AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DA SAÚDE 1 AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO SETORIAL RESOLUÇÃO - RE Nº 05, DE 24 DE AGOSTO DE 2000 (*) Padroniza documentos para processo de impugnações ao Ressarcimento ao SUS e revoga RE nº 01 de 30 de março de O Diretor responsável pela Diretoria de Desenvolvimento Setorial da Agência Nacional de Saúde Suplementar - ANS, no uso de suas atribuições legais e da competência definida na Resolução - RDC nº 18, de 30 de março de 2000, e tendo em vista a necessidade de padronização de procedimentos relativos ao processo de impugnações dos Avisos de Beneficiários Identificados ABI para o ressarcimento ao SUS, resolve: Art. 1º O processamento do ressarcimento, será realizado de acordo com as disposições da Lei nº 9.656, de 03 de junho de 1998, da RDC nº17, de 30 de março de 2000 e da RDC n 18, de 30 de março de 2000 e sua regulamentação, na forma estabelecida nas Resoluções da Diretoria de Desenvolvimento Setorial da ANS. Art. 2º A identificação de beneficiários será realizada exclusivamente pela ANS, mediante cruzamento dos dados relativos aos atendimentos realizados pelo Sistema Único de Saúde - SUS, com as informações cadastrais das operadoras de planos privados de assistência à saúde, constantes do banco de dados da ANS. Parágrafo Único Na hipótese de ser identificado, por qualquer meio de informação, atendimento a beneficiário de plano privado de assistência à saúde, não cadastrado pela empresa, a Diretoria de Fiscalização da ANS instaurará processo administrativo para aplicação de penalidades, de acordo com a Lei nº 9.656, de 1998, e sua regulamentação, com cobrança imediata do Ressarcimento. Art. 3º A unidade prestadora de serviços ao SUS, que comprovadamente estiver utilizando mecanismos próprios para identificação de beneficiários de planos privados de assistência à saúde, em prejuízo da universalidade de acesso de seus usuários, será excluída do direito ao ressarcimento. Parágrafo único. A Diretoria de Desenvolvimento Setorial da ANS publicará, através de Portaria, a exclusão de que trata este artigo sem prejuízo de outras medidas punitivas tomadas pelo gestor ao qual a unidade esteja subordinada. Art. 4º Caberá à ANS converter os procedimentos em valores a serem ressarcidos, com base na Tabela Única Nacional de Equivalência de Procedimentos -TUNEP. 1º No caso de alteração de valores da TUNEP, conforme faculta o artigo 4º da RDC n.º 18, de 30 de março 2000, o gestor responsável pelo processamento receberá da ANS as informações dos atendimentos realizados, ficando encarregado do cálculo dos valores a serem ressarcidos. 2º Os valores calculados pelo gestor, no caso do parágrafo anterior, deverão ser encaminhados à ANS, no prazo de até 3 (três) dias úteis.

2 Art. 5º Com base nas informações resultantes do processo de identificação, a ANS disponibilizará às operadoras o Aviso de Beneficiário Identificado ABI e aos gestores responsáveis pelo processamento do ressarcimento, o Aviso de Ressarcimento ao Gestor ARG, com as seguintes informações: I - código do beneficiário na operadora; II CNPJ da operadora; III - nome, código e valores dos procedimentos de acordo com a TUNEP; IV - data do atendimento; V - nome da unidade prestadora do serviço e sua natureza jurídica; VI mês de competência da AIH; VII - Município onde foi realizado o atendimento; VIII - gestor responsável pelo processamento do ressarcimento. 1º O ABI de que trata o caput deste artigo estará disponível, para consulta e solicitação de impugnação, no site da ANS, no último dia útil de cada mês, antes de ser encaminhado para cobrança. 2º No caso de beneficiários de mais de um plano, serão emitidos avisos para todas as operadoras, sendo os valores referentes ao ressarcimento rateados entre estas no momento da cobrança. Art. 6º Com base no aviso de que trata o 1º do artigo anterior, as operadoras poderão apresentar junto ao gestor responsável pelo processamento, impugnações de caráter técnico ou administrativo, acompanhadas de comprovação documental, para cada AIH. 1º O modelo para solicitação de impugnação pelas operadoras, está definido no Anexo I desta Resolução 2º Os documentos a serem exigidos pelos gestores para efeito de impugnação pelas operadoras estão definidos no Anexo II desta Resolução. 3º Os documentos apresentados serão fiscalizados pela ANS quanto à sua veracidade e, caso sejam identificadas incorreções nos mesmos, a operadora estará sujeita às penalidades previstas na legislação. 4º Na hipótese de ser constatada a ocorrência de que trata o parágrafo anterior, a operadora, por um período de seis meses subsequentes à identificação da incorreção, somente poderá entrar com processo de impugnação mediante apresentação do contrato. 5º Não serão consideradas as impugnações apresentadas com fundamento em dados ou informações divergentes das que tiverem sido encaminhadas para o cadastro da ANS no período correspondente ao evento impugnado. 6º As impugnações devem ser caracterizadas como administrativas ou técnicas.. 7º Quando a impugnação for considerada procedente, a relação de procedimentos a ela vinculada será excluída do processo de cobrança. 8º Quando houver franquia ou co-participação prevista em contrato, estas deverão ser deduzidas do valor a ser ressarcido pelas operadoras. 2

3 9º Não havendo elementos suficientes para a decisão quanto às impugnações técnicas, as unidades prestadoras serão notificadas para prestar informações, devendo fazê-lo no prazo de até 3 (três) dias úteis após serem comunicadas pelo gestor. Art. 7º As unidades prestadoras de serviços de saúde deverão viabilizar aos auditores credenciados o acesso aos documentos relativos ao atendimento objeto do ressarcimento. Parágrafo único. Os auditores referidos no caput deste artigo deverão ser indicados pelas operadoras de planos privados de assistência à saúde e previamente credenciados pelo gestor responsável pelo processamento. Art. 8º O gestor responsável pelo processamento do ressarcimento estabelecerá, em ato próprio, as rotinas do processo de impugnação, desde que não contrariem o disposto nesta resolução. 1º As rotinas de que trata o caput deste artigo devem explicitar : I - a via de encaminhamento ao gestor do pedido de impugnação pelas operadoras; II - o endereço completo do gestor, para a recepção dos processos; III - o horário de atendimento do serviço de protocolo e recebimento; e IV - o meio pelo qual se dará publicidade às decisões dos gestores e das câmaras de julgamento, aos pedidos de impugnação. Art. 9º A contagem dos prazos para a apresentação de impugnações iniciar-se-á a partir da disponibilização dos ABI nos diretórios específicos de cada operadora na página da ANS na Internet, no endereço 1º Quando a disponibilização de que trata o caput deste artigo ocorrer em véspera de sábados ou feriados, a contagem do prazo terá início no primeiro dia útil subsequente. 2 o O prazo da operadora para apresentação de solicitação de impugnação relativa aos ABI disponibilizados será de 20 (vinte) dias úteis quando o gestor for estadual ou municipal e de 30 (trinta) dias úteis no caso do gestor federal. 3º As impugnações encaminhadas por via postal somente serão consideradas tempestivas se postadas dentro do prazo limite para a impugnação. 4º Será considerada intempestiva a impugnação apresentada ou postada após o prazo de que trata o 2º deste artigo. 5º As contestações de caráter técnico referentes à cobrança de procedimentos não realizados, parcial ou totalmente, poderão ser apresentadas ao gestor após o prazo definido no 2º deste artigo, mediante justificativa pela não apresentação no prazo. 6º As contestações referidas no parágrafo anterior não terão efeito suspensivo sobre a cobrança e o pagamento dos ressarcimentos devidos. 7º Caso não haja solicitação de impugnação dentro do prazo estabelecido, os procedimentos referentes àquela internação serão encaminhados para cobrança imediata. Art.10. Após a análise dos pedidos de impugnação, o gestor tornará pública a sua decisão, mediante publicação oficial definida em ato próprio e divulgação pela Internet, na página da ANS, no dia 15 (quinze) de cada mês, ou no dia útil imediatamente anterior. 1º O prazo para a decisão do gestor será de no máximo 90 (noventa) dias contados a partir do mês subsequente à protocolização do pedido de impugnação. 3

