As 100 líderes na exportação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "As 100 líderes na exportação"

Transcrição

1 ESTE SUPLEMENTO FAZ PARTE INTEGRANTE DO DIÁRIO ECONÓMICO Nº 5825 DE 18 DE DEZEMBRO DE 2013 E NÃO PODE SER VENDIDO SEPARADAMENTE Desafios de Portugal AS MAIORES EXPORTADORAS Paulo Alexandre Coelho De acordo com os dados mais recentes do INE, as exportações de mobiliário cresceram 5,1% em 2012 e 7,6% até Outubro de As exportações de equipamentos eléctricos também cresceram: 18,1% em As 100 líderes na exportação Petrogal é a maior exportadora mas importa mais do que vende para fora. IRINA MARCELINO* milhões de euros. Foi este o valor exportado pelas 100 maiores empresas portuguesas em O ranking, elaborado pela IGNIOS - Gestão Integrada de Riscos, revela ainda que a Petrogal é, além de maior empresa portuguesa em termos de volume de negócios, também a maior exportadora. No ano passado vendeu ao exterior 3,2 mil milhões de euros. A Petrogal é, também, a maior importadora: de acordo com o ranking aqui apresentado, comprou milhões de euros ao exterior. Entre as 100 Maiores Exportadoras há também casos de multinacionais que procuram em Portugal flexibilidade produtiva, rapidez na entrega e uma relação favorável em termos de custos e qualidade. Os grupos Gabor e a Polopiqué, que fornece a Inditex, fazem parte das 100 Maiores Exportadoras e são exemplos de empresas que aproveitaram estas mais-valias de Portugal. Além desta dimensão mais dependente, existe uma afirmação das exportações baseada na afirmação de marcas próprias, sustentadas em factores de competividade ligados à investigação e desenvolvimento, à inovação e ao design. É o caso dos sectores do calçado ou do actual contributo da cortiça para a fileira moda (a Pelcor Novacortiça, por exemplo, surge entre as 2000 maiores exportadoras). No entanto, há que ter em conta que a principal fileira responsável pelo crescimento da exportação de bens foi a energia com a refinação de petróleo. Até 31 de Outubro os combustíveis lideravam a tabela das exportações, contribuindo em 60,6% para o total do aumento das exportações de bens. As exportações portuguesas de bens não energéticos tiveram um forte incremento, mas estão a desacelerar (1,7% até Outubro) e a exportação de serviços inflectiu a sua quase estagnação de 2012 para um forte incremento em 2013, por via essencialmente do turismo. Em resumo, as 43 mil empresas exportadoras em 2012 continuaram condicionadas pela procura interna em 2/3 (79% no total de Portugal), captaram mercado e ganharam quotas com menores margens, menor rendibilidade e maior risco, apesar da sua relação ser favorável. * com Paulo Deus, analista Analista Económico- -financeiro da IGNIOS - Gestão Integrada de Risco Taxa superior à média Entre as 100 maiores exportadoras, a taxa de crescimento das exportações foi superior à média de Portugal, mas a taxa de margem bruta negocial (volume de negócios menos custo de matérias e mercadorias) baixou de 30,1% para 28,8%. O grau de valorização (valor acrescentado / valor produção) caiu de 12,3% para 11,3% e a produtividade (valor acrescentado / valor empregados) teve uma quebra de 1,95 para 1,87 euros, o que revela uma menor valorização confirmada por uma menor rendibilidade e agravada por um maior risco financeiro, com aumento do endividamento e da absorção do valor económico gerado. PUB

2 II Diário Económico Quarta-feira 18 Dezembro 2013 DESAFIOS DE PORTUGAL: AS MAIORES EXPORTADORAS PETRÓLEOS DE PORTUGAL - PETROGAL, S.A ,28% 36,18% TRANSPORTES AÉREOS PORTUGUESES, S.A ,55% 7,53% VOLKSWAGEN AUTOEUROPA, LDA ,49% -24,81% GALP - GÁS NATURAL, S.A ,64% 215,64% CONTINENTAL MABOR - INDUSTRIA DE PNEUS, S.A ,56% 7,26% REPSOL POLÍMEROS, S.A ,88% -35,75% ZAGOPE - CONSTRUÇÕES E ENGENHARIA, S.A + texto sectorial construção ,63% 52,25% MOTA - ENGIL - ENGENHARIA E CONSTRUÇÃO, S.A ,70% -5,25% DELPHI AUTOMOTIVE SYSTEMS - PORTUGAL, S.A ,87% 119,97% PEUGEOT CITROEN AUTOMÓVEIS PORTUGAL, S.A ,88% 2,67% SOMINCOR - SOCIEDADE MINEIRA DE NEVES - CORVO, S.A ,91% -10,26% SOCIEDADE DE CONSTRUÇÕES SOARES DA COSTA, S.A ,34% -4,62% SN MAIA - SIDERÚRGIA NACIONAL, S.A ,30% 0,95% TEIXEIRA DUARTE - ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES, S.A ,37% 22,97% EDP - ENERGIAS DE PORTUGAL, S.A ,88% 4,69% CELULOSE BEIRA INDUSTRIAL (CELBI), S.A ,92% 5,02% RENAULT CACIA, S.A ,45% -3,02% GOLDROPA - COMÉRCIO DE METAIS PRECIOSOS, LDA ,44% 49,95% FAURÉCIA - SISTEMAS DE ESCAPE PORTUGAL, LDA ,21% -20,42% JP SÁ COUTO, S.A ,92% -4,13% S 01 PETRÓLEOS DE PORTUGAL - PETROGAL O peso pesado das exportações portuguesas 07 ZAGOPE - CONSTRUÇÕES E ENGENHARIA A taxa de crescimento médio das construtoras nos mercados externos édequase 30%aoanodesde2000. A Petrogal é a maior exportadora nacional. O ano passado, as vendas para o exterior atingiram os 3,2 mil milhões de euros, com a empresa a facturar mais de dez mil milhões. Este ano, os mercados externos mantém-se como fulcrais no crescimento da empresa. Mais de 50% do EBIDTA nos primeiros nove meses de 2013 foi gerado no exterior, explica fonte oficial da empresa. A fonte esclarece que o volume de vendas ao exterior foi de cerca de 3,1 mil milhões de euros, nesse período. Um número que representa perto de 9% do total das exportações nacionais. Em relação a período homólogo de 2012, a evolução é bastante positiva, verificando-se um aumento de cerca de 25%, informa, revelando que Espanha, EUA, Gibraltar e Marrocos são os principais destinos. Porém, é no Brasil e em Angola que a empresa tem, actualmente, as obras mais representativas e com maior impacto. R.C. 20 JP Sá Couto Magalhães vai chegar a África em 2014 As vendas para o exterior da JP Sá Couto representaram em 2012, 67% das vendas da empresa que produz e comercializa o Magalhães, atingindo mais de 238 milhões de euros. O ano passado o volume de negócios ultrapassou os 356 milhões de euros. Jorge Sá Couto, presidente, prevê que as vendas este ano vão passar a barreira dos 400 milhões, sendo que em Novembro ascendiam a 382 milhões, informa. Nesse mês, as exportações correspondiam já a 266 milhões, ou seja, 69% da facturação, frisa, dizendo esperar fechar o ano com exportações de 280 milhões, ou seja, 70% da facturação. A empresa vendeu em 2013, sobretudo para a Venezuela, Argentina, México, Panamá, Uruguaiu, Egipto, Brasil, Gabão, Reino Unido, Paraguai, Uruguai e Nigéria, estando presente em mais de 60 países. Jorge Já Couto revela como novidade para 2014, uma forte aposta em África. R.C. SECTOR CONSTRUÇÃO Construtoras estão cada vez mais internacionais Desde 2000 que o sector da construção tem vindo a incrementar a sua presença no exterior, a uma assinalável taxa de crescimento médio anual de 29,8%, refere Reis Campos, presidente da Confederação Portuguesa da Construção e Imobiliário. A construtora Zagope lidera as exportações no sector, mas grandes empresas como a Mota-Engil, a Teixeira Duarte e a Soares da Costa, constam também do ranking das 100 maiores exportadoras nacionais. Segundo Reis Campos, esta realidade demonstra bem a aposta nos mercados externos, como forma de superar os constrangimentos que internamente o sector enfrenta e o sucesso que tem vindo a alcançar. Para este sucesso, muito tem contribuído o facto de, na 62% Angola é o país onde a presença é mais relevante maioria dos casos, a internacionalização ser perspectivada numa lógica de parceria, como complemento das competências empresariais, frisa, lembrando que África é o mercado preferencial, representando 62% das empresas portuguesas nesse continente, com particular destaque para Angola, que assegura metade desse valor. Mas fonte da Associação de Empresas de Construção, Obras Públicas e Serviços frisa que os países da América Central e do Sul são mercados com muitas oportunidades. Colômbia, Peru, Chile e México têm cerca de 200 milhões de consumidores e imensas necessidades por satisfazer. Além disso, garante haver muitas empresas já com sucesso no Médio Oriente. R.C. Paulo Alexandre Coelho

