CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO M4 D4 GERÊNCIA DE RISCOS II GUIA DE ESTUDO PARTE I SEGURANÇA DE PROCESSO AULA 50

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO M4 D4 GERÊNCIA DE RISCOS II GUIA DE ESTUDO PARTE I SEGURANÇA DE PROCESSO AULA 50"

Transcrição

1 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO M4 D4 GERÊNCIA DE RISCOS II GUIA DE ESTUDO PARTE I SEGURANÇA DE PROCESSO AULA 50 PROFESSOR AUTOR: ENGª MARIA CRISTINA DOS REIS PROFESSOR TELEPRESENCIAL: MARIA CRISTINA DOS REIS COORDENADOR DE CONTEÚDO: ENG. JOSEVAN URSINE FUDOLI DIRETORA PEDAGÓGICA: MARIA UMBELINA CAIAFA SALGADO 07 DE AGOSTO DE

2 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA: GERÊNCIA DE RISCOS II O desenvolvimento desta disciplina está organizado em três partes, nas quais serão tratados os seguintes conteúdos: Parte I: SEGURANÇA DE PROCESSO Introdução. Segurança Ocupacional e Segurança de Processo. Acidentes de Segurança de Processo. Flixborough UK. Seveso Itália. Bophal Índia. Vila Socó Brasil. Plataforma de Piper Alpha. Outros Acidentes de Segurança de Processo. Custo dos Acidentes de Segurança de Processo. Gestão de Segurança de Processo. Regulamentos Brasil. Occupational Safety and Health Administration (OSHA). Center for Chemical Process Safety CCPS. Indicadores de Segurança de Processo, Indicadores de Segurança. Parte II: dia 14/08/2012 Parte III: dia 21/08/2012 2

3 O calendário atualizado da Disciplina encontra-se no quadro a seguir aulas Guia de Estudo Textos Complementares de Leitura Obrigatória N A implementação de um Sistema de Gestão em Segurança de Processo. Acessar site abaixo: o Lista Exercícios 07 ago Parte I /fullpapers/p doc ago Parte II ago Parte III 52 RECOMENDAMOS! Leia com atenção o Guia de Estudo e os textos complementares, tome notas e organize esquemas que o (a) ajudem a compreender os temas abordados e a pesquisar o assunto com a devida profundidade. Procure assistir a todas as aulas telepresenciais e resolver as Listas de Exercícios nos prazos assinalados. Não deixe para a última hora! OBJETIVOS DA APRENDIZAGEM Após a realização das atividades previstas para a Parte I desta Disciplina, esperamos que você seja capaz de: 1. descrever os graves acidentes de segurança de processo; 2. identificar a segurança ocupacional e a segurança de processo; 3. descrever o custo gerado pelos acidentes de segurança de processo; 4. identificar os indicadores de segurança de processo; 5. descrever o sistema de gestão de segurança de processo. 3

4 ÍNDICE Introdução Segurança Ocupacional e Segurança de Processo Acidentes de Segurança de Processo Flixborough UK Seveso Itália Bophal Índia Vila Socó Brasil Plataforma de Piper Alpha Outros Acidentes de Segurança de Processo Custo dos Acidentes de Segurança de Processo Gestão de Segurança de Processo Regulamentos Brasil Occupational Safety and Health Administration (OSHA) Center for Chemical Process Safety CCPS Indicadores de Segurança de Processo Referências bibliográficas

5 PARTE I: SEGURANÇA DE PROCESSO Maria Cristina Dias dos Reis 1 1. Introdução Os últimos grandes acidentes ocorridos recentemente no mundo têm estimulado uma reflexão profunda entre as empresas, agências reguladoras e entidades técnico-científicas sobre suas causas e o que deve ser feito para impedir sua recorrência. Apesar da extensa legislação de segurança e saúde estabelecida nos diversos países em resposta aos acidentes graves ocorridos na década de 70 e 80, contata-se que ainda não é suficiente para prevenir eventos como a explosão da Plataforma Deepwater Horizon seguida do vazamento de petróleo no poço de Macondo, Golfo do México (2010). Depois de um período de melhoria no nível de segurança no trabalho, após a implantação de Sistemas de Gestão de Segurança e Saúde conforme normas como BS 8800, ISO e OHSAS 18001, movimento ocorrido no final da década de 90, os diversos atores sociedade, governo, empresas, associações e profissionais percebem que todo o esforço não foi suficiente para prevenir a ocorrência dos acidentes maiores. No início da implantação do Sistema de Gestão de Segurança, Saúde e Meio Ambiente (SMS), a melhoria do desempenho em SMS era representada pelo gráfico da Fig.1, com a identificação de três momentos distintos. Fig. 1- Desempenho de SMS no tempo 1 Engenheira Química e de Segurança do Trabalho 5

6 No primeiro momento, as ações se concentraram nos equipamentos, na busca da integridade física das pessoas no trabalho, o que contribuiu para a redução dos acidentes ao longo do tempo. Com a estabilização da melhoria, iniciou-se uma nova fase, caracterizada pela implantação de Sistemas de Gestão. No Brasil, esta fase ocorreu no final da década de 90 e início dos anos 2000, com um número grande de empresas buscando a certificação de seu Sistema de Gestão de SMS. Identificou-se que manter a integridade dos equipamentos e a implantação de um Sistema de Gestão contribuiu para melhorar o desempenho, mas também não era suficiente. Inicia-se então o terceiro movimento representado na Fig.1, com a busca da mudança do comportamento. Técnicas de observação comportamental são introduzidas e, através da mudança da atitude de cada um, esperava-se mudar a cultura e atingir níveis melhores no desempenho de SMS, com a redução dos acidentes a patamares nunca antes atingidos. Vale ressaltar que este movimento ocorreu em todo o mundo e, como todo modelo, conseguiu explicar a realidade até que os fatos demonstraram que não era mais suficiente. Quais foram esses fatos? O acidente da Refinaria de Texas City, da British Petroleum - BP, ocorrido em 23 de março de 2005, foi um dos primeiros alertas. A BP era reconhecida mundialmente por seu desempenho em segurança, tinha um sistema de gestão de SMS implantado, recebia diversos prêmios na área de Segurança concedidos pela Occupational Safety and Health Agency OSHA, USA. Seus resultados de segurança eram utilizados como referenciais para fins de benchmarking por grandes empresas mundiais. A investigação das causas do acidente da refinaria de Texas City indicou lacunas no modelo de gestão de segurança praticado pela BP e por muitas outras empresas nos Estados Unidos e no mundo. Dentre as principais lacunas apontadas em diversos relatórios podemos citar o não entendimento claro das diferenças entre segurança ocupacional e segurança de processo, o uso inadequado do indicador de taxa de frequência de acidentes pessoais como indicativo do estágio de segurança das empresas e a inexistência de indicadores específicos para segurança de processo. 6

7 A única coisa boa de um acidente é o aprendizado que pode ele pode trazer. Os acidentes da Refinaria de Texas City e o acidente de Macondo, Golfo do México estão servindo como ponto de mutação no conhecimento técnico-científico da disciplina Segurança e estão contribuindo para aprimorar os mecanismos de gestão de SMS em todo o mundo. 2. Segurança Ocupacional e Segurança de Processo: duas disciplinas distintas Entende-se como segurança ocupacional as ações implementadas para evitar a ocorrência de eventos que tenham potencial para causar dano (lesão) ao trabalhador. Já segurança de processo, tem como objetivo desenvolver e implementar ações para prevenir a perda de contenção primária de produto químico que esteja sendo processado. Ocorrendo perda de contenção poderá haver ou não consequências, como incêndio, explosão, intoxicação, danos às pessoas etc. O CSB (Chemical Safety Board) apresenta, na tabela abaixo, as principais diferenças entre os dois temas da segurança. Segurança Ocupacional Segurança de Processo Escopo Lesões pessoais. Sistemas técnicos e organizacionais complexos. Prevenção Procedimentos, treinamentos, EPI. Projeto, integridade mecânica, avaliação de riscos, gestão de mudanças. Risco Queda, escorregão, Incidentes com potencial impacto contra etc. catastrófico. Principais atores Supervisores e força de trabalho. Gerentes, Engenheiros, Pessoal de Operação. Indicadores TFCA, TFSA, TG, Perda de contenção, atendimento Auditoria das recomendações do estudo de Comportamental. risco. Não existe uma definição consolidada de Segurança de Processo. Com base na literatura disponível, podemos definir como Segurança de Processo: Integração do gerenciamento da integridade de sistemas operacionais, processos e manutenção de instalações, que tem o objetivo de impedir a perda de contenção de hidrocarbonetos ou outros produtos químicos ou perigosos, devido ao seu potencial de gerar efeitos tóxicos, incêndio, sobre pressão ou explosão que podem resultar em lesões pessoais, danos materiais, perda de produção ou impacto ambiental. 7

