O PAPEL DA COMUNIDADE NO PROCESSO DE RESSOCIALIZAÇÃO DO CONDENADO NO ÂMBITO DA ASSOCIAÇÃO DE PROTEÇÃO E ASSISTÊNCIA AO CONDENADO (APAC)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O PAPEL DA COMUNIDADE NO PROCESSO DE RESSOCIALIZAÇÃO DO CONDENADO NO ÂMBITO DA ASSOCIAÇÃO DE PROTEÇÃO E ASSISTÊNCIA AO CONDENADO (APAC)"

Transcrição

1 ANAIS - I Congresso Norte Mineiro de Direito Constitucional - Outubro de 2015 ISSN Montes Claros, MG-p. 1 O PAPEL DA COMUNIDADE NO PROCESSO DE RESSOCIALIZAÇÃO DO CONDENADO NO ÂMBITO DA ASSOCIAÇÃO DE PROTEÇÃO E ASSISTÊNCIA AO CONDENADO (APAC) ARAGÃO, Guilherme Rodrigues Discente do Curso de Direito da UNIMONTES SILVA, Marco Felipe Durães Discente do Curso de Direito da UNIMONTES SILVA, Leandro Luciano Doutorando FAE/UFMG Docente do Curso de Direito das Faculdades Integradas Pitágoras - FIP-Moc Docente do Curso de Direito da UNIMONTES ROCHA, Dalton Caldeira Docente do Curso de Direito da UNIMONTES VELOSO, Cynara Silde Mesquita Docente do Curso de Direito das Faculdades Integradas Pitágoras - FIP-Moc Docente do Curso de Direito da UNIMONTES INTRODUÇÃO Segundo a Lei de Execução Penal (LEP), a execução penal tem por objetivo efetivar as disposições da sentença ou decisão criminal a proporcionar condições para a harmônica integração social do condenado e do internado. A integração social é uma importante dimensão da execução penal no âmbito do atual sistema carcerário e ela corre tanto no acompanhamento do condenado pela Assistência Social, quanto na participação do Conselho de Comunidade. Ocorre que os dados atuais do sistema prisional brasileiro sugerem a deficiência deste modelo de acompanhamento, possibilitando o surgimento de novos modelos e estratégias para a integração social do condenado. Esses novos modelos e estratégias vão permitir que direitos constitucionalmente estabelecidos sejam efetivamente respeitados no âmbito da execução penal. A Constituição da República Federativa do Brasil, promulgada em 1988, estabelece, em seu artigo 5º, incisos XLVIII e XLIX, que a pena deverá ser cumprida em estabelecimentos distintos, levando em conta a natureza do delito, a idade e o sexo do apenado. Além disso, assegura-se ao preso o respeito a integridade física e moral. Ocorre que dados atuais demonstram a incapacidade do sistema prisional para proporcionar integralmente esses direitos aos apenados. Diante dessa situação, a Associação de Proteção e Assistência ao Condenado (APAC) apresenta-se como um desses novos modelos para a integração social do condenado. A APAC

2 ANAIS - I Congresso Norte Mineiro de Direito Constitucional - Outubro de 2015 ISSN Montes Claros, MG-p. 2 nasceu em São José dos Campos, em 18 de novembro de 1972, criada pelo advogado paulista Mário Ottoboni e um grupo de amigos cristãos, que se uniram com o objetivo de melhorar as condições físicas e estruturais da Cadeia Pública de São José dos Campos. Esse método baseia-se em 12 elementos fundamentais, sendo um destes a participação da comunidade no processo de ressocialização do condenado, objeto de estudo deste trabalho. É nessa perspectiva que o trabalho revela sua relevância, uma vez que procura evidenciar o papel da comunidade na ressocialização do apenado se pautando na análise comparativa do Sistema Prisional Tradicional e do Método APAC. A partir dos dados levantados será possível identificar a participação da comunidade na ressocialização do apenado e levantar os pontos de estrangulamento dessa participação nos dois modelos de execução, formando um diagnóstico da temática e incitando o debate quanto às melhores estratégias de participação da comunidade na ressocialização do apenado, com perspectivas de implantação do método APAC e com a indicação de melhorias no sistema tradicional onde o método APAC não puder ser implantado ou for inconveniente. Nesse sentido, destaque-se que o aperfeiçoamento da execução penal no Brasil deve ser um esforço conjunto dos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, buscando assegurar a dignidade humana daquele que se encontra cumprindo pena, intentando a sua reintegração social. E é exatamente nesse cenário de discussão das providências estatais para uma melhor execução penal, estabelecendo delimitação de responsabilidades para cada um dos poderes, que o trabalho relaciona-se com o tema do Congresso. Por fim, o objetivo deste trabalho é analisar a integração social do condenado a partir da atuação da Assistência Social e do Conselho de Comunidade, previstos na lei 7210/84 (Lei de Execução Penal). DESENVOLVIMENTO 1. Abordagem metodológica Trata-se de estudo exploratório realizado através pesquisa bibliográfica e documental. A coleta de dados será realizada em dois bancos de dados, como resultados parciais, são apresentados dados relacionados à assistência social apontados no âmbito do relatório de inspeção em estabelecimentos penais de Minas Gerais, realizado no período de 25 e 26 de abril de 2013, pelo Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária. Em outra oportunidade, os

3 ANAIS - I Congresso Norte Mineiro de Direito Constitucional - Outubro de 2015 ISSN Montes Claros, MG-p. 3 dados serão obtidos junto à Vara de Execuções Criminais e do Tribunal do Júri da Comarca de Montes Claros - Minas Gerais. 2. Revisão de Literatura e descrição do Conteúdo O sistema prisional adotado atualmente no Brasil tem, em teoria, como uma de suas funções, promover a ressocialização do condenado, de maneira que possa retornar ao convívio social normalmente após o cumprimento de sua pena. Entretanto, esse sistema tem sofrido críticas, em razão da sua impossibilidade de promover a ressocialização, devido aos problemas que envolvem a execução penal no Brasil. A CRFB/88 aborda, em seu artigo 5º, nos incisos XLVIII e XLIX, a necessidade de garantir que o condenado cumpra pena em estabelecimento penal adequado a sua situação, respeitando sua integridade física e moral. Essas condições são necessárias para a individualização da pena e para que seja possível à pena alcançar as suas finalidades retributiva e preventiva. Na Lei nº 7.210/84, Lei de Execução Penal, LEP, estão previstos instrumentos que servem para atingir uma dessas finalidades da pena, que é a de ressocializar o condenado e internado, permitindo seu retorno ao meio social. Dois dos exemplos desses mecanismos são a assistência social e o Conselho de Comunidade. Os artigos 22 e 23 da LEP tratam da assistência social e de que maneira esta se realiza nas unidades prisionais. Essa assistência tem por finalidade dar suporte ao preso e ao internado quando em cumprimento das penas privativa de liberdade ou restritiva de direitos, bem como prepará-los para o retorno ao convívio social. Com relação à assistência social, esclarece Marcão (2012, p.57) que ela: [...] visa a proteger e orientar o preso e o internado, ajustando-os ao convívio no estabelecimento penal em que se encontram, e preparando-os para o retorno à vida livre, mediante orientação e contato com os diversos setores da complexa atividade humana. Já o Conselho de Comunidade (LEP, artigos 80 e 81) apresenta-se como uma forma de participação da comunidade no cumprimento de pena, seja acompanhando com mais atenção, de maneira que as unidades prisionais possuam uma estrutura adequada para alojamento dos condenados, seja para que os Juízes das Varas de Execuções Criminais e Conselhos Penitenciários estejam cientes da situação estrutural e humana das unidades prisionais que a eles cabem fiscalizar. Esse conselho é composto por quatro membros, sendo um representante comercial ou industrial, um advogado indicado pela Seção da Ordem dos Advogados do Brasil,

