PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SOF Nº

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SOF Nº"

Transcrição

1 PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SOF Nº 06, de O DESEMBARGADOR-PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO o disposto nos arts. 68 e 69 da Lei nº 4.320, de 17 de março de 1964, art. 74, 3º, do Decreto-lei nº 200, de 25 de fevereiro de 1967, arts. 45 e 46 do Decreto nº , de 23 de dezembro de 1986, nos Decretos n os 5.355, de 25 de janeiro de 2005, 6.370, de 1º de fevereiro de 2008 e Resolução Administrativa nº 49, do Conselho Superior da Justiça do Trabalho, de 30 de maio de 2008; CONSIDERANDO a necessidade de atualizar a regulamentação das despesas realizadas por meio de suprimento de fundos no âmbito deste Tribunal, RESOLVE: DISPOSIÇÃO PRELIMINAR Art. 1º O regime de adiantamento suprimento de fundos é aplicável aos casos de despesas expressamente definidas em lei e consiste na autorização de limite de crédito a servidor, sempre precedida de empenho na dotação própria, para o fim de realizar despesas que pela excepcionalidade, a critério do ordenador de despesa e sob sua inteira responsabilidade, não possam subordinar-se ao processamento normal de aplicação. CAPÍTULO I DA CONCESSÃO Art. 2º O suprimento de fundos será concedido nos seguintes casos: I - para atender despesas eventuais, inclusive em viagens e com serviços especiais, que exijam pronto pagamento em espécie; II - para atender despesas de pequeno vulto, assim entendidas aquelas cujos valores não ultrapassem a um por cento dos seguintes limites: a) para execução de obras e serviços de engenharia, do valor estabelecido na alínea a do inciso I do art. 23, da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993; b) para outros serviços e compras em geral, do valor estabelecido na alínea a do inciso II do art. 23, da Lei nº 8.666/93. 1º O limite de que trata o inciso II é o de cada objeto de despesa realizada, considerando-se o somatório das notas fiscais, faturas, recibos ou cupons fiscais, em cada suprimento de fundos, por classificação econômica, a nível de subitem, vedado o fracionamento da despesa ou do documento comprobatório para adequação a esse valor. 2º A despesa de pequeno vulto inclui a contribuição previdenciária patronal, quando se tratar de serviços de pessoa física. 3º O valor máximo de cada concessão de suprimento de fundos

2 para atender despesas de pequeno vulto é de dez por cento dos seguintes limites: I - para execução de obras e serviços de engenharia, do valor estabelecido na alínea a, inciso I, do art. 23 da Lei nº 8.666/93; II - para outros serviços e compras em geral, do valor estabelecido na alínea a, inciso II, do art. 23 da Lei nº 8.666/93. Art. 3º A solicitação de suprimento de fundos será formalizada mediante Proposta de Concessão de Suprimento de Fundos, a qual conterá: I nome e CNJP do Tribunal; II nome completo, cargo, função e CPF do proponente e do suprido; III indicação do valor total e individualizado por natureza da despesa; IV finalidade; V justificativa da excepcionalidade da despesa por suprimento, indicando o fundamento legal; VI indicação do valor autorizado para a modalidade de saque e fatura; VII assinatura do proponente e do suprido; VIII declaração do suprido de que não se enquadra nas vedações previstas no art. 5º desta Portaria e de estar ciente da legislação aplicável à concessão de suprimento de fundos, em especial aos dispositivos que regulam a sua finalidade, aplicação, prazos de utilização e de prestação de contas. Art. 4º O termo de concessão conterá: I - o nome do suprido; II a destinação do suprimento de fundos; III O valor total concedido, bem como o limite para saque, quando for o caso; IV o prazo máximo para utilização dos recursos, não podendo exceder noventa dias, nem ultrapassar o término do exercício financeiro; V o prazo para prestação de contas, não podendo ser superior a trinta dias ou ultrapassar 15 de janeiro do exercício subseqüente, se o prazo de aplicação coincidir com o término do exercício financeiro; VI - justificativa para a concessão de valor na modalidade de saque, para atender situações específicas, nos termos do art. 6º desta Portaria; VII assinatura do ordenador de despesa. Art. 5º Não se concederá suprimento de fundos a: I - responsável por dois suprimentos; II servidor que tenha a seu cargo a guarda ou a utilização do material a adquirir; III - responsável por suprimento de fundos que, esgotado o prazo, não tenha prestado contas de sua aplicação; IV servidor que esteja respondendo a inquérito administrativo ou declarado em alcance, entendido como tal o

3 que teve suas contas recusadas ou impugnadas em virtude de desvio, desfalque, falta ou má aplicação dos recursos recebidos; V ordenador de despesa, gestor financeiro, responsável pelo almoxarifado e patrimônio, bem como o responsável pelo parecer sobre a prestação de contas de suprimento de fundos, e seus respectivos substitutos. Parágrafo único. Por ocasião do preenchimento da proposta de concessão de suprimento de fundos, o suprido deverá declarar que não se enquadra nas vedações contidas nos incisos I, III e IV. CAPÍTULO II DA APLICAÇÃO DO SUPRIMENTO DE FUNDOS Art. 6º As despesas com suprimento de fundos serão efetivadas por meio do Cartão de Pagamento do Governo Federal CPGF, na modalidade de fatura, junto aos estabelecimentos afiliados, sendo permitida a modalidade de saque, devidamente autorizada no termo de concessão, somente nas seguintes situações: I quando o serviço for realizado por pessoa física; II quando o serviço ou o fornecimento de material for realizado por pessoa jurídica, desde que não haja na localidade estabelecimento afiliado. 1º A despesa executada na modalidade de saque deverá ser justificada a cada evento, não podendo ser superior a trinta por cento do total do gasto anual realizado por meio de suprimento de fundos. 2º No ato da primeira concessão de suprimento de fundos, o ordenador de despesa autorizará a emissão do CPGF, em nome do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região, indicando o suprido como portador. 3º O ordenador de despesa estabelecerá o limite de gasto, que corresponderá ao valor total empenhado para cada suprimento, fixado por meio de termo próprio. 4º Nenhuma transação com o CPGF poderá ultrapassar o valor do respectivo suprimento de fundos. 5º Em nenhuma hipótese será admitida transação pela modalidade de assinatura em arquivo, entendendo-se como tal aquela em que o portador adquire bens e serviços via telefone ou outro meio, sem assinar o correspondente comprovante de venda. 6º O CPGF é de uso pessoal e intransferível do portador nele indicado e exclusivo para realização de despesas por meio de suprimento de fundos. 7 O portador do CPGF que o utilizar para outros fins que não o previsto nesta Portaria deverá efetuar o ressarcimento dos valores indevidamente gastos, até a data do vencimento da respectiva fatura, sem prejuízo das sanções administrativas cabíveis. 8º Em caso de roubo, furto, perda ou extravio do cartão em vigor, o portador deverá comunicar imediatamente à Central de Atendimento da Administradora BB Cartões e ao ordenador de

