1 de 9 INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA DICOP/DEPAT Nº 02 /2003. Publicada no DOE de 21 de outubro de 2003

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1 de 9 INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA DICOP/DEPAT Nº 02 /2003. Publicada no DOE de 21 de outubro de 2003"

Transcrição

1 1 de 9 INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA DICOP/DEPAT Nº 02 /2003 Publicada no DOE de 21 de outubro de 2003 Estabelece procedimentos para movimentação de recursos das contas bancárias mantidas no Banco Bradesco S/A, no Banco do Brasil e na Caixa Econômica Federal pelos órgãos e entidades da Administração Pública Estadual, e dá outras providências. O DIRETOR DA CONTABILIDADE PÚBLICA e a DIRETORA DO TESOURO, no uso de suas atribuições, RESOLVEM: I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS 1. Os órgãos e entidades da Administração Pública Estadual deverão obedecer aos dispositivos desta Instrução Normativa quando do cadastramento, aplicação de recursos e qualquer movimentação financeira efetuada mediante conta bancária mantida no Banco Bradesco S/A, no Banco do Brasil e na Caixa Econômica Federal. II - DA ABERTURA E DO CADASTRAMENTO DE CONTA DE UNIDADE GESTORA 2. Deverá ser solicitada à Diretoria do Tesouro DEPAT, através de ofício, a abertura de conta bancária, indicando o objetivo da conta. 3. As contas bancárias movimentadas no Banco Bradesco S/A, no Banco do Brasil e na Caixa Econômica Federal deverão ser cadastradas no Sistema de Informações Contábeis e Financeiras SICOF No cadastramento das novas contas contábeis no SICOF, a Unidade Gestora deverá denominar a conta com a descrição SCU/SIGLA DO BANCO/Número da Conta Corrente/Órgão ou entidade/programa de Governo, quando se tratar de conta pertencente a Sistema de Caixa Único e, nas demais contas, a denominação que especifique a sua origem, também seguida do Número da Conta Corrente/Órgão ou entidade/programa de Governo As contas bancárias mantidas na Caixa Econômica Federal deverão ser cadastradas no SICOF com 10 (dez) posições, sendo as 03 (três) primeiras o código de operação, as 06 (seis) seguintes o número da conta bancária e a última o dígito verificador, conforme Anexo I desta Instrução. III - DO CADASTRAMENTO DE CONTA DO CREDOR 4. As contas bancárias de credores deverão ser cadastradas no SICOF pelas Diretorias de Finanças ou unidades equivalentes da Administração Direta e Indireta, de acordo com as orientações contidas na Instrução Normativa IGF nº 10/97, de 01 de julho de As contas de credores concessionários de serviços públicos serão cadastradas exclusivamente pela DICOP/GERAC Não deverão ser cadastradas contas conjuntas cujo credor não seja o primeiro titular da mesma. IV - DA MOVIMENTAÇÃO DAS CONTAS E DO PAGAMENTO AO CREDOR

2 2 de 9 5. As contas bancárias mantidas no Banco Bradesco S/A, no Banco do Brasil e na Caixa Econômica Federal serão movimentadas pelas respectivas unidades exclusivamente mediante pagamentos a pessoas físicas ou jurídicas através de Ordem Bancária Eletrônica OBE gerada no SICOF A pessoa jurídica beneficiária de pagamentos através de OBE deverá possuir conta bancária, preferencialmente no Banco depositário dos recursos que estão sendo movimentados. 5.2 Excepcionalmente, o pagamento destinado a pessoa física que não for possuidora de conta bancária ficará à disposição do beneficiário no banco responsável pela transmissão dos recursos, sendo atribuído o número de conta quando do cadastramento do credor pela DICOP/GERAC, mediante justificativa da unidade solicitante, observando-se: Se Bradesco: em Salvador, na agência Instituto de Cacau URB Salvador - código 3553, no interior do Estado, na agência da cidade de destino Se Banco do Brasil: em qualquer agência do banco, mediante apresentação do documento de identificação e do CPF do beneficiário O credor deverá ter seus dados bancários cadastrados no SICOF com indicação dos códigos 001 para banco e 3832 para agência Se Caixa Econômica Federal: na agência indicada. V - DA CONFIRMAÇÃO E TRANSMISSÃO DOS PAGAMENTOS 6. Os pagamentos gerados pelo SICOF devem ser autorizados e confirmados, respectivamente: a) na Administração Direta, pelo Ordenador de Despesa e pelo Diretor de Finanças ou titular de função equivalente; b) na Administração Indireta, pelo dirigente responsável pela área financeira e pelo Ordenador de Despesa. c) Nos Encargos Gerais/DEPAT, pelo Gerente Financeiro e pelo Diretor do Tesouro. 7. Os pagamentos confirmados até às 16:00 horas serão transmitidos eletronicamente através da PRODEB para o banco responsável pelo pagamento. VI - DA DISPONIBILIZAÇÃO DOS RECURSOS AO CREDOR 8. Os valores transmitidos ficam disponíveis para os respectivos credores no prazo de 48 (quarenta e oito) horas após a sua transmissão Os pagamentos, na confirmação, estão identificados na coluna PRAZO com a letra N, correspondente ao prazo normal de 48 (quarenta e oito) horas Excluem-se do prazo referido no subitem anterior os pagamentos que se destinem, comprovadamente: a) ao pagamento de pessoal e encargos, diárias e adiantamentos, cujo crédito será imediato, e a indicação do mesmo será automática no SICOF;

3 3 de 9 b) ao pagamento de tributos, transferências a outros Poderes, transferências para a Administração Indireta e Fundos Especiais, ou ao Fundo Rotativo de Material e despesas pagas pelos Encargos Gerais, a exemplo da dívida interna e externa, e repasse para aumento de capital das empresas, cujo crédito será imediato, devendo ser alterada a coluna PRAZO para a letra I. 9. O Banco responsável pelo pagamento emitirá DOC Eletrônico ou instrumento similar a favor de credores com conta corrente bancária em outros bancos É obrigatória a indicação dos dados bancários do beneficiário nos campos banco, agência e conta corrente Na eventualidade de não disponibilização do recurso ao credor por motivo de inconsistência no DOC ou instrumento similar, os bancos responsáveis e as unidades de origem deverão adotar, no que couber, os procedimentos estabelecidos no item 12 e seus subitens. 10. Se o valor a ser pago for igual ou superior a R$5.000,00 (cinco mil reais) e o banco de destino for diferente do banco de origem, o pagamento se dará através de TED Transferência Eletrônica de Disponibilidades, independente do prazo estipulado para o seu pagamento. 11. Deverá ser encaminhada pela Diretoria de Finanças ou unidade equivalente da Administração Direta e Indireta ao banco responsável pelo pagamento uma cópia da Consulta do Histórico do Pagamento, quando este destinar-se a: a) pagamento de impostos, taxas ou emolumentos, juntando o respectivo documento de arrecadação para a sua devida quitação; b) pagamento de folha de estagiários ou outros casos semelhantes, acompanhadas das relações pertinentes ou gravadas em meio magnético; c) pagamentos a serem efetuados no Banco do Brasil destinados a órgãos federais, através de crédito na Conta Geral da União nº , quando será exigido o preenchimento na Guia de Depósitos do campo Depósito Identificado (código - dv)/finalidade com o número de 15 posições fornecido pelo credor; Os pagamentos que dependem de autenticação deverão ter como indicação de conta bancária de credor a seguinte codificação e destinação: quando no Banco Bradesco: Agência CAB (3571) e conta nº , nos pagamentos efetuados na Capital, e o código da agência pagadora e número da conta corrente , quando de pagamentos no interior do Estado No caso dos pagamentos de impostos, taxas ou emolumentos, o documento de arrecadação deverá ser enviado com a utilização do Sistema MALOTE EMPRESA, quando disponível, na forma do Anexo III quando no Banco do Brasil: Agência Governo (3832) conta nº ; quando na Caixa Econômica Federal:Agência Shopping Barra (2218) conta nº

