mv&z BEM-ESTAR ANIMAL SAÚDE PÚBLICA VETERINÁRIA XI CONPAVET

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "mv&z BEM-ESTAR ANIMAL SAÚDE PÚBLICA VETERINÁRIA XI CONPAVET"

Transcrição

1 mv&z CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA VETERINÁRIA DO ESTADO DE SÃO PAULO ISSN VOL 11 Nº REVISTA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA EM MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA JOURNAL OF CONTINUING EDUCATION IN ANIMAL SCIENCE XI CONPAVET Congresso Paulista das Especialidades 2013 SAÚDE PÚBLICA VETERINÁRIA Trabalho reúne os principais aspectos técnicos e jurídicos sobre Leishmaniose Visceral no Brasil BEM-ESTAR ANIMAL Artigo aborda os benefícios da aplicação do conceito de enriquecimento ambiental para a promoção do bem-estar animal

2 Dados internacionais de catalogação na publicação Revista de Educação Continuada em Medicina Veterinária e Zootecnia do CRMV-SP / Publicação do Conselho Regional de Medicina Veterinária. v. 11, n. 2 (2013). São Paulo: Conselho Regional de Medicina Veterinária, 1998 v. : il. ; 28 cm. Quadrimestral Continuação de: Revista de Educação Continuada do CRMV-SP, São Paulo, v. 11, n. 2 (2013). ISSN Medicina veterinária. I. Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de São Paulo. Deusa mitológica cercada de animais. Ilustração de Ike Motta baseada no original da Escola de Medicina Veterinária de São Paulo F. Ranzini 1930

3 EX LIBRIS CRMV SP

4 SUMÁRIO 6 18 Corpo de revisores Bem-Estar Animal Bem-estar no cativeiro: um desafio a ser vencido Saúde Pública Veterinária Vigilância e controle de reservatórios da leishmaniose visceral no Brasil: aspectos técnicos e jurídicos 24 A similaridade genética de Escherichia coli patogênica para as aves (APEC) com estirpes humana e a resistência antimicrobiana justificam a preocupação sanitária em relação aos produtos de origem aviária? Abandono de cães na América Latina: revisão de literatura Clínica de Pequenos Animais Síndrome respiratória dos cães braquicefálicos: relato de caso CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA VETERINÁRIA DO ESTADO DE SÃO PAULO CRMV-SP DIRETORIA EXECUTIVA Presidente Méd. Vet. Francisco Cavalcanti de Almeida Vice-presidente Méd. Vet. Mário Eduardo Pulga Secretário-geral Méd. Vet. Silvio Arruda Vasconcellos Tesoureira Méd. Vet. Eliana Kobayashi Conselheiros Efetivos Méd. Vet. Carlos Maurício Leal Méd. Vet. Cláudio Regis Depes Méd. Vet. Márcio Rangel de Mello Méd. Vet. Otávio Diniz Méd. Vet. Antônio Guilherme Machado de Castro Méd. Vet. José Rafael Modolo Conselheiros Suplentes Méd. Vet. Abrahão Buchatsky Méd. Vet. Alexandre Jacques Louis Develey Méd. Vet. Fábio Fernando Ribeiro Manhoso Méd. Vet. José Antônio Visintin Méd. Vet. Mitika Kuribayashi Hagiwara Méd. Vet. Yves Miceli de Carvalho URFAS Unidade Regional de Fiscalização Rua Oscar Rodrigues Alves, 55, 7º andar, Sl. 12 e Atendimento Araçatuba Fone: Fax: Unidade Regional de Fiscalização Rua Amando de Barros, e Atendimento Botucatu Fone/fax: Unidade Regional de Fiscalização Av. Dr. Campos Sales, 532, sl. 23 e Atendimento Campinas Fone: Fax: Unidade Regional de Fiscalização Av. Rio Branco, 936, 7º andar e Atendimento Marília Fone/fax: Unidade Regional de Fiscalização e Av. Cel. José Soares Marcondes, 983, sl. 61 Atendimento Presidente Prudente Fone: Fax: Unidade Regional de Fiscalização Rua Visconde de Inhaúma, 490, cj. 306 a 308 e Atendimento Ribeirão Preto Fone/fax: Unidade Regional de Fiscalização Av. Almirante Cochrane, 194, cj. 52 e Atendimento Santos Fone/fax: Unidade Regional de Fiscalização e Rua Marechal Deodoro, 3.011, 8º andar Atendimento São José do Rio Preto Fone/fax: Unidade Regional de Fiscalização Rua Sete de Setembro, 287, 16º andar, cj.165 e Atendimento Sorocaba Fone/fax: Produção Animal Benefícios e limitações do uso de probióticos na nutrição de leitões: revisão e análise crítica Resumos XI CONPAVET Congresso das Especialidades 2013 Normas para publicação Unidade Regional de Fiscalização Rua Jacques Felix, 615 e Atendimento Taubaté Fone: Fax: (12) REVISTA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA EM MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA Reconhecida como veículo de divulgação técnico-científica pelo Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV), Resolução nº 689, de 25 de julho de INDEXAÇÃO Revista de Educação Continuada em Medicina Veterinária e Zootecnia está indexada na Base de Dados da Biblioteca Nacional de Agricultura (BINAGRI) e na Biblioteca Virtual em Medicina Veterinária e Zootecnia (BVS-Vet). CONSELHO EDITORIAL Editor científico Méd. Vet. Silvio Arruda Vasconcellos Editores associados Méd. Vet. Alexandre Jacques Louis Develey Méd. Vet. José Cezar Panetta Méd. Vet. Eduardo Harry Birgel (Academia Paulista de Medicina Veterinária Apamvet) COMISSÃO EDITORIAL Presidente Méd. Vet. Silvio Arruda Vasconcellos Méd. Vet. José Rafael Modolo Méd. Vet. Mário Eduardo Pulga Méd. Vet. Alexandre Jacques Louis Develey CORPO EDITORIAL AD HOC Méd. Vet. Francisco Rafael Martins Soto Méd. Vet. Karime Cury Scarpelli Méd. Vet. Raphael Lucio Andreatti Filho Méd. Vet. Ricardo Moreira Calil Méd. Vet. Rita de Cássia Maria Garcia Méd. Vet. Terezinha Knöbl Méd. Vet. Wanderley Dias da Silveira Assessoria de Comunicação Editor Responsável Jornalista Responsável Méd. Vet. Silvio Arruda Vasconcellos Adrielly Reis MTB: /SP Uma publicação Foto: Cristiane Schilbach Pizzutto Sede do CRMV-SP Revisão Técnica Projeto Gráfico Diagramação Impressão Periodicidade Tiragem Site Distribuição gratuita Rua Apeninos, 1088, Paraíso São Paulo (SP) Fone: Fax: Academia Paulista de Medicina Veterinária Apamvet Plínio Fernandes Traço Leal Danilo Lucari Ribeiro Companhia Lithographica Ypiranga Quadrimestral exemplares Edições da Revista MV&Z estão disponíveis no site

5 EDITORIAL Colega, Fale conosco E sta edição da Revista de Educação Continuada em Medicina Veterinária e Zootecnia tem um sabor especial para nós, do corpo editorial e do CRMV-SP, porque, além de trazer assuntos novos e pertinentes, foi pensada e elaborada para a o XI Congresso das Especialidades (CONPAVET). Com a parceria estabelecida entre a Sociedade Paulista de Medicina Veterinária (SPMV) e a NürnbergMesse Brasil para a Pet South America desse ano, o CRMV-SP pretende, cada vez mais, levar informações relevantes para as classes médica veterinária e zootécnica, elevando o nível de conhecimento dos profissionais acerca das infinitas áreas de atuação a fim de que possam ser aplicadas na prática diária. Diante disso, como o tema bem-estar animal está em voga, na seção Bem-estar Animal, é apresentado um trabalho sobre os benefícios do conceito de enriquecimento ambiental. Em Saúde Pública Veterinária, artigo reúne os principais aspectos técnicos e jurídicos sobre Leishmaniose Visceral no Brasil; também é exposto um estudo sobre E. coli patogênica, que analisa a questão sanitária em relação aos produtos de origem aviária; ainda na mesma seção, o assunto sobre abandono de animais é retratado em um artigo de revisão. Já, na Clínica de Pequenos Animais, é apresentado um relato de caso sobre a síndrome respiratória de cães braquicefálicos; na área de Produção Animal, são analisadas as vantagens e limitações do uso de probióticos na nutrição de leitões. Os Resumos contemplam os trabalhos apresentados no CONPAVET Reiteramos que a Revista MV&Z é uma importante fonte de informação e conhecimento para os profissionais e a sua elaboração depende, fundamentalmente, da participação destes. Por isso, sinta-se à vontade para submeter os seus trabalhos técnicos, os relatos de caso ou os artigos de revisão. Desejamos uma ótima leitura. O Conselho é de todos! Francisco Cavalcanti de Almeida Presidente do crmv-sp CORPO DE REVISORES Adriana Maria Lopes Vieira, CRMV-SP Agar Costa Alexandrino de Perez, CRMV-SP Alexandre Jacques Louis Develey, Apamvet Ana Paula de Araújo, CRMV-SP Antonio Carlos Paes, FMVZ-Unesp Botucatu Antônio Guilherme Machado de Castro, CRMV-SP Antonio J. Piantino Ferreira, FMVZ-USP Arani Nanci Bomfim Mariana, Apamvet Archivaldo Reche Junior, FMVZ-USP Arsênio Baptista, Med. Vet. Autônomo Carla Bargi Belli, FMVZ-USP Carlos Alberto Hussni, FMVZ-Unesp Botucatu Carlos Eduardo Larsson, CRMV-SP Célia Regina Orlandelli Carrer, CRMV-SP Ceres Berger Faraco, Amvebbea Cláudia Barbosa Fernandes, FMVZ-USP Cláudio Ronaldo Pedro, CRMV-SP Édson Ramos de Siqueira, FMVZ-Unesp Botucatu Eduardo Harry Birgel, Apamvet Eduardo Harry Birgel Junior, FZEA-USP Eliana Kobayashi, CRMV-SP Eliana Roxo, Instituto Biológico Éverton Kort Kamp Fernandes, UFG Fábio Fernando Ribeiro Manhoso, UNIMAR SP Fernando José Benesi, FMVZ-USP Flávio Massone, FMVZ - Unesp Botucatu Fumio Honma Ito, FMVZ-USP Helenice de Souza Spinosa, FMVZ-USP Henrique Luis Tavares, CRMV-SP João Palermo Neto, FMVZ-USP John Furlong, Embrapa José Antônio Visintin, FMVZ-USP José de Angelis Côrtes, Apamvet José Henrique Ferreira Musumeci, Med. Vet. Autônomo José Rafael Modolo, FMVZ-Unesp Botucatu Josete Garcia Bersano, Instituto Biológico Júlia Maria Matera, CRMV-SP Karime Cury Scarpelli, CRMV-SP Luis Cláudio Lopes Correa da Silva, FMVZ-USP Luiz Carlos Vulcano, FMVZ-Unesp Botucatu Marcelo Alcindo de Barros Vaz Guimarães, FMVZ-USP Marcelo Bahia Labruna, FMVZ-USP Marcelo da Silva Gomes, CRMV-SP Márcio Corrêa, UFPEL Márcio Gárcia Ribeiro, FMVZ-Unesp Botucatu Márcio Rangel de Mello, CRMV-SP Marcos Veiga dos Santos, FMVZ-USP Maria Angélica Miglino, FMVZ-USP Maria de Lourdes A. Bonadia Reichmann, CRMV-SP Mario Eduardo Pulga, CRMV-SP Maristela Pituco, Instituto Biológico Mitika Kuribayashi Hagiwara, Apamvet Nádia Maria Bueno Fernandes Dias, CRMV-SP Nilson Roberti Benites, FMVZ-USP Odemilson Mossero, MAPA Paulo Marcelo Tavares Ribeiro, CRMV-SP Raimundo de Souza Lopes, FMVZ-Unesp Botucatu Ricardo Moreira Calil, CRMV-SP Rita de Cássia Maria Garcia, CRMV-SP Roberto Calderon Gonçalves, FMVZ-Unesp Botucatu Roberto de Oliveira Roça, FMVZ-Unesp Botucatu Silvio Arruda Vasconcellos, CRMV-SP Sonia Regina Pinheiro, FMVZ-USP Sony Dimas Bicudo, FMVZ-Unesp Botucatu Stélio Pacca Loureiro Luna, FMVZ-Unesp Botucatu Terezinha Knöbl, FMVZ-USP Vicente Borelli, Apamvet Waldir Gandolfi, Apamvet Wilson Roberto Fernandes, FMVZ-USP

6 PIZZUTTO, C.S.; SCARPELLI, K.C.; ROSSI, A.P.; CHIOZZOTTO, E.N.; LECHONSKI, L; Bem-Estar no cativeiro: Um desafio a ser vencido / Welfare in captivity - a challenge to be overcome / Revista de Educação Continuada em Medicina Veterinária e Zootecnia do CRMV-SP / Continuous Education Journal in Veterinary Medicine and Zootechny of CRMV-SP. São Paulo: Conselho Regional de Medicina Veterinária, v. 11, n. 2 (2013), p. 6 17, BEM-ESTAR ANIMAL Bem-estar no cativeiro: um desafio a ser vencido Welfare in captivity - a challenge to be overcome Resumo Proporcionar e mensurar bem-estar para animais mantidos em cativeiro é um grande desafio para profissionais da área. A adaptação frente a diferentes estímulos estressores pode proporcionar custos biológicos importantes nos aspectos clínicos, comportamentais e fisiológicos dos animais. O enriquecimento ambiental é uma ferramenta importante na busca de comportamentos típicos da espécie, melhor qualidade de vida e bem-estar desejável. Summary To provide and to measure welfare of animals in captivity is a great challenge for professionals in this field. Having to adapt to a diversity of stressor stimuli may bring with it important biological expenses for the clinical, physiological and behavioral aspects of these animals. Environmental enrichment is an important tool in the search for species-typical behaviors, better quality of life and the desirable welfare. Recebido em 18 de Julho de 2013 e aprovado em 3 de outubro de mv&z crmvsp.gov.br