3 Quarta-feira 18 Dezembro 2013 Diário Económico III ARTLANT PTA, S.A ,59% n.a AMORIM & IRMÃOS, S.A ,11% n.a EDP SERVIÇO UNIVERSAL, S.A ,14% 701,57% ENERCON GMBH - SUCURSAL EM PORTUGAL ,36% 87,25% EFACEC ENERGIA - MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS ELÉCTRICOS, S.A ,93% 29,78% WAYFIELD - TRADING INTERNACIONAL, S.A ,00% 9,04% CONDURIL - ENGENHARIA, S.A ,80% 25,32% BA VIDRO, S.A ,00% 21,93% OFM, S.A ,24% 460,12% FAURÉCIA - ASSENTOS DE AUTOMÓVEL, LDA ,54% -22,88% BOSCH TERMOTECNOLOGIA, S.A ,95% 0,70% UNICER - BEBIDAS, S.A ,99% 15,68% SONAE INDÚSTRIA - PRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DERIVADOS DE MADEIRA, S.A ,16% 22,81% SAFEBAG - INDÚSTRIA COMPONENTES SEGURANÇA AUTOMÓVEL, S.A ,99% -11,94% OGMA - INDÚSTRIA AERONÁUTICA DE PORTUGAL, S.A ,74% 14,11% LENA - ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES, S.A ,08% 69,48% EUROPA&C KRAFT VIANA, S.A ,48% -1,87% REPSOL PORTUGUESA, S.A ,73% -6,40% MOUTINHO & ARAÚJO - JÓIAS LDA ,89% -20,55% PT COMUNICAÇÕES, S.A ,86% -4,60% AMORIM & IRMÃOS Novas aplicações da cortiça têm ajudado Corticeira Amorim a expandir-se A Corticeira Amorim é hoje uma das mais internacionais empresas portuguesas. De cariz eminentemente exportador,o grupo aparece representado por duas vezes no top das 100 Maiores Exportadoras: em 22º com a Amorim & Irmãos e em 75º com a Amorim Revestimentos. No total, o grupo exportou no ano passado 390 milhões de euros através de uma rede de distribuição que abrange mais de 100 países. No total, o grupo possui mais de 80 empresas - das quais 66 fora de Portugal - estando presente com 30 unidades industriais nos principais países produtores de cortiça: Portugal, Espanha, Marrocos, Tunísia e Argélia. Enquanto maior produtor e fornecedor de rolhas de cortiça a nível mundial, a Corticeira Amorim está nos principais países produtores de vinho, da Europa à África do Sul, Austrália e América do Sul. Por outro lado, a descoberta constante de novas aplicações de cortiça para inúmeras áreas de negócio tem motivado a expansão para mercados menos tradicionais, como são exemplo a Rússia e importantes mercados da Ásia, em que se inclui, claro, a China, revela fonte da empresa ao Diário Económico. Mas é a Europa o principal destino dos produtos da corticeira. Apesar dos Estados Unidos também serem um mercado relevante, nomeadamente no caso das rolhas e dos revestimentos, as duas mais importantes unidades de negócio da Corticeira Amorim. Este é um desenvolvimento significativo dado que é expectável que a importância dos EUA continue a aumentar. Trata-se de um mercado onde a população continua a crescer, com um alto poder de compra e onde a performance técnica da cortiça e as suas credenciais ao nível da sustentabilidade são amplamente apreciadas e comercialmente valorizadas, conta a mesma fonte. I.M. 28 BA VIDRO A BA Vidro era Barbosa & Almeida. O presidente é Carlos Moreira da Silva. Paula Nunes A empresa que faz garrafas para o mundo As exportações já são um suporte das vendas da BA Vidro. Em 2012, as vendas totais do grupo que produz garrafas de vidro para empresas como a Nestlé, a Coca-Cola, para a Sogrape ou para rum em Cuba atingiram 462 milhões de euros, o que representou um crescimento de 30,7% face ao ano anterior. As exportações da BA Vidro, S.A., de acordo com o ranking das 100 Maiores Exportadoras, valeram em 2012 mais de 176 milhões de euros. No relatório e contas de 2012, o grupo presidido por Carlos Moreira da Silva e administrado por Jorge Alexandre Ferreira enumera os principais mercados: França, Itália, Bélgica, Alemanha e os países do arco do Mediterrâneo. Em 2012 compraram a Warta Glass, na Polónia, que vai ajudar a empresa a expandir-se para os países bálticos e do Leste da Europa. Em 2012 o grupo exportou para mais de 50 países. I.M. 35 OGMA - INDÚSTRIA AERONÁUTICA DE PORTUGAL Serviços da OGMA voam para 40 países Exportam serviços de manutenção, reparação e modificações de aeronaves, motores e componentes e também produção de estruturas aeronáuticas em metal e material compósito. Hoje, a OGMA vende os seus produtos e serviços para cerca de 40 países em todos os continentes. A internacionalização é base estratégica da empresa que já foi pública. Dada a natureza do negócio eadimensãodo mercado interno, a estratégia de crescimento da OGMA só pode ser materializada através do crescimento das exportações, acredita Rodrigo Rosa, presidente da OGMA. Em 2012 a taxa de exportação da empresa era, de acordo com os dados do ranking das 100 Maiores Exportadoras, de 94,74%. E em 2013 poderá aumentar. Estamos confiantes que [os resultados] vão ser bons, mas não podemos nesta altura entrar em detalhes, afirma o presidente. I.M. Exportações devem subir em Paula Nunes

