Legitimação dos conceitos face as práticas organizacionais; Oportunizar reflexão sobre as competências em desenvolvimento;

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Legitimação dos conceitos face as práticas organizacionais; Oportunizar reflexão sobre as competências em desenvolvimento;"

Transcrição

1 1 MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS INTEGRADORES CURSO SUPERIORES DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA (MARKETING) SÃO PAULO 2009

2 2 Introdução A prática pedagógica dos Cursos Superiores de Graduação Tecnológica da UNISA busca o desenvolvimento de competências e a capacidade de integração destas competências, portanto, a avaliação dos conteúdos a partir das disciplinas será agregada a avaliação dos projetos integradores. Os projetos integradores têm significância idêntica aos resultados das demais disciplinas, inclusive para a obtenção da certificação de qualificação profissional, o que promove o desenvolvimento das competências e integração dos conhecimentos. A prática pedagógica destes cursos prevê que as avaliações dos projetos integradores sejam realizadas por professores especializados nas diversas áreas do conhecimento, relacionados aos respectivos cursos e também em bancas avaliadoras multidisciplinares. Os projetos integradores possibilitam a visão crítica e integrada dos conhecimentos, buscando a constante inovação, criatividade, adaptação e identificação de oportunidades e alternativas na gestão das organizações. O modelo de integração de conhecimentos permite o desenvolvimento de competências a partir da aprendizagem pessoal e não somente o ensino unilateral. Os projetos integradores procuram estabelecer a ambientação da aprendizagem, estimulando a resolução de problemas organizacionais, capacitando e ampliando as alternativas para gestão e melhoria das práticas organizacionais. O escopo dos projetos integradores é definido para o segundo, terceiro e quarto módulos dos cursos, de modo que o aluno possa aplicar num mesmo trabalho, saberes adquiridos, dentro e fora do ambiente escolar. O escopo é criado em forma de desafio ao aluno, procurando desenvolver a visão crítica e sistêmica de processos, a criatividade, a busca de novas alternativas, o empreendedorismo e a capacidade de interpretar o mercado e identificar oportunidades, a gestão, o planejamento, além das condições para o auto-conhecimento e avaliação. Os projetos permitem o acompanhamento do desenvolvimento das competências apresentadas ao longo dos módulos, aproximando alunos e professores na construção do conhecimento e prática organizacional. A avaliação será através da aplicação de instrumentos pertinentes às características dos projetos e desenvolvimento das respectivas disciplinas:

3 3 pesquisas, estudos de caso, desenvolvimento de projetos de intervenção, simulação na implementação de projetos, estudos técnicos, etc., que serão propostos e acompanhados pela Coordenação dos Cursos. A Coordenação dos Cursos também irá designar docente para a orientação direta do projeto integrador para cada um dos cursos ofertados. Ainda conforme legislação para os Cursos Superiores de Graduação Tecnológica, segundo o Parecer CNE/CES nº. 436/2001, que trata de Cursos Superiores de Tecnologia Formação de Tecnólogos, para a concessão de diploma poderia ser opcional a apresentação de trabalho de conclusão de curso, podendo ser desenvolvido sob a forma de Monografia, Projeto, Análise de Casos, Performance, Produção Artística, Desenvolvimento de Instrumentos, Equipamentos, Protótipos, entre outros, de acordo com a natureza da área profissional e os fins do curso, portanto, para os Cursos Superiores de Tecnologia da UNISA, na área de Gestão, definimos a elaboração dos Projetos Integradores e este Manual de Orientações irá instruir e regular o funcionamento destes trabalhos.

4 4 1. Objetivos dos Projetos Integradores Os Projetos Integradores têm por objetivo integrar os conhecimentos nas áreas específicas dos cursos e a prática organizacional, promovendo o desenvolvimento de competências, ou seja, a capacidade pessoal de mobilizar, articular e colocar em ação conhecimentos, habilidades, atitudes e valores necessários para o desempenho eficiente e eficaz de atividades requeridas pela natureza do trabalho e pelo desenvolvimento tecnológico. O estreitamento do relacionamento entre o ambiente empresarial e os alunos dos cursos tecnológicos de gestão, será efetivamente realizado através destes projetos, ou seja, as experiências providas por estas atividades facilitarão a articulação das competências desenvolvidas ao longo do curso com o mercado de trabalho. Os projetos integradores reforçam esta prática pedagógica, os objetivos gerais destes projetos, são: Ambientação com o mercado de trabalho; Legitimação dos conceitos face as práticas organizacionais; Oportunizar reflexão sobre as competências em desenvolvimento; Desenvolver habilidades de pesquisa e interpretação de dados e informações; Despertar o senso prático e o interesse pela pesquisa no exercício profissional; Promover integração e cooperação tecnológica entre a universidade e o mercado de trabalho; Incentivar a criatividade e os talentos pessoais e profissionais; Identificar oportunidades de negócios e novas alternativas para a gestão empresarial; Interação com os conhecimentos acadêmicos e a aplicação no trabalho.

5 5 2. Funcionamento dos Projetos Integradores Os Projetos Integradores para os Cursos Superiores de Tecnologia da UNISA, foram organizados ao longo dos módulos como disciplinas que integram a grade curricular do curso, estão distribuídos nos módulos, da seguintes forma: Projetos Integradores I 2º módulo O desafio do primeiro projeto será norteado para a pesquisa aberta sobre os temas propostos pelos módulos I e II do curso, de forma que articulem as competências desenvolvidas pelas disciplinas dos dois primeiros módulos. O escopo do projeto será elaborado e orientado pela Coordenação de Cursos e por professores indicados nas áreas específicas dos cursos. O projeto integrador poderá ser realizado individualmente ou em grupo de no máximo cinco alunos. A apresentação da pesquisa seguirá os padrões definidos pela Coordenação do Curso, utilizando o padrão de normas ABNT para elaboração e apresentação dos projetos (Anexo I). Projetos Integradores II 3º módulo O desafio será norteado para a solução de um estudo de caso, relacionados as competências desenvolvidas nos módulos I, II e III do curso, de forma que articulem os conhecimentos adquiridos nas disciplinas dos primeiros três módulos. O projeto integrador poderá ser realizado individualmente ou em grupo de no máximo cinco alunos. O escopo do estudo de caso será elaborado e orientado pela Coordenação de Cursos e por professores indicados nas áreas específicas dos cursos. A apresentação dos resultados do estudo seguirá os padrões metodológicos definidos pela Coordenação do curso, utilizando o padrão de normas ABNT para elaboração e apresentação dos projetos (Anexo II).. Projetos Integradores 4º módulo O desafio será norteado para a elaboração de projeto de intervenção, de forma que articule as competências desenvolvidas pelas disciplinas dos quatro módulos do curso, propondo soluções de melhorias e inovação para o ambiente empresarial, segundo os conhecimentos adquiridos ao longo do curso. O projeto integrador poderá ser realizado individualmente ou em grupo de no máximo cinco alunos. O escopo do estudo de caso será elaborado e orientado pela Coordenação de Cursos e por professores indicados nas áreas específicas dos cursos. A

6 6 apresentação dos resultados do estudo seguirá os padrões metodológicos definidos pela Coordenação do curso, utilizando o padrão de normas ABNT para elaboração e apresentação dos projetos. O Projeto de Intervenção deverá ser apresentado a banca examinadora designada pela Coordenação dos Cursos (Anexo III). 3. Carga Horária A carga horária para os Projetos Integradores foi distribuída segundo o desenvolvimento de competências ao longo dos módulos dos cursos, a partir do 2º módulo do curso, temos a seguinte configuração: Projetos Integradores I 2º módulo Carga Horária: 54 horas Projetos Integradores II 3º módulo Carga Horária: 72 horas Projetos Integradores III 4º módulo Carga Horária: 72 horas A carga horária destinada aos Projetos Integradores, somam 198 horas, inclusas como disciplinas na grade curricular dos cursos, dedicadas a integração e interdisciplinaridade das competências propostas pelos cursos.