7 Cristiane Schilbach Pizzutto 1 Karime Cury Scarpelli 2 Alexandre Pongracz Rossi 3 Evelyn Nestori Chiozzotto 4 Cristiane Schilbach Pizzutto Rua Doutor Miranda de Azevedo, 779 Apto 104 Pompéia, CEP: , São Paulo SP Claudia Leschonski 5 Palavras-chave Bem-estar. Estresse. Comportamento. Cativeiro. Enriquecimento Ambiental. Keywords Welfare. Stress. Behavior. Captivity. Environmental Enrichment. Q uando se está diante de animais que têm a capacidade de sentir conscientemente algo, ou seja, de terem percepções conscientes do que lhes acontece e do que os rodeia, se está a frente de um grande desafio de responsabilidade ética e moral, cabendo aos profissionais da área, assumir ainda mais o papel de defensores de uma condição ímpar de qualidade de vida e bem-estar para estes animais. Independentemente da classificação zoológica e do papel na sociedade, os animais silvestres, exóticos, de companhia, de lazer, de trabalho, de laboratório, de produção são parte integrante de um conjunto de seres vivos que também desempenham um papel de responsabilidade ambiental e equilíbrio para o planeta. Vive-se hoje em um mundo tecnológico, com muito dinamismo e sofisticação, mas se esquece de olhar para os animais ao redor e notar o básico: eles estão tendo as suas necessidades biológicas e etológicas privadas e, consequentemente, sua saúde está fragilizada e o seu bemestar está comprometido. 1 Médica Veterinária. Membro da Comissão de Bem-estar Animal do Conselho Regional de Medicina Veterinária e Zootecnia do Estado de São Paulo/ CRMV SP. Coordenadora do Shape Brasil 2 Médica Veterinária. Presidente da Comissão de Bem-estar Animal do Conselho Regional de Medicina Veterinária e Zootecnia do Estado de São Paulo/ CRMV SP. 3 Zootecnista. Presidente Cão Cidadão. Membro da Comissão de Bem-estar Animal do Conselho Regional de Medicina Veterinária e Zootecnia do Estado de São Paulo/ CRMV SP. 4 Médica Veterinária. Membro da Comissão de Bem-estar Animal do Conselho Regional de Medicina Veterinária e Zootecnia do Estado de São Paulo/ CRMV SP. 5 Médica Veterinária. Professora UNISO (Universidade de Sorocaba) SP. Membro da Comissão de Bem-estar Animal do Conselho Regional. crmvsp.gov.br mv&z 7

8 BEM-ESTAR ANIMAL Cristiane Schilbach Pizzutto Foto 1: Quebra-cabeça alimentar utilizado para primatas com o objetivo de dificultar a busca de alimentos Resgatar os primeiros apontamentos de Hans Selye, em 1936 (MOBERG, 1985), que apresentou as primeiras definições de estresse para entender as suas causas, a sua fisiologia e as suas implicações na saúde física e mental de um animal é o primeiro passo para se pensar no enriquecimento ambiental como um instrumento importante a ser utilizado na busca do bem-estar do animal cativo. O Estresse O termo estresse é reportado nos dias de hoje como o grande responsável por males cotidianos ou clínicos que afetam os seres humanos e os animais, tais como cansaço, irritação, alterações súbitas de humor, agressividades, desinteresse sexual, depressão, ansiedade, fobias, lesões de esforço repetido, alergia, melancolia, entre outros (BOERE, 2002), mas a sua definição exata ainda não encontra consenso entre pesquisadores, justamente por ser um mecanismo de adaptação (BREZNITZ e GOLDBERGER, 1986). No entanto, muitos pesquisadores acreditam que o estresse é um mecanismo de defesa do organismo para os desafios cotidianos ou extraordinários envolvendo primariamente vias neuroendócrinas que sustentam o comportamento adaptativo (BOERE, 2002, SGAI et al., 2010). Os animais adaptam-se a situações previsíveis por meio de modificações fisiológicas e comportamentais, uma vez que seus habitats não são estáticos. Os componentes não previsíveis promovem o chamado estágio de emergência, que resulta em mudanças nos parâmetros endócrinos e metabólicos de um organismo (MÖSTL e PALME, 2002). Um grande número de hormônios (ACTH, glicocorticoides, catecolaminas e prolactina) está envolvido nas respostas ao estresse (MATTERI et al., 2000). As glândulas adrenais têm um papel-chave nas respostas hormonais ao estresse, agindo, por exemplo, no eixo hipotalâmicopituitário-adrenal, que é altamente sensível a estressores psicológicos resultantes da percepção de perigo ou ameaça, novidade ou incerteza do ambiente (MASON, 1968; HENNESSY e LEVINE, 1979; HENNESSY et al., 1979; CARLSTEAD et al., 1992; CARLSTEAD e BROWN, 2005). Situações adversas desencadeiam respostas das adrenais, resultando em um aumento da secreção de glicocorticoides e/ou catecolaminas. Este é o primeiro mecanismo de defesa do organismo contra as condições estressantes (MOBERG, 2000). O estresse não pode e nem deve ser evitado, pois permite que indivíduos se preparem para situações em que possa haver a necessidade de enorme gasto energético e recuperação. Por isso, o estresse tem um significado altamente adaptativo para a sobrevivência dos indivíduos (BOERE, 2002). A sensação desagradável que acompanha certas situações de estresse, ou o seu efeito, é um sinal de alerta conspícuo de que danos poderão acontecer ou estão ocorrendo, permitindo que os sistemas se preparem para período de intenso desafio físico ou psíquico (NESSE, 1999). O impacto fisiológico e comportamental de um agente estressor é altamente dependente da percepção e do tipo de resposta comportamental do indivíduo. Muitos tipos de agentes estressores agudos podem acarretar um aumento geral da excitação, que, por sua vez, tem o potencial de trazer benefícios fisiológicos e psicológicos para o animal (NATELSON et al., 1987). O mecanismo fisiológico do estresse por si só não é considerado totalmente indesejável ao organismo. Os glicocorticoides liberados em resposta a situações que rotineiramente são consideradas estressantes são desejáveis, e a normalidade nos níveis depende da concentração e da duração do aumento. Entre outros, o cortejo sexual, a cópula, a caça e o parto geralmente estão associados à liberação de glicocorticoides (BROOM e JOHNSON, 1993). Durante um curto período de estresse, os glicocorticoides podem facilitar a mobilização energética (RAYNAERT et al., 1976) e alterar o comportamento (KORTE et al., 1993). Entretanto, o estresse crônico (períodos prolongados de altas concentrações de cortisol) ou o estresse intermitente (CARLSTEAD et al., 1992; CARLSTEAD e BROWN, 2005) podem cobrar altos custos biológicos, como diminuição da aptidão individual por imunossupressão e atrofia de tecidos, diminuição 8 mv&z crmvsp.gov.br

9 BEM-ESTAR ANIMAL Cristiane Schilbach Pizzutto Foto 2: Tiroleza para carnívoros com o obejtivo de estimular a captura do alimento da capacidade reprodutiva (ENGEL, 1967; BARNETT et al., 1984; MOBERG, 1985; BIONI e ZANNAINO, 1997; ELSASSER et al., 2000; CARLSTEAD et al., 1992; LIPTRAP, 1993; DOBSON e SMITH, 1995; PEEL, et al., 2005) e alterações comportamentais, também conhecidas como estereotipias (CARLSTEAD et al., 1992; MC BRIDE e CUDDELFORD, 2001; MASON, 1991). podem tornar-se invariáveis. O processo de diminuição da variabilidade provém do fato de que fatores extrínsecos tornam-se progressivamente menos determinantes no controle do comportamento, que se torna auto-organizável (FENTRESS, 1977). A base neurobiológica das estereotipias ainda é pouco conhecida, porém em animais, estes comportamentos podem ser induzidos farmacologicamente (FOG, 1972; LEWIS et al., 1990; VAN DERBROEK e ODBERG, 1997) e através de restrição ambiental (MASON, 1991; VAN DERBROEK e ODBERG, 1997; TURNER et al., 2003). As estereotipias, muitas vezes, estão associadas a ambientes cativos (MARRINER e DRICKMER, 1994; NASH, et al., 1999; MALLAPUR e CHELLAN, 2002), como o tamanho e a complexidade (MACEDÔNIA, 1987; LYONS et al., 1997), a presença de visitantes (GLATSON et al., 1984; O DONOVAN et al., 1993), ao tempo de alimentação (LYONS et al., 1997; CARLSTEAD, 1998), a ambientes pobres (REDSHAW e MALLINSON, 1991; ZUCKER et al., 1991; BRAASTAD, 1996), ao tédio, às disfunções comportamentais do animal, espaços restritos e/ou isolamento social (BERKSON, 1983; CAPITANIO, 1986; LAWRENCE e RUSHEN, 1993; LUKAS, 1999; MASON, 1991; FOX, 1965; ANDERSON e CHAMOVE, 1981, PIZZUTTO, 2006), a conflitos motivacionais, frustrações, à ausência de variabilidade de estímulos, perda de controle de estímulos externos (ALMEIDA, 1997) e a situações de redução do bem-estar (LINE, 1987). O Comportamento anormal e as estereotipias Estereotipias são geralmente definidas como padrões comportamentais topologicamente invariáveis e repetitivos, sem meta ou função aparente (FOX, 1965; KROPLA, et al, 1994; KURLAN; O BRIEN, 1992; MASON, 1991). Designar anormalidade para um comportamento invariável e repetitivo, muitas vezes pode ser subjetivo (DANTZER, 1991). Para MASON (1993) a estereotipa não aparece, ela se desenvolve. O desenvolvimento da inflexibilidade da estereotipia é, entretanto, em muitos casos originado com a repetição do comportamento (FENTRESS, 1977). A repetitividade de um comportamento faz com que ele se torne cada vez menos dependente do feedback com fatores ambientais (MILLER et al., 1960) fazendo com que o ambiente externo, perca a sua função na modulação dos movimentos, então diminuindo a variabilidade comportamental (MASON, 1993). A repetição contínua de um comportamento não é uma característica exclusiva das estereotipias. Comportamentos normais e típicos dos animais também Foto 3: Treinamento de raposa voadora (Pteropus vampyrus) para procedimentos clínicos veterinários Manuela Sgai crmvsp.gov.br mv&z 9

10 BEM-ESTAR ANIMAL Cristiane Schilbach Pizzutto Foto 4: Itens de enriquecimento sendo utilizados por orangotango para estimular comportamento arborícola (típico da espécie) A falta de estímulos para ambientes restritos, invariáveis e sem estímulos são desencadeadores de altas taxas de inatividade, além de comportamentos anormais (PAQUETTE e PRESCOTT, 1988; MORRIS, 1964; ERWIN e DENI, 1979; MAPLE, 1979; MAPLE e HOFF, 1982; CLARKE et al., 1982). Embora a etiologia destes comportamentos varie de espécie para espécie (BOORER, 1972), todos decorrem de adaptações a determinados cativeiros. As estereotipias, associadas a aspectos ambientais inadequados, presentes ou passados, podem ser utilizadas como indicadores da ausência (MASON, 1991) ou redução de bem-estar (BAYNE et al., 1992). As estereotipias podem ser quantitativas, como a superatividade, ou qualitativas, como por exemplo, os comportamentos que o indivíduo não apresentaria na natureza, (SHEPHERDSON, 1998), como caminhar sem objetivo, mastigação falsa (BROOM e FRASER, 2010), beber água em excesso, forragear mesmo depois de se alimentar (MASON, 1991), masturbação, automutilação, regurgitação alimentar seguida de reingestão (GOULD e BRESS, 1986; DICKIE, 1998), coprofagia (AKERS e SCHILDKRAUT, 1985), morder barras/ grades (BROOM e FRASER, 2010) e pacing andar ou nadar de um lado para outro em rotas fixas, entre outras (MASON, 1991). Alguns comportamentos são frequentemente considerados anormais, mas de fato podem ser uma adaptação ao cativeiro, conferindo uma vantagem seletiva no desempenho comportamental do indivíduo. Portanto, antes de se taxar que um comportamento é anormal e ruim para o bem-estar do animal, deve-se quantificar os custos e benefícios da execução deste comportamento para o indivíduo (NEWBERRY, 1993); isto sugere que o comportamento estereotípico pode ser um método ao qual o animal se adapta e se confronta com um ambiente anormal (DANTZER, 1991). Cristiane Schilbach Pizzutto Foto 5: Exemplo de ambiente enriquecido que possibilita a interação de diversas espécies animais 10 mv&z crmvsp.gov.br

11 BEM-ESTAR ANIMAL Devido ao fato dos comportamentos estereotípicos serem raramente observados em vida livre (TAROU et al., 2005), eles têm sido considerados um reflexo de uma interação animal-ambiente anormal (CARLSTEAD, 1998). O ambiente cativo é tipicamente caracterizado por altas densidades populacionais, espaço limitado, baixa pressão de predadores, disponibilidade de alimentos e barreiras físicas, prevenindo a dispersão e a imigração. Logo, a estrutura genética das várias populações expostas a estas condições é alterada em favor de muitos O enriquecimento ambiental aplicabilidade e eficácia Mais de 85 milhões de animais que vivem em cativeiro, sejam eles de produção, laboratório ou zoológico, apresentam algum tipo de estereotipia comportamental (MASON e LATHAM, 2004), porém, em uma meta análise, SHYNE (2006) demonstrou a eficiência das técnicas de enriquecimento ambiental em mais de 90% dos trabalhos que objetivaram reduzir estes comportamentos. Cristiane Schilbach Pizzutto Foto 6: Recintos internos com inúmeros itens de enriquecimento para estimular atividade física em primatas comportamentos sedentários e variedades reduzidas: assim as populações se adaptam ao cativeiro (NEWBERRY, 1993). Diante disto, o sucesso no cativeiro dependerá da capacidade que cada espécie apresenta em se adaptar a estas condições (NEWBERRY, 1993). Medidas indiretas como estado geral de saúde, do nível de estresse e dos padrões comportamentais podem ser sinalizadores para a avaliação de bem-estar, porém, compreender a relação entre o comportamento e bemestar vem sendo um grande desafio; a principal razão é a dificuldade em se estabelecer, avaliar e mensurar o bemestar de um animal (PIZZUTTO, et al., 2009). O veterinário de um zoológico tem preocupações primordiais de promover a saúde e o bem-estar dos animais, porém a relação animal ambiente físico saúde clínica, tem sido cada vez mais documentada (BAER, 1998; REISFELD et al, 2013 a,b). O ambiente cativo difere significativamente do natural em vários aspectos. O dinamismo de um ambiente natural é incomparável com a previsibilidade de um cativeiro; fatores físicos como a temperatura, umidade, iluminação, características estruturais, tipo, quantidade e disponibilidade de alimentação tornam o ambiente cativo menos estimulante e com menor possibilidade crmvsp.gov.br mv&z 11