4 IV Diário Económico Quarta-feira 18 Dezembro 2013 DESAFIOS DE PORTUGAL: AS MAIORES EXPORTADORAS LFP - LOJAS FRANCAS DE PORTUGAL, S.A ,32% 9,98% WIN ENERGY - ENGENHARIA E DESENVOLVIMENTO, S.A ,00% 8394,94% PREH PORTUGAL, LDA ,37% -0,98% COFICAB PORTUGAL - COMPANHIA DE FIOS E CABOS, LDA ,42% -12,62% RGVS IBÉRICA - SOC. IBÉRICA PRODUÇÃO DE ARTIGOS DE DESPORTO, UNIP. LDA ,65% 2,51% MSF - ENGENHARIA, S.A ,99% -35,88% GROHE PORTUGAL - COMPONENTES SANITÁRIOS, LDA ,71% -1,27% ADP FERTILIZANTES, S.A ,19% 9,26% LACTOGAL - PRODUTOS ALIMENTARES, S.A ,92% 17,87% HI FLY - TRANSPORTES AÉREOS, S.A ,44% -1,26% ENDESA ENERGIA S.A. SUCURSAL PORTUGAL ,49% n.a TDO - INVESTIMENTO E GESTÃO, S.A. ( ZONA FRANCA DA MADEIRA) ,00% 78,67% DOCTRANS - TRANSPORTES RODOVIÁRIOS DE MERCADORIAS, LDA ,69% 30,55% CONTINENTAL TEVES PORTUGAL - SISTEMAS DE TRAVAGEM, LDA ,14% -0,58% FISIPE - FIBRAS SINTÉTICAS DE PORTUGAL, S.A ,39% -9,72% PORTUCEL, S.A ,56% -45,27% SOVENA PORTUGAL - CONSUMER GOODS, S.A ,61% -22,34% PROLÓGICA - SISTEMAS INFORMÁTICOS, S.A ,97% 19,40% PORTIANGA - COMÉRCIO INTERNACIONAL E PARTICIPAÇÕES, S.A ,00% 181,80% GENERAL CABLE CELCAT - ENERGIA E TELECOMUNICAÇÕES, S.A ,89% 24,20% 55 FISIPE - FIBRAS SINTÉTICAS DE PORTUGAL 57 SOVENA Andorinhajáéasegunda marcadeazeitenobrasil Fisipe foi adquirida em Setembro de 2012 pelo grupo alemão SGL. Produtora de fibras acrílicas vai manter vendas em 2013 Actualmente a Fisispe exporta praticamente toda a sua produção para quase todas as regiões do mundo, incluindo América do Norte, Ásia e Europa, diz fonte oficial da empresa ao 95% Empresa vende 95% produção para 42 países Diário Económico. De facto, e de acordo com o ranking, as exportações em 2012 superaram os 95%, do total do volume de negócios, que ronda os 120 milhões de euros. No fundo, as vendas ao exterior a superarem os 110 milhões de euros em 2012, menos 9,7% do que em Para este ano, a empresa diz esperar que o volume das exportações se irá manter estável em todas estas regiões. A empresa exporta para 42 países, sendo os principais clientes o continente americano, a Europa e a China. Em 2012, a empresa entrou no mercado russo. De frisar que a Fisipe é um produtor europeu de fibras acrílicas, com fábrica no Lavradio, Portugal, tendo sido constituída em 1973, fruto de um joint-venture entre a CUF e o grupo japonês Mitsubishi. Em Setembro de 2012, o grupo alemão SGL, o maior produtor europeu de fibras de carbono, concluiu a aquisição de 100% do capital da empresa. A empresa, liderada por João Dotti, e que dá emprego a mais de 300 pessoas, fornece à indústria têxtil uma diversidade de produtos para os clientes mais exigentes, entre fibras especiais e fibras standard. R.C. Ariana Lindquist/Bloomberg 75% O peso das vendas ao exterior da Sovena éjáde75%e atendênciaédecrescimento, assume António Simões, CEO. Em 2012, a empresa superou os mil milhões de euros de facturação, mais 10% do que em 2011 e prevê uma ligeira subida em 2013, sendo o produto com maior sucesso de vendas é o azeite. A Sovena vende aproximadamente 200 mil toneladas de azeite por ano, diz, revelando que este produto tem muita procura nos mercados externos, com a marca Andorinha a ser já a segunda marca de azeite do Brasil. Em sete anos de presença naquele mercado, o Andorinha registou um aumento de 450% do volume de vendas, prevendo alcançar os 20% de quota de mercado em 2016 e conquistar a liderança da gama Extra Virgem, frisa António Simões. A Sovena aposta ainda no crescimento da marca Olivari nos EUA e do Oliveira da Serra, bemimplementado nos PALOP e agora a entrar em novos mercados, registando mesmo um aumento das vendas ao exterior acima dos 30%, diz, revelando que globalmente, as exportações de azeite têm crescido a um ritmo de 10% ao ano. Além de Brasil e Angola, os principais mercados, o grupo vende para Espanha, Marrocos, EUA, Tunísia e Chile e quer entrar no Leste Europeu. R.C. O peso das exportações tende a crescer. Sovena vende 75% da sua produção para fora. Mário Proença / Bloomberg

5 PUB

6 VI Diário Económico Quarta-feira 18 Dezembro 2013 DESAFIOS DE PORTUGAL: AS MAIORES EXPORTADORAS SANTOS BAROSA - VIDROS, S.A ,35% -0,64% COMPANHIA INDUSTRIAL DE RESINAS SINTÉTICAS CIRES, LDA ,57% -4,12% BOSCH CAR MULTIMÉDIA PORTUGAL, S.A ,39% -18,52% SOGRAPE VINHOS, S.A ,33% 2,36% SECIL - COMPANHIA GERAL DE CAL E CIMENTO, S.A ,41% 17,22% INTRAPLÁS - INDÚSTRIA TRANSFORMADORA DE PLÁSTICOS, S.A ,77% 14,05% MONTEADRIANO - ENGENHARIA E CONSTRUÇÃO, S.A ,25% 8,20% COINDU - COMPONENTES PARA A INDÚSTRIA AUTOMÓVEL, S.A ,97% 18,74% GALLO WORLDWIDE, LDA ,48% 35,19% CUF - QUIMICOS INDUSTRIAIS, S.A ,97% 8,16% CELTEJO - EMPRESA DE CELULOSE DO TEJO, S.A ,79% 71,52% MMCWORLD, S.A ,51% 20,10% TEIXEIRA DUARTE - DISTRIBUIÇÃO, S.A ,44% 15,76% GABOR PORTUGAL - INDUSTRIA DE CALÇADO, LDA. + texto sectorial ,91% 11,25% AMORIM REVESTIMENTOS, S.A ,97% n.a LABESFAL - LABORATÓRIOS ALMIRO, S.A ,37% 37,65% FAPRICELA - INDÚSTRIA DE TREFILARIA S.A ,58% 1,35% BORGWARNER EMISSIONS SYSTEMS PORTUGAL, UNIPESSOAL, LDA ,97% 5,49% DALPHI - METAL PORTUGAL, S.A ,90% -13,54% HUF PORTUGUESA - FÁBRICA DE COMPONENTES PARA O AUTOMÓVEL, LDA ,90% 13,60% S 64 SOGRAPE VINHOS Negócio externo vale 80% dos negócios 74 GABOR PORTUGAL - INDUSTRIA DE CALÇADO 87 LISNAVE Estaleiros recebem navios de 20 países O peso das exportações em 2012 atingiu os 70% na Sogrape Vinhos. Tendo em conta as vendas consolidadas de todo o grupo, o negócio internacional já representa mais de 80% do volume de negócios que, o ano passado, superou os 203 milhões de euros, mais 13,6% em valor face a Fonte do grupo diz antever que este ano a performance se mantenha em linha com o ano anterior. A mesma fonte esclarece que a estratégia de internacionalização da empresa assenta na consolidação da sua presença nos mercados maduros e numa forte aposta nos mercados emergentes, sendo fundamental, para isso, a contribuição das estruturas de distribuição própria que, para além dos vinhos da Sogrape Vinhos, desenvolvem também as nossas marcas produzidas na Argentina, Nova Zelândia, Chile e Espanha (LAN). Actualmente, os mercados onde o grupo está presente com estas estruturas de distribuição própria são Portugal, Estados Unidos, Reino Unido, Angola, Ásia-Pacífico (Hong Kong e Shangai), e mais recentemente, Brasil. De frisar que os principais mercados da Sogrape são Portugal (20%), EUA (14%), Espanha (8%), Reino Unido (7%), Bélgica (6%) e França (6%) e que o produto que maisvendenoestrangeiroéomateus Rosé. R.C. Bruno Barbosa O calçado português foi distinguido como um dos melhores exemplos na utilização de apoios comunitários na promoção empresarial, pelos prémios europeus de promoção empresarial. SECTOR CALÇADO Meta é ganhar quota à Itália através da qualidade Em três anos, o sector do calçado cresceu 30% as exportações, prevendo que cresçam 5% este ano, e o preço médio aumentou 25%, disse Paulo Gonçalves, porta- -voz da Associação Portuguesa dos Industriais de Calçado, Componentes, Artigos de Pele e seus Sucedâneos (APICCAPS), ao Diário Económico. Somos o país com o segundo maior preço médio em exportações a nível internacional, atrás de Itália e à frente da França, destaca, garantindo que a meta é continuar a ganhar quota de mercado à Itália. O sector exporta 95% do que produz, vendendo para 135 países e o objectivo é continuar a aumentar as exportações, sem seguir uma política de salários baixos. Para tal, seguirá até 2020, um novo plano estratégico elaborado pelo Centro de Estudos de Gestão e Economia Aplicada da Faculdade de Economia e Gestão da Católica Porto 95% Sector vende para 135países,95% do que produz coordenado por Alberto Castro e Vasco Rodrigues. De acordo com Alberto Castro o plano visa colocar o sector na agenda de emprego dos jovens mais qualificados, gerir a renovação dos agentes empresariais, requalificar a gestão de topo, aprofundar a inovação desde as utilizações do couro até aos novos materiais ou equipamentos, num quadro de sustentabilidade e de reforço da presença e imagem internacional, colectiva e individual. São muitas as empresas de calçado portuguesas com sucesso fora de portas, tais como a Kyaia, detentora da marca Fly London, a Tattuagui e a Buenos Aires. Já a Gabor Portugal, em 74º lugar no ranking das 100 Maiores Exportadoras, exporta 100% da produção para a casa mãe, na Alemanha, tendo ultrapassado, em 2012, os três milhões e meio de pares produzidos. R.C. Mais de 96% da produção da Lisnave tem hoje como destino o mercado internacional. Só até Setembro deste ano os estaleiros na Mitrena, em Setúbal, recuperaram 73 navios de 48 proprietários vindos de 20 países. Entre estes estão empresas de Singapura, Grécia, Alemanha e Noruega. A maioria (70%) das reparações feitas nos estaleiros são repetidas. São clientes que vêm sempre há muitos anos, conta ao Diário Económico fonte da empresa, que acredita que o facto de haver clientes fixos dá estabilidade à empresa. No questionário que fazem aos seus clientes, a Lisnave tem uma pontuação de 7,5 numa escala de 1 a 10, resultado que a empresa considera muito positivo. Pelas mãos dos operários da Lisnave passam petroleiros, porta-contentores ou navios de transporte a granel. A empresa tem também vindo a dedicar-se ao mercado de reparação de navios offshore. Um dos navios reparados desta forma foi o navio de pesquisa sísmica PGS Geophysical s, construído em 2008 in Langsten, Noruega. A reparação durou 26 dias. Entre as empresas clientes da Lisnave este ano estão a Maerskou a Eagle Ship Management, companhia de Singapura que em 2012 trouxe 10 navios face a 12 no ano anterior. I.M.

