Regulamento para a Certificação de Sistemas de Gestão Da Qualidade

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Regulamento para a Certificação de Sistemas de Gestão Da Qualidade"

Transcrição

1 Regulamento para a Certificação de Sistemas de Gestão Da Qualidade Em vigor a partir de 19/11/2015 RINA Via Corsica, Genova - Itália Tel.: Fax: Website: Normas técnicas

2 Este regulamento é dividido em 3 seções, dependendo do que for requerido como serviço de certificação: Seção 1: Certificação de Sistema de Gestão Da Qualidade em conformidade com a norma ISO 9001:2015. Seção 2: Certificação do Sistema de Gestão Da Qualidade em conformidade com a norma ISO 9001:2008. Seção 3: Transição da certificação de ISO 9001:2008 para ISO 9001:

3 ÍNDICE Seção 1: Certificação de Sistema de Gestão Da Qualidade em conformidade com a norma ISO 9001: CAPÍTULO 1 - DISPOSIÇÕES GERAIS...4 CAPÍTULO 2 NORMAS DE REFERÊNCIA/ REQUISITOS DE CERTIFICAÇÃO...4 CAPÍTULO 3 CERTIFICAÇÃO INICIAL...5 Seção 2: Certificação de Sistema de Gestão Da Qualidade em conformidade com a norma ISO 9001: CAPÍTULO 1 - DISPOSIÇÕES GERAIS...6 CAPÍTULO 2: PADRÃO DE REFERÊNCIA / REQUISITOS DE CERTIFICAÇÃO...7 CAPÍTULO 3: CERTIFICAÇÃO INICIAL...7 CAPÍTULO 6: DESEMPENHO DA AUDITORIA...8 CAPÍTULO 7: GESTÃO DOS CERTIFICADOS DE CONFORMIDADE...9 CAPÍTULO 10: TRANSFERÊNCIA DE CERTIFICADOS ACREDITADOS...9 Seção 3: Transição de Certificação da norma ISO 9001:2008 para ISO 9001: A.0 - DISPOSIÇÕES GERAIS A.1 APLICAÇÃO DE TRANSIÇÃO A.2 DESEMPENHO DAS AUDITORIAS A.3 EMISSÃO DO CERTIFICADO DE CONFORMIDADE COM A NORMA ISO 9001: A.4 VALIDADE DOS CERTIFICADOS DE CONFORMIDADE COM A NORMA ISO 9001:

4 Seção 1: Certificação de Sistema de Gestão Da Qualidade em conformidade com a norma ISO 9001:2015 CAPÍTULO 1 - DISPOSIÇÕES GERAIS Esse Regulamento define os procedimentos adicionais e/ ou substitutivos aplicados pelo RINA para a certificação dos Sistemas de Gestão Da Qualidade em relação ao que já foi definido no Regulamento Geral para a Certificação dos Sistemas de Gestão. Os parágrafos desse Regulamento se referem aos (e mantém o mesmo número de) parágrafos correspondentes nas Regulamento Geral para a Certificação de Sistemas de Gestão para o qual mudanças e/ ou adições foram realizadas. O RINA emite certificados de acordo com os requisitos da Norma ISO/IEC 17021:2011 para Organizações cujo Sistema de Gestão esteja em completa conformidade com os requisitos da Norma ISO 9001:2015. Além disso, o RINA pode auditar a conformidade de um Sistema de Gestão da Qualidade com outros documentos de referência regulamentares (ISO13485: 2003, EN 9100, EN 9110, EN 9120, ISO 3834: 2006, ISO TS 16949, Confirmação de Conformidade Metrológica), a pedido, e, se necessário, emitir o certificado concernente. Todos os regulamentos/guias específicos da RINA devem também ser considerados nesses casos. CAPÍTULO 2 NORMAS DE REFERÊNCIA/ REQUISITOS DE CERTIFICAÇÃO 2.1 Em adição ao estabelecido nas Regulamento Geral para Certificação dos Sistemas de Gestão, para obter a certificação em Sistema de Gestão Da Qualidade, devem ser satisfeitos os requisitos na norma ISO 9001 e adicionalmente os requisitos dos organismos de certificação (e.g.: documentos ACCREDIA RT 04, RT 05, RT-21). 4

5 CAPÍTULO 3 CERTIFICAÇÃO INICIAL 3.1 De acordo com o estabelecido nas Regulamento Geral para a Certificação dos Sistemas de Gestão, juntamente com ou logo após a solicitação de certificação, a organização deve disponibilizar os para o RINA, o Questionário Informativo para Primeira Certificação preenchido em todas as suas partes, anexando documentos extras que se fizerem necessários; O RINA analisa e emite sua avaliação dos documentos acima para verificar a conformidade com a norma de referência e com os requisitos desse Regulamento. 5

6 Seção 2: Certificação de Sistema de Gestão Da Qualidade em conformidade com a norma ISO 9001:2008 CAPÍTULO 1 - DISPOSIÇÕES GERAIS Este Regulamento define os procedimentos adicionais e/ou substituídos aplicados pelo RINA para a certificação do Sistema de Gestão Da Qualidade em relação ao que já foi definido no Regulamento Geral para a Certificação dos Sistemas de Gestão Regulamento Geral para a Certificação dos Sistemas de Gestão Os pontos deste Regulamento se referem (e mantêm a mesma numeração) aos pontos correspondentes no Regulamento Geral para a Certificação dos Sistemas de Gestão nos quais foram realizadas alterações e/ou adições. O RINA emite certificados de acordo com os requisitos da Norma ISO/IEC 17021:2011 para Organizações cujo Sistema de Gestão esteja em completa conformidade com os requisitos da Norma ISO 9001:2008 Além disso, o RINA pode auditar a conformidade de um Sistema de Gestão da Qualidade com outros documentos de referência regulamentares (ISO13485: 2003, EN 9100, EN 9110, EN 9120, ISO 3834: 2006, ISO TS 16949, Confirmação de Conformidade Metrológica), a pedido, e, se necessário, emitir o certificado concernente. Todos os regulamentos/guias específicos da RINA devem também ser considerados nesses casos. ISO 9001:2008 podem ser emitidos dentro do período de transição. Certificados emitidos e reemitidos em conformidade com a norma ISO 9001:2008 expirarão em 15 de setembro de 2018, final do período de transição. Para manter a gestão do sistema da Qualidade, a organização certificada de acordo com a norma ISO 9001:2008 deve realizar a transição para a nova edição na norma ISO 9001:2015, de acordo com a seção 3 desse Regulamento do RINA, até 15 de setembro de

