SIMULAÇÃO DE SECAGEM DE MILHO E ARROZ EM BAIXAS TEMPERATURAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SIMULAÇÃO DE SECAGEM DE MILHO E ARROZ EM BAIXAS TEMPERATURAS"

Transcrição

1 SIMULAÇÃO DE SECAGEM DE MILHO E ARROZ EM BAIXAS TEMPERATURAS DOMINGOS SÁRVIO MAGALHÃES VALENTE 1 CRISTIANO MÁRCIO ALVES DE SOUZA 2 DANIEL MARÇAL DE QUEIROZ 3 RESUMO - Um programa computacional para simular o processo de secagem em baixas temperaturas foi desenvolvido. Este programa permite controlar a perda máxima de matéria seca do produto durante o processo. Pode ser simulado o enchimento em uma única etapa ou por camadas, estabelecendo-se o intervalo de tempo entre a colocação das camadas no silo. Com esse programa computacional é possível fazer o dimensionamento, a análise e a otimização de sistemas de secagem em baixas temperaturas. PALAVRAS-CHAVE: grãos, secadores, modelagem. DRYING SIMULATION OF CORN AND RICE SUBMITTED TO LOW TEMPERATURES ABSTRACT - A software was developed in order to simulate low temperature grain drying system, using the Thompson and Morey models. This software allows to simulate the drying process of corn and rice, and the maximum dry matter loss can be specified. The user can simulate the drying process in one layer or in more than one layer. If the last filling schedule is selected, the user has to define the time interval between each layer. This software helps the design, analysis and also the optimization of low temperatures drying system. KEYWORDS: grain, dryers, modeling. 1. INTRODUÇÃO A secagem de grãos em baixas temperaturas é uma das alternativa de secagem dentro da cadeia de produção. Essa técnica possibilita a obtenção de um produto final de melhor qualidade, devido a baixa movimentação dos grãos no silo e pelo fato do produto não sofrer choques térmicos e hídricos. Além disso, exige um menor investimento inicial em relação a 1 Graduando de Engenharia Agrícola e Ambiental, DEA-UFV. Bolsista do CNPq. 2 Doutorando em Engenharia Agrícola, DEA-UFV. Bolsista do CNPq. 3 Prof. Adjunto, DEA-UFV, Viçosa, MG, CEP

2 secagem realizada em sistemas que utilizam altas temperaturas, sendo dessa maneira um sistema interessante para armazenamento de grãos na fazenda ou unidades de pequeno porte. A secagem em baixas temperaturas é um processo lento, visto que utiliza baixas vazões de ar por unidade de massa de grãos e temperaturas do ar de secagem até 5 C acima da temperatura ambiente. Por esse motivo, o processo de secagem em baixas temperaturas precisa ser realizado com atenção para que não ocorra a deterioração dos grãos, que pode ocorre durante a secagem quando o produto encontra-se com elevada umidade. Entretanto, existe modelos matemáticos disponíveis na literatura, como é o caso dos propostos por Thompson et al. (1968) e Morey et al. (1976), capazes de prever a dinâmica da secagem e da deterioração do produto presente nas camadas superiores dos silos secadores. Dessa forma, o objetivo deste trabalho foi desenvolver um programa computacional para simular o processo de secagem de milho e arroz utilizando-se baixas temperaturas, visando a previsão da umidade, temperatura, consumo de energia e deterioração dos grãos durante o processo. 2. MATERIAL E MÉTODOS O trabalho foi desenvolvido no CENTREINAR e no Departamento de Engenharia Agrícola da Universidade Federal de Viçosa. Um programa computacional orientado a objetos foi desenvolvido para simular os processos de secagem em baixas temperaturas. Para desenvolver o modelo de simulação de secagem usando baixas temperaturas foram utilizados os modelos de Thompson et al. (1968) e Morey et al. (1976), com base nas equações apresentadas por Queiroz et al. (1987). O programa computacional desenvolvido foi denominado de SecBT e implementado utilizando-se a linguagem de programação MS Visual Basic. Este programa permite a simulação de secagem de milho e de arroz, podendo ser determinada a perda máxima de matéria seca do produto durante o processo. O programa computacional simula a secagem levando em consideração uma série histórica de dados meteorológicos para diferentes regiões brasileiras. O usuário tem a opção de simular o sistema de secagem com controle automático do aquecimento suplementar do ar, visando não ultrapassar um limite máximo da umidade relativa do ar entrando na camada de produto ou de simular um sistema com aquecimento constante do ar. Pode ser simulado o enchimento em uma única etapa ou por camadas, estabelecendo-se o intervalo de tempo entre a colocação das camadas no silo. Foi implementado no SecBT a possibilidade de controle da vazão do

3 ventilador em função da umidade relativa do ar, uma vez que com esse controle pode-se reduzir o reumidecimento do produto durante os períodos mais úmidos e diminuir o consumo de energia, sem aumentar o risco de deterioração do produto. Um sistema de animação gráfica foi desenvolvido para melhor visualização da distribuição da umidade, da temperatura e da deterioração do produto no silo. Para avaliação da deterioração do milho em função da umidade inicial dos grãos, utilizando o programa computacional SecBT, foram realizadas simulações para a cidade de Viçosa, com um silo de 8,2 m de diâmetro e altura de 6 m, assumindo-se um aquecimento suplementar de 1 C promovido pelo ventilador com potência de 9,2 kw, realizando-se um enchimento por camadas de 5 vezes a cada 6 dias. Realizou-se simulações com teores de umidade inicial de 24, 22, 20 e 18% b.u., e um teor de umidade máximo final de 15% b.u. 3. RESULTADOS E DISCUSSÃO O SecBT apresenta uma janela principal (Figura 1) onde são apresentados os resultados parciais da simulação, os gráficos dos perfis de umidade, temperatura e deterioração dos grãos dentro do silo, local de realização da simulação e se há controle automático da vazão do ventilador. Figura 1 - Janela principal do programa computacional SecBT. Podem ser definidos os parâmetros do sistema de secagem, tais como, diâmetro do silo, altura do silo, aquecimento suplementar do ventilador e do sistema de aquecimento, caso

4 exista, forma de enchimento do silo e potência do ventilador (Figura 2). Na Figura 3 é apresentada a janela de entrada de dados do produto, em que o usuário tem a opção de definir o tipo de produto, o teor de umidade inicial, a temperatura inicial do produto, o peso específico do produto, o teor de umidade final desejado e a perda máxima de matéria seca permitida. Figura 2 - Janela de entrada de dados do sistema de secagem em baixas temperaturas. Figura 3 - Janela de entrada de dados do produto a ser simulado. Analisando-se os dados do Quadro 1 pode-se verificar que quanto maior o teor de umidade inicial dos grãos no silo maior é sua deterioração. No caso de teor de umidade igual a 24% b.u., verificou-se que o produto deteriorou-se acima do limite recomendado antes que o produto atingisse o teor máximo de umidade final aceitável de 15% b.u., e então o programa parou o processamento. O tempo de secagem e o consumo de energia diminuíram quando o produto apresentava menores valores de teor de umidade inicial, exceto para o caso de 24% b.u., onde o valor foi influenciado pela deterioração dos grãos. Observa-se que somente para o maior teor de umidade inicial não foi atingido o teor de umidade final desejado. Quadro 1 - Influência do teor de umidade inicial na deterioração de grãos de milho no silo secador, com potência de 9,2 kw e a secagem sendo realizada em Viçosa, MG Teor de Umidade inicial (% b.u.) Tempo de secagem (h) Teor de umidade máximo (% b.u.) Deterioração (%) Consumo de energia (kwh) ,97 0, , ,98 0, , ,97 0, , ,93 0, ,7

5 Na Figura 4 são apresentados gráficos gerados pelo módulo de animação do programa SecBT para os diferentes teores de umidade inicial do produto no silo secador. Quanto mais escura são as camadas do gráfico maior é a deterioração dos grãos. 24% 22% 20% 18% Figura 4 - Gráficos do perfil de deterioração gerados pelo programa SecBT para diferentes teores de umidade inicial. 4. CONCLUSÕES O programa de computador SecBT simulou a secagem de grãos em baixas temperaturas, permitindo estimar a deterioração dos grãos durante o processo de secagem, a umidade máxima final dos grãos, a umidade final média dos grãos, o tempo de secagem, o consumo de energia elétrica e para aquecimento do sistema. Com o uso do programa computacional desenvolvido poderá ser realizado o dimensionamento de sistemas de secagem em baixas temperaturas, análises e otimizações de sistemas já existentes. 5. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS THOMPSON, T.L.; PEART, R.M.; FOSTER, G.H. Mathematical simulation of corn drying: a new model. Transaction of the ASAE, St. Joseph, v.11, n.4, p , MOREY, R.V., CLOUD, H.A., NELSON, W.W. Simulation of solar energy grain drying in corn - Minnesota Contribution. Agricultural Engineering Department, University of Minnesota. St. Paul, Minnessota: p. St. Joseph, ASAE, p. QUEIROZ, D.M.; PEREIRA, J.A.M.; MELO, E.C. Determinação de vazões mínimas de ar para secagem de milho em baixas temperaturas na região de Viçosa, Minas Gerais. Revista Brasileira de Armazenamento, Viçosa, v.11/12, n.7, p.31-36, 1987.

k dt = (1) Em que: U= teor de água do produto no tempo t, b.s. Ue= teor de água de equilíbrio, b.s. t= tempo em horas k = constante

k dt = (1) Em que: U= teor de água do produto no tempo t, b.s. Ue= teor de água de equilíbrio, b.s. t= tempo em horas k = constante DETERMINAÇÃO DAS CURVAS DE SECAGEM DE FOLHAS DE PATA-DE-VACA (Bauhinia forficata) 1 Victor Correa Viana 1,3 ; Ivano Alessandro Devilla 2,3 Bolsista PBIC/UEG 2 Pesquisador Orientador, UEG 3 Curso de Engenharia

Leia mais

Luis Antonio Dantas 1, Mário Eduardo R. M. Cavalcanti Mata 2, Maria Elita Martins Duarte 2 RESUMO

Luis Antonio Dantas 1, Mário Eduardo R. M. Cavalcanti Mata 2, Maria Elita Martins Duarte 2 RESUMO Revista Brasileira de Produtos Agroindustriais, Campina Grande, v.13, n.3, p.311-320, 2011 311 ISSN 1517-8595 PROGRAMA COMPUTACIONAL DINÂMICO PARA SIMULAÇÃO DE SECAGEM DE GRÃOS E SEMENTES DE MILHO Luis

Leia mais

Custo de Secagem de Grãos

Custo de Secagem de Grãos Custo de Secagem de Grãos Daniel Marçal de Queiroz, Ph.D. Engenheiro Agrícola Professor do Depto. de Engenharia Agrícola da UFV Coordenador Técnico do CENTREINAR Junho de 2003 Importância da determinação

Leia mais

Teresa Cristina Castilho Gorayeb 1 ; Juliana Arakaki Takemoto 2 ; Yara Paula de Oliveira Nishiyama 2 ; João Cláudio Thoméo 3

Teresa Cristina Castilho Gorayeb 1 ; Juliana Arakaki Takemoto 2 ; Yara Paula de Oliveira Nishiyama 2 ; João Cláudio Thoméo 3 Estudo da Secagem de Vagens de Amendoim - Runner IAC 886, em Monocamada. 71 Teresa Cristina Castilho Gorayeb 1 ; Juliana Arakaki Takemoto 2 ; Yara Paula de Oliveira Nishiyama 2 ; João Cláudio Thoméo 3

Leia mais

Revista de Biologia e Ciências da Terra ISSN: 1519-5228 revbiocieter@yahoo.com.br Universidade Estadual da Paraíba Brasil

Revista de Biologia e Ciências da Terra ISSN: 1519-5228 revbiocieter@yahoo.com.br Universidade Estadual da Paraíba Brasil Revista de Biologia e Ciências da Terra ISSN: 1519-5228 revbiocieter@yahoo.com.br Universidade Estadual da Paraíba Brasil Araújo Leite, José Cleidimário; Farias de Sousa, Ridelson; Sant'Ana Silva, Adriano;

Leia mais

ANÁLISE TRIDIMENSIONAL DA VELOCIDADE E PRESSÃO ESTATÍSCA DO AR EM SILO DE AERAÇÃO USANDO ELEMENTOS FINITOS RESUMO ABSTRACT 1.

ANÁLISE TRIDIMENSIONAL DA VELOCIDADE E PRESSÃO ESTATÍSCA DO AR EM SILO DE AERAÇÃO USANDO ELEMENTOS FINITOS RESUMO ABSTRACT 1. ANÁLISE TRIDIMENSIONAL DA VELOCIDADE E PRESSÃO ESTATÍSCA DO AR EM SILO DE AERAÇÃO USANDO ELEMENTOS FINITOS RESUMO EDUARDO VICENTE DO PRADO 1 DANIEL MARÇAL DE QUEIROZ O método de análise por elementos finitos

Leia mais

APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA ANÁLISE DO FENÔMENO DA CAVITAÇÃO EM BOMBAS HIDRÁULICAS I.S. BISPO 1 ; A.P.B.A. MACÊDO 2

APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA ANÁLISE DO FENÔMENO DA CAVITAÇÃO EM BOMBAS HIDRÁULICAS I.S. BISPO 1 ; A.P.B.A. MACÊDO 2 APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA ANÁLISE DO FENÔMENO DA CAVITAÇÃO EM BOMBAS HIDRÁULICAS I.S. BISPO 1 ; A.P.B.A. MACÊDO 2 RESUMO: A ocorrência da cavitação em bombas hidráulicas traz consequências negativas

Leia mais

SIMHIBRIDO - PROGRAMA COMPUTACIONAL DE SIMULAÇÃO DE SISTEMAS HÍBRIDOS PARA ENERGIZAÇÃO RURAL

SIMHIBRIDO - PROGRAMA COMPUTACIONAL DE SIMULAÇÃO DE SISTEMAS HÍBRIDOS PARA ENERGIZAÇÃO RURAL SIMHIBRIDO - PROGRAMA COMPUTACIONAL DE SIMULAÇÃO DE SISTEMAS HÍBRIDOS PARA ENERGIZAÇÃO RURAL ODIVALDO J. SERAPHIM 1 JAIR A. C. SIQUEIRA 2 FERNANDO DE L. CANEPPELE 3 ARISTÓTELES T. GIACOMINI 4 RESUMO O

Leia mais

SISTEMA PNEUMÁTICO PARA CARGA, DESCARGA E MOVIMENTAÇÃO DOS GRÃOS DURANTE A SECAGEM DE CAFÉ

SISTEMA PNEUMÁTICO PARA CARGA, DESCARGA E MOVIMENTAÇÃO DOS GRÃOS DURANTE A SECAGEM DE CAFÉ SISTEMA PNEUMÁTICO PARA CARGA, DESCARGA E MOVIMENTAÇÃO DOS GRÃOS DURANTE A SECAGEM DE CAFÉ Juarez de Sousa e SILVA¹, juarez@ufv.br; Cristiane Pires SAMPAIO²; cpsampaio@ulbra to.br; Roberta Martins NOGUEIRA

Leia mais

Resumo Expandido INTRODUÇÃO:

Resumo Expandido INTRODUÇÃO: Resumo Expandido Título da Pesquisa (Português): Sistema embarcado em microcontrolador para controle automatizado da aeração de grãos armazenados Título da Pesquisa (Inglês): Palavras-chave: Armazenamento

Leia mais

PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA SIMULAÇÃO DE SECAGEM DE GRÃOS RESUMO

PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA SIMULAÇÃO DE SECAGEM DE GRÃOS RESUMO 33 PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA SIMULAÇÃO DE SECAGEM DE GRÃOS Mario Eduardo R. M. Cavalcanti Mata 1, Luís A. Dantas 2, Maria Elita Duarte Braga 1 RESUMO Foi desenvolvido um programa computacional em linguagem

Leia mais

SISTEMA AUTOMÁTICO DE AQUISIÇÃO DE DADOS DE UM INCINERADOR DE RESÍDUOS

SISTEMA AUTOMÁTICO DE AQUISIÇÃO DE DADOS DE UM INCINERADOR DE RESÍDUOS SISTEMA AUTOMÁTICO DE AQUISIÇÃO DE DADOS DE UM INCINERADOR DE RESÍDUOS C.L.C. Rodrigues 1, J.E.C. Monte 1 ; P.R. Pinto 1 ; J. L. Paes 2 ; Paulo M. B. Monteiro 3 1- Instituto Federal de Minas Gerais Campus

Leia mais

COEFICIENTES PARA ESTIMATIVAS DE PRECIPITAÇÃO COM DURAÇÃO DE 24 HORAS A 5 MINUTOS PARA JABOTICABAL

COEFICIENTES PARA ESTIMATIVAS DE PRECIPITAÇÃO COM DURAÇÃO DE 24 HORAS A 5 MINUTOS PARA JABOTICABAL COEFICIENTES PARA ESTIMATIVAS DE PRECIPITAÇÃO COM DURAÇÃO DE 24 HORAS A 5 MINUTOS PARA JABOTICABAL Paulo Nobukuni 1 Vicente de Paula Pereira 2 Romísio Geraldo Bouhid André 2 RESUMO ABSTRACT Dados de pluviosidade,

Leia mais

Palavras-chave: Simulação, Climatização, Ar condicionado, Edificações, Energia.

Palavras-chave: Simulação, Climatização, Ar condicionado, Edificações, Energia. ANÁLISE COMPARATIVA DE SISTEMAS DE CLIMATIZAÇÃO TIPO VOLUME DE AR CONSTANTE (CAV) E VOLUME DE AR VARIÁVEL (VAV) MULTIZONAS OPERANDO EM CLIMA QUENTE E ÚMIDO César Augusto Gomes dos Santos Jorge Emanuel

Leia mais

Qualidade de Grãos de Soja, com Diferentes Teores de Água, Aerados com Ar Natural e Ar Esfriado Artificialmente

Qualidade de Grãos de Soja, com Diferentes Teores de Água, Aerados com Ar Natural e Ar Esfriado Artificialmente Qualidade de Grãos de Soja, com Diferentes Teores de Água, Aerados com Ar Natural e Ar Esfriado Artificialmente 05 Adilio Flauzino de Lacerda Filho 1 ; Roberta Jimenez de Alameida Rigueira 2 ; Kaio Kauê

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 VERIFICAÇÃO DO PÉ DIREITO COMO TÉCNICA DE CONFORTO TÉRMICO Mariana Ferreira Martins Garcia 1 ;Phelippe Mendonça de Paiva 2 ; Diogo Humberto Muniz 3 ;Adriana Pereira Resende Martins 4 ; Daniela Satie Kodama

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA O CONTROLE DO MANEJO DA IRRIGAÇÃO 1

DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA O CONTROLE DO MANEJO DA IRRIGAÇÃO 1 DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA O CONTROLE DO MANEJO DA IRRIGAÇÃO 1 M. G. Silva 2 ; F. D. D. Arraes 3 ; E. R. F. Ledo 4 ; D. H. Nogueira 5 RESUMO: O presente trabalho teve por objetivo

Leia mais

MANEJO TECNOLÓGICO E OPERACIONAL DE SECAGEM DE GRÃOS

MANEJO TECNOLÓGICO E OPERACIONAL DE SECAGEM DE GRÃOS LACERDA CONSULTORIA LTDA MANEJO TECNOLÓGICO E OPERACIONAL DE SECAGEM DE GRÃOS ADILIO FLAUZINO DE LACERDA FILHO, DSc Consultor em pós-colheita de grãos secagem, aeração, esfriamento artificial de grãos

Leia mais

EVAPORAÇÃO EM TANQUE DE CIMENTO AMIANTO

EVAPORAÇÃO EM TANQUE DE CIMENTO AMIANTO EVAPORAÇÃO EM TANQUE DE CIMENTO AMIANTO GERTRUDES MACARIO DE OLIVEIRA 1, MÁRIO DE MIRANDA VILAS BOAS RAMOS LEITÃO, ANDREIA CERQUEIRA DE ALMEIDA 3, REGIANE DE CARVALHO BISPO 1 Doutora em Recursos Naturais,

Leia mais

SOFTWARE PARA CÁLCULO DOS COMPONENTES DO BALANÇO HÍDRICO DE PALMER

SOFTWARE PARA CÁLCULO DOS COMPONENTES DO BALANÇO HÍDRICO DE PALMER SOFTWARE PARA CÁLCULO DOS COMPONENTES DO BALANÇO HÍDRICO DE PALMER Rodrigo Cézar Limeira 1, Pedro Vieira de Azevedo 2, Wagner de Aragão Bezerra 3, Josefa Morgana Viturino de Almeida 3, Lindenberg Lucena

Leia mais

Modelo de simulação de um processo de requisições em um servidor web de alta disponibilidade

Modelo de simulação de um processo de requisições em um servidor web de alta disponibilidade Modelo de simulação de um processo de requisições em um servidor web de alta disponibilidade Tiago de Azevedo Santos tiago@iff.edu.br João José de Assis Rangel joao@ucam-campos.br RESUMO Este trabalho

Leia mais

SITUAÇÕES SINÓTICAS ASSOCIADAS ÀS DIFERENÇAS NAS PROPRIEDADES ÓPTICAS DA ATMOSFERA EM AMBIENTE URBANO

SITUAÇÕES SINÓTICAS ASSOCIADAS ÀS DIFERENÇAS NAS PROPRIEDADES ÓPTICAS DA ATMOSFERA EM AMBIENTE URBANO SITUAÇÕES SINÓTICAS ASSOCIADAS ÀS DIFERENÇAS NAS PROPRIEDADES ÓPTICAS DA ATMOSFERA EM AMBIENTE URBANO Luciene Natali 1 Willians Bini 2 Edmilson Dias de Freitas 3 RESUMO: Neste trabalho é feita uma investigação

Leia mais

Revisão da Literatura Tema 2. Mestranda: Arléte Kelm Wiesner

Revisão da Literatura Tema 2. Mestranda: Arléte Kelm Wiesner Revisão da Literatura Tema 2 Mestranda: Arléte Kelm Wiesner Sistema Termo utilizado em muitas situações Prado (2014) afirma que: Sistema é uma agregação de objetos que têm alguma interação ou interdependência.

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO SISTEMA DE VÁCUO NAS PROPRIEDADES FÍSICAS DOS PRODUTOS DE CERÂMICA VERMELHA.

A INFLUÊNCIA DO SISTEMA DE VÁCUO NAS PROPRIEDADES FÍSICAS DOS PRODUTOS DE CERÂMICA VERMELHA. 28 de junho a 1º de julho de 2004 Curitiba-PR 1 A INFLUÊNCIA DO SISTEMA DE VÁCUO NAS PROPRIEDADES FÍSICAS DOS PRODUTOS DE CERÂMICA VERMELHA. Mello, Roberta Monteiro de (1) ; Oliveira, Amando Alves de (1)

Leia mais

ANÁLISE DO PROCESSO DE MISTURA DE ÁGUA E CAL UTILIZANDO O SCILAB

ANÁLISE DO PROCESSO DE MISTURA DE ÁGUA E CAL UTILIZANDO O SCILAB ANÁLISE DO PROCESSO DE MISTURA DE ÁGUA E CAL UTILIZANDO O SCILAB Brunela Bonatto Milli 1, Danielly Cristina Gripa 2, George Simonelli 3, Victor Matheus Alves 4 1. Graduada em Engenharia Química pela Faculdade

Leia mais

Formulação de Petrov-Galerkin para solução de problema de secagem de grãos

Formulação de Petrov-Galerkin para solução de problema de secagem de grãos Anais do CNMAC v.2 ISSN 1984-820X Formulação de Petrov-Galerkin para solução de problema de secagem de grãos Tatiane Reis do Amaral, João Francisco A. Vitor Mestrado em Modelagem Matemática e Computacional,

Leia mais

CAPÍTULO 7 PSICROMETRIA. - Dimensionamento de sistemas de acondicionamento térmico para animais e plantas

CAPÍTULO 7 PSICROMETRIA. - Dimensionamento de sistemas de acondicionamento térmico para animais e plantas CAPÍTULO 7 PSICROMETRIA 1. Introdução a) Quantificação do vapor d água na atmosfera. b) Importância da quantificação da umidade atmosférica: - Dimensionamento de sistemas de acondicionamento térmico para

Leia mais

PRO-FAE: FERRAMENTA COMPUTACIONAL PARA AUXILIO NO PROJETO PRELIMINAR DE FAZENDAS EÓLICAS.

