ESCLARECIMENTO Nº 02 Segue abaixo, solicitações formuladas por empresas participantes da licitação supra e as respectivas respostas de FURNAS:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESCLARECIMENTO Nº 02 Segue abaixo, solicitações formuladas por empresas participantes da licitação supra e as respectivas respostas de FURNAS:"

Transcrição

1 ESCLARECIMENTO Nº 02 Segue abaixo, solicitações formuladas por empresas participantes da licitação supra e as respectivas respostas de FURNAS: 1. Pergunta: Item 7.1. do Edital: O PROPONENTE poderá inspecionar os locais a serem atendidos, verificando os detalhes que julgar necessários para o atendimento às condições do Edital. Entendemos que o item acima não caracteriza a obrigatoriedade da inspeção dos locais a serem atendidos pelo PROPONENTE, que a seu critério, poderá fazer ou não a inspeção na sua totalidade, de forma parcial ou mesmo não fazer em qualquer dos locais, em função das premissas utilizadas no dimensionamento do projeto. Solicitamos a confirmação do nosso entendimento. Resposta: Entendimento confirmado. Não é obrigatória a inspeção dos locais por parte das Proponentes, ficando a cargo da mesma a decisão de realizá-la ou não. Todavia, esta inspeção visa a dirimir qualquer dúvida pertinente ao perfeito funcionamento dos circuitos envolvidos no local, não sendo permitida a alegação de falta de conhecimento dos locais para possíveis problemas de instação, que coloquem os circuitos objetos deste Edital em risco. Possíveis incrementos no preço do PROPONENTE vencedor em virtude de custos adicionais não computados devido a não vistoria dos locais, não serão aceitos. 2. Pergunta: Item 8.1. e subitem Todos os circuitos deverão ser atendidos por meio terrestre, não sendo admitidos circuitos via satélite. Excepcionalmente, serão aceitos circuitos via satélite para as localidades de Manso e Água Vermelha. As conexões que atenderão as Usinas de Manso e Água Vermelha englobam circuitos de voz a 64Kbps (itens 11, 12, 14, 15 do Anexo I) e de comunicação de dados (itens 13, 16, 17, 18, 22 e 24 do Anexo I). Nestes casos, para os circuitos de comunicação de dados atendidos por satélite, qual o round trip delay esperado? Não é possível atender o valor definido no item 8.8 do Edital. A possibilidade de atendimento através de satélite em outros locais poderá ser um fator importante para obter preços mais competitivos, principalmente em pontos onde o investimento para atendimento através de meio terrestre seja muito alto. Desta forma sugerimos, caso não haja qualquer impedimento técnico para atendimento às aplicações de FURNAS, que fique a critério do PROPONENTE definir quais os locais a serem atendidos por satélite. Caso este sugestão seja aceita, é fundamental que o regime de Consórcio seja liberado. Resposta: O item 8.8 refere-se somente aos circuitos de dados por meio terrestre (enlaces rádio ou fibra-óptica). Para os circuitos via satélite, será aceito um retardo máximo de 600 ms (seiscentos milesegundos). Reiteramos que somente nos locais previstos no Edital serão aceitos circuitos via satélite. 3. Pergunta: Itens 8.2. e subitem A exceção dos acessos à Internet, todos os circuitos deverão ser atendidos de forma dedicada, só sendo admitidas técnicas determinísticas de compartilhamento. Não serão admitidos circuitos que utilizem, em alguns dos seus trechos, técnicas estatísticas, em especial as seguintes: ATM, Frame-relay, Cell-relay, TCP/IP e Volp. Exceção ao circuito RENPAC 3025 (item 35, do Anexo I, seção I). Entendemos que somente os acessos Internet poderão ser atendidos através de tecnologia de transporte estatística, desde que sejam garantidas as bandas previstas nos itens 31, 32, 33 e 34 da tabela do Anexo I. Todos os outros serviços deverão ser atendidos através de circuitos ponto-a-ponto determinístico. Se num local houver necessidade de atender vários circuitos, poderá ser adotada solução de mux determinísticos, onde o agregado de saída opere com taxa no mínimo igual à soma das taxas dos circuitos de entrada. Solicitamos confirmação do nosso entendimento. Entendemos também, que a tecnologia Metroethernet poderá ser admitida também para atender os acessos à Internet. Solicitamos confirmação do nosso entendimento e nos confirmar que os roteadores já são existentes. O serviço RENPAC é exclusivo de uma única empresa provedora de serviços de comunicação de dados, e, por isto, entendemos, que FURNAS no item 35 está requerendo somente um serviço de comutação por pacotes com protocolos X25. Se o nosso entendimento está correto, em que taxas estes serviços deverá ser disponibilizado no Escritório Central e no BANESPA? Favor nos informar qual o endereço e CEP do BANESPA. DAQ.G/DQE.O junho / 2006 pág. 1/6

2 Resposta: O entendimento do item 8.2 e subitem 8.2.1está correto. À exceção dos acessos à Internet, todos os circuitos deverão ser atendidos de forma dedicada, só sendo admitidas técnicas determinísticas de compartilhamento. Não serão admitidos circuitos que utilizem, em algum dos seus trechos, técnicas estatísticas, conforme explicitado no Edital. Com relação ao item 35, a agência Banespa do referido circuito está situada na Av. Presidente Vargas, Centro Rio de janeiro RJ com CEP Quanto ao questionamento sobre METROEHTERNET, solicitamos esclarecimento sobre a tecnologia. 4. Pergunta: Item 8.3. do Edital Os dois circuitos solicitados para a subestação de Vitória deverão ser disponibilizados por rotas distintas. Entendemos que os circuitos dos itens 8 e 9 do Anexo I, de 2Mbps e 128Kbps, respectivamente, deverão ser disponibilizados por meios terrestres distintos, por exemplo: dois cabos ópticos distintos, dois enlaces rádios distintos ou um cabo óptico e um enlace rádio. Solicitamos confirmação do nosso entendimento. Resposta: Com relação aos itens 8 e 9 do Anexo I o entendimento está correto., onde entende-se como rota alternativa, circuitos de acesso e transporte implementados em meios físicos distintos, tais como fibra-óptica em cabos de fibra-óptica distintos entre si, ou fibra e rádio, ou enlaces de rádio distintos. 5. Pergunta: Item 2 do Anexo I canal de áudio, 4 fios TX e RX. Entendemos que o circuito de voz terá uma banda passante de 4Khz, sem compressão, podendo ser atendido através de interface apropriada. Solicitamos confirmação do nosso entendimento. Qual a banda de áudio requerida, e as interfaces previstas terão que atender também os níveis definidos nos itens 8.5 e 8.6 do Edital? Solicitamos confirmação do nosso entendimento. Qual a banda de áudio requerida, e as interfaces previstas terão que atender também os níveis definidos nos itens 8.5 e 8.6 do Edital? Solicitamos confirmar que este item não poderá ser atendido por roteador. Resposta: O item 2 do Anexo I refere-se a um circuito de 64 kbps (Tx,Rx,E&M), que terá que atender os níveis definidos nos itens 8.5 e 8.6, não podendo ser atendido por roteador. 6. Pergunta: Item 8.8 do Edital os circuitos de dados deverão ter um retardo mínimo de 25 ms no caminho de ida e volta (round trip delay). Mesmo que sejam adotadas soluções de acesso através de cabos ópticos ou enlaces rádio digital, a obtenção de um round trip delay de 25ms é inexeqüível, mesmo se tratando de tecnologia de transporte determinística. Com os acessos em cabo de pares a latência obtida é maior, bem como para o circuito X25, onde nos nós da rede ocorre processamento da informação. Desta forma, sugerimos os seguintes valores de latência praticados pelas empresas fornecedoras de serviços de comunicação de dados: - Circuitos determinísticos: round trip delay máximo: 100ms - Circuitos comutados por pacotes: round trip delay máximo: 150ms - Circuitos atendidos por satélite: round trip delay máximo: 1200ms Resposta: O retardo máximo de 25 ms (vinte e cinco milesegundos) atende perfeitamente os circuitos terrestres dedicados referidos no Edital. Salientamos que, à exceção dos acessos à Internet, todos os circuitos deverão ser atendidos de forma dedicada, só sendo admitidas técnicas determinísticas de compartilhamento. Não serão admitidos circuitos que utilizem, em algum dos seus trechos, técnicas estatísticas, conforme explicitado no Edital. Com relação ao circuito do item 35 será permitido um round triple delay de 150 ms (cento e cinqüenta milesegundos) 7. Pergunta: Item 8.9 do Edital: Todos os circuitos deverão ter uma disponibilidade maior que 99,9%, apurada mensalmente, e tendo como valor de referência o período de 30 (trinta) dias. A disponibilidade mensal de 99,9% somente pode ser obtida através de soluções de contingência sofisticadas e com a utilização de acessos digitais sobre cabos ópticos e rádios digitais. Além de encarecer muito o projeto, a possibilidade de atendimento através de cabos de pares metálicos em alguns locais faz com que seja inviável alcançar este percentual. Sugerimos, então, que seja modificada no Edital, a disponibilidade mensal mínima para 99,4%. DAQ.G/DQE.O junho / 2006 pág. 2/6