4 ANAIS - I Congresso Norte Mineiro de Direito Constitucional - Outubro de 2015 ISSN Montes Claros, MG-p. 4 um defensor público indicado pelo Defensor Público Geral e um assistente social indicado pela Delegacia Seccional do Conselho Nacional de Assistentes sociais. Apesar de previstos na legislação especial, ou seja, na LEP, esses instrumentos não têm sido implementados nas unidades prisionais brasileiras e, se o são, não desempenham o papel para o qual foram idealizados. Uma demonstração desta dissociação entre o previsto na norma e o efetivamente encontrado nos estabelecimentos prisionais, pode ser observado pela análise dos resultados do relatório final de inspeção em estabelecimentos penais na região metropolitana de Belo Horizonte, Minas Gerais, nos períodos de 25 e 26 de abril de O relatório considerou critérios quanto ao estabelecimento penal, como administração; características o local, das pessoas presas, das pessoas cumprindo medida de segurança, dos funcionários em exercício no estabelecimento; condições materiais; alimentação; rotina padrão; assistências à saúde, jurídica, laboral, educacionais/desportivas/culturais e de lazer, religiosa e social; segurança; disciplina e ocorrências; visitas; relatos de pessoas presas e funcionários; e inspeções. Entre os critérios avaliados, destaca-se o resultado no que se refere à assistência social e às inspeções, em especial as realizadas pelo Conselho de Comunidade. Dos quatros estabelecimentos submetidos às inspeções, apenas dois cumpriram medianamente as normas estabelecidas. O Complexo Penitenciário Feminino Estevão Pinto, localizado em Belo Horizonte, Minas Gerais, dispões de quatro assistentes sociais do Sistema Único de Assistência Social, que realizam visitas diariamente. No que tange ao Conselho de Comunidade, verifica-se que suas inspeções são realizadas anualmente, longe do que seria o ideal, uma vez que a LEP determina que tais diligências sejam realizadas mensalmente (artigo 81, I). Já a Penitenciária Inspetor José Marinho Drumond que, apesar do nome, é uma cadeia pública, dispõe de seis assistentes sociais da própria unidade prisional, que realizam de forma insatisfatória seu encargo, tendo em vista que há reclamações dos presos e funcionários do estabelecimento com relação ao serviço prestado, conforme apresenta o próprio relatório supracitado. Além disso, não há registros de inspeções do Conselho de Comunidade. Esses resultados corroboram com a hipótese de que as diretrizes relativas à execução penal, previstas na LEP, não estão cumprindo uma de suas finalidades, que é promover a ressocialização do apenado. A comunidade não se dispõe a colaborar na recuperação social do

5 ANAIS - I Congresso Norte Mineiro de Direito Constitucional - Outubro de 2015 ISSN Montes Claros, MG-p. 5 preso, nem o Estado é capaz de se organizar e planejar de modo a prestar assistência social satisfatória. A Assembléia Geral das Nações Unidas, por meio da resolução nº 45/111, de 14 de Dezembro de 1990 adotou os Princípios Básicos Relativos ao Tratamento de Reclusos, que em seu item 10 descreve que Com a participação e ajuda da comunidade e das instituições sociais, e com o devido respeito pelos interesses das vítimas, devem ser criadas condições favoráveis à reinserção do antigo recluso na sociedade, nas melhores condições (ONU, 1990). Nesse mesmo sentido, Ottoboni destaca que, diante da incapacidade do Estado em proporcionar um sistema prisional adequado à ressocialização dos presos, cabe à comunidade assumir esse papel, criando novas formas para humanizar as penas e recuperar o preso, buscando colaborar por meio da Assistência Social e do Conselho de Comunidade. É evidente que tudo deve começar com a participação da comunidade. É necessário encontrar meios de despertá-la para a tarefa, mormente quando não existem dúvidas de que o Estado já se revelou incapaz de cumprir a função essencial das penas, que é exatamente a de preparar o condenado para retornar ao convívio da sociedade (OTTOBONI, 2006, p. 64). A lei de execução penal, em sua Exposição de Motivos, nos itens 24 e 25, estabelece que nenhum programa que se destina a enfrentar os problemas referentes ao delito, ao delinquente e à pena se completaria sem o indispensável e contínuo apoio comunitário. Muito além da passividade ou da ausência de reação quanto às vítimas mortas ou traumatizadas, a comunidade participa ativamente do procedimento da execução, quer por meio de um conselho, quer por intermédio das pessoas jurídicas ou naturais, que assistem ou fiscalizam não somente as reações penais em meio fechado (penas privativas da liberdade e medida de segurança detentiva) como também em meio livre (pena de multa e penas restritivas de direitos) (MARCÃO, 2012, p. 123). Como observado, o sistema penitenciário tradicional não atinge uma das finalidades da sanção penal: a ressocialização do apenado. Também é latente a necessidade maior participação da comunidade no processo de recuperação do condenado, utilizando de meios já existentes, como a Assistência Social e Conselho de Comunidade, bem como criando novos métodos. Sob a perspectiva de novos métodos de participação comunitária na execução penal, o método APAC surge como uma alternativa para suprir as lacunas deixadas pelo Estado, colaborando para reerguer mecanismos previstos na legislação penal, como o Conselho de Comunidade e a assistência social, que buscam assegurar que a pena seja devidamente individualizada para cada condenado e que seja cumprida em estabelecimentos penais

6 ANAIS - I Congresso Norte Mineiro de Direito Constitucional - Outubro de 2015 ISSN Montes Claros, MG-p. 6 adequados, de acordo com os critérios determinados no artigo 5º da CRFB/88, de maneira que as integridades física e moral dos condenados sejam efetivamente respeitadas. CONSIDERAÇÕES FINAIS Os dados parciais aqui apresentados indicam que a ressocialização do condenado, a partir da atuação da assistência social e do Conselho de Comunidade, não atende ao seu propósito. Isso sugere a possibilidade de experimentação de novas alternativas, sendo que o método APAC pode contribuir nesse sentido, uma vez que apresenta como primeiro elemento no processo de ressocialização, a participação da comunidade. E neste sentido, ao contribuir na ressocialização do condenado, esse novo método estaria proporcionando um estabelecimento penal mais humanizado para cumprimento de pena, garantindo, acima de tudo, o que a Constituição da República Federativa do Brasil, de 1988, estabeleceu como um de seus fundamentos, que é a dignidade da pessoa humana REFERÊNCIAS BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado BRASIL. Decreto-Lei 2.848, de 7 de dezembro de Disponível em < Acesso em 20 de outubro de BRASIL. Lei 7.210, de 11 de julho de Disponível em < Acesso em 10 de setembro de CONSELHO NACIONAL DE POLÍTICA CRIMINAL E PENITENCIÁRIA. Relatório de Inspeção em Estabelecimentos penais de Minas Gerais - PERÍODO: 25 e 26 de abril de Brasília, < Acesso em: 13 de setembro de MARCÃO, Renato. Curso de Execução Penal. 10. ed. São Paulo: Saraiva, ONU. Organização das Nações Unidas. Resolução nº 45/111, de 14 de Dezembro de Princípios básicos relativos ao tratamento de reclusos < Acesso em: 02 de junho de OTTOBONI, Mário. Vamos matar o criminoso?: Método APAC. 3. ed. São Paulo: Paulinas, 2006.