7 CAPÍTULO 2: PADRÃO DE REFERÊNCIA / REQUISITOS DE CERTIFICAÇÃO Bem como o que é afirmado no item 2.1 do Regulamento Geral para a Certificação dos Sistemas de Gestão, para obter a certificação RINA, um Sistema de Gestão Da Qualidade deve primeiramente e, doravante, satisfazer os requisitos da ISO 9001 e os requisitos adicionais dos órgãos de credenciamento (ex.: documentos ACCREDIA RT-04, RT-05, RT-21). Ao invés das afirmações do item 2.2 do Regulamento Geral para a Certificação dos Sistemas de Gestão, para obter a certificação do Sistema de Gestão Da Qualidade, a organização deve: elaborar um manual: definindo o escopo do Sistema de Gestão Da Qualidade, descrevendo os principais processos e elementos do sistema e as suas interações e contenha ou se refira aos procedimentos documentados relativos; A descrição dos processos e suas interações deve se estender para todas aqulas desenvolvidas pela organização (incluindo processos subcontratados) requeridos para a elaborar / prover um determinado produto / serviço que seja fundamental para a capacidade do produto / serviço satisfazer os requisitos aplicáveis. Isto pode ser realizado de várias formas: Descrições; - Fluxgramas e logogramas; - Tabelas ou matrizes - Outros; levando em consideração os requisitos da norma e, descrevendo, não necessariamente com detalhes, os recursos e procedimentos utilizados para garantir conformidade com esses requisitos contendo uma descrição adequada da organização da companhia CAPÍTULO 3: CERTIFICAÇÃO INICIAL 3.1 Juntamente com o que foi definido no item 3.1 do Regulamento Geral para a Certificação dos Sistemas de Gestão, as Organizações devem informar ao RINA: 7

8 quaisquer atividades/locais excluídos do âmbito de aplicação do Sistema de Gestão Da Qualidade, com o objetivo de verificar a admissibilidade de tais exclusões Juntamente com ou acompanhando o pedido de certificação, e, assim como o que está estabelecido no Regulamento Geral para a Certificação dos Sistemas de Gestão, a Organização deve apresentar ao RINA um Manual do Sistema de Gestão da Qualidade contendo: uma descrição dos processos e suas interações; as razões para a exclusão de todos os elementos do padrão de referência que considera não aplicável ou que necessitam de interpretação ou mudança; a lista das principais leis e/ou regras aplicáveis ao produto/serviço fornecido ou necessário para implementar adequadamente o Sistema de Gestão da Qualidade. Durante a auditoria, a organização deve demonstrar que o Sistema de Gestão é completamento operacional e que efetivamente aplica o sistema e os repectivos procedimentos documentados. Juntamentecom ou após a solicitação de certificação, a Organização deve disponibilizar os seguintes documentos so RINA: O manual de gestão da organização (últimarevisão válida) descrevendo a política, objetivos e programas para o Sistema de Gestão; Lista de procedimentos interns relativos ao sistema de gestão Durante a auditoria inicial, a organização deve demonstrar que o Sistema de Gestão é completamento operacional e que efetivamente aplica o sistema e os repectivos procedimentos documentados. CAPÍTULO 6: DESEMPENHO DA AUDITORIA Estágio 2 A auditoria de estágio 2 é conduzda por auditores RINA competentes, com base na auditoria de estágio 1 e nos seguintes documentos atualizados preparados pela organização: 8

9 Política do sistema de gestão; Manual dosistema de gestão; Questionário informativo preenchido pela organização; Lista de procedimentos internos; Procedimentos de gestão e outros documentos do sistema de gestão; Outros documentos específicos para a correta e eficaz implementação do sistema de gestão CAPÍTULO 7: GESTÃO DOS CERTIFICADOS DE CONFORMIDADE 7.1 Certificados ISO 9001:2008 vão expirar em 15 de setembro de 2018, fim do períodod e transição. CAPÍTULO 10: TRANSFERÊNCIA DE CERTIFICADOS ACREDITADOS 10.1 Caso seja aceita nossa oferta, a organização deve enviar ao RINA o pedido de certificação junto com os seguintes documentos: Cópia do manual do sistema de gestão e lista de procedimentos; 9

10 Seção 3: Transição de Certificação da norma ISO 9001:2008 para ISO 9001:2015 A.0 - DISPOSIÇÕES GERAIS Essa seção se aplica quando a organização certificada em conformidade com a norma ISO 9001:2008 solicitar a transição para a nova edição da norma, ISO 9001:2015. Para obter a certificação ISO 9001:2015 o Sistema de Gestão Da Qualidade deve primeiro satisfazer aos requisitos exigidos nessa mesma ISO 9001:2015 e deve satisfazer aos requisitos adicionais dos organismos de acreditação. A organização tem que demonstrar que implementou corretamente e que atuou de forma a estabelecer os elementos de mudança, devendo demonstrar, por exemplo: - deve ter considerado o contexto definindo o escopo do sistema de gestão da Qualidade e planejando o sistema de gestão com base nos riscos e oportunidades; A.1 APLICAÇÃO DE TRANSIÇÃO Durante o período de transição, a organização certificada pode decidir por realizar a transição para a nova versão da norma: 1. durante a auditoria de supervisão/ periódica (com a possibilidade de ter aumento no tempo de auditoria); 2. durante a auditoria de recertificação; 3. entre duas auditorias já programadas. Um representante autorizado da organização solicitante deve submeter o pedido de transição ao RINA. No momento em que for recebida pelo RINA a solicitação de transição, o RINA envia à organização o documento QUESTIONÁRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO PARA TRANSIÇÃO, que é um questionário informativo a ser preenchido em todas as suas partes como uma etapa da transição, anexando quaisquer documentos que se façam necessários ao preenchimento do mesmo. 10

11 De acordo com as informações escritas no documento QUESTIONÁRIO DE AUTO- AVALIAÇÃO PARA TRANSIÇÃO, o RINA decide se será possível proceder com a transição e, com um aumento no tempo de auditoria, prepara uma proposta para a auditoria de transição. A.2 DESEMPENHO DAS AUDITORIAS A auditoria de transição é dividida em duas etapas: - revisão documental dos elementos que sofreram alteração, baseada no QUESTIONÁRIO DE AUTO AVALIAÇÃO PARA TRANSIÇÃO e nas informações documentais exigidas pela norma ISO 9001: auditoria on-site para verificação do cumprimento dos requisitos da norma ISO 9001:2015. Com relação a execução das auditorias, o que é definido pelas Regulamento Geral para a Certificação de Sistemas de Gestão continua aplicável. Durante o período de transição, se qualquer não-conformidade maior for levantada como decorrência da aplicação da norma ISO 9001:2015 e se a(s) mesma(s) não forem fechadas como previsto nos termos das Regulamento Geral para a Certificação de Sistemas de Gestão, essas não-conformidades não afetarão negativamente a manutenção da certificação atual, contanto que seja verificado que o Sistema de Gestão Da Qualidade continua em conformidade com a norma ISO 9001:2008. As datas e a extensão das auditorias para manutenção da certificação permanecem as mesmas para o ciclo de três anos do programa de auditoria. A.3 EMISSÃO DO CERTIFICADO DE CONFORMIDADE COM A NORMA ISO 9001:2015 Posteriormente à conclusão bem sucedida da auditoria de transição e após a aprovação do RINA, o certificado de conformidade com a nova versão de Regulamento é emitido e a validade será calculada com base na data da decisão da última certificação/ recertificação. 11

12 A.4 VALIDADE DOS CERTIFICADOS DE CONFORMIDADE COM A NORMA ISO 9001:2015 ISO 9001:2008 expirarão em 15 de setembro de Após a data de expiração dos certificados ISO 9001:2008, a organização que desejar obter a certificação ISO 9001:2015 deverá submeter uma nova aplicação/ solicitação de certificação, conforme requisitos de certificação inicial. 12

13 RINA Via Corsica Genova - Itália Tel Fax: website: Normas técnicas Publicação: RC/C 33 Edição em Português 13

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Em vigor a partir de 01/04/2016 RINA Via Corsica 12 16128 Genova - Itália tel. +39 010 53851 fax +39 010 5351000 website : www.rina.org Normas

Leia mais

Regulamento para a Certificação dos Sistemas de Gestão da Responsabilidade Social

Regulamento para a Certificação dos Sistemas de Gestão da Responsabilidade Social Regulamento para a Certificação dos Sistemas de Gestão da Em vigor a partir de 01 de abril de 2016 RINA Via Corsica 12 16128 GÊNOVA, Itália tel +39 010 53851 fax +39 010 5351000 website : www.rina.org

Leia mais

ISO/IEC 17050-2. Avaliação da conformidade Declaração de conformidade do fornecedor Parte 2: Documentação de apoio

ISO/IEC 17050-2. Avaliação da conformidade Declaração de conformidade do fornecedor Parte 2: Documentação de apoio QSP Informe Reservado Nº 43 Fevereiro/2005 ISO/IEC 17050-2 Avaliação da conformidade Declaração de conformidade do fornecedor Parte 2: Documentação de apoio Tradução livre especialmente preparada para

Leia mais

ISO/IEC 17050-1. Avaliação da conformidade Declaração de conformidade do fornecedor Parte 1: Requisitos gerais

ISO/IEC 17050-1. Avaliação da conformidade Declaração de conformidade do fornecedor Parte 1: Requisitos gerais QSP Informe Reservado Nº 42 Janeiro/2005 ISO/IEC 17050-1 Avaliação da conformidade Declaração de conformidade do fornecedor Parte 1: Requisitos gerais Tradução livre especialmente preparada para os Associados

Leia mais

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 276:2011) - OTS NORMA Nº NIT-DICOR-011 APROVADA EM MAR/2013 Nº 01/46 SUMÁRIO

Leia mais

Art. 1º Aprovar o Regulamento para Designação de Organismos de Avaliação da Conformidade, em anexo.

Art. 1º Aprovar o Regulamento para Designação de Organismos de Avaliação da Conformidade, em anexo. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria nº 087, de 03 de maio de 2002. O PRESIDENTE DO INSTITUTO

Leia mais

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE NBC TSC 4410, DE 30 DE AGOSTO DE 2013

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE NBC TSC 4410, DE 30 DE AGOSTO DE 2013 NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE NBC TSC 4410, DE 30 DE AGOSTO DE 2013 Dispõe sobre trabalho de compilação de informações contábeis. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA CERTIFICAÇÃO EM SISTEMAS EVOLUTIVOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL PBQP-H SUMÁRIO 5. ESCOPO E DEFINIÇÃO DE MATERIAIS E SERVIÇOS CRÍTICOS

PROCEDIMENTO PARA CERTIFICAÇÃO EM SISTEMAS EVOLUTIVOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL PBQP-H SUMÁRIO 5. ESCOPO E DEFINIÇÃO DE MATERIAIS E SERVIÇOS CRÍTICOS Página: 1 de 15 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 1. ACREDITAÇÃO E CERTIFICAÇÃO 2. GERAL 3. SOLICITAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO 4. DOCUMENTAÇÃO DA QUALIDADE DA ORGANIZAÇÃO 5. ESCOPO E DEFINIÇÃO DE MATERIAIS E SERVIÇOS CRÍTICOS

Leia mais

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO PBQP-H SiAC

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO PBQP-H SiAC 1 ICQ BRASIL OCS Organismo de Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade, credenciado pelo INME- TRO para certificações de terceira parte. 2 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Este regulamento fornece diretrizes

Leia mais

1.1 O Certificado de Sistemas de Gestão da Qualidade SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira:

1.1 O Certificado de Sistemas de Gestão da Qualidade SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira: Documento analisado criticamente e aprovado quanto à sua adequação. * Revisão geral para atendimento à NBR ISO/IEC 17021-1:2015. Responsável: Carlos Henrique R. Figueiredo Diretor de Certificação 1 - Objetivo

Leia mais

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL 1 ICQ BRASIL OCA Organismo de Certificação de Sistema de Gestão da Ambiental, acreditado pelo INME- TRO para certificação de terceira parte, em conformidade com a norma da Série NBR ISO 14000, a ser usada

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE Questionamento a alta direção: 1. Quais os objetivos e metas da organização? 2. quais os principais Produtos e/ou serviços da organização? 3. Qual o escopo da certificação? 4. qual é a Visão e Missão?

Leia mais

Política de Gestão de Risco de Fraude

Política de Gestão de Risco de Fraude Política de Gestão de Risco de Fraude Versão: 1.0-2015 Alterada: 2 de junho de 2015 Aprovado por: Conselho de Administração Data: 3 de junho de 2015 Preparado por: Conselho de Administração Data: 2 de

Leia mais

PORTARIA N 1279, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2010

PORTARIA N 1279, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2010 PORTARIA N 1279, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2010 O DIRETOR DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE TRÂNSITO - DENATRAN, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 19 da Lei nº. 9.503, de 23 de setembro de 1997, que instituiu

Leia mais

IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL

IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL IECEx OD 314-2 Edição 1.0 2013-07 IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL Sistema de Certificação da IEC em relação às normas sobre atmosferas explosivas (Sistema IECEx) IEC System for Certification to Standards relating

Leia mais

CIRCULAR DE INFORMAÇÃO

CIRCULAR DE INFORMAÇÃO AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL - BRASIL GERÊNCIA GERAL DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS AERONÁUTICOS CIRCULAR DE INFORMAÇÃO Assunto: CONTROLE DE FORNECEDOR PELO FABRICANTE AERONÁUTICO 1 - OBJETIVO Data:

Leia mais

1.1 O Certificado de Sistemas da Gestão Ambiental SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira:

1.1 O Certificado de Sistemas da Gestão Ambiental SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira: Documento analisado criticamente e aprovado quanto à sua adequação. Responsável: Carlos Henrique R. Figueiredo Diretor de Certificação * Inclusão de notas do item 2.1."b" quanto a documentação necessária

Leia mais

Selo de Qualidade e Sustentabilidade para Lavanderias - SQS REFERENCIAL NORMATIVO REF.001

Selo de Qualidade e Sustentabilidade para Lavanderias - SQS REFERENCIAL NORMATIVO REF.001 Selo de Qualidade e Sustentabilidade para Lavanderias - SQS REFERENCIAL NORMATIVO REF.001 Versão Jul.2011 1. Introdução Este programa da Qualidade, Meio Ambiente e Segurança em Lavanderias SQS estabelece

Leia mais

RSQM-DO-028-02-DECLARAÇÃO_DOCUMENTADA_PROCESSO_DE_CERTIFICAÇÃO

RSQM-DO-028-02-DECLARAÇÃO_DOCUMENTADA_PROCESSO_DE_CERTIFICAÇÃO PGMQ - TV O que é OCC? Organismos de Certificação Credenciado (Acreditado) pelo INMETRO Conduzem e concedem a certificação de conformidade, com base em normas nacionais, regionais, internacionais ou regulamentos

Leia mais

Certificação de Válvulas Industriais NBR-15827

Certificação de Válvulas Industriais NBR-15827 Página 1 de 5 Certificação de Válvulas Industriais NBR-15827 Informações para Preenchimento 1. Este questionário refere-se exclusivamente para solicitações de proposta dos serviços de Certificação de Produtos

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO E SERVIÇO CONDIÇÕES PARTICULARES APCER 3011

REGULAMENTO GERAL DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO E SERVIÇO CONDIÇÕES PARTICULARES APCER 3011 REGULAMENTO GERAL DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO E SERVIÇO CONDIÇÕES PARTICULARES APCER 3011 Índice 1. PREÂMBULO... 3 2. ÂMBITO... 3 3. ALTERAÇÕES... 3 4. DEFINIÇÕES E REFERÊNCIAS... 3 5. ESQUEMA

Leia mais

PROCEDIMENTO ESTRUTURA: 1-Objetivo: 2- Campo de Aplicação: 3- Documento de Referência: 4- Definições e Siglas: 5- Descrição do Procedimento:

PROCEDIMENTO ESTRUTURA: 1-Objetivo: 2- Campo de Aplicação: 3- Documento de Referência: 4- Definições e Siglas: 5- Descrição do Procedimento: Página 1 de 8 ESTRUTURA: 1-Objetivo: 2- Campo de Aplicação: 3- Documento de Referência: 4- Definições e Siglas: 5- Descrição do Procedimento: Data da Revisão Nº da Revisão Histórico das Alterações 20/08/2007

Leia mais

Critério para Comerciantes Mudanças Principais

Critério para Comerciantes Mudanças Principais Critério para Comerciantes do Comércio Justo Fairtrade Critério para Comerciantes Mudanças Principais O Critério para Comerciantes do Comércio Justo Fairtrade revisado é o resultado do projeto de revisão

Leia mais

Contrato para Compra de Investimento No. [referência da SOCIEDADE]

Contrato para Compra de Investimento No. [referência da SOCIEDADE] Contrato para Compra de Investimento No. [referência da SOCIEDADE] Entre [ ].. representada pelas pessoas devidamente autorizadas nomeadas na página de assinatura do presente CONTRATO, doravante denominada

Leia mais

Luiz A. Paranhos Velloso Junior Presidente da Junta Comercial do Estado do Rio de Janeiro ID. 1919046-8

Luiz A. Paranhos Velloso Junior Presidente da Junta Comercial do Estado do Rio de Janeiro ID. 1919046-8 PORTARIA JUCERJA N.º 1.408, DE 25 DE AGOSTO DE 2015. APROVA REGULAMENTO DE CREDENCIAMENTO DE PERITOS GRAFOTÉCNICOS, NO ÂMBITO DA JUCERJA. O PRESIDENTE DA JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, no

Leia mais

Manual do Usuário - Cliente Externo

Manual do Usuário - Cliente Externo Versão 3.0 SGCL - Sistema de Gestão de Conteúdo Local SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 4 1.1. Referências... 4 2. COMO ESTÁ ORGANIZADO O MANUAL... 4 3. FUNCIONALIDADES GERAIS DO SISTEMA... 5 3.1. Acessar a Central

Leia mais

Conflito de Interesses e Imparcialidade dos Auditores dos Organismos Certificadores

Conflito de Interesses e Imparcialidade dos Auditores dos Organismos Certificadores QSP Informe Reservado Nº 58 Maio/2006 Conflito de Interesses e Imparcialidade dos Auditores dos Organismos Certificadores Tradução para o português especialmente preparada para os Associados ao QSP. Este

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA INTERNA. 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável aos procedimentos de auditoria interna

PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA INTERNA. 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável aos procedimentos de auditoria interna 025 1/8 Sumário 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Documentos complementares 4 Definições 5 Procedimento 6. Formulários 7. Anexo A 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável aos

Leia mais

Elaboração e acompanhamento de Processos de Certificação

Elaboração e acompanhamento de Processos de Certificação Data: 06/06/2003 Sumário 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Documentos complementares 4 Definições 5 Procedimento Anexo A Formulários 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável à

Leia mais

Resumo das Interpretações Oficiais do TC 176 / ISO

Resumo das Interpretações Oficiais do TC 176 / ISO Resumo das Interpretações Oficiais do TC 176 / ISO Referência RFI 011 Pergunta NBR ISO 9001:2000 cláusula: 2 Apenas os termos e definições da NBR ISO 9000:2000 constituem prescrições da NBR ISO 9001:2000,

Leia mais

TRATADO DE COOPERAÇÃO EM MATÉRIA DE PATENTES 1

TRATADO DE COOPERAÇÃO EM MATÉRIA DE PATENTES 1 Os Estados contratantes, TRATADO DE COOPERAÇÃO EM MATÉRIA DE PATENTES 1 Desejosos de contribuir para o desenvolvimento da ciência e da tecnologia, Desejosos de aperfeiçoar a proteção legal das invenções,

Leia mais

Portaria n.º 512, de 16 de outubro de 2012.

Portaria n.º 512, de 16 de outubro de 2012. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 512, de 16 de outubro de 2012. O PRESIDENTE

Leia mais

AUTO INSPEÇÃO / AUDITORIA INTERNA

AUTO INSPEÇÃO / AUDITORIA INTERNA AUTO INSPEÇÃO / AUDITORIA INTERNA OBJETIVOS DA AUDITORIA INTERNA Avaliar o cumprimento das atividades relacionadas com a Qualidade e Boas Práticas de Fabricação (BPF). Detectar deficiências na implementação

Leia mais

IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL

IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL IECEx OD 521 Edição 1.0, 2015-02 IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL Sistema de Certificação da IEC em relação às normas sobre Equipamentos para utilização em Atmosferas Explosivas (Sistema IECEx) Esquema IECEx

Leia mais

Declaração de Privacidade

Declaração de Privacidade Declaração de Privacidade A Kelly Services, Inc. e suas subsidiárias ( Kelly Services ou Kelly ) respeitam sua privacidade e admitimos que você possui certos direitos relacionados a quaisquer informações

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.682, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2013

CIRCULAR Nº 3.682, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2013 CIRCULAR Nº 3.682, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2013 Aprova o regulamento que disciplina a prestação de serviço de pagamento no âmbito dos arranjos de pagamentos integrantes do Sistema de Pagamentos Brasileiro

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Portaria n.º 245, de 22 de maio de 2015. O PRESIDENTE

Leia mais

Elaboração e controle de Declarações para Importação de Pequenas Quantidades

Elaboração e controle de Declarações para Importação de Pequenas Quantidades 1/8 Palavras-chave: Atmosferas, explosivas, declaração, importação. Exemplar nº: Sumário 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Documentos complementares 4 Definições 5 Procedimento 6 Referências Anexo A Modelo de Declaração

Leia mais

O F Í C I O C I R C U L A R. Membros de Compensação, Corretoras Associadas, Participantes com Liquidação Direta e Operadores Especiais

O F Í C I O C I R C U L A R. Membros de Compensação, Corretoras Associadas, Participantes com Liquidação Direta e Operadores Especiais 02 de maio de 2007 038/2007-DG O F Í C I O C I R C U L A R Membros de Compensação, Corretoras Associadas, Participantes com Liquidação Direta e Operadores Especiais Ref.: Certificação de Profissionais

Leia mais

TRANSIÇÃO DAS CERTIFICAÇÕES DOS SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE E SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL, PARA AS VERSÕES 2015 DAS NORMAS.

TRANSIÇÃO DAS CERTIFICAÇÕES DOS SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE E SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL, PARA AS VERSÕES 2015 DAS NORMAS. TRANSIÇÃO DAS CERTIFICAÇÕES DOS SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE E SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL, PARA AS VERSÕES 2015 DAS NORMAS. As novas versões das normas ABNT NBR ISO 9001 e ABNT NBR ISO 14001 foram

Leia mais

ASSUNTO: Certificação de Organizações de Formação do pessoal do controlo de tráfego aéreo, prevista na Lei n.º 6/2009, de 29 de Janeiro

ASSUNTO: Certificação de Organizações de Formação do pessoal do controlo de tráfego aéreo, prevista na Lei n.º 6/2009, de 29 de Janeiro INSTITUTO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL, I.P. C I R C U L A R D E I N F O R M A Ç Ã O A E R O N Á U T I C A PORTUGAL INFORMAÇÃO AERONÁUTICA Aeroporto da Portela / 1749-034 Lisboa Telefone: 21 842 35 02 / Fax:

Leia mais

POLÍTICA DO BANCO SOBRE A AUDITORIA DE PROJETOS E ENTIDADES. (Documento AF-100) Washington, DC. Consultas: (202) 623-1617 y 2235 dev-fmr@iadb.

POLÍTICA DO BANCO SOBRE A AUDITORIA DE PROJETOS E ENTIDADES. (Documento AF-100) Washington, DC. Consultas: (202) 623-1617 y 2235 dev-fmr@iadb. Banco Interamericano de Desenvolvimento POLÍTICA DO BANCO SOBRE A AUDITORIA DE PROJETOS E ENTIDADES (Documento AF-100) Washington, DC. Consultas: (202) 623-1617 y 2235 dev-fmr@iadb.org 1 Í N D I C E Página

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA DO SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS SRH Nº. 005/2015

INSTRUÇÃO NORMATIVA DO SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS SRH Nº. 005/2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA DO SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS SRH Nº. 005/2015 VERSÃO: 01 DISPÕE SOBRE TREINAMENTO E CAPACITAÇÃO DE PESSOAL NO ÂMBITO DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL DE VENDA NOVA DO

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL PARA ROTULAGEM AMBIENTAL FALCÃO BAUER ECOLABEL BRASIL

PROCEDIMENTO GERAL PARA ROTULAGEM AMBIENTAL FALCÃO BAUER ECOLABEL BRASIL 1. Introdução O Falcão Bauer Ecolabel é um programa de rotulagem ambiental voluntário que visa demonstrar o desempenho ambiental de produtos e serviços através da avaliação da conformidade do produto com

Leia mais

PROPOSTA ALTERNATIVA

PROPOSTA ALTERNATIVA PROJECTO DECRETO LEI SOBRE O EXERCÍCIO DA COORDENAÇÃO EM MATÉRIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NA ACTIVIDADE DE, PREVISTA NO DECRETO LEI N.º 273/2003, DE 29 DE OUTUBRO, BEM COMO O RECONHECIMENTO DOS RESPECTIVOS

Leia mais

Manual SISCAD. Apresentação. Solicitação de Acesso - Credenciamento. Conteúdo. 15/4/2014 Manual SISCAD - TCERS WIKI. De TCERS WIKI

Manual SISCAD. Apresentação. Solicitação de Acesso - Credenciamento. Conteúdo. 15/4/2014 Manual SISCAD - TCERS WIKI. De TCERS WIKI Manual SISCAD De TCERS WIKI Conteúdo 1 Apresentação 2 Solicitação de Acesso - Credenciamento 3 Gerenciamento de Vínculos e Operadores de Sistemas 3.1 Aba Pessoas 3.1.1 Consultar/Alterar dados cadastrais,

Leia mais

Credenciamento e Auditoria de Conteúdo Local. Revisão da Regulamentação

Credenciamento e Auditoria de Conteúdo Local. Revisão da Regulamentação Credenciamento e Auditoria de Conteúdo Local Revisão da Regulamentação Histórico TCU: Utilização do INMETRO como benchmarking para Acreditação Indicação para convergência dos procedimentos da CCL aos procedimentos

Leia mais

Material de apoio. Aula 05 Normas brasileiras de contabilidade Normas técnicas de auditoria independente

Material de apoio. Aula 05 Normas brasileiras de contabilidade Normas técnicas de auditoria independente Material de apoio Aula 05 Normas brasileiras de contabilidade Normas técnicas de auditoria independente Normas de auditoria que entraram em vigor no Brasil, em 2010 O CFC emitiu novas normas de auditoria

Leia mais

Auditoria de Segurança e Saúde do Trabalho da SAE/APO sobre Obra Principal, Obras Complementares, Obras do reservatório e Programas Ambientais

Auditoria de Segurança e Saúde do Trabalho da SAE/APO sobre Obra Principal, Obras Complementares, Obras do reservatório e Programas Ambientais 1 / 10 1 OBJETIVO: Este procedimento visa sistematizar a realização de auditorias de Saúde e Segurança do Trabalho por parte da SANTO ANTÔNIO ENERGIA SAE / Gerência de Saúde e Segurança do Trabalho GSST,

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA REQUERIMENTO DE HOMOLOGAÇÃO DE PRODUTOS PARA TELECOMUNICAÇÕES

PROCEDIMENTO PARA REQUERIMENTO DE HOMOLOGAÇÃO DE PRODUTOS PARA TELECOMUNICAÇÕES PROCEDIMENTO PARA REQUERIMENTO DE HOMOLOGAÇÃO DE PRODUTOS PARA TELECOMUNICAÇÕES A - INTRODUÇÃO A emissão do documento de homologação de produtos para telecomunicações é pré-requisito obrigatório para fins

Leia mais

MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1

MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1 MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1 I. APROVAÇÃO Emitente: Função: Análise crítica e aprovação: Função: Liliane Alves Ribeiro da Silva Gerente Administrativa Roberto José da Silva Gerente Geral

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis Banco do Nordeste Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento DI Institucional Longo Prazo (Administrado pelo Banco do Nordeste do Brasil S.A. - CNPJ: 07.237.373/0001-20)

Leia mais

BUREAU VERITAS CERTIFICATION MANUAL DE UTILIZAÇÃO DAS MARCAS DE CONFORMIDADE DE PRODUTO

BUREAU VERITAS CERTIFICATION MANUAL DE UTILIZAÇÃO DAS MARCAS DE CONFORMIDADE DE PRODUTO BUREAU VERITAS CERTIFICATION MANUAL DE UTILIZAÇÃO DAS MARCAS DE CONFORMIDADE DE PRODUTO Versão 5 Outubro de 2015 INDICE 1 Introdução 2 Utilização das Marcas de Conformidade no Produto 3 Utilização das

Leia mais

Processo de Implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade

Processo de Implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade 3 Processo de Implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade Não existe um jeito único de se implementar um sistema da qualidade ISO 9001: 2000. No entanto, independentemente da maneira escolhida,

Leia mais

REGRA DE CERTIFICAÇÃO GERAL DE SISTEMAS DE GESTÃO

REGRA DE CERTIFICAÇÃO GERAL DE SISTEMAS DE GESTÃO Pagina 1 de 16 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é apresentar a Regra de Certificação Geral utilizada pela A ENOR Serviços de Certificação Brasil Ltda., ( AENOR Brasil), para realizar a prestação

Leia mais

PORTARIA CNMP-PRESI Nº 241, DE 15 DE AGOSTO DE 2013.

PORTARIA CNMP-PRESI Nº 241, DE 15 DE AGOSTO DE 2013. PORTARIA CNMP-PRESI Nº 241, DE 15 DE AGOSTO DE 2013. Aprova o Regimento Interno da Auditoria Interna do Conselho Nacional do Ministério Público. O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO,

Leia mais

Política de Carimbo do Tempo da Autoridade de Carimbo do Tempo Certisign

Política de Carimbo do Tempo da Autoridade de Carimbo do Tempo Certisign Política de Carimbo do Tempo da Autoridade de Carimbo do Tempo Certisign PCT DA ACT Certisign Versão 1.0-09 de Outubro de 2013 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 1.1. VISÃO GERAL... 3 1.2. IDENTIFICAÇÃO... 4 1.3.

Leia mais

CONTROLE DE COPIA: PS-AM-GQ-004 01/08/2014

CONTROLE DE COPIA: PS-AM-GQ-004 01/08/2014 1/7 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática para planejamento, execução e registrosdas auditorias internas da Qualidade, determinar formas de monitoramento das ações corretivas,verificando o atendimento aos

Leia mais

O que significa a ABNT NBR ISO 9001 para quem compra?

O que significa a ABNT NBR ISO 9001 para quem compra? 1 O que significa a ABNT NBR ISO 9001 para quem compra? (ADAPTAÇÃO REALIZADA PELO ABNT/CB-25 AO DOCUMENTO ISO, CONSOLIDANDO COMENTÁRIOS DO INMETRO E DO GRUPO DE APERFEIÇOAMENTO DO PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO)

Leia mais

1. Porque a RAS e a Rainforest Alliance estão adotando esta nova certificação?

1. Porque a RAS e a Rainforest Alliance estão adotando esta nova certificação? MAIO 2012 PERGUNTAS FREQUENTES Certificação de Cadeia de Custódia* Empresas alimentícias, varejistas, governos, ONGs e consumidores estão cada vez mais interessados em conhecer as origens dos produtos

Leia mais

REGRAS GERAIS PARA AUDITORIAS E CERTIFICAÇÕES DQS

REGRAS GERAIS PARA AUDITORIAS E CERTIFICAÇÕES DQS REGRAS GERAIS PARA AUDITORIAS E CERTIFICAÇÕES DQS 1. Serviços de Certificação e Auditoria 1.1 Escopo e Aplicabilidade Estas Regras Gerais para Auditorias e Certificações DQS aplicam-se a todos os serviços

Leia mais

RECONHECIMENTO DA EFICÁCIA JURÍDICA DO DOCUMENTO ELETRÔNICO, A ASSINATURA ELETRÔNICA E A ASSINATURA ELETRÔNICA AVANÇADA NO ÂMBITO DO MERCOSUL

RECONHECIMENTO DA EFICÁCIA JURÍDICA DO DOCUMENTO ELETRÔNICO, A ASSINATURA ELETRÔNICA E A ASSINATURA ELETRÔNICA AVANÇADA NO ÂMBITO DO MERCOSUL MERCOSUR/GMC EXT./RES. Nº 37/06 RECONHECIMENTO DA EFICÁCIA JURÍDICA DO DOCUMENTO ELETRÔNICO, A ASSINATURA ELETRÔNICA E A ASSINATURA ELETRÔNICA AVANÇADA NO ÂMBITO DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de

Leia mais

MANUAL PARA REGISTRO DE CERTIFICADO DE DEPÓSITO DE VALORES MOBILIÁRIOS - BDR NÍVEL I NÃO PATROCINADO

MANUAL PARA REGISTRO DE CERTIFICADO DE DEPÓSITO DE VALORES MOBILIÁRIOS - BDR NÍVEL I NÃO PATROCINADO MANUAL PARA REGISTRO DE CERTIFICADO DE DEPÓSITO DE VALORES MOBILIÁRIOS - BDR NÍVEL I NÃO PATROCINADO Artigo 1º. Para registro do Certificado de Depósito de Valores Mobiliários - BDR Nível I Não Patrocinado

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL

RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL 1 RESPONSABILIDADE SOCIAL NBR 16001 Preparado por Paulo E. B. Neumann Auditor Líder em Sistemas de Gestão 2 RESPONSABILIDADE SOCIAL No Brasil, ganhou notoriedade através das exigências

Leia mais

OS3 SOLUÇÕES EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO LTDA 2010

OS3 SOLUÇÕES EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO LTDA 2010 Telefone: (19) 3119-7246 E-mail: contato@os3ti.com www.os3ti.com 1 CONDIÇÕES GERAIS DE SERVIÇOS Telefone: (19) 3119-7246 E-mail: contato@os3ti.com www.os3ti.com 2 1. DISPOSIÇÕES GERAIS (a) A menos se de

Leia mais

PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES SEM RESSALVA

PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES SEM RESSALVA PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES SEM RESSALVA Aos administradores, conselheiros e participantes Fundo de Pensão Multipatrocinado da Ordem dos Advogados do Brasil, Seção do Paraná e da Caixa de Assistência

Leia mais

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE INDICE Objetivo... 2 Âmbito e campo de aplicação... 2 Responsabilidades... 2 Referências e bibliografia... 2 1. Referências... 2 2. Biliografia... 2 Descrição... 3 1. Definições... 3 2. Reclamação... 3

Leia mais

Documento SGS. PLANO DE TRANSIÇÃO da SGS ICS ISO 9001:2008. PTD3065 - v010-2008-11 Pág 1 de 6

Documento SGS. PLANO DE TRANSIÇÃO da SGS ICS ISO 9001:2008. PTD3065 - v010-2008-11 Pág 1 de 6 PLANO DE TRANSIÇÃO da SGS ICS ISO 9001:2008 PTD3065 - v010-2008-11 Pág 1 de 6 1 Introdução A ISO 9001:2008 e o Processo de Transição da SGS ICS A International Organization for Standardization (ISO) publicou,

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Tópicos Avançados II 5º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 3: Políticas e Declaração de

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Página: 2 Edição: 01 Revisão: 0 ÍNDICE

MANUAL DA QUALIDADE. Página: 2 Edição: 01 Revisão: 0 ÍNDICE Manual da Qualidade Página: 2 ÍNDICE CAP 1 Manual de Gestão da Qualidade 1.1 Objetivo do manual 1.2 Âmbito do Sistema de Gestão da Qualidade 1.2.1 Exclusões 1.3 Terminologia e abreviaturas usadas no manual

Leia mais

MANUAL DE NORMAS CCI CÉDULA DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO ÍNDICE

MANUAL DE NORMAS CCI CÉDULA DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO ÍNDICE 2 / 14 MANUAL DE NORMAS CCI CÉDULA DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO ÍNDICE CAPÍTULO PRIMEIRO DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO SEGUNDO DAS DEFINIÇÕES 3 CAPÍTULO TERCEIRO DAS ATIVIDADES DISPONIBILIZADAS PELA CETIP _6 CAPÍTULO

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

PROTOCOLO FACULTATIVO À CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA. Artigo 1

PROTOCOLO FACULTATIVO À CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA. Artigo 1 PROTOCOLO FACULTATIVO À CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA Os Estados Partes do presente Protocolo acordaram o seguinte: Artigo 1 1. Qualquer Estado Parte do presente Protocolo ( Estado

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DA COOPERATIVA DE CRÉDITO DE LIVRE ADMISSAO DE ASSOCIADOS DE COLORADO E REGIÃO SICOOB COLORADO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DA COOPERATIVA DE CRÉDITO DE LIVRE ADMISSAO DE ASSOCIADOS DE COLORADO E REGIÃO SICOOB COLORADO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DA COOPERATIVA DE CRÉDITO DE LIVRE ADMISSAO DE ASSOCIADOS DE COLORADO E REGIÃO SICOOB COLORADO TÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DA FINALIDADE Art. 1º O Conselho de Fiscal é

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO DE CURRÍCULO NA FORMAÇÃO DOCENTE CAPÍTULO 1 DA ORGANIZAÇÃO GERAL

REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO DE CURRÍCULO NA FORMAÇÃO DOCENTE CAPÍTULO 1 DA ORGANIZAÇÃO GERAL REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO DE CURRÍCULO NA FORMAÇÃO DOCENTE CAPÍTULO 1 DA ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1 - O curso de Pós-Graduação Lato Sensu Especialização

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO E SERVIÇO CONDIÇÕES PARTICULARES QWEB

REGULAMENTO GERAL DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO E SERVIÇO CONDIÇÕES PARTICULARES QWEB REGULAMENTO GERAL DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO E SERVIÇO CONDIÇÕES PARTICULARES QWEB ÍNDICE 1. PREÂMBULO... 3 2. ÂMBITO... 3 3. ALTERAÇÕES... 3 4. DEFINIÇÕES E REFERÊNCIAS... 3 5. ESQUEMA DE CERTIFICAÇÃO...

Leia mais

REGULAMENTO DA BOLSA DE AUDITORES

REGULAMENTO DA BOLSA DE AUDITORES Preâmbulo Tendo por objecto a salvaguarda da qualidade das auditorias executadas sobre actividades ou exercício farmacêuticos, a Ordem dos Farmacêuticos veio criar o presente regulamento da Bolsa de Auditores.

Leia mais

PRODUTOS ORGÂNICOS SISTEMAS PARTICIPATIVOS DE GARANTIA. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

PRODUTOS ORGÂNICOS SISTEMAS PARTICIPATIVOS DE GARANTIA. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento PRODUTOS ORGÂNICOS SISTEMAS PARTICIPATIVOS DE GARANTIA Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento 2008 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.Todos os direitos reservados. É permitida

Leia mais

INSTRUÇÃO Nº 402, DE 27 DE JANEIRO DE 2004

INSTRUÇÃO Nº 402, DE 27 DE JANEIRO DE 2004 Ministério da Fazenda Comissão de Valores Mobiliários INSTRUÇÃO Nº 402, DE 27 DE JANEIRO DE 2004 Estabelece normas e procedimentos para a organização e o funcionamento das corretoras de mercadorias. O

Leia mais

CAPÍTULO 25 COERÊNCIA REGULATÓRIA

CAPÍTULO 25 COERÊNCIA REGULATÓRIA CAPÍTULO 25 COERÊNCIA REGULATÓRIA Artigo 25.1: Definições Para efeito deste Capítulo: medida regulatória coberta significa a medida regulatória determinada por cada Parte a ser objeto deste Capítulo nos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 002 - CONSU DE 29 DE MAIO DE 2007

RESOLUÇÃO Nº. 002 - CONSU DE 29 DE MAIO DE 2007 Rua Governador Luiz Cavalcante, S/N, TELEFAX (82) 3530-3382 CEP: 57312-270 Arapiraca-Alagoas RESOLUÇÃO Nº. 002 - CONSU DE 29 DE MAIO DE 2007 Regulamenta, no âmbito da Uneal, os afastamentos dos servidores

Leia mais

Ministério da Indústria, do Comércio e do Turismo

Ministério da Indústria, do Comércio e do Turismo Ministério da Indústria, do Comércio e do Turismo Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial - INMETRO Portaria n.º 175, de 02 de agosto de 1993. O Presidente do Instituto Nacional

Leia mais

DIRETRIZ PROCEDIMENTOS DE RECLAMAÇÕES E APELAÇÕES QUALIFOR

DIRETRIZ PROCEDIMENTOS DE RECLAMAÇÕES E APELAÇÕES QUALIFOR DIRETRIZ PROCEDIMENTOS DE RECLAMAÇÕES E APELAÇÕES QUALIFOR HISTÓRICO O Programa QUALIFOR é o programa acreditado pelo FSC do Grupo SGS. A SGS é uma empresa internacional especializada em testes, inspeção

Leia mais

REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO DE AVALIADORES E ESPECIALISTAS UTILIZADOS NAS AVALIAÇÕES DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO

REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO DE AVALIADORES E ESPECIALISTAS UTILIZADOS NAS AVALIAÇÕES DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO DE AVALIADORES E ESPECIALISTAS UTILIZADOS NAS AVALIAÇÕES DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO NORMA Nº NIE-CGCRE-017 APROVADA EM JUN/2011 REV Nº 01/10

Leia mais

TERMOS DO PROGRAMA DE LICENÇA DE ENTIDADE GOVERNAMENTAL ("GOVERMENT ENTITIY LICENSCE PROGRAM")

TERMOS DO PROGRAMA DE LICENÇA DE ENTIDADE GOVERNAMENTAL (GOVERMENT ENTITIY LICENSCE PROGRAM) TERMOS DO PROGRAMA DE LICENÇA DE ENTIDADE GOVERNAMENTAL (última revisão em 25 de agosto de 2014) TERMOS DO PROGRAMA DE LICENÇA DE ENTIDADE GOVERNAMENTAL ("GOVERMENT ENTITIY LICENSCE PROGRAM") Acesso simples

Leia mais

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS COMITÊ DE AUDITORIA APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 24 DE SETEMBRO DE 2014 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO 3 II OBJETO

Leia mais

-------------------------------------------------------------------------------- RESOLUÇÃO CFM Nº 1772/2005

-------------------------------------------------------------------------------- RESOLUÇÃO CFM Nº 1772/2005 Normas para certificado de atualização profissional O Conselho Federal de Medicina aprovou, em sessão plenária encerrada no dia 12 de agosto, a Resolução 1772/2005, que institui o certificado de atualização

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE DERMATOLOGIA REGIMENTO DA EDUCAÇÃO MÉDICA CONTINUADA EM DERMATOLOGIA EMC-D

SOCIEDADE BRASILEIRA DE DERMATOLOGIA REGIMENTO DA EDUCAÇÃO MÉDICA CONTINUADA EM DERMATOLOGIA EMC-D SOCIEDADE BRASILEIRA DE DERMATOLOGIA REGIMENTO DA EDUCAÇÃO MÉDICA CONTINUADA EM DERMATOLOGIA EMC-D CAPÍTULO I DO OBJETIVO DO REGIMENTO Art. 1º - O presente regimento tem por objetivo normatizar a Educação

Leia mais

CERT Certification SOP 30 pt. Certificação. Procedimento Operacional Padrão. Válido a partir de: 15/01/2016 Distribuição: Pública

CERT Certification SOP 30 pt. Certificação. Procedimento Operacional Padrão. Válido a partir de: 15/01/2016 Distribuição: Pública 30 pt Certificação Procedimento Operacional Padrão Válido a partir de: 15/01/2016 Distribuição: Pública Índice 1 Propósito deste documento... 3 2 Área de candidatura... 3 3 Idiomas e Traduções... 3 4 Sistema

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC Nº 40, DE 26 DE AGOSTO DE 2015. (DOU Seção 1, nº 164, pag. 47, 27.08.2015) (Retificação DOU Seção 1, nº 165, pag. 69, 28.08.

RESOLUÇÃO - RDC Nº 40, DE 26 DE AGOSTO DE 2015. (DOU Seção 1, nº 164, pag. 47, 27.08.2015) (Retificação DOU Seção 1, nº 165, pag. 69, 28.08. RESOLUÇÃO - RDC Nº 40, DE 26 DE AGOSTO DE 2015 (DOU Seção 1, nº 164, pag. 47, 27.08.2015) (Retificação DOU Seção 1, nº 165, pag. 69, 28.08.2015) Define os requisitos do cadastro de produtos médicos. A

Leia mais

1 Objetivos. 2 Categorias de Certificação do SAQ. 3 - Taxa de registro para produtores. 4 Requisitos para Certificação Selo ABIS

1 Objetivos. 2 Categorias de Certificação do SAQ. 3 - Taxa de registro para produtores. 4 Requisitos para Certificação Selo ABIS 1 Objetivos O presente documento estabelece as competências que um organismo de certificação da Gestão da Segurança de Alimentos, conforme a norma ABNT NBR ISO 22000:2006, deve atender para obter e manter

Leia mais

Guia passo a passo. Como se tornar um pequeno produtor certificado FSC

Guia passo a passo. Como se tornar um pequeno produtor certificado FSC Guia passo a passo Como se tornar um pequeno produtor certificado FSC INTRODUÇÃO AO FSC O que é o FSC? O FSC é uma organização independente, não governamental e sem fins lucrativos criada para promover

Leia mais

ESTE DOCUMENTO É IMPORTANTE E REQUER A SUA ATENÇÃO IMEDIATA.

ESTE DOCUMENTO É IMPORTANTE E REQUER A SUA ATENÇÃO IMEDIATA. ESTE DOCUMENTO É IMPORTANTE E REQUER A SUA ATENÇÃO IMEDIATA. Em caso de dúvida quanto às medidas a adotar, deverá consultar o seu corretor, advogado, contabilista ou outro consultor profissional. ishares

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA RA 01/2016

RELATÓRIO DE AUDITORIA RA 01/2016 TIPO DE AUDITORIA: ACOMPANHAMENTO EXERCÍCIO/PERÍODO: 2015-2016 UNIDADE AUDITADA: PRÓ-REITORIA ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DE AUDITORIA RA 01/2016 1) ESCOPO DOS EXAMES Os trabalhos de auditoria acerca da regularidade

Leia mais

PORTARIA Nº 131, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2008

PORTARIA Nº 131, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2008 PORTARIA Nº 131, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2008 Estabelece os requisitos técnicos e procedimentos para credenciamento de empresas prestadoras de serviço de vistoria em veículos automotores. O DIRETOR DO DEPARTAMENTO

Leia mais

M a n u a l d e I n s t r u ç õ es

M a n u a l d e I n s t r u ç õ es M a n u a l d e I n s t r u ç õ es A L I E N A Ç Ã O D E A Ç Õ E S D O C A P I T A L S O C I A L D O B A N C O D O E S T A D O D O P I A U Í S.A. B E P Atualizado conforme Edital PND nº 2002/004 de 31/10/2002

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ_v5 MANUAL DA QUALIDADE. FORM_001_v1 [Este documento depois de impresso constitui uma cópia não controlada] Página 1 de 22

MANUAL DA QUALIDADE MQ_v5 MANUAL DA QUALIDADE. FORM_001_v1 [Este documento depois de impresso constitui uma cópia não controlada] Página 1 de 22 MANUAL DA QUALIDADE FORM_001_v1 [Este documento depois de impresso constitui uma cópia não controlada] Página 1 de 22 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 4 1.1 Promulgação... 4 1.2 Âmbito e campo de aplicação do SGQ...

Leia mais

QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PESSOAL EM CORROSÃO E PROTEÇÃO

QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PESSOAL EM CORROSÃO E PROTEÇÃO ABRACO 00 de 0 OBJETIVO Esta norma estabelece a sistemática adotada pela Associação Brasileira de Corrosão ABRACO para o funcionamento do Sistema Nacional de Qualificação e Certificação em Corrosão e Proteção.

Leia mais

1 - Objetivo...1. 2 - Concessão do Certificado do Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil SiAC...

1 - Objetivo...1. 2 - Concessão do Certificado do Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil SiAC... Documento analisado criticamente e aprovado quanto à sua adequação. Responsável: Carlos Henrique R. Figueiredo - Diretor de Certificação * Revisão do item 1 (referência à Portaria e Regulamentos obsoletos

Leia mais

INSTRUMENTO PARA CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇO EM CONTROLE DE QUALIDADE DE MATÉRIA-PRIMA, PRODUTO SEMI-ACABADO E ACABADO.

INSTRUMENTO PARA CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇO EM CONTROLE DE QUALIDADE DE MATÉRIA-PRIMA, PRODUTO SEMI-ACABADO E ACABADO. INSTRUMENTO PARA CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇO EM CONTROLE DE QUALIDADE DE MATÉRIA-PRIMA, PRODUTO SEMI-ACABADO E ACABADO. CONDIÇÕES E REQUISITOS NECESSÁRIOS PARA O CREDENCIAMENTO ANFARMAG

Leia mais