3 Resposta: A disponibilidade de 99,9% deverá ser mantida conforme Edital. Todavia informamos que será analisado um histórico dos 12 (doze) últimos meses, no qual este índice deve ser alcançado. Assim sendo, se em determinado mês, por ventura ocorrer uma falha por um tempo maior do que os 43,2 minutos previstos mensalmente, não haverá problema se, no somatório dos 12 (doze) últimos meses este índice for alcançado. 8. Pergunta: Item 24 da Tabela do Anexo I solicitamos confirmar a velocidade e as interfaces do circuito de dados, síncrono, para Telemedição. Resposta: O item 24 do Anexo I refere-se a um circuito de 92 kbps. Por não ser uma velocidade usual, este circuito poderá ser atendido pela taxa mais próxima à supracitada. 9. Pergunta: Anexo IV Descritivo dos equipamentos e meios para o atendimento. Solicitamos informar qual o nível de detalhamento que o PROPONENTE deverá descrever os equipamentos e meio de transmissão, utilizados no atendimento de cada local. Entendemos que o meio de transmissão se refere ao meio de acesso da cada site de FURNAS. Solicitamos confirmação do nosso entendimento. Quanto ao protocolo de comunicação, entendemos que como será utilizada solução determinística, os circuitos providos serão transparentes a protocolos. No caso do circuito comutado por pacotes será utilizado o protocolo X.25. Solicitamos confirmação do nosso entendimento. Resposta: Desejamos apenas um nível superficial dos equipamentos utilizados para a implantação dos circuitos pedidos. 10. Pergunta: Item 13 do Anexo I Solicitamos informar se para a interface mencionada 4 fios TX e RX podemos utilizar roteadores com interface FXS ou FXO? Resposta: Não é permitido o uso de roteadores no circuito ponto a ponto de 64 kbps do item 13 do Anexo I. 11. Pergunta: Item 30 do Anexo I Solicitamos confirmar se o roteador na ponta da AMPLA, bem como na ponta de FURNAS já são existentes. Resposta: O circuito do item 30, é um Hot-Line entre FURNAS e AMPLA, não utilizando roteadores. 12. Pergunta: Solicitamos informar se os roteadores para os itens de circuitos de dados do Anexo I já são existentes ou teremos que fornecer. Se tivermos que fornecer, solicitamos, se possível, alterar a interface G703 do item 8 para V35, por ser mais barata e a geralmente utilizada para interligação de LAN. Também entendemos que os demais itens que se referem a interligação de LAN dispõe de uma interface ETHERNET RJ 45 para a LAN e uma V35 para o lado WAN da Operadora da TELECOM, favor confirmar o entendimento. Resposta: Os circuitos de dados do Anexo I são utilizados para a interligação de MUX PDH determinístico. A interface para o item 8 do Anexo I é a G703, conforme descrita no Edital. 13. Pergunta: No item 7 é mencionada interface RS 422/V35. Favor informar se esta interface seria para a Operadora. Neste caso poderia ser a V35? Resposta: O item 7, bem como o item 9, interligam multiplexadores com interface V.36 (RS422). 14. Pergunta: Entendemos que nos itens da Tabela do Anexo I, onde são mencionadas as interfaces para os canais de voz, FXS, FXO ou 4F E&M, que estas são de roteadores, solicitamos confirmar esse entendimento e se os roteadores já são existentes. Resposta: Os canais de voz são interligados às centrais telefônicas e não aos roteadores. As interfaces de para os canais de voz não são de roteadores. DAQ.G/DQE.O junho / 2006 pág. 3/6