4 despesa. 9º No ato da comunicação referida no parágrafo anterior, a Central de Atendimento da Administradora BB Cartões informará um Código Interno de Denúncia - CID, numérico, o qual constituirá confirmação e identificação do pedido de bloqueio do cartão. 10. O ressarcimento de eventuais transações fraudulentas com o cartão roubado, furtado ou extraviado, mesmo que efetuadas por terceiros, até a data e a hora da comunicação da ocorrência à Central de Atendimento da Administradora BB Cartões, será de inteira responsabilidade do suprido. CAPÍTULO III DAS VEDAÇÕES Art. 7º É vedada a utilização de suprimento de fundos nos seguintes casos: I - cobertura das despesas com locomoção de servidor em viagem; II - despesas com aquisição de material permanente; III - despesas com aquisição ou assinatura de revistas, jornais ou periódicos, bem como cartões, brindes, convites e congêneres, de natureza pessoal; IV - despesas com serviços que tenham cobertura contratual regular, ressalvadas as de natureza urgente; V - despesas com aquisição de material de consumo existente nos estoques regulares, ressalvadas as de natureza urgente. Parágrafo único. Nos casos referidos nos incisos IV e V, o suprido deverá justificar, por escrito, na respectiva prestação de contas, a utilização do suprimento de fundos. CAPÍTULO IV DA PRESTAÇÃO DE CONTAS Art. 8º O servidor detentor de suprimento de fundos ficará obrigado a prestar contas ao ordenador de despesa, dentro do prazo fixado para tal, independentemente de ter ou não utilizado o recurso, procedendo-se, de ofício, à Tomada de Contas Especial se não o fizer no prazo estabelecido, sem prejuízo das providências administrativas para apuração de responsabilidades e imposição das penalidades cabíveis. 1º Se o termo final do prazo para prestação de contas recair em período de férias ou afastamento do servidor, antecipar-se-á a prestação de contas para o último dia anterior ao do início do afastamento. 2º Na impossibilidade temporária ou definitiva do suprido realizar a prestação de contas, o ordenador de despesa designará um substituto para efetivá-la. 3º Recebida a prestação de contas, o ordenador de despesa a submeterá à apreciação prévia da Secretaria de Controle Interno e Auditoria, que emitirá parecer quanto a sua regularidade ou não. 4º O ordenador de despesa, após análise realizada pela Secretaria de Controle Interno e Auditoria, decidirá pela aprovação ou não da prestação de contas apresentada. Art. 9º A prestação de contas de suprimento de fundos será feita no mesmo processo de concessão e conterá os seguintes

5 documentos: I Relatório de prestação de contas contendo: a) saldo inicial do suprimento; b) data da realização da despesa; c) número do comprovante da despesa; d) descrição do evento ou objeto da despesa; e) nome do fornecedor do material ou do prestador do serviço; f) valor de cada item adquirido ou do serviço prestado; g) finalidade da aquisição do material ou da prestação do serviço, individualizada por item, evento ou objeto da despesa; h) justificativa para cada saque, contendo as circunstâncias que impediram os procedimentos normais de utilização da modalidade fatura; i) saldo não-utilizado do suprimento de fundos, se for o caso. II - comprovantes das despesas realizadas, em original e legíveis, sem emendas, rasuras ou borrões, emitidos em data igual ou posterior à da disponibilização do recurso, e compreendidos dentro do período fixado para aplicação, sendo: a) no caso de compra de material, nota fiscal ou cupom fiscal; b) no caso de prestação de serviço por pessoa jurídica, nota fiscal ou fatura de serviços; c) no caso de prestação de serviço por pessoa física, recibo ou nota fiscal do credor, constando obrigatoriamente, de forma clara, o nome, o CPF, o número de inscrição no INSS ou o registro no PIS/PASEP, o valor bruto dos serviços, o valor da contribuição previdenciária retida e o valor líquido final. III - comprovantes das transações efetuadas por meio do CPGF (saque e fatura); IV - Guia de Recolhimento da União - GRU, quando for o caso; V - justificativa das despesas realizadas que possuam cobertura contratual ou aquisição de materiais existentes no estoque regular; VI - justificativa da permanência com valores em espécie por mais de três dias úteis, observado o limite indicado na tabela prevista no art º Os comprovantes das despesas realizadas serão emitidos em nome do Tribunal Regional do Trabalho, com a indicação do número do CNPJ e do endereço da unidade que esteja recebendo os serviços ou o material, devendo conter, por parte do fornecedor ou prestador de serviço, a declaração de recebimento da importância paga, quando se tratar de pagamento em espécie. 2º Os comprovantes referidos no parágrafo anterior deverão ser atestados por outros servidores que não o suprido, que tenham conhecimento das condições em que estas ocorreram, com aposição da data, assinatura e carimbo identificador, consignados em data igual ou posterior à da emissão do comprovante. 3º No caso de prestação de serviço por pessoa jurídica, mediante empreitada, o suprido deverá reter a contribuição previdenciária sobre a mão-de-obra contida na nota fiscal ou fatura, devendo a retenção ocorrer sobre os serviços de limpeza, conservação, zeladoria e construção civil. 4º A contratada deverá consignar na nota fiscal ou fatura,

6 de forma discriminada, o valor da retenção para a Seguridade Social. 5º No caso de prestação de serviço por pessoa física, o suprido deverá providenciar a retenção da contribuição previdenciária sobre o valor total do recibo ou nota fiscal. 6º O suprido deverá encaminhar à Secretaria de Orçamento e Finanças, dentro do mês de ocorrência, cópia das notas fiscais e dos recibos sobre os quais houve incidência da contribuição previdenciária, para fins de recolhimento do tributo, bem como de informação do contribuinte individual na Guia de Recolhimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço e Informação à Previdência Social GFIP. 7º O suprido, antes de submeter a prestação de contas ao ordenador de despesa, deverá verificar se foram atendidas as disposições desta Portaria, conferindo a exatidão dos números de inscrições informados, dos valores constantes dos documentos comprobatórios das despesas (notas fiscais, faturas, cupons fiscais, recibos e GRU), observando se as quantidades, as especificações e os valores unitários, parciais e totais estão corretos e se correspondem aos comprovantes das operações realizadas. 8º No caso de saque por meio do CPGF, o valor deverá corresponder ao da despesa a ser realizada. 9º Se o valor do saque exceder ao da despesa a ser realizada, observado o limite divulgado por meio da tabela prevista no art. 12, a importância excedente deverá ser devolvida por intermédio da Guia de Recolhimento da União - GRU, no prazo máximo de três dias úteis a partir do dia seguinte da data de retirada, deduzindo do valor do suprimento a ser utilizado. 10. A Guia de Recolhimento da União - GRU referida no parágrafo anterior deverá ser encaminhada à Secretaria de Orçamento e Finanças, via fac-símile, para registro no Sistema Integrado de Administração Financeira SIAFI. 11. Observado o limite referido no 9º deste artigo, caso o valor excedente permaneça com o suprido sem justificativa formal, por prazo superior a três dias úteis, a autoridade competente deverá apurar responsabilidades. 12. Nos casos em que o suprido ausentar-se por um período longo ou estiver impossibilitado de efetuar a devolução prevista no 9º, poderá permanecer com valores em espécie acima do prazo indicado, justificando formalmente as circunstâncias do impedimento. 13. O valor excedente que não atingir o limite previsto no 9º, caso não utilizado no prazo de aplicação dos recursos, poderá ser devolvido, em espécie ou por meio de GRU, no momento da prestação de contas, observadas as disposições descritas no O suprido não poderá transferir a outrem a responsabilidade pela aplicação e prestação de contas do suprimento de fundos. Art. 10. Verificada alguma irregularidade na prestação de contas, o processo respectivo será devolvido ao suprido, que terá o prazo de cinco dias úteis, a contar do recebimento, para proceder às correções necessárias e reapresentá-lo ao

