APPLICATION OF HYDROLOGICAL MODEL SWMM ON URBAN STORMWATER MANAGEMENT: A CASE STUDY OF THE MORTO RIVER CATCHMENT, RIO DE JANEIRO.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APPLICATION OF HYDROLOGICAL MODEL SWMM ON URBAN STORMWATER MANAGEMENT: A CASE STUDY OF THE MORTO RIVER CATCHMENT, RIO DE JANEIRO."

Transcrição

1 APLICAÇÃO DO AUTOCAD CIVIL 3D E DA FERRAMENTA STORM AND SANITARY ANALYSIS (SSA) NA GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS: ESTUDO DE CASO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO MORTO, RIO DE JANEIRO. Daniele Pereira Batista Amaral 1* & Luciene Pimentel da Silva 2 & Paulo Luiz da Fonseca 3 & Dayana Martins Nunes 4 Resumo Os modelos computacionais constituem elemento importante na gestão das águas pluviais e no estudo de alternativas para os Projetos de Drenagem Urbana, sobretudo os relacionados a eventos extremos, como é o caso das inundações. O advento computacional e o aprimoramento de ferramentas de mapeamento permitem uma avaliação cada vez mais precisa da qualidade dos atributos necessários para alimentação dos modelos. Este trabalho apresenta os resultados da aplicação do AutoCAD Civil 3D aliado à interface integradora Storm and Sanitary Analysis (SSA) para simulação hidrológica e hidráulica da bacia hidrográfica do rio Morto, localizada em área peri-urbana na região de Jacarepaguá, município do Rio de Janeiro. Trata-se de uma região de baixada, que sofre com a ocorrência de inundações durante eventos de chuvas intensas. Para realização das simulações, optou-se por utilizar o módulo chuva-vazão do modelo Storm Water Management Model (SWMM), desenvolvido pela Agência de Proteção Ambiental Americana (EPA), amplamente difundido e utilizado na área de drenagem urbana. Palavras-Chave Simulação Hidrológica e Hidrodinâmica; SWMM; AutoCAD CIVIL 3D APPLICATION OF HYDROLOGICAL MODEL SWMM ON URBAN STORMWATER MANAGEMENT: A CASE STUDY OF THE MORTO RIVER CATCHMENT, RIO DE JANEIRO. Abstract Computer modeling is an important element in the water management and the study of alternatives for urban drainage design, especially those related to extreme events, such as floods. The computational advent and improvement of mapping tools allow an analysis increasingly precise of the attributes quality necessary to feed the models. This paper presents the results of the application of AutoCAD Civil 3D combined with integrated interface Storm and Sanitary Analysis (SSA) for hydrologic and hydraulic simulation of rio Morto river basin, located in periurban area in Jacarepaguá, city of Rio de Janeiro. It is a lowland region, which suffers with the occurrence of flooding during extreme rainfall events. To perform the simulations, it was used the rainfall-runoff module of the Storm Water Management Model (SWMM), developed by the US Environmental Protection Agency (EPA), widely spread and used in urban drainage. Keywords Hydrological and hydrodynamic simulation; SWMM; AutoCAD CIVIL 3D 1 Engenheira Civil do Instituto Estadual do Meio Ambiente, Msc pelo PEAMB/UERJ. * Autor correspondente responsável pela submissão 2 Professora Adjunto do Departamento de Engenharia Sanitária e do Meio Ambiente, UERJ. 3 Professor Adjunto do Departamento de Engenharia Civil, Setor de Recursos Hídricos, UFF. 4 Mestranda em Engenharia Ambiental pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro PEAMB/UERJ. XXI Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos 1

2 1. INTRODUÇÃO A técnica de simulação permite a previsão do comportamento hidrológico de uma bacia hidrográfica diante de diferentes cenários climáticos e, de uso e ocupação dos solos. Entre outros, antecipando possíveis impactos das mudanças climáticas e do crescimento urbano nos recursos hídricos e, permitindo assim maior resiliência na gestão em situações de estresse hídrico. A evolução da representação conceitual dos processos hidrológicos nesses modelos e a maior disponibilidade de tecnologias de geoprocessamento permitem por um lado simulações mais realísticas, mas por outro, levam à necessidade de manipulação de uma maior quantidade de dados. Além disso, a aplicação desses modelos envolve a manipulação de diferentes bases de dados, com diferentes padrões de formato de arquivos. O pré-processamento dos dados até a efetiva aplicação do modelo não deve ser menosprezada e pode demandar bastante tempo. Neste contexto, o presente trabalho teve como objetivo implementar e analisar a adequação do uso da ferramenta Storm and Sanitary Analysis (SSA) para efetuar a simulação hidrológicahidráulica da bacia hidrográfica do Rio Morto. O SSA é um software que foi incorporado ao pacote do AutoCAD Civil 3D para ser utilizado principalmente em análises e projetos de sistemas de manejo de águas pluviais urbanas e esgotamento sanitário. Possui interface amigável, podendo criar automaticamente gráficos, perfis e relatórios em diferentes formatos de arquivo. Dentre suas principais funcionalidades, destaca-se a integração com Sistemas de Informações Geográficas (SIG s). Trata-se de uma interface que integra diversos modelos hidrológicos e pode simular os escoamentos através dos métodos da Onda Cinemática ou do Modelo Hidrodinâmico. Neste trabalho foi escolhido o módulo chuva-vazão do modelo SWMM (Storm Water Management Model) para representação dos processos envolvidos no ciclo hidrológico da região em estudo. O SWMM é um modelo desenvolvido pela Agência de Proteção Ambiental Americana (EPA) (ROSSMAN, 2008) amplamente utilizado em várias partes do mundo para gestão dos recursos hídricos. Nas simulações foram adotadas a base cartográfica e os dados climatológicos e hidrológicos previamente observados no contexto do projeto HIDROCIDADES, Rede de Pesquisa BRUM/FINEP, na qual este estudo se insere. Este trabalho é produto de uma dissertação de mestrado, tratando-se de aplicação inédita deste modelo à área de drenagem da bacia do rio Morto. 2. CARACTERIZAÇÃO DA ÁREA DE ESTUDO A Bacia do rio Morto é contribuinte à bacia hidrográfica do canal de Sernambetiba e adjacente ao maciço da Pedra Branca, tendo o seu entorno, à jusante, caracterizado por áreas frágeis de baixada e tratando-se, ao mesmo tempo, de região de expansão urbana da cidade do Rio de Janeiro. Para efeito de captação de recursos da Prefeitura junto ao Governo Federal, de forma a implantar intervenções em sistemas de macrodrenagem, esta bacia está integrada ao Lote 3. Abrange uma área de drenagem de 9,41 km² até a seção de controle denominada Water Planet (Figura 1), por conta de sua localização logo a jusante do Parque de Águas local, e encontra-se integralmente no bairro de Vargem Grande, no extremo oeste da baixada de Jacarepaguá. O entorno desta região, à jusante, integrará área da futura Vila de Mídia para os Jogos Olímpicos de 2016, bem como estão sendo executadas intervenções de infraestrutura de transporte, tais como a implantação do Bus Rapid Transit - BRT Transcarioca e Transolímpica. XXI Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos 2

3 Figura 1 - Bacia Hidrográfica representativa e experimental do rio Morto (PIMENTEL DA SILVA et al., 2010 apud BATISTA AMARAL, 2014) 3. METODOLOGIA 3.1 Base cartográfica Conforme Batista Amaral (2014), a base cartográfica utilizada para o processamento do modelo foi obtida a partir de Rosa (2002) e Pimentel da Silva et al. (2010), tendo como referência a base do Instituto Pereira Passos (IPP) da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro de 1999 na escala 1:10.000, assim como ortofotos originadas no mesmo levantamento e cedidas pelo IPP. Nesse caso, a bacia hidrográfica do rio Morto foi dividida em 43 sub-bacias (elemento de discretização espacial do modelo), de acordo com a topografia da região. 3.2 O AUTOCAD CIVIL 3D e o Storm and Sanitary Analysis (SSA) O AutoCAD Civil 3D é um software da linha AutoCAD, desenvolvida pela Autodesk, voltado para elaboração e análise de projetos nos mais diversos ramos da engenharia civil. As ferramentas do AutoCAD Civil 3D têm suporte a processos de Modelagem de Informação da Construção (BIM) e ajudam a reduzir o tempo necessário para projetar, analisar e implementar alterações. O Storm and Sanitary Analysis (SSA) é um software integrado ao pacote do AutoCAD Civil 3D que pode ser utilizado para análise hidrológica, hidráulica e qualidade da água de sistemas de drenagem urbana, sistemas de drenagem de rodovias e redes de esgoto. Dentre suas funcionalidades, destaca-se (AUTODESK, 2013): Troca direta de dados com os softwares AutoCAD Civil 3D e AutoCAD Map 3D ; Análise hidráulica de tubulações, rios e canais, pontes, bueiros etc; XXI Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos 3