PRO-FAE: FERRAMENTA COMPUTACIONAL PARA AUXILIO NO PROJETO PRELIMINAR DE FAZENDAS EÓLICAS. RIO 3 - World Climate & Energy Event, 1-5 December 2003, Rio de Janeiro, Brazil 379 PRO-FAE: FERRAMENTA COMPUTACIONAL PARA AUXILIO NO PROJETO PRELIMINAR DE FAZENDAS EÓLICAS. Jorge Antonio Villar Alé, Alexandre

Leia mais

Fornalhas em secadores cascata 1. Por: Luís César da Silva

Fornalhas em secadores cascata 1. Por: Luís César da Silva 1 Fornalhas em secadores cascata 1 Por: Luís César da Silva Para a realização do processo de secagem artificial quase sempre é necessário aumentar o potencial de secagem do ar. Nesse caso, faz-se necessário

Leia mais

MEDIDOR DE FLUXO DE AR DE BAIXO CUSTO LOW COST AIR FLOW MEASURER

MEDIDOR DE FLUXO DE AR DE BAIXO CUSTO LOW COST AIR FLOW MEASURER MEDIDOR DE FLUXO DE AR DE BAIXO CUSTO RESUMO - O conhecimento do fluxo de ar é importante nos sistemas de aeração e secagem de grãos. Os equipamentos disponíveis no mercado são de preço elevado, tornando

Leia mais

Secador solar para madeiras, um caso de estudo

Secador solar para madeiras, um caso de estudo Badajoz, 6, 7, 8 June 2007 Instituto Nacional de Engenharia Tecnologia e Inovação, I.P. SECMAD Secador solar para madeiras, um caso de estudo Autores: José A. Santos (1), Maria João Martins (1), David

Leia mais

EQUILÍBRIO HIGROSCÓPICO E ATIVIDADE DE ÁGUA PARA OVO INTEGRAL PROCESSADO EM SPRAY DRYER

EQUILÍBRIO HIGROSCÓPICO E ATIVIDADE DE ÁGUA PARA OVO INTEGRAL PROCESSADO EM SPRAY DRYER Revista Brasileira de Produtos Agroindustriais, Campina Grande, v.4, n.1, p.15-, ISSN: 1517-8595 15 EQUILÍBRIO HIGROSCÓPICO E ATIVIDADE DE ÁGUA PARA OVO INTEGRAL PROCESSADO EM SPRAY DRYER Paulo Cesar Corrêa

Leia mais

Levantamento Inicial do Consumo de Energias Térmica e Elétrica na Indústria Brasileira de Revestimentos Cerâmicos

Levantamento Inicial do Consumo de Energias Térmica e Elétrica na Indústria Brasileira de Revestimentos Cerâmicos Levantamento Inicial do Consumo de Energias Térmica e na Indústria Brasileira de Revestimentos Cerâmicos Helton José Alves, Fábio Gomes Melchiades, Anselmo Ortega Boschi* Laboratório de Revestimentos Cerâmicos

Leia mais

AVALIAÇÃO DO ESCOAMENTO DE FLUIDOS INCOMPRESSÍVEIS EM TUBULAÇÕES USANDO CFD

AVALIAÇÃO DO ESCOAMENTO DE FLUIDOS INCOMPRESSÍVEIS EM TUBULAÇÕES USANDO CFD AVALIAÇÃO DO ESCOAMENTO DE FLUIDOS INCOMPRESSÍVEIS EM TUBULAÇÕES USANDO CFD 1 Délio Barroso de Souza, 2 Ulisses Fernandes Alves, 3 Valéria Viana Murata 1 Discente do curso de Engenharia Química 2 Bolsista

Leia mais

ANÁLISE EXPERIMENTAL DA SECAGEM DE ARGILA

ANÁLISE EXPERIMENTAL DA SECAGEM DE ARGILA 2 de junho a 1º de julho de 24 Curitiba-PR 1 ANÁLISE EXPERIMENTAL DA SECAGEM DE ARGILA W.A. Lehmkuhl, T.S. Possamai, D.S. Weber, V. Fornazieri, V.P. Nicolau Universidade Federal de Santa Catarina / Campus

Leia mais

CUSTOS DO ABATIMENTO DE EMISSÕES AÉREAS NA GERAÇÃO TERMELÉTRICA A CARVÃO MINERAL

CUSTOS DO ABATIMENTO DE EMISSÕES AÉREAS NA GERAÇÃO TERMELÉTRICA A CARVÃO MINERAL CUSTOS DO ABATIMENTO DE EMISSÕES AÉREAS NA GERAÇÃO TERMELÉTRICA A CARVÃO MINERAL ANA PAULA ANDERSON 1 e GILNEI CARVALHO OCÁCIA 2 1- SUMESA Sulina de Metais S/A 2- ULBRA/CANOAS Departamento de Engenharia

Leia mais

Escoamento do ar em massa de vários tipos de grãos: estudo teórico e experimental

Escoamento do ar em massa de vários tipos de grãos: estudo teórico e experimental Escoamento do ar em massa de vários tipos de grãos: estudo teórico e experimental Jonas J. Radtke, Oleg A. Khathatourian, Nelson A. Toniazzo Depto de Física, Estatística e Matemática, DeFEM, UNIJUÍ Rua

Leia mais

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DO INSTITUTO MAUÁ DE TECNOLOGIA

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DO INSTITUTO MAUÁ DE TECNOLOGIA TÍTULO: SIMULAÇÃO MATEMÁTICA DE TORRES DE RESFRIAMENTO VISANDO A OTIMIZAÇÃO DO CONTROLE DE CAPACIDADE PARA A MINIMIZAÇÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA

Leia mais

Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas. Soluções para Agronegócio

Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas. Soluções para Agronegócio Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas Soluções para Agronegócio Visão Geral Eficiência e produtividade em todas as safras? Conte com a WEG. Para nós, produtividade e eficiência

Leia mais

III-258 UTILIZAÇÃO DA COMPOSTAGEM NA PRODUÇÃO DE ESPÉCIES PAISAGÍSTICAS DESTINADAS A ARBORIZAÇÃO URBANA NO MUNICÍPIO DE VIÇOSA - MG

III-258 UTILIZAÇÃO DA COMPOSTAGEM NA PRODUÇÃO DE ESPÉCIES PAISAGÍSTICAS DESTINADAS A ARBORIZAÇÃO URBANA NO MUNICÍPIO DE VIÇOSA - MG III-258 UTILIZAÇÃO DA COMPOSTAGEM NA PRODUÇÃO DE ESPÉCIES PAISAGÍSTICAS DESTINADAS A ARBORIZAÇÃO URBANA NO MUNICÍPIO DE VIÇOSA - MG Fabiano de Jesus Ribeiro (1) Técnico em Topografia pela Escola Média

Leia mais

Eficiência dos Dessecantes Paraquat e Diquat na Antecipação da Colheita do Milho.