O ACESSO À JUSTIÇA POR MEIO DA DEFENSORIA PÚBLICA

O ACESSO À JUSTIÇA POR MEIO DA DEFENSORIA PÚBLICA ANAIS - I Congresso Norte Mineiro de Direito Constitucional - Outubro de 2015 ISSN 2447-3251- Montes Claros, MG-p. 1 O ACESSO À JUSTIÇA POR MEIO DA DEFENSORIA PÚBLICA BISPO, Bruno Henrique Câmara Acadêmico

Leia mais

A INSERÇÃO DO EGRESSO DO SISTEMA PRISIONAL NO MERCADO DE TRABALHO

A INSERÇÃO DO EGRESSO DO SISTEMA PRISIONAL NO MERCADO DE TRABALHO A INSERÇÃO DO EGRESSO DO SISTEMA PRISIONAL NO MERCADO DE TRABALHO Lorena Tolentino Cardoso Faculdades Unidas do Norte de Minas FUNORTE lorenatolentino@gmail.com Mariane Marques de Souza Faculdades Unidas

Leia mais

PARTICIPAÇÃO NO CONGRESSO NACIONAL DE EXECUÇÃO PENAL RIO DE JANEIRO 3 a 05 DE SETEMBRO DE 2003.

PARTICIPAÇÃO NO CONGRESSO NACIONAL DE EXECUÇÃO PENAL RIO DE JANEIRO 3 a 05 DE SETEMBRO DE 2003. PARTICIPAÇÃO NO CONGRESSO NACIONAL DE EXECUÇÃO PENAL RIO DE JANEIRO 3 a 05 DE SETEMBRO DE 2003. O PAPEL DO PODER JUDICIÁRIO NO PROCESSO LEGISLATIVO, NA APLICAÇÃO E EXECUÇÃO DA PENAS E MEDIDAS ALTERNATIVAS.

Leia mais

MÃES MULHERES ENCARCERADAS: A PENA É DUPLICADA

MÃES MULHERES ENCARCERADAS: A PENA É DUPLICADA MÃES MULHERES ENCARCERADAS: A PENA É DUPLICADA Eveline Franco da Silva O Sistema Penitenciário Nacional apresentou uma população carcerária em 2010 de 496.251 indivíduos. (1) Os estados brasileiros que

Leia mais

CONCEPÇÕES SOBRE EDUCAÇÃO INCLUSIVA MANTIDAS POR ESTUDANTES DE PEDAGOGIA DA FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS DA UNESP DE MARÍLIA 1

CONCEPÇÕES SOBRE EDUCAÇÃO INCLUSIVA MANTIDAS POR ESTUDANTES DE PEDAGOGIA DA FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS DA UNESP DE MARÍLIA 1 CONCEPÇÕES SOBRE EDUCAÇÃO INCLUSIVA MANTIDAS POR ESTUDANTES DE PEDAGOGIA DA FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS DA UNESP DE MARÍLIA 1 Carla Cristina MARINHO 2. Sadao OMOTE 3. Faculdade de Filosofia e Ciências,

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA:

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA A PRÁTICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE SOCIAL

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1. Introdução: A Pena 2. A Pena na Constituição Federal de 1988 3. Finalidades da pena 4. Espécies de pena no Código Penal brasileiro 5. Direito Penitenciário 6. Legislação 7. Aplicação

Leia mais

Novos Rumos na Execução Penal

Novos Rumos na Execução Penal Novos Rumos na Execução Penal Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais Categoria Tribunal Incentiva a criação e expansão de Associações de Proteção e Assistência aos Condenados Apacs no Estado de

Leia mais

Caros Servidores Docentes, Técnicos Administrativos e queridos Discentes.

Caros Servidores Docentes, Técnicos Administrativos e queridos Discentes. Caros Servidores Docentes, Técnicos Administrativos e queridos Discentes. Neste momento, vivemos mais uma vez um processo democrático de escolha de dirigentes em nossa Instituição. Devemos valorizar a

Leia mais

1. Escopo ou finalidade da iniciativa

1. Escopo ou finalidade da iniciativa 1. Escopo ou finalidade da iniciativa O Programa Novos Rumos do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) passou a incorporar cinco iniciativas: Grupo de Cooperação de Juízes (GC), que busca a efetividade

Leia mais

O acórdão em análise é oriundo do Superior Tribunal de Justiça, no julgamento de um agravo regimental em Recurso Especial e assim dispõe:

O acórdão em análise é oriundo do Superior Tribunal de Justiça, no julgamento de um agravo regimental em Recurso Especial e assim dispõe: 3. COMENTÁRIOS À JURISPRUDÊNCIA 3.1 QUESTÕES PONTUAIS SOBRE EXECUÇÃO PENAL ÉRIKA DE LAET GOULART MATOSINHO Oficial do Ministério Público do Estado de Minas Gerais Bacharel em Direito 1. Escolha do acórdão

Leia mais

Associação de Proteção e Assistência aos condenados. Criação e Implantação nos Municípios

Associação de Proteção e Assistência aos condenados. Criação e Implantação nos Municípios Associação de Proteção e Assistência aos condenados Criação e Implantação nos Municípios O Método APAC O que é? A APAC é uma entidade civil de Direito Privado, com personalidade jurídica própria, destinada

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO PENITENCIÁRIO NACIONAL

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO PENITENCIÁRIO NACIONAL MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO PENITENCIÁRIO NACIONAL EDITAL N 12 BRA/14/011 Contratação de consultoria nacional especializada para produção de subsídios visando ao fortalecimento das ações de saúde

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL E LEGISLAÇÃO: UM CONVITE AO DIÁLOGO

EDUCAÇÃO INFANTIL E LEGISLAÇÃO: UM CONVITE AO DIÁLOGO Secretaria Municipal de Educação maele_cardoso@hotmail.com Introdução A Educação Infantil, primeira etapa da Educação Básica, constitui se no atendimento de crianças de 0 a 5 anos de idade, em instituições

Leia mais

Atendimento Policial a Vítimas de Violência Doméstica

Atendimento Policial a Vítimas de Violência Doméstica Pág. 01 Pág. 02 Pág. 03 Pág. 04 Pág. 05 Pág. 06 Pág. 07 Pág. 08 As condutas delituosas inseridas no contexto da Violência Doméstica e/ou familiar contra a mulher receberam uma conceituação legal a partir

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM: POLÍTICAS E GESTÃO PRISIONAL

PÓS-GRADUAÇÃO EM: POLÍTICAS E GESTÃO PRISIONAL PÓS-GRADUAÇÃO EM: POLÍTICAS E GESTÃO PRISIONAL DISCIPLINAS MÓDULOS CH 01 ÉTICA NA SEGURANÇA PÚBLICA E PRISIONAL Capacitar o aluno para assumir uma conduta ética e legal no relacionamento profissional e