7 7 4. Prazos e Documentação para Entrega dos Projetos A Coordenação dos Cursos definirá os prazos para entrega dos projetos a cada módulo, divulgando as datas para entrega, estes projetos deverão acompanhar os seguintes documentos: Ficha de Identificação do Aluno, a ser preenchida pelos alunos que realizaram o projeto e entregue à Coordenação dos Cursos no momento da entrega do projeto integrador (Anexo IV). Ficha de Avaliação do Aluno, a ser preenchida pela Coordenação dos Cursos, atribuindo nota ao Projeto Integrador para divulgação aos alunos e registro acadêmico da avaliação (Anexo V). 5. Avaliação A nota será auferida e expressa em grau numérico variando entre 0 (zero) e 10 (dez) pontos. A nota para os projetos integradores é única, não admitindo prova substitutiva ou exame. O aluno é aprovado na disciplina de Projetos Integradores caso obtenha nota igual ou superior a 5 (cinco) pontos.

8 8 6. Roteiro Geral dos Projetos Integradores Os roteiros são exemplos de como os Projetos Integradores devem ser elaborados e apresentados, no entanto, cada curso será orientado pela Coordenação de Cursos e por professores indicados nas áreas específicas, atendendo as peculiaridades das competências desenvolvidas pelo aluno em seu respectivo curso. Estrutura de elaboração e apresentação do Projeto Integrador: Pré-texto: Capa: deve conter o nome da universidade, o título da obra, o nome do autor, área de concentração, local e data. Folha de rosto: repete-se os elementos da capa e inclui-se a disciplina e o nome do professor orientador. Páginas preliminares: Dedicatória: é um item opcional, onde o autor presta homenagem ou dedica seu trabalho. Agradecimentos: espaço dedicado ao agradecimento às pessoas ou empresa que auxiliaram de forma significativa para a execução do trabalho (coleta de material, empréstimo ou doação de equipamentos, qualquer tipo de ajuda financeira ou pessoas que colaboraram direta ou indiretamente). Resumo (máximo 10 linhas): condensação do estudo mencionando as principais contribuições do trabalho para a sociedade científica e leitores em geral. Sumário: enumera as divisões dos capítulos e numeração das páginas na ordem em que se sucedem no decorrer do texto. Listas: de tabelas, gráficos, figuras etc.. Texto: Introdução: Apresentação do tema; justificativa do tema escolhido; objetivos gerais e específicos; problema pesquisado; definições, categorias e conceitos utilizados. Perguntas que se bem respondidas ajudam na execução desta parte do trabalho: De que trata o

9 9 assunto? Qual a situação-problema levantada? Em que se fundamenta o estudo? Qual o objetivo do pesquisador? Qual o relato histórico do problema? Corpo do trabalho: Desenvolvimento do trabalho propriamente dito, dividido o em capítulos a serem definidos de acordo com sua necessidade. Devem seguir uma ordenação lógica das idéias. Desenvolvimento do tema: Descrição e documentação de todas as atividades de pesquisa. Desenvolver o Relatório Pessoal procurando sempre relacionar o aprendizado teórico e prático no decorrer do trabalho com o aprendizado teórico em sala de aula. Metodologia: Tipo de pesquisa; apresentação e justificativa do método escolhido; descrição da população; descrição, justificativa e maneira de selecionar a amostra; apresentação das técnicas e material de pesquisa (colocar em anexo cópia do instrumento de coleta de dados); limitações da pesquisa. Análise dos resultados: Descrição dos dados obtidos pode ser apresentada por meio de tabelas, quadros, gráficos, figuras. Conclusões: A essência do estudo está na conclusão que deverá corresponder aos objetivos do trabalho. A conclusão deve ser breve, clara e objetiva apresentando visão analítica do corpo do trabalho. Na conclusão podem ser incluídos: a sua opinião sobre o estágio realizado, citando: aspectos positivos e negativos para seu aprimoramento profissional; as atividades mais interessantes; os pontos convergentes e divergentes em relação ao Curso; o relato das dificuldades encontradas com relação aos conhecimentos técnicos e atuação prática; a análise sobre quais das disciplinas de seu curso mais contribuíram para sua capacitação profissional. Pós-texto: Referências Bibliograficas: É a relação dos autores e obras consultadas para a elaboração do trabalho. Devem constar todas as fontes que realmente foram consultadas, para mostrar o conjunto utilizado e para permitir que as pessoas interessadas consultem as fontes utilizadas. Anexos: É a parte do trabalho onde se colocam dados elucidativos à compreensão do texto. (Tabelas, figuras, gráficos, etc).

10 10 Especificações Gráficas: Margens: Superior: 3 cm Inferior: 2 cm Esquerda: 3 cm Direita: 2 cm Tamanho do papel: A4 medidas 21,0 cm x 29,7 cm Parágrafo: os trabalhos deverão ser necessariamente micrados. Alinhamento: justificado Espaçamento: entre linhas: 1,5 linha Recuo de parágrafos: 1,25 cm Fonte Fonte: Times New Roman - Tamanho: 12 Numeração de páginas Lado direito do cabeçalho. Dados de Identificação (folha de rosto) Adequar os nomes do relatório, dos alunos, professor orientador do curso, área de concentração, número de matrícula, curso, série e turma.

11 11 7. Requisitos Específicos dos Projetos Integradores Marketing Projetos Integradores I 2º módulo Marketing Descrever o Planejamento Estratégico de uma organização existente, considerando os aspectos do empreendedorismo empresarial, prevendo a conduta ética da empresa, o modelo organizacional, os canais de comunicação e marketing da empresa, seu planejamento contábil e de custos, modelos estatísticos para indicadores de desempenho, estrutura societária e a perspectiva da atuação no cenário econômico nacional e internacional. Projetos Integradores II 3º módulo Marketing Analisar uma empresa real (estudo de caso), considerando os aspectos do empreendedorismo empresarial, a conduta ética da empresa, o modelo organizacional adotado, os modelos contábil e estatístico, estrutura societária, a perspectiva da atuação no cenário econômico nacional e internacional. Detectar e realizar uma analise em profundidade das estratégias mercadológicas utilizadas, do portifólio de produto da empresa, dos segmentos atingidos por estes produtos, das estratégias de promoção, merchandising e propaganda, dos canais de comunicação da empresa com público externo e interno e da estratégia de vendas utilizada. O trabalho será realizado conforme a capacidade de resolver situações com flexibilidade e adaptabilidade diante de problemas detectados; de selecionar estratégias adequadas de ação visando a atender interesses institucionais e de mercado; comunicação interpessoal e expressão correta na interpretação da realidade, raciocínio lógico, crítico e analítico; capacidade de propor modelos mercadológicos inovadores e adequados a empresa, ao produto, ao mercado e ao consumidor; de ordenar atividades e programas, de decidir entre alternativas, de identificar e dimensionar riscos. Projetos Integradores III 4º módulo Marketing Desenvolver uma intervenção mercadológico em uma empresa existente, escolhendo um produto a ser lançado em um determinado país, considerando os aspectos do empreendedorismo empresarial, a conduta ética da empresa, o modelo organizacional adotado, os modelos contábil e estatístico, estrutura societária, a perspectiva da atuação no cenário econômico nacional e internacional. Realizar uma intervenção prática tendo inicio com uma pesquisa ao mercado onde o produto será lançado, seguido de adaptação do produto, preço, distribuição e comunicação tendo como objetivo o lançamento do mesmo no país escolhido.