7 Quarta-feira 18 Dezembro 2013 Diário Económico VII ALMINA - MINAS DO ALENTEJO, S.A ,00% 166,18% COLEP PORTUGAL, S.A ,96% 3,25% HOVIONE - FARMACIÊNCIA, S.A ,00% -0,91% FERPINTA - INDUSTRIAS DE TUBOS DE AÇO DE FERNANDO PINHO TEIXEIRA,S.A ,63% -0,59% SUMOL + COMPAL, MARCAS, S.A ,11% 0,36% LUSOSIDER - AÇOS PLANOS, S.A ,93% -23,31% LISNAVE - ESTALEIROS NAVAIS, S.A ,07% 4,97% POLOPIQUÉ - COMÉRCIO E INDUSTRIA DE CONFECÇÕES, S.A ,95% 10,61% SUGALIDAL - INDUSTRIAS DE ALIMENTAÇÃO, S.A ,99% 16,50% SOMAGUE - ENGENHARIA S.A ,18% -39,81% MAHLE - COMPONENTES DE MOTORES, S.A ,85% -16,94% BOSCH SECURITY SYSTEMS - SISTEMAS DE SEGURANÇA, S.A ,55% -15,68% EUROPEAN SEAFOOD INVESTMENTS PORTUGAL, S.A ,11% 29,18% SATA INTERNACIONAL - SERVIÇOS E TRANSPORTES AÉREOS, S.A ,33% -7,12% OPTIMUS - COMUNICAÇÕES, S.A ,07% 12,53% SYMINGTON FAMILY ESTATES, VINHOS, LDA ,07% 8,38% EXIDE TECHNOLOGIES, LDA ,56% 9,66% HIKMA FARMACÊUTICA (PORTUGAL), S.A ,63% 46,72% EUGSTER & FRISMAG - ELECTRODOMÉSTICOS, LDA ,18% 30,80% NESTLÉ PORTUGAL, S.A ,84% 10,07% POLOPIQUÉ - COMÉRCIO E INDUSTRIA DE CONFECÇÕES Cadeia espanhola Zara compra roupa portuguesa A Polopique é uma das três maiores exportadoras do sector têxtil português. Fornecedora da Inditext, dona da Zara, a empresa exporta perto de 97% da sua produção, com Espanha a ser o mercado externo mais relevante. Com 150 colaboradores, a empresa é especializada em vestuário em malha para senhora, e está inserida num grupo económico que integra as áreas de fiação, tecelagem, tinturaria e acabamentos. De realçar o arranque da segunda unidade de fiação da Polopique, que marca a diferença por ter máquinas com consumos de energia optimizados com vista a obter maior produtividade com menor consumo. A eficiência energética tem sido aliás, uma das preocupações da empresa, que pretede instalar painéis fotovoltaicos, medida que irá implicar uma diminuição do peso dos custos energéticos. R.C 100 NESTLÉ PORTUGAL Cafés, Cerelac e cereais com sucesso além-fronteiras Os produtos da Nestlé Portugal têm uma grande aceitação em todos os mercados para onde são exportados, 38 no total. Os cafés torrados da Buondi e da Sical, produzidos na fábrica do Porto e o leite em pó para as vending machines da Nestlé, produzido na fábrica de Avanca, - a única fábrica da Europa a produzir este tipo de leite - são os produtos de Polopiqué é fornecedora do grupo Inditex. maior sucesso, a par da Cerelac e dos cereais de pequeno almoço Estrelitas, Chocapic ou mesmo o Nesquik. Fonte da empresa informa que em 2012 a Nestlé Portugal registou um total de vendas de 467,1 milhões de euros, tendo exportado perto de 77 milhões de euros. De realçar que as exportações englobam todas as categorias produzidas em Portugal. R.C. Jasper Juinen/Bloomberg 93 EUROPEAN SEAFOOD INVESTMENTS PORTUGAL A fábrica tailandesa de conservas made in Peniche Exportam conservas de sardinha, de cavala e conservas e saladas de atum para pelo menos 11 países (dados IGNIOS), entre os quais se destacam França e Reino Unido, os maiores mercados onde as nossas marcas são lideres. Marcas como a John West (Reino Unido), H. Parmentier e Petit Navire (França) e a Mareblu (Itália), conta fonte da empresa ao Diário Económico. A European Seafood Investments Portugal, que está em 93º lugar na lista das 100 Maiores Exportadoras, já tem uma longa história. Durante o século XX mudou várias vezes de dono, tendo sido portuguesa, norte- -americana, francesa e, agora, tailandesa. Hoje, é tailandesa, propriedade da Thay Union Fronzen Products, maior conserveira mundial, Principais mercados são França e Inglaterra. de acordo com fonte da empresa que emprega mais de 586 trabalhadores. Com exportações na ordem dos 99% em 2012, e que deverá ser mantida em 2013, a maior parte das vendas ao exterior são de cavala e de sardinha, sobretudo para grande retalho, mas também gourmet em muito pequena escala. Apesar da fábrica se situar em Peniche, o peixe vem, além de Portugal, de países como Espanha, França, Marrocos, Holanda, Escócia e Irlanda. Por dia, a fábrica produz um máximo de 550 mil latas. Em 2012 esteve em cima da mesa a deslocalização da fábrica para França, algo que acabou por não se concretizar depois de negociações com o governo, a autarquia de Peniche e a Docapesca. I.M. Jose Manuel Ribeiro / Reuters

8 PUB

Portugal Leaping forward

Portugal Leaping forward Portugal Leaping forward Dr. Pedro Reis Presidente da AICEP Lisboa, 16 de Março 2012 Enquadramento internacional Fonte: EIU (Fev 2012) Nota: PIB a preços de mercado Variação (%) Enquadramento internacional

Leia mais

Angola Breve Caracterização. Julho 2007

Angola Breve Caracterização. Julho 2007 Breve Caracterização Julho 2007 I. Actividade e Preços. Após o final da guerra civil em 2002, e num contexto de relativa estabilidade política, tornou-se numa das economias de mais elevado crescimento

Leia mais

Conferência Alemanha Europeia / Europa Alemã. 26 de novembro de 2014

Conferência Alemanha Europeia / Europa Alemã. 26 de novembro de 2014 Conferência Alemanha Europeia / Europa Alemã 26 de novembro de 2014 1. Empresas Alemãs em Portugal 2. Investimento Direto Alemão em Portugal 3. Exportação / Importação 1. Empresas Alemãs em Portugal Perspetiva

Leia mais

PORTUGALPLUS - Investimento e Exportação

PORTUGALPLUS - Investimento e Exportação 1 PORTUGALPLUS - Investimento e Exportação Excelência na execução como alavanca de crescimento no mercado Alemão Apresentação das primeiras conclusões do estudo Maio, 2013 FÓRUM PARA A COMPETITIVIDADE

Leia mais

Resumo dos resultados da enquete CNI

Resumo dos resultados da enquete CNI Resumo dos resultados da enquete CNI Brasil - México: Interesse empresarial para ampliação do acordo bilateral Março 2015 Amostra da pesquisa No total foram recebidos 45 questionários de associações sendo

Leia mais

As PME. No comércio internacional português

As PME. No comércio internacional português As PME No comércio internacional português Novembro de 2008 1 Índice Nota Introdutória... 2 Caracterização geral das exportações nacionais... 3 Os grandes números... 3 Os principais mercados das empresas