4 Suporte de redes de tamanho ilimitado; Comparação das condições de pré e pós-desenvolvimento; Análise e projeto de bacias de retenção e detenção; Análise de BMPs (Best Management Practices); Modelagem da qualidade da água; Saída gráfica sofisticada fornecendo mapas e perfis detalhados; Integração com SIGs (Sistemas de Informações Geográficas). Trata-se de uma interface integradora, que tem a capacidade de realizar simulações através dos seguintes modelos hidrológicos (dependendo da escolha do usuário): EPA SWMM 5.0 (também pode trocar informações com o XPSWMM); NRCS (SCS) TR-55; NRCS (SCS) TR-20; HEC-1; Método Racional; Método Racional Modificado; UK Método Racional modificado (Wallingford Procedure); Método Racional conforme Dekalb; Hidrograma unitário Santa Bárbara; Hidrograma unitário Delmarva; Simulação contínua de longo termo; Metodologia de Papadakis-Kazan. Quanto ao tempo de concentração, pode ser calculado através das seguintes metodologias: SCS TR-55, Carter, FAA, Kirpich, Onda cinemática, Eagleson, harris County, Papadakis-Kazan ou definido pelo usuário. A simulação hidráulica pode ser realizada através dos métodos da Onda cinemática ou método hidrodinâmico (ou seja, resolvendo as equações de Saint Venant). 3.3 Formação da base de Dados e processamento do modelo Neste trabalho, o AutoCAD CIVIL 3D foi utilizado para a formação da base de dados necessária aos processos de simulação. As informações topográficas foram importadas diretamente dos arquivos trabalhados em SIG por Rosa (2002). Utilizou-se essas informações para criar uma superfície 3D representativa do terreno da região em estudo (Modelo Digital de terreno MDT). Segundo Probert e Wedding (2008) apud Batista Amaral (2014) uma superfície no Civil 3D é construída com base em princípios matemáticos de geometria plana. Cada face de uma superfície baseia-se em três pontos que definem um plano. Cada um destes planos triangulares compartilha um lado com outro triângulo, e uma superfície contínua é assim construída. Esta metodologia é normalmente referida como uma rede irregular triangular - TIN, em inglês. Isso é feito com base na triangulação de Delaunay, significando que para qualquer ponto (x, y), pode haver apenas um único valor de elevação (z) dentro da superfície. A modelagem chuva-vazão foi efetuada através do SSA, optando-se por utilizar a metodologia do EPA SWMM para os estudos hidrológicos. O componente relativo ao escoamento superficial do SWMM opera com um conjunto de sub-bacias hidrográficas que recebem precipitações e geram escoamentos e cargas poluidoras. O modelo acompanha a evolução da quantidade e da qualidade do escoamento dentro de cada sub-bacia, assim como a vazão, a altura de XXI Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos 4

5 escoamento e a qualidade da água em cada tubulação e canal, durante um período de simulação composto por múltiplos intervalos de tempo (ROSSMAN, 2008). Uma característica importante do SSA é que os componentes do projeto podem ser importados diretamente de arquivos formato shapefile provenientes do ArcGIS (Sistema de Informacões Geográficas) ou de arquivos em formato CAD, o que não pode ser feito através do software SWMM 5.0 original da EPA. Desta forma, foram importados os arquivos shapefiles contendo a rede hidrográfica e as sub-bacias (Figura 2). Figura 1 - Importação da hidrografia e sub-bacias através de arquivos shapefile. Em geral, o software reconhece automaticamente as sub-bacias, cursos d'água (links) e sugere a localização dos nós (em cabeceiras de rio e junções de dois cursos d'água). Contudo é necessário definir nós intermediários que receberão a contribuição das sub-bacias. Uma limitação do modelo para análise de projetos de macrodrenagem é que a contribuição do escoamento superficial das subbacias só aflui nos cursos d água através dos nós. Daí a necessidade de definir um nó para cada subbacia. Os valores de precipitação foram inseridos através de séries temporais para intervalos de 5 minutos. Os dados utilizados são provenientes da estação pluvio-fluviométrica existente na bacia hidrográfica do rio Morto, instalada no âmbito do projeto HIDROCIDADES, que visa a conservação das águas em meio urbano e peri-urbanos por meio de atividades de pesquisa e ações de extensão universitária para o desenvolvimento urbano integrado à gestão sustentável dos recursos hídricos (PIMENTEL DA SILVA et. al., 2008). De modo análogo à precipitação, foram criadas séries temporais com os dados de evaporação, sendo que para estes foram consideradas as taxas diárias, calculadas pelo método Combinado de Penman (conforme SHUTTLEWORTH, 1992). Considerou-se também a existência de três aquíferos representativos de um conjunto de sub-bacias. Após inserir todos os elementos no modelo, foi analisada a atribuição do passo de tempo para propagação do fluxo. Como foi utilizado o modelo de propagação da Onda Dinâmica, que requer passo de tempo baixos, optou-se por um passo de tempo igual a 5 segundos, conforme Batista Amaral (2014). A metodologia de calibração baseou-se no ajuste dos parâmetros através do processo manual, por tentativa e erro, sem a utilização de algoritmos de otimização. Buscou-se a calibração dos parâmetros dos quais havia mais incertezas quanto aos seus valores. Foram adotados os períodos de junho e novembro de 2011 e março de Com relação à validação, optou-se por utilizar o XXI Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos 5

6 evento pluviométrico intenso e persistente ocorrido na Cidade do Rio de Janeiro em Abril de 2010, quando toda a cidade foi afetada por enchentes. No diagrama da Figura 3 é apresentado de forma simplificada os procedimentos necessários para formação da base de dados. A primeira etapa da modelagem é a especificação das opções do projeto. Aqui serão definidas as unidades de medida, o método hidrológico a ser utilizado (neste caso o SWMM), o método de cálculo da infiltração e do escoamento em canais (hidrodinâmico, cinemático e escoamento permanente). Estas opções poderão ser alteradas posteriormente. Importação da hidrografia e subbacias através de arquivos shapefile. Após importação, o modelo reconhece as sub-bacias, cursos d'água (links) e sugere a localização dos nós (em cabeceiras de rio e junções de dois cursos d'água). Neste ponto as bacias estão desconectadas da rede. Aqui deverá ser feita a ligação de cada sub-bacia a um nó receptor. Com o auxílio do MDT gerado no AutoCAD Civil 3D poderão ser obtidas as elevações de fundo dos nós e cursos d'água (links). As extensões dos links são computadas automaticamente após a importação. Definição de um ou mais pluviômetros e conexão destes com as sub-bacias. Cada sub-bacia poderá estar ligada a apenas um pluviômetro. Inserção dos dados de chuva e evaporação. Estes poderão ser inseridos através do item "Time Series", neste caso o software esboça automaticamente um gráfico tempo x valor. Estes dados poderão também ser fornecidos através de um arquivo externo. No objeto pluviômetro deverá ser definido como os dados de chuva serão fornecidos (série de dados ou arquivo externo), a série a ser utilizada ou o caminho do arquivo externo e as características dos dados de chuva (formato dos dados e intervalo). Definição do tipo de seção transversal dos links (canal ou tubulação). Já existem formatos pré-definidos e, para a opção canal, há a possibilidade de definir seções transversais irregulares (como é o caso de rios não canalizados) Definição das opções de análise, como o passo de tempo, data inicial e final para análise e se existem arquivos de interface externos. Com isso as simulações poderão ser iniciadas através da opção: "Perform Analysis" Figura 3 - Diagrama simplificado com os procedimentos para formação da base de dados e realização de simulação com o SSA. 4. APRESENTAÇÃO E ÁNALISE DOS RESULTADOS Os elementos gráficos desenvolvidos no ambiente do AutoCAD Civil 3D estão apresentados na Figura 4. A figura 4(a) apresenta a hidrografia da região e as sub-bacias definidas, ao fundo está representada a ortofoto. Foi gerada uma superfície 3D, equivalente ao Modelo Digital de Terreno (MDT) da bacia hidrográfica do rio Morto, esta pode ser visualizada na Figura 4(b). Através do MDT criado, foi possível determinar as propriedades dos elementos de drenagem (sub-bacias), tais como: área, perímetro, maior comprimento, declividade média e com o auxílio das ortofotos identificou-se visualmente as áreas permeáveis e impermeáveis. Foi possível também gerar seções transversais para os trechos onde não se dispunha desta informação. XXI Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos 6

7 Na Figura 5 é apresentada a bacia hidrográfica do rio Morto após o procedimento de importação das 43 sub-bacias, dos links e nós no SSA. Sobre esta base de dados foram executadas as simulações. (a) (b) Figura 4 Elementos gráficos produzidos no AutoCAD Civil 3D : (a) Hidrografia e sub-bacias; (b) Modelo Digital de Terreno (MDT) Figura 5 - Representação da bacia no SSA Um ponto importante a ser destacado é que o modelo SWMM, em sua interface original desenvolvido pela EPA, permite que alguns dispositivos LID (como pavimentos permeáveis, trincheiras de infiltração e reservatórios de águas pluviais) sejam facilmente inseridos nas subbacias. O mesmo não acontece com a interface SSA, por isso é necessário a utilização de artifícios para representar esses dispositivos no modelo. No caso dos reservatórios de águas pluviais, uma solução seria representar através de um único reservatório em cada sub-bacia a soma dos volumes dos reservatórios distribuídos. A figura 6 ilustra os hidrogramas de vazão observado e simulado para os meses de novembro de 2011 (calibração) e abril de 2010 (validação). XXI Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos 7