12 12 Em anexo estão os modelos de apresentação dos Projetos Integradores I Pesquisa Aberta (Anexo I), Projetos Integradores II Estudo de Caso (Anexo II) e Projetos Integradores III Projeto de Intervenção (Anexo III), reforçando as normas e regulamentos expostos neste manual. O Manual de Orientações para elaboração dos Projetos Integradores é um guia para a construção e apresentação dos trabalhos desta disciplina que tem por objetivo integrar os conhecimentos adquiridos ao longo do curso e reforçar a capacidade de solucionar problemas no ambiente organizacional, promovendo assim, a aliança entre as disciplinas teóricas e a prática organizacional. Quaisquer outras dúvidas a respeito dos Projetos Integradores deverão ser dirimidas pela Coordenação dos Cursos Superiores de Tecnologia da UNISA, na figura do seu Coordenador e também dos professores orientadores designados para acompanhar os projetos integradores. Profa. Anna Cristina Pascual Ramos Coordenadora dos Cursos Superiores de Tecnologia UNISA Profa. Marília Gonçalves Graf Orientadora de projetos integradores Marketing

13 13 ANEXO I - Modelo do Roteiro para elaboração do Projeto Integrador I Introdução 2. Histórico da Empresa 3. Metodologia da Pesquisa 4. Planejamento Estratégico 4.1 Empreendedorismo Empresarial 4.2 Valores e Conduta Ética 4.3 Modelo Organizacional Estrutura Financeira Estrutura Logística Estrutura de Marketing Sistema de Qualidade Sistema Ambiental Políticas de Recursos Humanos 4.4 Controle Contábil e de Custos Estrutura Contábil Estrutura de Custos (Variáveis e Fixos) Modelo de Formação de Preço 4.5 Modelos Estatísticos para Planejamento e Controle de Desempenho 4.6 Atuação no Cenário Econômico nacional e internacional

14 14 5. Cronograma de Atividades Cronograma de Atividades Mês 1 Mês 2 Mês 3 Mês 4 Total CH Orientação do Projeto Integrador 5 h 5 h Pesquisa de Empresas 5 h 5 h Abordagem em Empresa 3 h 3 h Coleta de Dados e Informações 10 h 10 h Análise de Dados e Informações 5 h 5 h Consolidação dos Resultados 5 h 5 h Apresentação Escrita da Pesquisa 5 h 5 h Apresentação Gráfica da Pesquisa 5 h 5 h Conclusões 5 h 5 h Formatação do Trabalho 4 h 4 h Preparação para Entrega 1 h 1 h Preenchimento da Ficha de Identificação 1 h 1 h Entrega do Projeto Integrador X - Total de Horas Destinadas ao Projeto 13 h 20 h 15 h 6 h 54 h 6. Conclusões 7. Referências Bibliográficas

15 15 ANEXO II - Modelo do Roteiro para elaboração do Projeto Integrador II MARKETING Introdução 1. Histórico da Empresa 2. Análise da Problemática Descrever o case a ser estudado. 3. Proposta de solução Revisar o caso estudado propondo novas alternativas de solução, levando-se em conta os fundamentos de marketing, o desenvolvimento estratégico e gerenciamento de produtos, as estratégias de vendas e as estratégias de promoção, merchandising e propaganda. 4. Objetivo Através da análise critica e criativa propor novas soluções para cases mercadológicos existentes. 5. Programa (apresentar um modelo funcional conforme proposta apresentada) PRODUTO Categoria Local de uso Sabores, perfumes existentes e as modificações propostas - justificar Embalagem justificar possíveis alterações Sazonalidade Preços (para o distribuidor e para o consumidor final) (preço alto, baixo, médio) Definir estratégia e justificar Imagem desejada o produto definir e justificar Pontos fortes do produto Pontos fracos do produto Slogan (atual) do produto Slogan (novo) do produto Objetivos de mercado Análise SWOT Posicionamento do produto Estratégia definir e justificar Estratégia de expansão geográfica MERCADO

16 16 Tipo de mercado Objetivos de mercado CONSUMIDOR Características demográficas o Idade o Sexo o Estado civil o Estagio de ciclo e vida o Raça, nacionalidade (se for importante para o produto) o Religião (se for importante para o produto) Características sócio econômicas o Classe social o Renda o Ocupação o Educação Características psicológicas o Personalidade o Atitudes gerais o Atitudes em relação ao produto o Estilo de vida CARACTERISTICAS DA COMPRA Processo e ocasião da compra Taxa de uso do produto (alta, média, baixa) Razões da compra racionais Razões da compra emocionais Influencia da compra (quem influencia, quem usa, quem compra) Benefícios buscados na compra (econômicos, conveniências, prazer, durabilidade, prestigio, desempenho etc) PRÉ VENDA Informação e envolvimento do cliente: propaganda; promoção de vendas; publicidade; marketing direto; venda (antes e durante); comunicação via Internet. Comunicações pré-venda: contatos anteriores às compras; tipos de informações procuradas; canais de comunicação utilizados pelo cliente. Materiais de oferta e promocionais enviados diretamente. Comportamento de compra: freqüência com que as compras são feitas. Método de pagamento: espécie, cartões de crédito/débito/loja, etc. Informações básicas para negócios com empresas Geografia: escritório principal; regionais. Posição no mercado: participação em segmentos de mercado; principais clientes do cliente. Concorrentes e não-concorrentes; fornecedores; principais canais de distribuição e potenciais canais de distribuição. DISTRIBUIÇÃO Canais a serem utilizados justificar estrategicamente Sugestão de novos canais CONCORRENCIA Concorrentes diretos Concorrentes indiretos Comparativo de preço (seu produto X concorrentes)

17 17 COMUNICAÇÃO A. PROPAGANDA DO PRODUTO Desenvolver uma campanha de propaganda do produto contendo Tema Objetivo Orientação ideológica escolhida Mídias escolhidas e os lay outs correspondentes (no mínimo 3) Observação caso a escolha seja tv ou cinema a peça poderá ser apresentada em story board Sustentação do Ponto de Venda - No mínimo 3 peças de merchandising que dê sustentação à campanha B. CAMPANHA DE PROMOÇÃO E MERCHANDISING Desenvolver 2 campanhas promocionais (no mínimo) com 3 peças cada uma TEMA Cada promoção deverá ter um tema OBJETIVO Definir o objetivo levando-se em consideração os dados levantados na parte 1 TARGET ou PUBLICO ALVO Qual o público a ser atingido (consumidor, vendedor, lojista) MECANICA E LOGISTICA Passo a passo do funcionamento da promoção PREVISAO DE COBERTURA Locais e regiões TIMING Data e tempo da duração da promoção APOIO DE PROPAGANDA Pelo menos 1 das campanhas de promoção desenvolvidas deverá ter apoio de propaganda com no mínimo 2 peças C. CAMPANHA DE PÓS VENDA Serviços auxiliares que o cliente pode obter junto com o produto. Garantia e manutenção de serviços. Reconhecimento do cliente. Canais de distribuição reserva: troca ou devolução. Comunicações: meio de contato; tipos de informações oferecidas; satisfação: suficiência de canais de distribuição e de comunicação. Programa de fidelização. D) Campanha de MKT Social Criar uma campanha voltado ao MKT Social (defesa do ambiente, sustentabilidade, assistencialista etc ) com duas peças cada Nesta fase, além da apresentação teórica será necessária a apresentação das peças (embalagens, peças promocionais, de merchandising e de propaganda) que justifiquem a alternativa de solução apresentada ao case estudado.

