Customer Lifetime Value (CLV): Um Estudo Exploratório no Setor Bancário. Autoria: Marcelo Moll Brandão, Cleusa Satico Yamamoto

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Customer Lifetime Value (CLV): Um Estudo Exploratório no Setor Bancário. Autoria: Marcelo Moll Brandão, Cleusa Satico Yamamoto"

Transcrição

1 Customer Lifetime Value (CLV): Um Estudo Exploratório no Setor Bancário Autoria: Marcelo Moll Brandão, Cleusa Satico Yamamoto Resumo: Este artigo visa a mostrar a aplicação do conceito de valor vitalício do cliente ou customer lifetime value (CLV) na priorização da alocação de investimentos por parte das empresas em cada um dos segmentos de seu negócio. A investigação dá-se no setor bancário, sendo considerados quatro segmentos da empresa: pessoa física, pessoa jurídica, conta exclusiva e preferencial. A contribuição central da pesquisa é de fornecer um método para a tomada de decisão e análise do montante do total dos recursos financeiros a serem aplicados em Marketing para a retenção de clientes entre cada um dos segmentos por meio do conceito de CLV, utilizando o modelo de investimento em marketing de Rust, Lemon & Zeithaml (2004). Porém, fatores críticos na validação das escalas impediram a finalização do CLV para cada segmento. Sugestões são dadas para o avanço das pesquisas sobre o CLV. 1) Introdução Um dos grandes desafios do gestor de Marketing pauta-se na distribuição dos seus recursos financeiros entre os segmentos em que é responsável e entre suas ações mercadológicas. Questões como: quanto devo aplicar dos meus investimentos destinados a Marketing no segmento A, B e C? Devo investir em ações de relacionamento, melhorar o valor percebido pelo cliente, ou investir em fortalecimento da marca? Em qual proporção devo investir em cada uma destas áreas? Qual destas áreas investidas propicia o maior retorno à empresa? Estas são questões que certamente tais gestores se deparam. Nos estudos de Marketing, métricas tem sido considerado um tópico de prioridade máxima segundo o Marketing Science Institute, organização que concentra as demandas de pesquisas por parte de praticantes e acadêmicos nos EUA com relevante influência nos interesses de estudos de Marketing em níveis mundiais (MARKETING SCIENCE INSTITUTE, 2006). E é justamente nesta área de estudos que esta pesquisa busca a contribuir. Mais especificamente, este estudo visa a mostrar a aplicação do conceito de valor vitalício do cliente ou customer lifetime value (CLV) na priorização da alocação de investimentos por parte das empresas em cada um dos segmentos de seu negócio. Aqui, a investigação dá-se no setor bancário, sendo considerados quatro segmentos da empresa. A contribuição central da pesquisa é de fornecer um método para a tomada de decisão e análise do montante do total dos recursos financeiros a serem aplicados em Marketing para a retenção de clientes entre cada um dos segmentos por meio do conceito de CLV, utilizando o modelo de investimento em marketing de Rust, Lemon & Zeithaml (2004). O artigo consiste de quatro partes. Primeiro, é esta de Introdução que visa a apresentar o objetivo e a justificar a importância do presente estudo. Em seguida, na parte de revisão teórica, são apresentados a visão geral do CLV dentro do contexto dos estudos sobre métricas de marketing; os conceitos de cada um dos direcionadores de valor do CLV (brand equity, value equity, relationship equity e inércia); e os construtos de cada direcionador de valor do CLV, específico para o setor bancário. Terceiro, são discutidos os métodos de pesquisa. Quarto, parte-se para as análises e discussão dos resultados, 1

2 apresentando as questões críticas surgidas da análise dos dados, fundamentais no cálculo do CLV. E, por último, são apresentadas as considerações finais. 2) Referencial Teórico Rust, Lemon, e Zeithaml (2004) propõem que os trade-offs de marketing possam ser feitos baseados em impactos financeiros projetados. Segundo os autores, por não se terem dados históricos longitudinais a respeito de clientes e gastos em atividades de marketing os gerentes têm visto uma maior ênfase em investimentos ou custos em atividades de marketing de curto prazo em relação a investimento e custos de longo prazo. A discussão é centrada no ponto de vista do consumidor, refletida em métricas que concebem drivers para a gerência de marketing baseados na satisfação do cliente, orientação de mercado, e valor do cliente (BAYO N, GUTSCHE, BAUER, 2002). O modelo CLV tem recebido muita atenção. Um exemplo da sua importância é a relevância da sua concepção para o cálculo do customer equity (valor do cliente). Customer Equity é o total descontado do valor somado dos clientes correntes e potenciais no tempo. Nesse sentido, este conceito sugere uma maior importância do cliente e do valor dos clientes em detrimento da marca e do valor da marca, o que não refletem as correntes práticas de gerência de marketing e suas métricas (RUST, LEMON E ZEITHAML, 2004). Rust, Lemon e Zeithaml (2004) adicionam melhorias nos construtos anteriores do CLV e do customer equity incorporando a eles, a possibilidade de o cliente mudar da empresa-foco para a empresa concorrente e de o cliente da concorrência se tornar seu cliente ao nível individual. O customer equity e CLV são formados a partir de três drivers: valor da qualidade percebida pelo cliente de produtos e serviços; valor da marca que trata da imagem e consciência da marca pelo cliente; e valor do relacionamento, que analisa o impacto da relação do cliente com os funcionários da empresa, com seu serviço, além de tratar da força da inércia, ou falta de vontade do cliente em trocar de fornecedor (KELLER, 1993; BAYÓN, GUTSCHE, e BAUER, 2002; RUST, LEMON, e ZEITHAML, 2004). O valor do cliente no tempo depende da possibilidade de mudança e da probabilidade de retenção de cada cliente. Rust, Lemon e Zeithaml (2004) consideram que sempre uma empresa tem um share do total dispendido pelo consumidor em um mercado, sendo ou não seu clientes. Para melhor análise de qual é o montante para ampliar tal share e a eficácia nas ações mercadológicas, seria importante discriminar os investimentos de marketing utilizado entre a aquisição e a retenção de clientes. O modelo assume que existem diferentes gastos de marketing (propaganda, qualidade de serviço, preço, programas de fidelidade, consciência da marca) que influenciam as decisões dos clientes e competem entre si pelos recursos da empresa. Para cada nível de investimento ou gasto realizado, são esperados retornos diferentes de acordo com o risco do investimento e os gerentes devem realizar suas escolhas com base em tais retornos. Pode-se operacionalizar o construto de value equity do modelo de customer equity e CLV, utilizando-se do arcabouço teórico de Parasuraman et al. (1985) que trata os componentes do valor percebido pelo cliente no setor de serviços como determinantes da qualidade percebida por esses clientes. Os componentes estão listados abaixo: * confiabilidade: é a consistência de desempenho e dependência, que a empresa desempenhe o serviço certo da primeira vez; 2

3 * responsividade: é o desejo ou prontidão dos funcionários em prover o serviço, e envolve a pontualidade; * competência: é a posse das habilidades e conhecimentos requeridos para desempenhar o serviço; acesso aproximação e facilidade de contato; * cortesia: é a polidez, respeito, consideração e cortesia pessoal de contato, aparência limpa e organizada; * comunicação: é a manutenção dos clientes informados em linguagem compreensível; * credibilidade: é a confiança, crença, honestidade, grau de venda agressiva; envolve ter os melhores desejos pelo cliente; * segurança: é a liberdade contra perigo, risco ou dúvida. * entendimento/conhecimento do cliente: fazer esforço para atender as necessidades do cliente; * tangíveis: evidência física do serviço. Segundo Keller (1993), brand equity (valor da marca) deve contemplar a perspectiva de clientes individuais. O customer-based brand equity (valor da marca baseado no cliente) é definido como o efeito diferencial do conhecimento da marca em respostas dos consumidores para o marketing da marca. A marca é feita para se ter valor positivo (ou negativo) de marca baseado no cliente quando consumidores reagem mais (ou menos) favoravelmente para elementos do mix de marketing percebidos pelos consumidores. Conhecimento da marca é conceituado de acordo com um modelo em rede de associação de memória em termos de dois componentes: consciência de marca e imagem da marca. Valor da marca baseado em consumidores ocorre quando o consumidor é familiar com a marca e existe uma segurança de favorável associação de memória forte e única. Além disso, Keller (1993) relaciona consciência da marca e imagem da marca ao brand equity. A consciência da marca baseia-se em dois conceitos, a lembrança (recall) e reconhecimento (recognition) da marca. A lembrança da marca associação de imagem, atributos ou benefícios a um nome de marca é mensurada pela identificação correta de marca dado a uma categoria de produto, capturando o top-of- mind acessível na memória do consumidor. Já o reconhecimento da marca habilidade dos consumidores em reconhecerem correntemente a marca como prevista pela comunicação de marketing em meio as outras do mercado é mensurada pela discriminação corrente da marca como previamente prevista, capturando a capacidade de recuperação da marca em memória. A imagem da marca é baseada nas características de associação de marca e no relacionamento entre as associações de marca. A segunda característica da associação da marca é o desenvolvimento de imagem favorável da marca, que é como são evoluídas as suas diferenciações, que são refletidas no sucesso de seus programas de marketing. Isto é, consumidores acreditam que a marca tem atributos e benefícios que satisfazem suas necessidades e formam uma atitude positiva em relação à marca. É mensurado o quanto os consumidores acreditam nas associações da marca. Acessa as dimensões chaves de diferenciação através dos consumidores. A terceira característica da associação da marca é a força da associação que pode ser caracterizada pela força das conecções para relação com a marca. A força da associação depende de como a informação entra na memória do consumidor e de como ela é mantida como parte da imagem da marca. Essa força é função da quantidade e qualidade da informação 3