Leia mais

Portugal o parceiro económico da Polónia 2015-10-25 17:26:25

Portugal o parceiro económico da Polónia 2015-10-25 17:26:25 Portugal o parceiro económico da Polónia 2015-10-25 17:26:25 2 Portugal o parceiro económico da Polónia Quadro legal de relações económicas luso-polacas - Tratado de Adesão da Polónia com as Comunidades

Leia mais

A SUA EMPRESA PRETENDE EXPORTAR? - CONHEÇA O ESSENCIAL E GARANTA O SUCESSO DA ABORDAGEM AO MERCADO EXTERNO

A SUA EMPRESA PRETENDE EXPORTAR? - CONHEÇA O ESSENCIAL E GARANTA O SUCESSO DA ABORDAGEM AO MERCADO EXTERNO A SUA EMPRESA PRETENDE EXPORTAR? - CONHEÇA O ESSENCIAL E GARANTA O SUCESSO DA ABORDAGEM AO MERCADO EXTERNO PARTE 03 - MERCADOS PRIORITÁRIOS Introdução Nas últimas semanas dedicamos a nossa atenção ao

Leia mais

Portugal Investimento

Portugal Investimento Portugal Investimento O Investimento Bruto atingiu os 32 mil milhões de euros e o acumulado 71,7 mil milhões de euros o que significa um crescimento de quase 50% nos últimos 5 anos. Cerca de 32% do IDE

Leia mais

América Latina. Diferentes oportunidades

América Latina. Diferentes oportunidades América Latina Diferentes oportunidades Casa da América Latina Missão: estreitar relações culturais, cientificas e económicas entre AL e Portugal e vice-versa. Fundada em 1998, como uma divisão da Câmara

Leia mais

NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME

NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME 15.06.2010 Institucional \ Breve Introdução A NEWVISION é uma empresa Portuguesa de base tecnológica, que tem como objectivo

Leia mais

Reestruturação da Sonae Indústria prosseguiu como planeado durante o exercício de 2000

Reestruturação da Sonae Indústria prosseguiu como planeado durante o exercício de 2000 Informação à Imprensa 8 de Março de 2001 Reestruturação da Sonae Indústria prosseguiu como planeado durante o exercício de 2000 As vendas da Sonae Indústria no exercício de 2000 ascenderam a Euro 1 294

Leia mais

Economia. Jornal Negócios. Classe: Economia/Negócios. Dimensão: n+ 19 11 2012. Imagem: Página (s): S/Cor 1/6 a 9

Economia. Jornal Negócios. Classe: Economia/Negócios. Dimensão: n+ 19 11 2012. Imagem: Página (s): S/Cor 1/6 a 9 Jornal Negócios /Negócios Dimensão: Página (s): 3306 1/6 a 9 /Negócios Câmara do Comércio Luso Alemã tem Chama Amarela traz indústria Autoeuropa mil sócios e na Alemanha de volta às exportações de 3 600

Leia mais

Conferência Crescer, um desígnio nacional

Conferência Crescer, um desígnio nacional Conferência Crescer, um desígnio nacional Associação Comercial de Lisboa 20 de Novembro de 2012 EUROGROUP CONSULTING PORTUGAL O ponto de partida devia ser a parte mais pacífica do dia de hoje mas será

Leia mais

Setúbal, 15 de Março de 2015

Setúbal, 15 de Março de 2015 Setúbal, 15 de Março de 2015 Península de Setúbal 1 421 Km2 9 concelhos 782 044 pessoas Peso na população nacional População ativa (igual à média nacional) 7% 49% Alcochete Almada Barreiro Moita Montijo

Leia mais

Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa. Coimbra, 19 de Novembro de 2010

Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa. Coimbra, 19 de Novembro de 2010 Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa Coimbra, 19 de Novembro de 2010 Enquadramento Enquadramento A importância da Internacionalização na vertente das exportações

Leia mais

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR Viana do Castelo, 11de Fevereiro www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida em resumo

Leia mais

Desafios da Internacionalização O papel da AICEP. APAT 10 de Outubro, 2015

Desafios da Internacionalização O papel da AICEP. APAT 10 de Outubro, 2015 Desafios da Internacionalização O papel da AICEP APAT 10 de Outubro, 2015 Internacionalização - Desafios Diversificar Mercados Alargar a Base Exportadora 38º PORTUGAL TEM MELHORADO A SUA COMPETITIVIDADE

Leia mais

Notícia: Fisipe produz fibra de carbono

Notícia: Fisipe produz fibra de carbono Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Departamento de Economia, Sociologia e Gestão Licenciatura em Gestão 3ºano/2ºsemestre Unidade curricular: Inovação e Gestão da Mudança Docentes: Carla Marques

Leia mais

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas 7 de Novembro de 2014 Internacionalização - Desafios Diversificar Mercados Alargar a Base Exportadora Enquadramento Evolução Recente Comércio

Leia mais

A Indústria Portuguesa de Moldes

A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes tem vindo a crescer e a consolidar a sua notoriedade no mercado internacional, impulsionada, quer pela procura externa, quer por uma competitiva

Leia mais

ÁFRICA DO SUL AERLIS - Oeiras 31.03.2011

ÁFRICA DO SUL AERLIS - Oeiras 31.03.2011 ÁFRICA DO SUL AERLIS - Oeiras 31.03.2011 Alguns factos históricos 1487 Bartolomeu Dias chega ao Cabo da Boa Esperança 1652 Holandeses, ao serviço da Dutch East India Company, instalam-se no Cabo. Colónia

Leia mais

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR INDÚSTRIAS. www.prochile.gob.cl

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR INDÚSTRIAS. www.prochile.gob.cl CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR INDÚSTRIAS www.prochile.gob.cl O Chile surpreende pela sua variada geografia. Suas montanhas, vales, desertos, florestas e milhares de quilômetros de costa, o beneficiam

Leia mais

PÚBLICO ALVO: Promotores de viagens; agentes de viagens; consultores de viagens; operadores de emissivo e receptivo; atendentes.

PÚBLICO ALVO: Promotores de viagens; agentes de viagens; consultores de viagens; operadores de emissivo e receptivo; atendentes. 3. Geografia Turística 3.1 Geografia Turística: Brasil de Ponta a Ponta Proporcionar ao participante melhor compreensão geográfica do país; Apresentar as principais especificidades existentes nos continentes

Leia mais

FIT FOR A NEW ERA ECONOMIA DAS LÍNGUAS PORTUGUESA E ESPANHOLA LÍNGUA, COMÉRCIO EXTERNO E INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PERSPECTIVAS EMPRESARIAIS

FIT FOR A NEW ERA ECONOMIA DAS LÍNGUAS PORTUGUESA E ESPANHOLA LÍNGUA, COMÉRCIO EXTERNO E INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PERSPECTIVAS EMPRESARIAIS LÍNGUA, COMÉRCIO EXTERNO E Paternoster Square Londres ECONOMIA DAS LÍNGUAS PORTUGUESA E ESPANHOLA INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PERSPECTIVAS EMPRESARIAIS Francisco Cary 19 de Maio de 2011 O Mercado dos Países

Leia mais

Calçado português reforça aposta no mercado alemão

Calçado português reforça aposta no mercado alemão Calçado português reforça aposta no mercado alemão O mercado alemão é uma prioridade estratégica para a indústria portuguesa de calçado. Por esse motivo, a presença nacional na GDS, o grande evento do

Leia mais

Perspetivas de colaboração Portugal China, Apoios à internacionalização e o papel da AICEP

Perspetivas de colaboração Portugal China, Apoios à internacionalização e o papel da AICEP Perspetivas de colaboração Portugal China, Apoios à internacionalização e o papel da AICEP AIMINHO Braga, 24 de Outubro, 2014 1 P a g e Distintas Entidades aqui presentes, Senhores Empresários, Minhas

Leia mais

Venezuela. Dossier de Mercado. Maio 2008

Venezuela. Dossier de Mercado. Maio 2008 Venezuela Dossier de Mercado Maio 2008 Venezuela Dossier de Mercado (Maio 2008) Índice 1. O País...3 1.1 Venezuela em Ficha...3 1.2 Organização Política e Administrativa...4 1.3 Situação Económica...5

Leia mais

O papel de Portugal no mundo é mais importante do que imagina

O papel de Portugal no mundo é mais importante do que imagina Informação 8 de Fevereiro de 2011 Campanha institucional do grupo Portucel Soporcel arranca hoje O papel de Portugal no mundo é mais importante do que imagina Arranca hoje a nova campanha institucional

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2015

Anuário Estatístico de Turismo - 2015 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2015 Volume 42 Ano base 2014 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2013-2014

Leia mais

BANCO POPULAR. Parceiro na Internacionalização

BANCO POPULAR. Parceiro na Internacionalização BANCO POPULAR Parceiro na Internacionalização Um Banco Ibérico com Presença Internacional Escritórios de representação Banco Popular Genebra Milão Munique Santiago do Chile Xangai Banco Pastor Buenos Aires

Leia mais

INDÚSTRIA DAS BEBIDAS ANÁLISE SECTORIAL

INDÚSTRIA DAS BEBIDAS ANÁLISE SECTORIAL INDÚSTRIA DAS BEBIDAS ANÁLISE SECTORIAL Outubro 2014 INDÚSTRIA DAS BEBIDAS O presente documento constitui um resumo analítico do desempenho recente dos subsectores que compõem o sector de indústria das

Leia mais

XI Jornadas Técnicas. O Sector Marítimo Português

XI Jornadas Técnicas. O Sector Marítimo Português XI Jornadas Técnicas O Sector Marítimo Português Modernização e Inovação na Construção e Reparação Naval J. Ventura de Sousa e Filipe Duarte IST, 25 de Novembro de 2008 A Associação das Indústrias Marítimas

Leia mais

A Indústria Portuguesa de Moldes

A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes tem vindo a crescer e a consolidar a sua notoriedade no mercado internacional, impulsionada, quer pela procura externa, quer pelo conjunto

Leia mais

Entrevista com Omnitrade, Revestimentos Metálicos, SA. Diogo Osório Administrador Patrícia Carvalho Administradora. www.omnitrade.

Entrevista com Omnitrade, Revestimentos Metálicos, SA. Diogo Osório Administrador Patrícia Carvalho Administradora. www.omnitrade. Entrevista com Omnitrade, Revestimentos Metálicos, SA Diogo Osório Administrador Patrícia Carvalho Administradora www.omnitrade.pt Quality Media Press O que representa a empresa o mercado português? R.

Leia mais

Elaborado por: António Esteves WWF Mediterranean - GFTN Iberia

Elaborado por: António Esteves WWF Mediterranean - GFTN Iberia Elaborado por: António Esteves WWF Mediterranean - GFTN Iberia Revisto por: Luís Neves Silva, WWF Mediterranean Portugal Félix Romero, WWF Spain Nora Berrahmouni, WWF Mediterranean O panda que simboliza

Leia mais

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos 2012 1 2 Sobre a COSEC O que é o Seguro de Créditos

Leia mais

EXPORTAÇÕES AUTOMÓVEL. Indústria. ograndemotor de crescimento da indústria 98%

EXPORTAÇÕES AUTOMÓVEL. Indústria. ograndemotor de crescimento da indústria 98% ESTE SUPLEMENTO FAZ PARTE INTEGRANTE DO DIÁRIO ECONÓMICO Nº 6074 DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014 E NÃO PODE SER VENDIDO SEPARADAMENTE Indústria AUTOMÓVEL Mesmo não tendo fábricas em Portugal, muitos marcas recorrem

Leia mais

POLÓNIA Relações bilaterais Polónia - Portugal

POLÓNIA Relações bilaterais Polónia - Portugal POLÓNIA Relações bilaterais Polónia - Portugal Visita da missão de PPP do Ministério da Economia da Polónia a Portugal Bogdan Zagrobelny Primeiro Conselheiro EMBAIXADA DA POLÓNIA DEPARTAMENTO DE PROMOÇÃO

Leia mais

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas Porto, 28 de Janeiro de 2014 Índice 1. Enquadramento 2. A aicep Portugal Global 3. Produtos e serviços AICEP Enquadramento Enquadramento

Leia mais

INTERNACIONALIZAR EM PARCERIA

INTERNACIONALIZAR EM PARCERIA INTERNACIONALIZAR EM PARCERIA 2 PROGRAMA INTERNACIONALIZAR EM PARCERIA A Mota-Engil Indústria e Inovação e a Caixa Capital celebraram um acordo para a concretização de um Programa, designado Internacionalizar

Leia mais

QUADRO LEGAL DE RELAÇÕES ECONÓMICAS LUSO-POLACAS COMÉRCIO BILATERAL

QUADRO LEGAL DE RELAÇÕES ECONÓMICAS LUSO-POLACAS COMÉRCIO BILATERAL capa QUADRO LEGAL DE RELAÇÕES ECONÓMICAS LUSO-POLACAS Tratado de Adesão da Polónia com as Comunidades Europeias, de 16 de Abril de 2003 (em vigor até 1 de Maio de 2004), O Acordo de apoio e proteção mútua

Leia mais

1.a. Atividades principais concepção, produção, desenvolvimento e distribuição de bens duráveis e produtos profissionais. São três as suas divisões:

1.a. Atividades principais concepção, produção, desenvolvimento e distribuição de bens duráveis e produtos profissionais. São três as suas divisões: Electrolux AB 1. Principais Características Matriz: Electrolux AB Localização: Estocolmo, Suécia Ano de fundação: 1901 Internet: www.electrolux.com Faturamento (2000): US$ 11.537 mi Empregados (2000):

Leia mais

nº 3 Novembro 2009 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR

nº 3 Novembro 2009 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR nº 3 Novembro 29 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR O VINHO NOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR Índice 1. INTRODUÇÃO 2 2. PRODUÇÃO 3 3. EXPORTAÇÃO 5 4.

Leia mais

FISIPE a via Europeia para entrar no negócio da Fibra de Carbono. Março 2012 Instituto de Defesa Nacional 1

FISIPE a via Europeia para entrar no negócio da Fibra de Carbono. Março 2012 Instituto de Defesa Nacional 1 FISIPE a via Europeia para entrar no negócio da Fibra de Carbono Março 2012 Instituto de Defesa Nacional 1 Fibra de Carbono um negócio com fortes barreiras à entrada Precursor Custos de Operação Tecnologia

Leia mais

1. (PT) - Correio da Manhã, 20/08/2013, Escassez de efectivos 1. 2. (PT) - Diário de Notícias da Madeira, 20/08/2013, Ordem dos Engenheiros 2

1. (PT) - Correio da Manhã, 20/08/2013, Escassez de efectivos 1. 2. (PT) - Diário de Notícias da Madeira, 20/08/2013, Ordem dos Engenheiros 2 Tema de Pesquisa: Internacional 20 de Agosto de 2013 Revista de Imprensa 20-08-2013 1. (PT) - Correio da Manhã, 20/08/2013, Escassez de efectivos 1 2. (PT) - Diário de Notícias da Madeira, 20/08/2013,

Leia mais

28-06-2011. Onde? Como? O quê? Fórum Exportações AÇORES. - Caracterização e Potencial das Exportações Regionais - 1. Internacionalização

28-06-2011. Onde? Como? O quê? Fórum Exportações AÇORES. - Caracterização e Potencial das Exportações Regionais - 1. Internacionalização Fórum Exportações AÇORES Caracterização e Potencial das Exportações Regionais Gualter Couto, PhD Ponta Delgada, 27 de Junho de 2011 1. Internacionalização Internacionalização: Processo Estrutura Organizacional

Leia mais

Cork Information Bureau 2015. Informação à Imprensa 28 de Agosto de 2015. EXPORTAÇÕES DE CORTIÇA CRESCEM 7,8% (1º. Semestre 2015) apcor.

Cork Information Bureau 2015. Informação à Imprensa 28 de Agosto de 2015. EXPORTAÇÕES DE CORTIÇA CRESCEM 7,8% (1º. Semestre 2015) apcor. Informação à Imprensa 28 de Agosto de 2015 EXPORTAÇÕES DE CORTIÇA CRESCEM 7,8% (1º. Semestre 2015) apcor.pt Exportações de Cortiça crescem 7,8% As exportações portuguesas de cortiça registaram, no primeiro

Leia mais

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 22/01 Economia 25/01 Comércio Internacional 26/01 Taxas de Juro 29/01 Economia 31/01 Desemprego 31/01 Investimento Banco de Portugal divulgou Boletim Estatístico Janeiro 2007 http://epp.eurostat.ec.europa.eu/pls/portal/docs/page/pgp_prd_cat_prerel/pge_cat_prerel_year_2007/pge_

Leia mais

Náutica. Desenvolvimento Económico e Cultura Marítima. Lisboa, 8 de Fevereiro de 2012

Náutica. Desenvolvimento Económico e Cultura Marítima. Lisboa, 8 de Fevereiro de 2012 Náutica Desenvolvimento Económico e Cultura Marítima Lisboa, 8 de Fevereiro de 2012 Aicep Portugal Global é uma agência pública de natureza empresarial, cuja missão é: Atrair investimento estrangeiro para

Leia mais

A Indústria Portuguesa de Moldes

A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes tem vindo a crescer e a consolidar a sua notoriedade no mercado internacional, impulsionada, quer pela procura externa, quer por uma competitiva

Leia mais

INTERNACIONALIZAR EM PARCERIA

INTERNACIONALIZAR EM PARCERIA INTERNACIONALIZAR EM PARCERIA 2 PROGRAMA INTERNACIONALIZAR EM PARCERIA A Portugal Ventures, Caixa Capital e Mota-Engil Industria e Inovação celebraram um acordo para a concretização de um Programa, designado

Leia mais

Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula.

Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula. Trabalho 01 dividido em 2 partes 1ª Parte Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula. 2ª Parte Perguntas que serão expostas após a apresentação da 1ª Parte, e que

Leia mais

O incumprimento entre empresas aumenta, em comparação com 2011

O incumprimento entre empresas aumenta, em comparação com 2011 Lisboa, 29 de Maio de 2013 Estudo revela que os atrasos nos pagamentos entre empresas na região da Ásia - Pacífico se agravaram em 2012 - As empresas estão menos optimistas relativamente à recuperação

Leia mais

FICHA DE INTERNACIONALIZAÇÃO AZEITE

FICHA DE INTERNACIONALIZAÇÃO AZEITE FICHA DE INTERNACIONALIZAÇÃO AZEITE CENÁRIO DE ANTECIPAÇÃO BREVE CARATERIZAÇÃO DIAGNÓSTICO O ANÁLISE INTERNA - PONTOS FORTES O ANÁLISE INTERNA - PONTOS FRACOS O ANÁLISE EXTERNA - OPORTUNIDADES OU OPORTUNIDADES

Leia mais

Alentejo no horizonte 2020 Desafios e Oportunidades

Alentejo no horizonte 2020 Desafios e Oportunidades Alentejo no horizonte 2020 Desafios e Oportunidades Vendas Novas - 02 de julho de 2013 aicep Portugal Global é uma agência pública de natureza empresarial, cuja missão é: Atrair investimento estrangeiro

Leia mais

MAIS PROTEÇÃO PARA O SEU NEGÓCIO. CÁ DENTRO E LÁ FORA.

MAIS PROTEÇÃO PARA O SEU NEGÓCIO. CÁ DENTRO E LÁ FORA. MAIS PROTEÇÃO PARA O SEU NEGÓCIO. CÁ DENTRO E LÁ FORA. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Porquê a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida COSEC em resumo

Leia mais

Panorama Mundial (2013)

Panorama Mundial (2013) Panorama Mundial (2013) Produção mundial alcançou US$ 444 bilhões em 2013; Mesmo com os efeitos da crise internacional, registra 85% de crescimento desde 2004, a uma taxa média de 7% ao ano; 54% da produção

Leia mais

O processo de concentração e centralização do capital

O processo de concentração e centralização do capital O processo de concentração e centralização do capital Pedro Carvalho* «Algumas dezenas de milhares de grandes empresas são tudo, os milhões de pequenas empresas não são nada», afirmava Lénine no seu livro

Leia mais

Sonae Sierra regista um Resultado Líquido de 96,3 milhões em 2014

Sonae Sierra regista um Resultado Líquido de 96,3 milhões em 2014 Maia - Portugal, 5 de Março de 2015 Sonae Sierra regista um Resultado Líquido de 96,3 milhões em 2014 Resultado Direto atinge 52,7 milhões EBIT de 106,1 milhões Resultado Indireto atinge 43,6 milhões Dois

Leia mais

Preçário dos Cartões Telefónicos PT

Preçário dos Cartões Telefónicos PT Preçário dos Cartões Telefónicos PT Cartão Telefónico PT 5 e (Continente)... 2 Cartão Telefónico PT 5 e (Região Autónoma dos Açores)... 6 Cartão Telefónico PT 5 e (Região Autónoma da Madeira)... 10 Cartão

Leia mais

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP ****

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** Gostaria de começar por agradecer o amável convite da CIP para participarmos nesta conferência sobre um tema determinante para o

Leia mais

Estados Unidos da América

Estados Unidos da América FICHA DE MERCADO Estados Unidos da América I BREVE CARACTERIZAÇÃO Os EUA são um dos maiores países do mundo, ocupando a terceira posição tanto em termos de área, com uma superfície de quase 10 milhões

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2012

Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Volume 39 Ano base 2011 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2010-2011

Leia mais

Começar Global e Internacionalização

Começar Global e Internacionalização Começar Global e Internacionalização Artur Alves Pereira Assessor do Conselho de Administração, AICEP Portugal Global Fevereiro 06, 2014 1 A aicep Portugal Global Missão. A aicep Portugal Global é uma

Leia mais

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos).

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos). Nov-02 Nov-03 Nov-04 Nov-05 Nov-06 Nov-07 Nov-08 Nov-09 Nov-10 Nov-12 Análise de Conjuntura Dezembro 2012 Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer

Leia mais

Madeira: Global Solutions for Wise Investments

Madeira: Global Solutions for Wise Investments Madeira: Global Solutions for Wise Investments Madeira: Global Solutions for Wise Investments O Centro Internacional de Negócios da Madeira Lisboa, 20 de Abril de 2010 Índice 1. Fundamentos do CINM 2.

Leia mais

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015 Missão Empresarial EUA Flórida 21 a 26 de Março 2015 Apoiamos empresas a ter sucesso nos mercados internacionais Sobre nós Na Market Access prestamos serviços de apoio à exportação e internacionalização.

Leia mais

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos Os Desafios da Fileira da Construção As Oportunidades nos Mercados Externos Agradeço o convite que me foi dirigido para participar neste Seminário e felicito a AIP pela iniciativa e pelo tema escolhido.

Leia mais

A INDÚSTRIA TÊXTIL E VESTUÁRIO PORTUGUESA

A INDÚSTRIA TÊXTIL E VESTUÁRIO PORTUGUESA A INDÚSTRIA TÊXTIL E VESTUÁRIO PORTUGUESA Maio 2013 ATP Associação Têxtil e Vestuário de Portugal A ITV Portuguesa 2012 Volume de Negócios: 5.800 M * Produção: 4.910 M * Emprego: cerca de 150.000* Importações:

Leia mais

A Importância da Fileira Florestal

A Importância da Fileira Florestal A Importância da Fileira Florestal Tanto na análise internacional como doméstica é notória a importância das actividades que integram as fileiras florestais, havendo uma maior consciência do seu contributo

Leia mais

Entrevista com FTM Holding. Com quality media press para LA VANGUARDIA & Expresso. Francisco Tavares Machado. Presidente

Entrevista com FTM Holding. Com quality media press para LA VANGUARDIA & Expresso. Francisco Tavares Machado. Presidente Entrevista com FTM Holding Com quality media press para LA VANGUARDIA & Expresso Francisco Tavares Machado Presidente Quality Media Press quais os principais sectores de actividade do Grupo FTM? R. O Grupo

Leia mais

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 27/09 Turismo 27/09 Taxas de Juro 21/09 Energia 19/09 Taxas de Juro 15/09 Economia 12/09 Economia INE divulgou Viagens turísticas de residentes 2.º Trimestre de 2006 http://www.ine.pt/prodserv/destaque/2006/d060927/d060927.pdf

Leia mais

A DISTRIBUIÇÃO TÊXTIL E DE VESTUÁRIO EM PORTUGAL TENDÊNCIAS FUTURAS SERVIMODA, SARAGOÇA, 28 DE OUTUBRO DE 2010 PAULO VAZ

A DISTRIBUIÇÃO TÊXTIL E DE VESTUÁRIO EM PORTUGAL TENDÊNCIAS FUTURAS SERVIMODA, SARAGOÇA, 28 DE OUTUBRO DE 2010 PAULO VAZ A DISTRIBUIÇÃO TÊXTIL E DE VESTUÁRIO EM PORTUGAL SERVIMODA, SARAGOÇA, 28 DE OUTUBRO DE 2010 PAULO VAZ Fileira Industrial Têxtil e Vestuário + 5.000 Empresas (95% PME s) 85% Localizadas na Região Norte

Leia mais

METALOMECÂNICA RELATÓRIO DE CONJUNTURA

METALOMECÂNICA RELATÓRIO DE CONJUNTURA METALOMECÂNICA RELATÓRIO DE CONJUNTURA 1. Indicadores e Variáveis das Empresas A indústria metalomecânica engloba os sectores de fabricação de produtos metálicos, excepto máquinas e equipamento (CAE )

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011 Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 População a Milhares Hab. INE 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.636 10.643 2º Trimestre

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 03 março 2012 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e do Emprego G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais

Leia mais

A importância da IAA para o crescimento da economia Ambição 2020 na rota do crescimento

A importância da IAA para o crescimento da economia Ambição 2020 na rota do crescimento A importância da IAA para o crescimento da economia Ambição 2020 na rota do crescimento Nuno Netto nnetto@deloitte.pt 28 de Outubro 2014 Agenda 2014. Para informações, contacte Deloitte Consultores, S.A.