4 15. Pergunta: Quanto ao item 8.3 Os dois circuitos solicitados para a subestação de Vitória deverão ser disponibilizados por rotas distintas. Entendemos que, para atendimento ao disposto, os circuitos de acesso devem ser implementados em meios físicos distintos, tais como fibras distintas entre si, ou fibra e rádio, ou enlaces de rádio distintos, entendendo-se como circuito de acesso o circuito dedicado entre o endereço do cliente e a estação mais próxima do cliente ou de seu fornecedor. Favor confirmar nosso entendimento, caso contrário solicito um melhor esclarecimento. Resposta: Entende-se como rota alternativa, circuitos de acesso e transporte implementados em meios físicos distintos, tais como fibra-óptica em cabos de fibra-óptica distintos entre si, ou fibra e rádio, ou enlaces de rádio distintos. 16. Pergunta: Quanto ao item 8.4 O atendimento às instalações de FURNAS deverá ser feito através de fibra ótica ou enlace rádio, só sendo admitido o emprego de pares metálicos nos Escritórios de Brasília, São Paulo, Belo Horizonte, Porto Velho e Simplício. Não localizamos o endereço ou circuitos referentes ao Escritório de Simplício. Favor informar quais são os circuitos e endereços associados ao Escritório de Simplício. Resposta: Os Circuitos que seriam implementados no Escritório de Simplício foram retirados da Concorrência, desta forma, a referência ao mesmo, no item 8.4 deve ser ignorada. 17. Pergunta: Quanto ao item 8.8 Os circuitos de dados deverão ter um retardo máximo de 25ms (vinte e cinco milesegundos) no caminho de ida e volta (round trip delay). Um retardo máximo de 25ms (vinte e cinco milesegundos) no caminho de ida e volta (round trip delay) não é factível de ser implementado em redes de longas distâncias com as características de uma rede formada pelos circuitos desse Edital, que estão associadas a grandes distâncias geográficas, além de uma certa quantidade de equipamentos de multiplexação intermediários no backbone da PROPONENTE, os quais, intrinsecamente, implementam um certo delay. Solicitamos alterar o retardo máximo relativo a esse item para 200ms (duzentos milesegundos) no caminho de ida e volta (round trip delay), índice esse compatível com redes de longa distância com as características das redes do presente Edital e que não interfere na qualidade dos serviços prestados. Resposta: O retardo máximo de 25 ms (vinte e cinco milesegundos) atende perfeitamente os circuitos dedicados referidos no Edital. Salientamos que, à exceção dos acessos à Internet, todos os circuitos deverão ser atendidos de forma dedicada, só sendo admitidas técnicas determinísticas de compartilhamento. Não serão admitidos circuitos que utilizem, em algum dos seus trechos, técnicas estatísticas, conforme explicitado no Edital 18. Pergunta: Quanto ao item 8.9 Todos os circuitos deverão ter uma disponibilidade maior do que 99,9%, apurada, mensalmente, e tendo como valor de referência o período de 30 dias. Uma disponibilidade máxima de 99,9% ao mês corresponde a um tempo máximo de paralisação de aproximadamente 43 minutos mensais. Esse índice é típico dos backbones das empresas Operadoras de Serviços de Telecomunicações e, para que fosse possível aproximar seu cumprimento, seria imperativo a implementação de circuitos de acesso redundantes e por diversidade de caminhos em todos os endereços a serem atendidos. Isso certamente elevaria consideravelmente o custo da rede. É permitido, conforme o item 8.10, um tempo máximo para atendimento de 6 (seis) horas em caso de falha de algum circuito, durante 24 horas do dia, nos 365 dias do ano. Esse tempo para atendimento corresponde a uma disponibilidade máxima da ordem de 99,4% ao mês. Solicitamos alterar o índice de disponibilidade máxima para 99,4% ao mês, em consonância com o item Resposta: A disponibilidade de 99,9% deverá ser mantida conforme Edital. Todavia informamos que será analisado um histórico dos 12 (doze) últimos meses, no qual este índice deve ser alcançado. Assim sendo, se em determinado mês, por ventura ocorrer uma falha por um tempo maior do que os 43,2 minutos previstos mensalmente, não haverá problema se, no somatório dos 12 (doze) últimos meses este índice for alcançado. DAQ.G/DQE.O junho / 2006 pág. 4/6

5 19. Pergunta: Quanto ao Anexo I, item 2, solicitamos informar velocidade e interfaces do referido circuito. Resposta: O item 2 do Anexo I refere-se a um circuito de 64 kbps (Tx,Rx,E&M). 20. Pergunta: Quanto ao Anexo I, item 7, solicitamos informar o que se refere a rota alternativa. Resposta: O item 7 do Anexo I é um rota alternativa ao circuito do item 6 do Anexo I, onde os circuitos de acesso e transporte devem ser implementados em meios físicos distintos. 21. Pergunta: Quanto ao Anexo I, item 24, entendemos que a velocidade mencionada (92Kbps), por não ser usual, refere-se a uma velocidade de 19,2Kbps. Solicitamos confirmar nosso entendimento e informar a respectiva interface. Resposta: O item 24 do Anexo I refere-se a um circuito de 92 kbps. Por não ser uma velocidade usual, este circuito poderá ser atendido pela taxa mais próxima à supracitada. 22. Pergunta: Quanto ao Anexo I, itens 31, 32, 33 e 34, solicitamos informar as interfaces dos referidos circuitos. Resposta: O circuito internet de 50 Mbps, do item 31, utiliza um cabo UTP com interface RJ45. Os circuitos dos itens 32, 33 e 34 utilizam interface V.35, 23. Pergunta: Quanto ao Anexo I, item 35, solicitamos informar a velocidade e interface do referido circuito. Resposta: O circuito do item 35, REMPAC X.25, utiliza interface V.24 e possui velocidade de 9,6kbps. 24.Pergunta: A divisão por Lotes, de acordo com os serviços previstos e com as conexões dentro de cada Região do PGO, asociada à possibilidade de Consórcio e utilização de acesso satélite em qualquer ponto da rede, trarão benefícios importantes na obtenção de preços ainda mais competitivos. Desta forma, solicitamos que o projeto seja agrupado em 4 (quatro) lotes distintos, que devem ser julgados separadamente. Os lotes são aqueles que seguem: Lote 1: Itens 31, 32, 33 e 34; Lote 2: Itens 1, 2, 3, 4, 5, 7, 8, 9, 10, 26, 27, 28, 29, 30 e 35. Lote 3: Itens 3, 11, 12, 13, 14, 15, 16, 17, 18 e 19. Lote 4: Itens 20, 21, 22, 23, 24 e 25. Resposta: Não será permitida a divisão do objeto desta Licitação por Lotes, devendo permanecer os atuais critérios de julgamento descrito no Edital. 25. Pergunta: Com relação ao item 35, solicitamos que seja fornecido o endereço do site do BANESPA, que não consta no Anexo II Relação de endereços e responsávies. Qual a velocidade do circuito X25? Resposta: O circuito X.25, item 35 do Anexo I, utiliza uma velocidade de 9600kbps. Com relação ao endereço do BANESPA, informamos que está localizado na Avenida Presidente Vargas, 100 Centro Rio de Janeiro CEP: DAQ.G/DQE.O junho / 2006 pág. 5/6

6 26. Pergunta: Solicitamos que seja possível o atendimento dos itens onde está contemplado circuito de dados de baixa velocidade através de pares metálicos, quando este atendimento for tecnicamente viável. A utilização de acessos ópticos para atender circuitos deste tipo, irá requerer investimentos altos, refletindo na competitividade dos preços a serem cotados. Desta forma, solicitamos que a possibilidade de atendimento através de pares metálicos não seja aplicável somente aos escritórios de Brasília, São Paulo, Belo Horizonte, Porto Velho e Simplício, mas também aos sites atendidos por circuitos de dados abaixo de 64Kbps. Resposta: Devido a forte indução eletromagnética, não será permitida a utilização de pares metálicos em locais que não sejam os já citados no Edital. 27. Pergunta: Os circuitos abaixo de 64Kbps poderão ser fornecidos através de conexões a 64Kbps com interfaces V35? Resposta: As interfaces devem ser mantidas conforme Edital. 28. Pergunta: No caso do escritório de Simplício, não encontramos qualquer referência deste ponto no projeto. Solicitamos informações sobre este ponto e a confirmação do atendimento sobre par metálico do escritório de São Paulo, na capital, do circuito de 512Kbps. Resposta: Os circuitos que seriam implementados no escritório de Simplício foram retirados da Concorrência, desta forma, a referência ao mesmo, no item 8.4 deve ser ignorada. Conforme Edital comunicamos que é permitido o atendimento ao escritório de São Paulo através de pares metálicos. 29. Pergunta: Circuitos de voz podem ser atendidos através de CPE (roteadores) com interfaces específicas de voz. Desta forma, considerando a banda de 64Kbps para este tipo de atendimento, a porta WAN do CPE será dimensionada de modo que esta banda seja garantida para ao circuito de voz. Podemos considerar como solução para atendimento dos circuitos de voz a utilização de CEPs? Resposta: Informamos que não é permitido o uso de roteadores para os circuitos supracitados. Marcelo Brandão Carneiro DEPARTAMENTO DE AQUISIÇÃO DAQ.G/DQE.O junho / 2006 pág. 6/6