4 4 de Toda documentação enviada ao banco deverá estar assinada e carimbada pelo Ordenador de Despesa e pelo Diretor de Finanças ou titular de função equivalente da Administração Direta e Indireta. 12. Não será disponibilizado, para crédito pela instituição financeira, o pagamento que apresentar inconsistência nos dados de identificação do beneficiário, nem admitida a sua correção posterior, inclusive quando se tratar de inconsistências em DOC ou instrumento similar destinado a credor com conta em outro banco, devendo ainda serem tomadas as seguintes providências: O banco responsável pelo pagamento deverá retornar os recursos não pagos por motivo de inconsistência à conta de origem, no primeiro dia útil após a sua transmissão original, fornecendo imediatamente todas as informações pertinentes Se Banco do Brasil:através de transmissão eletrônica diretamente ao SICOF, cuja informação será acessada pela unidade de origem na consulta Ocorrências do Retorno da Transmissão de OBE Após a verificação da inconsistência, a Diretoria de Finanças ou Unidade equivalente deverá proceder ao estorno do pagamento e, se for o caso, da liquidação e da pré-liqüidação Após a correção dos dados do credor, far-se-á o novo pagamento ao beneficiário. 13. O pagamento transmitido que ultrapassar o prazo de 30 (trinta) dias, tendo como limite o exercício financeiro (31 de dezembro), sem que tenha sido resgatado pelo beneficiário será devolvido, preferencialmente de forma eletrônica, pelo Banco responsável, que prestará as seguintes informações: Se Banco Bradesco: fornecer as informações relativas ao nome do credor, código da Unidade Gestora, data, valor e número do pagamento Se Banco do Brasil: transmitir eletronicamente para o SICOF as informações relativas ao número das OBE devolvidas, com indicação do código da respectiva unidade gestora e tipo de ocorrência A Diretoria da Contabilidade Pública DICOP disponibilizará no SICOF as informações fornecidas pelo banco, através do módulo Consultas, opção Pagamentos, rotina 10 Ocorrências do Retorno da Transmissão de OBE (BB) para que as unidades adotem os procedimentos cabíveis A unidade responsável pelo pagamento deverá verificar no extrato bancário, após análise da consulta de ocorrência, se o crédito foi realizado na conta de origem do recurso Se Caixa Econômica Federal: informar à unidade responsável pelo pagamento, na mesma data da devolução, o crédito realizado na conta de origem do recurso; Encaminhar cópia do documento de lançamento de crédito em conta, assim como a relação das OBE devolvidas, contendo o nome do credor, código da Unidade Gestora, número, data e valor da OBE Os procedimentos para regularização do pagamento devolvido e para pagamento aos beneficiários encontram-se estabelecidos no Anexo II desta Instrução Normativa. VII - DAS DISPOSIÇÕES FINAIS

5 5 de As unidades gestoras e as Diretorias de Finanças ou unidades equivalentes deverão proceder à emissão do relatório de Ordens Bancárias Eletrônicas - OBE, no mesmo dia de sua transmissão, a partir das 17:00 h, para efeito de acompanhamento e controle, através do módulo - Relatórios Operacionais, item 25-Pagamentos Transmitidos ou efetuar a consulta no SICOF após o horário indicado Os responsáveis pelas respectivas unidades deverão assinar e arquivar os relatórios para posterior verificação pelos órgãos de controle interno e externo. 15. Qualquer outra entrada de recurso na Conta Única do Tesouro Estadual pertencente à Unidade Gestora e referente ao mesmo exercício, será contabilizada pela DEPAT, gerando um crédito na unidade beneficiária. 16. Será inscrita regularmente em Restos a Pagar Processados a despesa que teve o seu pagamento estornado dentro do exercício, em decorrência de devolução pelo estabelecimento bancário. 17. Os bancos Banco Bradesco S/A, Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal disponibilizarão para cada órgão ou entidade os seus respectivos sistemas para gerenciamento de suas contas bancárias. 18. Para efeito do recolhimento da Guia Especial de Recolhimento GER e emissão de Ordem Bancária Eletrônica OBE, o Bradesco manterá sistema de cadastro atualizado com informações de código e denominação de todas as unidades gestoras da Administração Pública Estadual, em todas as agências da capital e do interior do Estado A Gerência de Normas da Diretoria da Contabilidade Pública - GENOR/DICOP informará ao banco das inclusões, exclusões ou alterações de unidades gestoras da Administração Pública Estadual. 19. As conciliações das contas bancárias deverão ser realizadas conforme Instrução Normativa IGF nº 15/97, de 03 de setembro de Esta Instrução entra em vigor na data de sua publicação, ficando revogadas as Instruções Normativas Conjuntas DICOP/DEPAT nºs 02/99, de 14 de maio de 1999, 02/2000, de 10 de março de 2000 e 03/2000, de 26 de julho de Salvador, em 17 de outubro de 2003 WALDEMAR SANTOS FILHO TERESINHA RITA SILVA CARVALHO Diretor da DICOP Diretora da DEPAT ANEXO I COMPOSIÇÃO DAS CONTAS BANCÁRIAS DA CEF Dígitos XXX YYYYYY - Z Campos Campo 1 - Constituído de 03(três) dígitos, informa o código de operação do cliente, conforme abaixo: Depósitos Populares Depósitos Cadernetas

6 6 de Depósitos Sem Limite Depósitos Entidades Públicas Depósitos Instituições Financeiras Caderneta de Poupança com Atualização Monetária Caderneta de Poupança Jurídica Campo 2 - Constituído de 06 (seis) dígitos, informa o número da conta Obs. Preencher com o número da conta e com quantos zeros forem necessários, à esquerda, para completar o campo. Exemplo : XXX Z Campo 3 - Constituído de um dígito, indica o dígito verificador da conta. ANEXO II PROCEDIMENTOS PARA REGULARIZAÇÃO DE PAGAMENTOS NÃO SACADOS PELOS RESPECTIVOS BENEFICIÁRIOS DENTRO DO MESMO EXERCÍCIO FINANCEIRO A - REFERENTES A FOLHA DE PESSOAL 1. Para regularização do pagamento DEPAT Com base na relação dos pagamentos devolvidos enviada pelo Bradesco, efetuar o evento 489, para disponibilizar o valor não sacado na conta Devolução de Vencimentos Órgão ou Entidade Após a verificação dos valores lançados pela DEPAT através da rotina 07 Consulta, opção 09 Informações Operacionais, item Razão Financeiro, na conta , efetuar a regularização conforme segue: a) deduzir do valor do empenho mensal da folha de pessoal, elemento 11, o valor correspondente ao valor devolvido na conta Devolução de Vencimento; b) incluir o valor da Devolução de Vencimento no somatório dos itens que compõem a relação bancária; c) efetuar o evento 336 Regularização Devolução de Pessoal, para baixar o valor da conta Devolução de Vencimento. 2. Para formalização do pedido de novo pagamento ao beneficiário. 2.1 Órgão ou Entidade 2.1. Receber petição do servidor ou pensionista, acompanhada de documentação que a fundamente, objetivando o pagamento não efetivado vinculado ao recurso financeiro devolvido à CUTE.

7 7 de Verificar o fundamento da petição e, caso conclua pelo atendimento, efetuar a inclusão do valor no mês solicitado. B - REFERENTES A OUTROS PAGAMENTOS, EXCLUVISE FOLHA DE PESSOAL 1. Para regularização do pagamento Quando a conta de origem for CUTE - DI DEPAT Com base na relação dos pagamentos devolvidos enviada pelo Bradesco, efetuar o evento 110, para disponibilizar o recurso financeiro na conta Outras Devoluções Órgão ou Entidade Promover o estorno do pagamento através do módulo 04 Execução Orçamentária / Financeira, rotina Pagamento, opção 08 Estorno Total de Pagamento Estornar a liquidação, quando for o caso Quando a conta de origem for diversa da CUTE DI (no Bradesco, Banco do Brasil ou Caixa Econômica Federal), já tendo sido os recursos devolvidos à conta pelos bancos responsáveis Executor: Órgão ou Entidade de relação do beneficiário requerente Promover o estorno do pagamento através do módulo 04 Execução Orçamentária / Financeira - rotina Pagamento - opção 08 Estorno Total de Pagamento Estornar a liquidação, quando for o caso. 2. Para formalização do pedido de novo pagamento ao beneficiário Executor: Órgão ou Entidade de relação do beneficiário requerente Receber petição do beneficiário, acompanhada de documentação que a fundamente, objetivando o pagamento não efetivado vinculado ao recurso financeiro devolvido Verificar o fundamento da petição e atestar no corpo do processo, se for o caso, a devolução do recurso financeiro vinculado ao pagamento não efetivado e reclamado pelo requerente Efetuar novo pagamento. ANEXO III PROCEDIMENTOS PARA UTILIZAÇÃO NO BRADESCO DOSISTEMA DE MALOTE EMPRESA I - PREPARAÇÃO E ENCAMINHAMENTO DO MALOTE 1. Procedimentos para os órgãos ou entidades remetentes:

8 8 de Dispor os documentos a serem autenticados - Documentos de Ordem de Crédito e Guias de Recolhimento, no MALOTE EMPRESA, grampeando-os juntamente com a respectiva cópia do Histórico do Pagamento Preencher em 01 (uma) via o Documento de Identificação do malote, afixado em local específico do malote, conforme modelo - Anexo IV 1.3. Preencher em 02 (duas) vias o Protocolo de Recebimento, conforme modelo constante do Anexo V Fechar o malote e encaminhá-lo, através de um preposto do órgão ou da entidade, à Agência CAB do Bradesco, juntamente com as 02 vias do Protocolo de Recebimento Entregar o malote e as respectivas vias do Protocolo de Recebimento no Balcão de Serviços da Agência CAB, até as 15:00 horas O malote da Secretaria da Fazenda poderá ser entregue no Posto do Bradesco da SEFAZ, até as 16:00 horas. II - RECEPÇÃO DO MALOTE EMPRESA PELA AGÊNCIA DO BRADESCO 2. Procedimentos a serem adotados pelo Balcão de Serviços da Agência CAB/Bradesco: 2.1. Receber do preposto o MALOTE EMPRESA fechado, juntamente com o respectivo formulário do Protocolo de Recebimento até as 15:00 horas Proceder à conferência dos documentos contidos no malote e relacionados no seu Protocolo de Recebimento Devolver ao preposto do órgão ou da entidade a 1ª via do formulário do Protocolo de Recebimento, devidamente assinada pelo preposto da Agência bancária Reter a 2ª via do referido formulário, anexando-o ao malote e destiná-lo ao setor competente, para o seu processamento. III - DEVOLUÇÃO DO MALOTE EMPRESA 3. Procedimentos a serem adotados pelo Balcão de Serviços da Agência CAB/Bradesco: 3.1. Receber do preposto do órgão ou da entidade, no dia seguinte à entrega do malote, a 1ª via do Protocolo de Recebimento e confrontar com a 2ª via, anexa ao malote, contendo os documentos processados pelo Bradesco Devolver o malote fechado ao preposto do órgão ou da entidade, confrontando as duas vias do protocolo, destruindo-a em seguida. IV OUTRAS OBSERVAÇÕES 4. Os malotes utilizados no Sistema serão fornecidos pela Agência CAB do Banco Bradesco. 5. O Documento de Identificação e o Protocolo de Recebimento será reproduzido por cada usuário do Sistema MALOTE EMPRESA, em conformidade com os modelos constante dos Anexos IV e V. 6. Os documentos que não apresentarem consistência serão devolvidos ao preposto do órgão ou da entidade.

9 9 de 9

INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA SAF Nº 01, DE 19 DE JANEIRO DE 2011

INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA SAF Nº 01, DE 19 DE JANEIRO DE 2011 INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA SAF Nº 01, DE 19 DE JANEIRO DE 2011 Publicada no DOE de 25 de janeiro de 2011 Dispõe sobre a movimentação de recursos efetuados pelos Órgãos, Fundos e Entidades da Administração

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SAF N 016 DE 09 DE SETEMBRO DE 2015

INSTRUÇÃO NORMATIVA SAF N 016 DE 09 DE SETEMBRO DE 2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA SAF N 016 DE 09 DE SETEMBRO DE 2015 Dispõe sobre a movimentação financeira em Instituições Bancárias pelos Órgãos, Fundos e Entidades da Administração Pública do Poder Executivo Estadual

Leia mais

FIPLAN-BA Sistema Integrado de Planejamento, Contabilidade e Finanças do Estado da Bahia DEPAT e Unidades Orçamentárias

FIPLAN-BA Sistema Integrado de Planejamento, Contabilidade e Finanças do Estado da Bahia DEPAT e Unidades Orçamentárias ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº 001/2012 Projeto Unidade Responsável: Assunto: FIPLAN-BA Sistema Integrado de Planejamento, Contabilidade e Finanças do Estado da Bahia DEPAT e Unidades Orçamentárias Ordem Bancárias

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SCO SISTEMA CONTÁBIL Nº 004/2014, DE 2 DE MAIO DE 2014 VERSÃO 02 CAPÍTULO I DA FINALIDADE CAPÍTULO II DA ABRANGÊNCIA

INSTRUÇÃO NORMATIVA SCO SISTEMA CONTÁBIL Nº 004/2014, DE 2 DE MAIO DE 2014 VERSÃO 02 CAPÍTULO I DA FINALIDADE CAPÍTULO II DA ABRANGÊNCIA INSTRUÇÃO NORMATIVA SCO SISTEMA CONTÁBIL Nº 004/2014, DE 2 DE MAIO DE 2014 VERSÃO 02 Versão: 02 Aprovação em: 20 de maio de 2014 Ato de aprovação: Resolução nº 104/2014 Unidade Responsável: Secretaria

Leia mais

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SOF Nº

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SOF Nº PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SOF Nº 06, de 17.2.09 O DESEMBARGADOR-PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO o disposto nos arts.

Leia mais

Quarta-feira, 14 de Maio de 2014 N 628

Quarta-feira, 14 de Maio de 2014 N 628 LEI N 812 de 12 de maio de 2014. Institui a Nota Fiscal de Serviços Eletrônica - NFS-e, a Ferramenta de Declaração Eletrônica de Serviços - DES, e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE GUAPIMIRIM,,

Leia mais

Manual Cartão de Pagamento do Governo Federal. Banco do Setor público

Manual Cartão de Pagamento do Governo Federal. Banco do Setor público Manual Cartão de Pagamento do Governo Federal Banco do Setor público 2 Sumário Introdução 04 Cartão de Pagamento do Governo Federal CPGF 04 Passo a Passo 10 Perguntas e Respostas 12 Legislação I Ementa

Leia mais

CARTILHA PARA USO DE CARTÃO DE PAGAMENTO NAS DESPESAS REALIZADAS MEDIANTE REGIME DE ADIANTAMENTO

CARTILHA PARA USO DE CARTÃO DE PAGAMENTO NAS DESPESAS REALIZADAS MEDIANTE REGIME DE ADIANTAMENTO CARTILHA PARA USO DE CARTÃO DE PAGAMENTO NAS DESPESAS REALIZADAS MEDIANTE REGIME DE ADIANTAMENTO SETEMBRO/2011 1 1. CARTÃO DE PAGAMENTO... 3 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 3 3. AMPARO LEGAL... 3 4. DESCRIÇÃO

Leia mais

ORDENS BANCÁRIAS ESTADOS E MUNICÍPIOS MANUAL DO USUÁRIO

ORDENS BANCÁRIAS ESTADOS E MUNICÍPIOS MANUAL DO USUÁRIO ORDENS BANCÁRIAS ESTADOS E MUNICÍPIOS MANUAL DO USUÁRIO Ordens Bancárias Estados e Municípios Sumário 1. Introdução... 3 2. Público Alvo... 3 3. Características... 4 3.1. Modalidades e tipos de ordens

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 02/2015 - CD

RESOLUÇÃO Nº 02/2015 - CD Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado da Educação e da Cultura - SEEC FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE FUERN Conselho Diretor - CD Rua Almino Afonso, 478 -

Leia mais

CLÁUSULAS GERAIS DO CONTRATO DE CONTA CORRENTE, CONTA INVESTIMENTO E CONTA DE POUPANÇA

CLÁUSULAS GERAIS DO CONTRATO DE CONTA CORRENTE, CONTA INVESTIMENTO E CONTA DE POUPANÇA CONTRATANTE(S): As Pessoa(s) - Física(s) ou Jurídica(s) - indicada(s) e qualificada(s) na Proposta/Contrato de Abertura de Conta Corrente, Conta Investimento e Conta de Poupança, adiante denominada(s)

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO CUNI Nº 024, DE 8 DE MAIO DE 2012 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS, no uso de suas atribuições

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA VETERINÁRIA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO RESOLUÇÃO CRMV-RJ Nº 47/2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA VETERINÁRIA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO RESOLUÇÃO CRMV-RJ Nº 47/2015 RESOLUÇÃO CRMV-RJ Nº 47/2015 Ementa: Estabelece requisitos a serem observados para obtenção de apoio financeiro e/ou institucional junto ao CRMV-RJ. O - CRMV-RJ, no uso das atribuições que lhe são conferidas

Leia mais

DECRETO Nº 15.114,DE 8 DE JANEIRO DE 2013 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

DECRETO Nº 15.114,DE 8 DE JANEIRO DE 2013 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS DECRETO Nº 15.114,DE 8 DE JANEIRO DE 2013 Disciplina a celebração de convênios e operações de crédito com previsão de ingresso de recursos financeiros que beneficiem órgãos e entidades da Administração

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA TRIBUNAL DE JUSTIÇA SISTEMA DE DEPÓSITOS JUDICIAIS SIDEJUD LEGISLAÇÃO CORRELATA

ESTADO DE SANTA CATARINA TRIBUNAL DE JUSTIÇA SISTEMA DE DEPÓSITOS JUDICIAIS SIDEJUD LEGISLAÇÃO CORRELATA ESTADO DE SANTA CATARINA TRIBUNAL DE JUSTIÇA SISTEMA DE DEPÓSITOS JUDICIAIS SIDEJUD E LEGISLAÇÃO CORRELATA Florianópolis, março de 2011. 2 SUMÁRIO SISTEMA DE DEPÓSITOS JUDICIAIS SIDEJUD LEI N. 15.327,

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE PAGAMENTO DE TRIBUTOS COM ACRÉSCIMOS LEGAIS (JUROS E MULTA)

ORIENTAÇÕES SOBRE PAGAMENTO DE TRIBUTOS COM ACRÉSCIMOS LEGAIS (JUROS E MULTA) ORIENTAÇÕES SOBRE PAGAMENTO DE TRIBUTOS COM ACRÉSCIMOS LEGAIS (JUROS E MULTA) DITE Gerência Financeira do Tesouro Estadual GEFTE 1 GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA João Raimundo Colombo (Governador

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO 1 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001 de 29 de Abril de 2011. FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO Disciplina no âmbito da UDESC o controle dos serviços de postagem e remessa

Leia mais

Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011.

Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011. Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011. CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 o São estabelecidas, em cumprimento

Leia mais

GUIA ACADÊMICO MATRÍCULA E REMATRÍCULA DISPENSA DE DISCIPLINA REQUERIMENTOS

GUIA ACADÊMICO MATRÍCULA E REMATRÍCULA DISPENSA DE DISCIPLINA REQUERIMENTOS GUIA ACADÊMICO MATRÍCULA E REMATRÍCULA A matrícula é o ato formal do aluno com a UNIUV. Importa em direitos e deveres, tanto para o aluno como para a instituição. Sua efetivação ocorre após classificação

Leia mais

Art. 1º Atualizar o Regulamento que disciplina o funcionamento da Biblioteca do Tribunal Regional do Trabalho, conforme o que segue:

Art. 1º Atualizar o Regulamento que disciplina o funcionamento da Biblioteca do Tribunal Regional do Trabalho, conforme o que segue: ATO EJTRT Nº 03/2014 O DIRETOR DA ESCOLA JUDICIAL DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 24ª REGIÃO, no uso de suas atribuições regimentais e regulamentares, CONSIDERANDO os objetivos da Escola Judicial do

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE PÓS-DOUTORADO - 2011: CONCESSÃO INSTITUCIONAL ÀS IFES. Diretrizes para Elaboração do Projeto Institucional

PROGRAMA NACIONAL DE PÓS-DOUTORADO - 2011: CONCESSÃO INSTITUCIONAL ÀS IFES. Diretrizes para Elaboração do Projeto Institucional PROGRAMA NACIONAL DE PÓS-DOUTORADO - 2011: CONCESSÃO INSTITUCIONAL ÀS IFES Diretrizes para Elaboração do Projeto Institucional 1 Objetivos O Programa Nacional de Pós-doutorado da CAPES PNPD/2011: Concessão

Leia mais

Assunto: Contabilização do pagamento da Contribuição ao Programa de Integração Social e de Formação do Patrimônio do Servidor Público PIS/PASEP

Assunto: Contabilização do pagamento da Contribuição ao Programa de Integração Social e de Formação do Patrimônio do Servidor Público PIS/PASEP Nota Técnica n 003/2012/GECON Vitória, 08 de Março de 2012. Assunto: Contabilização do pagamento da Contribuição ao Programa de Integração Social e de Formação do Patrimônio do Servidor Público PIS/PASEP

Leia mais

Considerando a necessidade de promover o efetivo acompanhamento dos contratos de materiais e serviços no âmbito da Administração Pública Estadual;

Considerando a necessidade de promover o efetivo acompanhamento dos contratos de materiais e serviços no âmbito da Administração Pública Estadual; INSTRUÇÃO NORMATIVA nº 02/SEA - de 25/03/2013 Orienta quanto à utilização do Módulo de Gerenciamento de Contratos do Sistema Integrado de Planejamento e Gestão Fiscal do Estado de Santa Catarina SIGEF

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA-GERAL Departamento de Administração INSTRUÇÃO NORMATIVA DA/PGT Nº 01, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2010.

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA-GERAL Departamento de Administração INSTRUÇÃO NORMATIVA DA/PGT Nº 01, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2010. MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA-GERAL Departamento de Administração INSTRUÇÃO NORMATIVA DA/PGT Nº 01, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2010. Regulamenta a concessão, aplicação e prestação de contas dos

Leia mais

REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV

REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV 1 CAPÍTULO I Do Objeto Art. 1º Este documento, doravante denominado Regulamento de Empréstimo, estabelece os direitos e as obrigações da CASANPREV, dos Participantes, Assistidos

Leia mais

Política de Contas a Pagar

Política de Contas a Pagar T Política de Contas a Pagar 1 1. ABRANGÊNCIA 1.1 Todas as áreas administrativas da empresa responsáveis por aquisições/contratações de produtos e/ou serviços, conforme deliberação e aprovação dos sócios

Leia mais

SUPRIMENTO DE F RIMENTO UNDOS

SUPRIMENTO DE F RIMENTO UNDOS SUPRIMENTO DE FUNDOS - Legislação Oficina 75 ABOP Slide 1 Oficina nº 75 Suprimento de Fundos - Legislação Carga Horária: 4h Conteúdo: 1. Conceito e normatização de suprimento de fundos. Finalidades. Despesas

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DIRETORIA DO TESOURO ESTADUAL GERÊNCIA FINANCEIRA DO TESOURO ESTADUAL

ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DIRETORIA DO TESOURO ESTADUAL GERÊNCIA FINANCEIRA DO TESOURO ESTADUAL Orientação Técnica GEFTE/DITE nº 003/2015 Florianópolis, 14 de setembro de 2015. Assunto: Procedimentos para Pagamento de Tributos com Acréscimos Legais (Juros e Multa) A Diretoria do Tesouro Estadual,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO RIO GRANDE DO NORTE

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO RIO GRANDE DO NORTE ATO NORMATIVO Nº 01, DE 28 DE MARÇO DE 2012. Institui o Normativo de Pessoal EMPREGO DE LIVRE PROVIMENTO E DEMISSÃO DE NÍVEL SUPERIOR, EMPREGOS TEMPORÁRIOS DE NÍVEL SUPERIOR E EMPREGOS TEMPORÁRIOS DE NÍVEL

Leia mais

EDITAL FAPESB 002/2013 APOIO À PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS CIENTÍFICOS E/OU TECNOLÓGICOS

EDITAL FAPESB 002/2013 APOIO À PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS CIENTÍFICOS E/OU TECNOLÓGICOS EDITAL FAPESB 002/2013 APOIO À PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS CIENTÍFICOS E/OU TECNOLÓGICOS A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia FAPESB, no uso das suas atribuições, torna público o presente Edital

Leia mais

Manual de Conciliação Bancária

Manual de Conciliação Bancária Manual de Conciliação Bancária Índice Conciliação Bancária... 2 O módulo de Conciliação Bancária no SIGEF... 3 Conciliação Bancária Extrato Bancário... 5 Fazendo a Conciliação Bancária Extrato Bancário...

Leia mais

PORTARIA Nº 11, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2008

PORTARIA Nº 11, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2008 PORTARIA Nº 11, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2008 O DIRETOR DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE TRÂNSITO - DENATRAN, no uso das atribuições legais que lhe conferem os incisos I e XII do artigo 19 da Lei nº 9.503, de

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO SISTEMA CCA

MANUAL DE ORIENTAÇÃO SISTEMA CCA MANUAL DE ORIENTAÇÃO SISTEMA CCA Versão.0 Sistema de Controle de Concessão de Adiantamentos Sumário O Sistema CCA ----------------------------------------------------- 3 Iniciando a operacionalização do

Leia mais

DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013. Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências.

DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013. Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências. DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013 Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências. (Publicado no DOE de 10 de abril de 2013) O GOVERNADOR DO ESTADO

Leia mais

NOR - PRO - 105 PAGAMENTO DA DESPESA

NOR - PRO - 105 PAGAMENTO DA DESPESA 1. OBJETIVO 1.1. Estabelecer normas e procedimentos para o pagamento de despesas referentes às contratações de prestação de serviços, ao fornecimento de bens permanentes e de consumo e às obras e serviços

Leia mais

Ass.: Programa BNDES de Apoio a Instituições de Saúde BNDES Saúde Subprograma Atendimento SUS

Ass.: Programa BNDES de Apoio a Instituições de Saúde BNDES Saúde Subprograma Atendimento SUS Classificação: Documento Ostensivo Unidade Gestora: AOI CIRCULAR SUP/AOI Nº 49/2014-BNDES Rio de Janeiro, 27 de novembro de 2014 Ref.: Produto BNDES Automático Ass.: Programa BNDES de Apoio a Instituições

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 002, de 31 de agosto de 2015.

INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 002, de 31 de agosto de 2015. INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 002, de 31 de agosto de 2015. FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA GABINETE DO REITOR - GAB PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO - PROAD Disciplina no âmbito da UDESC os procedimentos

Leia mais

Secretaria da Fazenda

Secretaria da Fazenda Secretaria da Fazenda PORTARIA Nº 022 DE 21 DE JANEIRO DE 2015 Salvador, Bahia Quinta-feira 22 de janeiro de 2015 Ano XCIX N o 21.622 Dispõe sobre o pagamento dos servidores públicos estaduais ativos ou

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA GRE Nº 003, DE 18 DE MAIO DE 2011

INSTRUÇÃO NORMATIVA GRE Nº 003, DE 18 DE MAIO DE 2011 INSTRUÇÃO NORMATIVA GRE Nº 003, DE 18 DE MAIO DE 2011 Dispõe sobre a padronização de atos processuais e a uniformização de procedimentos, visando a otimização e a racionalização da tramitação dos processos

Leia mais

CONTROLE PATRIMONIAL ÍNDICE

CONTROLE PATRIMONIAL ÍNDICE ÍNDICE 00 FOLHA 01 05/98 ASSUNTO FOLHA GENERALIDADES 01 01/02 NORMAS GERAIS 02 01/01 SOLICITAÇÃO DE BENS MÓVEIS 03 01/01 CADASTRAMENTO E TOMBAMENTO DE BENS MÓVEIS 04 01/02 CONTROLE DA MOVIMENTAÇÃO DE BENS

Leia mais

Conceito... 1. Finalidade... 1. Público-alvo... 1. Cadastramento... 1. Formalização... 1. Atributos do Produto... 2

Conceito... 1. Finalidade... 1. Público-alvo... 1. Cadastramento... 1. Formalização... 1. Atributos do Produto... 2 ÍNDICE Conceito... 1 Finalidade... 1 Público-alvo... 1 Cadastramento... 1 Formalização... 1 Atributos do Produto... 2 Onde o cartão pode ser utilizado... 2 Permissões... 2 Limites... 2 Estrutura de cadastramento...

Leia mais

ESTÂNCIA HIDROMINERAL DE POÁ

ESTÂNCIA HIDROMINERAL DE POÁ DECRETO Nº DE DE DE 2015 Dispõe sobre regulamentação da Lei Complementar nº. 3.766, de 4 de dezembro de 2014, que criou o Passe Livre Estudantil, gratuidade no sistema de transporte coletivo aos estudantes

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA A EXECUÇÃO FINANCEIRA DA FOLHA DE PAGAMENTO DOS SERVIDORES DO PJERJ

PROCEDIMENTOS PARA A EXECUÇÃO FINANCEIRA DA FOLHA DE PAGAMENTO DOS SERVIDORES DO PJERJ PROCEDIMENTOS PARA A EXECUÇÃO FINANCEIRA DA FOLHA DE PAGAMENTO DOS SERVIDORES DO PJERJ Proposto por: Diretor da Divisão de Acompanhamento das Despesas de Pessoal do Poder Judiciário (DIPJU) Analisado por:

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho FINANCEIRO IT. 20 11 1 / 6 1. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para as atividades financeiras do Conselho. 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA Instrução Normativa nº 480 de 15 de dezembro de 2004 Secretaria da

Leia mais

CIRCULAR SUP/AOI Nº 14/2016-BNDES. Rio de Janeiro, 04 de abril de 2016. Produtos BNDES Finame e BNDES Finame Leasing

CIRCULAR SUP/AOI Nº 14/2016-BNDES. Rio de Janeiro, 04 de abril de 2016. Produtos BNDES Finame e BNDES Finame Leasing Grau: Documento Ostensivo Unidade Gestora: AOI CIRCULAR SUP/AOI Nº 14/2016-BNDES Rio de Janeiro, 04 de abril de 2016 Ref.: Ass.: Produtos BNDES Finame e BNDES Finame Leasing Refinanciamento de operações

Leia mais

CONTRATO DE CREDENCIAMENTO DE FORNECEDORES

CONTRATO DE CREDENCIAMENTO DE FORNECEDORES CONTRATO DE CREDENCIAMENTO DE FORNECEDORES São partes neste Contrato: 1. PROCIDADES COMÉRCIO E SERVIÇOS DE APOIO LTDA, pessoa jurídica de direito privado inscrita no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídicas

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001, de 29 de março de 2016. FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC GABINETE DO REITOR - GAB PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO - PROAD Disciplina no âmbito da UDESC

Leia mais

PROPOSTA DE EMPRÉSTIMO MODALIDADE PRÉ-FIXADO (Preenchimento Obrigatório) Nome. Matrícula Lotação Tel. Comercial. Email: Carteira de Identidade CPF

PROPOSTA DE EMPRÉSTIMO MODALIDADE PRÉ-FIXADO (Preenchimento Obrigatório) Nome. Matrícula Lotação Tel. Comercial. Email: Carteira de Identidade CPF ELETRA - FUNDAÇÃO CELG DE SEGUROS E PREVIDÊNCIA www.eletra.org.br - versão: 05/2015 12.08.2015 - pág.: 1 PROPOSTA DE EMPRÉSTIMO MODALIDADE PRÉ-FIXADO (Preenchimento Obrigatório) ( ) ATIVO ( ) APOSENTADO

Leia mais

Contrato para prestação de serviços de arrecadação

Contrato para prestação de serviços de arrecadação CONTRATO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ARRECADAÇÃO BANCO: CNPJ: ENDEREÇO: ENTIDADE CONTRATANTE: CNPJ: ENDEREÇO: OBJETO DO CONTRATO: Recebimento de: ÁREA DE ABRANGÊNCIA: Entre as partes acima qualificadas,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PESQUEIRA CCI - Controladoria de Controle Interno

PREFEITURA MUNICIPAL DE PESQUEIRA CCI - Controladoria de Controle Interno SISTEMA DE CONTROLE INTERNO - SCI INSTRUÇÕES NORMATIVAS SABS Nº 004/2010-1 Aprovação em: 20/07/2010 Versão: 001 Ato de Aprovação: IN SABS Nº 004/2010-1 Unidade Responsável: Sistema de Aquisição de Bens

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA

MINISTÉRIO DA FAZENDA MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL ALFÂNDEGA RECEITA FEDERAL DO BRASIL DO PORTO DE BELÉM/PA PROCESSO Nº 10209.000044/2012-07 EDITAL DE LICITAÇÃO N. º 0217600/0001/2012 VENDA

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 193, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2008 Altera os arts. 1º e 11 e o inciso I do art. 2º da Resolução CNSP No 118, de 22 de dezembro de 2004.

RESOLUÇÃO Nº 193, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2008 Altera os arts. 1º e 11 e o inciso I do art. 2º da Resolução CNSP No 118, de 22 de dezembro de 2004. RESOLUÇÃO Nº 193, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2008 Altera os arts. 1º e 11 e o inciso I do art. 2º da Resolução CNSP No 118, de 22 de dezembro de 2004. A SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP, no uso da

Leia mais

CARTILHA PARA CONCILIAÇÃO DE CONTAS BANCÁRIAS

CARTILHA PARA CONCILIAÇÃO DE CONTAS BANCÁRIAS CARTILHA PARA CONCILIAÇÃO DE CONTAS BANCÁRIAS - VERSÃO 1- AGOSTO/2011 1 SUMÁRIO 1. CONCEITOS...3 2. OBRIGATORIEDADES...3 3. PRINCIPAIS INFORMAÇÕES...3 4. CRITÉRIOS UTILIZADOS...3 5. RESPONSABILIDADES...4

Leia mais

AUDITORIA E GESTÃO AMBIENTAL

AUDITORIA E GESTÃO AMBIENTAL FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS - UFT PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO MBA EM PERICIA, AUDITORIA E GESTÃO AMBIENTAL EDITAL nº 1/2014 PROCESSO DE SELEÇÃO A Fundação Universidade Federal

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002/2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002/2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002/2014 DISPÕE SOBRE A CONCESSÃO DE SUBVENÇÃO SOCIAL, AUXÍLIO FINANCEIRO, CONTRIBUIÇÃO E OUTRAS FONTES DE RECURSO NO ÂMBITO DO PODER EXECUTIVO. A Controladoria Geral do Município

Leia mais

EDITAL FAPESB Nº 002/2016 Apoio à Organização de Eventos Científicos e Tecnológicos

EDITAL FAPESB Nº 002/2016 Apoio à Organização de Eventos Científicos e Tecnológicos EDITAL FAPESB Nº 002/2016 Apoio à Organização de Eventos Científicos e Tecnológicos A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia FAPESB, órgão vinculado à Secretaria de Ciência e Tecnologia do Estado

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE ARACATI, no uso de suas atribuições legais, conforme lhe confere a Lei Orgânica Municipal,

O PREFEITO MUNICIPAL DE ARACATI, no uso de suas atribuições legais, conforme lhe confere a Lei Orgânica Municipal, DECRETO N.º 060 /2013. REGULAMENTA A NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA NO MUNICÍPIO DE ARACATI E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL DE ARACATI, no uso de suas atribuições legais, conforme lhe

Leia mais

ICMS do Estado do Rio Grande do Sul

ICMS do Estado do Rio Grande do Sul Page 1 of 9 ICMS do Estado do Rio Grande do Sul CAPÍTULO XXIV DA MICROEMPRESA, DO MICROPRODUTOR RURAL E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE 1.0 APURAÇÃO DO ICMS DEVIDO POR EPP 1.1 Apuração Centralizada 1.1.1 Na

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PIRIPÁ ESTADO DA BAHIA C.N.P.J. 13.694.658/0001-92

PREFEITURA MUNICIPAL DE PIRIPÁ ESTADO DA BAHIA C.N.P.J. 13.694.658/0001-92 Decreto n 015/2015 Piripá, 19 de maio de 2015. Regulamenta o gerenciamento da Nota Fiscal Eletrônica de Serviços - NFS-e Sped, sua escrituração, a emissão de guia de recolhimento do Imposto sobre Serviços

Leia mais

Assunto: Softwares reconhecimento, mensuração, avaliação e evidenciação.

Assunto: Softwares reconhecimento, mensuração, avaliação e evidenciação. Nota Técnica n 010/2011/GECON Vitória, 28 de dezembro de 2011. Assunto: Softwares reconhecimento, mensuração, avaliação e evidenciação. Prezados (as) Senhores (as), A presente Nota Técnica foi desenvolvida

Leia mais

EDITAL Nº 60 /Unoesc/2011

EDITAL Nº 60 /Unoesc/2011 EDITAL Nº 60 /Unoesc/2011 Dispõe sobre processo de seleção externa de funcionários técnico-administrativos para atuarem na Universidade do Oeste de Santa Catarina - Unoesc, na Unoesc Campus de Joaçaba.

Leia mais

Art. 2º Este Ato Administrativo entra em vigor na data de sua assinatura, revogadas as disposições em contrário.

Art. 2º Este Ato Administrativo entra em vigor na data de sua assinatura, revogadas as disposições em contrário. ATO ADMINISTRATIVO REITORIA Nº 16/2015 Aprova o Edital do Processo Seletivo dos Cursos Superiores na modalidade a Distância Vestibular 2º Semestre de 2015 O REITOR DA UNIVERSIDADE METODISTA DE SÃO PAULO,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 119, DE 1º DE MARÇO DE 2011

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 119, DE 1º DE MARÇO DE 2011 Publicada no Boletim de Serviço nº 3, de 9 mar. 2011, p. 7-10 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 119, DE 1º DE MARÇO DE 2011 Dispõe sobre o fornecimento e a autenticação de cópias e impressões e dá outras providências.

Leia mais

CAPITULO 020000 - SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DO GOVERNO FEDERAL - SIAFI

CAPITULO 020000 - SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DO GOVERNO FEDERAL - SIAFI CAPITULO 020000 - SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DO GOVERNO FEDERAL - SIAFI SECAO 020300 - MACROFUNÇÕES ASSUNTO 020305 - CONTA ÚNICA DO TESOURO NACIONAL 1 - REFERÊNCIAS 11 - RESPONSABILIDADE

Leia mais

Ref.: NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA ENCERRAMENTO DO EXERCÍCIO DE 2009

Ref.: NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA ENCERRAMENTO DO EXERCÍCIO DE 2009 Universidade Federal de Minas Gerais Pro - Reitoria de Planejamento e Desenvolvimento Departamento de Contabilidade e Finanças e-mail: dcf@dcf.ufmg.br Tel. (031) 3409-4102 1 OFÍCIO CIRCULAR DCF 028/2009

Leia mais

Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro

Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro Manoel Alberto Rebêlo dos Santos Presidente Raimundo Aben Athar DiretorGeral de Planejamento, Coordenação e Finanças Bárbara Cristina Corrêa Mendonça DiretoraGeral

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º AMGESP-002/2015

INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º AMGESP-002/2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º AMGESP-002/2015 Estabelece critérios a serem observados pelos órgãos e entidades da Administração Pública Estadual, Direta e Indireta, quando da disponibilização de vagas de estágio

Leia mais

Plano e Regulamento de Benefícios e Serviços

Plano e Regulamento de Benefícios e Serviços TITULO I DEFINIÇÕES GERAIS DOS BENEFICIOS E SERVIÇOS CAPITULO I DA FINALIDADE Art.1. Este plano tem por finalidade estabelecer os benefícios e serviços da ABEPOM, bem como regulamentar os critérios, limites

Leia mais

EDITAL 10/2014. PROGRAMA MINEIRO DE PÓS-DOUTORADO PMPD lli ACORDO CAPES/FAPEMIG

EDITAL 10/2014. PROGRAMA MINEIRO DE PÓS-DOUTORADO PMPD lli ACORDO CAPES/FAPEMIG EDITAL 10/2014 PROGRAMA MINEIRO DE PÓS-DOUTORADO PMPD lli ACORDO CAPES/FAPEMIG A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais FAPEMIG, atendendo à orientação programática da Secretaria de Estado

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA COORDENADORIA DA RECEITA ESTADUAL

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA COORDENADORIA DA RECEITA ESTADUAL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 008/2010/GAB/CRE Porto Velho, 10 de setembro de 2010. PUBLICADO NO DOE Nº 1621, DE 25.11.10 Regulamenta a emissão do Atestado de Condição de Contribuinte do ICMS. O COORDENADOR-GERAL

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP Programa de Estudos Pós-Graduados em Ciências Contábeis e Atuariais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP Programa de Estudos Pós-Graduados em Ciências Contábeis e Atuariais EDITAL PARA O PROCESSO SELETIVO 2º/2016 Coordenadora: Profa. Dra. Neusa Maria Bastos F. Santos Estarão abertas, no período de 11/04/2016 a 29/04/2016, as inscrições para o processo seletivo destinado ao

Leia mais

Programa de Fluxo Contínuo para Apoio a Projetos Especiais

Programa de Fluxo Contínuo para Apoio a Projetos Especiais Chamada Pública nº 03/2012 Programa de Fluxo Contínuo para Apoio a Projetos Especiais A FUNDAÇÃO ARAUCÁRIA de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Paraná, em conformidade com suas finalidades,

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 13.270

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 13.270 DECRETO Nº 13.270 Regulamenta o parcelamento e pagamento de créditos do município de Vitória e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Vitória, Capital do, no uso de suas atribuições legais, e

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE OURO BRANCO ESTADO DE MINAS GERAIS Procuradoria Geral DECRETO Nº 6.487, DE 27 DE OUTUBRO DE 2011.

PREFEITURA MUNICIPAL DE OURO BRANCO ESTADO DE MINAS GERAIS Procuradoria Geral DECRETO Nº 6.487, DE 27 DE OUTUBRO DE 2011. DECRETO Nº 6.487, DE 27 DE OUTUBRO DE 2011. REGULAMENTA A UTILIZAÇÃO DA NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA NFSE E DECLARAÇÃO FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA NO MUNICÍPIO DE OURO BRANCO, E DÁ OUTRAS PRIVIDÊNCIAS.

Leia mais

Contrato para Geração Gratuita do Código Identificador da Operação de Transporte - CIOT

Contrato para Geração Gratuita do Código Identificador da Operação de Transporte - CIOT Contrato para Geração Gratuita do Código Identificador da Operação de Transporte - CIOT Pelo presente instrumento particular, de um lado POLICARD SYSTEMS E SERVIÇOS S.A., inscrita no CNPJ/MF sob o nº 00.904.951/0001-95,

Leia mais

RECURSOS HUMANOS CONCEITUAÇÃO 01 01/02 NORMAS GERAIS 02 01/02 PLANEJAMENTO DA PROGRAMAÇÃO DE CAPACITAÇÃO 04 01/05

RECURSOS HUMANOS CONCEITUAÇÃO 01 01/02 NORMAS GERAIS 02 01/02 PLANEJAMENTO DA PROGRAMAÇÃO DE CAPACITAÇÃO 04 01/05 IN-13-2 SUBSISTEMA ÍNDICE 1 ASSUNTO FOLHA CONCEITUAÇÃO 1 1/2 NORMAS GERAIS 2 1/2 CLASSIFICAÇÃO, INSTRUTORES E PAGAMENTO DE EVENTOS 3 1/3 PLANEJAMENTO DA PROGRAMAÇÃO DE CAPACITAÇÃO 4 1/5 OPERACIONALIZAÇÃO

Leia mais

EDITAL N. 01 DO PROCESSO SELETIVO DE MEDICINA

EDITAL N. 01 DO PROCESSO SELETIVO DE MEDICINA EDITAL N. 01 DO PROCESSO SELETIVO DE MEDICINA Edital n. 01, de 18 de novembro de 2014, que regulamenta o Processo Seletivo para ingresso no curso de Graduação em Medicina da Faculdade Allfredo Nasser A

Leia mais

Art. 1º O art. 19 da Instrução Normativa nº 2, de 30 de abril de 2008, passa a vigorar com as seguintes modificações:

Art. 1º O art. 19 da Instrução Normativa nº 2, de 30 de abril de 2008, passa a vigorar com as seguintes modificações: INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 3, DE 24 DE JUNHO DE 2014. Altera a Instrução Normativa nº 2, de 30 de abril de 2008, e seus Anexos VII e VIII e inclui o Anexo IX. A SECRETÁRIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

1 OBJETIVO Estabelecer diretrizes e procedimentos para o pagamento de pequenas despesas, através do Fundo Fixo.

1 OBJETIVO Estabelecer diretrizes e procedimentos para o pagamento de pequenas despesas, através do Fundo Fixo. PS 02/28 1 OBJETIVO Estabelecer diretrizes e procedimentos para o pagamento de pequenas despesas, através do. 2 ABRANGÊNCIA. 3 CONCEITOS E DEFINIÇÕES 3.1 Valor disponibilizado em Caixa da SEDE Seccional

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA UTILIZAÇÃO E PRESTAÇÃO DE CONTAS DE RECURSOS DO FNDE

ORIENTAÇÕES PARA UTILIZAÇÃO E PRESTAÇÃO DE CONTAS DE RECURSOS DO FNDE ORIENTAÇÕES PARA UTILIZAÇÃO E PRESTAÇÃO DE CONTAS DE RECURSOS DO FNDE O PDDE consiste na assistência financeira às escolas públicas da educação básica das redes estaduais, municipais e do Distrito Federal

Leia mais

Número: 00190.004342/2013-31 Unidade Examinada: Município de Marília/SP

Número: 00190.004342/2013-31 Unidade Examinada: Município de Marília/SP Número: 00190.004342/2013-31 Unidade Examinada: Município de Marília/SP Relatório de Demandas Externas n 00190.004342/ 2013-31 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações de controle

Leia mais

EDITAL Nº 01/2015 AUXÍLIO FINANCEIRO PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS

EDITAL Nº 01/2015 AUXÍLIO FINANCEIRO PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS EDITAL Nº 01/2015 AUXÍLIO FINANCEIRO PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS Este edital dispõe sobre as normas para solicitação, concessão e utilização de auxílio financeiro para participação em eventos extracurriculares,

Leia mais

PROVIMENTO Nº 29/2005

PROVIMENTO Nº 29/2005 PROVIMENTO Nº 29/2005 Atualiza a disciplina da Seção IV, do Capítulo IX, do Tomo I, das Normas de Serviço da Corregedoria: subdividindo-a em Subseção I (itens 29 a 45-A) e Subseção II (itens 45-B a 45-O);

Leia mais

Gestão de Suprimento de Fundos

Gestão de Suprimento de Fundos Suporte Institucional MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS Gestão de Suprimento de Fundos Esta edição do Manual foi atualizada até 26/06/2014. Ministério Público Federal Procuradoria da República do Rio Grande

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O nº 1060/05

R E S O L U Ç Ã O nº 1060/05 TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DA BAHIA R E S O L U Ç Ã O nº 1060/05 Estabelece normas para a apresentação da documentação mensal da receita e despesa e da prestação de contas anual de Prefeituras

Leia mais

Controladoria Geral do Estado de Alagoas CGE. Guia Prático para Implantação do SERVIÇO DE INFORMAÇÕES AO CIDADÃO SIC (LEI 12.

Controladoria Geral do Estado de Alagoas CGE. Guia Prático para Implantação do SERVIÇO DE INFORMAÇÕES AO CIDADÃO SIC (LEI 12. Controladoria Geral do Estado de Alagoas CGE Guia Prático para Implantação do SERVIÇO DE INFORMAÇÕES AO CIDADÃO SIC (LEI 12.527/2011) 1 CONTROLADORIA GERAL DO ESTADO DE ALAGOAS - CGE Praça Marechal Floriano

Leia mais

Portaria n.º 65, de 28 de janeiro de 2015.

Portaria n.º 65, de 28 de janeiro de 2015. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Portaria n.º 65, de 28 de janeiro de 2015. O PRESIDENTE DO INSTITUTO NACIONAL

Leia mais

RESPOSTA AO PEDIDO DE ESCLARECIMENTO Nº 001/2015 APRESENTADO PELO ITAÚ UNIBANCO

RESPOSTA AO PEDIDO DE ESCLARECIMENTO Nº 001/2015 APRESENTADO PELO ITAÚ UNIBANCO RESPOSTA AO PEDIDO DE ESCLARECIMENTO Nº 001/2015 APRESENTADO PELO ITAÚ UNIBANCO PROCESSO LICITATÓRIO Nº 066/2015 PREGÃO PRESENCIAL Nº 050/2015 OBJETO: CONTRATAÇAO DE INSTITUIÇAO BANCARIA PARA OPERAR OS

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DAS FUNÇÕES GRATIFICADAS

ATRIBUIÇÕES DAS FUNÇÕES GRATIFICADAS ATRIBUIÇÕES DAS FUNÇÕES GRATIFICADAS ASSESSORIA DE IMPRENSA: Função GERENTE. Assessorar a Diretoria da Ceasa; Promover e divulgar notícias relacionadas a Ceasa; Estreitar o relacionamento da mídia com

Leia mais

Manual Prático Para Prestação de Contas

Manual Prático Para Prestação de Contas Manual Prático Para Prestação de Contas INTRODUÇÃO O presente manual tem por finalidade orientar os gestores de projetos culturais sobre os seus deveres, instruir como realizar as despesas e prestar contas

Leia mais

EDITAL N.º 001/2014, DE 28 DE JANEIRO DE 2014. CHAMAMENTO PÚBLICO

EDITAL N.º 001/2014, DE 28 DE JANEIRO DE 2014. CHAMAMENTO PÚBLICO EDITAL N.º 001/2014, DE 28 DE JANEIRO DE 2014. CHAMAMENTO PÚBLICO O MUNICÍPIO DE IBIRUBÁ-RS, Pessoa Jurídica de Direito Público, com sede na Rua Tiradentes, n.º 700, inscrito no CNPJ sob n.º 87.564.381/0001-10,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA STN Nº 02, DE 22 DE MAIO DE 2009. Dispõe sobre a Guia de Recolhimento da União - GRU, e dá outras providências.

INSTRUÇÃO NORMATIVA STN Nº 02, DE 22 DE MAIO DE 2009. Dispõe sobre a Guia de Recolhimento da União - GRU, e dá outras providências. INSTRUÇÃO NORMATIVA STN Nº 02, DE 22 DE MAIO DE 2009. Dispõe sobre a Guia de Recolhimento da União - GRU, e dá outras providências. O SECRETÁRIO DO TESOURO NACIONAL SUBSTITUTO, no exercício das atribuições

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MATO GROSSO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MATO GROSSO DO ESTADO DE MATO GROSSO INSTRUÇÃO NORMATIVA SPA Nº 03/2011 Versão: 01 Publicação: DJE nº de / /2012 Unidade Responsável: Departamento de Material e Patrimônio - DMP I FINALIDADE Dispor sobre os procedimentos

Leia mais

Diário Oficial Imprensa Nacional

Diário Oficial Imprensa Nacional INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 13, DE 22 DE OUTUBRO DE 2009 Dispõe sobre a documentação para regularização de equipamentos médicos das Classes de Risco I e II. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA COORDENADORIA DA RECEITA ESTADUAL

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA COORDENADORIA DA RECEITA ESTADUAL GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA COORDENADORIA DA RECEITA ESTADUAL RESOLUÇÃO CONJUNTA Nº 012/99/SEFAZ/CRE Porto Velho, 07 de junho de 1999. PUBLICADA NO DOE Nº 4269, DE 21/06/99

Leia mais

FIPLAN-BA - Sistema Integrado de Planejamento, Contabilidade e Finanças do Estado da Bahia. Transferências de Saldos da Programação Financeira

FIPLAN-BA - Sistema Integrado de Planejamento, Contabilidade e Finanças do Estado da Bahia. Transferências de Saldos da Programação Financeira ORIENTAÇÃO TÉCNICA FIPLAN Projeto FIPLAN-BA - Sistema Integrado de Planejamento, Contabilidade e Finanças do Estado da Bahia Unidade Responsável: DEPAT UNIDADE ORÇAMENTÁRIA Versão 3.0 Data: 17/04/2013

Leia mais

CAPÍTULO I OBJETO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO

CAPÍTULO I OBJETO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 392, DE 9 DE DEZEMBRO DE 2015 Dispõe sobre aceitação, registro, vinculação, custódia, movimentação e diversificação dos ativos garantidores das operadoras no âmbito do sistema

Leia mais

Ass.: Programa BNDES de Financiamento a Caminhoneiros - BNDES Procaminhoneiro

Ass.: Programa BNDES de Financiamento a Caminhoneiros - BNDES Procaminhoneiro Classificação: Documento Ostensivo Unidade Gestora: AOI CIRCULAR SUP AOI Nº 04/2014-BNDES Rio de Janeiro, 15 de janeiro de 2014 Ref.: Produto BNDES Finame Ass.: Programa BNDES de Financiamento a Caminhoneiros

Leia mais

ALFÂNDEGA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL NO PORTO DE PARANAGUÁ

ALFÂNDEGA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL NO PORTO DE PARANAGUÁ ALFÂNDEGA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL NO PORTO DE PARANAGUÁ PORTARIA Nº 97, DE 17 DE OUTUBRO DE 2008: Estabelece procedimentos a serem observados para autorização de conferência aduaneira em recinto alfandegado

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 001, de 07 de dezembro de 2001.

RESOLUÇÃO N.º 001, de 07 de dezembro de 2001. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA EXECUTIVA RESOLUÇÃO N.º 001, de 07 de dezembro de 2001. Dispõe sobre o atendimento pelo estabelecimento particular de ensino

Leia mais