12 BEM-ESTAR ANIMAL Cristiane Schilbach Pizzutto Foto 7: Estruturas criadas para criar áreas de exploração do ambiente em dimensões verticais de escolhas em relação ao natural. A segurança do cativeiro frente aos aspectos negativos de um ambiente natural como a predação, doenças e falta de alimentos, não são compensadas pela previsibilidade e monotonia de um cativeiro. O grande desafio de um programa de enriquecimento é, no entanto, proporcionar estímulos e opções de escolhas enquanto minimizam potenciais riscos à saúde animal (BAER, 1998). O enriquecimento pode ser alcançado por inúmeras modificações físicas e sociais no ambiente do animal. Ambiente físico engloba características físicas do cativeiro como tipo de substrato, disponibilidade de utilização de espaço vertical (SWAISGOOD et al., 2001; PIZZUTTO et al., 2008 b) e horizontal (como cordas, troncos e redes) diferentes locais e materiais para descanso ou repouso, itens que estimulem a parte sensorial auditiva, táctil e olfativa (WILLIAMS et al, 1999) e visual, e desafios na busca do alimento (HUNTER et al., 2002; BASHAW et al., 2003). Yerkes (1925) destacou que se o animal cativo não puder ter a oportunidade de trabalhar para sobreviver, ele deve ao menos ter a chance de exercitar diferentes reações diante das invenções e dos aparatos colocados em seu ambiente. Uma das revoluções nas exibições de zoológicos tem sido o movimento para o naturalismo (YOUNG, 2003). A tecnologia pode ser utilizada para se criar uma infinita variedade de métodos que permitam que o animal tenha controle sobre si próprio, na alimentação, na parte física e no desenvolvimento de oportunidades comportamentais. Enriquecimento ambiental é sinônimo de aumento de complexidade (NEWBERRY, 1995), que acarreta no desenvolvimento da flexibilidade comportamental em resposta a ambientes dinâmicos, possibilitando uma melhoria da funcionalidade biológica dos animais (SNOWDON e SAVAGE, 1989; MILLER et al., 1990; SHEPHERDSON, 1994; RUMBAUGH et al., 1989). No entanto, é imprescindível escolher cuidadosamente o enriquecimento a ser utilizado e adequar a complexidade do ambiente à história natural (MELLEN e MAC PHEE, Cristiane Schilbach Pizzutto Foto 8: Bola de cipó com flores de hibisco para estimular comportamento alimentar de jabuti (Geochelone carbonaria) 12 mv&z crmvsp.gov.br

13 BEM-ESTAR ANIMAL Cristiane Schilbach Pizzutto Foto 9: Boomer ball utilizada para grandes carnívoros para estímulos motores e olfativos 2001), às características comportamentais e à capacidade de cada espécie em interagir com o item introduzido. Modificações no ambiente ou enriquecimentos ambientais que combinem o conhecimento do habitat natural, da fisiologia e do comportamento típico visam sempre aumentar a prevalência de comportamentos naturais, reduzir os níveis de estresse e aumentar as atividades físicas, além de melhorar as condições de saúde e desempenho reprodutivo de uma animal (NEWBERRY, 1995). O ambiente social consiste na interação do animal com co-específicos, espécies diferentes e até mesmo com a espécie humana. Há duas décadas, o treinamento ou condicionamento vem sendo empregado como uma forma de enriquecimento ambiental (MELLEN; ELLIS, 1996). YOUNG (2003) observou que uma das formas de enriquecimento mais interessante consiste em proporcionar contatos apropriados dos animais cativos com o ser humano. Salientou ainda que existem várias soluções potenciais para o alojamento solitário de animais quando este é inevitável; a solução mais comum, à qual as pessoas não prestam a atenção, é talvez proporcionar contato humano; em muitas espécies, o contato com o ser humano pode, até certo ponto, substituir o contato com co-específicos, fato, também comprovado por PIZZUTTO et al. (2010) com uma fêmea de chimpanzé, que retornou sua ciclicidade ovariana após sessões de interação social com o sua treinadora. A interação social é uma forma simples de incrementar e melhorar as relações entre o profissional e o animal (DEROO, 1993), mas também de recuperar o bem-estar social geral (PIZZUTTO et al, 2007). O treino e o condicionamento são formas de enriquecimento social que diminuem o estresse (REICHARD et al., 1998) e facilitam o manejo e os procedimentos clínicos (PIZZUTTO et al., 2010), como permitir o uso de swab vaginal e retal (BUNYAK et al., 1982; DESMOND et al., 1987), mensuração de pressão sanguínea (SEGAL, 1989; TURKKAN, 1990) e aplicações de drogas tópicas e injetáveis (REINHARDT et al., 1990). Além disto, eles cooperam na realização de exames físicos e clínicos (BLOOMSMITH et al., 1998), obtenção de amostras de sangue, urina e fezes (BLOOMSMITH et al., 1998; STONE et al., 1994), transporte (HEATH, 1989) e até mesmo colheita de sêmen (BROWN; LOSKUTOFF, 1998). O enriquecimento ambiental influencia no bem-estar físico, mental e social de animais cativos e, consequentemente, proporciona efeitos benéficos para a sua saúde geral. Desta forma o enriquecimento pode ser visto como um instrumento de grande importância em um programa de medicina veterinária preventiva. (BAER, 1998). Além de medidas comportamentais como a redução de comportamentos considerados anormais (WILSON, 1982) e o aparecimento de desempenhos típicos da espécie (NOVAK e SUOMI, 1988; NEWBERRY, 1995), as avaliações de bem-estar animal devem, incorporar crmvsp.gov.br mv&z 13

14 BEM-ESTAR ANIMAL indicadores fisiológicos, tais como alterações clínicas (REISFELD et al., 2013 b) e endocrinológicas (PIZZUTTO et al., 2006, 2008 b). A aplicação de técnicas de mensuração hormonal não invasivas, vem crescendo nos últimos anos e o desenvolvimento destes métodos, se deu principalmente, pela necessidade de se complementar dados comportamentais observados com informações endócrino-fisiológicas. O desenvolvimento dos métodos não-invasivos de avaliação endócrina utilizando metabólitos de esteróides excretados têm propiciado inúmeras pesquisas em diversas espécies animais (WHITTEN et al., 1998), sendo uma das grandes vantagens, a obtenção de amostras sem estresse e risco para os animais (TOUMA e PALME, 2005). A correlação de medidas comportamentais e hormonais oferece novas descobertas sobre várias espécies, sobre os custos e os benefícios de estratégias comportamentais e suas regulações endócrinas (PIZZUTTO et al., 2008a; PIZZUTTO et al., 2010), possibilitando um entendimento mais apurado da evolução do comportamento social. Conclusão O grande desafio para animais cativos é a forma efetiva de se proporcionar e mensurar o bem-estar. Uma avaliação da saúde física e a utilização de estudos da endocrinologia comportamental têm sido utilizados como alicerces das pesquisas. Na tentativa de alcançar estes objetivos, as técnicas de enriquecimento ambiental buscam uma melhor adaptação do animal, com a demonstração de comportamentos típicos e alterações endócrino-funcionais satisfatórias que possibilitem uma melhor qualidade de vida. Nos ambientes em que geralmente se estuda o enriquecimento ambiental, pode haver restrições metodológicas relativas ao número disponível de animais, à sua origem e às manipulações possíveis, mas este é mais um desafio para a criatividade científica (ADES, 2010). O progresso do conhecimento na área do enriquecimento ambiental envolve, como já notava SHEPHERDSON (1998), a integração de técnicas e de abordagens multidisciplinares, como uma inserção mútua do conhecimento prático e teórico, em proveito do bem-estar dos animais. Referências ADES, C. The multiple science of environmental enrichment. Brazil News, Regional Brazil, The Shape of Enrichment. 1, p. 3-4, AKERS, J. S.; SCHILDKRAUT, D. S. Regurgitation/reingestion and copraphagy in captive gorillas. Zoo Biology, v. 4. p , ALMEIDA, M.I.F. Estereotipias comportamentais em macacos-aranha no cativeiro. Dissertação apresentada ao Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo para obtenção do título de mestre, ANDERSON, J. R.; CHAMOVE, A. S. Self-aggressive behavior in monkeys. Current Psychological Reviews, v. 1, p , BAER, J, F. A veterinary perspective of potential risk factors in environmental enrichment. In:. SHEPHERDSON, D. J., MELLEN, J. D.; HUTCHINS, M. Second Nature: environmental enrichment for captive animals. Washington: Smithsonian Institution Press, p BARNETT, J. L.; CRONIN, G. M.; WINFIELD, C. G.; DEWAR, A. M. The welfare of adult pigs: effects of 5 housing treatments on behavior, plasma corticosteroids, and injuries. Applied Animal Behaviour Science, v. 12, p , BASHAW, M.; BLOOMSMITH, M.; MARR, M.; MAPLE, T. To hunt or not to hunt? A feeding enrichment experiment with captive large felids. Zoo Biology. 22, p , BAYNE, K. A. L.; HURST, J. K.; DEXTER, S. L. Evaluation of the preference to and behavioral effects of an enriched environment on male rhesus monkeys. Laboratory Animal Science, v. 42, p , BERKSON, G. Repetitive stereotyped behaviors. American Journal of Mental Deficiency, v. 88, p , BIONI, M. ZANNINO, L. G. Psychological stress, neuroimmunomodulation, and susceptibility to infectious diseases in animals and man: a review. Psychotherapy and Psychosomatics, v. 66, p. 3-26, BLOOMSMITH, M. A.; STONE, A. M.; LAULE, G. E. Positive reinforcement training to enhance the voluntary movement of group-housed chimpanzees within their enclosures. Zoo Biology, v. 17, p , BOERE, V. Behavior and environment enrichment. In: FOWLER, M. E; CUBAS, Z. S. Biology, medicine and surgery of south american wild animals. Iowa: University Press, p BOERE, V. Efeitos do estresse psicossocial crônico e do enriquecimento ambiental em sagüis (Callithrix penicillata): um estudo comportamental, fisiológico e farmacológico f. Tese (Doutorado Programa de Pós-graduação em Neurociências e Comportamento), Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, BOORER, M, K. Some aspects of stereotyped patterns of movement exhibited by zoo animals. International Zoo Yearbook, v. 12, p , BRAASTAD, B. O. Behavior of silver foxes in traditional breeding boxes with an entrance tunnel. Animal Welfare, v. 5, p , BREZNITZ, S.; GOLDBERGER, L. Stress research at a crossroads. In: BREZNITZ, S.; GOLDBERGER, L. Handbook of stress. New York: The Free Press, p. BROOM, D..M.; JOHNSON, K.G. Stress and animal welfare. London: Chapman & Hall, p. BROOM, D. M.; FRASER, A. F. Comportamento e bem-estar de animais domésticos. São Paulo: Manole, p. 14 mv&z crmvsp.gov.br