Brasília, 19/09/2013. A Rede Nacional do Ministério Público Federal Ref.: Projeto Básico e Especificações Técnicas

Brasília, 19/09/2013. A Rede Nacional do Ministério Público Federal Ref.: Projeto Básico e Especificações Técnicas Brasília, 19/09/2013. A Rede Nacional do Ministério Público Federal Ref.: Projeto Básico e Especificações Técnicas Prezados, A Telemar Norte Leste S/A, pessoa jurídica de direito privado, prestadora de

Leia mais

ANEXO XII PADRÃO DE CONTRATAÇÃO DE LINKS DE DADOS DO TIPO LPCDSLDD ADOTADO NO ÂMBITO DA PCRJ

ANEXO XII PADRÃO DE CONTRATAÇÃO DE LINKS DE DADOS DO TIPO LPCDSLDD ADOTADO NO ÂMBITO DA PCRJ PADRÃO DE CONTRATAÇÃO DE LINKS DE DADOS DO TIPO LPCDSLDD ADOTADO NO ÂMBITO DA PCRJ 1. Objetivo - Finalidade Objetivo: Especificar/descrever e detalhar a contratação de prestação de Serviços de Rede de

Leia mais

CAPÍTULO 13. Conectividade Linhas Privativas Comercias LINHAS PRIVATIVAS COMERCIAIS

CAPÍTULO 13. Conectividade Linhas Privativas Comercias LINHAS PRIVATIVAS COMERCIAIS CAPÍTULO 13 LINHAS PRIVATIVAS COMERCIAIS Todos os serviços de conectividade e comunicação de dados oferecidos por qualquer operadora de telecomunicações, devem terminar nos pontos finais de utilização

Leia mais

RESPOSTA AO PEDIDO DE ESCLARECIMENTOS Nº 01/2015

RESPOSTA AO PEDIDO DE ESCLARECIMENTOS Nº 01/2015 Serviço Social do Comércio Departamento Regional Minas Gerais Processo nº 11999/14 Folha nº Informações e/ou despachos RESPOSTA AO PEDIDO DE ESCLARECIMENTOS Nº 01/2015 Licitação: Pregão Eletrônico 0053/2015.

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Modelos Protocolos OSI e TCP/IP Tipos de redes Redes locais Redes grande abrangência Redes metropolitanas Componentes Repetidores

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA 1. OBJETO A presente licitação tem como objeto a contratação de empresa, especializada e devidamente autorizada pela ANATEL - Agência Nacional de Telecomunicações, prestadora

Leia mais

ITEM QUESTIONAMENTO DECISÃO JUSTIFICATIVA. Qual o motivo da solicitação desta licença? Ela é compatível / necessária para o serviço?

ITEM QUESTIONAMENTO DECISÃO JUSTIFICATIVA. Qual o motivo da solicitação desta licença? Ela é compatível / necessária para o serviço? EMPRESA 1 ITEM QUESTIONAMENTO DECISÃO JUSTIFICATIVA 5.2 Apresentar o termo de autorização expedido pela Anatel para prestação de serviço de rede de transportes de telecomunicações SRTT e para prestação

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MJ DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL COORDENAÇÃO-GERAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DIVISÃO DE TELECOMUNICAÇÕES

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MJ DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL COORDENAÇÃO-GERAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DIVISÃO DE TELECOMUNICAÇÕES SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MJ DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL COORDENAÇÃO-GERAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DIVISÃO DE TELECOMUNICAÇÕES Procedimento 08206.000881/2012-14 PE/SRP 04/2013-CGTI/DPF Interessado

Leia mais

Rede Corporativa. Tutorial 10 mar 2009 Fabio Montoro. Introdução

Rede Corporativa. Tutorial 10 mar 2009 Fabio Montoro. Introdução Tutorial 10 mar 2009 Fabio Montoro Rede Corporativa Introdução Rede corporativa é um sistema de transmissão de dados que transfere informações entre diversos equipamentos de uma mesma corporação, tais

Leia mais

ANEXO 5 AO CONTRATO DE INTERCONEXÃO DE REDES CLASSE V ENTRE SAMM E XXX NºXXX

ANEXO 5 AO CONTRATO DE INTERCONEXÃO DE REDES CLASSE V ENTRE SAMM E XXX NºXXX ANEXO 5 AO CONTRATO DE INTERCONEXÃO DE REDES CLASSE V ENTRE SAMM E XXX NºXXX PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS, PROCEDIMENTOS DE TESTES E PARÂMETROS DE QUALIDADE 1. PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS 1.1 As Partes observarão

Leia mais

1- Onde se lia: ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

1- Onde se lia: ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA Divinolândia, 05 de maio de 2010 Prezados senhores interessados, Esta comissão de Julgamento de Licitação do Conderg Hospital Regional de Divinolândia, esclarece através deste, alteração feita no Edital

Leia mais

ANEXO I-a ARQUITETURA DA REDE INFOSUS II

ANEXO I-a ARQUITETURA DA REDE INFOSUS II ANEXO I-a ARQUITETURA DA REDE INFOSUS II 1. Descrição da rede INFOSUS II A Rede INFOSUS II, Infovia Integrada do Sistema Único de Saúde (SUS), consistirá em infra-estrutura de telecomunicações, a ser utilizada

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES. 2.6. Possibilidade de prover serviço de hospedagem para DNS secundário.

ESPECIFICAÇÕES. 2.6. Possibilidade de prover serviço de hospedagem para DNS secundário. 1 1. OBJETO ESPECIFICAÇÕES Contratação de serviços de telecomunicações para implementação, operação e manutenção de um circuito de acesso, síncrono, dedicado à Internet, na velocidade de 6Mbps, com disponibilidade

Leia mais

No item 3.1 (n) do Anexo I Especificação Técnica é especificado que:

No item 3.1 (n) do Anexo I Especificação Técnica é especificado que: Questionamento 1 Entendemos que para determinar o valor da Cesta de Serviços Mensal (CSM), utilizaremos como base as quantidades de PEP e de TVBB constantes no Anexo 07 (Minuta de Proposta) - página 31

Leia mais

Resposta: A Velocidade inicial é 512K. Os links abaixo serão automaticamente migrados.

