crescimento econômico das nações. De modo mais específico, pretendese discutir o problema da Ciência e Tecnologia no Brasil e possíveis soluções e caminhos para um maior desenvolvimento nessa área. CONTEÚDO: Capítulo 1 - O papel da C & T no desenvolvimento nacional 1.1. A pesquisa e o desenvolvimento nacional 1.2. Entidades nacionais de financiamento para pesquisa tcnológica 1.3. Tecnologia e política industrial: lei de patentes Capítulo 2 - A Tecnologia, Emprego, Meio-Ambiente 2.1. Utilização de tecnologia e qualificação de mão-de-obra 2.2. O uso da tecnologia e os reflexos sobre o nível de emprego 2.3. Tecnologia e meio-ambiente _ a questão da poluição ambiental, tecnologia e sociedade Capítulo 3 - Globalização da Economia e C & T 3.1. O processo de globalização econômica _ vantagens e problemas 3.2. Tecnologia como fator de concorrência num mundo globalizado 3.3. Brasil: globalização e política de Ciência & Tecnologia Capítulo 4 - Tópico especial : Crescimento Econômico 4.1. O Modelo de Crescimento de Solow 4.2. Fontes do Crescimento Econômico _ O Progresso Tecnológico 4.3. Economias Abertas e Convergência Econômica BIBLIOGRAFIA: BARBIERI, J.C. Produção e transferência de tecnologia. São Paulo, Ática, BAUMANN, R. (org.) O Brasil e a economia global, São Paulo, SOBEET-Campus, COUTINHO, L.C.; FERRAZ, J.C. (coord.) Estudo da competitividade da indústria brasileira, Campinas, MCT, EUNICAMP, Papirus, LASTRES, M.H. M. A globalização e o papel das políticas de desenvolvimento industrial e tecnológico. Texto para discussão, n Brasília, IPEA, SACHS, J.D.; LARRAIN, F. Macroeconomia. São Paulo, Makron Books, SCHWARTZMAN, S. (Coord.) Ciência e tecnologia no Brasil: política industrial, mercado de trabalho e instituições de apoio. Rio de Janeiro, FGV, 1995.

15 EMENTA DA DISCIPLINA ANE032 - ECONOMIA DOS RECURSOS NATURAIS Apresentar ao aluno os principais modelos teóricos sobre a melhor forma de gerenciar a alocação de bens, serviços e recursos naturais e ambientais, de modo que seu uso minimize custos sociais e/ou maximize o bem-estar social, tanto para intra como intergeracional. CONTEÚDO: 1. Introdução 1.1. Definição de Economia 1.2. Bens e Serviços Ambientais 1.3. Biodiversidade 1.4. Degradação Ambiental 2. Elementos Teóricos 2.1. Demanda e Excedente do Consumidor 2.2. Oferta e Excedente do Produtor 2.3. Função Bem-Estar Social 2.4. Otimalidade de Pareto 3. Causas da Degradação Ambiental 3.1. Presença de Externalidades 3.2. Existência de Bens Públicos 3.3. Direitos e Propriedade 4. Economia da Poluição 4.1. Definição da Poluição 4.2. Nível Ótimo de Poluição 4.3. Aplicação: Nível Ótimo de Resíduos Sólidos e de Reciclagem 5. Avaliação de Bens, Serviços e Recursos Ambientais 5.1. Questão da Avaliação 5.2. Métodos de Avaliação de Recursos Ambientais 6. Política e Regulamentação Ambientais 6.1. Políticas de Comando e Controle 6.2. Instrumentos Econômicos 6.3. Regulamentação 7. Gestão de Recuros Naturais

16 7.1. Recursos Naturais Exauríveis BIBLOGRAFIA: ALIER, J. M. Curso de Economia Ecológica. México: Instituto Latino-americano de Ecologia Social, ALMEIDA, L. T. Política Ambiental: Uma análise econômica. Campinas: Papirus; São Paulo: Fundação Editora da UNESP, 1998 HEAL, G. Valuing the Future: Economic Theory and Sustainability. New York: Columbia University Press, 1998 PEARCE, D. W., TURNER, R. K. Economics of Natural Resourses and the Environmental. Baltimore: The John Hopkins University press, PINDYCK, R., RUBINFELD, D. L. Microeconomia. São Paulo: Markron Books, RICKLEFS, R. E. A Economia da Natureza. Rio de Janeiro: Editora Guanabara Koogan S.A., SEROA DA MOTTA, R. Contabilidade Ambiental: Teoria, metodologia e estudos de caso do Brasil. Rio de Janeiro: IPEA, SEROA DA MOTTA, R. Manual para Valorização Econômica de Recursos Ambientais. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, dos Recursos Hídricos e da Amazônia Legal, TURNER, H. R. Microeconomia: Princípios básicos. Rio de Janeiro: Campus, 2000.

17 TEORIA MICROECONÔMICA I ANE033 Objetivo Apresentar ao aluno os principais modelos teóricos acerca do comportamento das firmas em mercados de concorrência perfeita, monopólio, concorrência monopolística, oligopólio. No decorrer do curso, será, quando pertinente introduzido alguns exemplos de estudos empíricos realizados sob o subsídio dos modelos teóricos abordados na disciplina. Programa Analítico Introdução Teoria dos custos de produção no curto e no longo prazos Produção com dois produtos e Economias de Escopo Análise de Mercados Competitivos Conceitos e características Maximização de lucros e a oferta da firma Curva de oferta no curto prazo da firma competitiva Equilíbrio competitivo no longo prazo Curva de oferta da indústria no longo prazo Situações em que o mercado é perfeitamente competitivo e Mercados contestáveis Aplicações a políticas de preços mínimos, quotas e impostos de importações, impactos de impostos e subsídios Mercados em Monopólio Conceitos e características Decisão de produção monopolista Poder de monopólio e sua mensuração e fontes de poder do monopólio Monopólio com discriminação de preços Mercados em Concorrência Monopolística Conceitos e características Equilíbrio de curto e longo prazos Concorrência monopolística e eficiência econômica

18 Mercados em oligopólio Conceitos e características Equilíbrio no mercado ologopolístico: Modelos de Cornout, Stackelberg e de Bertrand Concorrência versus Conluio: Dilema dos prisioneiros e suas implicações Cartéis Bibliografia PINDYCK, R., RUBINFELD, D.L. Microeconomia. São Paulo: Makron Books, p. VARIAN, H.R. Microeconomia: Princípios Básicos. Rio de Janeiro: Campus, p. EATON, B.C. EATON, D.F. Microeconomia. São Paulo: Editora Saraiva, p.