8 Calibração: Novembro Validação: Abril m³/s 1,2 1 0,8 0,6 0,4 0, m³/s 4,1 3,1 2,1 1,1 0, Vazão observada Vazão calculada Precipitação Vazão observada Precipitação Vazão calculada Figura 6 Hidrograma de vazões calculadas e observadas (calibração e validação) 5. CONCLUSÕES Através deste trabalho foi possível validar o uso do conjunto AutoCad Civil 3D e a extensão Storm and Sanitary Analysis SSA para processamento do SWMM na bacia hidrográfica do rio Morto. Destaca-se que há na literatura mundial poucos trabalhos disponíveis onde utilizou-se estas ferramentas para realização de modelagem hidrológica-hidráulica, com vistas à gestão de recursos hídricos. Com o auxílio do AutoCAD Civil 3D obteve-se a geração de elementos gráficos, como o Modelo Digital de Terreno (MDT) e algumas seções transversais. A bacia hidrográfica foi dividida em 43 sub-bacias e as propriedades de cada uma foram preliminarmente levantadas, ou estimadas, com o auxílio do MDT e de Ortofotos obtidas para o local. O SSA demonstrou ser uma ferramenta bastante robusta, de interface amigável, possibilitando sobretudo a integração CAD e SIG, facilidade não disponível na versão original do SWMM desenvolvida pela US EPA. Contudo, identificou-se uma limitação do SSA, que não possui integrado em seu código a opção de atribuir explicitamente dispositivos BMP s, como pavimentos permeáveis, trincheiras de infiltração e reservatórios de águas pluviais às sub-bacias, função disponível na versão original do SWMM. Como resultado das simulações, observou-se que o modelo representou de forma adequada o regime chuva-vazão da bacia em estudo. Desta forma, através da simulação de cenários, poderá ser avaliado o comportamento hidrológico-hidráulico da bacia, visando a definição de medidas estruturais, estruturantes e políticas públicas para gestão dos recursos hídricos. 6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Autodesk. Storm and Sanitary Analysis User s Guide: Autodesk, 2013 Batista Amaral, Daniele Pereira. Aplicação do Modelo Hidrológico SWMM na Gestão das Águas Pluviais Urbanas: Estudo de Caso da Bacia Hidrográfica do Rio Morto, Rio de Janeiro. Dissertação de Mestrado - Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Pimentel da Silva, Luciene [et al.]. HIDROCIDADES - Cities, Quality of Life and Water Resources: Integrated Water Resources Management and Urban Planning for Low-Land Region of Jacarepaguá, Rio de Janeiro, Brazil. In: International Congress on Urban Drainage, 2008, Edinburgh. 11th ICUD., Rosa, Ezer Urpia. Desenvolvimento de Procedimentos Computacionais para Integração de Sistemas de Informação Geográfica com Modelo Hidrológico Chuva-Vazão em Bacias Urbanas. Dissertação (Mestrado em Engenharia da Computação) - Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Rossman, L. A. SWMM 5: User s Manual. - Cincinnati, OH : Environmental Protection Agency, Shuttleworth, J. Evaporation. Chapter 4 of the Handbook of Hydrology. D. Maidment, Ed., McGraw-Hill, Inc., New York, XXI Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos 8

Áreas da cidade passíveis de alagamento pela elevação do nível do mar

Áreas da cidade passíveis de alagamento pela elevação do nível do mar ISSN 1984-7203 C O L E Ç Ã O E S T U D O S C A R I O C A S Áreas da cidade passíveis de alagamento pela elevação do nível do mar Nº 20080901 Setembro - 2008 Maria Luiza Furtado de Mendonça, Luiz Roberto

Leia mais

Gabriela Nogueira Ferreira da SILVA 1 José Vicente Granato de ARAÚJO. Escola de Engenharia Civil (EEC) gabriela.nfs@gmail.com jvgranato@yahoo.com.

Gabriela Nogueira Ferreira da SILVA 1 José Vicente Granato de ARAÚJO. Escola de Engenharia Civil (EEC) gabriela.nfs@gmail.com jvgranato@yahoo.com. DEFINIÇÃO DE HIDROGRAMA DE PROJETO CONSIDERANDO O MÉTODO TEMPO-ÁREA COM O USO DO GEOPROCESSAMENTO. ESTUDO DE CASO DA MICROBACIA DO CÓRREGO BOTAFOGO EM GOIÂNIA INTRODUÇÃO Gabriela Nogueira Ferreira da SILVA

Leia mais

MODELAGEM HIDRÁULICA DOS EVENTOS DE INUNDAÇÕES EM LAGES (SC)

MODELAGEM HIDRÁULICA DOS EVENTOS DE INUNDAÇÕES EM LAGES (SC) MODELAGEM HIDRÁULICA DOS EVENTOS DE INUNDAÇÕES EM LAGES (SC) Silvio Luís Rafaeli Neto(*), Guilherme da Silva Ricardo, Cindy Fernandes Mendes, Mariana Bonella Cunha. * Professor do Departamento de Engenharia

Leia mais

Quadro 4.3 - Relação de chuvas de diferentes durações. Valor Médio Obtido pelo DNOS. 5 min / 30 min 0,34 1 h / 24 h 0,42

Quadro 4.3 - Relação de chuvas de diferentes durações. Valor Médio Obtido pelo DNOS. 5 min / 30 min 0,34 1 h / 24 h 0,42 Determinação da Intensidade de Chuva Para obtenção das intensidades de chuvas de curta duração, em função de diversos tempos de recorrência, aplicaram-se procedimentos a seguir descritos: Primeiramente

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS QUE UTILIZAM GEOPROCESSAMENTO E TECNOLOGIA BIM PARA DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE ENGENHARIA CIVIL

ESTUDO COMPARATIVO DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS QUE UTILIZAM GEOPROCESSAMENTO E TECNOLOGIA BIM PARA DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE ENGENHARIA CIVIL ESTUDO COMPARATIVO DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS QUE UTILIZAM GEOPROCESSAMENTO E TECNOLOGIA BIM PARA DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE ENGENHARIA CIVIL 1. INTRODUÇÃO E REFERENCIAL TEÓRICO A área de geoprocessamento

Leia mais

EFEITO DA DISCRETIZAÇÃO ESPAÇO-TEMPORAL NA ESTIMATIVA DO HIDROGRAMA DE PROJETO

EFEITO DA DISCRETIZAÇÃO ESPAÇO-TEMPORAL NA ESTIMATIVA DO HIDROGRAMA DE PROJETO EFEITO DA DISCRETIZAÇÃO ESPAÇO-TEMPORAL NA ESTIMATIVA DO HIDROGRAMA DE PROJETO Manuel José Mahunguana 1* ; Juan Martín Bravo 2 ; Rafael Kayser 3 ; Felipe Mamedio 4 ; Fernando Mainardi Fan 5 ; Taison Bortolin

Leia mais

DELIMITAÇÃO DAS ÁREAS DE PROTEÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO JI-PARANÁ

DELIMITAÇÃO DAS ÁREAS DE PROTEÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO JI-PARANÁ DELIMITAÇÃO DAS ÁREAS DE PROTEÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO JI-PARANÁ JULIA S. MELLO 1 ; DANIEL de C. VICTORIA 2 Nº 10505 RESUMO Sistemas de Informação Geográfica (SIG) são importantes ferramentas

Leia mais

Anais do Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto - GEONORDESTE 2014 Aracaju, Brasil, 18-21 novembro 2014

Anais do Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto - GEONORDESTE 2014 Aracaju, Brasil, 18-21 novembro 2014 O USO DO GEOPROCESSAMENTO COMO APOIO AO DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO BOM RETIRO, JAÚ SP Fábio César Martins 1, Rafael Aleixo Braga 2, José Carlos Toledo Veniziani Junior 3 1 Tecnólogo

Leia mais

Aplicação de geoprocessamento na avaliação de movimento de massa em Salvador-Ba.

Aplicação de geoprocessamento na avaliação de movimento de massa em Salvador-Ba. Aplicação de geoprocessamento na avaliação de movimento de massa em Salvador-Ba. Campos, L. E. P. UFBA, Salvador, Bahia, Brasil, ledmundo@ufba.br Miranda, S. B. UFBA, Salvador, Bahia, Brasil, sbmiranda@gmail.com

Leia mais

Análise do crescimento urbano e seus efeitos na mudança da dinâmica de escoamento superficial da bacia do Pararangaba.

Análise do crescimento urbano e seus efeitos na mudança da dinâmica de escoamento superficial da bacia do Pararangaba. Análise do crescimento urbano e seus efeitos na mudança da dinâmica de escoamento superficial da bacia do Pararangaba. Iria Fernandes Vendrame 1 hiria@ita.br Wallace Alan Blois Lopes 1 blois@ita.br 1 Instituto

Leia mais

Modelagem Digital do Terreno

Modelagem Digital do Terreno Geoprocessamento: Geração de dados 3D Modelagem Digital do Terreno Conceito Um Modelo Digital de Terreno (MDT) representa o comportamento de um fenômeno que ocorre em uma região da superfície terrestre

Leia mais

Introdução. Porto Alegre Bacia do Arroio Areia

Introdução. Porto Alegre Bacia do Arroio Areia Manejo integrado de bacias urbanas e planos diretores de drenagem urbana: Porto Alegre e Caxias do Sul - RS - Brasil Adolfo O. N. Villanueva, Ruth Tassi e Daniel G. Allasia Instituto de Pesquisas Hidráulicas

Leia mais

3º Congresso Internacional de Tecnologias para o Meio Ambiente. Bento Gonçalves RS, Brasil, 25 a 27 de Abril de 2012

3º Congresso Internacional de Tecnologias para o Meio Ambiente. Bento Gonçalves RS, Brasil, 25 a 27 de Abril de 2012 Polígonos de Thiessen para a bacia hidrográfica do rio da Várzea, no Rio Grande do Sul Géssica Weber Casado 1, Lidiane Bittencourt Barroso 2, Fabiana Perotto da Silva 3, Delmira Beatriz Wolff 4, Jussara

Leia mais

ESTUDO DE UM RESERVATÓRIO DE DETENÇÃO ATRAVÉS DE MODELAGEM HIDRODINÂMICA. Marllus Gustavo F. P. das Neves, Rutinéia Tassi e Adolfo O. N.

ESTUDO DE UM RESERVATÓRIO DE DETENÇÃO ATRAVÉS DE MODELAGEM HIDRODINÂMICA. Marllus Gustavo F. P. das Neves, Rutinéia Tassi e Adolfo O. N. ESTUDO DE UM RESERVATÓRIO DE DETENÇÃO ATRAVÉS DE MODELAGEM HIDRODINÂMICA Marllus Gustavo F. P. das Neves, Rutinéia Tassi e Adolfo O. N. Villanueva 1 Resumo Os reservatórios de detenção apresentam-se hoje

Leia mais

Empresas de Gestão Conservadora: Potencial da Previsão de Demanda e Simulação Computacional

Empresas de Gestão Conservadora: Potencial da Previsão de Demanda e Simulação Computacional Alexandre Magno Castañon Guimarães Empresas de Gestão Conservadora: Potencial da Previsão de Demanda e Simulação Computacional Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA O CONTROLE DO MANEJO DA IRRIGAÇÃO 1

DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA O CONTROLE DO MANEJO DA IRRIGAÇÃO 1 DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA O CONTROLE DO MANEJO DA IRRIGAÇÃO 1 M. G. Silva 2 ; F. D. D. Arraes 3 ; E. R. F. Ledo 4 ; D. H. Nogueira 5 RESUMO: O presente trabalho teve por objetivo

Leia mais

Avaliação de Modelos Gaussianos para Fins Regulatórios Um Estudo para o Verão na Região de Nova Iguaçu, RJ

Avaliação de Modelos Gaussianos para Fins Regulatórios Um Estudo para o Verão na Região de Nova Iguaçu, RJ Avaliação de Modelos Gaussianos para Fins Regulatórios Um Estudo para o Verão na Região de Nova Iguaçu, RJ VELLOSO, Maria Francisca Azeredo (1) ; CUNHA Bruno D Aiuto (2) ; PIMENTEL, Luiz Claudio Gomes

Leia mais

Município de Colíder MT

Município de Colíder MT Diagnóstico da Cobertura e Uso do Solo e das Áreas de Preservação Permanente Município de Colíder MT Paula Bernasconi Ricardo Abad Laurent Micol Julho de 2008 Introdução O município de Colíder está localizado

Leia mais

EFEITO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NA DISPONIBILIDADE HÍDRICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PARACATU

EFEITO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NA DISPONIBILIDADE HÍDRICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PARACATU EFEITO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NA DISPONIBILIDADE HÍDRICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PARACATU RÔMULA F. DA SILVA 1 ; ELOY L. DE MELLO 2 ; FLÁVIO B. JUSTINO 3 ; FERNANDO F. PRUSKI 4; FÁBIO MARCELINO DE

Leia mais

PROJETO COLABORATIVO DE GESTÃO DE CAUDAIS INDEVIDOS NO GRUPO AQUAPOR LUSÁGUA

PROJETO COLABORATIVO DE GESTÃO DE CAUDAIS INDEVIDOS NO GRUPO AQUAPOR LUSÁGUA PROJETO COLABORATIVO DE GESTÃO DE CAUDAIS INDEVIDOS NO GRUPO AQUAPOR LUSÁGUA Sara CARRIÇO 1 ; Susana BARRETO 2 ; Filipe ALPUIM 3 ; Paulo OLIVEIRA 4 RESUMO A melhoria da eficiência dos sistemas de drenagem

Leia mais

A DIVERSIDADE DA GEOGRAFIA BRASILEIRA: ESCALAS E DIMENSÕES DA ANÁLISE E DA AÇÃO DE 9 A 12 DE OUTUBRO

A DIVERSIDADE DA GEOGRAFIA BRASILEIRA: ESCALAS E DIMENSÕES DA ANÁLISE E DA AÇÃO DE 9 A 12 DE OUTUBRO UTILIZAÇÃO DE GEOPROCESSAMENTO PARA ANÁLISE DA ACESSIBILIDADE A EQUIPAMENTOS PÚBLICOS DE ENSINO FUNDAMENTAL EM ÁREAS DE EXPANSÃO URBANA: BACIA HIDROGRÁFICA DO ARROIO DO SALSO PORTO ALEGRE/RS PEDRO GODINHO

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM BANCO DE DADOS ESPACIAL PARA A ESTIMATIVA DO ESCOAMENTO SUPERFICIAL DIRETO EM BACIAS HIDROGRÁFICAS

DESENVOLVIMENTO DE UM BANCO DE DADOS ESPACIAL PARA A ESTIMATIVA DO ESCOAMENTO SUPERFICIAL DIRETO EM BACIAS HIDROGRÁFICAS DESENVOLVIMENTO DE UM BANCO DE DADOS ESPACIAL PARA A ESTIMATIVA DO ESCOAMENTO SUPERFICIAL DIRETO EM BACIAS HIDROGRÁFICAS Alexandro Gularte Schäfer 1 * Resumo Este artigo apresenta o desenvolvimento de

Leia mais

ESTUDO PRELIMINAR DA CHUVA - VAZÃO PARA A BACIA DO RIO PARAIBA DO SUL - SP UTILIZANDO UM SIG

ESTUDO PRELIMINAR DA CHUVA - VAZÃO PARA A BACIA DO RIO PARAIBA DO SUL - SP UTILIZANDO UM SIG ESTUDO PRELIMINAR DA CHUVA - VAZÃO PARA A BACIA DO RIO PARAIBA DO SUL - SP UTILIZANDO UM SIG Mirian Caetano 1, Clóvis Monteiro do Espírito Santo 2 e Ana Catarina Farah Perrella 1 1 UNIVAP/CTI (miancaetano@hotmail.com)

Leia mais

23º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

23º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental IX-010 - DETERMINAÇÃO DE EQUAÇÃO I-D-F DE CHUVAS INTENSAS DO POSTO PLUVIOGRÁFICO / PLUVIOMÉTRICO VIA ONZE BARRA DA TIJUCA RJ METODOLOGIA E ANÁLISE COMPARATIVA Reynaldo André Guerrieri de Castro (1) Engenheiro

Leia mais

Gabriel Vendruscolo de FREITAS * Introdução

Gabriel Vendruscolo de FREITAS * Introdução A BACIA HIDROGRÁFICA COMO UNIDADE TERRITORIAL PARA O PLANEJAMENTO E GESTÃO AMBIENTAL: ESTUDO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIBEIRÃO PRETO NO MUNICÍPIO DE RIBEIRÃO PRETO - SP Gabriel Vendruscolo de FREITAS *

Leia mais

PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO E A PROBLEMÁTICA DAS INUNDAÇÕES: ANÁLISE DA DINÂMICA DOS PROMOTORES IMOBILIÁRIOS EM ITAJAÍ/SC 1

PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO E A PROBLEMÁTICA DAS INUNDAÇÕES: ANÁLISE DA DINÂMICA DOS PROMOTORES IMOBILIÁRIOS EM ITAJAÍ/SC 1 PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO E A PROBLEMÁTICA DAS INUNDAÇÕES: ANÁLISE DA DINÂMICA DOS PROMOTORES IMOBILIÁRIOS EM ITAJAÍ/SC 1 RESUMO CONCATTO, Suzane 2 MORAES, Sérgio Torres 3 A problemática das inundações

Leia mais

USO SUSTENTÁVEL DOS RECURSOS HÍDRICOS: PRÁTICAS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO SEMIÁRIDO-NORDESTINO

USO SUSTENTÁVEL DOS RECURSOS HÍDRICOS: PRÁTICAS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO SEMIÁRIDO-NORDESTINO USO SUSTENTÁVEL DOS RECURSOS HÍDRICOS: PRÁTICAS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO SEMIÁRIDO-NORDESTINO Juliana Meira de Vasconcelos Xavier 1, Divanda Cruz Rocha 2, Pedro Vieira de Azevedo 3 Laíse do Nascimento

Leia mais

AVALIAÇÃO DE METODOLOGIAS PARA SIMULAÇÃO DE INUNDAÇÕES EM REDES DE DRENAGEM PLUVIAIS NA BACIA HIDROGRÁFICA ALTO DA COLINA, EM SANTA MARIA-RS

AVALIAÇÃO DE METODOLOGIAS PARA SIMULAÇÃO DE INUNDAÇÕES EM REDES DE DRENAGEM PLUVIAIS NA BACIA HIDROGRÁFICA ALTO DA COLINA, EM SANTA MARIA-RS AVALIAÇÃO DE METODOLOGIAS PARA SIMULAÇÃO DE INUNDAÇÕES EM REDES DE DRENAGEM PLUVIAIS NA BACIA HIDROGRÁFICA ALTO DA COLINA, EM SANTA MARIA-RS Adalberto Meller ; Eloiza Maria Cauduro Dias de Paiva Resumo

Leia mais

EFEITO DO CONTROLE NA FONTE SOBRE A MACRODRENAGEM. Palavras-Chave - microrreservatórios, controle na fonte, macrodrenagem

EFEITO DO CONTROLE NA FONTE SOBRE A MACRODRENAGEM. Palavras-Chave - microrreservatórios, controle na fonte, macrodrenagem EFEITO DO CONTROLE NA FONTE SOBRE A MACRODRENAGEM Rutinéia Tassi 1 e Adolfo O. N. Villanueva1 1 1 Instituto de Pesquisas Hidráulicas da UFRGS Caixa Postal 15029, CEP 91501-970, Porto Alegre/RS - Brasil.

