CONCURSO MELHORES PRÁTICAS DO MINISTÉRIO PÚBLICO DE MINAS GERAIS - INICIATIVA EXTRAJUDICIAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONCURSO MELHORES PRÁTICAS DO MINISTÉRIO PÚBLICO DE MINAS GERAIS - INICIATIVA EXTRAJUDICIAL"

Transcrição

1 CONCURSO MELHORES PRÁTICAS DO MINISTÉRIO PÚBLICO DE MINAS GERAIS INICIATIVA EXTRAJUDICIAL PROJETO INFÂNCIA E JUVENTUDE PROTEGIDAS Uma Abordagem em Rede Autores: Maria de Lurdes Rodrigues Santa Gema Celso Penna Fernandes Júnior Mábel Heloisa Fulgêncio Campos Piancastelli Comarca: Belo Horizonte Contatos: (31) (31) Obs: O projeto possui CD com material. Solicita autorização para juntada.

2 1 REDE DE ATENÇÃO À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE DE BELO HORIZONTE Comunidade da Regional Leste Conselho Tutelar Leste Defensoria Pública do Estado de Minas Gerais Polícia Civil Polícia Militar Promotoria de Justiça da Infância e Juventude Secretaria de Administração Regional Secretaria Municipal Adjunta de Assistência Social Secretaria Municipal de Educação Secretaria Municipal de Saúde Secretaria Municipal de Segurança Urbana BELO HORIZONTE 2009/2012

3 2 Rede de Atenção à Criança e ao Adolescente de Belo Horizonte PROJETO INFÂNCIA E JUVENTUDE PROTEGIDAS UMA ABORDAGEM EM REDE Projeto piloto desenvolvido por toda a Rede de Proteção à criança e ao Adolescente de Belo Horizonte para ser implantado inicialmente nos Bairros Taquaril e Alto Vera Cruz, pertencentes à Regional Leste de Belo Horizonte e posteriormente em outras regionais. BELO HORIZONTE 2009/2012

4 3 EPÍGRAFE Uma estrutura em rede que é uma alternativa à estrutura piramidal corresponde também ao que seu próprio nome indica: seus integrantes se ligam horizontalmente a todos os demais, diretamente ou através dos que os cercam. O conjunto resultante é como uma malha de múltiplos fios, que pode se espalhar indefinidamente para todos os lados, sem que nenhum dos seus nós possa ser considerado principal ou central, nem representante dos demais. Não há um chefe, o que há é uma vontade coletiva de realizar determinado objetivo. Francisco Whitaker

5 4 RESUMO O presente trabalho é uma proposta de iniciativa do Ministério Público do Estado de Minas Gerais, através do seu órgão de execução Promotoria de Justiça da Infância e Juventude Cível para atuação conjunta e articulada de diversos órgãos para a proteção de crianças e adolescentes em situação de risco que será implementado, em princípio, nos bairros Taquaril e Alto Vera Cruz pertencentes à região leste da Capital mineira e posteriormente nas demais regionais administrativas da PBH. Palavraschave: atuação conjunta; proteção; situação de risco; crianças e adolescentes.

6 5 LISTA DE SIGLAS CIA Centro Integrado de Atendimento ao Adolescente Autor de Ato Infracional CMDCA Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente CT Conselho Tutelar DELCAD Delegacia Especializada de Localização de Crianças e Adolescentes DEOAD Delegacia Especializada de orientação ao Adolescente DEPCA Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente DOPCAD Divisão de Orientação e Proteção de Crianças e Adolescentes DEPIN Delegacia Especializada do Plantão Interinstitucional GEPAR Grupo Especializado EM Policiamento em Áreas de Risco MPE Ministério Público Estadual PBHPrefeitura Municipal de Belo Horizonte PJIJ Promotoria de Justiça da Infância e Juventude SARMU Secretaria de Administração Regional Municipal SEFAPP I Setor de Fiscalização e Acompanhamento das Políticas Públicas I SMAAS Secretaria Municipal Adjunta de Assistência Social SMED Secretaria Municipal de Educação

7 6 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO Justificativa e objetivo COMO TUDO COMEÇOU A ELABORAÇÃO DOS FLUXOGRAMAS DE INTERVENÇÃO Informações para Leitura e Aplicação dos Fluxogramas Do Fluxograma de Intervenção I Dos Fluxogramas de Intervenção II e III Dos Fluxogramas de Intervenção IV e V Do Fluxograma de Intervenção VI Do Fluxograma de Intervenção VII Do Fluxograma de Intervenção VIII Do Fluxograma de Intervenção IX A CAPACITAÇÃO DA REDE A MOBILIZAÇÃO DA COMUNIDADE AVALIAÇÃO CULMINÂNCIA SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS ANEXO I ANEXO II ANEXO III ANEXO IV TELEFONES ÚTEIS...45

8 7 1 INTRODUÇÃO O projeto Infância e Juventude Protegidas Uma Abordagem em Rede é uma construção conjunta da rede proteção à criança e ao adolescente de Belo Horizonte, através de uma ação articulada iniciada pelo MPEPromotoria de Justiça da Infância e Juventude de Belo Horizonte, que conta com a colaboração de autoridades responsáveis de vários órgãos. Este projeto nasce da necessidade de se responder de forma articulada as situações de risco em relação às quais crianças e adolescentes são expostas freqüentemente, sejam elas: o abandono, a exploração sexual, o abuso e o tráfico de drogas, a exploração da mão de obra infantil, ou outra espécie de violação. As variações destas situações de risco demandam uma agilidade de resposta que não pode ser dada por um único órgão ou esfera de poder. Frente a esta situação, reúnemse as autoridades e se estabelece uma sintonia, que pretende uma experiência piloto de intervenção, que contemple, acima de tudo, enfatizar o aspecto da proteção às crianças e adolescentes. No desenrolar das discussões, cada participante se convence que a missão prioritária deste esforço é agir de seu lugar, com um olhar cada vez preventivo, no intuito de proteger estas crianças e adolescentes que incorporaram situações de risco ao sentido de sua existência. Sentido esse que se coloca a margem da cidadania e da garantia de direitos. O projeto que segue é de experimento de uma nova intenção que pretende fazer da infância e da adolescência em Belo Horizonte uma passagem menos arriscada.

9 8 1.1 Justificativa e Objetivo A partir da Constituição de 1988 e do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), as crianças brasileiras, sem distinção de raça, classe social, ou credo passaram a ser sujeitos de direitos, considerados em sua peculiar condição de pessoas em desenvolvimento e a quem se deve assegurar prioridade absoluta, no que tange aos aspectos de educação, saúde, assistência social, convívio familiar, entre outros. Contudo, a todo momento crianças e adolescentes são flagradas em situação de risco, em desacordo com o que é preconizado pelo ECA. Na subárea de responsabilidade territorial da 128ª Companhia Especial da Polícia Militar, mais precisamente nos aglomerados do Alto Vera Cruz e Taquaril, é comum, durante o patrulhamento rotineiro ou em atendimentos de ocorrências, os policiais se depararem com crianças e adolescentes em pontos onde são comercializadas drogas, conhecidos como boca de fumo, interagindo com indivíduos de conduta social altamente reprovável e prontuariados por tráfico de drogas e outros crimes. Essas crianças e adolescentes geralmente são seduzidos com a promessa de riqueza, status, melhor qualidade de vida e, a partir daí, são utilizados como instrumento para a consumação do delito de tráfico de drogas, que traz consigo uma série de outros delitos e faz com que esses jovens ingressem no caminho da criminalidade, quase que sem volta. Dados estatísticos fornecidos pela Polícia Militar comprovam a situação de risco em que está inserido o jovem que habita nos Bairros Taquaril e Alto Vera Cruz. No período de janeiro de 2008 a janeiro de 2009, foram registradas 143 ocorrências em que crianças e adolescentes estavam envolvidos com drogas, sendo 93 registros referentes ao tráfico de drogas e 50 registros referentes ao uso ou consumo de drogas. Além disso, foram registradas, no mesmo período, 17 ocorrências em que crianças e adolescentes foram flagrados portando arma(s) de fogo, sendo apreendidas um total de 23 armas, o que demonstra a participação efetiva dos jovens na criminalidade local. Outro problema que também é comum nos bairros Taquaril e Alto Vera Cruz é a prática do chamado surf rodoviário, ou de jovens que se dependuram nas traseiras dos