7 ordenador de despesa. CAPÍTULO V DAS DISPOSIÇÕES FINAIS Art. 11. O suprido que deixar de movimentar recursos por meio de suprimento de fundos, deverá devolver o Cartão de Pagamento do Governo Federal - CPGF em seu poder, anexando-o ao seu último processo de prestação de contas. Art. 12. Serão divulgados pela Secretaria de Orçamento e Finanças, por meio de tabelas e formulários acostados aos respectivos processos de suprimento de fundos: I - os valores limites para concessão de suprimento de fundos e para despesas de pequeno vulto; II o percentual a ser retido referente à contribuição previdenciária incidente sobre os serviços prestados por pessoa física e jurídica, bem como a parcela a cargo do Tribunal; III - o endereço eletrônico e os códigos da Guia de Recolhimento da União GRU; IV - o valor limite excedente de saque que poderá permanecer em poder do suprido além do prazo de três dias úteis; V - o modelo de recibo para pessoa física; VI o modelo do relatório de prestação de contas. Art. 13. As dúvidas que surgirem na aplicação dos recursos de suprimento de fundos poderão ser esclarecidas pelas Secretarias de Orçamento e Finanças e de Controle Interno e Auditoria. Art. 14. O suprido que deixar de observar as disposições contidas nesta Portaria estará sujeito às penalidades previstas na Lei nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990, mediante a instauração de sindicância ou processo administrativo disciplinar, conforme o caso. Parágrafo único. Em caso de conversão da penalidade em multa, o seu valor ficará limitado ao montante da despesa realizada em desacordo com esta Portaria. Art. 15. Os casos omissos serão resolvidos pela Diretoria-Geral. Art. 16. Esta Portaria entrará em vigor na data da sua publicação, revogando a Portaria TRT 18ª GP/DGCA nº 485, de 12 de dezembro de Publique-se no Diário da Justiça Eletrônico do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região e no Boletim Interno. Gentil Pio de Oliveira Desembargador Federal do Trabalho Presidente do Tribunal Regional do Trabalho 18ª Região TABELA ARTIGO 12 VALORES LIMITES PARA CONCESSÃO DE SUPRIMENTO DE FUNDOS DISCRIMINAÇÃO VALOR EM R$ Execução de obras e serviços de engenharia (10% da alínea a do inciso I do art. 23 da Lei nº 8.666/1993) ,00

8 Outros serviços e compras em geral (10% da alínea a do inciso II do art. 23 da Lei nº 8.666/1993) ,00 - LIMITE MÁXIMO DA DESPESA DE PEQUENO VULTO: DISCRIMINAÇÃO VALOR EM R$ Execução de obras e serviços de engenharia (1% da alínea a do inciso I do art. 23 da Lei nº 8.666/1993). Outros serviços e compras em geral (1% da alínea a do inciso II do art. 23 da Lei nº 8.666/1993). OUTRAS INFORMAÇÕES - CNPJ DO TRIBUNAL: / ,00 800,00 - PERCENTUAL DE RETENÇÃO DO INSS PRESTADOR DE SERVIÇO: 11% (SERVIÇO PESSOA FÍSICA E JURÍDICA) - PERCENTUAL DE RETENÇÃO DO INSS PATRONAL: 20% (SERVIÇO PESSOA FÍSICA E JURÍDICA) Endereço Eletrônico da Guia de Recolhimento da União-GRU/Simples: https://consulta.tesouro.fazenda.gov.br/gru/gru_simples.asp Código unidade favorecida/gestão GRU: /00001 Código de recolhimento GRU: CPF e nome do contribuinte GRU: dados do suprido recolhedor Valor principal e total GRU: valor do recolhimento Valor limite excedente de saque que poderá permanecer em poder do suprido por mais de três dias úteis: R$ 30,00

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA-GERAL Departamento de Administração INSTRUÇÃO NORMATIVA DA/PGT Nº 01, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2010.

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA-GERAL Departamento de Administração INSTRUÇÃO NORMATIVA DA/PGT Nº 01, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2010. MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA-GERAL Departamento de Administração INSTRUÇÃO NORMATIVA DA/PGT Nº 01, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2010. Regulamenta a concessão, aplicação e prestação de contas dos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 02/2015 - CD

RESOLUÇÃO Nº 02/2015 - CD Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado da Educação e da Cultura - SEEC FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE FUERN Conselho Diretor - CD Rua Almino Afonso, 478 -

Leia mais

SUPRIMENTO DE F RIMENTO UNDOS

SUPRIMENTO DE F RIMENTO UNDOS SUPRIMENTO DE FUNDOS - Legislação Oficina 75 ABOP Slide 1 Oficina nº 75 Suprimento de Fundos - Legislação Carga Horária: 4h Conteúdo: 1. Conceito e normatização de suprimento de fundos. Finalidades. Despesas

Leia mais

INSTRUÇÃO INTERNA DE PROCEDIMENTOS IIP Nº 005, de 24 de agosto de 2011 (*)

INSTRUÇÃO INTERNA DE PROCEDIMENTOS IIP Nº 005, de 24 de agosto de 2011 (*) INSTRUÇÃO INTERNA DE PROCEDIMENTOS IIP Nº 005, de 24 de agosto de 2011 (*) Disciplina no âmbito do IFPR as Orientações acerca da Execução Orçamentária e Financeira, relativas à Concessão de Suprimentos

Leia mais

ESTADO DE RORAIMA GOVERNADOR DO ESTADO JOSÉ DE ANCHIETA JÚNIOR VICE-GOVERNADOR DO ESTADO FRANCISCO DE ASSIS ROGRIGUES

ESTADO DE RORAIMA GOVERNADOR DO ESTADO JOSÉ DE ANCHIETA JÚNIOR VICE-GOVERNADOR DO ESTADO FRANCISCO DE ASSIS ROGRIGUES ESTADO DE RORAIMA GOVERNADOR DO ESTADO JOSÉ DE ANCHIETA JÚNIOR VICE-GOVERNADOR DO ESTADO FRANCISCO DE ASSIS ROGRIGUES CONTROLADORIA GERAL DO ESTADO DE RORAIMA Controladora Geral MARIA PERPÉTUA S. G. MAGALHÃES

Leia mais

Manual de Orientações ao Portador

Manual de Orientações ao Portador Cartão de Pagamento do Governo Federal CPFG Manual de Orientações ao Portador PARA USO INTERNO Revisado pela equipe da Divisão de Contabilidade e Finanças/DCF Mossoró-RN, Fevereiro de 2010. CARTÃO DE PAGAMENTOS

Leia mais

Suprimento de Fundos

Suprimento de Fundos prazo de cinco dias para ratificar a autorização e promover a publicação na imprensa oficial. Data da autorização do Diretor: 8 de dezembro de 2005. Data limite para a comunicação ao Secretário-Geral:

Leia mais

RESOLUÇÃO DA DIRETORIA Nº 09/2014

RESOLUÇÃO DA DIRETORIA Nº 09/2014 CONSÓRCIO PÚBLICO INTERMUNICIPAL DE SAÚDE DO NORTE PIONEIRO RESOLUÇÃO DA DIRETORIA Nº 09/2014 A Diretoria Administrativa do Consórcio Público Intermunicipal de Saúde do Norte Pioneiro -, no uso de suas

Leia mais

CONTROLADORIA GERAL DO ESTADO ADIANTAMENTO POR MEIO DE CARTÃO CORPORATIVO

CONTROLADORIA GERAL DO ESTADO ADIANTAMENTO POR MEIO DE CARTÃO CORPORATIVO CONTROLADORIA GERAL DO ESTADO ADIANTAMENTO POR MEIO DE CARTÃO CORPORATIVO ADIANTAMENTO Recurso concedido a servidor a critério e sob a responsabilidade do ordenador de despesas com prazo certo para aplicação

Leia mais

Manual Cartão de Pagamento do Governo Federal. Banco do Setor público

Manual Cartão de Pagamento do Governo Federal. Banco do Setor público Manual Cartão de Pagamento do Governo Federal Banco do Setor público 2 Sumário Introdução 04 Cartão de Pagamento do Governo Federal CPGF 04 Passo a Passo 10 Perguntas e Respostas 12 Legislação I Ementa