4 recebida pelo consumidor. É mensurado o quanto os consumidores acreditam na marca e captura as dimensões chaves para diferenciação através dos consumidores. Ainda, no modelo proposto por Keller (1993), os relacionamentos entre as associações de marca são divididos em três características: (1) proposta única de valor a razão final que faz os consumidores comprarem o produto da marca; (2) congruência da marca pode ser afetada por como as associações são lembradas e por como associações adicionais podem ser relacionadas com a marca na memória dos consumidores; e (3) alavancagem da marca, ou capacidade de uma marca ser associada às características de uma firma, a eventos, representar categorias de produtos, ser relacionada com os pontos de venda. O relationship equity, valor do relacionamento com o cliente, neste estudo utiliza a discussão a respeito do relacionamento com clientes de Vavra (1992). Segundo o autor, relacionamento com clientes deve ser entendido com gerenciamento do relacionamento com clientes que é à busca de retenção do cliente por meio do uso de táticas de marketing que levam a uma permanência do cliente à empresa depois de realizada a venda. Vavra (1992) entende que o valor do relacionamento com o cliente é a percepção de valor experimentada pelo cliente do quão valioso é continuar com a mesma empresa em que ele costuma comprar. É a percepção de economia de tempo, gasto e dinheiro pelo cliente na continuidade da relação com a mesma empresa. O conceito de relationship equity é complementado pelos antecedentes das motivações dos clientes agrupados em duas categorias distintas para um cliente manter-se em uma relação com uma empresa: fatores de custos versus benefícios; e fatores sócio-culturais. Sheth & Parvatiyar (1995, apud SHETH et al. 1999: ) apontam como principais razões para os clientes desejarem relacionamentos de longa duração com a mesma empresa os seguintes efeitos: 1) economia de tempo, esforço e inconveniência; 2) esforços positivos que levam o cliente à associação de uma imagem desejada; 3) redução de risco; 4) custos e penalidades envolvidas ou perda de aprovação dos pares para possíveis trocas de empresa; 5) resistência à mudança por parte dos clientes por envolver esforço. 2.1) Pesquisas anteriores no setor bancário brasileiro As pesquisas realizadas no Brasil no setor bancário nos últimos cinco anos apontam para um mercado cada vez mais competitivo, que por sua regulação tem pouca diferenciação de produtos e serviços. Essas características fazem com que esse mercado dependa cada vez mais do atendimento de qualidade, experiências positivas dos clientes no uso dos serviços bancários e da capacidade de relacionamento individual dos bancos com cada um dos seus clientes (SANTOS e PRADO, 2004; PAIVA, 2004; OLIVEIRA E DUTRA, 2004; DAMKE e PEREIRA, 2004; ROCHA e OLIVEIRA, 2004). As condições apresentadas passam por limitações promovidas pelas próprias decisões dos bancos que atuam no mercado brasileiro. Diante da necessidade de buscarem condições de disputarem um mercado cada vez mais competitivo, os bancos estão investindo em tecnologia e automação que permitem uma expansão dos serviços a mais clientes e uma diminuição de custos desses serviços. Ao mesmo tempo em que os bancos ganham com menores custos e expansão da sua base de clientes com a tecnologia, eles perdem no contato direto com os clientes (OLIVEIRA e DUTRA, 2002). Considerando os anais do ENANPAD e EMA de 2000 a 2005, foram encontrados trabalhos sobre qualidade de serviços e relacionamento com clientes no setor bancário. 4

5 Os mais relevantes para o presente estudo são Rocha e Oliveira (2004), Oliveira e Dutra (2002) e Paiva (2004). Rocha e Oliveira (2004) buscaram identificar a qualidade percebida do ponto de vista do cliente usando os conceitos desenvolvidos por Parasuraman et al. (1985). Oliveira e Dutra (2002) buscaram identificar a relação existente entre qualidade percebida pelos clientes e a formação de relacionamento, usando também os conceitos de Parasuraman et al. (1985). Paiva (2004) desenvolveu uma escala de percepção de valor para cliente pessoa física no varejo do setor bancário brasileiro a partir do customer equity, com base em Rust, Zeithaml e Lemon (2001). Rocha e Oliveira (2004) obtiveram como resultado que o cliente percebe a qualidade de maneira peculiar, onde a cortesia (compreensão de necessidades, atenção individual, e disposição para ajudar), confiança (cumprimento de prazos, capacidade de acertar pela primeira vez, capacidade de oferecer serviços livres de erro) e tangibilidade (atualização tecnológica, modernidade, beleza das instalações físicas e facilidade de utilização dos terminais) são os três fatores formadores da percepção de qualidade na instituição bancária. Os resultados obtidos por Oliveira e Dutra (2002) iniciaram-se com as 22 variáveis relativas às expectativas e percepções dos clientes que foram confirmadas como significantes no caso da amostra testada. Em um segundo momento foi realizada uma análise para identificar as dimensões da qualidade percebida e dos relacionamentos. Foram encontradas para a qualidade percebida as dimensões: cortesia, confiança na empresa, e tangibilidade. Já dimensões para relacionamentos, foram encontrados os itens ser bem tratado, liberdade para negociar, relação com empregados, papel do cliente, e comparação com a concorrência. Paiva (2004) obteve como resultado da pesquisa o modelo VVBB-Alta Renda, que em comparação com o modelo rival (SERVQUAL) tem diferenças favoráveis demonstradas pelos testes realizados. A escala VVBB-Alta Renda é formada pelos seguintes construtos: empatia, confiabilidade, preço, benevolência, e competência. 2.2) Cálculo do CLV segundo Rust, Lemon & Zeithaml (2004) Há três drivers centrais, ou norteadores centrais, que direcionam a grande maioria dos investimentos mercadológicos das empresas. Resumidamente, value equity representa a avaliação objetiva do cliente da oferta do produto e/ou serviço da empresa. Brand equity representa a visão (subjetiva) pelo cliente da empresa e suas ofertas. E o relationship equity representa a visão pelo cliente da força do relacionamento entre o cliente e a empresa (RUST, LEMON E NARAYANDAS, 2004). A atração e retenção de clientes leva ao aumento do customer lifetime value (CLV) ou o valor vitalício do cliente. O valor vitalício do cliente é o potencial, em dado momento, da margem de contribuição de um cliente à empresa durante toda a sua vida a valor presente. Ou seja, é o valor estimado monetário que o cliente traz à empresa durante toda a sua vida calculado ao valor de hoje. O somatório do CLV de todos os clientes existentes na carteira da empresa e dos novos clientes ainda a serem adquiridos é o customer equity. Naturalmente todo investimento tem custo e é preciso verificar se o retorno do investimento é compensador (RUST, LEMON E ZEITHAML, 2004). Para isso, compara-se o incremento do customer equity devido ao investimento com o custo para sua implementação. Se o customer equity for superior a este custo, vale a pena fazer o investimento; se não, é melhor não investir (RUST, LEMON E ZEITHAML, 2004). 5

