A REPRODUÇÃO ASSISTIDA APLICADA EM CASOS DE INFERTILIDADE ASSOCIADOS À ENDOMETRIOSE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A REPRODUÇÃO ASSISTIDA APLICADA EM CASOS DE INFERTILIDADE ASSOCIADOS À ENDOMETRIOSE"

Transcrição

1 ENCONTRO DE BIOÉTICA DO PARANÁ Bioética início da vida em foco. 1, 2009, Curitiba. Anais eletrônicos... Curitiba: Champagnat, Disponível em: A REPRODUÇÃO ASSISTIDA APLICADA EM CASOS DE INFERTILIDADE ASSOCIADOS À ENDOMETRIOSE 109 Marjuriquelli de Souza 1 Leide Conceição Sanches 2 Maria Cecilia Da Lozzo Garbelini 3 Resumo A endometriose caracteriza-se pela presença de tecido endometrial fora do seu sítio habitual, podendo ocorrer em locais diversos da cavidade abdominal, como ovários, ligamentos uterinos, septo reto-vaginal entre outros. A endometriose atinge hoje cerca de sete milhões de mulheres no Brasil, sendo uma patologia muitas vezes incapacitante, pois em sua sintomatologia apresenta quadros de dor pélvica, representada por dismenorréia, dispareunia, disúria e disquezia. Tem sido observada em mulheres com idade entre 12 e 80 anos, sendo a idade média de diagnóstico em torno de 28 anos. Muitas teorias tentam explicar o surgimento da endometriose, embora nenhuma tenha sido comprovada efetivamente. O tratamento da endometriose varia de acordo com o grau das lesões, podendo ser realizado desde o tratamento farmacológico ate o tratamento cirúrgico radical, onde é realizada uma histerotectomia. Um dos sintomas que pode estar associado à endometriose é a infertilidade. Em muitos casos, mulheres com endometriose, para conseguirem engravidar, necessitam recorrer a métodos de reprodução assistida com a implicação de procedimentos caros e ainda de difícil e demorado acesso no Sistema Único de Saúde. Palavras-chave: Endometriose. Infertilidade. Reprodução assistida. 1 Acadêmica do Curso de Graduação em Biomedicina das Faculdades Pequeno Príncipe. 2 Mestranda em Sociologia, pela UFPR. Professora de Antropologia e Sociologia dos Cursos de Biomedicina, Enfermagem e Farmácia das Faculdades Pequeno Príncipe. 3 Doutora em Biologia Celular e Tecidual. Professora dos Cursos de Biomedicina, Enfermagem e Farmácia das Faculdades Pequeno Príncipe.

2 110 1 INTRODUÇÃO Conceitua-se endometriose como sendo doença não neoplásica, na qual o tecido endometrial ativo, com glândulas e estroma, é encontrado fora do útero, ou seja, fora do seu sítio habitual, que é a cavidade uterina (PIATO, 2002, p. 179). Embora a endometriose tenha sido descrita há mais de um século atrás, a patologia continua a ser uma das enfermidades polêmicas e não completamente elucidada que afeta as mulheres (KISTNER, 1989, p. 420). O local mais comum dos implantes é a cavidade peritoneal, mas lesões têm sido ocasionalmente encontradas na cavidade pleural, fígado, rim, músculos glúteos e bexiga. A localização anatômica e a resposta inflamatória a essas lesões parecem ser responsáveis pelos sinais e sintomas associados ao binômio endometriose / infertilidade (KONDO, 2009, p. 35). Atualmente a mulher assumiu uma dupla jornada de trabalho, ficando assim muitas vezes exposta a uma má alimentação e estresse, condições essas que podem favorecer a uma diminuição do sistema imune deixando-a susceptível ao aparecimento de novas doenças. A nova rotina das mulheres também leva ao adiamento da reprodução, expondo-a a um maior número de ciclos menstruais, o que pode contribuir para o surgimento da endometriose. As condições de endometriose associada à infertilidade apresentam um caráter socioeconômico importante, visto que se houver a necessidade de um tratamento para a infertilidade, o mesmo é de valor alto, sendo de difícil acesso no Sistema Único de Saúde (SUS). O presente trabalho tem como objetivo apresentar uma revisão da literatura referente aos aspectos gerais da endometriose e sua relação com a infertilidade feminina, assim como a perspectiva da bioética referente ao acesso de pacientes ao tratamento da infertilidade por técnicas de reprodução assistida (RA). Os dados referentes à etiologia da doença, aos números de pacientes afetados e a relação entre a endometriose e infertilidade, são bastante conflitantes e devido a esses fatos compreender as principais características da patologia se faz necessário. Esta revisão bibliográfica tem caráter exploratório e foi realizada através de pesquisa bibliográfica em livros técnico-científicos e artigos científicos encontrados em bases de dados eletrônicas como Scielo, Bireme e Google acadêmico utilizando as seguintes palavras-chave: endometriose, infertilidade, bioética e reprodução assistida.

3 111 2 EPIDEMIOLOGIA A endometriose tem sido observada em mulheres com idade entre 12 e 80 anos, sendo a idade média de diagnóstico em torno de 28 anos. A exposição aos hormônios ovarianos parece ser essencial para o desenvolvimento desta condição (KONDO, 2002, p. 34). Hesla e Rock (1997) afirmaram que a prevalência da endometriose situa-se entre 2% e 5% da população feminina em idade reprodutiva. Para Wes (1990) e Candiani (1991) a prevalência varia entre 5% e 10% (PIATO, 2002, p. 180). No Brasil acredita-se que hoje cerca de sete milhões de mulheres sejam afetadas pela endometriose (NAVARRO, 2006). Em mulheres com infertilidade, a prevalência varia de 20 a 50% e acredita-se que a endometriose tenha um papel deletério no potencial de fertilidade dessas mulheres (NAVARRO, 2006). A endometriose pode acometer em ordem decrescente de frequência os seguintes locais: (1) os ovários; (2) os ligamentos uterinos; (3) o septo reto-vaginal; (4) o peritônio pélvico; (5) as cicatrizes de laparotomias; e (6) raramente o umbigo, a vagina e o apêndice. Sendo que desses, o local de acometimento mais comum é o ovário e em 50% das pacientes ambos os ovários estão acometidos (KUMAR, 2002, p e KISTNER, 1989, p. 426). É mais comum em mulheres que adiam a procriação. Os fatores de risco para a endometriose podem ser menarca precoce; menstruações regulares com ciclos mais curtos (<27 dias); duração maior do período menstrual (>7 dias) ou fluxo intenso; dor menstrual maior e familiar de primeiro grau acometida (PORTH, 2006, p. 976). É importante ressaltar que em mulheres que têm familiares de primeiro grau afetadas com a enfermidade, a possibilidade de desenvolvimento da endometriose é sete vezes maior, sugerindo que ela pode ser transmitida de uma forma poligenética multifatorial (BADALOTT, 1997). 3 SINTOMATOLOGIA Esta afecção pode cursar com uma grande diversidade de manifestações clínicas. Podemos encontrar desde pacientes assintomáticas até quadros de dor pélvica intensa, sintomas decorrentes de lesão em órgãos não reprodutivos e infertilidade. Os sintomas associados a esta doença geram repercussão em todos os aspectos na vida de suas portadoras, devendo-se dispensar especial atenção a todas as queixas (NAVARRO, 2006). A dor pélvica, representada por dismenorréia, dispareunia, disúria e disquezia, está presente na maior parte das mulheres com endometriose. Geralmente se inicia antes da

4 112 menstruação e continua durante todo o período menstrual. A dor pode se referida em regiões músculo-esquelético como flancos, região lombar baixa ou panturrilha (KONDO, 2009, p. 33). As irregularidades menstruais são comuns, e a infertilidade corresponde à queixa de 30% a 40% das mulheres (KUMAR, 2002, p. 1131). Dentre todos os sintomas é mais comum que a paciente com endometriose esteja acompanhada da tríade sintomática clássica, dismenorréia, dispareunia e infertilidade (PIATO, 2002, p. 179). 4 ETIOPATOGENIA Ao longo dos anos foram apresentadas várias teorias para explicar a etiopatogenia do processo endometriótico. Nenhuma delas se aplica totalmente em todos os casos e é possível até que as diversas teorias se interajam (PIATO, 2002, p. 181). Estudos clínicos e laboratoriais suportam a idéia de que a endometriose é uma patologia estrógeno dependente, sendo necessária a concentração de estradiol superior a 60 pg/ml para proliferar as lesões endometrióticas. Fatores de crescimento e polipeptídios, estimulados pelos estrógenos, são produzidos nas células peritoneais e colaboram para a proliferação endometriótica. Merece destaque especial o PGF (fator de crescimento de plaquetas), relacionado especialmente com a proliferação estromal. Existem também fatores de crescimento derivados dos macrófagos em concentração aumentada no fluido peritoneal de mulheres com endometriose (PIATO, 2002 p. 181). Existem três explicações possíveis com respeito à origem dessas lesões dispersas, que não são mutuamente excludentes (KUMAR, 2006, p. 1132). 5 TEORIA DA MENSTRUAÇÃO RETRÓGRADA Essa hipótese, também conhecida como teoria da implantação, foi proposta por Sampson, em 1892, e segundo a mesma, o transporte do tecido endometrial se dá de forma retrógrada, através das tubas uterinas, mediante condições predisponentes, como a retroflexão uterina (PIATO, 2002, p. 182). A menstruação retrógrada ocorre com regularidade mesmo em mulheres normais e pode possibilitar a disseminação do tecido endometrial pela cavidade peritoneal. A implantação pode ocorrer na superfície peritoneal ou em qualquer outro órgão da cavidade abdominal (PIATO, 2002, p. 183 e KUMAR, 2006, p. 1132).