8 Tradicionalmente, utilizam-se como indicadores de segurança a Taxa de Frequência de Acidentados com Afastamento (TFCA), a Taxa de Frequência de Acidentados sem Afastamento (TFSA) e a Taxa de Gravidade (TG). Estes indicadores se referem a eventos imprevistos e indesejados que resultaram em uma consequência lesão ao trabalhador. Caso o evento tenha resultado em outras consequências, como por exemplo, dano ao patrimônio, impacto ambiental ou apenas perda de contenção de produto químico perigoso, não será computado nos indicadores de segurança e portanto, não será monitorado, acompanhado e analisado criticamente pelo Sistema de Gestão de SMS. A investigação do acidente da Refinaria de Texas City mostrou a inexistência de indicadores de segurança de processo e que estavam sendo utilizados indicadores inadequados. Similarmente à Segurança Ocupacional que utiliza a Pirâmide de Acidentes para monitorar a sequência de eventos que pode levar a uma fatalidade (Fig. 2), fazse necessário implantar uma pirâmide equivalente para monitorar os eventos relacionados com segurança de processo. Fig. 2 Pirâmide de Acidentes 8

9 O topo da pirâmide na face de Segurança de Processo é representado pelos eventos catastróficos, que possuem baixa frequência, mas quando ocorrem, as consequências podem ser muito graves. Esses eventos são denominados pela Organização Internacional do Trabalho OIT, como Acidentes Maiores, tratados pela Convenção Prevenção de Acidentes Industriais Maiores que foi ratificada pelo Brasil. A expressão "acidente maior" é definida na Convenção 174 como todo evento subitâneo, como emissão, incêndio ou explosão de grande magnitude, no curso de uma atividade em instalação sujeita a riscos de acidentes maiores, envolvendo uma ou mais substâncias perigosas e que implica grave perigo, imediato ou retardado, para os trabalhadores, a população ou o meio ambiente. A Convenção 174 da OIT aplica-se a instalações sujeitas a riscos de acidentes maiores, exceto: instalações nucleares e usinas que processem substâncias radioativas, à exceção dos setores dessas instalações nos quais se manipulam substâncias não radioativas; instalações militares; transporte fora da instalação distinto do transporte por tubulações. 3. Acidentes de segurança de processo As estatísticas de acidentes com lesão às pessoas (ocupacionais) demonstram que nos últimos anos houve redução significativa do número de eventos e na sua gravidade. No entanto, o mesmo não ocorre com os acidentes de Segurança de Processo. Com consequências muito graves, esses eventos continuam ocorrendo e a sociedade reage emitindo novos regulamentos e aumentando a demanda por melhorias na Gestão de Riscos Flixborough UK 1974 Aproximadamente às 17 horas do dia 01/06/1974, ocorreu uma explosão na planta de produção de caprolactama da fábrica Nypro Ltda., situada em Flixborough. A explosão ocorreu devido ao vazamento de ciclohexano, causado pelo rompimento de uma tubulação temporária instalada como by-pass devido à 9

10 remoção de um reator para a realização de serviços de manutenção. O vazamento formou uma nuvem de vapor inflamável que entrou em ignição, resultando numa violenta explosão seguida de um incêndio que destruiu a planta industrial. A ruptura da tubulação de 20 polegadas foi atribuída a um projeto mal elaborado, uma vez que a estrutura instalada para a sustentação do duto não suportou a sua movimentação, em função da pressão e da vibração a que o tubo foi submetido durante a operação. Estimou-se que cerca de 30 toneladas de ciclohexano vazaram, formando rapidamente uma nuvem de vapor inflamável, a qual encontrou uma fonte de ignição entre 30 e 90 segundos após o início do vazamento. Os efeitos da sobrepressão ocorrida foram estimados como sendo equivalentes à explosão de uma massa variando entre 15 e 45 toneladas de TNT. Ocorreram danos catastróficos nas edificações próximas, situadas ao redor de 25 metros do centro da explosão. Além da destruição da planta, em função do incêndio ocorrido, 28 pessoas morreram e 36 foram gravemente feridas. Ocorreram ainda impactos nas vilas situadas nas proximidades da planta, afetando residências e 167 estabelecimentos comerciais. Assista ao vídeo Flixborough O erro disponível no endereço: e veja a sequência dos eventos e as causas do acidente Seveso Itália Por volta das 12h30 do dia 10/06/1976, numa planta industrial situada em Seveso, uma província de Milão, ocorreu a ruptura do disco de segurança de um reator, que resultou na emissão para a atmosfera de uma grande nuvem tóxica. O reator fazia parte do processo de fabricação de TCP (triclorofenol) e a nuvem tóxica formada continha vários componentes entre eles o próprio TCP, etilenoglicol e 2, 3, 7, 8-tetraclorodibenzoparadioxina (TCDD). A nuvem se espalhou numa grande área, contaminando pessoas, animais e o solo na vizinhança da unidade industrial. A planta operava em regime de batelada e, no momento do acidente, encontrava-se paralisada para o final de semana. No entanto, o reator continha 10

11 material a uma elevada temperatura. Provavelmente, a presença de etilenoglicol com hidróxido de sódio causou uma reação exotérmica descontrolada, fazendo com que a pressão interna do vaso excedesse a pressão de ruptura do disco de segurança, causando a emissão. A reação ocorrida, associada a uma temperatura entre 400 e 500 ºC, contribuiu para a formação do TCDD. O reator não possuía um sistema automático de resfriamento e como a fábrica se encontrava com poucos funcionários, já que paralisaria suas operações no final de semana, não foram desencadeadas ações de resfriamento manual do reator para minimizar a reação ocorrida. Desta forma, a emissão ocorreu durante cerca de 20 minutos, até que um operador conseguisse paralisar o vazamento. Toda a vegetação nas proximidades da planta morreu de imediato devido ao contato com compostos clorados. No total, hectares foram afetados. A região denominada Zona A, com uma área de 108 hectares possuía uma alta concentração da dioxina TCDD (240 µg/m²). Foram evacuadas 736 pessoas da região, sendo que 511 retornaram para as suas casas no final de 1977, mas as que moravam na Zona A perderam suas residências, em função do nível de contaminação ainda existente naquela área, a qual permaneceu isolada por muitos anos. Toda a vegetação e solo contaminados foram removidos e as edificações tiveram que ser descontaminadas. Os custos estimados na operação de evacuação das pessoas e na remediação das áreas contaminadas foram da ordem de US$ 10 milhões. Os efeitos imediatos à saúde das pessoas se limitaram ao surgimento de 193 casos de cloroacne (doença de pele atribuída ao contato com a dioxina). Os efeitos sobre a saúde, de longo prazo, ainda são monitorados. Em função do acidente de Seveso, a Comunidade Europeia publicou a Diretiva de Sevedo (82/501/CEE), com o objetivo de prevenir a ocorrência de acidentes maiores (graves) devido a certas atividades industriais, com regulamentos mais rígidos. A Diretiva de Seveso foi atualizada em 1999 e complementada em 2005 e é atualmente conhecida como Diretiva de Seveso II (ou Regulamentos COMAH no Reino Unido). 11

12 3.3. Bophal Índia Na madrugada de 03/12/1984, uma nuvem tóxica de isocianato de metila causou a morte de milhares de pessoas na cidade de Bhopal, a capital de Madya- Pradesh, na Índia central. A emissão foi causada por uma planta do complexo industrial da Union Carbide situada nos arredores da cidade, onde existiam vários bairros marginais. O isocianato de metila é um produto utilizado na síntese de produtos inseticidas, comercialmente conhecidos como Sevin e Temik, da família dos carbamatos, utilizados como substitutos de praguicidas organoclorados, como o DDT. Em condições normais, o isocianato de metila é líquido à temperatura de 0º C e pressão de 2,4 bar. Na noite do acidente, a pressão dos tanques de armazenamento se elevou mais de 14 bar e a temperatura dos reservatórios se aproximou de 200º C. A causa provável do aumento da pressão e da temperatura foi atribuída à entrada de água num dos tanques, causando uma reação altamente exotérmica. Os vapores emitidos deveriam ter sido neutralizados em torres de depuração; porém, como uma dessas torres se encontrava desativada, o sistema não funcionou possibilitando assim a liberação do produto para a atmosfera. Estima-se que ocorreram por volta de mortes e cerca de pessoas intoxicadas, caracterizando, assim, a maior catástrofe da indústria química. Assista ao vídeo sobre o acidente disponível no endereço: e veja a sequência dos eventos e as causas do acidente Vila Socó Brasil Por volta das 22h30 do dia 24/02/1984 moradores da Vila Socó (atual Vila São José), Cubatão/SP, perceberam o vazamento de gasolina em um dos oleodutos da Petrobrás que ligava a Refinaria Presidente Bernardes ao Terminal de Alemoa. 12