6 Para a implementação do modelo, assume-se ainda que, em um dado momento, um cliente tem uma probabilidade de compra de cada empresa fornecedora de um bem ou serviço. Estas probabilidades são mutáveis. Cada vez que há uma mudança em um dos drivers de marketing, pode haver uma probabilidade maior de compra pelo cliente daquela empresa que realizou esta mudança, e conseqüente redução relativa da probabilidade de compra das marcas que concorrem com ela. Esta probabilidade de compra, no entanto, não é tão-somente impulsionada pelos drivers (RUST, LEMON E ZEITHAML, 2004). Há também uma inércia do consumidor em continuar comprando da mesma empresa de que já está acostumado a comprar. Isto porque, assume-se que em alguns mercados o serviço é mais complexo ou as informações a respeito desses serviços e produtos são mais difíceis de adquirir ou mais caras para o cliente (RUST, LEMON E ZEITHAML, 2004). Quando a utilidade total desta marca é superior à utilidade total de outras marcas concorrentes espera-se que se mantenha pelo cliente a próxima compra na mesma marca que ele efetuou a última compra pelo conforto mental, pela experiência já existente de comprar a marca vigente (RESE, 2003). Pode-se resumir estas proposições na seguinte fórmula da utilidade total fornecida ao cliente por uma dada marca. Fórmula 1: Utilidade = Inércia + Impacto dos drivers, onde: Utilidade é o valor que o cliente atribui a uma determinada marca. Inércia é o valor atribuído pelo conhecimento e comodidade de continuar com a marca consumida anteriormente. Impacto dos drivers é o valor gerado pelo valor da marca, valor percebido e pelo valor do bom relacionamento da empresa com o cliente. Admitindo-se uma relação linear e aditiva entre estas grandezas, podemos considerar a relação acima para a seguinte formulação matemática: Fórmula 2: U ijk = ß 0k LAST ijk + x ik ß 1k + ε ijk, onde: U ijk = É a utilidade da marca k para o indivíduo i, que mais recentemente comprou a marca j. ß 0k = Coeficiente de regressão correspondente à inércia. LAST ijk = 1 se comprou a marca j; ou 0 se não comprou. x ik = Vetor dos drivers ß 1k = Coeficientes de regressão correspondentes ao impacto dos drivers ε ijk = Termo de erro aleatório A utilidade ao nível individual leva a uma probabilidade de compra do cliente conforme a fórmula: Fórmula 3: P ijk = (U ijk )/Σ k (U ijk ), onde: P ijk = Probabilidade que o indivíduo i escolha marca k, dado que a marca j foi a mais recentemente escolhida U ijk = É a utilidade da marca k do indivíduo i, que mais recentemente comprou a marca j3 Tij t-1 Em seguida, para cada cliente, reúne-se em uma matriz de troca M i as suas probabilidades de compra daqui a 6 meses de todas as marcas avaliadas, em todos os 6

7 t-1 possíveis cenários de relacionamento com cada uma das marcas. A matriz M i do cliente i tem dimensão J x J, onde J é o número de marcas; em cada casela da matriz registra-se a probabilidade de troca p ijk, indicando a probabilidade de que o cliente i escolherá a marca k na próxima compra, condicional a ter comprado a marca j na compra mais recente. Esta matriz é uma matriz de troca de Markov; e, para calcular as probabilidades nos tempos de compra sucessivos, basta elevá-la a t-1, onde t é o tempo. Analogamente, reúne-se em um vetor linha Ai, de dimensão 1 x J, as probabilidades de compra para a primeira troca do cliente i. Assim as probabilidades de troca nas compras seguintes são dadas pela fórmula 4 a seguir. Fórmula 4: B ijt = A i. M t-1 i, onde: A i = vetor com probabilidades de compra para a transação corrente do cliente i B ijt = Probabilidade que o cliente i compre a marca j na compra t M t-1 i = Matriz de troca de Markov Com o cálculo da probabilidade de compra, agora é possível o cálculo do CLV, valor vitalício de um cliente. Para isso, além da probabilidade de compra, têm-se as seguintes variáveis: a freqüência de compra, o volume de compra, a taxa de desconto (ou o custo de oportunidade do capital) e a margem de contribuição (o quanto o cliente fornece de retorno à empresa). Estas variáveis são dispostas conforme a fórmula 5. Fórmula 5: CLV ij = Σ (1 + d j ) t/f i. v ijt. π ijt. B ijt, onde: CLV ij = valor vitalício (customer lifetime value) do cliente i, que comprou da marca j d j = taxa de desconto da empresa da marca j f i = freqüência de compra do cliente i v ijt = volume de compra no tempo t, do cliente i, que comprou da marca j π ijt = margem de contribuição no tempo t, do cliente i, que comprou da marca j Para a criação do instrumento de coleta dos drivers valor da marca, valor percebido e valor do relacionamento com cliente para o setor bancário, três teorias centrais foram utilizadas. Para valor da marca, foi utilizado o arcabouço teórico de Keller (1993); para valor percebido, o de Parasuraman et al. (1985), e para valor do relacionamento com cliente, o de Vavra (1992) e Sheth & Parvatiyar (1995, apud SHETH et al. 1999: ). 2.3) Relação do instrumento de pesquisa com o referencial teórico No quadro abaixo estão as questões que identificam a percepção dos clientes entrevistados para os três drivers do customer equity. As afirmações relativas às dimensões de cada um dos drivers buscaram aproximar a visão dos clientes sobre o value equity, brand equity, relationship equity e inércia por meio de uma escala de concordância Likert de 5 pontos. 7

8 V1: O dá-me uma atenção especial, entendendo bem o que necessito Value equity responsividade em termos de serviço. V2: Acho que o banco mantém um padrão de atendimento bom Value equity confiabilidade/ em todas as agências que eu conheço. competência/credibilidade V3: O banco resolve meus problemas em condições e tempo hábil. Value equity confiabilidade/responsividade V4: Gostei da atenção que o gerente da minha conta me deu quando me Value equity responsividade tornei cliente do banco. V5: Acho que o banco utiliza os canais de comunicação corretos Value equity comunicação para se comunicar comigo. V6: Considero que o banco é mais conveniente e mais fácil de Value equity acesso acessar. V7: Considero fácil fazer operações no auto-atendimento do banco. Value equity conveniência V8: Considero fácil fazer operações via o site do banco. Value equity conveniência V9: Os serviços do banco são cobrados da forma correta. Value equity confiabilidade V10: Os funcionários do banco sempre estão dispostos a ajudar Value equity responsividade prontamente os clientes. V11: A Central de Relacionamento do banco atende prontamente ao Value equity comunicação solucionar um problema da minha conta. V12: O banco tem competência de atender-me bem. Value equity confiabilidade/ competência/credibilidade V13: O banco apresenta claramente qual é o preço cobrado por Value equity comunicação cada serviço oferecido. V14: Os rendimentos pagos pelo banco para os meus Value equity confiabilidade/ competência/credibilidade investimentos são baixos. (*** invertida) V15: Gosto da aparência dos funcionários quando vou às agências do Value equity cortesia/tangível banco. R1: O me conhece bem, ou seja, conhece bem minhas necessidades. Relationship equity sentimento positivo R2: Sinto-me aprisionado quando negocio com o banco. (*** Relationship equity sentimento invertida) negativo R3: Continuo sendo cliente do banco porque quero. Relationship equity sentimento positivo R4: Os funcionários do banco tratam bem seus clientes. Relationship equity sentimento positivo R5: Os gerentes de conta do banco tratam bem seus clientes. Relationship equity sentimento positivo B1: Sinto-me seguro em relação a assaltos e seqüestros quando estou no Brand equity imagem banco. B2: Tenho segurança que o banco cuida bem do meu dinheiro. Brand equity imagem B3: O banco tem consideração por mim. Brand equity - imagem I1: Manter minha conta no banco é muito importante para mim. Inércia I2: Dá muito trabalho mudar do banco para um outro banco. Inércia Quadro 1 Relação entre as questões do questionário e o referencial teórico de customer equity Fonte: Elaboração própria 3) Procedimentos Metodológicos Essa pesquisa foi desenvolvida em três etapas distintas e complementares. A primeira etapa, através de uma pesquisa exploratória, tabulou-se os dados financeiros necessários para o cálculo do CLV. A segunda etapa desenvolveu-se através de uma pesquisa descritiva com coleta de dados, por meio de questionário estruturado (MALHOTRA 2001) com clientes da instituição financeira. A terceira etapa foi desenvolvida com os 8