4 2º O gestor divulgará a sua decisão de acordo com a seguinte classificação: I impugnação deferida II impugnação indeferida 3º Na hipótese do inciso II do parágrafo anterior, na divulgação pela Internet, o gestor deverá apresentar as justificativas que motivaram a decisão.. Art. 11. Das decisões dos gestores responsáveis pelo processamento caberá recurso à Câmara de Julgamento, no prazo de até 7 (sete) dias úteis após a divulgação de que trata o artigo anterior. 1º As Câmaras de Julgamento deverão ser instituídas no nível de cada gestor responsável pelo processamento do ressarcimento, com a finalidade de decidir sobre os recursos impetrados contra as decisões dos gestores sobre as impugnações. 2º A Câmara de Julgamento será formalizada por meio de portaria do gestor e terá a seguinte composição: I - dois representantes das operadoras; II - dois representantes das entidades de defesa do consumidor ou do Conselho de Saúde; III - dois representantes das unidades prestadoras de serviço; IV - um representante do gestor, 3º O representante do gestor presidirá a Câmara de Julgamento e proferirá o voto de qualidade em caso de empate. 4º Não havendo a indicação dos representantes de que tratam os incisos I, II e III do 2º, no prazo fixado pelo gestor responsável pelo processamento, este poderá fazer nomeações provisórias até que sejam indicados os referidos representantes. 5º Os gestores estaduais poderão formalizar Câmaras de Julgamento em suas estruturas regionais, de acordo com o disposto neste artigo. 6º O gestor Federal poderá formalizar Câmara de Julgamento constituída de maior número de representantes, mantida a paridade de representação na sua composição. Art. 12. Após a análise dos pedidos de impugnação, a Câmara de Julgamento tornará pública a sua decisão mediante publicação oficial definida em ato próprio do gestor e divulgação pela Internet, na página da ANS, no dia 15 (quinze) de cada mês, ou no dia útil imediatamente anterior. 1º O prazo para a decisão da Câmara será de no máximo 90 (noventa) dias contados a partir do mês subsequente à protocolização do recurso à decisão do gestor. 2º A Câmara de Julgamento divulgará a sua decisão de acordo com a seguinte classificação: I impugnação deferida II impugnação indeferida 3º Na hipótese do inciso II do parágrafo anterior, na divulgação pela Internet, a Câmara de Julgamento deverá apresentar as justificativas que motivaram a decisão. Art. 13. Da decisão da Câmara de Julgamento caberá recurso à ANS, em última instância, no prazo de 7 (sete) dias úteis, contados a partir da divulgação de que trata o artigo anterior. 4

5 1º A ANS tornará pública a sua decisão, através de publicação no Diário Oficial da União e divulgação pela sua página na Internet, no dia 15 (quinze) de cada mês, ou no dia útil imediatamente anterior. 2º O prazo para a decisão da ANS será de no máximo 90 (noventa) dias contados a partir do mês subsequente à protocolização do recurso à decisão da Câmara de Julgamento. 3º A ANS divulgará a sua decisão de acordo com a seguinte classificação: I impugnação deferida II impugnação indeferida 4º Na hipótese do inciso II do parágrafo anterior, na divulgação pela Internet, a ANS deverá apresentar as justificativas que motivaram a decisão. Art. 14. Os recursos deverão ser remetidos ao gestor responsável pelo processamento do ressarcimento, o qual deverá encaminhá-lo à Câmara de Julgamento ou à ANS, conforme o caso, no prazo de 5(cinco) dias úteis. Art. 15. Decorrido o prazo de apresentação de impugnações, na esfera de atuação do gestor ou da Câmara de Julgamento, os gestores responsáveis pelo processamento transmitirão, mensalmente, as informações das Autorizações de Internação Hospitalar - AIH à ANS, no prazo de até 5 (cinco) dias úteis, de acordo com a seguinte classificação: I AIH integralmente apta para cobrança; II - AIH parcialmente apta para cobrança ; III - AIH apta para cobrança com mudança de valores; IV - impugnação deferida; V - impugnação em processamento. 1º Para efeito do disposto neste artigo considera-se: I-AIH integralmente apta para cobrança: a) aquela para a qual não foi apresentada nenhuma impugnação no prazo previsto no 2º do art. 9º, ou nos prazos previstos para os recursos conforme os arts. 11 e 13, b) aquela que após a análise dos recursos apresentados teve seu processo de impugnação julgado improcedente, em decisão final pela ANS. II- AIH parcialmente apta para cobrança: aquela para a qual foi deferida a impugnação de parte dos procedimentos constantes da AIH, resultando na exclusão do respectivo valor do total da AIH a ser ressarcida; III- AIH apta para cobrança com mudança de valores: aquela que, em função da dedução de franquia ou co-participação, teve seu valor reduzido; IV- impugnação deferida: AIH que teve acatado o pedido de impugnação pelo gestor e cuja cobrança não será realizada; V- impugnação em processamento: AIH cujo processo de impugnação encontra-se em tramitação, incluindo a impugnação indeferida pelo gestor ou pela Câmara de Julgamento, aguardando a decorrência de prazo para os recursos cabíveis. 2º A ANS encaminhará à instituição bancária conveniada a cobrança das AIH previstas nos incisos I,II e III do caput deste artigo, no prazo de até 3 (três) dias úteis. 5

6 Art. 16. A instituição bancária enviará os boletos de cobrança às operadoras, que disporão de 15 (quinze) dias para efetuar o pagamento à ANS. Art. 17. Os valores ressarcidos terão a seguinte distribuição: I - à unidade prestadora de serviço ou sua entidade mantenedora será creditado o produto da diferença apurada entre os valores da TUNEP e os valores constantes da Tabela do SUS; II - aos gestores responsáveis pelo processamento serão creditados os valores constantes da tabela do SUS, na forma definida em portaria pela Secretaria de Assistência à Saúde do Ministério da Saúde. Art. 18. O ressarcimento não efetuado no prazo fixado no art. 16 desta resolução será cobrado com os seguintes acréscimos: I - juros de mora, na via administrativa ou judicial, contados do mês seguinte ao do vencimento, à razão de 1% a.m. (um por cento ao mês) ou fração de mês; II - multa de mora de 10% (dez por cento). Parágrafo único. O não pagamento dos valores a serem ressarcidos implicará a inscrição do débito na Dívida Ativa da ANS para a competente cobrança judicial. Art. 19. Esta Resolução entra em vigor na data da sua publicação, revogadas as disposições em contrário, em especial a RE nº1, de 30 de março de º É facultado às operadoras a entrega das solicitações de impugnação com padronização da documentação definida nesta Resolução para os meses de competência dezembro de 1999, janeiro, fevereiro e junho de º Estão mantidos os prazos fixados no inciso I, alínea c, do art. 4º da Resolução RE nº 2, de 30 de março de 2000, e no parágrafo único do art. 1º da Resolução RE nº 4, de 26 de junho de JANUARIO MONTONE (*) Publicada no D.O.U. de 28/08/2000, seção 1.

7 ANEXO I (UTILIZAR PAPEL TIMBRADO DA OPERADORA) 7 SOLICITAÇÃO DE IMPUGNAÇÃO 1. OPERADORA: CNPJ: NOME DO RESPONSÁVEL: CARGO: 2. UNIDADE PRESTADORA DE SERVIÇOS: 3.CÓDIGO DO BENEFICIÁRIO: 4. NÚMERO DA AIH: COMPETÊNCIA DA AIH: 5. AVISO: / 6. SOLICITAÇÃO DE TOTAL ( ) PARCIAL ( ) IMPUGNAÇÃO: 7. MOTIVO DA SOLICITAÇÃO DE IMPUGNAÇÃO IMPUGNAÇÕES ADMINISTRATIVAS 1-Beneficiário em Carência ( ) 2 - Usuário não é o beneficiário da Operadora ( ) 3 - Procedimento não está coberto pelo contrato ( ) 4 - Atendimento fora da Abrangência Geográfica do ( ) contrato 5 - Contrato não cobre internação ( ) 6 - Quantidade do Procedimento não está coberta pelo Contrato ( ) 7 - Atendimento já pago pela Operadora ( ) 8 - Franquia ou co-participação ( ) IMPUGNAÇÕES TÉCNICAS ( ) 9 - Procedimento considerado desnecessário ( ) 10 - Procedimento não realizado ( ) 11 - Quantidade do procedimento considerada ( ) desnecessária 12 - Outros (Especificar) ( ) RELAÇÃO DE DOCUMENTOS ENTREGUES: Local, de de 2000 Assinatura do representante legal Nº de documento de identificação ANEXAR JUSTIFICATIVA E DOCUMENTOS COMPROBATÓRIOS