Resposta: A Velocidade inicial é 512K. Os links abaixo serão automaticamente migrados. Questionamentos Item 2.6: É citado que os acessos terão capacidade de transmissão de 512 Kbps até 10 Gbps, porém na previsão de novos acessos existem diversos pontos com velocidade de 256 Kbps; Resposta:

Leia mais

TECNOLOGIA DE ACESSO A REDES Prof. André Ciriaco andreciriaco@hotmail.com Aula 02 Objetivo da Aula Apresentação da Atividade PO última aula 1.5. Redes WAN Conceitos 1.5.1 Redes Wan -História 1.5.2 Elementos

Leia mais

Conforme questionamentos enviados, temos a esclarecer:

Conforme questionamentos enviados, temos a esclarecer: MINISTÉRIO DO TURISMO SECRETARIA-EXECUTIVA DIRETORIA DE GESTÃO INTERNA COORDENAÇÃO-GERAL DE RECURSOS LOGÍSTICOS COORDENAÇÃO DE RECURSOS LOGÍSTICOS Processo nº 72030.000459/2012-17 Assunto: Questionamentos

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE V: Telecomunicações, Internet e Tecnologia Sem Fio. Tendências em Redes e Comunicações No passado, haviam dois tipos de redes: telefônicas e redes

Leia mais

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento Romeu Reginato Julho de 2007 Rede. Estrutura de comunicação digital que permite a troca de informações entre diferentes componentes/equipamentos

Leia mais

Esclarecimentos no Pregão 19/2014 (prestação de serviços de telecomunicação de acesso dedicado à Internet):

Esclarecimentos no Pregão 19/2014 (prestação de serviços de telecomunicação de acesso dedicado à Internet): Esclarecimentos no Pregão 19/2014 (prestação de serviços de telecomunicação de acesso dedicado à Internet): PEDIDO DE ESCLARECIMENTOS 4 (OI) E RESPOSTAS: TRT- TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO 3ª REGIÃO, EM

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Topologias Tipos de Arquitetura Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 REDES LOCAIS LAN -

Leia mais

XXSNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XXSNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XXSNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO XV GRUPO DE ESTUDO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÃO PARA

Leia mais

PREGÃO PRESENCIAL N. 23/2013 ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

PREGÃO PRESENCIAL N. 23/2013 ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO 1 PREGÃO PRESENCIAL N. 23/2013 ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA Objeto PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INTERNET BANDA LARGA ATRAVÉS DE EMPRESA ESPECIALIZADA NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE LINK DE INTERNET VIA REDE

Leia mais

Apostilas de Eletrônica e Informática SDH Hierarquia DigitaL Síncrona

Apostilas de Eletrônica e Informática SDH Hierarquia DigitaL Síncrona SDH A SDH, Hierarquia Digital Síncrona, é um novo sistema de transmissão digital de alta velocidade, cujo objetivo básico é construir um padrão internacional unificado, diferentemente do contexto PDH,

Leia mais

ESCLARECIMENTO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 023/2015-EMAP. O edital especifica em seu item 11.1.13.3, transcrito abaixo:

ESCLARECIMENTO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 023/2015-EMAP. O edital especifica em seu item 11.1.13.3, transcrito abaixo: ESCLARECIMENTO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 023/2015-EMAP O Pregoeiro da Empresa Maranhense de Administração Portuária - EMAP, em razão de solicitação da empresa TELEMAR NORTE LESTE S.A, torna público aos interessados,

Leia mais

QUESTIONAMENTOS EDITAL PREGÃO ELETRÔNICO No.14000174/2014 AC

QUESTIONAMENTOS EDITAL PREGÃO ELETRÔNICO No.14000174/2014 AC QUESTIONAMENTOS EDITAL PREGÃO ELETRÔNICO No.14000174/2014 AC Questionamento 1 No subitem 5.2.3 da Especificação Técnica, embora seja pedida a utilização de aceleração de tráfego HTTP e TCP Spoofing, não

Leia mais

Oferta Pública de Interconexão. Classe V

Oferta Pública de Interconexão. Classe V SAMM - Sociedade de Atividades em Multimídia Ltda. Oferta Pública de Interconexão Classe V Oferta Pública de Interconexão de Redes OPI apresentada ao mercado nos termos do Regulamento Geral de Interconexão

Leia mais

Aula 1 Fundamentos. Prof. Dr. S. Motoyama

Aula 1 Fundamentos. Prof. Dr. S. Motoyama Aula 1 Fundamentos Prof. Dr. S. Motoyama 1 O que é uma Rede de Computadores? Vários tipos de redes: Redes Telefônicas Redes de Satélites Redes Celulares Redes de TV a cabo Internet e intranets Rede Privada

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Redes WAN de Circuitos Virtuais www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução Na aula de hoje serão apresentadas duas tecnologias de redes de longa distância

Leia mais

ABRANGÊNCIA: atendimento a no mínimo 60% dos municípios 853 mineiros conforme padrões Anatel

ABRANGÊNCIA: atendimento a no mínimo 60% dos municípios 853 mineiros conforme padrões Anatel Comentários MINUTA TERMO DE REFERENCIA Lote 9A ABRANGÊNCIA: atendimento a no mínimo 60% dos municípios 853 mineiros conforme padrões Anatel Resposta: Fica mantido o texto da minuta do TR. 2.2 O provimento

Leia mais

Tecnologia da Informação Apostila 02

Tecnologia da Informação Apostila 02 Parte 6 - Telecomunicações e Redes 1. Visão Geral dos Sistemas de Comunicações Comunicação => é a transmissão de um sinal, por um caminho, de um remetente para um destinatário. A mensagem (dados e informação)

Leia mais

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br TI Aplicada Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br Conceitos Básicos Equipamentos, Modelos OSI e TCP/IP O que são redes? Conjunto de

Leia mais

Redes WAN. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

Redes WAN. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes WAN Frame-Relay Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Desdobramento da ISDN Alta Velocidade Taxas entre 64 Kbps e 2 Mbps Roteamento na Camada de Enlace Usada p/ interligar: WAN, SNA, Internet

Leia mais

Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose)

Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose) Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose) 1. Quais são os tipos de redes de computadores e qual a motivação para estudá-las separadamente? Lan (Local Area Networks) MANs(Metropolitan Area Networks) WANs(Wide

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO EDITAL DE LICITAÇÃO TSE N.º /2009 MODALIDADE : PREGÃO ANEXO I PROJETO BÁSICO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO EDITAL DE LICITAÇÃO TSE N.º /2009 MODALIDADE : PREGÃO ANEXO I PROJETO BÁSICO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO EDITAL DE LICITAÇÃO TSE N.º /2009 MODALIDADE : PREGÃO ANEXO I PROJETO BÁSICO Rede de Comunicação da Justiça Eleitoral BACKBONE SECUNDÁRIO

Leia mais

Redes Locais, Metropolitanas e de Longa Distância

Redes Locais, Metropolitanas e de Longa Distância Redes Locais, Metropolitanas e de Longa Distância Hermes Senger Pós-Graduação Lato Sensu em Redes de Computadores - DC - UFSCar Redes LAN, MAN e WAN - 1 Histórico - até início dos anos 80 Computação baseada

Leia mais

Tecnologia da Informação e Comunicação. Euber Chaia Cotta e Silva

Tecnologia da Informação e Comunicação. Euber Chaia Cotta e Silva Tecnologia da Informação e Comunicação Euber Chaia Cotta e Silva Redes e a Internet Conceitos Básicos 01 Para que você possa entender o que é e como funciona a Internet é necessário primeiro compreender...