10 9 ônibus e caminhões, com ou sem bicicleta. Tais práticas, apesar de terem uma conotação menos violenta e serem mais aceitas e tratadas na sociedade como coisa de jovem, na verdade contribuem para criar um clima de desordem e insegurança na comunidade, além de colocar em risco os usuários da via e, principalmente os próprios adolescentes. Outras situações, como a de abuso sexual, também fazem parte do rol das violações de direitos a que estão submetidas as crianças e adolescentes residentes nos bairros Taquaril e Alto Vera Cruz. Entretanto, na maioria das vezes, essas situações não chegam sequer ao conhecimento das autoridades que deveriam ter ciência desses fatos, muito em função de que, em grande parte dos casos, os autores dos abusos sexuais são os próprios familiares. Como é sabido no meio policial, os adultos envolvidos em práticas criminosas utilizamse da mãodeobra de crianças e adolescentes para atuarem em atividades ilícitas, contando com a inimputabilidade destes. A cada dia tornase ainda mais frequente a atuação de crianças e adolescentes envolvidos em atividades de atos infracionais como tráfico de drogas, roubos, furtos, prática esta com incidência crescente entre crianças e adolescentes com menor idade. Uma atuação objetiva e qualificada e continuada da Polícia Militar e dos demais agentes que trabalham e lidam diretamente com esses jovens nas ruas, poderá evitar que crianças e adolescentes se arrisquem no mundo do crime. Para tanto, é necessário que providências sejam tomadas de maneira eficiente na primeira abordagem, quando esses jovens são flagrados em situações que os exponham a risco. Faltas como pegar traseira em coletivos ou atitudes como a permanência em bocas de fumo ficam, na maioria das vezes, sem nenhuma providência por parte da Polícia Militar, que é, geralmente, o primeiro órgão a deparar com tais situações. A principal justificativa dessa falta de atuação está na inexistência de uma conduta operacional padronizada e em harmonia com os demais órgãos integrantes do sistema, que acarreta na descontinuidade de qualquer tipo de ação. De maneira genérica, a Polícia atua quando o jovem efetivamente se envolve em atos infracionais e é flagrado no seu cometimento. Contudo, é muito mais viável e proveitoso para a sociedade que o problema seja atacado na sua nascente, ou seja, que

11 10 seja precocemente detectado e combatido, evitando, dessa forma, a inclusão do jovem no caminho da criminalidade. A apatia dos órgãos e pessoas competentes para orientar, proteger e garantir os direitos das crianças e adolescentes só faz com que os criminosos invistam cada vez mais seus esforços na tentativa de utilizar a mãodeobra infantojuvenil, em proveito das suas atividades delituosas, roubando completamente a infância dos jovens e privandolhes daquilo que foi definido e constituído universalmente como direitos fundamentais e inerentes a todas as crianças e adolescentes. E é este contexto de violações que justifica o presente projeto que surge a partir da união de esforços de diversos órgãos com a finalidade de garantir a proteção das crianças e adolescentes em situação de risco e/ou violação de direitos. A proposta será paulatinamente implementada nas regionais administrativas da Prefeitura Municipal de Belo Horizonte.

12 11 2 COMO TUDO COMEÇOU Em janeiro de 2009 a Promotoria de Justiça da Infância e Juventude Cível de Belo Horizonte (a seguir PJIJ) realizou uma reunião com o Conselho Tutelar Leste e a Polícia Militar, especificamente o Grupo Especializado em Policiamento de Área de Risco da Regional Leste (doravante GEPAR) que tinham o objetivo de desenvolver um Projeto de proteção de crianças e adolescentes em situação de risco e de prevenção de atos infracionais na regional. O Conselho Tutelar e o GEPAR tinham por objetivo discutir mecanismos ou formas de atuação da Polícia Militar nos casos de crianças e adolescentes em Boca de Fumo e surfando em veículos. Os Promotores de Justiça, que já vinham discutindo interna corporis os registros dos casos de crianças e adolescentes vítimas que eram detectados nas ocorrências da PM encaminhadas à PJIJ no exercício da atividade do controle externo da atividade policial, discutiram com o Setor Técnico da Promotoria de Justiça e chegaram a conclusão de que o Projeto tinha que atender não somente às mencionadas situações de risco, mas, várias outras situações de violação de direitos das crianças e adolescentes. Diante da sugestão apresentada pelo Setor de Fiscalização e Acompanhamento das Políticas Públicas SEFAPP I, foi realizada uma reunião com o representante do GEPAR no sentido de ampliar as ações de intervenção do Projeto, ocasião em que foi indagado se a Polícia Militar teria efetivo suficiente para desenvolver o projeto. A proposta foi prontamente aceita pelo representante do GEPAR e a partir deste momento a PJIJ assumiu a responsabilidade de elaborar propostas de fluxogramas de intervenção em diversas situações de risco que crianças e adolescentes estão expostas e convidar toda a rede para discussão, aperfeiçoamento e aprovação dos fluxogramas. Em fevereiro de 2009, a PJIJ convidou vários órgãos públicos para discutirem a proposta do projeto piloto voltado para a proteção das crianças e adolescentes em situação de risco da Região Leste da Cidade. O projeto tem por fim a articulação de toda a rede de atendimento a crianças e adolescentes juntamente com a Polícia Militar para promover a proteção de crianças e adolescentes em situações de risco, tais como: trabalho infantil, trajetória de vida nas

13 12 ruas, violência sexual, surf em veículos, prática de ato infracional, uso de drogas, dentre outras situações. A perspectiva é de que as ações policiais identificadas ou não como ato infracional fossem abordadas pela Polícia Militar e encaminhadas para acolhimento na rede de proteção social de Belo Horizonte com todas as garantias de proteção exigidas pela Constituição Federal e pelo Estatuto da Criança e Adolescente, ampliando o potencial protetivo das ocorrências, transformandoas em um elemento de maior eficiência para o alcance dessa proteção a partir de fluxogramas básicos reconhecidos por todos os agentes públicos envolvidos. A partir do primeiro convite feito à rede, várias reuniões foram realizadas com o objetivo de discutir os fluxogramas, tendo sido levantadas inúmeras situações com as quais os agentes de abordagem poderiam se deparar, ocasiões estas, em que vários fluxogramas tiveram que ser ainda mais detalhados. Após a realização de diversos encontros de discussões, no dia 23 de março, os fluxogramas foram aprovados pela rede de proteção à criança e ao adolescente de Belo Horizonte. Os fluxogramas elaborados reafirmam os fluxos internos de cada órgão ou instituição, uma vez que a proposta não inova no atendimento, na ação judicial ou policial, mas cria as condições para a efetiva articulação entre esses, aproveitando, inclusive, dos avanços em processo de implantação de projetos de reestruturação das estruturas e serviços públicos dos órgãos instituições que compõem a Rede de Proteção Social e de Garantia de Direito com atuação no Município. Vencida a primeira etapa, de elaboração e aprovação por consenso dos fluxogramas propostos pela Equipe Técnica da Promotoria, a rede concluiu que, previamente, ao início do projeto piloto na Leste, os agentes de segurança pública, integrantes das polícias Militar e Civil, Guarda Municipal, bem como, representantes dos demais órgãos da rede de proteção seriam capacitados nas ações de abordagem e proteção das crianças e adolescentes em situação de risco. A proposta do curso é de sensibilização de todo o grupo envolvido no projeto e sua qualificação para a abordagem e encaminhamentos das crianças e adolescentes em situação de risco, para assim, tornar a ocorrência ruim em uma ocorrência boa, na

14 13 medida em que o agente de abordagem terá conhecimento do melhor tratamento e encaminhamento a ser dado à população prioridade absoluta.

15 14 3 A ELABORAÇÃO DOS FLUXOGRAMAS DE INTERVENÇÃO A PJIJ Cível assumiu a responsabilidade de criar propostas de fluxogramas que seriam submetidas à apreciação de toda a rede e estariam sujeitas a alterações propostas por todos os atores do sistema de garantias. A proposta inicial continha 12 fluxogramas de intervenção para as seguintes situações: crianças e adolescentes em Boca de Fumo, trabalho infantil família de Belo Horizonte, trabalho infantil família da região metropolitana, Adolescente apreendido em flagrante de ato infracional no horário de funcionamento do plantão interinstitucional ato grave, adolescente apreendido em flagrante de ato infracional no horário de funcionamento do plantão interinstitucional ato não grave, adolescente apreendido em flagrante de ato infracional fora do horário de funcionamento do plantão interinstitucional, adolescente pratica ato infracional sem flagrante, criança apreendida em prática de ato infracional, criança ou adolescente vítima de abuso ou exploração sexual, criança ou adolescente com trajetória de vida nas ruas, criança ou adolescente usuário de drogas e surf em veículos. Acompanhavam os fluxogramas o conceito de todas as violações tratadas nestes. Na primeira reunião ampliada realizada no dia 05 de março de 2009 foram criados dois subgrupos, quais sejam, o Subgrupo Atendimento e o Subgrupo Jurídico, com o intuito de facilitar os debates, enriquecer as discussões e promover o aperfeiçoamento dos fluxogramas de intervenção. No dia 10 de março foi realizada a primeira reunião do Subgrupo Atendimento. A Secretaria Municipal Adjunta de Assistência Social mobilizou setores internos e serviços não somente daquela pasta, mas também relacionados a outras secretarias como a Secretaria Municipal de Educação e a de Segurança Urbana. Todos os presentes haviam sido esclarecidos sobre os objetivos do Projeto Infância e Juventude Protegidas e da necessidade de contribuição de todos para a consecução de resultados positivos quando da implementação das ações. As discussões dos fluxogramas não foram encerradas na primeira reunião do subgrupo Atendimento. O referido subgrupo entendeu que antes de se discutir os fluxogramas em espécie era necessário se discutir, anteriormente, a metodologia de abordagem dos Policiais Militares e também estratégias para evitar a sobreposição de

