REVISTA SABER ACADÊMICO N 16 / ISSN VASCONCELLOS, A. R IDENTIDADE NA PERSPECTIVA DE ZYGMUNT BAUMAN

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REVISTA SABER ACADÊMICO N 16 / ISSN 1980-5950 VASCONCELLOS, A. R. 2013. IDENTIDADE NA PERSPECTIVA DE ZYGMUNT BAUMAN"

Transcrição

1 43 Artigo original IDENTIDADE NA PERSPECTIVA DE ZYGMUNT BAUMAN VASCONCELLOS, A. R. 1 Nome Completo: Ana Rodrigues Vasconcellos Artigo submetido em: 10/06/2013 Aceito em: 30/10/2013 Correio eletrônico: RESUMO O livro Identidade de Bauman é escrito com base em uma entrevista entre Benedetto Vecchhi e Bauman, onde é dispensado entrevistas formais e técnicas de coleta de dados para o uso informal do . Bauman acaba surpreendendo o autor com suas memoráveis contribuições ao tema proposto, Identidade. Benedetto destaca com particularidade a figura de Bauman como sociólogo e como o mesmo se destaca dos demais, pois suas reflexões não apenas contextualizam os acontecimentos, mas estabelece-os como fenômenos sociais. Bauman estabelece um grande vínculo de afetividade com a esposa Janine, que relata carinhosamente a sua participação nas suas produções intelectuais bem como sua vida pessoal. Partindo desses princípios, este trabalho se propõe a um diálogo sobre a Identidade e suas características sociais estabelecidas por BAUMAN, Zygmunt. Palavras Chaves: Identidade, Sociologia, Psicologia, Modernidade, Líquida. ABSTRACT Identity The book is written based on an interview between Benedetto Vecchhi and Bauman, which is waived formal interviews and data collection techniques for informal use of , Bauman ends up surprising the author with his memorable contributions to the proposed theme, Identity. Benedetto out with particularity the figure as a sociologist 1 Ana Cristina Rodrigues de Vasconcellos Docente da UNIESP Ribeirão Preto PEDAGOGA, MESTRE EM EDUCAÇÃO E PSICÓLOGA.

2 Bauman and how it stands out from the rest, as his reflections not only contextualize the events, but establishes them as social phenomena. Bauman establishes a great bond of affection with his wife Janine, who affectionately describes his participation in their intellectual productions as well as his personal life. Based on these principles, this paper propose a dialogue on identity and their social characteristics established by Bauman, Zygmunt. Keywords: Identity, Sociology, Psychology, Modernity, Net 44 INTRODUÇÃO A trajetória de Bauman, sendo de família judia, tendo servido no exército polonês, traz grandes contribuições para o seu pensamento sobre temas relevantes, que o inspira a publicar algumas de suas importantes obras. Bauman iniciou a sua carreira na Universidade de Varsóvia onde teve algumas de suas obras censuradas. Um dos clássicos de Bauman foi a obra intitulada de: Modernidade e Holocausto tornando-o conhecido pela sua criticidade ao regime Nazista e suas considerações sobre a liberdade. Bauman tem muitas obras publicadas, inclusive no Brasil, entre elas destacamos: Amor líquido, Globalização: as conseqüências humanas e Vidas Desperdiçadas. Em sua obra Identidade, pode-se perceber o quanto Bauman estabelece vínculos com diversos segmentos sociais interpretando-os de forma inteligente e envolvente, pois a leitura de sua obra nos remete a um processo de grande reflexão sobre nós mesmos e sobre a nossa realidade social. Bauman aborda vários tipos de Identidades e traz reflexões sobre o ato de pertencer. A esse aspecto, me recordo do nosso Hino Nacional Brasileiro e com a seguinte estrofe, Terra Adorada, entre outras mil, és tu Brasil, Ó pátria amada, dos filhos desse solo és mãe gentil, Pátria amada Brasil. Ao que parece, temos a necessidade de nos afirmar enquanto brasileiros, filhos desse chão, dessa terra, Bauman vivencia isso também, quando está para decidir sobre qual hino seria tocado na sua homenagem, percebi o quanto o sentimento de pertença é importante para nossas vidas e o quanto isso influencia nas nossas falas e até na nossa existência. A esse aspecto, Bauman trabalha a questão da pertença e da Identidade como algo que não é tão sólido, mas negociável os define como flutuantes, algumas, de nossa própria escolha e outras lançadas por pessoas a nossa volta. Bauman inclui a reflexão sobre família, estado e Igreja como constituintes importantes na construção da Identidade.

3 45 Quando fala em Identidade Nacional, percebe-se que o autor considera a questão do Estado moderno no enfrentamento de novas possibilidades de relações a partir das novas identidades produzidas pela sociedade do consumo. A própria questão habitacional, onde um aglomerado de pessoas convive num determinado espaço de terra buscando afirmar suas raízes, seus berços e laços familiares e ainda os que vagam pelas ruas com a sensação de não pertencer nem a este nem aquele lugar os quais Bauman os trata de pessoas sem senhor ou até mesmo pessoas sem dono. BAUMAN E A SOCIEDADE LÍQUIDO MODERNA A essa ideia de sem dono Bauman contextualiza a chamada Comunidade Virtual onde cada um assume o papel que quer, e a qualquer momento pode deixar de pertencer a essa ou aquela comunidade sem danos aparentes. comunidades de frágeis. Bauman chama essas Bauman me faz refletir sobre nossas comunidades virtuais como possibilidades de fuga e de adquirir outras identidades das quais não precisamos dar conta a ninguém. Não que seja contra a tecnologia, mas reitero o autor nas suas considerações do quanto à presença física de alguém, um olhar atencioso pode mudar as nossas relações de proximidade. De acordo com Bauman, parece que estamos numa grande onda de esquizofrenia digital onde o estar junto só faz sentido de precisarem de você ou se ganhar algo em troca. É nisso que nós, habitantes do líquido mundo moderno, somos diferentes. Buscamos, construímos e mantemos as referências comunais de nossas identidades em movimento lutando para nos juntarmos aos grupos igualmente móveis e velozes que procuramos, construímos e tentamos manter vivos por um momento, mas não por muito tempo. (BAUMAN, 2005, p. 32) Essa diferença apontada por Bauman, nada mais é do que a sensação de uma liberdade que não existe verdadeiramente, pois a cada dia nos tornamos mais parecidos um com os outros, pois a nossa forma de vida acaba se moldando nas etiquetas e nos prazos de validade dos produtos que adquirimos para pertencermos a comunidade e sermos habitantes do mundo em movimento. Segundo Bauman, na sociedade líquido-moderna, nos ligamos aos nossos celulares e desligamo-nos completamente da vida sendo capazes de andarmos em uma rua cheia sem