13 A tubulação passava em região alagadiça, em frente à vila constituída por palafitas. Na noite do dia 24, um operador alinhou inadequadamente e iniciou a transferência de gasolina para uma tubulação (falha operacional) que se encontrava fechada, gerando sobrepressão e ruptura da mesma, espalhando cerca de 700 mil litros de gasolina pelo mangue. Muitos moradores visando conseguir algum dinheiro com a venda de combustível, coletaram e armazenaram parte do produto vazado em suas residências. Com a movimentação das marés o produto inflamável espalhou-se pela região alagada e cerca de 2 horas após o vazamento, aconteceu a ignição seguida de incêndio. O fogo se alastrou por toda a área alagadiça superficialmente coberta pela gasolina, incendiando as palafitas. O número oficial de mortos é de 93, porém algumas fontes citam um número extraoficial superior a 500 vítimas fatais (baseado no número de alunos que deixou de comparecer à escola e a morte de famílias inteiras sem que ninguém reclamasse os corpos), dezenas de feridos e a destruição parcial da vila Plataforma de Piper Alpha 1988 Dia 06 de julho de 1988, um vazamento de condensado de gás natural que se formou sobre a plataforma incendiou-se, causando uma explosão enorme. A explosão iniciou incêndios secundários no óleo, derretendo a tubulação de chegada de gás. O fornecimento de gás causou uma segunda grande explosão que engolfou toda a plataforma. Afirma-se que o desastre foi tão repentino e extremo que uma evacuação tradicional foi impossível, mas há controvérsia a respeito. As pessoas ainda estavam saindo da plataforma após o incêndio e explosão iniciais. O maior problema foi que a maioria do pessoal que tinha autoridade para ordenar a evacuação morreu quando a primeira explosão destruiu a sala de controle. Alguns cálculos indicam que 20% da produção anual de energia do Reino Unido foi consumido na explosão e incêndio. Mas isso foi consequência do projeto deficiente da plataforma, a ausência de paredes corta-fogo, e outros fatores. Outro fator importante foi que a plataforma próxima, Tartan, continuou a bombear gás ao núcleo do fogo até que a tubulação interligando ambas as plataformas rompeu-se devido ao calor. Os operadores de Tartan não tinham autoridade para parar a produção, mesmo vendo ao horizonte que Piper Alpha estava queimando. 13

14 A embarcação de suporte Lowland Cavalier reportou a explosão inicial antes das 22h00, e a segunda explosão 22 minutos depois. Quando os helicópteros civis e militares chegaram ao local, as chamas estavam a mais de 100 metros de altura e visíveis a mais de 100 quilômetros (120 km de Maersk Highlander) impedindo aproximação segura. Tharos, uma embarcação especializada em combate ao fogo, pôde aproximar-se da plataforma mas não pôde evitar sua destruição. Dois tripulantes do Lowland Cavalier morreram quando a explosão da plataforma destruiu seu "barco de resgate rápido" que havia resgatado vários sobreviventes da água. Tharos não pôde bombear água suficiente para aproximar-se da plataforma em chamas até após a ruptura do oleoduto que a interligava à Tartan, cerca de duas horas após o início do desastre. Somente quando a plataforma de Tartan parou de bombear óleo, a embarcação Tharos pôde aproximar-se, mas não conseguiu resgatar ninguém. O fogo foi depois extinto pelo navio Red Adair que enfrentou ventos de 80 milhas por hora e ondas de 70 pés. Uma análise dos eventos revela muitos pontos que deram errado, uma sequência de erros que contribuíram para a magnitude do desastre. Na seqüência, analisam-se os principais: a) Sistema de ordem de serviço arcaico e não seguido à risca O evento que iniciou a catástrofe foi a tentativa do turno da noite de ligar a bomba reserva, que estava inoperante por estar em manutenção. O pessoal do turno da noite desconhecia que essa bomba estava em manutenção, por não haver encontrado a ordem de serviço correspondente. Numa instalação industrial, o conhecimento das ordens de serviço em andamento é crucial para o andamento do processo produtivo e para a segurança. b) Sistema dilúvio antiincêndio não funcionou O sistema dilúvio coletava a água do mar para o sistema abaixo da plataforma, próxima do local onde os mergulhadores tinham que trabalhar em algumas etapas de perfuração. Para segurança dos mergulhadores, o sistema de coleta de água era colocado em manual cada vez que havia trabalho com mergulho nas proximidades, para evitar que os mergulhadores fossem sugados pelas bombas. Com o tempo, os procedimentos foram relaxados e o sistema passou a ser deixado em manual 14

15 sempre, independente de haver ou não trabalho de mergulho nas proximidades. Máxima segurança para os mergulhadores, fatal para a plataforma e para outras 167 pessoas, pois, quando o sistema foi necessário, estava inoperante. c) Rota de fuga As rotas de fuga não eram perfeitamente conhecidas e as pessoas não encontraram o caminho até os barcos salva-vidas e saltaram no mar. d) Áreas seguras Ao contrário do que pensavam as pessoas, os alojamentos não eram à prova de fumaça e chamas. A maior parte dos 167 vítimas morreu sufocada na área dos alojamentos. e) Treinamento Embora houvesse um plano de abandono, três anos haviam se passado sem que as pessoas recebessem treinamento nesses procedimentos. Planos de Ação de Emergência são inúteis, se existem apenas no papel e as pessoas não tomam conhecimento dele. f) Paredes corta-fogo As paredes corta-fogo em Piper poderiam ter parado a expansão de um fogo comum. Elas não foram construídas para resistir à explosão. A explosão inicial as derrubou, e o fogo subseqüente se espalhou desimpedido, quando poderia ter sido contido se as paredes corta-fogo tivessem também resistido à explosão. Estações mais novas têm paredes de explosão que evitariam uma repetição das fases iniciais do desastre de Piper. g) Auditorias A Occidental Petroleum tinha auditorias de segurança regulares em suas instalações. Estas auditorias não foram bem executadas. Poucos, ou mesmo nenhum problema, eram levantados, embora houvesse assuntos sérios como corrosão de tubos e cabeças de sistema dilúvio e muitos outros problemas. Quando um problema sério era encontrado, às vezes era simplesmente ignorado. Por exemplo, cerca de um ano antes, quando os dutos de gás queimaram e desligaram 15

16 a estação, uma auditoria independente, cujo propósito era identificar os principais perigos de incêndio, corretamente identificou o perigo e declarou que se eles explodissem, nada poderia salvar a estação. A auditoria recomendou instalar sistemas de segurança específicos para protegê-los. Na reunião de diretoria que revisou o relatório, nunca foram mencionados os dutos de gás. Foram muitas as mudanças ocorridas após este acidente. Elas incluíram: a) Melhoria nos sistemas de gestão de ordens de serviço. b) Relocação de algumas válvulas de desligamento de emergência de oleodutos e gasodutos. c) Instalação de sistemas de isolamento de oleodutos e gasodutos submarinos. d) Mitigação de riscos de fumaça. e) Melhorias nos sistemas de evacuação e escape. f) Início de análises formais de segurança. A indústria investiu aproximadamente um bilhão de libras nestes e em outros itens de segurança, antes que o relatório oficial conduzido por Lord Cullem fosse emitido. Análises de Riscos passaram a ser obrigatórias para todas as atividades. O processo de elaboração de análise de riscos é, em si, um forte fator de segurança, pois obriga a todos a pensarem em tudo o que poderia dar errado e a buscar formas seguras de fazer o trabalho. Após o acidente de Piper Alpha, o Health and Safety Executive publicou, em 1992, o Regulamento Instalações Marítimas (Safety Case) UK HSE Para saber mais sobre o acidente e suas causas, veja o filme no endereço: Outros Acidentes de Segurança de Processo Os acidentes da Refinaria de Texas City (2005) e o do campo de Macondo, Golfo do México (2010) estão influenciando até hoje o desenvolvimento de novos regulamentos, conhecimentos técnicos, mudanças de paradigmas e 16

17 desenvolvimento de novas competências. Como a única coisa boa de um acidente é o aprendizado, todo o mundo está discutindo, refletindo sobre os acidentes e realizando a abrangência das recomendações. 4. Custo dos Acidentes de Segurança de Processo Os acidentes de Segurança de Processo podem ter tamanha magnitude que podem inviabilizar a continuidade do negócio de uma empresa. O acidente da Refinaria de Texas City, além de causar a morte de 15 pessoas e 170 feridos, teve um prejuízo acima de 2 bilhões de dólares. No dia do acidente da plataforma Deepwater Horizon, 20 de abril de 2010, o valor da ação da BP na Bolsa de Nova York era de US$ 60,48. No dia 5 de julho a ação era negociada ao valor de US$ 29,35. Quando a BP encerrou os trabalhos de blindagem do poço que vazou no Golfo do México, a empresa tinha perdido US$ 142 bilhões só em valor de mercado em bolsa. O custo com o acidente foi superior a 19 bilhões de dólares. Além do custo financeiro, as empresas estão expostas ao olhar da mídia que expõe a imagem da empresa causando prejuízos associados, como ocorreu com a Chevron durante a ocorrência do vazamento de óleo em um poço na Bacia de Campos, e com o navio da Vale. 5. Gestão de Segurança de Processo 5.1. Regulamentos Brasil A legislação brasileira de Segurança e Saúde no Trabalho, Capítulo V da Consolidação das Leis do Trabalho e Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho está focada em Segurança Ocupacional, com poucos itens relacionados com Segurança de Processo. A Agência Nacional de Petróleo ANP é o órgão regulador das atividades da indústria do petróleo e gás natural e da indústria dos biocombustíveis no Brasil. Dentre suas atribuições encontra-se a de regulamentar e fiscalizar as questões de Segurança Operacional, que inclui aspectos de Segurança de Processo (perda de contenção). 17

