Objetivo. Atualização de conceitos e dos procedimentos na execução de processo administrativo referente a Suprimento de Fundos.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Objetivo. Atualização de conceitos e dos procedimentos na execução de processo administrativo referente a Suprimento de Fundos."

Transcrição

1

2 Objetivo Atualização de conceitos e dos procedimentos na execução de processo administrativo referente a Suprimento de Fundos. 2

3 Sumário 1. Fundamentação Legal 2. Conceitos 3. Mecanismos de Pagamento 4. Adesão ao CPGF e acesso ao ASP 5. Casos de Aplicação do Suprimento de Fundos 6. Regime Especial de Execução 7. Valores Limites para Sup Fundos 8. Valores Superiores aos Limites Legais <-> Autorização 9. Fracionamento de Despesas e Despesas de Capital 10. Atividade Sigilosa 11. Restrições à Concessão de Sup Fundos 12. Prestação de Contas do Agente Suprido 13. Responsabilidades dos Agentes Envolvidos 14. Processo Fundamentado e Autuado 15. Falhas Mais Comuns das UG 16. Julgados do TCU sobre o uso de Sup Fundos 3

4 1. Fundamentação Legal Lei nº 4.320, de 17/03/1964 (Art 68 e 69); Decreto-Lei nº 200, de 25/02/1967 (Art 74 a 84); Decreto nº , de 23/12/1986 (Art 45 a 47 - atualizado); Decreto nº 5.992, de 19/12/2006; Decreto nº 5.355, de 21/01/2005; Decreto nº 6.370, de 01/02/2008 Decreto nº 6.467, de 30/05/2008; Port MF nº 95, de 19/04/2002; Port MPOG nº 41, de 04/03/2005 (atualizada); Port MF nº 448, de 13/09/2002; Port SEF nº 012, de 16/06/2008; Port Normativa 1.403/MD, de 26/10/2007; Port Normativa 1.082/MD, de 12/09/2005; Port Min 012/MEx, de 06/05/1992; IN STN nº 04, de 30/08/2004 (Art 13 a 16); Macrofunção SIAFI (atualizada); e Jurisprudências do TCU. 4

5 2. Conceitos Suprimento de Fundos - É o regime de adiantamento aplicável aos casos de despesas expressamente definidos em lei, que consiste na entrega de numerário a servidor, sempre precedida de empenho na dotação própria, para o fim de realizar despesas que, pela sua EXCEPCIONALIDADE, a critério do Ordenador de Despesa e sob sua inteira responsabilidade, não possam subordinar-se ao processo normal de aplicação ( ). (Mf Manual SIAFI, item 2.1) - O regime de adiantamento é aplicável aos casos de despesas expressamente definidos em lei e consiste na entrega de numerário a servidor, sempre precedida de empenho na dotação própria para o fim de realizar despesas, que não possam subordinar-se ao processo normal de aplicação.(art. 68, Lei 4.320/64) 5

6 2. Conceitos Cartão de Pagamento do Governo Federal(CPGF) - é instrumento de pagamento, emitido em nome da unidade gestora e operacionalizado por instituição financeira autorizada, utilizado exclusivamente pelo portador nele identificado, nos casos indicados em ato próprio da autoridade competente, respeitados os limites legais. (art. 1º, único, Dec 5.355/05). 6

7 3. Mecanismos de Pagamento - Os meios de pagamento utilizado para suprimento de fundos: a) Regra= Compra a CRÉDITO; 1) A Regra: CPGF b) Exceção = Saque (previsto/ato Concessão) c) Proibição = DÉBITO e/ou Parcelamento 2) É a Exceção:Conta B Justificar no Ato de Concessão e no RPCM 7

8 4. Adesão ao CPGF e acesso ao ASP Adesão ao CPGF: 1) Planejar-se quanto às necessidades da UG; 2) Fazer adesão junto ao BB (agência de sede), observando a necessidade deprocadmprópriodaug,contendoumaviadocepropostasassinadas; 3)Ocontratojáexiste(MPOGeBB) adesão; 4) Preencher os formulários correspondentes(adesão, CC); 5) Especificar e ratificar a necessidade de fatura individualizada; 6)ObterloginesenhadoOrdenadordeDespesas; 7)AdmecarregaroCPGFnoASP; 8)ControlarlimitesdoCPGFnoASP; 9) Excluir cadastrados(quando for o caso). 8

9 4. Adesão ao CPGF e acesso ao ASP 9

10 4. Adesão ao CPGF e acesso ao ASP 10

11 4. Adesão ao CPGF e acesso ao ASP 11

12 5. Casos de Aplicação Sup Fundos Dec /1986, art. 45 atualizado: - Excepcionalmente, a critério do ordenador de despesa e sob sua inteira responsabilidade, poderá ser concedido suprimento de fundos a servidor, sempre precedido do empenho na dotação própria às despesas a realizar, e que não possam subordinar-se ao processo normal de aplicação, nos seguintes casos (Lei nº 4.320/64, art. 68 e Decreto-lei nº 200/67, 3ºdoart.74): I-para atender despesas eventuais, inclusive em viagens e com serviços especiais, que exijam pronto pagamento; II - quando a despesa deva ser feita em caráter sigiloso, conforme se classificar em regulamento; III - para atender despesas de pequeno vulto, assim entendidas aquelas cujo valor, em cada caso, não ultrapassar limite estabelecido em Portaria do Ministro da Fazenda. 12

13 Regime Especial de Execução Dec /1986, art. 47: - A concessão e aplicação de suprimento de fundos, ou adiantamentos, para atender a peculiaridades dos órgãos essenciais da Presidência da República, da Vice-Presidência da República, do Ministério da Fazenda, do Ministério da Saúde, do Departamento de Polícia Federal do Ministério da Justiça, das repartições do Ministério das Relações Exteriores no exterior, bem assim de militares e de inteligência, obedecerão ao Regime Especial de Execução estabelecido em instruções aprovadas pelos respectivos Ministros de Estado, vedada a delegação de competência. 13

14 6. Regime Especial de Execução Port Normativa MD/ MD/2007 (Art. 2º) O suprimento de fundos será utilizado para(...) seguintes tipos de despesas: I- eventuais,(...) que exijam pronto pagamento em espécie; II-depequenovulto(...); III- peculiaridades militares e serviços de inteligência,(...): a) manutenção de aditâncias e representação no exterior; b) manobras militares; c) manutenção de organizações militares que não disponham de estrutura de gestão de execução orçamentária e financeira; d) apoio na realização de congressos e reuniões militares com a participação de delegações estrangeiras ou externas à estrutura do Ministério da Defesa, excluídas as despesas relativas à hospedagem e alimentação dos delegados brasileiros, quando essas forem cobertas por diárias ou custeadas pela União, sob quaisquer formas; 14

15 6. Regime Especial de Execução Port Normativa MD/ MD/2007 e) transporte de pessoal e bagagens de militares, na situação prevista noart.53dodecretono4.307,de18dejulhode2002; f)apoioamissõesnoexterior;e g) outras situações especiais que, comprovadamente, exijam pronto pagamento em espécie; IV - de caráter sigiloso, em conformidade com o disposto na Portaria Normativanº1.082/MD,de12desetembrode2005;e V - relativas à hospedagem, alimentação e locomoção do Ministro de Estado da Defesa e dos Comandantes das Forças, assim como dos integrantes das respectivas comitivas oficiais, quando essas despesas não forem cobertas por diárias ou não forem custeadas pela União, sob quaisquer formas. 15

16 6. Regime Especial de Execução Port Normativa MD/ MD/2007 Parágrafo único (art. 2º). Nahipótese do inciso II docaput deste artigo (pequeno vulto), a concessão para a aquisição de material de consumo fica condicionada à: I - inexistência temporária ou eventual, no almoxarifado, no depósito ou na farmácia, do material ou medicamento; II - impossibilidade, inconveniência ou inadequação econômica de estocagem do material; e III- inexistência de cobertura contratual. 16

17 7. Valores Limites para Sup Fundos - Port 95-MF/ MF/2002; Port Normativa MD/ MD/2007 Obras/Serviços CPGF Conta B de Engenharia (10%, art. 23-I da L 8.666) (5%, art. 23-I da L 8.666) Sup Fundos Total R$ ,00 R$ 7.500,00 Bens e Serviços Comuns CPGF (10%, art. 23-II da L 8.666) Conta B (5%, art. 23-II da L 8.666) Sup Fundos Total R$ 8.000,00 R$ 4.000,00 17

18 7. Valores Limites para Sup Fundos Despesas de Pequeno Vulto (art. 2º, II; 3º, P1.403/07; art. 45,III, D93.872/86; Port 95/02; Mf ) Obras/Serviços CPGF Conta B Engenharia (10%, art. 23-I da L 8.666) (5%, art. 23-I da L 8.666) Sup Fundos R$ ,00 R$ 7.500,00 Item da despesa Bens e Serviços Comuns (1%, art. 23-I da L 8.666) (0,25%, art. 23-I da L 8.666) R$ 1.500,00 R$ 375,00 CPGF (10%, art. 23-II da L 8.666) Conta B (5%, art. 23-II da L 8.666) Sup Fundos R$ 8.000,00 R$ 4.000,00 Item da despesa (1%, art. 23-II da L 8.666) (0,25%, art. 23-II da L 8.666) R$ 800,00 R$ 200,00 18

19 7. Valores Limites para Sup Fundos 7.1 SAQUE no uso do CPGF O Saque é a exceção ão. Se reveste de procedimentos (1) antes - (2) durante (3) depois : - (1) Deve estar previsto no Ato de Concessão com justificativas. - (2) O valor do saque deve considerar ao valor da despesa correspondente (o excedente estará comprometido). - (2) O saldo deve ser devolvido (GRU ) até 3 dias úteis, a contar do dia seguinte ao saque, caso não seja utilizado e seu valor R$ 30, (2) Caso o excedente seja < R$ 30,00, o Agt Sup poderá permanecer com o R$. Durante a aplicação ão, havendo mais saques e saldos, no primeiro momento em que o dos saldos ultrapassarem o limite, deverá haver Rclh. 19

20 7. Valores Limites para Sup Fundos 7.1 SAQUE no uso do CPGF - (2) Em casos de deslocamentos longos ou atividades em locais onde não há possibilidade para saques e/ou devoluções, o Agt Suprido permanecerá com os valores além do prazo, mas com as justificativas formais na prestação de contas. Não o fazendo, o Gestor deverá apurar a responsabilidades. - (3) Sempre que houver saque, independente de haver devolução de saldos dentro do prazo, ou que o valor da compra tenha sido igual ao saque, deverá haver a motivação formal no processo. Saiu da regra, haverá justificativas, sempre! 20

21 8. Valores acima dos limites - O que fazer quando o planejamento requer valores elevados (?) - Fundamentação legal (** **) - Autorização pelo orgão competente (**) - O enquadramento para despesas de pequeno vulto (!?) - Modelo de pedido de autorização (**) - Os limites na utilização do CPGF devem corresponder aos limites previstos no Ato de Concessão, e revogados tão logo o prazo de utilização seja expirado. 21

22 9. Fracionamento e Despesa de Capital 9.1. Fracionamento de despesas com Sup Fundos: a) Não se fraciona apenas com base na Class Contábil (Mf); b) O fracionamento da despesa ou do Doc é vedado (Mf; P 1.403, 3º, 1º) º); c) Há indícios de fracionamento quando da excessiva concentração da despesa no mesmo SI ou vários suprimentos simultâneos (Mf); d) Vários suprimentos no mesmo exercício para a mesma finalidade(!!!). É caso de Sup Fundos?; e) Limites para fracionamento são os mesmos do art. 24-I e II/LLC; f) Despesas que deveriam seguir a rotina normal, que ao longo do exercício (vários SF para o mesmo objeto) ultrapassem os limites do art. 24-I e II da Lei 8.666/93. 22

23 Fracionamento e Despesa de Capital 9.2. Despesas de Capital: a) É vedada a compra de material permanente. - Em casos excepcionais o Gestor deve reconhecer a compra e desde que atendidas as exceções previstas em norma legal (_). b) São vedadas despesas já cobertas por contrato de fornecimento, ou que deveriam ter tal cobertura; 23

24 10. Atividades Sigilosas O caráter sigiloso das despesas deve ter conformidade com norma específica da atividade. São despesas sigilosas aquelas cuja realização ostensiva comprometam a segurança da sociedade, do Estado, a integridade física dos servidores e militares envolvidos ou o sucesso de operação de inteligência. As despesas e o cadastramento de seu centro de custos no ASP deverão ser autorizadas por autoridade de nível ministerial, com despachos fundamentados, com a indicação na LOA e dispositivo legal que reconheça a competência do órgão para esse tipo de atividade (Mf). ( ) 24

25 Atividades Sigilosas As despesas com recursos da Ação de Caráter Sigiloso (ACS) poderão ser realizadas mediante: - licitações, dispensa ou inexigibilidade; - suprimento de fundos. As despesas ostensivas feitas com recursos da ACS deverão seguir a via normal de aquisições. O pedido de autorização para a realização de despesas sigilosas deverá conter declaração do caráter sigiloso firmada pelo órgão competente. 25

26 11. Restrições à Concessão Sup Fundos Não conceder Sup Fundos: 1) a responsável por 2 Sup Fundos; 2) a servidor que detenha a guarda ou utilização do Mat a adquirir; 3) a servidor que ainda não prestou contas de Sup Fundos e seu prazo já expirou; 4) a servidor em alcance; 5) àquele que não tem vínculo empregatício com Sv público ou que não esteja em efetivo exercício; 6) àquele que exerça a função de ordenador de despesas; e 7) para aquisição que deve correr pela via normal da despesa. 26

27 12. Prestação de Contas Agt Suprido A prestação de contas é de responsabilidade do Agt Suprido. É apenas mais uma etapa do Sup Fundos. Tem prazo de até 30 dias após período de aplicação. Aquele que receber Sup Fundos está obrigado a prestar contas. O Agt Suprido que não prestar contas no prazo estabelecido pelo Gestor no Ato de Concessão, está sujeito à TCE, sem prejuízo de outras medidas Adm. Os comprovantes das despesas, emitidos em nome da UG, deverão ser atestados por outro servidor dessa UG, que tenha conhecimento da atividade, cujas datas estejam compreendidas dentro do período de aplicação (até 90 d). ( ) 27

28 12. Prestação de Contas Agt Suprido As faturas dos cartões não substituem as NF na prestação de contas, mas devem compor o processo Adm como mais um instrumento de controle do Gestor. As prestações de contas impugnadas serão imediatamente registradas em responsabilidades, por NL no SIAFI, indicando o CPF do Suprido e a classificação contábil da irregularidade cometida. A sistemática de pagamento da fatura pela UG não altera em nada a prestação de contas mesmo o suprido fazendo o que não deve, o cartão precisa ser pago de mesmo jeito e na data estabelecida. 28

29 12. Prestação de Contas Agt Suprido - Situação Hipotética (pagamento de faturas) Suponha um Sup Fundos (CPGF): (Obs.: considere o mês de 30 dias) - Início do Sup fundos/assinatura do Ato de Concessão (AC): dia 6 do mês m1; - Prazo de aplicação 90 d; - Prestação de Contas 30 d; - Considerando compras feitas sempre nos dias 6 e 21 de cada mês; - A fatura será paga até dia 10(pf), mas fecha-se sempre no dia 30 de cada mês; - A linha do tempo ilustrada abaixo: m1 m2 m3 m4 m5 _6_pf 21 _6_pf 21 _6_pf 21 _6_pf _6_pf AC Aplicação 90 d PC 30 d

30 12. Prestação de Contas Agt Suprido A prestação de contas deverá conter: (1) Nota de empenho das despesas. (2) Cópia da OB ou do Cheque (qfc). (3) Extrato da conta bancária (qfc). (4) Comprovantes originais das despesas, datados dentro da aplicação: ( ) - Se a aquisição é de bens: NF; NF de venda ao Consumidor e/ou Cupom Fiscal. - Se a aquisição é de Sv de PJ: NF prestação Sv. - Se a aquisição é de Sv de PF: Rcb Sv prestado por PF, RPA, em que constará, obrigatoriamente, de forma clara, Nome, CPF, Insc INSS, endereço e assinatura. - No caso de Sv PF: comprovante de recolhimento dos direitos previdenciários e demais retenções. 30

31 12. Prestação de Contas Agt Suprido A prestação de contas deverá conter: (5) Os comprovantes deverão conter atestes de outro servidor da UG, além da certificação Agt Suprido Qdo Rcb da compra; (6) GRU de recolhimento de saldos (qfc); (7) Extrato da fatura do CPGF do Agt Suprido; (8) Demonstrativo geral de receitas e despesas; e (9) Protocolo de apresentação, na UG, da prestação de contas. 31

32 12. Prestação de Contas Agt Suprido Despesas RELACIONÁVEIS O que são Despesas Relacionáveis DR (?) Qual a diferença entre DR e compras sem comprovação(?) Em que caso deve haver apenas o relacionamento (?) É preciso ter característica especial para ser DR (!) Qual a correlação entre DR e Sup Fundos amparado no art. 45-III/Dec /86 86, ou art. 2º, II, PN-MD /07 07 (?) 32

33 13. Responsabilidades Do Agt Suprido: a) Tomar conhecimento das peculiaridades do Sup Fundos; b) Ter ciência do que pode ou não ser comprado com Sup Fundos Rcb; c) Ter ciência de que a comprovação das despesas será feita por documentos hábeis e válidos, sem rasuras; d) Cumprir os prazos atinentes a cada Sup de Fundos; e) Ter ciência de que o não cumprimento dos prazos ou prestação de contas rejeitada pelo Gestor, estará sujeito à TCE, sem prejuízo de outras medidas Adm; f) Se perder o CPGF, deverá informar imediatamente ao seu Gestor e ao BB; 33

34 13. Responsabilidades Do Agt Suprido: g) Recolher os impostos ou sacar pelo valor líquido quando houver despesas de serviços com saque para PF; h) Se estiver com o R$ dos impostos em mãos, deverá devolvê-lolo para a UG (GRU ), de forma que a UG proceda aos recolhimentos correspondentes. 34

35 13. Responsabilidades Do Ordenador de Despesas (Gestor): a) Assinar proposta de adesão junto ao BB; b) Indicar nomes de portadores do CPGF; c) Zelar pelo cumprimento das regras contratuais e demais instruções; d) Definir o limite total de compras de cada Sup Fundos; e) Definir o limite de compras a ser concedido a cada portador do cartão e os tipos de gastos (bens, sv, saques,......) f) Autorizar a emissão de empenhos; g) Glosar valores indevidos; h) Orientar o Agt Suprido sobre suas atribuições como tal; 35

36 13. Responsabilidades Do Ordenador de Despesas (Gestor): i) Efetuar o Pgto, impreterivelmente, até dia do vencimento; j) Responsabilizar-sese pelo Pgto de eventuais encargos por descumprimento de prazos, inclusive aqueles decorrentes de glosas indevidas; k) Expedir a ordem para disponibilização dos limites, eletronicamente, junto ao estabelecimento bancário (ASP); l) Aprovar ou impugnar, expressamente, as contas apresentadas pelo Agt Suprido, dentro de 30 dias a contar da data da comprovação; m) Adotar providências imediatas caso o Agt Suprido não preste contas no prazo estabelecido ou tenha sua comprovação impugnada; n) Registrar imediatamente em responsabilidades (SIAFI) as prestações de contas impugnadas (NL , c/c = CPF), conforme irregularidade cometida. 36

37 Processo Fundamentado e Autuado Autos do Processo Adm de Sup Fundos: (1) Termo de Abertura de Proc Adm numerado; (2) Ato de Concessão (datado e assinado): - O Ato de Concessão não pode ser rasurado nem modificado após assinatura; - Deverá ter: nome; CPF; cargo/função Agt Suprido; - Indicar a motivação do Sup Fundos; - Especificar prováveis; os limites e os tipos de despesas - Indicar a fundamentação legal do Sup Fundos (tipo); - Indicar se há ou não previsão de saque. (3) BI que publicou a concessão; (4) Notas de Empenho referentes ao Sup Fundos; 37

38 14. Processo Fundamentado e Autuado Autos do Processo Adm de Sup Fundos: (5) Prestação de Contas (Agt Suprido); (6) Despacho sobre a Aprovação ou Não da Prestação de Contas; (7) Doc de anulação dos saldos não utilizados (NE); (8) Fatura; (9) Doc que comprove a baixa dos compromissos no SIAFI (qfc); (10 10) NS de reclassificação das despesas (CD no CPR); (11) NS de baixa dos valores não utilizados; 38

39 14. Processo Fundamentado e Autuado Autos do Processo Adm de Sup Fundos: (12) Cópia do Doc de arrecadação do ISS (qfc); (13) Cópia do Doc (GPS/GFIP) de recolhimento do INSS (qfc); (14) Processo responsável. numerado e folhas rubricadas pelo - O Proc Adm deverá ser controlado e arquivado pelo Registro de Gestão. 39

40 15. Falhas Mais Comuns das UG Em processos auditados: Proc sem autuação. Proc apenas com a rubrica do Agt Suprido. Proc composto apenas da prestação de contas. Despesas divergentes das previstas no Ato Concessão. Não manifestação do Gestor sobre a prestação de contas. Material consumido na forma de serviço: tudo na ND 39, menos a prestação de contas!. Notas fiscais com data fora do período de aplicação. Ato de Concessão obrigatórias. sem informações mínimas Não há o ateste de outro servidor da UG (designado) nos comprovantes das despesas. ( ) 40

41 15. Falhas Mais Comuns das UG Em processos auditados: Reclassificação das despesas através de NL, em vez de CD/CPR. Atribuir Sup Fundos a despesas que não se enquadram como tal. Proc arquivado assinaturas, ). com falhas nos autos Agt Suprido sem conhecer suas atribuições. (despacho, Não há protocolo na prestação de contas do Agt Suprido. Despesas apenas relacionadas, sem comprovação justificadas como despesas passíveis de relacionamento, quando não o são. Compras de bens e Sv na sede da UG por Sup Fundos. 41

42 16. Julgados do TCU Sup Fundos Julgamentos e Decisões do TCU relacionados a Suprimento de Fundos 42

43 CONCLUSÃO Conclui-se que, pelo seu rito, fundamentação e justificativas, o Suprimento de Fundos é a última opção para execução de despesas. Porquanto, se não é a única possível, todas as outras opções são recomendáveis, menos a opção pelo Suprimento de Fundos. 43

44 - Questionamentos... 44

45 - CASO HIPOTÉTICO - Um servidor da UG 16011K, nomeado Agt Suprido, recebeu Sup Fundos para despesas planejadas para as ND e , referentes a uma atividade de caráter excepcional e fora da sede da Unidade, utilizando-se o CPGF. - O fundamentação do Sup Fundos está embasada em despesas de pequeno vulto (art. 2º, 2º, PN/MD 1.403/07), além da excepcionalidade. - O valor total do Sup Fundos é R$ 7.000,00, sendo R$ 3.000,00 na ND e R$ 4.000,00 na Ao longo da missão, a Vtr (da UG), utilizada na atividade pelo Agt Sup, foi abalroada enquanto estava parada abastecendo em um posto, por um caminhão desgovernado. - Quando da prestação de contas, concluída a missão, o Agt Sup foi questionado pelo Gestor com relação a uma NF apresentada. A NF, nº 1380, de serviços, estava com valor total de R$ 1.250,00. Na discriminação da nota havia os seguintes itens: ( ) 45

46 - CASO HIPOTÉTICO NF nº 1380, xx/xx/2009: # Serviço conserto instalação elétrica----- R$ 250,00 00; # Funilaria R$ 450,00; # Mecânica R$ 550,0000 # TOTAL SV ======================== R$ 1.250, O Gestor apontou o fracionamento da despesa, por essa ser de pequeno vulto, e a NF não deveria ser superior ao limite R$ 800,00. - Assim, qual a saída para o Agt Suprido solucionar o problema indicado pelo Ordenador de Despesas? 46

47 - CASO HIPOTÉTICO SOLUÇÃO: - NÃO HOUVE FRACIONAMENTO DA DESPESA. - Amparo Legal: Mf ; Port 95-MF/ MF/2002; PN 1.403/07-MD. - Justificativas: O valor de R$ 1.250,0000 está compreendido na ND O fracionamento da despesa não é caracterizado pela mesma classificação contábil em qualquer dos níveis, mas por aquisições de mesma natureza funcional. Assim, a despesa não foi fracionada e sua execução está correta. Neste caso, cada item da despesa em Sup Fundos de pequeno vulto, com CPGF, está limitado a R$ 800,00 o que não foi ultrapassado nesta nota fiscal. # Serviço conserto instalação elétrica----- R$ 250,00; # Funilaria R$ 450,00; # Mecânica R$ 550,0000 # TOTAL SV ====================== R$ 1.250,

SUPRIMENTO DE F RIMENTO UNDOS

SUPRIMENTO DE F RIMENTO UNDOS SUPRIMENTO DE FUNDOS - Legislação Oficina 75 ABOP Slide 1 Oficina nº 75 Suprimento de Fundos - Legislação Carga Horária: 4h Conteúdo: 1. Conceito e normatização de suprimento de fundos. Finalidades. Despesas

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA-GERAL Departamento de Administração INSTRUÇÃO NORMATIVA DA/PGT Nº 01, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2010.

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA-GERAL Departamento de Administração INSTRUÇÃO NORMATIVA DA/PGT Nº 01, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2010. MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA-GERAL Departamento de Administração INSTRUÇÃO NORMATIVA DA/PGT Nº 01, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2010. Regulamenta a concessão, aplicação e prestação de contas dos

Leia mais

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SOF Nº

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SOF Nº PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SOF Nº 06, de 17.2.09 O DESEMBARGADOR-PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO o disposto nos arts.

Leia mais

Manual Cartão de Pagamento do Governo Federal. Banco do Setor público

Manual Cartão de Pagamento do Governo Federal. Banco do Setor público Manual Cartão de Pagamento do Governo Federal Banco do Setor público 2 Sumário Introdução 04 Cartão de Pagamento do Governo Federal CPGF 04 Passo a Passo 10 Perguntas e Respostas 12 Legislação I Ementa

Leia mais

ESTADO DE RORAIMA GOVERNADOR DO ESTADO JOSÉ DE ANCHIETA JÚNIOR VICE-GOVERNADOR DO ESTADO FRANCISCO DE ASSIS ROGRIGUES

ESTADO DE RORAIMA GOVERNADOR DO ESTADO JOSÉ DE ANCHIETA JÚNIOR VICE-GOVERNADOR DO ESTADO FRANCISCO DE ASSIS ROGRIGUES ESTADO DE RORAIMA GOVERNADOR DO ESTADO JOSÉ DE ANCHIETA JÚNIOR VICE-GOVERNADOR DO ESTADO FRANCISCO DE ASSIS ROGRIGUES CONTROLADORIA GERAL DO ESTADO DE RORAIMA Controladora Geral MARIA PERPÉTUA S. G. MAGALHÃES

Leia mais

Gestão de Suprimento de Fundos

Gestão de Suprimento de Fundos Suporte Institucional MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS Gestão de Suprimento de Fundos Esta edição do Manual foi atualizada até 26/06/2014. Ministério Público Federal Procuradoria da República do Rio Grande

Leia mais

Suprimento de Fundos

Suprimento de Fundos prazo de cinco dias para ratificar a autorização e promover a publicação na imprensa oficial. Data da autorização do Diretor: 8 de dezembro de 2005. Data limite para a comunicação ao Secretário-Geral:

Leia mais

CAPITULO 020000 - SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DO GOVERNO FEDERAL - SIAFI

CAPITULO 020000 - SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DO GOVERNO FEDERAL - SIAFI CAPITULO 020000 - SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DO GOVERNO FEDERAL - SIAFI SECAO 021100 - OUTROS PROCEDIMENTOS ASSUNTO 021121 - SUPRIMENTO DE FUNDOS 1 - REFERÊNCIAS: 11 - RESPONSABILIDADE

Leia mais

CAPITULO 020000 - SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DO GOVERNO FEDERAL - SIAFI

CAPITULO 020000 - SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DO GOVERNO FEDERAL - SIAFI CAPITULO 020000 - SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DO GOVERNO FEDERAL - SIAFI SECAO 021100 - OUTROS PROCEDIMENTOS ASSUNTO 021121 - SUPRIMENTO DE FUNDOS 1 - REFERÊNCIAS: 11 - RESPONSABILIDADE

Leia mais

INSTRUÇÃO INTERNA DE PROCEDIMENTOS IIP Nº 005, de 24 de agosto de 2011 (*)

INSTRUÇÃO INTERNA DE PROCEDIMENTOS IIP Nº 005, de 24 de agosto de 2011 (*) INSTRUÇÃO INTERNA DE PROCEDIMENTOS IIP Nº 005, de 24 de agosto de 2011 (*) Disciplina no âmbito do IFPR as Orientações acerca da Execução Orçamentária e Financeira, relativas à Concessão de Suprimentos

Leia mais

Perguntas & Respostas

Perguntas & Respostas SUPRIMENTO DE FUNDOS E? CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO - CGU Jorge Hage Sobrinho Ministro-Chefe da Controladoria-Geral da União Luiz Augusto Fraga Navarro de Britto Filho Secretário

Leia mais

IV Semana de AOFCP Suprimento de Fundos - Legislação. Suprimento de Fundos. Legislação ABOP BIRD

IV Semana de AOFCP Suprimento de Fundos - Legislação. Suprimento de Fundos. Legislação ABOP BIRD Suprimento de Fundos Legislação Painéis/Oficinas is/oficinas Área Planejamento Cod 10 20 PPA LDO Sigla Oficina CH 21 Previsão da Receita Orçamento 22 23 Orçamento - Elaboração Orçamento Alterações Orçamentárias

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 02/2015 - CD

RESOLUÇÃO Nº 02/2015 - CD Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado da Educação e da Cultura - SEEC FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE FUERN Conselho Diretor - CD Rua Almino Afonso, 478 -

Leia mais

Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro

Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro Manoel Alberto Rebêlo dos Santos Presidente Raimundo Aben Athar DiretorGeral de Planejamento, Coordenação e Finanças Bárbara Cristina Corrêa Mendonça DiretoraGeral

Leia mais

RESOLUÇÃO DA DIRETORIA Nº 09/2014

RESOLUÇÃO DA DIRETORIA Nº 09/2014 CONSÓRCIO PÚBLICO INTERMUNICIPAL DE SAÚDE DO NORTE PIONEIRO RESOLUÇÃO DA DIRETORIA Nº 09/2014 A Diretoria Administrativa do Consórcio Público Intermunicipal de Saúde do Norte Pioneiro -, no uso de suas

Leia mais

Manual de Orientações ao Portador

Manual de Orientações ao Portador Cartão de Pagamento do Governo Federal CPFG Manual de Orientações ao Portador PARA USO INTERNO Revisado pela equipe da Divisão de Contabilidade e Finanças/DCF Mossoró-RN, Fevereiro de 2010. CARTÃO DE PAGAMENTOS

Leia mais

CONTROLADORIA GERAL DO ESTADO ADIANTAMENTO POR MEIO DE CARTÃO CORPORATIVO

CONTROLADORIA GERAL DO ESTADO ADIANTAMENTO POR MEIO DE CARTÃO CORPORATIVO CONTROLADORIA GERAL DO ESTADO ADIANTAMENTO POR MEIO DE CARTÃO CORPORATIVO ADIANTAMENTO Recurso concedido a servidor a critério e sob a responsabilidade do ordenador de despesas com prazo certo para aplicação

Leia mais

*DECRETO Nº 2.101, DE 18 DE AGOSTO DE 2009.

*DECRETO Nº 2.101, DE 18 DE AGOSTO DE 2009. Diário Oficial nº : 25145 Data de publicação: 24/08/2009 Matéria nº : 238068 *DECRETO Nº 2.101, DE 18 DE AGOSTO DE 2009. Dispõe sobre a concessão de diárias a servidores públicos civis ou militares e empregados

Leia mais

BOLETIM ADMINISTRATIVO Nº 020 DE 12 a 16/05/14

BOLETIM ADMINISTRATIVO Nº 020 DE 12 a 16/05/14 Leia-se:...Art. 1º DELEGAR COMPETÊNCIA e as responsabilidades decorrentes ao Superintendente Regional do DNIT nos estados de Goiás e Distrito Federal para Lavrar o Termo Aditivo de Prorrogação de prazo,

Leia mais

Fundação de Apoio à Capacitação em Tecnologia da Informação - Facti PROCEDIMENTO DA QUALIDADE PROCEDIMENTO DE AQUISIÇÃO DE SUPRIMENTOS E SERVIÇOS

Fundação de Apoio à Capacitação em Tecnologia da Informação - Facti PROCEDIMENTO DA QUALIDADE PROCEDIMENTO DE AQUISIÇÃO DE SUPRIMENTOS E SERVIÇOS Fundação de Apoio à Capacitação em Tecnologia da Informação - Facti PROCEDIMENTO DA QUALIDADE PROCEDIMENTO DE AQUISIÇÃO DE SUPRIMENTOS E SERVIÇOS Código Revisão Confidencialidade Data Página PQ-0002 Rev.

Leia mais

MODELO DE RELATÓRIO DO TOMADOR DE CONTAS ESPECIAL

MODELO DE RELATÓRIO DO TOMADOR DE CONTAS ESPECIAL Anexo IX MODELO DE RELATÓRIO DO TOMADOR DE CONTAS ESPECIAL (PARA TOMADAS DE CONTAS ESPECIAIS QUE NÃO TRATEM DE RECURSOS REPASSADOS POR CONVÊNIO OU INSTRUMENTOS CONGÊNERES) RELATÓRIO DE TCE Nº 999/20XX

Leia mais

CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO

CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO Boa Vista RR Maio/2013 ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 03 1. OBJETO... 04 2. CONCEITOS... 05 2.1 SUPRIMENTO DE FUNDOS... 05 2.2 AGENTE SUPRIDO... 05 2.3 DESPESAS DE PEQUENO VULTO E PRONTA LIQUIDAÇÃO... 05 2.4 NATUREZA

Leia mais

Execução de Despesa. DNT/SSSCI/SF Abril 2013

Execução de Despesa. DNT/SSSCI/SF Abril 2013 DNT/SSSCI/SF Abril 2013 Realização Secretaria da Fazenda Subsecretaria do Sistema de Controle Interno Departamento de Normas Técnicas Apresentação David Fabri Monique Junqueira Ferraz Zanella INTRODUÇÃO

Leia mais

Pagamento de Despesa por Meio de Adiantamento. DNT/SSSCI/SF Março 2013

Pagamento de Despesa por Meio de Adiantamento. DNT/SSSCI/SF Março 2013 Meio de Adiantamento DNT/SSSCI/SF Março 2013 Realização Secretaria da Fazenda Subsecretaria do Sistema de Controle Interno Departamento de Normas Técnicas Apresentação David Fabri Monique Junqueira Ferraz

Leia mais

Ref.: NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA ENCERRAMENTO DO EXERCÍCIO DE 2009

Ref.: NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA ENCERRAMENTO DO EXERCÍCIO DE 2009 Universidade Federal de Minas Gerais Pro - Reitoria de Planejamento e Desenvolvimento Departamento de Contabilidade e Finanças e-mail: dcf@dcf.ufmg.br Tel. (031) 3409-4102 1 OFÍCIO CIRCULAR DCF 028/2009

Leia mais

Volume V. Suprimento de Fundos MACONFI. Manual de Procedimentos da Coordenadoria de Contabilidade e Finanças. 1ª Edição Janeiro / 2013

Volume V. Suprimento de Fundos MACONFI. Manual de Procedimentos da Coordenadoria de Contabilidade e Finanças. 1ª Edição Janeiro / 2013 Volume V Suprimento de Fundos MACONFI Manual de Procedimentos da Coordenadoria de Contabilidade e Finanças 1ª Edição Janeiro / 2013 Sumário 1. Conteúdo... 3 2. Conceitos... 3 3. Restrições à concessão

Leia mais

MINUTA-PARÂMETRO DE CONTRATO PARA AQUISIÇÃO DE BENS DE INFORMÁTICA E AUTOMAÇÃO, DECORRENTE DE PREGÃO ELETRÔNICO. Anexo nº...

MINUTA-PARÂMETRO DE CONTRATO PARA AQUISIÇÃO DE BENS DE INFORMÁTICA E AUTOMAÇÃO, DECORRENTE DE PREGÃO ELETRÔNICO. Anexo nº... MINUTA-PARÂMETRO DE CONTRATO PARA AQUISIÇÃO DE BENS DE INFORMÁTICA E AUTOMAÇÃO, DECORRENTE DE PREGÃO ELETRÔNICO. Anexo nº... Minuta Contratual CONTRATO Nº.../... QUE FIRMAM A UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 08297.001142/2007-01 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO Nº

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO Nº

Leia mais

subordinar-se ao processo normal de aplicação.

subordinar-se ao processo normal de aplicação. SUPRIMENTO DE FUNDOS Lei 4.320/64, Art. 68. O regime de adiantamento é aplicável aos casos de despesas expressamente definidos em lei e consiste na entrega de numerário a servidor, sempre precedida de

Leia mais

LEI ORDINÁRIA N 1693, DE 18 DE NOVEMBRO DE 1985

LEI ORDINÁRIA N 1693, DE 18 DE NOVEMBRO DE 1985 LEI ORDINÁRIA N 1693, DE 18 DE NOVEMBRO DE 1985 Institui o regime de adiantamento no Município. DAYTON ALEIXO DE SOUZA, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, usando das atribuições que

Leia mais

CARROCERIA DO CAMINHÃO MUNK PREÂMBULO

CARROCERIA DO CAMINHÃO MUNK PREÂMBULO CARROCERIA DO CAMINHÃO MUNK PREÂMBULO Termo de Participação, via meio eletrônico, para a seleção da melhor proposta para aquisição por dispensa de licitação, nos termos do Decreto Estadual nº 28.397 /

Leia mais

CADERNO DE COMPRAS E LICITAÇÕES

CADERNO DE COMPRAS E LICITAÇÕES 2010 PREFEITURA MUNICIPAL DE CONTAGEM SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO DIRETORIA DE COMPRAS E LICITAÇÕES CADERNO DE COMPRAS E LICITAÇÕES 1. OBJETIVO Este manual tem por objetivo esclarecer as questões

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA MUNICIPAL DE JANUÁRIA ESTADO DE MINAS GERAIS CONCURSO PÚBLICO - EDITAL 001/2010 RESPOSTA DE RECURSO

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA MUNICIPAL DE JANUÁRIA ESTADO DE MINAS GERAIS CONCURSO PÚBLICO - EDITAL 001/2010 RESPOSTA DE RECURSO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA MUNICIPAL DE JANUÁRIA ESTADO DE MINAS GERAIS CONCURSO PÚBLICO - EDITAL 001/2010 RESPOSTA DE RECURSO Candidato: Genilson Dias Custódio N de Inscrição: 05966 Cargo: Técnico Administrativo

Leia mais

Formação dos integrantes do Conselho de Planejamento e Orçamento Participativos (CPOP)

Formação dos integrantes do Conselho de Planejamento e Orçamento Participativos (CPOP) Formação dos integrantes do Conselho de Planejamento e Orçamento Participativos (CPOP) Conceitos gerais de gestão pública: princípios e regras da administração pública, processos de licitação, contratos

Leia mais

LEITOR DE CODIGO DE BARRA PREÂMBULO

LEITOR DE CODIGO DE BARRA PREÂMBULO LEITOR DE CODIGO DE BARRA PREÂMBULO Termo de Participação, via meio eletrônico, para a seleção da melhor proposta para aquisição por dispensa de licitação, nos termos do Decreto Estadual nº 28.397 / 21

Leia mais

NORMAS GERAIS PARA RECEBIMENTO E CONFERÊNCIA DE DOCUMENTOS

NORMAS GERAIS PARA RECEBIMENTO E CONFERÊNCIA DE DOCUMENTOS NORMAS GERAIS PARA RECEBIMENTO E CONFERÊNCIA DE DOCUMENTOS PROCEDIMENTO PADRÃO Nº. 001/2006. Teresina, Março 2008 ATUALIZADO EM MARÇO DE 2008 NORMAS GERAIS PARA RECEBIMENTO E CONFERÊNCIA DE DOCUMENTOS

Leia mais

Apresentar recibo original emitido pela organização do evento, constando inclusive à assinatura do recebedor.