5 113 Esta teoria é a mais aceita para explicar boa parte dos implantes peritoneais (PIATO, 2002, p. 183). Se a laparoscopia é realizada durante a menstruação, pode-se demonstrar o fluxo menstrual retrógrado em 90% das mulheres (BADALOTTI, 1997, p. 155). 6 TEORIA DA DISSEMINAÇÃO LINFÁTICA OU HEMATOGÊNICA Como a endometriose pode ocorrer em órgãos à distância, inacessíveis pela menstruação retrógrada (endometriose pulmonar, por exemplo), são impossíveis explicar todos os casos da doença pela teoria anterior. A disseminação através de vasos sanguíneos e linfáticos pélvicos explicaria a presença de lesões endometrióticas nos pulmões como no exemplo citado (PIATO, 2002, p. 183 e KUMAR, 2002, p. 1132). 7 TEORIA DA METAPLASIA CELÔMICA Essa teoria foi proposta por Iwanoff, em 1898 e fundamenta-se na afirmação de que o tecido endometrial ectópico é fruto da diferenciação do epitélio celômico que, embriologicamente, é o tecido precursor da mucosa genital (PIATO, 2002, p. 183). Resumidamente a teoria defende que o endométrio surgiria diretamente do epitélio celômico, a partir do qual os ductos müllerianos e posteriormente o próprio endométrio se originaria durante o desenvolvimento embrionário (KUMAR, 2002, p. 1130). 8 DEFICIÊNCIA IMUNOLÓGICA Essa teoria propõe que alterações no sistema imunitário possibilitam o desenvolvimento de endometriose. A literatura descreve que mulheres com endometriose apresentam uma deficiência na imunidade celular, na habilidade de reconhecer o material endometrial e uma diminuição da citotoxicidade mediada por células T para antígenos do tecido endometrial (OLIVE et al, 1985 e OOSTERLYNCK et al, 1992, p. 296). Em mulheres com endometriose a alteração mais consistente na função do sistema imunológico é ressaltada ao nível do sistema monócito-macrófago. A principal observação refere-se ao número aumentado de macrófagos peritoneais bem como modificação na sua atividade, mas a função citotóxica está suprimida, especialmente em pacientes com endometriose grave (BADALOTTI, 1997, p. 156). Segundo Hesla e Rock (1997) a resposta citotóxica às células endometriais deve-se a

6 114 um defeito na atividade das células NK (natural killer), favorecendo o aparecimento de tecido endometrial ectópico (PIATO, 2002, p. 184). 9 DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO A confirmação diagnóstica é sempre dependente da microscopia, mas a análise diagnóstica é feita por parâmetros clínicos, laparoscópicos, ultra-sonográficos e bioquímicos (PIATO, 2002, p. 184). Embora seja mais complexo e caro, a ressonância magnética tem demonstrado ser mais confiável, apresentando 90% de sensibilidade e 98% de especificidade para lesões endometrióticas ocultas à laparoscopia (PIATO, 2002, p. 185). O tratamento clínico da endometriose varia de acordo com sua extensão, localização e sintomas, assim como com a idade da paciente (JEFFCOATE, 1979, p. 441). O tratamento deve ser individualizado, considerando sempre os sintomas da paciente e o impacto da doença e do tratamento sobre a qualidade de vida (NAVARRO, 2006). As modalidades de tratamento incidem em três categorias: alívio da dor, supressão endometrial e cirurgia (PORTH, 2006, p. 976). 10 TRATAMENTO MEDICAMENTOSO Em mulheres jovens e não-casadas, a simples observação e analgésicos à base de antiprostaglandina (drogas antiinflamatórias não esteroidais) podem ser suficientes para o tratamento (PORTH, 2006, p. 977). O uso de terapia medicamentosa para endometriose é baseada no fato de que a endometriose responde a hormônios. Duas condições fisiológicas, gravidez e menopausa, estão freqüentemente associadas à resolução da dor provocada pela endometriose. Os análogos farmacológicos destas condições são os progestágenos e contraceptivos orais combinados, que levam a condições hormonais semelhantes a ocorrida durante a gravidez, e os androgênios e GNRHa, que promovem supressão do estrogênio endógeno (NAVARRO, 2006). O danazol é um androgênio que suprime as gonadotrofinas e age inibindo a ovulação. Seu uso no tratamento da endometriose está descrito desde 1971 (NAVARRO, 2006). O danazol apresenta pelo menos quatro propriedades farmacológicas que seriam responsáveis pela eficácia no tratamento da endometriose: (1) supressão do hormônio liberador da gonadotrofina; (2) interação direta com os receptores de andrógenos e progesterona

7 115 endometriais; (3) inibição direta da esteróidogênese ovariana e (4) aumento do clearance metabólico do estradiol e progesterona. Estas propriedades produzem uma condição endócrina que inibe o crescimento do tecido endometrial (KISTNER, 1989, p. 429). 11 TRATAMENTO CIRÚRGICO A cirurgia é o tratamento mais definitivo para muitas mulheres com endometriose (PORTH, 2002, p. 977). Se tratando de lesões com mais de 2 cm o tratamento deve ser cirúrgico. O objetivo da cirurgia deve ser a restauração das relações anatômicas, devendo-se ressecar ou fulgurar o máximo possível de focos de endometriose (PIATO, 2002, p. 185). A opção entre laparoscopia e laparotomia depende da experiência do cirurgião, da disponibilidade dos equipamentos, da extensão da doença e das condições locais da pelve. A cirurgia pode ser conservadora ou radical (PIATO, 2002, p. 187). O tratamento cirúrgico radical, só é recomendado em casos de intensa proliferação de focos endometrióticos, causando sintomatologia exuberante, em mulheres sem intenção de reprodução futura. Nesta cirurgia inclui-se a histerectomia (BASTOS, 1991, p. 229). 12 INFERTILIDADE ASSOCIADA À ENDOMETRIOSE A associação de endometriose e infertilidade já mostra evidencias, através de números, porém é difícil afirmar qual é a causa e qual é o efeito (JEFFCOATE, 1979, p. 446). Alguns estudos relatam que 20 a 50% das mulheres inférteis têm endometriose e 30 a 50% das mulheres com endometriose são inférteis, sugerindo um possível papel da endometriose na etiopatogênese da infertilidade (NAVARRO, 2006). Em casos mais graves de endometriose, em que é possível a observação de alterações da anatomia pélvica, não fica difícil entender que exista uma clara associação entre a endometriose e a infertilidade subsequente. Nestes casos, a fibrose, aderências, grandes destruições ovarianas nos dão uma explicação com base mecânica (MAHMOOD; TEMPLETON, 1990, p. 770). Vários mecanismos têm sido propostos para justificar a menor fertilidade em mulheres portadoras de endometriose, incluindo alteração na foliculogênese, levando à disfunção ovariana e pior qualidade dos oócitos, assim como os defeitos na fase lútea, levando a uma taxa de fertilização diminuída e a embriogênese anormal (KONDO, 2009, p. 34).

8 FOLICULOGÊNESE A foliculogênese alterada em mulheres com endometriose pode contribuir para disfunção ovulatória, pior qualidade dos oócitos, taxas de fertilização reduzidas, piores embriões e menores taxas de implantação (PELLICER et al, 2000). Mulheres portadoras de endometriose ovulam precocemente ou tardiamente. Os oócitos podem apresentar-se com capacidade de fertilização diminuída ou imatura no momento de sua liberação através dos ovários (ISAIA FILHO, 2006). 14 REAÇÃO INFLAMATÓRIA A endometriose está associada com alterações inflamatórias no fluido folicular e no fluido peritoneal. Concentrações aumentadas de linfócitos B, células natural killer, monócitos-macrófagos, interleucinas (IL-6, IL-1b, IL-10) e o fator de necrose tumoral alfa (TNF-α), assim como diminuição do fator de crescimento vascular endotelial (VEGF) têm sido documentados no fluido folicular de parentes com endometriose e infertilidade (PELLICER et al, 1998). A reação inflamatória também é responsável por aderências nas tubas uterinas, ovários, útero e intestinos. Quando isto acontece, temos o comprometimento de maior gravidade, principalmente, quando estas aderências envolvem tubas uterinas e ovários, trazendo um real impedimento para que ocorra a fecundação e, consequentemente, a gravidez (ISAIA FILHO, 2006). 15 FUNÇÃO ESPERMÁTICA A reação inflamatória constante na cavidade peritoneal pode dificultar a mobilidade dos espermatozóides no interior das tubas uterinas dificultando ou até impedindo a fecundação (ISAIA FILHO, 2006). 16 TRATAMENTO DA ENDOMETRIOSE ASSOCIADA À INFERTILIDADE Alguns ensaios clínicos randomizados e controlados demonstraram que a administração de danazol, progestágenos ou agonistas do GnRHa não foi efetiva no tratamento da infertilidade associada a endometriose mínima ou leve. Assim, a supressão da