15 BEM-ESTAR ANIMAL BROWN, C. S.; LOSKUTOFF, N. A training program for noninvasive semen collection in captive western lowland gorillas (Gorilla gorilla). Zoo Biology, v. 17, p , GOULD, E.; BRES, M. Regurgitation and reingestion in captive gorilla: description and intervention. Zoo Biology, v. 5, p , BUNYAK, S. C.; HARVEY, N. C.; RHINE, R. J.; WILSON, M. I. Venipuncture and vaginal swabbing in a enclosure occupied by a mixed-sex group of stumptailed macaques (Macaca arctoides). American Journal of Primatology, v. 2, p , HEATH, M. The training of cynomolgus monkeys and how the human/animal relationship improves with environmental and mental enrichment. Animal Technology, v. 40, p , CAPITANIO, J. P. Behavioral patology. In: MITCHELL, G.; ERWIN, J. Comparative primate biology, vol. 2A: behavior, conservation and ecology. New York: Alan R. Liss, Inc., p CARLSTEAD, K.; BROWN, J. L.; MONFORT, S. L.; KILLENS, R.; WILDT, D. E. Validation of a urinary cortisol radioimmunoassay for non-invasive monitoring of adrenal activity in domestic and non-domestic fields. Zoo Biology, v. 11, p , CARLSTEAD, K. Determining the causes of stereotypic behaviors in zoo carnivores: toward appropriate enrichment strategies. In: SHEPHERDSON, D. J., MELLEN, J. D.; HUTCHINS, M. Second Nature: environmental enrichment for captive animals. Washington: Smithsonian Institution Press, p CARLSTEAD, K.; BROWN, J. L. Relationship between patterns of fecal corticoid excretion and behavior, reproduction, and environmental factors in captive black (Diceros bicornis) and white (Ceratotherium simum) rhinoceros. Zoo Biology, v. 24, p , HEDIGER, H. Wild animals in captivity. London: Butterworths Scientific Publication, p. HENNESSY, J. W.; LEVINE, S. Stress, arousal, and the pituitary-adrenal system: a psychoendocrine hypothesis. Prog. Psychobiol. Psychol., v. 8, p , HENNESSY, J. W.; HEYBACH, J. P.; VERNIKOS, J.; LEVINE, S. Plasma corticosterona concentration sensitively reflect levels of stimulus intensity in the rat. Physiology & Behavior, v. 22, p , HUNTER, S.; BAY, M.; MARTIN, M.; HATFIELD, J. Behavioral effects of environmental enrichment on harbor seals (Phoca vitulina concolor) and gray seals (Halichoerus grypus). Zoo Biology. 21, p , KORTE, S. M.; BOUWS, G. A. H.; BOHUS, B. Central actions of corticotropin-releasing hormone (CR-H) on behavioral, neuroendocrine and vascular regulation: brain corticoid receptor involvement. Hormones and Behaviour, v. 27, p , CLARKE, S. A.; JUNO, C, J.; MAPLE, T. L. Behavioral effects of a change in the physical environment: a pilot study of captive chimpanzees. Zoo Biology, v.1, p , COE, J. C. Design and Percepption: making the zoo world real. Zoo Biology, v. 4, p , DANTZER, R. Stress, stereotypies and welfare. Behavioural Processes, v. 25, p , KROPLA, W. C.; YU, D.; ROSS, L. L.; WARD, R. Steretyped human behavior: a nonlinear dynamical analysis. Journal of Behavior Therapy and Experimental Psychiatry, v. 25, p. 1-14, KURLAN, R.; O BRIEN, C. Spontaneous movement disorders in psychiatric patients. In: LANG, A. E.; WEINER, W. J. Drug-induced movement disorders. Mt. Kisco, New York: Futura Publishing, DE ROO, M. C. Training the basics: getting started. The Zooculturist, v. 6, p. 7-9, DESMOND, T.; LAULE, G.; MCNARY, J. Training to enhance socialization and reproduction in drills. In: Proceedings of the American Association of Zoological Parks and Aquariums Annual Conference. Oregon, p DICKIE, L. Environmental enrichment for old world primates with references to the primate collection at Edinburgh zoo. International Zoo Yearbook, v. 36, p , DOBSON, H.; SMITH, R. F. Stress and reproduction in farm animals. Journal of Reproduction and Fertility, v. 49, p , ELASSER, T. H.; KLASING, K. C.; FILIPOV, N.; THOMPSON, F. The metabolic consequences of stress: targets for stress and priorities of nutrient use. In: MOBERG, G. P.; MENCH, J. A. Biology of animal stress: basic principles and implications for animal welfare. London: CABI Publishing, p ENGEL, G. L. A psychological setting of somatic disease: the giving up-given up complex. Proceedings of the Royal Society of Medicine, v. 60, p , ERWIN, J., DENI, R. Strangers in a strange land: abnormal behaviors or abnormal environments? In: ERWIN, J.; MAPLE, T.; MITCHELL, G. Captivity and behavior. New York: Van Nostrand Reinhold, p FENTRESS, J. C. The tonic hypotesis and the patterning of behavior. Annals of the New York Academy of Science, v. 290, p , FOG, R. n the stereotypy and catalepsy studies on the effect of amphetamines and neuroleptics in rats. Acta Neurologica Scandinavia Suppl. 50, 1972, p LAWRENCE, A. B.; RUSHEN, J. Stereotypic animal behaviour: fundamentals and applications to welfare. Wallingford: CAB International, p. LEWIS, M. H.; GLUCK, J. P.; BEAUCHAMP, A. J.; KERESZTURY, M. F.; MAILMAN, R. B. Long-term effects of early social isolation in Macaca mulatta: in vivo evidence for changes in dopamine receptor function. Brain Research, v. 513, p , LINE, S. W. Environmental enrichment for a laboratory primates. Journal of American Veterinary Medical Association, v. 190, p , LIPTRAP, R. M. Stress and reproduction in domestic animals. Annals of the New York Academy of Science, v. 697, p , LUKAS, K. E. A review of nutritional and motivational factors contributing to the performance of regurgitation and reingestion in captive lowland gorilla (Gorilla gorilla gorilla). Applied Animal Behaviour Science, v. 63, n. 3, p , LYONS, J.; YOUNG, R. J.; DEAG, J. M. The effects of physical characteristics of the environmental and feeding regime on the behavior of captive felids. Zoo Biology, v. 16, p , MACEDONIA, J. M. Effects of housing differences upon activity budgets in captive sifakas (Propithecus verreauxi). Zoo Biology, v. 6, p , MALLAPUR, A.; CHELLAM, R. Environmental influences on stereotypy and the activity budget of Indian leopards (Panthera pardus) in four zoos in southern India. Zoo Biology, v. 21, p , FOX, M. W. Environmental factors influencing stereotyped and allelomimetic behavior in animals. Laboratory Animal Care, v. 15, p , GLATSON, A. R.; SOETEMAN, E. G.; PECEK, E. H.; HOOF, J. A. R. A. M. V. The influence of the zoo environment on social behavior of groups of cotton-topped tamarins, Saguinus oedipus oedipus. Zoo Biology, v. 3, p , MAPLE, T.L.; Great apes in captivity: the good, the bad, and the ugly. In: ERWIN, J.; MAPLE, T.; MITCHELL, G. Captivity and behavior. New York: Van Nostrand Reinhold, p MAPLE, T. L.; HOFF, M. P. Gorilla behavior. New York: Van Nostrand Reinhold, crmvsp.gov.br mv&z 15

16 BEM-ESTAR ANIMAL MARRINER, L. M.; DRICKMER, L. C. Factors influencing stereotyped behavior of primates in a zoo. Zoo Biology, v. 13, p , PAQUETTE, D.; PRESCOTT, J. Use of novel objects to enhace environments of captive chimpanzees. Zoo Biology, v. 7, p , MASON, J. W. A review of psychoendocrine research on the pituitary-adrenal cortical system. Psychosomatic Medicine, v. 30, p , MASON, G. J. Stereotypies: a critical review. Animal Behavior, v. 41, p , PEEL, A. J.; VOGELNEST, L.; FINNIGAN, M.; GROSSFELDT, L.; O BRIEN, J. K. Noninvasive fecal hormone analysis and behavioral observations for monitoring stress responses in captive western lowland gorillas (Gorilla gorilla gorilla). Zoo Biology, v. 24, p , MASON, G. J. Forms of Stereotypic Behaviour. In: LAWRENCE, A. B.; RUSHEN, J. Stereotypic animal behaviour: fundamentals and applications to welfare. Wallingford: CAB International, 1993, p MASON, G.J., LATHAM, N.R., Can t stop, won t stop: is stereotypy a reliable animal welfare indicator? Animal Welfare. v.13, p , MATTERI, R.L.; CARROLL, J.A.; DYER, C.J. Neuroendocrine responses to stress. In: The biology of animal stress. p , PIZZUTTO, C.S. Estudo sobre a influência de técnicas de enriquecimento ambiental nos parâmetros endócrino-comportamentais de antropóides não-humanos mantidos em cativeiro f. Tese (Doutorado Programa de Pós-graduação em Reprodução Animal) Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Universidade de São Paulo, São Paulo, PIZZUTTO, C.S.; NICHI, M.; CORRÊA, S.H.R.; ADES, C.; GUIMARÃES, M.A.B.V. Reduction of Abnormal Behaviour in Gorilla (Gorilla gorilla gorilla) through Social Interaction with human beings. Laboratory Primate Newsletter, v. 47 (3), p.6-10, MC BRIDE, S. D.; CUDDELFORD, D. The putative welfare reducing effects of preventing equine stereotypic behaviour. Animal Welfare, v. 10, p , MELLEN, J.; MACPHEE, M. S. Philosophy of environmental enrichment: past, present and future. Zoo Biology. 20, p , PIZZUTTO, C.S., SGAI, M.G.F.G., VIAU, P., CHELINI, M.O.M., OLIVEIRA, C.A., GUIMARAES, M. A. B. V. Validação laboratorial e fisiológica de conjunto comercial para a quantificação de corticoides fecais em chimpanzé (Pan troglodytes) e orangotango (Pongo pygmaeus), cativos e submetidos a enriquecimentos ambientais. Brazilian Journal of Veterinary Research and Animal Science, v.45, p , 2008a. MILLER, G. A.; GALENTER, E.; PRIBRAM, K. H. Plans and structure of behavior. New York: Holt, Rinehart and Winston, 1960, p MILLER, B.; BIGGINS, D.; WEMMER, C.; POWELL, R.; CALVO, L.; HANEBURY, L.; WHARTON, T. Development of survival skills in captive-raised Siberian polecats (Mustela eversmanni) II: predator avoidance. Journal of Ethology, v. 8, p , MOBERG, G.P. Influence of stress on reproduction: measure of well-being. In: MOBERG, G. P.; MENCH, J. A. Biology of animal stress: basic principles and implications for animal welfare. London: CABI Publishing, p MOBERG, G.P. Biological responses to stress: implications for animal welfare. In: MOBERG, G. P.; MENCH, J. A. Biology of animal stress: basic principles and implications for animal welfare. London: CABI Publishing, p PIZZUTTO, C.S., NICHI, M., SGAI, M.G.F.G., CORREA, S.H.R., VIAU, P., BERESCA, A. M., OLIVEIRA, C.A., BARNABE, R. C., GUIMARAES, M. A. B. V. Effect of environmental enrichment on behavioral and endocrine aspects of captive orangutan (Pongo pygmaeus). Laboratory Primate Newsletter, v.47, p.10-14, 2008b. PIZZUTTO, C.S.; SGAI, M.G.F.G.; GUIMARÃES, M.A.B. O enriquecimento ambiental como ferramenta para melhorar a reprodução e o bem- estar de animais cativos. Revista Brasileira de Reprodução Animal. v.33, n.3, p , PIZZUTTO, C.S., SGAI, M.G.F.G., CORREA, S.H.R., BERESCA, A. M., VIAU, P., OLIVEIRA, C.A., NICHI, M., GUIMARAES, M. A. B. V. Enriquecimento ambiental e condicionamento operante com reforço positivo no retorno da ciclicidade ovariana de uma fêmea de chimpanzé (Pan troglodytes) - relato de caso. Clínica Veterinária, v.85, p.66-72, MORRIS, D. The response of animals to a restricted environment. In: SYMPOSIUM OF THE ZOOLOGICAL SOCIETY OF LONDON, 14., p MÖSTL, E; PALME, R. Hormones as indicators of stress. Domestic Animal Endocrinology, v. 23, p , NASH, L. T.; FRITZ, J.; ALFORD, P. A.; BRENT, L. Variables influencing the origins of diverse abnormal behaviors in a large sample of captive chimpanzee (Pan troglodytes). American Journal of Primatology, v. 48, p , NATELSON,, B. H.; CREIGGHTON, D.; MC CARTY, R.; TAPP, W. N.; PITMAN, D.; OTTENWEILER, J. E. Adrenal hormonal indices of stress in laboratory rats. Physiology and Behavior, v. 39, p , NESSE, R. M. Proximate and evolutionary, studies of anxiety, stress and depression: synergy at the interface. Neuroscience and Biobehavioral Reviews, v. 23, p , NEWBERRY, R. C. The space-time continuum and its relevance to farm animals. Etologia, v. 3, p , NEWBERRY, R. C. Environmental enrichment increasing the biological relevance of captive environments. Applied Animal Behavior Science, v. 44, n. 2-4, p , NOVAK, M. A.; SUOMI, S. Psychological well-being of primates in captivity. American Psychologist, v. 43, p , O DONOVAN, D.; HINDLE, J. E.; MCKEOWN, S.; DONOVAN, S. O. Effect of visitors on the behavior of female cheetahs and cubs. International Zoo Yearbook, v. 32, p , RAYNAERT, R.; DE PAEPE, M.; PEETERS, G. Influence of stress, age, and sex on serum growth hormone and free fatty acids in cattle. Hormone and Metabolic Research, v. 8, p , REDSHAW, M. E.; MALLINSON, J. J. C. Stimulation of natural patterns of behaviour: studies with golden lion tamarins and gorillas. In: BOX, H. O. Primate response to environmental change. New York: Chapman and Hall, p REINHARDT, V.; COWLEY, D.; SCHEFFLER, J.; VERTEIN, R.; WEGNER, F. Cortisol response of female rhesus monkeys to venipuncture in homecage versus venipuncture in restraint apparatus. Journal of Medical Primatology, v. 19, p , REISFELD, L.; MORAES, K.; SPAULUSSI, L.; CARDOSO, R.C.; IPPOLITO, L.; SILVATTI, B.; PIZZUTTO, C.S. Behavioral responses of magellanic penguins (Spheniscus magellanicus) to salt water versus fresh water. Zoo Biology - In Press, 2013a. REISFELD, L.; BARBIRATO, M.; IPPOLITO, L.; CARDOSO, R. C.; NICHI, M.; SGAI, M.G.F.G.; PIZZUTTO, C.S. Reducing bumblefoot lesions in a group of captive Magellanic penguins (Spheniscus magellanicus) with the use of environmental enrichment. Pesquisa Veterinária Brasileira. 33(6), p , 2013b. RUMBAUGH, D. M.; WASHBURN, D.; SAVAGE-RUMBAUGH, E. S. On the care of captive chimpanzees: methods of enrichments. In: SEGAL, E. F. Housing, care and psychological wellbeing of captive and laboratory primates. Park Ridge, NJ: Noyes Publications, p SEGAL, E. F. Housing, care, and psychological well-being of captive and laboratory primates. Park Ridge, NJ: Noyes Publications, p mv&z crmvsp.gov.br