4 46 ver as pessoas. Aqui cabe ressaltar quando Bauman fala sobre o processo de individualização em excesso, as identidades são bênçãos ambíguas que oscilam entre o sonho e o pesadelo e não há como dizer onde um se transforma no outro. As relações de trabalho e da posição ou cargo que ocupa em determinada empresa acabam por determinar o bom ou mau cidadão que é. Pessoas comuns vivem inúmeros projetos de vida, sem sequer terem tempo para reflexão e decidirem se querem ou não buscar alternativas de mudanças. Nessa perspectiva, muitos encontram oprimidos por identidades impostas pelos outros, identidades de que eles próprios se ressentem, mas não têm permissão para abandonar. A esse aspecto, Bauman fala sobre a chamada Subclasse, onde pessoas que perderam o direito de ter a sua identidade preservada por ser filho de mãe solteira, mendigo, viciado em drogas, e assim sucessivamente. Percebo o processo de exclusão nessa situação específica e o quanto a nossa sociedade é medíocre com os chamados diferentes Lembro do poema de Manuel Bandeira, (1993) que retrata essa realidade; O Bicho Vi ontem um bicho Na imundície do pátio Catando comida entre os detritos. Quando achava alguma coisa, Não examinava nem cheirava: Engolia com voracidade. O bicho não era um cão, Não era um gato, Não era um rato. O bicho, meu Deus, Era um homem. (MANOEL BANDEIRA, 1993) Bauman retrata a miséria como uma produção do capitalismo desenfreado quando fala do lixo humano que tem sido despejado em lugares por onde a economia foi praticada provocando um aumento da pobreza e da desigualdade social. Quando abordado sobre o significado de cidadania, Bauman descreve o descaso e despreparo do Estado nas mínimas provisões que seriam cabíveis aos menos favorecidos e que por não dar conta da demanda, acaba sendo desacreditado da população. Ao que parece, a população além do descrédito nas promessas do Governo do Estado, ainda sofrem com a experiência do abandono e desprovidos de qualquer amparo se sentem renegados e desprotegidos e ainda assombrados com a exclusão. Bauman chama de

5 47 comunidade fundamentalista a sensação de expectativa e prazer de se pagar para a diminuição da espera e do desejo, formando a sociedade do cartão de crédito, onde se tem o que quer a hora que quer. A comparação da formação da Identidade com um quebra cabeças, nos remete a construção da Identidade pela racionalidade do objetivo, onde se tem algumas peças, mas não se sabe exatamente o resultado final do jogo. Nessa construção da identidade, não há modelos pré-definidos ou estabelecidos por um desenho ou diagrama, não é possível ajustar todas as peças, pois nem sempre elas se encaixam. Bauman fala do processo de libertação ao poder de atribuir tarefas e objetivos na criação dessa Identidade. Nesse momento, a sociedade rígida, passa a ser considerada por Bauman uma sociedade líquida. No processo de liquidez, a sociedade rígida sofre com o desmantelamento dos direitos e obrigações que atavam pés e mãos que impossibilitavam os movimentos e iniciativas. Assim, derretendo esses sólidos, as redes de relações sociais estariam desprotegidas e expostas a outras regras de ações. O derretimento dos sólidos gera com isso, uma progressiva liberdade na economia no que tange as tradições políticas, éticas e culturais. Sedimentando uma nova ordem econômica. Bauman relata sobre o ressurgimento do nacionalismo e da procura por autonomia e independência em meio à crise social causada pela perda dos meios convencionais de proteçã0 ficando de fora os ventos congelantes, furacões, tempestades emboscadas dando lugar ao aconchego de estar dentro um sonho agradável, uma visão do paraíso. Os relacionamentos descritos por Bauman nos dão o entendimento de que se busca a realização pessoal independente de qualquer coisa ou pessoa. Num relacionamento, as pessoas estão mais dispostas a trocar ou desfazer do que não lhes interessa do que estabelecer laços e vínculos duradouros. A única razão de manter algo ou alguém por perto está na expectativa de satisfação a qualquer preço. A valorização das relações está diretamente relacionada com o valor que damos as coisas, segundo Bauman, os relacionamentos passam pelo teste da validade, e se já estão em desuso, com algum defeito, devem ser retirados de circulação. Percebo que a cada momento, incentivados que somos pela mídia ou outros, substituímos pessoas por pessoas por acharmos que seu prazo de validade acabou. Não estaríamos então nos identificando como objetos também? O investimento na área amorosa vem sendo descartado para que não se estabeleça vínculo ou compromisso mútuo. Nesse caso, a Internet é apontada por Bauman como meio de

6 48 salvação para alguns, pois não é necessário relacionar-se ou correr perigo com o próximo, gerando falta de comprometimento e relacionamentos frágeis. Numa sociedade sem respostas para muitas indagações, surge a figura de Deus, com certeza pensada, estudada, admirada e odiada por muitos. Quando não se tem explicação para os nossos imediatismos, então atribuímos a Deus as respostas e nos damos conta de que não é necessário entrar em conflito com algo que não nos pertence. Cada cultura e raça criam e recriam formas e técnicas para acessá-lo, pois ele sempre estará lá. CONSIDERAÇÕES FINAIS Embora Bauman fale das confusões sociais de afirmação das identidades, também relaciona as mesmas classes sociais com o fundamentalismo religioso. Bauman nos fala que muitas igrejas acabam por exercer o papel do estado quando reconhece e valoriza a simplicidade das pessoas que ali se achegam. Tais movimentos religiosos, na sua grande maioria, se estabelecem em comunidades empobrecidas e esquecidas pelo Estado Social num processo de acolhimento. Quando Bauman fala do processo de globalização destaca a complexidade das relações criadas a partir do uso das novas tecnologias da comunicação que nos permite falsear identidades como um simples passatempo, ele alerta para o risco de criar falso o que nem se tem de verdadeiro, no caso a identidade, destacando a correria das pessoas em busca do modismo. Estar conectado a grande rede não exatamente pressupõem estar aceito. O perigo da substituição da pessoa real pela virtual está cada vez mais em moda. Na grande teia, é possível ter um milhão de amigos sem se quer ter conhecido um. Nesse cenário virtual, o contato pode ser interrompido ou deletado a qualquer momento, bastando para isso um único click. O contato vital se tornou a forma mais segura de manter possíveis escolhas e desejos. Bauman ainda fala sobre à auto identificação e que tem poucas chances para ser concluída, e que não há receitas infalíveis para resolver os dilemas criados e comentados durante a entrevista. Bauman: Encerro essa conversa, com uma citação de Bennedetto Vechhi a respeito de Parafraseando uma de suas respostas a respeito da identidade, podemos afirmar com segurança que a

7 globalização, ou melhor, a modernidade líquida, não é um quebra-cabeça que se possa resolver com base num modelo preestabelecido. Pelo contrário, deve ser vista como um processo, tal como sua compreensão e análise da mesma forma que a identidade que se afirma na crise do multiculturalismo, ou no fundamentalismo islâmico, ou quando a internet facilita a expressão de identidades prontas para serem usadas. (BAUMAN, 2005, p. 11) A Esse processo de busca de Identidade e do sentimento de pertença, percebo que Bauman acaba traduzindo o que parecia simples num momento de profunda reflexão sobre nós mesmos, nossas relações, nossa existência e nosso comprometimento com o próximo enquanto cidadãos de uma sociedade líquida. 49

8 50 REFERÊNCIAS BAUMAN, Zygmunt Identidade: entrevista a Benedetto Vecchi. Rio de Janeiro: J. Zahar. MANUEL Bandeira. Estrela da Vida Inteira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, (20ª ed.), pp e 222 BRASIL, Hino Nacional Brasileiro, Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/hino.htm> Acessado em: 19/05/2009

EDUCAÇÃO AO LONGO DA VIDA E SUA RELAÇÃO COM A ECONOMIA SOLIDÁRIA PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

EDUCAÇÃO AO LONGO DA VIDA E SUA RELAÇÃO COM A ECONOMIA SOLIDÁRIA PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL EDUCAÇÃO AO LONGO DA VIDA E SUA RELAÇÃO COM A ECONOMIA SOLIDÁRIA PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Secretaria Nacional de Economia Solidária Ministério do Trabalho e Emprego EDUCAÇÃO AO LONGO DA VIDA

Leia mais

Diálogos na pós-modernidade

Diálogos na pós-modernidade Diálogos na pós-modernidade Romilson Belo 1 Por seres tão inventivo e pareceres contínuo, Tempo tempo tempo tempo, és um dos deuses mais lindos... Tempo tempo tempo tempo... Caetano Veloso, Oração ao Tempo,

Leia mais

REVISTA SABER ACADÊMICO N 16 / ISSN 1980-5950 VASCONCELLOS, A. R. 2013. OS CAMINHOS E OS DESCAMINHOS NO PROCESSO DA EXPATRIAÇÃO

REVISTA SABER ACADÊMICO N 16 / ISSN 1980-5950 VASCONCELLOS, A. R. 2013. OS CAMINHOS E OS DESCAMINHOS NO PROCESSO DA EXPATRIAÇÃO 68 Artigo original OS CAMINHOS E OS DESCAMINHOS NO PROCESSO DA EXPATRIAÇÃO VASCONCELLOS, A. R. 1 Nome Completo: Ana Rodrigues Vasconcellos Artigo submetido em: 30/07/2013 Aceito em: 30/09/2013 Correio

Leia mais

Roteiro semanal. 3º ano Matutino. Deus é bom e sua bondade dura para sempre. (Salmos 106:1)

Roteiro semanal. 3º ano Matutino. Deus é bom e sua bondade dura para sempre. (Salmos 106:1) Roteiro semanal 3º ano Matutino De 23 a 27 de fevereiro Colégio Guilherme Ramos. Goiânia, 23 de fevereiro de 2015. Professora: Nome: Turma: 3 ano Ensino Fundamental Segunda-feira 23/02/2015 Português no

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

O BICHO. Anair Holanda Cavalcante

O BICHO. Anair Holanda Cavalcante O BICHO VI ONTEM um bicho Na imundície do pátio Catando comida entre os detritos. Quando achava alguma coisa, Não examinava nem cheirava: Engolia com voracidade. O bicho não era um cão, Não era um gato,

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL LUIS VAZ DE CAMÕES PROJETO: DIA DAS MÃES TRABALHANDO VALORES: PRESENÇA DA MÃE NA FAMÍLIA

ESCOLA ESTADUAL LUIS VAZ DE CAMÕES PROJETO: DIA DAS MÃES TRABALHANDO VALORES: PRESENÇA DA MÃE NA FAMÍLIA ESCOLA ESTADUAL LUIS VAZ DE CAMÕES PROJETO: DIA DAS MÃES TRABALHANDO VALORES: PRESENÇA DA MÃE NA FAMÍLIA IPEZAL/2015 ESCOLA ESTADUAL LUIS VAZ DE CAMÕES PROJETO: DIA DAS MÃES TRABALHANDO VALORES: PRESENÇA

Leia mais

Características de um casamento duradouro

Características de um casamento duradouro Características de um casamento duradouro Características de um casamento duradouro Introdução: Ainda é possível ver um casal já bem idoso de mãos dadas, e que mesmo depois de tantos anos ainda se olham

Leia mais

Relações Humanas e Marketing Pessoal

Relações Humanas e Marketing Pessoal Relações Humanas e Marketing Pessoal Realização: Projeto Ser Tão Paraibano Parceiros: Elaboração: Deusilandia Soares Professor-Orientador: Vorster Queiroga Alves PRINCÍPIOS DE RELAÇÕES HUMANAS Em qualquer

Leia mais

REFLETINDO SOBRE A ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL COM OS ESTUDANTES DA ESCOLA MARIA AMÉLIA

REFLETINDO SOBRE A ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL COM OS ESTUDANTES DA ESCOLA MARIA AMÉLIA REFLETINDO SOBRE A ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL COM OS ESTUDANTES DA ESCOLA MARIA AMÉLIA Yrismara Pereira da Cruz 3, Ana Raquel Holanda Barros¹, Indira Siebra Feitosa¹. Correspondência para: yrismaracruz@hotmail.com

Leia mais

2015 O ANO DE COLHER JANEIRO - 1 COLHER ONDE PLANTEI

2015 O ANO DE COLHER JANEIRO - 1 COLHER ONDE PLANTEI JANEIRO - 1 COLHER ONDE PLANTEI Texto: Sal. 126:6 Durante o ano de 2014 falamos sobre a importância de semear, preparando para a colheita que viria neste novo ano de 2015. Muitos criaram grandes expectativas,

Leia mais

BIBLIOTECA PARA PAIS.