18 18 6. Benefícios, vantagens, lucratividade 7. Conclusão 8. Cronograma de Atividades 9. Bibliografia e referencias de pesquisas

19 19 ANEXO III - Modelo do Roteiro para elaboração do Projeto Integrador III MARKETING 1. Introdução 2. Histórico da Empresa 3. Metodologia de pesquisa 4. Planejamento Estratégico 4.1 Empreendedorismo Empresarial 4.2 Valores e Conduta Ética 4.3 Modelo Organizacional Estrutura de Marketing 4.4 Controle Contábil e de Custos Estrutura Contábil 4.5 Modelos Estatísticos para Planejamento e Controle de Desempenho 5. PARTE I AMBIENTE SOCIO-ECONOMICO DO PAÍS Esta parte do trabalho visa embasar todas as decisões estratégicas a serem tomadas para o produto. DADOS GERAIS Nome do país Chefe do governo Tipo de governo Símbolos, cores etc POPULAÇÃO População total Taxa de crescimento populacional Taxa de natalidade e mortalidade Nível de escolaridade ou alfabetismo ESTAGIO DE DESENVOLVIMENTO ECONOMICO (cap. 2) Estágio de desenvolvimento econômico Renda per capita Balança comercial Indicações de risco (Risco país. Inflação) INFRA ESTRUTURA Transporte

20 20 Energia Comunicação (quantidade e principais meios de comunicação) URBANIZAÇÃO % de população urbana % de população rural CARACTERISTICAS FISICAS DO PAIS (resumidamente) Área Clima Recursos naturais Topografia AMBIENTE POLITICO (cap. 4) Indicações de risco (guerras ou conflitos atuais) CARACTERISTICAS CULTURAIS De baixo ou alto contexto Religião Grupos étnicos Valores dominantes Fragmentação linguística Cultura: folclore, artes, dança, música, escultura, literatura, etc (resumidamente) Superstições e curiosidades Pontos turísticos 6. PARTE II - DESENVOLVIMENTO DO PRODUTO PRODUTO Categoria Local de uso Sabores, perfumes existentes e as modificações propostas - justificar Embalagem justificar possíveis alterações Sazonalidade Preços (para o distribuidor e para o consumidor final) (preço alto, baixo, médio) Definir estratégia e justificar Imagem desejada o produto definir e justificar Pontos fortes do produto Pontos fracos do produto Slogan (atual) do produto Slogan (novo) do produto Objetivos de mercado Posicionamento do produto Estratégia definir e justificar Estratégia de expansão geográfica PREÇO Modelo de Custos Formação de Preço Estratégia de Preço MERCADO Tipo de mercado Objetivos de mercado

21 21 CONSUMIDOR Características demográficas o Idade o Sexo o Estado civil o Estagio de ciclo e vida o Raça, nacionalidade (se for importante para o produto) o Religião (se for importante para o produto) Características sócio econômicas o Classe social o Renda o Ocupação o Educação Características psicológicas o Personalidade o Atitudes gerais o Atitudes em relação ao produto o Estilo de vida CARACTERISTICAS DA COMPRA Processo e ocasião da compra Taxa de uso do produto (alta, média, baixa) Razões da compra racionais Razões da compra emocionais Influencia da compra (quem influencia, quem usa, quem compra) Benefícios buscados na compra (econômicos, conveniências, prazer, durabilidade, prestigio, desempenho etc) PRÉ VENDA Informação e envolvimento do cliente: propaganda; promoção de vendas; publicidade; marketing direto; venda (antes e durante); comunicação via Internet. Comunicações pré-venda: contatos anteriores às compras; tipos de informações procuradas; canais de comunicação utilizados pelo cliente. Materiais de oferta e promocionais enviados diretamente. Comportamento de compra: freqüência com que as compras são feitas. Método de pagamento: espécie, cartões de crédito/débito/loja, etc. Informações básicas para negócios com empresas Geografia: escritório principal; regionais. Posição no mercado: participação em segmentos de mercado; principais clientes do cliente. Concorrentes e não-concorrentes; fornecedores; principais canais de distribuição e potenciais canais de distribuição. DISTRIBUIÇÃO NO PAÍS Canais a serem utilizados no país justificar estrategicamente Sugestão de novos canais CONCORRENCIA Concorrentes diretos Concorrentes indiretos Comparativo de preço (seu produto X concorrentes) 7. PARTE III MARKETING SOCIALMENTE RESPONSÁVEL A embalagem do produto atende as novas necessidades ambientais? justificar

22 22 Identificar os indicadores sociais do país, assim como seus problemas são atendidos pelas entidades locais. Apresentar uma estratégia de Marketing Social visando atender a pelo menos a uma das classes sociais desamparadas. Para este item deverá ser criada uma campanha de comunicação com no mínimo 3 peças. 8. PARTE IV - COMUNICAÇÃO A. PROPAGANDA DE LANÇAMENTO DO PRODUTO Desenvolver uma campanha de propaganda do produto contendo Tema Objetivo Orientação ideológica escolhida Mídias escolhidas e os lay outs correspondentes (no mínimo 3) Observação caso a escolha seja tv ou cinema a peça poderá ser apresentada em story board Sustentação do Ponto de Venda - No mínimo 3 peças de merchandising que dê sustentação à campanha B. CAMPANHA DE PROMOÇÃO E MERCHANDISING Desenvolver 2 campanhas promocionais (no mínimo) TEMA Cada promoção deverá ter um tema OBJETIVO Definir o objetivo levando-se em consideração os dados levantados na parte 1 TARGET ou PUBLICO ALVO Qual o público a ser atingido (consumidor, vendedor, lojista) MECANICA E LOGISTICA Passo a passo do funcionamento da promoção PREVISAO DE COBERTURA Locais e regiões TIMING Data e tempo da duração da promoção APOIO DE PROPAGANDA Pelo menos 1 das campanhas de promoção desenvolvidas deverá ter apoio de propaganda com no mínimo 2 peças C. CAMPANHA DE PÓS VENDA Serviços auxiliares que o cliente pode obter junto com o produto. Garantia e manutenção de serviços. Reconhecimento do cliente. Canais de distribuição reserva: troca ou devolução. Comunicações: meio de contato; tipos de informações oferecidas; satisfação: suficiência de canais de distribuição e de comunicação. Programa de fidelização. 9. Benefícios, vantagens, lucratividade 10. Conclusão 11. Cronograma de Atividades 12. Bibliografia e referencias de pesquisas

23 23 Ficha de identificação dos alunos (Anexo IV) Nome dos(as) alunos(as): RA: RA: RA: RA: RA: Curso: Módulo: Endereço: Número: Bairro: CEP: Telefone: Município: Estado: Ano letivo de: Protocolo de Entrega de Projeto Integrador Nome: - Data de Entrega: / / Curso: - Módulo

24 24 Ficha de Avaliação (Anexo V) (LOCAL), de de 20. Atribuímos nota ( ) aos alunos(as): Nome: RA, Nome: RA, Nome: RA, Nome: RA, Nome: RA, regularmente matriculados(as) no Curso de, módulo. Observações: Professor Avaliador Coordenador do Curso

25 25

Legitimação dos conceitos face as práticas organizacionais; Oportunizar reflexão sobre as competências em desenvolvimento;

Legitimação dos conceitos face as práticas organizacionais; Oportunizar reflexão sobre as competências em desenvolvimento; 1 MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS INTEGRADORES CURSO SUPERIORES DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA (LOGÍSTICA) SÃO PAULO 2009 2 Introdução A prática pedagógica dos Cursos Superiores de Graduação

Leia mais

PROJETO INTEGRADOR II Alunos do Final do Módulo Organizacional

PROJETO INTEGRADOR II Alunos do Final do Módulo Organizacional PROJETO INTEGRADOR II Alunos do Final do Módulo Organizacional Cartilha de Orientação SUMÁRIO 1. Apresentação 2. Informações 2.1. Requisitos Específicos do Projeto Integrador II 2.2. Roteiro para elaboração

Leia mais

PROJETO INTEGRADOR III Alunos do Final do Módulo Processual. Cartilha de Orientação

PROJETO INTEGRADOR III Alunos do Final do Módulo Processual. Cartilha de Orientação PROJETO INTEGRADOR III Alunos do Final do Módulo Processual Cartilha de Orientação SUMÁRIO 1. Apresentação 2. Informações 2.1. Requisitos Específicos do Projeto Integrador III 2.2. Roteiro para elaboração

Leia mais

Legitimação dos conceitos face às práticas organizacionais; Oportunizar reflexão sobre as competências em desenvolvimento;

Legitimação dos conceitos face às práticas organizacionais; Oportunizar reflexão sobre as competências em desenvolvimento; 1 MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS INTEGRADORES CURSO SUPERIORES DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA (GESTÃO FINANCEIRA) SÃO PAULO 2009 2 Introdução A prática pedagógica dos Cursos Superiores de