9 resultados da primeira e segunda etapa em conjunto para o cálculo dos CLV da instituição pesquisada. Os dados financeiros referentes à primeira etapa são dados gerenciais coletados durante o mês de março de 2006 através do sistema gerencial do banco com autorização concedida pela Diretoria da instituição. Esses dados constituem de margens de contribuição de 25 agências de uma região metropolitana da região Sudeste do país. Foi fornecida a margem de contribuição média mensal de cada segmento por gerente e por agência. Foi realizado o cálculo das médias gerais por segmento e esta contribuição média calculada será utilizada para o cálculo do CLV. No Quadro 2 constam as variáveis financeiras e a segmentação de clientes da instituição financeira com suas explicações das suas utilizações como proxies dos elementos para o cálculo do CLV. Variáveis (Proxies) Margem de Contribuição mensal dos segmentos da instituição bancária Número de clientes existentes em cada segmento da instituição bancária em cada mês Margem de contribuição média mensal por segmento da instituição bancária Segmentos de clientes da instituição bancária Quadro 2 Variáveis financeiras do CLV Fonte: Elaboração própria Explicação Margem de contribuição são as receitas geradas pelo segmento de clientes, menos as despesas para atrair e manter esses clientes. O total de clientes das carteiras de cada segmento da instituição mensal. A margem de contribuição total mensal dividido pelo número de clientes existentes de cada segmento por mês. Os segmentos nomeados da instituição bancária são: (1) Clientes Pessoa Física; (2) Clientes Pessoa Jurídica; (3) Clientes Exclusivos; e (4) Clientes Preferenciais. As margens de contribuição são referentes aos anos de 2004 e 2005 e foram deflacionados para valores de Após, implementou-se a segunda etapa da pesquisa. Foi elaborado o instrumento de coleta de dados a partir da revisão teórica. Tal instrumento foi pré-testado para aferir a eficácia do instrumento de pesquisa diante do seu objetivo e em seguida realizados os devidos ajustes. Em seguida, procedeu-se ao teste que constitui-se de entrevistas pessoais com 126 clientes da instituição bancária pesquisada por meio interceptação dentro e nas proximidades dos bancos. 4) Resultados e Análises Dos 126 respondentes, 66 deles tinham também conta em outro banco, e responderam a percepção dos atributos do banco-foco e do segundo banco, o que possibilitou uma amostra de 192 respostas. Um outlier, cujas respostas do respondente não eram consistentes, foi eliminado por distorcer o modelo. Com base em tal amostra, foi realizada a análise fatorial confirmatória de forma a verificar se as variáveis (itens), que formavam os fatores (construtos) brand equity, value equity, relationship equity e inércia postulados na teoria, apresentavam validade divergente. Foi utilizado o método de extração de componentes principais com rotação Varimax e normalização Kaiser; e foram extraídos seis componentes conforme Tabela 1. Os componentes extraídos responderam 63% da variação dos dados. Desta matriz, foram eliminados 2 variáveis (V4 e R5) que mostraram não serem adequadas para a formação de nenhum dos construtos. As variáveis não carregaram bem. Os resultados mostraram não confirmar discriminação entre componentes de acordo com a construção teórica dos construtos. Além da eliminação de duas variáveis (V4 e R5) foi feito um ajuste da variável V5 que passou a fazer parte do construto de relationship equity. 9

10 Em seguida, verificou-se a consistência interna das escalas através do cálculo do Coeficiente Alfa de Cronbach; verificou-se também a possibilidade de aperfeiçoamento da escala por meio do descarte de itens; para isso calcularam-se as correlações itemtotal e o Coeficiente Alfa de Cronbach se o item for removido. Como resultado da análise, foram eliminados 2 itens. Os resultados foram muito bons para value equity e brand equity com Alfa de Cronbach respectivamente de 0,887 e 0,649. Já para relationship equity e inércia, foram encontrados o Alfa de Cronbach respectivamente de 0,493 e 0,428; não demonstrando ser uma escala adequada. Na seqüência da validação das escalas, foi calculado o escore dos clientes relativo a cada fator, tomando-se o somatório das respectivas variáveis. Ou seja, para brand equity considerou-se o somatório dos valores encontrados em 3 itens; para value equity, o somatório dos valores 13 itens; e para relationship equity, o somatório de valores obtidos através 5 itens; e para inércia, 2 itens. Como medida proxy da utilidade percebida pelos clientes dos serviços do banco em análise e de seu possível substituto foi tomada diretamente a probabilidade declarada pelo entrevistado de manter-se no banco em análise ou mudar para os concorrentes. A pergunta feita para obter esta informação foi a seguinte: Qual a probabilidade de você ter conta neste banco daqui a 6 meses?. Sendo a variável resposta uma probabilidade, optou-se por modelá-la por meio de uma regressão logística. Ou seja, utilizou-se a probabilidade mencionada pelo cliente e dele foi calculada o logit. Logit é o exponencial da chance (logit = exp(chance)); e chance é a probabilidade de comprar dividida pela probabilidade de não comprar. O logit pode assumir valores positivos e negativos. Quanto maior o logit, maior é a chance e maior é a probabilidade de compra do cliente. Quanto menor o logit, menor é a probabilidade de compra do cliente. As saídas correspondentes ao modelo estimado estão apresentadas na Tabela 2 onde se verifica um nível de significância muito elevado (de 0,000) para o modelo como um todo e para cada coeficiente individualmente. Esta regressão logística foi convertida em regressão múltipla por meio de transformação matemática. Desta forma, o procedimento para um processo de decisão em regressão múltipla de Hair Jr. et al. (2005) foi tomado como base, e adotou-se uma investigação em quatro estágios que são: 1) definição dos objetivos da regressão; 2) planejamento de pesquisa da análise de regressão múltipla; 3) suposições em análise de regressão (linearidade, variância constante dos termos de erro, normalidade da distribuição dos termos de erro); e 4) estimação do modelo de regressão e avaliação do ajuste geral do modelo. O modelo final estimado, após esta investigação, foi: logit = + 0,408 zvalue + 0,054 zrelation - 0,050 zinertia - 0,053 zbrand, sendo: logit = logit estimado do banco em análise; zvalue = valor padronizado de value equity; zrelation = valor padronizado de relationship equity; zbrand = valor padronizado de brand equity; zinertia = valor padronizado de inércia. 10

11 Tabela 1 Matriz de Componentes Rotacionados Componente V1: O dá-me uma atenção especial, entendendo bem o que necessito em termos de serviço.,173,528 -,024,530,155,065 V2: Acho que o banco mantém um padrão de atendimento bom em todas as agências que eu conheço.,208,454,177,480,316,008 V3: O banco resolve meus problemas em condições e tempo hábil.,045,387,293 -,005,552,073 V6: Considero que o banco é mais conveniente e mais fácil de acessar.,089,085,618,063,470,055 V7: Considero fácil fazer operações no auto-atendimento do banco.,311,605 -,004,097 -,063,337 V8: Considero fácil fazer operações via o site do banco.,672,235 -,001,279,193,121 V9: Os serviços do banco são cobrados da forma correta.,537,128,060,312,437,101 V10: Os funcionários do banco sempre estão dispostos a ajudar prontamente os clientes.,577,075,209,449,283,108 V11: A Central de Relacionamento do banco atende prontamente ao solucionar um problema da minha conta.,639,226,342,223,153,169 V12: O banco tem competência de atender-me bem.,597,079,136,392,218,111 V13: O banco apresenta claramente qual é o preço cobrado por cada serviço oferecido.,251,392,336,141,222,346 V14: Os rendimentos pagos pelo banco para os meus investimentos são baixos. (*** invertida),217,361,166,452,112,453 V15: Gosto da aparência dos funcionários quando vou às agências do banco.,067,579,449,141,286,038 V5: Acho que o banco utiliza os canais de comunicação corretos para se comunicar comigo.,138 -,055,189,757,030 -,007 R1: O me conhece bem, ou seja, conhece bem minhas necessidades.,233,013 -,010,169,766,026 R2: Sinto-me aprisionado quando negocio com o banco. (*** invertida),503,037,562 -,157,095 -,171 R3: Continuo sendo cliente do banco porque quero.,636,277,212 -,096 -,125 -,126 R4: Os funcionários do banco tratam bem seus clientes.,172,820,034 -,055,063 -,037 B1: Sinto-me seguro em relação a assaltos e seqüestros quando estou no banco.,139,086,700,309,038,006 B2: Tenho segurança que o banco cuida bem do meu dinheiro.,690,108,234,115,102,217 B3: O banco tem consideração por mim.,326,058,691,136 -,059,216 I1: Manter minha conta no banco é muito importante para mim.,116,037,037 -,012,068,882 I2: Dá muito trabalho mudar do banco para um outro banco.,527,147,132,027,425,274 Método de Extração: Análise de Componente Principal. Método de Rotação: Varimax com Normalização Kaiser. Uma Rotação convergente em 17 iterações Fonte: Elaboração própria 11