Eficiência dos Dessecantes Paraquat e Diquat na Antecipação da Colheita do Milho. Eficiência dos Dessecantes Paraquat e Diquat na Antecipação da Colheita do Milho. XXIV Congresso Nacional de Milho e Sorgo - 01 a 05 de setembro de 2002 - Florianópolis - SC Magalhães, P. C.1, Durães,

Leia mais

UM ENSAIO DO PROCESSO DE RECOZIMENTO PLENO

UM ENSAIO DO PROCESSO DE RECOZIMENTO PLENO UM ENSAIO DO PROCESSO DE RECOZIMENTO PLENO Anderson Fanchiotti da Silva, Deyvson Martins Fanti, Diego Serra, Everton Moreira Chaves, Fabiano Botassoli, Hedylani N. F. Corsini, Patrik Mantovani de Oliveira,

Leia mais

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Implementação de Sistemas de Aquecimento Solar nos Chuveiros e Piscina da AACD Centro

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UMA PLANILHA ELETRÔNICA PARA A DETERMINAÇÃO DA POTÊNCIA DISPONÍVEL NA BARRA DE TRAÇÃO DE TRATORES AGRÍCOLAS

DESENVOLVIMENTO DE UMA PLANILHA ELETRÔNICA PARA A DETERMINAÇÃO DA POTÊNCIA DISPONÍVEL NA BARRA DE TRAÇÃO DE TRATORES AGRÍCOLAS NOTA TÉCNICA DESENVOLVIMENTO DE UMA PLANILHA ELETRÔNICA PARA A DETERMINAÇÃO DA POTÊNCIA DISPONÍVEL NA BARRA DE TRAÇÃO DE TRATORES AGRÍCOLAS Fabio Lúcio Santos 1, Haroldo Carlos Fernandes 2, Paula Cristina

Leia mais

MOTIVAÇÃO PARA O PROJETO

MOTIVAÇÃO PARA O PROJETO USO EFICIENTE DO GÁS NATURAL NA INDÚSTRIA CERÂMICA Parceria IPT-Comgás Programa de P&D Equipe IPT Marco Antonio Paiva Ding Hua Marilin Mariano dos Santos Laiete Soto Messias Equipe Comgás Hudson Brito

Leia mais

APLICATIVO PARA CÁLCULOS DE INFILTRAÇÃO DE ÁGUA NO SOLO COM BASE NAS EQUAÇÕES DE KOSTIAKOV E KOSTIAKOV-LEWIS

APLICATIVO PARA CÁLCULOS DE INFILTRAÇÃO DE ÁGUA NO SOLO COM BASE NAS EQUAÇÕES DE KOSTIAKOV E KOSTIAKOV-LEWIS APLICATIVO PARA CÁLCULOS DE INFILTRAÇÃO DE ÁGUA NO SOLO COM BASE NAS EQUAÇÕES DE KOSTIAKOV E KOSTIAKOV-LEWIS J. V. José 1 ; E. Saretta 2 ; A. P. Camargo 2 ; A. P. A. B. Damasceno 2 ; P. A. A. Marques 3

Leia mais

Fig. 2. Painel de instalação

Fig. 2. Painel de instalação ANÁLISE DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS DE VENTILAÇÃO INDUSTRIAL Alex Gomes da Fonseca, Alin de Amaral Martins, Cecília de Melo Batalhone, Décio Bispo, Antônio Carlos Delaiba. Universidade Federal

Leia mais

APLICAÇÃO DE UM SIMULADOR INDUSTRIAL COMO FERRAMENTA DE GESTÃO EM UMA REFINARIA DE ÓLEO DE SOJA

APLICAÇÃO DE UM SIMULADOR INDUSTRIAL COMO FERRAMENTA DE GESTÃO EM UMA REFINARIA DE ÓLEO DE SOJA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 APLICAÇÃO DE UM SIMULADOR INDUSTRIAL COMO FERRAMENTA DE GESTÃO EM UMA REFINARIA DE ÓLEO DE SOJA José Maximiano Candido Neto 1, Wagner Andre dos Santos

Leia mais

CONTROLE PID DE NÍVEL VIA DEVICENET

CONTROLE PID DE NÍVEL VIA DEVICENET CONTROLE PID DE NÍVEL VIA DEVICENET Henrique Freitas Alabi de Souza; Leonardo Farias Ronchi**; Rosa Maria Ribeiro *** RESUMO: Este projeto foi desenvolvido objetivando verificar a importância da utilização

Leia mais

Uma formulação de Petrov-Galerkin aplicada à simulação de secagem de grãos

Uma formulação de Petrov-Galerkin aplicada à simulação de secagem de grãos ERMAC 2010: I ENCONTRO REGIONAL DE MATEMÁTICA APLICADA E COMPUTACIONAL 11-13 de Novembro de 2010, São João del-rei, MG; pg 218-224 218 Uma formulação de Petrov-Galerkin aplicada à simulação de secagem

Leia mais

Ferramenta Computacional para Dimensionamento de Malhas de Aterramento

Ferramenta Computacional para Dimensionamento de Malhas de Aterramento Ferramenta Computacional para Dimensionamento de Malhas de Aterramento Leandro do Nascimento Silva leandro.nasciment o@vmetais.com.b r Patrick Pena Gomes patrick.gomes@csn.c om.br Hélio de Paiva Amorim

Leia mais

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 ESTUDO COMPARATIVO DO DESEMPENHO DE CÂMARAS DE RESFRIAMENTO DE ALIMENTOS COM O MOTOR ELÉTRICO DO VENTILADOR DO CONDENSADOR

Leia mais

Alexandre Ortega Gonçalves 1 José Paulo Molin 2 Leonardo Afonso Angeli Menegatti 3

Alexandre Ortega Gonçalves 1 José Paulo Molin 2 Leonardo Afonso Angeli Menegatti 3 ADULANÇO 2.0: SOFTWARE PARA ANÁLISE DE DISTRIBUIÇÃO TRANSVERSAL Alexandre Ortega Gonçalves 1 José Paulo Molin 2 Leonardo Afonso Angeli Menegatti 3 RESUMO - O presente trabalho atualizou um modelo computacional

Leia mais

ANÁLISE TARIFÁRIA E OTIMIZAÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA: ESTUDO DE CASO EM INDÚSTRIA DE EMBALAGENS PLÁSTICAS

ANÁLISE TARIFÁRIA E OTIMIZAÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA: ESTUDO DE CASO EM INDÚSTRIA DE EMBALAGENS PLÁSTICAS ANÁLISE TARIFÁRIA E OTIMIZAÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA: ESTUDO DE CASO EM INDÚSTRIA DE EMBALAGENS PLÁSTICAS Rafael Nishimura, Saulo Gomes Moreira, Wellington Rocha Araújo, Amâncio R. da Silva Júnior, Gervásio

Leia mais

SECAGEM E ARMAZENAGEM DE CAFÉ - Tecnologias e Custos -

SECAGEM E ARMAZENAGEM DE CAFÉ - Tecnologias e Custos - SECAGEM E ARMAZENAGEM DE CAFÉ - Tecnologias e Custos - Editor Juarez de Sousa e Silva Professor Titular Associado Departamento de Engenharia Agrícola/CBP&D-Café Universidade Federal de Viçosa JARD EDITORA

Leia mais

SISTEMA SERIADO, EXPERIÊNCIA DA UNESP - GUARATINGUETÁ

SISTEMA SERIADO, EXPERIÊNCIA DA UNESP - GUARATINGUETÁ SISTEMA SERIADO, EXPERIÊNCIA DA UNESP - GUARATINGUETÁ José Geraldo Trani Brandão - brandao@feg.unesp.br José Elias Tomazini tomazini@feg.unesp.br UNESP - UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Engenharia

Leia mais

Descrição da Solução

Descrição da Solução Descrição da Solução Índice 1 Âmbito... 4 2 Solução... 5 3 Requisitos para instalação... 6 4 Arquitetura... 7 5 Software de Exploração Kisense... 8 5.1 Módulo Explorador de Dados... 8 5.2 Módulo Atuação...