18 Após o acidente da P-36, a ANP realizou um estudo de benchmarking com as Agências Reguladoras de outros países, especialmente Estados Unidos, Noruega e Reino Unido, para definir seu modelo de Gestão de Segurança Operacional. Através da Resolução No. 42/2007, a ANP estabeleceu o Sistema de Gerenciamento de Segurança Operacional (SGSO), com abrangência para as atividades marítimas de exploração e produção: perfuração, completação e restauração de poços, produção de petróleo e gás natural, processamento primário de petróleo, armazenamento e transferência de petróleo e compressão e transferência de gás natural. O SGSO tem como objetivo estabelecer os requisitos e as diretrizes para implementação e operação de um sistema de gerenciamento de segurança, por meio da adoção de práticas de gestão. As empresas não precisam alterar o seu Sistema de Gestão de Segurança, mas estabelecer a correlação entre os elementos de seu Sistema e os requisitos das práticas de gestão do SGSO. Periodicamente a ANP realiza auditorias de conformidade, nas quais verificam o cumprimento das práticas de gestão estabelecidas no SGSO. O SGSO é composto por 17 práticas de gestão divididas em três categorias: Práticas de gestão relativas à liderança, pessoal e gestão Prática de Gestão nº 1: Cultura de Segurança, Compromisso e Responsabilidade Gerencial; Prática de Gestão nº 2: Envolvimento do Pessoal; Prática de Gestão nº 3: Qualificação, Treinamento e Desempenho do Pessoal; Prática de Gestão nº 4: Ambiente de Trabalho e Fatores Humanos; Prática de Gestão nº 5: Seleção, Controle e Gerenciamento de Contratadas; Prática de Gestão nº 6: Monitoramento e Melhoria Contínua do Desempenho; Prática de Gestão nº 7: Auditorias; Prática de Gestão nº 8: Gestão da Informação e da Documentação; e Prática de Gestão nº 9: Investigação de Incidentes. 18

19 Práticas de gestão relativas a instalações e tecnologia Prática de Gestão nº 10: Projeto, Construção, Instalação e Desativação; Prática de Gestão nº 11: Elementos Críticos de Segurança Operacional; Prática de Gestão nº 12: Identificação e Análise de Riscos; Prática de Gestão nº 13: Integridade Mecânica Prática de Gestão nº 14: Planejamento e Gerenciamento de Grandes Emergências. Práticas de gestão relativas a práticas operacionais Prática de Gestão nº 15: Procedimentos Operacionais; Prática de Gestão nº 16: Gerenciamento de Mudanças; e Prática de Gestão nº 17: Práticas de Trabalho Seguro e Procedimentos de Controle em Atividades Especiais. Em 2010, a ANP publicou a Resolução nº 2 - Regulamento Técnico do Sistema de Gerenciamento da Integridade estrutural (SGI) das Instalações Terrestres de Produção de Petróleo e Gás Natural. Encontra-se em elaboração o Regime de Segurança Operacional (SGSO) para as Refinarias de Petróleo, que é bastante similar ao SGSO - atividades marítimas, com a mesma estrutura e com 16 Práticas de Gestão. Foi excluída a Prática relativa a Projeto, Construção, Instalação e Desativação que constava no SGSOoffshore. Esta proposta de regulamento já foi apresentada em audiência pública realizada em 3/7/12, quando foram discutidas a Minuta de Resolução que estabelece o Regime de Segurança Operacional para as Refinarias de Petróleo e a Minuta do Regulamento Técnico do Sistema de Gerenciamento da Segurança Operacional de Refinarias de Petróleo Regulamento - Occupational Safety and Health Administration (OSHA USA) 19

20 Conhecido como PSM Process Safety Management, a legislação americana estabelecida em 1992, é composta por 14 requisitos: 1. Participação dos Empregados 2. Informação sobre Seg. Proc. 3. Análise dos Perigos de Processo 4. Procedimentos Operacionais 5. Treinamento 6. Contratadas 7. Revisão Seg. pré-operacional 8. Integridade Mecânica 9. Permissão para Trabalho a quente 10. Gerenciamento de mudanças 11. Investigação de incidentes 12. Planejamento de emergência 13. Auditoria 14. Confidencialidade 5.3. Center for Chemical Process Safety - CCPS O CCPS foi criado pela American Institute of Chemical Engineers (AIChe) em 1985, após o acidente de Bhopal, na Índia, com o objetivo de contribuir para a evolução da segurança de processo nas indústrias químicas, farmacêuticas e de petróleo. O CCPS reúne empresas do ramo, agências governamentais, consultores e acadêmicos. O Sistema de Gestão de Segurança de Processo proposto pelo CCPS é composto de 20 elementos, estruturados em torno de 4 blocos: Comprometimento com Segurança de Processo, Entendimento de Perigos e Riscos, Gestão de Riscos e Aprendizado com a Experiência (Fig. 3) 20

21 Fig. 3 Gestão de Segurança de Processo - CCPS 6. Indicadores de Segurança de Processo O que não se mede, não se gerencia. (Anônimo) Indicadores são fundamentais para se gerenciar. A existência de indicadores específicos pode contribuir significativamente para a melhoria da Gestão de Segurança de Processo, desde que sejam adequados no escopo e no nível de detalhamento. Propósitos de Indicadores de Segurança de Processo: Alertar que uma ou mais barreiras se deterioraram; Propiciar aos gestores uma visão acerca da efetividade dos controles dos riscos de processo; Comparar desempenho entre instalações ou companhias. Atualmente o tema Indicadores de Performance de Segurança está sendo muito debatido em âmbito internacional. Recentemente 23 e 24 de julho de o Chemical Safety Board - CSB realizou uma audiência pública (www.csb.gov) que contou a participação de representantes de diversos órgãos reguladores de outros países, sindicatos, consultores, empresas e associações. Nos últimos anos, foram publicados diversos guias de orientação para o estabelecimento de indicadores, mas considerando a discussão ocorrida em julho 21

Gerenciamento de Riscos Ambientais Aula 2

Gerenciamento de Riscos Ambientais Aula 2 Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão, Auditoria e Perícia Ambiental Gerenciamento de Riscos Ambientais Aula 2 Alexandre Martins Fernandes afernandes@cena.usp.br Sorocaba Agosto 2010 Histórico

Leia mais

DÉCADA DE 80, DEVIDO A GRANDES ACIDENTES, PREOCUPAÇÃO MUNDIAL BRASIL, 1984, PREOCUPAÇÃO GEROU ÊNFASE APÓS ROMPIMENTO DE DUTO, SEGUIDO DE

DÉCADA DE 80, DEVIDO A GRANDES ACIDENTES, PREOCUPAÇÃO MUNDIAL BRASIL, 1984, PREOCUPAÇÃO GEROU ÊNFASE APÓS ROMPIMENTO DE DUTO, SEGUIDO DE DÉCADA DE 80, DEVIDO A GRANDES ACIDENTES, PREOCUPAÇÃO MUNDIAL BRASIL, 1984, PREOCUPAÇÃO GEROU ÊNFASE APÓS ROMPIMENTO DE DUTO, SEGUIDO DE INCÊNDIO, CAUSANDO CERCA DE 500 VÍTIMA, 93 FATAIS. VILA SOCÓ CUBATÃO

Leia mais

Grandes Acidentes Industriais Mundiais Convenção 174 da OIT

Grandes Acidentes Industriais Mundiais Convenção 174 da OIT Grandes Acidentes Industriais Mundiais Convenção 174 da OIT Eng. Nelson Agostinho Burille - Presidente Associação Nacional de Engenharia de Segurança do Trabalho 3 o Seminário Nacional de Segurança e Saúde

Leia mais

Curso de formação: Análise de Risco, Segurança Operacional e Confiabilidade

Curso de formação: Análise de Risco, Segurança Operacional e Confiabilidade CETESB Companhia Ambiental do Estado de São Paulo FDTE Fundação para o Desenvolvimento Tecnológico da Engenharia LabRisco Laboratório de Análise, Avaliação e Gerenciamento de Risco da USP Curso de formação:

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos Introdução Crescimento industrial das últimas décadas Industrias maiores e mais complexas Acidentes industriais Investir na prevenção Histórico Engenharia de Confiabilidade - Análise

Leia mais

Detalhes disponíveis até agora

Detalhes disponíveis até agora Explosão na BP AMOCO em março 2005 15 MORTOS 100 FERIDOS 30 PÚBLICO FERIDOS 8 EM CONDIÇÕES CRÍTICAS Detalhes disponíveis até agora Localizada em Texas City, cerca de 56 km sudoeste de Houston. A refinaria

Leia mais

FLIXBOROUGH 25 ANOS. P. E. Pascon

FLIXBOROUGH 25 ANOS. P. E. Pascon FLIXBOROUGH 25 ANOS P. E. Pascon Flixborough é um nome bastante conhecido para os profissionais da indústria química. Representa uma linha divisória na filosofia de segurança aplicada pelo setor. O inquérito

Leia mais

Prof. Kerley Oliveira professorkerley@yahoo.com.br. GrupoKerley.webnode.com.br

Prof. Kerley Oliveira professorkerley@yahoo.com.br. GrupoKerley.webnode.com.br Prof. Kerley Oliveira professorkerley@yahoo.com.br GrupoKerley.webnode.com.br 29/07/2011 CAS 141-78-6 1 tanque de 65m 3 Distância segura 26,5 metros 30 m 15 m 25 m 40 m Acidentes Ambientais O Despertar

Leia mais

Avaliação e Gestão de Riscos Industriais Refinaria Gabriel Passos REGAP

Avaliação e Gestão de Riscos Industriais Refinaria Gabriel Passos REGAP Avaliação e Gestão de Riscos Industriais Refinaria Gabriel Passos REGAP - João Eustáquio Beraldo Teixeira Engenheiro de Segurança do Trabalho - Marcos José Jeber Jardim Gerente de Segurança. Meio Ambiente

Leia mais

UMA REVISÃO SOBRE OS PROGRAMAS DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE PROCESSO

UMA REVISÃO SOBRE OS PROGRAMAS DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE PROCESSO UMA REVISÃO SOBRE OS PROGRAMAS DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE PROCESSO Autor: Elisio Carvalho Silva Data: 08/11/2010 INTRODUÇÃO As décadas de 70 a 90 foram marcadas por grandes acidentes na indústria química,

Leia mais

Guia de Análise de Vulnerabilidades e Medidas de Proteção

Guia de Análise de Vulnerabilidades e Medidas de Proteção Guia de Análise de Vulnerabilidades e Medidas de Proteção Ênio Viterbo Jr. (Bayer) Coordenador da Comissão de Proteção Empresarial César Garcia (neologos)) Consultor Guias de Proteção da Abiquim Guia de

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA OPERACIONAL DAS INSTALAÇÕES MARÍTIMAS DE PERFURAÇÃO E PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL

REGULAMENTO TÉCNICO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA OPERACIONAL DAS INSTALAÇÕES MARÍTIMAS DE PERFURAÇÃO E PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL REGULAMENTO TÉCNICO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA OPERACIONAL DAS INSTALAÇÕES MARÍTIMAS DE PERFURAÇÃO E PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL ÍNDICE CAPÍTULO 1 DISPOSIÇÕES GERAIS 1 OBJETIVO...

Leia mais

OS 10 MAIORES DESASTRES AMBIENTAIS

OS 10 MAIORES DESASTRES AMBIENTAIS OS 10 MAIORES DESASTRES AMBIENTAIS 10 Three Mile Island Conhecido como Pesadelo Nuclear o desastre ocorreu em 9 de abril de 1979. O reator da usina nuclear Three Mile Island na Pensilvânia passou por uma

Leia mais

TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS NA COMGAS AGOSTO/02

TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS NA COMGAS AGOSTO/02 TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS NA COMGAS AGOSTO/02 Sistema de Gerenciamento de SSM na Comgás Liderança e Comprometimento Política e Objetivos Estratégicos Organização, Responsabilidades, Recursos, Padrões

Leia mais

ANÁLISE DE RISCO AMBIENTAL

ANÁLISE DE RISCO AMBIENTAL ANÁLISE DE RISCO AMBIENTAL Wanderley Feliciano Filho CRQ IV- Novembro/ 006 Conceito Constituicional Artigo Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial

Leia mais

Nuvem de Vapor Inflamável: Prevenção, Detecção e Mitigação

Nuvem de Vapor Inflamável: Prevenção, Detecção e Mitigação Nuvem de Vapor Inflamável: Prevenção, Detecção e Mitigação Nuvem de Vapor Inflamável: Prevenção, Detecção e Mitigação INTRODUÇÃO A nuvem de vapor é um dos maiores perigos nas áreas produtivas onde ocorrem

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA INTEGRIDADE ESTRUTURAL DAS INSTALAÇÕES TERRESTRES DE PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL (RTSGI)

REGULAMENTO TÉCNICO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA INTEGRIDADE ESTRUTURAL DAS INSTALAÇÕES TERRESTRES DE PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL (RTSGI) REGULAMENTO TÉCNICO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA INTEGRIDADE ESTRUTURAL DAS INSTALAÇÕES TERRESTRES DE PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL (RTSGI) ÍNDICE CAPÍTULO 1 DISPOSIÇÕES GERAIS 1. Introdução...

Leia mais

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais.

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. RESOLUÇÃO Nº 306, DE 5 DE JULHO DE 2002 Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências

Leia mais

SAÚDE E SEGURANÇA QUALIDADE DE VIDA CIPA 5 S SUSTENTABILIDADE SMS RESPONSABILIDA DE SOCIAL

SAÚDE E SEGURANÇA QUALIDADE DE VIDA CIPA 5 S SUSTENTABILIDADE SMS RESPONSABILIDA DE SOCIAL SAÚDE E SEGURANÇA QUALIDADE DE VIDA CIPA 5 S SUSTENTABILIDADE SMS RESPONSABILIDA DE SOCIAL Para REFLEXÃO Exemplo de aspectos ambientais significativos Descarga de efluentes líquidos Disposição de

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

TREINAMENTO INTEGRAÇÃO MÓDULO 2 1 - CONCEITOS PERIGOS, RISCOS E MEDIDAS DE CONTROLE 2 CONCEITO DE SEGURANÇA DO TRABALHO

TREINAMENTO INTEGRAÇÃO MÓDULO 2 1 - CONCEITOS PERIGOS, RISCOS E MEDIDAS DE CONTROLE 2 CONCEITO DE SEGURANÇA DO TRABALHO MÓDULO 2 1 - CONCEITOS PERIGOS, RISCOS E MEDIDAS DE CONTROLE 2 CONCEITO DE SEGURANÇA DO TRABALHO 3 ACIDENTE DO TRABALHO 4 SITUAÇÕES ANORMAIS NO INTERIOR DA UO 1 - Conceito de Perigo, Risco É a fonte ou

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) A CONCERT Technologies S.A. prioriza a segurança de seus Colaboradores, Fornecedores,

Leia mais

EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA NAS ORGANIZAÇÕES O CASO MRN

EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA NAS ORGANIZAÇÕES O CASO MRN EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA NAS ORGANIZAÇÕES O CASO MRN INTRODUÇÃO O objetivo deste estudo é mostrar a influência da qualidade da gestão comportamental no ambiente de trabalho

Leia mais

1 e 2... devem contemplar no Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, além dos requisitos previstos na Norma Regulamentadora n.

1 e 2... devem contemplar no Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, além dos requisitos previstos na Norma Regulamentadora n. ANEXO I da NR-20 1 e 2.... devem contemplar no Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, além dos requisitos previstos na Norma Regulamentadora n.º 9: a) o inventário e características dos inflamáveis

Leia mais

AULA 2 A CONTABILIDADE E O MEIO AMBIENTE. Professor: ALAN Coordenador: Prof. LAÉRCIO

AULA 2 A CONTABILIDADE E O MEIO AMBIENTE. Professor: ALAN Coordenador: Prof. LAÉRCIO Professor: ALAN Coordenador: Prof. LAÉRCIO 1 2 1. Conceituar a Contabilidade Ambiental; 2. Definir Meio Ambiente 3. Citar as finalidades da Contabilidade Ambiental; 4. Conhecer a evolução histórica; 3

Leia mais

SISTEMA BACIA DE CONTENÇÃO (BACON) RHODIA POLIAMIDA E ESPECIALIDADES USINA QUÍMICA DE PAULÍNIA - NOV/07

SISTEMA BACIA DE CONTENÇÃO (BACON) RHODIA POLIAMIDA E ESPECIALIDADES USINA QUÍMICA DE PAULÍNIA - NOV/07 SISTEMA BACIA DE CONTENÇÃO (BACON) RHODIA POLIAMIDA E ESPECIALIDADES USINA QUÍMICA DE PAULÍNIA - NOV/07 1 SISTEMA BACON: OBJETIVO O BACON (BAcia de CONtenção) é um Sistema de Proteção para o Rio Atibaia

Leia mais

II.7.7 - PROGRAMA ESPECÍFICO DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS DO TRABALHADOR

II.7.7 - PROGRAMA ESPECÍFICO DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS DO TRABALHADOR EIA/RIMA para o Desenvolvimento II.7.7 - PROGRAMA ESPECÍFICO DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS DO TRABALHADOR EIA/RIMA para o Desenvolvimento Pág. 1/10 II.7.7 - Programa Específico de A PETROBRAS

Leia mais

MANUSEIO, ACONDICIONAMENTO, ARMAZENAMENTO E TRANSPORTE DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS. Profa. Margarita Maria Dueñas O.