12 Tabela 2 Sumário do modelo com as saídas da regressão Modelo R 2 R2 Ajust Desvio-padrão da estimativa 1 0,152 0,124 0, a Preditores: (Constante), zinertia, zbrand, zrelation, zinertia b Variável dependente: logit ANOVA Modelo Soma dos quadrados Graus Lib Quadrado médio F Sig. 1 Regressão 18, ,7363 5,40 0,0000 Resíduo 106, ,8765 Total 125, a Preditores: (constante), zinertia, zbrand, zrelation, zvalue b Variável dependente: logit Coeficientes Modelo Erro padrão Coef. padronizados Beta t Sig. 1 (Constant) 0, ,0000-0,00 1,0000 zvalue 0,1444 0,4081 2,83 0,006 zrelation 0,1192 0,0539 0,45 0,652 zbrand 0,1112 0,0535-0,48 0,632 zinertia 0,1031 0,0502-0,49 0,627 a Variável dependente: logit Fonte: Elaboração própria Como pode-se observar na Tabela 2, as variáveis independentes não têm força explicativa para a variável dependente, tendo um R2 de apenas 15,2%. Esta situação já seria possível de ser antecipada pelos resultados das análises das escalas. A escala de value equity e brand equity mostraram ser confiáveis, porém, o mesmo não ocorreram com as demais escalas. Tendo em vista que as variáveis independentes do modelo apresentado não têm poder explicativo significativo, não seria apropriado neste caso efetuar os demais cálculos para encontrar o valor vitalício do cliente. Há algumas sugestões de pesquisa que surgem decorrentes dos resultados do presente estudo. Observou-se que, apesar de se ter feito uma escala alinhada com o conhecimento atual sobre o setor bancário dos componentes influenciadores do consumidor em sua decisão de permanecer na empresa, constituídos pelos construtos de value equity, brand equity, relationship equity e inércia, ao se aplicar os testes empíricos, a escala não se mostrou apropriada. Seria importante uma nova tentativa na construção do instrumento de medição de valor percebido, valor da marca, valor de relacionamento com cliente e inércia para o setor bancário que tivessem um maior grau de confiabilidade. Além disso, a falta de uma escala adequada inibe a aplicação do conceito de valor vitalício do cliente. Se a empresa investir seus recursos em indicadores supostamente positivos, mas que não influencia a probabilidade do cliente de comprar, certamente haverá um esforço de Marketing em direção contrária ao desejado. Assim, seria de fundamental importância o alinhamento da empresa com corretos norteadores de valor ao cliente. Nos resultados encontrados, há grande concentração dos fatores em um único componente que indica ser Valor percebido. Uma possível explicação para isso é que 12

13 para o cliente não há diferenças significativas de valor de marca, valor percebido e valor do relacionamento com cliente. Os respondentes deste estudo são clientes com média e baixa movimentação financeira do banco em foco, já que clientes com alta movimentação bancária não necessitam ir ao banco, recebendo tratamento diferenciado em suas residências ou empresas. Isto leva a acreditar que muitos dos construtos formulados, como o de Oliveira e Dutra (2002) e Paiva (2004), não seriam aplicáveis no contexto do presente estudo por terem perfis distintos aos daqueles estudados anteriormente. Também, é possível verificar que o resultado aqui encontrado de que os clientes teriam foco em valor percebido mais do que em outras dimensões como o valor da marca e relacionamento parece ser compatível com o resultado de Brei e Rossi (2005). Eles afirmam que o valor percebido tem um papel fundamental na lealdade dos clientes, e isto vem de encontro com os resultados aqui encontrados, já que a lealdade é um componente fundamental para que o aumentar a probabilidade futura de compra. Se isto for verdade e a empresa está fazendo um grande esforço em melhorar a imagem de marca, este esforço não está sendo útil na perspectiva do cliente. O que a empresa pensa que é valor para o cliente, nem sempre o é. Verificar quais são os norteadores de valor ao cliente e gerenciar os componentes de valor de sua empresa e a de seus concorrentes que incutem mudanças perceptuais no cliente são fatores que merecem destaque nas agendas dos gestores de Marketing. 5) Considerações Finais Nos estudos sobre valor vitalício do cliente, um componente importante a ser considerado é a probabilidade de compra do cliente em uma empresa. Este cálculo foi desenvolvido por Rust, Lemon & Zeithaml (2004) que a partir de quatro construtos - brand equity, value equity, relationship equity e inércia - permitem o cálculo de uma matriz de compra por meio da matriz de Markov. Desta matriz de probabilidades de compra combinada com a contribuição marginal do cliente, sua freqüência de compra, tempo de vida, descontada a uma taxa, obtém-se o valor vitalício do cliente. Este estudo tinha o intuito de efetuar o cálculo do valor vitalício do cliente para quatro segmentos distintos, tendo sido obtidos do próprio banco as margens de contribuição individual por segmento, informação preciosa e difícil de ser obtida para ser apresentada publicamente. No entanto, apesar de se ter obtida esta difícil informação, foi deparado com o problema de não-validação das escalas que medem justamente os quatro construtos fundamentais para o cálculo da probabilidade de compra, que por sua vez repercute na impossibilidade de cálculo correto do valor vitalício do cliente. Desta forma, para o setor bancário, não foi possível prosseguir nos cálculos subseqüentes do valor vitalício do cliente que permitiria uma avaliação da alocação de investimentos por segmento. Por outro lado, alguns insights surgiram a partir deste estudo. Até que ponto os estudos sobre brand equity, value equity, relationship equity e inércia estão bem consolidados? Será que atualmente é possível avançar consideravelmente no conhecimento sobre valor vitalício do cliente, tendo em vista a fragilidade dos construtos antecedentes a ele? Por exemplo, o setor bancário é um setor com múltiplas pesquisas no Brasil. Apesar de se ter feita a revisão literária a partir de construtos advindos de pesquisas já realizadas neste setor, aqui neste estudo não se obteve um resultado satisfatório. Grande parte desta dificuldade surge em decorrência de os estudos se apoiar em segmentos diferentes 13

14 (alta renda, média e baixa renda) em bancos; outros em se apoiar em construtos que podem ter aplicação para uma situação específica (exemplo antecedentes de lealdade) mas que não tem interface clara com outros construtos (por exemplo, antecedentes de valor vitalício do cliente). Se cada pesquisador for iniciar toda a cadeia de pesquisa, desde a pesquisa exploratória para a validação de um construto que é antecedente de muitos outros construtos posteriores (visto que as pesquisas existentes são muito específicas a um contexto e não há uma integração entre os vários construtos), a pesquisa avançará de forma muito desordenada e lenta. Assim, como uma sugestão para ações futuras é de se buscar sinergia entre as pesquisas para que dos esforços conjuntos as pesquisas caminhem de forma mais acelerada, sem dispêndio de recursos financeiros e intelectuais. Referências Bibliográfica.;.; ZEITHAML, Valarie A. Return on Marketing: using customer equity to focus marketing strategy. Journal of Marketing, Nova Iorque, v. 68, n. 1, p , Jan BAYO N, T.; GUTSCHE, J.; BAUER, H. Customer Equity Marketing: Touching the Intangible. European Management Journal, Vol. 20, n.. 3, p , BREI, Andrade Vinícius; ROSSI, Carlos Alberto Vargas. Confiança, Valor Percebido e Lealdade em Trocas Relacionais de Serviço: Um Estudo com Usuários de Internet Banking no Brasil. Revista Administração Contemporânea, v. 9, n.2, Abr/Jun DAMKE, Eloi Junior; PEREIRA, Heitor José. Estratégia de Relacionamento e Gestão da Lealdade em Instituições Financeiras: Um Estudo Empírico. In: ENCONTRO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO ENANPAD, 28., 2004, Curitiba. Anais. Marketing. Curitiba: ANPAD, CD-ROM. KELLER, Kevin L. Conceptualizing, measuring, and managing customer-based brand equity. Journal of Marketing, Nova Iorque, v. 57, n. 1, p. 1-22, Jan MALHOTRA, Naresh K. Pesquisa de marketing: uma orientação aplicada. 3 a ed. Porto Alegre: Bookman, MARKETING SCIENCE INSTITUTE research priorities. <http://www.msi.org/msi/rp0406.cfm#rp-0406 > Acesso em 01/04/2006. OLIVEIRA, Patrícia Andréa da Silva; DUTRA, Hérrison Fábio de Oliveira. Percepção de Qualidade e Construção de Relacionamento: Uma Investigação num Serviço Financeiro. In: ENCONTRO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS- GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO ENANPAD, 26., 2002, Salvador. Anais. Marketing. Salvador: ANPAD, CD-ROM. PAIVA, João Carlos Neves. A Estrutura de Valor Para Clientes Pessoa Física no Varejo Bancário: Uma Escala de Percepção de Valor. In: ENCONTRO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO ENANPAD, 28., 2004, Curitiba. Anais. Marketing. Curitiba: ANPAD, CD-ROM. PARASURAMAN, A.; ZEITHAML, Valarie A.; BERRY, Leonard L. A conceptual model of service quality and its implications for future research. Journal of Marketing, Nova Iorque, v. 49, p , Fall PRADO, Paulo H. M.; SANTOS, Rubens da Costa. Satisfação, Qualidade no Relacionamento e Lealdade entre Clientes e Banco de Varejo. In: ENCONTRO DE 14

15 MARKETING DA ANPAD, 1, 2004, Porto Alegre. Anais. Marketing. Porto Alegre: EMA, CD-ROM. RESE, Mario. Relationship marketing customer satisfaction: na information economics perspective. In: Marketing Theory. London: Sage Publications. V.3(1), p , ROCHA, Vitor Andrade G. A.; OLIVEIRA, Patrícia Andréa da Silva. Avaliado a Qualidade da Escala SERVQUAL numa Grande Instituição Financeira. In: ENCONTRO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO ENANPAD, 28., 2004, Curitiba. Anais. Marketing. Curitiba: ANPAD, CD-ROM. RUST, Roland T.; LEMON, Katherine N.; NARAYANDAS, Das. Customer Equity Management. New Jersey: Pearson, p. YAMAMOTO, Cleusa Satico. Retorno do Investimento em Marketing por Empresas de Telefonia Móvel: uma Avaliação das Operadoras do Estado de São Paulo. São Paulo: FGV/Escola de Administração de Empresas de São Paulo, p. (Tese, Mestrado, Administração Mercadológica). 15

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores.

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores. Brand Equity O conceito de Brand Equity surgiu na década de 1980. Este conceito contribuiu muito para o aumento da importância da marca na estratégia de marketing das empresas, embora devemos ressaltar

Leia mais

CONCLUSÕES. Conclusões 413

CONCLUSÕES. Conclusões 413 CONCLUSÕES Conclusões 413 Conclusões 414 Conclusões 415 CONCLUSÕES I - Objectivos do trabalho e resultados obtidos O trabalho realizado teve como objecto de estudo a marca corporativa e a investigação

Leia mais

Perfil de investimentos

Perfil de investimentos Perfil de investimentos O Fundo de Pensão OABPrev-SP é uma entidade comprometida com a satisfação dos participantes, respeitando seus direitos e sempre buscando soluções que atendam aos seus interesses.

Leia mais

Investimento para Mulheres

Investimento para Mulheres Investimento para Mulheres Sophia Mind A Sophia Mind Pesquisa e Inteligência de Mercado é a empresa do grupo de comunicação feminina Bolsa de Mulher voltada para pesquisa e inteligência de mercado. Cem

Leia mais

DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA

DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA GUIA PARA A ESCOLHA DO PERFIL DE INVESTIMENTO DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA Caro Participante: Preparamos para você um guia contendo conceitos básicos sobre investimentos, feito para ajudá-lo a escolher

Leia mais

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS. 5.1 Conclusão

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS. 5.1 Conclusão 97 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS 5.1 Conclusão Este estudo teve como objetivo final elaborar um modelo que explique a fidelidade de empresas aos seus fornecedores de serviços de consultoria em informática. A

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

Índice. 1. A educação e a teoria do capital humano...3. Grupo 7.2 - Módulo 7

Índice. 1. A educação e a teoria do capital humano...3. Grupo 7.2 - Módulo 7 GRUPO 7.2 MÓDULO 7 Índice 1. A educação e a teoria do capital humano...3 2 1. A EDUCAÇÃO E A TEORIA DO CAPITAL HUMANO Para Becker (1993), quando se emprega o termo capital, em geral, o associa à ideia

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL. Guia Prático de Compra O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO. Edição de julho.2014

ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL. Guia Prático de Compra O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO. Edição de julho.2014 ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL Guia Prático de Compra Edição de julho.2014 O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO Í n d i c e 6 perguntas antes de adquirir um sistema 4 6 dúvidas de quem vai adquirir

Leia mais

Terceirização de Serviços de TI

Terceirização de Serviços de TI Terceirização de Serviços de TI A visão do Cliente PACS Quality Informática Ltda. 1 Agenda Terceirização: Perspectivas históricas A Terceirização como ferramenta estratégica Terceirização: O caso específico

Leia mais

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR KOTLER, 2006 AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR. OS CANAIS AFETAM TODAS AS OUTRAS DECISÕES DE MARKETING Desenhando a estratégia

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

Marketing Visão 360º. O nosso objetivo é ter uma visão ampla dos temas de Marketing, abordando os seguintes tópicos.

Marketing Visão 360º. O nosso objetivo é ter uma visão ampla dos temas de Marketing, abordando os seguintes tópicos. Marketing Visão 360º O Mundo do Marketing em parceria com a TNS Research International está realizando pesquisas mensais com profissionais da área de marketing para investigar temas relacionados ao dia-a-dia

Leia mais

LinkedIn - Tendências globais em recrutamento para 2013 1

LinkedIn - Tendências globais em recrutamento para 2013 1 LinkedIn - Tendências globais em recrutamento para 2013 Visão Brasil As cinco principais tendências em atração de talentos que você precisa saber 2013 LinkedIn Corporation. Todos os direitos reservados.

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL 1. Introdução Uma empresa é administrada para satisfazer os interesses e objetivos de seus proprietários. Em particular, a organização de atividades econômicas em

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES CELG DISTRIBUIÇÃO S.A EDITAL N. 1/2014 CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE GESTÃO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES O Centro de Seleção da Universidade Federal de Goiás

Leia mais

Global Productivity Solutions Treinamento e Consultoria em Seis Sigma. Seis Sigma em Serviços: desafios e adequações necessárias

Global Productivity Solutions Treinamento e Consultoria em Seis Sigma. Seis Sigma em Serviços: desafios e adequações necessárias Global Productivity Solutions Treinamento e Consultoria em Seis Sigma Seis Sigma em Serviços: desafios e adequações necessárias A importância do Seis Sigma e da Qualidade em serviços As empresas de serviços

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Centro de Ciências Sociais e Humanas Programa de Pós-Graduação em Administração

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Centro de Ciências Sociais e Humanas Programa de Pós-Graduação em Administração UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Centro de Ciências Sociais e Humanas Programa de Pós-Graduação em Administração GERENCIAMENTO FINANCEIRO DOS BENEFÍCIOS ADVINDOS DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA: UMA ANÁLISE

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia

Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia Processo de EO Procedimentos que são, ou podem ser, usados para formular as estratégias de operações que a empresa deveria adotar (SLACK,

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

Os brasileiros diante da microgeração de energia renovável

Os brasileiros diante da microgeração de energia renovável Os brasileiros diante da microgeração de energia renovável Contexto Em abril de 2012, o governo através da diretoria da agência reguladora de energia elétrica (ANEEL) aprovou regras destinadas a reduzir

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE GEduc 2012 - Novos Rumos para a Gestão Educacional Pág 1 Temas Pressupostos teórico-metodológicos As necessidades

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

5 Considerações finais

5 Considerações finais 5 Considerações finais A dissertação traz, como foco central, as relações que destacam os diferentes efeitos de estratégias de marca no valor dos ativos intangíveis de empresa, examinando criticamente

Leia mais

5 Conclusão e discussões

5 Conclusão e discussões 5 Conclusão e discussões O presente estudo procurou entender melhor o universo dos projetos de patrocínio de eventos, principalmente com o objetivo de responder a seguinte questão: quais são as principais

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro Anexo 3 PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro 1. Capa 2. Sumário 3. Sumário executivo 4. Descrição da empresa 5. Planejamento Estratégico do negócio 6. Produtos e Serviços 7. Análise de Mercado 8. Plano de Marketing

Leia mais

Questionário de entrevista com o Franqueador

Questionário de entrevista com o Franqueador Questionário de entrevista com o Franqueador O objetivo deste questionário é ajudar o empreendedor a elucidar questões sobre o Franqueador, seus planos de crescimento e as diretrizes para uma parceria

Leia mais

Os benefícios da ce ISO 14001

Os benefícios da ce ISO 14001 Pesquisa Os benefícios da ce ISO 14001 A Revista BANAS QUALIDADE e a Destaque Pesquisa e Marketing realizaram um estudo para medir o grau de satisfação da implementação da certificação ISO 14001. Confira

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram Esquema de Palestra I. Por Que As Pessoas Compram A Abordagem da Caixa Preta A. Caixa preta os processos mentais internos que atravessamos ao tomar uma

Leia mais

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento M A N U A L TREINAMENTO 1. Introdução A velocidade das mudanças tecnológicas, o aumento da diversidade nos locais de trabalho e a acentuada mobilidade dos trabalhadores atuais são aspectos do mundo contemporâneo

Leia mais

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo 5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo Este estudo teve como objetivo contribuir para a compreensão do uso das mídias sociais, como principal ferramenta de marketing da Casar é Fácil, desde o momento da sua

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES CERTIFICAÇÃO NBR ISO/IEC 27001

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES CERTIFICAÇÃO NBR ISO/IEC 27001 PERGUNTAS MAIS FREQUENTES CERTIFICAÇÃO NBR ISO/IEC 27001 Através da vasta experiência, adquirida ao longo dos últimos anos, atuando em Certificações de Sistemas de Gestão, a Fundação Vanzolini vem catalogando

Leia mais

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto CURRÍCULO DO PROFESSOR Administradora com mestrado e doutorado em engenharia de produção

Leia mais

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ - CAMPUS DE PARNAÍBA CURSO: Técnico em Informática DISCIPLINA: Empreendedorismo PROFESSORA: CAROLINE PINTO GUEDES FERREIRA ELEMENTOS DO PLANO

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA DE MARKETING PARA GESTORES DE NEGÓCIO

A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA DE MARKETING PARA GESTORES DE NEGÓCIO A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA DE MARKETING PARA GESTORES DE NEGÓCIO Mariana Ferreira Soares, Priscila Petrusca Messias Gomes Silva e Marcos Alexandre de Melo Barros. Faculdade Senac de Pernambuco. E-mail:

Leia mais

Gestão de Portfólio de Projetos

Gestão de Portfólio de Projetos Dez/2010 Gestão de de Projetos Prof. Américo Pinto FGV, IBMEC-RJ, PUC-RJ, COPPEAD Email: contato@americopinto.com.br Twitter: @americopinto Linkedin: Americo Pinto Website: www.americopinto.com.br Por

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

Avaliação dos critérios dos programas de fomento à Inovação Tecnológica Pág. 2 de 11 RESUMO

Avaliação dos critérios dos programas de fomento à Inovação Tecnológica Pág. 2 de 11 RESUMO o Avaliação dos critérios dos programas de fomento à Inovação Tecnológica Pág. 2 de 11 RESUMO O intuito deste estudo é analisar os critérios de avaliação da viabilidade técnica e econômica dos projetos

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Indicadores Estratégicos em uma Seguradora Setembro/2001 Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV)

Indicadores Estratégicos em uma Seguradora Setembro/2001 Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) Indicadores Estratégicos em uma Seguradora Setembro/2001 Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) De um modo geral, o mercado segurador brasileiro tem oferecido novas possibilidades de negócios mas,

Leia mais

Qual a diferença entre certificação e acreditação? O que precisamos fazer para obter e manter a certificação ou acreditação?

Qual a diferença entre certificação e acreditação? O que precisamos fazer para obter e manter a certificação ou acreditação? O que é a norma ISO? Em linhas gerais, a norma ISO é o conjunto de cinco normas internacionais que traz para a empresa orientação no desenvolvimento e implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade

Leia mais

A PERCEPÇÃO DE VALOR DOS SUCOS NÉCTAR CAMP PESQUISA COM CONSUMIDOR E TESTE CEGO GENERAL BRANDS SUCOS NÉCTAR CAMP

A PERCEPÇÃO DE VALOR DOS SUCOS NÉCTAR CAMP PESQUISA COM CONSUMIDOR E TESTE CEGO GENERAL BRANDS SUCOS NÉCTAR CAMP A PERCEPÇÃO DE VALOR DOS SUCOS NÉCTAR CAMP PESQUISA COM CONSUMIDOR E TESTE CEGO GENERAL BRANDS SUCOS NÉCTAR CAMP Renato Gonçalves Pereira 1 João Pedro Nunes Costa 2 Allan Pedretti Pereira 3 Larissa Marques

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

Capital da Marca Centrado no Cliente

Capital da Marca Centrado no Cliente Capital da Marca Centrado no Cliente BLOCO 2 Gestão Estratégica da Marca Parte 2 Capital da Marca Centrado no Cliente Profª. Margarida Duarte MBA 2007-8 1 Capital da Marca Centrado no Cliente (CMCC) Modelo

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427 7.1 Introdução O processo de monitoramento e avaliação constitui um instrumento para assegurar a interação entre o planejamento e a execução, possibilitando a correção de desvios e a retroalimentação permanente

Leia mais

GUIa Prático para enfrentar a concorrência no e-commerce

GUIa Prático para enfrentar a concorrência no e-commerce GUIa Prático para enfrentar a concorrência no e-commerce Você é do tipo que quer arrancar os cabelos toda vez que um concorrente diminui o preço? Então você precisa ler este guia rápido agora mesmo. Aqui

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Gerenciamento de Riscos do Projeto Eventos Adversos

Gerenciamento de Riscos do Projeto Eventos Adversos Gerenciamento de Riscos do Projeto Eventos Adversos 11. Gerenciamento de riscos do projeto PMBOK 2000 PMBOK 2004 11.1 Planejamento de gerenciamento de riscos 11.1 Planejamento de gerenciamento de riscos

Leia mais

O que é Benchmarking?

O que é Benchmarking? BENCHMARKING Sumário Introdução Conhecer os tipos de benchmarking Aprender os princípios do bechmarking Formar a equipe Implementar as ações Coletar os benefícios Exemplos Introdução O que é Benchmarking?

Leia mais

REVISANDO O CONCEITO E A EVOLUÇÃO DO MARKETING

REVISANDO O CONCEITO E A EVOLUÇÃO DO MARKETING PROGRAMA PRIMEIRA EMPRESA INOVADORA PRIME GESTÃO MERCADOLÓGICA 2009 REVISANDO O CONCEITO E A EVOLUÇÃO DO MARKETING Todo comprador poderá adquirir o seu automóvel da cor que desejar, desde que seja preto.

Leia mais

Avaliação de Marca. Uma ferramenta estratégica e versátil para os negócios. Creating and managing brand value

Avaliação de Marca. Uma ferramenta estratégica e versátil para os negócios. Creating and managing brand value Avaliação de Marca Uma ferramenta estratégica e versátil para os negócios Creating and managing brand value TM Interbrand Pg. 2 Avaliação de Marca Uma ferramenta estratégica e versátil para os negócios

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

www.concursovirtual.com.br

www.concursovirtual.com.br Questões de Atendimento Professor Marcelo Marques 1. Para criar a satisfação dos clientes, as empresas devem gerenciar sua cadeia de valor, bem como seu sistema de entrega de valor, com foco: a) nas vendas

Leia mais

PARA QUE SERVE O CRM?

PARA QUE SERVE O CRM? Neste mês, nós aqui da Wiki fomos convidados para dar uma entrevista para uma publicação de grande referência no setor de varejo, então resolvemos transcrever parte da entrevista e apresentar as 09 coisas

Leia mais

152 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO

152 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 152 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO Washington, D.C., EUA, 17 a 21 de junho de 2013 Tema 7.3 da Agenda Provisória CE152/INF/3 (Port.) 26 de

Leia mais

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS AUDITORIA INTERNA DA ATLAS A auditoria interna serve à administração como meio de identificação de que todos os processos internos e políticas definido pela ATLAS, assim como sistemas contábeis e de controle

Leia mais

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir?

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir? Engenharia de Software O Estudo de Viabilidade Objetivos O que é um estudo de viabilidade? O que estudar e concluir? Benefícios e custos Análise de Custo/Benefício Alternativas de comparação 1 2 Idéias

Leia mais

COLETA DE INFORMAÇÕES E PREVISÃO DE DEMANDA

COLETA DE INFORMAÇÕES E PREVISÃO DE DEMANDA COLETA DE INFORMAÇÕES E PREVISÃO DE DEMANDA 1) Quais são os componentes de um moderno sistema de informações de marketing? 2) Como as empresas podem coletar informações de marketing? 3) O que constitui

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

ARTIGO EM REVISTA. Publicado em:

ARTIGO EM REVISTA. Publicado em: ARTIGO EM REVISTA Publicado em: CASTRO, Luciano Thomé e ; NEVES, Marcos Fava ; CONSOLI, M. A.. O Médico-Gestor de Vendas. Revista Venda Mais, Curitiba- PR, v. 12/135, p. 16-17, 11 jul. 2005. O Médico-Gestor

Leia mais

Imagem da Marca. Notoriedade da Marca. Capital da Marca Centrado no Cliente

Imagem da Marca. Notoriedade da Marca. Capital da Marca Centrado no Cliente Capital da Marca Centrado no Cliente BLOCO 2 Gestão de Marcas Parte 2 Capital da Marca Centrado no Cliente Profª. Margarida Duarte 2007-2008 ISEG Capital da Marca Centrado no Cliente (CMCC) Modelo Proposto

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

cada fator e seus componentes.

cada fator e seus componentes. 5 CONCLUSÃO Conforme mencionado nas seções anteriores, o objetivo deste trabalho foi o de identificar quais são os fatores críticos de sucesso na gestão de um hospital privado e propor um modelo de gestão

Leia mais

Perfis de Investimento PrevMais

Perfis de Investimento PrevMais Cartilha Perfis de Investimento PrevMais [1] Objetivo Geral O regulamento do PREVMAIS prevê exclusivamente para o Benefício de Renda Programada a possibilidade de os participantes optarem por perfis de

Leia mais

Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento

Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento Metodologia de Ensino 1) Noções de Marketing 2) Marketing de Serviço 3) Marketing de Relacionamento 1 2 1) Noções de Marketing 3 4 5 6 www.lacconcursos.com.br

Leia mais

4 Metodologia da Pesquisa

4 Metodologia da Pesquisa 79 4 Metodologia da Pesquisa Este capítulo se preocupa em retratar como se enquadra a pesquisa de campo e como foram desenvolvidas as entrevistas incluindo o universo pesquisado e a forma de analisá-las

Leia mais

4 Análise de Dados. 4.1 Perfil dos Respondentes

4 Análise de Dados. 4.1 Perfil dos Respondentes 4 Análise de Dados 4.1 Perfil dos Respondentes A taxa de resposta foi de aproximadamente 8% de respostas na amostra de clientes que compram fora da loja (telefone e/ou Internet) e 3% na amostra de clientes

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

INOVAÇÃO NA ADVOCACIA A ESTRATÉGIA DO OCEANO AZUL NOS ESCRITÓRIOS JURÍDICOS

INOVAÇÃO NA ADVOCACIA A ESTRATÉGIA DO OCEANO AZUL NOS ESCRITÓRIOS JURÍDICOS INOVAÇÃO NA ADVOCACIA A ESTRATÉGIA DO OCEANO AZUL NOS ESCRITÓRIOS JURÍDICOS Ari Lima Um empreendimento comercial tem duas e só duas funções básicas: marketing e inovação. O resto são custos. Peter Drucker

Leia mais

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas...

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas... APRESENTAÇÃO O incremento da competitividade é um fator decisivo para a maior inserção das Micro e Pequenas Empresas (MPE), em mercados externos cada vez mais globalizados. Internamente, as MPE estão inseridas

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

Modelo para elaboração do Plano de Negócios

Modelo para elaboração do Plano de Negócios Modelo para elaboração do Plano de Negócios 1- SUMÁRIO EXECUTIVO -Apesar de este tópico aparecer em primeiro lugar no Plano de Negócio, deverá ser escrito por último, pois constitui um resumo geral do

Leia mais

Como cultivar leads do Comitê de TI

Como cultivar leads do Comitê de TI BRASIL Como cultivar leads do Comitê de TI O marketing está ajudando ou atrapalhando? Confiança + Credibilidade devem ser CONQUISTADAS O profissional de marketing moderno conhece a importância de cultivar

Leia mais

A Descrição do Produto ou Serviço e a Análise do Mercado e dos Competidores Fabiano Marques

A Descrição do Produto ou Serviço e a Análise do Mercado e dos Competidores Fabiano Marques A Descrição do Produto ou Serviço e a Análise do Mercado e dos Competidores Fabiano Marques "O plano de negócios é o cartão de visitas do empreendedor em busca de financiamento". (DORNELAS, 2005) A partir

Leia mais

Prof. Dr. José Dornelas www.josedornelas.com. Manual do Professor

Prof. Dr. José Dornelas www.josedornelas.com. Manual do Professor Prof. Dr. José Dornelas www.josedornelas.com Manual do Professor Manual do professor Este manual deve ser usado em conjunto com o vídeo do autor disponível no site da editora: www.campus.com.br Maiores

Leia mais

Avaliando Ações de Treinamento e Desenvolvimento. Daniel Orlean

Avaliando Ações de Treinamento e Desenvolvimento. Daniel Orlean Avaliando Ações de Treinamento e Desenvolvimento Daniel Orlean ou... 6Ds + ROI Daniel Orlean Como você faz para aprovar um programa de T&D Na sua percepção, qual a maior barreira ao implementar um processo

Leia mais

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais.

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais. Unidade de Projetos de Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais Branding Agosto de 2009 Elaborado em: 3/8/2009 Elaborado por: Apex-Brasil Versão: 09 Pág: 1 / 8 LÍDER DO GRUPO

Leia mais

4 Metodologia e estratégia de abordagem

4 Metodologia e estratégia de abordagem 50 4 Metodologia e estratégia de abordagem O problema de diagnóstico para melhoria da qualidade percebida pelos clientes é abordado a partir da identificação de diferenças (gaps) significativas entre o

Leia mais

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 Análise de Tendências e Inovação Estratégica Levar o aluno a compreender os conceitos e as ferramentas de inteligência preditiva e inovação estratégica. Analisar dentro

Leia mais

CRM. Customer Relationship Management

CRM. Customer Relationship Management CRM Customer Relationship Management CRM Uma estratégia de negócio para gerenciar e otimizar o relacionamento com o cliente a longo prazo Mercado CRM Uma ferramenta de CRM é um conjunto de processos e

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06 Questões sobre o tópico Avaliação de Desempenho: objetivos, métodos, vantagens e desvantagens. Olá Pessoal, Espero que estejam gostando dos artigos. Hoje veremos

Leia mais

CERTIFICAÇÃO ISO PARA EMPRESÁRIOS. Um guia fácil para preparar e certificar sua empresa. Ricardo Pereira

CERTIFICAÇÃO ISO PARA EMPRESÁRIOS. Um guia fácil para preparar e certificar sua empresa. Ricardo Pereira CERTIFICAÇÃO ISO PARA EMPRESÁRIOS Um guia fácil para preparar e certificar sua empresa Ricardo Pereira Antes de começar por Ricardo Pereira Trabalhando na Templum Consultoria eu tive a rara oportunidade

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

Indicadores de desempenho de processos de negócio

Indicadores de desempenho de processos de negócio Indicadores de desempenho de processos de negócio 14:30, a sala de reunião de uma empresa. De um lado da mesa estão o gerente de um produto, um usuário-chave representante do cliente, do outro se encontram

Leia mais

CEMIG SAÚDE Prestadores de serviços

CEMIG SAÚDE Prestadores de serviços CEMIG SAÚDE Prestadores de serviços Maio de 2014 2 A pesquisa Amostra 639 entrevistas A PESQUISA Intervalo de confiança 95% Margem de erro 7% por segmento Data da coleta 13 a 22 de Maio de 2014 3 DESCRIÇÃO

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

A QUALIDADE DOS SERVIÇOS BANCÁRIOS NO BRASIL

A QUALIDADE DOS SERVIÇOS BANCÁRIOS NO BRASIL A QUALIDADE DOS SERVIÇOS BANCÁRIOS NO BRASIL RESUMO O setor bancário sofre crescente modificação no que tange aos seus canais de vendas e comunicação com os clientes. O atendimento, que era feito através

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES Olá pessoal! Neste ponto resolverei a prova de Matemática Financeira e Estatística para APOFP/SEFAZ-SP/FCC/2010 realizada no último final de semana. A prova foi enviada por um aluno e o tipo é 005. Os

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais