ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE O NÍVEL DE PROFICIÊNCIA DOS ESTUDANTES EM MATEMÁTICA A PARTIR DOS RESULTADOS DO SAEB DE 2003

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE O NÍVEL DE PROFICIÊNCIA DOS ESTUDANTES EM MATEMÁTICA A PARTIR DOS RESULTADOS DO SAEB DE 2003"

Transcrição

1 ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE O NÍVEL DE PROFICIÊNCIA DOS ESTUDANTES EM MATEMÁTICA A PARTIR DOS RESULTADOS DO SAEB DE 2003 RESUMO Erik Leonardo Pereira Magalhães Os resultados negativos obtidos nos diversos sistemas de avaliações que medem as competências e habilidades adquiridas pelos estudantes em matemática, a medida em que estes progridem para as séries mais avançadas, indicam que o ensino da Matemática no Brasil vem passando por uma situação delicada e que requer ações para a melhoria da qualidade da aprendizagem nesta área. Hoje a ênfase em processos de avaliação é considerada estratégica para o monitoramento das reformas e políticas educacionais. O SAEB - Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica, considerado um dos sistemas mais eficazes de avaliação do ensino no Brasil, tem confirmado que o aprendizado em matemática está insuficiente em relação às necessidades de uso social e acadêmico deste conhecimento. Neste trabalho serão apresentados alguns itens do SAEB 2003, analisando os resultados apresentados pelos alunos. Estes resultados indicam a necessidade de se promover mudanças no processo de ensino-aprendizagem da matemática visando melhorias em relação à realidade atual. Palavras-chave: Ensino de Matemática, Avaliação em Matemática, SAEB. 1. INTRODUÇÃO O SAEB Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica, criado em 1990 pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP, é um dos vários sistemas de avaliação de ensino que vem se destacando e contribuindo significativamente para a melhoria da educação no Brasil. É realizado a cada dois anos com alunos de 4ª e 8ª séries do ensino fundamental e da 3ª série do ensino médio. Os participantes que compõem a amostra são selecionados aleatoriamente dentre os estudantes dos 26 estados brasileiros e do Distrito Federal. Depois da conclusão do processo seletivo os alunos são submetidos a provas de conhecimento nas áreas de Matemática e Língua Portuguesa. A partir das informações obtidas pelo SAEB, o Ministério da Educação - MEC e as Secretarias Estaduais e Municípios de Educação, podem definir ações voltadas para a correção das falhas identificadas nas avaliações, visando o desenvolvimento do sistema educacional brasileiro e com isso, promover melhor formação de cidadãos para um mundo cada vez mais moderno. Os dados do SAEB têm evidenciado que o aprendizado em Matemática na educação básica está abaixo do que seria aceitável (INEP, 2004). O conhecimento destes resultados pode facilitar a proposição de mudanças desta realidade. A fim de divulgar o SAEB e seus resultados, o presente trabalho tem por finalidade apresentar o SAEB, destacando seus objetivos, matrizes de referência com as competências avaliadas e os resultados obtidos nas avaliações que realiza em matemática e, apresentar a análise de quatro itens do teste aplicado em 2003, indicando as estratégias utilizadas pelos estudantes da 3ª série do ensino médio na resolução dos problemas apresentados nestes itens. Por fim, são feitas algumas considerações sobre metodologias de ensino que poderão proporcionar uma melhoria na aprendizagem em matemática. Ressalto que esta série foi escolhida por ser a etapa final do

2 ensino médio e, portanto reflete o nível de conhecimento que os estudantes apresentam ao término da educação básica. Para a realização deste trabalho foram feitas pesquisas bibliográficas e documentais sobre a história do SAEB, objetivos, metodologias utilizadas, processos de construção dos instrumentos, apresentação dos resultados, relatórios das avaliações matemáticas e artigos de revistas do MEC voltadas para a educação matemática. Os itens aqui analisados foram retirados material utilizado pelo INEP para a apresentação dos resultados do SAEB junto às Secretaria de Educação dos diversos estados brasileiros, disponíveis em formato PowerPoint impresso, distribuídos nos eventos realizados. 2. O SAEB Dentre os objetivos do SAEB, destacamos os seguintes: proporcionar aos agentes educacionais e à sociedade uma visão transparente e concreta dos resultados dos processos de ensino e aprendizagem e das condições em que são desenvolvidos; consolidar uma cultura de avaliação nas redes e instituições de ensino e comparar o desempenho dos alunos e do sistema educacional brasileiro com o de outros países (INEP, 2004). O SAEB utiliza várias metodologias de coleta e análise de dados para avaliar fatores que podem influenciar no desempenho do aluno, as principais são: aplicação de testes padronizados para descrever o que os estudantes sabem e são capazes de fazer nas disciplinas de Língua Portuguesa (com foco em leitura) e Matemática (com foco em resolução de problemas), Matrizes de Referência para construção destes testes; utilização de questionário para a coleta de informações de contexto escolar e socioeconômico, junto a alunos, professores e diretores de escola, a fim de verificar fatores que possam interferir na qualidade e efetividade do ensino ministrado. As Matrizes de Referência são um conjunto de normas para a elaboração dos itens dos testes do SAEB. As matrizes foram construídas a partir de inúmeras consultas aos currículos propostos pelas Secretarias Estaduais de Educação, praticados nas escolas brasileiras de ensino fundamental e médio, contudo é verificado uma certa diferença do que é proposto pelo currículo e o que é ensinado em sala de aula. Por este motivo, o INEP consultou professores das redes oficiais e especialistas das capitais brasileiras, estadual e privada na 4ª e 8ª séries do Ensino Fundamental e na 3ª série do Ensino Médio. Os conteúdos associados às habilidades a serem desenvolvidas em cada série e disciplina, foram subdivididos em partes menores, cada uma especificando o que os itens das provas do SAEB devem medir, estas unidades são denominadas descritores. Cada descritor dá origem a diferentes itens e, a partir das respostas dadas a eles, verifica-se o que os alunos sabem e conseguem fazer com os conhecimentos adquiridos. A tabela abaixo apresenta os níveis de competência considerados na Matriz Curricular de Referência e as ações que os representam: Nível Básico (presentativo) Nível Operacional (procedural) Nível Global (operatório) Identificar Reconhecer Associar Interpretar Relacionar Representar Analisar Avaliar Determinar Calcular Resolver

3 O nível básico ou presentativo compreende as ações e operações cognitivas que aproximam o objeto de conhecimento para o sujeito. O nível operacional ou procedural envolve as ações e operações cognitivas que permitem ao sujeito estabelecer relações com e entre os objetos de conhecimento. O nível global ou operatório compreende as ações e operações cognitivas d transposição e aplicação de conhecimentos e a resolução de situações problemas inéditos. A partir dos descritores das Matrizes de Referência para o SAEB, especialistas nos conteúdos das séries e disciplinas que estão sendo avaliadas, formulam os testes com itens de múltipla escolha que serão aplicados aos alunos. Depois de formulados, os itens são submetidos a uma revisão de conteúdo e forma, que visa constatar a qualidade dos aspectos teóricos, pedagógicos e lingüísticos. Após está etapa, os itens são pré-testados, verificando por meio de técnicas estatísticas e psicométricas a sua qualidade para o processo de avaliação. As análises estatísticas constatam o poder de discriminação do item, diferenciando os alunos que conhecem o conteúdo e já desenvolveram as competências requeridas em relação aos demais respondentes do teste; verifica também o índice de dificuldade de cada item, permitindo equilibrar as provas com itens de diferentes graus de dificuldade e analisa a probabilidade de acerto ao acaso (acerto pelo chute ). É importante ressaltar que essa matriz não pode ser interpretada como um conjunto de indicações que norteará as estratégias de ensino nas escolas, papel reservado a parâmetros, currículos e diretrizes curriculares. 3. TESTES DO SAEB PARA AVALIAR AS COMPETÊNCIAS EM MATEMÁTICA Em relação à matemática, os testes do SAEB têm como principal objetivo avaliar e medir a habilidade de resolução de problemas. Os itens deste teste se enquadram em um dos quatro grupos temáticos da Matriz de Referência. Os temas selecionados para estas matrizes são: Espaço e Forma, Grandezas e Medidas, Números e Operações e Tratamento da Informação. Estes temas foram colocados em uma hierarquia de importância pedagógica, levando-se em consideração as recomendações estabelecidas nos Parâmetros Curriculares Nacionais. A seguir, são apresentados os temas da matriz de referência, cada um deles acompanhado de um item do teste de 2003 aplicado na 3 Série do Ensino Médio, com uma breve análise pedagógica das estratégias utilizadas pelos alunos em sua resolução. Espaço e Forma O estudo do espaço e das formas deve levar o estudante à observação e à compreensão de relações a partir de contextos que envolvam leitura de guias, plantas e mapas e a exploração de conceitos e procedimentos tais como direção e sentido, ângulo, paralelismo e perpendicularismo, figuras geométricas, relações entre figuras espaciais e suas representações planas, decomposição e composição de figuras, transformação de figuras, ampliação e redução de figuras. Os conceitos geométricos constituem parte importante do currículo de Matemática porque por meio deles o aluno desenvolve um tipo especial de pensamento que lhe permite compreender,