Leia mais

RCO2. LANs, MANs e WANs Visão geral

RCO2. LANs, MANs e WANs Visão geral RCO2 LANs, MANs e WANs Visão geral 1 LAN, MAN e WAN Classificação quanto a alcance, aplicação e tecnologias Distâncias: WAN: : distâncias arbitrariamente longas MAN: : distâncias médias (urbanas) LAN:

Leia mais

CONTRATO PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Nº 06/2013 ORIGEM: PREGÃO PRESENCIAL Nº 08/2013

CONTRATO PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Nº 06/2013 ORIGEM: PREGÃO PRESENCIAL Nº 08/2013 CONTRATO PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Nº 06/2013 ORIGEM: PREGÃO PRESENCIAL Nº 08/2013 Pelo presente Contrato, de um lado a Câmara Municipal de Unaí, inscrita no CNPJ/MF sob o nº 19.783.570/0001-23, com sede à

Leia mais

Senhor Pregoeiro: Chegou ao conhecimento desta Divisão de Hardware e Redes apresentação de questionamentos

Senhor Pregoeiro: Chegou ao conhecimento desta Divisão de Hardware e Redes apresentação de questionamentos Senhor Pregoeiro: Chegou ao conhecimento desta Divisão de Hardware e Redes apresentação de questionamentos ao Edital da Concorrência de Registro de Preços CR-RP N. 019/CELIC/2014, que trata da contratação

Leia mais

Fundamentos. Prof. Dr. S. Motoyama

Fundamentos. Prof. Dr. S. Motoyama Fundamentos Prof. Dr. S. Motoyama 1 Tipos de Comunicação - Difusão: Rádio e TV - Pessoa-a-Pessoa: Telefonia - Máquina-a-Máquina: Computadores Difusão: Rádio e TV Receptor Receptor Receptor Transmissor

Leia mais

1. ITENS 4.3 ALÍNEAS A,B,C,D E ITEM 14.4 DAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

1. ITENS 4.3 ALÍNEAS A,B,C,D E ITEM 14.4 DAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS QUESTIONAMENTOS EDITAL PREGÃO ELETRÔNICO No.14000174/2014 AC 1. ITENS 4.3 ALÍNEAS A,B,C,D E ITEM 14.4 DAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Quanto ao item 4.3, entendemos que os prazos expostos no edital são para

Leia mais

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Marcos R. Dillenburg Gerente de P&D da Novus Produtos Eletrônicos Ltda. (dillen@novus.com.br) As aplicações de

Leia mais

Pós-Graduação em Segurança da Informação Exercícios de Redes de Alta Velocidade Professor : Marco Antônio C. Câmara - 15/03/2014. Aluno(a) : Gabarito

Pós-Graduação em Segurança da Informação Exercícios de Redes de Alta Velocidade Professor : Marco Antônio C. Câmara - 15/03/2014. Aluno(a) : Gabarito Aluno(a) : Gabarito 1 a. Questão : Com base no estudo dos aspectos de segurança de redes que afetam a performance, para cada uma das afirmações abaixo, assinale (C)erto ou (E)rrado. No caso da opção estar

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Por que redes de computadores? Tipos de redes Componentes de uma rede IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 Quando o assunto é informática, é impossível não pensar em

Leia mais

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede Interconexão de redes locais Existência de diferentes padrões de rede necessidade de conectá-los Interconexão pode ocorrer em diferentes âmbitos LAN-LAN LAN: gerente de um determinado setor de uma empresa

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Conceito de Redes Redes de computadores são estruturas físicas (equipamentos) e lógicas (programas, protocolos) que permitem que dois ou mais computadores

Leia mais

I DA QUALIFICAÇÃO ECONÔMICO FINANCEIRA ITEM 1.4, c DO EDITAL

I DA QUALIFICAÇÃO ECONÔMICO FINANCEIRA ITEM 1.4, c DO EDITAL JULGAMENTO DO PEDIDO Feito: Pedido de Alteração de Instrumento Convocatório Referência: Edital Pregão Eletrônico SRP nº004/2014 Objeto: Contratação de serviços especializados de comunicação de dados compreendendo

Leia mais

ANEXO I PROCEDIMENTO LICITATÓRIO Nº 2/2009 PREGÃO PRESENCIAL Nº 2/2009

ANEXO I PROCEDIMENTO LICITATÓRIO Nº 2/2009 PREGÃO PRESENCIAL Nº 2/2009 ANEXO I PROCEDIMENTO LICITATÓRIO Nº 2/2009 PREGÃO PRESENCIAL Nº 2/2009 TERMO DE REFERÊNCIA 1. OBJETO 1.1. Registro de preços para futura contratação de empresa especializada em prestação de serviços de

Leia mais

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1.

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. (CODATA 2013) Em relação à classificação da forma de utilização

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES E REDES

TELECOMUNICAÇÕES E REDES TELECOMUNICAÇÕES E REDES 1 OBJETIVOS 1. Quais são as tecnologias utilizadas nos sistemas de telecomunicações? 2. Que meios de transmissão de telecomunicações sua organização deve utilizar? 3. Como sua

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE PASSOS

CÂMARA MUNICIPAL DE PASSOS PR/OI/1-HNJXVY/2014 CÂMARA MUNICIPAL DE PASSOS Pregão Presencial N.º 001/2014 LOTE Contratação de empresa especializada para prestação de serviços de telecomunicação de acesso dedicado à internet. Abertura:

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação das mensagens

Leia mais

1 Lista de exercícios 01

1 Lista de exercícios 01 FRANCISCO TESIFOM MUNHOZ 2007 1 Lista de exercícios 01 1) No desenvolvimento e aperfeiçoamento realizado em redes de computadores, quais foram os fatores que conduziram a interconexão de sistemas abertos

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

:: Telefonia pela Internet

:: Telefonia pela Internet :: Telefonia pela Internet http://www.projetoderedes.com.br/artigos/artigo_telefonia_pela_internet.php José Mauricio Santos Pinheiro em 13/03/2005 O uso da internet para comunicações de voz vem crescendo

Leia mais

terá a capacidade inicial de 32Mb, com possibilidade de expansão mínima de até 128Mb.

terá a capacidade inicial de 32Mb, com possibilidade de expansão mínima de até 128Mb. MEMORIAL DESCRITIVO Objeto 1.1 O objeto do presente Termo de Referência (TR) é a contratação de empresa, ou consórcio de empresas, para o provimento de serviço de acesso à rede Internet no município SANTO

Leia mais

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano Redes de Dados Aula 1 Introdução Eytan Mediano 1 6.263: Redes de Dados Aspectos fundamentais do projeto de redes e análise: Arquitetura Camadas Projeto da Topologia Protocolos Pt - a Pt (Pt= Ponto) Acesso

Leia mais

AULA Redes de Computadores e a Internet

AULA Redes de Computadores e a Internet UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Faculdade de Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Disciplina: INF64 (Introdução à Ciência da Computação) Prof: Anilton Joaquim da Silva / Ezequiel

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Professor: Rodrigo Caetano Filgueira Tecnologias WAN TECNOLOGIAS WAN Quando uma empresa cresce e passa a ter instalações em várias localidades, é necessário interconectar as redes