Leia mais

BOLETIM ADMINISTRATIVO Nº 020 DE 12 a 16/05/14

BOLETIM ADMINISTRATIVO Nº 020 DE 12 a 16/05/14 Leia-se:...Art. 1º DELEGAR COMPETÊNCIA e as responsabilidades decorrentes ao Superintendente Regional do DNIT nos estados de Goiás e Distrito Federal para Lavrar o Termo Aditivo de Prorrogação de prazo,

Leia mais

Volume V. Suprimento de Fundos MACONFI. Manual de Procedimentos da Coordenadoria de Contabilidade e Finanças. 1ª Edição Janeiro / 2013

Volume V. Suprimento de Fundos MACONFI. Manual de Procedimentos da Coordenadoria de Contabilidade e Finanças. 1ª Edição Janeiro / 2013 Volume V Suprimento de Fundos MACONFI Manual de Procedimentos da Coordenadoria de Contabilidade e Finanças 1ª Edição Janeiro / 2013 Sumário 1. Conteúdo... 3 2. Conceitos... 3 3. Restrições à concessão

Leia mais

CAPITULO 020000 - SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DO GOVERNO FEDERAL - SIAFI

CAPITULO 020000 - SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DO GOVERNO FEDERAL - SIAFI CAPITULO 020000 - SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DO GOVERNO FEDERAL - SIAFI SECAO 021100 - OUTROS PROCEDIMENTOS ASSUNTO 021121 - SUPRIMENTO DE FUNDOS 1 - REFERÊNCIAS: 11 - RESPONSABILIDADE

Leia mais

Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro

Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro Manoel Alberto Rebêlo dos Santos Presidente Raimundo Aben Athar DiretorGeral de Planejamento, Coordenação e Finanças Bárbara Cristina Corrêa Mendonça DiretoraGeral

Leia mais

IV Semana de AOFCP Suprimento de Fundos - Legislação. Suprimento de Fundos. Legislação ABOP BIRD

IV Semana de AOFCP Suprimento de Fundos - Legislação. Suprimento de Fundos. Legislação ABOP BIRD Suprimento de Fundos Legislação Painéis/Oficinas is/oficinas Área Planejamento Cod 10 20 PPA LDO Sigla Oficina CH 21 Previsão da Receita Orçamento 22 23 Orçamento - Elaboração Orçamento Alterações Orçamentárias

Leia mais

Objetivo. Atualização de conceitos e dos procedimentos na execução de processo administrativo referente a Suprimento de Fundos.

Objetivo. Atualização de conceitos e dos procedimentos na execução de processo administrativo referente a Suprimento de Fundos. Objetivo Atualização de conceitos e dos procedimentos na execução de processo administrativo referente a Suprimento de Fundos. 2 --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA N 06/2013 de 16 DE DEZEMBRO de 2013

PORTARIA NORMATIVA N 06/2013 de 16 DE DEZEMBRO de 2013 PORTARIA NORMATIVA N 06/2013 de 16 DE DEZEMBRO de 2013 Dispõe sobre a concessão, aplicação e prestação de contas de suprimento de fundos no âmbito do Conselho de Arquitetura e Urbanismo de Santa Catarina

Leia mais

GABINETE DO MINISTRO

GABINETE DO MINISTRO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 265, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2001 O MINISTRO DE ESTADO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO, no uso de suas atribuições, e considerando o disposto no art. 8º do Decreto nº

Leia mais

Perguntas & Respostas

Perguntas & Respostas SUPRIMENTO DE FUNDOS E? CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO - CGU Jorge Hage Sobrinho Ministro-Chefe da Controladoria-Geral da União Luiz Augusto Fraga Navarro de Britto Filho Secretário

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO PRESIDÊNCIA PORTARIA CNMP-PRESI N.º 88 DE 26 DE OUTUBRO DE 2010.

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO PRESIDÊNCIA PORTARIA CNMP-PRESI N.º 88 DE 26 DE OUTUBRO DE 2010. PORTARIA CNMP-PRESI N.º 88 DE 26 DE OUTUBRO DE 2010. Regulamenta a utilização, manutenção e controle do Sistema de Telefonia fixa e móvel, no âmbito do Conselho Nacional do Ministério Público. O PRESIDENTE

Leia mais

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO Nº 001/2009-GRE

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO Nº 001/2009-GRE GABINETE DA REITORIA INSTRUÇÃO DE SERVIÇO Nº 001/2009-GRE ORIENTA OS DETENTORES DE RECURSOS RECEBIDOS POR MEIO DO REGIME DE ADIANTAMENTO, NA SUA EXECUÇÃO. O Reitor da Universidade Estadual do Oeste do

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.311, de 31 de dezembro de 2012

Instrução Normativa RFB nº 1.311, de 31 de dezembro de 2012 Instrução Normativa RFB nº 1.311, de 31 de dezembro de 2012 DOU de 31.12.2012 Altera a Instrução Normativa RFB nº 1.131, de 21 de fevereiro de 2011, que dispõe sobre os procedimentos a serem adotados para

Leia mais

Suprimentos de fundos (adiantamentos) Manual de Suprimento de fundos Concessão, aplicação e prestação de contas

Suprimentos de fundos (adiantamentos) Manual de Suprimento de fundos Concessão, aplicação e prestação de contas Suprimentos de fundos (adiantamentos) Manual de Suprimento de fundos Concessão, aplicação e prestação de contas 1 Este manual foi desenvolvido com o objetivo de orientar e informar de forma direta sobre

Leia mais

CAPITULO 020000 - SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DO GOVERNO FEDERAL - SIAFI

CAPITULO 020000 - SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DO GOVERNO FEDERAL - SIAFI CAPITULO 020000 - SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DO GOVERNO FEDERAL - SIAFI SECAO 021100 - OUTROS PROCEDIMENTOS ASSUNTO 021121 - SUPRIMENTO DE FUNDOS 1 - REFERÊNCIAS: 11 - RESPONSABILIDADE

Leia mais

MINUTA-PARÂMETRO DE CONTRATO PARA AQUISIÇÃO DE BENS DE INFORMÁTICA E AUTOMAÇÃO, DECORRENTE DE PREGÃO ELETRÔNICO. Anexo nº...

MINUTA-PARÂMETRO DE CONTRATO PARA AQUISIÇÃO DE BENS DE INFORMÁTICA E AUTOMAÇÃO, DECORRENTE DE PREGÃO ELETRÔNICO. Anexo nº... MINUTA-PARÂMETRO DE CONTRATO PARA AQUISIÇÃO DE BENS DE INFORMÁTICA E AUTOMAÇÃO, DECORRENTE DE PREGÃO ELETRÔNICO. Anexo nº... Minuta Contratual CONTRATO Nº.../... QUE FIRMAM A UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS

Leia mais

Elaboração: Nilson José da Silva. Auditor do Estado. Cristina Santos Vilella. Auditora do Estado

Elaboração: Nilson José da Silva. Auditor do Estado. Cristina Santos Vilella. Auditora do Estado Versão 1 - Cuiabá Novembro de 2005 1 Elaboração: Nilson José da Silva Auditor do Estado Cristina Santos Vilella Auditora do Estado 2 APRESENTAÇÃO A Auditoria-Geral do Estado de Mato Grosso AGE-MT após

Leia mais

Quarta-feira, 14 de Maio de 2014 N 628

Quarta-feira, 14 de Maio de 2014 N 628 LEI N 812 de 12 de maio de 2014. Institui a Nota Fiscal de Serviços Eletrônica - NFS-e, a Ferramenta de Declaração Eletrônica de Serviços - DES, e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE GUAPIMIRIM,,

Leia mais

CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO

CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO Boa Vista RR Maio/2013 ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 03 1. OBJETO... 04 2. CONCEITOS... 05 2.1 SUPRIMENTO DE FUNDOS... 05 2.2 AGENTE SUPRIDO... 05 2.3 DESPESAS DE PEQUENO VULTO E PRONTA LIQUIDAÇÃO... 05 2.4 NATUREZA

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS O MOVIMENTO DAS DONAS DE CASA E CONSUMIDORES DE MINAS GERAIS MDC, doravante denominada OSCIP, pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, inscrita no CNPJ sob o n. 20.966.842/0001-00, com

Leia mais

SEGUNDA ATUALIZAÇÃO DA ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº.006/2015 PREGÃO PRESENCIAL Nº.008/2015. VALIDADE: 01/04/2016

SEGUNDA ATUALIZAÇÃO DA ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº.006/2015 PREGÃO PRESENCIAL Nº.008/2015. VALIDADE: 01/04/2016 SEGUNDA ATUALIZAÇÃO DA ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº.006/2015 PREGÃO PRESENCIAL Nº.008/2015. VALIDADE: 01/04/2016 Aos três dias do mês de junho de 2015, o Município de Santo Antônio da Patrulha/RS, neste

Leia mais

PORTARIA Nº 146 /2011-DG BRASÍLIA, 16 DE JUNHO DE 2011.