19 EMENTA DA DISCIPLINA ANE035 ECONOMETRIA I 1. Introdução à Econometria; 2 Análise de Regressão Linear Simples 3. Análise de Regressão Linear Múltipla; 4. Pacotes computacionais. OBJETIVOS: Iniciar o aluno na metodologia de construção de modelos econométricos através da análise de regressão e com a utilização de pacotes computacionais. 1.1 Teoria econômica e modelos matemáticos; 1.2 Teoria estatística e econometria; 1.3 Modelos econométricos, estimação e previsão. 1.4 Verificação de teorias e testes de hipóteses. 2.1 Ajustamento de curvas; 2.2 Modelo de regressão linear simples; 2.3 Estimador de mínimos quadrados ordinários; 2.4 Testes hipóteses; 2.5 Previsão; 3.1 Modelo de regressão linear múltipla; 3.2 Multicolinearidade; 4. Pacotes computacionais. Hill, C., Griffiths, W. e Judge, G. Econometria. São Paulo: Editora Saraiva, 1999.

20 EMENTA DA DISCIPLINA ANE036 ECONOMETRIA II Extensões da análise de regressão. Violação de pressupostos básicos. Sistemas de equações simultâneas. 1.1 Testes F para blocos de variáveis; 1.2 Variáveis dummy; 1.3 Modelos não lineares; 2.1 Autocorrelação serial dos erros; 2.2 Heterocedasticidade; 2.3 Erros de especificação; 2.4 Variáveis instrumentais; 3.1 Formas estruturas e reduzida; 3.2 O problema da identificação. 3.3 Tipos de sistemas de equações; 3.4 Métodos de estimação. HILL, C., Griffiths, W. e Judge, G. Econometria. São Paulo: Editora Saraiva, GUJARATI, Damodar N. Econometria Básica. Nova York: McGraw

21 EMENTA DA DISCIPLINA ANE037 ECONOMIA INTERNACIONAL Análise da Economia Internacional com destaque para os aspectos dinâmicos das relações de comércio internacionais onde se avalia desde a teoria clássica e neo-clássica até a chamada Nova Economia Internacional. São também focados temas como Balanço de Pagamentos e Taxas de Juros com vistas a subsidiar a análise do Sistema Internacional (GATT, OMC e Acordos de Integração Econômica). OBJETIVOS: Colocar o aluno em contato com conceitos teóricos fundamentais para o entendimento da economia mundial. Assim, visa-se facultar uma preparação específica em questões econômicas atinentes à economia internacional o que permitirá uma discussão mais aprofundada sobre a forma de inserção da economia brasileira num sistema econômico internacional em permanente transformação. 1. INTRODUÇÃO: Perspectiva histórica da evolução da economia mundial: Até 1815; A Pax Britânica ( ); A Época das crises ( ); O Grande Impulso ( ); Após 1974; O mundo de hoje 2. TEORIAS EXPLICATIVAS DO COMÉRCIO: Determinantes do lado da oferta: Teoria das vantagens comparativas (Teoria Clássica) - Vantagens absolutas e comparativas; O Modelo de Heckscher-Ohlin-Samuelson (Teoria Neo-Clássica); Outras Teorias - Explicações Tecnológicas, Economias de escala; Determinantes do lado da procura: Sobreposição de procuras; Diferenciação de atributos; O comércio intra e inter-industrial 3. RESTRIÇÕES AO COMÉRCIO: Formas: Impostos alfandegários; Restrições quantitativas; Restrições aos pagamentos; Medição: Proteção nominal; Proteção efetiva; Efeitos; Apreciação: O juízo negativo da teoria da divergências domésticas. Os meios alternativos de intervenção; A persistência das restrições ao comércio; O argumento das indústrias nascentes 4. MACROECONOMIA DA ECONOMIA INTERNACIONAL: O balanço de pagamentos e o câmbio: Paridade do poder de compra (PPP); Modelo de Mundell-Fleming; Abordagem do mercado de ativos; Economia internacional x desenvolvimento económico: Estratégias alternativas de desenvolvimento; Substituição de importações x promoção de exportações; Acumulação de fatores na economia aberta; Evolução do sistema monetário internacional: Padrão-ouro; Padrão câmbio-ouro; Crash nos anos 30; Sistema de Bretton Woods; Qual o sistema monetário atual?; 5. O SISTEMA DE COMÉRCIO INTERNACIONAL: Desafios do comércio internacional: Globalização e competitividade; Revolução tecnológica e globalização; Novos fatores de

22 competitividade; Mudanças nos padrões do comércio mundial; Novas regras e harmonização das diferenças; Sistema de Comércio Mundial: Acordo Geral de Tarifas e Comércio-GATT; Organização Mundial do Comércio-OMC; Sistema Geral de Preferências-SGP; Blocos de comércio (União Européia, NAFTA, MERCOSUL, ALCA, ASEAN); Formas de integração econômica (Zona de Livre Comércio, União Aduaneira, Mercado Comum, União Econômica, União Econômica Total). ALBERT, Michel.(1992). Capitalismo contra capitalismo. Lisboa: Livros do Brasil. BAPTISTA, Luis O..(1991). Assuntos Comerciais In: SEITENFUS, Ricardo A. S..(Coord.). MERCOSUL: Impasses e Alternativas - Assuntos Comerciais e Aduaneiros; Normas Técnicas e Harmonização de Normas de Metrologia, Política Fiscal, Cambial e Monetária Relacionada com o Comércio. São Paulo: USP/IEA. Série Assuntos Internacionais. Vol.18, Setembro, pp BAPTISTA, Luiz Olavo.(Coordenador).(1994). MERCOSUL - A estratégia legal dos negócios. São Paulo: Maltese. BAUMANN, Renato.(Organizador).(1995). O Brasil e a economia global. Rio de Janeiro: Editora Campus/SOBEET. CHACHOLIADES, Miltiades.(1978). International Trade Theory and Policy. USA: McGraw-Hill Book Company. COUTINHO, Luciano & FERRAZ, João Carlos.(Coordenadores).(1994). Estudo da competitividade da indústria brasileira. Campinas/São Paulo: Papirus/Editora da Universidade Estadual de Campinas. EMMERIJ, Louis.(1993). Norte-Sul - a granada descavilhada. Portugal: Bertrand Editora. GOLDENSTEIN, Lídia.(1994). Repensando a dependência. Rio de Janeiro: Paz e Terra. GREENAWAY, David & MILNER, Chris.(1993). Trade and industrial policy in developing countries. Great Britain: Macmillan. HALL, Robert E. & TAYLOR, John B..(1989). Macroeconomia: teoria, desempenho e política. Rio de Janeiro: Editora Campus. JOVANOVÍC, Miroslav N..(1992). International Economic Integration. London: Routledge. KENEN, P.B.. (1999). Economia Internacional: Teoria e Política. Rio de Janeiro: Campus. KRUGMAN, Paul R. & OBSTFELD, Maurice.(1988). International Economics: Theory and Policy. Boston: Scott, Foresman and Company. MONTORO FILHO, André Franco et al.. Manual de economia. São Paulo: Saraiva, PORTER, Michael E..(1993). A vantagem competitiva das nações. Rio de Janeiro: Editora Campus. PORTO, Manuel Carlos Lopes.(1991). Lições de teoria da integração e políticas comunitárias: o comércio e as restrições ao comércio. Coimbra: Almedina. PRADO, Luiz Carlos D.; CANUTO, Otaviano; GONÇALVES, Reinaldo & BAUMANN, Renato. (1999). A Nova Economia Internacional - Uma Perspectiva Brasileira. Rio de Janeiro: Campus. RATTI, Bruno.(1994). Comércio internacional e câmbio. São Paulo: Aduaneiras.

23 RIVERA-BATIZ, Francisco L. & RIVERA-BATIZ, Luis A..(1994). International finance and open economy macroeconomics. New York: Macmillan Publishing Company. ROBSON, Peter.(1985). Teoria económica da integração internacional. Coimbra: Coimbra Editora. SODERSTEN, Bo. (1979). Economia Internacional. Rio de Janeiro: Interciência. THARAKAN, P. K. M. & KOL, Jacob.(Editors).(1989). Intra-industry trade: theory, evidence and extensions. Hong Kong: Macmillan Press. TORSTENSEN, Vera; NAKANO, Yoshiaki; LIMA, Camila de Faria. & SATO, Claudio Seiji.(1994). O Brasil frente a um mundo dividido em blocos. São Paulo: Nobel/Instituto Sul-Norte de Política Econômica e Relações Internacionais. WILLIAMSON, John.(1989). A economia aberta e a economia mundial: um texto de economia internacional. Rio de Janeiro: Editora Campus, 3ª edição. WINTERS, L. Alan & VENABLES, Anthony J..(Editors).(1991). European Integration: Trade and Industry. Cambridge: Cambridge University Press. WINTERS, L. Alan.(Editor).(1992). Trade flows and trade policy after "1992". Cambridge: Cambridge University Press. YOFFIE, David B..(Editor).(1993). Beyond free trade: firms, governments, and global competition. Boston: Harvard B. School Press.

24 Comércio Internacional Código ANE Introdução 1.1 Conceitos Importância Evolução do comércio internacional 2 Pagamentos internacionais 2.1 O problema 2.2 Esquema básico 2.3 Modalidades de transferência 3.1 Fatores que influenciam no estabelecimento da modalidade 3.2 Principais modalidades 4 Cambio 4.1 Conceito 4.2 Tipos 4.3 Moeda (sob o ponto de vista contábil) 4.4 Taxa 4.5 Sistema brasileiro 5. Noções de balanço de pagamentos 6. Políticas de comércio internacional 6.1 Livre cambismo e protecionismo econômico 6.2. Controles do comércio internacional Cambial Direitos aduaneiros 7. Cooperação internacional 7.1 Cooperação comercial: GATT, CEE, ALADI 7.2 Cooperação financeira FMI, BIRD, BID 8. Exportação 8.1 formas de abbordagem do mercado Diretas indiretas Trading Company Consórcios de exportação

PROGRAMA DE ENSINO. Curso: Economia Ano: 2006/1. Disciplina: Teoria Microeconômica II Código: 613. Créditos: 4 Carga Horária: 60 H/A

PROGRAMA DE ENSINO. Curso: Economia Ano: 2006/1. Disciplina: Teoria Microeconômica II Código: 613. Créditos: 4 Carga Horária: 60 H/A PROGRAMA DE ENSINO Curso: Economia Ano: 2006/1 Disciplina: Teoria Microeconômica II Código: 613 Créditos: 4 Carga Horária: 60 H/A Professores Bruno José Daniel Filho Claudia Helena Cavalieri Gilson de

Leia mais

FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, CONTABILIDADE E ATUÁRIA PROGRAMA DE ENSINO

FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, CONTABILIDADE E ATUÁRIA PROGRAMA DE ENSINO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, CONTABILIDADE E ATUÁRIA PROGRAMA DE ENSINO Curso: ECONOMIA Ano: 2005/2 Disciplina: Microeconomia III Código: 3276 Créditos: 04 Carga Horária: 60 H/A EMENTA Abordar,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA. Prática

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA. Prática Disciplina: MICROECONOMIA III: ECONOMIA INDUSTRIAL Código: CSA Teórica l Ementa: Teoria dos Jogos. Modelos Locacionais. O paradigma estruturaconduta-desempenho: significado e críticas. Teoria dos Mercados

Leia mais

EMENTA / PROGRAMA DE DISCIPLINA. ANO / SEMESTRE LETIVO Administração 2015.2. Economia I ADM 047. 72h 2º

EMENTA / PROGRAMA DE DISCIPLINA. ANO / SEMESTRE LETIVO Administração 2015.2. Economia I ADM 047. 72h 2º Faculdade Anísio Teixeira de Feira de Santana Autorizada pela Portaria Ministerial nº 552 de 22 de março de 2001 e publicada no Diário Oficial da União de 26 de março de 2001. Endereço: Rua Juracy Magalhães,

Leia mais

Turma BNDES Básica Exercícios

Turma BNDES Básica Exercícios Turma BNDES Básica Exercícios Banca: CESGRANRIO Edital de referência: 01/2012 (data da publicação: 17/12/2012) Carga horária (aulas presenciais): 92,0 horas EMENTA DA PROVA 1 OBJETIVA Carga Horária e Pré-Requisitos.

Leia mais

13) ECONOMISTA JÚNIOR CONHECIMENTO ESPECÍFICO: Teoria do Consumidor: Teoria Cardinal e Ordinal. Curvas de Indiferença. Limitação Orçamentária.

13) ECONOMISTA JÚNIOR CONHECIMENTO ESPECÍFICO: Teoria do Consumidor: Teoria Cardinal e Ordinal. Curvas de Indiferença. Limitação Orçamentária. 13) ECONOMISTA JÚNIOR CONHECIMENTO ESPECÍFICO: Teoria do Consumidor: Teoria Cardinal e Ordinal. Curvas de Indiferença. Limitação Orçamentária. Equilíbrio do Consumidor. Mudanças de Equilíbrio Devidas às

Leia mais

Faculdade de Direito da Universidade de Macau Ano Lectivo 2011-2012

Faculdade de Direito da Universidade de Macau Ano Lectivo 2011-2012 Parte I Introdução 1 Economia: conceito, objecto e método 2 Organização da actividade económica 3 Breve história da economia e dos sistemas económicos Parte II Microeconomia 4 O comportamento dos consumidores

Leia mais

Microeconomia NATÉRCIA MIRA EDIÇÕES SÍLABO

Microeconomia NATÉRCIA MIRA EDIÇÕES SÍLABO Microeconomia NATÉRCIA MIRA EDIÇÕES SÍLABO É expressamente proibido reproduzir, no todo ou em parte, sob qualquer forma ou meio, NOMEADAMENTE FOTOCÓPIA, esta obra. As transgressões serão passíveis das

Leia mais

ANEXO II DA RESOLUÇÃO CEPEC N ٥ EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS PARA ALUNOS INGRESSOS A PARTIR DE 2005

ANEXO II DA RESOLUÇÃO CEPEC N ٥ EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS PARA ALUNOS INGRESSOS A PARTIR DE 2005 ANEXO II DA RESOLUÇÃO CEPEC N ٥ EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS PARA ALUNOS INGRESSOS A PARTIR DE 2005 DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS 1 - CONTABILIDADE Fatos contábeis e econômicos. Aspectos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO DIRETORIA DE REGISTRO E CONTROLE ACADÊMICO EMENTA DE DISCIPLINA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO DIRETORIA DE REGISTRO E CONTROLE ACADÊMICO EMENTA DE DISCIPLINA EMENTA DE DISCIPLINA EMENTA (Síntese do Conteúdo): De que trata a economia; o mercado, preços e elasticidades; a empresa e a produção; custos de produção; maximização do lucro e oferta; mercado imperfeito;

Leia mais

I. ASPECTOS METODOLÓGICOS E CONCEITUAIS SOBRE A MOEDA E O SISTEMA MONETÁRIO

I. ASPECTOS METODOLÓGICOS E CONCEITUAIS SOBRE A MOEDA E O SISTEMA MONETÁRIO Departamento de Economia Programa de Economia Monetária e Financeira Docente: 1304284 - Fabiano Abranches Silva Dalto PROGRAMA 2015 I. ASPECTOS METODOLÓGICOS E CONCEITUAIS SOBRE A MOEDA E O SISTEMA MONETÁRIO

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA Faculdade Anísio Teixeira de Feira de Santana Autorizada pela Portaria Ministerial nº 552 de 22 de março de 2001 e publicada no Diário Oficial da União de 26 de março de 2001. Endereço: Rua Juracy Magalhães,

Leia mais

Curso Gabarito Macroeconomia

Curso Gabarito Macroeconomia Curso Gabarito Macroeconomia Introdução Prof.: Antonio Carlos Assumpção Prof. Antonio Carlos Assumpção Site: acjassumpcao77.webnode.com Bibliografia Macroeconomia : Blanchard, O. 5ª ed. Macroeconomia :

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01. Código: CTB - 140 CH Total: 60 Pré-requisito:

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01. Código: CTB - 140 CH Total: 60 Pré-requisito: Componente Curricular: Economia CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Código: CTB - 140 CH Total: 60 Pré-requisito: Período Letivo: 2015.2 Professor:

Leia mais

Curso: Direito Carga Horária: 64 Departamento: Disciplinas Básicas e. Área: Disciplinas Básicas e Complementares Complementares PLANO DE ENSINO

Curso: Direito Carga Horária: 64 Departamento: Disciplinas Básicas e. Área: Disciplinas Básicas e Complementares Complementares PLANO DE ENSINO Faculdade de Direito Milton Campos Disciplina: Economia Curso: Direito Carga Horária: 64 Departamento: Disciplinas Básicas e Área: Disciplinas Básicas e Complementares Complementares EMENTA PLANO DE ENSINO

Leia mais

Sumário. Conceitos básicos 63 Estrutura do balanço de pagamentos 64 Poupança externa 68

Sumário. Conceitos básicos 63 Estrutura do balanço de pagamentos 64 Poupança externa 68 Sumário CAPÍTULO l As CONTAS NACIONAIS * l Os agregados macroeconômicos e o fluxo circular da renda 2 Contas nacionais - modelo simplificado 4 Economia fechada e sem governo 4 Economia fechada e com governo

Leia mais

PLANO DE ENSINO DO ANO LETIVO DE 2011

PLANO DE ENSINO DO ANO LETIVO DE 2011 PLANO DE ENSINO DO ANO LETIVO DE 2011 CURSO: Administração DISCIPLINA: Microeconomia CARGA HORÁRIA: 80 ANO: 1º. Ano PROFESSOR: Orlando Assunção Fernandes 1. EMENTA: A Ciência Econômica e o Papel da Microeconomia.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO Ano Semestre letivo 2015 1º 1. Identificação Código 1.1 Disciplina: Microeconomia III 760.223 1.2 Unidade:

Leia mais

CEAV Macroeconomia. Introdução. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

CEAV Macroeconomia. Introdução. Prof.: Antonio Carlos Assumpção CEAV Macroeconomia Introdução Prof.: Antonio Carlos Assumpção Prof. Antonio Carlos Assumpção Site: acjassumpcao77.webnode.com Bibliografia Macroeconomia : Blanchard, O. 5ª ed. Macroeconomia : Dornbusch,

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA 1. Identificação Disciplina: TEORIA ECONÔMICA I Corpo Docente: ÁLVARO EDUARDO

Leia mais

DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS:

DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS: DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS: Contabilidade de Custos e Gerencial CIC 816 Carga Horária: 60 Créditos: 04 Coordenador: Prof. Poueri do Carmo Mário Teoria de Custos (abordagem econômica e contábil). Métodos

Leia mais

FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, CONTABILIDADE E ATUÁRIA PROGRAMA DE ENSINO

FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, CONTABILIDADE E ATUÁRIA PROGRAMA DE ENSINO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, CONTABILIDADE E ATUÁRIA PROGRAMA DE ENSINO Curso: Economia Ano: 2006 Disciplina: Economia Industrial Código: 629 Créditos: 04 Carga Horária: 60 H/A Professor: Roland

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Estrutura do balanço de pagamentos. Mercado de câmbio. Sistema Monetário Internacional.Teorias do Comércio Internacional.

PLANO DE ENSINO. Estrutura do balanço de pagamentos. Mercado de câmbio. Sistema Monetário Internacional.Teorias do Comércio Internacional. EMENTA PLANO DE ENSINO Estrutura do balanço de pagamentos. Mercado de câmbio. Sistema Monetário Internacional.Teorias do Comércio Internacional. OBJETIVO Gerais: Habilitar o aluno a avaliar o comércio

Leia mais

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria no 378 de 27/05/15-DOU de 28/05/15 Componente Curricular: ECONOMIA PLANO DE CURSO

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria no 378 de 27/05/15-DOU de 28/05/15 Componente Curricular: ECONOMIA PLANO DE CURSO COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria no 378 de 27/05/15-DOU de 28/05/15 Componente Curricular: ECONOMIA Código: DIR-141 Pré-requisito: ---- Período Letivo: 2015.2 Professor: Edilene de

Leia mais

EMENTA / PROGRAMA DE DISCIPLINA. ANO / SEMESTRE LETIVO Administração 2015.2. Economia II ADM 051. 72h 3º EMENTA

EMENTA / PROGRAMA DE DISCIPLINA. ANO / SEMESTRE LETIVO Administração 2015.2. Economia II ADM 051. 72h 3º EMENTA Faculdade Anísio Teixeira de Feira de Santana Autorizada pela Portaria Ministerial nº 552 de 22 de março de 2001 e publicada no Diário Oficial da União de 26 de março de 2001. Endereço: Rua Juracy Magalhães,

Leia mais

PLANO DE ENSINO MICROECONOMIA

PLANO DE ENSINO MICROECONOMIA Disciplina: Microeconomia I Semestre: 2014/1 Código Créditos Período Pré-requisitos CSA1058 4 2 PLANO DE ENSINO MICROECONOMIA EMENTA Escopo e métodos da microeconomia. Teoria do consumidor. Teoria da produção.

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO E SÓCIOECONÔMICAS - ESAG

CENTRO DE CIÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO E SÓCIOECONÔMICAS - ESAG CENTRO DE CIÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO E SÓCIOECONÔMICAS - ESAG Área de Conhecimento Administração Pública: Fundamentos/Prope dêutica Ementa/Bibliografia Ementa: Cultura política, classes sociais e questões

Leia mais

6. Monopólios e indústrias em rede 6.1. Monopólio natural 6.2. Monopólio multiproduto 6.3. Indústrias em rede 6.4. Regulação em setores monopolistas

6. Monopólios e indústrias em rede 6.1. Monopólio natural 6.2. Monopólio multiproduto 6.3. Indústrias em rede 6.4. Regulação em setores monopolistas FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, CONTABILIDADE E ATUÁRIA PROGRAMA DE ENSINO Curso: Economia Ano: 2009 Disciplina: Economia Industrial Código: 629 Créditos: 04 Carga Horária: 60 H/A Professor: Roland

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Economia Aplicada

Programa de Pós-Graduação em Economia Aplicada UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO USP Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto FEA-RP Programa de Pós-Graduação em Economia Área: Economia Aplicada Curso de Doutorado PROCESSO DE

Leia mais

EDITAL GR Nº 707/2014. Quadro de Disciplinas Especiais ou Unidades de Aprendizagem Especiais com Pré-Requisito semestre 2015A 2º Período

EDITAL GR Nº 707/2014. Quadro de Disciplinas Especiais ou Unidades de Aprendizagem Especiais com Pré-Requisito semestre 2015A 2º Período Quadro de Disciplinas Especiais ou Unidades de Aprendizagem Especiais com Pré-Requisito semestre 2015A 2º Período Disciplina Especial Ofertada Pré-Requisito Ementa Análise das Demonstrações Contábeis II

Leia mais

Abordar assuntos voltados à Economia, seu objetivo e problemas econômicos básicos;

Abordar assuntos voltados à Economia, seu objetivo e problemas econômicos básicos; 1. IDENTIFICAÇÃO PERÍODO: 2º CRÉDITO: 04 CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 NOME DA DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ECONOMIA NOME DO CURSO: ECONOMIA 2. EMENTA Conceituação básica. Evolução

Leia mais

1.3. As linhas de pesquisa do Programa de Pós Graduação em Economia Área: Economia Aplicada da FEA RP/USP são:

1.3. As linhas de pesquisa do Programa de Pós Graduação em Economia Área: Economia Aplicada da FEA RP/USP são: UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO USP Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto FEA RP Programa de Pós Graduação em Economia Área: Economia Aplicada Curso de Doutorado PROCESSO DE

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG PRÓ REITORIA DE PESQUISA E PÓS GRADUAÇÃO - PROPESP INSTITUTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS, ADMINISTRATIVAS E CONTÁBEIS - ICEAC PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA

Leia mais

MBA em Gestão Financeira, Controladoria e Auditoria

MBA em Gestão Financeira, Controladoria e Auditoria MBA em Gestão Financeira, Controladoria e Auditoria CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO Coordenação Acadêmica Prof. Carlos Alberto dos Santos Silva OBJETIVO: O MBA EM GESTÃO FINANCEIRA, CONTROLADORIA

Leia mais

Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem.

Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem. Microeconomia Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem. A macroeconomia, por sua vez, estuda os fenômenos da economia em geral,

Leia mais

APRESENTAÇÃO FGV APRESENTAÇÃO TRECSSON BUSINESS

APRESENTAÇÃO FGV APRESENTAÇÃO TRECSSON BUSINESS APRESENTAÇÃO FGV Criado em 1999, o FGV Management é o Programa de Educação Executiva Presencial da Fundação Getulio Vargas, desenvolvido para atender a demanda do mercado por cursos de qualidade, com tradição

Leia mais

Economia dos Recursos Humanos

Economia dos Recursos Humanos Disciplina oferecida ao Curso de MBE Executivo (5ª edição) do Programa de Pós Graduação em Economia da UFRGS. Economia dos Recursos Humanos Professor Responsável: Giácomo Balbinotto Neto. Objetivo: A economia

Leia mais

A EVOLUÇÃO DA ECONOMIA INDUSTRIAL

A EVOLUÇÃO DA ECONOMIA INDUSTRIAL A EVOLUÇÃO DA ECONOMIA INDUSTRIAL Pablo Bielschowsky 1 RESUMO O presente artigo resgata a evolução da teoria industrial desde Marshall, passando pelas teorias de formação de preços em oligopólio e pela

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

CURSO DE DIREITO DA CONCORRÊNCIA E REGULAÇÃO

CURSO DE DIREITO DA CONCORRÊNCIA E REGULAÇÃO Fagundes Consultoria Econômica jfag@unisys.com.br Escola Superior da Advocacia - ESA CURSO DE DIREITO DA CONCORRÊNCIA E REGULAÇÃO Noções de Microeconomia Índice Fundamentos de Microeconomia: princípios

Leia mais

What Are the Questions?

What Are the Questions? PET-Economia UnB 06 de abril de 2015 Joan Robinson Mrs. Robinson Formou-se em Economia na Universidade de Cambridge em 1925 Em 1965, obteve a cadeira de professora titular em Cambridge Economista pós-keynesiana

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 023/2010 CONSEPE (Alterada pela Resolução nº 007/2012 CONSEPE)

RESOLUÇÃO Nº 023/2010 CONSEPE (Alterada pela Resolução nº 007/2012 CONSEPE) RESOLUÇÃO Nº 023/2010 CONSEPE (Alterada pela Resolução nº 007/2012 CONSEPE) Aprova alteração curricular no Projeto Pedagógico do Curso de Bacharelado em Ciências Econômicas do Centro de Ciências da Administração

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA A atividade empresarial requer a utilização de recursos financeiros, os quais são obtidos na forma de crédito e de

Leia mais

MESTRADO EM ECONOMIA PORTUGUESA E INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES

MESTRADO EM ECONOMIA PORTUGUESA E INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES MESTRADO EM ECONOMIA PORTUGUESA E INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL UNIDADES CURRICULARES OBRIGATÓRIAS PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa 1. Identificação

Leia mais

PLANO DE CURSO. Código: DIR00 Carga Horária: 60 horas Créditos: 03 Pré-requisito(s): - Período: 1º Ano: 2015.1

PLANO DE CURSO. Código: DIR00 Carga Horária: 60 horas Créditos: 03 Pré-requisito(s): - Período: 1º Ano: 2015.1 PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO: Curso: Bacharelado em Direito Disciplina: Economia Política Professor: Arivaldo Ferreira de Jesus E-mail: arivaldo.jesus@fasete.edu.br Código: DIR00 Carga Horária:

Leia mais

MBA em Gestão Empresarial com Ênfase na Transformação Organizacional

MBA em Gestão Empresarial com Ênfase na Transformação Organizacional MBA em Gestão Empresarial com Ênfase na Transformação Organizacional Coordenação Acadêmica: Wankes da Silva Ribeiro Coordenação da Ênfase: Wankes Leandro Ribeiro JUSTIFICATIVA O MBA em Gestão Empresarial

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

Capítulo 1: Introdução à Economia

Capítulo 1: Introdução à Economia 1 Capítulo 1: Introdução à Economia Conceito de Economia Problemas Econômicos Fundamentais Sistemas Econômicos Curva (Fronteira de Possibilidades de Produção. Conceito de Custos de Oportunidade Análise

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA. CÓDIGO DISCIPLINA NATUREZA ANO SIS19 Introdução à Economia. 72 horas Sem Pré-Requisito PROFESSOR RESPONSÁVEL

PROGRAMA DA DISCIPLINA. CÓDIGO DISCIPLINA NATUREZA ANO SIS19 Introdução à Economia. 72 horas Sem Pré-Requisito PROFESSOR RESPONSÁVEL PROGRAMA DA DISCIPLINA CÓDIGO DISCIPLINA NATUREZA ANO SIS19 Introdução à Economia OB 2014.1 CARGA HORÁRIA PRÉ-REQUISITO 72 horas Sem Pré-Requisito PROFESSOR RESPONSÁVEL Ms. Rolando Restany EMENTA Conceitos

Leia mais

APRESENTAÇÃO FGV APRESENTAÇÃO TRECSSON BUSINESS

APRESENTAÇÃO FGV APRESENTAÇÃO TRECSSON BUSINESS APRESENTAÇÃO FGV Criado em 1999, o FGV Management é o Programa de Educação Executiva Presencial da Fundação Getulio Vargas, desenvolvido para atender a demanda do mercado por cursos de qualidade, com tradição

Leia mais

Curso de Administração Informações da Disciplina: Administração Financeira I

Curso de Administração Informações da Disciplina: Administração Financeira I Administração Financeira I Timóteo Ramos Queiróz Conhecer, identificar e saber realizar as funções do administrador que dizem respeito às decisões financeiras de curto e às formas de mensuração da criação

Leia mais

Teoria dos Jogos e Estratégia Empresarial

Teoria dos Jogos e Estratégia Empresarial Teoria dos Jogos e Estratégia Empresarial Docente: Prof. Humberto Ribeiro Trabalho elaborado por: Luís Gonçalves nº 7366 Alícia Prada nº 17580 Ana Gonçalves nº 15412 Mestrado em Gestão das Organizações

Leia mais

MBA Gestão de Riscos Financeiros, Corporativos e Compliance EMENTAS DISCIPLINAS

MBA Gestão de Riscos Financeiros, Corporativos e Compliance EMENTAS DISCIPLINAS MBA Gestão de Riscos Financeiros, Corporativos e Compliance EMENTAS DISCIPLINAS ESTRUTURA DO PROGRAMA O MBA Gestão de Riscos Financeiros, Corporativos e Compliance é composto pelas seguintes disciplinas,

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE MACAU RELAÇÕES ECONÓMICAS REGIONAIS

FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE MACAU RELAÇÕES ECONÓMICAS REGIONAIS FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE MACAU RELAÇÕES ECONÓMICAS REGIONAIS (Programa e bibliografia geral seleccionada) Revista em 05/11/2014 5.º Ano Ano Lectivo 2014/2015 Regente Rui Pedro de Carvalho

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM DMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS (FGV)

PÓS-GRADUAÇÃO EM DMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS (FGV) OBJETIVO: Capacitar profissionais, de qualquer área de atuação, para a carreira executiva, desenvolvendo as principais habilidades gerenciais, tais como: liderança, comunicação interpessoal e visão estratégica,

Leia mais

PLANO DE CURSO 5. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:

PLANO DE CURSO 5. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO: PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO: Curso: Bacharelado em Direito Disciplina: Economia Política Professor: Arivaldo Ferreira de Jesus Código: DIR00 Carga Horária: 60 H Créditos: 03 Pré-requisito(s):

Leia mais

MICROECONOMIA Exercícios - CEAV

MICROECONOMIA Exercícios - CEAV MICROECONOMIA Exercícios - CEAV Prof. Antonio Carlos Assumpção 1)BNDES Economista 2011-31 O valor monetário do custo total de produção (CT) de uma empresa, em determinado período, é dado pela expressão

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1 Matriz Curricular aprovada pela Resolução nº 16/09-CONSUNI, de 1º de dezembro de 2009. MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1 Fase Cód. I

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FINANÇAS

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FINANÇAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FINANÇAS Disciplina: Economia 30 h/a Mercado e seu equilíbrio: teoria do consumidor e a curva de demanda; Teoria da produção, custos, e a curva de

Leia mais

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária. 020027 7º 4 Semanal Mensal 04 60

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária. 020027 7º 4 Semanal Mensal 04 60 Credenciada pela Portaria Ministerial nº 2.611, de 18 de setembro de 2002 DOU - nº 183 - Seção 1, de 20 de Setembro de 2002 -. CURSOS AUTORIZADOS CIÊNCIAS ECONÔMICAS Portaria nº 2.612 18/09/2002 PEDAGOGIA

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Financeira e Controladoria

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Financeira e Controladoria Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Financeira e Controladoria Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão Financeira e Controladoria tem por objetivo o fornecimento

Leia mais

UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE-FAC-CG

UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE-FAC-CG UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE-FAC-CG CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING MÓDULO I 304101 FUNDAMENTOS DE MARKETING Fundamentos do Marketing. Processo de Marketing.

Leia mais

Economia Geral e Regional. Professora: Julianna Carvalho

Economia Geral e Regional. Professora: Julianna Carvalho Economia Geral e Regional Professora: Julianna Carvalho 1 Introdução à Economia Conceito Segundo VASCONCELOS, 2011, p. 2) é: a ciência social que estuda de que maneira a sociedade decide (escolhe) empregar

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ECONOMIA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NA EMPRESA COOPERATIVA DE CRÉDITO SICOOB NOROESTE 1

A IMPORTÂNCIA DA ECONOMIA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NA EMPRESA COOPERATIVA DE CRÉDITO SICOOB NOROESTE 1 A IMPORTÂNCIA DA ECONOMIA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NA EMPRESA COOPERATIVA DE CRÉDITO SICOOB NOROESTE 1 CALDEIRA, Aldair Francisco² OLIVEIRA, Leticia Nascimento³ OYAMA, Denise Harue 4 GUALASSI, Rodrigo

Leia mais

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia Prof.: Antonio Carlos Assumpção Contabilidade Nacional Balanço de Pagamentos Sistema Monetário 26- Considere a seguinte equação: Y = C + I + G

Leia mais

Contabilidade financeira e orçamentária I

Contabilidade financeira e orçamentária I Contabilidade financeira e orçamentária I Curso de Ciências Contábeis - 6º Período Professora: Edenise Aparecida dos Anjos INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Finanças Corporativas: incorporaram em seu

Leia mais

Pós-Graduação Governança dos Negócios: Direito, Economia e Gestão

Pós-Graduação Governança dos Negócios: Direito, Economia e Gestão Pós-Graduação Governança dos Negócios: Direito, Economia e Gestão Turmas de Agosto de 2014 Início das Aulas: 18/08/2014 Termino das Aulas: 31/08/2015 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30 às 22h30

Leia mais

MBA IBMEC SÃO PAULO DISCIPLINAS AVULSAS FEVEREIRO 2007 MBA IBMEC SÃO PAULO. Disciplinas Avulsas Maio 2007

MBA IBMEC SÃO PAULO DISCIPLINAS AVULSAS FEVEREIRO 2007 MBA IBMEC SÃO PAULO. Disciplinas Avulsas Maio 2007 MBA IBMEC SÃO PAULO Disciplinas Avulsas Maio 2007 Disciplinas do MBA Finanças Negociação Estratégica A área de finanças lida com um constante conflito: recursos que serão transferidos de um investidor

Leia mais

APROVAÇÃO DO CURSO E AUTORIZAÇÃO DA OFERTA PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PROMOTOR DE VENDAS. Parte 1 (solicitante)

APROVAÇÃO DO CURSO E AUTORIZAÇÃO DA OFERTA PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PROMOTOR DE VENDAS. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA APROVAÇÃO DO CURSO E AUTORIZAÇÃO DA OFERTA PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA MESTRADO E DOUTORADO

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA MESTRADO E DOUTORADO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA MESTRADO E DOUTORADO Disciplina: ECN/899 - Microeconomia II Carga Horária:/Créditos: 60/04 Período: 2º semestre de 2009 Profas.: Mônica Viegas (Primeira e Segunda

Leia mais

PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES. Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa

PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES. Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa MESTRADO EM ECONOMIA PORTUGUESA E INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES UNIDADES CURRICULARES OBRIGATÓRIAS Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa 1. Identificação

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão Empresarial

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão Empresarial CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão Empresarial Coordenação Acadêmica FGV : Professora Denize Dutra CÓDIGO NO SIGA : VIANNA0/TMBAGE*1225-14 1. ECONOMIA EMPRESARIAL Fundamentos

Leia mais

MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas

MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas Página 1 de 6 MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas Carga Horária: 360 horas/ aulas presenciais + monografia orientada. Aulas: sábados: 8h30 às 18h, com intervalo para almoço. Valor: 16 parcelas

Leia mais

RESOLUÇÃO. Esta Resolução entra em vigor nesta data, revogadas as disposições contrárias. Campinas, 16 de novembro de 2004.

RESOLUÇÃO. Esta Resolução entra em vigor nesta data, revogadas as disposições contrárias. Campinas, 16 de novembro de 2004. RESOLUÇÃO CONSEAcc CPS 3 /2004 APROVA AS EMENTAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, DO CÂMPUS DE CAMPINAS, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO. O Presidente do Conselho Acadêmico por Câmpus CONSEAcc, do câmpus de Campinas,

Leia mais

Programa de Unidade Curricular

Programa de Unidade Curricular Programa de Unidade Curricular Faculdade Ciências Empresariais Licenciatura Ciências Económicas e Empresariais Unidade Curricular Política Económica e Financeira Semestre: 5 Nº ECTS: 3,0 Regente Helena

Leia mais

DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: MICROECONOMIA DA REGULAÇÃO PROF:

DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: MICROECONOMIA DA REGULAÇÃO PROF: UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO (www.ea.ufrgs.br) PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: MICROECONOMIA DA REGULAÇÃO PROF: Giácomo Balbinotto Neto (Prof.

Leia mais

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária Nome da Disciplina Curso V 2007.2 ECONOMIA INDUSTRIAL CIÊNCIAS ECONÔMICAS Semanal Mensal 04 60 Industrialização. Determinantes da industrialização. Mudanças

Leia mais

3. Mercados Incompletos

3. Mercados Incompletos 3. Mercados Incompletos Externalidades são, na verdade, casos especiais clássicos de mercados incompletos para um patrimônio ambiental. Um requerimento chave para se evitar falhas de mercado é a de que

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 139, DE 24 DE JUNHO DE 2009

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 139, DE 24 DE JUNHO DE 2009 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 139, DE 24 DE JUNHO DE 2009 O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Leia mais

MBA Executivo em Gestão Financeira, Controladoria e Auditoria

MBA Executivo em Gestão Financeira, Controladoria e Auditoria ISCTE BUSINESS SCHOOL INDEG_GRADUATE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA Executivo em Gestão Financeira, Controladoria e Auditoria www.strong.com.br/alphaville - www.strong.com.br/osasco

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ PRÓ-REITORIA DE ENSINO PROGRAMA DE DISCIPLINA Curso: Departamento: Centro: SECRETARIADO EXECUTIVO TRILÍNGÜE (SET) ECONOMIA (DCO) CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS (CSA) COMPONENTE

Leia mais

Projeto Político Pedagógico do Curso de Ciências Econômicas

Projeto Político Pedagógico do Curso de Ciências Econômicas UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO MULTIDISCIPLINAR CAMPUS DE NOVA IGUAÇU Projeto Político Pedagógico do Curso de Ciências Econômicas 2009 INTRODUÇÃO O presente projeto visa substituir

Leia mais

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 1º SEMESTRE 7ECO003 ECONOMIA DE EMPRESAS I Organização econômica e problemas econômicos. Demanda, oferta e elasticidade. Teoria do consumidor. Teoria da produção e da firma, estruturas e regulamento de

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

ECONOMIA MÓDULO 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA

ECONOMIA MÓDULO 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA ECONOMIA MÓDULO 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA Índice 1. Apresentação da Disciplina...3 2 1. APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA A disciplina Economia de Mercado objetiva apresentar as relações econômicas que balizam

Leia mais

DISCIPLINA: EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO

DISCIPLINA: EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO PROCESSO SELETIVO DE MONITORIA - EDITAL Nº08/2013.2 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO PARA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO Conteúdo Programático: UNIDADE I: O Universo Organizacional

Leia mais

e-mail: professor@luisguilherme.adm.br / www.luisguilherme.adm.br FONE: (62) 9607-2031

e-mail: professor@luisguilherme.adm.br / www.luisguilherme.adm.br FONE: (62) 9607-2031 INSTITUTO UNIFICADO DE ENSINO SUPERIOR OBJETIVO - IUESO PLANO DE ENSINO CURSO: Administração PROF. Luis Guilherme Magalhães SÉRIE: 7º e 8º Período TURNO: Matutino DISCIPLINA: Gestão Mercadológica CARGA

Leia mais

Resolução 038/2001 CONSEPE

Resolução 038/2001 CONSEPE Resolução 038/2001 CONSEPE Aprova as normas de funcionamento do Curso de Administração do Centro de Ciências da Administração CCA/ESAG. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

Ementário do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial

Ementário do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial 01 ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS I EMENTA: Introdução à administração de recursos humanos; orçamento de pessoal; processo de recrutamento e seleção de pessoal; processo de treinamento e desenvolvimento

Leia mais

PROGRAMA DO CONCURSO Comissões Examinadoras Titulares e Suplentes

PROGRAMA DO CONCURSO Comissões Examinadoras Titulares e Suplentes SANTANA DO LIVRAMENTO ÁREA DE CONHECIMENTO Conteúdos PROGRAMA DO CONCURSO Bibliografia Comissões Examinadoras Titulares e Suplentes administração com doutorado em administração) administração ou comércio

Leia mais

MBA EM GESTÃO DO MARKETING ESTRATÉGICO - EMENTAS

MBA EM GESTÃO DO MARKETING ESTRATÉGICO - EMENTAS MBA EM GESTÃO DO MARKETING ESTRATÉGICO - EMENTAS Branding Corporativo O que é Branding. O que é uma marca. História da Marcas. Naming. Arquitetura de Marcas. Tipos de Marcas. Brand Equity. Gestão de Marcas/Branding.

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Fundamentos

Gerenciamento de Projetos Fundamentos Gerenciamento de Fundamentos MBA EM GESTÃO DE PROJETOS - EMENTAS Definição de Projeto. Contexto e Evolução do Gerenciamento de. Areas de conhecimento e os processos de gerenciamento do PMI - PMBoK. Ciclo

Leia mais

NAGI PG. Capacitação em Gestão da Inovação para o Setor de Petróleo e Gás. Polo: Petrobras

NAGI PG. Capacitação em Gestão da Inovação para o Setor de Petróleo e Gás. Polo: Petrobras NAGI PG NÚCLEO DE APOIO À GESTÃO DA INOVAÇÃO NA CADEIA DE PETRÓLEO E GÁS Capacitação em Gestão da Inovação para o Setor de Petróleo e Gás Polo: Petrobras Programa do Módulo I Módulo I: Planejamento Estratégico

Leia mais

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues E mail: prdr30@terra.com.br INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS O que é administração financeira? Qual sua importância para as corporações? Como são tomadas as decisões financeiras?

Leia mais

Prof. Dr. José Francisco Calil Teoria Superior de Finanças Programa de Pós-graduação stricto sensu Doutorado em Administração, Campus Taquaral

Prof. Dr. José Francisco Calil Teoria Superior de Finanças Programa de Pós-graduação stricto sensu Doutorado em Administração, Campus Taquaral Teoria Superior de Finanças Programa de Pós-graduação stricto sensu Doutorado em Administração, Campus Taquaral Aula expositiva Ementa: Estudo da Moderna Teoria de Finanças e dos métodos que os administradores

Leia mais