9 117 função ovariana por meio de terapia hormonal para melhorar a fertilidade nos casos de endometriose mínima e leve não é efetiva, retarda a possibilidade de gravidez e não deve ser oferecida como abordagem terapêutica única (NAVARRO, 2006). Os objetivos principais da cirurgia em pacientes com endometriose são retirar a maior quantidade de tecido possível e restabelecer a anatomia normal da pelve. O manejo delicado do tecido e a hemostasia meticulosa são fundamentais para evitar a formação de novas aderências e focos endometrióticos (NAVARRO, 2006). A cirurgia apresenta papel importante no tratamento de pacientes com endometriose grave acompanhada de alterações anatômicas, pois através da técnica cirúrgica é possível o restabelecimento da anatomia normal (KISTNER, 1989, p. 431). 17 TÉCNICAS DE REPRODUÇÃO ASSISTIDA E FERTILIZAÇÃO IN VITRO (FIV) A realização de estimulação ovariana controlada com citrato de clomifeno ou gonadotrofinas, associada à inseminação intra-uterina, melhora a fertilidade em pacientes com endometriose mínima e leve (NAVARRO, 2006). Habitualmente, ocorrem divergências quanto à indicação das técnicas de reprodução assistida, na situação em que a presença de endometriose não esteja causando distorções nas tubas uterinas. Nesse caso, alguns médicos preferem a estimulação ovariana seguida de inseminação artificial com o esperma do marido (KIM et al,1996, p. 399). Para outros, a técnica de transferência intratubária de gametas seria a melhor alternativa terapêutica, particularmente nas pacientes com estádios mais leves de endometriose. Em geral, nas pacientes com endometriose mínima e leve, os resultados com o emprego da técnica de FIV são semelhantes aos observados nas pacientes sem endometriose (CHILLIK et al, 1985, p. 58). Naquelas pacientes com endometriose moderada e severa a aplicação da técnica de FIV pode apresentar resultados ruins (CHILLIK et al, 1985, p. 58). Por outro lado, segundo alguns autores os resultados com FIV são semelhantes nos diferentes estágios de evolução da doença (NAVARRO, 2006). 18 ENDOMETRIOSE, UMA DOENÇA DA MULHER MODERNA A endometriose ataca milhões de mulheres no mundo inteiro de maneira progressiva. Atualmente as mulheres têm menos filhos e consequentemente mais menstruações. Além

10 118 disso, com a dupla jornada de trabalho, a mulher de hoje está sujeita a uma má alimentação, estresse, condições desfavoráveis a manutenção da homeostase do organismo e principalmente do sistema imunológico. Esses fatores contribuem então para o aparecimento de patologias. Embora ainda não completamente elucidados, esses fatores podem contribuir para o surgimento da endometriose. Como foi descrito anteriormente, a endometriose pode ter uma relação direta com infertilidade. A endometriose apresenta um caráter socioeconômico importante, pois embora alguns autores já tenham relacionado esta patologia com mulheres de níveis sociais mais elevados, hoje sabe-se que ela pode afetar mulheres de todas as classes sociais. Em casos de infertilidade, a bioética a ser discutida é o acesso a técnicas de reprodução assistida, por mulheres de baixo poder aquisitivo, visto que o valor desses procedimentos em âmbito particular é de um valor elevado. 19 ACESSO À REPRODUÇÃO ASSISTIDA ATRAVÉS DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE Elaborada pelo campo da medicina reprodutiva, a Reprodução Assistida (RA) descreve um conjunto de técnicas conceptivas que possibilitam a manipulação, seleção, doação e congelamento de gametas, tais como a Inseminação Artificial (IA), a Fertilização In Vitro (FIV), a Injeção Intracitoplasmática de Espermatozóide (ICSI), entre outras (ALFANO, 2008). Muitas mulheres e homens com problemas de fertilidade ainda se deparam com condições econômicas desfavoráveis para arcar com as despesas de um tratamento que chega a custar R$ 12 mil por tentativa (SAMRSLA, 2007). Instituído pela Constituição Federal de 1988, o SUS preconiza o acesso integral, universal e eqüitativo à saúde como direito de cidadania. A Declaração Universal dos Direitos Humanos (DUDH) de 1948, no artigo XVI, prevê: "Os homens e as mulheres de maior idade, sem qualquer restrição de raça, nacionalidade ou religião, têm o direito de contrair matrimônio e fundar a família", entendendo-se por família, marido, mulher e filhos (SAMRSLA, 2007). Em 2003, das 117 clínicas cadastradas na Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida (SBRA), nada menos que 47% estavam concentradas no estado de São Paulo e, destas, 54% estavam localizadas na capital. Até o ano de 2008, existiam apenas seis unidades de saúde pública oferecendo o tratamento de RA (SAMRSLA, 2007). No caso da reprodução humana assistida, a desigualdade no acesso a este serviço de saúde, é agravada pela inexistência, até o momento, de uma regulamentação específica sobre RA no Brasil, que

11 119 estivesse baseada nos preceitos do SUS e nos acordos internacionais de direitos fundamentais do indivíduo (ALFANO, 2008). As técnicas de RA deixam um campo aberto de discussão bioética. Com o desenvolvimento das novas tecnologias reprodutivas, o objeto de estudo da bioética se desloca tanto para a discussão do acesso igualitário à técnica de reprodução assistida, assim como para discussões no que diz respeito ao destino dos embriões supranumerários provenientes de procedimentos já realizados. Segundo Loyola (2005), poucos são os departamentos universitários especializados em bioética no Brasil, deixando clara a importância da criação de comitês responsáveis por essas discussões. 20 CONCLUSÃO A endometriose é uma patologia enigmática e embora ainda não completamente elucidada, apresenta alta taxa de prevalência entre as mulheres. Sendo uma doença progressiva o diagnóstico precoce e preciso é fundamental para o sucesso do tratamento. Em casos mais graves de endometriose é possível encontrar uma relação entre o binômio endometriose e infertilidade. O impacto bio-psico-social desta doença é elevado, tanto em nível individual, como de saúde pública. O tratamento deve ser individualizado, sendo importante não somente o diagnostico clínico como o diagnostico laboratorial complementar. É importante buscar com o tratamento não somente a cura da patologia como a melhoria no bem estar da paciente. Em casos de infertilidade, é importante buscar soluções no que se refere ao acesso das pacientes de baixo poder aquisitivo às técnicas de RA. Hoje são poucos os serviços públicos de saúde que disponibilizam técnicas de RA gratuitamente. Os objetivos do trabalho foram alcançados, à medida que foi possível apresentar as características gerais da endometriose e sua relação com a infertilidade, assim como deixar claro que o acesso ao tratamento por técnicas de RA, no SUS ainda é deficitário. REFERÊNCIAS ALFANO, Bianca, Reflexões sobre a universalidade e a eqüidade no acesso aos serviços de reprodução assistida no SUS: Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder, Florianópolis, Ago Disponível em: Acesso em: 05 Set BADALOTTI, Mariangêla; TELOKEN, Claudio. Fertilidade e infertilidade humana. São Paulo: Medsi, 1997.

12 120 CHILLIK C. F. et al. The role of in vitro fertilization in infertile patients with endometriosis. Fertil. Steril., 44, BASTOS, Alvaro C. Noções de ginecologia. 8. ed. São Paulo: Atheneu, JEFFCOATE, Norman. Princípios de ginecologia. 4. ed. São Paulo: Manole, KIM C. H; CHO Y. K; MOK J. E. Simplified ultralong protocol of gonadotrophin-releasing hormone agonist for ovulation induction with intrauterine insemination in patients with endometriosis. Hum. Reprod., 11, KISTNER, Robert W. Ginecologia: princípios e prática. 4. ed. São Paulo: Manole, KONDO, William et al. Endometriose e infertilidade: causa ou consequência? Jornal Brasileiro de Reprodução Assistida, v. 13, n. 2, abr.-jun KUMAR, Vinay; ABBAS, Abul K; FAUSTO, Nelson. Robins & Cotran Patologia - Bases Patológicas das doenças, 7. ed. São Paulo: Elsevier, LOYOLA, Maria A. Bioética: reprodução e gênero na sociedade contemporânea. Rio de Janeiro); Brasília: Associação Brasileira de Estudos Populacionais ABEP; Letra Livres, MAHMOOD T. A; TEMPLETON, A. Pathophysiology of mild endometriosis : review of literature. Hum. Reprod., 5 : NAVARRO, Paula A. A. S. et al. Tratamento da endometriose. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, Rio de Janeiro, v. 28, n. 10. oct Disponível em: Acesso em: 15 Set OLIVE D. L; WEINBERG J. B; HANEY A. F. Peritoneal macrophages and infertility : the association between cell number and pelvic pathology. Fertil. Steril., 44, OOSTERLYNCK D. J. et al. The natural killer activity of peritoneal fluid lymphocytes is decreased in women with endometriosis. Fertil. Steril., 58, Disponível em: Acesso em: 10 Set PELLICER A. Outcome of patients with endometriosis in assisted reproduction : results from in-vitro fertilization and oocyte donation. Hum. Reprod., 9, Disponível em: Acesso em: 10 Set PIATO, Sebastião. Tratado de ginecologia. 2. ed. São Paulo: Artes Médicas, PORTH, Carol M. Fisiopatologia. 6. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, SAMRSLA, Mônica et al. Expectativa de mulheres à espera de reprodução assistida em hospital público do DF estudo bioético. Rev. Assoc. Med. Bras., São Paulo, v. 53, n. 1, jan./feb Disponível em: Acesso em: 15 Set