8 ANEXO II DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS AOS GESTORES PARA OS DIVERSOS MOTIVOS DE IMPUGNAÇÃO: IMPUGNAÇÕES ADMINISTRATIVAS 1.Beneficiário em carência 1.1 Cópia do contrato original na íntegra e proposta de adesão, se for o caso, (contendo a assinatura do contratante e contratado) devidamente rubricados ou, a critério da operadora, declaração devidamente assinada, conforme modelo no Anexo IV. 1.2 Para os planos coletivos e empresariais, além da cópia do contrato, anexar o termo de adesão do beneficiário vinculando-o ao plano em questão (Poderá ser enviada uma única cópia do contrato para cada gestor por mês de competência.) ou, a critério da operadora, declaração devidamente assinada, conforme modelo no Anexo IV. 2.Usuário não é o beneficiário da operadora : Declaração do usuário (conforme modelo constante no Anexo III) com cópia do documento de identidade. 3.Procedimento não está coberto pelo contrato 3.1. Para os planos individuais, cópia do contrato original na íntegra e proposta de adesão, se for o caso, (contendo a assinatura do contratante e do contratado) devidamente rubricados Para os planos coletivos e empresariais, além da cópia do contrato, anexar o termo de adesão do beneficiário vinculando-o ao plano em questão (Poderá ser enviada uma única cópia do contrato para cada gestor por mês de competência). 4.Atendimento fora da abrangência geográfica do contrato 4.1 Para os planos individuais, cópia do contrato original na íntegra e proposta de adesão, se for o caso, (contendo a assinatura do contratante e contratado) devidamente rubricados ou, a critério da operadora, declaração devidamente assinada, especificando a abrangência do contrato conforme modelo no Anexo IV Para os planos coletivos e empresariais além, da cópia do contrato, anexar o termo de adesão do beneficiário vinculando-o ao plano em questão (Poderá ser enviada uma única cópia do contrato para cada gestor, por mês de competência) ou, a critério da operadora, declaração devidamente assinada, especificando a abrangência do contrato conforme modelo no Anexo IV. 5.Contrato não cobre a internação 5.1) Para os planos individuais, cópia do contrato original na íntegra e proposta de adesão, se for o caso, (contendo a assinatura do contratante e contratado) devidamente rubricados ou, à critério da operadora, declaração devidamente assinada, especificando a segmentação do plano conforme modelo no Anexo IV. 5.2) Para os planos coletivos e empresariais, além da cópia do contrato, anexar o termo de adesão do beneficiário vinculando-o ao plano em questão (Poderá ser enviada uma única cópia do contrato para cada gestor, por mês de competência) ou, a critério da operadora, declaração devidamente assinada, especificando a segmentação do plano conforme modelo no Anexo IV. 6.Quantidade do procedimento não está coberta pelo Contrato 8

9 6.1) Para os planos individuais, cópia do contrato original na íntegra e proposta de adesão, se for o caso, (contendo a assinatura do contratante e contratado) devidamente rubricados. 6.2) Para os planos coletivos e empresariais, além da cópia do contrato, anexar o termo adesão do beneficiário vinculando-o ao plano em questão. (Poderá ser enviada uma única cópia do contrato para cada gestor, por mês de competência ). 7.Atendimento já pago pela operadora Cópia da nota fiscal do atendimento já pago pela operadora devidamente rubricada pelo responsável pelo encaminhamento da impugnação. 8.Franquia ou co-participação 8.1) Para os planos individuais, cópia do contrato original na íntegra e proposta de adesão, se for o caso, (contendo a assinatura do contratante e contratado) devidamente rubricados ou, a critério da operadora, declaração da operadora devidamente assinada, especificando a participação do beneficiário no financiamento do procedimento conforme modelo no Anexo IV. 8.2) Para os planos coletivos e/ou empresariais, além da cópia do contrato, anexar o Termo e/ou Comprovante de Adesão do beneficiário vinculando-o ao plano em questão. (Poderá ser enviada uma única cópia do contrato para cada gestor, por mês de competência) ou, a critério da operadora, declaração da operadora devidamente assinada, especificando a participação do beneficiário no financiamento do procedimento conforme modelo no Anexo IV. IMPUGNAÇÕES TÉCNICAS 9.Procedimento considerado desnecessário Argumentação técnica fruto ou não de auditoria técnica assinada por profissional médico. 10.Procedimento não realizado Argumentação técnica fruto ou não de auditoria técnica assinada por profissional médico. 11.Quantidade do procedimento considerada desnecessária Argumentação técnica fruto ou não de auditoria técnica assinada por profissional médico. 12.OUTROS (ESPECIFICAR) A ser analisado conforme argumentação e documentação apresentada. Dependendo da fundamentação da argumentação pode ser necessário anexar: a)para os planos individuais, cópia do contrato original na íntegra e proposta de adesão, se for o caso, (contendo a assinatura do contratante e contratado) devidamente rubricados. b)para os planos coletivos e empresariais, além da cópia do contrato, anexar o termo adesão do beneficiário vinculando-o ao plano em questão. (Poderá ser enviada uma única cópia do contrato para cada gestor, por mês de competência). 9

10 ANEXO III MODELO DE DECLARAÇÃO DO BENEFICIÁRIO 10 Eu (Nome do beneficiário portador do RG Nº, CPF Nº filho (a) de nascido em / / residente e domiciliado na ( rua, bairro, município e CEP) beneficiário da Operadora sob matricula nº e portador do plano declaro para os devidos fins que não estive internado, no período de / / a / / no Hospital Local e data, Assinatura do beneficiário ou responsável legal Identificação do responsável legal do beneficiário Nome RG N O CPF N O Endereço: Grau de parentesco:

11 ANEXO IV MODELO DE DECLARAÇÃO DAS OPERADORAS RAZÃO SOCIAL DA OPERADORA: CNPJ : Nº REGISTRO NA ANS: NOME DO RESPONSÁVEL : CARGO: 11 Declaro que a impugnação apresentada à internação do Sr.(a) código do beneficiário possuidor do contrato nº de tipo (coletivo ou individual) está fundamentada no motivo abaixo indicado: ( ) PROCEDIMENTO REALIZADO EM BENEFICIÁRIO EM CARÊNCIA Informações adicionais: Data de adesão ao plano: / / Data do término da carência para o procedimento objeto do pedido de impugnação: / / ( ) ATENDIMENTO FORA DA ABRANGÊNCIA GEOGRÁFICA Informações adicionais: Especificar a abrangência geográfica do plano contratado: ( ) Nacional ( ) Grupo de Estados ( ) Estadual ( ) Grupo de Municípios ( ) Municipal ( ) Outros ( ) CONTRATO NÃO COBRE A INTERNAÇÃO Informações adicionais: Segmentação assistencial do plano contratado: ( ) Ambulatorial ( ) Hospitalar com Obstetrícia ( ) Hospitalar sem Obstetrícia ( ) Odontológico ( ) Referência ( ) Ambulatorial+ Hospitalar com Obstetrícia ( ) Ambulatorial + Hospitalar sem Obstetrícia ( ) Ambulatorial + Odontológico ( ) Hospitalar com Obstetrícia + Odontológico ( ) Hospitalar sem Obstetrícia + Odontológico ( ) Ambulatorial + Hospitalar com Obstetrícia + Odontológico ( ) Ambulatorial + Hospitalar sem Obstetrícia + Odontológico ( ) FRANQUIA OU CO-PARTICIPAÇÃO Informações adicionais: Montante da participação do beneficiário Local, de de Assinatura do representante legal Nº de documento de identificação O declarante atesta a veracidade das informações e se responsabiliza legal e judicialmente por omissões,inverdades e incorreções que vierem a ser detectadas a qualquer tempo, bem como pelas demandas a queder causa, além da perda do direito de apresentar impugnações baseadas em declarações.