MANUSEIO, ACONDICIONAMENTO, ARMAZENAMENTO E TRANSPORTE DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS. Profa. Margarita Maria Dueñas O. MANUSEIO, ACONDICIONAMENTO, ARMAZENAMENTO E TRANSPORTE DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS Profa. Margarita Maria Dueñas O. RESÍDUOS PERIGOSOS Ponto de geração Destino final FASE INTERNA COLETA ACONDICIONAMENTO FASE

Leia mais

Petróleo e Meio Ambiente

Petróleo e Meio Ambiente Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi Petróleo e Meio Ambiente Curso:Tecnólogo em Gestão Ambiental Professora: Raquel Simas Pereira Teixeira Acidentes na Indústria de Petróleo Acidentes com Plataformas

Leia mais

Desenvolvimento de uma emergência de incêndio

Desenvolvimento de uma emergência de incêndio Desenvolvimento de uma emergência de incêndio Desenvolvimento de uma emergência de incêndio INTRODUÇÃO Ambos a experiência e o bom senso nos dizem que as ações tomadas durante uma emergência são mais eficazes

Leia mais

II.7.7 - Programa de Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS do Trabalhador

II.7.7 - Programa de Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS do Trabalhador 60 / 70 - Programa de Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS do Trabalhador.1 Justificativa A PETROBRAS busca integrar Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS, consolidando os princípios relacionados a estes

Leia mais

Gestão da Segurança e Saúde no. Angela Weber Righi

Gestão da Segurança e Saúde no. Angela Weber Righi Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho Angela Weber Righi LEGISLAÇÃO BRASILEIRA PARA SST Legislação brasileira para SST Consolidação das leis do trabalho (CLT) editada em 01/05/1943 Título II das normas

Leia mais

Fire Prevention STANDARD. LME-12:001905 Upt Rev A

Fire Prevention STANDARD. LME-12:001905 Upt Rev A STANDARD LME-12:001905 Upt Rev A Índice 1 Introdução... 3 2 Requisitos... 3 3 Normas de Operação Segura... 4 3.1 Procedimentos de Evacuação em Incêndio... 4 3.2 Caminhos de Escape Designados... 4 3.3 Pontos

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC) PLANO DE EMERGÊNCIA

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC) PLANO DE EMERGÊNCIA ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC)

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO (GPd)

GESTÃO DA PRODUÇÃO (GPd) GESTÃO DA PRODUÇÃO (GPd) Antonio Keh Chuan Chou Gerente EHS GSC Latin America Sherwin Williams São Paulo, 22 de agosto de 2013 workshop AGENDA workshop Saúde Ocupacional e Segurança do Trabalho Operações

Leia mais

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001.

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL ASPECTOS GERAIS Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. Histórico: Normas e Gestão SSO BS 8800 Instituto Britânico

Leia mais

PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RISCO

PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RISCO 1. Introdução PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RISCO Por Edson Haddad Os estudos de análise de risco são considerados como importantes ferramentas de gerenciamento, tanto sob o ponto de vista ambiental, como

Leia mais

Considerando que é dever do Estado instaurar condições para a existência de concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições:

Considerando que é dever do Estado instaurar condições para a existência de concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições: MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria nº 109, de 13 de junho de 2005. O PRESIDENTE DO

Leia mais

Faculdade de Ilhéus INTRODUÇÃO À BIOSSEGURANÇA. Profª MSc Priscilla Céo

Faculdade de Ilhéus INTRODUÇÃO À BIOSSEGURANÇA. Profª MSc Priscilla Céo Faculdade de Ilhéus INTRODUÇÃO À BIOSSEGURANÇA Profª MSc Priscilla Céo BIOSSEGURANÇA É o conjunto de ações voltadas para a prevenção, minimização ou eliminação de riscos inerentes às atividades de pesquisa,

Leia mais

INVESTIGAÇÃO DE ACIDENTES E INCIDENTES COM UMA ABORDAGEM SISTÊMICA

INVESTIGAÇÃO DE ACIDENTES E INCIDENTES COM UMA ABORDAGEM SISTÊMICA AUTOR: Cássio Eduardo Garcia E-mail: cassiogarcia@uol.com.br INVESTIGAÇÃO DE ACIDENTES E INCIDENTES COM UMA ABORDAGEM SISTÊMICA 1 INTRODUÇÃO Muitas organizações ainda não se conscientizaram de que acidentes

Leia mais

PAE PLANO DE ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA. Empresa: OCIDENTAL COMERCIO DE FRIOS LTDA - FILIAL. Equipe Técnica Executora:

PAE PLANO DE ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA. Empresa: OCIDENTAL COMERCIO DE FRIOS LTDA - FILIAL. Equipe Técnica Executora: PAE PLANO DE ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA Vigência: OUTUBRO/ 2015 à OUTUBRO/2016 Empresa: OCIDENTAL COMERCIO DE FRIOS LTDA - FILIAL Equipe Técnica Executora: REGINALDO BESERRA ALVES Eng de Segurança no Trabalho

Leia mais

Carta de Santos O que ocorreu e o que precisa mudar

Carta de Santos O que ocorreu e o que precisa mudar Carta de Santos O que ocorreu e o que precisa mudar Aos vinte dias de maio do ano de dois mil e quinze, realizou-se na Associação de Engenheiros e Arquitetos de Santos - AEAS o fórum Incêndio Alemoa O

Leia mais

Certificação de Conteúdo Local Serviços de Petróleo e Gás

Certificação de Conteúdo Local Serviços de Petróleo e Gás Certificação de Conteúdo Local Serviços de Petróleo e Gás O que é? Conteúdo Local é a relação entre o valor dos bens produzidos e serviços prestados no país para executar o contrato e o valor total dos

Leia mais

Referências - Item 32.3.8 / Subitem 32.3.8.1.1 - Dos Gases Medicinais

Referências - Item 32.3.8 / Subitem 32.3.8.1.1 - Dos Gases Medicinais 1801 a) Preto: Líquidos inflamáveis e combustíveis; b) Amarelo: Gás não liquefeito (ex: gás natural); c) Azul: Ar comprimido; d) Verde: Mangueiras de oxigênio (solda oxiacetilênica) e água industrial;

Leia mais

O sistema de gerenciamento de risco é composto pelas etapas de identificação e avaliação de controle dos riscos, descritas a seguir.

O sistema de gerenciamento de risco é composto pelas etapas de identificação e avaliação de controle dos riscos, descritas a seguir. 2.6.16 - Este programa contém as principais ações que têm sido tomadas para prevenir os danos à saúde e integridade física dos trabalhadores e da população da região, os prejuízos materiais e possíveis

Leia mais

USINAS NUCLEARES NO JAPÃO

USINAS NUCLEARES NO JAPÃO Às 14:46 do dia 11 de março de 2011, hora local, o Nordeste do Japão foi atingido por um terremoto de 9,0 graus na escala Richter. O epicentro foi bem próximo ao litoral e a poucos quilômetros abaixo da

Leia mais

PLANO DE FUGA EM OCORRÊNCIAS DE INCÊNDIOS E EMERGÊNCIAS EM ESCOLAS

PLANO DE FUGA EM OCORRÊNCIAS DE INCÊNDIOS E EMERGÊNCIAS EM ESCOLAS PLANO DE FUGA EM OCORRÊNCIAS DE INCÊNDIOS E EMERGÊNCIAS EM ESCOLAS PLANO DE EMERGÊNCIA CONTRA INCÊNDIO de acordo com o projeto de norma nº 24:203.002-004 da ABNT ( setembro 2000 ) 1 Objetivo 1.1 Estabelecer

Leia mais

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma;

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma; TRABALHO EM ALTURA 36.1 Objetivo e Campo de Aplicação 36.1 Objetivo e Definição 36.1.1 Esta Norma tem como objetivo estabelecer os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o trabalho em altura,

Leia mais

Avenida Presidente Wilson, 231 11 andar 20030-905 Rio de Janeiro- RJ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL

Avenida Presidente Wilson, 231 11 andar 20030-905 Rio de Janeiro- RJ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL MARÇO, 2015 ÍNDICE OBJETIVO 3 ESCOPO 3 DEFINIÇÕES Risco Inerente 4 DEFINIÇÕES Risco Operacional 4 DEFINIÇÕES Evento de Risco Operacional 4 FUNÇÕES E RESPONSABILIDADES

Leia mais

a LRQA Desenvolvimento Sustentável

a LRQA Desenvolvimento Sustentável ISO 14001:2004 e Responsabilidade Ambiental Engº Vítor Gonçalves CONFERÊNCIA RESPONSABILIDADE AMBIENTAL Eficiência e Eficácia na redução de Riscos Ambientais Lisboa, 15 de Maio de 2007 ISO 14001:2004 e

Leia mais

Produtos perigosos. IDENTIFIQUE O PRODUTO - Consulte os painéis de segurança, rótulos de risco, nota fiscal e as páginas amarelas do manual.