PORTARIA Nº 146 /2011-DG BRASÍLIA, 16 DE JUNHO DE 2011. PORTARIA Nº 146 /2011-DG BRASÍLIA, 16 DE JUNHO DE 2011. DISPÕE SOBRE O PROCESSO DE INCENTIVO DE CONCESSÃO DE BOLSA DE ESTUDO DE IDIOMA ESTRANGEIRO NO ÂMBITO DA AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JAGUARAÇU ESTADO DE MINAS GERAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE JAGUARAÇU ESTADO DE MINAS GERAIS ATA DE REGISTRO DE PREÇOS/CONTRATO Nº004-B/2016 PROCESSO LICITATÓRIO Nº018/2016 MODALIDADE: PREGÃO PRESENCIAL N 006/2016 VALIDADE: 12 (doze) meses O Município de Jaguaraçu, neste ato representado por seu

Leia mais

Pagamento de Despesa por Meio de Adiantamento. DNT/SSSCI/SF Março 2013

Pagamento de Despesa por Meio de Adiantamento. DNT/SSSCI/SF Março 2013 Meio de Adiantamento DNT/SSSCI/SF Março 2013 Realização Secretaria da Fazenda Subsecretaria do Sistema de Controle Interno Departamento de Normas Técnicas Apresentação David Fabri Monique Junqueira Ferraz

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul MUNICIPIO DE ERECHIM PREFEITURA MUNICIPAL Praça da Bandeira, 354 Fone: 54 520 7000 99700-000 Erechim RS

Estado do Rio Grande do Sul MUNICIPIO DE ERECHIM PREFEITURA MUNICIPAL Praça da Bandeira, 354 Fone: 54 520 7000 99700-000 Erechim RS MINUTA 175/2014 CONTRATO ADMINISTRATIVO N.º /2014 PROCESSO N.º 8287/2014 - PREGÃO PRESENCIAL N.º 153/2014 AQUISIÇÃO DE PEÇAS PARA CONSERTO DA MÁQUINA M-65 - SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS PÚBLICAS E HABITAÇÃO

Leia mais

Dispõe sobre a Cotação Eletrônica de Preços no Estado do Rio Grande do Sul.

Dispõe sobre a Cotação Eletrônica de Preços no Estado do Rio Grande do Sul. LEI Nº 13.179, DE 10 DE JUNHO DE 2009 Business Online Comunicação de Dados Dispõe sobre a Cotação Eletrônica de Preços no Estado do Rio Grande do Sul. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Faço

Leia mais

Portaria n.º 65, de 28 de janeiro de 2015.

Portaria n.º 65, de 28 de janeiro de 2015. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Portaria n.º 65, de 28 de janeiro de 2015. O PRESIDENTE DO INSTITUTO NACIONAL

Leia mais

Fundação de Apoio à Capacitação em Tecnologia da Informação - Facti PROCEDIMENTO DA QUALIDADE PROCEDIMENTO DE AQUISIÇÃO DE SUPRIMENTOS E SERVIÇOS

Fundação de Apoio à Capacitação em Tecnologia da Informação - Facti PROCEDIMENTO DA QUALIDADE PROCEDIMENTO DE AQUISIÇÃO DE SUPRIMENTOS E SERVIÇOS Fundação de Apoio à Capacitação em Tecnologia da Informação - Facti PROCEDIMENTO DA QUALIDADE PROCEDIMENTO DE AQUISIÇÃO DE SUPRIMENTOS E SERVIÇOS Código Revisão Confidencialidade Data Página PQ-0002 Rev.

Leia mais

2.2. É vedada a participação na Licitação de pessoas jurídicas que:

2.2. É vedada a participação na Licitação de pessoas jurídicas que: SECRETARIA DA EDUCAÇÃO 6ª COORDENADORIA REGIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO 6ª CREDE RUA DR. JOSÉ EUCLIDES FERREIRA GOMES, S/N COLINA DA BOA VISTA- SOBRAL CNPJ: 00.273.843/0001-61 CARTA CONVITE Nº

Leia mais

MANUAL DE FISCALIZAÇÃO DA LIQUIDAÇÃO DE DESPESA (MFLD)

MANUAL DE FISCALIZAÇÃO DA LIQUIDAÇÃO DE DESPESA (MFLD) SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE INTERNO - SCI GERÊNCIA DE AÇÃO PREVENTIVA - GEAP COORDENAÇÃO DE AÇÃO PREVENTIVA - COAP MANUAL DE FISCALIZAÇÃO DA LIQUIDAÇÃO DE DESPESA (MFLD) GOIÂNIA, JULHO DE 2009 1ª EDIÇÃO

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal da Integração Latino-Americana

Ministério da Educação Universidade Federal da Integração Latino-Americana Ministério da Educação Universidade Federal da Integração Latino-Americana EDITAL PROEX 10/2014, de 05 de agosto de 2014 PROFIEX 2014 A Comissão Superior de Extensão e a Pró-Reitora de Extensão da Universidade

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 002, de 31 de agosto de 2015.

INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 002, de 31 de agosto de 2015. INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 002, de 31 de agosto de 2015. FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA GABINETE DO REITOR - GAB PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO - PROAD Disciplina no âmbito da UDESC os procedimentos

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 24, DE 25 DE JUNHO DE 2009.

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 24, DE 25 DE JUNHO DE 2009. AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 24, DE 25 DE JUNHO DE 2009. Dispõe sobre o Processo de Concessão de Bolsas de Estudo em Idiomas como parte integrante do Programa Permanente de

Leia mais

DELIBERAÇÃO Nº 198 23 de janeiro de 1996. O TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições constitucionais e legais, e

DELIBERAÇÃO Nº 198 23 de janeiro de 1996. O TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições constitucionais e legais, e DELIBERAÇÃO Nº 198 23 de janeiro de 1996 Dispõe sobre a instauração e organização de processos de prestação de contas, tomada de contas e tomada de contas especial, no âmbito da Administração Estadual,

Leia mais

DECRETO Nº 32.250 DE 11 DE MAIO DE 2010. (Com as alterações introduzidas pelo Decreto nº 39.340 de 20/10/2014)

DECRETO Nº 32.250 DE 11 DE MAIO DE 2010. (Com as alterações introduzidas pelo Decreto nº 39.340 de 20/10/2014) DECRETO Nº 32.250 DE 11 DE MAIO DE 2010 (Com as alterações introduzidas pelo Decreto nº 39.340 de 20/10/2014) Dispõe sobre a Nota Fiscal de Serviços Eletrônica-NFS-e NOTA CARIOCA e dá outras providências.