ENDOMETRIOSE. marcoams - inomed

ENDOMETRIOSE. marcoams - inomed ENDOMETRIOSE CONCEITO Ectopia do tecido endometrial funcionante (glandular e/ou estroma) Souza,mam Incidência 10 a 15 % idade reprodutiva Mulheres inférteis 25 a 30% Mulheres assintomáticas 1 e 2 % Infertil

Leia mais

Amenorréia. Amenorréia Secundária: Ausência de menstruação por três ciclos menstruais normais ou por seis meses (em mulher que já menstruou)

Amenorréia. Amenorréia Secundária: Ausência de menstruação por três ciclos menstruais normais ou por seis meses (em mulher que já menstruou) Amenorréia Amenorréia Definição: Amenorréia Primária: Ausência de menstruação aos 14 anos de idade sem características sexuais visíveis, ou aos 16 anos de idade na presença de características secundárias

Leia mais

O sistema reprodutor feminino. Os ovários e os órgãos acessórios. Aula N50

O sistema reprodutor feminino. Os ovários e os órgãos acessórios. Aula N50 O sistema reprodutor feminino. Os ovários e os órgãos acessórios. Aula N50 Sistema reprodutor feminino Ovários = produz óvulos Tubas uterinas = transportam e protegem os óvulos Útero = prove meio adequado

Leia mais

2) Observe o esquema. Depois, seguindo a numeração, responda às questões. C) Onde a urina é armazenada antes de ser eliminada do corpo?.

2) Observe o esquema. Depois, seguindo a numeração, responda às questões. C) Onde a urina é armazenada antes de ser eliminada do corpo?. Professor: Altemar Santos. Exercícios sobre os sistemas urinário (excretor), reprodutores masculino e feminino e fecundação para o 8º ano do ensino fundamental. 1) Analise o esquema: Identifica-se pelas

Leia mais

O transplante uterino (TU) é uma nova opção revolucionária para o tratamento

O transplante uterino (TU) é uma nova opção revolucionária para o tratamento Nº 21 Transplante Uterino O transplante uterino (TU) é uma nova opção revolucionária para o tratamento de infertilidade causada por fator uterino (IFU), em pacientes com útero que não pode ser recuperado

Leia mais

Aspectos atuais da endometriose e o desafio do diagnóstico precoce

Aspectos atuais da endometriose e o desafio do diagnóstico precoce Aspectos atuais da endometriose e o desafio do diagnóstico precoce Seminário de lançamento da Frente Parlamentar Mista de Luta Contra a Endometriose Congresso Nacional do Brasil Alysson Zanatta Doutor

Leia mais

SISTEMA REPRODUTOR MASCULINO

SISTEMA REPRODUTOR MASCULINO SISTEMA REPRODUTOR MASCULINO Anatomia Genitália externa: pênis e bolsa escrotal; Órgãos reprodutores internos: testículos culos, epidídimos dimos, ductos(deferente, ejaculador e uretra) e as glândulas

Leia mais

Sistema reprodutor feminino: função, anatomia e aspectos fisiopatológicos CIÊNCIAS MORFOFUNCIONAIS DOS SISTEMAS TEGUMENTAR, LOCOMOTOR E REPRODUTOR

Sistema reprodutor feminino: função, anatomia e aspectos fisiopatológicos CIÊNCIAS MORFOFUNCIONAIS DOS SISTEMAS TEGUMENTAR, LOCOMOTOR E REPRODUTOR Sistema reprodutor feminino: função, anatomia e aspectos fisiopatológicos CIÊNCIAS MORFOFUNCIONAIS DOS SISTEMAS TEGUMENTAR, LOCOMOTOR E REPRODUTOR Profa. Msc. Ângela Cristina Ito Sistema reprodutor feminino

Leia mais

Infertilidade. Propedêutica básica do casal infértil

Infertilidade. Propedêutica básica do casal infértil Propedêutica básica do casal infértil Conceitos -INFERTILIDADE: Ausência de contracepção após um ano de tentativa, sem a utilização de um método contraceptivo. -FECUNDIBILIDADE: É a probabilidade de se

Leia mais

TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO NA ENDOMETRIOSE

TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO NA ENDOMETRIOSE TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO NA ENDOMETRIOSE Andrea Guedes da Silva Graduanda em Fisioterapia, Faculdades Integradas de Três Lagoas FITL/AEMS Jéssica Sabrina Padilha Scheneider Graduanda em Fisioterapia,

Leia mais

ENDOMETRIOSE: Fisioterapia e a Doença

ENDOMETRIOSE: Fisioterapia e a Doença ENDOMETRIOSE: Fisioterapia e a Doença Letícia Zaparolli Ribeiro do Nacimento Graduada em Fisioterapia, Faculdades Integradas de Três Lagoas-FITL/AEMS Elaine da Silva Kraievski Fisioterapeuta UNIGRAN, Especialista

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES ANTES DA CONSULTA

PERGUNTAS FREQUENTES ANTES DA CONSULTA PERGUNTAS FREQUENTES ANTES DA CONSULTA ÍNDICE Quando devo procurar um especialista em Reprodução Humana? Porque não engravidamos se fazemos tudo certinho? Será que tentamos adequadamente nos últimos meses?

Leia mais

RESIDÊNCIA MÉDICA 2014 PROVA OBJETIVA

RESIDÊNCIA MÉDICA 2014 PROVA OBJETIVA RESIDÊNCIA MÉDICA 2014 1 Questão 1 Médico atende, em um hospital de referência para procedimentos em endoscopia ginecológica no Sistema Único de Saúde (SUS), uma mulher de 32 anos, nuligesta, que se queixa

Leia mais

Dispositivo Intrauterino com Cobre (DIU TCU)

Dispositivo Intrauterino com Cobre (DIU TCU) Dispositivo Intrauterino com Cobre (DIU TCU) Ação: Provoca uma alteração química que danifica o esperma e o óvulo antes que eles se encontrem. Assincronia no desenvolvimento endometrial por alterações

Leia mais

Sistema Reprodutor e Tecnologia da Reprodução Medicamente Assistida

Sistema Reprodutor e Tecnologia da Reprodução Medicamente Assistida MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA BIOMÉDICA DISCIPLINA DE ANATOMIA E HISTOLOGIA Sistema Reprodutor e Tecnologia da Reprodução Medicamente Assistida Carlos Plancha Instituto de Histologia e Biologia do Desenvolvimento

Leia mais

ENDOMETRIOMA LOCALIZADO NO MÚSCULO RETO ABDOMINAL: RELATO DE CASO E REVISÃO DE LITERATURA

ENDOMETRIOMA LOCALIZADO NO MÚSCULO RETO ABDOMINAL: RELATO DE CASO E REVISÃO DE LITERATURA ENDOMETRIOMA LOCALIZADO NO MÚSCULO RETO ABDOMINAL: RELATO DE CASO E REVISÃO DE LITERATURA Tatiany Daniele Pereira Souto¹; Karla Helloyse Gomes Rocha²; Gisele Nascimento Silva²; Thiago Souto Batista³; Fernanda

Leia mais

FACULDADE SANTA TEREZINHA CEST COORDENAÇÃO DO CURSO DE FISIOTERAPIA PLANO DE ENSINO

FACULDADE SANTA TEREZINHA CEST COORDENAÇÃO DO CURSO DE FISIOTERAPIA PLANO DE ENSINO DADOS DA DISCIPLINA PLANO DE ENSINO CÓDIGO NOME CH TOTAL PERÍODO HORÁRIO 0113 PROFESSOR(ES) Fisioterapia em Uroginecologia e Obstetrícia Profa. Ma. Nelbe Maria Ferreira de Amorim EMENTA 60 h 7º MATUTINO

Leia mais

Manejo Ambulatorial de Massas Anexiais

Manejo Ambulatorial de Massas Anexiais Instituto Fernandes Figueira FIOCRUZ Departamento de Ginecologia Residência Médica Manejo Ambulatorial de Massas Anexiais Alberto Tavares Freitas Tania da Rocha Santos Abril de 2010 Introdução Representam

Leia mais

TESTE DE AVALIAÇÃO. 02 novembro 2013 Duração: 30 minutos. Organização NOME: Escolha, por favor, a resposta que considera correta.