Leia mais

Modelagem da bacia hidrográfica urbana utilizando o Watershed Modeling System (WMS)

Modelagem da bacia hidrográfica urbana utilizando o Watershed Modeling System (WMS) Modelagem da bacia hidrográfica urbana utilizando o Watershed Modeling System (WMS) Francisco das Chagas de Oliveira Cacela Filho Afonso Paulo Souza Silva Ana Rosa Baganha Barp Luiz Eduardo do Canto Costa

Leia mais

AS REDES COMO UM MODELO DE DADOS GEOGRÁFICO EM EVOLUÇÃO: CASO PRÁTICO NUM SIG.

AS REDES COMO UM MODELO DE DADOS GEOGRÁFICO EM EVOLUÇÃO: CASO PRÁTICO NUM SIG. AS REDES COMO UM MODELO DE DADOS GEOGRÁFICO EM EVOLUÇÃO: CASO PRÁTICO NUM SIG. Carla Vaz Paulo 1 1. INTRODUÇÃO O rápido desenvolvimento urbano nas duas últimas décadas, desencadeou um elevado crescimento

Leia mais

CURVAS COTA-VOLUME E COTA-ÁREA DA LAGOA DA COCA-COLA LOCALIZADA NO DISTRITO INDUSTRIAL LUIZ CAVALCANTE

CURVAS COTA-VOLUME E COTA-ÁREA DA LAGOA DA COCA-COLA LOCALIZADA NO DISTRITO INDUSTRIAL LUIZ CAVALCANTE 1 CURVAS COTA-VOLUME E COTA-ÁREA DA LAGOA DA COCA-COLA LOCALIZADA NO DISTRITO INDUSTRIAL LUIZ CAVALCANTE Valmir de Albuquerque Pedrosa 1 RESUMO - Este artigo apresenta o processo de construção das curvas

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO PARÂMETRO CN PARA SUB-BACIAS URBANAS DO ARROIO DILÚVIO - PORTO ALEGRE/RS

DETERMINAÇÃO DO PARÂMETRO CN PARA SUB-BACIAS URBANAS DO ARROIO DILÚVIO - PORTO ALEGRE/RS DETERMINAÇÃO DO PARÂMETRO CN PARA SUB-BACIAS URBANAS DO ARROIO DILÚVIO - PORTO ALEGRE/RS Rutinéia Tassi 1 ; Daniel G. Allasia 2 ; Adalberto Meller 2 ; Talita C. Miranda 3 ; Josiane Holz 3 & André L. L.

Leia mais

IV-018 POTENCIAL DE ECONOMIA DE ÁGUA POTÁVEL POR MEIO DO USO DE ÁGUA PLUVIAL NO SETOR RESIDENCIAL DE CIDADES MÉDIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO

IV-018 POTENCIAL DE ECONOMIA DE ÁGUA POTÁVEL POR MEIO DO USO DE ÁGUA PLUVIAL NO SETOR RESIDENCIAL DE CIDADES MÉDIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO IV-018 POTENCIAL DE ECONOMIA DE ÁGUA POTÁVEL POR MEIO DO USO DE ÁGUA PLUVIAL NO SETOR RESIDENCIAL DE CIDADES MÉDIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO Iván Andrés Sánchez Ortiz (1) Engenheiro Civil pela Universidad

Leia mais

Resumo. Palavras-chave: ottocodificação, geoprocessamento, gestão de recursos hídricos, IGAM. Abstract

Resumo. Palavras-chave: ottocodificação, geoprocessamento, gestão de recursos hídricos, IGAM. Abstract APRIMORAMENTO DOS PROCEDIMENTOS DE GEOPROCESSAMENTO COM A REDE HIDROGRÁFICA OTTOCODIFICADA PARA A GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS DO ESTADO DE MINAS GERAIS, BRASIL Miguel Fernandes Felippe MSc, Doutorando,

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE A PRECIPITAÇÃO REGISTRADA NOS PLUVIÔMETROS VILLE DE PARIS E MODELO DNAEE. Alice Silva de Castilho 1

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE A PRECIPITAÇÃO REGISTRADA NOS PLUVIÔMETROS VILLE DE PARIS E MODELO DNAEE. Alice Silva de Castilho 1 ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE A PRECIPITAÇÃO REGISTRADA NOS PLUVIÔMETROS VILLE DE PARIS E MODELO DNAEE Alice Silva de Castilho 1 RESUMO - Este artigo apresenta uma análise comparativa entre os totais mensais

Leia mais

A seguir são apresentadas as etapas metodológicas da Pesquisa CNT de Rodovias.

A seguir são apresentadas as etapas metodológicas da Pesquisa CNT de Rodovias. Metodologia A Pesquisa CNT de Rodovias propõe-se a avaliar a situação das rodovias brasileiras a partir da perspectiva dos usuários da via. As características - pavimento, sinalização e geometria - são

Leia mais

AVALIAÇÃO DO ESCOAMENTO DE FLUIDOS INCOMPRESSÍVEIS EM TUBULAÇÕES USANDO CFD

AVALIAÇÃO DO ESCOAMENTO DE FLUIDOS INCOMPRESSÍVEIS EM TUBULAÇÕES USANDO CFD AVALIAÇÃO DO ESCOAMENTO DE FLUIDOS INCOMPRESSÍVEIS EM TUBULAÇÕES USANDO CFD 1 Délio Barroso de Souza, 2 Ulisses Fernandes Alves, 3 Valéria Viana Murata 1 Discente do curso de Engenharia Química 2 Bolsista

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE MODELO HIDRÁULICO ASSOCIADO A UM SIG PARA A DEFINIÇÃO DE ÁREAS INUNDÁVEIS NA CIDADE DE GOVERNADOR VALADARES, MINAS GERAIS

UTILIZAÇÃO DE MODELO HIDRÁULICO ASSOCIADO A UM SIG PARA A DEFINIÇÃO DE ÁREAS INUNDÁVEIS NA CIDADE DE GOVERNADOR VALADARES, MINAS GERAIS UTILIZAÇÃO DE MODELO HIDRÁULICO ASSOCIADO A UM SIG PARA A DEFINIÇÃO DE ÁREAS INUNDÁVEIS NA CIDADE DE GOVERNADOR VALADARES, MINAS GERAIS Alice Silva de Castilho 1 ; Éber José de Andrade Pinto 1 & Graziela

Leia mais

VI-029 - FUNDAMENTOS DE GEOPROCESSAMENTO E SUAS APLICAÇÕES ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL

VI-029 - FUNDAMENTOS DE GEOPROCESSAMENTO E SUAS APLICAÇÕES ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina VI-029 - FUNDAMENTOS DE GEOPROCESSAMENTO E SUAS APLICAÇÕES ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE TRANUS COMO APOIO À ENGENHARIA DE TRÁFEGO E TRANSPORTE URBANO

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE TRANUS COMO APOIO À ENGENHARIA DE TRÁFEGO E TRANSPORTE URBANO UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE TRANUS COMO APOIO À ENGENHARIA DE TRÁFEGO E TRANSPORTE URBANO 1. INTRODUÇÃO Atualmente a tecnologia vem se desenvolvendo cada vez mais rápido para suprir as necessidades da população.

Leia mais

MODELAGEM DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS ORIUNDOS DO CANAL DO MANGUE NA REGIÃO PORTUÁRIA DO RIO DE JANEIRO

MODELAGEM DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS ORIUNDOS DO CANAL DO MANGUE NA REGIÃO PORTUÁRIA DO RIO DE JANEIRO MODELAGEM DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS ORIUNDOS DO CANAL DO MANGUE NA REGIÃO PORTUÁRIA DO RIO DE JANEIRO Victor Fernandes de Souza 1 ; José Carlos Cesar Amorim 2* ; Marcelo de Miranda Reis 3 ; Adriano de

Leia mais

APLICATIVO PARA CÁLCULOS DE INFILTRAÇÃO DE ÁGUA NO SOLO COM BASE NAS EQUAÇÕES DE KOSTIAKOV E KOSTIAKOV-LEWIS

APLICATIVO PARA CÁLCULOS DE INFILTRAÇÃO DE ÁGUA NO SOLO COM BASE NAS EQUAÇÕES DE KOSTIAKOV E KOSTIAKOV-LEWIS APLICATIVO PARA CÁLCULOS DE INFILTRAÇÃO DE ÁGUA NO SOLO COM BASE NAS EQUAÇÕES DE KOSTIAKOV E KOSTIAKOV-LEWIS J. V. José 1 ; E. Saretta 2 ; A. P. Camargo 2 ; A. P. A. B. Damasceno 2 ; P. A. A. Marques 3

Leia mais

MODELAGEM DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

MODELAGEM DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Unidade III MODELAGEM DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Sobre esta aula Ciclo de Vida de Sistemas Engenharia de Software Aplicações de Software Diagramação de Software Ciclo

Leia mais

MODELAGEM HIDRÁULICA DE CHEIAS NO RIO JOÃO PINTO UTILIZANDO AUTODESK CIVIL 3D E HEC-RAS

MODELAGEM HIDRÁULICA DE CHEIAS NO RIO JOÃO PINTO UTILIZANDO AUTODESK CIVIL 3D E HEC-RAS MODELAGEM HIDRÁULICA DE CHEIAS NO RIO JOÃO PINTO UTILIZANDO AUTODESK CIVIL 3D E HEC-RAS Rodrigo Costa Gonçalves 1 *; Lude Quieto Viana 2 ; Vinícius Rios Barros 3 ; Luiz Antônio Moreira Sant anna 4 ; Maria

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS DE DRENAGEM PLUVIAL UTILIZANDO MÉTODOS DE BAIXO IMPACTO

DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS DE DRENAGEM PLUVIAL UTILIZANDO MÉTODOS DE BAIXO IMPACTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS DE DRENAGEM PLUVIAL UTILIZANDO MÉTODOS DE BAIXO IMPACTO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Lucas

Leia mais

ESTUDO DE CASO: PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA DE PORTO ALEGRE/RS

ESTUDO DE CASO: PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA DE PORTO ALEGRE/RS ESTUDO DE CASO: PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA DE PORTO ALEGRE/RS Daniel G. Allasia 1 ; Rutinéia Tassi 1 ; Marllus G. F. P. das Neves 1 ; Adolfo O. N. Villanueva 1 ; Carlos E. M. Tucci 1 & Marcus A.

Leia mais

APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA ANÁLISE DO FENÔMENO DA CAVITAÇÃO EM BOMBAS HIDRÁULICAS I.S. BISPO 1 ; A.P.B.A. MACÊDO 2

APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA ANÁLISE DO FENÔMENO DA CAVITAÇÃO EM BOMBAS HIDRÁULICAS I.S. BISPO 1 ; A.P.B.A. MACÊDO 2 APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA ANÁLISE DO FENÔMENO DA CAVITAÇÃO EM BOMBAS HIDRÁULICAS I.S. BISPO 1 ; A.P.B.A. MACÊDO 2 RESUMO: A ocorrência da cavitação em bombas hidráulicas traz consequências negativas

Leia mais

SIMULAÇÃO DE SECAGEM DE MILHO E ARROZ EM BAIXAS TEMPERATURAS

SIMULAÇÃO DE SECAGEM DE MILHO E ARROZ EM BAIXAS TEMPERATURAS SIMULAÇÃO DE SECAGEM DE MILHO E ARROZ EM BAIXAS TEMPERATURAS DOMINGOS SÁRVIO MAGALHÃES VALENTE 1 CRISTIANO MÁRCIO ALVES DE SOUZA 2 DANIEL MARÇAL DE QUEIROZ 3 RESUMO - Um programa computacional para simular

Leia mais

Modelo de simulação de um processo de requisições em um servidor web de alta disponibilidade

Modelo de simulação de um processo de requisições em um servidor web de alta disponibilidade Modelo de simulação de um processo de requisições em um servidor web de alta disponibilidade Tiago de Azevedo Santos tiago@iff.edu.br João José de Assis Rangel joao@ucam-campos.br RESUMO Este trabalho

Leia mais

15º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DO VOÇOROCAMENTO URBANO EM RANCHARIA-SP DE 1962 A 2014.

15º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DO VOÇOROCAMENTO URBANO EM RANCHARIA-SP DE 1962 A 2014. 15º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DO VOÇOROCAMENTO URBANO EM RANCHARIA-SP DE 1962 A 2014. Alyson Bueno Francisco 1 Resumo Este trabalho visa apresentar

Leia mais

Alexandro Gularte Schafer Universidade Federal do Pampa UNIPAMPA Campus Bagé alexandro.schafer@unipampa.edu.br

Alexandro Gularte Schafer Universidade Federal do Pampa UNIPAMPA Campus Bagé alexandro.schafer@unipampa.edu.br Estimativa do escoamento superficial direto na bacia hidrográfica do rio Atuba/PR/Brasil utilizando um banco de dados espacial Alexandro Gularte Schafer Universidade Federal do Pampa UNIPAMPA Campus Bagé

Leia mais

Perguntas. Que todo usuário deveria fazer antes de comprar um software CAD de baixo custo. Por Robert Green, proprietário da Robert Green Consulting

Perguntas. Que todo usuário deveria fazer antes de comprar um software CAD de baixo custo. Por Robert Green, proprietário da Robert Green Consulting Perguntas Que todo usuário deveria fazer antes de comprar um software CAD de baixo custo Por Robert Green, proprietário da Robert Green Consulting 5 perguntas que todo usuário deveria fazer antes de comprar

Leia mais

Gestão das Águas urbanas e a Drenagem

Gestão das Águas urbanas e a Drenagem Gestão das Águas urbanas e a Drenagem Carlos E. M. Tucci Instituto de Pesquisas Hidráulicas UFRGS Porto Alegre-RS Brasil Conteúdo Desenvolvimento urbano e a fonte de impacto na gestão das águas As fases

Leia mais

Análise da Ocupação Urbana na Bacia do Córrego dos Pires, Jahu SP e seus Impactos na Drenagem Urbana

Análise da Ocupação Urbana na Bacia do Córrego dos Pires, Jahu SP e seus Impactos na Drenagem Urbana Análise da Ocupação Urbana na Bacia do Córrego dos Pires, Jahu SP e seus Impactos na Drenagem Urbana Odeir Alves LIIDTHE 1 Dalva Maria Castro VITTI 2 José Carlos Veniziani JUNIOR 3 Resumo As inundações

Leia mais

XVI CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 22 a 26 de outubro de 2007 USO DA ANÁLISE ESPACIAL NO PLANEJAMENTO DE ESTRADAS FLORESTAIS

XVI CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 22 a 26 de outubro de 2007 USO DA ANÁLISE ESPACIAL NO PLANEJAMENTO DE ESTRADAS FLORESTAIS USO DA ANÁLISE ESPACIAL NO PLANEJAMENTO DE ESTRADAS FLORESTAIS MARIANA PERES DE LIMA 1 ; ADRIANO RIBEIRO DE MENDONÇA 1 ; LUIS MARCELO TAVARES DE CARVALHO 2. RESUMO: O planejamento de estradas em empresas

Leia mais

Atualização de um Simulador de Cenários Sísmicos em ambiente WebSIG

Atualização de um Simulador de Cenários Sísmicos em ambiente WebSIG Atualização de um Simulador de Cenários Sísmicos em ambiente WebSIG Nuno AFONSO 1, Alexandra CARVALHO 1 1 Laboratório Nacional de Engenharia Civil (nuno.fnvs.afonso@gmail.com; xana.carvalho@lnec.pt) Palavras-chave:

Leia mais

Gerenciamento de Dutos Utilizando SIG Caso GLPDUTO URUCU-COARI

Gerenciamento de Dutos Utilizando SIG Caso GLPDUTO URUCU-COARI Gerenciamento de Dutos Utilizando SIG Caso GLPDUTO URUCU-COARI O caráter multifinalitário de um SIG tem por concepção a geração de uma ferramenta de apoio à tomada de decisão, relacionada aos aspectos

Leia mais

USO DE GEOPROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO DE CONFLITOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO VERÊ, MUNICÍPIO DE VERÊ PR.

USO DE GEOPROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO DE CONFLITOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO VERÊ, MUNICÍPIO DE VERÊ PR. USO DE GEOPROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO DE CONFLITOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO VERÊ, MUNICÍPIO DE VERÊ PR. Ivan Rodrigo Dal-Berti, Marcio Pigosso, Wanessa Suelen

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO SISPREC

MANUAL DO USUÁRIO SISPREC MANUAL DO USUÁRIO SISPREC Concorrência nº 005/ANA/2009 - Sistema de previsão de enchentes na bacia do Rio Paraíba do Sul 1 de 44 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 4 1.1 Apresentação do Sistema... 4 Figura 1.1 Tela

Leia mais

MODELAGEM DIGITAL DE SUPERFÍCIES

MODELAGEM DIGITAL DE SUPERFÍCIES MODELAGEM DIGITAL DE SUPERFÍCIES Prof. Luciene Delazari Grupo de Pesquisa em Cartografia e SIG da UFPR SIG 2012 Introdução Os modelo digitais de superficie (Digital Surface Model - DSM) são fundamentais

Leia mais

7. CADASTRO DE USUÁRIOS E OUTORGA. 7.1 Outorgas na Bacia do Rio Paraíba do Sul. 7.2 Cadastro Unificado - Antecedentes

7. CADASTRO DE USUÁRIOS E OUTORGA. 7.1 Outorgas na Bacia do Rio Paraíba do Sul. 7.2 Cadastro Unificado - Antecedentes 7. CADASTRO DE USUÁRIOS E OUTORGA 7.1 Outorgas na Bacia do Rio Paraíba do Sul O panorama das outorgas na bacia nas quatro esferas outorgantes é bastante variado. A atividade em São Paulo é muito intensa,

Leia mais

Projeto de Revitalização da Microbacia do Rio Abóboras Bacia Hidrográfica São Lamberto

Projeto de Revitalização da Microbacia do Rio Abóboras Bacia Hidrográfica São Lamberto Projeto de Revitalização da Microbacia do Rio Abóboras Bacia Hidrográfica São Lamberto Autores: Emílio Rodrigues Versiani Junior 1 Geraldo Aristides Rabelo Nuzzi Andréa Rodrigues Fróes Resumo O Projeto

Leia mais

Autores: Alessandro de Araújo Bezerra Marco Aurélio Holanda de Castro

Autores: Alessandro de Araújo Bezerra Marco Aurélio Holanda de Castro X SIMPÓSIO DE RECURSOS HÍDRICOS DO NORDESTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA HIDRÁULICA E AMBIENTAL ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE DRENAGEM URBANA: utilização do software UFC8 Autores: Alessandro

Leia mais

Utilização da modelagem UML em um sistema de gerenciamento de uma franquia do setor de alimentação

Utilização da modelagem UML em um sistema de gerenciamento de uma franquia do setor de alimentação Utilização da modelagem UML em um sistema de gerenciamento de uma franquia do setor de alimentação Use of UML modeling in a management system for a food franchising Richard B. N. Vital, Tatiane M. Vital.

Leia mais

Micro Mídia Informática Fevereiro/2009

Micro Mídia Informática Fevereiro/2009 Micro Mídia Informática Fevereiro/2009 1 UML Introdução Fases de Desenvolvimento Notação Visões Análise de Requisitos Casos de Uso StarUML Criando Casos de Uso Orientação a Objetos Diagrama de Classes

Leia mais

INTRODUÇÃO 1.1 POR QUE GEOPROCESSAMENTO?

INTRODUÇÃO 1.1 POR QUE GEOPROCESSAMENTO? 1 INTRODUÇÃO 1.1 POR QUE GEOPROCESSAMENTO? O termo Geoprocessamento denota a disciplina do conhecimento que utiliza técnicas matemáticas e computacionais para o tratamento da informação geográfica. Esta

Leia mais

IMPACTOS DE ATIVIDADES DE MINERAÇÃO NA DINÂMICA FLUVIAL DO RIO ARAQUÁ (SÃO PEDRO SP)

IMPACTOS DE ATIVIDADES DE MINERAÇÃO NA DINÂMICA FLUVIAL DO RIO ARAQUÁ (SÃO PEDRO SP) IMPACTOS DE ATIVIDADES DE MINERAÇÃO NA DINÂMICA FLUVIAL DO Ribeiro, D.F. 1 ; Cunha, C.M.L. 2 ; 1 UNESP Email:dani_ferry@msn.com; 2 UNESP Email:cenira@rc.unesp.br; RESUMO: As atividades mineradoras causam

Leia mais

A DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DO TRÁFICO DE DROGAS EM BELO HORIZONTE E SUAS CORRELAÇÕES ESPACIAIS

A DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DO TRÁFICO DE DROGAS EM BELO HORIZONTE E SUAS CORRELAÇÕES ESPACIAIS 66 A DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DO TRÁFICO DE DROGAS EM BELO HORIZONTE E SUAS CORRELAÇÕES ESPACIAIS Resumo Nina Ferraz Tolentino 1 Orientador: Alexandre Magno Alves Diniz 2 O aumento da violência ao longo

Leia mais

IBM Unica Histórico da Interação Attribution Modeler Versão 1 Release 0 15 de maio de 2012. Tabelas de Sistema do

IBM Unica Histórico da Interação Attribution Modeler Versão 1 Release 0 15 de maio de 2012. Tabelas de Sistema do IBM Unica Histórico da Interação Attribution Modeler Versão 1 Release 0 15 de maio de 2012 Tabelas de Sistema do Observação Antes de usar estas informações e o produto por elas suportado, leia as informações

Leia mais

ANÁLISE DO PROCESSO DE MISTURA DE ÁGUA E CAL UTILIZANDO O SCILAB

ANÁLISE DO PROCESSO DE MISTURA DE ÁGUA E CAL UTILIZANDO O SCILAB ANÁLISE DO PROCESSO DE MISTURA DE ÁGUA E CAL UTILIZANDO O SCILAB Brunela Bonatto Milli 1, Danielly Cristina Gripa 2, George Simonelli 3, Victor Matheus Alves 4 1. Graduada em Engenharia Química pela Faculdade

Leia mais

7.5 Planialtimetria 7.5.1 Topologia Tem por objetivo o estudo das formas da superfície terrestre e das leis que regem o seu modelado.

7.5 Planialtimetria 7.5.1 Topologia Tem por objetivo o estudo das formas da superfície terrestre e das leis que regem o seu modelado. CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA UNIDADE DE FLORIANÓPOLIS DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE CONSTRUÇÃO CIVIL CURSO TÉCNICO DE GEOMENSURA MÓDULO II UNIDADE CURRICULAR TOPOGRAFIA III 7.5

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP SIMULADOR

Leia mais

INUNDAÇÕES URBANAS EM BELO HORIZONTE. OCORRÊNCIAS, CONTROLE E MEDIDAS DE PROTEÇÃO

INUNDAÇÕES URBANAS EM BELO HORIZONTE. OCORRÊNCIAS, CONTROLE E MEDIDAS DE PROTEÇÃO Aqua-LAC - Vol. 4 - Nº 2 - Dic. 2012. pp. 1-6. INUNDAÇÕES URBANAS EM BELO HORIZONTE. OCORRÊNCIAS, CONTROLE E MEDIDAS DE PROTEÇÃO URBAN FLOODING IN BELO HORIZONTE OCCURRENCES, CONTROL AND PROTECTIVE MEASURES

Leia mais

1. Modelagem de Sistemas 1.1. Os Desenvolvedores de Sistemas podem Escolher entre Quatro Caminhos

1. Modelagem de Sistemas 1.1. Os Desenvolvedores de Sistemas podem Escolher entre Quatro Caminhos Sumário Modelagem de Processos Módulo 4 1. Modelagem de Sistemas 1.1. Os Desenvolvedores de Sistemas podem Escolher entre Quatro Caminhos M. Sc. Luiz Alberto lasf.bel@gmail.com Modelagem de Sistemas MP

Leia mais

SISHIDRO-JF SISTEMA HIDROLÓGICO PARA GERAÇÃO DE VAZÕES MÁXIMAS NA REGIÃO NORTE DE JUIZ DE FORA (MG)

SISHIDRO-JF SISTEMA HIDROLÓGICO PARA GERAÇÃO DE VAZÕES MÁXIMAS NA REGIÃO NORTE DE JUIZ DE FORA (MG) SISHIDRO-JF SISTEMA HIDROLÓGICO PARA GERAÇÃO DE VAZÕES MÁXIMAS NA REGIÃO NORTE DE JUIZ DE FORA (MG) Celso Bandeira de Melo Ribeiro 1 ; Gustavo Rezende Reis 2 ; Fabiano Cézar Tosetti Leal 3 RESUMO --- Este

Leia mais

USO DO GEOPROCESSAMENTO APLICADO À GESTÃO DE SISTEMAS DE LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO NO RIO GRANDE DO NORTE

USO DO GEOPROCESSAMENTO APLICADO À GESTÃO DE SISTEMAS DE LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO NO RIO GRANDE DO NORTE USO DO GEOPROCESSAMENTO APLICADO À GESTÃO DE SISTEMAS DE LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO NO RIO GRANDE DO NORTE Adriana Dias Moreira PIRES (1); Bruno César Dias de ALBUQUERQUE (2); Daniel Bruno Alves dos SANTOS

Leia mais

Gestor: um sistema para CTM com gvsig como componente de edição e acesso.

Gestor: um sistema para CTM com gvsig como componente de edição e acesso. Gestor: um sistema para CTM com gvsig como componente de edição e acesso. Cadastro Técnico Multifinalitário (CTM) é um conceito de banco de dados que promove a coleta, armazenamento e manipulação de dados

Leia mais

Seminário. Taxa de Drenagem Urbana O que é? Como Cobrar?

Seminário. Taxa de Drenagem Urbana O que é? Como Cobrar? Escola Politécnica Departamento de Engenharia Hidráulica e Sanitária PHD 2537 Água em Ambientes Urbanos Seminário Taxa de Drenagem Urbana O que é? Como Cobrar? Maíra Simões Cucio Nº USP: 5621990 Novembro

Leia mais

Sistema de Informação Geográfica para Planejamento de Eletrificação Rural em Grande Escala

Sistema de Informação Geográfica para Planejamento de Eletrificação Rural em Grande Escala 1/6 Título Sistema de Informação Geográfica para Planejamento de Eletrificação Rural em Nº de Registro (Resumen) 8 Empresa o Entidad CEMIG DISTRIBUIÇÃO S/A CEMIG-D Autores del Trabajo Nombre País e-mail

Leia mais

ESTUDOS RECENTES DESENVOLVIDOS OU DESENVOLVIMENTO 2008 A 2009

ESTUDOS RECENTES DESENVOLVIDOS OU DESENVOLVIMENTO 2008 A 2009 ESTUDOS RECENTES DESENVOLVIDOS OU DESENVOLVIMENTO 2008 A 2009 1. SIMULAÇÃO HIDROLÓGICA DE CENÁRIO CLIMÁTICO NO RIO PARAGUAI Cliente: Rio Tinto Mineração Descrição : As condições de navegação do rio Paraguai

Leia mais

PRODUÇÃO E TRANSPORTE DE SEDIMENTOS EM SISTEMAS DE DRENAGEM

PRODUÇÃO E TRANSPORTE DE SEDIMENTOS EM SISTEMAS DE DRENAGEM PRODUÇÃO E TRANSPORTE DE SEDIMENTOS EM SISTEMAS DE DRENAGEM Elton Silva Cruz Engenheiro Civil, Marcos A. R. Baracho. Professor, Departamento de Engenharia Civil da UFCG. End.: Abdon Napy 61, Pres. Médici,

Leia mais

COEFICIENTES PARA ESTIMATIVAS DE PRECIPITAÇÃO COM DURAÇÃO DE 24 HORAS A 5 MINUTOS PARA JABOTICABAL

COEFICIENTES PARA ESTIMATIVAS DE PRECIPITAÇÃO COM DURAÇÃO DE 24 HORAS A 5 MINUTOS PARA JABOTICABAL COEFICIENTES PARA ESTIMATIVAS DE PRECIPITAÇÃO COM DURAÇÃO DE 24 HORAS A 5 MINUTOS PARA JABOTICABAL Paulo Nobukuni 1 Vicente de Paula Pereira 2 Romísio Geraldo Bouhid André 2 RESUMO ABSTRACT Dados de pluviosidade,

Leia mais

USO DO INFOAMBIENTE COMO FERRAMENTA PARA CARACTERIZAÇÃO DOS LOCAIS ONDE FORAM IDENTIFICADAS ADVERTÊNCIAS AMBIENTAIS

USO DO INFOAMBIENTE COMO FERRAMENTA PARA CARACTERIZAÇÃO DOS LOCAIS ONDE FORAM IDENTIFICADAS ADVERTÊNCIAS AMBIENTAIS Porto Alegre/RS 23 a 26/11/2015 USO DO INFOAMBIENTE COMO FERRAMENTA PARA CARACTERIZAÇÃO DOS LOCAIS ONDE FORAM IDENTIFICADAS ADVERTÊNCIAS AMBIENTAIS Adriano Peixoto Panazzolo*, Chaiana Teixeira, Daniela

Leia mais

CADASTRO DE METADADOS POR SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE BANCO DE DADOS GEOGRÁFICO (SGBD) EM SIG PARA UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

CADASTRO DE METADADOS POR SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE BANCO DE DADOS GEOGRÁFICO (SGBD) EM SIG PARA UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CADASTRO DE METADADOS POR SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE BANCO DE DADOS GEOGRÁFICO (SGBD) EM SIG PARA UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Raphael de Oliveira Fernandes Vivian Castilho da Costa

Leia mais

Estudo preliminar da vulnerabilidade do aqüífero livre localizado na região de Ponta da Fruta, Vila Velha ES.

Estudo preliminar da vulnerabilidade do aqüífero livre localizado na região de Ponta da Fruta, Vila Velha ES. Estudo preliminar da vulnerabilidade do aqüífero livre localizado na região de Ponta da Fruta, Vila Velha ES. Arthur Emilio Cossetti Barboza 1 Silvia Fernandes Rocha 1 Wellington Donizete Guimarães 1 1

Leia mais

ESTUDO DA CAPACIDADE DE DRENAGEM NATURAL DE UMA BACIA AO ZONEAMENTO DO SOLO URBANO

ESTUDO DA CAPACIDADE DE DRENAGEM NATURAL DE UMA BACIA AO ZONEAMENTO DO SOLO URBANO Recursos Hídricos /// Associação Portuguesa dos Recursos Hídricos /// Volume 36# 01 ESTUDO DA CAPACIDADE DE DRENAGEM NATURAL DE UMA BACIA AO ZONEAMENTO DO SOLO URBANO STUDY OF THE NATURAL DRAINAGE CAPACITY

Leia mais

Utilizando os Diagramas da UML (Linguagem Unificada de Modelagem) para desenvolver aplicação em JSF

Utilizando os Diagramas da UML (Linguagem Unificada de Modelagem) para desenvolver aplicação em JSF Utilizando os Diagramas da UML (Linguagem Unificada de Modelagem) para desenvolver aplicação em JSF Ben-Hur de Sousa Lopes¹, Jaime William Dias¹ ¹Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí Paraná Brasil

Leia mais

Capítulo 66 Método de I PAI WU

Capítulo 66 Método de I PAI WU Capítulo 66 Método de I PAI WU 66-1 Capítulo 66- Método I PAI WU 66.1 Introdução Vamos comentar o Método I PAI WU usando os ensinamentos do prof. Hiroshi Yoshizane da Unicamp de Limeira. Para os engenheiros

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA DO COMPORTAMENTO SEDMENTOLÓGICO DO RIO MADEIRA E DO FUTURO RESERVATÓRIO DA UHE SANTO ANTONIO RELATÓRIO DE ANDAMENTO RA 1

MODELAGEM MATEMÁTICA DO COMPORTAMENTO SEDMENTOLÓGICO DO RIO MADEIRA E DO FUTURO RESERVATÓRIO DA UHE SANTO ANTONIO RELATÓRIO DE ANDAMENTO RA 1 UHE SANTO ANTÔNIO PROJETO BÁSICO MODELAGEM MATEMÁTICA DO COMPORTAMENTO SEDMENTOLÓGICO DO RIO MADEIRA E DO FUTURO RESERVATÓRIO DA UHE SANTO ANTONIO RELATÓRIO DE ANDAMENTO RA 1 JULHO LHO/2008 UHE SANTO ANTÔNIO

Leia mais

Guia do Professor Introdução

Guia do Professor Introdução Guia do Professor Introdução Uma simulação é um modelo dinâmico que busca representar, tanto quanto possível, o funcionamento real de um sistema, explorando as relações nele presentes. O objeto educacional

Leia mais

I STRUME TOS DIGITAIS COMO SUPORTE DE A ÁLISE DO ESPAÇO URBA O. J. De ardin, R. A. Ribeiro e J. Francisco

I STRUME TOS DIGITAIS COMO SUPORTE DE A ÁLISE DO ESPAÇO URBA O. J. De ardin, R. A. Ribeiro e J. Francisco I STRUME TOS DIGITAIS COMO SUPORTE DE A ÁLISE DO ESPAÇO URBA O J. De ardin, R. A. Ribeiro e J. Francisco RESUMO O presente artigo trata de parte de metodologia adotada para o desenvolvimento da dissertação

Leia mais

ANÁLISE ESPACIAL DOS POÇOS ARTESIANOS E O RENDIMENTO HIDRODINÂMICO DA CAPTAÇÃO NO MUNICÍPIO DE BELÉM PA

ANÁLISE ESPACIAL DOS POÇOS ARTESIANOS E O RENDIMENTO HIDRODINÂMICO DA CAPTAÇÃO NO MUNICÍPIO DE BELÉM PA ANÁLISE ESPACIAL DOS POÇOS ARTESIANOS E O RENDIMENTO HIDRODINÂMICO DA CAPTAÇÃO NO MUNICÍPIO DE BELÉM PA Carlos Eduardo Aguiar de Souza Costa 1 ; Artur Sales de Abreu Vieira 2 ; Antonio Jorge Silva Araujo

Leia mais

Volume 10, janeiro a junho de 2003

Volume 10, janeiro a junho de 2003 Rev. eletrônica Mestr. Educ. Ambient. ISSN 1517-1256, Volume 10, janeiro a junho de 2003 89 Volume 10, janeiro a junho de 2003 EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO CÍRCULO DE CULTURA FREIREANO POR MEIO DE INVESTIGAÇÃO-AÇÃO:

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

Compartimentação geomorfológica da folha SF-23-V-A

Compartimentação geomorfológica da folha SF-23-V-A Compartimentação geomorfológica da folha SF-23-V-A Marina Silva Araújo Universidade Federal de Uberlândia marinas.araujo@hotmail.com Vinícius Borges Moreira Universidade Federal de Uberlândia vinicius_sammet@hotmail.com

Leia mais

LINGUAGEM DE ESPECIFICAÇÃO E DESCRIÇÃO (SDL) APLICADA AO PROCESSO DE VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DE SISTEMAS REATIVOS

LINGUAGEM DE ESPECIFICAÇÃO E DESCRIÇÃO (SDL) APLICADA AO PROCESSO DE VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DE SISTEMAS REATIVOS LINGUAGEM DE ESPECIFICAÇÃO E DESCRIÇÃO (SDL) APLICADA AO PROCESSO DE VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DE SISTEMAS REATIVOS Fabiana Fraga Ferreira Bacharelanda em Sistemas de Informação Bolsista de Iniciação Científica

Leia mais

ENCHENTES URBANAS: CAUSAS E SOLUÇÕES. Geól. Álvaro Rodrigues dos Santos (santosalvaro@uol.c0m.br)

ENCHENTES URBANAS: CAUSAS E SOLUÇÕES. Geól. Álvaro Rodrigues dos Santos (santosalvaro@uol.c0m.br) ENCHENTES URBANAS: CAUSAS E SOLUÇÕES Geól. Álvaro Rodrigues dos Santos (santosalvaro@uol.c0m.br) ENCHENTES: CAUSAS E SOLUÇÕES EM QUALQUER RAMO DA ATIVIDADE HUMANA VALE UMA LEI BÁSICA: A SOLUÇÃO DE UM PROBLEMA

Leia mais

INSTALAÇÃO DE UM NOVO SISTEMA DE DRENAGEM PLUVIAL NO VIADUTO DO LOUREIRO

INSTALAÇÃO DE UM NOVO SISTEMA DE DRENAGEM PLUVIAL NO VIADUTO DO LOUREIRO INSTALAÇÃO DE UM NOVO SISTEMA DE DRENAGEM PLUVIAL NO VIADUTO DO LOUREIRO Manuel Lorena 1 1 COBA, Consultores de Engenharia e Ambiente, Serviço de Vias de Comunicação, Núcleo Rodoviário Av. 5 de Outubro

Leia mais

PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA

PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA II Seminário Estadual de Saneamento Ambiental PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA Prof. Dr. Eng. Civil Adilson Pinheiro Programa de Pós-Graduação em Engenharia Ambiental Departamento de Engenharia Civil UNIVERSIDADE

Leia mais