Leia mais

Gestão de Suprimento de Fundos

Gestão de Suprimento de Fundos Suporte Institucional MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS Gestão de Suprimento de Fundos Esta edição do Manual foi atualizada até 26/06/2014. Ministério Público Federal Procuradoria da República do Rio Grande

Leia mais

REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS RCC IJUCI/MG CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS SEÇÃO I DOS PRINCÍPIOS

REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS RCC IJUCI/MG CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS SEÇÃO I DOS PRINCÍPIOS REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS RCC IJUCI/MG CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS SEÇÃO I DOS PRINCÍPIOS Art. 1º Este regulamento aplica os procedimentos e os princípios observados pelo Instituto

Leia mais

Manual Prático Para Prestação de Contas

Manual Prático Para Prestação de Contas Manual Prático Para Prestação de Contas INTRODUÇÃO O presente manual tem por finalidade orientar os gestores de projetos culturais sobre os seus deveres, instruir como realizar as despesas e prestar contas

Leia mais

EEEP PROFESSOR GUSTAVO AUGUSTO LIMA E-mail: eeepgustavolima@escola.ce.gov.br Lavras da Mangabeira Ceará

EEEP PROFESSOR GUSTAVO AUGUSTO LIMA E-mail: eeepgustavolima@escola.ce.gov.br Lavras da Mangabeira Ceará MINUTA DO CONVITE Nº 030/2014. Natureza da Despesa: SERVIÇOS PESSOA JURÍDICA 3390390091 - REPASSE PARA MANUTENÇÃO DE ESCOLAS Data de Emissão: 29/09/2013 Data da Licitação: 09/10/2014 Hora da Licitação:

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS RESOLUÇÃO N 137, DE 21 DE JANEIRO DE 2010.

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS RESOLUÇÃO N 137, DE 21 DE JANEIRO DE 2010. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS RESOLUÇÃO N 137, DE 21 DE JANEIRO DE 2010. Dispõe sobre os parâmetros para a criação e o funcionamento dos Fundos Nacional, Estaduais e Municipais

Leia mais

LEI ORDINÁRIA N 1693, DE 18 DE NOVEMBRO DE 1985

LEI ORDINÁRIA N 1693, DE 18 DE NOVEMBRO DE 1985 LEI ORDINÁRIA N 1693, DE 18 DE NOVEMBRO DE 1985 Institui o regime de adiantamento no Município. DAYTON ALEIXO DE SOUZA, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, usando das atribuições que

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO PORTARIA N.º 652, DE 19 DE MAIO DE 2011 RESOLVE: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO PORTARIA N.º 652, DE 19 DE MAIO DE 2011 RESOLVE: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS PORTARIA N.º 652, DE 19 DE MAIO DE 2011 A SECRETÁRIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso de suas atribuições legais, especialmente em referência ao disposto no artigo 25, da Constituição Federal de 1988, e ao

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001, de 29 de março de 2016. FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC GABINETE DO REITOR - GAB PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO - PROAD Disciplina no âmbito da UDESC

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE RONDONÓPOLIS Estado de Mato Grosso

CÂMARA MUNICIPAL DE RONDONÓPOLIS Estado de Mato Grosso INSTRUÇÃO NORMATIVA SCL- Nº. 002/2013- Versão 02 Unidade Responsável: Secretaria Legislativa de Administração Unidade Executora: Setor de Material e Patrimônio Aprovação em: 24/01/13 Dispõe sobre os procedimentos

Leia mais

Apresentar recibo original emitido pela organização do evento, constando inclusive à assinatura do recebedor.

Apresentar recibo original emitido pela organização do evento, constando inclusive à assinatura do recebedor. Apresentar recibo original emitido pela organização do evento, constando inclusive à assinatura do recebedor. acompanhado dos cartões de embarque originais utilizados; f) A FAPERJ não aceitará o pagamento

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL PORTARIA N 1.095/SAF, DE 03 DE OUTUBRO 2007.

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL PORTARIA N 1.095/SAF, DE 03 DE OUTUBRO 2007. AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL PORTARIA N 1.095/SAF, DE 03 DE OUTUBRO 2007. Dispõe sobre procedimentos relativos à supervisão, à fiscalização e à gestão dos contratos, convênios e outros ajustes de

Leia mais

MODELO DE RELATÓRIO DO TOMADOR DE CONTAS ESPECIAL

MODELO DE RELATÓRIO DO TOMADOR DE CONTAS ESPECIAL Anexo IX MODELO DE RELATÓRIO DO TOMADOR DE CONTAS ESPECIAL (PARA TOMADAS DE CONTAS ESPECIAIS QUE NÃO TRATEM DE RECURSOS REPASSADOS POR CONVÊNIO OU INSTRUMENTOS CONGÊNERES) RELATÓRIO DE TCE Nº 999/20XX

Leia mais

Art. 1º Atualizar o Regulamento que disciplina o funcionamento da Biblioteca do Tribunal Regional do Trabalho, conforme o que segue:

Art. 1º Atualizar o Regulamento que disciplina o funcionamento da Biblioteca do Tribunal Regional do Trabalho, conforme o que segue: ATO EJTRT Nº 03/2014 O DIRETOR DA ESCOLA JUDICIAL DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 24ª REGIÃO, no uso de suas atribuições regimentais e regulamentares, CONSIDERANDO os objetivos da Escola Judicial do

Leia mais

Execução de Despesa. DNT/SSSCI/SF Abril 2013

Execução de Despesa. DNT/SSSCI/SF Abril 2013 DNT/SSSCI/SF Abril 2013 Realização Secretaria da Fazenda Subsecretaria do Sistema de Controle Interno Departamento de Normas Técnicas Apresentação David Fabri Monique Junqueira Ferraz Zanella INTRODUÇÃO

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO N.º 01/2009-CEUNI, de 01 de abril de 2009

ORDEM DE SERVIÇO N.º 01/2009-CEUNI, de 01 de abril de 2009 ORDEM DE SERVIÇO N.º 01/2009-CEUNI, de 01 de abril de 2009 (Disponibilizada no Diário Eletrônico da Justiça Federal da 3ª Região em 03/04/2009) Texto atualizado com as Ordens de Serviço nºs 02 e 03 até

Leia mais

*DECRETO Nº 2.101, DE 18 DE AGOSTO DE 2009.

*DECRETO Nº 2.101, DE 18 DE AGOSTO DE 2009. Diário Oficial nº : 25145 Data de publicação: 24/08/2009 Matéria nº : 238068 *DECRETO Nº 2.101, DE 18 DE AGOSTO DE 2009. Dispõe sobre a concessão de diárias a servidores públicos civis ou militares e empregados

Leia mais

PORTARIA-ISC Nº 17, DE 30 DE JULHO DE 2012

PORTARIA-ISC Nº 17, DE 30 DE JULHO DE 2012 PORTARIA-ISC Nº 17, DE 30 DE JULHO DE 2012 Dispõe sobre a concessão de incentivos ao estudo de idioma estrangeiro para os servidores ativos do Tribunal de Contas da União. O DIRETOR-GERAL DO INSTITUTO

Leia mais

PORTARIA Nº 363, DE 02/12/2014

PORTARIA Nº 363, DE 02/12/2014 CÂMARA DOS DEPUTADOS Centro de Documentação e Informação PORTARIA Nº 363, DE 02/12/2014 Dispõe sobre a concessão, aplicação e comprovação de suprimento de fundos. O DIRETOR-GERAL DA CÂMARA DOS DEPUTADOS,

Leia mais

INSTRUÇÃO ADMINISTRATIVA Nº 01/2006, ATUALIZADA EM 7 DE FEVEREIRO 2012

INSTRUÇÃO ADMINISTRATIVA Nº 01/2006, ATUALIZADA EM 7 DE FEVEREIRO 2012 INSTRUÇÃO ADMINISTRATIVA Nº 01/2006, ATUALIZADA EM 7 DE FEVEREIRO 2012 REGRAS E CRITÉRIOS PARA O FUNCIONAMENTO DAS OPERAÇÕES DE CONTAS A PAGAR ATRAVÉS DA FADEX TERESINA PI, FEVEREIRO DE 2012 INSTRUÇÃO

Leia mais

subordinar-se ao processo normal de aplicação.

subordinar-se ao processo normal de aplicação. SUPRIMENTO DE FUNDOS Lei 4.320/64, Art. 68. O regime de adiantamento é aplicável aos casos de despesas expressamente definidos em lei e consiste na entrega de numerário a servidor, sempre precedida de

Leia mais

PROVIMENTO Nº 04/2008

PROVIMENTO Nº 04/2008 PROVIMENTO Nº 04/2008 Disciplina os procedimentos relativos aos débitos das Fazendas Públicas Federal, Estadual e Municipal, em virtude de sentença judicial transitada em julgado, sujeitos ao regime de

Leia mais

RESOLUÇÃO PRESI 28 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2014

RESOLUÇÃO PRESI 28 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2014 TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 1ª REGIÃO RESOLUÇÃO PRESI 28 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2014 Regulamenta o expediente e a jornada de trabalho do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, institui o controle eletrônico

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 1, DE 17 DE JANEIRO DE 2003

INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 1, DE 17 DE JANEIRO DE 2003 INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 1, DE 17 DE JANEIRO DE 2003 Dispõe sobre o pagamento da contribuição social do SalárioEducação junto ao FNDE, com os benefícios fiscais, instituídos pela Lei nº 10.637/2002, de

Leia mais

1. Vantagens do CPESC

1. Vantagens do CPESC 1. Vantagens do CPESC O CPESC permitirá ao gestor atender as necessidades urgentes, extraordinárias, imprevisíveis ou, ainda que previsíveis, de dimensões incalculáveis, da unidade administrativa a que

Leia mais

PORTARIA Nº1006/2009. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO CEARA, no exercício de suas atribuições legais, e

PORTARIA Nº1006/2009. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO CEARA, no exercício de suas atribuições legais, e PORTARIA Nº1006/2009 Estabelece procedimentos administrativos para gestão das receitas obtidas com a venda de Selos de Autenticidade Extrajudicial e para concessão de subsídios aos cartórios de Registro

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº

Leia mais

PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº 001/2010 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº 001/2010 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº 001/2010 Estabelece normas e procedimentos para aquisição de serviços e recebimento, controle, guarda e distribuição de materiais permanentes e de consumo no âmbito do Poder Legislativo

Leia mais

Ato nº 99/GP/TRT 19ª, de 16 de junho de 2015.

Ato nº 99/GP/TRT 19ª, de 16 de junho de 2015. PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 19ª REGIÃO Ato nº 99/GP/TRT 19ª, de 16 de junho de 2015. Institui o porte de arma de fogo para uso dos Agentes de Segurança Judiciária

Leia mais

Tem por objetivo esta Licitação de prestação de serviços neste estabelecimento de ensino. Constante do anexo I, deste convite.

Tem por objetivo esta Licitação de prestação de serviços neste estabelecimento de ensino. Constante do anexo I, deste convite. MINUTA DO CONVITE Nº 0011/2015 Natureza da Despesa: MANUTENÇÃO E CONSERVAÇÃO DE BENS E IMÓVEIS Fonte Recurso: Fonte 51 FUNDEB- APORTE FINANCEIRO 2015 Data de Emissão: 29/10/2015 Data da Licitação: 09/11/2014

Leia mais

RESOLUÇÃO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO (CONSUNI) N.º 03/2011

RESOLUÇÃO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO (CONSUNI) N.º 03/2011 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS RESOLUÇÃO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO (CONSUNI) N.º 03/2011 Dispõe sobre as normas gerais para a celebração de contratos ou convênios da Universidade

Leia mais

COORDENADORIA DO IMPOSTO SOBRE SERVIÇOS DE QUALQUER NATUREZA E TAXAS SUBSECRETARIA DE TRIBUTAÇÃO E FISCALIZAÇÃO

COORDENADORIA DO IMPOSTO SOBRE SERVIÇOS DE QUALQUER NATUREZA E TAXAS SUBSECRETARIA DE TRIBUTAÇÃO E FISCALIZAÇÃO COORDENADORIA DO IMPOSTO SOBRE SERVIÇOS DE QUALQUER NATUREZA E TAXAS SUBSECRETARIA DE TRIBUTAÇÃO E FISCALIZAÇÃO PORTARIA F/SUBTF/CIS N.º 178 DE 25 DE OUTUBRO DE 2010 Dispõe sobre cancelamento de guia de

Leia mais

REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÕES DE OBRAS E SERVIÇOS ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO MUSEU DO CAFÉ - AAMC. Capítulo I Introdução

REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÕES DE OBRAS E SERVIÇOS ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO MUSEU DO CAFÉ - AAMC. Capítulo I Introdução REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÕES DE OBRAS E SERVIÇOS ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO MUSEU DO CAFÉ - AAMC Capítulo I Introdução Artigo 1º - O presente regulamento tem por finalidade estabelecer normas, rotinas

Leia mais

considerando o Decreto nº 6.114, de 15 de maio de 2007; considerando a Portaria/MEC nº 1.084 de 02 de setembro de 2008;

considerando o Decreto nº 6.114, de 15 de maio de 2007; considerando a Portaria/MEC nº 1.084 de 02 de setembro de 2008; Dispõe sobre os critérios e valores para pagamento de Gratificações por Encargo de Cursos ou Concursos do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso do Sul (IFMS). A COORDENADORA-GERAL

Leia mais

DECRETO Nº. 1336/11, DE 01 DE SETEMBRO DE 2011

DECRETO Nº. 1336/11, DE 01 DE SETEMBRO DE 2011 DECRETO Nº. 1336/11, DE 01 DE SETEMBRO DE 2011 Regulamenta a Lei Complementar nº. 92/07 de 13 de Dezembro de 2007, que dispõe sobre o Imposto Sobre Serviço de Qualquer Natureza (ISSQN) - que altera o sistema

Leia mais

DEVOLUÇÃO OU TROCA DE MERCADORIA VENDIDA PELO ECF CUPOM FISCAL PROCEDIMENTOS E RECOMENDAÇÕES

DEVOLUÇÃO OU TROCA DE MERCADORIA VENDIDA PELO ECF CUPOM FISCAL PROCEDIMENTOS E RECOMENDAÇÕES DEVOLUÇÃO OU TROCA DE MERCADORIA VENDIDA PELO ECF CUPOM FISCAL PROCEDIMENTOS E RECOMENDAÇÕES Tratando-se de devolução ou troca de mercadorias, além de observar as demais disposições constantes no artigo

Leia mais

RESUMO DAS ATIVIDADES DE ACOMPANHAMENTO DOS CONTRATOS. Responsável Seqüência Etapa do processo

RESUMO DAS ATIVIDADES DE ACOMPANHAMENTO DOS CONTRATOS. Responsável Seqüência Etapa do processo Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Planejamento e Administração PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ RESUMO DAS ATIVIDADES DE ACOMPANHAMENTO DOS

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 12/2011/CONSU Estabelece normas para o relacionamento entre a Universidade Federal de

Leia mais

PORTARIA Nº 133/2011-GS/SET, DE 19 DE OUTUBRO DE 2011.