16 15 abordagens, considerando que o Município possui equipes de Abordagem de Rua que estão diariamente nas ruas da Capital identificando as crianças e adolescentes que se encontram nas ruas, seja em situação de trabalho irregular e desprotegido ou mesmo em situação de trajetória de vida nas ruas. Para dar continuidade às discussões iniciadas, o subgrupo Atendimento agendou nova reunião para o dia 18 de março. A primeira reunião do subgrupo Jurídico ocorreu no dia 12 de março ocasião em que seus membros concluíram a análise de 05 fluxogramas. A partir das discussões realizadas os integrantes do mencionado subgrupo decidiram unir em um único fluxograma os casos de crianças e adolescentes em Boca de Fumo e usuários de drogas por considerarem que as intervenções necessárias à proteção seriam semelhantes. Os debates ocorridos possibilitaram ao grupo pensar em mecanismos de aproximação da Polícia Militar e do Conselho Tutelar com o fim de agilizar as intervenções de proteção à criança e ao adolescente. A conclusão das discussões culminou na criação de um sistema de agendamento de comparecimento dos pais ao Conselho Tutelar, agenda esta compartilhada entre este órgão e a Polícia Militar. Dando continuidade aos trabalhos, o Subgrupo Jurídico concluiu ser desnecessário especificar nos fluxogramas os atos processuais de julgamento dos casos de adolescentes autores de ato infracional e que os fluxogramas deveriam ser alterados priorizando a proteção do adolescente e as orientações quanto ao melhor encaminhamento nos casos de flagrante e não flagrante. O Subgrupo Jurídico observou a necessidade de haver um acordo entre as Polícias Civil e Militar na avaliação do fluxograma do Surf em veículos, considerando que a conduta deveria ser analisada para verificar se seria caso de ato infracional. Na análise da situação da criança que pratica ato infracional outras questões demandaram análise pormenorizada: qual o melhor encaminhamento para a criança? Como viabilizar simultaneamente a proteção da criança e realizar os procedimentos necessários à investigação de possíveis adultos que estariam utilizando daquela para a prática de crimes?

17 16 Com o fim sanear os impasses e sistematizar o trabalho entre as Polícias Civil e Militar, foi deliberada a realização de nova reunião. O Subgrupo deliberou que deveriam ser convidados para a segunda reunião o Delegado Titular da DOPCAD e o Chefe do Departamento de Investigação Orientação e Proteção à Família. Na segunda reunião realizada no dia 17 de março o Subgrupo Jurídico discutiu o fenômeno do surf em veículos e concluiu que a referida conduta é análoga à descrita no artigo 262 do Código Penal. Por esta razão, as crianças em prática de "surf devem receber o mesmo encaminhamento da criança autora de ato infracional e o adolescente em prática de surf deverá receber o mesmo encaminhamento do adolescente autor de ato infracional. Os encaminhamentos a serem realizados em casos de crianças autoras de ato infracional foram pontos de pauta que demandaram discussão pormenorizada. As discussões desencadeadas tinham por fim sanar impasses surgidos a partir da identificação da situação, quais sejam: A criança deve ser levada à Delegacia para que se apure o possível envolvimento de adultos? Para onde encaminhar os objetos apreendidos com a criança? A conclusão sobre o melhor encaminhamento dos referidos casos e que foi transformada em fluxograma de intervenção parte do princípio que a primeira abordagem deverá ser protetiva, ou seja, a partir da identificação e abordagem do caso a Polícia Militar deverá se certificar se é caso de criança desaparecida, se reside em Belo Horizonte, localizar os responsáveis, além de outras providências especificadas no fluxograma específico priorizando a proteção da criança abordada. Contudo, todo o subgrupo entendeu a importância de se garantir no fluxograma ações que subsidiassem a investigação de pessoas que, em proveito próprio, utilizam a criança para praticarem atos ilegais. A identificação dessas pessoas e a atuação da Polícia nesse sentido coibiriam ou reduziriam consideravelmente o aliciamento de crianças por adultos para a prática de atos infracionais. Em virtude dessa premissa garantiuse no fluxograma VI que a Polícia Militar deverá lavrar o REDS e encaminhalo juntamente com os objetos apreendidos à DEOAD para apuração dos fatos. A DEOAD agendará horário para a oitiva da criança acompanhada de seus responsáveis, evitando, assim, que a criança permaneça longos períodos na Delegacia.

18 17 Os fluxogramas discutidos e aprovados no Subgrupo Jurídico foram apresentados ao Subgrupo Atendimento que concordou com as alterações e aprovou os procedimentos de intervenção. Em razão do avanço nas discussões os fluxogramas foram aprovados por unanimidade no dia 23 de março. 3.1 Informações para Leitura e Aplicação dos Fluxogramas Por se tratarem de fluxogramas que estruturam o trabalho articulado entre os vários órgãos que compõem o sistema de garantias dos direitos das crianças e adolescentes visando o encaminhamento para a proteção destes, algumas ações ou encaminhamentos se fizeram presentes na maioria dos fluxogramas, muito embora estes procedimentos de intervenção tenham sido criados para violações distintas. São procedimentos incluídos em grande parte dos fluxogramas de intervenção: Consulta à DELCAD para certificar se a criança/adolescente abordado encontrase desaparecido. Este procedimento foi adotado em todos os fluxogramas, considerandose que a confluência de informações contribui para a agilidade na localização da criança/adolescente desaparecido; Busca da localização dos responsáveis. Esta providência visa garantir a agilidade da aplicação das medidas protetivas. As especificidades dos fluxogramas aprovados serão abordadas em itens específicos Do Fluxograma de Intervenção I O presente fluxograma prevê encaminhamentos para a proteção de crianças e adolescentes encontrados em Boca de Fumo e usuários de drogas. O primeiro esclarecimento a se fazer para o entendimento do fluxograma é que, o público alvo deste não está em prática de ato infracional, ou seja, a sua conduta não é

19 18 análoga a crime ou contravenção penal. Caso a conduta da criança/adolescente configure ato infracional, os fluxogramas a serem seguidos são aqueles para crianças em prática de ato infracional ou adolescente em prática de ato infracional, conforme o caso. O fluxograma deste item trata de criança ou adolescente que se encontra em local que lhe oferece riscos e inadequado para seu desenvolvimento físico, e psíquico. A outra situação, trata de criança ou adolescente que se encontra em situação de uso de drogas e por esta razão necessita de intervenções que preservem a sua saúde e promovam sua qualidade de vida. Em razão desse entendimento, o fluxograma prevê encaminhamentos nos casos de crianças e adolescentes que, em virtude do uso da droga necessitam de cuidados médicos imediatos. Para estas situações, os casos deverão ser encaminhados para as Unidades de Pronto Atendimento UPA. De acordo com o Ministério da Saúde as Unidades de Pronto Atendimento UPA 24h são estruturas de complexidade intermediária entre as Unidades Básicas de Saúde e as portas de urgência hospitalares, onde em conjunto com estas compõem uma rede organizada de Atenção às Urgências (BRASIL, 2009). São as UPAs de Belo Horizonte: Barreiro Av. Aurélio Lopes, 20, Diamante, telefones e Oeste Av. Barão Homem de Melo, 1710, telefones e Nordeste Praça 13 de Maio, s/n.º, Silveira, telefones , Norte Rua Oscar Lobo Pereira, 270, Primeiro de Maio, telefone Pampulha Av. Santa Terezinha, 515, Santa Terezinha, telefones e UAPU Zona Leste, vinculada à FHEMIG, fica na Rua 28 de Setembro, 372, Esplanada Venda Nova Rua Padre Pedro Pinto, 322, Venda Nova, telefones ,

20 Dos Fluxogramas de Intervenção II e III Os fluxogramas em comento apresentam os encaminhamentos para os casos de crianças/adolescentes em situação de trabalho infantil, sendo que o fluxograma II trata dos casos de Belo Horizonte e o fluxograma III esclarece os procedimentos para os casos da Região Metropolitana de Belo Horizonte, interior do Estado ou mesmo de outras regiões do Brasil. Os referidos fluxogramas são bastante semelhantes ao fluxograma de intervenção dos casos de crianças e adolescentes em Boca de Fumo ou usuários de drogas. Apesar da semelhança, os presentes fluxogramas apresentam algumas inovações, pois, partiram do entendimento do fenômeno do trabalho infantil e do marco simbólico cultural na caracterização deste. A partir de informações preliminares o fluxograma foi construído prevendo as seguintes intervenções: Agilidade na identificação dos casos da Capital que não foram incluídos em Programa específico de combate à mencionada mazela social para futura inclusão; Identificação dos casos reincidentes para aplicação das medidas protetivas adequadas e específicas; Encaminhamento dos responsáveis que exploram o trabalho da criança e do adolescente à Delegacia para responsabilização criminal, considerando que a exploração do trabalho da criança e do adolescente configura crime. Vale ressaltar que as famílias de Belo Horizonte serão responsabilizadas em caso de reincidência.

21 Dos Fluxogramas de Intervenção IV e V Nestes fluxogramas estão previstos os encaminhamentos para os casos de adolescentes em prática de ato infracional, sendo que o fluxograma IV prevê os encaminhamentos em caso de flagrante e o fluxograma V os encaminhamentos para os casos sem flagrante. Os referidos fluxogramas não especificam os procedimentos internos dos órgãos responsáveis pela apuração e pelo julgamento dos casos, uma vez que a proposta é esclarecer os encaminhamentos necessários para a garantia da celeridade da aplicação das medidas protetivas e sócioeducativas pertinentes a cada caso Do Fluxograma de Intervenção VI Estão previstos neste fluxograma os encaminhamentos necessários à proteção da criança que praticou o ato infracional e também encaminhamentos necessários para apuração de supostos adultos que estariam utilizando a criança para a prática de atos ilegais. Para a garantia dos dois objetivos mencionados o fluxograma prevê: Busca da localização dos responsáveis pela criança seja ela de Belo Horizonte ou outro município para posterior aplicação de medidas protetivas; Especificação do local para onde devem ser encaminhados o REDS juntamente com os objetos apreendidos com a criança Do Fluxograma de Intervenção VII A leitura e aplicação deste fluxograma de intervenção pressupõem o conhecimento prévio de alguns conceitos. São eles:

22 21 Caso agudo São os casos em que a violência sexual ocorreu em menos de 72 horas, situação esta em que as intervenções de saúde para previnir gravidez indesejada, doenças sexualmente transmissíveis e AIDS ainda são possíveis e devem ser realizadas com urgência; Caso crônico São os casos em que a violência sexual ocorreu após 72 horas, situação esta em que não é possível utilizar a profilaxia contra doenças e/ou gravidez indesejada; Hospitais de Referência São as portas de entrada para os casos de vítimas de violência sexual uma vez que têm equipes multidisciplinares que prestam atendimento médico, social e psicológico. São os Hospitais de Referência de Belo Horizonte: 1. Hospital e Pronto Socorro Odilon Behrens Rua Formiga, 50 São Cristóvão. Tel /6175/6168; 2. Maternidade Odete Valadares Av. do Contorno, 9494 Prado. Tel /2660/9583; 3. Hospital Júlia Kubtischeck Rua Dr. Cristiano Rezende, 2745 Milionários. Tel / ; 4. Hospital das Clínicas Av. Professor Alfredo Balena, 110 Santa Efigênia. Tel Do Fluxograma de Intervenção VIII Esta sistematização de procedimentos é específica para os casos de crianças e adolescentes em situação de trajetória de vidas nas ruas, seja ela, inicial ou consolidada. O fluxograma para estes casos prioriza o encaminhamento ao Conselho Tutelar uma vez que, apesar de que as crianças e adolescentes em sua maioria têm família, estão com seus laços fragilizados ou mesmo rompidos. Caberá ao Conselho Tutelar desenvolver um trabalho de acompanhamento desses casos com o foco na família de maneira que os vínculos possam ser restabelecidos a fim de que a proteção da criança/adolescente seja garantida.

II CAPACITAÇÃO DE CONSELHEIROS TUTELARES E DE DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

II CAPACITAÇÃO DE CONSELHEIROS TUTELARES E DE DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE II CAPACITAÇÃO DE CONSELHEIROS TUTELARES E DE DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE SEDESE Belo Horizonte, 25 de Outubro de 2012. ABUSO E EXPLORAÇÃO SEXUAL INFANTO-JUVENIL Maria de Lurdes Rodrigues Santa

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE

PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE APRESENTAÇÃO: A violência sexual contra a criança e o adolescente tem sido um problema de difícil enfrentamento por

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA Área Temática: Direitos Humanos e Justiça Liza Holzmann (Coordenadora da Ação de Extensão) Liza Holzmann 1 Palavras Chave:

Leia mais

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis PARÂMETROS PARA A CONSTITUIÇÃO DAS COMISSÕES INTERSETORIAIS DE ACOMPANHAMENTO DO PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO, PROTEÇÃO E DEFESA DO DIREITO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA

Leia mais

Como o Brasil enfrenta a exploração sexualcomercial de crianças e adolescentes

Como o Brasil enfrenta a exploração sexualcomercial de crianças e adolescentes Como o Brasil enfrenta a exploração sexualcomercial de crianças e adolescentes 1. Introdução Fenômeno dos mais graves de nosso tempo, a exploração sexual-comercial de crianças e adolescentes não deve ser

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

O PETI e o Trabalho em Rede. Maria de Fátima Nassif Equipe Proteção Social Especial Coordenadoria de Ação Social Secretaria de Desenvolvimento Social

O PETI e o Trabalho em Rede. Maria de Fátima Nassif Equipe Proteção Social Especial Coordenadoria de Ação Social Secretaria de Desenvolvimento Social O PETI e o Trabalho em Rede Maria de Fátima Nassif Equipe Proteção Social Especial Coordenadoria de Ação Social Secretaria de Desenvolvimento Social Articulação da rede de serviços socioassistenciais Proteção

Leia mais

III SEMINÁRIO POLÍTICAS SOCIAIS E CIDADANIA AUTOR DO TEXTO: Fernanda de Lazari Cardoso; Marisa Alves Lacerda; Luciana da Silva Oliveira

III SEMINÁRIO POLÍTICAS SOCIAIS E CIDADANIA AUTOR DO TEXTO: Fernanda de Lazari Cardoso; Marisa Alves Lacerda; Luciana da Silva Oliveira III SEMINÁRIO POLÍTICAS SOCIAIS E CIDADANIA AUTOR DO TEXTO: Fernanda de Lazari Cardoso; Marisa Alves Lacerda; Luciana da Silva Oliveira Fortalecendo as escolas na rede de proteção à criança e ao adolescente

Leia mais

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS 8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS DOCUMENTO FINAL EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Ações de mobilização: 1. Ampla mobilização, por

Leia mais

O Conselho Tutelar e a fiscalização de bailes, boates e congêneres:

O Conselho Tutelar e a fiscalização de bailes, boates e congêneres: O Conselho Tutelar e a fiscalização de bailes, boates e congêneres: Murillo José Digiácomo 1 Uma questão que sempre surge quando se discute o papel do Conselho Tutelar no Sistema de Garantias idealizado

Leia mais

PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ

PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ MINISTÉRIO DA SAÚDE IMPACTO DA VIOLÊNCIA NA SAÚDE DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ VOCÊ É A PEÇA PRINCIPAL PARA ENFRENTAR ESTE PROBLEMA Brasília - DF 2008

Leia mais

Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes

Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes Mostrando que a proteção de nossas crianças e adolescentes também está em fase de crescimento Subsecretaria de Promoção

Leia mais

18 de Maio. Denuncie. Faça sua parte! Dia Nacional de Combate ao Abuso e a Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes

18 de Maio. Denuncie. Faça sua parte! Dia Nacional de Combate ao Abuso e a Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes 18 de Maio Dia Nacional de Combate ao Abuso e a Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES. Denuncie. Faça sua parte! Ficha Técnica União Norte Brasileira

Leia mais

AÇÕES DE POTENCIALIZAÇÃO DE JOVENS EM CUMPRIMENTO DE MEDIDA SOCIOEDUCATIVA ATENDIDOS NO CENTRO DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DA ASISTÊNCIA SOCIAL

AÇÕES DE POTENCIALIZAÇÃO DE JOVENS EM CUMPRIMENTO DE MEDIDA SOCIOEDUCATIVA ATENDIDOS NO CENTRO DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DA ASISTÊNCIA SOCIAL AÇÕES DE POTENCIALIZAÇÃO DE JOVENS EM CUMPRIMENTO DE MEDIDA SOCIOEDUCATIVA ATENDIDOS NO CENTRO DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DA ASISTÊNCIA SOCIAL RESUMO AMORIM 1, Tâmara Ramalho de Sousa SIMÕES 2, Poliana

Leia mais

Como proceder à notificação e para onde encaminhá-la?

Como proceder à notificação e para onde encaminhá-la? Se a família não quiser ou não puder assumir a notificação, o educador deverá informar a família que, por força da lei, terá que notificar o fato aos órgãos competentes. Como proceder à notificação e para

Leia mais

RELATÓRIO OUVIDORIA BIÊNIO 2013/2014

RELATÓRIO OUVIDORIA BIÊNIO 2013/2014 RELATÓRIO OUVIDORIA BIÊNIO 2013/2014 2 Governador do Estado do Rio Grande do Norte ROBINSON FARIA Secretária de Segurança Pública e da Defesa Social KALINA LEITE GONÇALVES Ouvidor Geral da SESED GEORGE

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA SIMPLIFICADA FACULDADE DE PSICOLOGIA/UFAM Nº 03/2013 SELEÇÃO DE PROFISSIONAIS PARA ATUAÇÃO POR CURTO PRAZO

CHAMADA PÚBLICA SIMPLIFICADA FACULDADE DE PSICOLOGIA/UFAM Nº 03/2013 SELEÇÃO DE PROFISSIONAIS PARA ATUAÇÃO POR CURTO PRAZO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS FACULDADE DE PSICOLOGIA Núcleo de Formação Continuada de Conselheiros dos Direitos e Conselheiros Tutelares do Estado do Amazonas Escola de Conselhos do Amazonas CHAMADA

Leia mais

PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA

PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA 1. Criar o Fórum Metropolitano de Segurança Pública Reunir periodicamente os prefeitos dos 39 municípios da Região Metropolitana de São Paulo para discutir, propor,

Leia mais

TEMA AS EQUIPES DE REFERÊNCIAS POR SERVIÇOS DE PROGRAMAS

TEMA AS EQUIPES DE REFERÊNCIAS POR SERVIÇOS DE PROGRAMAS TEMA AS EQUIPES DE REFERÊNCIAS POR SERVIÇOS DE PROGRAMAS Programação Primeiro Dia: I Seção Discutindo Papéis 1-8h30 às 12h30 Abertura e Boas-vindas Dinâmica de Apresentação Acordos de Convivência Trabalho

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN

PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN ESPÍRITO SANTO/RN, OUTUBRO DE 2014. FRANCISCO ARAÚJO DE SOUZA PREFEITO MUNICIPAL DE ESPÍRITO SANTO/RN ELIZANGELA FREIRE DE

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Observatório de Violências e Acidentes Observatório de Violações de Direitos de Crianças e Adolescentes Carnaval 2015 Bahia

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Observatório de Violências e Acidentes Observatório de Violações de Direitos de Crianças e Adolescentes Carnaval 2015 Bahia RELATÓRIO CONSOLIDADO 6º DIA DO CARNAVAL 2015 Salvador-BA Revisado 24-02-15 Das 18 horas de 12/02/2015 às 06 horas de 17/02/2015 foram consolidados/analisados pelo Observatório um total de 1126 atendimentos:

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES PAIR

PROGRAMA NACIONAL DE ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES PAIR Presidência da República Secretaria de Direitos Humanos Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Departamento de Políticas Temáticas dos Direitos da Criança e do Adolescente

Leia mais

EIXO 2 PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS: PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS

EIXO 2 PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS: PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS EIXO 2 PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS: PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS Garantir a elaboração e implementação da Política e do Plano Decenal de Direitos Humanos de Criança e Adolescente

Leia mais

O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES

O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Josefa Adelaide Clementino Leite 1 Maria de Fátima Melo do Nascimento 2 Waleska Ramalho Ribeiro 3 RESUMO O direito à proteção social

Leia mais

Projeto TEMPO DE DESPERTAR Em homenagem a Robin Willians

Projeto TEMPO DE DESPERTAR Em homenagem a Robin Willians Projeto TEMPO DE DESPERTAR Em homenagem a Robin Willians I. INTRODUÇÃO Durante uma pesquisa realizada exclusivamente com homens pelo Instituto Avon/Data Popular e lançada em novembro de 2013, alguns dados

Leia mais

Ananindeua, Rurópolis, Belterra, Santarém, Novo Progresso, Trairão, Itaituba, Alenquer, Portel, Breves, Souré, Salvaterra.

Ananindeua, Rurópolis, Belterra, Santarém, Novo Progresso, Trairão, Itaituba, Alenquer, Portel, Breves, Souré, Salvaterra. I-IDENTIFICAÇÃO 1. INSTITUIÇÃO Universidade Federal do Pará 2. UNIDADE ACADÊMICA/ CAMPI/ NÚCLEO DEPARTAMENTO/ COLEGIADO Instituto de Ciências da Educação / Programa de Pós-Graduação em Educação / Núcleo

Leia mais

Faço saber que a Câmara Municipal de Queimados, APROVOU e eu SANCIONO a seguinte Lei:

Faço saber que a Câmara Municipal de Queimados, APROVOU e eu SANCIONO a seguinte Lei: LEI N.º 1135/13, DE 01 DE ABRIL DE 2013. Dispõe sobre o Sistema Municipal de Assistência Social de Queimados e dá outras providências. Faço saber que a Câmara Municipal de Queimados, APROVOU e eu SANCIONO

Leia mais

ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2008 CAMPANHA * COMPROMISSO PELA CRIANÇA E PELO ADOLESCENTE

ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2008 CAMPANHA * COMPROMISSO PELA CRIANÇA E PELO ADOLESCENTE ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2008 CAMPANHA * COMPROMISSO PELA CRIANÇA E PELO ADOLESCENTE Carta Aberta aos candidatos e candidatas às Prefeituras e Câmaras Municipais: Estatuto da Criança e do Adolescente: 18 anos,

Leia mais

RECOMENDAÇÃO MINISTERIAL Nº 002/2015

RECOMENDAÇÃO MINISTERIAL Nº 002/2015 Procedimento administrativo nº 201400036940 RECOMENDAÇÃO MINISTERIAL Nº 002/2015 Objeto: Dispõe sobre o dever de atuação de diversas autoridades públicas, durante a Romaria Nossa Senhora d'abadia do Muquém

Leia mais

Política Municipal para a População em Situação de Rua em Belo Horizonte

Política Municipal para a População em Situação de Rua em Belo Horizonte Política Municipal para a População em Situação de Rua em Belo Horizonte Elizabeth Leitão Secretária Municipal Adjunta de Assistência Social Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Março de 2012 Conceito

Leia mais

Exploração Sexual Comercial de Crianças as e Adolescentes

Exploração Sexual Comercial de Crianças as e Adolescentes Exploração Sexual Comercial de Crianças as e Adolescentes Gorete Vasconcelos go_vasconcelos@yahoo.com.br Marcos Históricos e Políticos Código de Menores /1927 Doutrina da Situação Irregular; Declaração

Leia mais

DELIBERAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA N 01/2014

DELIBERAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA N 01/2014 CONSELHO ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE MINAS GERAIS DELIBERAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA N 01/2014 A Diretoria Executiva do Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente

Leia mais

Secretaria Nacional de Enfrentamento a Violencia contra as Mulheres

Secretaria Nacional de Enfrentamento a Violencia contra as Mulheres Secretaria Nacional de Enfrentamento a Violencia contra as Mulheres Setembro de 2012 Secretaria de Políticas para as Mulheres/PR Diretrizes para Enfrentamento ao Protocolo de Palermo Tráfico de Mulheres

Leia mais

O Desafio da Implementação das Políticas Transversais

O Desafio da Implementação das Políticas Transversais O Desafio da Implementação das Políticas Transversais Professora: Juliana Petrocelli Período: Novembro de 2013 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS SECRETARIA NACIONAL DE PROMOÇÃO DOS

Leia mais

NOME DO SERVIÇO: SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS.

NOME DO SERVIÇO: SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS. NOME DO SERVIÇO: SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS. DESCRIÇÃO GERAL: Serviço realizado em grupos, organizado a partir de percursos, de modo a garantir aquisições progressivas aos seus

Leia mais

PENSANDO NA PRÁTICA: AS AÇÕES E ATIVIDADES EXECUTADAS NOS CRAS/CREAS FACILITADORA: INÊS DE MOURA TENÓRIO

PENSANDO NA PRÁTICA: AS AÇÕES E ATIVIDADES EXECUTADAS NOS CRAS/CREAS FACILITADORA: INÊS DE MOURA TENÓRIO a Área da Assistência Social PENSANDO NA PRÁTICA: AS AÇÕES E ATIVIDADES EXECUTADAS NOS CRAS/CREAS FACILITADORA: INÊS DE MOURA TENÓRIO Assistência Social na PNAS Situada como proteção social não contributiva;

Leia mais

CONCLUSÕES DOS GRUPOS DE TRABALHO DO ENCONTRO NACIONAL SOBRE TRABALHO INFANTIL

CONCLUSÕES DOS GRUPOS DE TRABALHO DO ENCONTRO NACIONAL SOBRE TRABALHO INFANTIL CONCLUSÕES DOS GRUPOS DE TRABALHO DO ENCONTRO NACIONAL SOBRE TRABALHO INFANTIL BRASÍLIA/DF, 22 de agosto de 2012. Grupo de Trabalho sobre Autorizações para o Trabalho Infanto-juvenil: I. Não cabe autorização

Leia mais

Serviços públicos destinados à pessoa idosa em Minas Gerais

Serviços públicos destinados à pessoa idosa em Minas Gerais Serviços públicos destinados à pessoa idosa em Minas Gerais Serviços instituídos pelo poder público, organizados de acordo com a parte do Estatuto do Idoso à qual estão relacionados. Serviços relacionados

Leia mais

REGIÃO SUL. Grupo 1 EXPLORAÇÃO SEXUAL Políticas Envolvidas. Assistência Social. Saúde. Segurança pública. Sistema de justiça. Turismo.