17 BEM-ESTAR ANIMAL SGAI, M.G.F.G; PIZZUTTO, C.S.; GUIMARÃES, M.A.B. Estresse, esterotipias e enriquecimento ambiental em animais selvagens cativos: revisão. Clínica Veterinária, v. 88, p , SHEPHERDSON, D. J. The role of environmental enrichment in captive breeding and reintroduction of endangered species. In: MACE, G; OLNEY, P.; FEISTNER, A. Creative conservation: interactive management of wild and captive animals. London: Chapman and Hall, p SHEPHERDSON, D. J. Tracing the Path of Environmental Enrichment in Zoos. In:. SHEPHERDSON, D. J., MELLEN, J. D.; HUTCHINS, M. Second Nature: environmental enrichment for captive animals. Washington: Smithsonian Institution Press, p SHYNE, A. Meta-analytic review of the effects of enrichment on stereotypic behavior in zoo mammals. Zoo Biology. v.35, p , SNOWDON, C. T.; SAVAGE, A. Psychological well-being of captive primates: general considerations and examples from callitrichids. In: SEGAL, E. Housing, care and psychological wellbeing og captive and laboratory primates. New York: Noyes Publications, p SWAISGOOD, R.; WHITE, A.; ZHOUT, X.; ZHANGT, H.; ZHANGT, G.; WEIT, R.; HARE, V.; TEPPER, E.; LINDBURG, D. A quantitative assessment of the efficacy of an environmental enrichment pro- gram for giant pandas. Animal Behavior. 61, p , TAROU, l. R.; BLOOMSMITH, M.; MAPLE, T. L. Survey of stereotypic behavior in prosimians. American Journal of Primatology, v. 65, p , TOUMA C.; PALME, R. Measuring fecal glucocorticoid metabolites in mammals and birds: the importance of validation. Annals of New York Academy of Sciences. v. 1046, p , TURKKAN, J. S. New methodology for measuring blood pressure in awake baboons with use of behavioural training techniques. Journal of Medical Primatology, v. 19, p , TURNER, C. A.; LEWIS, M. H.; KING, M. Environmental enrichment: effects on stereotyped behavior and dendritic morphology. Dev. Psychobiol., v. 43, p , VAN DErBROEK, I.; ODBERG, F. O. Effect of apomorphine on the conflict-induced jumping stereotypy in bank voles. Pharmacology Biochemistry and Behavior, v. 57, p , WHITTEN, P. L.; STAVISKY, R.; AURELI, F.; RUSSEL, E. Response of fecal cortisol to stress in captive chimpanzees (Pan troglodytes). American Journal of Primatology, v. 44, p , Williams N, Chapman J, Plowman A Olfactory enrichment for big cats, Panthera leo persica and Panthera tigris sumatrae. Proc Fourth Int Conf Environ Enrich 4: WILSON, S. F. Environmental influences on the activity of captive apes. Zoo Biology, v. 1, p , YERKES, R. M. Almost human. London: Jonathan Cope, YOUNG, R. J. Environmental enrichment for captive animal. UK: Blackwell Publishing, p. ZUCKER, E. L.; DEITCHMAN, M.; WATTS, E. Behavioral evaluation of exhibit modifications designed to accommodate an aged Diana monkey. Zoo Biology, v. 10, p , & crmvsp.gov.br mv&z 17

18 DONATO L.R; LIMA JÚNIOR F.E.F; ALBUQUERQUE R; GOMES M.L.S; Vigilância e controle de reservatórios da leishmaniose visceral no Brasil: aspectos técnicos e jurídicos / Surveillance and control reservoirs of visceral leishmaniasis in Brazil: technical and legal aspects / Revista de Educação Continuada em Medicina Veterinária e Zootecnia do CRMV-SP / Continuous Education Journal in Veterinary Medicine and Zootechny of CRMV-SP. São Paulo: Conselho Regional de Medicina Veterinária, v. 11, n. 2 (2013), p , SAÚDE PÚBLICA VETERINÁRIA Vigilância e controle de reservatórios da leishmaniose visceral no Brasil: aspectos técnicos e jurídicos Surveillance and control reservoirs of visceral leishmaniasis in Brazil: technical and legal aspects Resumo É efetuada uma avaliação técnica e jurídica dos aspectos relacionadas ao controle da leishmaniose visceral no Brasil, com destaque para o tratamento de cães infectados, a eutanásia de cães sororeagentes e diagnóstico laboratorial da leishmaniose visceral canina (LVC). Summary It made an assessment of the technical and legal aspects related to the control of visceral leishmaniasis in Brazil, highlighting the treatment of infected dogs, euthanasia of seropositive dogs and laboratory diagnosis of canine visceral leishmaniasis (CVL). Recebido em 29 de agosto e aprovado em 27 de setembro de mv&z crmvsp.gov.br

19 Cecília Lucas José Edel Veríssimo Donato ¹ 11 Francisco Edilson Ferreira de Lima Júnior 22 Rafaella Albuquerque 33 Marcia Leite Sousa Gomes 44 Lucas Edel Donato Consultor Técnico GT-Leishmanioses Unidade Técnica de Vigilância das Doenças de Transmissão Vetorial CGDT/DEVIT/SVS/Ministério da Saúde SCS 4 Bloco A Edifício Principal 2º andar CEP: , Brasília DF Informações gerais acerca da leishmaniose visceral Palavras-chave Leishmaniose visceral canina. Tratamento. Eutanásia. Diagnóstico laboratorial. Diagnóstico laboratorial. Keywords Dog visceral leishmaniasis. Treatment. Euthanasia. Laboratory diagnosis. Public health. A Leishmaniose Visceral (LV) é uma zoonose grave, que se não tratada, pode evoluir para óbito em mais de 90% dos casos humanos. No Brasil, está distribuída em 22 Unidades Federadas e no período de 2010 a 2012 foram registrados anualmente uma média de casos e 232 óbitos de seres humanos por ano. É uma doença que atinge principalmente populações de baixa renda, sendo considerada emergente devido a sua urbanização e coinfecção Leishmania/HIV. O ciclo de transmissão da doença é complexo, pois envolve diversos fatores biológicos e não biológicos. A transmissão para humanos ocorre por meio da picada de insetos vetores (flebotomíneos) que se infectam ao picar cães infectados pelo protozoário da espécie Leishmania chagasi. Devido essa complexidade, o Programa de Vigilância e Controle da Leishmaniose Visceral (PVC-LV) preconiza a realização de ações de forma integrada nas áreas de maior risco, atingindo os três elos da cadeia de transmissão: o vetor, o homem e o cão. Sendo a medida de controle direcionada ao cão a mais contestada, por ter como indicação a eutanásia dos animais infectados. Legalmente, o controle das leishmanioses está regulamentado pelo Decreto Federal Nº , de 14 de março de 1963, que dispõem sobre normas técnicas para o Combate às Leishmanioses. Estão 1 Lucas Edel Donato médico veterinário CRMV-ES 1352, Pós-graduando Núcleo de Medicina Tropical da Universidade de Brasília (UnB) 2 Francisco Edilson Ferreira de Lima Júnior médico veterinário CRMV-TO 699, Mestre em Epidemiologia Aplicada aos Serviços de Saúde (ENSP/Fiocruz) 3 Rafaella Albuquerque médica veterinária CRMV-CE 2103, Mestre em Ciência Veterinárias Universidade Estadual do Ceará (UECE) 4 Marcia Leite Sousa Gomes Bióloga, Mestre em Epidemiologia Aplicada aos Serviços de Saúde (ENSP/Fiocruz) crmvsp.gov.br mv&z 19

20 SAÚDE PÚBLICA VETERINÁRIA dispostos em seu Art. 1º que o combate às leishmanioses tem por objetivo a interrupção da transmissão da doença do animal ao homem, que deverão ser realizados inquéritos extensivos para a descoberta de cães infectados e ainda, em seu Art. 9º, que cães encontrados doentes deverão ser sacrificados, evitando-se, porém, a crueldade. Proibição do uso de medicamentos humanos no tratamento de cães portadores de Leishmania chagasi A proibição do tratamento de cães com leishmaniose visceral canina (LVC) com uso de drogas de uso humano e não registradas no Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (MAPA), está respaldada legalmente pela Portaria Interministerial - Ministério da Saúde (MS) e MAPA nº de 11 de julho de As justificativas para a proibição da indicação de drogas utilizadas para o tratamento de seres humanos com LV para a terapia de cães infectados parte do princípio de que o tratamento da LVC traz riscos para a Saúde Pública, pois, contribui para a manutenção dos reservatórios da doença, uma vez que cães não curados parasitologicamente apresentam a remissão dos sinais clínicos, porém permanecem como fontes de infecção para o inseto transmissor, e consequentemente, perpetuam o ciclo de transmissão da doença. Destaque-se, ainda, que o tratamento da LVC poderá levar à seleção de estirpes de parasitos resistentes aos medicamentos disponíveis para o tratamento da LV humana. O tratamento da LVC vem sendo amplamente discutido no meio científico. O MS, em duas ocasiões, realizou fóruns com especialistas na área, cujo objetivo foi discutir técnica e cientificamente os diferentes aspectos relacionados a sua eficácia e aos riscos que os animais submetidos a este procedimento poderiam trazer à saúde humana. O I Fórum, realizado em agosto de 2007, concluiu que: Cães assintomáticos permanecem como fonte de infecção para o vetor e, também, são responsáveis pela expansão da doença; Não há, até o momento, nenhum fármaco ou esquema terapêutico que garanta a eficácia do tratamento canino, bem como, a redução do risco de transmissão; Existe o risco de cães em tratamento manterem-se como reservatórios e fontes de infecção para o vetor e que não há evidências científicas da redução ou interrupção da transmissão. O II Fórum, realizado em 2009, concluiu que o tratamento canino representa risco para a saúde pública com quatro consequências previstas: Contribuir para a disseminação de uma enfermidade que resulta na morte de, em média 6,7% dos seres humanos acometidos no Brasil, podendo chegar a 17%, índice que pode aumentar ainda mais em indivíduos imunodeprimidos; Manter cães como reservatórios do parasito, o que representa risco para as populações humana e canina; Desenvolver resistência de parasitos às poucas medicações disponíveis para o tratamento da LV humana; Dificultar a implementação das medidas de saúde pública reforçando a resistência da população à eutanásia de animais que continuarão como fontes de infecção para o vetor. Estas conclusões são ratificadas pela Organização Pan-americana de Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS), como nos relatórios da Consulta de Expertos OPS-OMS sobre Leishmaniasis Visceral en Las Américas (OPAS/OMS, 2005), e do Encuentro sobre vigilância, prevención y control de leishmaniasis visceral (LV) em Cono Sur de Sudamérica (OPAS/OMS, 2009). Relatório publicado pela OMS em 2010 concluiu que as evidências científicas demonstram a baixa eficácia parasiticida dos medicamentos utilizados para o tratamento de cães com leishmaniose visceral. Destacou, ainda, que a prática de tratar cães com esta enfermidade poderá selecionar estirpes resistentes do parasito aos medicamentos utilizados para o tratamento de seres humanos com a doença e, portanto, que os medicamentos indicados para tratar a LV humana não devem ser usados para tratar cães com a doença. Com objetivo de avaliar a eficácia do tratamento da LVC, em estudo realizado no Brasil, Ikeda-Garcia e colaboradores (2010) verificaram a ocorrência de recidivas da doença e a presença da infecção após a terapia com medicamentos leishmanicidas. Após avaliação, a autora concluiu que o tratamento promove a cura clínica, entretanto não elimina completamente os parasitos e, portanto, os animais permanecem como potenciais fontes de infecção. Na Europa, foi constatado que, quando tratados, os cães recuperam a sua infectividade para os vetores, alguns meses após o uso do medicamento leishmanicida, ocultando assim, um problema epidemiológico da fonte de infecção da doença (Manna et. al, 2004; Ribeiro et. al 2008; Slappendel e Teske, 1997). Maltezou (2010) relatou que a resistência das leishmânias às novas drogas pode ser facilmente induzida experimentalmente e recomendou que elas devem ser protegidas da resistência, para que seu tempo efetivo de utilização seja o maior possível. Esta preocupação visa evitar um perigo grave, como já verificado em outros países, onde já existe a circulação de estirpes de Leishmania spp. resistentes aos medicamentos utilizados em humanos 20 mv&z crmvsp.gov.br

Subsídios para a implementação de um projeto de enriquecimento ambiental no Parque Ecológico Municipal Dr. Antonio T. Vianna São Carlos/SP

Subsídios para a implementação de um projeto de enriquecimento ambiental no Parque Ecológico Municipal Dr. Antonio T. Vianna São Carlos/SP Subsídios para a implementação de um projeto de enriquecimento ambiental no Parque Ecológico Municipal Dr. Antonio T. Vianna São Carlos/SP *Savana Diegues 1 ; Ana Carolina Dalla Vecchia 1 ; Soraya Alonso

Leia mais

DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE LEISHMANIOSE VISCERAL CANINA (LVC)

DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE LEISHMANIOSE VISCERAL CANINA (LVC) DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE LEISHMANIOSE VISCERAL CANINA (LVC) 1 Quando é que se deve suspeitar de leishmaniose visceral num cão? Sempre que o cão apresentar o conjunto de sintomas da doença, ou seja, emagrecimento,

Leia mais

Brasil News. Professor César Ades: A motivação para a pesquisa em enriquecimento ambiental é o bem-estar dos animais cativos.

Brasil News. Professor César Ades: A motivação para a pesquisa em enriquecimento ambiental é o bem-estar dos animais cativos. Informativo do SHAPE Brasil SCIENTIFIC HOLISTIC APPROACH TO POSITIVE ENRICHMENT Brasil News Março de 2010 ANO 1 - No 1 Pouco gasto, reciclagem e boa vontade mudam o cotidiano de cães em confinamento no

Leia mais

ISSN 1415-6326 CIÊNCIA VETERINÁRIA NOS TRÓPICOS

ISSN 1415-6326 CIÊNCIA VETERINÁRIA NOS TRÓPICOS ISSN 1415-6326 CIÊNCIA VETERINÁRIA NOS TRÓPICOS Ciênc. vet. tróp., Recife-PE, v. 13, suplemento 1, p. - agosto, 2010 CIÊNCIA VETERINÁRIA NOS TRÓPICOS Volume 13, Suplemento 1, agosto, 2010 INFORMAÇÕES GERAIS

Leia mais

COMISSÃO DE ÉTICA: USO DE ANIMAIS NO ENSINO E NA PESQUISA EM MEDICINA VETERINÁRIA

COMISSÃO DE ÉTICA: USO DE ANIMAIS NO ENSINO E NA PESQUISA EM MEDICINA VETERINÁRIA COMISSÃO DE ÉTICA: USO DE ANIMAIS NO ENSINO E NA PESQUISA EM MEDICINA VETERINÁRIA ALBERTO NEVES COSTA, Méd. Vet., MSc., PhD CEBEA/CFMV albertoncosta@ul.com.br Histórico da Medicina Veterinária Exercício

Leia mais

O enriquecimento ambiental como ferramenta para melhorar a reprodução e o bemestar de animais cativos

O enriquecimento ambiental como ferramenta para melhorar a reprodução e o bemestar de animais cativos Rev Bras Reprod Anim, Belo Horizonte, v.33, n.3, p.129-138, jul./set. 2009. Disponível em www.cbra.org.br O enriquecimento ambiental como ferramenta para melhorar a reprodução e o bemestar de animais cativos

Leia mais

Recursos suplementares

Recursos suplementares Uma introdução às diretrizes de alojamento e cuidados para animais de laboratório Recursos suplementares Supplementary para membros resources de for processos members locais deof local revisão ethical

Leia mais

CONTEÚDOS E ESTRATÉGIAS NO ENSINO DE BEM-ESTAR ANIMAL. Prof. Luiz Alberto do LAGO 1

CONTEÚDOS E ESTRATÉGIAS NO ENSINO DE BEM-ESTAR ANIMAL. Prof. Luiz Alberto do LAGO 1 95 CONTEÚDOS E ESTRATÉGIAS NO ENSINO DE BEM-ESTAR ANIMAL Prof. Luiz Alberto do LAGO 1 Desde o reconhecimento da relevância do ensino de bem-estar animal e também da delegação desta responsabilidade aos

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia.