Leia mais

Legitimação dos conceitos face as práticas organizacionais; Oportunizar reflexão sobre as competências em desenvolvimento;

Legitimação dos conceitos face as práticas organizacionais; Oportunizar reflexão sobre as competências em desenvolvimento; 1 MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS INTEGRADORES CURSO SUPERIORES DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA (GESTÃO AMBIENTAL) SÃO PAULO 2009 2 Introdução A prática pedagógica dos Cursos Superiores de Graduação

Leia mais

PROJETO INTEGRADOR I Alunos do Final do Módulo Básico. Cartilha de Orientação

PROJETO INTEGRADOR I Alunos do Final do Módulo Básico. Cartilha de Orientação PROJETO INTEGRADOR I Alunos do Final do Módulo Básico Cartilha de Orientação SUMÁRIO 1. Apresentação 2. Informações 2.1. Requisitos Específicos do Projeto Integrador I 2.2. Roteiro para elaboração do Projeto

Leia mais

Manual de. Estágio Curricular Supervisionado. Bacharelado

Manual de. Estágio Curricular Supervisionado. Bacharelado 1 Manual de Estágio Curricular Supervisionado Bacharelado 2 APRESENTAÇÃO O Manual de Estágio Curricular Supervisionado está organizado de forma objetiva e prática, buscando definir informações e conceitos

Leia mais

Recife/PE 2010 ESTÁGIO REGULAMENTO

Recife/PE 2010 ESTÁGIO REGULAMENTO ESTÁGIO REGULAMENTO Recife/PE 2010 2 CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS DO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Art. 1.º O presente regulamento visa cumprir a Política de estágios da Escola Superior de Marketing-ESM

Leia mais

FACULDADE CATÓLICA DE ANÁPOLIS CURSO ADMINISTRAÇÃO, BACHARELADO. REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO I, II e III

FACULDADE CATÓLICA DE ANÁPOLIS CURSO ADMINISTRAÇÃO, BACHARELADO. REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO I, II e III FACULDADE CATÓLICA DE ANÁPOLIS CURSO ADMINISTRAÇÃO, BACHARELADO REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO I, II e III Anápolis-GO REVISADO EM: 2013 APRESENTAÇÃO Frente à necessidade de um processo

Leia mais

2. Desenvolver Pesquisa de Campo sobre uma pequena empresa conforme modelo de pesquisa anexo.

2. Desenvolver Pesquisa de Campo sobre uma pequena empresa conforme modelo de pesquisa anexo. 1 1. ESTÁGIO SUPERVISIONADO 2. OBJETIVO Resolução nº 01 de 02/02/2004 do Conselho Nacional de Educação CNEC/CN/MEC. Proporcionar ao estudante oportunidade de desenvolver suas habilidades, analisar situações

Leia mais

Educação Superior para Carreiras Públicas PROJETO INTEGRADOR

Educação Superior para Carreiras Públicas PROJETO INTEGRADOR Educação Superior para Carreiras Públicas PROJETO INTEGRADOR Brasília DF Julho de 2012 Gustavo Javier Castro Diretor Acadêmico da Faculdade Processus Maria Aparecida de Assunção Coordenadora do curso de

Leia mais

NORMAS GERAIS DE ESTÁGIO DE PSICOPEDAGOGIA

NORMAS GERAIS DE ESTÁGIO DE PSICOPEDAGOGIA NORMAS GERAIS DE ESTÁGIO DE PSICOPEDAGOGIA I - APRESENTAÇÃO Este manual destina-se a orientação dos procedimentos a serem adotados durante o estágio supervisionado. Procuramos ser objetivos e práticos

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO INTRODUÇÃO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO INTRODUÇÃO Considerando o objetivo de formação de docentes em que a atividade prática de prestação de serviços especializados é relevante à sociedade, torna-se necessário

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA. Projeto Integrado Multidisciplinar I e II

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA. Projeto Integrado Multidisciplinar I e II UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar I e II Manual de orientações - PIM Cursos superiores de Tecnologia em: Gestão Ambiental, Marketing, Processos Gerenciais

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

REGULAMENTO DE CURSO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS

REGULAMENTO DE CURSO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS REGULAMENTO DE CURSO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS JUNHO/2011 CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares Art. 1º. Os cursos de Pós Graduação Lato Sensu da Faculdade de Tecnologia

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 1 Prezado(a) Aluno(a): Estas normas foram elaboradas com o objetivo de fornecer subsídios

Leia mais

REGULAMENTO PROJETOS INTERDISCIPLINARES

REGULAMENTO PROJETOS INTERDISCIPLINARES REGULAMENTO PROJETOS INTERDISCIPLINARES 1 1. DAS CARACTERÍSTICAS DO PROJETO INTERDISCIPLINAR Trata-se de unidade curricular que compõe o processo curricular dos Cursos de Graduação que possuem tal componente

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 27 DE SETEMBRO DE

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 27 DE SETEMBRO DE Ministério da Educação CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 27 DE SETEMBRO DE 2013 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Relações

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 1ª Série Empreendedorismo Administração A Atividade Prática Supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem desenvolvido por meio de etapas,

Leia mais

Faculdade de Ribeirão Preto. Núcleo de Prática Acadêmica (NPA)

Faculdade de Ribeirão Preto. Núcleo de Prática Acadêmica (NPA) Faculdade de Ribeirão Preto Núcleo de Prática Acadêmica (NPA) Manual de orientações para o cumprimento do Estágio Curricular e elaboração do Trabalho de Conclusão de Curso - TCC LETRAS 2011 ORIENTAÇÕES

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO (MONOGRAFIA) TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO (MONOGRAFIA) TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO DO TRABALHO DE CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO (MONOGRAFIA) TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Este regulamento normatiza as atividades relativas ao Trabalho de Curso do currículo

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 211/2005-CEPE/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 211/2005-CEPE/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 211/2005-CEPE/UNICENTRO Aprova o Regulamento de Estágio do Curso de Turismo da Universidade Estadual do Centro- Oeste, UNICENTRO. O REITOR DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO:

Leia mais

IERGS PÓS-GRADUAÇÃO MANUAL DE ESTÁGIO PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL 2010

IERGS PÓS-GRADUAÇÃO MANUAL DE ESTÁGIO PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL 2010 IERGS PÓS-GRADUAÇÃO MANUAL DE ESTÁGIO PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL 2010 APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO O presente Manual de Estágio apresenta as orientações básicas para o desenvolvimento das atividades

Leia mais

TRAProhe TRATR MANUAL TRABALHO INTERDISCIPLINAR. Curso Superior Tecnológico de Gestão em Finanças. Currículo 2009-2

TRAProhe TRATR MANUAL TRABALHO INTERDISCIPLINAR. Curso Superior Tecnológico de Gestão em Finanças. Currículo 2009-2 TRATR TRAProhe MANUAL TRABALHO INTERDISCIPLINAR Curso Superior Tecnológico de Gestão em Finanças Currículo 2009-2 Coordenador Geral: Coordenador do Curso: Centro de Excelência no Ensino: Alexandre Miserani

Leia mais

Roteiro para elaboração do Projeto de Monografia do Curso de Graduação em Ciências Econômicas Rio de Janeiro

Roteiro para elaboração do Projeto de Monografia do Curso de Graduação em Ciências Econômicas Rio de Janeiro FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA BRASILEIRA DE ECONOMIA E FINANÇAS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS Roteiro para elaboração do Projeto de Monografia do Curso de Graduação em Ciências Econômicas Rio de Janeiro

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO ADMINISTRAÇÃO

MANUAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO ADMINISTRAÇÃO MANUAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO ADMINISTRAÇÃO 1 SUMÁRIO Lista de Anexos... 3 1. APRESENTAÇÃO... 4 2. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL... 5 3. DEFINIÇÕES... 5 4. OBJETIVOS... 6 5. PLANEJAMENTO E COMPETÊNCIAS...