ANEXOS da IN/DIDES nº 6

ANEXOS da IN/DIDES nº 6 ANEXOS da IN/DIDES nº 6 ANEXO I (Altera o anexo I da Resolução-RE nº 6, de 26 de março de 2001) EXEMPLOS DE IMPUGNAÇÕES E DOCUMENTOS 1 - Para a apresentação das impugnações de natureza administrativa ou

Leia mais

ESTÂNCIA HIDROMINERAL DE POÁ

ESTÂNCIA HIDROMINERAL DE POÁ DECRETO Nº DE DE DE 2015 Dispõe sobre regulamentação da Lei Complementar nº. 3.766, de 4 de dezembro de 2014, que criou o Passe Livre Estudantil, gratuidade no sistema de transporte coletivo aos estudantes

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 252, DE 28 DE ABRIL DE 2011

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 252, DE 28 DE ABRIL DE 2011 RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 252, DE 28 DE ABRIL DE 2011 Dispõe sobre as regras de portabilidade e de portabilidade especial de carências, alterando as Resoluções Normativas nº 186, de 14 de janeiro de

Leia mais

CONTRATO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE ANIMAL PLANO PETMEDIC

CONTRATO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE ANIMAL PLANO PETMEDIC CONTRATO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE ANIMAL PLANO PETMEDIC QUALIFICAÇÃO Nome: DO(A) CONTRATANTE: Filiação: / Data de nascimento: / / CPF: RG: Órgão emissor: Endereço: Nº Complemento: Bairro: CEP Cidade: UF:

Leia mais

PORTARIA Nº 530, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2014

PORTARIA Nº 530, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2014 PORTARIA Nº 530, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2014 (Publicada no D.O.U. de 25/11/2014) Disciplina o Processo Administrativo Previdenciário - PAP para análise e julgamento das irregularidades em Regime Próprio

Leia mais

PORTARIA Nº 11, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2008

PORTARIA Nº 11, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2008 PORTARIA Nº 11, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2008 O DIRETOR DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE TRÂNSITO - DENATRAN, no uso das atribuições legais que lhe conferem os incisos I e XII do artigo 19 da Lei nº 9.503, de

Leia mais

PROPOSTA DE EMPRÉSTIMO MODALIDADE PRÉ-FIXADO (Preenchimento Obrigatório) Nome. Matrícula Lotação Tel. Comercial. Email: Carteira de Identidade CPF

PROPOSTA DE EMPRÉSTIMO MODALIDADE PRÉ-FIXADO (Preenchimento Obrigatório) Nome. Matrícula Lotação Tel. Comercial. Email: Carteira de Identidade CPF ELETRA - FUNDAÇÃO CELG DE SEGUROS E PREVIDÊNCIA www.eletra.org.br - versão: 05/2015 12.08.2015 - pág.: 1 PROPOSTA DE EMPRÉSTIMO MODALIDADE PRÉ-FIXADO (Preenchimento Obrigatório) ( ) ATIVO ( ) APOSENTADO

Leia mais

Resolução nº 9, de 16 de julho de 1997 (publicada no Diário Oficial da União de 13.8.97)

Resolução nº 9, de 16 de julho de 1997 (publicada no Diário Oficial da União de 13.8.97) Ministério da Justiça Conselho Administrativo de Defesa Econômica CADE SCN Quadra 2 Projeção C, Brasília, DF CEP 70712-902 Tel.: (61) 426-8599 Fax: (61) 328-5523 cade@cade.gov.br Resolução nº 9, de 16

Leia mais

DO OBJETIVO... 3 DOS DESCONTOS... 3 DA CONCESSÃO... 5 DOS PERCENTUAIS UTILIZADOS NA CONCESSÃO DAS BOLSAS... 5 DO REQUERIMENTO... 6

DO OBJETIVO... 3 DOS DESCONTOS... 3 DA CONCESSÃO... 5 DOS PERCENTUAIS UTILIZADOS NA CONCESSÃO DAS BOLSAS... 5 DO REQUERIMENTO... 6 REGULAMENTO PROGRAMA DE BOLSAS Instituto Cimas 1 SUMÁRIO DO OBJETIVO... 3 DOS DESCONTOS... 3 DA CONCESSÃO... 5 DOS PERCENTUAIS UTILIZADOS NA CONCESSÃO DAS BOLSAS... 5 DO REQUERIMENTO... 6 DOS DOCUMENTOS

Leia mais

SECRETARIA ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA E DESENVOLVIMENTO SOCIAL

SECRETARIA ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA E DESENVOLVIMENTO SOCIAL Resolução SEADS - 8, de 5-8-2005 Dispõe sobre as Normas Operacionais Básicas para o Projeto Ação Jovem e dá providências correlatas A Secretária Estadual de Assistência e Desenvolvimento Social, com fundamento

Leia mais

CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL. Empresa: Matrícula: Telefone: ( ) Renegociação? ( ) NÃO ( ) SIM Novo Contrato:

CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL. Empresa: Matrícula: Telefone: ( ) Renegociação? ( ) NÃO ( ) SIM Novo Contrato: CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL Nome do Participante/Assistido: Empresa: Matrícula: Telefone: ( ) Valor do Empréstimo: Quantidade de Prestações: Renegociação? ( ) NÃO ( ) SIM Novo Contrato: Valor liquido

Leia mais

Plano e Regulamento de Benefícios e Serviços

Plano e Regulamento de Benefícios e Serviços TITULO I DEFINIÇÕES GERAIS DOS BENEFICIOS E SERVIÇOS CAPITULO I DA FINALIDADE Art.1. Este plano tem por finalidade estabelecer os benefícios e serviços da ABEPOM, bem como regulamentar os critérios, limites

Leia mais

RESOLUÇÃO CRP-16 Nº 005/2012

RESOLUÇÃO CRP-16 Nº 005/2012 RESOLUÇÃO CRP-16 Nº 005/2012 Institui procedimentos para solicitação e efetivação de cancelamento da inscrição de pessoa física junto ao CRP-16 e dá outras providências. Revoga a resolução CRP 16 nº. 003/2009.

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE:

Leia mais

CAPÍTULO I OBJETO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO

CAPÍTULO I OBJETO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 392, DE 9 DE DEZEMBRO DE 2015 Dispõe sobre aceitação, registro, vinculação, custódia, movimentação e diversificação dos ativos garantidores das operadoras no âmbito do sistema

Leia mais

RESOLUÇÃO CFFa nº 446, de 26 de abril de 2014 (*)

RESOLUÇÃO CFFa nº 446, de 26 de abril de 2014 (*) RESOLUÇÃO CFFa nº 446, de 26 de abril de 2014 (*) Dispõe sobre o registro de Pessoas Jurídicas nos Conselhos Regionais de Fonoaudiologia, e dá outras providências. O Conselho Federal de Fonoaudiologia-CFFa,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA CONFEA. RESOLUÇÃO Nº 1.066, DE 25 DE SETEMBRO de 2015.

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA CONFEA. RESOLUÇÃO Nº 1.066, DE 25 DE SETEMBRO de 2015. RESOLUÇÃO Nº 1.066, DE 25 DE SETEMBRO de 2015. Fixa os critérios para cobrança das anuidades, serviços e multas a serem pagos pelas pessoas físicas e jurídicas registradas no Sistema Confea/Crea, e dá

Leia mais

Instrução Normativa nº 1, de 30 de dezembro de 2010 (Pág. 46) Estabelece procedimentos relativos à certificação de entidades beneficentes de

Instrução Normativa nº 1, de 30 de dezembro de 2010 (Pág. 46) Estabelece procedimentos relativos à certificação de entidades beneficentes de Instrução Normativa nº 1, de 30 de dezembro de 2010 (Pág. 46) Estabelece procedimentos relativos à certificação de entidades beneficentes de assistência social, no âmbito do Ministério do Desenvolvimento

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 351, DE 16 DE JUNHO DE 2014

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 351, DE 16 DE JUNHO DE 2014 MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 351, DE 16 DE JUNHO DE 2014 Define critérios para a suspensão da exigibilidade de créditos da Agência

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL 1. FINALIDADE 1.1. Este Regulamento tem por finalidade disciplinar as concessões de empréstimos aos Participantes do Plano de Benefícios JMalucelli, administrado pelo