BIBLIOTECA PARA PAIS. Nossa sociedade mudou, temos uma inversão de papeis e valores, mais informação do que podemos absorver, a mulher trabalha fora, o avanço tecnológico foi grande, a família mudou, a criança mudou, o aluno

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 80 Memória Oral 24 de abril de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte,

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO DOS GARIS DA ÁREA CENTRAL DE BELO HORIZONTE

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO DOS GARIS DA ÁREA CENTRAL DE BELO HORIZONTE FACULDADES INTEGRADAS DE PEDRO LEOPOLDO MESTRADO PROFISSIONAL EM ADMINISTRAÇÃO QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO DOS GARIS DA ÁREA CENTRAL DE BELO HORIZONTE Eliana Fátima Belo Pedro Leopoldo 2009 ELIANA FÁTIMA

Leia mais

coleção Conversas #20 - MARÇO 2015 - t t o y ç r n s s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #20 - MARÇO 2015 - t t o y ç r n s s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. Vocês acham possam a coleção Conversas #20 - MARÇO 2015 - cer d o t t o a r que ga cr ia n y ç a s s? Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora

Leia mais

AULA 4 O MESSIAS: SATISFAÇÃO DEFINITIVA, ADORAÇÃO VERDADEIRA E EVANGELIZAÇÃO SEM FRONTEIRAS TEMA: A PRIORIDADE DA EVANGELIZAÇÃO TEXTO: JOÃO 4.

AULA 4 O MESSIAS: SATISFAÇÃO DEFINITIVA, ADORAÇÃO VERDADEIRA E EVANGELIZAÇÃO SEM FRONTEIRAS TEMA: A PRIORIDADE DA EVANGELIZAÇÃO TEXTO: JOÃO 4. AULA 4 O MESSIAS: SATISFAÇÃO DEFINITIVA, ADORAÇÃO VERDADEIRA E EVANGELIZAÇÃO SEM FRONTEIRAS TEMA: A PRIORIDADE DA EVANGELIZAÇÃO TEXTO: JOÃO 4.1-42 INTRODUÇÃO A narrativa da Mulher Samaritana se desenvolve

Leia mais

PONTO DE APOIO SEREM DESENVOLVIDAS NAEDUCAÇÃOINFANTIL EENSINO FUNDAMENTAL, CONSIDERANDO AS HISTÓRIAS PUBLICADAS NA REVISTA PLANETA AZUL EDIÇÃO 142

PONTO DE APOIO SEREM DESENVOLVIDAS NAEDUCAÇÃOINFANTIL EENSINO FUNDAMENTAL, CONSIDERANDO AS HISTÓRIAS PUBLICADAS NA REVISTA PLANETA AZUL EDIÇÃO 142 CAPA PONTO DE APOIO CUIDAR RECONHECER QUE A HORTA ENVOLVE CUIDADOS, COMO IRRIGAÇÃO, DESBASTAÇÃO, ESPAÇAMENTO ENTRE AS MUDAS, COMPOSTAGEM, PODA, ENTRE OUTROS, ALÉM DO MONITORAMENTO DAS FASES DE CRESCIMENTO,

Leia mais

Faça amizades no trabalho

Faça amizades no trabalho 1 Faça amizades no trabalho Amigos verdadeiros ajudam a melhorar a saúde, tornam a vida melhor e aumentam a satisfação profissional. Você tem um grande amigo no local em que trabalha? A resposta para essa

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos.

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos. 1) Como está sendo a expectativa do escritor no lançamento do livro Ser como um rio que flui? Ele foi lançado em 2006 mas ainda não tinha sido publicado na língua portuguesa, a espera do livro pelos fãs

Leia mais

PROGRAMA ESCOLA DA INTELIGÊNCIA - Grupo III ao 5º Ano

PROGRAMA ESCOLA DA INTELIGÊNCIA - Grupo III ao 5º Ano ... CEFF - CENTRO EDUCACIONAL FAZENDINHA FELIZ Rua Professor Jones, 1513 - Centro - Linhares / ES - CEP. 29.900-131 - Telefone: (27) 3371-2265 www.escolafazendinhafeliz.com.br... Ao colocar seu filho na

Leia mais

Violência e Sustentabilidade *

Violência e Sustentabilidade * 1 Violência e Sustentabilidade * Uma menina reclamou sentida e veementemente com a avó quando a viu arrancando uma planta. Ela lhe disse que ela não podia fazer isso, porque estaria matando a natureza.

Leia mais

HIPERATIVIDADE E INDISCIPLINA: SEMELHANÇAS E DESSEMELHANÇAS - UMA ESCUTA DO PROFESSOR

HIPERATIVIDADE E INDISCIPLINA: SEMELHANÇAS E DESSEMELHANÇAS - UMA ESCUTA DO PROFESSOR HIPERATIVIDADE E INDISCIPLINA: SEMELHANÇAS E DESSEMELHANÇAS - UMA ESCUTA DO PROFESSOR Maria Célia Malheiros Knopp 1 Resumo Partindo do princípio que a indisciplina e a hiperatividade é um fato da realidade

Leia mais

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - Sou so profes r a, Posso m a s n ão parar d aguento m e ai ensinar s? d a r a u la s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A

Leia mais

A INDIFERENÇA GERANDO VIOLÊNCIA

A INDIFERENÇA GERANDO VIOLÊNCIA A INDIFERENÇA GERANDO VIOLÊNCIA Wilma Novaes Teixeira de Oliveira RESUMO A violência sempre esteve presente na vida humana. Mas o homem, por se tratar de um ser cognoscível, também procurou meios para

Leia mais

A ideia inicial é tornar o conteúdo mais dinâmico, menos descritivo e valorizar mais as pesquisas, as atividades lúdicas, artísticas, investigativas

A ideia inicial é tornar o conteúdo mais dinâmico, menos descritivo e valorizar mais as pesquisas, as atividades lúdicas, artísticas, investigativas A ideia inicial é tornar o conteúdo mais dinâmico, menos descritivo e valorizar mais as pesquisas, as atividades lúdicas, artísticas, investigativas e as representações subjetivas sobre os conceitos estudados.

Leia mais

Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações.

Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações. Família e Escola construindo valores. Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações. Autor: Fábio Henrique Marques Instituição: Colégio Metodista de Ribeirão Preto

Leia mais

Homens. Inteligentes. Manifesto

Homens. Inteligentes. Manifesto Homens. Inteligentes. Manifesto Ser homem antigamente era algo muito simples. Você aprendia duas coisas desde cedo: lutar para se defender e caçar para se alimentar. Quem fazia isso muito bem, se dava

Leia mais

PRÓLOGO. #21diasdeamor. DEUS É AMOR 1 João 4:8

PRÓLOGO. #21diasdeamor. DEUS É AMOR 1 João 4:8 PRÓLOGO DEUS É AMOR 1 João 4:8 Quando demonstramos amor, estamos seguindo os passos de Jesus. Ele veio para mostrar ao mundo quem Deus é. Da mesma maneira, temos a missão de mostrar ao mundo que Deus é

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Atendimento e o Currículo para o Trabalho com Pessoas com Necessidades Educativas Especiais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Atendimento e o Currículo para o Trabalho com Pessoas com Necessidades Educativas Especiais EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Atendimento e o Currículo para o Trabalho com Pessoas com Necessidades Educativas Especiais Edilson José de Carvalho¹ Jarbas de Holanda Beltrão² 1 Pedagogo e Especialista em Educação

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

Senhor Presidente. Senhor Presidente,

Senhor Presidente. Senhor Presidente, Intervenção proferida pelo Deputado Clélio Meneses aquando da discussão do Plano e Orçamento para 2012. Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente, Senhora e Senhores Membros do

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES Silva.A.A.S. Acadêmica do curso de Pedagogia (UVA), Bolsista do PIBID. Resumo: O trabalho

Leia mais

VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE

VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE É Preciso saber Viver Interpretando A vida na perspectiva da Espiritualidade Cristã Quem espera que a vida seja feita de ilusão Pode até ficar maluco ou morrer na solidão É

Leia mais

3 Aun (2005) adota a definição de contexto como regras de relação que são estabelecidas pelo(s)

3 Aun (2005) adota a definição de contexto como regras de relação que são estabelecidas pelo(s) Resenha AUN, J.G.; ESTEVES DE VASCONCELLOS, M. J.; COELHO, S.V. Atendimento sistêmico de famílias e redes sociais. Volume I - Fundamentos teóricos e epistemológicos (2005); Volume II - O processo de atendimento

Leia mais

o pensar e fazer educação em saúde 12

o pensar e fazer educação em saúde 12 SUMÁRIO l' Carta às educadoras e aos educadores.................5 Que história é essa de saúde na escola................ 6 Uma outra realidade é possível....... 7 Uma escola comprometida com a realidade...

Leia mais

coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - f o? Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça.

coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - f o? Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça. Eu quero não parar coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - de consigo.o usar que eu drogas f o? aç e Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora

Leia mais

DISCURSO DE FORMATURA

DISCURSO DE FORMATURA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS INSTITUTO DE FILOSOFIA, SOCIOLOGIA E POLÍTICA CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DISCURSO DE FORMATURA Turmas 2014/2: Bacharelado e Licenciatura ORADOR: Prof. Francisco Eduardo Beckenkamp

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO

REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO Fátima Aparecida Queiroz Dionizio UEPG faqdionizio@hotmail.com Joseli Almeida Camargo UEPG jojocam@terra.com.br Resumo: Este trabalho tem como

Leia mais

ENSINO E PESQUISA: EDUCAÇÃO, TRABALHO E CIDADANIA 1

ENSINO E PESQUISA: EDUCAÇÃO, TRABALHO E CIDADANIA 1 1 ENSINO E PESQUISA: EDUCAÇÃO, TRABALHO E CIDADANIA 1 Cristiano Pinheiro Corra 2 Lorena Carolina Fabri 3 Lucas Garcia 4 Cibélia Aparecida Pereira 5 RESUMO: O presente artigo tem como objetivo suscitar

Leia mais

Depressão e Qualidade de Vida. Dra. Luciene Alves Moreira Marques Doutorado em Psicobiologia pela UNIFESP

Depressão e Qualidade de Vida. Dra. Luciene Alves Moreira Marques Doutorado em Psicobiologia pela UNIFESP Depressão e Qualidade de Vida Dra. Luciene Alves Moreira Marques Doutorado em Psicobiologia pela UNIFESP 1 Percepções de 68 pacientes entrevistadas. 1. Sentimentos em relação à doença Sinto solidão, abandono,

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA SOCIALIZAÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DA CRIANÇA

A INFLUÊNCIA DA SOCIALIZAÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DA CRIANÇA A INFLUÊNCIA DA SOCIALIZAÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DA CRIANÇA FONTOURA, Léia Viviane 1 -UNIVALI PACHECO, Jaqueline 2 -UNIVALI ROCHA, Jaqueline 3 UNIVALI Grupo de Trabalho - Psicopedagogia Agência

Leia mais

Região. Mais um exemplo de determinação

Região. Mais um exemplo de determinação O site Psicologia Nova publica a entrevista com Úrsula Gomes, aprovada em primeiro lugar no concurso do TRT 8 0 Região. Mais um exemplo de determinação nos estudos e muita disciplina. Esse é apenas o começo

Leia mais

Profª Drª Jorgeta Zogheib Milanezi DIDÁTICA DO ENSINO O DOMÍNIO DE UMA PROFISSÃO NÃO EXCLUI O SEU APERFEIÇOAMENTO .. AO CONTTRÁRIO, SERÁ MESTRE QUEM

Profª Drª Jorgeta Zogheib Milanezi DIDÁTICA DO ENSINO O DOMÍNIO DE UMA PROFISSÃO NÃO EXCLUI O SEU APERFEIÇOAMENTO .. AO CONTTRÁRIO, SERÁ MESTRE QUEM Profª Drª Jorgeta Zogheib Milanezi DIDÁTICA DO ENSINO O DOMÍNIO DE UMA PROFISSÃO NÃO EXCLUI O SEU APERFEIÇOAMENTO.. AO CONTTRÁRIO, SERÁ MESTRE QUEM CONTINUAR APRENDENDO.. Piere Furter AVALIAR PARA CONHECER

Leia mais

É importante lembrar: O agressor (ou agressores) domina uma pessoa (ou grupo de pessoas) fragilizada por alguma situação ou condição.

É importante lembrar: O agressor (ou agressores) domina uma pessoa (ou grupo de pessoas) fragilizada por alguma situação ou condição. Bullying é um assunto sério e deve ser tratado com o máximo de atenção, seja pelos pais, pelos educadores ou pelos próprios jovens, que devem estar sempre atentos. 16 Bullying o que é, como prevenir O

Leia mais

Imagens de professores e alunos. Andréa Becker Narvaes

Imagens de professores e alunos. Andréa Becker Narvaes Imagens de professores e alunos Andréa Becker Narvaes Inicio este texto sem certeza de poder concluí-lo de imediato e no intuito de, ao apresentá-lo no evento, poder ouvir coisas que contribuam para continuidade

Leia mais

GESTÃO DA SALA DE AULA: NOVOS CONTEXTOS, NOVAS DIFICULDADES, GRANDES DESAFIOS E POSSIBILIDADES. Profa. Aureli Martins Sartori de Toledo Setembro/2012

GESTÃO DA SALA DE AULA: NOVOS CONTEXTOS, NOVAS DIFICULDADES, GRANDES DESAFIOS E POSSIBILIDADES. Profa. Aureli Martins Sartori de Toledo Setembro/2012 GESTÃO DA SALA DE AULA: NOVOS CONTEXTOS, NOVAS DIFICULDADES, GRANDES DESAFIOS E POSSIBILIDADES Profa. Aureli Martins Sartori de Toledo Setembro/2012 A palestra em algumas palavras... Provocações... reflexões...leitura

Leia mais

JÓ Lição 05. 1. Objetivos: Jô dependeu de Deus com fé; as dificuldades dele o deu força e o ajudou a ficar mais perto de Deus.

JÓ Lição 05. 1. Objetivos: Jô dependeu de Deus com fé; as dificuldades dele o deu força e o ajudou a ficar mais perto de Deus. JÓ Lição 05 1 1. Objetivos: Jô dependeu de Deus com fé; as dificuldades dele o deu força e o ajudou a ficar mais perto de Deus. 2. Lição Bíblica: Jô 1 a 42 (Base bíblica para a história e o professor)

Leia mais

AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB

AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB Resumo Este estudo apresentado em forma de pôster tem como

Leia mais

O ORIENTADOR FRENTE À INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIENCIA NA ESCOLA REGULAR DE ENSINO

O ORIENTADOR FRENTE À INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIENCIA NA ESCOLA REGULAR DE ENSINO O ORIENTADOR FRENTE À INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIENCIA NA ESCOLA REGULAR DE ENSINO Flávia Fernanda Vasconcelos Alves Faculdades Integradas de Patos FIP flaviavasconcelos.edu@hotmail.com INTRODUÇÃO Observa-se

Leia mais

Globalização e solidariedade Jean Louis Laville

Globalização e solidariedade Jean Louis Laville CAPÍTULO I Globalização e solidariedade Jean Louis Laville Cadernos Flem V - Economia Solidária 14 Devemos lembrar, para entender a economia solidária, que no final do século XIX, houve uma polêmica sobre

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO Página 1 CONVERSA DE PSICÓLOGO Volume 03 - Edição 01 Agosto - 2013 Entrevistada: Renata Trovarelli Entrevistadora: Cintia C. B. M. da Rocha TEMA: RELACIOMENTO AMOROSO Psicóloga Comportamental, atualmente

Leia mais

Posturas Necessárias para implantação da Filosofia Inamori

Posturas Necessárias para implantação da Filosofia Inamori Posturas Necessárias para implantação da Filosofia Inamori Uma observação participante! Palestra VI Encontro Seiwajiuku Brasil. São Paulo, 14/08/2010. ETAPAS DESTA PALESTRA: CONHECIMENTO DA FILOSOFIA INAMORI

Leia mais

Moral e ética. 1. Introdução. 2. Moral como fato social

Moral e ética. 1. Introdução. 2. Moral como fato social Moral e ética Texto escrito por Atson Paulo Barreto Santos como material de apoio para a disciplina de filosofia da Escola Estadual Professor Abel Freira Coelho. 1. Introdução Os termos moral e ética são

Leia mais

Vós sois deuses, pois brilhe a vossa a luz! Jesus

Vós sois deuses, pois brilhe a vossa a luz! Jesus CURSO DE DESENVOLVIMENTO HUMANO E ESPIRITUAL DESCUBRA A ASSINATURA DE SUAS FORÇAS ESPIRITUAIS Test Viacharacter AVE CRISTO BIRIGUI-SP Jul 2015 Vós sois deuses, pois brilhe a vossa a luz! Jesus I SABER

Leia mais

ADOLESCÊNCIA SEXUALIDADE

ADOLESCÊNCIA SEXUALIDADE ADOLESCÊNCIA E SEXUALIDADE Adolescência É o período de transição entre a infância e a idade adulta. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS),o período da adolescência situa-se entre os 10 e os 20 anos.

Leia mais

pensamentos para o seu dia a dia

pensamentos para o seu dia a dia pensamentos para o seu dia a dia Israel Belo de Azevedo 1Vida e espiritualidade 1 Adrenalina no tédio O interesse por filmes sobre o fim do mundo pode ser uma forma de dar conteúdo ao tédio. Se a vida

Leia mais

Para a grande maioria das. fazer o que desejo fazer, ou o que eu tenho vontade, sem sentir nenhum tipo de peso ou condenação por aquilo.

Para a grande maioria das. fazer o que desejo fazer, ou o que eu tenho vontade, sem sentir nenhum tipo de peso ou condenação por aquilo. Sonhos Pessoas Para a grande maioria das pessoas, LIBERDADE é poder fazer o que desejo fazer, ou o que eu tenho vontade, sem sentir nenhum tipo de peso ou condenação por aquilo. Trecho da música: Ilegal,

Leia mais

Realidade vs Virtualidade

Realidade vs Virtualidade Realidade vs Virtualidade Vivendo entre quem Somos e quem queremos Ser Necessidade de sermos felizes Necessidade de sermos aceitos Necessidades de Sermos A CONSTRUÇÃO DA NOSSA IDENTIDADE Vivendo entre

Leia mais

ENSINO MÉDIO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 001/2015 LÍNGUA PORTUGUESA. (1 à 10) 1/11

ENSINO MÉDIO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 001/2015 LÍNGUA PORTUGUESA. (1 à 10) 1/11 LÍNGUA PORTUGUESA (1 à 10) 1/11 Leia o texto: O HOMEM CUJA ORELHA CRESCEU Estava escrevendo, sentiu a orelha pesada. Pensou que fosse cansaço, eram 11 da noite, estava fazendo hora-extra. Escriturário

Leia mais

Vinho Novo Viver de Verdade

Vinho Novo Viver de Verdade Vinho Novo Viver de Verdade 1 - FILHOS DE DEUS - BR-LR5-11-00023 LUIZ CARLOS CARDOSO QUERO SUBIR AO MONTE DO SENHOR QUERO PERMANECER NO SANTO LUGAR QUERO LEVAR A ARCA DA ADORAÇÃO QUERO HABITAR NA CASA

Leia mais

Resolução SME N 24/2010

Resolução SME N 24/2010 Resolução SME N 24/2010 Dispõe sobre orientações das rotinas na Educação Infantil, em escolas e classes de período integral da rede municipal e conveniada, anexos I e II desta Resolução, com base no Parecer

Leia mais

PORTUGUÊS FUNDAMENTAL

PORTUGUÊS FUNDAMENTAL PORTUGUÊS FUNDAMENTAL Responda a questão 01 com base no texto abaixo: O bicho Vi ontem um bicho Na imundície do pátio, Catando comida entre os detritos. Quando achava alguma coisa, Não examinava nem cheirava:

Leia mais

país. Ele quer educação, saúde e lazer. Surge então o sindicato cidadão que pensa o trabalhador como um ser integrado à sociedade.

país. Ele quer educação, saúde e lazer. Surge então o sindicato cidadão que pensa o trabalhador como um ser integrado à sociedade. Olá, sou Rita Berlofa dirigente do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Brasil, filiado à Contraf e à CUT. Quero saudar a todos os trabalhadores presentes e também àqueles que, por algum motivo, não puderam

Leia mais

ORALIDADE E ESCRITA: ANÁLISE DE HISTÓRIA EM QUADRINHOS

ORALIDADE E ESCRITA: ANÁLISE DE HISTÓRIA EM QUADRINHOS ORALIDADE E ESCRITA: ANÁLISE DE HISTÓRIA EM QUADRINHOS Ana Letícia Vaz Pereira 1 Natália Canuto do Nascimento 2 Orientador Prof. Ms. Artarxerxes Modesto RESUMO: Este trabalho tem como objetivo analisar

Leia mais

é coisa séria BRINCAR É IMPORTANTE E NECESSÁRIO

é coisa séria BRINCAR É IMPORTANTE E NECESSÁRIO é coisa séria Em 2007, milhares de crianças brasileiras tiveram que devolver seus brinquedos favoritos por defeitos de fabricação que colocam em risco sua saúde e segurança. Mas isso é apenas uma parte

Leia mais

grandes oportunidades

grandes oportunidades Conecte-se a grandes oportunidades Carreiras sem limites Alcance além do que é possível Qualquer que seja o seu caminho, você pode ser parte das mudanças de vida para melhor no mundo todo. Uma carreira

Leia mais

Formação e Gestão em Processos Educativos. Josiane da Silveira dos Santos 1 Ricardo Luiz de Bittencourt 2

Formação e Gestão em Processos Educativos. Josiane da Silveira dos Santos 1 Ricardo Luiz de Bittencourt 2 1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE PEDAGOGIA NA MODALIDADE EAD E A FORMAÇÃO COMPLEMENTAR NO CURSO DE MAGISTÉRIO PRESENCIAL: AS PERCEPÇÕES DOS ESTUDANTES Formação e Gestão em Processos Educativos Josiane

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 49 Discurso no encontro com grupo

Leia mais

Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus

Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus Ensino - Ensino 11 - Anos 11 Anos Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus História Bíblica: Mateus 3:13 a 17; Marcos 1:9 a 11; Lucas 3:21 a 22 João Batista estava no rio Jordão batizando as pessoas que queriam

Leia mais

Bom dia, Formar cidadãos éticos, com

Bom dia, Formar cidadãos éticos, com Gestão Pedagógica capa Por Carolina Mainardes carolina@humanaeditorial.com.br Bom dia, Escolas assumem o desafio de ensinar valores e formar cidadãos completos, em cenário que contempla famílias compenetradas

Leia mais

EDUCAÇÃO RELIGIOSA 7º ANO 17B, C

EDUCAÇÃO RELIGIOSA 7º ANO 17B, C EDUCAÇÃO RELIGIOSA 7º ANO 17B, C CONTEÚDOS DO EXAME Líderes religiosos, Motivação e Liderança Convivência com o grupo; Amizade e sentido de grupo Os projetos Solidários; O que é um projeto? Olhares sobre

Leia mais

ESCOLA: AMBIENTE DE HARMORNIA OU CONFLITO? RESUMO

ESCOLA: AMBIENTE DE HARMORNIA OU CONFLITO? RESUMO ESCOLA: AMBIENTE DE HARMORNIA OU CONFLITO? 1 Sandra Gaspar de Sousa Moura RESUMO Este artigo tem a finalidade de mostrar a importância das relações interpessoais dentro do ambiente escolar e como os sujeitos

Leia mais

Como utilizar este caderno

Como utilizar este caderno INTRODUÇÃO O objetivo deste livreto é de ajudar os grupos da Pastoral de Jovens do Meio Popular da cidade e do campo a definir a sua identidade. A consciência de classe, ou seja, a consciência de "quem

Leia mais

IX Diálogos em Paulo Freire: Utopia, Esperança e Humanização.

IX Diálogos em Paulo Freire: Utopia, Esperança e Humanização. IX Diálogos em Paulo Freire: Utopia, Esperança e Humanização. EDUCADOR SOCIAL: PROFISSÃO E PERFIL HUMANIZADO, UMA ESPERANÇA PARA A EDUCAÇÃO SOCIAL. Nara Rosana Godfried Nachtigall 1 Este artigo se constitui

Leia mais

Disciplina: construção da disciplina consciente e interativa em sala de aula e na escola *

Disciplina: construção da disciplina consciente e interativa em sala de aula e na escola * Disciplina: construção da disciplina consciente e interativa em sala de aula e na escola * Dorotéia Baduy Pires** O que seria de uma orquestra, se cada músico tocasse o que quisesse? Se não houvesse disciplina?

Leia mais

Viver Melhor com Inteligência Emocional: ADMINISTRANDO SEUS SENTIMENTOS COM EFICIÊNCIA

Viver Melhor com Inteligência Emocional: ADMINISTRANDO SEUS SENTIMENTOS COM EFICIÊNCIA Viver Melhor com Inteligência Emocional: ADMINISTRANDO SEUS SENTIMENTOS COM EFICIÊNCIA Entendendo (de verdade) sobre Inteligência Emocional Muito se fala sobre inteligência emocional, mas pouco se entende

Leia mais

Núcleo Fé & Cultura PUC-SP. A encíclica. Caritas in veritate. de Bento XVI

Núcleo Fé & Cultura PUC-SP. A encíclica. Caritas in veritate. de Bento XVI Núcleo Fé & Cultura PUC-SP A encíclica Caritas in veritate de Bento XVI Núcleo Fé & Cultura PUC-SP O amor verdadeiro como princípio para a justiça social e o desenvolvimento integral Quando olhamos a nossa

Leia mais

Você, no entanto, pode nos ajudar!

Você, no entanto, pode nos ajudar! Este livro pode ser adquirido por educação, negócios, vendas ou uso promocional. Embora toda precaução tenha sido tomada na preparação deste livro, o autor não assume nenhuma responsabilidade por erros

Leia mais

Bom Crédito. Lembre-se de que crédito é dinheiro. Passos

Bom Crédito. Lembre-se de que crédito é dinheiro. Passos Bom Crédito Lembre-se de que crédito é dinheiro É. Benjamin Franklin, Político Americano e inventor quase impossível passar a vida sem pedir dinheiro emprestado. Seja algo básico como usar um cartão de

Leia mais

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação...

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação... Sumário Agradecimentos... 7 Introdução... 9 1 - Um menino fora do seu tempo... 13 2 - O bom atraso e o vestido rosa... 23 3 - O pequeno grande amigo... 35 4 - A vingança... 47 5 - O fim da dor... 55 6

Leia mais

COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB

COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB Monaliza Silva Professora de ciências e biologia da rede estadual

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

Eu acredito que a Bíblia é a melhor dádiva que Deus deu à humanidade. Todas as coisas boas do Salvador do mundo nos são ditas através deste Livro.

Eu acredito que a Bíblia é a melhor dádiva que Deus deu à humanidade. Todas as coisas boas do Salvador do mundo nos são ditas através deste Livro. A importância do estudo bíblico para a vida cristã 2 Pedro 1.12-2121 Pr. Fernando Fernandes Eu acredito que a Bíblia é a melhor dádiva que Deus deu à humanidade. Todas as coisas boas do Salvador do mundo

Leia mais

Autogestão Autonomia E Inclusão social

Autogestão Autonomia E Inclusão social Autogestão Autonomia E Inclusão social Moira Sampaio Rocha moyrahelmer@hotmail.com Terapeuta Ocupacional Especialista em Educação Especial Inclusiva Especializanda em Tecnologia Assistiva A pessoa com

Leia mais

Família. Escola. Trabalho e vida econômica. Vida Comunitária e Religião

Família. Escola. Trabalho e vida econômica. Vida Comunitária e Religião Família Qual era a profissão dos seus pais? Como eles conciliavam trabalho e família? Como era a vida de vocês: muito apertada, mais ou menos, ou viviam com folga? Fale mais sobre isso. Seus pais estudaram

Leia mais

GEEF Grupo de Estudos de Empresas Familiares Gvlaw OUT/2014

GEEF Grupo de Estudos de Empresas Familiares Gvlaw OUT/2014 GEEF Grupo de Estudos de Empresas Familiares Gvlaw OUT/2014 Quem sou eu em 3 fases Há 18 anos Reinventando identidade Pessoas Governança Familiar PMC Mesa Coerentia Ekilibra Marketing Lage e Magy Itau

Leia mais

Informativo Fundos Solidários nº 13

Informativo Fundos Solidários nº 13 Informativo Fundos Solidários nº 13 Em dezembro de 2014, em Recife, Pernambuco, foi realizado o 2º seminário de Educação Popular e Economia Solidária. Na ocasião, discutiu-se sobre temas relevantes para

Leia mais

A consciência no ato de educar

A consciência no ato de educar Família e escola: somando forças para construir o futuro Júlio Furtado www.juliofurtado.com.br A consciência no ato de educar Não se educa entre uma novela e outra. Não se educa nos finais de semana! Não

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Cristina Soares Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Quando decidi realizar meu processo de coaching, eu estava passando por um momento de busca na minha vida.

Leia mais

Trabalho e educação. Vamos aos fatos

Trabalho e educação. Vamos aos fatos Trabalho e educação Vamos aos fatos O maior problema da educação brasileira é o povo brasileiro. Sinto muito, mas esta é a conclusão a que muitos de nossos educadores chegaram. Somos uma nação materialista,

Leia mais

Ambos os métodos possuem vantagens e desvantagens, por isso deve se analisar cada caso para decidir qual o mais apropriado.

Ambos os métodos possuem vantagens e desvantagens, por isso deve se analisar cada caso para decidir qual o mais apropriado. Módulo 4 Como Organizar a Pesquisa O questionário e a observação são dois métodos básicos de coleta de dados. No questionário os dados são coletados através de perguntas, enquanto que no outro método apenas

Leia mais

PADRE MARCELO ROSSI ÁGAPE

PADRE MARCELO ROSSI ÁGAPE PADRE MARCELO ROSSI ÁGAPE Oo Índice Prefácio, por Gabriel Chalita...11 Introdução...19 1 O Verbo divino...27 2 As bodas de Caná...35 3 A samaritana...41 4 Multiplicação dos pães...49 5 A mulher adúltera...55

Leia mais

DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA

DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA 27 a 30 de Agosto de 2014. DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Resumo: MACHADO, Diana dos Santos 1 Ifes - Campus Cachoeiro de Itapemirim

Leia mais

Buscamos compreender como ocorrem os processos de desenvolvimento humano, organizacional e social

Buscamos compreender como ocorrem os processos de desenvolvimento humano, organizacional e social instituto fonte... Buscamos compreender como ocorrem os processos de desenvolvimento humano, organizacional e social e a arte de neles intervir. Buscamos potencializar a atuação de iniciativas sociais,

Leia mais

EDUCAÇÃO, DIREITOS HUMANOS E MOVIMENTOS SOCIAIS: IMPLICAÇÕES PARA A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE

EDUCAÇÃO, DIREITOS HUMANOS E MOVIMENTOS SOCIAIS: IMPLICAÇÕES PARA A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE EDUCAÇÃO, DIREITOS HUMANOS E MOVIMENTOS SOCIAIS: IMPLICAÇÕES PARA A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE INTRODUÇÃO Aflânia Dantas Diniz de Lima UFRPE aflanialima@hotmail.com Jackson Diniz Vieira UFRPE Jacksondv.sb@hotmail.com

Leia mais

ZÉLIA LUBÃO: A SIMONSEN E O PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO

ZÉLIA LUBÃO: A SIMONSEN E O PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO Revista Digital Simonsen 6 Entrevista ZÉLIA LUBÃO: A SIMONSEN E O PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO Por: Rodrigo Amaral e Fernando Gralha N esta terceira edição da RDS entrevistamos a Coordenadora Administrativa

Leia mais

MONTEIRO, Eduardo...[et al.]. Ensino Religioso Ensino Médio. A Vida é Mais educação e valores. Belo Horizonte: PAX Editora, 2010. p. 158.

MONTEIRO, Eduardo...[et al.]. Ensino Religioso Ensino Médio. A Vida é Mais educação e valores. Belo Horizonte: PAX Editora, 2010. p. 158. SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA Mantenedora da PUC Minas e do COLÉGIO SANTA MARIA UNIDADE: DATA: / / 03 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE EDUCAÇÃO RELIGIOSA.º ANO/EM PROFESSOR(A): VALOR: MÉDIA: RESULTADO: %

Leia mais