Apresentar recibo original emitido pela organização do evento, constando inclusive à assinatura do recebedor. Apresentar recibo original emitido pela organização do evento, constando inclusive à assinatura do recebedor. acompanhado dos cartões de embarque originais utilizados; f) A FAPERJ não aceitará o pagamento

Leia mais

Publicado no D.O.U. nº 84 de 22/04/2015, Seção 1 pag. 78 RESOLUÇÃO NORMATIVA CFA Nº 464, DE 22 DE ABRIL DE 2015

Publicado no D.O.U. nº 84 de 22/04/2015, Seção 1 pag. 78 RESOLUÇÃO NORMATIVA CFA Nº 464, DE 22 DE ABRIL DE 2015 Publicado no D.O.U. nº 84 de 22/04/2015, Seção 1 pag. 78 RESOLUÇÃO NORMATIVA CFA Nº 464, DE 22 DE ABRIL DE 2015 Dispõe sobre a criação de Acervos Técnicos de Pessoas Físicas e Pessoas Jurídicas registradas

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Pró-Reitoria de Recursos Humanos Departamento de Administração de Pessoal CONCURSO PÚBLICO, NOMEAÇÃO E POSSE

Universidade Federal de Minas Gerais Pró-Reitoria de Recursos Humanos Departamento de Administração de Pessoal CONCURSO PÚBLICO, NOMEAÇÃO E POSSE DEFINIÇÕES CONCURSO PÚBLICO, NOMEAÇÃO E POSSE Cód.: CNP Nº: - Versão: 02 Data: 22/02/2016 Concurso público Processo de seleção de natureza competitiva, aberto ao público geral, para provimento de cargo

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA N 06/2013 de 16 DE DEZEMBRO de 2013

PORTARIA NORMATIVA N 06/2013 de 16 DE DEZEMBRO de 2013 PORTARIA NORMATIVA N 06/2013 de 16 DE DEZEMBRO de 2013 Dispõe sobre a concessão, aplicação e prestação de contas de suprimento de fundos no âmbito do Conselho de Arquitetura e Urbanismo de Santa Catarina

Leia mais

DECISÃO Nº 049/2014 D E C I D E

DECISÃO Nº 049/2014 D E C I D E CONSUN Conselho Universitário DECISÃO Nº 049/2014 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO, em sessão de 10/01/2014, tendo em vista o constante no processo nº 23078.019657/13-31, de acordo com o Parecer nº 497/2013 da

Leia mais

REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS RCC IJUCI/MG CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS SEÇÃO I DOS PRINCÍPIOS

REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS RCC IJUCI/MG CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS SEÇÃO I DOS PRINCÍPIOS REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS RCC IJUCI/MG CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS SEÇÃO I DOS PRINCÍPIOS Art. 1º Este regulamento aplica os procedimentos e os princípios observados pelo Instituto

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº

Leia mais

INSTRUÇÃO ADMINISTRATIVA Nº 01/2006, ATUALIZADA EM 7 DE FEVEREIRO 2012

INSTRUÇÃO ADMINISTRATIVA Nº 01/2006, ATUALIZADA EM 7 DE FEVEREIRO 2012 INSTRUÇÃO ADMINISTRATIVA Nº 01/2006, ATUALIZADA EM 7 DE FEVEREIRO 2012 REGRAS E CRITÉRIOS PARA O FUNCIONAMENTO DAS OPERAÇÕES DE CONTAS A PAGAR ATRAVÉS DA FADEX TERESINA PI, FEVEREIRO DE 2012 INSTRUÇÃO

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO - RELATÓRIO DE AUDITORIA nº 009/2009 Página 1 de 8 SUMÁRIO EXECUTIVO

SUMÁRIO EXECUTIVO - RELATÓRIO DE AUDITORIA nº 009/2009 Página 1 de 8 SUMÁRIO EXECUTIVO SUMÁRIO EXECUTIVO - RELATÓRIO DE AUDITORIA nº 009/2009 Página 1 de 8 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA EMPRESA BRASIL DE COMUNICAÇÃO AUDITORIA INTERNA SUMÁRIO EXECUTIVO Tema: DESPESAS COM SUPRIMENTO DE FUNDOS NA

Leia mais

PORTARIA CADE Nº 271, DE 11 DE SETEMBRO DE 2015.

PORTARIA CADE Nº 271, DE 11 DE SETEMBRO DE 2015. Boletim de Serviço Eletrônico em 14/09/2015 Minist ério da Just iça - MJ Conselho Administ rat ivo de Def esa Econômica - CADE SEPN 515 Conjunto D, Lote 4 Ed. Carlos Tauris ano, 4º andar - Bairro As a

Leia mais

1ª PARTE LEIS E DECRETOS 2ª PARTE ATOS ADMINISTRATIVOS COMANDANTE DO EXÉRCITO

1ª PARTE LEIS E DECRETOS 2ª PARTE ATOS ADMINISTRATIVOS COMANDANTE DO EXÉRCITO 1ª PARTE LEIS E DECRETOS Sem alteração. 2ª PARTE ATOS ADMINISTRATIVOS COMANDANTE DO EXÉRCITO PORTARIA Nº 813, DE 28 DE SETEMBRO DE 2012. Aprova as Normas para a Realização das Atividades de Auditoria e

Leia mais

RESUMO DAS ATIVIDADES DE ACOMPANHAMENTO DOS CONTRATOS. Responsável Seqüência Etapa do processo

RESUMO DAS ATIVIDADES DE ACOMPANHAMENTO DOS CONTRATOS. Responsável Seqüência Etapa do processo Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Planejamento e Administração PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ RESUMO DAS ATIVIDADES DE ACOMPANHAMENTO DOS

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal da Integração Latino-Americana

Ministério da Educação Universidade Federal da Integração Latino-Americana Ministério da Educação Universidade Federal da Integração Latino-Americana EDITAL PROEX 10/2014, de 05 de agosto de 2014 PROFIEX 2014 A Comissão Superior de Extensão e a Pró-Reitora de Extensão da Universidade

Leia mais

RESOLUÇÃO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO (CONSUNI) N.º 03/2011

RESOLUÇÃO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO (CONSUNI) N.º 03/2011 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS RESOLUÇÃO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO (CONSUNI) N.º 03/2011 Dispõe sobre as normas gerais para a celebração de contratos ou convênios da Universidade

Leia mais

TERMO DE PARTICIPAÇÃO Nº 01/2012

TERMO DE PARTICIPAÇÃO Nº 01/2012 TERMO DE PARTICIPAÇÃO Nº 01/2012 PREÂMBULO O Conselho de Políticas e Gestão do Meio Ambiente - CONPAM sito à Rua Osvaldo Cruz, 2366 Dionísio Torres Fortaleza-CE, torna público este Termo de Participação,

Leia mais

Definição: Documentação que comprova os atos e fatos que originam o lançamento na escrituração contábil da entidade Ministério da Previdência Social.

Definição: Documentação que comprova os atos e fatos que originam o lançamento na escrituração contábil da entidade Ministério da Previdência Social. Definição: Documentação que comprova os atos e fatos que originam o lançamento na escrituração contábil da entidade Ministério da Previdência Social. Documentos que possuem validade fiscal perante o fisco

Leia mais

ANEXO 2 MINUTA DO CONTRATO

ANEXO 2 MINUTA DO CONTRATO ANEXO 2 MINUTA DO CONTRATO CONTRATO Nº /2014 CONTRATO DE PATROCÍNIO PARA EVENTO CERTO que entre si celebram a SUPERINTENDÊNCIA DA ZONA FRANCA DE MANAUS SUFRAMA, aqui denominada PATROCINADORA e o (proponente),

Leia mais

Manual Cartão de Pagamento do Governo Federal. Banco do Setor público

Manual Cartão de Pagamento do Governo Federal. Banco do Setor público Manual Cartão de Pagamento do Governo Federal Banco do Setor público Sumário Introdução 04 Cartão de Pagamento do Governo Federal CPGF 04 Passo a Passo 10 Perguntas e Respostas 12 Legislação I Ementa 17

Leia mais

QUESTÕES DE AFO E CONTABILIDADE PÚBLICA ANALISTA JUDICIÁRIO CONTABILIDADE - STM/2011 ÚLTIMA PARTE

QUESTÕES DE AFO E CONTABILIDADE PÚBLICA ANALISTA JUDICIÁRIO CONTABILIDADE - STM/2011 ÚLTIMA PARTE QUESTÕES DE AFO E CONTABILIDADE PÚBLICA ANALISTA JUDICIÁRIO CONTABILIDADE - STM/2011 ÚLTIMA PARTE Prezado internauta e estudante do Ponto dos Concursos! Desejo a todos uma mente ILUMINADA e que tenham

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO SISTEMA CCA

MANUAL DE ORIENTAÇÃO SISTEMA CCA MANUAL DE ORIENTAÇÃO SISTEMA CCA Versão.0 Sistema de Controle de Concessão de Adiantamentos Sumário O Sistema CCA ----------------------------------------------------- 3 Iniciando a operacionalização do

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SCL SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES E CONTRATOS Nº 001/2015.

INSTRUÇÃO NORMATIVA SCL SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES E CONTRATOS Nº 001/2015. INSTRUÇÃO NORMATIVA SCL SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES E CONTRATOS Nº 001/2015. DISPÕE SOBRE OS PROCEDIMENTOS PARA A AQUISIÇÃO DE BENS E SERVIÇOS MEDIANTE LICITAÇÃO, INCLUSIVE DISPENSA E INEXIGIBILIDADE,

Leia mais

MANUAL DE CONTRATOS PÚBLICOS

MANUAL DE CONTRATOS PÚBLICOS 2013 MANUAL DE CONTRATOS PÚBLICOS UNIPAMPA Pró-Reitoria de Administração 12/02/2013 APRESENTAÇÃO Este Manual destina-se a orientar sobre procedimentos de contratações de serviços (terceirizados; energia

Leia mais

Prefeitura do Município de Foz do Iguaçu

Prefeitura do Município de Foz do Iguaçu INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02/2014 - FOZPREV DATA: 5 de junho de 2014 SÚMULA: Regulamenta critérios de participação em eventos externos e procedimentos para a utilização de diárias de viagem e passagens custeadas

Leia mais

Orientações para Pagamento de Diárias e Prestação de Contas Versão nº 05, 06/04/2011

Orientações para Pagamento de Diárias e Prestação de Contas Versão nº 05, 06/04/2011 Orientações para Pagamento de Diárias e Prestação de Contas Versão nº 05, 06/04/20 Sumário I - REQUISIÇÃO DE DIÁRIA / PAGAMENTO DE DIÁRIA... Solicitante (Servidor que irá realizar a viagem)... Aprovador

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 25106.000.849/2007-19 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

Cheques - créditos e débitos de cheques compensados e/ou pagos no caixa serão enviados no dia seguinte da ocorrência em conta.

Cheques - créditos e débitos de cheques compensados e/ou pagos no caixa serão enviados no dia seguinte da ocorrência em conta. TERMO DE ADESÃO PARA O SERVIÇO INFOEMAIL: ENVIO DE DEMONSTRATIVOS DE DESPESAS EFETUADAS NA CONTA CORRENTE, CONTA POUPANÇA E CARTÃO DE CRÉDITO BRADESCO VIA ENDEREÇO ELETRÔNICO. Pelo presente instrumento,

Leia mais

PEME PROGRAMA DE ENRIQUECIMENTO DA MERENDA ESCOLAR PROCEDIMENTOS DO ADIANTAMENTO

PEME PROGRAMA DE ENRIQUECIMENTO DA MERENDA ESCOLAR PROCEDIMENTOS DO ADIANTAMENTO PROGRAMA DE ENRIQUECIMENTO DA MERENDA ESCOLAR PROCEDIMENTOS DO ADIANTAMENTO 2014 A verba é liberada na forma de adiantamento para um responsável na unidade escolar que ficará encarregado de efetuar as

Leia mais

Departamento de Prestação de Contas de Convênios, Termos e Acordos de Cooperação DPC1. Oficina sobre Prestação de Contas

Departamento de Prestação de Contas de Convênios, Termos e Acordos de Cooperação DPC1. Oficina sobre Prestação de Contas Departamento de Prestação de Contas de Convênios, Termos e Acordos de Cooperação DPC1 Oficina sobre Prestação de Contas Introdução Discurso da Nova Marca: - Financiar projetos relevantes para o país, de

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA Nº 05/2014. Suprimento de Fundos - CPGF

RELATÓRIO DE AUDITORIA Nº 05/2014. Suprimento de Fundos - CPGF RELATÓRIO DE AUDITORIA Nº 05/2014 Suprimento de Fundos - CPGF 1. INTRODUÇÃO Em atenção ao preceituado no item 11 do PAINT/2014, devidamente aprovado pela Controladoria Geral da União Controladoria Regional

Leia mais

Art. 2º. Fazer publicar esta Portaria em Boletim de Serviço, revogando-se a Portaria 577/05-R, de 05 de dezembro de 2005.

Art. 2º. Fazer publicar esta Portaria em Boletim de Serviço, revogando-se a Portaria 577/05-R, de 05 de dezembro de 2005. PORTARIA 328/R-06 DE 22 DE JUNHO DE 2006. O REITOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE, no uso da competência que lhe foi atribuída pelo artigo 39, inciso XX, do Regimento Geral da UFRN; CONSIDERANDO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 12/2011/CONSU Estabelece normas para o relacionamento entre a Universidade Federal de

Leia mais

DEPARTAMENTO DE PROMOÇÃO E MARKETING NACIONAL

DEPARTAMENTO DE PROMOÇÃO E MARKETING NACIONAL ORIENTAÇÕES PARA AS AGÊNCIAS DE PUBLICIDAE DO MINISTÉRIO DO TURISMO As orientações a seguir visam disciplinar a forma de atuação entre o Ministério do Turismo e as Agências de Publicidade, contratadas

Leia mais

III - nos casos de guerra ou grave perturbação da ordem;

III - nos casos de guerra ou grave perturbação da ordem; GLOSSÁRIO Classificação Funcional Programática A Classificação Funcional Programática é o agrupamento das ações do governo em grandes áreas de sua atuação, para fins de planejamento, programação e elaboração

Leia mais

DECRETO nº. 11.698, de 16 de janeiro de 2009. O PREFEITO MUNICIPAL DE ANANINDEUA, no uso de suas atribuições constitucionais e legais, e ainda:

DECRETO nº. 11.698, de 16 de janeiro de 2009. O PREFEITO MUNICIPAL DE ANANINDEUA, no uso de suas atribuições constitucionais e legais, e ainda: 1 DECRETO nº. 11.698, de 16 de janeiro de 2009 Regulamenta, no âmbito da Administração pública municipal, o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº. 8.666, de 21 de junho de 1993, e

Leia mais

2. Aperfeiçoamentos 3. Como funciona o cartão de pagamento de despesas na prática 4. Despesas com cartões e demais adiantamentos

2. Aperfeiçoamentos 3. Como funciona o cartão de pagamento de despesas na prática 4. Despesas com cartões e demais adiantamentos Janeiro, 2014 1 2. Aperfeiçoamentos 3. Como funciona o cartão de pagamento de despesas na prática 4. Despesas com cartões e demais adiantamentos 2 Legislação Federal Lei Federal nº 4.320 de 17/03/1964

Leia mais

CHECKLIST CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE RECURSOS FEDERAIS

CHECKLIST CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE RECURSOS FEDERAIS CHECKLIST CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE RECURSOS FEDERAIS VERIFICAÇÕES PRELIMINARES Art. 3, caput e 1 ; 1. O objeto do convênio ou contrato de repasse guarda relação com a atividade do convenente? 2.

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES DE AUDITORIA INTERNA PAINT 2016

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES DE AUDITORIA INTERNA PAINT 2016 2016 MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO Interna PLANO ANUAL DE ATIVIDADES DE AUDITORIA INTERNA PAINT 2016 BRASÍLIA 2015 MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE AUDITORIA PLANO ANUAL DE ATIVIDADES

Leia mais

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO Nº 001/2009-GRE

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO Nº 001/2009-GRE GABINETE DA REITORIA INSTRUÇÃO DE SERVIÇO Nº 001/2009-GRE ORIENTA OS DETENTORES DE RECURSOS RECEBIDOS POR MEIO DO REGIME DE ADIANTAMENTO, NA SUA EXECUÇÃO. O Reitor da Universidade Estadual do Oeste do

Leia mais

Programa de Fortalecimento das Cadeias e Arranjos Produtivos Locais - APLs

Programa de Fortalecimento das Cadeias e Arranjos Produtivos Locais - APLs Programa de Fortalecimento das Cadeias e Arranjos Produtivos Locais - APLs Realização de Convênios Convênios São acordos firmados por entidades públicas, ou entre estas e organizações particulares para

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE COMPRAS

PROCEDIMENTOS DE COMPRAS PROCEDIMENTOS DE COMPRAS Estas instruções têm como objetivo a padronização dos procedimentos para a realização das compras de materiais de consumo, bens permanentes e prestações de serviços necessários

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO Nº

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO Nº

Leia mais

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Fazenda Departamento Geral de Administração e Finanças TERMO DE REFERÊNCIA

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Fazenda Departamento Geral de Administração e Finanças TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA Código de Classificação: 13.02.01.15 1 DO OBJETO: A presente licitação tem por objeto a contratação de empresa para prestação dos serviços de cobertura securitária (seguro) para assegurar

Leia mais

1. ORIENTAÇÕES GERAIS:

1. ORIENTAÇÕES GERAIS: SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO 1 1. ORIENTAÇÕES GERAIS: 1.1. Alteração de dados da Nota Fiscal: Conforme Decreto 6080/2012, Art. 217 a Carta de Correção não pode ser usada para alteração da Razão Social,

Leia mais

DECRETO Nº 53.980, de 29 de JANEIRO de 2009

DECRETO Nº 53.980, de 29 de JANEIRO de 2009 DECRETO Nº 53.980, de 29 de JANEIRO de 2009 Regulamenta o regime de adiantamento previsto nos artigos 38 a 45 da Lei nº 10.320, de 16 de dezembro de 1968 JOSÉ SERRA, Governador do Estado de São Paulo,

Leia mais

Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Lei Federal nº 4.320, de 17/03/1964 (Lei de Orçamento).

Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Lei Federal nº 4.320, de 17/03/1964 (Lei de Orçamento). Código: MAN-SADM-001 Versão: 01 Data de Aprovação: 21/10/2010 Elaborado por: Gerência de Contratação Aprovado por: Secretaria Administrativa 1 Objetivo Estabelecer os critérios e os procedimentos para

Leia mais

TERMO DE PARTICIPAÇÃO Nº 20145151 DECRETO Nº28.397, DE 21 DE SETEMBRO DE 2006 PREÂMBULO

TERMO DE PARTICIPAÇÃO Nº 20145151 DECRETO Nº28.397, DE 21 DE SETEMBRO DE 2006 PREÂMBULO TERMO DE PARTICIPAÇÃO Nº 20145151 DECRETO Nº28.397, DE 21 DE SETEMBRO DE 2006 PREÂMBULO Termo de Participação, via meio eletrônico, para a seleção da melhor proposta para aquisição por dispensa de licitação,

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA. 5.1 Quantidade estimada para compra são de 2 (dois) nobreaks que funcionarão de forma redundante.

TERMO DE REFERENCIA. 5.1 Quantidade estimada para compra são de 2 (dois) nobreaks que funcionarão de forma redundante. TERMO DE REFERENCIA 1. OBJETO 1.1 Contratação de empresa especializada para fornecimento e manutenção de equipamento elétrico do tipo nobreak nas instalações da sala dos servidores da Companhia Docas do

Leia mais

MINUTA DA RESOLUÇÃO DA COMISSÃO DE IMPLANTAÇÃO DAS 30 HORAS SEMANAIS DO CEFET-MG

MINUTA DA RESOLUÇÃO DA COMISSÃO DE IMPLANTAÇÃO DAS 30 HORAS SEMANAIS DO CEFET-MG MINUTA DA RESOLUÇÃO DA COMISSÃO DE IMPLANTAÇÃO DAS 30 HORAS SEMANAIS DO CEFET-MG Regulamenta o processo de implementação e avaliação da flexibilização da jornada de trabalho dos servidores técnico-administrativos

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE ARACATI, no uso de suas atribuições legais, conforme lhe confere a Lei Orgânica Municipal,

O PREFEITO MUNICIPAL DE ARACATI, no uso de suas atribuições legais, conforme lhe confere a Lei Orgânica Municipal, DECRETO N.º 060 /2013. REGULAMENTA A NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA NO MUNICÍPIO DE ARACATI E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL DE ARACATI, no uso de suas atribuições legais, conforme lhe

Leia mais

Cotação Eletrônica TERMO DE PARTICIPAÇÃO

Cotação Eletrônica TERMO DE PARTICIPAÇÃO ANEXO ÚNICO DO DECRETO Nº 28.397, DE 21 DE SETEMBRO DE 2006. PREÂMBULO Termo de Participação via meio eletrônico, para a seleção da melhor proposta para aquisição por dispensa de licitação, nos termos

Leia mais

NORMA DE CONTROLO INTERNO (NCI)

NORMA DE CONTROLO INTERNO (NCI) NORMA DE CONTROLO INTERNO (NCI) Freguesia de Almagreira PREÂMBULO Tendo em conta o estipulado na Lei n.º 169/99, de 18 de Setembro (que estabelece o quadro de competências, assim como o regimento jurídico

Leia mais

LEI Nº. 1463, DE 19 DE OUTUBRO DE 2007

LEI Nº. 1463, DE 19 DE OUTUBRO DE 2007 LEI Nº. 1463, DE 19 DE OUTUBRO DE 2007 Autoria: Poder Legislativo Institui e regulamenta o uso do Vale-Transporte no Município de Lucas do Rio Verde - MT. O Prefeito do Município de Lucas do Rio Verde,

Leia mais

Anexo. Anexo III RN-018/2011 MANUAL DE UTILIZAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS E PRESTAÇÃO DE CONTAS

Anexo. Anexo III RN-018/2011 MANUAL DE UTILIZAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS E PRESTAÇÃO DE CONTAS Anexo 1 / 8 Anexo III RN-018/2011 MANUAL DE UTILIZAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS E PRESTAÇÃO DE CONTAS 1. Disposições Iniciais 1.1 - A finalidade deste manual é apresentar, de forma sistemática e clara,

Leia mais

MANUAL CONTRATAÇÃO DE EVENTOS PRÉ EVENTO A) ELABORAÇÃO DA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA E TRÂMITES PARA CONTRATAÇÃO DA EMPRESA

MANUAL CONTRATAÇÃO DE EVENTOS PRÉ EVENTO A) ELABORAÇÃO DA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA E TRÂMITES PARA CONTRATAÇÃO DA EMPRESA MANUAL CONTRATAÇÃO DE EVENTOS PRÉ EVENTO A) ELABORAÇÃO DA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA E TRÂMITES PARA CONTRATAÇÃO DA EMPRESA 1) Reunião Prévia (Responsável: Secretaria Demandante) Solicitação de Contratação,

Leia mais

TOMADA DE CONTAS ESPECIAL

TOMADA DE CONTAS ESPECIAL TOMADA DE CONTAS ESPECIAL COMPARATIVO ENTRE A IN TCU Nº 13/1996 E A IN TCU Nº 56/2007 IN TCU Nº 13/1996 IN TCU Nº 56/2007 Art. 1º Diante da omissão no dever de prestar contas, da não comprovação da Aplicação

Leia mais

BANCO DO BRASIL S.A.

BANCO DO BRASIL S.A. BANCO DO BRASIL S.A. Sumário Executivo do Contrato dos Cartões de Crédito Co-Branded Smiles Banco do Brasil S.A. Pessoas Físicas Correntistas e Não-Correntistas Características do Cartão de Crédito Smiles

Leia mais

PROVA DE NÍVEL SUPERIOR. CARGO: Técnico de Nível Superior Pleno I - ADMINISTRADOR OU ECONOMISTA

PROVA DE NÍVEL SUPERIOR. CARGO: Técnico de Nível Superior Pleno I - ADMINISTRADOR OU ECONOMISTA PROVA DE NÍVEL SUPERIOR CARGO: Técnico de Nível Superior Pleno I - ADMINISTRADOR OU ECONOMISTA Responda as questões 1 a 5 de acordo com a Instrução Normativa Conjunta SECON/SEFAZ/SEPLAN Nº 01/2005. 1.

Leia mais

MANUAL DA GESTÃO FINANCEIRA Informações básicas

MANUAL DA GESTÃO FINANCEIRA Informações básicas MANUAL DA GESTÃO FINANCEIRA Informações básicas Este roteiro oferece um breve resumo de como funciona a administração financeira e de materiais de uma Unidade da USP, com ênfase no ponto de vista de sua

Leia mais

COTAÇÃO ELETRÔNICA nº 20123340 TERMO DE PARTICIPAÇÃO

COTAÇÃO ELETRÔNICA nº 20123340 TERMO DE PARTICIPAÇÃO COTAÇÃO ELETRÔNICA nº 20123340 TERMO DE PARTICIPAÇÃO PREÂMBULO Termo de Participação, via meio eletrônico, para a seleção da melhor proposta para aquisição por dispensa de licitação, nos termos do Decreto

Leia mais

Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Lei Federal nº 4.320, de 17/03/1964 (Lei de Orçamento).

Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Lei Federal nº 4.320, de 17/03/1964 (Lei de Orçamento). Código: MAN-SADM-001 Versão: 00 Data de Aprovação: 28/04/2010 Elaborado por: Gerência de Contratação Aprovado por: Secretaria Administrativa 1 Objetivo Estabelecer os critérios e os procedimentos para

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA VETERINÁRIA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO RESOLUÇÃO CRMV-RJ Nº 47/2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA VETERINÁRIA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO RESOLUÇÃO CRMV-RJ Nº 47/2015 RESOLUÇÃO CRMV-RJ Nº 47/2015 Ementa: Estabelece requisitos a serem observados para obtenção de apoio financeiro e/ou institucional junto ao CRMV-RJ. O - CRMV-RJ, no uso das atribuições que lhe são conferidas

Leia mais