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Análise do comportamento de Callithrix jacchus Linnaeus, 1758 do zoológico de Uberlândia-MG Mariela Silva Moura 1*, Fernanda Silva Ferreira 1, Fabiane

Leia mais

CASUÍSTICA DOS ATENDIMENTOS DE FELINOS NA CLÍNICA ESCOLA VETERINÁRIA (CEVET) DA UNICENTRO NO TRIÊNIO 2006-2008

CASUÍSTICA DOS ATENDIMENTOS DE FELINOS NA CLÍNICA ESCOLA VETERINÁRIA (CEVET) DA UNICENTRO NO TRIÊNIO 2006-2008 CASUÍSTICA DOS ATENDIMENTOS DE FELINOS NA CLÍNICA ESCOLA VETERINÁRIA (CEVET) DA UNICENTRO NO TRIÊNIO 2006-2008 José Carlos ISSAKOWICZ ¹ Thiago Canton NICOLAO ¹ Maurício Nunes VIEIRA ¹ Ewerton Luiz de LIMA¹

Leia mais

TURMA 10 H. CURSO PROFISSIONAL DE: Técnico de Multimédia RELAÇÃO DE ALUNOS

TURMA 10 H. CURSO PROFISSIONAL DE: Técnico de Multimédia RELAÇÃO DE ALUNOS Técnico de Multimédia 10 H 7536 Alberto Filipe Cardoso Pinto 7566 Ana Isabel Lomar Antunes 7567 Andreia Carine Ferreira Quintela 7537 Bruno Manuel Martins Castro 7538 Bruno Miguel Ferreira Bogas 5859 Bruno

Leia mais

DOR E ESTRESSE EM ANIMAIS DE EXPERIMENTAÇÃO EKATERINA AKIMOVNA BOTOVCHENCO RIVERA

DOR E ESTRESSE EM ANIMAIS DE EXPERIMENTAÇÃO EKATERINA AKIMOVNA BOTOVCHENCO RIVERA DOR E ESTRESSE EM ANIMAIS DE EXPERIMENTAÇÃO EKATERINA AKIMOVNA BOTOVCHENCO RIVERA REDUÇÃO DA DOR E DO DISTRESSE AO MÍNIMO ABSOLUTO Meta reconhecida nas legislações nacional e internacionais Reconhecer

Leia mais

Enriquecimento ambiental como ferramenta de tratamento para redução de comportamento estereotipado de macaco-caiarara (Cebus kaapori)

Enriquecimento ambiental como ferramenta de tratamento para redução de comportamento estereotipado de macaco-caiarara (Cebus kaapori) Volume 2, número 2 Maio/Ago. 2014 ISSN: 2357-7614 Enriquecimento ambiental como ferramenta de tratamento para redução de comportamento estereotipado de macaco-caiarara (Cebus kaapori) Roberta Biasoto Manacero

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia.

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Distúrbio comportamental em felídeo silvestre (Panthera pardus) Bárbara Teresa Tavares Martins 1, Marcos Mourão Motta 2, Gabriel Domingos Carvalho

Leia mais

ENRIQUECIMENTO AMBIENTAL E COMPORTAMENTO EM CATI- VEIRO DO LOBO MARINHO SUBANTÁRTICO (Arctocephalus tropicalis) (GRAY,1872) NO AQUÁRIO DE SÃO PAULO

ENRIQUECIMENTO AMBIENTAL E COMPORTAMENTO EM CATI- VEIRO DO LOBO MARINHO SUBANTÁRTICO (Arctocephalus tropicalis) (GRAY,1872) NO AQUÁRIO DE SÃO PAULO Revista Ceciliana Jun 4(1): 90-96, 2012 - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana ENRIQUECIMENTO AMBIENTAL E COMPORTAMENTO EM CATI- VEIRO DO LOBO MARINHO

Leia mais

BEM-ESTAR EM SUÍNOS: CONCEITO, MANEJO PRÉ-ABATE E CONTEXTO ECONÔMICO. Guilherme Augusto Manske 1 ; Raquel Piletti 2

BEM-ESTAR EM SUÍNOS: CONCEITO, MANEJO PRÉ-ABATE E CONTEXTO ECONÔMICO. Guilherme Augusto Manske 1 ; Raquel Piletti 2 BEM-ESTAR EM SUÍNOS: CONCEITO, MANEJO PRÉ-ABATE E CONTEXTO ECONÔMICO Guilherme Augusto Manske 1 ; Raquel Piletti 2 Palavras-chave: abate humanitário, qualidade, carne suína. INTRODUÇÃO No inicio do século

Leia mais

Antecedentes individuais do comportamento organizacional

Antecedentes individuais do comportamento organizacional Antecedentes individuais do comportamento organizacional Capacidades - Intelectuais - Físicas Personalidade Valores Percepções Atribuições Atitudes Motivação Stress Comportamento Desempenho Satisfação

Leia mais

BIOTECNOLOGIA APLICADA AOS ANIMAIS SILVESTRES E SEUS ASPECTOS ÉTICOS E CONSERVACIONISTAS

BIOTECNOLOGIA APLICADA AOS ANIMAIS SILVESTRES E SEUS ASPECTOS ÉTICOS E CONSERVACIONISTAS BIOTECNOLOGIA APLICADA AOS ANIMAIS SILVESTRES E SEUS ASPECTOS ÉTICOS E CONSERVACIONISTAS BUENO, Ataliba Perina; Aluno de Graduação da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia de Garça FAMED PEREIRA,

Leia mais

COMPORTAMENTOS DE PUMA CONCOLOR DO JARDIM ZOOLÓGICO DE LISBOA, SUBMETIDO A UM PROGRAMA DE ENRIQUECIMENTO AMBIENTAL

COMPORTAMENTOS DE PUMA CONCOLOR DO JARDIM ZOOLÓGICO DE LISBOA, SUBMETIDO A UM PROGRAMA DE ENRIQUECIMENTO AMBIENTAL COMPORTAMENTOS DE PUMA CONCOLOR DO JARDIM ZOOLÓGICO DE LISBOA, SUBMETIDO A UM PROGRAMA DE ENRIQUECIMENTO AMBIENTAL António Crespo 1 ; J. Ferreira 2 ; L. Tibério 2 ; Ana Pereira 1 ; Nuno Carolino 3 1 Escola

Leia mais

A Prática da Psicologia em Emergências e Desastres: Perspectivas Sociais e Preventivas

A Prática da Psicologia em Emergências e Desastres: Perspectivas Sociais e Preventivas A Prática da Psicologia em Emergências e Desastres: Perspectivas Sociais e Preventivas Angela Elizabeth Lapa Coêlho Centro Universitário de João Pessoa - UNIPÊ Segundo Wilches-Chaux (1993), devemos despojar

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA A IMPORTÂNCIA DO BEM-ESTAR NA PISCICULTURA

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA A IMPORTÂNCIA DO BEM-ESTAR NA PISCICULTURA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA A IMPORTÂNCIA DO BEM-ESTAR NA PISCICULTURA Graduanda em Zootecnia: Adriane A. Iwamoto Botucatu, Setembro

Leia mais

Enriquecimento ambiental

Enriquecimento ambiental Enriquecimento ambiental A criação de animais em cativeiro pode levá los a apresentar comportamentos não tão naturais quanto aqueles apresentados na natureza, uma vez que o cativeiro oferece aos animais

Leia mais

Rev. Bras. Reprod. Anim., Belo Horizonte, v.36, n.1, p.39-43, jan./mar. 2012. Disponível em www.cbra.org.br

Rev. Bras. Reprod. Anim., Belo Horizonte, v.36, n.1, p.39-43, jan./mar. 2012. Disponível em www.cbra.org.br Rev. Bras. Reprod. Anim., Belo Horizonte, v.36, n.1, p.39-43, jan./mar. 2012. Disponível em www.cbra.org.br Reprodução natural de felídeos selvagens em cativeiro: dificuldades e orientações Natural reproduction

Leia mais

Reunião de Outono do Grupo de Estudo da Insulinorresistência da Sociedade Portuguesa de Endocrinologia Diabetes e Metabolismo

Reunião de Outono do Grupo de Estudo da Insulinorresistência da Sociedade Portuguesa de Endocrinologia Diabetes e Metabolismo Reunião de Outono do Grupo de Estudo da Insulinorresistência da Sociedade Portuguesa de Endocrinologia Diabetes e Metabolismo Dia: 28 de Novembro de 2015 Local: Porto, Fundação Cupertino de Miranda Tema:

Leia mais

ANÁLISE CITOGENÉTICA E COMPARAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS DA CARCAÇA E DA CARNE EM SUS SCROFA SCROFA (JAVALI EUROPEU)

ANÁLISE CITOGENÉTICA E COMPARAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS DA CARCAÇA E DA CARNE EM SUS SCROFA SCROFA (JAVALI EUROPEU) REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA PERIODICIDADE SEMESTRAL EDIÇÃO NÚMERO 5 JULHO DE 2005 ISSN 1679-7353 ANÁLISE CITOGENÉTICA E COMPARAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS DA CARCAÇA E DA CARNE EM

Leia mais

ENRIQUECIMENTO AMBIENTAL COM FELINOS EM CATIVEIRO DO PARQUE DO INGÁ

ENRIQUECIMENTO AMBIENTAL COM FELINOS EM CATIVEIRO DO PARQUE DO INGÁ ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 ENRIQUECIMENTO AMBIENTAL COM FELINOS EM CATIVEIRO DO PARQUE DO INGÁ Caio Henrique de Oliveira Carniatto

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: .

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=593>. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: . Bem-estar animal em programas de zooterapia ou terapia assistida por animais Michele

Leia mais

Bacharelado em Medicina Veterinária

Bacharelado em Medicina Veterinária Bacharelado em Medicina Veterinária INFORMAÇÕES Duração do Curso: 05 anos (10 semestres) Horário: Manhã Número de Vagas: 100 anuais Coordenador: Profº Dr. Carlos Tadeu Bandeira de Lavor O CURSO O Curso

Leia mais

USO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRAFICA NA SAÚDE: ANÁLISE ESPACIAL DA LEISHMANIOSE VISCERAL CANINA EM PRESIDENTE PRUDENTE SP, BRASIL

USO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRAFICA NA SAÚDE: ANÁLISE ESPACIAL DA LEISHMANIOSE VISCERAL CANINA EM PRESIDENTE PRUDENTE SP, BRASIL USO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRAFICA NA SAÚDE: ANÁLISE ESPACIAL DA LEISHMANIOSE VISCERAL CANINA EM PRESIDENTE PRUDENTE SP, BRASIL USE OF GEOGRAPHIC INFORMATION SYSTEMS IN HEALTH: SPATIAL ANALYSIS

Leia mais

PROTOCOLO DE TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL DE GRUPO PARA FOBIA SOCIAL CIRCUNSCRITA

PROTOCOLO DE TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL DE GRUPO PARA FOBIA SOCIAL CIRCUNSCRITA PROTOCOLO DE TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL DE GRUPO PARA FOBIA SOCIAL CIRCUNSCRITA (2007) Gustavo J. Fonseca D El Rey Coordenador do Programa de Fobia Social do Centro de Pesquisas e Tratamento de Transtornos

Leia mais

Naturais Profa. Dra. Andyara Lena P. de Barros Camargo Resistência e virulência antimicrobiana

Naturais Profa. Dra. Andyara Lena P. de Barros Camargo Resistência e virulência antimicrobiana NÚCLEO DE PESQUISA DE ESCOLA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE Núcleo de Pesquisa Centro Integrado de Biologia Molecular CIBmol Composição do Núcleo de Pesquisa em Biologia Molecular CIBmol Coordenador Prof. Dr. Carlos

Leia mais

Programa de Controle de Peso Corporal

Programa de Controle de Peso Corporal 15 Programa de Controle de Peso Corporal Denis Marcelo Modeneze Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde na UNICAMP principal objetivo de desenvolver este tema com os alunos

Leia mais

PREVALÊNCIA DE ENDOPARASITAS EM CÃES (Canis lupus familiaris) ERRANTES DO MUNICÍPIO DE CAMPO LARGO, PARANÁ

PREVALÊNCIA DE ENDOPARASITAS EM CÃES (Canis lupus familiaris) ERRANTES DO MUNICÍPIO DE CAMPO LARGO, PARANÁ 1 PREVALÊNCIA DE ENDOPARASITAS EM CÃES (Canis lupus familiaris) ERRANTES DO MUNICÍPIO DE CAMPO LARGO, PARANÁ ALAN DOS ANJOS¹, JÉSSICA ZULATTO PEREIRA DOS ANJOS¹, LEOPOLDO MALCORRA DE ALMEIDA 1, SURYA MARTINS

Leia mais

Parecer sobre PL nº 563, de 2014

Parecer sobre PL nº 563, de 2014 Parecer sobre PL nº 563, de 2014 Considerando o compromisso ético dos profissionais médicos-veterinários, conforme resolução nº 722 de 16 de agosto de 2002 do Conselho Federal de Medicina Veterinária,

Leia mais

IMPORTÂNCIA DAS MUDANÇAS SOCIAIS PARA PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA NA TERCEIRA IDADE

IMPORTÂNCIA DAS MUDANÇAS SOCIAIS PARA PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA NA TERCEIRA IDADE IMPORTÂNCIA DAS MUDANÇAS SOCIAIS PARA PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA NA TERCEIRA IDADE Dalila Freire² J.O. Rodrigues¹ T.P.M. Cunha² M.S.B.F. Costa¹ C.A.S Soares¹ L.R. Oliveira¹ Vanilce Bernardes³ Nos países

Leia mais

Ciência em Animais de Laboratório

Ciência em Animais de Laboratório 02/10/2012 Ciência em Animais de Laboratório Marcel Frajblat Universidade Federal do Rio de Janeiro Ciência em Animais de Laboratório 1 I Educação, bioética, legislação e biossegurança em animais de laboratório:

Leia mais

Prof. Dra. Luciana Batalha de Miranda Araújo

Prof. Dra. Luciana Batalha de Miranda Araújo Todos os animais nascem iguais perante a vida e têm os mesmos direitos à existência. Declaração Universal dos Direitos dos Animais UNESCO 27/01/1978 Prof. Dra. Luciana Batalha de Miranda Araújo Não existe

Leia mais

USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS NA PRODUÇÃO ANIMAL Renata Magalhães Casadei :

USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS NA PRODUÇÃO ANIMAL Renata Magalhães Casadei : USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS NA PRODUÇÃO ANIMAL Renata Magalhães Casadei : Nos últimos anos, a ocorrência de bactérias resistentes aos principais compostos antibióticos tem aumentado, havendo inclusive

Leia mais

Bem Estar Animal. Desafios e oportunidades

Bem Estar Animal. Desafios e oportunidades Bem Estar Animal Desafios e oportunidades Fortaleza - 2012 Sinopse Por que, atualmente, se fala tanto sobre o Bem estar animal? O que é Bem Estar Animal? Como avaliar o Bem Estar Animal? Pontos críticos

Leia mais

Bem-estar Para atender às exigências do consumidor, produtores incorporam o conceito de bem-estar à criação e ao manejo de animais de produção

Bem-estar Para atender às exigências do consumidor, produtores incorporam o conceito de bem-estar à criação e ao manejo de animais de produção nº 53 ano XX Bem-estar animal Conceito difundido já nos anos 1960, o bem-estar animal ganha cada vez mais apoio da população e influencia mudanças positivas no sistema produtivo Informativo do Conselho

Leia mais

Manejo das populações de cães e gatos em áreas urbanas

Manejo das populações de cães e gatos em áreas urbanas Manejo das populações de cães e gatos em áreas urbanas O planejamento e a execução de ações de manejo das populações de cães e gatos em áreas urbanas constituem grandes desafios para os gestores municipais.

Leia mais

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1 1 RELAÇÃO DO FENÓTIPO DE GATOS COM O COMPORTAMENTO CATS PHENOTYPE RELATIONSHIP WITH THE BEHAVIOR JHÉSSICA LUARA ALVES DE LIMA 1, MARCELO FARIAS CAVALCANTE 1, NILZA DUTRA ALVES 2, FRANCISCO MARLON CARNEIRO

Leia mais

Tamires Marinho Pessoa Curriculum Vitae

Tamires Marinho Pessoa Curriculum Vitae Tamires Marinho Pessoa Curriculum Vitae Fevereiro/2014 Tamires Marinho Pessoa Curriculum Vitae Dados pessoais Nome Tamires Marinho Pessoa Filiação Fabio Nario Pessoa e Najla Jurema Almeida Marinho Nascimento

Leia mais

Término Previsto: ---/---/-----

Término Previsto: ---/---/----- UNIVERSIDADE CAMILO CASTELO BRANCO CEUA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS PROTOCOLO N o. (Para uso exclusivo da CEUA) 1. FORMULÁRIO DE ENCAMINHAMENTO PARA PESQUISA ENVOLVENDO ANIMAIS Curso: Campus: Título

Leia mais

Integrando Vigilância em Saúde Animal e Segurança do Alimento. Carlos Henrique Pizarro Borges DSA/SDA/Mapa

Integrando Vigilância em Saúde Animal e Segurança do Alimento. Carlos Henrique Pizarro Borges DSA/SDA/Mapa Integrando Vigilância em Saúde Animal e Segurança do Alimento Carlos Henrique Pizarro Borges DSA/SDA/Mapa Coordinating surveillance policies in animal health and food safety: from farm to fork. Scientific

Leia mais

OUTORGADO A MÉDICO VETERINÁRIO PAULISTA

OUTORGADO A MÉDICO VETERINÁRIO PAULISTA 1 OUTORGADO A MÉDICO VETERINÁRIO PAULISTA O Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV) promove, anualmente, a outorga do Prêmio Professor Paulo Dacorso Filho ao Médico Veterinário brasileiro que mais

Leia mais

EFEITO DOS ÍNDICES DE TEMPERATURA - UMIDADE (ITU) SOBRE BUBALINOS CRIADOS EM SISTEMA SILVIPASTORIL, EM BELÉM, PARÁ

EFEITO DOS ÍNDICES DE TEMPERATURA - UMIDADE (ITU) SOBRE BUBALINOS CRIADOS EM SISTEMA SILVIPASTORIL, EM BELÉM, PARÁ EFEITO DOS ÍNDICES DE TEMPERATURA - UMIDADE (ITU) SOBRE BUBALINOS CRIADOS EM SISTEMA SILVIPASTORIL, EM BELÉM, PARÁ TEMPERATURE-HUMID INDEX EFFECTS OF WATER BUFFALOES RAISED IN THE SILVOPASTORAL SYSTEM,

Leia mais

PROJETO DE EXTENSÃO PROPICIA APRENDIZADO E BEM-ESTAR ANIMAL EM TEMPO DE PARALISAÇÃO ACADÊMICA

PROJETO DE EXTENSÃO PROPICIA APRENDIZADO E BEM-ESTAR ANIMAL EM TEMPO DE PARALISAÇÃO ACADÊMICA 1 PROJETO DE EXTENSÃO PROPICIA APRENDIZADO E BEM-ESTAR ANIMAL EM TEMPO DE PARALISAÇÃO ACADÊMICA NILVA MARIA FRERES MASCARENHAS ¹, CARMEN LÚCIA SCORTECCI HILST ¹, FERNANDO DE BIASI ¹, ANGELITA ZANATA RÉIA

Leia mais

PAPEL NA CIÊNCIA DE ANIMAIS DE LABORATÓRIO RIO EKATERINA AKIMOVNA BOTOVCHENCO RIVERA

PAPEL NA CIÊNCIA DE ANIMAIS DE LABORATÓRIO RIO EKATERINA AKIMOVNA BOTOVCHENCO RIVERA O MÉDICO M VETERINÁRIO RIO E SEU PAPEL NA CIÊNCIA DE ANIMAIS DE LABORATÓRIO RIO EKATERINA AKIMOVNA BOTOVCHENCO RIVERA Referência principal Harmonizing Veterinary Training and Qualifications in Laboratory

Leia mais

Caprinocultura, Ovinocultura e Eqüideocultura. OBRIG./OPT. PRÉ/CO/REQUISITOS ANUAL/SEM. Obrigatória Alimentos e Alimentação 2007/2

Caprinocultura, Ovinocultura e Eqüideocultura. OBRIG./OPT. PRÉ/CO/REQUISITOS ANUAL/SEM. Obrigatória Alimentos e Alimentação 2007/2 PROGRAMA DE - CAPRINOCULTURA, OVINOCULTURA E EQUIDEOCULTURA CAMPUS: Alegre CURSOS: Medicina Veterinária HABILITAÇÃO: Bacharelado OPÇÃO: DEPARTAMENTO RESPONSÁVEL: Zootecnia IDENTIFICAÇÃO: CÓDIGO DISCIPLINA

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA VETERINÁRIA

<!ID1060354-0> CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA VETERINÁRIA CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA VETERINÁRIA RESOLUÇÃO Nº 879, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2008 Dispõe sobre o uso de animais no ensino e na pesquisa e regulamenta as Comissões de Ética no Uso de

Leia mais

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1 1 SISTEMA ANTILUTEOLÍTICO E MORTE EMBRIONÁRIA EM FÊMEAS BOVINAS JEAN CAIO FIGUEIREDO DE ALMEIDA¹, ANA KELLY MENDES DA SILVA¹, GESSIANE PEREIRA DA SILVA¹, BRENDA JULIANE SILVA DOS SANTOS¹, CAMILA DE ALMEIDA

Leia mais

Num mundo sem doenças e sem sofrimento, a experimentação animal não seria necessária.

Num mundo sem doenças e sem sofrimento, a experimentação animal não seria necessária. Num mundo sem doenças e sem sofrimento, a experimentação animal não seria necessária. Todos os animais, domésticos, selvagens e de laboratório são beneficiados por substâncias testadas em animais. Graças

Leia mais

Resultado dos Processos Seletivos do Sescoop-RJ 2010

Resultado dos Processos Seletivos do Sescoop-RJ 2010 Resultado dos Processos Seletivos do Sescoop-RJ 2010 1ª Etapa: Análise Curricular INSTRUÇÕES GERAIS PARA TODOS OS CANDIDATOS a) O candidato deverá chegar ao local com uma hora de antecedência do i nício

Leia mais

Desempenho no trabalho: Revisão da literatura [I] Job performance: An overview of literature

Desempenho no trabalho: Revisão da literatura [I] Job performance: An overview of literature PSICOLOGIA ARGUMENTO doi: 10.7213/psicol.argum.5895 ARTIGOS [T] Desempenho no trabalho: Revisão da literatura [I] Job performance: An overview of literature [R] [A] Pedro Fernando Bendassolli Resumo Received

Leia mais

GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE

GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE RESUMO Esterfania Silva Lucena; Manoel Freire de Oliveira Neto Universidade Estadual da Paraíba, Email:

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Atividade Física x Exercício Físico Atividade Física: é qualquer movimento corporal com gasto energético acima do nível de

Leia mais

OBSERVAÇÕES PRELIMINARES EM PUMA CONCOLOR DO JARDIM ZOOLÓGICO DE LISBOA COM VISTA À IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE ENRIQUECIMENTO AMBIENTAL

OBSERVAÇÕES PRELIMINARES EM PUMA CONCOLOR DO JARDIM ZOOLÓGICO DE LISBOA COM VISTA À IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE ENRIQUECIMENTO AMBIENTAL OBSERVAÇÕES PRELIMINARES EM PUMA CONCOLOR DO JARDIM ZOOLÓGICO DE LISBOA COM VISTA À IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE ENRIQUECIMENTO AMBIENTAL António Crespo 1 ; J. Ferreira 2 ; L. Tibério 2 & Ana Pereira

Leia mais

Alexandre Sérgio Silva Laboratório de Estudos do Treinamento Físico Aplicado ao Desempenho e Saúde (LETFADS) ass974@yahoo.com.br

Alexandre Sérgio Silva Laboratório de Estudos do Treinamento Físico Aplicado ao Desempenho e Saúde (LETFADS) ass974@yahoo.com.br Alexandre Sérgio Silva Laboratório de Estudos do Treinamento Físico Aplicado ao Desempenho e Saúde (LETFADS) ass974@yahoo.com.br Cognitiva, emocional, Motivacional, lolitiva Tarefas realizadas Tarefas

Leia mais

Escola sede: Escola Secundária de S. Pedro do Sul Alunos Matriculados - 2015/2016

Escola sede: Escola Secundária de S. Pedro do Sul Alunos Matriculados - 2015/2016 13008 10 E Técnico de Instalações Elétricas Carlos Jorge Oliveira Rodrigues Escola Secundária de São Pedro do Sul 13791 10 E Técnico de Instalações Elétricas Daniel dos Santos Rodrigues Escola Secundária

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DA ECONOMIA DA SAÚDE PARA O SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE - SUS

CONTRIBUIÇÃO DA ECONOMIA DA SAÚDE PARA O SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE - SUS CONTRIBUIÇÃO DA ECONOMIA DA SAÚDE PARA O SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE - SUS SÉRGIO FRANCISCO PIOLA MÉDICO-SANITARISTA, CONSULTOR DO IPEA E PESQUISADOR DO NÚCLEO DE SAÚDE PÚBLICA (NESP) DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA

Leia mais

11º GRANDE PRÉMIO DE S.JOSÉ

11º GRANDE PRÉMIO DE S.JOSÉ 11º GRANDE PRÉMIO DE S.JOSÉ 1 FRANCISCO PEREIRA 36 SENIOR MASC. VITÓRIA S.C. 20.23 2 ANDRE SANTOS 48 SENIOR MASC. C.A.O.VIANENSE 20.27 3 JORGE CUNHA 3 SENIOR MASC. S.C.MARIA DA FONTE 21.14 4 DOMINGOS BARROS

Leia mais

DOUTORAMENTOS 2013 1

DOUTORAMENTOS 2013 1 DOUTORAMENTOS 2013 1 Em 2013 doutoraram-se seis profissionais do CHP. Os doutoramentos realizaram-se nas áreas científicas de Bioética (1), Ciências Médicas (2), Metabolismo (1), Engenharia Biomédica (1),

Leia mais

PROCESSO SELETIVO Nº 206/2015

PROCESSO SELETIVO Nº 206/2015 PROCESSO SELETIVO Nº 206/2015 O Sesc em Minas comunica a relação nominal com as notas da prova ocorrida entre os dias 07/06/2015 à 14/06/2015 Considerando o que está previsto no subitem 5.1.3.1 do Descritivo

Leia mais

EPLNA_2012. Ciclo de Garantia da Qualidade Analítica: tendências e etapas fundamentais para a fornecer resultados confiáveis

EPLNA_2012. Ciclo de Garantia da Qualidade Analítica: tendências e etapas fundamentais para a fornecer resultados confiáveis Ciclo de Garantia da Qualidade Analítica: tendências e etapas fundamentais para a fornecer resultados confiáveis Prof. Dr. Igor Renato Bertoni Olivares Top 02 in analytical chemistry Impact Factor - 6,6

Leia mais

SUMÁRIO DO CURRICULUM VITAE

SUMÁRIO DO CURRICULUM VITAE SUMÁRIO DO CURRICULUM VITAE Nome Completo: Lino Manuel Martins Gonçalves. Local e Data de Nascimento: Loulé - Portugal, 23 de Setembro de 1960. Estado civil: Casado Nacionalidade: Portuguesa Morada: Rua

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2003. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2003. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2003. (*) Institui Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Graduação em Medicina Veterinária.

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: .

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=618>. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: . Leishmaniose tegumentar americana em cão da raça Cocker Spainel proveniente da área

Leia mais

AÇÕES DE VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA EM TERESINA - PI

AÇÕES DE VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA EM TERESINA - PI AÇÕES DE VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA EM TERESINA - PI Ferreira, L.C.R.P. (1) ; Lima, N.A. (2) ; Muratori, M.C.S. (3) ; Júnior, M.H.K. (3) ; Aragão, L.V.O. (4) ligia_calina@hotmail.com (1) Programa

Leia mais

CONTROLE POPULACIONAL DE CÃES E GATOS

CONTROLE POPULACIONAL DE CÃES E GATOS CONTROLE POPULACIONAL DE CÃES E GATOS Aspectos éticos Rita de Cassia Maria GARCIA 1, Nestor Alberto Calderon MALDONADO 2 ; Antonio LOMBARDI 3. A reflexão ética vem ganhando importância na discussão pública

Leia mais

REVISTA BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL

REVISTA BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL REVISTA BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Associação Brasileira de Pesquisadores em Educação Especial REVISTA BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO MÉDICO VETERINÁRIO NA SAÚDE PÚBLICA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

A IMPORTÂNCIA DO MÉDICO VETERINÁRIO NA SAÚDE PÚBLICA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA A IMPORTÂNCIA DO MÉDICO VETERINÁRIO NA SAÚDE PÚBLICA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA FRIAS, Rafael Botelho de MARIANO, Renata Sitta G. Discentes da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia de Garça PINHEIRO

Leia mais

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos Fisioterapeuta: Adriana Lopes de Oliveira CREFITO 3281-LTT-F GO Ergonomia ERGONOMIA - palavra de origem grega, onde: ERGO = trabalho e NOMOS

Leia mais

INFLUÊNCIA DO ENRIQUECIMENTO AMBIENTAL NO COMPORTAMENTO DE Ara ararauna e Ara chloropterus NO ZOOLÓGICO VALE DOS BICHOS

INFLUÊNCIA DO ENRIQUECIMENTO AMBIENTAL NO COMPORTAMENTO DE Ara ararauna e Ara chloropterus NO ZOOLÓGICO VALE DOS BICHOS INFLUÊNCIA DO ENRIQUECIMENTO AMBIENTAL NO COMPORTAMENTO DE Ara ararauna e Ara chloropterus NO ZOOLÓGICO VALE DOS BICHOS SANTOS, M. S. 1, SALGADO, A. P. B. 2, MATTOS, J. F. A. 2, MONTEIRO, A. R. 1 1 Universidade

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA RELAÇÃO CÃO-IDOSO PARA APRIMORAMENTO DA QUALIDADE DE VIDA EM INSTITUIÇÕES DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS NA CIDADE DE UBERLÂNDIA-MG

IMPORTÂNCIA DA RELAÇÃO CÃO-IDOSO PARA APRIMORAMENTO DA QUALIDADE DE VIDA EM INSTITUIÇÕES DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS NA CIDADE DE UBERLÂNDIA-MG IMPORTÂNCIA DA RELAÇÃO CÃO-IDOSO PARA APRIMORAMENTO DA QUALIDADE DE VIDA EM INSTITUIÇÕES DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS NA CIDADE DE UBERLÂNDIA-MG Natália Carvalho 1 Marcela Pena Costa 1 1 Cristiana

Leia mais

Aplicação do Enriquecimento Ambiental Alimentar e Sensorial para Callithrix penicillata (E. Geoffroy, 1812) em cativeiro.

Aplicação do Enriquecimento Ambiental Alimentar e Sensorial para Callithrix penicillata (E. Geoffroy, 1812) em cativeiro. Aplicação do Enriquecimento Ambiental Alimentar e Sensorial para Callithrix penicillata (E. Geoffroy, 1812) em cativeiro. VIVIANE NERY NOLASCO 1 KAREN LISSA GOODWIN PAGLIA 2 RESUMO O bem estar animal é

Leia mais

CORRIDA DO NATAL DE CAMPOS DO JORDÃO

CORRIDA DO NATAL DE CAMPOS DO JORDÃO CORRIDA DO NATAL DE CAMPOS Descrição Faixa Coloc. Num. Nome Idd. Equipe Tempo Masculino de 0 até 15 anos idade inválida 1 488 TROCA DE NÚMERO. DE: 488 PARA: 628 0 00:47:33 Masculino de 16 até 19 anos 1

Leia mais

Pesquisa Clínica. Orientações aos pacientes

Pesquisa Clínica. Orientações aos pacientes Pesquisa Clínica Orientações aos pacientes 2009 Ministério da Saúde. É permitida a reprodução total ou parcial desta obra, desde que citada a fonte. Tiragem: 1000 exemplares Criação, Informação e Distribuição

Leia mais

ATUALIZAÇÃO EM FERIDAS CUTÂNEAS E CURATIVOS

ATUALIZAÇÃO EM FERIDAS CUTÂNEAS E CURATIVOS ATUALIZAÇÃO EM FERIDAS CUTÂNEAS E CURATIVOS Taís Lopes Saranholi Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: tais_saranholi@hotmail.com Cássia Marques da Rocha Hoelz E-mail: cassiarocha@bauru.sp.gov.br

Leia mais

AMANDA COSTA DE MORAIS

AMANDA COSTA DE MORAIS O Programa de Educação Tutorial (PET) do curso de Administração da UFMG certifica que o(a) aluno(a) AMANDA COSTA DE MORAIS participou da 7ª Discussão Temática Diversidade e inovação: cultura empreendedora

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Determinantes da interação homem e animal

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Determinantes da interação homem e animal PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Determinantes da interação homem e animal Laerte Pereira de Almeida 1, Jéssica Rodrigues de Oliveira 2 e Matheus Matioli Mantovani 3 1 Docente da

Leia mais

ESCOLA E.B. 2,3 DE LAMAÇÃES 2013-2014

ESCOLA E.B. 2,3 DE LAMAÇÃES 2013-2014 5º1 1 ANA CATARINA R FREITAS SIM 2 BEATRIZ SOARES RIBEIRO SIM 3 DIOGO ANTÓNIO A PEREIRA SIM 4 MÁRCIO RAFAEL R SANTOS SIM 5 MARCO ANTÓNIO B OLIVEIRA SIM 6 NÁDIA ARAÚJO GONÇALVES SIM 7 SUNNY KATHARINA G

Leia mais

CURSO DE EPIDEMIOLOGIA BÁSICA PARA PNEUMOLOGISTAS

CURSO DE EPIDEMIOLOGIA BÁSICA PARA PNEUMOLOGISTAS CURSO DE EPIDEMIOLOGIA BÁSICA PARA PNEUMOLOGISTAS Ana M.B. Menezes 1 e Iná da S. dos Santos 2 1 Prof a Titular de Pneumologia Faculdade de Medicina UFPEL 1 Presidente da Comissão de Epidemiologia da SBPT

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. Geraldo Resende) Dispõe sobre a Política Nacional de Vacinação contra a Leishmaniose animal. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Fica instituída a Política Nacional

Leia mais

TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR

TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR e Prática Clínica TRATAMENTO ANALÍTICO-COMPORTAMENTAL DO TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR TRATAMENTO ANALÍTICO-COMPORTAMENTAL DO TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR Maria Rita Zoéga Soares Samir Vidal Mussi e cols. Coordenação

Leia mais

As vagas serão distribuídas conforme a disponibilidade dos orientadores, conforme informado abaixo:

As vagas serão distribuídas conforme a disponibilidade dos orientadores, conforme informado abaixo: 1 FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA EDITAL PG 08/2015/FMVZ/USP A Comissão de Pós-Graduação da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo comunica que, na Secretaria

Leia mais

Quadro Competitivo Xadrez CAE - Round 5

Quadro Competitivo Xadrez CAE - Round 5 List of Players Quadro Competitivo Xadrez CAE - Round 5 No Name Feder Club 1. Alexandre Aranda, Ini Conservatório de Música 2. Alexandre Alves, InfA Conservatório de Música 3. Alexandre Magalhães, InfA

Leia mais

Comunicado Técnico 15

Comunicado Técnico 15 Comunicado Técnico 15 ISSN 2177-854X Agosto. 2011 Uberaba - MG Cuidados sanitários para a estação de monta Responsáveis: Dra. Raquel Abdallah da Rocha Oliveira E-mail: rrabdallah@hotmail.com Pós-doutora

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA

A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA RESUMO SILVA 1, Thays Gonçalves ALMEIDA 2, Rogério Moreira de Centro de Ciências da

Leia mais

USO DE ESPELHOS NO COMPORTAMENTO INGESTIVO DE VACAS LEITEIRAS 1

USO DE ESPELHOS NO COMPORTAMENTO INGESTIVO DE VACAS LEITEIRAS 1 55 USO DE ESPELHOS NO COMPORTAMENTO INGESTIVO DE VACAS LEITEIRAS 1 MARCOS DONIZETE DA SILVA 2 MARCELO S. ROSA 3 ERICA HUCKE 4 RESUMO Na busca por melhorias nos sistemas de manejo de bovinos leiteiros e

Leia mais

fmvz-unesp FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - BOTUCATU Curso de Pós-Graduação em Zootecnia Nutrição e Produção Animal

fmvz-unesp FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - BOTUCATU Curso de Pós-Graduação em Zootecnia Nutrição e Produção Animal fmvz-unesp FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - BOTUCATU Curso de Pós-Graduação em Zootecnia Nutrição e Produção Animal SISTEMA DE PRODUÇÃO X QUALIDADE DA CARNE OVINA Raquel Abdallah da Rocha

Leia mais

161342 - Agrupamento de Escolas de Condeixa-a-Nova 340613 - Escola Básica nº 2 de Condeixa-a-Nova Relação de Alunos

161342 - Agrupamento de Escolas de Condeixa-a-Nova 340613 - Escola Básica nº 2 de Condeixa-a-Nova Relação de Alunos : A 12 1 Adriana Beatriz Pinto Pereira Cortez S 13078 2 Ana Francisca Conceição Costa S 136 3 Ana Francisca Rodrigues Preces 1307 4 António José da Silva Loreto S 13084 Beatriz Moura Neves Beja Facas S

Leia mais

ACOMPANHAMENTO VETERINÁRIO A ANIMAIS SELVAGENS NO PLANALTO CATARINENSE

ACOMPANHAMENTO VETERINÁRIO A ANIMAIS SELVAGENS NO PLANALTO CATARINENSE ACOMPANHAMENTO VETERINÁRIO A ANIMAIS SELVAGENS NO PLANALTO CATARINENSE Meio Ambiente Aury Nunes de Moraes 1 (Coordenador da Ação) Aury Nunes de Moraes 1 Bruno Lunardeli 2 Cristiana Corrêa Kuci 3 Palavras-chave:

Leia mais

FINALIDADES E OBJETIVOS DO CURSO

FINALIDADES E OBJETIVOS DO CURSO 1.Identificação e situação legal - Identificação do curso, ato de criação, início do curso e ato de reconhecimento. CURSO: SITUAÇÃO LEGAL: Medicina Veterinária Dados de Criação/Autorização: Documento:

Leia mais

O Papel do Professor de Educação Física na Prevenção de Lesões em Atletas

O Papel do Professor de Educação Física na Prevenção de Lesões em Atletas 1 O Papel do Professor de Educação Física na Prevenção de Lesões em Atletas Resumo: O professor de Educação Física tem uma grande importância na prevenção de lesões em atletas, se o mesmo respeitar os

Leia mais

para, também homenagear o Acadêmico Renato C. Barnabe.

para, também homenagear o Acadêmico Renato C. Barnabe. 1 Pós-graduação em reprodução animal na Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia / USP. No dia 28 de setembro de 2011, no Anfiteatro Professor Doutor Altino Antunes, da Paulistana Faculdade de Veterinária

Leia mais

Boletim Epidemiológico UHE Santo Antônio do Jari

Boletim Epidemiológico UHE Santo Antônio do Jari Editorial Índice - Editorial - Doença Leishmaniose - Gráfico de Notificações - Doença Malária Este é o segundo número do ano de, com veiculação semestral, referente aos meses de janeiro a junho, contendo

Leia mais

UNIDADE ACADÊMICO-ADMINISTRATIVA DE ARTES E ARQUITETURA RESULTADO DA PROVA PRÁTICA. Próxima Etapa: ANÁLISE DO CURRÍCULO LATTES

UNIDADE ACADÊMICO-ADMINISTRATIVA DE ARTES E ARQUITETURA RESULTADO DA PROVA PRÁTICA. Próxima Etapa: ANÁLISE DO CURRÍCULO LATTES Av. Universitária, 069 l Setor Universitário Caixa Postal 86 l CEP 74605-00 Fone: (62) 3946.308 ou 3089 l Fax: (62) 3946.3080 EDITAL N 62/ 203 PROGRAD UNIDADE ACADÊMICO-ADMINISTRATIVA DE ARTES E ARQUITETURA

Leia mais

24 motivos. academia. para entrar na

24 motivos. academia. para entrar na para entrar na academia Mais um ano se inicia e com ele chegam novas perspectivas e objetivos. Uma das principais promessas feitas é deixar o sedentarismo de lado e entrar na academia! Nesta época é comum

Leia mais