TESTE DE AVALIAÇÃO. 02 novembro 2013 Duração: 30 minutos. Organização NOME: Escolha, por favor, a resposta que considera correta. TESTE DE AVALIAÇÃO 02 novembro 2013 Duração: 30 minutos NOME: Escolha, por favor, a resposta que considera correta. 1. São indicação para a realização de RM todas as situações, excepto: ( 1 ) Mulher com

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS 16 TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA HISTEROSSALPINGOGRAFIA NO DIAGNÓSTICO DA HIDROSSALPINGE NUM QUADRO PÓS-DIP CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

REPRODUÇÃO ASSISTIDA E O DESEJO PELOS FILHOS. Aryane Barcelos ROSSI Discente da União das Faculdades dos Grandes Lagos Unilago

REPRODUÇÃO ASSISTIDA E O DESEJO PELOS FILHOS. Aryane Barcelos ROSSI Discente da União das Faculdades dos Grandes Lagos Unilago REPRODUÇÃO ASSISTIDA E O DESEJO PELOS FILHOS Aryane Barcelos ROSSI Discente da União das Faculdades dos Grandes Lagos Unilago Natália MARTIN Fabiana NAKASHIMA Carla Silva MACHADO Natália Sperli G. M. dos

Leia mais

PLANILHA GERAL - BASES BIOLÓGICAS DA PRÁTICA MÉDICA IV 1º 2013

PLANILHA GERAL - BASES BIOLÓGICAS DA PRÁTICA MÉDICA IV 1º 2013 PLANILHA GERAL - BASES BIOLÓGICAS DA PRÁTICA MÉDICA IV 1º 2013 Dia Data Hora Professor Sala Conteúdo Módulo 08:00 Tiago 104 D Principais neoplasias ginecológicas e lesões precursoras SEGUNDA 6/5/2013 08:50

Leia mais

Ano Lectivo 2009/2010

Ano Lectivo 2009/2010 Ano Lectivo 2009/2010 Feito por: Carlos Grilo Caracteres sexuais primários e secundários.3 Sistema reprodutor masculino.4 Sistema reprodutor feminino.5 Ciclo ovário.5 Ciclo uterino.7 Fecundação 9 Caracteres

Leia mais

Jacy Bruns. Declaração de conflito de interesse

Jacy Bruns. Declaração de conflito de interesse Jacy Bruns Declaração de conflito de interesse Não recebi qualquer forma de pagamento ou auxílio financeiro de entidade pública ou privada para pesquisa ou desenvolvimento de método diagnóstico ou terapêutico

Leia mais

Esplancnologia. Sentido restrito Digestivo Respiratório Urinário Genital masculino Genital feminino. Sentido lato Vascular endócrino

Esplancnologia. Sentido restrito Digestivo Respiratório Urinário Genital masculino Genital feminino. Sentido lato Vascular endócrino Esplancnologia Estudo das vísceras: órgãos internos ( splanchnon) Sentido restrito Digestivo Respiratório Urinário Genital masculino Genital feminino + Sentido lato Vascular endócrino Arquitetura funcional

Leia mais

ATLAS CITOLÓGICO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE CITOLOGIA CLÍNICA E LABORATORIAL DA ACADEMIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGICA DE SÃO JOSÉ DE RIO PRETO SP

ATLAS CITOLÓGICO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE CITOLOGIA CLÍNICA E LABORATORIAL DA ACADEMIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGICA DE SÃO JOSÉ DE RIO PRETO SP ATLAS CITOLÓGICO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE CITOLOGIA CLÍNICA E LABORATORIAL DA ACADEMIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGICA DE SÃO JOSÉ DE RIO PRETO SP Tema Citológico: Morfologia da Espermatogênese Autor: Joeder

Leia mais

ENDOMETRIOSE: UMA DOENÇA SILENCIOSA

ENDOMETRIOSE: UMA DOENÇA SILENCIOSA ENDOMETRIOSE: UMA DOENÇA SILENCIOSA Kátia Cristina Figueiredo (1) ; Sara Maria Cruz de da Costa (2) ; Clara Suellen Lacerda Arruda (3) ; Karina de Melo Rodrigues (4) ; Sheila Milena Pessoa dos Santos Fernandes

Leia mais

GOIÂNIA, / / PROFESSOR: Mário Neto. Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações:

GOIÂNIA, / / PROFESSOR: Mário Neto. Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações: GOIÂNIA, / / 2016 PROFESSOR: Mário Neto DISCIPLINA: Ciências da natureza SÉRIE: 8º ALUNO(a): No Anhanguera você é + Enem Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações:

Leia mais

Biologia. Transplantes e Doenças Autoimunes. Professor Enrico Blota.

Biologia. Transplantes e Doenças Autoimunes. Professor Enrico Blota. Biologia Transplantes e Doenças Autoimunes Professor Enrico Blota www.acasadoconcurseiro.com.br Biologia HEREDITARIEDADE E DIVERSIDADE DA VIDA- TRANSPLANTES, IMUNIDADE E DOENÇAS AUTOIMUNES Os transplantes

Leia mais

CIÊNCIAS MORFOFUNCIONAIS DO SISTEMA REPRODUTOR ESTUDO DIRIGIDO 3

CIÊNCIAS MORFOFUNCIONAIS DO SISTEMA REPRODUTOR ESTUDO DIRIGIDO 3 CIÊNCIAS MORFOFUNCIONAIS DO SISTEMA REPRODUTOR ESTUDO DIRIGIDO 3 1. (Unir-RO) Sobre a reprodução humana, todos os itens abaixo estão corretos, exceto: a) A fecundação ocorre no útero. b) A espermatogênese

Leia mais

ANATOMIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO

ANATOMIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO ANATOMIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO Estruturas do Sistema Reprodutor Feminino Gônadas - Ovários Genitais - Ovidutos - Útero - Vagina - Vestíbulo - Vulva KÖNIG, 2002 Cada componente do trato reprodutivo

Leia mais

EPIDEMIOLOGIA, ESTADIAMENTO E PREVENÇÃO DO CÂNCER

EPIDEMIOLOGIA, ESTADIAMENTO E PREVENÇÃO DO CÂNCER EPIDEMIOLOGIA, ESTADIAMENTO E PREVENÇÃO DO CÂNCER Felipe Trevisan Radioterapia HCFMRP USP Fevereiro / 2012 Epidemiologia Descritiva Incidência Mortalidade Analítica Estudo das causas das doenças Epidemiologia

Leia mais

Repercuções das TRA na Gestante e no Concepto. Edson Borges Jr.

Repercuções das TRA na Gestante e no Concepto. Edson Borges Jr. Repercuções das TRA na Gestante e no Concepto Edson Borges Jr. 1 http://fertility.com.br/producao-cientifica-2016/ 2 USA: 1% Europa: 3% Dinamarca Finlândia: 6% Brasil: 25 30.000 ciclos FIV/ICSI / ano ~

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Protocolo para Utilização do. Levonorgestrel. Brasília DF

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Protocolo para Utilização do. Levonorgestrel. Brasília DF MINISTÉRIO DA SAÚDE Protocolo para Utilização do Levonorgestrel Brasília DF 2012 Protocolo para Utilização do Levonorgestrel na Anticoncepção Hormonal de Emergência A Rede Cegonha, instituída em junho

Leia mais

Tratamento da Endometriose no Sistema Único de Saúde

Tratamento da Endometriose no Sistema Único de Saúde Tratamento da Endometriose no Sistema Único de Saúde Departamento de Obstetrícia e Ginecologia da Santa Casa de São Paulo Diretor: Prof. Dr. José Mendes Aldrighi Clínica de Cirurgia Ginecológica Setor

Leia mais

Avaliação do Tratamento Clínico da Endometriose

Avaliação do Tratamento Clínico da Endometriose RBGO 21 (2): 85-90, 1999 Avaliação do Tratamento Clínico da Endometriose Trabalhos Originais Clinical Treatment Evaluation of Endometriosis Marcos Dias de Moura, Taíse de Negreiros Pereira, Antonio Alberto

Leia mais

III Consenso Brasileiro no Manejo da Asma. Apresentação

III Consenso Brasileiro no Manejo da Asma. Apresentação Apresentação Sendo a asma uma doença de alta prevalência, todos os médicos devem ter condições de prestar atendimento aos pacientes, particularmente em situações de emergência. Por razões óbvias, os profissionais

Leia mais

Transmissão da Vida Bases morfológicas e fisiológicas da reprodução 1.2. Noções básicas de hereditariedade. Ciências Naturais 9ºano

Transmissão da Vida Bases morfológicas e fisiológicas da reprodução 1.2. Noções básicas de hereditariedade. Ciências Naturais 9ºano Ciências Naturais 9ºano Transmissão da Vida 1.1. Bases morfológicas e 1.2. Noções básicas de hereditariedade A partir da puberdade, as gónadas atingem a maturidade e começam a produzir gâmetas. Ovários