Leia mais

Roteiro de Diagnóstico Descritivo para o ESA I

Roteiro de Diagnóstico Descritivo para o ESA I Roteiro de Diagnóstico Descritivo para o ESA I Seqüência das partes Capa (obrigatório) Lombada (opcional) Folha de rosto (obrigatório) ERRATA (opcional) TERMO DE AROVAÇÃO (obrigatório) Dedicatória(s) (opcional)

Leia mais

PORTARIA Nº 123 DE 28 DE JULHO DE

PORTARIA Nº 123 DE 28 DE JULHO DE PORTARIA Nº 123 DE 28 DE JULHO DE 2006. O Presidente, Substituto, do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira - INEP, no uso de suas atribuições, tendo em vista a Lei nº 10.861,

Leia mais

Regulamento Trabalho de Conclusão de Curso. Das Disposições Preliminares

Regulamento Trabalho de Conclusão de Curso. Das Disposições Preliminares Regulamento Trabalho de Conclusão de Curso Das Disposições Preliminares Art. 1. Respaldado pelo disposto nos termos do parágrafo terceiro do Artigo 65 do Regimento Unificado da Associação Educativa Evangélica

Leia mais

NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DA ATIVIDADE COMPLEMENTAR DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO

NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DA ATIVIDADE COMPLEMENTAR DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DA ATIVIDADE COMPLEMENTAR DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO 1. DA DEFINIÇÃO a) O Trabalho de Graduação (TG) compreende o estudo de um problema em profundidade, requerendo

Leia mais

NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DA ATIVIDADE COMPLEMENTAR DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO

NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DA ATIVIDADE COMPLEMENTAR DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DA ATIVIDADE COMPLEMENTAR DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO 1. DA DEFINIÇÃO a) O Trabalho de Graduação (TG) compreende o estudo de um problema em profundidade, requerendo

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC Paulino Botelho ( Extensão Esterina Placco ) Código: 091.01 Município:São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão de Negócios Habilitação Profissional: Técnico

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2014

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plano de Trabalho Docente 2014 ETEC PAULINO BOTELHO Código: 091.6 Município: São Carlos EE: Prof. Arlindo Bittencourt Eixo Tecnológico: Gestão e

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA ESTÁGIO DE PEDAGOGIA

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA ESTÁGIO DE PEDAGOGIA ORIENTAÇÕES GERAIS PARA ESTÁGIO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO Os Estágios Supervisionados constam de atividades de prática pré-profissional, exercidas em situações reais de trabalho, sem vínculo empregatício,

Leia mais

PIM V. Projeto Integrado Multidisciplinar

PIM V. Projeto Integrado Multidisciplinar PIM V Projeto Integrado Multidisciplinar PIM V - PROJETO INTEGRADO MULTIDISCIPLINAR TEMA: Propor a aplicação dos conhecimentos adquiridos nas disciplinas do semestre no funcionamento dos sistemas de Saúde

Leia mais

FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO ESTRUTURA DA PARTE ESCRITA MODALIDADE: CAMPANHA

FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO ESTRUTURA DA PARTE ESCRITA MODALIDADE: CAMPANHA FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO ESTRUTURA DA PARTE ESCRITA MODALIDADE: CAMPANHA ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS: Capa Folha de rosto Dedicatória

Leia mais

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP Regulamento do Curricular Supervisionado do Curso de Graduação em Pedagogia - Licenciatura Faculdade de

Leia mais

RECURSOS HUMANOS PIM IV. Projeto Integrado Multidisciplinar

RECURSOS HUMANOS PIM IV. Projeto Integrado Multidisciplinar RECURSOS HUMANOS PIM IV Projeto Integrado Multidisciplinar 1 PIM PROJETO INTEGRADO MULTIDISCIPLINAR TEMA: Descrever o papel da área de Recursos Humanos em termos de seu significado e importância no alcance

Leia mais

REGULAMENTO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CAPÍTULO 1 DA DEFINIÇÃO

REGULAMENTO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CAPÍTULO 1 DA DEFINIÇÃO ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO DE RIO CLARO ASSOCIAÇÃO DE ESCOLAS REUNIDAS TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC CURSO DE ADMINISTRAÇÃO GRADES 2008/2010 REGULAMENTO MARÇO 2012 (Substitui o regulamento

Leia mais

MBA Executivo em Administração: Gestão de Negócios em Comércio e Vendas Coordenação Acadêmica: Prof. Fernando R. A. Marchesini, Msc.

MBA Executivo em Administração: Gestão de Negócios em Comércio e Vendas Coordenação Acadêmica: Prof. Fernando R. A. Marchesini, Msc. CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA Executivo em Administração: Gestão de Negócios em Comércio e Vendas Coordenação Acadêmica: Prof. Fernando R. A. Marchesini, Msc. 1 OBJETIVOS: Conduzir

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO

RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO Relatório de Estágio é um instrumento através do qual o aluno - estagiário expõe os resultados das atividades desenvolvidas durante o estágio, bem

Leia mais

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO (TCC)

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO (TCC) DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO (TCC) RIO DE JANEIRO 2009 2 APRESENTAÇÃO Estas diretrizes têm por objetivo padronizar a apresentação dos Trabalhos

Leia mais

FAIN FACULDADE INDEPENDENTE DO NORDESTE COORDENAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO

FAIN FACULDADE INDEPENDENTE DO NORDESTE COORDENAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO FACULDADE INDEPENDENTE DO NORDESTE COORDENAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO VITÓRIA DA CONQUISTA 2007 COMPOSIÇÃO INSTITUCIONAL

Leia mais

Curso de Direito Previdenciário Aspectos práticos e teóricos com ênfase na atuação da Defensoria Pública da União (Turma II - 2015)

Curso de Direito Previdenciário Aspectos práticos e teóricos com ênfase na atuação da Defensoria Pública da União (Turma II - 2015) Curso de Direito Previdenciário Aspectos práticos e teóricos com ênfase na atuação da Defensoria Pública da União (Turma II - 2015) TUTOR e CONTEUDISTA JAIR SOARES JÚNIOR Defensor Público Federal de Categoria

Leia mais

>> PROGRAMA DE DISCIPLINA

>> PROGRAMA DE DISCIPLINA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS ESCOLA DE DESIGN >> PROGRAMA DE DISCIPLINA PERÍODO DISCIPLINA Prática Projetual VI 1 SEMESTRE [ X ] PROFESSOR Carlos Alberto Silva de Miranda 2 SEMESTRE [ ] CURSO

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BELO HORIZONTE - UNI-BH INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS CURSO TECNÓLOGO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS. Edital Nº 001/2012

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BELO HORIZONTE - UNI-BH INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS CURSO TECNÓLOGO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS. Edital Nº 001/2012 CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BELO HORIZONTE - UNI-BH INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS CURSO TECNÓLOGO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Edital Nº 001/2012 Normas para Apresentação do Trabalho Interdisciplinar de Graduação

Leia mais

REGULAMENTO E MANUAL. Pedagogia e Letras

REGULAMENTO E MANUAL. Pedagogia e Letras INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE BARRETOS Mantido pelo Centro de Educação e Idiomas de Barretos Autorizado pela Portaria 71 de 11/01/2005 DOU Pedagogia Reconhecido pela portaria nº 663 de 11/05/2009 DOU

Leia mais

Universidade de Cruz Alta UNICRUZ Centro de Ciências Agrárias, Exatas e da Terra Curso de Ciência da Computação PLANO DE ENSINO

Universidade de Cruz Alta UNICRUZ Centro de Ciências Agrárias, Exatas e da Terra Curso de Ciência da Computação PLANO DE ENSINO Universidade de Cruz Alta UNICRUZ Centro de Ciências Agrárias, Exatas e da Terra Curso de Ciência da Computação PLANO DE ENSINO Curso/Habilitação: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Disciplina: Empreendimentos em Informática

Leia mais

PROJETO MULTIDISCIPLINAR DE COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL - 2013 - PLANO DE COMUNICAÇÃO -

PROJETO MULTIDISCIPLINAR DE COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL - 2013 - PLANO DE COMUNICAÇÃO - PROJETO MULTIDISCIPLINAR DE COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL - 2013 - PLANO DE COMUNICAÇÃO - A estrutura a seguir foi desenvolvida com base no escopo da disciplina de Planejamento Estratégico de Comunicação,

Leia mais

MANUAL DE TRABALHO INTERDISCIPLINAR TI - INTEGRADOR FAN CEUNSP

MANUAL DE TRABALHO INTERDISCIPLINAR TI - INTEGRADOR FAN CEUNSP MANUAL DE TRABALHO INTERDISCIPLINAR TI - INTEGRADOR FAN CEUNSP Salto 2010 MANUAL DE TRABALHO INTERDISCIPLINAR TI / INTEGRADOR 0 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 2 TRABALHO INTERDISCIPLINAR (TI)... 3 ORGANIZAÇÃO...