Leia mais

PUBLICADO DOC 17/11/2011, PÁG 107

PUBLICADO DOC 17/11/2011, PÁG 107 PUBLICADO DOC 17/11/2011, PÁG 107 PROJETO DE RESOLUÇÃO 03-00023/2011 da Mesa Diretora Institui no âmbito da Câmara Municipal de São Paulo Sistema de Consignação Facultativa em Folha de Pagamento na modalidade

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 017/2009

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 017/2009 TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 017/2009 Pelo presente instrumento, por um lado a Agência Nacional de Saúde Suplementar, pessoa jurídica de direito público, autarquia especial vinculada ao

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA No- 54, 27 DE NOVEMBRO DE 2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA No- 54, 27 DE NOVEMBRO DE 2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA No- 54, 27 DE NOVEMBRO DE 2014 Dispõe sobre o protocolo eletrônico de impugnações e recursos de processos administrativos híbridos de ressarcimento ao SUS, previsto no artigo 32 da

Leia mais

PORTARIA Nº1006/2009. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO CEARA, no exercício de suas atribuições legais, e

PORTARIA Nº1006/2009. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO CEARA, no exercício de suas atribuições legais, e PORTARIA Nº1006/2009 Estabelece procedimentos administrativos para gestão das receitas obtidas com a venda de Selos de Autenticidade Extrajudicial e para concessão de subsídios aos cartórios de Registro

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 193, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2008 Altera os arts. 1º e 11 e o inciso I do art. 2º da Resolução CNSP No 118, de 22 de dezembro de 2004.

RESOLUÇÃO Nº 193, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2008 Altera os arts. 1º e 11 e o inciso I do art. 2º da Resolução CNSP No 118, de 22 de dezembro de 2004. RESOLUÇÃO Nº 193, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2008 Altera os arts. 1º e 11 e o inciso I do art. 2º da Resolução CNSP No 118, de 22 de dezembro de 2004. A SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP, no uso da

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 043/2010-CPJ

RESOLUÇÃO Nº 043/2010-CPJ RESOLUÇÃO Nº 043/2010-CPJ O COLÉGIO DE PROCURADORES DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MATO GROSSO, no uso de suas atribuições legais, tendo em vista o disposto no artigo 29-A da Lei nº 8.229, de 07 de dezembro de

Leia mais

MINUTA DE PORTARIA v. 21.09.2015

MINUTA DE PORTARIA v. 21.09.2015 MINUTA DE PORTARIA v. 21.09.2015 PORTARIA Nº..., de...de...de 2015 Dispõe sobre a participação complementar da iniciativa privada na execução de ações e serviços de saúde, e o credenciamento de prestadores

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR. Diretoria de Normas e Habilitação dos Produtos

MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR. Diretoria de Normas e Habilitação dos Produtos 1 MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR Diretoria de Normas e Habilitação dos Produtos LEGENDA: EXC NR INC - Quadrículas sombreadas referem-se a textos revogados na Lei - Textos com

Leia mais

Considerando o constante no Processo nº 80001.002866/2003-35;

Considerando o constante no Processo nº 80001.002866/2003-35; RESOLUÇÃO 363 DE 28 DE OUTUBRO DE 2010. Dispõe sobre padronização dos procedimentos administrativos na lavratura de auto de infração, na expedição de notificação de autuação e de notificação de penalidade

Leia mais

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SOF Nº

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SOF Nº PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SOF Nº 06, de 17.2.09 O DESEMBARGADOR-PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO o disposto nos arts.

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 1, DE 17 DE JANEIRO DE 2003

INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 1, DE 17 DE JANEIRO DE 2003 INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 1, DE 17 DE JANEIRO DE 2003 Dispõe sobre o pagamento da contribuição social do SalárioEducação junto ao FNDE, com os benefícios fiscais, instituídos pela Lei nº 10.637/2002, de

Leia mais

PORTARIA N o 1, DE 11 DE JANEIRO DE 2010 (*) (publicada no DOU de 20/01/2010, seção I, página 41)

PORTARIA N o 1, DE 11 DE JANEIRO DE 2010 (*) (publicada no DOU de 20/01/2010, seção I, página 41) PORTARIA N o 1, DE 11 DE JANEIRO DE 2010 (*) (publicada no DOU de 20/01/2010, seção I, página 41) Estabelece procedimentos para a solicitação de créditos adicionais destinados ao pagamento de sentenças

Leia mais

ANEXOS da IN/DIDES nº 13

ANEXOS da IN/DIDES nº 13 ANEXOS da IN/DIDES nº 13 ANEXO I Documentos para apresentação de Impugnação e Recurso 1. A apresentação dos Formulários constantes dos Anexos II e V desta IN é documento indispensável e deve acompanhar

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS PORTARIA Nº 160, DE 5 DE MARÇO DE 2013 Dispõe sobre a habilitação das instituições privadas de ensino superior e de educação profissional técnica de nível médio e sobre a adesão das respectivas mantenedoras

Leia mais

Portaria n.º 65, de 28 de janeiro de 2015.

Portaria n.º 65, de 28 de janeiro de 2015. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Portaria n.º 65, de 28 de janeiro de 2015. O PRESIDENTE DO INSTITUTO NACIONAL

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DA DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO PROCESSO Nº

CONSELHO SUPERIOR DA DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO PROCESSO Nº DESPACHO Remeto à Secretaria do CSDPU a proposta de resolução em anexo, para autuação e distribuição. Adoto como justificativa para a Resolução as considerações constantes em seu preâmbulo. Informo, ainda,

Leia mais

Circular 0188/2000 São Paulo, 09 de junho de 2000.

Circular 0188/2000 São Paulo, 09 de junho de 2000. [fesehf/cabecalho.htm] Circular 0188/2000 São Paulo, 09 de junho de 2000. Assunto: Agência Nacional de Saúde Suplementar ANS Prezado(a) Senhor(a), Administrador(a) Planos de Saúde A Agência Nacional de

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 396, DE 25 DE JANEIRO DE 2016

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 396, DE 25 DE JANEIRO DE 2016 RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 396, DE 25 DE JANEIRO DE 2016 Altera a Resolução Normativa RN nº 124, de 30 de março de 2006, que dispõe sobre a aplicação de penalidades para as infrações à legislação dos

Leia mais

INSTRUÇÃO Nº 402, DE 27 DE JANEIRO DE 2004

INSTRUÇÃO Nº 402, DE 27 DE JANEIRO DE 2004 Ministério da Fazenda Comissão de Valores Mobiliários INSTRUÇÃO Nº 402, DE 27 DE JANEIRO DE 2004 Estabelece normas e procedimentos para a organização e o funcionamento das corretoras de mercadorias. O

Leia mais

EDITAL FAPERGS/IBRAVIN 13/2014 PROGRAMA DE BOLSAS DE MESTRADO PROFISSIONAL

EDITAL FAPERGS/IBRAVIN 13/2014 PROGRAMA DE BOLSAS DE MESTRADO PROFISSIONAL EDITAL FAPERGS/IBRAVIN 13/2014 PROGRAMA DE BOLSAS DE MESTRADO PROFISSIONAL A FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL FAPERGS e o INSTITUTO BRASILEIRO DO VINHO IBRAVIN tornam público

Leia mais

NOVO PROCESSO DE RESSARCIMENTO AO SUS. Frederico Yasuo Noritomi Gerente-Geral de Integração com o SUS Substituto

NOVO PROCESSO DE RESSARCIMENTO AO SUS. Frederico Yasuo Noritomi Gerente-Geral de Integração com o SUS Substituto NOVO PROCESSO DE RESSARCIMENTO AO SUS Frederico Yasuo Noritomi Gerente-Geral de Integração com o SUS Substituto Modelo técnico-burocrático do ressarcimento ao SUS Características do modelo atual do processo

Leia mais

Considerando a necessidade de uniformização de procedimentos na formalização e instrução de processos de fiscalização no Crea-ES.