4 descrever e representar, de forma organizada e concisa, o mundo que o cerca. Este tema compreende 10 descritores. Será apresentado um item do teste de 2003, correspondente ao descritor 02, que avalia a capacidade do aluno em reconhecer aplicações das relações métricas do triângulo retângulo em um problema que envolva figuras planas ou espaciais. O item que será apresentado quer avaliar a habilidade do aluno no cálculo da medida do lado de um polígono. Para que isso ocorra, o aluno precisa decompor o polígono apresentado em outros dois, um retângulo e um triângulo retângulo, e, em seguida, aplicar o Teorema de Pitágoras para obter a medida solicitada. Estamos assim, diante de uma habilidade que os alunos exercitam desde o ensino fundamental, especialmente, compor e decompor figuras planas e reconhecer relações métricas em triângulos retângulos. Observe o trapézio retângulo abaixo. B 10 C 5 A 22 D O lado CD desse trapézio retângulo mede (A) 7 (B) 10 (C) 13 (D) 119 (E) 509 O quadro abaixo apresenta os percentuais de respostas às alternativas dadas pelos alunos neste item. Percentual de Respostas às Alternativas A B C D E Em branco ou nula A escolha da alternativa correta C, por 42% dos alunos, mostra que estes construíram os conhecimentos exigidos pelo item. A análise dos prováveis erros realizados pelos que escolheram as demais alternativas, por outro lado, pode nos mostrar caminhos para traçarmos planos de intervenção no sentido de evitar esses erros e reforçar o desenvolvimento das habilidades exigidas. É preocupante que 21% dos alunos tenham escolhido a alternativa A e 24% a alternativa B, uma vez que essas escolhas mostram que os alunos não fizeram a necessária decomposição do polígono.

5 Em relação aos 9% dos alunos que escolheram a alternativa D, podemos supor, que estes conseguiram realizar a decomposição do polígono em outros dois, mas, não conseguiram aplicar corretamente o Teorema de Pitágoras aos dados do triângulo retângulo. O erro provável, nesse caso, foi este: 5 x x 2 x = = A escolha da alternativa E, embora tenha sido feita por apenas 3% dos alunos, mostra que, além do não reconhecimento da necessidade da decomposição do polígono, os alunos podem ter aplicado o Teorema de Pitágoras em um trapézio retângulo, numa generalização absurda para tal conteúdo. Grandezas e Medidas Os fundamentos deste tema, Grandezas e Medidas, dizem respeito à compreensão das medidas convencionais ou, dos sistemas convencionais para o cálculo de perímetros, áreas, volumes e relações entre as diferentes unidades de medida. A comparação de grandezas de mesma natureza que dá origem à idéia de medida é muito antiga. Para certas aplicações foram utilizadas medidas que com o tempo tornaram-se convencionais. O metro para medir altura, o quilômetro para medir grandes distâncias, o litro para medir volume, o quilômetro por hora para medir a velocidade, etc., são exemplos de grandezas para as quais foram convencionadas algumas medidas. Desse modo, é importante que os alunos reconheçam as diferentes situações que os levam a lidar com grandezas físicas para que identifiquem que atributo será medido e o significado da medida. Este tema é composto por 3 descritores, o item que será apresentado refere-se ao descritor 13, que avalia a capacidade do aluno em resolver problema envolvendo a área total e/ou parcial de um sólido (prisma, pirâmide, cilindro, cone, esfera). O descritor deste item solicita a resolução de problema envolvendo a área total e/ou volume de um sólido, que neste caso, trata-se de um problema envolvendo o cálculo de volume em um cilindro. O trabalho com sólidos é desenvolvido desde os anos iniciais do ensino fundamental e até a última do ensino médio, pois, trata-se de um conteúdo com características socioculturais importantes no cotidiano das pessoas. Um corpo cilíndrico, com 4 cm de raio e 12 cm de altura, está com água até a altura de 8 cm. Foram então colocadas em seu interior n bolas de gude, e o nível da água atingiu a boca do vidro, sem derramamento. Qual é o volume, em cm 3, de todas as n bolas de gude juntas? (A) 32 (B) 48 (C) 64 (D) 80 (E) 96

6 O quadro abaixo apresenta os percentuais de respostas às alternativas dadas pelos alunos neste item. Percentual de Respostas às Alternativas A B C D E Em branco ou nula Apesar de estar presente em diversas situações do cotidiano, o resultado apresentado pelos alunos indica que muitos deles ainda não desenvolveram adequadamente as competências necessárias para resolver problemas que envolvam cálculo de volume. Apenas 22% dos alunos acertaram o item, marcando a alternativa C. Estes alunos realizaram o cálculo do volume total que o cilindro comporta (com as bolas de gude incluídas) e subtraíram o volume que a água ocupava inicialmente, antes de serem incluídas as bolas de gude. Quanto aos alunos que escolheram a alternativa A (27%), infere-se que procederam o cálculo do volume utilizando uma expressão incorreta para este fim, no caso, ao invés de calcular o volume utilizando a expressão V = r 2 h, usaram V = rh, esquecendo de elevar o raio da base ao quadrado. Além disso, calcularam apenas o volume ocupado pelo líquido, desconsiderando que deveriam calcular o volume ocupado pelas bolas de gude. Os 36% dos alunos que assinalaram a alternativa B, cometeram o mesmo erro dos que assinalaram a alternativa A, porém, calcularam o volume total do corpo cilíndrico e esqueceram que deveriam subtrair deste valor o total correspondente ao volume ocupado pelo líquido, o que os levaria à solução do problema proposto. As respostas às alternativas D e E também foram obtidas por meio do uso de uma expressão incorreta para o cálculo do volume de um cilindro (tal qual aqueles que assinalaram a alternativa A procederam a soma dos volumes envolvidos no problema). Números e Operações/Álgebra e Funções; Álgebra, na vivência cotidiana se apresenta com enorme importância enquanto linguagem, como na variedade de gráficos presentes diariamente nos noticiários e jornais, e também enquanto instrumento de cálculos de natureza financeira e prática, em geral. No ensino médio, esse tema trata de números e variáveis em conjuntos infinitos e quase sempre contínuos, no sentido de serem completos.os objetos de estudo são os campos numéricos dos números reais e, eventualmente, os números complexos e as funções e equações de variáveis ou incógnitas reais.(pcn+, Ensino Médio, Ciências da Natureza e suas Tecnologias, pág 120). Serão apresentados dois itens referentes ao tema Números e Operações/Álgebra e Funções. O primeiro item que será apresentado refere-se ao descritor 15, que quer avaliar a capacidade do aluno em resolver problema que envolva variação proporcional, direta ou inversa entre grandezas. Este tema compreende 19 descritores. Este item exigiu que o aluno resolvesse um problema envolvendo variação proporcional, direta ou inversa, entre grandezas, habilidade contemplada sob o cálculo da concentração de uma substância solúvel em um volume determinado de líquido.

7 O conceito de proporcionalidade tem aplicação exigida em diversos ramos da Matemática, bem como em situações do cotidiano - em receitas, por exemplo - e ainda em várias disciplinas do Ensino Médio as escalas, em Geografia - na leitura de mapas, em Química no cálculo estequiométrico, reforçando assim a importância de tal conteúdo. Uma água mineral, sem gás, apresenta na sua composição química 2,4 mg de sulfato de cálcio por 1 litro. Uma pessoa ao beber um copo de 300 ml dessa água, estará ingerindo o sulfato de cálcio. A quantidade de sulfato de cálcio, em mg, que a pessoa ingeriu é? (A) 0,72 (B) 0,76 (C) 7,2 (D) 8,0 (E) 12,5 Os percentuais de respostas às alternativas, dadas pelos alunos, são apresentados no quadro abaixo: Percentual de Respostas às Alternativas A B C D E Em branco ou nula A alternativa A, correta, foi escolhida por 37% dos avaliados, mostrando que a habilidade exigida, normalmente trabalhada desde as primeiras séries do ensino fundamental, parece ainda não estar suficientemente dominada pela maioria dos alunos que terminam o Ensino Médio. No entanto, para validar ou não, com clareza, essa argumentação, será preciso analisar os erros esperados e contidos nas demais alternativas, especialmente na alternativa C. O item exigiu, além do reconhecimento da proporcionalidade, que o aluno realizasse uma transformação de unidades: de mililitros para litros. Apesar de considerarmos que uma transformação desse tipo já devesse ser rotina para alunos de Ensino Médio, observamos, analisando o percentual de escolha na alternativa C 23% - que isso pode não acontecer com uma boa parte dos alunos avaliados, que, suspeitamos, cometeram o seguinte erro: 300 x 2,4 = 720 ml = 7,2 l Se essa premissa for correta, podemos considerar que uma boa parte dos 23% que optaram pela alternativa errada C, identificou corretamente a proporcionalidade, mas errou na conversão de unidades. As demais alternativas, D e E, continham também erros previsíveis que nos mostram que, quem as escolheu, de fato não detém o conhecimento sobre o conteúdo exigido. A alternativa D, especialmente, merece atenção por conter a resposta numérica esperada por alunos que invertem a proporcionalidade, de direta para inversa. Como apenas 9% dos alunos a escolheram, avaliamos que a identificação do tipo de proporcionalidade não trouxe dificuldades aos alunos. O segundo item a ser apresentado refere-se ao descritor 16, avaliando a capacidade do aluno em resolver problema que envolva porcentagem.

8 O item exigiu dos alunos a habilidade de resolver um problema que envolve porcentagem, no qual o entendimento do enunciado e o levantamento dos dados foram a condição principal para a correta resolução. Dominar a habilidade de calcular e interpretar porcentagens é fundamental para que os alunos consigam, em situações do cotidiano, analisarem, julgarem e escolherem as melhores condições de determinadas operações de compra e venda. Além disso, o cálculo percentual está presente em muitas outras situações como, por exemplo, cálculo de descontos, análise de indicadores econômicos ou sociais, operações de câmbio, etc. A importância do estudo do cálculo percentual extrapola em muito os domínios da matemática, sendo ferramenta fundamental para estudos de praticamente todas as áreas do conhecimento, como, por exemplo, a geografia, a economia ou as ciências. Uma lanchonete vende sanduíches a R$ 2,60. Sabendo que 25% desse preço corresponde ao custo do pão e 55% corresponde a outras despesas, o lucro obtido na venda de cada sanduíche é? (A) R$ 0,05 (B) R$ 0,52 (C) R$ 0,65 (D) R$ 1,17 (E) R$ 1,43 O quadro abaixo apresenta os percentuais de respostas às alternativas neste item. Percentual de Respostas às Alternativas A B C D E Em branco ou nula Observando os resultados numéricos constantes das alternativas B, C, D e E, é possível concluir que, todas elas, exigiram cálculo de alguma porcentagem. Assim, somando os índices de escolha nessas alternativas, atingimos 93% dos alunos, fazendo com que possamos supor que, de uma forma ou de outra, todos esses 93% conseguem fazer cálculos percentuais simples. A alternativa correta, B, foi escolhida por 43% dos alunos, que mostraram, assim, domínio sobre a habilidade exigida de realizar o cálculo percentual, além da correta interpretação do enunciado do item. Os alunos que escolheram as alternativas C e E, totalizando 36%, calcularam 25% ou 55% de R$ 2,60, ignorando o restante dos dados e a proposta da questão. De forma semelhante, os 14% que optaram pela alternativa D, calcularam 45% de R$ 2,60, sem considerar os demais percentuais, ignorando-os. Em todos esses casos podemos supor que a dificuldade residiu na correta interpretação do enunciado da questão, e não no cálculo percentual. Com base nas observações anteriores, podemos concluir que o fato de um aluno saber calcular porcentagens não garante que ele consiga resolver problemas que envolvam esse conteúdo, visto que os contextos de aplicação são os mais variados possíveis e exigem, por isso mesmo, a correta interpretação das condições do problema.

9 Tratamento da Informação Este tema destaca a importância da utilização dos conhecimentos adquiridos em sua vida escolar para interpretação de diferentes tipos de textos com informações apresentadas em linguagem matemática, desde livros didáticos até artigos de conteúdo econômico, social ou cultural, manuais técnicos, contratos comerciais, folhetos com propostas de vendas ou com plantas de imóveis, indicações em bulas de medicamentos, artigos de jornais e revistas e noticiários nos meios de comunicação em geral. É fundamental que as escolas trabalhem este tema com vistas a integrar o aluno neste contexto. (PCN+, Ensino Médio, Ciências da Natureza Matemática e suas Tecnologias, pág 111.) Este tema possui o total de 2 descritores e será apresentado um item referente ao descritor 34, que avalia a capacidade do aluno em resolver problemas envolvendo informações apresentadas em tabelas e/ou gráficos. A tabela mostra a distribuição dos domicílios, por Grandes Regiões, segundo a condição de ocupação, no Brasil, em Condição de ocupação Total Norte Urbana Domicílios particulares (%) Grandes Regiões Nordeste Sudeste Sul Centro-Oeste Próprio 71,9 79,3 77,1 68,3 74,9 65,1 Alugado 14,5 12,1 9,8 17,9 12,4 16,2 Cedido 13,1 8,0 12,7 13,2 12,4 18,2 Outra 0,5 0,6 0,4 0,6 0,3 0,5 Total 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 Fonte: IBGE Diretoria de Pesquisas Departamento de Emprego e Rendimento PNAD. Em 1995, nos domicílios particulares do Nordeste, qual a porcentagem de domicílios alugados e cedidos? (A) 9,8% (B) 12,7% (C) 22,5% (D) 22,9% (E) 27,6% O quadro abaixo apresenta os percentuais de respostas às alternativas dadas pelos alunos neste item. Percentual de Respostas às Alternativas A B C D E Em branco ou nula Este item pretende avaliar a capacidade dos alunos em resolver problemas em formas de gráficos e tabelas que muitas vezes estão presentes em nosso cotidiano, principalmente em jornais e revistas.

10 Para responder ao item, o aluno tem de saber ler e interpretar a tabela, selecionar os dados pedidos pelo item e associá-los entre si (domicílios alugados e cedidos). Após esta associação o aluno deverá fazer uma simples operação de soma, onde ele obterá a resposta correta. É uma questão relativamente fácil e mesmo assim somente 57% dos alunos acertaram este item, o que requer mais atenção das escolas neste conteúdo haja vista que a interpretação das informações deste nível é indispensável para a formação do aluno no atual contexto mundial onde valores, índices, taxas e pesquisas e etc. são apresentados em formas de gráficos, mapas e tabelas. 4. COMO SÃO APRESENTADOS OS RESULTADOS DO SAEB Através da escala de desempenho que descreve em cada nível, as competências e habilidades já construídas pelos alunos, são apresentados os resultados da Avaliação da Educação Básica.A escala do SAEB é única para cada disciplina e permite apresentar, em uma mesma métrica, os resultados de desempenho dos estudantes de todas as séries (4ª e 8ª séries do Ensino Fundamental e 3ª série do Ensino Médio) e verifica o percentual de alunos já que construíram as habilidades e competências requeridas para cada uma das séries avaliadas, quantos estão em processo de construção e abaixo ou acima do nível desejável para a série e permite também encontrar falhas nos aspectos curriculares e pedagógicos que necessitam ser melhorados. Tabela 1: Relação dos níveis com a proficiência Níveis Proficiência Níveis Proficiência ou mais (Fonte: Relatório de Matemática do SAEB 2001) A escala de desempenho em Matemática foi descrita em 10 níveis, de 1 a 10. Esses níveis são cumulativos, isto é, os alunos posicionados em um nível dominam as habilidades descritas nos níveis anteriores da escala. Em cada nível é apresentado o percentual de alunos que dominam as habilidades nele descritas em cada série. Tabela 2 - Percentual de estudantes nos estágios de construção de competências Matemática 3ª Série EM Brasil Saeb 2001 e 2003 Estágio Muito Crítico 4,8 6,5 Crítico 62,6 62,3 Intermediário 26,6 24,3 Adequado 6,0 6,9 Total 100,00 100,00 Fonte: Resultados do Saeb 2003 (Brasil), pág 38. Na tabela 2, esse modo de apresentação permite observar o desenvolvimento de habilidades construídas pelos estudantes e a quantidade de alunos por gradação escalar.

11 A comparação entre os resultados mostra um aumento em mais de um ponto percentual de alunos em estágios muito crítico e crítico, em Tabela 3 - Construção de competências e desenvolvimento de habilidades na resolução de problemas em cada um dos estágios (resumo). MAT 3ª série do EM. Muito Crítico Crítico Intermediário Adequado Não conseguem responder a comandos operacionais elementares compatíveis com a 3ª série do E.M. (Construção, leitura, e interpretação gráfica; uso de propriedades de figuras geométricas planas e compreensão de outras funções) Desenvolvem algumas habilidades elementares de interpretação de problemas, mas não conseguem transpor o que está sendo pedido no enunciado para uma linguagem matemática especifica, estando, portanto muito aquém do exigido para a 3ª série do E.M. (Construção, leitura e interpretação gráfica; uso de algumas propriedades e características de figuras geométricas planas e resolução de funções logarítmicas e exponenciais). Apresentam algumas habilidades de interpretação de problemas. Fazem uso de linguagem matemática específica, porém a resolução é insuficiente ao que é exigido para 3ª série do E.M. (Reconhecem e utilizam alguns elementos de geometria analítica, equações polinomiais e reconhecem algumas operações dos números complexos). Utilizam o conceito de Progressão Geométrica para identificar o termo seguinte de uma seqüência dada; calculam a probabilidade de um evento em problema simples e identificam em um gráfico de função o comportamento de crescimento/decrescimento. Interpretam e sabem resolver problemas de forma competente; fazem uso correto da linguagem matemática específica. Apresentam habilidades compatíveis com a série em questão. Reconhecem e utilizam elementos de geometria analítica, equações polinomiais e desenvolvem operações com os números complexos. Além disso, são capazes de resolver problemas distinguindo funções exponenciais crescentes e decrescentes, entre outras habilidades. Fonte: Resultados do Saeb 2003 (Brasil), pág 39.

12 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS A melhoria do ensino da Matemática nas escolas brasileiras depende, principalmente, da melhor capacitação dos professores. É fundamental que eles estejam bem preparados, ou seja, dominando o conteúdo daquilo que deve ser ensinado em sala de aula e conhecendo as melhores metodologias e propostas para o ensino. O ensino-aprendizagem da Matemática não pode restringir-se simplesmente a memorização de procedimentos e fórmulas. O professor, na atualidade, deve atuar como o mediador entre o conhecimento matemático e o aluno, procurando resgatar nos estudantes o interesse em aprender e dessa forma ensinar a matemática com ênfase principalmente em situações problemas contextualizados no cotidiano dos alunos, propiciando a elaboração de trabalhos próprios e pesquisas, como estabelecem os Parâmetros Curriculares Nacionais. Quanto aos aspectos metodológicos para o ensino da matemática, seguindo a estrutura do SAEB, recomenda-se que os professores utilizem a metodologia de resolução de problemas como estratégia didática. A resolução de situações problemas deve ser considerada não apenas como fonte de aprendizagem, mas também como atividade matemática na qual o educador pode efetivamente avaliar as competências e habilidades adquiridas pelos alunos. Observando um ou mais alunos desenvolvendo estratégias na busca da resolução de situação problema pode fornecer elementos de analise importantes para a compreensão do processo de construção da aprendizagem escolar. Dentro deste contexto, é possível mudar a atual situação do ensino da matemática e a visão contrária de uma grande maioria no que tange ao conhecimento matemático que é essencial para a formação de todo individuo e sua inserção no mundo que hoje é governado por números e estatísticas.

13 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Relatório Saeb 2001 Matemática. Brasília: INEP, Qualidade da Educação: Uma nova leitura do desempenho dos estudantes da 3ª Série do Ensino Médio Brasília: INEP, Resultados do SAEB Brasília: INEP, Disponível em:< 10/12/2004 Secretaria da Educação Média e Tecnológica. Parâmetros Curriculares Nacionais (Ensino Médio) Vol 3.Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias Brasília, MEC/Secretaria da Educação Média e Tecnológica, Secretaria da Educação Média e Tecnológica. PCN+:Ensino Médio, Ciências da Natureza Matemática e sua Tecnologias Brasília, MEC/Secretaria da Educação Média e Tecnológica, (ano). UEMA, LUIZA MASSAE. SAEB: INCLUSÃO PELA QUALIDADE (toda criança aprendendo). Disponível em <http://www.tvebrasil.com.br/salto/boletins2003/saeb/>, acessado em 12/10/2004. Brasília. Subsecretaria de Educação Pública. Sugestões Metodológicas para O Ensino Médio. Brasília: SEE, Brasília. Secretaria de Estado Educação do Distrito Federal. Currículo da Educação Básica das Escolas Públicas do DF. Brasília: SEE, Demo, P. Professor Do Futuro E Reconstrução Do Conhecimento. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 2004.

PROVA BRASIL: DESCRITORES DE AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA

PROVA BRASIL: DESCRITORES DE AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA PROVA BRASIL: DESCRITORES DE AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA Isabel Cristina Ribeiro 1 Mary Ângela Teixeira Branda lise 2 Resumo Este trabalho tem por objetivo realizar um estudo sobre as habilidades e competências

Leia mais

Diagnosticando conhecimentos matemáticos requeridos nas provas do ENEM

Diagnosticando conhecimentos matemáticos requeridos nas provas do ENEM Diagnosticando conhecimentos matemáticos requeridos nas provas do ENEM Maria das Dores de Morais Brasil dora.pe@gmail.com Leonardo de Morais UFPE Brasil leonardob.morais@gmail.com Resumo Este trabalho

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 ANÁLISE ESTATÍSTICA DE DADOS DO INEP SOBRE A CORRELAÇÃO ENTRE O PERFIL PROFISSIONAL DOS PROFESSORES DA CIDADE DE SÃO CARLOS QUE ATUAM NA EDUCAÇÃO BÁSICA E, A BUSCA POR FORMAÇÃO CONTINUADA E INOVAÇÃO EDUCACIONAL

Leia mais

Orientações Preliminares. Professor Fábio Vinícius

Orientações Preliminares. Professor Fábio Vinícius Orientações Preliminares Professor Fábio Vinícius O ENEM O ENEM foi criado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (INEP), sob a supervisão do Ministério da Educação (MEC), em 1998,

Leia mais

ISSN 2316-7785 UM OLHAR REFLEXIVO SOBRE A APRENDIZAGEM GEOMÉTRICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

ISSN 2316-7785 UM OLHAR REFLEXIVO SOBRE A APRENDIZAGEM GEOMÉTRICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL ISSN 2316-7785 UM OLHAR REFLEXIVO SOBRE A APRENDIZAGEM GEOMÉTRICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL Tawana Telles Batista Santos Instituto Federal do Norte de Minas Gerais Campus Salinas tawanatelles@yahoo.com.br

Leia mais

O EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO E A ESCOLA

O EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO E A ESCOLA O EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO E A ESCOLA Karine Gantes Monteiro (kahh_gtm@hotmail.com) 1 Márcia Lorena Martinez (marcialorenam@hotmail.com) 2 Thaís Gonçalves D Avila (thais.avila@ig.com.br) 3 Vagner

Leia mais

UMA INVESTIGAÇÃO SOBRE AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO MÉDIO ENVOLVENDO FRAÇÕES

UMA INVESTIGAÇÃO SOBRE AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO MÉDIO ENVOLVENDO FRAÇÕES UMA INVESTIGAÇÃO SOBRE AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO MÉDIO ENVOLVENDO FRAÇÕES Taciany da Silva Pereira¹, Nora Olinda Cabrera Zúñiga² ¹Universidade Federal de Minas Gerais / Departamento

Leia mais

Universalizar a educação primária

Universalizar a educação primária Universalizar a educação primária META 2 terminem um ciclo completo de ensino. Garantir que, até 2015, todas as crianças, de ambos os sexos, Escolaridade no Estado de São Paulo O aumento sistemático das

Leia mais

Orientações para Secretarias de Educação

Orientações para Secretarias de Educação Orientações para Secretarias de Educação SEGUNDO SEMESTRE 2009 Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Presidência do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA 1

SEQUÊNCIA DIDÁTICA UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA 1 SEQUÊNCIA DIDÁTICA UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA 1 QUEIROZ, Antônia Márcia Duarte Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas Gerais- IFSULDEMINAS Universidade

Leia mais

ANÁLISE DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DE XINGUARA, PARÁ SOBRE O ENSINO DE FRAÇÕES

ANÁLISE DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DE XINGUARA, PARÁ SOBRE O ENSINO DE FRAÇÕES 1 ANÁLISE DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DE XINGUARA, PARÁ SOBRE O ENSINO DE FRAÇÕES Luciano Teles Bueno 1, Claudia Lisete Oliveira Groenwald 2 RESUMO O presente trabalho apresenta um estudo realizado com

Leia mais

ENFERMAGEM FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA. Município: PALMITOS

ENFERMAGEM FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA. Município: PALMITOS ENFERMAGEM FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA Município: PALMITOS O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP) apresenta o Relatório do Curso com os resultados

Leia mais

Avaliação Econômica. Relação entre Desempenho Escolar e os Salários no Brasil

Avaliação Econômica. Relação entre Desempenho Escolar e os Salários no Brasil Avaliação Econômica Relação entre Desempenho Escolar e os Salários no Brasil Objetivo da avaliação: identificar o impacto do desempenho dos brasileiros na Educação Básica em sua renda futura. Dimensões

Leia mais

Mestre em Economia/UFMT e Gestor Governamental (SEPLAN/MT). Email: edmarvieira@seplan.mt.gov.br.

Mestre em Economia/UFMT e Gestor Governamental (SEPLAN/MT). Email: edmarvieira@seplan.mt.gov.br. Governo do Estado de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento e Coordenação Geral Superintendência de Planejamento Coordenadoria de Avaliação ET CAV/SP/SEPLAN nº 10/2013 Educação: o desafio da

Leia mais

MINAS, IDEB E PROVA BRASIL

MINAS, IDEB E PROVA BRASIL MINAS, IDEB E PROVA BRASIL Vanessa Guimarães 1 João Filocre 2 I I. SOBRE O 5º ANO DO EF 1. O IDEB (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica) foi criado há um ano pelo MEC e adotado como indicador da

Leia mais

CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: A IMPLANTAÇÃO E A GESTÃO NA MODALIDADE A DISTÃNCIA. Araras, maio de 2011.

CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: A IMPLANTAÇÃO E A GESTÃO NA MODALIDADE A DISTÃNCIA. Araras, maio de 2011. 1 CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: A IMPLANTAÇÃO E A GESTÃO NA MODALIDADE A DISTÃNCIA Araras, maio de 2011. Fernando da Silva Pereira Centro Universitário Hermínio Ometto UNIARARAS SP fernandosilper@uniararas.br

Leia mais

Centro de Estudos em Avaliação Educacional/UFRJ

Centro de Estudos em Avaliação Educacional/UFRJ CURRÍCULO: CONCEITOS BÁSICOS Centro de Estudos em Avaliação Educacional/UFRJ O termo currículo é encontrado em registros do século XVII, sempre relacionado a um projeto de controle do ensino e da aprendizagem,

Leia mais

COLEÇÃO LER E SER - Parecer Técnico Penildon Silva Filho

COLEÇÃO LER E SER - Parecer Técnico Penildon Silva Filho COLEÇÃO LER E SER - Parecer Técnico Penildon Silva Filho Dois assuntos atualmente recebem muita atenção dos educadores e gestores em Educação: o acompanhamento da evolução do Índice de Desenvolvimento

Leia mais

GEOMETRIA ANALÍTICA NO ENSINO MÉDIO ATRAVÉS DA METODOLOGIA DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS

GEOMETRIA ANALÍTICA NO ENSINO MÉDIO ATRAVÉS DA METODOLOGIA DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS ISSN 2177-9139 GEOMETRIA ANALÍTICA NO ENSINO MÉDIO ATRAVÉS DA METODOLOGIA DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS Jeruza Quintana Petrarca de Freitas jeruza.quintana@gmail.com Fundação Universidade Federal do Pampa,

Leia mais

CARTA ABERTA EM DEFESA DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA

CARTA ABERTA EM DEFESA DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA CARTA ABERTA EM DEFESA DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA O Fórum das universidades públicas participantes do PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA vem, por meio desta, defender

Leia mais

LOGO: Educação Matemática e Novas Tecnologias

LOGO: Educação Matemática e Novas Tecnologias LOGO: Educação Matemática e Novas Tecnologias Denice Aparecida Fontana Nisxota MEMEGAIS 1 denice@unemat.br, Adriana Cristina da SILVA 2 crystinaadri@hotmail.com Cleyton Borges dos SANTOS 3 cleyton.borges@gmail.com

Leia mais

RAÇÃO ESSENCIAL HUMANA: MODELANDO SITUAÇÕES COTIDIANAS

RAÇÃO ESSENCIAL HUMANA: MODELANDO SITUAÇÕES COTIDIANAS RAÇÃO ESSENCIAL HUMANA: MODELANDO SITUAÇÕES COTIDIANAS Vlademir Marim Universidade Federal de Uberlândia marim@pontal.ufu.br Leonardo Silva Costa Universidade Federal de Uberlândia leonardo@mat.pontal.ufu.br

Leia mais

ENSINO MÉDIO INTEGRADO: analisando o currículo de matemática

ENSINO MÉDIO INTEGRADO: analisando o currículo de matemática ENSINO MÉDIO INTEGRADO: analisando o currículo de matemática Fernanda Pereira Santos 1 Profª. Drª. Célia Maria Fernandes Nunes 2 Profª. Drª. Marger Ventura Viana 3 Resumo Com esta pesquisa pretende-se

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CST em Gestão da Tecnologia da Informação 1ª. Série Estratégia em Tecnologia da Informação A Atividade Prática Supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de

Leia mais

COMO AVALIAR UM CURSO DE EAD EM SAÚDE? UMA EXPERIÊNCIA DO HOSPITAL ALEMÃO OSWALDO CRUZ NA ÁREA DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE

COMO AVALIAR UM CURSO DE EAD EM SAÚDE? UMA EXPERIÊNCIA DO HOSPITAL ALEMÃO OSWALDO CRUZ NA ÁREA DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE 1 COMO AVALIAR UM CURSO DE EAD EM SAÚDE? UMA EXPERIÊNCIA DO HOSPITAL ALEMÃO OSWALDO CRUZ NA ÁREA DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE São Paulo - SP 05/2015 Vitória Kachar Unidade de Educação a Distância

Leia mais

enfoque Experiências e Desafios na Formação de Professores Indígenas no Brasil

enfoque Experiências e Desafios na Formação de Professores Indígenas no Brasil enfoque Qual é a questão? Experiências e Desafios na Formação de Professores Indígenas no Brasil Luís Donisete Benzi Grupioni Doutorando em Antropologia Social pela Universidade de São Paulo e pesquisador

Leia mais

Estudando estatística descritiva com auxílio do software Calc

Estudando estatística descritiva com auxílio do software Calc Estudando estatística descritiva com auxílio do software Calc Wagner Luis Cabral Martins Palavras-chave: Estatística descritiva. Software Calc. Recursos pedagógicos. As Tecnologias de Informação e Comunicação

Leia mais

ALTERNATIVAS APRESENTADAS PELOS PROFESSORES PARA O TRABALHO COM A LEITURA EM SALA DE AULA

ALTERNATIVAS APRESENTADAS PELOS PROFESSORES PARA O TRABALHO COM A LEITURA EM SALA DE AULA ALTERNATIVAS APRESENTADAS PELOS PROFESSORES PARA O TRABALHO COM A LEITURA EM SALA DE AULA RAQUEL MONTEIRO DA SILVA FREITAS (UFPB). Resumo Essa comunicação objetiva apresentar dados relacionados ao plano

Leia mais

Sinaes Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior. Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes. Relatório da IES

Sinaes Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior. Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes. Relatório da IES Sinaes Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior ENADE 2009 Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes Relatório da IES Universidade Federal de Ouro Preto no município: OURO PRETO SUMÁRIO Apresentação...

Leia mais

DESCOBRINDO ALTURAS POR MEIO DO TEOREMA DE TALES. GT 01 Educação Matemática no Ensino Fundamental: Anos Iniciais e Anos Finais

DESCOBRINDO ALTURAS POR MEIO DO TEOREMA DE TALES. GT 01 Educação Matemática no Ensino Fundamental: Anos Iniciais e Anos Finais DESCOBRINDO ALTURAS POR MEIO DO TEOREMA DE TALES GT 01 Educação Matemática no Ensino Fundamental: Anos Iniciais e Anos Finais Vanessa Faoro UNIJUÍ - vanefaoro@yahoo.com.br Kelly Pereira Duarte UNIJUÍ kelly_duartee@yahoo.com.br

Leia mais

O JOGO DIDÁTICO NA TRILHA DA SAÚDE : CONTRIBUIÇÕES PARA O ENSINO DA TEMÁTICA DIETA, ALIMENTAÇÃO E SAÚDE NO ENSINO DE CIÊNCIAS.

O JOGO DIDÁTICO NA TRILHA DA SAÚDE : CONTRIBUIÇÕES PARA O ENSINO DA TEMÁTICA DIETA, ALIMENTAÇÃO E SAÚDE NO ENSINO DE CIÊNCIAS. O JOGO DIDÁTICO NA TRILHA DA SAÚDE : CONTRIBUIÇÕES PARA O ENSINO DA TEMÁTICA DIETA, ALIMENTAÇÃO E SAÚDE NO ENSINO DE CIÊNCIAS. Andressa Luíssa França Borralho (Licenciando em Ciências da Natureza - UFPI),

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR POLIVALENTE E O TRABALHO COM RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR POLIVALENTE E O TRABALHO COM RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL ISSN: 1981-3031 A FORMAÇÃO DO PROFESSOR POLIVALENTE E O TRABALHO COM RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Juliane dos Santos Medeiros (UFAL) jumedeiros_santos@yahoo.com.br Rosemeire

Leia mais

PROJETO DE VIVÊNCIA 2016.1

PROJETO DE VIVÊNCIA 2016.1 FACULDADE PIO DÉCIMO LICENCIATURA EM QUÍMICA ENSINO DE QUÍMICA ÁREA 4 PROF a MARIA ANTÔNIA ARIMATÉIA FREITAS QUESTÃO 01 Com base na projeção da população brasileira para o período 2010-2040 apresentada

Leia mais

ANÁLISES DAS DIFICULDADES ENCONTRADAS PELOS ALUNOS AO RELACIONAR OS FENÔMENOS FÍSICOS E QUÍMICOS COM SEU COTIDIANO

ANÁLISES DAS DIFICULDADES ENCONTRADAS PELOS ALUNOS AO RELACIONAR OS FENÔMENOS FÍSICOS E QUÍMICOS COM SEU COTIDIANO ANÁLISES DAS DIFICULDADES ENCONTRADAS PELOS ALUNOS AO RELACIONAR OS FENÔMENOS FÍSICOS E QUÍMICOS COM SEU COTIDIANO Wallison Fernando Bernardino da Silva (UFPB/CCA Bolsista Subprojeto Química PIBID/CAPES)

Leia mais

Indicamos inicialmente os números de cada item do questionário e, em seguida, apresentamos os dados com os comentários dos alunos.

Indicamos inicialmente os números de cada item do questionário e, em seguida, apresentamos os dados com os comentários dos alunos. Os dados e resultados abaixo se referem ao preenchimento do questionário Das Práticas de Ensino na percepção de estudantes de Licenciaturas da UFSJ por dez estudantes do curso de Licenciatura Plena em

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA: PRINCIPAIS DIFICULDADES DOS PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO 1

MODELAGEM MATEMÁTICA: PRINCIPAIS DIFICULDADES DOS PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO 1 MODELAGEM MATEMÁTICA: PRINCIPAIS DIFICULDADES DOS PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO 1 Resumo Claudenici Aparecida Medeiros da Silva Universidade Federal do Pará Campus de Marabá Pólo de Canaã dos Carajás nici_medeiros@hotmail.com

Leia mais

INTERPRETANDO A GEOMETRIA DE RODAS DE UM CARRO: UMA EXPERIÊNCIA COM MODELAGEM MATEMÁTICA

INTERPRETANDO A GEOMETRIA DE RODAS DE UM CARRO: UMA EXPERIÊNCIA COM MODELAGEM MATEMÁTICA INTERPRETANDO A GEOMETRIA DE RODAS DE UM CARRO: UMA EXPERIÊNCIA COM MODELAGEM MATEMÁTICA Marcos Leomar Calson Mestrando em Educação em Ciências e Matemática, PUCRS Helena Noronha Cury Doutora em Educação

Leia mais

A mobilização de conhecimentos matemáticos no ensino de Física

A mobilização de conhecimentos matemáticos no ensino de Física Cintia Ap. Bento dos Santos Universidade Cruzeiro do Sul Brasil cintiabento@ig.com.br Edda Curi Universidade Cruzeiro do Sul Brasil edda.curi@cruzeirodosul.edu.br Resumo Este artigo apresenta um recorte

Leia mais

ESTEQUIMETRIA LÚDICA: RESSIGNIFICANDO A APRENDIZAGEM POR MEIO DE UMA MARATONA QUÍMICA

ESTEQUIMETRIA LÚDICA: RESSIGNIFICANDO A APRENDIZAGEM POR MEIO DE UMA MARATONA QUÍMICA ESTEQUIMETRIA LÚDICA: RESSIGNIFICANDO A APRENDIZAGEM POR MEIO DE UMA MARATONA QUÍMICA Patrícia Severiano de Oliveira* (1) (1) Universidade Federal de Alagoas Campus Arapiraca *patríciaufal2011@gmail.com

Leia mais

INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO : PARA UMA BOA INFORMÁTICA EDUCATIVA, UM BOM PEDAGOGO

INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO : PARA UMA BOA INFORMÁTICA EDUCATIVA, UM BOM PEDAGOGO INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO : PARA UMA BOA INFORMÁTICA EDUCATIVA, UM BOM PEDAGOGO Jorge, A. M. UEM alinemjorge@hotmail.com Eixo Temático: Didática: Comunicação e Tecnologia Agência Financiadora: Não contou

Leia mais

PROJETOS DE ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: DO PLANEJAMENTO À AÇÃO.

PROJETOS DE ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: DO PLANEJAMENTO À AÇÃO. PROJETOS DE ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: DO PLANEJAMENTO À AÇÃO. LETICIA VICENTE PINTO TEIXEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIAS). Resumo É sabido o quanto é grande o esforço das escolas em ensinar a leitura

Leia mais

1 Introdução. Lei Nº. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional.

1 Introdução. Lei Nº. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. 11 1 Introdução No contexto da reforma da administração do Estado, ocorrida com o fim da ditadura militar, a educação sofreu ajustamentos que se refletiram nas mudanças ocorridas na legislação durante

Leia mais

SOFTWARE EDUCACIONAL: RECURSO PEDAGÓGICO PARA MELHORAR A APRENDIZAGEM NA DISCIPLINA DE MATEMÁTICA

SOFTWARE EDUCACIONAL: RECURSO PEDAGÓGICO PARA MELHORAR A APRENDIZAGEM NA DISCIPLINA DE MATEMÁTICA SOFTWARE EDUCACIONAL: RECURSO PEDAGÓGICO PARA Resumo MELHORAR A APRENDIZAGEM NA DISCIPLINA DE MATEMÁTICA Clara Celina Ferreira Dias Universidade Federal de Santa Maria UFSM claracelinafd@professor.rs.gov.br

Leia mais

O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO FORMADOR: TRÊS ASPECTOS PARA CONSIDERAR

O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO FORMADOR: TRÊS ASPECTOS PARA CONSIDERAR Título do artigo: O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO FORMADOR: TRÊS ASPECTOS PARA CONSIDERAR Área: Gestão Coordenador Pedagógico Selecionadora: Maria Paula Zurawski 16ª Edição do Prêmio Victor Civita Educador

Leia mais

ÍNDICE 3. ABORDAGEM CONCEITUAL DO MODELO DE GESTÃO DO DESEMPENHO

ÍNDICE 3. ABORDAGEM CONCEITUAL DO MODELO DE GESTÃO DO DESEMPENHO ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. GLOSSÁRIO DE TERMINOLOGIAS ADOTADAS 3. ABORDAGEM CONCEITUAL DO MODELO DE GESTÃO DO DESEMPENHO 4. OBJETIVOS DA GESTÃO DO DESEMPENHO 5. BENEFÍCIOS ESPERADOS DO MODELO 6. DIRETRIZES

Leia mais

PESQUISA INDUSTRIAL ANUAL DE EMPRESA (PIA-Empresa) FONTE DE DADOS O cadastro básico de seleção da PIA-Empresa é obtido a partir do Cadastro Central

PESQUISA INDUSTRIAL ANUAL DE EMPRESA (PIA-Empresa) FONTE DE DADOS O cadastro básico de seleção da PIA-Empresa é obtido a partir do Cadastro Central PESQUISA INDUSTRIAL ANUAL DE EMPRESA (PIA-Empresa) FONTE DE DADOS O cadastro básico de seleção da PIA-Empresa é obtido a partir do Cadastro Central de Empresas - CEMPRE, cuja gestão está sob a responsabilidade

Leia mais

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1029 OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

Leia mais

PLANO DE SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS ESPANHOL 2 Área: Linguagens, Códigos e suas Tecnologias Disciplina: Língua Espanhola carga horária: 60 horas

PLANO DE SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS ESPANHOL 2 Área: Linguagens, Códigos e suas Tecnologias Disciplina: Língua Espanhola carga horária: 60 horas MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL PLANO DE SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS ESPANHOL 2 Área: Linguagens, Códigos e suas Tecnologias

Leia mais

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031 COORDENADOR PEDAGÓGICO E SUA IMPORTÂNCIA NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Polyana Marques Lima Rodrigues 1 poly90lima@hotmail.com Willams dos Santos Rodrigues Lima 2 willams.rodrigues@hotmail.com RESUMO

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC SÃO MIGUEL DO OESTE

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC SÃO MIGUEL DO OESTE FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC SÃO MIGUEL DO OESTE PORTARIA DE CREDENCIAMENTO DA FACULDADE Portaria Nº 1.450 de 28 de novembro de 2008, publicada no DOU em 01 de dezembro de 2008. Diretor da Faculdade:

Leia mais

OFICINA SOBRE PORCENTAGEM E SUAS APLICAÇÕES NO COTIDIANO: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA PIBIDIANA

OFICINA SOBRE PORCENTAGEM E SUAS APLICAÇÕES NO COTIDIANO: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA PIBIDIANA ISSN 2316-7785 OFICINA SOBRE PORCENTAGEM E SUAS APLICAÇÕES NO COTIDIANO: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA PIBIDIANA Aline Alves URI- Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões Campus de alinealves_mat@hotmail.com

Leia mais

9º ANO O progresso da criança

9º ANO O progresso da criança 1 2 3 4 1 2 3 4 6 7 8 PREPARAÇÃO PARA O SUCESSO NO 9º ANO O progresso da criança Uma fonte de recursos para os pais para entender o que a criança deve aprender este ano e sugestões úteis para apoiar o

Leia mais

GAPS EDUCACIONAIS E O INGRESSO NO SETOR DE INFRAESTRUTURA

GAPS EDUCACIONAIS E O INGRESSO NO SETOR DE INFRAESTRUTURA GAPS EDUCACIONAIS E O INGRESSO NO SETOR DE INFRAESTRUTURA Denise Cristina Corrêa da Rocha Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Educação - PPGE Universidade Federal de Juiz de Fora UFJF Bolsista do

Leia mais

Educação Básica PROPOSTAS. Universalização da Educação Básica de qualidade

Educação Básica PROPOSTAS. Universalização da Educação Básica de qualidade Educação Básica O Fórum Temático de Educação vem trabalhando com o objetivo da Agenda 2020 de definir e implementar um modelo de educação básica com foco na qualidade. Entre outras ações, para atingir

Leia mais

Prova Brasil e Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB): fundamentos, organização e objetivos. Prof. Luís Lopes

Prova Brasil e Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB): fundamentos, organização e objetivos. Prof. Luís Lopes Prova Brasil e Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB): fundamentos, organização e objetivos Prof. Luís Lopes Prova Brasil e Saeb: sistemas complementares Avaliação Nacional do Rendimento Escolar

Leia mais

MAPA INCLUSIVO GEOGRÁFICO - M.I.G.: O LÚDICO GEOGRÁFICO

MAPA INCLUSIVO GEOGRÁFICO - M.I.G.: O LÚDICO GEOGRÁFICO MAPA INCLUSIVO GEOGRÁFICO - M.I.G.: O LÚDICO GEOGRÁFICO Maria Wanderléa Rosário dos Santos Faculdade Integrada Brasil Amazônia - FIBRA Letícia Gabrielly de Sousa Pinto Faculdade Integrada Brasil Amazônia

Leia mais

ENSINO DE CIÊNCIAS POR MEIO DE ATIVIDADES LÚDICAS NO 2 ANO DO ENSINO MÉDIO DA ESCOLA INÁCIO PASSARINHO CAXIAS MARANHÃO

ENSINO DE CIÊNCIAS POR MEIO DE ATIVIDADES LÚDICAS NO 2 ANO DO ENSINO MÉDIO DA ESCOLA INÁCIO PASSARINHO CAXIAS MARANHÃO 1 ENSINO DE CIÊNCIAS POR MEIO DE ATIVIDADES LÚDICAS NO 2 ANO DO ENSINO MÉDIO DA ESCOLA INÁCIO PASSARINHO CAXIAS MARANHÃO Tauanny Maria Almeida Lima, Marilene Rodrigues Silva, Joselice da Silva Pereira

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA INTERNA. 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável aos procedimentos de auditoria interna

PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA INTERNA. 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável aos procedimentos de auditoria interna 025 1/8 Sumário 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Documentos complementares 4 Definições 5 Procedimento 6. Formulários 7. Anexo A 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável aos

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES 1

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES 1 FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES 1 A LDB, no Titulo VI, trata dos Profissionais da Educação, considerando sob essa categoria não só os professores, que são responsáveis pela gestão da sala de aula, mas

Leia mais

A aula de leitura através do olhar do futuro professor de língua portuguesa

A aula de leitura através do olhar do futuro professor de língua portuguesa A aula de leitura através do olhar do futuro professor de língua portuguesa Dra. Eulália Vera Lúcia Fraga Leurquin 1 Marina Kataoka Barros 2 Resumo Por meio desta comunicação, desejamos refletir sobre

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA. Projeto Integrado Multidisciplinar I e II

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA. Projeto Integrado Multidisciplinar I e II UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar I e II Manual de orientações - PIM Cursos superiores de Tecnologia em: Gestão Ambiental, Marketing, Processos Gerenciais

Leia mais

9. EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA

9. EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA 9. EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA 9.1 ORGANIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO INDÍGENA 9.1.1 Objetivos gerais A Constituição Federal assegura às comunidades indígenas o direito de uma educação escolar diferenciada e a utilização

Leia mais

Oficina 18: TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO. Introdução

Oficina 18: TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO. Introdução Oficina 18: TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO Introdução Segundo os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs) o conteúdo Tratamento da Informação, deve ser trabalhado de modo que estimule os alunos a fazer perguntas,

Leia mais

A INCLUSÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA ESCOLA

A INCLUSÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA ESCOLA A INCLUSÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA ESCOLA CLARICE VANDERLEI FERRAZ (UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS). Resumo Segundo o MANIFESTO IFLA/UNESCO/BIBLIOTECA ESCOLAR(2002) a missão

Leia mais

Questão 1 Descritor: D4 Identificar a relação entre o número de vértices, faces e/ou arestas de poliedros expressa em um problema.

Questão 1 Descritor: D4 Identificar a relação entre o número de vértices, faces e/ou arestas de poliedros expressa em um problema. SIMULADO SAEB - 2015 Matemática 3ª série do Ensino Médio GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA EDUCAÇÃO QUESTÕES E COMENTÁRIOS Questão 1 D4 Identificar a relação entre o número de vértices, faces

Leia mais

O NOVO ENEM E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DOS PROFESSORES DE FÍSICA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DA CIDADE DE MACEIÓ

O NOVO ENEM E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DOS PROFESSORES DE FÍSICA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DA CIDADE DE MACEIÓ O NOVO ENEM E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DOS PROFESSORES DE FÍSICA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DA CIDADE DE MACEIÓ Natalya Moacyra Bittencourt Queiroz (UFAL) natalya-bittencourt@hotmail.com Elton Casado Fireman (UFAL)

Leia mais

Título: Formação e Condições de Trabalho do Professor Municipal da Região Sul do Brasil: implicações com a qualidade da educação

Título: Formação e Condições de Trabalho do Professor Municipal da Região Sul do Brasil: implicações com a qualidade da educação Título: Formação e Condições de Trabalho do Professor Municipal da Região Sul do Brasil: implicações com a qualidade da educação Magda Vianna de Souza 1 Marta Sisson de Castro 11 Palavras-chave: ensino

Leia mais

A APRENDIZAGEM DO ALUNO NO PROCESSO DE INCLUSÃO DIGITAL: UM ESTUDO DE CASO

A APRENDIZAGEM DO ALUNO NO PROCESSO DE INCLUSÃO DIGITAL: UM ESTUDO DE CASO ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 A APRENDIZAGEM DO ALUNO NO PROCESSO DE INCLUSÃO DIGITAL: UM ESTUDO DE CASO Alexsandra Magne Rubino

Leia mais

Índice. 1. Cursos Presenciais...3. 2. Cursos de Presença Flexível...3

Índice. 1. Cursos Presenciais...3. 2. Cursos de Presença Flexível...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 2 Índice 1. Cursos Presenciais...3 1.1. Do 1º ao 5º (4ª Série) Anos do Ensino Fundamental... 3 1.2. Do 6º (5ª Série) ao 9º (8ª Série) Anos do Ensino Fundamental... 3 1.3. Do 1º ao 3º Ano

Leia mais

REFERÊNCIAS PARA UMA POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO

REFERÊNCIAS PARA UMA POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GRUPO PERMANENTE DE TRABALHO DE EDUCAÇÃO DO CAMPO REFERÊNCIAS PARA UMA POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO CADERNO DE SUBSÍDIOS BRASÍLIA Outubro, 2003 2 ÍNDICE APRESENTAÇÃO...5

Leia mais

Oficina - Álgebra 1. Oficina de CNI EM / Álgebra 1 Material do Monitor. Setor de Educação de Jovens e Adultos. Caro monitor,

Oficina - Álgebra 1. Oficina de CNI EM / Álgebra 1 Material do Monitor. Setor de Educação de Jovens e Adultos. Caro monitor, Oficina - Álgebra 1 Caro monitor, As situações de aprendizagem apresentadas nessa atividade têm como objetivo desenvolver o raciocínio algébrico, e assim, proporcionar que o educando realize a representação

Leia mais

GUIA DO PROFESSOR-ORIENTADOR MONITORIA

GUIA DO PROFESSOR-ORIENTADOR MONITORIA 1 Fundação Presidente Antônio Carlos NÚCLEO DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA E EXTENSÃO GUIA DO PROFESSOR-ORIENTADOR MONITORIA GOVERNADOR VALADARES/ MG 2010 SUMÁRIO 2 Introdução 2 O que é Monitoria 2 Objetivo

Leia mais

UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA - UNISANTA RELATÓRIO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA

UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA - UNISANTA RELATÓRIO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA - UNISANTA RELATÓRIO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA NÚCLEO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL NAI É preciso avaliar para aprimorar CONSIDERAÇÕES INICIAIS A UNISANTA desenvolveu,

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC INTRODUÇÃO AO CÁLCULO. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC INTRODUÇÃO AO CÁLCULO. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

Necessidade e construção de uma Base Nacional Comum

Necessidade e construção de uma Base Nacional Comum Necessidade e construção de uma Base Nacional Comum 1. O direito constitucional à educação é concretizado, primeiramente, com uma trajetória regular do estudante, isto é, acesso das crianças e jovens a

Leia mais

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA SANTOS *, Josiane Gonçalves SME/CTBA josiane_2104@hotmail.com Resumo Os tempos mudaram, a escola mudou. Refletir sobre a escola na contemporaneidade

Leia mais

Artigo. nos últimos 15 anos Acesso ao ensino superior no Brasil: equidade e desigualdade social

Artigo. nos últimos 15 anos Acesso ao ensino superior no Brasil: equidade e desigualdade social Artigo nos últimos 15 anos Acesso ao ensino superior no Brasil: equidade e desigualdade social Por Cibele Yahn de Andrade Pesquisadora do Núcleo de Estudos de Políticas Públicas (NEPP) da Unicamp. Doutoranda

Leia mais

Estudo de funções parte 2

Estudo de funções parte 2 Módulo 2 Unidade 3 Estudo de funções parte 2 Para início de conversa... Taxa de desemprego no Brasil cai a 5,8% em maio A taxa de desempregados no Brasil caiu para 5,8% em maio, depois de registrar 6%

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DAS VÍDEO AULAS NA FORMAÇÃO DO EDUCANDO.

AS CONTRIBUIÇÕES DAS VÍDEO AULAS NA FORMAÇÃO DO EDUCANDO. AS CONTRIBUIÇÕES DAS VÍDEO AULAS NA FORMAÇÃO DO EDUCANDO. Autor: José Marcos da Silva Instituição: UFF/CMIDS E-mail: mzosilva@yahoo.com.br RESUMO A presente pesquisa tem como proposta investigar a visão

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO, CULTURA E ASSUNTOS ESTUDANTIS II SIMPÓSIO DE EXTENSÃO, CULTURA E ASSUNTOS ESTUDANTIS 13 e 14 de junho de 2013 O PROJETO DE EXTENSÃO MATEMÁTICA LEGAL

Leia mais

Orientação para elaboração de provas de acordo com o ENADE

Orientação para elaboração de provas de acordo com o ENADE Orientação para elaboração de provas de acordo com o ENADE Alexandre Porto de Araujo São José dos Campos, abril de 2014 Estrutura do item de múltipla escolha Item de múltipla escolha utilizado nos testes

Leia mais

Palavras-chave: Formação inicial de professores. Ensino a distância. Metodologia de Ensino.

Palavras-chave: Formação inicial de professores. Ensino a distância. Metodologia de Ensino. AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DAS DISCIPLINAS TÓPICOS ESPECIAIS EM MATEMÁTICA DO CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA A DISTÂNCIA Maria da Conceição Alves Bezerra Universidade Federal da Paraíba UFPB VIRTUAL

Leia mais

ENSINO DE QUÍMICA: REALIDADE DOCENTE E A IMPORTANCIA DA EXPERIMENTAÇÃO PARA O PROCESSO DE APRENDIZAGEM

ENSINO DE QUÍMICA: REALIDADE DOCENTE E A IMPORTANCIA DA EXPERIMENTAÇÃO PARA O PROCESSO DE APRENDIZAGEM ENSINO DE QUÍMICA: REALIDADE DOCENTE E A IMPORTANCIA DA EXPERIMENTAÇÃO PARA O PROCESSO DE APRENDIZAGEM Ana Maria Gonçalves Duarte Mendonça 1 ; Darling de Lira Pereira 2 1 Universidade Federal de Campina

Leia mais

O PROCESSO AVALIATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PROCESSO AVALIATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL O PROCESSO AVALIATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Thayssa Stefane Macedo Nascimento Graduanda do curso de Pedagogia da UFPI RESUMO O presente trabalho discute acerca da avaliação na educação infantil tendo como

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 GESTÃO DA APRENDIZAGEM ESCOLAR EM MATEMÁTICA RELATO DE EXPERIÊNCIA NO PROGRAMA GESTAR II Sidnei Luís da Silva Escola Municipal Vereador Benedito Batista Congatem - MG sidneiluisdasilva@yahoo.com.br Camila

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC DE CAÇADOR

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC DE CAÇADOR FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC DE CAÇADOR CREDENCIAMENTO DA FACULDADE Portaria Nº 7 de 14 de janeiro de 2009, publicada no DOU em 26 de janeiro de 2009. Diretor da Faculdade: Fabiano Battisti Archer Coordenador

Leia mais

PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO. Prof. Msc Milene Silva

PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO. Prof. Msc Milene Silva PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO Prof. Msc Milene Silva Conteúdo: Concepções Pedagógicas Conceitos de Educação; Pedagogia; Abordagens Pedagógicas: psicomotora, construtivista, desenvolvimentista e críticas. Função

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: ELABORAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE PROJETOS PEDAGÓGICOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: ELABORAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE PROJETOS PEDAGÓGICOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: ELABORAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE PROJETOS PEDAGÓGICOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM Resumo Gisele Gomes Avelar Bernardes- UEG 1 Compreendendo que a educação é o ponto chave

Leia mais

AUDITORIA CONTÁBIL. Os problemas de Controle Interno encontram-se em todas as áreas das empresas modernas.

AUDITORIA CONTÁBIL. Os problemas de Controle Interno encontram-se em todas as áreas das empresas modernas. Controle Interno Os problemas de Controle Interno encontram-se em todas as áreas das empresas modernas. Exemplo: vendas, fabricação, compras. Quando exercido adequadamente sobre uma das funções acima,

Leia mais

QUANTO É? PALAVRAS-CHAVE: Aulas investigativas, lúdico, aprendizagem. INTRODUÇÃO

QUANTO É? PALAVRAS-CHAVE: Aulas investigativas, lúdico, aprendizagem. INTRODUÇÃO QUANTO É? Danielle Ferreira do Prado - GEEM-UESB RESUMO Este trabalho trata sobre um trabalho que recebeu o nome de Quanto é? que foi desenvolvido depois de vários questionamentos a cerca de como criar

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE Bruna Cardoso Cruz 1 RESUMO: O presente trabalho procura conhecer o desempenho profissional dos professores da faculdade

Leia mais

Estágio Supervisionado Educação Básica - Matemática

Estágio Supervisionado Educação Básica - Matemática Estágio Supervisionado Educação Básica - Matemática Não se pretende que o estágio se configure como algo com finalidade em si mesmo, mas sim que se realize de modo articulado com o restante do curso. Para

Leia mais

19/07 ENSINO E APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ESCRITA EM CLASSES MULTISSERIADAS NA EDUCAÇÃO DO CAMPO NA ILHA DE MARAJÓ

19/07 ENSINO E APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ESCRITA EM CLASSES MULTISSERIADAS NA EDUCAÇÃO DO CAMPO NA ILHA DE MARAJÓ 19/07 ENSINO E APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ESCRITA EM CLASSES MULTISSERIADAS NA EDUCAÇÃO DO CAMPO NA ILHA DE MARAJÓ Waldemar dos Santos Cardoso Junior (Universidade Federal do Pará /Campus Universitário

Leia mais

OS JOGOS PEDAGÓGICOS COMO FERRAMENTAS DE ENSINO

OS JOGOS PEDAGÓGICOS COMO FERRAMENTAS DE ENSINO OS JOGOS PEDAGÓGICOS COMO FERRAMENTAS DE ENSINO Resumo FIALHO, Neusa Nogueira FACINTER neusa_nf@yahoo.com.br Área Temática: Educação: Teorias, Metodologias e Práticas. Não contou com financiamento A falta

Leia mais

Esses slides são parte de um

Esses slides são parte de um Esses slides são parte de um projeto de extensão apresentado na UEMS em 2011, no campus de Maracaju pelas professoras, Simone Estigarribia de Lima e Nataly Gomes Ovando. Esses slides foram elaborados por

Leia mais

Padrões de Desempenho Estudantil

Padrões de Desempenho Estudantil Padrões de Desempenho Estudantil Abaixo do Básico Básico Adequado Avançado Os Padrões de Desempenho são categorias definidas a partir de cortes numéricos que agrupam os níveis da Escala de Proficiência,

Leia mais

A DISLEXIA E A ABORDAGEM INCLUSIVA EDUCACIONAL

A DISLEXIA E A ABORDAGEM INCLUSIVA EDUCACIONAL A DISLEXIA E A ABORDAGEM INCLUSIVA EDUCACIONAL Adriana de Souza Lemos dryycalemos@hotmail.com Paulo Cesar Soares de Oliveira libras.paulo@hotmail.com FACULDADE ALFREDO NASSER RESUMO: O objetivo dessa pesquisa

Leia mais

O ENSINO DO PRINCÍPIO DE BERNOULLI ATRAVÉS DA WEB: UM ESTUDO DE CASO

O ENSINO DO PRINCÍPIO DE BERNOULLI ATRAVÉS DA WEB: UM ESTUDO DE CASO O ENSINO DO PRINCÍPIO DE BERNOULLI ATRAVÉS DA WEB: UM ESTUDO DE CASO Rivanildo Ferreira de MOURA 1, Marcos Antônio BARROS 2 1 Aluno de Graduação em Licenciatura em Física, Universidade Estadual da Paraíba-UEPB,

Leia mais

1.Apresentação 1 2.Planejamento e seus Instrumentos sob o Enfoque Contábil

1.Apresentação 1 2.Planejamento e seus Instrumentos sob o Enfoque Contábil AULA 10: Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público NBC T SP 16.3 a 16.5: Planejamento e seus Instrumentos sob o Enfoque Contábil; Transações no Setor Público; Registro Contábil. SUMÁRIO

Leia mais

DESENVOLVENDO COMPETÊNCIAS MATEMÁTICAS Marineusa Gazzetta *

DESENVOLVENDO COMPETÊNCIAS MATEMÁTICAS Marineusa Gazzetta * DESENVOLVENDO COMPETÊNCIAS MATEMÁTICAS Marineusa Gazzetta * RESUMO: Neste texto apresento algumas considerações sobre as competências e habilidades matemáticas a serem desenvolvidas no Ensino Fundamental,

Leia mais