REGIÃO SUL. Grupo 1 EXPLORAÇÃO SEXUAL Políticas Envolvidas. Assistência Social. Saúde. Segurança pública. Sistema de justiça. Turismo. REGIÃO SUL Eixos de Atuação 1. Informação e Mobilização Planejamento das Ações Intersetoriais 1.1 Realizar campanhas articuladas entre as políticas para prevenção do turismo sexual (agentes de saúde, professores

Leia mais

Comissão Municipal Interinstitucional de Enfrentamento à Violência contra Crianças e Adolescentes

Comissão Municipal Interinstitucional de Enfrentamento à Violência contra Crianças e Adolescentes 1 Comissão Municipal Interinstitucional de Enfrentamento à Violência contra Crianças e Adolescentes PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO ÀS VIOLÊNCIAS CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES Ponta Grossa Paraná 2013

Leia mais

Proposições do Seminário Sistema de Justiça e o Combate ao Trabalho Infantil Rio de Janeiro Agosto 2015

Proposições do Seminário Sistema de Justiça e o Combate ao Trabalho Infantil Rio de Janeiro Agosto 2015 Proposições do Seminário Sistema de Justiça e o Combate ao Trabalho Infantil Rio de Janeiro Agosto 2015 Proposições aprovadas durante o Seminário "Sistema de Justiça e o Combate ao Trabalho Infantil" realizado

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 Estabelece parâmetros para orientar a constituição, no âmbito dos Estados, Municípios e Distrito Federal, de Comissões Intersetoriais de Convivência

Leia mais

A EXPERIÊNCIA DO CENTRO INTEGRADO DE ATENDIMENTO AO ADOLESCENTE AUTOR DE ATO INFRACIONAL DE BELO HORIZONTE

A EXPERIÊNCIA DO CENTRO INTEGRADO DE ATENDIMENTO AO ADOLESCENTE AUTOR DE ATO INFRACIONAL DE BELO HORIZONTE 1 A EXPERIÊNCIA DO CENTRO INTEGRADO DE ATENDIMENTO AO ADOLESCENTE AUTOR DE ATO INFRACIONAL DE BELO HORIZONTE Gustavo de Melo Silva 1 RESUMO O trabalho apresenta os resultados quantitativos de pesquisa

Leia mais

Coleção Sinopses para Concursos... 15 Guia de leitura da Coleção... 17 Apresentação da 2ª edição... 19 Apresentação... 21

Coleção Sinopses para Concursos... 15 Guia de leitura da Coleção... 17 Apresentação da 2ª edição... 19 Apresentação... 21 Sumário Sumário Coleção Sinopses para Concursos... 15 Guia de leitura da Coleção... 17 Apresentação da 2ª edição... 19 Apresentação... 21 Capítulo I LIÇÕES PRELIMINARES... 23 1. Introdução... 23 2. Proteção

Leia mais

1. Escopo ou finalidade da iniciativa

1. Escopo ou finalidade da iniciativa 1. Escopo ou finalidade da iniciativa Por meio do Programa Rede Judicial de Proteção objetiva-se reduzir a reprodução de infrações penais semelhantes às cometidas, a partir de intervenções orientadas para

Leia mais

O que deve fazer uma mulher vítima de agressão?

O que deve fazer uma mulher vítima de agressão? PERGUNTAS FREQUENTES O que deve fazer uma mulher vítima de agressão? A mulher em situação de violência doméstica poderá comparecer a uma delegacia de Defesa da Mulher mais próxima à sua casa para registrar

Leia mais

SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV

SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV SOCIOASSISTENCIAL X SOCIOEDUCATIVO SOCIOASSISTENCIAL apoio efetivo prestado a família, através da inclusão em programas de transferência de renda

Leia mais

Objetivo 1. Reduzir a Criminalidade Proposta Responsável/Sugestões Indicador

Objetivo 1. Reduzir a Criminalidade Proposta Responsável/Sugestões Indicador Coordenador: SEGURANÇA Visão: Que Santa Maria tenha os melhores indicadores de Segurança Pública, entre os municípios do Rio Grande do Sul com mais de 100 mil habitantes, garantindo a prevenção e o controle

Leia mais

FLUXO DE ATENDIMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL Superintendência de Atenção Primária S/SUBPAV/SAP

FLUXO DE ATENDIMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL Superintendência de Atenção Primária S/SUBPAV/SAP FLUXO DE ATENDIMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL Superintendência de Atenção Primária S/SUBPAV/SAP Betina Durovni Subsecretária de Atenção Primária, Vigilância e Promoção de Saúde 1 Introdução A violência contra

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria Especial dos Direitos Humanos Subsecretaria de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria Especial dos Direitos Humanos Subsecretaria de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria Especial dos Direitos Humanos Subsecretaria de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Programa de Ações Integradas e Referenciais de Enfrentamento à Violência

Leia mais

EDUCAÇÃO NÃO FORMAL NA CONCEPÇÃO DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS: UM UNIVERSO AINDA DESCONHECIDO

EDUCAÇÃO NÃO FORMAL NA CONCEPÇÃO DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS: UM UNIVERSO AINDA DESCONHECIDO EDUCAÇÃO NÃO FORMAL NA CONCEPÇÃO DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS: UM UNIVERSO AINDA DESCONHECIDO Resumo SANTA CLARA, Cristiane Aparecida Woytichoski de- UEPG-PR cristianesclara@yahoo.com.br PAULA, Ercília Maria

Leia mais

Núcleo Especializado de Promoção e Defesa dos Direitos da Mulher

Núcleo Especializado de Promoção e Defesa dos Direitos da Mulher A Defensoria Pública do Estado de São Paulo, através de seu Núcleo Especializado de Promoção e Defesa, vem por meio deste, apresentar os projetos apresentados por conta da assinatura do Termo de Cooperação

Leia mais

CONSELHOS TUTELARES FUNÇÕES E ATRIBUIÇÕES

CONSELHOS TUTELARES FUNÇÕES E ATRIBUIÇÕES CONSELHOS TUTELARES FUNÇÕES E ATRIBUIÇÕES Conselho Tutelar Órgão permanente e autônomo, não jurisdicional, encarregado pela sociedade de zelar pelo cumprimento dos direitos da criança e do adolescente,

Leia mais

Tourisme sexuel impliquant des enfants & grands

Tourisme sexuel impliquant des enfants & grands Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Conférence Internationale Tourisme sexuel impliquant des enfants & grands

Leia mais

PROPOSTAS PARA O ESTADO BRASILEIRO - NÍVEIS FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL

PROPOSTAS PARA O ESTADO BRASILEIRO - NÍVEIS FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL PROPOSTAS PARA O ESTADO BRASILEIRO - NÍVEIS FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL MEDIDAS CONCRETAS PARA O ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER NO ÂMBITO DOMÉSTICO/FAMILIAR A presente Matriz insere-se no

Leia mais

Lei Maria da Penha: uma evolução histórica

Lei Maria da Penha: uma evolução histórica Lei Maria da Penha: uma evolução histórica Karina Balduino Leite e Rivadavio Anadão de Oliveira Guassú Maria da Penha foi uma entre as incontáveis vítimas de violência doméstica espalhadas pelo planeta.

Leia mais

O artigo 8º da referida lei, contemplando exatamente a dimensão do sofrimento e dos danos que a violência doméstica e familiar provoca, determina:

O artigo 8º da referida lei, contemplando exatamente a dimensão do sofrimento e dos danos que a violência doméstica e familiar provoca, determina: TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO VARA CENTRAL DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER SP Projeto: DE MÃOS DADAS COM A REDE Introdução A violência doméstica e familiar contra a mulher é um fenômeno

Leia mais

Art. 2 O Sistema Municipal de Assistência Social de Mangueirinha SUAS é regido pelos seguintes princípios:

Art. 2 O Sistema Municipal de Assistência Social de Mangueirinha SUAS é regido pelos seguintes princípios: LEI Nº 1720/2012 Dispõe sobre o Sistema Municipal de Assistência Social de Mangueirinha SUAS (Sistema Único de Assistência Social). Faço saber, que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná

Leia mais

A SEGURANÇA É HOJE A PRINCIPAL PREOCUPAÇÃO DO BRASILEIRO. Diversos problemas levaram à situação atual

A SEGURANÇA É HOJE A PRINCIPAL PREOCUPAÇÃO DO BRASILEIRO. Diversos problemas levaram à situação atual A SEGURANÇA É HOJE A PRINCIPAL PREOCUPAÇÃO DO BRASILEIRO Diversos problemas levaram à situação atual O problema sempre foi tratado com uma série de OUs Natureza ou policial ou social Responsabilidade ou

Leia mais

A existência de equipes multidisciplinares é um fator importante no trabalho dos defensores?

A existência de equipes multidisciplinares é um fator importante no trabalho dos defensores? Simone Moreira Souza Entrevista concedida para a matéria Diagnóstico aborda atuação da Defensoria Pública em infância e juventude, página 7, Proteção Integral, boletim impresso da ABMP. Entrevista realizada,

Leia mais

VIII CONFERENCIA MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE UBERABA

VIII CONFERENCIA MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE UBERABA VIII CONFERENCIA MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE UBERABA 27 DE MARÇO DE 2015 CENTRO ADMINISTRATIVO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE UBERABA TEMA: POLÍTICA E O PLANO DECENAL DE DIREITOS

Leia mais

CONCURSO DE PRÁTICA EXITOSA: PROJETO NOVOS RUMOS PARA A GESTÃO DOS SERVIÇOS DE ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES

CONCURSO DE PRÁTICA EXITOSA: PROJETO NOVOS RUMOS PARA A GESTÃO DOS SERVIÇOS DE ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES CONCURSO DE PRÁTICA EXITOSA: PROJETO NOVOS RUMOS PARA A GESTÃO DOS SERVIÇOS DE ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES CONCURSO DE PRÁTICA EXITOSA: PROJETO NOVOS RUMOS PARA A GESTÃO DOS

Leia mais

FORTALECENDO E ARTICULANDO A REDE DE ATENÇÃO A CRIANÇA E O ADOLESCENTE

FORTALECENDO E ARTICULANDO A REDE DE ATENÇÃO A CRIANÇA E O ADOLESCENTE FORTALECENDO E ARTICULANDO A REDE DE ATENÇÃO A CRIANÇA E O ADOLESCENTE Fazer laços é ligar, entrelaçar o que está separado. Literal e metaforicamente falando. A inclusão do trabalho sobre o tema da sexualidade

Leia mais

=BOLETIM INTERNO N 101/13 - BPTran= PARA CONHECIMENTO DO BPTRAN E DEVIDA EXECUÇÃO, PUBLIQUE-SE O SEGUINTE:

=BOLETIM INTERNO N 101/13 - BPTran= PARA CONHECIMENTO DO BPTRAN E DEVIDA EXECUÇÃO, PUBLIQUE-SE O SEGUINTE: ESTADO DO AMAPÁ POLÍCIA MILITAR BATALHÃO DE POLICIAMENTO DE TRÂNSITO - BPTran QUARTEL EM MACAPÁ-AP 07 DE JUNHO DE 2013 6ª FEIRA =BOLETIM INTERNO N 101/13 - BPTran= PARA CONHECIMENTO DO BPTRAN E DEVIDA

Leia mais

O sistema de garantia dos direitos humanos das crianças e dos adolescentes: responsabilidades compartilhadas.

O sistema de garantia dos direitos humanos das crianças e dos adolescentes: responsabilidades compartilhadas. Página1 Curso de extensão universitária: O sistema de garantia dos direitos humanos das crianças e dos adolescentes: responsabilidades compartilhadas. Apresentação: Em 2015, comemorando 25 anos do ECA,

Leia mais

PROGRAMA MEDIAÇÃO DE CONFLITOS

PROGRAMA MEDIAÇÃO DE CONFLITOS Programa Mediação Conflitos PROGRAMA MEDIAÇÃO DE CONFLITOS MARCO LÓGICO 2015 Programa Mediação Conflitos A- Intificação do Problema (Árvore problemas): ÁRVORE DE PROBLEMAS CONSEQUÊNCIAS PROBLEMA Homicídios

Leia mais

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO Maria Salete da Silva Josiane dos Santos O Programa Assistência Sócio-Jurídica, extensão do Departamento de Serviço Social, funciona no Núcleo

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS MULHERES (SEMUL) Relatório

SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS MULHERES (SEMUL) Relatório SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS MULHERES (SEMUL) Relatório I Seminário de Enfrentamento à Violência de Gênero no Município de Natal 26 e 27/03/2015 Local: Auditório do Conselho Regional

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO 55. Planejamento Estratégico

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO 55. Planejamento Estratégico PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO 55 Planejamento Estratégico Criança e Adolescente 2010 PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO 56 INTRODUÇÃO Tema: Criança e Adolescente A questão da infância

Leia mais

Implantação de Rede de Identificação e Localização de Crianças e Adolescentes Desaparecidos

Implantação de Rede de Identificação e Localização de Crianças e Adolescentes Desaparecidos Programa úmero de Ações 12 0153 Promoção e Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente Objetivo Indicador(es) Promover a ampla defesa jurídico-social de crianças e adolescentes Taxa de Municípios com

Leia mais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Estatuto da Criança e do Adolescente: 18 anos, 18 Compromissos A criança e o adolescente no centro da gestão municipal O Estatuto

Leia mais

Combate e prevenção à violência contra a mulher

Combate e prevenção à violência contra a mulher Combate e prevenção à violência contra a mulher O CIM - Centro Integrado de Atendimento à Mulher Vítima de Violência Doméstica e Familiar - tem por objetivo fazer valer a Lei n.º 11.340/06, Lei Maria da

Leia mais

REDE, VIOLÊNCIA E POLÍTICAS PÚBLICAS

REDE, VIOLÊNCIA E POLÍTICAS PÚBLICAS REDE, VIOLÊNCIA E POLÍTICAS PÚBLICAS Autoras: Bruna dos Reis Martins Acadêmica de Enfermagem Escola de Enfermagem Aurora de Afonso Costa UFF Angele dos Reis Martins - Acadêmica de Biologia Faculdade de

Leia mais

Promotoria de Justiça da Infância e Juventude de Amélia Rodrigues Promotora de Justiça: Roberta Rezende Barbosa Data de assunção: 12/02/03

Promotoria de Justiça da Infância e Juventude de Amélia Rodrigues Promotora de Justiça: Roberta Rezende Barbosa Data de assunção: 12/02/03 "O ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE JUNTO À COMUNIDADE" Promotoria de Justiça da Infância e Juventude de Amélia Rodrigues Promotora de Justiça: Roberta Rezende Barbosa Data de assunção: 12/02/03 A)

Leia mais

ENUNCIADOS. Suspensão Condicional do Processo. Lei Maria da Penha e Contravenções Penais

ENUNCIADOS. Suspensão Condicional do Processo. Lei Maria da Penha e Contravenções Penais ENUNCIADOS Suspensão Condicional do Processo Enunciado nº 01 (001/2011): Nos casos de crimes de violência doméstica e familiar contra a mulher não se aplica a suspensão condicional do processo. (Aprovado

Leia mais

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 Com a Constituição Federal de 1988, a Assistência Social passa

Leia mais

PROGRAMA DE MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS EM MEIO ABERTO

PROGRAMA DE MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS EM MEIO ABERTO PROGRAMA DE MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS EM MEIO ABERTO CONTEXTUALIZAÇÃO DOUTRINA DA SITUAÇÃO IRREGULAR DOUTRINA DA PROTEÇÃO INTEGRAL. Código de menores;. Menores em situação irregular;. Carentes, abandonados,

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO DESEMBARGADOR COORDENADOR DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE

EXCELENTÍSSIMO DESEMBARGADOR COORDENADOR DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE EXCELENTÍSSIMO DESEMBARGADOR COORDENADOR DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE ATENDIMENTO A CRIANÇAS E ADOLESCENTES USUÁRIOS DE DROGAS ENCAMINHAMENTOS DECORRENTES DE SEMINÁRIO ORGANIZADO PELA COORDENADORIA DA INFÂNCIA

Leia mais

NOTA TÉCNICA 003/2012_ DA OBRIGAÇÃO DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL NO ATENDIMENTO DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO À COMUNIDADE DE ADOLESCENTES

NOTA TÉCNICA 003/2012_ DA OBRIGAÇÃO DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL NO ATENDIMENTO DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO À COMUNIDADE DE ADOLESCENTES Prezada, NOTA TÉCNICA 003/2012_ DA OBRIGAÇÃO DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL NO ATENDIMENTO DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO À COMUNIDADE DE ADOLESCENTES Florianópolis, 18 de abril de 2012. Interessados: Secretarias

Leia mais

PROJETOS COMUNITÁRIOS DA ULBRA

PROJETOS COMUNITÁRIOS DA ULBRA PROJETOS COMUNITÁRIOS DA ULBRA PROJETOS COMUNITÁRIOS DA ULBRA 01 Projetos Comunitários da ULBRA Sob a égide do Programa Violência e Direitos Humanos, projetos comunitários, ações extensionistas e estágios

Leia mais

PROMOTORIA DE JUSTIÇA DAS COMUNIDADES

PROMOTORIA DE JUSTIÇA DAS COMUNIDADES MPPR-0046.13.002014-5 ATA DE AUDIÊNCIA PÚBLICA Aos 18 de abril de 2013, às 19h, na Rua da Cidadania da Regional Boa Vista, localizada na Av. Paraná, 3600, no Bairro Boa Vista, em Curitiba-PR, tiveram início

Leia mais

Câmara Municipal de Uberaba A Comunidade em Ação LEI Nº 7.904

Câmara Municipal de Uberaba A Comunidade em Ação LEI Nº 7.904 A Comunidade em Ação LEI Nº 7.904 Disciplina a Política Municipal de Enfrentamento à Violência Sexual e dá outras providências. O Povo do Município de Uberaba, Estado de Minas Gerais, por seus representantes

Leia mais

Violação dos Direitos da Criança e do Adolescente

Violação dos Direitos da Criança e do Adolescente Vara da Infância e da Juventude do Distrito Federal Violação dos Direitos da Criança e do Adolescente Conceito Onde denunciar Procedimentos Renato Rodovalho Scussel Juiz de Direito Simone Costa Resende

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DAS ATIVIDADES DA CTI 1

RELATÓRIO FINAL DAS ATIVIDADES DA CTI 1 RELATÓRIO FINAL DAS ATIVIDADES DA CTI 1 1. INTRODUÇÃO A discussão em torno do tema criminalidade e violência é um assunto recorrente e atual em nossa sociedade. Aliado também ao crescente tráfico e uso

Leia mais

PLANO SETORIAL DE AÇÃO PROCURADORIA/PROMOTORIA DE JUSTIÇA PROCURADORIA / PROMOTORIA DE JUSTIÇA: COMARCA DE SIQUEIRA CAMPOS. Resultados de Pesquisas de

PLANO SETORIAL DE AÇÃO PROCURADORIA/PROMOTORIA DE JUSTIÇA PROCURADORIA / PROMOTORIA DE JUSTIÇA: COMARCA DE SIQUEIRA CAMPOS. Resultados de Pesquisas de MINISTÉRI O PÚBLICO do Estado do Paraná PLANO SETORIAL DE AÇÃO PROCURADORIA/PROMOTORIA DE JUSTIÇA SUBPLAN ANO: 2014 PROCURADORIA / PROMOTORIA DE JUSTIÇA: COMARCA DE SIQUEIRA CAMPOS RECONHECIMENTO EXTERNO

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DAS CONFERÊNCIAS MUNICIPAIS, DISTRITAL E ESTADUAIS DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE GUIA NÚMERO 1

ORIENTAÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DAS CONFERÊNCIAS MUNICIPAIS, DISTRITAL E ESTADUAIS DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE GUIA NÚMERO 1 ORIENTAÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DAS CONFERÊNCIAS MUNICIPAIS, DISTRITAL E ESTADUAIS DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE GUIA NÚMERO 1 SUMÁRIO Apresentação 03 Tema 06 Objetivos 06 Cronograma de realização

Leia mais

I CONGRESSO BRASILEIRO DE EXECUÇÃO DE PENAS E MEDIDAS ALTERNATIVAS

I CONGRESSO BRASILEIRO DE EXECUÇÃO DE PENAS E MEDIDAS ALTERNATIVAS I CONGRESSO BRASILEIRO DE EXECUÇÃO DE PENAS E MEDIDAS ALTERNATIVAS CARTA DE CURITIBA Os participantes do I CONGRESSO BRASILEIRO DE EXECUÇÃO DE PENAS E MEDIDAS ALTERNATIVAS, realizado em Curitiba PR, de

Leia mais

O PAPEL DO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA NA REDE DE PROTEÇÃO A CRIANÇA E AO ADOLESCENTE EM SITUACAO DE RISCO PARA A VIOLENCIA NO HOSPITAL DE CLÍNICAS.

O PAPEL DO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA NA REDE DE PROTEÇÃO A CRIANÇA E AO ADOLESCENTE EM SITUACAO DE RISCO PARA A VIOLENCIA NO HOSPITAL DE CLÍNICAS. O PAPEL DO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA NA REDE DE PROTEÇÃO A CRIANÇA E AO ADOLESCENTE EM SITUACAO DE RISCO PARA A VIOLENCIA NO HOSPITAL DE CLÍNICAS. AREA TEMÁTICA: Saúde. COORDENADORA: Prof.ª Dr.ª Denise

Leia mais

I Oficina com os Estados: Fortalecer a Gestão para Concretizar a Proteção Social

I Oficina com os Estados: Fortalecer a Gestão para Concretizar a Proteção Social I Oficina com os Estados: Fortalecer a Gestão para Concretizar a Proteção Social OFICINAS DO XIV ENCONTRO NACIONAL DO CONGEMAS ENFRENTAMENTO AO TRABALHO INFANTIL NO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA Nivia Maria

Leia mais

Política Nacional sobre Drogas e o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Crack, é possível vencer. SALVADOR/BA ABRIL de 2012

Política Nacional sobre Drogas e o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Crack, é possível vencer. SALVADOR/BA ABRIL de 2012 Política Nacional sobre Drogas e o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Crack, é possível vencer SALVADOR/BA ABRIL de 2012 MARCOS HISTÓRICOS 1998: Adesão do Brasil aos princípios diretivos

Leia mais

PLANO ESTADUAL DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL E PROTEÇÃO DO TRABALHADOR ADOLESCENTE NO CEARÁ - 2007 / 2010

PLANO ESTADUAL DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL E PROTEÇÃO DO TRABALHADOR ADOLESCENTE NO CEARÁ - 2007 / 2010 PROTEÇÃO DO TRABALHADOR ADOLESCENTE NO CEARÁ - 2007 / Eixo Programático nº 01: INTEGRAÇÃO E SISTEMATIZAÇÃO DOS DADOS Eixo Programático 01: Integração e Sistematização dos Dados Objetivo específico: Identificar

Leia mais

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 416, DE 2008

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 416, DE 2008 MEDIDA PROVISÓRIA Nº 416, DE 2008 NOTA DESCRITIVA FEVEREIRO/2008 Nota Descritiva 2 2008 Câmara dos Deputados. Todos os direitos reservados. Este trabalho poderá ser reproduzido ou transmitido na íntegra,

Leia mais

A SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES AS AÇÕES SÃO DESENVOLVIDAS POR QUATRO ÁREAS ESTRATÉGICAS:

A SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES AS AÇÕES SÃO DESENVOLVIDAS POR QUATRO ÁREAS ESTRATÉGICAS: O QUE É QUE FAZ A SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES A Prefeitura de São Paulo, em maio de 2013, seguindo a política implementada nacionalmente e atendendo uma reivindicação histórica do movimento

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

PLANO DE AÇÃO E DE APLICAÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE REDE CARDUME GUARUJÁ SÃO PAULO

PLANO DE AÇÃO E DE APLICAÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE REDE CARDUME GUARUJÁ SÃO PAULO PLANO DE AÇÃO E DE APLICAÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE REDE CARDUME GUARUJÁ SÃO PAULO ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 LINHAS DE AÇÃO... 4 AÇÕES ESPECÍFICAS... 5 CAMPANHAS... 6

Leia mais

Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS

Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS Módulo II - O provimento dos serviços socioassistenciais Proteção Social Especial Recife, fevereiro/2014 Conteúdo Programático

Leia mais

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL Programa de Proteção a Crianças e Adolescentes Ameaçados de Morte PPCAAM Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Secretaria de Direitos Humanos Presidência

Leia mais

Projeto. Amigos da Rede

Projeto. Amigos da Rede PREFEITURA MUNICIPAL DE MAUÁ e Ribeirão Pires Projeto Amigos da Rede Mauá Dez/2009. 1. APRESENTAÇÃO O município de Mauá, que integra a Região metropolitana de São Paulo, realizou sua emancipação a partir

Leia mais

70% 500.000. De acordo com a nova lei, são crianças e adolescentes. 1. de estupro

70% 500.000. De acordo com a nova lei, são crianças e adolescentes. 1. de estupro O QUE É VIOLÊNCIA SEXUAL Todos os anos, estima-se que 500.000 70% Mulheres das vítimas sejam vítimas de estupro no Brasil, e que outros tantos milhões sofram com abusos e violências sexuais. de estupro

Leia mais