Considerando a necessidade de uniformização de procedimentos na formalização e instrução de processos de fiscalização no Crea-ES. Ato 015/2004 Dispõe sobre a formalização, trâmite, procedimentos, infringências e valores de multas das Notificações e Autos de Infração NAIs e da outras providências. O Presidente do Conselho Regional

Leia mais

PORTARIA DETRAN/RS N. 370, DE 31 DE JULHO DE 2012. O DIRETOR-PRESIDENTE SUBSTITUTO DO DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO - DETRAN/RS, no exercício da

PORTARIA DETRAN/RS N. 370, DE 31 DE JULHO DE 2012. O DIRETOR-PRESIDENTE SUBSTITUTO DO DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO - DETRAN/RS, no exercício da PORTARIA DETRAN/RS N. 370, DE 31 DE JULHO DE 2012. O DIRETOR-PRESIDENTE SUBSTITUTO DO DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO - DETRAN/RS, no exercício da competência que lhe foi conferida pelo art. 6º da Lei

Leia mais

Edital Nº006/2015 - PRPGI/IFBA Programa de Auxílio Qualificação para cursos de Pós- Graduação Lato e Stricto Sensu - Campus Camaçari -

Edital Nº006/2015 - PRPGI/IFBA Programa de Auxílio Qualificação para cursos de Pós- Graduação Lato e Stricto Sensu - Campus Camaçari - Edital Nº006/2015 - PRPGI/IFBA Programa de Auxílio Qualificação para cursos de Pós- Graduação Lato e Stricto Sensu - Campus Camaçari - 1 Apresentação O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

PORTARIA DETRAN/RS Nº 456, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2010. Institui a Biblioteca do DETRAN/RS e dá outras disposições. O DIRETOR-PRESIDENTE DO

PORTARIA DETRAN/RS Nº 456, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2010. Institui a Biblioteca do DETRAN/RS e dá outras disposições. O DIRETOR-PRESIDENTE DO PORTARIA DETRAN/RS Nº 456, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2010. Institui a Biblioteca do DETRAN/RS e dá outras disposições. O DIRETOR-PRESIDENTE DO DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.682, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2013

CIRCULAR Nº 3.682, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2013 CIRCULAR Nº 3.682, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2013 Aprova o regulamento que disciplina a prestação de serviço de pagamento no âmbito dos arranjos de pagamentos integrantes do Sistema de Pagamentos Brasileiro

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO "NOVO LEBLON"

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO NOVO LEBLON ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO "NOVO LEBLON" I - Denominação e Objetivo ARTIGO 1º - O Clube de Investimento Novo Leblon, doravante designado Clube é constituído por número limitado de membros

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SPU Nº 05, DE 24 AGOSTO DE 2010

INSTRUÇÃO NORMATIVA SPU Nº 05, DE 24 AGOSTO DE 2010 INSTRUÇÃO NORMATIVA SPU Nº 05, DE 24 AGOSTO DE 2010 Dispõe sobre os procedimentos de análise dos requerimentos de isenção do pagamento de foros, taxas de ocupação e laudêmios referentes a imóveis de domínio

Leia mais

Edital de convite para

Edital de convite para CÂMARA MUNICIPAL DE ARVOREZINHA EDITAL DE CONVITE N.º 004/2014 PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 006/2014 TIPO MENOR PREÇO POR ITEM ENTREGA DA DOCUMENTAÇÃO E ABERTURA DOS ENVELOPES DA DOCUMENTAÇÃO: 13/11/2014,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 02/2015 - CD

RESOLUÇÃO Nº 02/2015 - CD Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado da Educação e da Cultura - SEEC FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE FUERN Conselho Diretor - CD Rua Almino Afonso, 478 -

Leia mais

MODELO DE RELATÓRIO DO TOMADOR DE CONTAS ESPECIAL

MODELO DE RELATÓRIO DO TOMADOR DE CONTAS ESPECIAL Anexo IX MODELO DE RELATÓRIO DO TOMADOR DE CONTAS ESPECIAL (PARA TOMADAS DE CONTAS ESPECIAIS QUE NÃO TRATEM DE RECURSOS REPASSADOS POR CONVÊNIO OU INSTRUMENTOS CONGÊNERES) RELATÓRIO DE TCE Nº 999/20XX

Leia mais

MUNICÍPIO DE CAUCAIA

MUNICÍPIO DE CAUCAIA LEI Nº 1799, 29 DE DEZEMBRO DE 2006. Concede incentivos fiscais com redução da Alíquota de IPTU e ISSQN às empresas que venham a se instalar no Município de Caucaia e dá outras providências A PREFEITA

Leia mais

DECRETO Nº 42.992, DE 20 DE MARÇO DE 2003. MARTA SUPLICY, Prefeita do Município de São Paulo, no uso das atribuições que lhe são conferidas por lei,

DECRETO Nº 42.992, DE 20 DE MARÇO DE 2003. MARTA SUPLICY, Prefeita do Município de São Paulo, no uso das atribuições que lhe são conferidas por lei, DECRETO Nº 42.992, DE 20 DE MARÇO DE 2003 Regulamenta disposições da Lei n 13.478, de 30 de dezembro de 2002, alterada pela Lei nº 13.522, de 19 de fevereiro de 2003, que instituiu a Taxa de Resíduos Sólidos

Leia mais

DECRETO N 28.662, DE 08 DE MARÇO DE 2007

DECRETO N 28.662, DE 08 DE MARÇO DE 2007 ESTADO DO CEARÁ DECRETO N 28.662, DE 08 DE MARÇO DE 2007 * Publicado no DOE em 12/03/2007. REGULAMENTA O ART.25 DA LEI COMPLEMENTAR Nº58, DE 31 DE MARÇO DE 2006 (DOE-CE DE 31.03.2006), QUE DISPÕE SOBRE

Leia mais

PORTARIA Nº 1 DE 25 DE MAIO DE 2006.

PORTARIA Nº 1 DE 25 DE MAIO DE 2006. PORTARIA Nº 1 DE 25 DE MAIO DE 2006. (Publicada no DOU, 26 de maio de 2006, Seção 1, pág. 101) Aprova Ementas Normativas da Secretaria de Relações do Trabalho. O SECRETÁRIO DE RELAÇÕES DO TRABALHO DO MINISTÉRIO

Leia mais

EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELÉGRAFOS PROCESSO PARA SELEÇÃO DE ESTAGIÁRIOS DE NÍVEL MÉDIO EDITAL Nº E 143/2015

EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELÉGRAFOS PROCESSO PARA SELEÇÃO DE ESTAGIÁRIOS DE NÍVEL MÉDIO EDITAL Nº E 143/2015 EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELÉGRAFOS PROCESSO PARA SELEÇÃO DE ESTAGIÁRIOS DE NÍVEL MÉDIO EDITAL Nº E 143/2015 A Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos, empresa pública federal, criada pelo

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.771, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2015

CIRCULAR Nº 3.771, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2015 CIRCULAR Nº 3.771, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2015 Dispõe sobre os procedimentos a serem observados pelas cooperativas de crédito para instrução de processos referentes a pedidos de autorização e dá outras providências.

Leia mais

Luiz A. Paranhos Velloso Junior Presidente da Junta Comercial do Estado do Rio de Janeiro ID. 1919046-8

Luiz A. Paranhos Velloso Junior Presidente da Junta Comercial do Estado do Rio de Janeiro ID. 1919046-8 PORTARIA JUCERJA N.º 1.408, DE 25 DE AGOSTO DE 2015. APROVA REGULAMENTO DE CREDENCIAMENTO DE PERITOS GRAFOTÉCNICOS, NO ÂMBITO DA JUCERJA. O PRESIDENTE DA JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, no

Leia mais

PARCELAMENTO ESPECIAL DO ICMS

PARCELAMENTO ESPECIAL DO ICMS PARCELAMENTO ESPECIAL DO ICMS A Resolução da Secretária da Fazenda nº 108, publicada do DOE de hoje, institui o parcelamento especial dos débitos fiscais relativos ao ICMS decorrentes de fatos geradores

Leia mais

Veja abaixo a análise da Comssu sobre os contratos elaborados pelas operadoras de saúde

Veja abaixo a análise da Comssu sobre os contratos elaborados pelas operadoras de saúde Veja abaixo a análise da Comssu sobre os contratos elaborados pelas operadoras de saúde A celebração dos contratos entre as operadoras e os prestadores de serviço, regulada pelas Resoluções Normativas

Leia mais

Carteira de Transporte Escolar Metropolitano. Manual de Orientação aos Estudantes Com direito ao PASSE LIVRE. Região Metropolitana de Sorocaba