Leia mais

I CONGRESSO BRASILEIRO DE EXECUÇÃO DE PENAS E MEDIDAS ALTERNATIVAS

I CONGRESSO BRASILEIRO DE EXECUÇÃO DE PENAS E MEDIDAS ALTERNATIVAS I CONGRESSO BRASILEIRO DE EXECUÇÃO DE PENAS E MEDIDAS ALTERNATIVAS CARTA DE CURITIBA Os participantes do I CONGRESSO BRASILEIRO DE EXECUÇÃO DE PENAS E MEDIDAS ALTERNATIVAS, realizado em Curitiba PR, de

Leia mais

Mapa do Encarceramento: os jovens do Brasil

Mapa do Encarceramento: os jovens do Brasil Mapa do Encarceramento: os jovens do Brasil O Mapa do Encarceramento: os jovens do Brasil é mais uma publicação do Plano Juventude Viva, que reúne ações de prevenção para reduzir a vulnerabilidade de jovens

Leia mais

A FILOSOFIA DE UMA POLÍCIA COMUNITÁRIA COMO RESPEITO AOS DIREITOS HUMANOS

A FILOSOFIA DE UMA POLÍCIA COMUNITÁRIA COMO RESPEITO AOS DIREITOS HUMANOS A FILOSOFIA DE UMA POLÍCIA COMUNITÁRIA COMO RESPEITO AOS DIREITOS HUMANOS Bruno Marques da SILVA 1 RESUMO: Este trabalho tem por objetivo fazer uma análise história e objetiva sobre as adaptações que as

Leia mais

DIREITO FUNDAMENTAL À ACESSIBILIDADE NO BRASIL: UMA REVISÃO NARRATIVA SOBRE O TEMA

DIREITO FUNDAMENTAL À ACESSIBILIDADE NO BRASIL: UMA REVISÃO NARRATIVA SOBRE O TEMA DIREITO FUNDAMENTAL À ACESSIBILIDADE NO BRASIL: UMA REVISÃO NARRATIVA SOBRE O TEMA Autoria: Tâmara Mirely Silveira Silva Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) (FACISA) Daniel Ferreira de Lima (orientador)

Leia mais

PARECER COREN-SP 029/2013 CT PRCI n 100.987 e Ticket nº 280.486

PARECER COREN-SP 029/2013 CT PRCI n 100.987 e Ticket nº 280.486 PARECER COREN-SP 029/2013 CT PRCI n 100.987 e Ticket nº 280.486 Ementa: Desempenho de atividade profissional por portador de Hepatite tipo B e Vírus da Imunodeficiência Humana (HIV). 1. Do fato Enfermeira

Leia mais

O SUAS e rede privada na oferta de serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais

O SUAS e rede privada na oferta de serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais O SUAS e rede privada na oferta de serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais Departamento da Rede Socioassistencial Privada do SUAS. Secretaria Nacional de Assistencia Social. DADOS

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.381.315 - RJ (2013/0148762-1) RELATOR : MINISTRO ROGERIO SCHIETTI CRUZ RECORRENTE : MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO RECORRIDO : JOSÉ JERÔNIMO ALVES FERREIRA ADVOGADO

Leia mais

DECLARAÇÃO IBERO-AMERICANA DE JUSTIÇA JUVENIL RESTAURATIVA

DECLARAÇÃO IBERO-AMERICANA DE JUSTIÇA JUVENIL RESTAURATIVA DECLARAÇÃO IBERO-AMERICANA DE JUSTIÇA JUVENIL RESTAURATIVA Introdução Em abril e novembro de 2014, Terre des hommes (Tdh), aliada à Agência Espanhola de Cooperação Internacional (AECID) e à Conferência

Leia mais

Programa de Pós-Graduação FAPAM

Programa de Pós-Graduação FAPAM Confraria Nossa Senhora da Piedade da Paróquia de Nossa Senhora da Piedade Faculdade de Pará de Minas - FAPAM Reconhecida pelo Decreto 79090, de 04/01/77 Rua Ricardo Marinho, 110 - São Geraldo - Pará de

Leia mais

LEI Nº 6559 DE 16 DE OUTUBRO DE 2013. INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL DO IDOSO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

LEI Nº 6559 DE 16 DE OUTUBRO DE 2013. INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL DO IDOSO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEI Nº 6559 DE 16 DE OUTUBRO DE 2013. INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL DO IDOSO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de

Leia mais

6 Considerações finais

6 Considerações finais 6 Considerações finais O percurso desta dissertação girou em torno da proposta de situar a questão da iniciativa popular legislativa nas dinâmicas da Assembleia Nacional Constituinte e da Constituição

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA MINISTÉRIO DA JUSTIÇA EDITAL GABINETE/DEPEN BRA/14/011 Contratação de Consultoria Nacional Especializada para Formulação de Modelo de Gestão de Inteligência Penitenciária BRASÍLIA, AGOSTO DE 2015 TERMO

Leia mais

ATENDIMENTO NOTURNO, NAS UNIDADES PRISIONAIS DE REGIME SEMIABERTO, SITUADAS NA GRANDE VITÓRIA

ATENDIMENTO NOTURNO, NAS UNIDADES PRISIONAIS DE REGIME SEMIABERTO, SITUADAS NA GRANDE VITÓRIA RAFAEL AMORIM SANTOS ROCHESTER OLIVEIRA ARAÚJO CONCURSO DE PRÁTICAS EXITOSAS ATENDIMENTO NOTURNO, NAS UNIDADES PRISIONAIS DE REGIME SEMIABERTO, SITUADAS NA GRANDE VITÓRIA Vitória 2015 RAFAEL AMORIM SANTOS

Leia mais

CARTA DE BRASÍLIA I ENCONTRO NACIONAL DOS CONSELHOS DA COMUNIDADE Brasília 6 e 7 dezembro de 2012

CARTA DE BRASÍLIA I ENCONTRO NACIONAL DOS CONSELHOS DA COMUNIDADE Brasília 6 e 7 dezembro de 2012 CARTA DE BRASÍLIA I ENCONTRO NACIONAL DOS CONSELHOS DA COMUNIDADE Brasília 6 e 7 dezembro de 2012 Os participantes do I ENCONTRO NACIONAL DOS CONSELHOS DA COMUNIDADE, representantes de Conselhos da Comunidade

Leia mais

TCC em Re vista 2009. MALDI, Laura Cristina dos Reis 6.

TCC em Re vista 2009. MALDI, Laura Cristina dos Reis 6. TCC em Re vista 2009 43 MALDI, Laura Cristina dos Reis 6. Sistema penitenciário brasileiro: a superlotação e a privatização. 2009. 128 f. Trabalho de Curso (Graduação em Direito), Franca-SP. Orientador:

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO PENITENCIÁRIO NACIONAL

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO PENITENCIÁRIO NACIONAL MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO PENITENCIÁRIO NACIONAL EDITAL N 22/2016 BRA/14/011 Contratação de Consultoria Nacional Especializada para produção de subsídios voltados ao aperfeiçoamento da Política

Leia mais

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO PROJETO DE LEI N o 2.587, DE 2007 Altera as Leis nº s 6.938, de 31 de agosto de 1981, e 9.605, de 12 de fevereiro de 1998. Autora: Deputada Thelma

Leia mais

A DEFENSORIA PÚBLICA COMO GARANTIDORA DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS DOS PRESOS PROVISÓRIOS E CONDENADOS

A DEFENSORIA PÚBLICA COMO GARANTIDORA DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS DOS PRESOS PROVISÓRIOS E CONDENADOS A COMO GARANTIDORA DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS DOS PRESOS PROVISÓRIOS E CONDENADOS Maicom Alan Fraga Vendruscolo. Defensor Público do Estado de Mato Grosso, pós-graduado em Ciências Penais e atua na Comarca

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA PROVIMENTO N. 11/2016-CM

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA PROVIMENTO N. 11/2016-CM PROVIMENTO N. 11/2016-CM Institui o Grupo de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário GMF de que trata a Resolução n. 96, de 27-10-2009 e a Resolução n. 214, de 15-12-2015, ambas do Conselho

Leia mais

III FONACRIM ENUNCIADOS APROVADOS

III FONACRIM ENUNCIADOS APROVADOS III FONACRIM ENUNCIADOS APROVADOS 1. No curso da instrução criminal, caso o MPF, intimado para tanto, não demonstre a existência de circunstâncias que possam importar na fixação da eventual pena eventual

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 6.858, DE 2010 (Do Sr. Marcelo Itagiba)

PROJETO DE LEI N.º 6.858, DE 2010 (Do Sr. Marcelo Itagiba) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 6.858, DE 2010 (Do Sr. Marcelo Itagiba) Altera a Lei nº 7.210, de 11 de julho de 1984, Lei de Execução Penal, para criar comissão técnica independente da administração

Leia mais

SWOT 2009 MP/PR OPORTUNIDADES ORGANIZADAS POR OBJETIVOS ESTRATÉGICOS

SWOT 2009 MP/PR OPORTUNIDADES ORGANIZADAS POR OBJETIVOS ESTRATÉGICOS SWOT 009 MP/PR OPORTUNIDADES ORGANIZADAS POR OBJETIVOS ESTRATÉGICOS Nº OCOR- % OPORTUNIDADES RÊNCIAS TOTAL OBJETIVOS ESTRATÉGICOS Informática: Sistema de automação de dados MP; instituição do processo

Leia mais

A PENA DE MORTE EM TEMPO DE GUERRA

A PENA DE MORTE EM TEMPO DE GUERRA UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO MILITAR DIREITO PENAL MILITAR PARTE GERAL MARCELO VITUZZO PERCIANI A PENA DE MORTE EM TEMPO DE GUERRA Marcelo Vituzzo Perciani 1º Tenente da Polícia

Leia mais

SÚ MÚLA DE RECOMENDAÇO ES AOS RELATORES Nº 1/2016/CE

SÚ MÚLA DE RECOMENDAÇO ES AOS RELATORES Nº 1/2016/CE SÚ MÚLA DE RECOMENDAÇO ES AOS RELATORES Nº 1/2016/CE CONSIDERAÇÕES INICIAIS A presente Súmula de Recomendações aos Relatores da CE tem por objetivo definir parâmetros de referência às decisões da Comissão,

Leia mais

PROJETO DE LEI. O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI. O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI Cria a Lei de Responsabilidade Político- Criminal. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º A proposta legislativa que tratar da criação de novos tipos penais, aumentar a pena cominada ou tornar

Leia mais

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X SUGESTÃO DE METODOLOGIA PARA INVENTÁRIO DE PATRIMÔNIO CULTURAL

Leia mais

GISELE CALDEIRA DE FREITAS PROJETO DE PESQUISA APLICADA: A RESSOCIALIZAÇÃO DO PRESO FRENTE AO SISTEMA PENITENCIÁRIO BRASILEIRO

GISELE CALDEIRA DE FREITAS PROJETO DE PESQUISA APLICADA: A RESSOCIALIZAÇÃO DO PRESO FRENTE AO SISTEMA PENITENCIÁRIO BRASILEIRO GISELE CALDEIRA DE FREITAS PROJETO DE PESQUISA APLICADA: A RESSOCIALIZAÇÃO DO PRESO FRENTE AO SISTEMA PENITENCIÁRIO BRASILEIRO IBAITI 2013 3 AUÍLIO FINANCEIRO A CURSOS PROJETO DE PESQUISA APLICADA SUMÁRIO

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República em Cáceres Mato Grosso RECOMENDAÇÃO N. 32/2014

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República em Cáceres Mato Grosso RECOMENDAÇÃO N. 32/2014 IC n. 1.20.001.000046/2014-84 RECOMENDAÇÃO N. 32/2014 O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, nos autos dos Inquérito Civil n.º 1.20.001.000046/2014-84, pela Procuradora da República signatária, no cumprimento de

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA AGRONÔMICA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA AGRONÔMICA REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA AGRONÔMICA 2014 São Luis de Montes Belos Goiás Faculdade Montes Belos Curso de Engenharia Agronômica São Luis de Montes Belos - Goiás COORDENADOR

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica Psicologia Jurídica. Psicologia Jurídica, Forense, Judiciária e Criminal

Pontifícia Universidade Católica Psicologia Jurídica. Psicologia Jurídica, Forense, Judiciária e Criminal Pontifícia Universidade Católica Psicologia Jurídica Psicologia Jurídica, Forense, Judiciária e Criminal A Psicologia Jurídica corresponde a toda aplicação do saber psicológico às questões relacionadas

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO. Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde

CURSO DE ATUALIZAÇÃO. Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde Assédio Moral: proposta de criação de uma comissão como meio de formalização de queias, prevenção e intervenção

Leia mais

PROJETO DE LEI N O, DE 2004

PROJETO DE LEI N O, DE 2004 PROJETO DE LEI N O, DE 2004 (Do Sr. Wladimir Costa) Dispõe sobre o atendimento educacional especializado em classes hospitalares e por meio de atendimento pedagógico domiciliar. O Congresso Nacional decreta:

Leia mais

CMPI da Violência contra a mulher

CMPI da Violência contra a mulher CMPI da Violência contra a mulher É entristecedor saber que o Brasil ocupa o 7º lugar no ranking dos países em assassinato de mulheres dentro de casa. E que, apesar de termos uma Lei, no caso a Lei Maria

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO CHOÇA ESTADO DA BAHIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO CHOÇA ESTADO DA BAHIA LEI Nº 272, DE 06 DE JUNHO DE 2014. Dispõe sobre a criação do Conselho Comunitário de Segurança Pública e Entidades Afins do Município de Barra do Choça e dá outras Providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE

Leia mais

Poder Judiciário PLANO DE TRABALHO

Poder Judiciário PLANO DE TRABALHO PLANO DE TRABALHO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO Título: Acordo de Cooperação Técnica, celebrado entre o Conselho Nacional de Justiça, o Ministério da Justiça e o Instituto de Defesa do Direito de Defesa,