PORTARIA Nº 133/2011-GS/SET, DE 19 DE OUTUBRO DE 2011. DOE Nº 12.567 Data: 20/10/2011 Alterada pelas Portarias nºs: 002/2012-GS/SET 059/2012-GS/SET PORTARIA Nº 133/2011-GS/SET, DE 19 DE OUTUBRO DE 2011. Dispõe sobre o credenciamento de contribuintes para recolhimento

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO - RELATÓRIO DE AUDITORIA nº 009/2009 Página 1 de 8 SUMÁRIO EXECUTIVO

SUMÁRIO EXECUTIVO - RELATÓRIO DE AUDITORIA nº 009/2009 Página 1 de 8 SUMÁRIO EXECUTIVO SUMÁRIO EXECUTIVO - RELATÓRIO DE AUDITORIA nº 009/2009 Página 1 de 8 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA EMPRESA BRASIL DE COMUNICAÇÃO AUDITORIA INTERNA SUMÁRIO EXECUTIVO Tema: DESPESAS COM SUPRIMENTO DE FUNDOS NA

Leia mais

MANUAL BÁSICO ADIANTAMENTO DE NUMERÁRIO. SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E FINANÇAS Maio - 2011 1

MANUAL BÁSICO ADIANTAMENTO DE NUMERÁRIO. SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E FINANÇAS Maio - 2011 1 MANUAL BÁSICO ADIANTAMENTO DE NUMERÁRIO Este trabalho, intitulado MANUAL BÁSICO ADIANTAMENTO DE NUMERÁRIOS, tem como objetivo dar continuidade ao processo de reunir todos os conceitos, regras, procedimentos

Leia mais

ATA DE REGISTRO DE PREÇO Nº 008/2016 PROCESSO LICITATORIO Nº 028/2016 PREGÃO PRESENCIAL Nº 008/2016.

ATA DE REGISTRO DE PREÇO Nº 008/2016 PROCESSO LICITATORIO Nº 028/2016 PREGÃO PRESENCIAL Nº 008/2016. ATA DE REGISTRO DE PREÇO Nº 008/2016 PROCESSO LICITATORIO Nº 028/2016 PREGÃO PRESENCIAL Nº 008/2016. VALIDADE: 12 meses Aos dezoito dias do mês de março de 2016, na sala de reuniões da Prefeitura Municipal,

Leia mais

Importação por Conta e Ordem e Importação por Encomenda (LUCIANO - 15/05/2006)

Importação por Conta e Ordem e Importação por Encomenda (LUCIANO - 15/05/2006) Importação por Conta e Ordem e Importação por Encomenda (LUCIANO - 15/05/2006) Cada vez mais e por diversos motivos, as organizações vêm optando por focar-se no objeto principal do seu próprio negócio

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002/2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002/2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002/2014 DISPÕE SOBRE A CONCESSÃO DE SUBVENÇÃO SOCIAL, AUXÍLIO FINANCEIRO, CONTRIBUIÇÃO E OUTRAS FONTES DE RECURSO NO ÂMBITO DO PODER EXECUTIVO. A Controladoria Geral do Município

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA N 119, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2010

PORTARIA NORMATIVA N 119, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2010 INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE PORTARIA NORMATIVA N 119, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2010 Dispõe sobre o horário de funcionamento do Instituto Chico Mendes, jornada de trabalho e controle

Leia mais

Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011.

Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011. Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011. CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 o São estabelecidas, em cumprimento

Leia mais

JUSTIÇA DO TRABALHO DIVISÃO DE DOCUMENTO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA

JUSTIÇA DO TRABALHO DIVISÃO DE DOCUMENTO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA DIVISÃO DE DOCUMENTO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA Objeto: Contratação de empresa para prestação do serviço de agenciamento de viagens (emissão, remarcação e cancelamento de passagens aéreas nacionais

Leia mais

Instruções para Cotação Eletrônica 152/2014

Instruções para Cotação Eletrônica 152/2014 Instruções para Cotação Eletrônica 152/2014 (Inciso II do Art. 24 da Lei nº 8.666/93 c/c Portaria nº 306, de 13 de dezembro de 2001). A União, por intermédio do Instituto Nacional de Câncer José Alencar

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO II DA DEFINIÇÃO DE MICROEMPRESA SOCIAL

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO II DA DEFINIÇÃO DE MICROEMPRESA SOCIAL ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR LEI Nº 6.559, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2004 Publicada no DOE em 31 de dezembro de 2004 DISPÕE SOBRE A MICROEMPRESA SOCIAL, ESTABELECENDO TRATAMENTO TRIBUTÁRIO DIFERENCIADO,

Leia mais

CIRCULAR N 3.084. Documento normativo revogado pela Circular nº 3.432, de 3/2/2009.

CIRCULAR N 3.084. Documento normativo revogado pela Circular nº 3.432, de 3/2/2009. CIRCULAR N 3.084 Documento normativo revogado pela Circular nº 3.432, de 3/2/2009. Dispõe sobre obrigação financeira, recursos não procurados, adiantamento a fornecedores, agregação de despesas e encerramento

Leia mais

CHECKLIST CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE RECURSOS FEDERAIS

CHECKLIST CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE RECURSOS FEDERAIS CHECKLIST CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE RECURSOS FEDERAIS VERIFICAÇÕES PRELIMINARES Art. 3, caput e 1 ; 1. O objeto do convênio ou contrato de repasse guarda relação com a atividade do convenente? 2.

Leia mais

Prefeitura Municipal de Porto Alegre

Prefeitura Municipal de Porto Alegre Prefeitura Municipal de Porto Alegre DECRETO Nº 14.330, de 28 de outubro de 2003. Regulamenta o inc. VIII do art. 17, os arts. 107, 108, 109 e 110, da Lei Complementar nº 478, de 26 de setembro de 2002,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE FRANCA Secretaria Municipal de Finanças Divisão de Licitações e Compras

PREFEITURA MUNICIPAL DE FRANCA Secretaria Municipal de Finanças Divisão de Licitações e Compras MINUTA Fls. 1 PROCESSO - nº 41.506/10 Aos dias do mês de do ano de dois mil e dez, na sede da Prefeitura Municipal de Franca, localizada na Rua Frederico Moura nº 1517, neste município de Franca, compareceram

Leia mais

PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 1750 DO DIA 06/08/2012.

PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 1750 DO DIA 06/08/2012. PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 1750 DO DIA 06/08/2012. DECRETO N 1427/2012 Regulamenta a Lei municipal nº 8748/2010, que institui a Nota Fiscal de Serviços Eletrônica (NFS-e) e dá outras providências.

Leia mais

ATA DE REGISTRIO DE PREÇOS Nº 007/2014

ATA DE REGISTRIO DE PREÇOS Nº 007/2014 ATA DE REGISTRIO DE PREÇOS Nº 007/2014 EDITAL DE LICITAÇÃO N. º 002/2014 MODALIDADE DE PREGÃO PRESENCIAL PROCESSO Nº 2014 0001 1954 VALIDADE: 12 (DOZE) MESES Aos 28 dias do mês de fevereiro de 2014, na

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA. 5.1 Quantidade estimada para compra são de 2 (dois) nobreaks que funcionarão de forma redundante.

TERMO DE REFERENCIA. 5.1 Quantidade estimada para compra são de 2 (dois) nobreaks que funcionarão de forma redundante. TERMO DE REFERENCIA 1. OBJETO 1.1 Contratação de empresa especializada para fornecimento e manutenção de equipamento elétrico do tipo nobreak nas instalações da sala dos servidores da Companhia Docas do

Leia mais

NORMAS GERAIS PARA RECEBIMENTO E CONFERÊNCIA DE DOCUMENTOS

NORMAS GERAIS PARA RECEBIMENTO E CONFERÊNCIA DE DOCUMENTOS NORMAS GERAIS PARA RECEBIMENTO E CONFERÊNCIA DE DOCUMENTOS PROCEDIMENTO PADRÃO Nº. 001/2006. Teresina, Março 2008 ATUALIZADO EM MARÇO DE 2008 NORMAS GERAIS PARA RECEBIMENTO E CONFERÊNCIA DE DOCUMENTOS

Leia mais