Produtos perigosos. IDENTIFIQUE O PRODUTO - Consulte os painéis de segurança, rótulos de risco, nota fiscal e as páginas amarelas do manual. Produtos perigosos Mauricio Vidal de Carvalho Todos que atuam em medicina pré-hospitalar, resgate e salvamento sabem que a avaliação da cena é a primeira e fundamental regra do atendimento. Todo atendimento

Leia mais

(Código INF) Capítulo 1. Generalidades. 1.1 Definições. 1.1.1 Para os efeitos deste Código:

(Código INF) Capítulo 1. Generalidades. 1.1 Definições. 1.1.1 Para os efeitos deste Código: CÓDIGO INTERNACIONAL PARA O TRANSPORTE SEGURO DE COMBUSTÍVEL NUCLEAR IRRADIADO, PLUTÔNIO E RESÍDUOS COM ELEVADO NÍVEL DE RADIOATIVIDADE, SOB A FORMA EMBALAGEM, A BORDO DE NAVIOS (Código INF) Capítulo 1

Leia mais

O Sr. JUNJI ABE (PSD-SP) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, está em

O Sr. JUNJI ABE (PSD-SP) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, está em O Sr. JUNJI ABE (PSD-SP) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, está em nosso cotidiano, com frequência muito acima do desejável, a ocorrência de acidentes envolvendo

Leia mais

ACIDENTE E INCIDENTE INVESTIGAÇÃO

ACIDENTE E INCIDENTE INVESTIGAÇÃO ACIDENTE E INCIDENTE INVESTIGAÇÃO OBJETIVOS Para definir as razões para a investigação de acidentes e incidentes. Para explicar o processo de forma eficaz a investigação de acidentes e incidentes. Para

Leia mais

Best practices for Process Safety Analysis 2014 Global Safety Team-Safety Workshop Julio Tavares Braskem S/A AGENDA Sistema Braskem de Gestão de SSMA Gestão Integrada de Segurança de Processos Processo

Leia mais

Acidentes e seus impactos no mundo:

Acidentes e seus impactos no mundo: Acidentes e seus impactos no mundo: O mundo dos negócios está, diariamente, se tornando mais vinculado à questão da sustentabilidade. Ser sustentável, atualmente, já não é um privilégio ou um diferencial

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO

SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO Qual o significado de ISO? ISO International Organization for Standardization, é uma organização não governamental com sede em Genebra, na Suíça, que foi criada em 1946

Leia mais

O Enfoque Comportamental na Gestão de Riscos

O Enfoque Comportamental na Gestão de Riscos O Enfoque Comportamental na Gestão de Riscos Ricardo Paulo dos Santos Engenharia de Segurança do Trabalho e Meio Ambiente ECOSORB AGENDA Por quê Gerenciar Riscos? Gerenciamento de Risco: Uma visão integrada;

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 067 / 2011

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 067 / 2011 PARECER COREN-SP GAB Nº 067 / 2011 1. Do fato Solicitado parecer sobre atuação do profissional Enfermeiro no treinamento ministrado aos componentes de brigadas de incêndio, atendendo a Instrução Técnica

Leia mais

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 Página 1 feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 DZ 056 - Diretriz para Realização de Auditoria Ambiental capa

Leia mais

NR 13 NORMA REGULAMENTADORA 13

NR 13 NORMA REGULAMENTADORA 13 NR 13 NORMA REGULAMENTADORA 13 CUSTOS VISÍVEIS MÃO DE OBRA MATERIAIS SERVIÇOS DE TERCEIROS C U S T O S I N V I S I V E I S CUSTO DE MANUTENÇÃO / CUSTOS TOTAIS CUSTO DE MANUTENÇÃO / FATURAMENTO CUSTOS

Leia mais

ANEXO II.7-1 - ANÁLISE PRELIMINAR DE PERIGOS - APP

ANEXO II.7-1 - ANÁLISE PRELIMINAR DE PERIGOS - APP ANEXO II.7-1 - ANÁLISE PRELIMINAR DE PERIGOS Pág. 1/19 ANÁLISE PRELIMINAR DE PERIGOS CLIENTE PETROBRAS REV. 00 DATA Out/2010 FOLHA 1/19 INSTALAÇÃO Unidade Marítima de Perfuração NS-21 (Ocean Clipper)

Leia mais

Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional (OHSAS 18001:2007)

Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional (OHSAS 18001:2007) Gestão e otimização da produção Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional () Marco Antonio Dantas de Souza MSc. Engenharia de Produção Engenheiro de Segurança do Trabalho Introdução Fonte: Ministério da

Leia mais

Planejamento da Auditoria de Saúde e Segurança no Trabalho OHSAS 18001

Planejamento da Auditoria de Saúde e Segurança no Trabalho OHSAS 18001 Planejamento da Auditoria de Saúde e Segurança no Trabalho OHSAS 18001 Cássio Eduardo Garcia (SENAC) cassiogarcia@uol.com.br Resumo Um dos principais instrumentos que uma organização pode utilizar para

Leia mais

PLANO DE CONTENÇÃO DE EMERGÊNCIA APLICÁVEL AOS TRANSFORMADORES ELEVADORES DA SE 440KV DA UHE JUPIÁ

PLANO DE CONTENÇÃO DE EMERGÊNCIA APLICÁVEL AOS TRANSFORMADORES ELEVADORES DA SE 440KV DA UHE JUPIÁ PLANO DE CONTENÇÃO DE EMERGÊNCIA APLICÁVEL AOS TRANSFORMADORES ELEVADORES DA SE 440KV DA UHE JUPIÁ Autores: Aguinaldo Lima de Moraes Jr. José Natalino Bezerra Luiz Tomohide Sinzato CESP - Companhia Energética

Leia mais

GERENCIAMENTO DE MODIFICAÇÕES

GERENCIAMENTO DE MODIFICAÇÕES GERENCIAMENTO DE MODIFICAÇÕES 1. OBJETIVO O Gerenciamento de Modificações consiste em prover um procedimento ordenado e sistemático de análise dos possíveis riscos introduzidos por modificações, de identificação

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS 8 - Política de segurança da informação 8.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COOPERFEMSA, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

Sistema de Proteção contra Sobrepressão

Sistema de Proteção contra Sobrepressão Sistema de Proteção contra Sobrepressão Sistema de Proteção contra Sobrepressão HIPPS O QUE É UM SISTEMA HIPPS? HIPPS é uma sigla para High Integrity Pressure Protection System (Sistema de Proteção contra

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

ANÁLISE PRELIMINAR DE PERIGO PORTO DO PECEM

ANÁLISE PRELIMINAR DE PERIGO PORTO DO PECEM ANÁLISE PRELIMINAR DE PERIGO PORTO DO PECEM Perda de carga e equipamentos Falhas ao estudar as condições meteoceanográficas. Falha mecânica (Guindastes, empilhadeiras,. Encalhe em bancos de areia e/ou

Leia mais

3º. Seminário Nacional de Segurança e Saúde no Setor Elétrico Brasileiro

3º. Seminário Nacional de Segurança e Saúde no Setor Elétrico Brasileiro SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA, SAÚDE OCUPACIONAL E MEIO AMBIENTE: A EXPERIÊNCIA DA Rio de Janeiro, 2002 ! A Light - Serviços de Eletricidade S.A. foi constituída em 9 de julho de 1904, no Canadá, e recebeu

Leia mais

Aspectos e Impactos Ambientais

Aspectos e Impactos Ambientais PÁGINA: 1/18 1 OBJETIVO Estabelecer e garantir uma sistemática para identificar, avaliar e gerenciar os aspectos e impactos ambientais das atividades, produtos ou serviços, da empresa x que possam ser

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS 1 Política de segurança da informação 1.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COGEM, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção de políticas

Leia mais

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Sistema de Gestão do AR 2012 - ABIQUIM Responsible Care Management

Leia mais

Antes de abrir uma vala, consulte a Comgás

Antes de abrir uma vala, consulte a Comgás cartilha ppd final imagem 2/24/06 6:12 PM Page 1 Antes de abrir uma vala, consulte a Comgás 08000 110 197 cadastroderede@comgas.com.br Companhia de Gás de São Paulo Rua das Olimpíadas, 205-10º andar (recepção)