Leia mais

REPRODUÇÃO HUMANA. Lásaro Henrique

REPRODUÇÃO HUMANA. Lásaro Henrique REPRODUÇÃO HUMANA Lásaro Henrique GAMETOGÊNESE Processo de formação de gametas. Pode ser: Espermatogênese Ovulogênese ESPERMATOGÊNESE Ocorre nos tubos seminíferos,das paredes para a luz de cada tubo. ETAPAS

Leia mais

Métodos Contraceptivos e Prevenção de Doenças

Métodos Contraceptivos e Prevenção de Doenças Métodos Contraceptivos e Prevenção de Doenças Como planejar seu futuro e garantir uma vida sexual saudável. planejamento FaMILIaR É o conjunto de ações que auxilia o casal que deseja ter filho ou prevenir

Leia mais

Sistema Reprodutor Feminino

Sistema Reprodutor Feminino Lâmina 72A: Ovário infantil e trompas uterinas OVÁRIO: (opção lâmina 35 caixa B) Região do Hilo: vasos sanguíneos, inervação e tecido conjuntivo denso Superfície do ovário -epitélio germinativo: tecido

Leia mais

Curso de Cirurgia Laparoscópica Urológica Parte IV

Curso de Cirurgia Laparoscópica Urológica Parte IV 81 Curso de Laparoscopia Curso de Cirurgia Laparoscópica Urológica Parte IV Rui Lages*, Rui Santos** *Consultor de Urologia H. S. João de Deus Fão **Consultor de Urologia H. S.ta Isabel Marco de Canaveses

Leia mais

Questionário. O tempo previsto para o preenchimento do questionário é de 10 minutos.

Questionário. O tempo previsto para o preenchimento do questionário é de 10 minutos. Questionário Rita Mafalda Rodrigues de Matos, a frequentar o 4º ano da Licenciatura em Enfermagem da Faculdade de Ciências da Saúde da Universidade Fernando Pessoa, encontra-se a elaborar o Projecto de

Leia mais

Strategies for the management of the OHSS: results of freezing-all cycles

Strategies for the management of the OHSS: results of freezing-all cycles 1/28 Strategies for the management of the OHSS: results of freezing-all cycles Edson Borges Jr., Daniela Paes Almeida Ferreira Braga, Amanda S Setti, Livia Silva Vingris, Rita Cássia S Figueira, Assumpto

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Histologia Especial Código da Disciplina: VET203 Curso: Medicina Veterinária Semestre de oferta da disciplina: 2 P Faculdade responsável: Medicina Veterinária Programa

Leia mais

Diagnóstico por imagem em endometriose: comparação entre ressonância magnética e ultrassonografia

Diagnóstico por imagem em endometriose: comparação entre ressonância magnética e ultrassonografia Diagnóstico por imagem em endometriose: comparação entre ressonância magnética e ultrassonografia Letícia Amaral dos Santos 1, Rafael Emídio 2, Fernanda Marconi Roversi 2. 1 Acadêmica de Biomedicina da

Leia mais

O que é e para que serve a Próstata

O que é e para que serve a Próstata O que é e para que serve a Próstata A próstata é uma glândula que faz parte do aparelho genital masculino. Está localizada abaixo da bexiga, atravessada pela uretra. Seu tamanho e forma correspondem a

Leia mais

Hemorragia Genital na Pós-Menopausa

Hemorragia Genital na Pós-Menopausa Curso de Pós-Graduação em Geriatria Hemorragia Genital na Pós-Menopausa Avaliação e orientação diagnóstica Pedro Viana Pinto Introdução 5% motivos de consulta em Ginecologia Maioria dos casos têm etiologias

Leia mais

TÍTULO: ASPECTOS PSICOLÓGICOS DAS MULHERES PORTADORAS DA ENDOMETRIOSE INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

TÍTULO: ASPECTOS PSICOLÓGICOS DAS MULHERES PORTADORAS DA ENDOMETRIOSE INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS 16 TÍTULO: ASPECTOS PSICOLÓGICOS DAS MULHERES PORTADORAS DA ENDOMETRIOSE CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS

Leia mais

Reprodutor. Constituição. - 2 Ovários - 2 Tubas uterinas - Útero - Vagina - Genitália externa. - Glândulas mamárias

Reprodutor. Constituição. - 2 Ovários - 2 Tubas uterinas - Útero - Vagina - Genitália externa. - Glândulas mamárias SISTEMA REPRODUTOR Constituição Reprodutor - 2 Ovários - 2 Tubas uterinas - Útero - Vagina - Genitália externa - Glândulas mamárias Funções Reprodutor Produção de gametas (ovócitos): OVOGÊNESE Produção

Leia mais

Introdução. Graduanda do Curso de Medicina Veterinária FACISA/UNIVIÇOSA. hotmail.com. 2

Introdução. Graduanda do Curso de Medicina Veterinária FACISA/UNIVIÇOSA.   hotmail.com. 2 FUNÇÃO DO ESTRÓGENO NO TRATO REPRODUTIVO DO MASCULINO Amarine Loures Furtado 1, Giancarlo Magalhães dos Santos 2, João Gabriel Viana de Grázia 3, Carolina Marinho de Assunção 4 Resumo: Considerado um hormônio

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS SOBRE A GERAÇÃO DE UM NOVO SER HUMANO E A AÇÃO DA ANTICONCEPÇÃO ORAL DE EMERGÊNCIA

NOÇÕES BÁSICAS SOBRE A GERAÇÃO DE UM NOVO SER HUMANO E A AÇÃO DA ANTICONCEPÇÃO ORAL DE EMERGÊNCIA Autor: Dr. Horácio B. Croxatto A. Presidente Instituto Chileno de Medicina Reproductiva (ICMER) Março, 2001 Ref: A introdução da anticoncepção de emergência no Brasil representa um importante avanço para

Leia mais

Requisitos básicos. Nas regiões hematopoéticas, 50% do tecido medular é representado por gordura. O tecido hematopoético pode ocupar áreas de gordura.

Requisitos básicos. Nas regiões hematopoéticas, 50% do tecido medular é representado por gordura. O tecido hematopoético pode ocupar áreas de gordura. Hematopoese Requisitos básicos. 1. Stem cells (células tronco hematopoéticas). 2. Meio ambiente medular (fibroblastos, macrófagos e células endoteliais). 3. Fatores de crescimento (GM-CSF, Eritropoietina...)

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS CIÊNCIAS

LISTA DE EXERCÍCIOS CIÊNCIAS LISTA DE EXERCÍCIOS CIÊNCIAS P1-4º BIMESTRE 8º ANO FUNDAMENTAL II Aluno (a): Turno: Turma: Unidade Data: / /2016 HABILIDADES E COMPETÊNCIAS Identificar as principais mudanças pelas quais o indivíduo passa

Leia mais

Plano de Ensino da Disciplina

Plano de Ensino da Disciplina Plano de Ensino da Disciplina Disciplina: Anatomia Aplicada à Fonoaudiologia I Código da disciplina: MOF019 Classificação: Obrigatória Período do Curso: 1º período N.º de créditos: 03 créditos Carga horária:

Leia mais

ENDOMETRIOSE: Efeito Da Endometriose Na Vida Pessoal e Social

ENDOMETRIOSE: Efeito Da Endometriose Na Vida Pessoal e Social CENTRO UNIVERSITÁRIO SÃO LUCAS MARIA DO SOCORRO DOMINGOS DE OLIVEIRA ENDOMETRIOSE: Efeito Da Endometriose Na Vida Pessoal e Social Das Pacientes Com Esta Patologia Porto Velho - RO 2016 MARIA DO SOCORRO

Leia mais

DESCRIÇÃO DO MÉTODO DE COLETA DE EVIDÊNCIA:

DESCRIÇÃO DO MÉTODO DE COLETA DE EVIDÊNCIA: Reprodução Assistida: Indicações e Técnicas Autoria: Antônio Silvinato Augusto Barbosa Reis Edson Borges Jr Marcelo Vieira Renato Fraieta Wanderley M Bernardo DESCRIÇÃO DO MÉTODO DE COLETA DE EVIDÊNCIA:

Leia mais

Full version is >>> HERE <<<

Full version is >>> HERE <<< Full version is >>> HERE http://pdfo.org/prgbrazil/pdx/1197t514/

Leia mais

PAPEL DA IMAGEM NA AVALIAÇÃO DA PELVE FEMININA

PAPEL DA IMAGEM NA AVALIAÇÃO DA PELVE FEMININA PAPEL DA IMAGEM NA AVALIAÇÃO DA PELVE FEMININA Métodos de Diagnóstico por Imagem 1. Detecção de Lesões 2. Benigno vs. Maligno 3. Conduta (Cx, Seguimento...) Iyer VR et al. AJR 2010;194:311-321 Métodos

Leia mais

Curso Técnico em Enfermagem AULA 01

Curso Técnico em Enfermagem AULA 01 FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO SISTEMA REPRODUTOR MASCULINO AULA 01 PUBERDADE: os testículos da criança permanecem inativos até que são estimulados entre 10 e 14 anos pelos hormônios gonadotróficos da glândula

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO SÃO CAMILO Curso de Especialização em Gerontologia

CENTRO UNIVERSITÁRIO SÃO CAMILO Curso de Especialização em Gerontologia CENTRO UNIVERSITÁRIO SÃO CAMILO Curso de Especialização em Gerontologia Jader Santos Andrade EVIDÊNCIAS RELATIVAS AO EMPREGO DE FÁRMACOS PARA TRATAMENTO DA SARCOPENIA EM IDOSOS FRÁGEIS Monografia de conclusão

Leia mais

Sumário. 1. Visão geral da enfermagem materna Famílias e comunidades Investigação de saúde do paciente recém nascido...