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA PROJETO INTEGRADOR. Suzano

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA PROJETO INTEGRADOR. Suzano CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA PROJETO INTEGRADOR Suzano PROJETO INTEGRADOR 1. Introdução O mercado atual de trabalho exige dos profissionais a capacidade de aplicar os conhecimentos

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO (Anexo 1)

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO (Anexo 1) Prezado(a) Professor(a), Visando orientar e otimizar as informações que deverão constar no projeto, elencamos, abaixo, os itens imprescindíveis para compreensão e apresentação da sua proposta ao Prêmio

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CST em Recursos Humanos 2ª Série Processos Gerenciais A atividade prática supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem desenvolvido por

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Regulamento de Projeto Integrador dos Cursos Superiores de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Segurança da Informação e Sistemas para Internet

Leia mais

a) Estar regularmente matriculados no curso;

a) Estar regularmente matriculados no curso; (35) 3690-8900 / 3690-8958 (fax) br ESTÁGIO CURRÍCULAR SUPERVISIONADO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO (ANO LETIVO 2014) 1 Caracterização Os cursos de Engenharia de Produção do Brasil são regidos pelas

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO CURSO TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO CURSO TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO Nos termos da Lei nº 11.892 de 29/12/2008, a Escola Técnica da UFRGS passa a ter nova denominação. REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO CURSO TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO O Curso Técnico

Leia mais

CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO MANUAL DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)

CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO MANUAL DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO MANUAL DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) PALMAS TO, NOVEMBRO 2015 A disciplina Trabalho de Conclusão de Curso, na Faculdade Católica do Tocantins, está organizada

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DOS PROJETOS DE CURSO DO CEFET-MG

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DOS PROJETOS DE CURSO DO CEFET-MG CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DOS PROJETOS DE CURSO DO CEFET-MG EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO NA FORMA INTEGRADA BELO HORIZONTE, OUTUBRO

Leia mais

FACULDADE INTEGRADA DAS CATARATAS - FIC ESTÁGIO CURRICULAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE INTEGRADA DAS CATARATAS - FIC ESTÁGIO CURRICULAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ESTÁGIO CURRICULAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO De acordo com o Currículo Mínimo do Curso de Graduação em Administração aprovado pelo Decreto de 06.09.94, da Presidência na República, publicado no DOU de

Leia mais

EMENTA CURSO TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO

EMENTA CURSO TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICO-ALVO: Os Cursos Técnicos são destinados a todos que estão cursando o 2º ano ou já completaram o Ensino Médio e que desejam aprender uma profissão, entrar no mercado de trabalho ou buscar uma melhor

Leia mais

EDITAL 001/2016 APRESENTAÇÃO. A Fundação Municipal de Educação (FME), considerando o

EDITAL 001/2016 APRESENTAÇÃO. A Fundação Municipal de Educação (FME), considerando o EDITAL 001/2016 EDITAL PARA APOIO A PROJETOS EDUCACIONAIS FORMULADOS POR UNIDADES E/OU PROFISSIONAIS DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO, COM O OBJETIVO DE APRIMORAR A QUALIDADE DOS PROCESSOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO 3 ANEXO 5 REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1.1 Disposições Preliminares Artigo 1 o - As atividades de Estágio Supervisionado que integram a Matriz Curricular do Curso de Administração, da Faculdade

Leia mais

REGULAMENTO DO NUPE NÚCLEO DE PESQUISA E EXTENSÃO

REGULAMENTO DO NUPE NÚCLEO DE PESQUISA E EXTENSÃO REGULAMENTO DO NUPE NÚCLEO DE PESQUISA E EXTENSÃO A Direção Geral da Faculdade ESUP, torna público o presente Regulamento do NUPE Núcleo de Pesquisa e Extensão que tem por finalidade normatizar as atividades

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE AVALIAÇÃO DOS PROJETOS DE EXTENSÃO

RELATÓRIO FINAL DE AVALIAÇÃO DOS PROJETOS DE EXTENSÃO RELATÓRIO FINAL DE AVALIAÇÃO DOS PROJETOS DE EXTENSÃO 1. Identificação e caracterização Título do Projeto Nome do Prof(s) Coordenador(es) do Projeto Centro Laboratório Período Início Término Término previsto

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE Curso: BACHAREL EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE Curso: BACHAREL EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FLUXO DO TCC 6o SEM 7o SEM 8o SEM PESQUISA EM INFORMÁTICA Além da ementa da disciplina, o aluno desenvolverá uma proposta de pesquisa, que poderá ou não continuar a ser trabalhada nas disciplinas de TCC1,

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL PIM II. Projeto Integrado Multidisciplinar

GESTÃO EMPRESARIAL PIM II. Projeto Integrado Multidisciplinar GESTÃO EMPRESARIAL PIM II Projeto Integrado Multidisciplinar PIM PROJETO INTEGRADO MULTIDISCIPLINAR TEMA: Descrição e análise de práticas de gestão em empresas de médio porte. OBS: O Projeto deverá ser

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO MULTIDISCIPLINAR EM SAUDE COLEGIADO DO CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO MULTIDISCIPLINAR EM SAUDE COLEGIADO DO CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO MULTIDISCIPLINAR EM SAUDE COLEGIADO DO CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Instrução normativa Nº 01/2011 Revoga a Instrução Normativa N 02/2008 da comissão

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 118/2004-CEPE/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 118/2004-CEPE/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 118/2004-CEPE/UNICENTRO Aprova o Regulamento de Estágio Supervisionado de Graduação do Curso de Administração da UNICENTRO. O REITOR DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO: Faço

Leia mais

Programa de Atividades de Monitoria

Programa de Atividades de Monitoria Programa de Atividades de Monitoria CAPÍTULO I DA NATUREZA E OBJETIVOS DA MONITORIA Art. 1º A atividade de monitoria é desenvolvida por discentes para aprimoramento do processo de ensino e aprendizagem,

Leia mais

TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL

TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL PROJETO INTERDISCIPLINAR - 1º SEMESTRE AAP (Atividade Autônoma de Projeto) Jales 2016 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 2 2 FINALIDADE DO P.I. (PROJETO INTERDISCIPLINAR)... 3 3 PRESENÇA

Leia mais

Plano de Ensino. METODOLOGIA GERAL: Consultorias com o Professor Orientador, pesquisas de campo e reuniões com a empresa e pesquisa bibliográfica.

Plano de Ensino. METODOLOGIA GERAL: Consultorias com o Professor Orientador, pesquisas de campo e reuniões com a empresa e pesquisa bibliográfica. CURSO: MBA em GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DISCIPLINA: PLANO DE TI PROJETO FINAL Última revisão: Junho/2014 Horas-aula - Orientação ao projeto: 30 Horas-aula - Desenvolvimento do projeto: 60 Horas-aula

Leia mais

Síntese do Projeto Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação PUC Minas/São Gabriel

Síntese do Projeto Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação PUC Minas/São Gabriel PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Instituto de Informática Síntese do Projeto Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação PUC Minas/São Gabriel Belo Horizonte - MG Outubro/2007 Síntese

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CST em Marketing 4ª Série Gestão do Relacionamento com os Consumidores A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensino-aprendizagem desenvolvido por

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL REFERENTE À ETAPA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO...