Leia mais

agility made possible

agility made possible RESUMO DA SOLUÇÃO CA ecodesktop posso fornecer economias de custos e reduções no consumo de energia e na pegada de carbono de PCs e desktops de maneira precisa? agility made possible Você pode. Com o CA

Leia mais

COPENOR Companhia Petroquímica do Nordeste. Relatório da Administração de 2007

COPENOR Companhia Petroquímica do Nordeste. Relatório da Administração de 2007 COPENOR Companhia Petroquímica do Nordeste Relatório da Administração de 2007 Senhores Acionistas, Em conformidade com as disposições legais e estatutárias, a administração da COPENOR Companhia Petroquímica

Leia mais

1.1 Segurança do trabalho

1.1 Segurança do trabalho 1.1 Segurança do trabalho A Segurança do Trabalho pode ser entendida como o conjunto de medidas adotadas, visando minimizar os acidentes de trabalho, doenças ocupacionais, bem como proteger a integridade

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Patrimoniais e Empresariais. Sidney Leone Março de 2012

Gerenciamento de Riscos Patrimoniais e Empresariais. Sidney Leone Março de 2012 Gerenciamento de Riscos Patrimoniais e Empresariais Sidney Leone Março de 2012 Meus Defeitos Sócio - Integrale Consultoria e Corretagem de Seguros Ltda. Divisão Gestão de Risco; Consultor Técnico RRJ Engenharia

Leia mais

Seminário Alusivo aos 30 anos do Acidente de Bhopal

Seminário Alusivo aos 30 anos do Acidente de Bhopal Seminário Alusivo aos 30 anos do Acidente de Bhopal Data: 03 de dezembro de 2014 Horário: das 9:00 às 16:45h Promoção: FUNDACENTRO Participação: Fundacentro/Cetesb/ Abiquim/Sindiquim/ Fequimfar/CPCAPV

Leia mais

A busca da qualidade em proteção passiva contra fogo de estruturas metálicas

A busca da qualidade em proteção passiva contra fogo de estruturas metálicas MATERIAL DE REFERÊNCIA: PROFESSOR SERGIO PASTL A busca da qualidade em proteção passiva contra fogo de estruturas metálicas A proteção passiva contra fogo em estruturas metálicas é relativamente recente

Leia mais

Maria do Carmo Sobral (1) Professora adjunta do Departamento de Engenharia Civil, UFPE, Engenheira Civil, Mestre

Maria do Carmo Sobral (1) Professora adjunta do Departamento de Engenharia Civil, UFPE, Engenheira Civil, Mestre VI-093 SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA NAS ÁREAS DE MEIO AMBIENTE, QUALIDADE, SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL UMA ABORDAGEM PRÁTICA NA INDÚSTRIA PETROFLEX-CABO/PE Maria do Carmo Sobral (1) Professora adjunta

Leia mais

SISTEMAS HIDRÁULICOS DE POTÊNCIA NA INDÚSTRIA DO PETRÓLEO

SISTEMAS HIDRÁULICOS DE POTÊNCIA NA INDÚSTRIA DO PETRÓLEO SISTEMAS HIDRÁULICOS DE POTÊNCIA NA INDÚSTRIA DO PETRÓLEO Dirceu Silveira Sampaio dirceuss@petrobras.com.br (21)3876-3303 Introdução: 1 - Vivemos uma era de contrastes, onde sistemas de controle com nano

Leia mais

Módulo 2. Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios.

Módulo 2. Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios. Módulo 2 Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios. História das normas de sistemas de gestão de saúde e segurança

Leia mais

NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER

NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER Theinformationcontainedinthisdocumentcannotbechangedormodifiedinanywayand shouldserveonlythepurposeofpromotingexchangeofexperience,knowledgedissemination

Leia mais

OS 10 PRINCIPAIS INSTRUMENTOS ADMINISTRATIVOS DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES PARA O SUPERVISOR/ FACILITADOR

OS 10 PRINCIPAIS INSTRUMENTOS ADMINISTRATIVOS DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES PARA O SUPERVISOR/ FACILITADOR 225 Pratique os 10 instrumentos; e você verá os resultados! OS 10 PRINCIPAIS INSTRUMENTOS ADMINISTRATIVOS DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES PARA O SUPERVISOR/ FACILITADOR Lição 4.3 Uma vez definido e assimilado

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 193

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 193 Página 193 SISTEMAS INSTRUMENTADOS DE SEGURANÇA PARA UMA UNIDADE DE PRODUÇÃO DE BIODIESEL Amaro Miguel da Silva Filho 1 ; Rafaela Ferreira Batista 2 ; James Correia de Melo 2 ; José Geraldo de Andrade

Leia mais

Código Internacional de Proteção para Navios e Instalações Portuárias ISPS CODE

Código Internacional de Proteção para Navios e Instalações Portuárias ISPS CODE Código Internacional de Proteção para Navios e Instalações Portuárias ISPS CODE Conferência Interamericana de Transportes de Produtos Perigosos CITRANSPPE São Paulo Setembro de 2004 11 Set/2001 Torres

Leia mais

OHSAS-18001:2007 Tradução livre

OHSAS-18001:2007 Tradução livre SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL - REQUISITOS (OCCUPATIONAL HEALTH AND SAFETY MANAGEMENT SYSTEMS - REQUIREMENTS) OHSAS 18001:2007 Diretrizes para o uso desta tradução Este documento

Leia mais

Mais de mil pessoas já morreram no maior terremoto da história do Japão - Portal de Paulínia

Mais de mil pessoas já morreram no maior terremoto da história do Japão - Portal de Paulínia {jathumbnail off} O forte terremoto de 8,9 pontos na Escala Richter que atingiu o Japão nesta sexta-feira matou pelo menos 1,1 mil pessoas. De acordo com a Agência de Gerenciamento de Desastres e Incêndio,

Leia mais

1. FORNECIMENTOS. Requisitos para Fornecedores e Prestadores de Serviços. RG-GE-101 Revisão 12

1. FORNECIMENTOS. Requisitos para Fornecedores e Prestadores de Serviços. RG-GE-101 Revisão 12 1. FORNECIMENTOS Fornecimentos 1.1 - Ácido Clorídrico Comercial Licença da Polícia Federal 1.2 - Hidróxido de Sódio Licença da Polícia Federal 1.3 Produtos químicos em geral 1.4 - Gases Industriais 1.5

Leia mais

10 ANOS DO PROGRAMA COMUNITÁRIO PETROBRAS/REVAP.

10 ANOS DO PROGRAMA COMUNITÁRIO PETROBRAS/REVAP. POP: Prêmio Nacional de Relações Públicas Categoria: Relações Públicas e Responsabilidade Social Profissional: Aislan Ribeiro Greca Empresa: Petrobras 10 ANOS DO PROGRAMA COMUNITÁRIO PETROBRAS/REVAP. 2008

Leia mais

DISTÂNCIA MÍNIMA DO TANQUE À LINHA DE DIVISA DA PROPRIEDADE ADJACENTE. DISTÂNCIA MÍNIMA DO TANQUE ÀS VIAS PÚBLICAS Acima de 250 até 1.

DISTÂNCIA MÍNIMA DO TANQUE À LINHA DE DIVISA DA PROPRIEDADE ADJACENTE. DISTÂNCIA MÍNIMA DO TANQUE ÀS VIAS PÚBLICAS Acima de 250 até 1. NR 20 - Líquidos combustíveis e inflamáveis (120.000-3) 20.1 Líquidos combustíveis. 20.1.1 Para efeito desta Norma Regulamentadora - NR fica definido "líquido combustível" como todo aquele que possua ponto

Leia mais

Classificação de incidentes

Classificação de incidentes norma técnica Classificação de incidentes Código: NT.00036.GN Edição: 1 O texto seguinte corresponde a uma tradução do Procedimento original Clasificación de incidentes (NT.00036.GN), Edição 1, com o fim

Leia mais

Norma Regulamentadora Nº 13

Norma Regulamentadora Nº 13 Sede Nacional Sede Nacional - SP 1 Norma Regulamentadora Nº 13 Impactos da Nova Redação 1 Mixing Consultoria em Processos Industriais ANTÓNIO CARLOS BASSO DA CUNHA LEAL Consultor Técnico da ABIMAQ na CNTT

Leia mais

Revisão da legislação de Segurança Contra Incêndio na visão das Universidades

Revisão da legislação de Segurança Contra Incêndio na visão das Universidades Comissão Especial de Revisão e Atualização das Leis de Segurança, Prevenção e Proteção contra Incêndios Revisão da legislação de Segurança Contra Incêndio na visão das Universidades Contribuições das universidades

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL SGA ISO 14.001:2004 O que é ISO? A ISO - International Organization for Standardization é uma organização sediada em Genebra, na Suíça. Foi fundada em 1946; A sigla ISO foi

Leia mais