Sumário. 1. Visão geral da enfermagem materna Famílias e comunidades Investigação de saúde do paciente recém nascido... Sumário Parte I Papéis e relacionamentos 1. Visão geral da enfermagem materna...23 O processo de enfermagem...25 Planejamento familiar...26 Gestação na infância ou na adolescência...26 Gestação após os

Leia mais

A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s A n t ó n i o S é r g i o V. N. G a i a E S C O L A S E C U N D Á R I A / 3 A N T Ó N I O S É R G I O

A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s A n t ó n i o S é r g i o V. N. G a i a E S C O L A S E C U N D Á R I A / 3 A N T Ó N I O S É R G I O A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s A n t ó n i o S é r g i o V. N. G a i a E S C O L A S E C U N D Á R I A / 3 A N T Ó N I O S É R G I O BIOLOGIA Módulo 1 12º CTec CURSO CIENTÍFICO-HUMANÍSTICO DE

Leia mais

Full version is >>> HERE <<<

Full version is >>> HERE <<< Full version is >>> HERE

Leia mais

Campus de Botucatu PLANO DE ENSINO. DOCENTE RESPONSÁVEL : Profa. Dra. Selma Maria Michelin Matheus (B/L)

Campus de Botucatu PLANO DE ENSINO. DOCENTE RESPONSÁVEL : Profa. Dra. Selma Maria Michelin Matheus (B/L) PLANO DE ENSINO I IDENTIFICAÇÃO CURSO: Ciências Biológicas MODALIDADE: ( x ) Bacharelado (x ) Licenciatura DISCIPLINA: Anatomia Geral e Comparada ( x ) OBRIGATÓRIA DO NÚCLEO COMUM ÁREA COMPLEMENTAR: (

Leia mais

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso.

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. 1 2 3 4 INSTRUÇÕES Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno,

Leia mais

levonorgestrel Number of pages: JT Job No.: Pharmacode: Font / Font size / Spacing: Colors:

levonorgestrel Number of pages: JT Job No.: Pharmacode: Font / Font size / Spacing: Colors: 12 levonorgestrel JT Job No.: Item No.: Drawn up/os: Date: Client: Font / Font size / Spacing: Colors: Folding: Dimensions (mm): Number of pages: Pharmacode: 251938 81655332 Mirena INS pot.ohje BR.indd

Leia mais

Metformina no primeiro trimestre. Dra Isabel L A Corrêa

Metformina no primeiro trimestre. Dra Isabel L A Corrêa Metformina no primeiro trimestre da gestação-pode? Dra Isabel L A Corrêa Porque usar Metformina na gestação?? Diminuir taxa de abortamento em pacientes com Síndrome dos Ovários Policísticos ( SOP)? Diminuir

Leia mais

Comparação de Anticoncepcionais Comparação de Métodos Combinados

Comparação de Anticoncepcionais Comparação de Métodos Combinados Comparação de Anticoncepcionais Comparação de Métodos Combinados Como é utilizado Freqüência do uso Eficácia Padrões de Privacidade Anticoncepcionais Orais combinados Ingestão oral da pílula Diária. Depende

Leia mais

IMUNOLOGIA DA REPRODUÇÃO HUMANA

IMUNOLOGIA DA REPRODUÇÃO HUMANA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO ATUALIZA ANTONIO MAURICIO PORTO DOS SANTOS IMUNOLOGIA DA REPRODUÇÃO HUMANA Salvador 2011 ANTONIO MAURÍCIO PORTO DOS SANTOS IMUNOLOGIA DA REPRODUÇÃO HUMANA Monografia apresentada

Leia mais

TROMBOPOESE ou TROMBOCITOPOESE ou PLAQUETOPOESE

TROMBOPOESE ou TROMBOCITOPOESE ou PLAQUETOPOESE TROMBOPOESE ou TROMBOCITOPOESE ou PLAQUETOPOESE Estrutura das plaquetas Fonte: Fundamentos de Hematologia, 2004. Pools plaquetários Medula óssea Circulante 2/3 sangue periférico 1/3 baço Pools plaquetários

Leia mais

More information >>> HERE <<<

More information >>> HERE <<< More information >>> HERE http://urlzz.org/prgbrazil/pdx/1121t922/ Tags: c8ducetd getting

Leia mais

Bioética e Reprodução Humana Assistida

Bioética e Reprodução Humana Assistida FAMINAS Faculdade de Minas Curso de Biomedicina Beatriz Rosa Dos Santos Francielle Aparecida Geovane Marques Ferreira Hellen Whaitt de Souza Iane Lobo Pereira Lucas Ribeiro Antunes Prof. Orientador: Dalton

Leia mais

TABELA DE PROCEDIMENTOS SUS

TABELA DE PROCEDIMENTOS SUS TABELA DE PROCEDIMENTOS SUS QUIMIOTERAPIA PALIATIVA: 03.04.02.015-0 - Quimioterapia Paliativa do Carcinoma de Nasofaringe avançado (estádio IV C ou doença recidivada) C11.0, C11.1, C11.2, C11.3, C11.8,

Leia mais

FELLOWSHIP EM REPRODUÇÃO HUMANA E ENDOSCOPIA GINECOLÓGICA

FELLOWSHIP EM REPRODUÇÃO HUMANA E ENDOSCOPIA GINECOLÓGICA FELLOWSHIP EM REPRODUÇÃO HUMANA E ENDOSCOPIA GINECOLÓGICA 2017 FELLOWSHIP EM REPRODUÇÃO HUMANA E ENDOSCOPIA GINECOLÓGICA CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 2017 SUMÁRIO Página 1. Introdução 04 2. Objetivo geral. 04

Leia mais

Anatomia patológica da rejeição de transplantes

Anatomia patológica da rejeição de transplantes Anatomia patológica da rejeição de transplantes Transplantes de Órgãos e Tecidos Aspectos inflamatórios e imunológicos da rejeição Daniel Adonai Machado Caldeira Orientador: Prof. Nivaldo Hartung Toppa

Leia mais

F1. Quando foi a última vez que a sra fez um exame preventivo para câncer de colo do útero?

F1. Quando foi a última vez que a sra fez um exame preventivo para câncer de colo do útero? Módulo F - Saúde da Mulher (mulheres de 18 anos e mais de idade) Neste módulo, vamos fazer perguntas sobre a sua saúde, exames preventivos, história reprodutiva e planejamento familiar. F1. Quando foi

Leia mais

Vamos encarar juntos o carcinoma basocelular avançado? Bem-vindo ao

Vamos encarar juntos o carcinoma basocelular avançado? Bem-vindo ao Vamos encarar juntos o carcinoma basocelular avançado? Bem-vindo ao Programa Reconstruir Existem momentos na vida que precisam ser encarados de frente. O bom é saber que nesses momentos não estamos sozinhos.

Leia mais

Radioterapia baseada em evidência no tratamento adjuvante do Câncer de Endométrio: RT externa e/ou braquiterapia de fundo vaginal

Radioterapia baseada em evidência no tratamento adjuvante do Câncer de Endométrio: RT externa e/ou braquiterapia de fundo vaginal Radioterapia baseada em evidência no tratamento adjuvante do Câncer de Endométrio: RT externa e/ou braquiterapia de fundo vaginal Paulo Eduardo Novaes, MD, PhD Departamento de Radioterapia Hospital AC

Leia mais

Gravidez em tempos de Zika

Gravidez em tempos de Zika Gravidez em tempos de Zika Hitomi Miura Nakagawa Presidente da SBRA Diretora técnico-científica da Genesis Centro de Assistência em Reprodução Humana naka.miuramd@gmail.com 29 JUNE 2016 3:27PM RJ: "coração"

Leia mais

DEGENERAÇÃO MACULAR RELACIONADA A IDADE. A degeneração macular relacionada à idade (DMRI) é a doença

DEGENERAÇÃO MACULAR RELACIONADA A IDADE. A degeneração macular relacionada à idade (DMRI) é a doença DEGENERAÇÃO MACULAR RELACIONADA A IDADE Paulo Augusto de Arruda Mello Filho INTRODUÇÃO A degeneração macular relacionada à idade (DMRI) é a doença ocular que acomete as regiões da retina e coróide responsáveis

Leia mais

Medicina Total. Drª Emanuelli Alvarenga Silva Ginecologia & Obstetrícia Reprodução Humana

Medicina Total. Drª Emanuelli Alvarenga Silva Ginecologia & Obstetrícia Reprodução Humana Medicina Total Drª Emanuelli Alvarenga Silva Ginecologia & Obstetrícia Reprodução Humana MÓDULO 1 CICLO MENSTRUAL Ciclo Mestrual 03-(UNIFESP-05) Nas mulheres, tanto a ovulação quanto a menstruação encontram-se

Leia mais

MODELOS DE LAUDOS NORMAIS ESÔFAGO, ESTÔMAGO E DUODENO NORMAIS

MODELOS DE LAUDOS NORMAIS ESÔFAGO, ESTÔMAGO E DUODENO NORMAIS MODELOS DE LAUDOS NORMAIS ABDOME - AP Estruturas ósseas visualizadas íntegras. Distribuição normal de gases e fezes pelas alças intestinais. Ausência de imagens radiológicas sugestivas de cálculos urinários

Leia mais

Endometriose e FIV. Opções de tratamento para paciente com endometriose e Infertilidade

Endometriose e FIV. Opções de tratamento para paciente com endometriose e Infertilidade Nº 8 Endometriose e FIV Vanessa Genro Joao Sabino Cunha Filho Universidade Federal do Rio Grande do Sul Hospital de Clínicas de Porto Alegre Centro de Reprodução Humana Insemine Endometriose é uma doença

Leia mais

DHEA E REPRODUÇÃO ASSISTIDA DRA ISABEL CORREA

DHEA E REPRODUÇÃO ASSISTIDA DRA ISABEL CORREA DHEA E REPRODUÇÃO ASSISTIDA DRA ISABEL CORREA ANDROGÊNIOS E REPRODUÇÃO Em primatas Aumento do crescimento de folículos imaturos Aumento em 3-4 X expressão do IGF1 nas células da granulosa e teca Aumento

Leia mais

Transplante de pâncreas

Transplante de pâncreas Transplante de pâncreas Marcelo Moura Linhares mlinhares@unifesp.br Prevalência do diabetes 8,7% Terceira doença mais comum. Média de vida: 15 anos menor que a população não diabética. International Diabetes

Leia mais

Conhecer a morfologia do complexo hipotálamo-hipófise.

Conhecer a morfologia do complexo hipotálamo-hipófise. Conhecer a morfologia do complexo hipotálamo-hipófise. Compreender o mecanismo de regulação do hipotálamo sobre a hipófise. Conhecer a ação das principais hormonas sexuais femininas estrogénios e progesterona.

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES DIAGNÓSTICO

PERGUNTAS FREQUENTES DIAGNÓSTICO PERGUNTAS FREQUENTES DIAGNÓSTICO ÍNDICE Qual Médico devo procurar para fazer o diagnóstico da causa? Será que o meu Médico está habilitado para indicar os exames e realizar o diagnóstico para nós dois?

Leia mais

PROTOCOLO DE EXAMES DE RM GINECOLÓGICA - ORIENTAÇÕES GERAIS -

PROTOCOLO DE EXAMES DE RM GINECOLÓGICA - ORIENTAÇÕES GERAIS - PROTOCOLO DE EXAMES DE RM GINECOLÓGICA - ORIENTAÇÕES GERAIS - Todas as sequências efectuadas deverão ser optimizadas de acordo com as especificidades do aparelho disponível. Preparação: 4-6h de jejum Esvaziar

Leia mais

A AMAMENTAÇÃO COMO FATOR DE PROTEÇÃO DO CÂNCER DE MAMA. Evidências em Saúde Pública HSM 0122 Novembro/2015

A AMAMENTAÇÃO COMO FATOR DE PROTEÇÃO DO CÂNCER DE MAMA. Evidências em Saúde Pública HSM 0122 Novembro/2015 A AMAMENTAÇÃO COMO FATOR DE PROTEÇÃO DO CÂNCER DE MAMA Evidências em Saúde Pública HSM 0122 Novembro/2015 INTRODUÇÃO Câncer de mama: resultante de proliferação incontrolável de células anormais. Origem:

Leia mais

CÂNCER DE COLO DE ÚTERO OPERADO RADIOTERAPIA COMPLEMENTAR: INDICAÇÕES E RESULTADOS

CÂNCER DE COLO DE ÚTERO OPERADO RADIOTERAPIA COMPLEMENTAR: INDICAÇÕES E RESULTADOS CÂNCER DE COLO DE ÚTERO OPERADO RADIOTERAPIA COMPLEMENTAR: INDICAÇÕES E RESULTADOS Hospital Erasto Gaertner Serviço de Radioterapia Sílvia Pecoits Câncer de Colo Uterino 500.000 casos novos no mundo com

Leia mais

Adaptações Celulares. Processos Patológicos Gerais Profa. Adriana Azevedo Prof. Archangelo P. Fernandes Enf./2 o sem

Adaptações Celulares. Processos Patológicos Gerais Profa. Adriana Azevedo Prof. Archangelo P. Fernandes Enf./2 o sem Adaptações Celulares Processos Patológicos Gerais Profa. Adriana Azevedo Prof. Archangelo P. Fernandes Enf./2 o sem Estímulo Lesivo Célula Normal Estresse Fisiológico/ Patógeno Lesão Celular Incapacidade

Leia mais

Endometriose: Diagnóstico e Tratamento

Endometriose: Diagnóstico e Tratamento Endometriose: Diagnóstico e Tratamento Alysson Zanatta Diretor de Comunicação, Associação de Ginecologia e Obstetrícia do Distrito Federal Doutor em Medicina, Faculdade de Medicina da Universidade de São

Leia mais

A Prevenção do retardo mental na Síndrome do X Frágil

A Prevenção do retardo mental na Síndrome do X Frágil LOGO A Prevenção do retardo mental na Síndrome do X Frágil Renata Ríspoli Gatti, Msc. Laboratório de Genética Humana Classificação > 200 CGG ~55 200 CGG Afetados Pré mutação 40 ~55 CGG Zona Gray 6 - ~40

Leia mais

ATIVIDADE DA AROMATASE EM CÉLULAS DA GRANULOSA DE MULHERES COM ENDOMETRIOSE SUBMETIDAS A TÉCNICAS DE REPRODUÇÃO ASSISTIDA

ATIVIDADE DA AROMATASE EM CÉLULAS DA GRANULOSA DE MULHERES COM ENDOMETRIOSE SUBMETIDAS A TÉCNICAS DE REPRODUÇÃO ASSISTIDA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO ATIVIDADE DA AROMATASE EM CÉLULAS DA GRANULOSA DE MULHERES COM ENDOMETRIOSE SUBMETIDAS A TÉCNICAS DE REPRODUÇÃO ASSISTIDA Lauriane Giselle

Leia mais

Sistema reprodutor masculino e feminino: origem, organização geral e histologia

Sistema reprodutor masculino e feminino: origem, organização geral e histologia Sistema reprodutor masculino e feminino: origem, organização geral e histologia CIÊNCIAS MORFOFUNCIONAIS DOS SISTEMAS TEGUMENTAR, LOCOMOTOR E REPRODUTOR Profa. Msc. Ângela Cristina Ito Sistema reprodutor

Leia mais

Quanto mais cedo for feito o diagnóstico de uma determinada doença, maiores serão as probabilidades de tratar a doença e atrasar a sua evolução

Quanto mais cedo for feito o diagnóstico de uma determinada doença, maiores serão as probabilidades de tratar a doença e atrasar a sua evolução Quanto mais cedo for feito o diagnóstico de uma determinada doença, maiores serão as probabilidades de tratar a doença e atrasar a sua evolução É a identificação atempada de uma determinada doença mesmo

Leia mais

Aluna do programa de pós-graduação da FMRP-USP Ribeirão Preto (SP), Brasil 3

Aluna do programa de pós-graduação da FMRP-USP Ribeirão Preto (SP), Brasil 3 REVISÃO SISTEMATIZADA Alternativas de prevenção da síndrome de hiperestimulação ovariana Ovarian hyperstimulation syndrome prevention alternatives Wellington de Paula Martins 1 Carolina Oliveira Nastri

Leia mais

Fatores de risco: O histórico familiar é um importante fator de risco não modificável para o câncer de mama. Mulheres com parentes de primeiro grau

Fatores de risco: O histórico familiar é um importante fator de risco não modificável para o câncer de mama. Mulheres com parentes de primeiro grau Câncer O que é câncer? Câncer é o nome dado a um conjunto de mais de 100 doenças que têm em comum o crescimento desordenado (maligno) de células que invadem os tecidos e órgãos, podendo espalhar-se (metástase)

Leia mais

SÉRGIO PODGAEC. Padrões de resposta imune em pacientes com endometriose

SÉRGIO PODGAEC. Padrões de resposta imune em pacientes com endometriose SÉRGIO PODGAEC Padrões de resposta imune em pacientes com endometriose Tese apresentada à Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo para obtenção do Título de Doutor em Medicina Área de Concentração:

Leia mais