Leia mais

SUPER RANKING MUNDIAL DE CLUBES DE FUTEBOL ( SRM) MELHORAMENTOS ANUAIS 2012

SUPER RANKING MUNDIAL DE CLUBES DE FUTEBOL ( SRM) MELHORAMENTOS ANUAIS 2012 SUPER RANKING MUNDIAL DE CLUBES DE ( SRM) MELHORAMENTOS ANUAIS 2012 Dezembro 2011 1- Introdução A metodologia do SRM estabelece que o modelo seja revisto no final de cada ano. As alterações resultantes

Leia mais

CRESCER COM SEGURANÇA. CÁ DENTRO E LÁ FORA. www.cosec.pt

CRESCER COM SEGURANÇA. CÁ DENTRO E LÁ FORA. www.cosec.pt CRESCER COM SEGURANÇA. CÁ DENTRO E LÁ FORA. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Porquê a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida 2 Sobre a COSEC Quem somos

Leia mais

tem Soares dos Santos mais dinheiro na bolsa que China e Angola juntos - P3O

tem Soares dos Santos mais dinheiro na bolsa que China e Angola juntos - P3O tem Soares dos Santos mais dinheiro na bolsa que China e Angola juntos - P3O Soares dos Santos tem mais dinheiro na bolsa que China e Angola juntos A subida das acções da Jerónimo Martins levou a família

Leia mais

PORTUGAL NA LINHA DA FRENTE

PORTUGAL NA LINHA DA FRENTE Care Europ Assistance News n. 24 novembro 2012 PORTUGAL NA LINHA DA FRENTE Nesta edição, vá pelos seus dedos e saiba como a Europ Assistance Portugal se tem distinguido, pela mão de Manrico Iachia, a nível

Leia mais

8, 9 e 10 NOVEMBRO 2011 LISBOA. Novos Mercados Encontro de Sectores INSCREVA-SE JÁ. Especial: MERCADOS INTERNACIONAIS. www.expoenergia2011.about.

8, 9 e 10 NOVEMBRO 2011 LISBOA. Novos Mercados Encontro de Sectores INSCREVA-SE JÁ. Especial: MERCADOS INTERNACIONAIS. www.expoenergia2011.about. 8, 9 e 10 NOVEMBRO 2011 LISBOA Centro de Congressos Univ. Católica Novos Mercados Encontro de Sectores Especial: MERCADOS INTERNACIONAIS ORGANIZAÇÃO PARCEIRO PATROCÍNIO INSCREVA-SE JÁ www.expoenergia2011.about.pt

Leia mais

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação 1 Incentivos financeiros à internacionalização Em 2010 os incentivos financeiros à internacionalização, não considerando

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 07 julho 2011 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia, da Inovação e do Desenvolvimento G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_

Leia mais

Madeira: Global Solutions for Wise Investments

Madeira: Global Solutions for Wise Investments Madeira: Global Solutions for Wise Investments Madeira: Global Solutions for Wise Investments Centro Internacional de Negócios da Madeira Um Instrumento de Política de Desenvolvimento e Sustentabilidade

Leia mais

Inserir mapa Densidade Populacional : 103,8hab/km2

Inserir mapa Densidade Populacional : 103,8hab/km2 Área : 543.965 Km2 (França metropolitana) População : 65 milhões (estimativa 2013) Inserir mapa Densidade Populacional : 103,8hab/km2 Divisão Administrativa : A França está administrativamente dividida

Leia mais

Integração produtiva e cooperação industrial: LEONARDO SANTANA

Integração produtiva e cooperação industrial: LEONARDO SANTANA Integração produtiva e cooperação industrial: a experiência da ABDI LEONARDO SANTANA Montevidéu, 15 de julho de 2009 Roteiro da Apresentação 1. Política de Desenvolvimento Produtivo PDP 2. Integração Produtiva

Leia mais

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 COMUNICADO No: 58 Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 10 de dezembro de 2015 (Genebra) - A International Air Transport Association (IATA) anunciou

Leia mais

Comércio Internacional dos Açores

Comércio Internacional dos Açores VII Jornadas Ibero-Atlânticas de Estatística Regional 09/10/2015 Cristina Neves INE- Departamento de Estatísticas Económicas Comércio Internacional dos Açores Estrutura da apresentação Estatísticas do

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Exercício de 2011 EMPRESAS DO SETOR DA CONSTRUÇÃO - ANÁLISE ECONÓMICO-FINANCEIRA

FICHA TÉCNICA. Exercício de 2011 EMPRESAS DO SETOR DA CONSTRUÇÃO - ANÁLISE ECONÓMICO-FINANCEIRA EMPRESAS DO SETOR DA CONSTRUÇÃO ANÁLISE ECONÓMICO-FINANCEIRA - - Instituto da Construção e do Imobiliário, I.P. FICHA TÉCNICA Título: Empresas do Setor da Construção Análise Económico-Financeira Autoria:

Leia mais

Espanha - Síntese País e Relacionamento Bilateral

Espanha - Síntese País e Relacionamento Bilateral Informação Geral sobre Espanha Área (km 2 ): 504 880 Primeiro-Ministro: Mariano Rajoy População (milhões hab.): 47,1 (estimativa ) Risco de crédito: (*) Capital: Madrid Risco do país: BBB (AAA = risco

Leia mais

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP PME em Números PME em Números 1 Nota introdutória De acordo com o disposto na definição europeia 1, são classificadas como PME as empresas com menos de 250 trabalhadores cujo volume de negócios anual não

Leia mais

Máquinas- ferramentas AEP / GABINETE DE ESTUDOS

Máquinas- ferramentas AEP / GABINETE DE ESTUDOS Máquinas- ferramentas AEP / GABINETE DE ESTUDOS MAIO DE 2004 A fabricação de máquinas-ferramentas (CAE 294) reunia, em 2001, 156 empresas e 2323 trabalhadores, empregando, cada unidade de produção, em

Leia mais

Espanha continuou a ser o país com maior peso nas transações comerciais de bens com o exterior (23,5% nas exportações e de 32,5% nas importações).

Espanha continuou a ser o país com maior peso nas transações comerciais de bens com o exterior (23,5% nas exportações e de 32,5% nas importações). Estatísticas do Comércio Internacional 214 7 de julho de 215 Resultados preliminares do Comércio Internacional em 214: em termos nominais, as exportações aumentaram 1,8% e as importações aumentaram 3,2%

Leia mais

Tabelas anexas Capítulo 7

Tabelas anexas Capítulo 7 Tabelas anexas Capítulo 7 Tabela anexa 7.1 Indicadores selecionados de inovação tecnológica, segundo setores das indústrias extrativa e de transformação e setores de serviços selecionados e Estado de São

Leia mais

ENGAGEMENT RATING PORTUGAL 2011

ENGAGEMENT RATING PORTUGAL 2011 Edição 2011 ENGAGEMENT RATING PORTUGAL 2011 Enquadramento... 3 A metodologia do Engagement Rating... 6 Controlo de qualidade... 8 Painel de Peritos... 9 Resultados... 10 Conclusões... 22 Recomendações

Leia mais

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS www.prochile.gob.cl O Chile surpreende pela sua variada geografia. Suas montanhas, vales, desertos, florestas e milhares de quilômetros de costa, o beneficiam

Leia mais

VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO

VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO 1 - CHINA 2 - ESTADOS UNIDOS 2014 34.292 84,4 4.668 11,5 1.625 4,0 6.370 23,6 5.361 19,8 13.667 50,6 2013 38.973 84,7 5.458 11,9

Leia mais