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais

Diretoria de Operação

Diretoria de Operação Diretoria de Operação Superintendência de Telecomunicações e Sistemas de Controle Departamento de Telecomunicações Divisão de Operação e Gerenciamento de Recursos de Telecomunicações TERMO DE REFERÊNCIA

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Metro-Ethernet (Carrier Ethernet) www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Ethernet na LAN www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique

Leia mais

1 Redes de comunicação de dados

1 Redes de comunicação de dados 1 Redes de comunicação de dados Nos anos 70 e 80 ocorreu uma fusão dos campos de ciência da computação e comunicação de dados. Isto produziu vários fatos relevantes: Não há diferenças fundamentais entre

Leia mais

GERÊNCIA INFRAESTRUTURA Divisão Intragov - GIOV INTRAGOV Rede IP Multisserviços

GERÊNCIA INFRAESTRUTURA Divisão Intragov - GIOV INTRAGOV Rede IP Multisserviços GERÊNCIA INFRAESTRUTURA Divisão Intragov - GIOV INTRAGOV Rede IP Multisserviços Julho 2013 Milton T. Yuki Governo Eletrônico (e-gov) Público Alvo Cidadão/Sociedade Órgãos de Governo Serviços e-gov para

Leia mais

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas MÓDULO 5 Tipos de Redes 5.1 LAN s (Local Area Network) Redes Locais As LAN s são pequenas redes, a maioria de uso privado, que interligam nós dentro de pequenas distâncias, variando entre 1 a 30 km. São

Leia mais

RESPOSTA Nº 01 DO EDITAL ADG 003/2015 - Contratação de Prestação de Serviços de Telecomunicação Corporativa (RTC)

RESPOSTA Nº 01 DO EDITAL ADG 003/2015 - Contratação de Prestação de Serviços de Telecomunicação Corporativa (RTC) RESPOSTA Nº 01 DO EDITAL ADG 003/2015 - Contratação de Prestação de Serviços de Telecomunicação Corporativa (RTC) PERGUNTA 1: Com relação ao exposto no item 3.1.12.2 do Anexo II: A solução deverá suportar

Leia mais

09/06/2011. Profª: Luciana Balieiro Cosme

09/06/2011. Profª: Luciana Balieiro Cosme Profª: Luciana Balieiro Cosme Revisão dos conceitos gerais Classificação de redes de computadores Visão geral sobre topologias Topologias Barramento Anel Estrela Hibridas Árvore Introdução aos protocolos

Leia mais

CONTRATAÇÃO DE ENLACE DE DADOS INTERLIGAÇÃO À INTERNET IPLANRIO PCRJ

CONTRATAÇÃO DE ENLACE DE DADOS INTERLIGAÇÃO À INTERNET IPLANRIO PCRJ À IPLANRIO Secretaria Municipal da Casa Civil Orientador Nº 379/2013 Orientações ao Edital para Licitação e Contratação Referência Anexo do Edital CONTRATAÇÃO DE ENLACE DE DADOS INTERLIGAÇÃO À INTERNET

Leia mais

Planejamento e Projeto de Redes de Computadores. Eduardo Barrére

Planejamento e Projeto de Redes de Computadores. Eduardo Barrére Planejamento e Projeto de Redes de Computadores Eduardo Barrére Aula Presencial Projeto Físico Eduardo Barrére eduardo.barrere@ice.ufjf.br O projeto deve considerar Seleção de tecnologias (conforme o projeto

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK)

ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK) ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK) 1. VPN Segundo TANENBAUM (2003), VPNs (Virtual Private Networks) são redes sobrepostas às redes públicas, mas com

Leia mais

Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador. Aula 04 - Estrutura de Redes de Comunicação. Objetivo : Roteiro da Aula :

Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador. Aula 04 - Estrutura de Redes de Comunicação. Objetivo : Roteiro da Aula : Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador Aula 04 - Estrutura de Redes de Comunicação Objetivo : Nesta aula, vamos começar a entender o processo de interligação entre os equipamentos

Leia mais

JULGAMENTO DE IMPUGNAÇÃO

JULGAMENTO DE IMPUGNAÇÃO Protocolo: 0383/2015 Processo: PREGÃO PRESENCIAL SESI/SENAI - PR Nº 157/2015 Objeto: Abertura: CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIDEOCONFERÊNCIA E LOCAÇÃO DE EQUIPAMENTOS. 08/04/2015 - Suspensa Sine Die Impugnantes:

Leia mais

EXPERIÊNCIA DA ALSTOM NA IMPLANTAÇÃO DE UM COG PARA OPERAÇÃO REMOTA DE PCH s ATRAVÉS DE COMUNICAÇÃO VIA SATÉLITE

EXPERIÊNCIA DA ALSTOM NA IMPLANTAÇÃO DE UM COG PARA OPERAÇÃO REMOTA DE PCH s ATRAVÉS DE COMUNICAÇÃO VIA SATÉLITE EXPERIÊNCIA DA ALSTOM NA IMPLANTAÇÃO DE UM COG PARA OPERAÇÃO REMOTA DE PCH s ATRAVÉS DE COMUNICAÇÃO VIA SATÉLITE Autores: Orlando Fernandes de Oliveira Neto Sebastião Gomes Neto Edson Ricardo da Rocha

Leia mais

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede Rede de Computadores Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações nos

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S.A. ELETROBRAS AVISO DE ESCLARECIMENTO Nº 04 EDITAL DE PREGÃO ELETRÔNICO DAC Nº 26/2015

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S.A. ELETROBRAS AVISO DE ESCLARECIMENTO Nº 04 EDITAL DE PREGÃO ELETRÔNICO DAC Nº 26/2015 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S.A. ELETROBRAS AVISO DE ESCLARECIMENTO Nº 04 EDITAL DE PREGÃO ELETRÔNICO DAC Nº 26/2015 A Centrais Elétricas Brasileiras S.A. ELETROBRAS, por

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br O que é a Internet? Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais Executando aplicações Enlaces de comunicação: fibra, cobre, rádio,

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Arquitetura Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 A arquitetura de redes tem como função

Leia mais

Infraestrutura e Tecnologia

Infraestrutura e Tecnologia Fundada em 1999, a Mundivox é uma operadora de telecomunicações licenciada pela Anatel e tem como principal objetivo ser a melhor provedora de soluções integradas em serviços de comunicação de voz e dados

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade I REDES DE COMPUTADORES E

Prof. Luís Rodolfo. Unidade I REDES DE COMPUTADORES E Prof. Luís Rodolfo Unidade I REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO C Redes de computadores e telecomunicação Objetivo: apresentar os conceitos iniciais e fundamentais com relação às redes de computadores

Leia mais

Redes de Computadores II Prova 3 13/07/2012. Nome:

Redes de Computadores II Prova 3 13/07/2012. Nome: Redes de Computadores II Prova 3 13/07/2012 Nome: 1. Com base na rede mostrada abaixo: i. Assumindo que essa rede use IP, circule as subredes IP que nela devem ser criadas. ii. Identifique um protocolo

Leia mais

ANEXO II PROJETO BÁSICO - INTERNET

ANEXO II PROJETO BÁSICO - INTERNET 1. Objetivo 1.1. Contratação de serviços para fornecimento de uma solução de conexão IP Internet Protocol que suporte aplicações TCP/IP e disponibilize a PRODEB acesso a rede mundial de computadores Internet,