Carteira de Transporte Escolar Metropolitano. Manual de Orientação aos Estudantes Com direito ao PASSE LIVRE. Região Metropolitana de Sorocaba MA-GRS-004 Versão: 01 Vigência: 2016 Página: 1 / 19 Carteira de Transporte Escolar Metropolitano 2016 Manual de Orientação aos Estudantes Com direito ao PASSE LIVRE Região Metropolitana de Sorocaba MA-GRS-004

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.494, de 20 de novembro de 2015. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.494, de 20 de novembro de 2015. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC N.º 1.494, de 20 de novembro de 2015. Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE:

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO SINERGIA

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO SINERGIA ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO SINERGIA I Denominação e Objetivo Artigo 1º O Clube de Investimento SINERGIA é constituído por número limitado de membros que têm por objetivo a aplicação de recursos

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO VERDE

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO VERDE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS, QUE ENTRE SI, CELEBRAM O MUNICÍPIO DE RIO VERDE, ATRAVÉS DO FUNDO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO - FME E A SRª HELENA DA SILVA GUIMARÃES DE SOUZA,

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 777 de 19/10/07 DOU 30/11/07

Instrução Normativa RFB nº 777 de 19/10/07 DOU 30/11/07 Instrução Normativa RFB nº 777 de 19/10/07 DOU 30/11/07 Estabelece procedimentos de credenciamento de funcionários de entidades autorizadas a emitir certificados de origem, para fins de acesso ao sistema

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA ODONTOLÓGICA

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA ODONTOLÓGICA CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA ODONTOLÓGICA Modelo de contrato Protegido pela Lei nº 9.610, de 19/02/1998 - Lei de Direitos Autorais IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTES CONTRATANTE:(Nome

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de Minas Gerais (CRMV-MG)

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de Minas Gerais (CRMV-MG) .1. RESOLUÇÃO Nº 332 Estabelece procedimento para a concessão de apoio financeiro e institucional. O Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de Minas Gerais (CRMV-MG), no uso da atribuição

Leia mais

PORTARIA Nº 146 /2011-DG BRASÍLIA, 16 DE JUNHO DE 2011.

PORTARIA Nº 146 /2011-DG BRASÍLIA, 16 DE JUNHO DE 2011. PORTARIA Nº 146 /2011-DG BRASÍLIA, 16 DE JUNHO DE 2011. DISPÕE SOBRE O PROCESSO DE INCENTIVO DE CONCESSÃO DE BOLSA DE ESTUDO DE IDIOMA ESTRANGEIRO NO ÂMBITO DA AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS

Leia mais

DECRETO Nº 15.114,DE 8 DE JANEIRO DE 2013 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

DECRETO Nº 15.114,DE 8 DE JANEIRO DE 2013 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS DECRETO Nº 15.114,DE 8 DE JANEIRO DE 2013 Disciplina a celebração de convênios e operações de crédito com previsão de ingresso de recursos financeiros que beneficiem órgãos e entidades da Administração

Leia mais

Portaria nº 008 -SEF, de 23 de Dezembro de 2003

Portaria nº 008 -SEF, de 23 de Dezembro de 2003 Portaria nº 008 -SEF, de 23 de Dezembro de 2003 Aprova as Normas para a Apuração de Irregularidades Administrativas. O SECRETÁRIO DE ECONOMIA E FINANÇAS, de acordo com o que prescreve o art. 117 das Instruções

Leia mais

PORTARIA Nº 131, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2008

PORTARIA Nº 131, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2008 PORTARIA Nº 131, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2008 Estabelece os requisitos técnicos e procedimentos para credenciamento de empresas prestadoras de serviço de vistoria em veículos automotores. O DIRETOR DO DEPARTAMENTO

Leia mais

PORTARIA Nº 79, 26 DE maio DE 2015

PORTARIA Nº 79, 26 DE maio DE 2015 PORTARIA Nº 79, 26 DE maio DE 2015 Institui, no âmbito da Autoridade Pública Olímpica APO, o Serviço de Informação ao Cidadão SIC, e revoga a Portaria nº 41, de 2013, que instituíra e disciplinava o Serviço

Leia mais

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Fazenda Departamento Geral de Administração e Finanças TERMO DE REFERÊNCIA

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Fazenda Departamento Geral de Administração e Finanças TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA Código de Classificação: 13.02.01.15 1 DO OBJETO: A presente licitação tem por objeto a contratação de empresa para prestação dos serviços de cobertura securitária (seguro) para assegurar

Leia mais

VIPMAIS. CAPEMISA SEGURADORA DE VIDA E PREVIDÊNCIA S/A Manual do Cliente VIP Mais Versão Out./12

VIPMAIS. CAPEMISA SEGURADORA DE VIDA E PREVIDÊNCIA S/A Manual do Cliente VIP Mais Versão Out./12 VIPMAIS 2 VIP MAIS MANUAL DO CLIENTE Bem-vindo à CAPEMISA. Parabéns, você acaba de adquirir um produto garantido pela CAPEMISA Seguradora de Vida e Previdência S/A que protege a sua família, caso algum

Leia mais

Edital de Chamamento Público nº 001/2016 Protocolo nº 020/2015

Edital de Chamamento Público nº 001/2016 Protocolo nº 020/2015 Edital de Chamamento Público nº 001/2016 Protocolo nº 020/2015 Credenciamento de instituições financeiras interessadas na concessão de empréstimos consignados em folha de pagamento aos empregados desta

Leia mais

TOMADA DE CONTAS ESPECIAL

TOMADA DE CONTAS ESPECIAL TOMADA DE CONTAS ESPECIAL COMPARATIVO ENTRE A IN TCU Nº 13/1996 E A IN TCU Nº 56/2007 IN TCU Nº 13/1996 IN TCU Nº 56/2007 Art. 1º Diante da omissão no dever de prestar contas, da não comprovação da Aplicação

Leia mais

EDITAL N.º 138/2012 TESTE DE PROFICIÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA - 1º SEMESTRE/2012

EDITAL N.º 138/2012 TESTE DE PROFICIÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA - 1º SEMESTRE/2012 EDITAL N.º 138/2012 TESTE DE PROFICIÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA - 1º SEMESTRE/2012 A REITORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA, no uso de suas atribuições legais e estatutárias torna público para conhecimento

Leia mais

CARTA TÉCNICA CERTIFICADO DE ENTIDADE BENEFICENTE DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CEBAS ÁREA: SAÚDE

CARTA TÉCNICA CERTIFICADO DE ENTIDADE BENEFICENTE DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CEBAS ÁREA: SAÚDE CARTA TÉCNICA CERTIFICADO DE ENTIDADE BENEFICENTE DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CEBAS ÁREA: SAÚDE ENTIDADES ABRANGIDAS: Entidades que atuam na área da saúde (Art. 4º ao Art. 11º da Lei nº 12.101/2009) ÓRGÃO RESPONSÁVEL

Leia mais

EDITAL FAPES Nº 003/2010

EDITAL FAPES Nº 003/2010 EDITAL FAPES Nº 003/2010 Seleção de propostas a serem apresentadas pelos Programas de Pósgraduação stricto sensu do estado do Espírito Santo, visando à concessão de quotas de bolsas para formação de recursos

Leia mais

ANEXO I Documentos para apresentação de Impugnação e Recurso

ANEXO I Documentos para apresentação de Impugnação e Recurso ANEXO I Documentos para apresentação de Impugnação e Recurso 1. A apresentação do Formulário constante no Anexo III desta IN é documento indispensável e deve acompanhar cada impugnação ou recurso, nele

Leia mais

NOSSA FAMÍLIA Escola de Educação Infantil Ltda.

NOSSA FAMÍLIA Escola de Educação Infantil Ltda. CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EDUCACIONAIS Pelo presente instrumento particular de CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS, de uma lado, a NOSSA FAMÍLIA ESCOLA DE EDUCAÇÃO INFANTIL LTDA, com sede na Avenida

Leia mais

RESOLUÇÃO N 24, DE 6 DE JUNHO DE 2012.

RESOLUÇÃO N 24, DE 6 DE JUNHO DE 2012. RESOLUÇÃO N 24, DE 6 DE JUNHO DE 2012. Dispõe sobre o acervo técnico do arquiteto e urbanista e a emissão de Certidão de Acervo Técnico (CAT), sobre o registro de atestado emitido por pessoa jurídica de

Leia mais

REGULAMENTO DAS BIBLIOTECAS. Art. 2º As Bibliotecas da Univás estão a serviço da comunidade, oferecendo aos usuários:

REGULAMENTO DAS BIBLIOTECAS. Art. 2º As Bibliotecas da Univás estão a serviço da comunidade, oferecendo aos usuários: REGULAMENTO DAS BIBLIOTECAS CAPÍTULO I DA FINALIDADE Art. 1 Este Regulamento normatiza o funcionamento das Bibliotecas da Universidade do Vale do Sapucaí Univás, mantida pela Fundação de Ensino Superior

Leia mais

EDITAL Nº 0059/2014 UNESCO

EDITAL Nº 0059/2014 UNESCO UNESCO Brasília Office Representação da UNESCO no Brasil EDITAL Nº 0059/2014 UNESCO Desenvolvimento de um sistema de informações para a realização da atividade de gestão estratégica em nível governamental

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO NA MODALIDADE LOCAL PLANOS DE SERVIÇO CLARO FIXO.

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO NA MODALIDADE LOCAL PLANOS DE SERVIÇO CLARO FIXO. CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO NA MODALIDADE LOCAL PLANOS DE SERVIÇO CLARO FIXO. Objeto O objeto do presente Contrato é a prestação, pela EMBRATEL, do Serviço Telefônico Fixo

Leia mais

Instrução Normativa RFB Nº 1590 DE 05/11/2015

Instrução Normativa RFB Nº 1590 DE 05/11/2015 Instrução Normativa RFB Nº 1590 DE 05/11/2015 Publicado no DO em 6 nov 2015 Dispõe sobre a aplicação do art. 9º-A da Lei nº 10.925, de 23 de julho de 2004, que dispõe sobre o crédito presumido da Contribuição

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DO PARÁ ACEPA CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ CESUPA RENOVAÇÃO DE MATRÍCULAS PARA O 1º SEMESTRE DE 2015

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DO PARÁ ACEPA CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ CESUPA RENOVAÇÃO DE MATRÍCULAS PARA O 1º SEMESTRE DE 2015 ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DO PARÁ ACEPA CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ CESUPA RENOVAÇÃO DE MATRÍCULAS PARA O 1º SEMESTRE DE 2015 EDITAL Nº 046/2014 1. O Reitor do Centro Universitário do

Leia mais

Apresenta-se como importante ferramenta para fortalecer a gestão do SUS, promover a adequação, a expansão e a potencialização dos serviços de saúde ¹

Apresenta-se como importante ferramenta para fortalecer a gestão do SUS, promover a adequação, a expansão e a potencialização dos serviços de saúde ¹ Importância do CEBAS Apresenta-se como importante ferramenta para fortalecer a gestão do SUS, promover a adequação, a expansão e a potencialização dos serviços de saúde ¹ - Isenção das Contribuições Sociais;

Leia mais

RESOLUÇÃO CONFE No 87, de 26 de dezembro de 1977.

RESOLUÇÃO CONFE No 87, de 26 de dezembro de 1977. RESOLUÇÃO CONFE No 87, de 26 de dezembro de 1977. DÁ NOVA REDAÇÃO À RESOLUÇÃO N o 18, DE 10.02.72, DO CONSELHO FEDERAL DE ESTATÍSTICA, PUBLICADA NO DIÁRIO OFICIAL DE 27.03.72. CONSELHO FEDERAL DE ESTATÍSTICA

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA VETERINÁRIA DE PERNAMBUCO

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA VETERINÁRIA DE PERNAMBUCO CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA VETERINÁRIA DE PERNAMBUCO Resolução nº 004, de 25 de março de 2015 Estabelece requisitos a serem observados para obtenção de apoio financeiro ou institucional junto ao CRMV-PE.

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA DENATRAN Nº 01, de 09 de dezembro de 2003.

INSTRUÇÃO NORMATIVA DENATRAN Nº 01, de 09 de dezembro de 2003. INSTRUÇÃO NORMATIVA DENATRAN Nº 01, de 09 de dezembro de 2003. Estabelece orientações e procedimentos a serem adotados na celebração de Contratos, Convênios, Termos de Cooperação, Acordos de Cooperação

Leia mais

MINUTA-PARÂMETRO DE CONTRATO PARA AQUISIÇÃO DE BENS DE INFORMÁTICA E AUTOMAÇÃO, DECORRENTE DE PREGÃO ELETRÔNICO. Anexo nº...

MINUTA-PARÂMETRO DE CONTRATO PARA AQUISIÇÃO DE BENS DE INFORMÁTICA E AUTOMAÇÃO, DECORRENTE DE PREGÃO ELETRÔNICO. Anexo nº... MINUTA-PARÂMETRO DE CONTRATO PARA AQUISIÇÃO DE BENS DE INFORMÁTICA E AUTOMAÇÃO, DECORRENTE DE PREGÃO ELETRÔNICO. Anexo nº... Minuta Contratual CONTRATO Nº.../... QUE FIRMAM A UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS

Leia mais

CONTRATO DE CESSÃO DE USO DO CARTÃO BHBUS COMODATO

CONTRATO DE CESSÃO DE USO DO CARTÃO BHBUS COMODATO Página 1 de 6 CONTRATO DE CESSÃO DE USO DO CARTÃO BHBUS COMODATO REGISTRADO NO 2º OFÍCIO DE REGISTRO DE TÍTULOS E DOCUMENTOS DE BELO HORIZONTE, MICROFILME Nº 1086610 1. PARTES: FORNECEDOR: Consórcio Operacional

Leia mais

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO Nº 06/2012 VALE TRANSPORTE

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO Nº 06/2012 VALE TRANSPORTE INSTRUÇÃO DE SERVIÇO Nº 06/2012 VALE TRANSPORTE A GERENTE GERAL DE DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS, no uso de suas atribuições deliberadas pela Portaria SE Nº 1495, de 01/03/2011, resolve tornar pública esta

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE CENTRO FORMADOR DE RECURSOS HUMANOS CEFOR/SES-PB. CURSO TÉCNICO SAÚDE BUCAL

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE CENTRO FORMADOR DE RECURSOS HUMANOS CEFOR/SES-PB. CURSO TÉCNICO SAÚDE BUCAL ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE EDITAL Nº. 06/2012/SES/CEFOR-PB A Secretaria do Estado da Saúde, através do CEFOR-PB, torna público para conhecimento dos interessados a realização de PROCESSO

Leia mais

EDITAL Nº 01/2016, de 18 de janeiro de 2016 DIVULGAÇÃO

EDITAL Nº 01/2016, de 18 de janeiro de 2016 DIVULGAÇÃO EDITAL Nº 01/2016, de 18 de janeiro de 2016 PROCESSO SELETIVO PARA O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PRESENCIAL PARA O PRIMEIRO SEMESTRE LETIVO DE 2016 A Faculdade Católica Recife torna público aos

Leia mais

RESOLUÇÃO/PRESI 600-26 DE 07 DE DEZEMBRO DE 2009.

RESOLUÇÃO/PRESI 600-26 DE 07 DE DEZEMBRO DE 2009. RESOLUÇÃO/PRESI 600-26 DE 07 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre o acesso às peças digitais da consulta processual e o recebimento de Petição, por meio eletrônico, no âmbito da Primeira Região. O PRESIDENTE

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO PORTARIA N.º 652, DE 19 DE MAIO DE 2011 RESOLVE: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO PORTARIA N.º 652, DE 19 DE MAIO DE 2011 RESOLVE: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS PORTARIA N.º 652, DE 19 DE MAIO DE 2011 A SECRETÁRIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso de suas atribuições legais, especialmente em referência ao disposto no artigo 25, da Constituição Federal de 1988, e ao

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA GOVERNADORIA LEI N. 3.177, DE 11 DE SETEMBRO DE 2013. PUBLICADO NO DOE Nº 2297, DE 11.09.13

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA GOVERNADORIA LEI N. 3.177, DE 11 DE SETEMBRO DE 2013. PUBLICADO NO DOE Nº 2297, DE 11.09.13 LEI N. 3.177, DE 11 DE SETEMBRO DE 2013. PUBLICADO NO DOE Nº 2297, DE 11.09.13 Consolidada, alterada pela Lei nº: 3250, de 19.11.13 DOE n. 2343, de 19.11.13 Autoriza o Poder Executivo a realizar a compensação

Leia mais