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 6 a 0 de Agosto de 0 Qualidade de Sementes Híbridas de Milho Processadas em Separador por Cor Cibele Aparecida Teixeira da Silva, João Almir

Leia mais

Secagem de Grãos 1. 1. Fundamentos do Processo de Secagem

Secagem de Grãos 1. 1. Fundamentos do Processo de Secagem 1 Secagem de Grãos 1 Prof. Luís César da Silva email: silvalc@cca.ufes.br O processo de secagem é aplicado para reduzir o teor de umidade de produtos agrícolas. Desse modo, é reduzida disponibilidade de

Leia mais

SECANDO COM QUALIDADE E ECONOMIA

SECANDO COM QUALIDADE E ECONOMIA SECADORES ALTO DESEMPENHO, SEGURANÇA E BAIXO CUSTO OPERACIONAL SECANDO COM QUALIDADE E ECONOMIA Secadores Mamute são sinônimos de flexibilidade e alta produção. Seu projeto técnico e ergonômico asseguram

Leia mais

Empresas de Gestão Conservadora: Potencial da Previsão de Demanda e Simulação Computacional

Empresas de Gestão Conservadora: Potencial da Previsão de Demanda e Simulação Computacional Alexandre Magno Castañon Guimarães Empresas de Gestão Conservadora: Potencial da Previsão de Demanda e Simulação Computacional Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para

Leia mais

Geração automática de suíte de teste para GUI a partir de Rede de Petri

Geração automática de suíte de teste para GUI a partir de Rede de Petri Raquel Jauffret Guilhon Geração automática de suíte de teste para GUI a partir de Rede de Petri Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre pelo

Leia mais

VIABILIDADE DA PRODUÇÃO E SIMULAÇÃO DA SECAGEM DO MALTE DE MILHO

VIABILIDADE DA PRODUÇÃO E SIMULAÇÃO DA SECAGEM DO MALTE DE MILHO VIABILIDADE DA PRODUÇÃO E SIMULAÇÃO DA SECAGEM DO MALTE DE MILHO R. BAILLY 1, S. C. da SILVA FILHO 2 ; N. M. N. SATO 2 ; J. B. SEVERO JÚNIOR 3 ; R. R. de SOUZA 3 ; J. C. C. SANTANA 1 1 Universidade Nove

Leia mais

PROGRAMA PARA ESTIMATIVA DAS PROPRIEDADES PSICROMÉTRICAS

PROGRAMA PARA ESTIMATIVA DAS PROPRIEDADES PSICROMÉTRICAS 63 PROGRAMA PARA ESIMAIVA DAS PROPRIEDADES PSICROMÉRICAS Marcos Fábio de Jesus 1, Gabriel Francisco da Silva 2 RESUMO A obtenção das propriedades psicrométricas é de fundamental importância nos processos

Leia mais

VÃOS DESNIVELADOS, UTILIZANDO PERFIL DE PROJETO DIGITAL, SOFTWARE EM AMBIENTE VISUAL E BASE DE DADOS RELACIONAL

VÃOS DESNIVELADOS, UTILIZANDO PERFIL DE PROJETO DIGITAL, SOFTWARE EM AMBIENTE VISUAL E BASE DE DADOS RELACIONAL GLT/15 17 à 22 de outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil GRUPO III GRUPO DE ESTUDOS DE LINHAS DE TRANSMISSÃO (GLT) AVALIAÇÃO DO CARREGAMENTO ELÉTRICO DE LTs EM VÃOS DESNIVELADOS, UTILIZANDO PERFIL

Leia mais

REPRESENTAÇÃO DE REQUISITOS VARIÁVEIS COM UML, SEGUINDO O MÉTODO ICONIX

REPRESENTAÇÃO DE REQUISITOS VARIÁVEIS COM UML, SEGUINDO O MÉTODO ICONIX REPRESENTAÇÃO DE REQUISITOS VARIÁVEIS COM UML, SEGUINDO O MÉTODO ICONIX Murilo Augusto Tosatti (ICV-Unicentro), Marcos Antonio Quináia (Orientador), e-mail: maquinaia@gmail.com. Universidade Estadual do

Leia mais

SIMULAÇÕES COMPUTACIONAIS DE VIGA UNIDIMENSIONAL VIA SOFTWARE CATIA COMPUTER SIMULATION OF ONE-DIMENSIONAL BEAM BY SOFTWARE CATIA

SIMULAÇÕES COMPUTACIONAIS DE VIGA UNIDIMENSIONAL VIA SOFTWARE CATIA COMPUTER SIMULATION OF ONE-DIMENSIONAL BEAM BY SOFTWARE CATIA SIMULAÇÕES COMPUTACIONAIS DE VIGA UNIDIMENSIONAL VIA SOFTWARE CATIA Edgar Della Giustina (1) (edgar.giustina@pr.senai.br), Luis Carlos Machado (2) (luis.machado@pr.senai.br) (1) Faculdade de Tecnologia

Leia mais

ESTUDO TEMPORAL DO PERFIL DE TEMPERATURA NO SOLO NA EACF DURANTE PERÍODO DE OCORRÊNCIA DO FENÔMENO EL NIÑO (1997-1998)

ESTUDO TEMPORAL DO PERFIL DE TEMPERATURA NO SOLO NA EACF DURANTE PERÍODO DE OCORRÊNCIA DO FENÔMENO EL NIÑO (1997-1998) ESTUDO TEMPORAL DO PERFIL DE TEMPERATURA NO SOLO NA EACF DURANTE PERÍODO DE OCORRÊNCIA DO FENÔMENO EL NIÑO (1997-1998) Thalison Lempke da Silva 1, Paulo Roberto Pelufo Foster 2 RESUMO - Este trabalho tem

Leia mais

SOLUÇÕES DE ÁGUA QUENTE

SOLUÇÕES DE ÁGUA QUENTE Bombas de Calor para A.Q.S. AQUAECO SOLUÇÕES DE ÁGUA QUENTE Índice Bombas de Calor para A.Q.S. Uma tecnologia de futuro Sistema eficiente de aquecimento de águas 03 Serviços de Apoio ao Cliente 04 Bomba

Leia mais

MODELAGEM VISUAL DE UM SOFTWARE PARA O GERENCIAMENTO DAS COMUNICAÇÕES EM GESTÃO DE PROJETOS

MODELAGEM VISUAL DE UM SOFTWARE PARA O GERENCIAMENTO DAS COMUNICAÇÕES EM GESTÃO DE PROJETOS 127 MODELAGEM VISUAL DE UM SOFTWARE PARA O GERENCIAMENTO DAS COMUNICAÇÕES EM GESTÃO DE PROJETOS VISUAL MODELING OF SOFTWARE FOR COMMUNICATION MANAGEMENT IN PROJECT MANAGEMENT Ricardo Rall 1 Arilson José

Leia mais

Análise de equipamentos para automação de uma bancada de BFT e de um Desidratador Híbrido

Análise de equipamentos para automação de uma bancada de BFT e de um Desidratador Híbrido Análise de equipamentos para automação de uma bancada de BFT e de um Desidratador Híbrido Orlando Moreira Júnior 1, Allan Vicente Ribeiro Azambuja 2, Marlon Moreira Miagui 2 1 Professor Dr. da faculdade

Leia mais

Determinação da Fatura de Energia Elétrica de Uma Unidade Consumidora Utilizando o Software Energyplus

Determinação da Fatura de Energia Elétrica de Uma Unidade Consumidora Utilizando o Software Energyplus Determinação da Fatura de Energia Elétrica de Uma Unidade Consumidora Utilizando o Software Energyplus 1 Arnulfo Barroso Vasconcellos, Dr.; Fernando Novelo, Acad.; Luciana Oliveira da Silva, Eng.; Antônio

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE BIOMASSA NA SECAGEM DE PRODUTOS AGRÍCOLAS VIA GASEIFICAÇÃO COM COMBUSTÃO ADJACENTE DOS GASES PRODUZIDOS 1

UTILIZAÇÃO DE BIOMASSA NA SECAGEM DE PRODUTOS AGRÍCOLAS VIA GASEIFICAÇÃO COM COMBUSTÃO ADJACENTE DOS GASES PRODUZIDOS 1 UTILIZAÇÃO DE BIOMASSA NA SECAGEM DE PRODUTOS AGRÍCOLAS VIA GASEIFICAÇÃO COM COMBUSTÃO ADJACENTE DOS GASES PRODUZIDOS 1 JADIR N. SILVA, JOSÉ CARDOSO SOBRINHO 3, EMÍLIO T. SAIKI RESUMO: Este estudo determinou

Leia mais

CINÉTICA DE SECAGEM EM CAMADA FINA DO MALTE VERDE DE CEVADA

CINÉTICA DE SECAGEM EM CAMADA FINA DO MALTE VERDE DE CEVADA 53 ISSN 1517-8595 CINÉTICA DE SECAGEM EM CAMADA FINA DO MALTE VERDE DE CEVADA Iratan Jorge dos Santos 1, Sandra Maria Couto 2, Ednilton Tavares de Andrade 3 RESUMO A produção nacional de grãos de cevada

Leia mais

ANÁLISE DE TENSÕES NA FACA DE CORTE DE UMA COLHEDORA DE FORRAGEM 1

ANÁLISE DE TENSÕES NA FACA DE CORTE DE UMA COLHEDORA DE FORRAGEM 1 Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v.2, n.2, p.219-223, 1998 Campina Grande, PB, DEAg/UFPB ANÁLISE DE TENSÕES NA FACA DE CORTE DE UMA COLHEDORA DE FORRAGEM 1 Ricardo Ferreira Garcia

Leia mais

IMPORTÂNCIA DE UM SISTEMA DE ACOMPANHAMENTO PARA A DIGITALIZAÇÃO DE OBJETOS UTILIZANDO SENSOR LASER

IMPORTÂNCIA DE UM SISTEMA DE ACOMPANHAMENTO PARA A DIGITALIZAÇÃO DE OBJETOS UTILIZANDO SENSOR LASER IMPORTÂNCIA DE UM SISTEMA DE ACOMPANHAMENTO PARA A DIGITALIZAÇÃO DE OBJETOS UTILIZANDO SENSOR LASER Werley Rocherter Borges Ferreira UFU, Universidade Federal de Uberlândia, Curso de Engenharia Mecatrônica,

Leia mais

Diretrizes Geométricas de Auxílio ao Processo de Projeto de Edifícios Residenciais

Diretrizes Geométricas de Auxílio ao Processo de Projeto de Edifícios Residenciais 243 Introdução Este artigo apresenta alguns princípios básicos de um método geométrico de auxílio ao processo de projeto de edifícios residenciais em altura. Tem como base uma pesquisa feita em edifícios

Leia mais

USO DE GRAUS-DIA PARA DETERMINAR O PONTO DE SILAGEM DO MILHO

USO DE GRAUS-DIA PARA DETERMINAR O PONTO DE SILAGEM DO MILHO USO DE GRAUS-DIA PARA DETERMINAR O PONTO DE SILAGEM DO MILHO Jackson Silva e Oliveira 1, Emerson José Dornelas de Almeida 2, Fausto de Souza Sobrinho 3, Éder Cristian Malta de Lanes 4, Sarita Gonçalves

Leia mais

INFLUÊNCIA DA VELOCIDADE DE ENCHIMENTO SOBRE A FORMAÇÃO DE DEFEITOS EM PEÇAS DE ALUMÍNIO: SIMULAÇÃO NUMÉRICA VS. RESULTADOS EXPERIMENTAIS

INFLUÊNCIA DA VELOCIDADE DE ENCHIMENTO SOBRE A FORMAÇÃO DE DEFEITOS EM PEÇAS DE ALUMÍNIO: SIMULAÇÃO NUMÉRICA VS. RESULTADOS EXPERIMENTAIS INFLUÊNCIA DA VELOCIDADE DE ENCHIMENTO SOBRE A FORMAÇÃO DE DEFEITOS EM PEÇAS DE ALUMÍNIO: SIMULAÇÃO NUMÉRICA VS. RESULTADOS EXPERIMENTAIS Verran, G. O. (1); Rebello, M.A. (2); Oliveira, C. G. (1) Dr. Eng.

Leia mais

ASPECTOS DA CALIBRAÇÃO DE ANEMÔMETROS NOS EMPREENDIMENTOS EÓLICOS

ASPECTOS DA CALIBRAÇÃO DE ANEMÔMETROS NOS EMPREENDIMENTOS EÓLICOS ASPECTOS DA CALIBRAÇÃO DE ANEMÔMETROS NOS EMPREENDIMENTOS EÓLICOS Jorge Antonio Villar Alé - villar@pucrs.br Gabriel Cirilo da Silva Simioni - simioni@pucrs.br Pedro da Silva Hack - pedro.hack@pucrs.br

Leia mais

EFICIÊNCIA DO LEITO DE DRENAGEM PARA DESAGUAMENTO DE LODO DE ETA QUE UTILIZA SULFATO DE ALUMÍNIO COMO COAGULANTE

EFICIÊNCIA DO LEITO DE DRENAGEM PARA DESAGUAMENTO DE LODO DE ETA QUE UTILIZA SULFATO DE ALUMÍNIO COMO COAGULANTE EFICIÊNCIA DO LEITO DE DRENAGEM PARA DESAGUAMENTO DE LODO DE ETA QUE UTILIZA SULFATO DE ALUMÍNIO COMO COAGULANTE MARCELO MELO BARROSO (1) Doutorando do programa de Pós-Graduação em Engenharia Hidráulica

Leia mais

TEOR DE UMIDADE DOS GRÃOS

TEOR DE UMIDADE DOS GRÃOS Teor de Umidade dos Grãos TEOR DE UMIDADE DOS GRÃOS O teor de umidade dos grãos representa a quantidade de água por unidade de massa do grão úmido ou seco. Pode ser expresso pela relação entre a quantidade

Leia mais

IV-048 - MODELAGEM COMPUTACIONAL DA BAÍA DE VITÓRIA (ES) CONSIDERANDO A ÁREA DE MANGUEZAL

IV-048 - MODELAGEM COMPUTACIONAL DA BAÍA DE VITÓRIA (ES) CONSIDERANDO A ÁREA DE MANGUEZAL 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina IV-048 - MODELAGEM COMPUTACIONAL DA BAÍA DE VITÓRIA (ES) CONSIDERANDO A ÁREA DE MANGUEZAL

Leia mais

Influência dos carregamentos dos estágios na forma do canal axial de um compressor axial de vários estágios

Influência dos carregamentos dos estágios na forma do canal axial de um compressor axial de vários estágios Anais do 12 O Encontro de Iniciação Científica e Pós-Graduação do ITA XII ENCITA / 2006 Instituto Tecnológico de Aeronáutica São José dos Campos SP Brasil Outubro 16 a 19 2006 Influência dos carregamentos

Leia mais

OBJETOS DE APRENDIZAGEM E A ENGENHARIA DE SOFTWARE

OBJETOS DE APRENDIZAGEM E A ENGENHARIA DE SOFTWARE OBJETOS DE APRENDIZAGEM E A ENGENHARIA DE SOFTWARE LEARNING OBJECTS AND SOFTWARE ENGINEERING Bruna Cassilha Chueiri Centro Universitário da Filadélfia de Londrina UniFil Bruno Henrique Coleto Centro Universitário

Leia mais

IMPACTOS DO USO X PERFIL DAS EMPRESAS E ANALISAR SEUS PROCESSOS DE GESTÃO DE PROJETOS

IMPACTOS DO USO X PERFIL DAS EMPRESAS E ANALISAR SEUS PROCESSOS DE GESTÃO DE PROJETOS IMPACTOS DO USO X PERFIL DAS EMPRESAS E ANALISAR SEUS PROCESSOS DE GESTÃO DE PROJETOS Vinicius Coutinho dos Santos BARBOSA (1); Michele Tereza Marques CARVALHO (2) (1) Campus Universitário Darcy Ribeiro

Leia mais

RETROFITS (1) FINANCEIRAMENTE VIÁVEIS DE PRÉDIOS COMERCIAIS NO BRASIL PROJETADOS COM BASE EM SIMULAÇÕES REALIZADAS COM O VISUAL DOE

RETROFITS (1) FINANCEIRAMENTE VIÁVEIS DE PRÉDIOS COMERCIAIS NO BRASIL PROJETADOS COM BASE EM SIMULAÇÕES REALIZADAS COM O VISUAL DOE STC/ 6 17 à 22 de outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil SESSÃO TÉCNICA ESPECIAL CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA (STC) RETROFITS (1) FINANCEIRAMENTE VIÁVEIS DE PRÉDIOS COMERCIAIS NO BRASIL PROJETADOS

Leia mais

PROPRIEDADES TÉRMICAS DA MASSA GRANULAR DE MILHETO, ALPISTE E PAINÇO: DETERMINAÇÃO E MODELAGEM

PROPRIEDADES TÉRMICAS DA MASSA GRANULAR DE MILHETO, ALPISTE E PAINÇO: DETERMINAÇÃO E MODELAGEM ISSN 1517-8595 39 PROPRIEDADES TÉRMICAS DA MASSA GRANULAR DE MILHETO, ALPISTE E PAINÇO: DETERMINAÇÃO E MODELAGEM Paulo Cesar Corrêa 1, Ednilton Tavares de Andrade 2, Paulo Cesar Afonso Júnior 3 RESUMO

Leia mais

ANÁLISE DA DISTRIBUIÇÃO DA FREQUÊNCIA DE PRECIPITAÇÃO EM DIFERENTES INTERVALOS DE CLASSES PARA RIO DO SUL/SC

ANÁLISE DA DISTRIBUIÇÃO DA FREQUÊNCIA DE PRECIPITAÇÃO EM DIFERENTES INTERVALOS DE CLASSES PARA RIO DO SUL/SC ANÁLISE DA DISTRIBUIÇÃO DA FREQUÊNCIA DE PRECIPITAÇÃO EM DIFERENTES INTERVALOS DE CLASSES PARA RIO DO SUL/SC Katiani Eli 1, Joabe Weber Pitz 1, Leonardo de Oliveira Neves 2, Roberto Haveroth 3,Evandro

Leia mais

Avaliação de um gerador de calor de fluxo descendente, acoplado a um secador tipo camada fixa

Avaliação de um gerador de calor de fluxo descendente, acoplado a um secador tipo camada fixa Avaliação de um gerador de calor de fluxo descendente, acoplado a um secador tipo camada fixa Carlos Augusto da Silva Braga*, Cláudio Alves Moreira e José Valdemar Gonzalez Maziero Centro de Mecanização

Leia mais

IT-1101 - AGRICULTURA IRRIGADA. 1 Água e solo

IT-1101 - AGRICULTURA IRRIGADA. 1 Água e solo 1 Água e solo 1.1 - Solo Solo Camada externa e agricultável da superfície da terra, constituindo um sistema complexo e heterogêneo, cuja formação: Material de origem Tempo Clima Topografia 1.1 - Solo a)

Leia mais

Simulação Energética de Edifícios Energy Plus DOE USA. CASE: SUPERMERCADOS Abril 2014

Simulação Energética de Edifícios Energy Plus DOE USA. CASE: SUPERMERCADOS Abril 2014 Simulação Energética de Edifícios Energy Plus DOE USA CASE: SUPERMERCADOS Abril 2014 Estudo de Caso de economia de energia em supermercados com a ferramenta computacional Energy Plus desenvolvida com o

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 PRODUÇÃO DE TELHA SEM AMIANTO USANDO FIBRAS DE COCO VERDE E CINZAS DE CANA-DE-AÇÚCAR. Ana Paula dos Santos Rodrigues¹; Daiene Lemes Pinto 2, Fernanda Luiza Mendonça Oliveira³, Guilherme Vitor Batista Correia

Leia mais

CINÉTICA DE SECAGEM EM CAMADA FINA DO MALTE VERDE DE CEVADA

CINÉTICA DE SECAGEM EM CAMADA FINA DO MALTE VERDE DE CEVADA Revista Brasileira de Produtos Agroindustriais, Campina Grande, v.3, n.1, p.53-59, 21 53 CINÉTICA DE SECAGEM EM CAMADA FINA DO MALTE VERDE DE CEVADA Iratan Jorge dos Santos 1, Sandra Maria Couto 2, Ednilton

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE OS RESULTADOS DE SIMULAÇÕES TERMOENERGÉTICAS DE EDIFICAÇÕES SOB DIFERENTES CONDIÇÕES DE ENTRADA DAS PROPRIEDADES DOS VIDROS

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE OS RESULTADOS DE SIMULAÇÕES TERMOENERGÉTICAS DE EDIFICAÇÕES SOB DIFERENTES CONDIÇÕES DE ENTRADA DAS PROPRIEDADES DOS VIDROS ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE OS RESULTADOS DE SIMULAÇÕES TERMOENERGÉTICAS DE EDIFICAÇÕES SOB DIFERENTES CONDIÇÕES DE ENTRADA DAS PROPRIEDADES DOS VIDROS SORGATO, Marcio José (1); MELO, Ana Paula (2); MARINOSKI,

Leia mais

Cálculo de volume de objetos utilizando câmeras RGB-D

Cálculo de volume de objetos utilizando câmeras RGB-D Cálculo de volume de objetos utilizando câmeras RGB-D Servílio Souza de ASSIS 1,3,4 ; Izadora Aparecida RAMOS 1,3,4 ; Bruno Alberto Soares OLIVEIRA 1,3 ; Marlon MARCON 2,3 1 Estudante de Engenharia de

Leia mais

Data: / / Analise as proposições sobre as massas de ar que atuam no Brasil, representadas no mapa pelos números arábicos.

Data: / / Analise as proposições sobre as massas de ar que atuam no Brasil, representadas no mapa pelos números arábicos. -* Nome: nº Ano: 1º Recuperação de Geografia / 2º Bimestre Professor: Arnaldo de Melo Data: / / 1-(UDESC) Observe o mapa abaixo.. Analise as proposições sobre as massas de ar que atuam no Brasil, representadas

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA UMIDADE DO CAFÉ. Juarez de Sousa e Silva Solenir Rufato

DETERMINAÇÃO DA UMIDADE DO CAFÉ. Juarez de Sousa e Silva Solenir Rufato DETERMINAÇÃO DA UMIDADE DO CAFÉ Juarez de Sousa e Silva Solenir Rufato 1. INTRODUCÃO O conceito de conteúdo de umidade tem origem no fato de os grãos de café serem constituídos de substâncias sólidas e

Leia mais

SISAERA: SOFTWARE PARA CONTROLE DE AERAÇÃO EM GRÃOS ARMAZENADOS

SISAERA: SOFTWARE PARA CONTROLE DE AERAÇÃO EM GRÃOS ARMAZENADOS SISAERA: SOFTWARE PARA CONTROLE DE AERAÇÃO EM GRÃOS ARMAZENADOS Rosângela G. Leite 1,4, Ivano A. Devilla 2,4, Ricardo C. Resende 3,4 1 Bolsista PIBIC/CNPQ 2 Pesquisador - Orientador 3 Pesquisador- voluntário

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE EM EXCEL PARA ANÁLISE DE DADOS E AUXÍLIO NA MANUTENÇÃO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE EM EXCEL PARA ANÁLISE DE DADOS E AUXÍLIO NA MANUTENÇÃO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE EM EXCEL PARA ANÁLISE DE DADOS E AUXÍLIO NA MANUTENÇÃO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS Emerson da Silva Freitas 1 *& Luís Romero Barbosa 2 & Cristiano das Neves Almeida 3 Resumo O aumento

Leia mais