Leia mais

Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página

Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes 1 Redes de Dados Inicialmente o compartilhamento de dados era realizado a partir de disquetes (Sneakernets) Cada vez que um arquivo era modificado ele teria que

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAZONAS (TJAM) COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO (CPL)

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAZONAS (TJAM) COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO (CPL) REFERÊNCIA Pedido de Esclarecimento ao Edital do Pregão Eletrônico nº. 028/2015, Processo Administrativo nº 27831/2013, cujo objeto é a contratação de empresa especializada para prestação de serviços de

Leia mais

Disciplina: Redes de Computadores I (R1)

Disciplina: Redes de Computadores I (R1) UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUI UFPI Colégio Agrícola de Teresina Campus da Socopo Professor: José Valdemir dos Reis Junior Disciplina: Redes de Computadores I (R1) Orientada a Conexão Primeira rede pública

Leia mais

ESCLARECIMENTO Nº 02

ESCLARECIMENTO Nº 02 ESCLARECIMENTO Nº 02 Segue abaixo, solicitações formuladas por empresas participantes da licitação supra e as respectivas respostas de FURNAS: 1. Pergunta: Solicitamos todas as distâncias entre as salas

Leia mais

SECRETARIA DE FAZENDA - DF SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DE DADOS, VOZ E IMAGENS VIA RÁDIO.

SECRETARIA DE FAZENDA - DF SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DE DADOS, VOZ E IMAGENS VIA RÁDIO. SECRETARIA DE FAZENDA - DF SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DE DADOS, VOZ E IMAGENS VIA RÁDIO. 1 Marcelo Herbert de Lima Chefe do Núcleo de Controle da Produção DADOS, VOZ E IMAGENS VIA RÁDIO. 2 1 Roteiro A Secretaria

Leia mais

Redes de Computadores I. Gabarito da Lista de Exercícios

Redes de Computadores I. Gabarito da Lista de Exercícios Redes de Computadores I Gabarito da Lista de Exercícios 1) Uma rede comutada por circuitos cobra R$ 0,50 por minuto de utilização, comporta até 1000 circuitos simultâneos com capacidade de 64 kbps (cada)

Leia mais

Redes II ISDN e Frame Relay

Redes II ISDN e Frame Relay Redes II ISDN e Frame Relay Súmario 1. Frame Relay 02 1.1 Introdução 02 1.2 Velocidade 03 1.3 A Especificação X.25 03 1.3.1 Nível de Rede ou pacotes 03 1.3.2 Nível de Enlace ou de Quadros 04 1.3.3 Nível

Leia mais

Conectividade para acesso a serviços BM&F BOVESPA

Conectividade para acesso a serviços BM&F BOVESPA Bolsa de Valores, Mercadorias & Futuros Conectividade para acesso a serviços BM&F BOVESPA 1. SUMÁRIO... 4 2. CARACTERÍSTICAS DA REDE RCCF PRIMESYS... 5 2.1. CRITÉRIOS DE USO DA REDE RCCF PRIMESYS... 5

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA n 01/2013 PERGUNTAS FREQUENTES

CHAMADA PÚBLICA n 01/2013 PERGUNTAS FREQUENTES CHAMADA PÚBLICA n 01/2013 PERGUNTAS FREQUENTES 1. Como identificar na cidade onde esta a torre, caixa e fibra? Resposta: No Site do governo do Estado(www.ceara.gov.br) ou no link direto http://cinturao.etice.ce.gov.br/cinturao/public/zabix.jsf,

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES LAN MAN WAN

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES LAN MAN WAN SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES LAN MAN WAN - Prof. Airton / airton.ribeiros@gmail.com - Prof. Altenir / altenir.francisco@gmail.com 1 REDE LOCAL LAN - Local Area Network

Leia mais

UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO TOPOLOGIAS. Profº Erinaldo Sanches Nascimento

UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO TOPOLOGIAS. Profº Erinaldo Sanches Nascimento UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO TOPOLOGIAS Profº Erinaldo Sanches Nascimento Objetivos Examinar as várias maneiras para projetar a infraestrutura de cabo para

Leia mais

VIDEOCONFERÊNCIA Edital de Licitação. Perguntas e Respostas Emissão: 24/09/2007

VIDEOCONFERÊNCIA Edital de Licitação. Perguntas e Respostas Emissão: 24/09/2007 VIDEOCONFERÊNCIA Edital de Licitação Pregão Conjunto nº 27/2007 Processo n 11554/2007 Perguntas e Respostas Emissão: 24/09/2007 ITEM QUE ALTERA O EDITAL: Pergunta n o 1: Entendemos que, pelo fato do protocolo

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática zegonc@inf.ufes.br

Redes de Computadores. Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática zegonc@inf.ufes.br Redes de Computadores Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática zegonc@inf.ufes.br Classificação de Redes Redes de Computadores Conjunto de nós processadores capazes de trocar informações

Leia mais

Edital Rede IP - 2014 Objetivo

Edital Rede IP - 2014 Objetivo Objetivo Apresentar as principais modificações e adequações previstas para o novo edital da Rede IP Multisserviços Agenda 1. Publicação da documentação; 2. Premissas adotadas; 3. Fator de Capacidade (FCA)

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo

Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAL COORDENADORIA DE LICITAÇÕES E CONTRATOS São Paulo, 08 de maio de 2014. REF.: Pregão Eletrônico Federal 28/2014 Aquisição

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE PASSOS

CÂMARA MUNICIPAL DE PASSOS PR/OI/1-HNJXVY/2014 CÂMARA MUNICIPAL DE PASSOS Pregão Presencial N.º 001/2014 LOTE Contratação de empresa especializada para prestação de serviços de telecomunicação de acesso dedicado à internet. Abertura:

Leia mais

PROPOSTA TÉCNICA COMERCIAL IMPLANTAÇÃO DE REDE FTTH E SERVIÇOS DE ACESSO À INTERNET BANDA LARGA E TELEFONIA

PROPOSTA TÉCNICA COMERCIAL IMPLANTAÇÃO DE REDE FTTH E SERVIÇOS DE ACESSO À INTERNET BANDA LARGA E TELEFONIA PROPOSTA TÉCNICA COMERCIAL IMPLANTAÇÃO DE REDE FTTH E SERVIÇOS DE ACESSO À INTERNET BANDA LARGA E TELEFONIA São Paulo, 09 de junho de 2010. Ao A/C.: Condomínio Colinas do Atibaia Jorge Vicente Lopes da

Leia mais

Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro OS DESAFIOS E BENEFÍCIOS DE UMA REDE PRIVADA DE TRANSMISSÃO DE DADOS

Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro OS DESAFIOS E BENEFÍCIOS DE UMA REDE PRIVADA DE TRANSMISSÃO DE DADOS OS DESAFIOS E BENEFÍCIOS DE UMA REDE PRIVADA DE TRANSMISSÃO DE DADOS BREVE HISTÓRICO DO TJRJ O Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro atua em todo o Estado com 96 comarcas, 1694 serventias de

Leia mais