Leia mais

Nº 70043654797 COMARCA DE PALMEIRA DAS MISSÕES MAUBER MARCELO DOS SANTOS A C Ó R D Ã O

Nº 70043654797 COMARCA DE PALMEIRA DAS MISSÕES MAUBER MARCELO DOS SANTOS A C Ó R D Ã O EXECUÇÃO. NOVA CONDENAÇÃO. SOMA DAS PENAS. REGRESSÃO E ALTERAÇÃO DA DATA-BASE. POSSIBILIDADE. A regressão de regime, aqui para o fechado, se deve ao previsto no artigo 111 da Lei de Execução Penal. O expediente

Leia mais

RELATO DA PRÁTICA INOVADORA NA ASSISTÊNCIA SOCIAL

RELATO DA PRÁTICA INOVADORA NA ASSISTÊNCIA SOCIAL RELATO DA PRÁTICA INOVADORA NA ASSISTÊNCIA SOCIAL 1. NOME DA PRÁTICA OU IDÉIA INOVADORA Projeto De Volta Pra Casa - Linha de Cuidado Aplicada à Assistência Social - Fortalecendo a Convivência Familiar

Leia mais

LEGISLAÇÃO EM SAÚDE NO SISTEMA PRISIONAL. Ministério da Saúde. Biblioteca Virtual em Saúde do Ministério da Saúde www.saude.gov.

LEGISLAÇÃO EM SAÚDE NO SISTEMA PRISIONAL. Ministério da Saúde. Biblioteca Virtual em Saúde do Ministério da Saúde www.saude.gov. Ministério da Saúde LEGISLAÇÃO EM Biblioteca Virtual em Saúde do Ministério da Saúde www.saude.gov.br/bvs SAÚDE NO SISTEMA PRISIONAL Legislação em Saúde www.saude.gov.br/saudelegis 2014 Ministério da Saúde

Leia mais

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO José Afonso da Silva 1. A controvérsia 1. A condenação, pelo Supremo Tribunal Federal, na Ação Penal 470, de alguns deputados federais tem suscitado dúvidas relativamente

Leia mais

SAÚDE DA FAMÍLIA E VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER: UM DESAFIO PARA A SAÚDE PUBLICA DE UM MUNICIPIO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Brasil

SAÚDE DA FAMÍLIA E VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER: UM DESAFIO PARA A SAÚDE PUBLICA DE UM MUNICIPIO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Brasil ID 1676 SAÚDE DA FAMÍLIA E VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER: UM DESAFIO PARA A SAÚDE PUBLICA DE UM MUNICIPIO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Brasil Dutra, Laís; Eugênio, Flávia; Camargo, Aline; Ferreira

Leia mais

PROCESSO PENAL COMNENTÁRIOS RECURSOS PREZADOS, SEGUEM OS COMENTÁRIOS E RAZÕES PARA RECURSOS DAS QUESTÕES DE PROCESSO PENAL.

PROCESSO PENAL COMNENTÁRIOS RECURSOS PREZADOS, SEGUEM OS COMENTÁRIOS E RAZÕES PARA RECURSOS DAS QUESTÕES DE PROCESSO PENAL. PROCESSO PENAL COMNENTÁRIOS RECURSOS PREZADOS, SEGUEM OS COMENTÁRIOS E RAZÕES PARA RECURSOS DAS QUESTÕES DE PROCESSO PENAL. A PROVA FOI MUITO BEM ELABORADA EXIGINDO DO CANDIDATO UM CONHECIMENTO APURADO

Leia mais

MINUTA DA RESOLUÇÃO DA COMISSÃO DE IMPLANTAÇÃO DAS 30 HORAS SEMANAIS DO CEFET-MG

MINUTA DA RESOLUÇÃO DA COMISSÃO DE IMPLANTAÇÃO DAS 30 HORAS SEMANAIS DO CEFET-MG MINUTA DA RESOLUÇÃO DA COMISSÃO DE IMPLANTAÇÃO DAS 30 HORAS SEMANAIS DO CEFET-MG Regulamenta o processo de implementação e avaliação da flexibilização da jornada de trabalho dos servidores técnico-administrativos

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DA DEFENSORIA PÚBLICA RESOLUÇÃO CSDPE Nº 016/2013

CONSELHO SUPERIOR DA DEFENSORIA PÚBLICA RESOLUÇÃO CSDPE Nº 016/2013 CONSELHO SUPERIOR DA DEFENSORIA PÚBLICA RESOLUÇÃO CSDPE Nº 016/2013 Dispõe sobre as atribuições da Coordenação de Atendimento ao Preso Provisório da Defensoria Pública da Capital e dá outras providências.

Leia mais

Doi: 10.4025/7cih.pphuem.1439 ESPAÇO DE RESSOCIALIZAÇÃO: ATENÇÃO AO EGRESSO E À FAMÍLIA, COMARCA DE APUCARANA, PR

Doi: 10.4025/7cih.pphuem.1439 ESPAÇO DE RESSOCIALIZAÇÃO: ATENÇÃO AO EGRESSO E À FAMÍLIA, COMARCA DE APUCARANA, PR Doi: 10.4025/7cih.pphuem.1439 ESPAÇO DE RESSOCIALIZAÇÃO: ATENÇÃO AO EGRESSO E À FAMÍLIA, COMARCA DE APUCARANA, PR Latif Antonia Cassab Márcia Josefina Beffa Amanda da Costa Mattos Bruna Balthazar de Paula

Leia mais

A Sustentabilidade e a Inovação na formação dos Engenheiros Brasileiros. Prof.Dr. Marco Antônio Dias CEETEPS

A Sustentabilidade e a Inovação na formação dos Engenheiros Brasileiros. Prof.Dr. Marco Antônio Dias CEETEPS A Sustentabilidade e a Inovação na formação dos Engenheiros Brasileiros Prof.Dr. Marco Antônio Dias CEETEPS O PAPEL DA FORMAÇÃO ACADÊMICA Segundo diversos autores que dominam e escrevem a respeito do tema,

Leia mais

PENAS ALTERNATIVAS E O DIREITO PENAL MILITAR

PENAS ALTERNATIVAS E O DIREITO PENAL MILITAR PENAS ALTERNATIVAS E O DIREITO PENAL MILITAR MARIA FERNANDA DE LIMA ESTEVES [1] Desde o início da história, a humanidade depara-se com o cometimento das mais diversas infrações, e, ao lado delas, surge

Leia mais

EdUECE- Livro 1 03430

EdUECE- Livro 1 03430 OS SABERES E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DO CURSO DE PEDAGOGIA A DISTÂNCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Maria Irene Miranda Universidade Federal de Uberlândia RESUMO O trabalho aborda o Curso de Pedagogia

Leia mais

Violência gera debate sobre a redução da maioridade penal Projetos da PUCPR proporcionam aos adolescentes novas oportunidades de vida

Violência gera debate sobre a redução da maioridade penal Projetos da PUCPR proporcionam aos adolescentes novas oportunidades de vida Violência gera debate sobre a redução da maioridade penal Projetos da PUCPR proporcionam aos adolescentes novas oportunidades de vida Um adolescente entre 16 e 18 anos de idade, que assalta e mata alguém,

Leia mais

A VISÃO DOS TUTORES NA EAD DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE GOIÁS - uma sugestão de formação corporativa ao serviço público

A VISÃO DOS TUTORES NA EAD DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE GOIÁS - uma sugestão de formação corporativa ao serviço público 1 A VISÃO DOS TUTORES NA EAD DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE GOIÁS - uma sugestão de formação corporativa ao serviço público Goiânia GO abril/2015 Dayse Mysmar Tavares Rodrigues TJGO dmysmar@hotmail.com

Leia mais

RELATÓRIO DO GRUPO DE TRABALHO NO SUBTEMA PREVENÇÃO

RELATÓRIO DO GRUPO DE TRABALHO NO SUBTEMA PREVENÇÃO RELATÓRIO DO GRUPO DE TRABALHO NO SUBTEMA PREVENÇÃO Coordenadora Deputada Aline Corrêa Membros: Deputados Áureo e William Dib Propostas do grupo de trabalho sobre prevenção A partir dos trabalhos realizados

Leia mais

ASSESSORAMENTO TÉCNICO-PEDAGÓGICO AOS MUNICÍPIOS QUE ADERIRAM AO PROINFÂNCIA: DEMANDAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

ASSESSORAMENTO TÉCNICO-PEDAGÓGICO AOS MUNICÍPIOS QUE ADERIRAM AO PROINFÂNCIA: DEMANDAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL 01097 ASSESSORAMENTO TÉCNICO-PEDAGÓGICO AOS MUNICÍPIOS QUE ADERIRAM AO PROINFÂNCIA: DEMANDAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria Luiza Rodrigues Flores (UFRGS) Simone Albuquerque (UFRGS) O artigo apresenta alguns

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ DE DIREITO DA VARA CÍVEL DA COMARCA DE ARAGUARI (MG)

EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ DE DIREITO DA VARA CÍVEL DA COMARCA DE ARAGUARI (MG) EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ DE DIREITO DA VARA CÍVEL DA COMARCA DE ARAGUARI (MG) O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS, no exercício das atribuições da Curadoria dos Direitos Humanos, vem à presença

Leia mais

Ética Profissional e os Desafios de Concretizar Direitos no Sistema Penal. Marco Antonio da Rocha

Ética Profissional e os Desafios de Concretizar Direitos no Sistema Penal. Marco Antonio da Rocha Ética Profissional e os Desafios de Concretizar Direitos no Sistema Penal Marco Antonio da Rocha O LUGAR DA ÉTICA NA SOCIEDADE FILOSOFIA: PRECISAMOS DE UMA PARA VIVER??? Ou uma breve reflexão sobre os

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 289, DE 1999

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 289, DE 1999 COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 289, DE 1999 Acrescenta artigo à Lei nº 7.210, de 11 de julho de 1984 - Lei de Execução Penal. Autor: Deputado MARÇAL FILHO Relator: Deputado

Leia mais

VESTIBULAR REVALIDAÇÃO 2015 Data: 31/07/2015

VESTIBULAR REVALIDAÇÃO 2015 Data: 31/07/2015 VESTIBULAR REVALIDAÇÃO 2015 Data: 31/07/2015 Nome: MOISÉS MOREIRA RODRIGUES CPF: 640.46451068 Nota: REDAÇÃO Com base na temática proposta abaixo, elabore uma redação seguindo rigorosamente as orientações:

Leia mais

<CABBCBBCCADACABACBBCAADDADAABCABBCCAA DDADAAAD> A C Ó R D Ã O

<CABBCBBCCADACABACBBCAADDADAABCABBCCAA DDADAAAD> A C Ó R D Ã O EMENTA: AGRAVO EM EXECUÇÃO PENAL REMIÇÃO DE PENA PELO ESTUDO ART. 126 DA LEI DE EXECUÇÕES PENAIS APROVEITAMENTO DO CURSO DESNECESSIDADE SIMPLES FREQUENCIA

Leia mais

CARTA DE PORTO ALEGRE

CARTA DE PORTO ALEGRE MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO CARTA DE PORTO ALEGRE Aos vinte e três dias do mês de janeiro do ano de dois mil e três, na cidade de Porto Alegre/RS, durante o

Leia mais

assistência social na aplicação de medidas sócio-educativas

assistência social na aplicação de medidas sócio-educativas O uso da Metodologia de Atendimento Sistêmico na interseção das áreas judiciárias e de assistência social na aplicação de medidas sócio-educativas Sônia Vieira Coelho - 2012 A Metodologia de Atendimento

Leia mais

PARCERIAS PÚBLICO- PRIVADAS III Fórum Brasileiro sobre a Reforma do Estado Carlos Ari Sundfeld SITUANDO O TEMA DA PPP escassez de recursos orçamentários para projetos de alto custo déficit de projetos

Leia mais

ANO XXIII 27/07/2015. Superintendência de Comunicação Integrada CLIPPING. Nesta edição: Clipping Geral Infância e Juventude Meio Ambiente Procon-MG

ANO XXIII 27/07/2015. Superintendência de Comunicação Integrada CLIPPING. Nesta edição: Clipping Geral Infância e Juventude Meio Ambiente Procon-MG ANO XXIII 153 27/07/2015 Superintendência de Comunicação Integrada CLIPPING Nesta edição: Clipping Geral Infância e Juventude Meio Ambiente Procon-MG o tempo - mg - p. 03 e 04-27.07.2015 2 cont... o tempo

Leia mais

TÍTULO: AUTISMO INFANTIL: UM ESTUDO DA LEGISLAÇÃO ACERCA DA INCLUSÃO NO ENSINO REGULAR

TÍTULO: AUTISMO INFANTIL: UM ESTUDO DA LEGISLAÇÃO ACERCA DA INCLUSÃO NO ENSINO REGULAR Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: AUTISMO INFANTIL: UM ESTUDO DA LEGISLAÇÃO ACERCA DA INCLUSÃO NO ENSINO REGULAR CATEGORIA: EM

Leia mais

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Realização: Ágere Cooperação em Advocacy Apoio: Secretaria Especial dos Direitos Humanos/PR Módulo III: Conselhos dos Direitos no

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA IMS/CAT/UFBA. Título I. Das Disposições Gerais. Capítulo I

REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA IMS/CAT/UFBA. Título I. Das Disposições Gerais. Capítulo I 1 REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA IMS/CAT/UFBA Título I Das Disposições Gerais Capítulo I Dos Objetivos e da Estruturação Geral do Serviço de Psicologia Art. 1º - O Serviço de Psicologia é parte

Leia mais

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031 COORDENADOR PEDAGÓGICO E SUA IMPORTÂNCIA NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Polyana Marques Lima Rodrigues 1 poly90lima@hotmail.com Willams dos Santos Rodrigues Lima 2 willams.rodrigues@hotmail.com RESUMO

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2013

PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 (Do Sr. João Dado) Dispõe sobre a criação do Serviço Social do Servidor Público - SESP e do Serviço Nacional de Aprendizagem do Serviço Público - SENASP. O Congresso Nacional

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 31/8/2011, Seção 1, Pág.24. Portaria n 1168, publicada no D.O.U. de 31/8/2011, Seção 1, Pág.24. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

PARTICIPAÇÃO DE SETORES POPULARES E DA SOCIEDADE CIVIL NO PROCESSO LEGISLATIVO ORÇAMENTÁRIO FEDERAL

PARTICIPAÇÃO DE SETORES POPULARES E DA SOCIEDADE CIVIL NO PROCESSO LEGISLATIVO ORÇAMENTÁRIO FEDERAL LUIZ FENELON PIMENTEL BARBOSA PARTICIPAÇÃO DE SETORES POPULARES E DA SOCIEDADE CIVIL NO PROCESSO LEGISLATIVO ORÇAMENTÁRIO FEDERAL Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós-Graduação do Cefor como

Leia mais

PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA GABINETE DO PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO N 3431

PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA GABINETE DO PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO N 3431 RESOLUÇÃO N 3431 O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela Lei Complementar Estadual n 85, de 27 de dezembro de 1999, tendo em vista o contido

Leia mais

EVOLUÇÃO & PROGNÓSTICOS

EVOLUÇÃO & PROGNÓSTICOS APRESENTAÇÃO POPULAÇÃO CARCERÁRIA BRASILEIRA O objetivo deste trabalho, elaborado pela Comissão de Monitoramento e Avaliação do DEPEN, é realizar um levantamento, de forma sucinta, sobre o quadro evolutivo

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal PROGRESSÃO DE REGIME NA EXECUÇÃO PENAL 21 DISTRITO FEDERAL RELATOR POLO PAS ADV.(A/S) : MIN. ROBERTO BARROSO :PEDRO HENRY NETO :RICARDO GOMES DE ALMEIDA DECISÃO: I. A HIPÓTESE 1. Pedro Henry Neto foi condenado

Leia mais

MUTIRÃO CARCERÁRIO Plano do Projeto

MUTIRÃO CARCERÁRIO Plano do Projeto 1. Introdução O projeto do Mutirão Carcerário, iniciado pelo Conselho Nacional de Justiça em agosto de 2008 a partir da vigência da Resolução Conjunta nº 01/2009 do CNJ/CNMP e Resolução nº 89/2009 do CNJ,

Leia mais

DECRETO-LEI Nº 2.848, DE 7 DE DEZEMBRO DE 1940

DECRETO-LEI Nº 2.848, DE 7 DE DEZEMBRO DE 1940 DECRETO-LEI Nº 2.848, DE 7 DE DEZEMBRO DE 1940 Código Penal. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da atribuição que lhe confere o art. 180 da Constituição, decreta a seguinte lei: CÓDIGO PENAL PARTE ESPECIAL

Leia mais

PORTARIA CONJUNTA Nº 17/2015

PORTARIA CONJUNTA Nº 17/2015 PORTARIA CONJUNTA Nº 17/2015 A Presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Acre, Desembargadora Cezarinete Angelim, e a Corregedora-Geral da Justiça do Estado do Acre, Desembargadora Regina Ferrari,

Leia mais

A C Ó R D Ã O COMARCA DE LAJEADO Nº 70062707260 (N CNJ: 0463289-41.2014.8.21.7000)

A C Ó R D Ã O COMARCA DE LAJEADO Nº 70062707260 (N CNJ: 0463289-41.2014.8.21.7000) AGRAVO EM EXECUÇÃO PENAL. TRABALHO EXTERNO EXERCIDO JUNTO À PROPRIEDADE DO PAI DO APENADO. VÍNCULO PARENTAL QUE PREJUDICA A ISENTA FISCALIZAÇÃO DO TRABALHO EXTERNO PELO EMPREGADOR. DECISÃO REVOGADA. O

Leia mais

PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Proposta de ações para elaboração do Plano Estadual da Pessoa com Deficiência Objetivo Geral: Contribuir para a implementação

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE FORMULÁRIO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS NOME DO PROJETO ORGANIZAÇÃO PROPONENTE

CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE FORMULÁRIO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS NOME DO PROJETO ORGANIZAÇÃO PROPONENTE CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE FORMULÁRIO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS NOME DO PROJETO EDUCAÇÃO, CIDADANIA E CULTURA DA VIDA ORGANIZAÇÃO PROPONENTE FUNDAÇÃO HERMON CONSELHO

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS O MP E AS VERBAS DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS O MP E AS VERBAS DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS O MP E AS VERBAS DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO PÚBLICO O Ministério Público é instituição permanente, essencial à função jurisdicional do Estado, incumbindo-lhe a defesa

Leia mais

Inspeção Realizada na Comarca Vinculada de São João do Jaguaribe

Inspeção Realizada na Comarca Vinculada de São João do Jaguaribe ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA CORREGEDORIA-GERAL DA JUSTIÇA Centro Administrativo Governador Virgílio Távora Av. Gal. Afonso Albuquerque de Lima s/nº Cambeba Fortaleza Ceará CEP

Leia mais

APELAÇÃO CRIMINAL Nº 599295-2 DO FORO CENTRAL DA COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA 11ª VARA CRIMINAL APELANTE 1: APELANTE

APELAÇÃO CRIMINAL Nº 599295-2 DO FORO CENTRAL DA COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA 11ª VARA CRIMINAL APELANTE 1: APELANTE APELAÇÃO CRIMINAL Nº 599295-2 DO FORO CENTRAL DA COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA 11ª VARA CRIMINAL APELANTE 1: CLEBER ALVES APELANTE 2: MARCELO FABRÍCIO PRESTES AMÉRICO APELADO: MINISTÉRIO

Leia mais

Dispõe sobre a divulgação de dados processuais eletrônicos na rede mundial de computadores, expedição de certidões judiciais e dá outras providências.

Dispõe sobre a divulgação de dados processuais eletrônicos na rede mundial de computadores, expedição de certidões judiciais e dá outras providências. (Publicada no DJ-e nº 187/2010, em 11/10/2010, pág. 4-6) RESOLUÇÃO Nº 121, DE 5 DE OUTUBRO DE 2010. Dispõe sobre a divulgação de dados processuais eletrônicos na rede mundial de computadores, expedição

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO 67. Planejamento Estratégico da PFDC

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO 67. Planejamento Estratégico da PFDC PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO 67 Planejamento Estratégico da PFDC Pessoa Idosa 2010 PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO 68 INTRODUÇÃO Tema: Pessoa Idosa A missão da Procuradoria

Leia mais

CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E FINALIDADE

CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E FINALIDADE Preâmbulo Os representantes do CONFAUeD, reunidos em assembléia, no dia 30 de junho de 2011, para instituição dos regimentos dos seus laboratórios e núcleos, após deliberação aprovou o REGIMENTO INTERNO

Leia mais

CONSELHO PENITENCIÁRIO DO PARANÁ

CONSELHO PENITENCIÁRIO DO PARANÁ Lei nº. 12.317, de 28 de agosto de 1998 Lei nº 12.377, de 28 de dezembro de 1998 Lei nº. 14.556, de 09 de dezembro de 2004 Lei nº. 17.908, de 02 de janeiro de 2014. Decreto nº. 1.206, de 05 de maio de

Leia mais

http://www.al.sp.gov.br/repositorio/legislacao/lei%20complementar/2007/lei%20compl...

http://www.al.sp.gov.br/repositorio/legislacao/lei%20complementar/2007/lei%20compl... Page 1 of 6 LEI COMPLEMENTAR Nº 1.012, DE 05 DE JULHO DE 2007 Altera a Lei Complementar nº 180, de 12 de maio de 1978; a Lei nº 10.261, de 28 de outubro de 1968; a Lei Complementar nº 207, de 5 de janeiro

Leia mais