RELATÓRIO PARCIAL REFERENTE À ETAPA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO... Roteiro para elaboração de relatório parcial de estágio RELATÓRIO PARCIAL REFERENTE À ETAPA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO Estudante: Orientador: Local / / SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 2 3 REFERÊNCIAS Identificação

Leia mais

CADASTRAMENTO DE INSTRUTORES INTERNOS EXERCÍCIO 2011

CADASTRAMENTO DE INSTRUTORES INTERNOS EXERCÍCIO 2011 CADASTRAMENTO DE INSTRUTORES INTERNOS EXERCÍCIO 2011 A, no uso de suas atribuições legais e, tendo em vista o disposto no Programa de Capacitação e Aperfeiçoamento da UNIVASF, aprovado pela Resolução/CONUNI/02/2008,

Leia mais

Modelo de Briefing de Produto - Roteiro de Coleta de Informações - Completo

Modelo de Briefing de Produto - Roteiro de Coleta de Informações - Completo BRIEFING DE PRODUTO Modelo de Briefing de Produto - Roteiro de Coleta de Informações - Completo Modelo Extraído dos livros: Tudo o que você queria saber sobre propaganda e ninguém teve paciência para explicar

Leia mais

Regulamento Específico para os Estágios Supervisionados do Curso de Licenciatura em Geografia a Distância

Regulamento Específico para os Estágios Supervisionados do Curso de Licenciatura em Geografia a Distância Regulamento Específico para os Estágios Supervisionados do Curso de Licenciatura em Geografia a Distância As disciplinas Estágio Supervisionado I e II, devendo perfazer o total de 200 (duzentas) horas

Leia mais

MANUAL DO CANDIDATO. Pós-graduação

MANUAL DO CANDIDATO. Pós-graduação MANUAL DO CANDIDATO Pós-graduação Prezado(a) Candidato(a), Agradecemos o interesse pelos nossos cursos. Este manual contém informações básicas pertinentes ao curso, tais como: objetivos do curso e das

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE DIVINÓPOLIS INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR E PESQUISA CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE DIVINÓPOLIS INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR E PESQUISA CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE DIVINÓPOLIS INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR E PESQUISA CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL NORMA DE REGULAMENTAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Aprovado pela Resolução CONSUNI nº 44/15, de 09/12/2015. CAPÍTULO I AS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente Regulamento

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DOCÊNCIA UNIVERSITÁRIA

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DOCÊNCIA UNIVERSITÁRIA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DOCÊNCIA UNIVERSITÁRIA A Pós-Graduação Lato Sensu da Faculdade Araguaia, considera o Estágio Supervisionado como um período de aprendizagem

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU agosto / 2010 1 REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Sumário TÍTULO I - DA NATUREZA E DAS FINALIDADES... 3 CAPÍTULO I - DA CONSTITUIÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO. 10º Prêmio de Responsabilidade Social

REGULAMENTO. 10º Prêmio de Responsabilidade Social REGULAMENTO 10º Prêmio de Responsabilidade Social I DA INSTITUIÇÃO DA PREMIAÇÃO II DAS CATEGORIAS III DAS INSCRIÇÕES IV DOS PROJETOS V DO JULGAMENTO VI DAS DATAS VII DA COORDENAÇÃO I DA INSTITUIÇÃO DA

Leia mais

FACULDADE ERNESTO RISCALI REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DE LETRAS

FACULDADE ERNESTO RISCALI REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DE LETRAS FACULDADE ERNESTO RISCALI REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DE LETRAS OLÍMPIA 2014 1 REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LETRAS REGULAMENTO GERAL TÍTULO DO ESTÁGIO E SEUS FINS Artigo

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DO TRIÂNGULO MINEIRO

FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DO TRIÂNGULO MINEIRO FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DO TRIÂNGULO MINEIRO MANUAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 7º e 8º Períodos de Administração - Responsável: Prof. Edileuza Pereira Silva UBERABA - MG 2014 2 SUMÁRIO 1. Apresentação...

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING (Extrato do Projeto Pedagógico)

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING (Extrato do Projeto Pedagógico) CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING (Extrato do Projeto Pedagógico) PERFIL PROFISSIONAL DO EGRESSO São habilidades e competências gerais trabalhadas no projeto pedagógico: Visão Holística e Cultural:

Leia mais

REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA

REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA CampusdeIlhaSolteira Licenciatura em Física 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE ENGENHARIA DO CAMPUS DE ILHA SOLTEIRA REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais

Leia mais

CURSO: EDUCAR PARA TRANSFORMAR. Fundação Carmelitana Mário Palmério Faculdade de Ciências Humanas e Sociais

CURSO: EDUCAR PARA TRANSFORMAR. Fundação Carmelitana Mário Palmério Faculdade de Ciências Humanas e Sociais Fundação Carmelitana Mário Palmério Faculdade de Ciências Humanas e Sociais Educação de Qualidade ao seu alcance EDUCAR PARA TRANSFORMAR O CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO: LICENCIATURA

Leia mais

MANUAL DO PROJETO INTEGRADOR DE CONTEÚDO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL DA FATEC-INDAIATUBA.

MANUAL DO PROJETO INTEGRADOR DE CONTEÚDO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL DA FATEC-INDAIATUBA. 1 MANUAL DO PROJETO INTEGRADOR DE CONTEÚDO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL DA FATEC-INDAIATUBA. Manual elaborado pelo Coordenador de Curso Indaiatuba/SP Fevereiro/2016 2 S U M Á R

Leia mais

EDITAL Nº 01 DDG/CGPROG/2013

EDITAL Nº 01 DDG/CGPROG/2013 PROCESSO SELETIVO DE SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS PARA CADASTRO DE INSTRUTORES PARA OS CURSOS ANÁLISE E MELHORIA DE PROCESSOS E MÓDULO 3 GESTÃO DE PROCESSOS (PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE GERENTES OPERACIONAIS

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das

Leia mais

ANEXO REGULAMENTO INTERNO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE FISIOTERAPIA DA FACULDADE DE APUCARANA - FAP

ANEXO REGULAMENTO INTERNO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE FISIOTERAPIA DA FACULDADE DE APUCARANA - FAP ANEXO REGULAMENTO INTERNO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE FISIOTERAPIA DA FACULDADE DE APUCARANA - FAP RESOLUÇÃO Nº 03, DE 27 DE JULHO DE 2004. Baixa o Regulamento do Trabalho de Conclusão do Curso

Leia mais

MBA em Gestão do Entretenimento

MBA em Gestão do Entretenimento MBA em Gestão do Entertainment Business Management Público - alvo Indicado para profissionais e empreendedores que necessitam de habilidades e ferramentas para a atuação no setor de gestão, nas áreas do

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 04/00 - CEPE

RESOLUÇÃO Nº 04/00 - CEPE RESOLUÇÃO Nº 04/00 - CEPE Fixa o Currículo Pleno do Curso de Comunicação Social, Habilitações em Jornalismo, Relações Públicas e Publicidade e Propaganda, do Setor de Ciências Humanas, Letras e Artes.

Leia mais

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade)

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade) Escola Secundária da Ramada Plano Plurianual de Atividades Pro Qualitate (Pela Qualidade) 2014 A Escola está ao serviço de um Projeto de aprendizagem (Nóvoa, 2006). ii ÍNDICE GERAL Pág. Introdução 1 Dimensões

Leia mais

MBA em Design Estratégico

MBA em Design Estratégico Design Estratégico MBA em Design Estratégico Aula Inaugural - 29 de abril de 2015 Aulas as terças e quintas, das 7h às 9h30 Valor do curso: R$ 21.600,00 À vista com desconto: R$ 20.520,00 Consultar planos

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 432 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais